Você está na página 1de 4

Texto: HEILBORN, Maria Luiza e BRANDÃO, Elaine Reis.

“Ciências sociais e
sexualidade”. In: HEILBORN, Maria Luiza (org.). Sexualidade: O olhar das
ciências sociais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999. (7-17)

O presente texto é a introdução do livro Sexualidade: O olhar das ciências Sociais.


Como tal, traz dois conceitos básicos aos estudos antropológicos sobre sexualidade,
quais sejam, os conceitos de essencialismo e construtivismo, e apresenta a estrutura e os
artigos do livro.

A dissociação entre sexualidade e reprodução biológica da espécie, a partir do


desenvolvimento dos métodos contraceptivos hormonais, nos anos 60, e o advento da
epidemia de HIV/Aids, na década de 80, deram novo impulso às investigações sobre os
sistemas de práticas e representações sociais ligados à sexualidade, constituindo-a
como um campo de investigação em si, dotado de certa legitimidade. ... duas faces
compõem a personagem do indivíduo moderno: uma refere-se à sua constituição como
sujeito político, ... a outra alude à sua fabricação subjetiva. ... tal concepção de sujeito é
originária de uma determinada percepção cultural, temporal e historicamente
marcada. (pp. 7-8)

[Os] temas a serem investigados fazem sentido somente a partir da teia de significados
e relações sociais que os sustentam em um determinado contexto. Assim, o que é sexo
para um certo grupo não necessariamente é para outro, e os nexos estabelecidos entre
essa dimensão e as demais da vida social também variam. (p. 8)

Talvez a sexualidade ainda encontre resistências ao seu desvelamento, em razão do


lugar privilegiado que detém no cerne dos valores associados à intimidade moderna. ...
este livro apresenta uma possibilidade concreta de que as práticas sexuais sejam objeto
de estudo dessacralizado, como o são os outros hábitos relativos ao corpo, como a
alimentação e o esporte (pp. 8-9)

O debate teórico em torno da sexualidade tem sido marcado pelo enfrentamento entre
duas posições: o essencialismo e o construtivismo social.
[Do) essencialismo viceja a convicção de que há algo inerente à natureza humana ...
que conduz as ações.

O construtivismo social reúne abordagens que buscam problematizar a universalidade


desse instinto sexual. ... significados sexuais e ... comportamento sexual não seriam
passíveis de generalização, dado que estão ancorados em teias de sigificados
articuladas a outras modalidades de classificação, como o sistema de parentesco e de
gênero, as classificações etárias, a estrutura de privilégios sociais e de distribuição de
riqueza etc. (p. 9)

Não há ... uma razão universal pairando sobre as condutas, e muito menos sobre os
significados do que seja sexual.

Os desdobramentos da postura construtivista podem ainda redundar em diferentes


interpretações, segundo o grau de autonomia conferido à sexualidade em relação à
reprodução. ... Carole Vence propõe dois modelos para classificar o construtivismo social
... O primeiro, denominado modelo de influência cultural, parte da premissa de que há
uma partilha fundamental entre corpo e razão ... Aceita-se que a sexualidade seja
universal e biologicamente determinada, cabendo a cada sociedade conformar o impulso
ou pulsão sexual.

O segundo modelo é mais enfático, postulando que o domínio do sexual, do erótico ou


das sensações do corpo é puro efeito de construções culturais. (p. 10)

[Todos] os artigos aqui reunidos refere[m]-se ao gênero como uma categoria fundante
no modo como a experiência sexual é vivenciada pelos sujeitos, na medida em que as
trajetórias masculinas e femininas são radicalmente distintas, ... sobretudo em função
da maneira como as expectativas e as aspirações em relação à experimentação sexual
são marcadas pelo gênero na tradição ocidental. (pp. 11-2)

Três aspectos estariam na construção histórica dos chamados “dispositivos de


sexualidade”: a perfectibilidade, ... a preeminência da experiência, ... e o fisicalismo ...
A compreensão dos significados atribuídos contemporaneamente à``sexualidade deve
levar em conta um panorama no qual se confrontam duas lógicas antagônicas: o
esforço de maximização da vida ... e a otimização do corpo como fonte de prazer. (p.
12)

Loyola propõe um novo ângulo de leitura para a polêmica do construtivismo social.


Para a autora existem duas perspectivas: uma mais autonomista e excessivamente
culturalista, ... e outra mais relacional ... na qual se admite uma autonomia relativa da
sexualidade. (pp. 12-3)

Maria Luiza Heilborn ... salienta que a experiência narrada da sexualidade possui uma
marca de gênero fundamental, consubstanciada em duas formas: a primeira, em uma
oposição estruturante no universo cultural brasileiro entre a iniciativa masculina e a
ausência desta entre as mulheres. ... A segunda modalidade assinala a atividade sexual
masculina como um rito de passagem importante para a constituição da virilidade. (p.
13)

[Para a pesquisa de] Brigitte Lhomond, ... a compreensão do que seja atividade/
relação sexual foi alargada, permitindo incorporar diferentes percepções juvenis sobre
atos e práticas vinculadas à experiência da sexualidade. (pp. 13-4)

Geralmente, as recomendações prescritas nas campanhas de esclarecimento público ...


desconsideram diferenças culturais que singularizam determinados grupos
populacionais, não obtendo, assim, os efeitos esperados no tocante à alteração de
padrões de conduta. ... o que se discute está relacionado ao fato de saber em que
medida a esfera da sexualidade é passível de controle racional e metódico pelos
sujeitos. (pp. 14-5)

Regina Ferro do Lago ... desconstrói a imagem marginal tipicamente atribuída ao


homem bissexual como promíscuo, irresponsável, propagador do HIV entre as
mulheres e avesso à militância “politicamente correta”. A lógica da construção dessa
identidade sexual implica o fato de ela não poder se tornar pública. ... esse trabalho
permite problematizar a relação direta entre as categorias de identidade sexual e o
comportamentos e práticas adotados, desvelando as lógicas sociais que dão suporte à
“escolha” de uma identidade bissexual. (p. 15)

Juan José Meré Rouco... apresenta uma proposta de intervenção pedagógica que
procura aliar uma estratégia lúdica ao processo de disseminação de informações
necessárias à prevenção da transmissão sexual da Aids. ... ambos os artigos dessa
seção [Parte III - Sexualidade e HIV] apontam para a distância existente entre o
imaginário social sobre a sexualidade e as práticas sexuais que efetivamente
acontecem entre as parcerias. (pp. 15-6)

Você também pode gostar