Você está na página 1de 7
TERMORESISTÊNCIA GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES “A” e “B” DEFINIÇÃO DE
TERMORESISTÊNCIA GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES “A” e “B” DEFINIÇÃO DE
TERMORESISTÊNCIA
GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS
NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES “A” e “B”
DEFINIÇÃO DE TERMORESISTÊNCIA
TOLERÂNCIA ºC
3,4
TERMORESISTÊNCIA
CLASSE “B”
3,2
3,0
2,8
2,6
2,4
2,2
2,0
1,8
1,6
1,4
TERMO
RESISTÊNCIA
CLASSE “A”
1,2
1,0
0,8
0,6
0,4
0,2
-200
-100
0,0
100
200
300
400
500
600
Ou termômetros de resistência são sensores de
alta precisão e excelente repetibilidade de leitura.
O seu funcionamento se baseia na variação da
resistência ôhmica em função da temperatura.
Seu elemento sensor na maioria das vezes é feito
de platina com o mais alto grau de pureza e
encapsulado em bulbos de cerâmica ou vidro.
As termoresistências por apresentarem excelentes
características, se tornaram um dos sensores de
medição de temperatura mais utilizados nos
processos industriais. Por suas condições de alta
estabilidade e de sua resistência à contaminação,
pequeno drift em relação ao tempo, menor
influência de ruídos e ainda altissima precisão, é
um dos principais padrões para laboratórios de
calibração. Foi adotada como padrão internacional
para medição de temperatura na faixa de:
TEMPERATURA
-259,3467 a 961,78ºC - segundo a ITS-90.
pote terceiro fio resina tubo protetor isolador cerâmico óxido de magnésio bulbo de resistência rabicho
pote
terceiro fio
resina
tubo protetor
isolador cerâmico
óxido de magnésio
bulbo de resistência
rabicho
solda do
rabicho
pote
resina
capsula
cabo de isolação mineral
solda
terceiro fio
óxido de magnésio
bulbo de resistência
rabicho
solda do
rabicho

TIPOS DE MONTAGEM

Na montagem convencional em tubos metálicos normalmente com Ø 4/ 4,7/ 6/ 8/ 10mm com uma extremidade fechada é colocado o bulbo com os fios de cobre, prata ou níquel soldados ou isolados entre si e da bainha com isoladores térmicos. Todos os espaços devem ser preenchidos com óxido de magnésio para permitir boa troca térmica

e ainda proteger o sensor contra choques mecânicos.

A extremidade aberta do tubo deve ser selada com

resina epoxi para evitar ataques ambientais ao sensor

Ns montagem isolação mineral, o bulbo sensor é colocado em uma capsula de material metálico com uma extremidade fechada e os espaços preenchidos com óxido de magnésio. Em seguida os fios são soldados aos condutores de níquel que formam um

cabo de isolação e posteriormente à capsula soldada

à bainha. Esse tipo de montagem apresenta rápida

velocidade de resposta e dá maior flexibilidade, permitindo dobras e curvas que antes eram impossíveis além de não limitar o comprimento do sensor.

TERMORESISTÊNCIA PRINCÍPIO DE MEDIÇÃO COM 2, 3 FIOS R3 As termoresistências são ligadas a um
TERMORESISTÊNCIA PRINCÍPIO DE MEDIÇÃO COM 2, 3 FIOS R3 As termoresistências são ligadas a um
TERMORESISTÊNCIA
PRINCÍPIO DE MEDIÇÃO COM 2, 3 FIOS
R3
As termoresistências são ligadas a um
R4
circuito de medição tipo Ponte Wheatstone
O
princípio é muito usado em laboratórios
e
em alguns sistemas industriais, devido
1
2
a
sua alta precisão. O circuito encontra-se
R1
R2
PONTE DE WHEATSTONE
balanceado ou em equlíbrio quando
apresentar uma relação de resistência
R1 . R3= R2 . R4 e desta forma não circular
corrente pelo galvanômetro, pois os
potenciais nos pontos 1 e 2 são idênticos.
LIGAÇÃO A 2 FIOS Nesta montagem, R4 é a termoresistência RL1 R3 e R4 R3
LIGAÇÃO A 2 FIOS
Nesta montagem, R4 é a termoresistência
RL1
R3
e
R4
R3 é a resistência variável para o
balanceamento do circuito.
RL2
As resistências indicadas com RL1 e RL2 são
as resistências da fiação e ambas estão em
série com R4.
R1
A
resistência da fiação tende a aumentar
R2
quanto maior for a distância entre o sensor
e
o instrumento, quanto menor a bitola do
LIGAÇÃO A 2 FIOS
fio ou quanto maior a temperatura ambiente
LIGAÇÃO A 3 FIOS
RL3
É
o metodo mais utilizado nas indústrias,
RL1
R3
por conseguir compensar a resistência de
R4
linha e ainda pela grande disponibilidade
de opções para instrumentos que recebem
RL2
o
terceiro fio.
R1
R2
LIGAÇÃO A 3 FIOS
Neste circuito a bateria é conectada no
ponto físico mais próximo possivel do
sensor, permitindo que RL1 passe para o
outro braço da ponte, balanceando o
circuito.

