Você está na página 1de 35

Ano III • Nº 25 • Agosto 2001 • R$ 6,00

www.embalagemmarca.com.br

águas minerais premium • o melhor da fce e da hba


A presença do design
O s lei­to­res ob­ser­va­
rão que, nes­ta edi­
ção, o tema de­sign
tra­ba­lho de em­pre­sas e
pro­fis­sio­nais en­vol­vi­dos
na ca­deia de em­ba­la­gem
fer­ra­men­ta in­dis­pen­sá­vel a
quem atua na ca­deia de
em­ba­la­gem.
de em­ba­la­gem, que per­ está im­plí­ci­to na mis­são Den­tro des­sa meta, te­nho a
pas­sa – ou que de­ve­ria edi­to­rial de Emb ­ al
­ ag­ em­ sa­tis­fa­ção de anun­ciar o
per­pas­sar – toda a ca­deia Marc ­ a. re­tor­no aos qua­dros da
pro­du­ti­va, é abor­da­do em Sob esse pris­ma, além de re­da­ção do re­pór­ter Lea­
pro­por­ção maior do que a aplau­dir e di­vul­gar aque­les dro Ha­ber­li, um jo­vem jor­
ha­bi­tual nas pá­gi­nas da e ou­tros acon­te­ci­men­tos na­lis­ta que já in­te­grou a
re­vis­ta. São três os mo­ti­ se­me­lhan­tes, nes­tes pou­co equi­pe de Emb ­ al
­ ag
­ em­
vos para isso: mais de dois anos de sua Marc ­ a, con­tri­buin­do para
1) sem de­sign, isto é, sem exis­tên­cia, sis­te­ma­ti­ca­ a con­so­li­da­ção da re­vis­ta
um pro­je­to, ne­nhu­ma men­te, a re­vis­ta deu am­pla em sua fase ini­cial.
em­ba­la­gem, como ne­nhum co­ber­tu­ra a even­tos es­pe­ Em fu­tu­ras edi­ções, a
ou­tro ob­je­to in­dus­trial, cia­li­za­dos em áreas tão re­vis­ta inau­gu­ra­rá, pro­
con­se­gui­rá de­sem­pe­nhar di­fe­ren­tes quan­to en­gar­ra­ gres­si­va­men­te, se­ções e
ade­qua­da­men­te as fun­ções fa­men­to de be­bi­das, tin­tas, ser­vi­ços que re­for­ça­rão
a que se des­ti­na; lo­gís­ti­ca e ou­tros ra­mos nos­so in­ten­to de apor­tar
2) qua­se si­mul­ta­nea­men­te re­la­cio­na­dos com a ati­vi­ in­for­ma­ções des­ti­na­das a
ocor­re­ram du­ran­te os tra­ da­de de pac­ka­ging. Ago­ra tor­nar mais efi­caz a ati­vi­
ba­lhos jor­na­lís­ti­cos des­ta mes­mo es­ta­mos dan­do da­de dos pro­fis­sio­nais da
edi­ção lan­ça­men­tos de nos­so apoio ao Top de área de em­ba­la­gem.
pro­du­tos em que o de­sign Em­ba­la­gem ADVB 2001 Um lem­bre­te fi­nal: em­bo­
tem pa­pel cen­tral e que (Prê­mio Na­cio­nal de Ex­ce­ ra em boa par­te esta edi­ção
me­re­ce­ram co­ber­tu­ra na lên­cia em Em­ba­la­gem), tra­te do as­sun­to de­sign de
edi­ção (veja as pá­gi­nas pa­tro­ci­na­do pela As­so­cia­ em­ba­la­gem, não dei­xa de
28, 30, 32 e 34); ção dos Di­ri­gen­tes de Ven­ dar am­pla co­ber­tu­ra a
3) no mês de data de capa das do Bra­sil, cujo an­da­ ou­tros as­sun­tos im­por­tan­
da re­vis­ta e logo em se­gui­ men­to re­ce­be­rá a me­re­ci­da tes. Isso pode ser­cons­ta­ta­
da, es­ta­va pro­gra­ma­da a co­ber­tu­ra. do na re­por­ta­gem de capa,
rea­li­za­ção de dois even­tos Esse tipo de apoio con­ti­ de au­to­ria de Gui­lher­me
de gran­de im­por­tân­cia para nua­rá sen­do dado a to­das Ka­mio, so­bre os efei­tos da
o se­tor, que são a 3ª Se­ma­ as ini­cia­ti­vas que se en­qua­ cri­se ener­gé­ti­ca no se­tor;
na ABRE do De­sign de drem na mis­são da re­vis­ta na co­ber­tu­ra dos even­tos
Em­ba­la­gem e o Prê­mio de con­tri­buir para o for­ta­ FCE Phar­ma e HBA South
ABRE de De­sign de le­ci­men­to do se­tor. Rei­te­ Amé­ri­ca e na ma­té­ria so­bre
Em­ba­la­gem. ra­mos, po­rém, que, por em­ba­la­gens para fru­tas,
As­sim, a co­ber­tu­ra do tema prin­cí­pio, Emb ­ al­ ag­ em­ le­gu­mes e ver­du­ras. Até
com a me­re­ci­da ex­ten­são Marc ­ a não é dona, não setembro.
con­sis­te numa ação de or­ga­ni­za, não pa­tro­ci­na
opor­tu­ni­da­de edi­to­rial e, prê­mios e nem mes­mo Wil­son Pa­lha­res
ao mes­mo tem­po, de par­ti­ci­pa de co­mis­sões
ho­me­na­gem ao pú­bli­co jul­ga­do­ras de ne­nhum PS – A vocação de Em­ba­
in­te­res­sa­do no con­teú­do de­les. A re­vis­ta li­mi­ta-se a lag­ em­Mar­ca para a ino­
da­que­les even­tos. cum­prir o seu de­ver, que é va­ção con­ti­nua. Aguar­dem
A pro­pó­si­to, o apoio a pre­ in­for­mar com im­par­cia­li­ no­vi­da­des in­te­res­san­tes já
mia­ções, con­cur­sos e da­de, isen­ção e pro­fun­di­ na próxima edi­ção.
ou­tras ati­vi­da­des que con­ da­de, a fim de con­so­li­dar-
tri­buam para aper­fei­çoar o se cada vez mais como

4 – embalagemmarca •  ago 2001


tan­do com seu apoio e nos co­lo­ca­mos tó­ria to­dos os me­ses, um pra­zer, Re­co­
à dis­po­si­ção para tra­ba­lhos fu­tu­ros. nhe­ço e con­cor­do que aque­les que
Mar­ce­lo San­tos Neto e Ca­tia di Sta­si re­ce­biam as­si­na­tu­ra de cor­te­sia de­vem
De­par­ta­men­to de Mar­ke­ting as­si­nar nor­mal­men­te (pa­gan­do!).
Gru­po Bra­sil Rio Mui­to obri­ga­da e pa­ra­béns pela pu­bli­
São Pau­lo, SP ca­ção.

C o­nhe­ci o site de vo­cês atra­vés da


revista Design Gráfico e adorei.
Dei­se Lo­pes Cor­rea
Ana­lis­ta de Mar­ke­ting
Te­le­fo­ni­ca Ce­lu­lar
Mar­cos Pi­nho da Sil­va Rio de Ja­nei­ro, RJ
ST – Gra­phic De­sign
São Pau­lo, SP E m pri­mei­ro lu­gar gos­ta­ria de pa­ra­

É com mui­ta sa­tis­fa­ção que te­mos


acom­pa­nha­do o cres­ci­men­to e con­so­
R e­ce­be­mos em meu de­par­ta­men­to,
men­sal­men­te um exem­plar de Em­ba­
be­ni­zá-los pelo ex­ce­len­te tra­ba­lho.
Meu pri­mei­ro con­ta­to com Em­ba­la­
gem­Marc ­ a foi há uns dois anos. Des­
li­da­ção des­te ex­ce­len­te ins­tru­men­to lag­ emMarc ­ a. Um dos seg­men­tos de en­tão, ve­nho re­ce­ben­do a re­vis­ta e
de co­mu­ni­ca­ção, vol­ta­do para um em que a Car­gill atua é o de ami­dos te­nho todo se­mes­tre su­ge­ri­do a as­si­
mer­ca­do tão vi­tal como o de em­ba­la­ mo­di­fi­ca­dos para uso in­dus­trial, aten­ na­tu­ra para meus alu­nos de De­sign de
gens. Ape­sar de a Bra­sil Mul­ti­mí­dia den­do prio­ri­ta­ria­men­te as in­dús­trias Em­ba­la­gem. Co­le­cio­nar Emb ­ al ­ a­
es­tar fo­ca­da no de­sen­vol­vi­men­to de têx­til, de pa­pel, pa­pe­lão e ce­lu­lo­se. A gem­Marc ­ a é uma ex­ce­len­te fon­te
web­si­tes e fer­ra­men­tas mul­ti­mí­dia, re­vis­ta é de gran­de uti­li­da­de para esta para meu tra­ba­lho como pro­fes­so­ra.
Emb ­ al­ ag
­ em­Marc­ a nos tem sido Uni­da­de de Ne­gó­cios. Ca­ro­li­na Tei­xei­ra
sem­pre útil e ins­tru­ti­va, afi­nal web­si­ Vick G. Li Pro­fes­so­ra de prá­ti­ca pro­je­tual
tes não dei­xam de ser em­ba­la­gens As­sun­tos Cor­po­ra­ti­vos Es­co­la de De­sign UEMG
que as em­pre­sas e pro­du­tos ves­tem Car­gill Agri­co­la Belo Ho­ri­zon­te, MG
para ser ven­di­dos no mun­do vir­tual.
As mí­dias po­dem ser dis­tin­tas, mas o
ob­je­ti­vo será sem­pre o mes­mo: ven­ T
São Pau­lo, SP

e­mos co­le­cio­na­do, para con­sul­tas


E s­cre­vo para di­zer que a re­vis­ta é
de gran­de uti­li­da­de para nós.
der uma mar­ca, pro­du­to ou idéia. fre­qüen­tes que fa­ze­mos, to­das as edi­ Fer­nan­do Reis
Pa­ra­béns e óti­mo tra­ba­lho. ções de Emb ­ al
­ ag
­ em­Marc ­ a. Não sei Di­re­tor de arte
Ro­dri­go Ma­ru­xo Pe­res como, mas al­gu­mas das edi­ções mais 1 a Zero Pro­pa­gan­da
Di­re­tor de Con­teú­do re­cen­tes sim­ples­men­te su­mi­ram de São Cae­ta­no do Sul, SP
Bra­sil Mul­ti­mí­dia nos­so acer­vo. Gos­ta­ria de sa­ber se
São Pau­lo, SP ha­ve­ria dis­po­ni­bi­li­da­de de ter­mos um

