Você está na página 1de 49

Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Centro de Educação e Humanidades


Faculdade de Formação de Professores
Departamento de Geografia

Luciano Dalcol Rodrigues Viana

Novas perspectivas sobre o Movimento Migratório:


O Lugar do Migrante Brasileiro no Arizona, EUA

São Gonçalo, RJ
2009
2

CATALOGAÇÃO NA FONTE
UERJ/REDE SIRIUS/CEH/D

M614 Viana, Luciano Dalcol Rodrigues


Novas perspectivas sobre o movimento migratório : o lugar do migrante
brasileiro no Arizona, EUA / Luciano Dalcol Rodrigues Viana. – 2009.
50 f.

Orientador : Eduardo Karol.


Monografia (Licenciatura em Geografia) - Universidade do Estado do Rio
de Janeiro, Faculdade de Formação de Professores.

1. Migração - Estados Unidos. 2. Imigrantes -- Estados Unidos -- Historia.


I. Karol, Eduardo. II. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de
Formação de Professores, Departamento de Geografia.

CDU 325(73)
3

Novas perspectivas sobre o Movimento Migratório:


O Lugar do Migrante Brasileiro no Arizona, EUA

Monografia apresentada, como requisito final


para a obtenção do título de Graduação, no
Curso de Licenciatura Plena em Geografia da
Faculdade de Formação de Professores da
Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Banca Examinadora:

____________________________________________________
Prof. MsC. Eduardo Karol (Orientador)

____________________________________________________
Prof. Dr. Andrelino Campos (Orientador)

____________________________________________________
Prof. Dr. Helion Póvoa Neto
Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da UFRJ

____________________________________________________
Prof. Dr. Renato Emerson Nascimento dos Santos
Faculdade de Formação de Professores da UERJ

São Gonçalo, RJ
2009
4

DEDICATÓRIA

À Deus, que me levou por todos os caminhos,


À minha família, pelo suporte incondicional,
Aos Shankool1, pelo exemplo de vida,
Aos meus mestres, pelo exemplo de dedicação à ciência.

1
A família Shankool foi responsável por me proporcionar emprego, casa e uma nova família enquanto
permaneci nos EUA, entre 2003 e 2006.
5

Solo voy con mi pena


Sola va mi condena
Correr es mi destino
Para burlar la ley
Perdido en el corazón
De la grande babylon
Me dicen el clandestino
Por no llevar papel

Pa´una ciudad del norte


Yo me fui a trabajar
Mi vida la deje entre
Ceuta y Gibraltar
Soy una raya en el mar
Fantasma en la ciudad
Mi vida va prohibida
Dice la autoridad

Solo voy con mi pena


Sola va mi condena
Correr es mi destino
Por no llevar papel
Perdido en el corazón
De la grande babylon
Me dicen el clandestino
Yo soy el que quiebra ley.

Mano Negra clandestina


Peruano clandestino
Africano clandestino
Marijuana ilegal

Solo voy con mi pena


Sola va mi condena
Correr es mi destino
Para burlar la ley
Perdido en el corazón
De la grande babylon
Me dicen el clandestino
Por no llevar papel

Argelino clandestino
Nigeriano clandestino
Boliviano clandestino
Mano Negra ilegal

Manu Chao – Clandestino


6

Lista de Abreviações e Siglas

ASU Arizona State University.


BAR Bureau of Attorneys Association.
FBI Federal Bureau of Investigation.
HB Tipo de visto de trabalho “Home-Business”.
ICE Immigration and Customs Enforcement.
NAU Nothern Arizona University.
USCIS United States Customs and Immigration Service.
7

SUMÁRIO

Resumo............................................................................................................ 07
Abstract.......................................................................................................... 08
Introdução ...................................................................................................... 09
1 A MIGRAÇÃO E O LUGAR........................................................................ 11
1.1 Movimentos migratórios: concepções clássicas e novas visões ........... 11
1.2 O território e o lugar: categorias que impulsionam outra discussão... 14
1.3 A identidade e a modernidade................................................................ 16
1.4 O lugar do migrante............................................................................... 18
2 LÁ VISTO DAQUI ........................................................................................ 21
2.1 A construção do ideário de ida: como se vê o mundo de lá ................ 21
2.2 As redes antes da partida ...................................................................... 22
2.3 As esperanças que se encontram lá ..................................................... 24
2.4 O lugar de lá e melhor que o lugar d’aqui .......................................... 26
3 LÁ VISTO DE LÁ.......................................................................................... 28
3.1 Chegando lá: moradia, emprego e rede social imediata ..................... 28
3.2 Novos relacionamentos: brasileiros, hispânicos e americanos .......... 30
3.3 O sonho brasileiro no Arizona ............................................................. 33
3.4 Lá como um novo lugar ....................................................................... 34
Considerações Finais ..................................................................................... 37
Referências Bibliográficas ............................................................................ 41
Anexo .............................................................................................................. 43
8

RESUMO

Os movimentos migratórios analisados conforme o pensamento clássico deixam à


margem realidades muito mais interessantes do que a grandiosidade do fenômeno pode
prover ao pesquisador. Com o intuito de ter uma nova visão sobre a problemática, busca-se a
compreensão do movimento através do conceito de Lugar na Geografia, e com este, o Lugar
do Migrante. Como o movimento incide uma partida e uma chegada, analisa-se o Lugar de
Origem do Migrante, onde está a determinação de migrar, e o Lugar de Destino do Migrante,
onde o sonho de um outro espaço melhor que a Origem se encontra. Neste trabalho, organiza-
se no primeiro capítulo, a discussão teórica do que é este Lugar para o Migrante, e a
visualização de uma nova forma de abordar o movimento migratório. No capítulo seguinte,
trabalha-se como a construção do Lugar de Origem leva o migrante a buscar uma realidade
diferente da vivida, uma espacialidade que represente os sonhos de uma melhoria da
qualidade de vida. Ainda nesta seara, o último capítulo faz uma releitura do que pode ser
encontrado e do que é encontrado num outro Lugar. Neste trabalho, buscamos a percepção de
tais movimentos pela exemplificação dos brasileiros residentes ou ex-residentes dentro do
Estado do Arizona, EUA. A pesquisa fora feita através de correio eletrônico (em anexo) e
baseado em uma gama de autores de variadas áreas das ciências sociais, principalmente da
Geografia.

Palavras-chave: Migração, Lugar, Brasileiros, Arizona.


9

ABSTRACT

The studies in migration movements that follow strictly the classic authors leave apart
much more interesting realities than the greatness of the phenomenon could give to the
researcher. Intending to develop a new concept to the problem, we want to comprehend the
movement through the Geographical concept of Place, and with it, the Place of the Migrant.
As the movement establishes a beginning and an end, we’ll analyze the Origin Place of the
Migrant, where the wandering to migrate is, and the Destiny Place of the Migrant, where the
dream of a better place is located. In this present paper, we organized in the first chapter the
discussion of theory of what is this Place for the Migrant and the sight of a new way to
discuss migration. On the next chapter, we develop the idea of the construction of the Origin
Place that takes the Migrant to look forward a new reality, differently from that lived by the
Migrant, in a space that could represent the dreams of a better life. On the last chapter, we
reread on what can be found and what is found in this another Place. In this paper, we’ll be
trying to perceive of these movements through the exemplification of resident and/or ex-
resident Brazilians within the State of Arizona, USA. The research was taken through
electronic mail (attached) and based in a large range of authors from different areas of the
Social Sciences, mainly from Geography.

Keywords: Migration, Place, Brazilians, Arizona.


10

INTRODUÇÃO

O estudo da Geografia das Populações é intrigante. Os movimentos de massa,


principalmente quando se pode analisar um ponto ainda em formação, são um processo que
aponta para o futuro, como o desabrochar de uma flor. Mais interessante ainda, é quando esse
estudo pode ser feito com a experiência pessoal do pesquisador, que viveu e conviveu com os
indivíduos pesquisados, compreendendo suas alegrias e frustrações. Uma análise detalhada
das proposições clássicas do tema, no entanto, revelou-se distante demais desse processo
social, que é muito rico e pouco discutido na Geografia.
Se, portanto, a teoria clássica se afasta por demais do migrante, do sujeito/indivíduo
espaço-temporal; é necessário propor uma nova perspectiva desta temática, uma nova visão,
novas formas de pensar os movimentos migratórios e uma releitura dos agentes destes
movimentos e da dinâmica espacial na qual estes se inserem.
Uma luz se acende em como compreender tal relacionamento, e assim, faz-se
necessário estabelecer um antes e um depois, um momento/espaço de origem, onde
esperanças são depositadas num futuro promissor, em uma verdade que se crê. Este antes é
construído na mente do migrante desde o momento onde o migrar se torna opção, ao
momento onde migrar é a solução e em um segundo momento, onde a chegada determina a
realidade do movimento migratório, com as suas imperfeições e suas dinâmicas excludentes.
A verdade que se vê é complexa e a marginalização daquele que chega é capaz de
permitir uma realização social perversa: aproveita-se da sua vontade de inserção, para criar
uma lógica de subordinação excludente.
No entanto, o migrante traz de um mundo diferente do que vivemos a semente da
esperança. Não é um amanhã imediato, nem um paraíso na terra, mas uma proposta de ver o
mundo com outros olhos, mais claros, menos habituados a rotina de um novo Lugar, e com
esses olhos, ver que a mudança é exeqüível e que uma outra construção é possível.
Aqui, trabalhou-se sob uma pesquisa bibliográfica extenuante, em busca de dados que
pudessem se aproximar de algum número, algum quantitativo. O próprio Ministério das
Relações Exteriores do Brasil reconhece a imprecisão dos números e o Departamento de
Pesquisas Populacionais do Censo dos Estados Unidos também alega que os migrantes -
principalmente os que se encontram em situação ilegal - não respondem ou respondem
11

incorretamente as pesquisas populacionais nos EUA. Independente dos números, o foco deste
presente trabalho é a discussão teórica acerca do tema, em principal nas terminologias
utilizadas.
Sendo assim, divide-se esta monografia em três capítulos principais. O primeiro tem
como objetivo a discussão geográfica das categorias a serem utilizadas. A opção do uso do
termo Lugar em detrimento do termo Território tem seu motivo, que é a busca da
compreensão de um movimento humanista realizado por indivíduos e não por “invasores”,
como a imprensa sensacionalista americana geralmente retrata a questão migratória. Ressalta-
se que a utilização da expressão “novo Lugar” presente em quase todo este trabalho tem
significado literal, sem objetivar outras discussões. Concordante com essa temática,
trabalhar-se-á com a terminologia “migrante” em prol da observação do sujeito que migra,
em prol dos tradicionais termos “emigrante” e “imigrante”. Tal escolha será justificada
adiante.
A observação de tais fenômenos será compreendida pela espacialização de migrantes
brasileiros no estado do Arizona, sudoeste americano. Este recorte espacial segue o princípio
que o autor deste trabalho conviveu naquele lugar entre os anos de 2003 e 2006, mantendo
ainda hoje certa rede de contatos pelos quais a pesquisa empírica aqui se inicia, mas não se
esgota. A Internet funciona como um modo de ativar essa rede nesse momento de pesquisa, e
através de emails, foram coletados alguns depoimentos com propósito de ilustrar algumas
proposições levantadas.
Seguindo esta lógica, o relacionamento da Origem e do Destino do migrante, fica
entendido não somente como uma rede social de transposição de territórios, mas numa
perspectiva de Lugar. Como este Lugar de Origem pode ser o motor do movimento, ao criar
no migrante a esperança de um novo Lugar, um Lá onde as expectativas de melhoria de vida
se concretizariam.
E por terminar, o terceiro capítulo trata da chegada do migrante neste novo Lugar e
como a desconstrução de ilusões se abate sobre este. Desde a adaptação à nova realidade até a
discriminação, o Lugar de Destino torna-se um Lugar diferente daquele esperado e, por
conseqüência, necessita ser tratado, trabalhado, refeito e com a reconstrução do ideário, fazer
renascer as esperanças de uma melhoria de vida.
Este presente trabalho é uma busca da compreensão da verdade pela verdade, sem
apelos. A descoberta de um novo espaço permite o vislumbre de um novo mundo, do mundo
que queremos.
12

Capítulo 1: A MIGRAÇÃO E O LUGAR

1.1 Movimentos Migratórios: Concepções Clássicas e Novas Visões

A percepção da formação de colônias de estrangeiros nos países de destino intriga


geógrafos, assim como cientistas sociais diversos. De fato, a experiência de vida mostra que
esta organização em comunidade no estrangeiro nem sempre é clara, sendo até mesmo
inexistente para grande parte dos não-nacionais em outro país. A formação de grupos sociais,
quando acontecem, tem um objetivo bem específico, geralmente religioso, cultural ou
econômico. Sendo assim, compreender geograficamente o migrante no estrangeiro, deste
ponto da problemática, é buscar compreender seu lugar no estrangeiro.
Neste capítulo, será feita a reconstrução das posições defendidas nos estudos
migratórios, além de estabelecer-se o conflito entre o paradigma instaurado no senso
economicista do movimento, em vias de um outro, de cunho social. Neste sentido, é
necessário compreender a categoria Lugar nos estudos geográficos e como a transformação
deste componente geográfico se daria na experiência migrante. E ainda, entender que o
Lugar, como sendo o lócus de identificação do indivíduo, poderia ter algum papel na
transformação da rede social migrante no exterior.
Os estudos clássicos dentro da teoria dos Movimentos Migratórios caminham sob
uma ótica de movimentos impulsionados por fatores – do Lugar de Origem – atraídos por
outros fatores – no Lugar de Destino. Tais acepções foram resumidas por JOHNSTON,
GREGORY & SMITH2, que afirmam que, dentre os fatores mais marcantes, destaca-se: o
movimento (permanente ou semi-permanente) de mudança de residência de um indivíduo ou
grupo de pessoas, uma linha (fronteira, borda ou limite político) a ser cruzada e certo corte
temporal, no qual, aquela linha seja ultrapassada para o estabelecimento de uma nova área de
residência. A escala de análise também deve ser considerada como fator de interpretação do
movimento. Outros fatores incluem também distância, forma decisória, organização social
dos migrantes, organização política, causa e objetivos.

