Você está na página 1de 14

Sexo, só sexo, puro sexo… Foderam a minha esposa e foderam-me a mim…

RELATO ERÓTICO DO SR. C.

Armadilhas do destino

Amigos leitores, os nomes foram trocados para preservar nossa identidade. Meu nome é Carlos,
tenho 47 anos e este fato aconteceu no final de 2001.
Em 1985 conheci Marcelle, menina linda, corpo perfeito, morena clara, 1,65cm olhos verdes, 17
aninhos e um sorriso lindo que logo me conquistou.
Foi paixão a primeira vista, começamos a namorar e dois anos após nos casamos. Marcelle me
completava em tudo. Eu a amava, e ela sempre fazia questão de repetir que era louca por mim.
Éramos um casal muito feliz, os amigos invejavam o nosso relacionamento.
Dois anos depois de casado veio ao mundo nosso primeiro filho, que demos o nome de Ângelo.
Nosso amor fortaleceu ainda mais, cada dia que passava eu a amava com mais intensidade, e para
completar nossa felicidade um ano depois do nascimento de Ângelo veio ao mundo nossa filha que
demos o nome de Camila. Nossa felicidade agora estava completa.
O tempo foi passando e com muita luta fui conquistando um lugar ao sol. Levávamos uma vida
tranquila, tinha um bom emprego, ganhava razoavelmente bem, tínhamos uma bela casa e um bom
carro, enfim, estávamos estabilizados financeiramente.
Minha esposa cada dia que passava ficava mais linda. Duas gestações não fizeram mal nenhum ao
seu corpo, continuava perfeito, escultural, graças a muitas horas de malhação diária .
Fazíamos amor quase todos os dias, às vezes duas, até três vezes quando estávamos inspirados. E
assim levávamos nossas vidas.
Certo dia, precisei ficar até mais tarde na empresa para uma reunião de negócios, pois iríamos
fechar um grande contrato com uma multinacional, e de forma alguma podíamos perder aquela
conta.
Liguei para minha esposa dizendo que chegaria bem mais tarde que o horário que estava
acostumado a chegar e que não me esperasse para o jantar. Quando terminou a reunião já passava
da meia noite, me despedi do pessoal peguei meu carro e no caminho de volta mesmo cansado ia
pensando, nada como um bom banho e uma longa noite de amor com minha amada para relaxar e
esquecer os estresses do dia que terminou.
Lembrei-me da carinha que ela fazia quando chegava ao orgasmo, seus gemidos de prazer naquela
voz de veludo sussurrando no meu ouvido palavras desconexas cada vez que gozava. Quando
estávamos saciados ficávamos coladinhos um no outro trocando carícias por um longo tempo até
que o sono chegasse.
Como estava ampliando a garagem de casa, pois queria fazer uma surpresa para minha esposa, no
natal, ia presenteá-la com um carro, que era um dos sonhos dela que faltava realizar, então, a
mesma estava cheia de materiais de construções espalhado pelo piso, por isso provisoriamente
deixava meu carro em um estacionamento que ficava do lado da nossa casa.
Quando cheguei em casa, percebi que tinha algo de errado pois a lâmpada da garagem que ficava
ligada a noite toda estava apagada, e a luz do nosso quarto estava acesa.
Sem fazer barulho fui me aproximando e ouvi algumas vozes que vinha do nosso quarto, achei
estranho, pois eram vozes de homens misturado com uns gemidos abafados de uma voz que eu
conhecia muito bem.
Meu coração disparou, a primeira coisa que veio na minha cabeça era que minha esposa estava me
traindo. Será? Fiquei pensando comigo. Não podia acreditar! Tomei coragem, procurei um lugar
que pudesse ver o que se passava no interior do quarto, e por uma fresta da janela pude ver com
dificuldade minha esposa nua, de quatro na cama e um cara segurando seus cabelos, e com
força fodia desesperadamente sua buceta por trás, não dava pra ver seu rosto, pois tinha
outro cara na sua frente fodendo sua boca.
Fiquei paralisado não sei por quanto tempo, quando me recuperei do choque que tinha levado, olhei
de novo pela fresta e a foda continuava lá dentro. Por um momento fiquei pensando no que iria
fazer, meu coração parecia que ia sair pela boca. Senti o sangue ferver e na minha cabeça só um
pensamento, há quanto tempo minha esposa me traía, numa atitude imprensada, peguei um pedaço
de ferro, o primeiro que vi pela frente tentei abrir a fechadura sem fazer barulho e dar o flagrante e
acabar com aquela safadeza. Quando abri a porta e entrei, pude perceber realmente o que estava
acontecendo