E m nome do Gru­po Bra­sil Rio, o


de­par­ta­men­to de mar­ke­ting pa­ra­be­ni­
exem­plar des­tes que es­tão fal­tan­do
Mar­ce­lo Ma­ri­ni
Ad­mi­nis­tra­ção cor­po­ra­ti­va
Mensagens para EmbalagemMarca
Redação: Rua Arcílio Martins, 53
CEP 04718-040 • São Paulo, SP
za e agra­de­ce a toda a equi­pe de Ri­ge­sa Wes­tva­co do Bra­sil Tel (11) 5181-6533
Emb ­ al
­ ag
­ em­Marc ­ a pelo ex­ce­len­te Cam­pi­nas, SP Fax (11) 5182-9463
tra­ba­lho de co­ber­tu­ra da Fis­pal Tec­ redacao@embalagemmarca.com.br
no­lo­gia 2001 (ju­lho de 2001). Res­sal­
ta­mos ain­da o pa­drão grá­fi­co ado­ta­
do, a dia­gra­ma­ção, o tex­to… en­fim,
R e­ce­bo Em­ba­la­gem­Mar­ca des­de
o nú­me­ro 2. Des­de en­tão sou apai­xo­
As men­sa­gens re­ce­bi­das po­de­rão ter
tre­chos não es­sen­ciais eli­mi­na­dos, e
po­de­rão ser in­se­ri­das no site da revis-
ta (www.embalagemmarca.com.br).
pa­ra­béns! Es­pe­ra­mos con­ti­nuar con­ na­da pela re­vis­ta, que é lei­tu­ra obri­ga­
EM25
agosto 2001
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

10 24
En­tre­vis­ta: Hor­ti­gran­jei­ros Reportagem
Ma­ria Inez Mu­rad Para ex­por­tar mais, redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
A di­re­to­ra de mar­ke­ting pro­du­to­res agrí­co­las flavio@embalagemmarca.com.br
home care da Uni­le­ver bra­si­lei­ros ado­tam Guilherme Kamio
con­ta como a gi­gan­te em­ba­la­gens pró­prias guma@embalagemmarca.com.br
Thays Freitas
an­glo-ho­lan­de­sa lida com para con­su­mo lá fora thays@embalagemmarca.com.br
suas mar­cas no Bra­sil Leandro Haberli

28
Di­fe­ren­cia­ção leandro@embalagemmarca.com.br

16 CAPA
Mu­dan­ça de há­bi­tos de
con­su­mo im­pos­ta pela
Fa­bri­can­tes de chás
lan­çam no­vos pro­je­tos
de em­ba­la­gem para se
Colaboradores
Josué Machado e Luiz Antonio Maciel

Diretor de Arte
cri­se ener­gé­ti­ca afe­ta o des­ta­car nas gôn­do­las Carlos Gustavo Curado
se­tor de em­ba­la­gens

32
Ma­king Of Administração
Marcos Palhares (Diretor de Marketing)
Mi­nal­ba e Pe­tró­po­lis Eunice Fruet (Diretora Financeira)
Pau­lis­ta lan­çam águas
mi­ne­rais pre­mium, Departamento Comercial
comercial@embalagemmarca.com.br
pro­van­do que mar­cas Wagner Ferreira
na­cio­nais es­tão in­ves­
tin­do em em­ba­la­gem Circulação e Assinaturas
Claudia Regina Salomão
para cres­cer na fai­xa assinaturas@embalagemmarca.com.br
top de mer­ca­do Assinatura anual (11 exemplares): R$ 60,00

Público-Alvo
Em­ba­la­gem­Mar­ca é di­ri­gi­da a pro­fis­sio­nais que

20
ocu­pam car­gos téc­ni­cos, de di­re­ção, ge­rên­cia
feira e su­per­vi­são em em­pre­sas for­ne­ce­do­ras, con­
Di­ri­gi­das às in­dús­trias ver­te­do­ras e usuá­rias de em­ba­la­gens para
far­ma­cêu­ti­ca e cos­mé­ti­ alimentos, be­bi­das, cos­mé­ti­cos, me­di­ca­men­
tos, ma­te­riais de lim­pe­za e home ser­vi­ce, bem
ca, FCE Phar­ma e HBA como pres­ta­do­res de ser­vi­ços re­la­cio­na­dos
South Ame­ri­ca trans­ com a ca­deia de em­ba­la­gem.
põem per­fil de fei­ras
Tiragem desta edição
pu­ra­men­te co­mer­ciais 7 500 exemplares

3 Editorial 38 Mer­ca­do Filiada ao


foto de capa: studio ag / andré godoy (embalagem cedida pela rigesa westvaco)

A es­sên­cia da edi­ção do mês, Cria­ção da CBL dá fô­le­go


opi­nião - e mu­dan­ças novo às em­ba­la­gens de aço

4 Cartas 40 Pa­no­ra­ma
A opi­nião, a su­ges­tão e o Mo­vi­men­ta­ção na in­dús­tria de Impressa em papel Couché Reflex Matte
L2 120g/m2 (miolo) e Couché Reflex
co­men­tá­rio dos lei­to­res em­ba­la­gens e seus lan­ça­men­tos Arctic L2 150g/m2 (capa), da Suzano

30 Cer­ve­jas 42 Dis­play EmbalagemMarca é uma publicação


mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
Bohemia for­ta­le­ce ca­rá­ter pre­ Lan­ça­men­tos e no­vi­da­des
Rua Arcílio Martins, 53 – Chácara Santo
mium para tor­nar-se re­fe­rên­cia no mer­ca­do de con­su­mo Antonio - CEP 04718-040 - São Paulo, SP
Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463
36 Ma­te­riais 48 Even­tos www.embalagemmarca.com.br
Maio­negg’s quer ino­var com Prepare sua agenda para
pote de vi­dro per­so­na­li­za­do manter-se atualizado O con­teú­do edi­to­rial de Em­ba­la­gem­Mar­ca é
res­guar­da­do por di­rei­tos au­to­rais. Não é per­

50
mi­ti­da a re­pro­du­ção de ma­té­rias edi­to­riais
Almanaque pu­bli­ca­das nes­ta re­vis­ta sem au­to­ri­za­ção da
Blo­co de Co­mu­ni­ca­ção Ltda. Opi­niões ex­pres­
Fatos e curiosidades não muito conhecidos sas em ma­té­rias as­si­na­das não re­fle­tem
do universo das embalagens ne­ces­sa­ria­men­te a opi­nião da re­vis­ta.
entrevista

“Marca é relacionamento”
M
aior fa­bri­can­te de bens de
con­su­mo do país, a Uni­le­ver
Bra­sil, sub­si­diá­ria da gi­gan­te
an­glo-ho­lan­de­sa Uni­le­ver,
até recentemente co­nhe­ci­da
como Gessy Le­ver, tem um
his­tó­ri­co de in­dis­cu­tí­vel êxi­to
no tra­to das mar­cas. Bas­ta lem­brar que al­gu­
mas de­las, a co­me­çar pela mais co­nhe­ci­da
en­tre os bra­si­lei­ros, a do de­ter­gen­te em pó
Omo, e do sabonete Lux, lí­der em sua ca­te­
go­ria, têm lon­gos his­tó­ri­cos de pre­sen­ça e
de ex­ce­len­tes ven­das no mer­ca­do na­cio­nal.
Boa par­te da his­tó­ria de su­ces­so des­sa em­pre­sa
que atua nas áreas de ar­ti­gos para cui­da­dos pes­
soais, hi­gie­ne do lar e alimentos (que na re­cen­te
rees­tru­tu­ra­ção do gru­po fi­cou sob o guar­da-chu­
va da Uni­le­ver Bes­t-foods) se deve a uma pre­
sen­ça de dé­ca­das no país, um dos fatores de seu
ex­per­ti­se no re­la­cio­na­men­to com o con­su­mi­dor
fi­nal. Para fa­lar so­bre essa es­pe­cia­li­za­ção e a
sin­to­nia com quem, no fi­nal das con­tas, man­tém
qual­quer em­pre­sa, Emb ­ al­ ag
­ em­Marc­ a fez esta
divulgação

en­tre­vis­ta com Ma­ria Inez Mu­rad, di­re­to­ra de


mar­ke­ting/home care da Uni­le­ver Bra­sil. Nes­tas
pá­gi­nas está ape­nas par­te do que ela dis­se. Ou­tra
MARIA INEZ MURAD, boa par­te está na se­ção Um Pou­co Mais do web­
si­te da re­vis­ta.
diretora de marketing
A Uni­le­ver sem­pre se des­ta­cou como uma
home care da Unilever em­pre­sa que va­lo­ri­za mui­to as mar­cas. É
pos­sí­vel di­men­sio­nar a im­por­tân­cia dada à
Brasil, fala sobre a políti- ques­tão na em­pre­sa?
Cons­tru­ção de mar­ca é a es­sên­cia da com­
ca de gerenciamento de pa­nhia. En­ten­de­mos que, como em­pre­sa de
marcas em uma empresa pro­du­tos de mas­sa que ven­de pro­du­tos e
ser­vi­ços, só con­se­gui­mos nos co­mu­ni­car
que concentra dezenas com o con­su­mi­dor ofe­re­cen­do isso via mar­
cas. A em­pre­sa dá to­tal im­por­tân­cia aos
delas, e sobre as trans- va­lo­res de cada mar­ca e a tudo que a
ro­deia.
formações na relação dos
Que va­lo­res são es­ses?
consumidores com os Tudo que está en­vol­vi­do na mar­ca é um
ca­nal de co­mu­ni­ca­ção com o con­su­mi­dor –
produtos com os quais se da mar­ca em si aos ser­vi­ços que o pro­du­to
relaciona no ponto-de- ofe­re­ce, à em­ba­la­gem etc. É ób­vio que,
numa era em que cada vez mais os pro­du­tos
venda e em seu lar têm tec­no­lo­gias si­mi­la­res e o con­su­mi­dor