2
JOHNSTON, R. J.; GREGORY, D.; SMITH, D. M. (org.) The Dictionary of Human Geography. Cambridge,
Massachussets, EUA: Blackwell Publishers, 3rd ed., 1994. Verbete: Migration.
13

PÓVOA NETO3 ao utilizar-se das definições aplicadas pela ONU para o movimento
destaca, além dos fatores acima citados, quesitos diretamente relacionados ao fenômeno,
caracterizando não como uma decisão do indivíduo, mas uma estruturação social: um
paradigma que pode ser conscrito socialmente.
Nas estruturas do pensamento do movimento migratório, um dos primeiros autores a
organizar os fatores do mesmo foi E. G. Ravenstein, no final do século XIX. O autor
formulou aquilo que denominou “leis da migração”, nas quais, subseqüentemente, muitos
trabalhos foram baseados4. As leis de Ravenstein estabeleciam que a maioria dos migrantes
só vão a distâncias curtas, passo a passo; migrantes que se deslocam por longas distâncias dão
preferências a grandes centros comerciais ou industriais, e que, cada corrente migratória
produz uma contracorrente compensatória; habitantes urbanos são menos propensos a
migração do que aqueles do meio rural; mulheres seriam mais propensas a migração dentro
do território de seu país, enquanto homens o fazem mais freqüentemente para fora de seu
país; muitos migrantes são adultos e famílias muito dificilmente migram para fora do seu
país; as grandes cidades crescem, mais por conta de movimentos migratórios, do que pelo seu
crescimento natural. Afirma Ravenstein, ainda: a migração cresce em volume tanto quanto o
desenvolvimento da indústria, do comércio e dos transportes, e o movimento é maior em
áreas rurais do que em centros de indústria e comércio, e, o que se destaca como mais
considerável nessas leis, é que a maior parte dos movimentos migratórios é gerada por
situações econômicas interessantes.
Compreendida a temporalidade de Ravenstein, percebemos uma visão um tanto
economicista do movimento migratório, onde as interpretações clássicas do movimento se
baseiam em critérios econômicos e nas motivações atreladas a estes critérios. Leis gerais
seriam formadas para explicar fenômenos gerais dos movimentos migratórios sem
especificidade. Tais generalizações provocaram acertos em massa para tratamentos em geral
de situações migrantes, que de certo, obtiveram relacionamentos diferenciados – relativos ao
tempo e ao espaço que ocuparam/migraram – onde os resultados foram variados para grupos
nacionais distintos em um mesmo país.
Acreditou-se, por algum período, em um tipo ideal de imigrante, em volta aceitável,
oras tolerável, até ao repugnante. Tais pensamentos e tratamentos caracterizaram as formas

3
POVOA NETO, Helion. Migrações internas e mobilidade do trabalho no Brasil atual: novos desafios para análise. In:
HEIDERMANN, Heinz Dieter; SILVA, Sidney Antonio da (org.) Simpósio Internacional Migração: nação, lugar e
dinâmicas territoriais (São Paulo, 1999). São Paulo: Ass. Ed. Humanitas, 2007, p. 45-56.
4
JOHNSTON; GREGORY; SMITH, op. cit., nota 1.
14

de adaptação de grupos migrantes em determinados lugares e em determinados períodos da


movimentação migrante.
Os estudos de Raveinstein foram mais tarde complementados pelos pensamentos de
Thornthwaite, um climatólogo que aplicou as leis dos gradientes de pressão, justificando os
movimentos de atração e repulsão dos migrantes5. Os argumentos de Thornthwaite ajudaram
na confecção de uma concepção de migração econômica, baseada neste fator como único e
principal dos movimentos autóctones, não forçados por governos ou agentes externos aos
grupos migrantes, a ver pelos trabalhos mais recentes, até mesmo em Economia6.
Tobler, no entanto, reconhece que “[...] talvez as leis percam sentido durante esses
períodos”, quando o autor analisava que, em gráficos matemáticos e em momentos históricos
extraordinários, as leis levantadas por Ravenstein e Thornthwaite perdiam validade, como
eventualmente no século XIX pela descoberta de ouro no Oeste Americano, pelo que ficou
constatado no Censo americano no período de 1935 e 1940 e, finalmente, por conta da
Revolução Cubana, no estado da Flórida entre 1955 e 1960.
É imprescindível pensar que se a limitação da percepção da problemática pelos
autores clássicos da disciplina destina-se a categorizar o movimento como uma conseqüência
prioritariamente econômica, decifráveis através de fórmulas matemáticas, buscar-se-ia
reduzi-lo a um padrão de percepção que não seja capaz de absorver nem um ínfimo de sua
magnitude como movimento social e político7. Muitas outras faces deste movimento
poderiam ser expostas aqui, mas o objetivo deste trabalho é chegar a alguma conclusão, que
pela limitação imposta, deter-se-á aos aspectos identitários do novo Lugar.
Ainda assim, teorias como estas prevaleceram nos estudos migratórios até que novas
idéias tivessem surgido. Um dos primeiros trabalhos significativos que trouxe novas
percepções da problemática do movimento migratório foi “The Polish Peasant in Europe
and America”, por William I. THOMAS e Florian ZNANIECKI, entre os anos de 1918-20.
Tal trabalho possibilitou uma nova gama de problemáticas, considerando os aspectos sociais
e antropológicos, tais quais, para a Geografia, a problemática da percepção do Lugar para os
migrantes (apud PASTORE, 1969). Não desconsiderando o papel dos autores da Escola de
5
TOBLER, W. Migration: Ravenstein, Thornwaite and Beyond. Urban Geography [1995]. ENCONTRO DA
ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE GEOGRAFIA, 1994 [S.l.], p. 327-343.
6
“Migração é comparável ao fluido de água ou eletricidade – um fluido de ajuste respondendo aos diferenciais de pressão
em lados opostos de um encanamento. Essa visão sugere que nenhum nível absoluto de impulsão ou expulsão importa, mas
a diferenciação existencial de pressão, de relativa atração dos elementos.” (Ibid.) Ainda que a interpretação destes
estudos, e principalmente desta passagem, transcreve-se como a “migração como um fator que resulta num equilíbrio
social”, o objetivo desta nota é demonstrar a busca por uma precisão quase mecânica do movimento, “desumanizando” o
ato de migrar.
7
SINGER, Paul. Migrações Internas: considerações teóricas sobre o seu estudo [1976]. In: MOURA, Hélio A. de (org.)
Migração interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB, 1980, p. 211-244.
15

Chicago, apoiamo-nos na leitura de Abdelmalek SAYAD com as visões de que os migrantes


possam ser muito mais que simples atores passivos das pressões neles exercida.
SAYAD8 observou, ao questionar e retratar as experiências de um imigrante argelino
na França, que apesar de ter tido certa motivação econômica, este imigrante não seria levado
à França se não fossem outros fatores cruciais para a sua movimentação.
Pode-se levantar que, os aspectos sociais existentes dentro do Lugar de Origem do
migrante, o levam a migrar, a contar desde os antepassados, a uma visão de estagnação do
próprio Lugar; uma idealização do Lugar de Destino (neste caso a França, que contribuiu
para um imaginário coletivo dos aspectos positivos da migração, sem confrontos com demais
ideais); as redes de readaptação, criadas ainda no Lugar de Origem, que permitem certa
capacidade de reestruturação na chegada, ainda que insipiente e ineficaz, favorecendo a
partida; e, por último, as perspectivas de vida no Lugar de Origem, quando comparadas
àquela a ser vivida no Exílio (termo muito bem trabalhado por SAYAD, no qual em árabe
leva a diferentes idéias de interpretação), entre outros aspectos. O autor assim compreende
que não há um rompimento entre indivíduo e estrutura, trabalhando numa visão de integração
destes itens.
Então, buscar entender os movimentos migratórios, principalmente aquele produzido
internacionalmente, é buscar compreender variáveis significativas do Lugar de Origem e do
futuro Lugar de Destino, o restabelecimento de redes sociais capazes de auxiliar (ou não) a
permanência no solo estrangeiro. A adaptabilidade de cada indivíduo ao fato de migrar não
será compreendida sem que se faça presente à razão pelo qual o movimento da massa se
mantenha. E ainda: como ao tratar do movimento migratório sob a ótica do agente do
movimento, do migrante, buscar-se-á que termos como “emigrante” e “imigrante”, não são
satisfatórios, e por conta disso, aqui utilizar-se-á somente o termo “migrante”. A explicação é
simples: “emigrante” e “imigrante” são aqueles que saem de um país e chegam em algum
outro país. Seria reproduzir a lógica dos conceitos clássicos, focando o Estado-Nacional
emissor e receptor. Com a proposta aqui levantada, o termo “migrante”, onde se foca no
sujeito histórico-dialético poder-se-á chegar a alguma outra visão9.

8
SAYAD, Abdelmalek. A Imigração: ou Os Paradoxos da Alteridade. São Paulo: EDUSP, 1998.
9
Salvo algum autor utilizado destaque as terminologias “emigrante” ou “imigrante”.
16

1.2 O Território E O Lugar: Categorias Que Impulsionam A Uma Outra


Discussão

A categoria geográfica de Lugar, quase nunca é utilizada nos estudos migratórios pelo
simples fato dos autores preferirem trabalhar a dimensão Estado-Nação e seu comportamento.
De fato, este tipo de visão parece condescendente com as visões clássicas dos estudos
migratórios de Raveinstein e Thornthwaite, onde o território passaria a ser a terminologia
mais apropriada. Ver o Lugar do Migrante implica compreender o migrante, seu entorno e
suas visões sobre a nova espacialidade que vive.
Ainda assim, pode-se destacar que Godelier teria levantado uma questão sobre o uso
do território que se acredita ser plausível na explicação de razões pelas quais se migra:
acesso, controle e uso são fatores que não se podem negligenciar no tocante a apropriação do
território, e ainda os poderes visíveis e invisíveis que permitem tais acessos, controles e usos.
Tais momentos fazem parte do quotidiano das condições de reprodução da vida, tanto quanto
dos recursos usados/despendidos (Godelier apud HAESBAERT, 2006)10.
O Território passa a ter novas características que são parte do que é extraído deste
pelos seus agentes. É indispensável pensar o Território como signo e seus códigos culturais11.
Essa visão antropológica remete ao Território a característica da territorialização humana
atrelada a semantização do espaço territorial, como sua significação e a idealização daqueles
que nele habitam e nele tem seus atos dinâmicos de vida. No entanto, é no Lugar, onde
ocorrem as transformações sociais dinâmicas mais diretas do indivíduo.
12
A leitura do trabalho de SANTOS permite vários pontos de análise. O Lugar
adquire, então, importância no caráter da compreensão do Espaço Geográfico, além dos
limites do Território, ao permitir uma visão das dinâmicas neste inseridas, des-re-construídas.

10
O objetivo de demonstrar esta observação de Godelier é permitir que se faça uma real observância no que compete o que é
o Território. Autores diversos – como os que Haesbaert (2006) utiliza-se na busca da compreensão do que seria o Território –
levantam variadas possibilidades sobre o que seria mister a este termo. Como levantado por Godelier, poder, acesso e uso são
primordiais. Neste trabalho, estes elementos tem importância, e concepções clássicas sobre a migração compreendem a falta
do poder, do acesso e do uso pleno do Território “estrangeiro” em relação ao Migrante como parte da problemática. Outros
conceitos sobre o termo Território existem, mas pela limitação imposta não foram completamente esgotados.
11
“A semantização do território pode explicar-se parcialmente a partir do meio, mas a investigação do meio físico nunca
nos permitirá concluir que deve dar-se um tipo determinado de semantização” (HAESBAERT, Rogério. O Mito da
Desterritorialização: Do “Fim dos Territórios” à Multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2ª ed., 2006).
12
“A configuração territorial não é o espaço, já que sua realidade vem de sua materialidade, enquanto o espaço reúne a
materialidade e a vida que a anima. [...] O espaço é formado por um conjunto indissociável, solidário e também
contraditório, de sistemas de objetos e sistemas de ações, não considerados isoladamente, mas como um quadro único no
qual a história se dá. [...] [E] é o lugar que atribui às técnicas o princípio de realidade histórica, relativizando seu uso,
integrando-as num conjunto de vida, retirando-as de sua abstração empírica e lhes atribuindo efetividade histórica”.
SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: EDUSP, 2002. p. 58, 62-63.
17

A capacidade de influenciar lugares não-contíguos, gerando uma alienação dos processos que
ocorrem no Lugar (p.80), também poderia ser vista como uma percepção da rede migratória
que SAYAD levanta em seus estudos.
Quanto aos eventos, lembra SANTOS que “não há evento sem ator” (p.146), e que
“os lugares são, eles próprios expressão atual de experiências e eventos passados e de
esperanças no futuro” (p.156). Citando o autor, é o Lugar “a sede da resistência, às vezes
involuntária, da sociedade civil” (p. 259)13.
Por último, o autor ainda clareia a visão na qual a cidade (e quanto maior esta for),
atrai pela exclusão dos indivíduos, ou seja, aqueles que teriam algo a esconder (no caso
migrante, sua condição jurídico-legal ou social-identitária), encontram nos labirintos de
concreto, oportunidades de estarem e não estarem presentes, de fazerem parte daquela
identidade a ser construída, mas ao mesmo tempo, estarem distantes da formalidade, onde
“os fracos podem subsistir”14.