Tinha outro cara na sala me esperando com uma arma apontada para mim. Mandou-me fechar a
porta e disse:
- Não reaja se não morre, já pegamos o que queríamos, mostrando o cofre aberto que ficava na sala
atrás de um quadro, ali guardávamos alguns dólares e as jóias da minha esposa, o marginal que
estava com a arma na minha cabeça com desdém falava: – Ei patrão, fique na boa se não vocês
morrem, meus companheiros só estão se divertindo um pouco com a gostosa da sua mulher.
– Porra patrão, tu tá comendo bem, heim? Sua putinha é muito da gostosa e foi me empurrando para
o quarto. Chegando lá disse aos outros dois: – Adivinhem quem veio para o jantar e caíram na
risada.
Todos eram altos e fortes, os dois que estavam fodendo a minha mulher eram morenos, e o que
estava apontando a arma para mim era mais branco. Eles pararam quando entrei, pois tinham
acabado de gozar.
Olhei para minha esposa, ela abaixou os olhos envergonhada e soluçava baixinho, a sua bundinha
ainda estava cheia de porra que escorria por suas pernas, seus seios estavam todo vermelhos de
tanto ser chupados por aqueles facínoras tarados, meu coração estava em brasa, arrependido de ter
duvidado da sua fidelidade.
Ela olhou pra mim e me disse num fio de voz: – Me perdoe, eles ameaçaram matar as crianças se
não fizesse o que eles queriam. Um deles disse: – Ei mano, você não se incomoda de agente dar
uns tratos na sua patroa não é mesmo?
- Sabe patrão, estamos a perigo, faz cinco anos que não traçamos uma gostosa como esta, lá no
casão só se comia cu de novato e algumas vagabunda que de vez em quando os manos arrumavam
pra gente dar uma aliviada entende? – Mas eram todas umas arrombadas, não se compara com a
bucetinha apertadinha da sua patroa.
Então disse a eles: – Vocês já conseguiram o que queriam, vão embora deixe a gente em paz eu nem
vou dar queixa, não maltrate mais minha esposa!
O ladrão que estava atrás de mim disse: – Calma patrão eu ainda não me diverti com sua
mulherzinha, agora é minha vez, passou a arma para seu parceiro, tirou do bolso um papelote de
cocaína fez três carreira na penteadeira, pegou o tubo de uma caneta colocou no nariz e cheirou uma
carreira como um alucinado, passou para o outro que repetiu o mesmo gesto.
Pegou a arma do amigo que estava me cuidando apontou para mim enquanto o outro cheirava sua
carreira.
Olharam para minha esposa e disse: – Daí piranha rica, pronta pra levar mais vara nessa bucetinha?
E deram uma gargalhada.
Então o bandido que não tinha ainda fodido minha esposa abaixou a calça, tirou a cueca e uma rola
enorme ainda meio mole balançava entre suas pernas, o pau do cara mesmo mole era bem maior
que o meu, aliás todos eram bem dotados, mas o ultimo era descomunal.
O efeito da coca que cheiraram começou a fazer efeito pois não falavam coisa com coisa, um deles
disse: – Agora você vai ver como se fode uma buceta. Aproximou da minha esposa, segurou-a
pelos cabelos e disse: – Faz uma chupetinha bem gostosa sua vaca, daquelas que eu sei que tu
sabes fazer.
Minha esposa tentou virar o rosto para o lado e levou uma bofetada, acho que doeu mais em mim no
que nela, olhei pra ela e fiz sinal concordando. – Olha bem seu corno, veja como sua putinha esta
gostando de chupar um cacete. O pau do bandido mal cabia na boquinha da minha esposa, o cara
enfiava o cacete e puxava a cabeça dela de encontro a seu corpo tentando colocar aquilo tudo na
boca dela, aquilo chegava até sua garganta ela se engasgava e ele nem aí, ela estava quase
sufocando, achei que ela ia vomitar.
O outro alisava seu pau que já estava duro, foi por trás da minha esposa levantou sua bundinha
colocou o pau na entrada da sua buceta e atolou tudo de uma vez. Ela deu um grito e foi pra
frente com a estocada que o cara deu e se afogou com a rola do outro que fodia
desesperadamente sua boca, o cara que estava fudendo a buceta da minha mulher estava fora
de si, cravava as unhas na bunda dela e metia com tanta força que se ouvia uns estalos quando o seu
pau sumia dentro da sua vagina e seu saco batia na bundinha dela, logo o cara deu um berro e
despejou um rio de porra na sua bucetinha que escorria pela suas pernas.
Após meu consentimento, minha esposa se soltou mais e pude perceber quando suas pernas
tremeram denunciando que tinha gozado também.
Em momento algum eles chamavam seus parceiros pelo nome. O cara que fodia a boca da minha
esposa tirou aquela tora da boca dela e disse: – Agora você vai levar um pau de verdade sua
vagabunda, e olhando pra mim disse: – Está gostando de ver sua mulherzinha sendo enrrabada por
homens de verdade seu corninho? Todos riram.
Depois arrastou minha mulher para o banheiro, não deu pra ver o que fizeram lá, mais não
demoraram muito, logo voltaram. Minha mulher estava aparentemente tranqüila, o cara empurrou
minha esposa na cama, abriu suas pernas, arreganhou a bucetinha dela e começou a chupar feito
um louco. Minha mulher gemia de tesão, pois ele chupava forte os lábios da sua vagina. Aquela
tortura durou uns 20 minutos, até que ele se deitou pegou ela pela cabeça e trouxe sua boca até seu
pau para dar mais uma chupada.
Quando endureceu, tirou da boca dela ergueu suas pernas sobre seu ombro, pincelou aquela tora na
entrada da sua buceta e foi enfiando devagar, aquilo ia arrebentando sua buceta conforme ia
entrando, até que numa estocada mais forte enterrou tudo de uma vez, minha esposa gemia naquela
rola gigantesca, aquele maníaco a dominava como se fosse seu brinquedinho, ele bombava com
tanta vontade que parecia que ia desmontar minha mulher.
Confesso que estava excitado vendo minha esposa sendo fodida na minha frente e não podendo
fazer nada. O cara continuava com aquele vai e vem frenético, às vezes ele tirava todo seu pau e
empurrava de uma vez sem dó, só para vê-la gemendo na sua rola. O bandido tirou o pau da
buceta da minha esposa, colocou ela de quatro e tornou a meter aquele cacete na sua
bucetinha, que a essa altura já devia estar toda esfolada de tanto levar pau.
O bandido que estava me cuidando passou a arma para o outro que estava assistindo a foda do seu
companheiro dando risada, e foi até a frente da minha esposa, pois o pau na boca dela e fê-la
chupar, agora ela tinha um cara com uma rola descomunal na sua buceta e outro pau também
avantajado na boca.
Não sei como ela estava aguentando tudo aquilo. O cara falava pra ela: -Chupa gostoso que logo
você vai levar uma vara no cuzinho tá bem sua piranha?
- E ai patrãozinho, esta gostando de ver sua mulher sendo fodida? Há há há há !!! Quando o cara
que estava fudendo minha mulher tirou seu pau para fora, ficou um rombo devido o tamanho do
buraco que ficou na sua buceta.
O bandido então deitou de costa e fez minha mulher sentar em cima do seu pau e cavalgá-lo, ela se
levantava e descia fazendo aquela vara sumir na sua bucetinha, o outro foi por trás dela abaixou seu
corpo fez com que ela se inclinasse um pouco e começou a lamber seu cuzinho enquanto o outro
metia fundo na sua buceta.
Ele cuspiu no seu cuzinho enfiou um dedo e fazia movimentos circulares para facilitar a
penetração, o cara cuspiu de novo no seu pau e deu mais uma cuspida e encostou a cabeça do
seu caralho no cuzinho dela, e olha que de tantos anos de casados só tínhamos feito sexo anal duas
vezes, pois ela reclamava que doía muito, e o meu pau era bem menor que os paus dos bandidos.
Quando ela percebeu a intenção do bandido, ela se encolheu toda tentando desenvencilhar, mas não
conseguia porque o que estava com o pau atolado na sua buceta a segurava enquanto o outro tentava
encaixar seu cacete no buraquinho do seu cuzinho e forçava a penetração.
Devagarzinho ia entrando, quando passou a cabeça ela deu um berro tão alto que se estivesse
passando alguém na rua tinha escutado, e conforme ia entrando ela se debatia, mas não adiantava,
pois cada vez o cara ia colocando mais no seu cuzinho. Ela implorava para parar, mas quanto mais
ela se debatia mais o cara ia enfiando, até que sumiu o pau do cara no cu da minha mulher, tinha
entrado até o talo.
Os bandidos riam e se divertiam com o sofrimento da minha mulher. O que estava atrás de mim
vendo aquela cena toda estava excitado, e foi encostando-se a mim por trás e pude sentir seu pau
duro roçar na minha bunda enquanto falava no meu ouvido:
-Esta gostando de ver sua mulherzinha levar vara seu corninho? – Que tal levar um pau no cu
também heim? E esfregava com forca seu pau na minha bunda. Enquanto isso, minha mulher
estava sendo arregaçada no cu e na buceta, já não gritava como antes, e recebia os dois caralhos
com certa facilidade, minha esposa gemia gostoso enquanto os bandidos a fazia de sua escrava
sexual.
Agora o cara que estava comendo seu cuzinho a castigava, tirando tudo e atolando até as bolas num
ritmo alucinado, e o terceiro bandido assistia tudo esfregando seu pau na minha bunda com a arma
na minha cabeça.
Em um momento que ele se distraiu, tentei tirar a arma das mãos dele me desequilibrei e cai, o
bandido se recuperou e me deu uma coronhada na cabeça que fiquei meio zonzo, os que estavam
fudendo minha mulher olharam e viram que estava tudo em ordem e continuaram castigando o
