Você está na página 1de 2

A SANTIFICAO DAS MS COMPANHIAS

08
Introduo: Nossa santidade adquirida pelo sacrifcio de Jesus deve ser preservada
por meio da nossa conduta de vida. Uma das maneiras de preserv-la evitando as
ms associaes como ensinam as escrituras: "No vos enganeis: as ms
companhias corrompem os bons costumes". I Co 15.33. Nesse caso, Paulo se refere
a alguns dentre eles que afirmavam no acreditar na ressurreio dos mortos. I Co
15.12. Mas, toda e qualquer influncia negativa deve ser evitada ou superada
quando estiver em nosso controle. Como feliz aquele que no segue o conselho
dos mpios, no imita a conduta dos pecadores.... Sl 1.1. Devemos nos afastar de
alguns:
1. POR UMA QUESTO DE DIFERENA DE NATUREZAS
a) Nascimento. Somos essencialmente ligados quele que nos gerou. O que nasce
da carne carne, mas o que nasce do Esprito esprito. Jo 3.6. Se nascemos de
Deus, nossa caminhada ser para glorifica-lo. Sabemos que todo aquele que
nascido de Deus no est no pecado.... I Jo 5.18.
b) Inclinao. Uma pessoa inclina-se para aquilo que sua natureza . Rm 8.5-9. Ex:
Um porco no se sente bem fora do chiqueiro, pois sua natureza esta.
2. POR UMA QUESTO DE DIFERENA DE PRINCPIOS
a) Conceitos. Toda pessoa possui conceitos de vida, e so eles os mais variados:
como educar filhos, como negociar, sexo, futuro, papis sociais, lugares a
frequentar, alimentao, maneira de se vestir e etc. Se tais conceitos forem muito
opostos entre duas pessoas, haver muito desentendimento.
Duas pessoas
andaro juntas se no estiverem de acordo?. Am 3.3.
3. POR UMA QUESTO DE ALIANA
a) Compromisso. Quando nos aliamos a algum ou alguma coisa, nos prendemos a
ele. Ns somos influenciados, para melhor ou pior, por aqueles com quem nos
associamos.
= Por essa razo, o homem deixar pai e me e se unir sua mulher, e os dois se
tornaro uma s carne. Ef 5.31.
= No se ponham em jugo desigual com descrentes. Pois o que tm em comum a
justia e a maldade? Ou que comunho pode ter a luz com as trevas?. II Co 6.14.
= Guarda-te para no fazer acordo com aqueles que vivem na terra para a qual
voc est indo, pois eles se tornariam uma armadilha. x 34.12.
4. PARA EVITAR AS CONSEQNCIAS RUINS
Jz 16.4/Pv 28.7/I Rs 11.2/II Cr 19.2 /Pv 13.20/ x 23.33/ Pv 22.5/ Pv 12.26/ Pv
22.24,25.
5. DOIS PERIGOS
a) O perigo do isolamento. No podemos usar a necessidade de nos separamos das
ms companhias como pretexto para nos isolarmos de todos os no crentes. Eles
precisam de nossa ajuda, e nossa misso ir s pessoas (Ide por todo mundo). Eis
nossa responsabilidade e desafio. Ir ao mundo por nossa misso nos resguardando
de suas influncias.
b) O perigo de se achar superior aos outros. Devemos nos manter afastados das
pessoas que nos afastariam de Deus e de sua vontade. Mas, em nenhum momento
devemos nos afastar de algum por nos acharmos superiores devido nossa
conduta. Rm 3.10.
Reflexo:

1 Devemos iluminar o mundo e no nos deixar apagar por ele.


2 Se uma amizade comear a influenciar para o mal, no importa quem seja,
crente ou no crente, devemos nos resguardar, e se preciso at nos afastar.
Mais referncias:
Gl 5.7-9 / Sl 119.63 / Sl 141.4. / Sl 26.4,5 / Sl 119.115 / Pv 1.10,15 / Pv 9.6 / Ef 5.11.
I Co 5.11 / II Ts 3.6, 14,15 / I Tm 6.3-5 / II Tm 3.5 / Pv 9.6 / Pv 14.7 / Rm 16.17.
As ms companhias so como um mercado de peixe; acabamos por nos acostumar ao mau cheiro.

Você também pode gostar