1.3 A Identidade E A Modernidade

A questão identitária, inerente a discussão do Lugar, leva a compreensão desse


elemento, principalmente sob a ótica de dois autores distintos: Zygmunt BAUMAN e Stuart
HALL. Adiante, serão analisados os efeitos da dita identidade pós-moderna e da identidade
líquida sobre o Lugar Geográfico.
HALL15 compreende a existência de uma atual “crise de identidade” na humanidade
pós-moderna, advinda de vários fatores onde o trabalho do autor busca visualizar
historicamente os deslocamentos da identidade nos indivíduos. O “eu sociológico” (p. 10-11)
é o tal “eu” clássico dos estudos sociológicos que interage com a sociedade por completo,
sendo fruto e sendo alimentador de um projeto social complexo e estruturado/estruturador. A
grande percepção do autor está em compreender que este indivíduo, e, portanto, que esta
identidade, compreendia-se perfeitamente em um projeto histórico-espacial, que talvez

13
“Por enquanto, o Lugar – não importa sua dimensão – é, espontaneamente, a sede da resistência, às vezes involuntária,
da sociedade civil, mas é possível pensar em elevar esse movimento a desígnios mais amplos e escalas mais altas. Para
isso é indispensável insistir na necessidade de um conhecimento sistemático da realidade, mediante o tratamento analítico
do território, interrogando-o a propósito de sua própria constituição no momento histórico atual” SANTOS,Ibid. p.259.
14
SANTOS, Ibid., p.322.
15
HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 7ª ed., 2003.
18

pudesse citá-lo como um projeto europeu dos séculos XVIII e XIX, onde “a identidade,
então, costura (ou, para usar uma metáfora médica, ‘sutura’) o sujeito à estrutura [social]”
(p. 12).
De fato, para o sujeito pós-moderno, este projeto é só uma fantasia. Ainda que
sistemas de significação e representação cultural se multipliquem, ampliam-se também as
multiplicidades de identidades possíveis – as quais o migrante poderia se identificar ainda
que temporariamente (p. 13).
Enquanto o trabalho da Sociologia nos séculos XVIII e XIX caracterizava o sujeito
sociológico intrinsecamente envolvido na sociedade, como membro pertencente ao contexto
social – como se fosse impossível imaginar este mesmo sujeito fora da sociedade – o
indivíduo pós-moderno encontra-se em oposição a este pensamento. A realidade do sujeito
pós-moderno cria uma identidade isolacionista, exilada ou alienada, “colocado contra o
pano-de-fundo da multidão ou da metrópole anônima e impessoal” (p. 32)16.
BAUMAN17 vislumbra que a identidade na era pós-moderna, torna-se fluida. Dentre o
observado, pode-se entender que “os fluidos são assim chamados porque não conseguem
manter a forma por muito tempo e, a menos que sejam derramados num recipiente apertado,
continuam mudando de forma sob a influência até mesmo das menores forças. Num ambiente
fluido, não há como saber se o que nos espera é uma enchente ou uma seca – é melhor estar
preparado para as duas possibilidades” (p. 57).
Compreende o autor que a necessidade por uma busca identitária vem do “desejo de
segurança”: ainda que seja um sentimento ambíguo, vazio e cheio de promessas e
premonições vagas, este pensamento permite aos migrantes uma possibilidade de ancoração
em um espaço sociológico pouco definido, um “entre aqui e ali”, ou como o autor chama, um
“nem-um-nem-outro”. BAUMAN também lembra que uma posição fixa traz a sensação de
aprisionamento e isolacionismo, sentimentos combatidos pelo modernismo/pós-modernismo
(p. 35).
Se então, a identidade pós-moderna é tão necessária aos indivíduos e, ao mesmo
tempo, tão insipiente na construção de uma saciedade, por uma única fonte, apreende-se a
infeliz constatação que a pós-modernidade estabelece-se nos indivíduos através de grandes
variáveis, de momentos de identificação, alternados com momentos de busca por essa
16
“As identidades nacionais não são coisas com as quais nós nascemos, mas são formadas e transformadas no interior da
representação. [...] As culturas nacionais são uma forma distintivamente moderna. A lealdade e a identificação que, numa
era pré-moderna ou em sociedades mais tradicionais, eram dadas à tribo, ao povo à religião e à região, foram
transferidas, gradualmente, nas sociedades ocidentais, à cultura nacional. As diferenças regionais e étnicas foram
gradualmente sendo colocadas, de forma subordinada, sob aquilo que Gellner chama de ‘teto político’ do Estado-Nação,
que se tornou, assim, uma fonte poderosa de significados para as identidades culturais modernas” HALL, 2003, p. 48-49.
17
BAUMAN, Zygmunt. Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
19

identificação – e o que mais poderia destacar-se: existiriam momentos de aceitação, de luta, e


de negação de identidades. BAUMAN trabalha com a idéia que as identidades poderiam
também ser criadas por grupos mais poderosos ou mais influentes, naqueles onde o poder
e/ou a influência lhes falta: uma identidade criada pelo grupo mais influente dentro da
sociedade, ditaria o tipo de identidade que os menos influentes teriam, gerando formas de ver
aquele grupo menos favorecido e, principalmente, formas de lidar com o grupo menos
favorecido. Compreende-se que nestes fatores não cabem as escolhas feitas pelos menos
favorecidos, mas a imposição daqueles que influem ante aos demais sujeitos na sociedade.
BAUMAN18 acredita que os “sem-Estado”, ou “sans-papiers”, dividem as mesmas mazelas,
ou até situações ainda mais constrangedoras.
O trecho acima nos traz a compreensão de que os migrantes, principalmente os
ilegais, compartilhariam desta mesma problemática. Ainda sobre a identidade, TORRES19
escreve, referindo-se ao estudo de Edward Said20 que o hibridismo de culturas é um fator
predominante nas nações modernas – o que gera as propostas de estudos em
multiculturalismo – no que a autora denomina as “formas outras de contar”.

1.4 O Lugar do Migrante

Os autores citados aqui descrevem uma outra forma de ver o espaço geográfico, em
busca de uma percepção dual de uma problemática referente aos estudos migratórios. De um
lado, a percepção economicista dos estudiosos clássicos acarretaria em uma aproximação
teórica de um mundo sem fronteiras, de adequação de matérias e de trabalhadores, em uma
profunda crença na ordem perfeita, ou como diria SANTOS21, um “Mundo tal como nos
18
“[...] Outra categoria que está encontrando o mesmo destino são os refugiados – os sem-Estado, os sans-papiers –, os
desterritorializados num mundo de soberania territorialmente assentada. Ao mesmo tempo em que compartilham a
situação da subclasse, eles, acima de todas as privações, têm negado o direito à presença física dentro de um território
sob lei soberana, exceto nos [...] campos para refugiados ou pessoas em busca de asilo a fim de distingui-los do espaço
em que os outros, as pessoas ‘normais’, ‘perfeitas’, vivem e se movimentam” BAUMAN, Ibid, p. 46.
19
“[...] Segundo Said, é, em grande medida, devido aos impérios que as culturas se envolvem umas com as outras, gerando
as culturas híbridas, heterogêneas, das nações modernas. Esse dado é particularmente pertinente em se tratando dos
estudos sobre multiculturalismo, já que esse é, sem dúvida, o paradigma com o qual teremos de lidar aqui: o
entrecruzamento de histórias nacionais, a partir da conquista, da migração e das diásporas dos povos sobre o planeta,
gera ‘formas outras de contar’” TORRES, Sonia. Nosotros in USA: literatura, etnografia e geografias de resistência. Jorge
Zahar Ed., Rio de Janeiro: 2001, p. 11, grifo da autora.
20
Refere-se a obra Culture and Imperialism, 1994.
21
SANTOS, Milton. Por Uma Outra Globalização: Do Pensamento Único À Consciência Universal. Rio de Janeiro:
Record, 13ª ed., 2006.
20

fazem crer”. Por outro lado, a crítica às visões clássicas, permite questionar tal perfeição e
uma cortina de mentiras cai, quando se analisa a verdade dos migrantes, sua re-organização e
estruturação, e quando se coloca em seu Lugar, revendo todas as suas estruturas sociais. A
este momento, descobrimos o “Mundo como ele é”.
Tais momentos, descritos pelos teóricos clássicos, pertencem a uma lógica espacial
interessante e da qual não se deve fazer uma crítica infundada. O problema de tais teorias é
que estas persistem até hoje, em campos diversos (como a citada Economia), em busca da
compreensão de eventos sociais, através somente de fórmulas, com soluções matemáticas
para circunstâncias abstratas. TOBLER (1994) levantou tais questões, como sendo práticas de
Estados-Nacionais (a criação de agências governamentais específicas para o tratamento do
sujeito-migrante; políticas públicas, cotas, “loterias” e todo um arcabouço estatal e algumas
vezes interministerial/intersecretarial), em prol da defesa de seus territórios (algumas obras
citam a defesa militar, outros alfandegária, etc.). Tais argumentos ganharam mais força após
os incidentes de 11 de Setembro de 2001 nos EUA quando, por conta de uma política de
segurança, voltou-se a aplicar antigos pensamentos em novos problemas.
Todavia, existe uma percepção de que o mundo é livre, que as fronteiras não existem.
Essa fábula do mundo globalizado, vendido e retransmitido a todos os cidadãos do mundo,
alude uma inverdade onde somente o capital tem tido essa possibilidade: ainda se sonha com
um mundo onde haja a livre circulação de pessoas e onde indivíduos possam estar em busca
de melhores oportunidades de vida onde queiram. Por essa razão, muitos ainda abandonam
seus Lugares de Origem em busca de novos espaços, de novas identificações.
Ao encontrarem-se nestes novos Lugares, os migrantes se deparam com a realidade de
políticas de exclusão, com formas sociais segregadoras e estratégias de repulsão. Neste
momento, os migrantes buscam, através de seus pares, formas de reestruturação social e
construção de um novo arcabouço, uma rede de solidariedade capaz de auxiliar na
manutenção naquele novo Lugar. Mesmo que se esteja tratando de nacionais, de indivíduos
excluídos da grande massa social, ainda aqui se encontram formas hierárquicas de controle,
dominação, exclusão: aprende-se a perversidade da globalização.
Edward Said, comentando sobre a obra de Samuel Huntington 22 no The Nation em
200123, levantava, que a concepção de um mundo em choque, ainda mais um choque
“civilizatório”, é uma visão um tanto superficial da realidade do mundo para uma obra que se
permitia considerar como representativa de toda a política global séria, nos anos seguintes.
22
HUNTINGTON, Samuel. O Choque das Civilizações e a Recomposição da Ordem Mundial. Rio de Janeiro: Objetiva,
1997.
23
Cf. http://www.thenation.com/doc/20011022/said, acessado em 27 de Outubro de 2005.
21

De fato, Huntington permitiu a elaboração de pensamentos, políticas e ações baseadas em um


sistema determinista de práticas “civilizatórias”, onde de certa forma se percebe um subjugo
pelas “civilizações” claramente superiores, como a norte-americana e a européia. A
observação de Said diz, sobre a presença de mulçumanos na Europa, que “se deve conceder
que o Islã não está mais posicionado nas margens do Ocidente, mas no seu centro. Mas o
que há de tão aterrorizante sobre esta presença?”. Guardando a temporalidade deste texto,
escrito logo após os incidentes em 11 de Setembro de 2001, a pergunta de Said se refaz em
relação aos migrantes nos EUA – o que tanto amedronta a presença migrante?
BROWNE24 pergunta-se o contrário: “Precisamos de uma Imigração em Massa?” é o
título de sua obra, que perpassa afirmações ora baseadas em Huntington, ora em discursos
que lembram proposições anti-sionistas da Alemanha nazista. AUSTER25 combate a idéia do
multiculturalismo, que poderia levar ao “suicídio” da nação. Considera-se que tais
proposições são alarmistas e não buscam de fato um estudo que compreenda o fenômeno em
sua integridade.
De fato, DINNERSTEIN & REIMERS26, em um longo trabalho de compreensão do
processo migratório nos EUA, compreendem que houve momentos na história daquele país
onde alguns migrantes foram queridos em detrimento a outros. As diferenciações entre
migrantes eram basicamente relativos à sua origem e a sua adaptabilidade a cultura norte-
americana. Os autores ainda lembram que a discriminação não era somente racial, mas
cultural, quando inferiorizava-se a cultura do outro. Percebem-se claramente esta prática
quanto aos migrantes advindos pelo “sul da fronteira”, neste caso, os latino-americanos.
Em busca de uma outra globalização, a Geografia, compreende as estruturas
excludentes, como inerentes a um sistema capitalista destrutivo e endêmico em sua formação,
e em simpatia com os migrantes brasileiros pelo mundo, entende a dificuldade de adaptação e
do refazer o Lugar no estrangeiro.

24
BROWNE, Anthony. Do We Need Mass Immigration?: The economic, demographic, environmental, social and
developmental arguments against large-scale net immigration to Britain. Londres: Civitas: Institute for the Study of Civil
Society, 2002.
25
AUSTER, Lawrence. The Path to National Suicide: An Essay on Immigration and Multiculturalism. Charles Town, WV,
EUA: Old Line Press, 1990.
26
DINNERSTEIN, Leonard; REIMERS, David M. Ethinic Americans: A History of Immigration. Nova York: Columbia
University Press, 4th ed., 1999.
22

Capítulo 2: LÁ VISTO DAQUI

2.1 A Construção Do Ideário De Ida: Como Se Vê O Mundo De Lá

Há muito, o Brasil era visto como um país receptor de migrantes internacionais. No


entanto, após mudanças significativas nos números que representam a chegada e saída de
migrantes, a contar principalmente dos anos 1980, percebeu-se que o Brasil tornou-se um
país de emissão e não somente de recepção de migrantes. Recentemente, órgãos competentes
de políticas públicas desta alçada confirmaram ser o Brasil um país de emigrantes 27. Calcados
nas teorias clássicas, os estudos levantados permitiram uma personificação dos emigrantes
brasileiros como aqueles que contribuem através do envio de divisas28. Tal retrato
economicista, apoiado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil (MRE), permite
notar que os brasileiros migrantes “bem sucedidos”, recebem apoio, acompanhamento e
atenção das autoridades de origem, enquanto aqueles em situação irregular ou “mal
sucedidos” são relegados ao abandono e esquecimento.
Na contramão desta constatação enfadonha, brasileiros deslocam-se para os EUA em
busca de vários sonhos: financeiro/econômico, social, político. O imaginário de uma
sociedade perfeita ou melhor do que o Lugar de Origem perpassa a mente dos migrantes. Há
necessidade do qualitativo – o sonho migrante só se instaura quando, dentro das
possibilidades de sobrevida no Lugar de Origem, a saída se torna uma alternativa viável29.
No estudo de PASTORE30, quando se analisava Brasília, compreendeu-se que o estado
relativo de satisfação influenciava o deslocamento até aquele novo ambiente, e com as
circunstâncias favoráveis ou não, a satisfação seria, novamente, a responsável pela
manutenção do migrante no novo Lugar31. Tais variantes tinham como estrutura os
27
Ainda há fluxo de chegada de migrantes no Brasil, mas conforme FIRMEZA (2007), desde a última década, o fluxo de
saída de brasileiros é maior que o número de chegada de estrangeiros.
28
FIRMEZA, George Torquato. Brasileiros no Exterior. FUNAG, Brasília, 2007.
29
MATA, Milton da. Urbanização e migrações internas [1973]. In: MOURA, Hélio A. de (org.) Migração interna: textos
selecionados. Fortaleza: BNB, 1980, p. 807-844. Cf. PASTORE, José. Brasília: A cidade e o homem: uma investigação
sociológica sobre os processos de migração, adaptação e planejamento urbano. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1969.
30
PASTORE, Ibid.
31
Não ignora-se que as visões de SAYAD levantem outra percepção desta dinâmica migratória, mas as observações de
PASTORE são também enriquecedoras ao debate.
23

julgamentos de valor do migrante em relação às condições encontradas no novo Lugar. Pode-


se compreender que tais julgamentos referem-se, de forma simplificada, a modelos
comparativos: o migrante julga o Aqui e o Lá, ou seja, o que Aqui tem de melhor e o que Lá
pode oferecer.
Tais comparações, no entanto, não implicam em valores econômicos somente.
Algumas observações podem levantar outros fatores (morais, sociais, ou quaisquer outros),
forçando uma visão além da clássica. Os estudos anteriormente citados, feitos sobre essa
dinâmica, caminham por diferentes perspectivas, na visão do que esperar do Lugar de
Destino, ainda no Lugar de Origem.
Não é nesse conformismo, de que a motivação é simplesmente econômica, que este
estudo se baseia. Na verdade, busca-se a compreensão de que a manutenção da qualidade de
vida seja o motivador real maior, ainda que possa ser constatado que, em alguns casos, esta
melhoria da qualidade de vida32, de forma específica, concreta, não seja perceptível. Sendo
assim, a tal melhoria é atrelada a valores que possam estar de certa forma em maior
importância para o migrante e, assim, quantitativamente, terem menor valor econômico. A
abstração de valores, nestes casos, permite uma dinâmica ainda mais complexa, a qual esse
estudo não tem o objetivo de abranger por completo, senão por efeito de análise diferenciada
dos demais estudos clássicos do tema.