cuzinho e a bucetinha dela .
- Então você quer dar uma de herói, seu corno filho da puta? Vai levar no cu para aprender.
Pegou-me pelos cabelos me abaixou até seu pau e disse aos berro: – Chupa meu pau filho da puta! –
Chupa logo, se não vai apanhar na frente da sua putinha. Não tive alternativa se não obedecer,
ajoelhado na sua frente foi enfiando o pau na minha boca, eu que nunca imaginava passar por essa
experiência, pois jamais pensei que aconteceria isso comigo.
Comecei meio sem jeito a chupar o pau do bandido, que ainda estava sujo de porra pois
acabava de gozar na buceta da minha esposa.
- Esta gostando viadinho? – O que você acha de estar chupando uma rola enquanto sua mulherzinha
está fudendo com dois?
De repente, ouvi gemidos da minha esposa novamente, e o bandido que estava chupando seu pau
segurou-me pelos cabelos e disse: – Olha seu corninho, o meu mano vai acabar com o cu da sua
mulherzinha.
Quando olhei, os dois tinham trocado de posições o que estava comendo o cu da minha esposa
passou a foder a buceta dela e o bandido que tinha um pau enorme e muito grosso tentava enfiar no
cu da minha esposa, ela não ia aguentar aquele pau no rabo de jeito nenhum, ela se debatia para um
lado para outro, até que o bandido pauzudo gritou:
- Quieta sua gostosa você vai levar meu pau no rabo quer queira quer não.
- Esta vendo corninho? – Depois é sua vez, e continuou forçando até que conseguiu encaixar a
cabeça daquele mostrengo no cu da minha mulher, forçou a entrada mais não estava conseguindo,
porque ela, era quase virgem no cu, mesmo tendo sido fodida no cu pelo outro marginal, não tinha
como ela suportar aquela tora.
Minha esposa que até então só recebia carinho de mim todas as vezes que fazíamos amor, não
passava de um mero objecto de prazer nas mãos daqueles facínoras.
Não via a hora de eles acabarem e irem embora. Por um momento o bandido do pau enorme desistiu
de comer o cu da minha mulher e ficou me vendo chupar o pau do seu amigo, que a essa altura já
estava duro que nem ferro.
Me fez levantar, tirar a roupa e mandou ficar de quatro em cima da cama ao lado da minha mulher.
O que estava fodendo minha esposa bombava como louco sua buceta e gritou: – Eu vou gozar sua
cadela! Quando estava para gozar tirou o pau da buceta dela e pois na minha boca soltando um jacto
de porra na minha garganta fiz ânsia de vomito e ele disse:
- Engole seu puto sinta o gosto da porra de um homem de verdade. Minha mulher olhava para mim
com cara de estar gostando do que via, o que estava atrás de mim molhava meu cu com saliva e
enfiava o dedo fazendo movimento para tentar facilitar a entrada, tirou um dedo e enfiou outros dois
dedos, os outros marginais estavam cheirando mais uma carreira de cocaína.
Agora o que estava tentando me foder, deu uma cuspida no meu cu, enfiou o pau na buceta da
minha mulher que estava toda melecada pela porra dos seus companheiro, tirou o pau da
minha esposa e colocou na entrada do meu cu e foi empurrando… Confesso que nunca senti
uma dor tão grande como aquela, a dor era insuportável, eu sentia que aquilo ia me estourando por
dentro até que senti suas bolas batendo na minha bunda, minha mulher olhava para mim com uma
carinha de pena mais não podia fazer nada, enquanto isso o cara me fodia pra valer cada estocada
que ele dava chegava a escorrer lágrimas nos meus olhos.
- Olha o viadinho está gostando de tomar no cu disse o cara do pau enorme, e caíram na gargalhada,
olhou pra minha esposa e disse: – Daqui a pouco é sua vez, não pense que desisti.
Senti que, o que estava me comendo aumentou o ritmo e pude sentir o jato de porra invadindo meu
cu. Diminuiu o ritmo, tirou o pau fora, pois na minha boca e disse: – limpa meu pau viadinho, e
suguei todo seu pau até que ficou totalmente limpo.
O outro do pau menor se aproximou por trás de mim e enfiou com tudo seu pau no meu cu, não
senti tanto como da primeira vez, mas mesmo assim ainda doía. Enquanto um fodia meu cu, o do
cacete enorme chegou e enfiou o pau na minha boca, e disse:
–Quero ver se você chupa melhor que a sua mulherzinha, aquilo ia até minha garganta e voltava,
conforme ia chupando ia aumentando o tamanho daquele pau, era um absurdo de tão grande e já
estava duro que nem ferro. Senti que o que estava me comendo estava pra gozar pois ele urrava
enquanto castigava meu cu, senti suas unhas cravarem na minha bunda enquanto despejava
sua porra no meu cu, quando ele tirou seu pau pra fora senti um alívio, sua porra escorria por
minha bunda.
- Esta pronta para levar no cu agora cadela? Perguntou o do cacete enorme para minha esposa.
Percebi que ela estava preocupada em receber aquela tora dentro do seu cuzinho.
O bandido do pau grande, pois minha esposa de quatro, apontou sua tora para seu buraquinho e foi
forçando, minha esposa começou a gemer de dor novamente. O que estava me segurando me levou
para os pés da cama de onde dava para ver o estrago que aquele pau ia fazer no cu da minha mulher.
Quando ele fazia força para entrar ela ia para frente para tentar escapar e o bandido não conseguia a
penetração continuou assim por um bom tempo mais nada de conseguir, então ele mandou o seu
comparsa segurar minha mulher para ela não fugir e forçou a entrada.
Minha mulher deu um berro quando passou a cabeça, o pausudo vendo o desespero dela, parou um
pouco e pediu pra ela relaxar que logo era ela que ia pedir pra ele atolar tudo no seu cuzão agora
todo arrombado.
Minha esposa já relaxada começou a mexer sua bunda devagar enquanto o bandido ia forçando a
penetração aos pouco, aquele pau foi abrindo passagem e devagar ia estourando tudo que era prega
que existia no cu da minha mulher, eu vendo um misto de dor e excitação estampado na sua cara, Já
tinha entrado mais da metade daquela tora, minha esposa, gritava, se descabelava mais o bandido ia
enfiando sem dó. – Não falei que ia te estourar o cu cadela? Já entrou quase tudo não está
sentindo? – Olha bem para o cuzinho da sua patroa seu corno, depois disso ela nunca mais vai
sentir seu pauzinho, nem na buceta e nem no cu hahahaha! O pau do bandido já estava todo no
cu da minha mulher, quando ele começou o movimento de vai e vem dava para ver que o cu da
minha esposa estava dilacerado.
Minha esposa de quatro agora recebia aquele colosso com certa tranquilidade, já rebolava no pau do
bandido, então ele mudou de posição, deitou minha esposa de costa levantou suas pernas e meteu o
pau de uma vez na posição de frango assado.
Minha mulher agora gemia no pau do pauzudo enquanto ele aumentava o ritmo das estocadas e
fazia desaparecer seu pau no cu da minha mulher. Percebi que ela novamente gozava, pois seu
corpo tremia enquanto ela de olhos fechados cravava as unhas na costas do bandido, minha mulher,
gritava – Aaaiii!!! – Desculpe-me amor, mas estou gozaaannndo!!! –Uuuiiii!!! _ Que pauzão!!
Mata-me de tanto gozaaarrr seu filho da puta!!!! O cara entre urros gozou alucinado no cuzinho da
minha esposa enquanto os outros dois bandidos assistiam rindo do desempenho da minha mulher.
Quando ele acabou, pude ver o estrago que aquele cacete fez no cuzinho da minha esposa, ela nunca
mais ia ser a mesma depois daquela noite.
Quando o bandido soltou as pernas da minha esposa elas caíram todas moles sobre a cama, minha
mulher estava exausta. O bandido olhou para mim e disse: – Porra cara sua mulher é gostosa de
mais, olhei para minha esposa e ela estava esparramada sobre a cama cansada de tanto levar vara.
Depois os bandidos tomaram banhos, vestiram suas roupas e antes de ir embora fez minha esposa
cozinhar pra eles nua, não permitindo que ela se vestisse. Enquanto jantavam, cada vez que ela ia
servi-los, eles passavam as mãos na sua bundinha como se fosse uma vagabunda.
Saciados, pegaram os dólares e reais que tinham roubado e deixaram as jóias da minha esposa
dizendo que ela fez por merece-las, e que geralmente eles não são acostumados a deixarem suas
vítimas com vida.
Após saírem, abracei minha esposa e agradeci por ter salvado nossas vidas. Tomamos um banho e
fomos pra cama, fiquei lembrando uma cena que ela gemia na rola do pauzudo e fiquei de pau duro,
abri suas pernas chupei com gosto sua bucetinha agora toda arrombada, ela logo entrou no clima,
pois não demorou e senti seu gozo na minha boca, subi em cima dela encaixei meu pau na sua
bucetinha e atolei tudo de uma vez, meu pau entrava e saía com folga da sua buceta, logo gozei e
ela pra me agradar fingiu um orgasmo, pois acho que nem estava sentindo meu pau dentro dela
naquela noite.
Pensei que nossas fodas nunca mais seriam as mesmas, mas me enganei, pois nas outras vezes
percebi que sua bucetinha voltou ao normal, só seu cuzinho ficou mais laceado, pra mim foi
óptimo, pois em nossas transas ela sempre goza com meu pau no seu cuzinho.
Resolvemos não registar queixa do roubo, mas outro dia lendo o jornal eu e minha esposa, vimos
estampadas na capa as fotos dos três bandidos mortos em confronto com a polícia após um roubo a
banco.
Se gostarem do conto faça seu comentário, e se possível de seu voto, abraço a todos.