TERMORESISTÊNCIAS

TERMORESISTÊNCIAS Série TR-3010 Série TR-3020 Série TR-3030 Série TR-3040 Série TR-3050 1 2 3 4 5
Série TR-3010 Série TR-3020 Série TR-3030 Série TR-3040 Série TR-3050
Série TR-3010
Série TR-3020
Série TR-3030
Série TR-3040
Série TR-3050
1 2 3 4 5 6 7 8 série característica tipo de diâmetro material pote
1
2 3
4
5 6
7 8
série
característica
tipo de
diâmetro
material
pote de
material
conexão ao
do sensor
ligação
da bainha
da bainha
adaptação
do pote
processo
Especificar
conforme número
da série
1- PT-100/ A
Vidro
2- PT-100/ A
Cerâmica
3- PT-100/ B
Vidro
4- PT-100/ B
Cerâmica
5- NI-100/ Vidro/
Cerâmica sob
consulta
6- Premax
sob consulta
Acrescentar “D”
se for duplo
2- Ligação a
30- 3,0mm
304- Inox 304
2
fios
47- 4,7mm
3- Ligação a
60- 6,0mm
316- Inox 316
111- Outros
3
fios
80- 8,0mm
4- Ligação a
111- Outros
303- Inox 303
304- Inox 304
316- Inox 316
500- Latão
111- Outros
4
fios
000- Sem pote
PL1- Pote liso
Sem tampa,
Pote rosqueado
especificar rosca
ao cabeçote e
processo no
campo 9.
000- S/ conexão
BA- Bucim
Ajustável
BR- Bucim
Reajustável
RF- Rosca fixa
PR- Pote
Sextavado
com rosca dupla
ao cabeçote e
processo.
9 10
11
12 13
14 15
16
conexão ao
material da
dimensão
isolação do
terminal
casos
processo
conexão
“U”
rabicho “R”
comprimento
do rabicho “R”
de ligação
especiais
comp.termopar
“U” ou “L”
000- Sem rosca
12N- 1/2”NPT
14N- 1/4”NPT
18N- 1/8”NPT
34N- 3/4”NPT
38N- 3/8”NPT
111- Outros ou
opcional rosca
BSP
303- Inox 303
304- Inox 304
316- Inox 316
500- Latão
111- Outros
Especificar em
1- PVC/ PVC
Especificar
000- S/ Terminal
CM- Conector
macho
CF- Conector
Femea
MM- Mini conector
macho
MF- Mini conector
fêmea
TA- Terminal tipo
agulha (padrão)
TO- Terminal tipo
olhal
TF- Terminal tipo
forquilha
Para casos
Especificar em
mm
2- Silicone/
Silicone
3- Teflon/ Teflon
4- Fibra/ Fibra
com trança cobre
estanhado
5- Fibra/ fibra
com trança em
aço inox
6- Fibra/ Fibra
em mm
especiais enviar
(mm).
F- Flexível
desenhos com
R- Rígido
as devidas
alterações

EXEMPLO PARA CODIFICAÇÃO:

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

TR 305

4

3

60

304

12N

304

RF

12N

304

500

1

F 1000

TA

TR 305 4 3 60 304 12N 304 RF 12N 304 500 1 F 1000 TA
TR 305 4 3 60 304 12N 304 RF 12N 304 500 1 F 1000 TA

TR 305 TERMORESISTÊNCIA PT-100,CLASSE B, BULBO CERÂMICO, LIGAÇÃO 3 FIOS, BAINHAØ 6mm INOX 304 ROSCA AO CABEÇOTE 1/2”NPT, ROSCA AO PROCESSO 1/2”NPT INOX 304mm, DIM “U” 500mm, RABICHO PVC FLEXÍVEL 1000mm COMPRIMENTO, TERMINAL DE LIGAÇÃO TIPOAGULHA

TERMORESISTÊNCIAS Série TR-3060 Série TR-3070 1 2 3 4 5 6 7 8 série característica