2.2 As Redes Antes Da Partida

Contando com estudos já realizados33, percebe-se uma ênfase maior a redes sociais
familiares, onde, por comunicação através de familiares diretos (de primeira grau, como
filhos/as, pais, irmãos/ãs; de segundo grau, como tios/as, primos/as, sobrinhos/as) ou
membros de círculos sociais no Lugar de Origem (como amigos, vizinhos, conhecidos de
uma forma geral), são estabelecidos os fatores motivacionais para ida ao Lugar de Destino.
De fato, redes assim são visíveis em Lugares de Destino que possuem historicidade mais
antiga e número considerável de indivíduos para que esses contatos se concretizem. A estes
Lugares de Destino, com essas especificidades, chama-se comumente de “colônias de
32
Acreditando-se que por “qualidade de vida” o indivíduo também busque segurança física, melhores redes de educação,
lazer, cultura e outros aspectos que não são somente mensuráveis economicamente.
33
Cf. REIS, Rosana Rocha; SALES, Teresa (org.) Cenas do Brasil Migrante. São Paulo: Boitempo, 1999.
24

imigrantes”. Este termo não será utilizado neste trabalho, por não adequar-se a realidade dos
migrantes brasileiros no estado do Arizona, EUA.
Ainda assim, redes sociais familiares, que incluem membros diretos e membros de
círculos sociais próximos, têm pouca ou nenhuma influência fora de aglomerados de
migrantes. Um fator determinante da migração brasileira nos EUA é sua formação histórica34,
onde se observa três grandes aglomerados (nos estados de Massachussets, Flórida e
Califórnia), mas o fato de mais de 40% dos migrantes brasileiros no exterior estarem
concentrados naquele país35 permite questionar até que ponto tais redes sociais familiares são
responsáveis pela migração.
Este estudo tenta concentrar-se em um único estado, o do Arizona, onde as redes
familiares ainda são pífias, se comparados com outros estados americanos. Com uma
população estimada entre quatro e cinco mil brasileiros ali residentes 36, o Arizona possui
como atrativo, a concentração de resorts de luxo sem a necessária mão-de-obra qualificada,
para determinadas funções.
“Agências de intercâmbio” (verdadeiras agências de emprego) instaladas em diversas
cidades do Brasil, permitiram uma maior visibilidade daquele espaço como atrativo de uma
migração de brasileiros qualificados ou semi-qualificados em busca de um tipo de sonho
americano.
O baixo custo de vida, uma boa qualidade de vida, a ampla utilização da língua
espanhola (mais de 25% dos lares no estado, bem como vários serviços públicos, utilizam
alguma outra língua que não o inglês37, em 2000) em associação com uma população
americana mais tolerante a migração (mais de 30% do estado é de origem hispana/latina e
mais de 12% são nascidos fora dos EUA38, em 2006), e ainda, a quase ausência do frio e da
neve no inverno, atraem alguns brasileiros. Ainda é insignificante a quantidade de brasileiros
que seguem para o Arizona, se comparados aos que ficam pela Flórida, Califórnia ou
Massachussets. Ainda assim pode-se considerar uma tendência.
Vale lembrar, que tais “agências de intercâmbio” oferecem oportunidades que a
migração por meio ilegal não permitiria, ou seja, garantia de emprego, moradia e documentos
(visto consular prévio e contrato formal de trabalho, locação de residência, Social Security
34
Cf. REIS & SALLES, Ibid.
35
FUSCO, Wilson. Migração e Redes Sociais: a distribuição de brasileiros em outros países e suas estratégias de entrada e
permanência. In: MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES – Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no
Exterior. Brasileiros no Mundo: I Conferência sobre as Comunidades Brasileiras no Exterior. Rio de Janeiro: FUNAG,
2008, p.159-180.
36
Estimativa do autor.
37
Cf. http://quickfacts.census.gov/qfd/states/04000.html, acessado em 30/12/2008 Cf. ref. anterior
38
Cf. ref. anterior
25

Number, que é o Cartão de Seguridade Social), além da possibilidade de obter carteira de


identidade/habilitação nos EUA.
Esse tipo de Agenciamento tem feito com que a minoria dos brasileiros no Arizona
encontre-se do outro lado da lei. Ainda assim, redes de apoio a migração ilegal no Brasil (os
chamados “coyotes”), utilizam como uma das rotas preferenciais, a travessia do Deserto de
Sonora (ao sul do estado) como possível entrada entre o México e os EUA. Alguns desses
ilegais presentes no Arizona encontram-se de passagem, muitas das vezes com destino já
acertado para outros estados, definidos antes da saída do Brasil.

2.3 As Esperanças Que Se Encontram Lá

A construção do ideário americano, ainda no Brasil, pelo contato com a experiência


daqueles que lá já estiveram, pode neutralizar qualquer diferença sócio-econômica que venha
a ser encontrada naquele país. Migrantes brasileiros que se destinam ao Arizona, na maioria
dos casos, não detêm nenhuma ou quase nenhuma informação sobre o que podem encontrar
no local de Destino. As imagens trazidas geralmente refletem clichês hollywoodianos, haja
visto que o Arizona é composto basicamente de clima desértico, vegetação arbórea e
cactácea, de sociedade extremamente “mexicanizada” (TORRES, 2001), e de miscigenações
que descaracterizam o estado como um “típico estado sulista americano”. Aliás, americanos
naturais do Arizona denominam-se como do Sudoeste Americano, conjuntamente com a
Califórnia, Novo México, Nevada, Colorado e outros. Esta diferenciação ajuda-os a redefinir
seu papel e sua posição diante de vários aspectos, inclusive os sociais.
Tais antagonismos, visíveis em WEBER (2002a, 2002b) e KNAUSS (2004) em
relação à sociedade brasileira (DAMATTA, 1984) refletem-se sobre as obras culturais,
principalmente as cinematográficas. As produções cinematográficas mascaram para
brasileiros e outros migrantes no Arizona as diferentes realidades possíveis naquele estado. O
fato de ter uma organização espacial diferenciada do Lugar de Origem buscam o consolo e a
esperança de encontrar carvalhos e gramados verdes. Mas não será esse o único motivo ou
esperança que se vai encontrar nesse novo Lugar.
Um motivo importante seria o baixo custo de vida (o custo do valor de um imóvel no
estado é ligeiramente acima da média nacional - menos de US$ 2.000,00 de diferença -
26

enquanto, comparado com a Califórnia, essa diferença é de quase US$ 100.000,0039). Não é
uma volta as concepções tradicionais da migração, mas uma constatação simples. O custo de
vida nos EUA difere, e muito, do mesmo custo no Brasil. A realidade de fatos e dinâmicas
cotidianas diferenciadas antes mesmo da chegada no Arizona, faz com que grande parte dos
migrantes busque algum tipo de contato com pessoas que vivam naquele Lugar – não
necessariamente brasileiros. O sítio de relacionamentos “ORKUT40” é um exemplo. Em uma
pequena pesquisa, foram encontrados nove grupos de relacionamento com palavras que
envolvam “brasileiros no exterior” e “Arizona” (ou “Phoenix”41).
De forma simplificada, o custo de vida no Arizona pode ser mais barato do que aquele
na Califórnia. As “agências de intercâmbio” geralmente apresentam o Arizona como sendo
um lugar mais calmo que a Califórnia e mais seguro. As fotos geralmente apresentadas em
encontros e reuniões, mostram uma Phoenix “verde”42, onde os resorts, que os contratados
irão trabalhar, são cheios de jardins, árvores, lembrando uma quase paisagem tropical. Tais
elementos, justificados geralmente pelos contratantes americanos presentes às agências, nos
“períodos de contratação”, permitem florear ainda mais esta fantasia.
Os brasileiros aqui contratados adquirem esperanças sob várias formas. A imagem que
se vende: o salário pretendido (já saem do Brasil sabendo o quanto irão ganhar em carta
assinada pelo contratante), a certeza de moradia (o contrato é pré-acordado entre a empresa
contratante e o trabalhador contratado)43, entre outras “maravilhas”; são postas diante de um
indivíduo sedento por mudança, por experiência, por vivência no exterior44. Adiciona-se o
elemento profissional (aperfeiçoamento da língua inglesa, “imprescindível” no mercado de
trabalho no Brasil), a experiência de vida no exterior e os elementos familiares (já que grande
parte desses trabalhadores é jovem, entre 18 e 35 anos45, e alguns ainda mantêm-se
convivendo com os genitores aonde a ida aos EUA lhes dará “independência”).

39
Cf. ref. 30
40
www.orkut.com.br
41
Seriam estes grupos: “I live in Arizona”, “Phoenix, AZ” – estas, apesar de não serem diretamente ligadas aos brasileiros,
tinham tópicos em português, por brasileiros residentes ali; “Tô com saudades do Brasil”; “Noite Latina na Axis/Radius” –
que é uma discoteca muito famosa em Scottsdale; “Brasileiros no Exterior”; duas comunidades com o nome de “Brasileiros
no Arizona”, e outras duas com o nome “Brasileiros nos EUA”, acessados em 29/12/2008.
42
Phoenix, capital do Arizona, tem muitos campos de golf (185) em comparação com a maioria das cidades dos EUA. Cf.
http://www.phoenixgolfsource.com, acessado em 29/12/08.
43
Estas afirmativas não são contrárias ao que já foi afirmado, já que as categorias mencionadas são indispensáveis na
reprodução básica da vida no exterior, e se comparados aos padrões dos migrantes antes da partida, ficam de certa forma
aquém a alguns indivíduos mais possuídos aqui no Brasil.
44
PASTORE (1964) trata desse “ânimo” em migrar no livro aqui já citado.
45
São as idades limites para o visto do tipo HB (“Home-Business”), que é o visto de trabalho. Variam-se entre H1B e H2B,
de acordo com o pedido do empregador. Ao todo, são quase 100 tipos diferentes de visto possíveis emitidos pelos órgãos
consulares dos EUA.
27

2.4 O Lugar De Lá É Melhor Que O Lugar dAqui

Todo esse esforço de des-re-construção dos Lugares, nos ideais dos jovens migrantes,
permite uma configuração típica dentro do pensamento miltoniano, de um “como nos fazem
crer”. Na elaboração deste trabalho, percebe-se que mais e mais indivíduos são levados a crer
que o Lá é melhor do que o Aqui; e o Lugar de Destino passa a ser a única opção, ainda que o
Lugar de Origem pudesse satisfazê-los de forma direta e indireta. A troca ou mudança para
um novo Lugar de Destino, como vontade e possibilidade de alteração dos padrões de vida,
trazem experiências, ora frustrantes, ora solidárias. Como SAYAD (1998) e PASTORE
(1969) levantaram, ainda que quantitativamente as frustrações tenham sido maiores,
qualitativamente a satisfação dos que obtiveram sucesso – ou em um termo bem
“americanizado”, os vencedores – terão força diante do sonho de fazer uma outra América.
Uma América desconhecida, mas que não pode ser tão diferente quanto a América dos sonhos
hollywoodianos, tampouco é um lugar como Aqui. Por ser Lá, não importando como Lá seja,
a ida é sempre melhor que a permanência.
Com o objetivo de tornar este trabalho mais condescendente com o empirismo dos
migrantes, buscou-se restabelecer uma rede social que o autor havia participado quando viveu
na região metropolitana de Phoenix, Arizona, entre os anos 2003 e 2006. Foi elaborado um
email padrão (Anexo I) que buscava reestabelecer esse contato, buscando um ponto de
confiança onde relatos pudessem refletir o máximo da realidade dos indivíduos-migrantes.
Do total enviado de 155 emails, incluindo a postagem do citado email em dez comunidades
supracitadas (na nota 41) da “rede social” ORKUT, obteve-se três respostas.
Relatos tratam de um sonho, que poderia ter sido adiado, mas não esquecido. Um
relato especificamente trata de uma persistência, reconhecendo que a permanência no local de
Origem já não traria a satisfação necessária ao futuro migrante. No relato, G. 46 levanta que,
ainda que tivesse emprego “bom”, persistiria o desejo de migrar como forma de encontrar um
novo espaço de realização de sonhos. A concretização teria sido atrasada um pouco, por conta
de um relacionamento amoroso que, tão logo demonstrou-se instável, reacendeu o desejo e
reforçou a decisão de migrar.
T. também conta que o seu sonho teve início na infância, quando teve a chance de
fazer uma viagem à Disney World (Orlando, Florida) e outros destinos. A partir daquele

46
Utiliza-se somente a inicial dos nomes dos migrantes na pesquisa.
28

momento, segundo sua narração, “[..] fiquei fascinada pelo país e pela língua. Assim que
voltei ao Brasil, quis logo começar a aprender inglês, e aos 14 só lia em inglês, mesmo sem
entender metade dos livros! Sempre quis vir para cá passar mais tempo, mas minha família
não permitia [...]”. Em contradição com os jovens migrantes de visto HB, T. teve sua ida
auxiliada por familiares (uma tia que fazia pós-doutorado), ainda assim sem definição de
estadia prolongada. Percebe-se na história contada pela migrante, uma intenção de mudar
ainda muito cedo e uma persistência nesse desejo.
E assim, caminha-se para a percepção de um movimento que carrega em si a essência
dos indivíduos que nele participam: as experiências e frustrações são postas de lado, na busca
de um novo espaço de realizações, algo mais do que as “expectativas temporais socialmente
determinadas” de MERTON47. A percepção do movimento, como uma estrutura social,
temporal e espacial, é o que faz a humanização de uma lógica desumana, falsa, que pretende
iludir indivíduos, em prol de um mundo que se vê, uma globalização como nos fazem crer.

