Você está na página 1de 1

Anotaes de Colwyn Trevarthen - Finding New Energy for Life in Music Shared.

In PER
RET, D. Roots of Musicality: Music Therapy and Personal Development. Londres: Je
ssica Kingsley, 2005.
Daniel Perret - campos energticos - chama a ateno s sensaes de movimento nas partes oc
ultas do corpo, bem como o domnio do ambiente de objetos e espao externo.
Musicalidade "um produto da nossa maneira humana singular de agir e sentir no mu
ndo (Trevarthen, 1999), de sermos conscientes do sentido por meio de 'mimeses' c
oletivas (Donald, 2001). Todas as criaturas que se movem devem dominar seus movi
mentos ligando orgos internos e externos. Elas devem conduzir a macnica do tronco
e dos membros, superando sua massa e inrcia para subir superfcie da terra e nadar,
voar ou correr. Elas o fazem com pulsos de esforo muscular, estimando o futuro d
a sua progresso em medidas de tempo e traando seus deslocamentos no espao com seu c
entro de referncia no corpo. Todos os benefcios e custos possveis da 'animao', o movi
mento da 'alma', so planejados em imagens a serem vividas. Cada organismo navegad
or deve tambm manter intactos e regular os movimentos secretos dos orgos internos,
planejando vitalidade essencial com relao fadiga, dor ou prazer. Todo o gasto de
energia mecnica em mover-se deve ser sentido de acordo com a energia fisiolgica/qum
ica nos processos das clulas vivas. Casa self um projeto dinmico incorporando muit
os componentes.
Quando o esprito est engajada, todo o self quem responde - identidade, imaginao e me
mrias, pensamentos, relaes e bem-estar corporal. Eventos dinmicos que sustentam e en
ergizam a vida so carregados pelo som do movimento corporal, pelo qual as diferen
tes propriedades dinmicas da terra, ar, metal, fogo e gua so como ferramentas que p
odemos dominar para celebrar a experincia" (p. 7-8)
"Quero ver a energia musical ser vista como um corpo que dana e canta ao mover to
das suas partes, erguendo-se no espao da imaginao e companhia, fazendo melodias de
expresso que convidam ao engajamento e oferecem energia ou repouso. Eu repito, a
msica o som do corpo se [movendo], mesmo quando ela retrata uma calma centrada qu
e nos deixa imveis." (p. 9)
"Esperamos que a criana chegue at ns de uma forma brincalhona, aventureira, exubera
nte, afetuosa, sabendo que iremos compartilhar diverso e ajudar nas dificuldades.
Uma criana autista incompreensivelmente relutante em alguns aspectos, e muito fo
cada em outra necessidades privadas para ns compreendermos. por isso que, como co
m qualquer outra criana com dificudade em agir ou se relacionar, um pai, terapeut
a ou professor deve encontrar com sensibilidade o lugar 'onde a criana est' e imag
inar seu mundo, com suas lacunas e medos" (p. 12)
Daniel Perret - preciso estar atento a qualquer sinal de abertura ou abordagem d
o esprito para a brincadeira e a inveno. A msica oferecida nesta forma responsiva [r
esponsive], frequentemente a chave que libera a alegria e criatividade da criana.

Você também pode gostar