10 – embalagemmarca • ago 2001


co­me­ça a ter maior ex­pec­ta­ti­va de ser­vi­ços, com Omo e eles fun­cio­na­ram bem jun­tos.
não só de mar­cas, te­mos de po­si­cio­ná-las de Te­mos tam­bém um pro­gra­ma de de­sen­vol­
for­ma a aten­der essa ex­pec­ta­ti­va. Um exem­ vi­men­to com a Bras­temp, onde cada pro­du­
plo é nos­sa mar­ca de sa­bão em pó Ala, lan­ to de­sen­vol­vi­do de lado a lado é tes­ta­do de
ça­da no Nor­des­te e que ago­ra foi para o Rio for­ma re­cí­pro­ca: cada má­qui­na nova que a
de Ja­nei­ro tam­bém. É uma mar­ca para o Bras­temp de­sen­vol­ve, nós tes­ta­mos; por sua
con­su­mi­dor de bai­xa ren­da, ao qual Ala vez, eles tes­tam nos­sos pro­tó­ti­pos, em fase
ven­de bran­cu­ra e per­fu­me, mas sa­be­mos bem pre­li­mi­nar. As­sim vão sen­do fei­tas
que, além da ne­ces­si­da­de do pro­du­to em si, adap­ta­ções nos pro­je­tos, para que o con­su­
esse con­su­mi­dor tem uma sé­rie de ou­tras mi­dor, no fi­nal da li­nha, te­nha os me­lho­res
ne­ces­si­da­des na vida. En­tão o que fa­ze­mos? pro­du­tos.
Ala ofe­re­ce al­guns ser­vi­ços es­pe­cí­fi­cos que
pro­cu­ram sa­tis­fa­zer es­sas ne­ces­si­da­des. Ou seja, a em­pre­sa vai além dos con­cei­tos
bá­si­cos que com­põem uma mar­ca.
Que tipo de ser­vi­ço? O con­cei­to de mar­ca não é só aque­la coi­sa
No lan­ça­men­to no Rio ofe­re­ce­mos bá­si­ca de mar­ke­ting do pas­sa­do, onde
um ser­vi­ço cha­ma­do “Fale Grá­tis”. se fa­la­va de “pro­du­to, pre­ço, em­ba­la­
Como na clas­se so­cial que é o pú­bli­ O con­cei­to gem”. Ob­via­men­te isso está lá, por­
co-alvo do pro­du­to a maio­ria não que sem a base não se con­se­gue cons­
de mar­ca não
tem te­le­fo­ne em casa, a con­su­mi­do­ra truir, mas, de fato, o con­cei­to hoje vai
po­dia con­ver­sar por de­ter­mi­na­do é só aque­la coi­sa além e abran­ge tam­bém a ofer­ta de
pe­río­do de tem­po às ex­pen­sas de bá­si­ca de mar­ke­ ser­vi­ço.
Ala. Am­plia-se o âm­bi­to da mar­ca ting do pas­sa­do,
na vida da con­su­mi­do­ra quan­do, Não será a fal­ta des­sa prá­ti­ca que
além de um de­ter­gen­te em pó que onde se fa­la­va está for­ta­le­cen­do a idéia de que as
en­ten­de o que ela pre­ci­sa – que tipo de ‘pro­du­to, mar­cas es­tão mor­ren­do?
de su­jei­ra ela tem em casa, quan­to pre­ço, em­ba­la­gem’; Eu não acre­di­to em mor­te de mar­ca.
pode pa­gar, que ou­tros fa­to­res afe­ Acre­di­to sim numa mu­dan­ça de con­
tam sua vida –, é pos­sí­vel par­ti­ci­par
o con­c ei­
t o hoje cei­to do que é uma mar­ca. Ela dei­xa
de ou­tros mo­men­tos, de ou­tras vai além e de ser só um pro­du­to e pas­sa a ser um
ne­ces­si­da­des. Ou­tro exem­plo é o do abran­ge tam­bém con­ jun­to de pro­du­tos e ser­vi­ços de
Omo On Line, um ser­vi­ço em que, re­la­cio­na­men­to com a con­su­mi­do­ra.
a ofer­ta Quem man­ti­ver por exem­plo um site
se a pes­soa tem uma rou­pa com
al­gum tipo de man­cha de que não de ser­
v i­
ç o na in­ter­net onde pres­ta um ser­vi­ço
sabe como cui­dar, li­ga e re­ce­be di­cas que agre­ga va­lor à vida da con­su­mi­
do que fa­zer. Na cri­se de ener­gia do­ra – e fi­zer isso an­tes dos ou­tros e
es­ta­mos vei­cu­lan­do na te­le­vi­são vi­nhe­tas de for­ma mais re­le­van­te – vai ter uma mar­ca
so­bre como eco­no­mi­zar. Um ter­cei­ro exem­ cada vez mais for­te. No pas­sa­do, as in­dús­
plo in­te­res­san­te nes­sa am­plia­ção de mar­ca e trias acha­vam que os pro­du­tos de con­su­mo,
ser­vi­ço é o pro­gra­ma que Omo man­tém se ti­ves­sem qua­li­da­de, cer­ta­men­te te­riam
com al­guns par­cei­ros. Na em­ba­la­gem do su­ces­so. A idéia era: “Cum­pri meu pa­pel;
pro­du­to há uma sé­rie da­qui­lo que cha­ma­ você pa­gou, eu en­tre­guei”. Mas al­gu­mas
mos de au­to­ri­da­des re­co­men­dan­do Omo. mar­cas co­me­çam a ocu­par es­pa­ços di­fe­ren­
cia­dos na re­la­ção com o con­su­mi­dor, por­
Isso tudo não pode ser in­ter­pre­ta­do ape­nas que além de en­tre­ga­rem a ele um pro­du­to de
como pu­bli­ci­da­de? qua­li­da­de pas­sa­ram a pres­tar al­gum tipo de
An­tes de in­te­gra­rem a co­mu­ni­ca­ção pela ser­vi­ço adi­cio­nal.
em­ba­la­gem, os pro­du­tos de cada uma
da­que­les mar­cas pas­sam por um pro­ces­so Não é o que as em­pre­sas que tra­ba­lha­vam
de tes­te, não só para ga­ran­tia da nos­sa ima­ mar­cas ins­ti­tu­cio­nais, como ban­cos e re­des
gem, mas para ga­ran­tia da ima­gem deles. de su­per­mer­ca­dos, sem­pre fi­ze­ram?
Quan­do co­lo­co o selo da He­ring na em­ba­la­ Sim, por­que, como têm vá­rios pro­du­tos,
gem é por­que tes­tei os pro­du­tos da He­ring não dá para mos­trá-los se­pa­ra­da­men­te. Elas

ago 2001 • embalagemmarca – 11


jun­ta­vam a co­mu­ni­ca­ção num guar­da-chu­ Como fi­cam as mar­cas pró­prias nis­so? Elas
va. Quan­do o Pão de Açú­car faz uma pro­ vêm cres­cen­do, o que pa­re­ce ser um de­sa­fio
mo­ção cul­tu­ral, não está lá anun­cian­do a à teo­ria da for­ça das mar­cas.
se­ção de hor­ti­fru­ti­gran­jei­ros ou de mer­cea­ Há dois pon­tos mui­to cla­ros no quan­to uma
ria. Está ven­den­do a mar­ca como um todo, mar­ca pró­pria de­sa­fia ou não uma mar­ca de
está es­ta­be­le­cen­do um vín­cu­lo com a con­ uma em­pre­sa. O pri­mei­ro é que a con­su­mi­
su­mi­do­ra. Esse tipo de re­la­cio­na­men­to vai do­ra com­pra o que cha­ma­mos de equa­ção
ser cada vez mais im­por­tan­te tam­bém para de va­lor. Eu te­nho um va­lor mo­ne­tá­rio – ou
as mar­cas de pro­du­tos de con­su­mo. Quem seja, di­nhei­ro no bol­so – para des­ti­nar a
não fi­zer isso vai ter pro­ble­ma, por­que a de­ter­mi­na­do tipo de ati­vi­da­de, e te­nho uma
mar­ca está dei­xando de ser só pro­du­to fí­si­co ofer­ta de pro­du­to/ser­vi­ço que vou com­prar.
para ser uma en­ti­da­de na vida do con­su­mi­ Aí, vou es­co­lher. Ob­via­men­te, há os ex­tre­
dor. mos: tem pro­du­to que não com­pro de jei­to
ne­nhum por­que está abai­xo do meu ní­vel de
Pelo que ou­vi­mos os es­pe­cia­lis­tas di­ze­rem, qua­li­da­de, e tem pro­du­to que eu ado­ra­ria
isso já vem acon­te­cen­do em boa pro­ com­prar, mas não con­si­go por­que é
por­ção. mui­to caro. Den­tro do le­que de op­ções
Real­men­te. Por for­ça do nos­so tra­ba­ As mar­cas que se en­cai­xam no meu bol­so e tem
lho, ou­vi­mos sem­pre a con­su­mi­do­ra ní­vel de qua­li­da­de que acho in­te­res­
fa­lan­do de Omo, de Ala, de Bri­lhan­te não vão mor­rer, san­te, es­co­lho o que me­lhor me pa­re­
ou de Com­fort. Uti­li­za­mos en­tão o por­que é ne­ces­sá­rio ce. A bri­ga toda en­tre as mar­cas con­
que cha­ma­mos de téc­ni­ca de per­so­ni­ um mí­ni­mo de sis­te na me­lhor ofer­ta de equa­ção de
fi­ca­ção: “Que cara tem essa mar­ca? va­lor.
É um ho­mem? É uma mu­lher?”. Ao
iden­ti­da­de para se
res­pon­der, a con­su­mi­do­ra pa­re­ce que re­la­cio­nar com Como se in­se­re nes­sa equa­ção a re­la­
está fa­lan­do de um ami­go, de uma os pro­du­tos que se ção com o con­su­mi­dor?
pes­soa que co­nhe­ce. Não está fa­lan­ Convém ob­ser­var que o ex­per­ti­se do
usa. Por isso, é
do de uma cai­xa. Nós ven­de­mos tra­de é en­ten­der o con­su­mi­dor como
sa­bão, que é de­ter­gen­te em pó den­tro pos­sí­vel tra­çar o com­pra­dor. É ló­gi­co que o tra­de pes­
de uma cai­xa, e a con­su­mi­do­ra fica per­fil de uma qui­sa há­bi­to de uso e tipo de pro­du­to,
três ho­ras em dis­cus­são de gru­po mas seu ex­per­ti­se é en­ten­der o con­su­
pes­soa olhan­do o
fa­lan­do so­bre aqui­lo como se esti­ mi­dor como com­pra­dor. Já o ex­per­ti­
ves­se fa­lan­do do vi­zi­nho dela. A seu car­ri­nho de se da in­dús­tria é en­ten­dê-lo como
mar­ca que há sete anos é no país su­per­mer­ca­do usuá­rio. Nós pes­qui­sa­mos o con­su­
in­tei­ro mais lem­bra­da em to­das as mi­dor como com­pra­dor tam­bém, mas
ca­te­go­rias ex­tra­po­lou há mui­to tem­ com cer­te­za os meus clien­tes no va­re­
po a ca­te­go­ria onde atua. Isso mos­tra o que jo e no ata­ca­do co­nhe­cem mais do con­su­mi­
é a for­ça de uma mar­ca. Quan­to mais for­te dor como com­pra­dor do que eu. Por ou­tro
é a as­so­cia­ção com uma de­ter­mi­na­da ca­te­ lado, co­nhe­ço mais a con­su­mi­do­ra como
go­ria, mais se li­mi­ta a ex­pan­são. As mar­cas usuá­ria do que ele. A par­ce­ria, onde eu pro­
não vão mor­rer, por­que é ne­ces­sá­rio um du­zo e o tra­de ven­de, é o ideal – e não só
mí­ni­mo de iden­ti­da­de para se re­la­cio­nar por­que a si­tua­ção é mais con­for­tá­vel para a
com os pro­du­tos que se usa. A es­co­lha de em­pre­sa A ou B, mas por­que ele tam­bém
uma mar­ca é sem­pre uma for­ma de mos­trar vai ven­der mais. A equa­ção de va­lor que
para as pes­soas como cada in­di­ví­duo é, da vou con­se­guir ofe­re­cer para a con­su­mi­do­ra,
mes­ma ma­nei­ra que es­co­lhe­ o cír­cu­lo de na maio­ria das ve­zes, vai ser me­lhor do que
ami­gos. A ca­be­ça fun­cio­na as­sim: “Eu es­co­ a dele.
lhi esta pes­soa para me re­la­cio­nar e não
aque­la, esta pes­soa para ca­sar e não aque­la”. Se­gun­do al­gu­mas pes­qui­sas, mais de 80%
Com mar­ca é o mes­mo. É pos­sí­vel tra­çar o dos con­su­mi­do­res fa­zem a de­ci­são de com­
per­fil de uma pes­soa olhan­do o seu car­ri­nho pra no pon­to-de-ven­da. A lei­tu­ra dis­so não
de su­per­mer­ca­do. pode ser, sim­ples­men­te, que a de­ci­são se dá
pelo pre­ço, por in­fluên­cia de pro­mo­ções?