TERMORESISTÊNCIAS

Série TR-3060 Série TR-3070
Série TR-3060
Série TR-3070
1 2 3 4 5 6 7 8 série característica tipo de diâmetro material conector
1
2 3
4
5 6
7 8
série
característica
tipo de
diâmetro
material
conector
conexão ao
material da
do sensor
ligação
da bainha
da bainha
processo
conexão
Especificar
1- PT-100/ A
Vidro
2- PT-100/ A
Cerâmica
3- PT-100/ B
Vidro
4- PT-100/ B
Cerâmica
5- NI-100/ Vidro/
Cerâmica sob
consulta
6- Premax
sob consulta
Acrescentar “D”
se for duplo
2- Ligação a
30- 3,0mm
304- Inox 304
CM- Conector
conforme número
2
fios
47- 4,7mm
Macho
da série
3- Ligação a
60- 6,0mm
316- Inox 316
111- Outros
MM- Mini
3
fios
80- 8,0mm
Conector
111- Outros
Macho
000- S/ conexão
BA- Bucim
Ajustável
BR- Bucim
Reajustável
303- Inox 303
304- Inox 304
316- Inox 316
500- Latão
111- Outros
CF- Conector
Fêmea
MF- Mini
Conector
Fêmea
CMF- Conector
Macho Fêmea
MMF- Mini
Conector
Macho Fêmea.
9 10
11
12 13
14 15
16
conexão ao
dimensão
casos
isolação do
processo
“U”
comprimento
do rabicho “R”
terminal
casos
especiais
rabicho “R”
de ligação
especiais
comp.termopar
“U” ou “L”
000- Sem rosca
12N- 1/2”NPT
14N- 1/4”NPT
18N- 1/8”NPT
34N- 3/4”NPT
38N- 3/8”NPT
111- Outros ou
opcional rosca
BSP
Especificar em
Para casos
1- PVC/ PVC
Especificar
Para casos
Especificar em
mm
especiais enviar
2- Silicone/
Silicone
3- Teflon/ Teflon
4- Fibra/ Fibra
com trança cobre
estanhado
5- Fibra/ fibra
com trança em
aço inox
6- Fibra/ Fibra
em mm
especiais enviar
(mm).
desenhos com
F- Flexível
as devidas
R- Rígido
000- S/ Terminal
CM- Conector
macho
CF- Conector
Femea
MM- Mini conector
macho
MF- Mini conector
femea
TA- Terminal tipo
agulha (padrão)
TO- Terminal tipo
olhal
TF- Terminal tipo
forquilha
desenhos com
as devidas
alterações
alterações
TERMORESISTÊNCIAS Série TR-3100 Série TR-3110 1 2 3 4 5 6 7 8 série característica

TERMORESISTÊNCIAS

Série TR-3100 Série TR-3110
Série TR-3100
Série TR-3110
1 2 3 4 5 6 7 8 série característica tipo de diâmetro material cabeçote
1
2 3
4
5 6
7 8
série
característica
tipo de
diâmetro
material
cabeçote
bloco de
conexão ao
do sensor
ligação
da bainha
da bainha
ligação
conduite
Especificar
1- PT-100/ A
Vidro
2- PT-100/ A
Cerâmica
3- PT-100/ B
Vidro
4- PT-100/ B
Cerâmica
5- NI-100/ Vidro/
Cerâmica sob
consulta
6- Premax
sob consulta
Acrescentar “D”
se for duplo
2- Ligação a
30- 3,0mm
304- Inox 304
000- S/ cabeçote
Especificar
Especificar
conforme número
2
fios
47- 4,7mm
KSC-
acessórios e
conforme
da série
3- Ligação a
60- 6,0mm
316- Inox 316
111- Outros
KNC-
acrescentar
conduites
3
fios
80- 8,0mm
EXD-
sem mola ou
4- Ligação a
111- Outros
KM-
com mola
4
fios
KMM-
9 10
11
12 13
14
15 16
conexão ao
material da
rosca ao
casos
terminal
casos
processo
conexão
processo
dimensão
“U” ou “L”
especiais
de ligação
especiais
comp.termopar
“U” ou “L”
000- S/ conexão
BA- Bucim
Ajustável
BR- Bucim
Reajustável
PR- Pote
sextavado com
rosca dupla ao
cabeçote e
processo
Inox
000- Sem rosca
12N- 1/2”NPT
14N- 1/4”NPT
18N- 1/8”NPT
34N- 3/4”NPT
38N- 3/8”NPT
111- Outros ou
opcional rosca
BSP
Especificar em
Para casos
000- S/ Terminal
Para casos
Especificar em
111- Outros
mm
especiais enviar
CM- Conector
macho
CF- Conector
Femea
MM- Mini conector
macho
MF- Mini conector
femea
TA- Terminal tipo
agulha (padrão)
TO- Terminal tipo
olhal
TF- Terminal tipo
forquilha
especiais enviar
(mm).
desenhos com
desenhos com
as devidas
as devidas
alterações
alterações
TERMORESISTÊNCIAS Série TR-31200 Série TR-3130 00Série TR-3140 Série00 TR-3150 Série90000TR-3160 Série