Fantasia realizada

Finalmente comi o cuzinho do meu amigo XXX

Quarta feira á noite fui ter com o meu amiguinho… Tinhamos combinado encontrar-nos à hora de
jantar, e a comidinha foi leve, ou não soubesse ele que ía levar naquele cuzinho!!!
Levei os meus instrumentos secretos comigo, claro… eram imprescindiveis!!!
Chegamos ao hotel, ía vestida como uma putinha de rua… tinha uma cinto de ligas e umas meias
pretas, uma saia bem curtinha que deixava ver a renda colada ás minha cochas… o rececionista
olhou-me de lado… acho que se pudesse nos acompanharia de bom grado para o quarto…
Subimos, pedi ao meu amiguinho XXX para se deitar… para se preparar… fui á casa de banho,
artilhei-me com aquele caralho falso depois de me despir… Pus as maminhas de fora, só com as
minhas meias e as minhas botas calçadas… soltei o cabelo e saí.

Trazia numa mão um frasco de lubrificante barato e na outra o meu chicote… Ele estava deitado na
cama já todo nu… aquele corpo musculado e cheio de tatuagens excitou-me.:) Tive vontade de me
desarmar e de o comer…de me deixar ser comida por aquele pedaço de carne boa… Mas não
o fiz, não era esse o meu propósito.
Ordenei-lhe que me chupasse as mamas, quem mandava ali agora era eu!!! Ele obedeceu… parecia
um cão sem dono…
Impus-me mais fortemente: Vira-te de costas!!! O teu cu precisa de ser torturado, seu paneleiro
nojento!!!
Expos-me o rabo, e eu sem dó nem piedade chicoteei-o… espalhava lubrificante por aquele
cuzinho ao acaso… lambuzei-o o mais que pude… e mandei-o por-se de quatro…
O meu amiguinho XXX teve medo, e quase me implorou para ser meiga… mas no fundo, mesmo
no fundo, sabia com o que ía levar… Encostei a ponta do “meu caralho” no seu rabinho e forcei a
entrada, ele começou a gemer, empurei com mais força, e ele acomodou-se… enterrei-o até metade,
voltei a tirá-lo e fiz nova investida, desta vez entrou todo, comecei a soca-lo… senti-me um
homem a enrabar uma mulher, a dominar a situação, a ver o quanto eu também devo ser
submissa quando levo no cuzinho…
Levei a mão ao caralho do meu amiguinho… estava duro!!!! ele só podia estar a gostar!!!!
Estronquei-o o mais que pude, enquanto esticada lhe tocava uma punheta… Senti que ele não
aguentava muito mais… pois começou a pedir-me: Fode-me o rabinho todo, enterra-me bem
fundo… não pares agora…
Não percebi muito bem… acho que teve um orgasmo…. pois contorcia-se e gemia sem parar, de
seguida esporrou-se por completo em cima da colcha, numa grande abundancia de leite…
Ele afinal gostava mesmo de levar naquele reguinho!!! Aquele gaijo grande, senhor de ginásio, de
horas e horas a malhar, gostava mesmo de levar com um caralho naquele cu, mesmo que fosse
falso!!!!
Acabou por me masturbar, de joelhos a meus pés, lambeu-me a coninha até me vir… sim,
porque a Coelhinha gosta de experiencias mas também gosta de ter prazer e muito prazer…;) e
como eu já referi: adoro ser chupada e lambida por um homem… ou seria este meio
Homem???????

Ir ao cu a um homem

Ir ao cu a um homem dará prazer? Mas para quem? Aposto como a Coelhinha vai adorar a
experiência de ir ao cu ao Sr. XXX. Sim, está confirmado, na próxima semana vou provar aquele
rabinho. Já tenho fantasias, já imagino o rabinho dele virado para mim, e eu a forçar aquela
entrada com mil geitinhos. O que ele não sabe é que além do acessório imprescindível para
pormos isto em pratica, eu tenho também uma fantasia a rigor, além das algemas, e do belo chicote
(que já foi usado em vários rabinhos) mas este vai ser especial! Rabinho virgem!!! Vou foder-lho
todinho até se vir, sem dó nem piedade! Mas será que ir ao cu por si só vai fazer com que ele se
venha? Acho que mesmo assim, vou auxiliálo, enquanto lhe estronco aquele rabinho vou tocar-lhe
uma punheta
Estou mesmo impaciente!!! Já me vejo que nem uma fera a dominá-lo, e ele com aquele quase
1,90m a implorar-me que lho enterre todinho..