12 – embalagemmarca • ago 2001


Di­zer que o con­su­mi­dor não tro­ca de mar­ca no pro­pa­gan­da na te­le­vi­são… mas a úni­ca coi­sa
pon­to-de-ven­da se­ria in­gê­nuo. Se ti­ver uma que a con­su­mi­do­ra leva para casa é o pro­du­to
su­per­pro­mo­ção da mar­ca con­cor­ren­te ele tro­ca. com a em­ba­la­gem. O fo­lhe­to ela pode jo­gar
Ain­da no exem­plo do sa­bão em pó, que pode fora, o que ou­viu pode es­que­cer, o que viu na
ser es­ten­di­do para ou­tras ca­te­go­rias de pro­du­ te­le­vi­são tam­bém. Mas o pro­du­to com a em­ba­
tos: é uma ca­te­go­ria em que a con­su­mi­do­ra não la­gem ela vai le­var para casa. Hoje o va­re­jo não
quer gas­tar mui­to tem­po pen­san­do em que mar­ per­mi­te mui­to que a in­dús­tria use ma­te­rial pro­
ca quer usar. É uma ta­re­fa para ela, não é um mo­cio­nal nos pon­tos-de-ven­da, por­que no pas­
pra­zer. La­var rou­pa não é, en­tre os de­ve­res de sa­do hou­ve uma ava­lan­che, e a con­su­mi­do­ra
casa, a ta­re­fa que ela mais odeia, mas é uma co­me­çou a se sen­tir opri­mi­da. O que so­bra
ta­re­fa. Ela vai lá, faz a com­pra e vai em­bo­ra. É en­tão para fa­lar com ela? So­bra a em­ba­la­gem.
di­fe­ren­te de cre­me, per­fu­me, ba­tom, para cuja A em­ba­la­gem não é só um acon­di­cio­na­dor de
com­pra a mu­lher de­di­ca mais tem­po. Os pró­ pro­du­to. É um lo­cal de in­for­ma­ção, um lo­cal de
prios va­re­jis­tas já en­ten­de­ram isso, daí al­gu­mas iden­ti­fi­ca­ção, de re­co­nhe­ci­men­to da mar­ca pre­
lo­jas te­rem áreas para amos­tra­gem, para ex­pe­ri­ fe­ri­da.
men­tar os pro­du­tos.
A Uni­le­ver de­sa­ti­vou 1 200 de suas
Será por­que com­prar sa­bão é com­ O pa­pel de mar­cas. A ten­dên­cia é con­cen­trar
prar com­mo­dity, um ato ra­cio­nal, ao nas gran­des mar­cas?
con­trá­rio de per­fu­me e cos­mé­ti­co?
em­ba­la­gem é mui­to Isso se en­qua­dra na es­tra­té­gia mun­
Com de­ter­gen­te em pó a com­pra não for­te, é a úni­ca coi­ dial da empresa de trans­for­mar as
é de im­pul­so, é ra­cio­nal e emo­cio­nal sa que a con­su­mi­do­ mar­cas que fi­cam, for­ta­le­cen­do-as
jun­to. As pes­soas acham que ela é só como mar­cas cada vez maio­res.
ra­cio­nal, mas é uma com­pra mui­to
ra leva para casa.
rá­pi­da. Aí, en­tra a for­ça da mar­ca – e Ela pode jo­gar fora o Há exem­plos no Bra­sil?
não é ela que tem a ver com o fato de folheto, esquecer Es­tão lo­ca­li­za­dos prin­ci­pal­men­te na área
a com­pra ser rá­pi­da. Tem a ver com de pro­fes­sio­nal pro­ducts. As mar­cas de
o que ou­viu,
a ca­te­go­ria. A con­su­mi­do­ra não quer home care já eram gran­des an­tes des­sa
gas­tar mui­to tem­po com­pran­do o que viu na de­ci­são es­tra­té­gi­ca. São mar­cas como
de­ter­gen­te em pó. Ima­gi­no que para te­le­vi­são tam­bém. Omo, Mi­ner­va, Bri­lhan­te, cu­jos fa­tu­ra­
pa­pel hi­giê­ni­co, para açú­car, seja O que so­bra en­tão men­tos individuais são mui­to ex­pres­si­
igual. São com­mo­di­ties? Não. vos. Em per­so­nal care, um mer­ca­do
para fa­lar com ela? mais seg­men­ta­do, é mais di­fí­cil trans­for­
Onde está a di­fe­ren­ça? A em­ba­la­gem mar as mar­cas em mar­cas gran­des. Mas
Está em que, se eu usar o de­ter­gen­te a es­tra­té­gia de fo­car em mar­cas maio­res
er­ra­do, se er­rar na mi­nha es­co­lha, duas para cres­cer vem sen­do apli­ca­da em
co­isas acon­te­cem: pri­mei­ro, o meu dano pode vá­rias áreas da com­pa­nhia.
ser ope­ra­cio­nal: pos­so ter de la­var a rou­pa mais
de uma vez, ou pos­so es­tra­gá-la. O dano emo­ É pos­sí­vel con­ci­liar a “mar­ca Bra­sil” com
cio­nal tam­bém é ruim, por­que se a rou­pa da mar­cas glo­ba­li­za­das?
mi­nha fa­mí­lia for mal la­va­da aqui­lo vira um O de­sa­fio é mos­trar que o Bra­sil ofe­re­ce o
pro­ble­ma. O es­pa­ço da mar­ca pró­pria va­ria de que exis­te de me­lhor. O con­su­mi­dor quer
www.embalagemmarca.com.br

ca­te­go­ria para ca­te­go­ria. Ago­ra, se sou con­su­ que o me­lhor do mun­do es­te­ja aqui. Não é
mi­do­ra e es­tou fe­liz com quan­to es­tou pa­gan­do pre­ci­so di­zer isso para ele, mas de al­gu­ma
e com quan­to es­tou le­van­do para casa por isso, for­ma, nem que seja in­di­re­ta, ele precisa
fica di­fí­cil para uma mar­ca pró­pria en­con­trar per­ce­ber que a mar­ca, na­cio­nal ou mun­dial,
um es­pa­ço. Não te­nho ra­zão para mu­dar. lhe traz o que há de me­lhor. Se pu­der­mos
fa­zer aqui, por uma ques­tão de res­pon­sa­bi­
A for­ça de atra­ção da em­ba­la­gem não li­da­de so­cial, é preferível. Tra­ta-se de
pode ser uma ra­zão? im­por­tar tec­no­lo­gia, pro­du­zir aqui e trans­
O pa­pel da em­ba­la­gem é mui­to for­te. Co­lo­ca-se fe­rir para mar­cas co­nhe­ci­das. Fora disso, a
de­mons­tra­do­ras na lo­jas dis­tri­buin­do fo­lhe­tos, discussão sobre globalização é uma dis-
ca­mi­nhão na por­ta, anún­cio em rá­dio na loja, cussão de empresário.

