Você está na página 1de 7

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia.

a) Melodia
É uma sucessão de sons musicais combinados
b) Ritmo
É a duração e acentuação dos sons e pausas
c) Harmonia
é a combinação dos sons simultâneos

II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do

Cordas Soltas
MI LÁ RÉ SOL SI MI

II

III

IV

etc.

As cordas são contadas das mais agudas


para as mais graves.

6 5 4 3 2 1
III- Clave
Clave é um sinal usado no início da pauta para determinar o nome e a altura das notas. Por
enquanto, basta saber que ela é designada para anotar os sons dos instrumentos. Existem três tipos de
clave mas para nós só interessa uma: a clave de sol.
A clave de sol é designada para anotar os sons de instrumentos agudos como:Violino, flauta,
trompete, gaita, violão, bandolim, clareinete, óboe e cavaquinho.

IV- Figuras e valores das notas e pausas


Observe que os sons musicais têm durações diferentes. Essas durações são os valores,
representados por figuras gráficas de notação musical. Temos, para cada figura, uma correspondente
indicando silêncio. São as pausas.

Valores dos sons Nomes Pausas Número


Semibreve 1__________
Mínima 2__________
Semínima 4__________
Colcheia 8__________
Semicolcheia 16_________
Fusa 32_________
Semifusa 64_________

V- Compasso
É a duração de um trecho musical em pequenas partes de duração com séries regulares de tempo.
São separados por um traço vertical chamado barra simples.

Os compassos são denominados de acordo com o número de tempos:


• Binário  2 tempos
• Ternário  3 tempos
• Quaternário 4 tempos
Ele é representado por uma fração onde, o numerador indica o número de tempos, em cada
compasso, e o denominador é o símbolo do valor de cada tempo.
-BARRA de COMPASSO-

a)Simples Separa os compassos

b) Dupla Separa um trecho do outro

c) Final Término de uma música

VI- Intervalo, tom, semitom


Intervalo é a distância entre dois sons.
Semitom é o menor intervalo entre dois sons.
Tom é o intervalo formado por dois semitons.

VII- Acidentes musicais


Sustenido ( # )  Eleva o som em um semitom.
Bemol ( b )  Abaixa o tom em um semitom.
Dobrado-sustenido ( x )  Eleva o som em um tom.
Dobrado-bemol ( bb ) Abaixa o som em um tom.
VIII- Escala
É uma série de sons ascendentes ou descendentes na qual o último será a repetição do primeiro
uma oitava acima ou abaixo. A escala pode ser maior ou menor.

MAIOR

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó
Este é o exemplo da escala de Dó maior tomada como padrão por não possuir acidentes. Para
construir a escala maior nas demais alturas, basta seguir o mesmo modelo em relação aos intervalos de
um grau para outro:
• Intervalos de semitom entre os graus III---IV e VII---VIII e de tom entre os demais graus.

MENOR

Lá Si Dó Ré Mi Fá Sol Lá
Este é o exemplo da escala de Lá menor que também é tomada por base por não possuir acidentes.
A diferença é que os Graus III, IV e VII são abaixados.

Escalas relativas
O sexto grau da escala maior é a sua relativa na escala menor. Possuem acidentes iguais mas
tônicas diferentes. É o exemplo das escalas de Dó maior e Lá menor.

XIX-Acorde
É o conjunto de três ou mais sons ouvidos simultaneamente. Pode ser também arpejado quando as
notas são ouvidas sucessivamente.

X-Cifra
Símbolos criados para representar o acorde de uma maneira prática. É composta de letras, números
e sinais. É o sistema predominante usado em música popular para qualquer instrumento.
Em cifra, os nomes Lá, Si, Dó, Ré, Mi, Fá e Sol são substituídas pelas sets primeiras letras do
alfabeto.

A – Lá
B – Si
C – Dó
D – Ré
E – Mi
F – Fá
G – Sol

Os números e sinais usados na cifra representam os intervalos da escala, a partir da fundamental,


em que são formados os acordes.
Tomemos o exemplo de C7(#9).
C quer dizer Dó. O número 7, o intervalo de sétima menor a partir da fundamental Dó. E o # ao
lado do 9, a nona aumentada.
Na tabela de intervalos, dada no final dessa apostila, constam a lista com todos os intervalos e seus
respectivos nomes.
*Você poderá encontrar sons iguais com sons diferentes. A esse fenômeno chamamos Enarmonia.
Enarmonia.