TERMORESISTÊNCIAS

Série TR-31200 Série TR-3130 00Série TR-3140 Série00 TR-3150 Série90000TR-3160 Série TR-3170900000
Série TR-31200
Série TR-3130 00Série TR-3140
Série00
TR-3150
Série90000TR-3160
Série TR-3170900000
1 2 3 4 5 6 7 8 série característica tipo de diâmetro material cabeçote
1
2 3
4
5 6
7 8
série
característica
tipo de
diâmetro
material
cabeçote
conexão ao
do sensor
ligação
da bainha
da bainha
conduite
material do
niple e união
Especificar
1- PT-100/ A
Vidro
2- PT-100/ A
Cerâmica
3- PT-100/ B
Vidro
4- PT-100/ B
Cerâmica
5- NI-100/ Vidro/
Cerâmica sob
consulta
6- Premax
sob consulta
Acrescentar “D”
se for duplo
2- Ligação a
30- 3,0mm
304- Inox 304
000- S/ cabeçote
Especificar
300- Aço carbono
conforme número
2
fios
47- 4,7mm
KSC-
conforme
304- Inox 304
da série
3- Ligação a
60- 6,0mm
316- Inox 316
111- Outros
KNC-
conduites
316- Inox 316
3
fios
80- 8,0mm
EXD-
4- Ligação a
111- Outros
KM-
4
fios
KMM-
9 10
11
12 13
14 15
16
diametro
comprimento
poço
opcionais
casos
terminal
casos
do niple
extensão “N”
termométrico
especiais
de ligação
especiais
comp.termopar
“U” ou “L”
12N- 1/2”NPT
Padrão 100,0mm
1- Fornecimento
Para casos
Para casos
Especificar em
(padrão)
ou especificar
com poço
US- Unidade
seladora para
cabeçote à prova
de tempo
e/ ou explosão
especiais enviar
000- S/ Terminal
CM- Conector
macho
CF- Conector
Femea
MM- Mini conector
macho
MF- Mini conector
femea
TA- Terminal tipo
agulha (padrão)
TO- Terminal tipo
olhal
TF- Terminal tipo
forquilha
especiais enviar
(mm).
34N- 3/4”NPT
em mm
Especificar
desenhos com
desenhos com
10N- 1”NPT
poço
as devidas
as devidas
(opcional)
2- Fornecimento
alterações
alterações
sem poço
Especificar a
dimensão “L”
TERMORESISTÊNCIAS Série TR-31800 Série TR-3190 00Série TR-3200 Série00 TR-3210 Série 90TR-3220000 Série

TERMORESISTÊNCIAS

Série TR-31800 Série TR-3190 00Série TR-3200 Série00 TR-3210 Série 90TR-3220000 Série TR-3230900000
Série TR-31800
Série TR-3190 00Série TR-3200
Série00
TR-3210
Série 90TR-3220000
Série TR-3230900000
1 2 3 4 5 6 7 8 série característica tipo de diâmetro material cabeçote
1
2 3
4
5 6
7 8
série
característica
tipo de
diâmetro
material
cabeçote
conexão ao
do sensor
ligação
da bainha
da bainha
conduite
material do
niple e união
Especificar
1- PT-100/ A
Vidro
2- PT-100/ A
Cerâmica
3- PT-100/ B
Vidro
4- PT-100/ B
Cerâmica
5- NI-100/ Vidro/
Cerâmica sob
consulta
6- Premax
sob consulta
Acrescentar “D”
se for duplo
2- Ligação a
30- 3,0mm
304- Inox 304
000- S/ cabeçote
Especificar
300- Aço carbono
conforme número
2
fios
47- 4,7mm
KSC-
conforme
304- Inox 304
da série
3- Ligação a
60- 6,0mm
316- Inox 316
111- Outros
KNC-
conduites
316- Inox 316
3
fios
80- 8,0mm
EXD-
4- Ligação a
111- Outros
KM-
4
fios
KMM-
9 10
11
12 13
14 15
16
diametro
comprimento
poço
opcionais
casos
terminal
casos
do niple
extensão “N”
termométrico
especiais
de ligação
especiais
comp.termopar
“U” ou “L”
12N- 1/2”NPT
Padrão 100,0mm
Especificar
Para casos
Para casos
Especificar em
(padrão)
ou especificar
conforme
especiais enviar
especiais enviar
(mm).
34N- 3/4”NPT
em mm
poços
US- Unidade
seladora para
cabeçote à prova
desenhos com
desenhos com
10N- 1”NPT
as devidas
as devidas
(opcionais))
de tempo
e/ ou explosão
alterações
000- S/ Terminal
CM- Conector
macho
CF- Conector
Femea
MM- Mini conector
macho
MF- Mini conector
femea
TA- Terminal tipo
agulha (padrão)
TO- Terminal tipo
olhal
TF- Terminal tipo
forquilha
alterações