14 – embalagemmarca • ago 2001


reportagem de capa

Efeitos da crise de e
Por Guilherme Kamio
Racionamento sacode o

N
ão bas­tas­sem a vio­lên­cia, as doen­
ças, o de­sem­pre­go, a dí­vi­da ex­ter­
mercado de congelados
na e até os se­gui­dos ve­xa­mes da e a área de embalagem
se­le­ção de fu­te­bol, os bra­si­lei­ros
se per­gun­tam ago­ra como es­ca­par
dessa es­pé­cie de raio às aves­sas que é a cri­se de
ener­gia elé­tri­ca. É ver­da­de que to­dos são atin­gi­
dos pelo que a ex­pres­são re­pre­sen­ta na prá­ti­ca:
so­bre­ta­xa ta­ri­fá­ria, cor­te no for­ne­ci­men­to e pre­
vi­sí­veis ble­cau­tes, ago­ra cha­ma­dos apa­gões.
Mas, na ca­deia pro­du­ti­va, o efei­to é mais per­
ver­so para al­guns seg­men­tos, ain­da que o qua­
dro seja ne­bu­lo­so para toda a in­dús­tria.
Fren­te à im­po­si­ção de gas­tar me­nos ele­tri­ci­

studio ag – andré godoy


da­de nas re­si­dên­cias, a po­pu­la­ção de­ci­diu des­li­
gar al­guns apa­re­lhos do­més­ti­cos, sa­cri­fi­can­do
con­for­tos. Os mais vi­sa­dos fo­ram o free­zer e o
for­no de mi­croon­das. Para os fa­bri­can­tes de ali­
men­tos con­ge­la­dos, como pra­tos pron­tos, não
po­de­ria exis­tir coi­sa pior. Esse seg­men­to in­dus­
trial, que vi­nha cres­cen­do de ma­nei­ra ex­traor­di­ con­fir­ma uma re­tra­ção nas ven­das.
ná­ria nos úl­ti­mos anos (26,5% em 2000, se­gun­ As coi­sas de fato não vão bem. No en­tan­
do pes­qui­sa da AC­Niel­sen), está ago­ra às vol­tas to, de­ci­di­da­men­te, não é sá­bio ado­tar a pos­tu­
com um ce­ná­rio ne­bu­lo­so pela fren­te. De ime­ ra de Po­lia­na e achar que se deva fi­car fe­liz
dia­to, os pon­tei­ros apon­tam para que­das nas com o “lado bom” da ca­ta­ra­ta de más no­tí­cias
ven­das. A mé­dio pra­zo pode vir a ocor­rer uma e de maus pres­sá­gios que ti­ram o sono dos
mu­dan­ça nos há­bi­tos de con­su­mo, va­rian­do da bra­si­lei­ros nos úl­ti­mos tem­pos. Como reza a
fre­qüên­cia de com­pra ao ta­ma­nho das por­ções e car­ti­lha dos bons ne­gó­cios, não é sa­lu­tar fi­car
ao tipo de ali­men­tos pron­tos e se­mi­pron­tos para pa­ra­do e re­cla­man­do do
con­su­mo, como os de fá­cil pre­pa­ro em subs­ti­ in­for­tú­nio. Sob essa óti­
tui­ção par­cial dos con­ge­la­dos. ca, o em­pre­sa­ria­do bra­
si­lei­ro sem­pre se amol­
Queda e reflexo dou a su­ces­si­vas cri­ses e a
Os re­fle­xos do for­ne­ci­men­to pre­cá­rio de um es­ta­do de per­ma­nen­te
ener­gia já es­tão sen­do sen­ti­dos. Na Nes­tlé, apreen­são no tocante ao
por exem­plo, as ven­das de con­ge­la­dos caí­ ce­ná­rio ma­croe­co­nô­mi­co.
ram 40% nos me­ses de maio e ju­nho. Sabe- “Esta não é a pri­mei­ra
se que ou­tros gran­des pla­yers do mer­ca­do nem a úl­ti­ma cri­se que Klabin acredita
tam­bém não es­ca­pa­ram da re­tra­ção nas ven­ en­fren­ta­mos”, diz Aman­do em melhora de
das des­ses pro­du­tos, em­bo­ra mui­tos não Va­rel­la, ge­ren­te de ne­gó­ vendas de seu cartão
Freeze Board após
te­nham ain­da di­vul­ga­do nú­me­ros a res­pei­to. cios da Ri­pa­sa. agosto
Tal que­da, ob­via­men­te, vem in­fluin­do no Mes­mo com o
fotos: divulgação

de­sem­pe­nho da ca­deia de em­ba­la­gem. En­tre qua­dro des­fa­vo­


ou­tros fa­bri­can­tes, o de­par­ta­men­to de mar­ rá­vel, a em­pre­sa
ke­ting da Kla­bin, gran­de for­ne­ce­do­ra de não he­si­tou em lan­
pa­pel car­tão fri­go­ri­fi­ca­do para em­ba­la­gens çar a tec­no­lo­gia
de ali­men­tos, sob a mar­ca Free­ze Board,
16 – embalagemmarca • ago 2001
nergia
PEX de ex­tru­são de po­lie­ti­le­no em car­tões
na ori­gem, para criar car­tu­chos ain­da mais
ade­qua­dos à re­fri­ge­ra­ção. “Os clien­tes
es­tão fa­zen­do pe­di­dos mais fle­xí­veis, mas
isso não de­ses­ti­mu­lou o lan­ça­men­to”, diz
Va­rel­la. Se­gun­do ele, a re­cep­ti­vi­da­de do
pro­du­to foi boa em usuá­rios fi­nais como
Sa­dia, Nes­tlé e Per­di­gão. Ain­da que for­te­
men­te atin­gi­da por ser a for­ne­ce­do­ra lí­der
para o seg­men­to, a Kla­bin apos­ta no rea­
que­ci­men­to dos ne­gó­cios na área da­qui
para a fren­te.

Impacto psicológico
Al­gu­mas em­pre­sas es­pe­ram que isso acon­
te­ça de for­ma mais ou me­nos na­tu­ral, ou
me­lhor, como con­se­qüên­cia de uma even­
tual su­pe­ra­ção do pro­ble­ma do for­ne­ci­men­
to de ener­gia e do im­pac­to psi­co­ló­gi­co
cau­sa­do pela no­tí­cia do “apa­gão” mais ou
me­nos imi­nen­te. “Es­ta­mos so­fren­do o
re­fle­xo do mer­ca­do, já que a cri­se afe­tou de
for­ma mo­ral os nos­sos clien­tes”, diz Pau­lo
Cé­sar Me­di­na, di­re­tor co­mer­cial da Siry
Em­ba­la­gens, for­ne­ce­do­ra de ban­de­jas de
po­li­pro­pi­le­no para pra­tos pron­tos a em­pre­
sas como a Bel Cook. “Os meios de co­mu­
ni­ca­ção fo­ram in­ci­si­vos em acon­se­lhar o
des­li­ga­men­to do free­zer e do mi­croon­das
como saí­da para se eco­no­mi­zar”, ele apon­
ta.
No mes­mo tom, o di­re­tor co­mer­cial da
Ros­set Ar­tes Grá­fi­cas, Ri­car­do Ros­set, que
for­ne­ce em­ba­la­gens de car­tão para pra­tos
pron­tos, reitera que os vo­lu­mes de pe­di­dos
caí­ram para qua­se um ter­ço do nor­mal, “em
fun­ção do aba­ti­men­to dos clien­tes”.
Por sua vez, Val­ter Nar­ci­zo Ri­bei­ro,
ge­ren­te co­mer­cial da Wyda Em­ba­la­gens,
for­ne­ce­do­ra de ban­de­jas de alu­mí­nio para
pro­du­to­res de con­ge­la­dos, con­fir­ma que
seus clien­tes – cer­ca de 3 000 ati­vos en­tre
mais de 6 000 ca­das­tra­dos – “vi­vem um
dra­ma”. Ele es­pe­ra uma su­pe­ra­ção do pro­
ble­ma ener­gé­ti­co para que as em­pre­sas
pos­sam in­ves­tir em em­ba­la­gens com alto
va­lor agre­ga­do, como as ban­de­jas de alu­
mí­nio com re­ves­ti­men­to de epó­xi, uma das
ve­de­tes da Wyda, que ga­ran­tem re­sis­tên­cia
ao ata­que de ali­men­tos áci­dos e gor­du­ro­sos
e a al­tas tem­pe­ra­tu­ras no mi­croon­das.
Ri­bei­ro adian­ta que a Wyda tem pro­je­
tos de auto-su­fi­ciên­cia em ener­gia, o
que pode se tor­nar “um di­fe­ren­cial
im­por­tan­te para a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos
for­ne­ce­do­res de em­ba­la­gem”.