O que a Cifra estabelece


1. Tipo dos acordes [maiores, menores (indicados por um ´´m´´minúsculo ao lado da letra
maiúscula)].
2. Eventuais alterações (5ª aumentada ou diminuta, 9ª menor)
3. Inversão do acorde (3ª, 5ª ou 7ª no baixo)
*Baixo é a nota mais grave do acorde.

O que a Cifra não estabelece( livre escolha do executante)


1. A posição do acorde
2. Ordem vertical ou horizontal
3. Dobramentos e supressões de notas do acorde.
Pode-se dobrar, triplicar ou suprimir: 5 justa e a fundamental. O dobramento da Terça deve ser evitado
(enfraquece o acorde) e a fundamental só pode ser suprimida se um outro instrumento tocar o baixo.

XI- Formação do acorde


O acorde pode ser formado por três, quatro ou mais sons.

Tríade
Formada pelo agrupamento de 3 notas separadas por intervalos de terças e pode ser maior, menor,
diminuta ou aumentada.
1. Formação da tríade maior
É formada pela fundamental (1), Terça maior (3M) e Quinta justa (5J) e se caracteriza pela
superposição de uma Terça maior e de uma menor.
2. Formação da tríade menor
É formada pela fundamental, Terça menor (3m) e Quinta justa e se caracteriza pela superposição
de uma Terça menor e uma maior.
3. Formação da tríade diminuta
É formada pela fundamental, Terça menor e Quinta diminuta(5b) e se caracteriza pela superposição
de terças menores.
4. Formação da tríade aumentada
Formada pela fundamental, Terça maior e Quinta aumentada (5#) e se caracteriza pela
superposição de terças maiores.
Tétrade
È o agrupamento de quatro sons separados por intervalos de terças superpostas.
Ex.
C7M ou C7

*Usa-se o parênteses na cifra para separar o som básico da tríade, ou mesmo para uma melhor
visualização.

XII- Acorde no seu estado fundamental


É quando o baixo é a fundamental ou tônica.

XIII- Acorde invertido


É quando a quinta, terça ou sétima vai para o baixo. Dizemos que ele está na 1º, 2º e 3º inversão
respectivamente.
Ex.
C/E C/G C/Bb
O numerador indica a fundamental e o denominador a nota do baixo.

XIX- Categoria dos Acordes


Maior
Se caracterizam pela fundamental, Terça maior, Quinta justa e nunca possuem a sétima menor.
Menor
Se caracterizam pela fundamental, Terça menor e Quinta justa.
Sétima dominante
Os acordes de sétima dominante se caracterizam pelo intervalo formado entre a Terça maior e a
sétima menor, dando origem ao som preparatório ou de tensão. Ainda nessa categoria, encontramos o
SubV7 que é o acorde substituto do V7. É encontrado um semitom acima do acorde que se quer
resolver.
Ex. No campo de Dó:
C | Em | G7 | C || C | Em | Db7 | C ||
Sétima diminuta
Caracterizado pela fundamental, Terça menor, Quinta diminuta e é construído sobre o VII grau da
escala.
Pelo fato do acorde diminuto estar separado por intervalos de Terça menor (dividindo a oitava em
quatro partes iguais), um mesmo acorde diminuto pode se desdobrar em quatro, isto é, cada uma das
quatro notas pode ser a fundamental de um novo acorde diminuto, sendo acordes equivalentes.
São três os acordes diminutos( B°, C° e Db°). Os demais são desdobramentos ou inversões desses.

XIV- Função tonal ou harmônica dos acordes


Em música temos momentos instáveis, estáveis e menos instáveis, e são essa variações que
motivam a continuidade da música até o repouso final.

Função Tônica
Função de sentido conclusivo (estável). Geralmente é o acorde que finaliza uma música. O acorde
principal é o I grau e pode ser substituído pelo III e VI graus.
Função Dominante
Função de sentido suspensivo (instável) e pede resolução na tônica. O principal acorde é o V e pode
ser substituído pelo VII.

Função Subdominante
Função de sentido meio suspensivo, pois se apresenta de forma intermediária às outras funções.O
principal acorde é o IV e pode ser substituído pelo II.

XV- Seqüências harmônicas formadas sobre os graus da escala


• Tríades diatônicas
Formadas apenas com as notas da escala ou de uma tonalidade.

3M 3m 3m 3M 3M 3m 3m
I IIm IIIm IV V VIm VIIm
C Dm Em F G Am B°

3m 3m 3M 3M 3m 3m 3M
Im IIm III IVm Vm bVI bVII
Cm D° E F Gm Am B