Tenho videos eróticos sobre o assunto, já vi uns quantos, e vou levar um dos mais picantes para lhe
entregar, pode ser que mais tarde o Sr. XXX se masturbe a pensar como o cuzinho dele foi papado
pela Coelhinha
Com toda esta minha ansiedade deparei-me com outra questão: Será que um homem casado, que
procure uma gaija para o enrrabar, por vergonha de pedir á própria mulher é considerado traição?
Vou tratar de investigar sobre o assunto, agora o que quero mesmo é comer o meu amiguinho
para tirar a maior das duvidas: Os homens têm ou não orgasmos quando lhes vão ao cu???
Cá estarei para vos contar como foi Desejem-me sorte, a mim, e principalmente a ele
A professora que seviciou seu próprio filho

Me considero uma bela e gostosa mulher, tenho 38 anos de idade, 1.72 de altura e 60 kg muito bem
distribuidos por um belo e tesudo corpo. Desde que me separei do meu marido há dez anos que
passei a me dedicar exclusivamente à criação e formação educacional e cultural do meu filho
Anderson, hoje, um belo garoto de 20 anos de idade. Assim que me separei, ele, o meu filho,
mesmo tendo o seu quarto, passou a dormir comigo e isso, durou até os seus 18 anos de idade,
quando então, como mãe e mulher, percebí que enquanto dormia, deitada de lado e virada de costas
pra ele, ele, o meu lindo e amado filho, ficava esfregando o seu pau bem duro nas minhas coxas e
na minha bunda, é claro que me assustei, mas nada fiz quando descobri o que ele fazia enquanto eu
dormia com receio de que pudesse criar algum problema para ele. Fiquei sem saber o que fazer e
mesmo pedindo para que ele fosse dormir em seu quarto que eu havia equipado com uma boa
aprelhagem de som, televisão e computador, ele, sempre dava um jeito de vir se deitar comigo e eu,
nada podia fazer, afinal era é é, o meu único e amado filho. Mas, bastava eu fingir que pegava no
sono que lá vinha ele se encostando em mim e esfregando seu pau nas sempre macias, aveludadas,
perfumdas, coxas e bunda. Muitas vezes sentia que ele se masturbava e gozava esgujichando os
jatos de porra na minha lingerie ou camisola. Por ser professora do ensino fundamental, cheguei
várias vezes a tocar com cuidado nesse assunto com algumas colegas e algumas me disseram que já
tinham passado por tais experiências e viam isso, como uma formação erótica e sexual dos meninos.
Foi então que certa ocasião, a poucos dias dele completar 19 anos, que eu fuji num baile do hawai
em um conhecido clube daqui e quando voltei, em razão dos uísques que havia tomado, eu mal tive
como entrar com o carro na garagem e depois de entrar em casa, fui tirando a roupa pela casa e cai
praticamente desmaiada na minha cama. Acordando e me vendo naquele estado o meu filho se
aproximou, retirou as minhas sandálias dos meus pés e senti que em segujida ele chupou os meus
dois dedões dos pés, fiquei com o corpo completamente arrepiado e em seguida, ele me deitou de
bruços sob a cama e passou a percorrer o meu corpo com a sua língua e lábios, que tesão que eu
sentí. Fingindo que dormia, ele coeçou a me beijar as costas e a vontade que eu tinha era de gritar,
gemer e delirar de prazer, mas me segurei e continuei muda como se estivesse em um sono
profundo. Em seguida, parando de me beijar e lamber toda a extensão das minhas costas, ele me
chamou: "Mãe, mãe, mãe!" Como eu não respondi e continuei muda, imóvel, ele imaginou que eu
estivesse completamente apagada e aí, sem perda de tempo foi abaixando a minha minuscula
calcinha branca e assim que me deixou peladinha ele veio por cima de mim, me lambeu as nádegas
e as abriu. Quando ele viu o meu orificio anal ele deu uma linguada que quase me levou a gritar e aí
sem ele perceber comecei a morder o travesseiro. Me vendo ali, completamente imovel e inerte, ele
foi até o seu quarto de onde voltou com uma bisnaga com um gél e lubrificou o meu cuzinho com
aquele creme e depois de passar na cabeça do pau ele a encostou na entradinha do meu rabo, eu dei
uma mexida e ele assustou e parou, mas eu fiquei quieta e ele novamente me chamou: "Mãe, mãe,
mãe!" Como eu não respondi, ele voltou a encostar a cabeça do pau na entrada do meu cu e foi
empurrando, eu senti uma dor incrível, eu, nunca tinha dado o meu rabo nem para o pai dele durante
o tempo que fomos casados e no entanto, eu estava sofrendo, mas me deliciando com o pau do meu
lindo e amado filho me rasgando, dilacerando e arrombando com as pregas do meu cu. Quando o
seu pau entrou por inteiro no meu reto, ele me segurou pelos quadris e começou a meter gostoso,
me fazendo sentir uma dor incrível no início e depois, foi sendo substituída por uma sensação
maravilhósa de um prazer indiscritível. Ele enfiava tudo até as bolas do saco baterem na minha
bunda e gemendo como um jovem potro sobre as ancas de uma égua ele me desferia golpes do pau
no meu rabo. Sem poder gemer, delirar, gritar e urrar de prazer, eu o ouvia gemer e num momento
deixando escapar, ele falou: "Ai mãe, que delícia que é o seu cuzinho, eu não aguento mais minha
mãezinha e vou gozar." Não deu outra, rapidinho eu senti um líquido quente jorrar dentro do meu
reto e não demorou começou a me escorrer para a minha boceta, foi uma delícia"! Assim que ele
tirou o pau já amolecido de dentro do meu cu todo arrombadinho, laceado e dolorido, ele, se
elvantou e foi no banheiro do meu quarto onde pegou uma toalha e a umedeceu e em seguida, veio
me limpar a porra que escorria do meu rabo. assim que terminou de me limpar, ele levou a toalha de
volta para o banheiro e após fechar a porta do meu quarto, foi se deitar. Eu fiquei tão excitada de
tesão em poder ter sido comida no meu cu pelo meu proprio filho, que sem me controlar, me
levantei e fui até o meu guarda roupas onde peguei o meu consolo na cor preta e no tamanho 20x6,5
e me masturbei me imaginando que estava sendo comida na xooxta pelo meu lindo e amado filho.
Assim que gozei me levantgei e tranquei a porta do meu quarto e dormi peladinha como uma mãe
que havia acabado de ser comida pelo filho. Assim, vivi a minha primeira relação incestuosa com o
meu proprio filho. Loren Suzana

Meu filho me fodeu como uma puta...