Mais lançamentos Pratos prontos em


O cer­to é que, den­tro da rea­li­da­de de queda com freez- pe­que­nos e mé­dios, sem ca­pa­ci­da­de de
que é pre­ci­so ir em fren­te para não ser atro­ ers e microondas in­ves­tir em ge­ra­do­res de ener­gia, es­tão des­
pe­la­do, o se­tor não se aco­mo­dou diante da fora da tomada li­gan­do suas uni­da­des de re­fri­ge­ra­ção
cri­se. As­sim, em­bo­ra apreen­si­vas, as em­pre­ du­ran­te al­guns pe­río­dos. As­sim, mes­mo
sas de em­ba­la­gem não pos­ter­gam lan­ça­ com em­ba­la­gens es­pe­ciais, com alta tec­no­
men­tos. A Ken­ti­nha, por exem­plo, lan­çou lo­gia em bar­rei­ras, as per­das de pro­du­tos
re­cen­te­men­te o Piz­za Croc, uma ban­de­ja de­vem au­men­tar, em con­se­qüên­cia do
para o acon­di­cio­na­men­to de piz­zas que trans­por­te, da es­to­ca­gem e da ex­po­si­ção
leva um re­ves­ti­men­to es­pe­cial de alu­ ina­de­qua­dos ao lon­go da ca­deia pro­du­ção.
mí­nio, para dei­xar a mas­sa do pro­ “A em­ba­la­gem pode re­sis­tir muito,
du­to cro­can­te no pre­pa­ro no mas chega o pon­to em que não há
mi­croon­das. como im­pe­dir da­nos ao ali­men­
Na mes­ma ten­dên­cia, a to, pelo ata­que da umi­da­de e do
Plás­ti­cos For­mar co­lo­cou no des­con­ge­la­men­to”, diz Vés­sia
mer­ca­do uma li­nha de ban­de­ Cor­da­ro, do mar­ke­ting da Pa­pi­
jas com di­vi­só­rias para re­fei­ções rus, em­pre­sa que também for­ne­
com­ple­tas, a Food Pack Prá­ti­ca, à ce pa­pel car­tão para con­ge­la­dos.
base de po­li­pro­pi­le­no. Seu prin­ci­pal atri­bu­ A saí­da que o va­re­jo vem en­con­tran­
to é o trân­si­to li­vre en­tre free­zer e mi­croon­ Refeições do para mi­ni­mi­zar o pro­ble­ma, além de
das, o mes­mo das ban­de­jas de car­tão Pra­ti­ completas da com­prar ge­ra­do­res e di­mi­nuir o es­pa­ço para
Bel Cook em
cook, lan­ça­men­to da Ros­set para pra­tos bandejas da Siry con­ge­la­dos, é um ver­da­dei­ro ma­la­ba­ris­mo
pron­tos e que têm ma­té­ria-pri­ma im­por­ta­ lo­gís­ti­co, com en­tre­gas “pi­ca­das” e em
da. me­no­res quan­ti­da­des, como já de­tec­ta a
Ain­da no lado da em­ba­la­gem, os fa­bri­ Abras – As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra dos Su­per­
can­tes têm de ar­car com um ônus adi­cio­nal. mer­ca­dos.
Na obri­ga­ção de cum­prir as me­tas de ra­cio­
na­men­to, mui­tos va­re­jis­tas, prin­ci­pal­men­te Mudança de hábito
Mes­mo com o qua­dro pro­ble­má­ti­co, os
pro­du­to­res de ali­men­tos pre­fe­rem apos­tar
numa mu­dan­ça de há­bi­to de con­su­mo, que
não in­fluen­cia­rá ra­di­cal­men­te seus vo­lu­mes
de ne­gó­cios. “O des­li­ga­men­to do free­zer
não sig­ni­fi­ca o fim da con­ve­niên­cia dos
pra­tos pron­tos”, afir­ma Cé­sar Scar­te­zi­ni,
di­re­tor de mar­ke­ting da Sa­dia. “Acre­di­ta­
mos que os con­su­mi­do­res irão vi­si­tar mais
o va­re­jo, prin­ci­pal­men­te os mer­ca­dos de
vi­zi­nhan­ça”, ele com­ple­ta, adian­tan­do que
ain­da em 2001 a em­pre­sa lan­ça­rá en­tre
Bandejas de se­ten­ta e 75 pro­du­tos na área de con­ge­la­
polipropileno da Formar:
dos, com o per­fil de pro­du­tos de maior
lançamento em meio à crise
va­lor agre­ga­do.

18 – embalagemmarca • ago 2001


Na Bel Cook, o ge­ren­te ge­ral Ro­ber­to por­ções me­no­res, aliás, já vêm sen­do uma
Al­té­rio ar­gu­men­ta que sua clien­te­la é for­ ten­dên­cia, para se aten­der o pú­bli­co sin­gle.
ma­da prin­ci­pal­men­te por pes­soas que Con­tu­do, um fa­tor li­mi­ta­dor para sua maior
Bel Cook
mo­ram so­zi­nhas. Por isso, apos­ta que as (11) 6917-1954 ex­pan­são pode ser a ques­tão de pre­ço, já
ven­das não irão aca­bar de um dia para o bel­cook@bel­cook.com.br que “en­quan­to a por­ção di­mi­nui, o pre­ço de
ou­tro. “Es­sas pes­soas não com­pram con­ge­ Ken­ti­nha
em­ba­la­gem não re­duz na mes­ma pro­por­
la­dos por op­ção, e sim por ne­ces­si­da­de”, (11) 4057-6000 ção”, as­si­na­la Ri­car­do Ros­set.
diz. Por ou­tro lado, Me­di­na, da Siry Em­ba­ www.ken­ti­nha.com.br Nes­se pa­no­ra­ma, é pre­vi­sí­vel que, se o ris­co
la­gens, é con­vic­to ao di­zer que “na com­pra Kla­bin
de fal­ta de ener­gia per­du­rar, sur­gi­rão no­vas for­
diá­ria de con­ge­la­dos de­sa­pa­re­ce o prin­ci­pal (11) 3048-4800 mas de re­la­ção en­tre usuá­rios e for­ne­ce­do­res de
be­ne­fí­cio des­se tipo de pro­du­to, que é a www.kla­bin.com.br em­ba­la­gem, e a ne­ces­si­da­de de so­lu­ções em
co­mo­di­da­de da es­to­ca­gem, e isso é sig­ni­fi­ Pa­pi­rus acon­di­cio­na­men­to ade­qua­das ao ce­ná­rio de
ca­ti­vo”. (11) 5090-3900 ra­cio­na­men­to será ine­vi­tá­vel. Será uma forma
Nos la­res, com os free­zers des­li­ga­dos, a www.pa­pi­rus­car­tao.com.br alternativa de religar a tomada das vendas.
luta é por apro­vei­tar me­lhor o es­pa­ço dos Plás­ti­cos For­mar
con­ge­la­do­res con­ju­ga­dos às ge­la­dei­ras. Por (11) 4056-3655
isso, é de se es­pe­rar que se abra um cam­po www.for­mar.com.br

de opor­tu­ni­da­de para em­ba­la­gens de me­no­ Ri­pa­sa


res di­men­sões, que pos­si­bi­li­tem a es­to­ca­ (11) 3315-5000
www.ri­pa­sa.com.br
gem de uma maior va­rie­da­de de pro­du­tos
no es­pa­ço do con­ge­la­dor. Em­ba­la­gens com Ros­set Ar­tes Grá­fi­cas
(11) 5642-1944
ros­set@uol.com.br

Sa­dia
(11) 3649-1949 / 3649-3888
www.sa­dia.com.br

Siry Em­ba­la­gens
(11) 5062-6600
www.sir­yem­ba­la­gens.com.br

studio ag – andré godoy


Te­tra Pak
(11) 5505-7248
www.tetrapak.com.br

Rosset: Wyda Em­ba­la­gens


queda na (15) 3238-7500
linha Praticook www.wyda.com.br

Tetra Pak vê racionamento como oportunidade


Al­guns for­ne­ce­do­res já es­tão en­ca­ran­do o ra­cio­na­ de con­ser­van­tes e, por não ser con­ge­la­do, pode ser
men­to como um fa­tor que po­ten­cia­li­za os ape­los de usa­do em do­ces, ge­léias e so­bre­me­sas, além de
suas em­ba­la­gens. É o caso da Te­tra Pak, cujo ar­gu­ su­cos. “Nela, a pol­pa dis­pen­sa o uso do li­qüi­di­fi­ca­
men­to de que suas em­ba­la­gens car­to­na­das as­sép­ti­ dor para o pre­pa­ro do suco”, diz Pau­lo Fer­nan­do
cas dis­pen­sam re­fri­ge­ra­ção no trans­por­te, na es­to­ Mon­ta­nha de As­sis, di­re­tor da Tro­pi­cal Fruit.
ca­gem e na ex­po­si­ção no pon­to-de-ven­da ga­nha for­
ça na in­dús­tria usuá­ria.
Um exem­plo pode ser dado com o mer­ca­do de pol­
pas de fru­tas, que está en­tran­do para a car­tei­ra de
clien­tes da Te­tra Pak atra­vés da em­pre­sa Tro­pi­cal
Fruit. A em­pre­sa re­sol­veu acon­di­cio­nar suas pol­pas
em em­ba­la­gens Te­tra Clas­sic Asep­tic, de 65 mi­li­li­
tros, após cons­ta­tar uma que­da de 45% nas ven­das
do seg­men­to após o ra­cio­na­men­to. Além de não pre­
ci­sar de re­fri­ge­ra­ção, com a em­ba­la­gem lon­ga vida o
pro­du­to ga­nha shelf life de 120 dias, dis­pen­sa o uso

ago 2001 • embalagemmarca – 19


Espaços não Fras­cos de vi­dro “stan­dard va­ria­do”
só para vender A Whea­ton do Bra­sil apre­sen­tou uma
nova li­nha de fras­cos stan­dard de
ta­gem do lan­ça­men­to, de acor­do com
ela, re­sul­ta da for­ma de fa­bri­ca­ção. As
FCE e HBA ultrapas- vi­dro para per­fu­mes, a Class, pro­du­zi­ má­qui­nas de mol­da­gem, com seis
dos num sis­te­ma que re­sol­ve um an­ti­ se­ções cada uma, tra­ba­lham com três
sam caráter de feiras
go pro­ble­ma no for­ne­ci­men­to des­se pa­res de mol­des di­fe­ren­tes, de modo
puramente comerciais tipo de em­ba­la­gem: o de fa­zer re­ci­ que os três mo­de­los são pro­du­zi­dos
O es­pec­tro de fei­ras ape­nas co­mer­ pien­tes pa­dro­ni­za­dos mas, ao mes­mo si­mul­ta­nea­men­te. “As­sim, é pos­sí­vel
ciais não é mais acei­to pelo mer­ca­ tem­po, va­ria­dos e for­ne­ci­dos em lo­tes ob­ter es­ca­la e ofe­re­cer di­fe­ren­cia­ção”,
do. Sem per­der de vis­ta a pos­si­bi­li­ re­la­ti­va­men­te pe­que­nos, como o mer­ diz Pau­la.
da­de de im­ple­men­tar ven­das, cada ca­do so­li­ci­ta de for­ma cres­cen­te. A (11) 4351-4433
vez mais os expositores bus­cam li­nha Class, para uso com vál­vu­las do
nes­ses even­tos si­ner­gia e in­te­ra­ção tipo pump, é com­pos­ta de duas me­di­
com to­dos os elos da ca­deia em que das (50ml e 100ml) e três mo­de­los
estão in­se­ri­dos. Isso mais uma vez di­fe­ren­tes. Se­gun­do Pau­la Mes­qui­ta, o
fi­cou cla­ro na FCE Phar­ma e na HBA per­fil dos fras­cos se­gue a atual ten­
South Ame­ri­ca, even­tos di­ri­gi­dos às dên­cia in­ter­na­cio­nal de de­sign de