47
MERTON apud SALES, Teresa. Identidade Étnica entre Imigrantes Brasileiros na Região de Boston, EUA. In: REIS,
Rosana Rocha; SALES, Teresa (org.) Cenas do Brasil Migrante. São Paulo: Boitempo, 1999, p. 17-44.
29

Capítulo 3: LÁ VISTO DE LÁ

3.1 Chegando Lá: Moradia, Emprego e Rede Social Imediata

A construção da imagem do Lugar de Destino, ainda no Lugar de Origem, permite


uma aceitação de diferenciações do plano original de sociedade a se inserir, e tais amenidades
que antes eram o motivo de aceitação da diferença entre essas idéias, tornam-se por si
próprias as únicas estruturas tangíveis entre o que se busca e o que se obtém.
O projeto migratório do indivíduo encontra uma lacuna entre o que se diz ser Lá e o
que é Lá, e com isso, a busca da satisfação reestrutura-se para adequar-se ao que foi
conseguido, numa espécie de aceitação da nova realidade. Tal aceitação perpassa os fatores
positivos encontrados no novo Lugar, mas os negativos também e assim como a aceitação dos
fatores positivos deixados no Lugar de Origem, antes negligenciados em prol do projeto de
migrar.
ZHOU48 compreende que há um momento de assimilação da população migrante no
contexto da sociedade em que se insere e, eventualmente, a absorção de valores sociais,
econômicos e culturais, ainda que outros estudos levantados, também pelo autor, contradigam
tais pensamentos. A verdade está na percepção de cada caso e independe do indivíduo
migrante, mas do contexto social de onde se origina o migrante e para onde, como e quando o
migrante chega no Lugar de Destino.
As redes sociais migratórias do tipo familiar, como comentado, permitem ao migrante
estabelecer-se quando ainda no Lugar de Origem, e antes de sair deste, na medida que o
migrante sabe ou tem a possibilidade de saber, onde irá morar, trabalhar e se relacionar. Com
o migrante de “agência de intercâmbio”, esta certeza é ainda maior, já que são firmados
contratos e os documentos pertinentes – visto e autorização da United States Customs and
Immigration Services (USCIS, Serviço de Alfândega e Imigração dos EUA, sigla em inglês),
que são firmados antes da partida.

48
ZHOU, Min. Immigrants in the US Economy. In: MASSEY, Douglas S.; TAYLOR, J. Edward (org.) Internacional
Migration: Prospects and Policies in a Global Market. Oxford University Press, Londres, 2004.
30

O sistema de trabalho de migrantes, através de “agências”, tem um pequeno ponto de


crueldade: enquanto a “agência” e a empresa contratante são responsáveis e providenciam
algum tipo de moradia, muitas das vezes tal moradia não é gratuita, sendo pactuada de acordo
com a necessidade do contratante, geralmente fugindo do escopo do que o migrante será
capaz de manter, em vista do custo, da distância ou de ambos. Sendo assim, mesmo com o
emprego garantido, o migrante pode se encontrar em uma situação de exploração máxima. O
salário, as leis trabalhistas, a condição legal atrelada ao empregador, tornam-se facetas de um
momento de chegada a uma terra estranha, a um Lugar que já começa a se mostrar hostil.
Como a forma de remuneração do trabalho é diferente nos EUA em relação ao Brasil,
cai-se na ilusão de que se poderá “fazer a América” bem rápido. De fato, ignora-se a
realidade do custo de vida e a diferença cultural entre o Aqui e o Lá, que necessita ser
ajustado pelo migrante. Adapta-se melhor a esta lógica o migrante que compreende a
diferença identitária dos indivíduos que o cercam e, com eles, assimila o novo espaço a ser
vivido.
No tocante às leis trabalhistas, vale lembrar, que no estado do Arizona são
estabelecidos: um piso salarial um pouco acima do federal; possibilidade de férias
remuneradas (após um ano de trabalho e a critério do empregador) e previdência social
federal – que no caso dos migrantes, é vedada. Em verdade, constata-se que os trabalhadores
são postos de lado, os sindicados são insipientes, ineficazes e desencorajados pelo governo de
uma forma geral. Aqueles que caminham na compreensão de um movimento social são
simplesmente expurgados das sociedades receptoras49.
De fato, a presença migrante enseja uma dinâmica interessante, ainda que
marginalizante. Essa presença em um espaço urbano possibilita a redução direta do custo de
vida50, já que pode ser notada nos EUA a baixa renda dos latinos ali residentes 51. É
aterrorizante a constatação de que entre 10 e 15 milhões de pessoas naquele país se
encontram em situação migratória irregular, contabilizando uma massa humana crescente e
em constante empobrecimento relativo.
E quando o migrante sai do Brasil em busca do empregador americano, se depara com
uma forma de controle que é não só a o dos órgãos competentes – USCIS, Federal Bureau of

49
Cf. www.dailymail.co.uk/news/article-1085759/Economic-benefits-mass-immigration-close-zero--Lords-told.html,
acessado em 14 de Novembro de 2008.
50
Cf. ZOLBERG, Aristide R. Bounded States in a Global Market: The Uses of International Labor Migrations. In:
BORDIEU, Pierre; COLEMAN, James S. (org.) Social Theory for a Changing Society. Westview Press, Nova York,
1991.
51
Cf. KOCHHAR, Rakesh. Sharp Decline in Income for Non-Citizen Immigrant Households, 2006-07. Washington, D. C.:
Pew Hispanic Center, 2008. Disponível no endereço www.pewhispanic.org.
31

Investigation (FBI, ou Escritório Federal de Investigação, em inglês), Immigration and


Customs Enforcement (ICE, ou Reforço Imigratório e Aduaneiro, em inglês), a polícia da
cidade e do condado – mas também do empregador. É conhecido que o papel do Estado
foucaultiano seja assim e a corporação pós-moderna caminha para esse controle mais efetivo
e incisivo sobre o trabalhador. Entretanto, as condições do migrante sob visto HB nos EUA
determinam que, se o migrante ausentar-se do trabalho sem justificativa, o empregador é
obrigado a notificar o USCIS, que emitirá o pedido de extradição e deportação. Esta
informação não é dada anteriormente a chegada aos EUA na maioria dos casos.
Esse arcabouço de estruturas marginalizantes, faz com que o migrante perceba que o
sonho de uma América para todos, não se reflete na realidade excludente daquele país. Se,
então, a estrutura apresentada não permite flexibilidades e adaptações ao viver do migrante,
faz-se necessário, se não vital, buscar um espaço onde a realidade possa ser refeita, ao menos,
onde possa ser confortável e possibilite um rearranjo dos planos que trarão a satisfação no
novo Lugar.

3.2 Novos Relacionamentos: Brasileiros, Hispânicos e Americanos

Ao migrante cabe compreender, então, que a transformação que passará da saída do


Lugar de Origem e suas estruturas sociais, ao Lugar de Destino, são de extrema importância,
neste último, como estratégia de readaptação. Permite-se este pensamento: o adaptar-se é
necessário Lá, ainda que esta adaptação não requeira o se entregar àquela lógica, mas, sim de
se integrar a mesma. A esta integração, os limites individuais geram respostas diversas (de
como este tecido social foi feito/refeito).
Existem aqueles que, no Arizona, pela dificuldade da barreira lingüística, se permitem
estar numa rede muito diminuta de indivíduos falantes da mesma língua – brasileiros e
lusófonos. Tais indivíduos encontram uma possibilidade extremamente limitada de apoio,
ainda mais em um estado onde brasileiros são poucos, pouco articulados e pouco influentes.
São incipientes as empresas de brasileiros no estado52, de modo que, têm uma grande

52
Numa pequena busca no portal local do Yahoo! Phoenix foram encontradas 15 empresas – restaurantes, clínicas de
dermatologia e academias de lutas. Cf. http://local.yahoo.com/results?p=brazilian&fr=&sortby=&csz=Phoenix%
2C+AZ&flnstr=&flsstr =&ppg_nm=1&pg_nm=2&xargs=&start =10, acessado em 29/12/2008.
32

vantagem aqueles que mesmo não dominando a língua espanhola, se aventuram com as redes
de relacionamento hispânicas.
A maioria não-branca no estado do Arizona é de etnia hispânica, detendo uma
possibilidade muito maior de obter informações acerca de moradia de baixo custo, alimentos
e localização de toda uma rede de serviços que não é disponibilizada aos migrantes quando
chegam. Grande parte dos serviços prestados no estado do Arizona pode ser obtida em
espanhol, se não, com algum tipo de tradutor disponível (algum funcionário que fale ambas
as línguas ou até mesmo um migrante que se dispõe a ajudar). A rede de contatos hispânica é
mais solidária que a brasileira no Arizona, mais por conta da historicidade daquele grupo
social do que realmente um fator de “repulsa” que alguns brasileiros dizem haver entre
nacionais.
O domínio da língua inglesa permite uma dinâmica social mais ampliada,
possibilitando o diálogo entre o migrante e o contratador, ainda que sobre o migrante estejam
todos os demais agentes repressores. O que precisa ficar claro é que alguns contratos de
trabalho assinados, ainda no Brasil, podem ser categorizados como perversos, escravizando o
migrante e impossibilitando o retorno antes de seu prazo final. Negociações feitas nos EUA
poderiam levar a uma demissão com extradição ou a uma revisão das propostas de trabalho
do migrante com redefinição de tarefas, mas, geralmente acontece o primeiro caso. Tais
experiências foram simplificadamente citadas, com base em relatos coletados.
A fluência do inglês permite ao migrante, ainda, conhecer como funcionam aspectos
culturais da sociedade americana e a aproximar seu novo Lugar ao sonho americano, ainda
que distante, do sonho pretendido na partida. A capacidade de relacionamento com
americanos anglófonos admite, por exemplo, compreender os códigos de relacionamento e os
signos culturais, as leis e regulamentos, o espaço e a história do Lugar de Destino. Essa
compreensão mostra-se como vital para a construção de um novo Lugar, entre o Aqui e o Lá.
Por questões de afinidade, brasileiros com domínio da língua local, jamais se isolarão
dos demais brasileiros. É estimulado um calendário com comemorações típicas do Brasil,
como o Brazilian Day, em Nova York (todos os anos, na semana da Independência do Brasil),
shows artísticos e diversos eventos esportivos. A presença de artistas brasileiros é rara no
Arizona, mas não é difícil ver “caravanas” ou organização de encontros em algum estado
vizinho onde haja algum tipo de evento cultural brasileiro (geralmente, à
Califórnia).Brasileiros que falam inglês, geralmente estendem suas atividades culturais entre
os americanos, independente de suas origens étnicas.
33

Ainda que o visto HB não permita a matrícula em uma instituição de ensino, cursos
livres não são considerados uma forma de atrelamento a estas instituições. Bibliotecas
públicas não são somente pontos de utilização de internet de forma gratuita, mas são também
espaços de apreensão do novo, através de livros, revistas, jornais e ainda através de palestras
e debates.
Espaços públicos se tornam fontes quase inesgotáveis de compreensão do Lugar de
Destino, e ainda que o migrante desconheça a historicidade do Lugar ao chegar, permite-se
apreendê-la de forma quase impulsiva. Buscar compreender esse Lugar pode ser uma tarefa
longa, mas prazerosa, quando o migrante decide por viver o Lugar de Destino.
E com a compreensão do Lugar, acompanha-se a compreensão dos códigos e das leis.
O que a maior parte, se não a totalidade, dos migrantes desconhecem é que os vistos HB são
prorrogáveis, extensíveis a outros empregadores que preencham os pré-requisitos necessários
estabelecidos pela USCIS.
Dos vários advogados especializados em Direito Imigratório existentes no estado (120
estão cadastrados no sítio do Bureau of Attorneys Association ou BAR53 - equivalente a
Ordem dos Advogados do Brasil), alguns ainda trabalham pro labore, dependendo do caso.
Vale lembrar que a legislação americana obriga que a primeira entrevista com um advogado
de imigração seja gratuita até que o migrante aceite e o advogado concorde com o
caso/cliente. Como exemplo cita-se o Condado de Maricopa, onde duas instituições oferecem
serviços legais para casos de migração, de forma gratuita54.
Acordos de moradia podem ser feitos com maior facilidade e a custos menores, pelos
migrantes que dominam a língua local, já que americanos têm certo receio em dividir
moradia com não-falantes do inglês. No sudeste do Condado de Maricopa, assim como na
cidade de Flagstaff, localizam-se as duas maiores universidades do estado (Arizona State
University – ASU e a Northern Arizona University – NAU,), onde uma população estudantil,
no entorno dessas instituições, contribui para preços de moradia ligeiramente mais baixos
(considerando a divisão das despesas dos moradores do imóvel). Ainda na região
metropolitana de Phoenix, outras instituições de nível superior, assim como as Faculdades
Comunitárias do Condado de Maricopa, criam outras pequenas zonas de menor custo de
moradia.