Sou separada há quatro anos. Moro eu e meu filho de 18 anos. Eu tenho trinta e seis anos. Sou
branca, cabelos pretos curtos, alta, tenho um corpo bem escultural. Depois da separação de meu
marido, ainda não tinha feito sexo. Antes mesmo de me separar, uns seis meses, que já nada mais
fazia com o ex-marido. A situação estava insuportável entre nós, e a separação foi a saída para não
acontecer uma coisa pior entre nós. Meu filho, Jonas, se conformou, e vive bem feliz comigo. Como
ia dizendo, desde a separação estou virgem, apenas me masturbo nas longas noites sozinha em meu
quarto, quando o desejo invade meu corpo, mas que devido ao que passei com o ex-marido, falta-
me coragem para deitar com outro homem, preferindo meus próprios dedos. O Jonas estuda na parte
da tarde. Certa vez chegando mais cedo do trabalho, futucando suas gavetas, encontrei várias
revistas de sexo e uma fita de filme porno. A curiosidade bateu em mim e desfolhei a revista. O
desejo também bateu e me masturbei. Depois, coloquei a fita no video e assisti aquilo que tanta
vontade tinha de fazer. Logo guardei tudo e não mais mexi, apesar de estar sempre com vontade de
me masturbar vendo aquela fita. Pegar uma fita na video locadora, era difícil, pois não tinha
coragem, o pessoal de lá me conhecia e sabia que eu era separada. Pensava sempre: O que eles
pensarão de mim? Coisas de pessoas velhas. Bom, há quinze dias atrás, fui trabalhar e no trabalho
me senti mal, retornando para casa ainda de manhã. Cheguei por volta de dez horas, e pensei: - O
Jonas ainda deve estar dormindo. Fui ao seu quarto e estando a porta enconstada, entrei: - Jonas o
que é isso? Estava ele e a Andreia (vizinha) deitados na cama sem roupa e ela chupando o pintinho
dele [que pintinho nada, deveria ter uns dezeseis cm]. - Mãe, calma que eu explico. disse Jonas. -
Vai ter que explicar direitinho, e voce Andreia, que vergonha. - Calma D. Marise, o Jonas te explica
tudo. Minha cabeça pirou. Será que era a primeira vez ou sempre acontecia? Eu não estava em casa
nas manhãs? Após Andreia sair, sentei na cama e o Jonas [ainda de pinto duro], começou a me
contar que eles já faziam isso há muito tempo. Dando uma de durona e curiosa também, perguntei o
que eles faziam? Se a Andreia ainda era virgem? O Jonas me contou que era, mas que ele tinha
tirado a virgindade dela e que eles faziam todas as coisas, inclusive anal. Mandei que ele fosse
tomar banho e fosse para o colégio, pois estava na hora. Fui para meu quarto e ao mesmo tempo que
aborrecida pensava naquilo, notei que estava com minha perereca molhada. O Jonas estava tomando
banho. A porta do banheiro estava aberta, pois ele não tinha vergonha comigo. Eu tomava meu
banho de porta fechada, mas ele não. Entrei no quarto dele e espiei pela porta e vi que ele se
masturbava, talvez terminando o que interrompi. Notei o tamanho do pinto dele, que era maior do
que o do pai. Minha imaginação viajou. Pensei: - Como a Andreia deve ter gozado com ele....ah se
fosse eu....nossa que coisa, pensar isso de meu próprio filho. Jonas terminou o banho, se vestiu me
beijou e foi para a escola. Passadas algumas horas, fui ao seu quarto e ainda senti o cheiro do sexo
que eles estavam fazendo. Meu deu tesão. Coloquei a fita dele no video [era outra fita], e deitada
em sua cama peguei a escova de cabelo e com o cabo da escova fui me masturbar, vendo o
filme...gozei várias vezes, pela frente, por trás....caindo mole e dormindo. Fui acordada pelo
Jonas...eu estava nua. - Porque essa hora Jonas? - Mãe, não consegui ficar na escola. Tinha que
voltar e conversar direito c/voce. - Então fale. O que voce quer me contar? - Mãe, agora que voce já
sabe da Andreia, quero te contar que quando estava tomando banho vi que voce me espiava. Mãe,
porque voce fez aquilo, pois quando notei que voce me espiava e que eu estava me masturbando,
senti vontade de me masturbar pensando em voce. - Como, me explique direito. - Isso mesmo mãe.
Senti vontade de transar com voce. Me perdõe. Voce é minha mãe e eu não tenho o direito de
pensar assim, mas tinha que te contar. Notei pelo seu short, que o volume de seu pinto estava
alterado, também, eu estava nua, com meu corpo todo a mostar e ele pela primeira vez estava me
vendo assim. Meu pudor de mãe foi para o espaço e não sei como aconteceu, mas que foi bom foi. -
Jonas, vem cá meu filho. Deita aqui. Ele se deitou na cama e pegando sua mão e levando a minha
buceta disse: - Sente aqui como sua mãe está...toda molhada por sua causa...a Andreia também não
fica assim? - Fica sim mãe, até mais que voce está. Larguei a mão dele, e ele continuou passando
seus dedos em minha raxa, bem devagar. Fitei os olhos dele e perguntei: - Voce quer? - Não faz mal
voce sendo minha mãe? - Não - respondi - fica sendo um segredo só nosso. Nesse momento,
começei a tirar seu short, deixando ele só de cueca, e seu pinto estava rasgando a cueca. - Jonas, de
agora em diante não me chame de mãe, mas sim de Marise ou de Amor, tá legal? - Claro, meu
amor. - Venha, faça comigo tudo que voce fez com a Andreia. - Mas tudo? perguntou ele - Sim,
tudinho, em todos os lugares. - Então vem Marise, chupa aqui - e tirando seu pinto para fora,
apontava para minha boca. Cai de boca naquele piruzão...há quanto tempo não chupava uma rola.
Estava frenética....chupava com bastante força e ouvia ele gemer dizendo que estava bom... Tirei
seu pau da boca e falei. - Deixa meu amor, que eu comando as coisas. Dito isso, virei para cima dele
e num sessenta e nove coloquei minha buceta em sua boca...que lingua gostosa o Jonas tinha...me
lambia todo o suco enquanto eu sugava seu piru...rapidamente gozei deixando que ele chupasse meu
néctar...era um gozo preso de quase cinco anos...gritei muito... Ele ainda continuava me chupando e
sai de cima dele. - Vem meu homem, mete essa pica dentro de mim. - Vou enfiar tudo nessa buceta
gostosa - disse ele - Enfia, faz sua Marise sentir mais prazer, faz meu macho. O sacana mesmo com
pouca idade sabia fuder...me fez gozar mais umas tres vezes na buceta. Depois pedi para colocar em
minha bunda. Foi um pouco dolorido, pois havia tanto tempo que não fazia sexo que meu anus
estava bem apertado. ELe gozou tudo dentro da minha bunda, derramando todo o leite quente em
meu reto. Depois ainda chupei para limpar aquele pinto gostoso. Bom, a verdade é que de quinze
dias até hoje, arrumei um novo homem para mim e o Jonas nada mais quiz com a Andreia.
Dormimos juntos e ele toda noite me fode. Tem dias de manhã, que chego atrasada no trabalho, pois
tenho ficado esgotada pelas trepadas da noite. O Jonas não sossega, que vigor...é uma atrás da outra.
O novo e mais feliz casal da praça - JONAS E MARISE

Fiz meu noivo de minha putinha...