studio ag -andré godoy


in­dús­trias far­ma­cêu­ti­ca e cos­mé­ti­ca, em­ba­la­gens para per­fu­mes e co­lô­nias,
rea­li­za­dos de 24 a 26 de ju­lho no que é de re­ci­pien­tes al­tos e fi­nos,
Expo Cen­ter Nor­te, em São Pau­lo. ba­sea­dos em for­ma­tos tu­bu­la­res. Em
Era sen­sí­vel, nos de­poi­men­tos de ter­mos de aten­di­men­to às ne­ces­si­da­
par­ti­ci­pan­tes, ter sido atin­gi­da a meta des da in­dús­tria usuá­ria, a gran­de van­
de cons­tru­ção de um es­pa­ço qua­li­fi­
ca­do não ape­nas para pos­si­bi­li­tar a Bis­na­gas monocamada e potes lacráveis
pre­sen­ça ins­ti­tu­cio­nal de em­pre­sas, Par­ti­ci­pan­do de sua pri­mei­ra fei­ra, a em­pre­sa ca­ta­ri­nen­se Em­ba­le apre­sen­tou sua
mas so­bre­tu­do para a apre­sen­ta­ção li­nha de bis­na­gas plás­ti­cas mo­no­ca­ma­da e de po­tes para cos­mé­ti­cos e far­ma­cêu­
de no­vi­da­des e de di­na­mi­za­ção do ti­cos. As bis­na­gas podem ter fun­do fe­cha­do ou aber­to, de­pen­den­do da ne­ces­si­da­
se­tor. “Esses even­tos são de ex­cep­ de do clien­te e de seus equi­pa­men­tos, e ser im­pres­sas em até qua­tro co­res, com
cio­nal im­por­tân­cia para o setor, pois hot stam­ping, silk screen e ver­ni­zes fos­cos ou bri­lhan­tes. Já para os po­tes, fei­tos de
estimulam a troca de in­for­ma­ções e po­lie­ti­le­no ou po­li­pro­pi­le­no, o des­ta­que vai para o fato de se­rem auto-la­crá­veis,
implementam a in­te­gra­ção de to­dos de acor­do com Pau­lo Me­dei­ros Jr., re­pre­sen­tan­te co­mer­cial da em­pre­sa.
os elos da ca­deia pro­du­ti­va”, diz Lau­ (47) 436-5677 • em­ba­le@zaz.com.br
ro Mo­ret­to, vice-pre­si­den­te exe­cu­ti­vo
do Sin­dus­far­ma – Sin­di­ca­to da In­dús­
tria de Pro­du­tos Far­ma­cêu­ti­cos do Válvulas especiais para medicamentos
Es­ta­do de São Pau­lo. Es­pe­cia­li­za­da em sis­te­mas de fe­cha­ fe­cha­men­to a vá­cuo, que dis­pen­sa o
Con­tri­buin­do para re­for­çar o as­pec­to men­to, a Sea­quist Va­lois está ini­cian­do uso de con­ser­van­tes na for­mu­la­ção de
al­ta­men­te téc­ni­co da FCE e da HBA, o for­ne­ci­men­to da li­nha de vál­vu­las des­con­ges­tio­nan­tes na­sais. A Sea­quist
pa­ra­le­la­men­te fo­ram rea­li­za­dos o 15o plás­ti­cas Me­te­red Dose Inha­ler, ideal Va­lois tam­bém ex­pôs no even­to suas
Con­gres­so Bra­si­lei­ro de Cos­me­to­lo­ para me­di­ca­men­tos para o com­ba­te li­nhas de tam­pas disc top e flip top.
gia, inú­me­ros key­no­tes e even­tos da asma. Um di­fe­ren­cial, con­ta An­dré (11) 4141-4344
cor­po­ra­ti­vos. Nes­sa at­mos­fe­ra, mais Nune Da­vid, ge­ren­te de con­tas da ada­vid@sea­quis­tva­lois.com.br
de 21 000 vi­si­tan­tes pu­de­ram co­nhe­ em­pre­sa, é que o fe­cha­
cer no­vi­da­des em em­ba­la­gem apre­ men­to per­mi­te o tra­ba­lho
sen­ta­das por di­ver­sos ex­po­si­to­res. com HPA, gás pro­pe­len­te
Ape­sar de as fei­ras não se di­re­cio­na­ que está co­me­çan­do a se
rem só à em­ba­la­gem, as em­pre­sas di­fun­dir no mer­ca­do. O
de tec­no­lo­gia para acon­di­cio­na­men­ la­bo­ra­tó­rio Gla­xo Well­co­
to ocu­pa­ram es­pa­ço maior que as me já vem uti­li­zan­do a
de­di­ca­das a in­su­mos para pro­du­ção. so­lu­ção. Ou­tro lan­ça­men­to
é a PFS, vál­vu­la pump com

20 – embalagemmarca • ago 2001


Agora, também bisnagas plás­ti­cas
Como mais uma op­ção aos seg­men­ das que a em­pre­sa re­gu­lar­men­te for­
FCE Phar­ma – No lado da in­dús­tria tos cos­mé­ti­co e far­ma­cêu­ti­co, a Ce­bal, ne­ce, “as no­vas em­ba­la­gens podem
far­ma­cêu­ti­ca, as vedetes foram no­vos an­ti­ga Me­tal­pack, agora bra­ço do gru­ se conjugar a diversos tipos de tam­
ma­te­riais para a cons­tru­ção de re­ci­ po fran­cês Pe­chi­ney no país, está ini­ pas e acondicionar uma ampla gama
pien­tes (es­pe­cial­men­te blis­ters, fras­ cian­do o for­ne­ci­men­to de bis­na­gas de produtos”, sa­lien­ta o ge­ren­te
cos e bis­na­gas), tam­pas e vál­vu­las plás­ti­cas, dis­po­ní­veis em di­ver­sos for­ co­mer­cial da Ce­bal, Ar­man­do Fa­rha­te.
com me­ca­nis­mos en­ge­nho­sos, de­di­ ma­tos e com vá­rias op­ções de de­co­ (11) 4727-2333
ca­dos a apli­ca­ções es­pe­cí­fi­cas, e sis­ ra­ção. Ao lado das me­tá­li­cas e la­mi­na­ www.ce­bal­bra­sil.com.br
te­mas de se­gu­ran­ça de pro­ce­dên­cia
dos pro­du­tos. Vale des­ta­car a pre­sen­
ça de de­le­ga­ções da Chi­na e da Ín­dia
na fei­ra, de olho no po­ten­cial do mer­
ca­do bra­si­lei­ro para os ge­né­ri­cos. São
dois dos maio­res pro­du­to­res mun­diais
de ge­né­ri­cos, e, como suas pro­du­
ções de ma­té­rias-pri­mas e de me­di­ca­
men­tos são as de me­nor cus­to em
todo o mun­do, suas em­pre­sas vêem
no Bra­sil óti­mas opor­tu­ni­da­des.

HBA South Ame­ri­ca – Em cos­


mé­ti­ca, a quan­ti­da­de de no­vi­da­des
em em­ba­la­gem ecoou o di­na­mis­mo Pumps inteligentes Ga­ti­lhos prá­ti­cos
do mer­ca­do. Havia não só sis­te­mas As vál­vu­las pump F-2, do tipo foa­mer
ino­va­do­res em ter­mos es­tru­tu­rais e (for­ma­do­ras de es­pu­ma), fa­bri­cadas
de fun­cio­na­li­da­de, mas tam­bém de pela ho­lan­de­sa Airs­pray, es­tão co­me­
de­co­ra­ção. Tam­pas, fras­cos, tu­bos, çan­do a ser tra­zi­das ao Bra­sil pela
bis­na­gas e car­tu­chos es­tão dia após 1 2 3
Tech Spra­yer. Cons­truí­das em po­lie­ti­
dia mais es­me­ra­dos em apa­rên­cia. E, le­no e po­li­pro­pi­le­no, têm acio­na­men­to Di­vi­são do gru­po fran­cês Saint-Go­
num mer­ca­do que abre gran­des pos­ me­câ­ni­co, que dis­pen­sa o uso de gás bain e com­fá­bri­ca re­cém-inau­gu­ra­da
si­bi­li­da­des de em­ba­la­gens com va­lor pro­pe­len­te. Es­tão dis­po­ní­veis com no Bra­sil, a Cal­mar, es­pe­cia­li­za­da em
agre­ga­do, es­ti­ve­ram em evi­dên­cia as 28 mm ou 38 mm de diâ­me­tro. Ou­tro fe­cha­men­tos, apre­sen­tou a P 2000
ofe­rtas de pro­je­tos per­so­na­li­za­dos de des­ta­que é a vál­vu­la pump Dual Dis­ (1), in­te­gran­te de uma nova ge­ra­ção
fras­cos, es­to­jos, tam­pas e ou­tros pen­ser Symbio, usa­da no mer­ca­do de vál­vu­las dis­pen­sa­do­ras para pro­
re­ci­pien­tes, em variados materiais. na­cio­nal no pro­du­to Chro­nos Gel C+, du­tos de per­so­nal care. Ela pode
Um exem­plo foi o da Re­xam Beauty da Na­tu­ra. Ela in­te­gra um sis­te­ma que ter en­cai­xe por ros­ca ou do tipo
& Clo­su­res, especializada em pro­je­ mis­tu­ra a emul­são a um com­pos­to de “snap” e tem fe­cha­men­to du­plo.
tos cus­tom made de em­ba­la­gens vi­ta­mi­na C, pre­sen­te em um com­par­ti­ Ou­tra novidade, a M 100 (2), é uma
para gran­des mar­cas de cos­mé­ti­cos. men­to in­ter­no da em­ba­la­gem, no vál­vu­la spray com­pac­ta, de pul­ve­ri­za­
Para a or­ga­ni­za­do­ra, VNU Bu­si­ness mo­men­to da apli­ca­ção. “O sis­te­ma, ção fina, com aca­ba­men­to me­tá­li­co
Me­dia, o even­to su­pe­rou as ex­pec­ta­ in­te­li­gen­te, faz com que os dois com­ (pra­ta ou dou­ra­do). Dedicada ao se­tor
ti­vas: cres­ceu 25% em es­pa­ço em po­nen­tes aca­bem ao mes­mo tem­po”, de alta per­fu­ma­ria, tem en­cai­xes por
re­la­ção à edi­ção do ano pas­sa­do. ex­pli­ca Fá­bio Bar­cel­li­ni, di­re­tor da ros­ca, fé­ru­la ou snap. A Cal­mar tam­
Nes­tas pá­gi­nas, Emb ­ al­ ag
­ em­Marc­a Tech Spra­yer. bém re­for­çou as op­ções em ga­ti­lhos
mostra al­guns itens apresenta­dos. (11) 6601-0888 plás­ti­cos (trig­gers) com o lan­ça­men­
www.techsprayer.com.br to do TS-800 (3) e do Mi­xor HP, ideais,
Por se­gun­do o ge­ren­te co­mer­cial Do­ni­
Gui­lher­me Ka­mio zet­ti Ta­rakd­jian, “para pro­te­to­res so­la­
Lean­dro Ha­ber­li res e ou­tros cos­mé­ti­cos”.
Mar­cos Pa­lha­res (11) 3874-7933
www.cal­mar.com