53
Cf. www.azbar.org, acessado em 29/12/08.
54
São elas o Serviço Social Católico e o “Friendly House” (Casa Amiga). Fonte: www.azbar.org, acessado em 29/12/08.
34

3.3 O Sonho Brasileiro No Arizona

Desta forma, os brasileiros no estado do Arizona apropriam-se das estruturas


oferecidas para concretizarem seus sonhos e desejos. Não se apresenta um espírito
aventureiro por si só, tampouco foge-se de grandes calamidades. A estrutura social dos
brasileiros no Arizona reflete o papel geral da migração, como a busca de uma melhoria da
qualidade de vida. Tal melhoria perpassa, como dito, aos conceitos próprios de cada migrante
e a análise de cada historicidade levaria a compreensão de que a identificação com o espaço
seria feita de forma única por cada migrante.
Tal estrutura de pesquisa fora levantada por SAYAD e muito bem trabalhada por
aquele autor, mas, como o escopo desta presente pesquisa é a percepção do uso de conceitos
geográficos diante das problemáticas encontradas neste exemplo, ampliam-se as
possibilidades da continuidade deste estudo no futuro, quando caminham adiante novas
estruturas de análise e de pesquisa.
Se porventura forem concebidos elementos mensuráveis, a partir do ponto que são
concretizáveis pelos migrantes no Lugar de Destino, veremos que o sonho brasileiro nos EUA
e mais especificamente no Arizona, caminha pelo viés da solidificação de uma vida de classe
média – aquisição de bens móveis e imóveis – e ainda, o de estabelecimento em uma “terra
de oportunidades”55. Grande parte dos brasileiros que se mantém no Arizona encontram-se
casados, alguns com filhos nascidos56 nos EUA. Não caberá neste estudo a avaliação da
proposição do casamento – se por relacionamento tradicional ou se por conveniência
(casamento para o Green Card57). Ainda assim, percebe-se pelos relatos que as notícias
referentes a casamentos, nascimentos e na mesma proporção, aquisição de veículos e
imóveis, são de grande importância para serem transmitidas aos familiares que ficaram no
Brasil58. Em menor grau de importância ou talvez freqüência, os relatos de novos empregos e
de conclusões de cursos são noticiados para o Brasil.
Outros relatos apontaram um volume menor de notificações de mudanças de emprego,
haja vista que a dinâmica empregatícia nos EUA mostra-se bem diferente da realidade
55
Cf. Anexo I. Tais elementos mensuráveis representam uma faceta economicista deste estudo, mas por buscar além, tais
aspectos não são tomados como únicas formas de apreender o movimento migratório como sendo somente o da busca de
mais bens materiais, mas pela percepção de que haja algo mais do que somente uma satisfação financeira.
56
São chamados “Anchor-Babies” aqueles que têm filhos nascidos nos EUA com intuito de conseguir a não-deportação.
Sobre este fenômeno, ver SALES, 1999.
57
Green Card é o apelido que se dá ao Cartão de Residência de Estrangeiros nos EUA, emitido pelo USCIS.
58
Em algumas comunidades mais organizadas nos EUA, estes fatos têm grande importância em pequenos tablóides e outras
formas de comunicação social da “colônia de imigrantes”. Sobre este fato, ver SALES, 1999, p. 20.
35

brasileira e, com isso, os membros familiares que se encontram distantes desta realidade
encontrarem dificuldade em compreender e aceitar essa diferença.
Geralmente a aquisição de bens é a “moeda de troca”, quando se compara os relatos
entre brasileiros nos EUA e seus familiares no Brasil, estabelecendo-se uma certa
quantificação da qualidade de vida Aqui e Lá. A facilidade de aquisição de produtos eletro-
eletrônicos nos EUA e de gêneros alimentícios no Brasil, seguem como temas comuns entre
as conversas através da Internet ou do telefone. O modo preferido de comunicação entre
Brasil e EUA é através dos meios eletrônicos.
De fato, foi quase unânime a observação de que as mazelas do dia-a-dia no Arizona
não são reportadas. Algumas destas o são somente para pessoas de maior consideração e
apego na família (como pai ou mãe), mas definitivamente são esquecidas quando se trata de
membros mais antigos da família (como avós).
Mas ainda assim, fatores que permitem uma reestruturação do migrante – as redes
sociais, as falhas legais, a adequação no novo Lugar – fazem do Arizona uma esperança
espacializada. A história futura dirá se este Lugar poderá se tornar uma nova base de recepção
de brasileiros nos EUA, o qual poderá contar com estruturas sociais mais fundamentadas, se
assim for.

3.4 Lá Como Um Novo Lugar

Ultimamente, o sonho migrante brasileiro no Arizona, em especial no condado de


Maricopa (no qual a região metropolitana de Phoenix se inclui), tem encontrado mais um
agravante: o Xerife Joe Arpaio conseguiu aprovação do Comitê de Segurança Pública para
que se possa verificar o status legal de qualquer transeunte, sob qualquer alegação59. Segundo
o Xerife, tal procedimento vem ao encontro a uma prática crescente na nação em prol de um
melhor controle dos imigrantes ilegais60 e da redução da criminalidade.
Somando-se a um quadro atual, onde a escolha da governadora do estado do Arizona,
Janet Napolitano para o cargo de Secretária do Departamento de Segurança Doméstica
59
“Panel: Stop Arpaio from Immigration Enforcement”, em http://www.azcentral.com/private/cleanprint/?1230455219834,
acessado em 27/12/08. O Xerife tem se utilizado do programa federal 287(g), treinando seu pessoal para tais abordagens
conforme critérios da USCIS.
60
“Opinion: State of Fear”, Editorial do New York Times em 08 de Dezembro de 2008. Cf. http://www.nytimes.com/2008 /
12/08/opinion/08mon2.html?ref=opinion, acessado em 27/12/08.
36

indicaria uma política migratória a ser adotada pelos EUA no governo Obama, poderíamos
desafiar as expectativas de grupos pró-imigrantes em um futuro otimista por essência61.
Napolitano já esteve entre a adoção de políticas pró-imigrantes e contrárias aos mesmos e a
indicação desta governadora para um cargo de renome pode mudar o foco da atuação da
problemática pela esfera da União62. Basta lembrar que no próprio estado do Arizona, com o
apoio da governadora, o Xerife Arpaio começou sua política de repressão migratória beirando
preceitos racistas63. Observa-se cada vez mais o aumento no número de deportações64, o que
caminha para a conclusão que a sociedade americana é cada vez mais excludente e
xenófoba65.
A questão da melhoria da qualidade de vida desses migrantes encontra uma nova
variante, na consideração de que policiais locais podem checar status migratório e manter sob
custódia por até 48 horas até a chegada de algum agente federal. Ainda que se considere que
o status dos migrantes em sua maioria fosse legal, tal embaraço, acompanhado da
insegurança daqueles que não o são, podem levar a um stress social e provocar uma repulsa
por este Lugar. Não há como negar tal fator.
Na contramão, pensando no momento da saída do Brasil, pensa-se em várias
possibilidades, vários “a fazer” em uma terra relacionada com a esperança e a vontade de
melhorar de qualidade de vida. De fato, uma mudança espacial como esta, nesta dimensão,
necessita de um propulsor considerável que faça mover uma massa de indivíduos a uma
distância considerável. Percebe-se também que a estrutura financeira do migrante antes de
partir é importante, mas não determinante em alguns casos.
As capacidades de adaptação e de fixação são imprescindíveis ao migrante brasileiro
no Arizona, em conformidade com a adaptação do seu sonho até então vivido em esperança
no Brasil, para o sonho confrontado com a realidade, vivida no Arizona. A essas capacidades,
permite-se uma compreensão de como o migrante sobrevive neste novo espaço e caminha
para a compreensão de uma dinâmica além do indivíduo – deste com o espaço e com outros
indivíduos. Chega-se a um novo Lugar, o Lugar de Destino.
Este Lugar só existe por uma combinação de fatores, mas destacam-se a capacidade
de vivência deste espaço com uma dinâmica do espaço vivido, onde as relações sociais se dão

61
Cf. http://www.nytimes.com/2008/12/08/opinion/08mon2.html?ref=opinion, acessado em 27/12/2008.
62
Cf. http://www.tucsoncitizen.com/altss/printstory/frontpage/103288, acessado em 23/11/2008.
63
HERNÁNDES, David Manuel. Pursuant to Deportation: Latinos and Immigrant Detention. In: LATINO STUDIES
2008. Los Angeles: Palgrave Macmillan, 2008, p. 35-63. Disponível em http://www.palgrave-journals.com/lst.
64
Cf. http://www.boston.com/news/local/breaking_news/2008/11/immigration_off_1.html, acessado em 07/11/ 2008.
65
Cf. http://www.newsweek.com/id/176420/output/print, acessado em 27/12/2008.
37

e ocorre a construção de uma historicidade nova, de uma sociedade híbrida, de uma cultura
associativa.
E esperanças existem. São pequenos atos cotidianos que mudam uma realidade como
a encontrada66, não somente por brasileiros, mas por migrantes latino-americanos em geral,
em quase toda parte nos EUA. Brasileiros no Arizona, mexicanos no Texas, cubanos na
Flórida, marroquinos na Espanha, argelinos na França, bolivianos no Brasil. A realidade é
excludente, mas o migrante se faz presente, incomodando uma ordem social alienada. O
migrante faz, na sociedade na qual se insere, pensar e refletir sobre o seu papel, sua origem e
seu futuro.
Sendo o ato de migrar motivado pela melhoria da qualidade de vida e tendo o
migrante o poder de observar o óbvio de forma nova, é pela visão do migrante67 que uma
sociedade pode buscar compreender-se e lutar contra as verdadeiras desigualdades, toda e
qualquer uma. Uma visão economicista reduziria esta capacidade e seria um desperdício de
oportunidade na construção de um mundo que gostaríamos que fosse.
Em busca de uma satisfação, o migrante cede e busca, aceita e luta, combate e é
combatido diariamente. E da construção das migalhas que lhe são cedidas, é refeita a
sociedade, não a brasileira, não a americana, mas uma nova, entre o Aqui e o Lá. Dentro
desse espírito de necessidade e solidariedade, o migrante trabalha para uma nova proposta de
sociedade, ainda que a desconheça, caminha-se para uma outra globalização, daquela que se
espera, daquela que se constrói pelos indivíduos em busca de uma solidariedade contra as
mazelas do capital excludente. O Lugar de Lá é o Lugar da Esperança.

66
Algumas experiências, inclusive no Arizona, buscam a compreensão do fenômeno migratório de forma mais humanista.
Conferem-se premiações a tais iniciativas, como visto em http://www.azcentral.com/community/tempe/articles/2008/
12/11/20081211ar-immigration1213.html, acessado em 27/12/2008.
67
PEIXOTO, Nelson Brissac. O Olhar Estrangeiro. In: NOVAES, Adauto; et al. O Olhar. São Paulo: Cia. das Letras,
1988.
38

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Neste trabalho, caminhou-se com a visão de que o movimento migratório não pode
ser compreendido somente por seus números ou por suas estatísticas. Muito se esconde por
trás dos indivíduos que compõem esses números e por conta disso, busca-se a compreensão
do espaço vivido por essas pessoas.
A pesquisa em movimentos migratórios apresenta várias dificuldades, inclusive as
estatísticas. Brasileiros, assim como outros migrantes, tendem a não serem claramente
classificados em censos e sob um discurso de melhoria da qualidade de vida dos migrantes,
institutos de pesquisa ou até mesmo, a academia, se incumbem de apresentar uma
classificação desumanizada para tais indivíduos.
A não aceitação dos termos geralmente utilizados nessas pesquisas, trouxe a tona a
impersonalidade e a frieza de uma lógica que permeia o meio científico, ao desumanizar o
humano e dar clareza a uma tônica capitalista excludente, justificando vários discursos,
clichês, propostas, leis e principalmente atos.
Uma das propostas deste trabalho é desmistificar qualquer idéia que possa considerar
o indivíduo migrante a ser levado a mover-se simplesmente pelo fator econômico. Acredita-
se na existência de algo mais do que isso. É necessário que haja algo além disso.
Dentro dessa lógica, o trabalho de busca por uma terminologia que englobe tais
momentos, além da percepção capitalista clássica, leva ao encontro do termo “Lugar” na
Geografia, onde o espaço se encontra, autenticamente, como um ponto de vivência e
realização do ser humano. Caminha-se para a compreensão de cada ser é um componente da
humanidade. Muito mais do que só um espaço, o Lugar é a realização de um ato humano
onde o ser acredita neste espaço e faz uma reflexão de si, sob sua identificação.
Se então o Lugar é o ente de estudo, torna-se necessário conceber que para o migrante
haja dois lugares: o de partida, de identidade primária ou o Aqui; e o de seguimento, de
adequação, de destino ou o de Lá. Ambos estão ligados, seja através de uma rede
propriamente dita, onde o encontro se dá eventualmente através de indivíduos e/ou de
informações, seja também, por dentro do próprio indivíduo, já que d’Aqui se levam coisas
para Lá.
39

Valores e sonhos intangíveis são levados para Lá e compõem o arquivo permanente


do ser humano, que lhe traz lembranças e experiências para sua satisfação pessoal. Tais
valores não podem ser considerados somente sob a ótica econômica, pois, a estruturação da
felicidade e realização, no pensamento do migrante, podem ir muito além disso.
A chegada no Lugar de Destino muda essas percepções. Se antes o Lá era imaginado,
agora ele é tangível e com isso, caminha para o lado da admiração, do arrependimento ou
ambos. A constatação, pelo migrante da realidade diferente daquela desejada ou esperada,
pode levar a uma nova noção do que é o plano de pertencimento a um novo Lugar e, com
isso, a constatação de que o plano original não pode mais ser concluído, em sua plenitude,
conforme desejado a priori.
Na busca de uma adequação entre o planejado antes e o encontrado depois, o migrante
permite-se novamente sonhar dentro de outra realidade apresentada e, com isso, adaptar-se ao
novo Lugar, criando, entre o Aqui e o Lá “original”, um hibridismo entre o seu Lugar de
Origem e o Lugar de Destino encontrado.
Assim, ao se conceber o Lugar como o espaço de construção do indivíduo, tem-se o
entendimento de que o próprio Lugar está em constante mudança, maleável por conter em si a
identidade do indivíduo que o compõe. Tal maleabilidade é compreendida pela
contemporaneidade e a necessidade de transfigurar-se, indivíduo e espaço, naquilo que os
projetos pensados por estes entes são concretizados. A inconsistência da identidade humana
permite que os Lugares, sejam quais forem, trabalhem em dinâmicas sociais e temporais não
coincidentes. Uma visão de que o tempo poderia ser relativizado, também na composição do
Lugar de Destino, se comparado ao Lugar de Origem, caminha para uma conclusão na qual
as redes sociais não são sempre presentes, permitindo o migrante absorver também o novo e
fazer do Lugar de Destino, um outro lugar, que não é a réplica da Origem, mas uma visão
diferenciada desta no Destino.
O poder de visão do Migrante lhe dá a capacidade de recriar uma estrutura
marginalizante em uma sociedade que observa o seu âmago e suas contradições. Políticas
públicas, que compreendem a perceptividade do migrante às problemáticas sociais, adquirem
um tom mais humano, o que permite ainda o debate da alteridade. Pela visão do outro, o
migrante se vê como não igual, mas também um não diferente. O princípio do
posicionamento humanista deveria prevalecer onde a presença migrante é aceita.
Nos anais da História Americana é possível constatar que, em certos momentos, os
migrantes foram bem aceitos e, independentemente de uma política estatal, a discriminação, a
humilhação e a rejeição não foram explicitadas àqueles nascidos fora do Lugar de Destino.
40