Oi, meu nome é Elyza, sou uma baixinha gostosa, 1.52, bunda e seios grandes, principalmente os
seios. Tenho 21 anos. Sou o tipo baixinha peituda, mas não sou gordinha, sou realmente muito
gostosa. Eu também sou bastante putinha. Já traí todos meus namorados. Adoro foder, adoro uma
pica, quando fico excitada, sou capaz de fazer loucuras. Adoro traiar meu noivi, adorar ser puta, e
faço iso de diversas maneiras possíveis. Mas tenho uma fantasia em especial: dominar os homens,
fazê-los se sentir mulherzinhas, putinhas perto de mim. Adoro vesti-los de mulher, penetrar, bater, e
fazer com que adorem meus pezinhos. Meu atual noivo não gosta de ser dominado. É do tipo
machão, e nem quer ouvir falar falar de me dar a bundinha. Como tenho um ex ainda muito
apaixonado, um pouco mais velho que eu, uso e abuso dele, a hora que quero. Ele sempre está a
minha disposição. Na última vez que nos encontramos, eu estava sozinha em casa, meu noivinho
estava em viagem. Liguei pra ele, e combinamos um lugar para nos encontrarmos. Eu fio dirigindo,
e de lá levei ele para um motel. Dentro do quarto há uma escada que leva da garagem ao segundo
andar. onde está a cama. Lá chegando, fiz meu ex ficar de quatro na escada, onde dei uns tapas na
sua bunda e também uns chutes. Chegando lá encima, fiz ele deitar no chão, e pisei muito nele.
enquanto o chingava de minha puta, minha mulherzinha, batia e fazia-o adorar meus pés. Seu pau
estava duro de tesão, então ordenei que ficasse de quatro na cama. Primeiro, fiz ele vestir meu fio
dental. Depois, com ele deitado na cama, eu esfregava minnha bunda e meus peitões na cara dele, e
por todo o corpo. Batia muito na cara dele com meus peitos, que por serem bem grandes, me dão
uma sensação de poder e muito tesão! Então, peguei o lubrificante, passei na bundinha dele, e meti
um pau de silicone que tenho especialmente pra usar com ele. Fiz ele gemer, enquanto eu batia nele
e dizia "você faz o que eu quiser, e mando em você, sempre que quiser te fazer de mulherzinha você
vai adorar". Ele concordava e dizia pra mim continuar, me chamando de deusa. Depois que cansei
de abusar do cuzinho dele, ordenei que ele me penetrasse. Ele me fodeu um bom tempo, até que eu
gozasse, e mandei que ele avisasse antes de gozar. Foi o que ele fez. Quando ele disse que iria
gozar, fiz com que gozasse na minha boca, pois adoro engolir porra. Satisfeita, fomos para o banho,
onde, para completar, dei uma mijada gostosa encima dele, enquanto eu dizia o quanto ele é minha
puta, minha mulherzinha. Finalmente, nos trocamos e fomos embora. Enquanto meu noivo não
quiser realizar minha fantasia de dominadora, vai continuar sendo corno. E mesmo queira, também
vai ser, pois não é apenas de dominar que gosto... Mas isso fica pra outro dia. Por enquanto, quero
encontrar outras putinhas submissas como meu ex-namorao, que aceitem ser mulherzinhas dessa
baixinha peituda e cheia de tesão. Beijos pra todos e todas vocês!

Me travesti e dei

casado , tenho 1,78, 88kg, pica 20x8, em forma, 49 anos, discreto, ativo. Adoro usar roupas intimas
femininas. Tenho esta tara de usar roupinhas femininas desde adolecente. Minha mulher nem
desconfia. Usava as roupinhas das minhas irmã s escondido. Uma vez, comprei um espartilho
rendadinho pretinho com seios almofadados e com liguinhas, uma meia 7/8,uma calcinha
enfiadinha, outra calcinha de um tecido novo sem costura toda recortadinha que fica bem justinha
que se amolda na bundinha, um tesão.
Comprei tambem um body de lycra pretinho bem justinho. Vesti tudo e bati muita punheta, depois
fui passear usando por baixo sem ninguem desconfiar. Fui a shoping, lojas, tava um tesão , qdo
caminhava as meias e as liguinhas roçavam nas pernas, sendo puxadas pelo espartilho, quase me
acabava caminhando. Fiquei assim o dia todo. A noite não aguentava mais de tesão e resolvi que ia
encontrar um boy. Tenho muito medo de fazer isto, principalmente na minha cidade, mas o tesão
era muito. Comprei um jornal e telefonei para todos os anúncios, até que encontrei um q disse q seu
pau era 12x23. No começo não acreditei, 12 cm de diametro!

Combinei um encontro em um lugar discreto. Peguei o carro e fui encontrá-lo. Era um rapaz alto,
1,87 +-. Qdo ele entrou no carro fiquei tão nervoso que quase não conseguia dirigir, minhas pernas
tremiam. Conversamos e ele disse que poderiamos ir para seu apartamento que não ficava longe e
era bem discreto, aceitei. Era realmente bem discreto, estacionei longe, ele foi na frente , abriu a
porta do prédio entrou e eu fui atraz, não tinha ninguem na rua, era um lugar meio deserto. Tremia
todo , estava com muito receio. tô tremendo só de recordar e escrever. Entrei no ap, era uma kitinete
com uma cama de casal na sala. Sentei na cama todo sem geito.

Ele percebeu o meu nevosismo, sentou na cama e começou a me alisar. Pedi para apagar a luz e
ficar no escuro, tirei o casaco e o moleton e fiquei com as roupinhas rendadas aparecendo. Ele
passou a mão e achou um tesão, apertou meus peitos que estavam grandes pelo body com
enchimento, gostou e foi passando a mão nas minhas pernas e bunda. Eu não aguentava de tanto
tesão, passei a mão no seu pau dentro da calça, estava enorme. Ele tirou a camisa e a calça enquanto
eu tirava minha calça. Tirei o body ficando apenas de espartilho, meias, ligas uma calcinha rendada
com bordas grandes que vinha até a cintura e uma minúscula calcinha rendada.

