Você está na página 1de 4

PORTFOLIO SOCIOLOGIA APLICADA A GESTÃO

VIOLENCIA E DESRESPEITO ÀS DIFERENÇAS

Parece mentira que estando em uma época de tanta modernidade e tecnologia, que as pessoas seguem vivendo a estilo “Primata”, deixando levar-se do instinto animal e irracional que todo ser humano leva dentro.

A educação atualmente se vê muito deficitária tanto no âmbito familiar como no âmbito escolar. Nas ultimas décadas estamos vendo como se avançam os números de crimes e atos violentos por causa da descriminação racial, social, religiosa, étnica, sexual, e na maioria dos casos podemos ver claramente que os autores de semelhantes barbáries provêm de famílias sem estrutura psicológica e econômica, ou de ideologias totalmente destrutivas, que não visam o respeito e nem a segurança das pessoas.

Nas escolas, o ambiente cada vez é pior. Como cresceu nos últimos anos o numero de bullyings que estão assediando e acabando com muitos jovens, chegando ao extremo de crimes de homicídio e suicídio pelos mesmos, e por motivos tão banais, como seria a cor e tipo de cabelo ou pele, a forma física, a forma de se expressar, etc. Não existe e nem se ensina respeito hoje nos colégios. Os professores perderam totalmente sua autoridade como educadores, e não há liberdade para ensinar aos seus alunos valores morais e éticos, como sempre se fez antigamente, porque dizem que tem que respeitar a religião e o modo de vida dos alunos. Para ensinar algo de proveito é proibido e existem pais que chegam até processar professores que tratam de ensinar algo bom, pois para eles, não são conforme sua maneira de pensar ou atuar. É um absurdo que para coisas que estimulam a violência, como jogos de guerra que crianças pequenas já têm em mãos, revistas com artigos que estimulam ao crime, etc. está permitido que sejam usados e lidos sem nenhum problema e sem nenhuma censura.

Já cansamos de ver casos horríveis de violência dentro dos colégios, como o massacre que houve no Realengo no Rio de Janeiro. Será que nenhum professor se deu conta que aquele garoto que foi o autor do crime, estava sofrendo um terrível

bullying por parte de seus colegas? A família sabia do comportamento raro e introspectivo do rapaz e do distúrbio psiquiátrico que padecia, mas parece que ninguém fazia cargo do mesmo. Aqui faço uma citação de um trecho de uma carta escrita por Wellington Menezes de Oliveira, autor do massacre, onde podemos ver claramente o que passou a ele no colégio, e podemos presumir que também passa nos dias de hoje a vários alunos:

"Muitas vezes aconteceu comigo de ser agredido por um grupo, e todos os que estavam por perto debochavam, se divertiam com as humilhações que eu sofria, sem se importar com meus sentimentos" http://pt.wikipedia.org/wiki/Massacre_de_Realengo)

Aqui também podemos ver um depoimento de um ex-colega de Wellington:

"Certa vez no colégio pegaram Wellington de cabeça para baixo, botaram dentro da privada e deram descarga. Algumas pessoas instigavam as meninas: 'vai lá, mexe com ele'. Ou até incentivo delas mesmo: 'Vamos brincar com ele, vamos sacanear'. As meninas passavam a mão nele ( Esses maus-tratos aconteceram em 2001. Naquele ano, em 11 de setembro, o maior ataque terrorista de todos os tempos virou obsessão para Wellington” (http://pt.wikipedia.org/wiki/Massacre_de_Realengo)

Aí temos a prova que se perderam totalmente os valores da compreensão, e apoio aos demais. Todo mundo vive em um mundo individualista, é o próprio ditado ao pé da letra: “Cada um por si e Deus para todos”.

E aí temos o espelho da sociedade. Não existe respeito a nada, quantas pessoas inocentes estão sofrendo descriminação e os efeitos dela. Pessoas trabalhadoras e lutadoras têm que agüentar insultos, humilhações e até lesões físicas por causa de sua cor ou sua opção de vida.

É inaceitável ver os números dos casos de agressões e atos violentos contra as pessoas por causa das diferenças. Pessoas espancadas quase até a morte (e em alguns casos até a morte) sofrem sem nenhum tipo de proteção ou apoio. Os governos de vários países incluindo o nosso, falam muito e não fazem nada.

Em que sociedade vivemos, em que as pessoas não podem andar sossegadas pela rua ou nos locais públicos sem ser vitimas de algum tipo de descriminação!

No caso dos homossexuais, existe uma diversidade de pensamentos e opiniões. Pessoalmente, eu não sou a favor da união de pessoas do mesmo sexo, mais respeito. Eu não aprovo esse estilo de vida, mais nem por isso posso sair na rua e insultar um casal desse tipo.

E das pessoas de cor, que podemos falar? Em um articulo que li, fiquei

horrorizada nas palavras de tão baixo calão que usava as agressoras verbais a uma

pobre moça negra. Desde sempre a raça negra foi muito descriminada. Ainda não somos capazes de ver o ser humano dentro de cada pessoa, independente da cor de sua pele. Aí voltamos no problema da educação. Quantas vezes na escola ensinam às crianças as famosas “piadinhas de pretos” que as estimulam a ver a pessoa negra de um modo diferente e que deve ser rebaixada pelos demais. Em varias empresas, quando vão fazer entrevistas para vagas de emprego, dão sempre a preferência a pessoas brancas e as negras sempre ficam nos últimos lugares, sem oportunidade alguma, mesmo que sejam mais inteligentes e tenham mais capacidade nas funções propostas que os brancos.

Pensamos que o apartheid é só na África do Sul? Em minha opinião não. O apartheid está presente no mundo inteiro de uma forma disfarçada e menos radical, mais segue existindo.

O que passa é que já nos acostumamos a tudo. Vemos as noticias na

televisão, nos jornais, na internet e nada nos impressiona. Já vemos toda essa problemática da violência e descriminação como algo natural. Ficamos em uma atitude passiva diante de tantas desgraças. Em alguns casos, quando ocorre um ato violento desse tipo em algum local publico, praticamente ninguém se mexe para ajudar e defender. É a cultura do medo e do “deixa quieto”

A solução para toda esta problemática depende de todos nós. Se cada um

aportamos algo para melhorar essa triste situação, conscientizando as pessoas ao nosso redor, principalmente os mais jovens, que devemos respeitar a todos,

independente de raça, cor, condição social, poderíamos lograr um mundo melhor,

sem tanta violência e ódio aos nossos semelhantes.

BIBLIOGRAFIA

A responsabilidade civil da escola perante as violências que ocorrem entre os alunos (http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php/?n_link=revista_artigos_leitura&artig

o_id=11147&revista_caderno=7)

Massacre do Realengo (http://pt.wikipedia.org/wiki/Massacre_de_Realengo)

Recentes casos de agressões mostram o desrespeito às diferenças na capital

(http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2014/02/28/interna_cidade

sdf,415159/recentes-casos-de-agressoes-mostram-o-desrespeito-as-diferencas-na-

capital.shtml)