Ainda houve situações em que se rotulavam tipos ideais (migrantes desejados ou rejeitados),
onde a política decidia quem viria, mas a sociedade ainda não estava preparada para tal.
Uma rápida análise do que passam os brasileiros no estado americano do Arizona,
onde a proximidade com a fronteira mexicana faz com que a sociedade tenha uma tolerância
bem diferente daquela encontrada em outros estados, permite uma percepção do que foi aqui
levantado.
Se um migrante tem a capacidade de transformar seu meio social, em uma terra onde
poucos são os que compartilham sua condição de origem/destino, pode também visualizar
como as transformações sociais respeitariam sua tentativa de concretização do plano original
sonhado, na saída do Lugar de Origem. Muitas são as expectativas, desde a efetivação de uma
vitória singular até a projeção de uma imagem de renome que viesse a ilustrar meios de
comunicação de massa, que os fatos mostram o contrário. Haja vista a capacidade de
adaptação do ser humano, um novo Lugar seria necessário, não pelo simples fato de
sobrevivência, mas pelo objetivo de concretização de sonhos, de esperanças, de vontades. A
satisfação em migrar encontraria um meio termo, entre o que se espera e o que se obtêm e a
esse meio termo o migrante teria bases para alçar uma nova esperança no Lugar de Destino.
Chegar nesse novo Lugar traz uma nova visão de mundo, onde mais atores sociais
contribuem para a construção do ser social migrante. Uma concepção de mundo que se
amplia e permite a absorção pelo migrante de dinâmicas sociais diferentes, se não
contrastantes, daquelas trazidas da Origem. A capacidade de adaptação do migrante se
consolida na resposta a dois questionamentos: Até que ponto o migrante permite-se atrelar ao
novo sistema social? E até que ponto este novo sistema social estaria sendo buscado pelo
migrante?
Se o estudo dos movimentos migratórios tem contribuído para um movimento “sem
indivíduos” – ao invés de um estudo de indivíduos inseridos no movimento migratório –, a
nova perspectiva, partindo do Lugar, traria uma verdade à tona: as contribuições dos
migrantes são maiores e mais produtivas, no que se refere a imagem do Lugar de Destino,
quando se faz daquele uma espacialidade da esperança. Uma possibilidade de transformar
todo o entendimento do porquê migrar, estaria na funcionalidade da construção do novo
Lugar, onde este traria em si, os elementos da esperança para aqueles que conectados a rede
migratória, encher-se-iam de novos sonhos, novas esperanças.
Se essa esperança na chegada não for palpável, a certeza de uma nova forma de
organizar a vida, de reorganizar-se, pode trazer ao migrante uma outra esperança, até então
não encontrada no Lugar de Origem, a vida refeita segundo os princípios da igualdade e da
41

democracia. Em um momento, o migrante pode rever sua própria cultura e em vista da


cultura nova, estabelecer uma ponte entre o que considera sustentável de ambas, gerando, em
seu novo espaço, um novo traço cultural, entre o Aqui e o Lá.
Uma nova forma de ver o mundo, permite que o migrante tenha uma nova forma de
ver a esperança e possa contar com outra expectativa de futuro, onde sua integração se dê por
completo, onde sua aceitação Aqui e Lá seja sustentada não somente pelos seus sonhos, mas,
também, pelo suor de seu caminhar.
Constrói-se, então, uma outra espacialidade, não somente pautada nos Lugares, mas
no Mundo. Uma outra globalização.
.
42

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AUSTER, Lawrence. The Path to National Suicide: An Essay on Immigration and


Multiculturalism. Charles Town, WV, EUA: Old Line Press, 1990.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge


Zahar, 2005.

BROWNE, Anthony. Do We Need Mass Immigration?: The economic, demographic,


environmental, social and developmental arguments against large-scale net immigration
to Britain. Londres: Civitas: Institute for the Study of Civil Society, 2002.

DINNERSTEIN, Leonard; REIMERS, David M. Ethinic Americans: A History of


Immigration. Nova York: Columbia University Press, 4th ed., 1999.

FIRMEZA, George Torquato. Brasileiros no Exterior. FUNAG, Brasília, 2007.

FUSCO, Wilson. Migração e Redes Sociais: a distribuição de brasileiros em outros países e


suas estratégias de entrada e permanência. In: MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES
EXTERIORES – Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior.
Brasileiros no Mundo: I Conferência sobre as Comunidades Brasileiras no Exterior. Rio
de Janeiro: FUNAG, 2008, p.159-180.

HAESBAERT, Rogério. O Mito da Desterritorialização: Do “Fim dos Territórios” à


Multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2ª ed., 2006.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 7ª ed.,


2003.

HERNÁNDES, David Manuel. Pursuant to Deportation: Latinos and Immigrant Detention.


In: LATINO STUDIES 2008. Los Angeles: Palgrave Macmillan, 2008, p. 35-63.
Disponível em http://www.palgrave-journals.com/lst.

JOHNSTON, R. J. ; GREGORY, D.; SMITH, D. M. (org.) The Dictionary of Human


Geography. Cambridge, Massachussets, EUA: Blackwell Publishers, 3rd ed., 1994.

KNAUSS, Paulo (org.) Oeste Americano: Quatro ensaios de histórias dos Estados Unidos da
América de Frederick Jackson Turner. Niterói, RJ: EdUFF, 2004.

KOCHHAR, Rakesh. Sharp Decline in Income for Non-Citizen Immigrant Households,


2006-07. Washington, D. C.: Pew Hispanic Center, 2008. Disponível no endereço
www.pewhispanic.org.

LESSER, Jeffrey. A Negociação da Identidade Nacional: imigrantes, minorias e a luta pela


etnicidade no Brasil. São Paulo: Ed. UNESP, 2001.

MATA, Milton da. Urbanização e migrações internas [1973]. In: MOURA, Hélio A. de
(org.) Migração interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB, 1980, p. 807-844.
43

PASTORE, José. Brasília: A cidade e o homem: uma investigação sociológica sobre os


processos de migração, adaptação e planejamento urbano. São Paulo: Cia. Ed. Nacional,
1969.

PEIXOTO, Nelson Brissac. O Olhar Estrangeiro. In: NOVAES, Adauto; et al. O Olhar.
São Paulo: Cia. das Letras, 1988.

POVOA NETO, Helion. Migrações internas e mobilidade do trabalho no Brasil atual:


novos desafios para análise. In: HEIDERMANN, Heinz Dieter; SILVA, Sidney
Antonio da (org.) Simpósio Internacional Migração: nação, lugar e dinâmicas territoriais
(São Paulo, 1999). São Paulo: Ass. Ed. Humanitas, 2007, p. 45-56.

REIS, Rosana Rocha; SALES, Teresa (org.) Cenas do Brasil Migrante. São Paulo:
Boitempo, 1999.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo:
EDUSP, 2002.

______. Por Uma Outra Globalização: Do Pensamento Único À Consciência Universal. Rio
de Janeiro: Record, 13ª ed., 2006.

SAYAD, Abdelmalek. A Imigração: ou Os Paradoxos da Alteridade. São Paulo: EDUSP,


1998.

SINGER, Paul. Migrações Internas: considerações teóricas sobre o seu estudo [1976]. In:
MOURA, Hélio A. de (org.) Migração interna: textos selecionados. Fortaleza: BNB,
1980, p. 211-244.

TOBLER, W. Migration: Ravenstein, Thornwaite and Beyond. Urban Geography [1995].


ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE GEOGRAFIA, 1994 [S.l.], p.
327-343.

TORRES, Sonia. Nosotros in USA: literatura, etnografia e geografias de resistência. Jorge


Zahar Ed., Rio de Janeiro: 2001.

WEBBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Ed. Martin Claret, São
Paulo: 2002a.

___________ Ciência e Política:Duas Vocações. Ed. Martin Claret, São Paulo: 2002b.

ZHOU, Min. Immigrants in the US Economy. In: MASSEY, Douglas S.; TAYLOR, J.
Edward (org.) Internacional Migration: Prospects and Policies in a Global Market.
Oxford University Press, Londres, 2004.

ZOLBERG, Aristide R. Bounded States in a Global Market: The Uses of International


Labor Migrations. In: BORDIEU, Pierre; COLEMAN, James S. (org.) Social Theory
for a Changing Society. Westview Press, Nova York, 1991.
44

ANEXO

A. Correspondências e mensagens eletrônicas enviadas/recebidas, por ordem de


envio/recebimento.

1. Primeira correspondência, enviada a 155 destinatários, além da postagem em forma de mensagem


em nove comunidades68 da rede de relacionamentos ORKUT, entre os dias 15 e 20 de dezembro de
2008.

Oi (nome)!
Eu estou finalmente terminando minha graduação em Geografia na UERJ, e preciso terminar minha
monografia... e estava precisando DA SUA AJUDA! Minha monografia é sobre a vida dos brasileiros nos EUA,
e eu gostaria de contar com a sua ajuda... preciso do seu depoimento! Pode ajudar? Quer ajudar? Então me
manda um email (lucianodalcol@yahoo.com.br) me contando a sua vida nos EUA! Dois pontos são cruciais
para mim:
1) Como foi a sua ida? Não quero saber se você foi legal ou ilegalmente – o importante pra mim é
saber como foi a DECISÃO de ir. Você decidiu sozinho/a? Como você foi (através de amigos, parentes, agência
de trabalho)? Quanto tempo demorou, do momento de decisão ao momento de partida? Como foram os
primeiros dias na América?; e
2) Como foi que você se organizou aí? Tem amigos? Fez amigos? Onde morou na primeira vez? Como
foi o primeiro emprego? Passou dificuldades? (Se quiser e puder, me conte?) Se considera americanizado? Se
sente bem, tranqüilo, seguro (não só no sentido contrário a violência, mas também no sentido de conforto)
morando nos EUA?.
Outras coisas também são interessantes como: Sente saudades? Planeja voltar para o Brasil? Quando?
Conhece outros brasileiros? Se relaciona com eles? Prefere se relacionar com algum grupo específico?
Freqüenta Igreja? Qual?
Ao invés de me responder uma a uma das perguntas, me escreva um texto. Não precisa responder todas
elas. Prefiro um depoimento. Se quiser me mandar um email com algumas histórias, e se depois lembrar de
outras, pode mandar. Aliás pode ficar mandando sempre, porque esse também vai ser meu tema de Mestrado :)
Não é nada demais, até porque não quero fazer questionários, não tenho necessidade de ter número x
ou y de entrevistados... O que quero é uma "amostra qualitativa" onde eu busco relatos de brasileiros nos EUA.
Minha pesquisa é sobre como os brasileiros se rearrumam. Em Boston, tem uma comunidade grande.
Em Phoenix, quase nenhum. Então preciso que você me dê o seu depoimento em 2 momentos: antes de ir, e
assim que chegou (os dois primeiros anos).
68
“I live in Arizona”, “Phoenix, AZ”; “Tô com saudades do Brasil”; “Noite Latina na Axis/Radius”; “Brasileiros no
Exterior”; duas comunidades com o nome de “Brasileiros no Arizona”, e outras duas com o nome “Brasileiros nos EUA”.
45
Sei que só esses dois momentos dão muito pano pra manga, mas o objetivo não é escrever TODOS os
acontecimentos, somente aqueles que você considera mais importante.
Então, preciso de um parágrafo de como foi a sua ida: quando surgiu a idéia, se você já conhecia
alguém nos EUA antes de ir, como foi a preparação, a decisão (foi individual ou decidida em família/amigos?),
como foi a forma encontrada de ida.
Um outro, preciso que você me diga como foi a decisão de ficar: como foram os primeiros dias, meses
nos EUA, como você se relacionou com outras pessoas, como você se sentia morando nos EUA, quais foram as
facilidades e dificuldades encontradas.
Espero que este seja realmente o seu email.
Beijao!
Merry Christmas and Happy New Year! :)
Luciano

2. Em 15 de Dezembro de 2008, a resposta de F. abaixo, através da rede de relacionamentos ORKUT:

Olá, acabei de ver sua mensagem...