Sentou na cama e eu comecei a alisar aquele pau enorme, tirei sua queca e o pau saltou para fora e
ele se deitou. Nunca tive vontade de chupar um pau, mas o pau do cara era muito bonito, grande,
grosso com uma cabeçona bem delineada e grande. Não aguentei e botei a boca devagar naquela
cabeçona, era enorme, senti a maciez, quentinha e apertei na minha boca, sem querer estava
chupando aquele pau discretamente, era enorme mesmo, fiquei com medo. Botei na boca, lambi um
pouco, muito sem geito e envergonhado, ele se levantou e começou a me alisar, passando a mão na
minha bunda, tirou uma calcinha, eu fiquei apenas com uma calcinha bem pequenina que eu
coloquei virada, ficando apenas um triangulo rendado no rego e uns fiozinhos, ele passou a mão no
meu cú, na minha bunda, a essa hora eu ja tava afim de levar aquela rola enorme, ele botou uma
camisinha e eu fiquei de quatro na cama com as pernas juntinhas para arrebitar mais a bundinha, ele
me segurou, afastou a calcinha enfiadinha, encostou aquela cabeçona no meu cú e eu
instintivamente comecei a rebolar e com a mão a segurá-lo com a mão em seu púbis, pois estava
dificil de entrar, pedi para ele esperar, peguei um KY e lubrifiquei meu cuzinho, enfiei um dedo
lubrificado tentando alargar um pouco, fiquei de quatro novamente, pedi para ele ir devagar e ele
começou a forçar enquanto eu rebolava, a cabeça era muito grande, eu tava com medo e louco de
vontade de ser enrabado, eu rebolava e apertava contra ele aos poucos e com a mão mantendo-o
afastado, aos poucos fui rebolando de ladinmho e forçando sentindo aquela cabeçona entrando um
pouco e se adaptando ao meu cú, eu sentia a pressão e o volume entrando, uma sensação deliciosa
de dor e prazer, entrava um pouco eu rebolava, deixava entrar um pouco mais e tirava, estava
delicioso, de repente ele forçou me segurou pelos quadris e me puxou, qdo entrou eu dei um grito e
senti aquela cabeçona me enrabando, o pau entrando, que tesãoo, ele começou a forçar e eu não
estava aguentando, era muito grosso.

Fui deslizando para me deitar na cama, ele se agarrou em mim e veio junto, qdo deitei ele enfiou
tudo, aiii, doeu, estava todo arrombado, doia mas era muito gostoso.Dei um grito e pedi para ele
ficar parado enquanto meu cú se acostumava com aquela rola enorme. Ficamos imóveis um pouco,
aquele h enorme, apertando suas pernas às minhas de meias, um atrito fantástico, seu corpo pesado
nas minhas costas, estava imobilizado e enrabado. Fui me acostumando com aquela rola e comecei
a piscar o cú devagarinho, ele notou e começou a socar devagarinho, cada vez que levantava eu
dava uma reboladinha, tava um tesão, quando via que ia sair apertava o cú segurando aquela
cabeçona, eu não aguentava de tanto tesão, ele tava gostando e começou a ir mais rápido, eu sentia
até as veias grossas daquela rola no meu cú, eu rebolando ele levantando a bunda e socando
segurando as minhas mãos, apoiado na cama em meus punhos, roçando as pernas nas minhas com
meias de nylon, um atrito fantástico, fungando no meu pescoço, estavamos num rítmo frenético, me
acabei todo , estranhamente uma sensação q nunca tinha sentido, parece q me acabava dentro da
bunda tambem e ele continuou, de repente me apertou e acabou me socando com força, me abraçou,
senti seu pau latejando na minha bunda, a cabeçona latejava e crecia, seu pau atolado no meu cu
com aquelas veias grossas latejando e pulsando.

Eu tava todo acabado, suado, ele tambem , não pensei que poderia dar tanto tesão para um
homem.Ele começou a tirar devagarinho e eu apertava o cú trancando aquela cabeçona, ele enfiava
de novo, ficamos mais um tempo assim, meu cú já estava adaptado aquele pauzão. Ele saiu de cima
de mim, estavamos todo suado. Meu cú doia. Já tinha perdido a vergonha, tirei minhas roupas
suadas e pedi para tomar um banho. Entrei no banheiro e comecei a me lavar com o cú ardendo, não
imaginava que pudesse alojar um cacete tão grande na minha bunda.

De repente ele entrou no chuveiro junto, me ensaboou um pouco, eu peguei o sabonete e comecei a
ensaboá-lo, peguei aquele pau grande semi-mole, comecei a lavar e ele logo ficou duro, não
aguentei, me ajoelhei e chupei um pouco, a cabeçona era linda, grande e macia, o pau era enorme,
20 cm e talvez uns 10 de diametro, a cabeça era tão grande que me enchia a boca, estava chupando
e ele pediu para eu levantar, pegou uma camisinha que tinha trazido e botou, fiquei de costas com as
mãos na parede e a bunda arrebitada e ele começou a colocar novamente, ainda estava dificil de
entrar a cabeça, eu rebolava e a agua molhando minha bunda e meu cú até q entrou, ele começou a
enfiar tudo, senti aquele pauzão me arrombando, eu rebolava deliciosamente, ele estava adorando
me abraçava e esfregava minha perna, socava e dizia que eu era uma putinha muito gostoza, ficou
me fudendo um tempão, nem sei quanto, tava muito bom.Me acabei todo, gozava de pau mole. Ele
se acabou, tirou a camizinha, se lavou e saiu. Fiquei um tempo no chuveiro me recuperando,
colocando agua quente na minha bundinha, lavando meu cú todo arrombado.

Sai do chuveiro, me sequei, qdo cheguei na sala ele tava sentado na cama pelado com o pau meio
duro me olhando, me chamou e disse para vir ali. Peguei o pau dele, apertei aquela cabeçona, alisei
um pouco e já ficou duro, parecia q estava maior, era enorme, ele pediu para eu centar em cima
dele, colocou uma camizinha, eu me virei de costas e comecei a rebolar em cima daquele pau
devagarinho, tava me sentindo uma puta assim. Rebolei bastante esfregando aquela cabeçona no
meu cuzinho e ele me segurou pelos quadris e começou a me puxar, eu rebolei mais ligeiro até
entrar, ele me puxou e enfiou tudo, ai, que tesão sentir aquele pauzão dentro de mim, eu rebolava,
sentado no seu colo, me contorcia, tentava subir ele me puxava, me apertava, me abraçava, eu tava
me sentindo uma femea, nunca tinha sentido isso, tava decepcionado comigo mesmo e adorando ser
fudido por aquele homem. Ficou assim me fudendo um tempão, a terceira vez, não sei como ele
aguentava, tava gostando de me fuder.

Eu me cabaei de novo sentindo aquele pau e aquela cabeçona enorme se mexendo e me enchendo,
Fiquei com medo que rebentasse a camisinha e comecei a tirar devagarinho, qdo ia tirar a cabeça
dava mais uma reboladinha, ele me puxava, era muito bom. Sai e fui me lavar de novo. Me vesti e
conversando me disse que era auxiliar de pedreiro e que de vez em quando colocava anúncio para
ganhar uma graninha mais, mas as vezes não aprecia ninguem, e fazia uma semana que não comia
ninguem. Ai entendi porque ele tava com tanto tesão. Hoje fico me segurando para não voltar lá.
Não posso dar banda na minha cidade, até botei seu telefone fora com muito pesar. Não quero ficar
saindo com boys. Quero encontrar alguem discreto que curta as mesmas coisas. me escreva para
bidesc@gmail.com