Fiquei em Phoenix por 3 meses, pois meu namorado mora lá... então a decisão foi justamente pra estar
ao lado dele...fui sozinha.O que mais me chocou com relação a cultura, foram experiências com negros...que me
trataram de forma diferente, e também de não poder andar em determinados bairros que só tem negros pra não
ter problemas...
Não trabalhei, mas tenho amigos lá... americanos, não encontrei brasileiros nesse tempo que fiquei lá...
só depois fuçando em comunidades que fiz amizades com uns.. mas não conheço pessoalmente ainda. A vida lá
me pareceu segura comparando-se ao Brasil... emprego/violência (dependendo do bairro aonde mora), e
considero a cultura deles muito parecida à brasileira por isso acho que é até fácil se adaptar... também descobri
um supermercado que vende produtos brasileiros então isso também ajudou muito... o transporte público não é
dos melhores, mas também as pessoas conseguem comprar carro com maior facilidade do que aqui no Brasil...
planejo estar sempre voltando ao Brasil o máximo de vezes possível, pois amo o pais e só o deixarei por causa
do meu namorado.
Enfim, espero ter ajudado...boa sorte em sua dissertação.
Esta mensagem foi enviada por ♥ F

2. Em 7 de Janeiro de 2009, a resposta de G. abaixo:


46
Oi Lu!!! Agora que vi seu email dizendo que era só antes de ir e dos primeiros 2 anos... Sai escrevendo
sem me toar... Bom vou te mandar mesmo assim, sei que você fará algum proveito do que eu escrevi, mesmo se
saiu do requerimento!! Ok?! To doente, com muita gripe e pisei num espinho domingo e meu pé ta todo
inflamado, por isso to com preguiça de refazer... Mas faça bom proveito da minha historia!!! Beijão grande e
não tira onda com as merdas que escrevi não viu! Hahahah!!
Beijão e boa sorte!! Feliz ano Novo!!!
G.
(arquivo anexo com o depoimento, reproduzido abaixo)
Oi Lu!!
Vou contar a minha historia de como vim para nos Estados Unidos… mas vou escrever em português...
Com erros de gramática com certeza, mas deixo pra você corrigir ok!?
Eu e minhas amigas na mesa de uma lanchonete em Natal jogando conversa fiada.. e tudo começou
com uma brincadeira de morar nos Estados Unidos… parecia um sonho tão distante ha um tempo atrás. Porque
sempre tive vontade de morar no exterior, aprender uma nova língua… de saber como é morar num lugar
desconhecido. Bom… começamos a falar de morar nos Estados Unidos e daí eu levei a sério o papo. Eu tinha 24
anos e estava me formando em Administração de Empresas, trabalhava como caixa no Banco Itaú (o que eu não
era um emprego ruim para minha idade, mas não gostava de ser caixa, primeiro pela pressão em atender a fila
rápido, e segundo por ter que pagar quando eu dava diferença de caixa). Eu e minha amiga Lorena decidimos vir
pra os Estados Unidos em Julho de 2004. Tinha uma amiga de faculdade que me deu o maior apoio a ficar com
a família dela que já morava aqui, a mãe, o irmão e irmã. Acho que não teria vindo se não tivesse alguém pra me
orientar e receber aqui. Eles eram o meu apoio, meu ponto de referência. Planejei tudo pra vir e ficar com a
família da minha amiga em Phoenix AZ ate eu começar a trabalhar…
Tirei o visto que foi moleza, especialmente porque ainda estava na faculdade e tinha uma renda boa do
meu trabalho. Fui ao consulado e disse que vinha passar as ferias na Disney. Minha amiga fez o mesmo. Já ia
pedir demissão do meu trabalho, quando eu dei uma diferença de caixa de 1.000 reais no trabalho, tava louca
procurando e sei que sempre colocava o dinheiro antes de colocar no cofre, sempre colocava debaixo do meu
computador. Dai o rapaz da limpeza achou e não devolveu. Ficou com o dinheiro, o banco não tinha câmeras,
não tinha como provar e sabíamos que tinha sido ele que tinha pegado, porque ele tinha comprado uma bicicleta
novinha no outro dia. Enfim… não pude falar nada pra ele… o banco queria que eu pagasse a diferença e eu me
recusei, foi ai que eu recebi minha demissão. O que foi ótimo pra mim, porque eu recebi um dinheiro até bom,
que foi o que me sustentou no início da minha vida nos Estados Unidos. No dia da minha demissão minha
gerente chegou pra mim e disse que eu poderia anda mudar essa situação... que eu já estava sendo observada
para ocupar um cargo de tesoureira.. e que eu poderia pagar a diferença e continuar a minha carreira no banco.
Eu pensei... mas eu cheguei a conclusão que não queria passar a minha vida presa a um banco, com medo de
olhar o mundo lá for a e que aquela era a minha oportunidade de sair da empresa (que me abrigava a pagar um
dinheiro que eles sabiam quem tinha pego, só que não tinha provas), mas que mesmo assim eu seria quem tinha
que arcar com o pagamento! Disse Bye Bye pro banco e peguei minha carta de demissão feliz da vida! Era
minha liberdade!
Comprei as passagens pra vir pros Estados Unidos… passagem marcada. Sai com um cliente do banco
1 mês antes de viajar e me apaixonei… dai ele fez minha cabeça pra eu ficar... fiquei com ele, cancelei minha
47
passagem. Nesse período a minha amiga que vinha também conheceu alguém e desistiu de vir. Passaram 3
meses, vi que tinha feito uma besteira, que aquele não era o amor da minha vida… fiz minhas malas e vim
embora. Isso aconteceu em Outubro de 2004. Nessa época já tinha gastado parte do meu dinheiro e vim pra os
Estados Unidos com $2.300 dólares. Minha mãe era contra a minha vinda… não só ela como muita gente…
ouvi muito que eu ia voltar em alguns meses com o rabinho entre as pernas, ouvi desse jeitinho... e guardei...
não falei nada e vim enfrentar a minha batalha nos Estados Unidos.
Cheguei aqui 05 de Outubro de 2004. Adorei a experiência da primeira impressão, tudo bonito,
organizado, limpo… amei as comidas! Só comia McDonalds por semanas, não poder se barato, mas por ser
gostoso e barato!!! Comprei meu carro velho por 1.500, mas mesmo assim eu adorava aquele carro! Amei
dirigir automático! Achava o máximo! Escrevia cartas pra minha mãe contando como era aqui, nunca mandei as
cartas… acho que era só uma forma de desabafar, de contar minha experiência… não sabia falar quase nada em
Inglês, nunca tinha tido um contato com Americano antes de chegar aqui e foi tudo muito estranho… meu
vocabulário em inglês era ótimo (estudei muito em casa alguns meses antes da minha viagem), mas meu inglês
travava quando eu ia falar. Achei um trabalho como babysitter, ganhava somente 8 dólares a hora e a família não
era legal comigo. Ela me colocava pra fazer um monte de coisas que não era minha responsabilidade. Nunca
cuidei de bebê na minha vida… nunca troquei 1 frauda se quer no Brasil, nem dos meus primos menores… eu
me lembro minha mãe pedindo e eu dizia não!! Aqui foi minha primeira vez... limpei bunda de nenê por 8
dólares a hora! Mas estava feliz… momentos de solidão começaram a chegar… escrevia… chorava… e sentia
muitas saudades!!! Mas tentava superar, ficava alguns dias super deprimida… aquela dor no coração! Mas
nunca desisti!
Quando decidi vir pros Estados Unidos sabia que não seria fácil, ate falava que se fosse preciso fazer
faxina eu faria! Bom… realmente não foi fácil, mas fazer faxina só agüentei por 2 dias… não mais que isso! Oh
trabalho difícil!!! Depois desses 2 dias nunca mais eu fiz! Preferi ser nanny aqui… comecei a trabalhar pra outra
família, muito rica, em tratavam bem. Eu ganhava $10 a hora, mas eu trabalhava 50 horas por semana. Nunca
fiz tanto dinheiro na vida, nem no banco não ganhava $2.000 ao mês!!! Já tive épocas ganhando $3.000 ao mês
como nanny. Porque comecei a ganhar mais a hora... e trabalhava de dia e fazia babysitter a noite… Trabalhei
com muitas famílias maravilhosas, que me tratavam como se fosse filha deles, eles me davam abraços tão
apertados e eu chorava depois que saia da casa deles… sentindo falta da minha família… achava super legal ser
tratada dessa forma, especialmente por ser babá dos filhos deles... as pessoas tem menos discriminação aqui com
certeza!
A parte mais difícil que eu acho em morar aqui no início foi não saber falar inglês… mas ate hoje
continuo achando que essa parte é a mais difícil. No inicio eu não sabia me comunicar com americanos… meu
inglês era péssimo! Me lembro uma vez que eu fui na biblioteca usar a internet (antes de ter um computador em
casa) e eu saí da biblioteca chorando porque eu não sabia perguntar como eu fazia pra usar a internet da
biblioteca! Foi muito difícil no inicio! Muito frustrante! Mas ate hoje acho que esse continua [sendo] meu maior
desafio… falo inglês fluente, mas tenho sotaque mesmo depois dos anos… e como vim pra cá aos 24 anos, e
não fui a nenhuma escola aqui, meu inglês melhorou muito, mas não ficou perfeito… e isso acho que ainda é
frustrante pra mim, especialmente na minha carreira.
Pensei muitas vezes em desistir… me lembro uma vez que só tinha 1 dólar no bolso… chorando,
chorando… dizendo que ia embora… amigos aqui são valiosos. Contei muito com a ajuda de amigos pra me
48
estender… dar a volta por cima e começar de novo. Mas já ajudei muito também… acho que aqui a gente
aprende mais a ser solidário. Não tenho família aqui, mas meus amigos e eu somos uma grande família... sempre
fomos... me lembro ter no meu quarto quando eu cheguei aqui somente um colchão no chão e uma caixa de
papelão virada fazendo um criado mudo pra eu colocar meu despertador… não foi fácil renunciar a minha vida,
trabalho e bem-estar no Brasil… minha vida lá não era ruim de jeito nenhum… mas não era o suficiente pra
mim.
Hoje sou casada, tenho um marido Americano maravilho que eu amo mais que tudo. Tenho a minha
casa própria, que é a casa dos meus sonhos e muito mais! E olho pra trás e fico orgulhosa de não ter desistido,
que vi demais acontecer com amigos meus. Olho pra trás e fico orgulhosa o que conquistei. Foi difícil, doeu
demais… muitas noites de depressão e em claro... Mas valeu cada coisinha... foi tudo um aprendizado!
Hoje sou fotografa, fiz algumas classes na faculdade. Participei de workshops, de seminários e estou
entrando no segundo ano da minha carreira. Estou muito feliz e estou começando a colher resultados
maravilhosos do meu trabalho. Tudo isso claro, porque eu tive a sorte de encontrar o meu marido, que me apóia
e me ajuda com tudo. E me sinto abençoada por estar aqui, por ter a vida que tenho… não tenho planos nenhum
de morar no Brasil de novo... saudades da família tenho, mas sei que eles vão vir aqui, minha mãe já veio aqui
umas 4 vezes... e amo morar nos Estados Unidos. Amigos brasileiros tenho demais aqui e acho que é isso que
faz a minha vida aqui ser mais fácil… ter sempre ao redor essa alegria e falar português. Mas tenho também
amigos americanos, e não falo mal dos Estados Unidos de jeito nenhum! Esse é o pais que eu quero viver!
Brasil só nas ferias!

3. Em 12 de Janeiro de 2009, a resposta de T. abaixo:

Minha experiência nos EUA


Vim aos EUA pela primeira vez aos 10 anos -- o passeio turístico de praxe: NY, DC, Miami e Orlando.
Fiquei fascinada pelo país e pela língua. Assim que voltei ao Brasil, quis logo começar a aprender inglês, e aos
14, só lia em inglês, mesmo sem entender metade dos livros! Sempre quis vir para cá passar mais tempo, mas
minha família não permitia. Na época que minhas amigas fizeram intercambio, nem pensar. Quando terminei o
colegial tinha uma tia que morava em Connecticut (fazendo Post-Doc), e, muito amiga de minha prima, meus
pais deixaram eu vir passar 6 meses. Cursei 1 semestre de faculdade no Brasil, tranquei, e de malas prontas, por
uma razão ou outra, não pude mais passar os 6 meses planejados com minha tia -- somente 1 ou 2. Já pronta
para vir, meus pais decidiram me mandar por intercambio mesmo -- que foi uma idéia maravilhosa para mim!
Passei quase 2 meses com minha tia, e vi que lá só falaria português. Morei por um ano com uma família em
Michigan (1990-91), e voltei ao High School -- só pela experiência. Nem pensei em ficar, pois sei que meus pais
não permitiriam.
Então voltei ao Brasil e retomei a faculdade. Alguns meses depois li sobre uma bolsa de estudos
através do IBEU do Rio e o Institute of International Education nos EUA -- fui até a primeira reunião
"escondida" de meus pais :) Me inscrevi, e fui um dos 18 estudantes selecionados naquele ano. Fiz todos os
49
testes para ingressar na faculdade americana (SAT, TOEFL, Achievement Tests), e consegui bolsas parciais em
várias universidades (este processo durou um ano, então foram 2 anos de volta ao Brasil entre intercâmbio e
College nos EUA). Escolhi a mais em conta, um Liberal Arts College em Massachusetts. Para mim foi um
sonho realizado. Para minha família, um suplício -- sofri muitas chantagens emocionais, mas no final meus pais
aceitaram, e até pagaram o resto que a bolsa não cobria. Comecei em setembro de 1993, e recomecei do zero --
queria a experiência completa, sem trazer nenhum crédito dos 2 anos e meio cursados no Brasil. Tive também a
grande oportunidade de passar meu terceiro ano em Paris. A língua não foi problema -- já falava inglês fluente.
E desde o primeiro dia, já me senti em casa!
No meu ultimo ano, não fazia a menor idéia para onde iria depois de formada -- queria ficar, e voltar ao
Brasil só de ferias. Desisti de fazer mestrado (tinha sido aceita em Yale), e fui trabalhar por 2 anos na agora
defunta Lehman Bros. em NYC. Trabalho de cão, sem direito a feriados, fins de semana, e ficava até altas horas
da noite. Sabia que não queria mais continuar na área financeira depois que o programa terminasse. Decidi
seguir outro sonho: tentar minha vida na área de cinema. Para não ficar ilegal, vim para Los Angeles para fazer
meu mestrado na UCLA, e devido aos contatos que fiz, consegui estágios em vários estúdios. Depois de
formada trabalhei num mini-estúdio, na área de distribuição e marketing internacional. Quando esta fechou as
portas, consegui um emprego num dos grandes estúdios, onde estou ate agora. Não totalmente satisfeita na
minha posição (trabalho nas capas dos DVDs vendidos no mercado internacional), mas por aqui fico ate
conseguir algo melhor.
No meio desta historia, em 2002 conheci meu marido, um americano filho de holandeses (que por
incrível que pareça, tem ate parentes no Brasil), e estamos casados ha 4 anos, com um filho de 1 ano. Não tenho
planos de voltar a morar no Brasil. Meu marido tem pânico da violência, e nem gosta ir de ferias comigo -- not
much fun for him, por não falar a língua, e nem minha família fala inglês. Fui da ultima vez em novembro
passado -- passei somente uma semana lá para apresentar meu filho à família.
Lógico que sinto saudades de minha família e da COMIDA! Mas meu sonho de morar aqui para
sempre se tornou realidade! Já cheguei falando inglês fluente e nunca passei necessidade -- tive períodos de
incerteza se conseguiria ficar ou não (nunca ficaria ilegal), mas sempre no final tudo deu certo. Hoje sou
residente permanente, e em breve vou aplicar para a cidadania. Hoje em dia me sinto mais confortável aqui, do
que no Brasil.
O que mais resta:
- Meu contato com brasileiros sempre foi limitado. Através do orkut consegui fazer varias amizades
com outras brasileiras casadas com americanos e com filhos -- então temos muito em comum.
- Não acreditamos em religião organizada, então não freqüentamos igreja.
- Quanto a amigos, o problema de fazer amizades estudando é que depois de formados, cada um vai
para um lugar diferente. Amigos de verdade estão todos longes. O resto, só mesmo conhecidos no trabalho.
Depois do nascimento de meu filho, participo de um grupo de mães, todas americanas, e tenho feito amizades
neste circulo.
É isso ai! Se quiser saber mais, É só me perguntar! Abraços, T.