ago 2001 • embalagemmarca – 21


Tampas melhores Con­tro­le de qua­li­da­de como ape­lo
fotos: divulgação

Com cer­ca de 30% de seu fa­tu­ra­men­ Para evi­tar in­cô­mo­dos equí­vo­cos para er­ros de es­pe­ci­fi­ca­ção ou apre­sen­ta­
to hoje cen­tra­do no for­ne­ci­men­to de o con­su­mi­dor de me­di­ca­men­tos, como ção. “O sis­te­ma per­mi­te au­men­tar a
sis­te­mas de fe­cha­men­to para em­ba­la­ bu­las ou blis­ters tro­ca­dos, que não cor­ au­to­ma­ção no em­ba­lo de me­di­ca­men­
gens de pro­du­tos far­ma­cêu­ti­cos, a res­pon­dam ao pro­du­to iden­ti­fi­ca­do na tos”, explica Ed­mil­son Oli­vei­ra, téc­ni­co
Ta­pon Co­ro­na mos­trou al­guns me­lho­ em­ba­la­gem, a Bauch e Cam­pos apre­ de de­sen­vol­vi­men­to da em­pre­sa.
ra­men­tos na se­gu­ran­ça e na in­vio­la­ sen­tou o Sis­te­ma Far­ma­co­de, com­pos­ (11) 4785-2500
bi­li­da­de de seus pro­du­tos. Já co­nhe­ to por equi­pa­men­tos da fa­bri­can­te www.bauch­cam­pos.com.br
ci­da do mer­ca­do, a li­nha de tam­pas Leu­ze Mel­tec, de­sen­vol­vi­dos para con­
Ta­pon La­cre To­tal per­ma­ne­ce como tro­le de qua­li­da­de das em­ba­la­gens uti­
uma das mais in­di­ca­das para me­di­ca­ li­za­das pela in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca.
men­tos, pois tem la­cre de in­vio­la­bi­li­ Além de se va­ler de lei­tu­ra do có­di­go
da­de do tipo child-proof (à pro­va de de bar­ras, a so­lu­ção tam­bém faz a fis­
crian­ças). “Nes­sa área não te­mos lan­ ca­li­za­ção da li­nha de pro­du­ção com
ça­men­tos efe­ti­vos, só evo­lu­ções das gra­va­ção de ima­gens, ex­cluin­do as
mes­mas tam­pas”, dis­se Gian Pie­ro em­ba­la­gens que te­nham apre­sen­ta­do
Bor­to­ne, ge­ren­te de de­sen­vol­vi­men­to
de mer­ca­do da em­pre­sa. No­vi­da­de Selagem versátil de bisnagas
mes­mo é um novo fras­co cria­do pela
Con­tro­la­da pela Si­del, a mar­ca Ka­lix na­gas KX 601 (foto) e a en­car­tu­cha­
divisão de plásticos da Tapon Corona
de equi­pa­men­tos de em­ba­la­gem mar­ dei­ra KPS. A pri­mei­ra en­che até 70
para um fa­bri­can­te da área ali­men­tí­
cou presença na fei­ra atra­vés de bis­na­gas me­tá­li­cas ou plás­ti­cas por
cia. Fei­to de PVC e com ró­tu­los auto-
duas má­qui­nas: a en­che­do­ra de bis­ mi­nu­to atra­vés de in­su­fla­ção de ar,
ade­si­vos for­ne­ci­dos pela Go­ma­col, a
um sistema asséptico de alta tempe-
em­ba­la­gem deve che­gar em bre­ve ao
ratura que per­mi­te cortar o topo da
mer­ca­do, acon­di­cio­nan­do o ado­çan­te
bisnaga em for­ma­tos va­ria­dos.
Ma­gro, da Lights­weet.
Se­gun­do Gui­lher­me Ar­cu­ri, coor­de­na­
(11) 3835-8662
dor téc­ni­co-co­mer­cial da Si­del,
www.ta­pon-co­ro­na.com.br
em­pre­sas como Na­tu­ra e O Bo­ti­cá­rio

En­tran­do em fras­cos já ad­qui­ri­ram a má­qui­na. Já a en­car­


tu­cha­dei­ra KPS embala até 50 produ­
A Vé­dat lan­çou sua li­nha de tam­pas
tos por mi­nu­to, tra­ba­lhan­do com
plás­ti­cas de se­gu­ran­ça child proof,
pa­pe­lão mi­cro-on­du­la­do ou pa­pel­car­
nos diâ­me­tros de 18 mm, 24 mm e
tão. Am­bas as má­qui­nas, diz Ar­cu­ri,
28 mm. Para fla­co­ne­tes, a em­pre­sa
per­mi­tem rá­pi­das tro­cas de for­ma­to.
está apre­sen­tan­do a tam­pa P-16, com
(11) 3783-8933
la­cre. E de olho numa pos­sí­vel mi­gra­
arcuri@uol.com.br
ção em ma­te­riais de em­ba­la­gem para
pro­du­tos far­ma­cêu­ti­cos, a Vé­dat tam­
bém está lan­çan­do uma li­nha de fras­ Qua­li­da­de e pra­zo garantidos
cos em PET, com a apa­rên­cia de vi­dro A Pra­ko­lar, es­pe­cia­li­za­da em eti­que­ de ins­pe­ção ALIS de que é do­ta­da, a
âm­bar, nos vo­lu­mes de 30ml, 60ml e tas e ró­tu­los auto-ade­si­vos, anun­ciou re­bo­bi­na­dei­ra faz a ins­pe­ção ele­trô­ni­
120ml. “Já es­tão sen­do fei­tos tes­tes a aqui­si­ção de uma re­bo­bi­na­dei­ra ca dos pro­du­tos, “ga­ran­tin­do en­tre­
em li­nha com es­tes fras­cos em alguns canadense Ro­to­flex mo­de­lo VSI-250, gas com to­tal qua­li­da­de e den­tro dos
clientes tradicionais”, adian­ta Mar­co co­mer­cia­li­za­da no Bra­sil pela Com­ pra­zos con­tra­ta­dos”.
Ri­guz­zi, di­re­tor da em­pre­sa. print. Ro­ber­to In­son, do marketing da (11) 291-6033
(11) 4704-4266 • www.ve­dat.com.br Pra­ko­lar, res­sal­ta que o equi­pa­men­to www.pra­ko­lar.com.br
rea­li­za as se­guin­tes ope­ra­ções e con­
tro­les: ins­pe­ção, cor­te, re­bo­bi­na­men­
to, re­gis­tro das co­res, fa­lhas de
im­pres­são, che­ca­gem de re­gis­tro e
in­di­ca­ção de fal­ta de ró­tu­los ou eti­
que­tas na bo­bi­na. Gra­ças ao sis­te­ma

22 – embalagemmarca • ago 2001


Ener­gia e nova di­vi­são em pau­ta
Como a produção de alumínio é eletro-inten­ (ver edição 20), como a re­si­na COC (Cyclic
siva, a Al­can, além de ex­por os apri­mo­ra­ Ole­fin Co­poly­mer). For­ne­ci­da pela Ti­co­na,
men­tos de sua li­nha de blis­ters Alu-alu e as ela está sen­do con­si­de­ra­da pe­los téc­ni­cos
novas em­ba­la­gens plás­ti­cas para cos­mé­ti­ da Al­can uma boa al­ter­na­ti­va ao PVC uti­li­za­
cos e medicamentos, tam­bém se es­me­rou do em li­nhas de blis­ters da em­pre­sa. As van­
em de­mons­trar aos clien­tes sua tá­ti­ca para ta­gens são o ape­lo am­bien­tal e a maior bar­
sair in­có­lu­me do bug ener­gé­ti­co. “Até o fi­nal rei­ra à umi­da­de, embora o custo de
de agos­to, toda nos­sa área fa­bril con­ta­rá produção pareça ainda ser um obs­tá­cu­lo à
com ge­ra­do­res”, adian­ta Daisy Zak­zuk Spa­ difusão da nova re­si­na.
co, di­re­to­ra de mar­ke­ting e de no­vos ne­gó­ (11) 4512-7000 ou (11) 4075-6500
cios. A em­pre­sa tam­bém usou a feira como www.al­can.com.br
pla­ta­for­ma de lan­ça­men­tos de sua di­vi­são (11) 5683-7542
Al­can Pac­ka­ging, criada há pouco tempo www.ti­co­na.com

Pro­te­ção so­fis­ti­ca­da através de hologramas


Nem é pre­ci­so di­zer como a preo­cu­ sio­nais, com pro­fun­di­da­de e em nam um re­for­ço para di­fe­ren­ciar a
pa­ção com fal­si­fi­ca­ções mexe com a ou­tros for­ma­tos es­pe­ciais. De acor­do mar­ca”. Ela exem­pli­fi­ca com o caso
in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca. Por isso, sur­ com Lú­cia Al­vi­no, ge­ren­te co­mer­cial do Via­gra, da Pfi­zer, que vem uti­li­zan­
gem a todo instante novos se­los e da ATech, além de im­pe­dir fal­si­fi­ca­ do so­lu­ção da em­pre­sa no Bra­sil
la­cres para em­ba­la­gens de me­di­ca­ ções, “os ho­lo­gra­mas tam­bém se tor­ (foto). Con­ta a fa­vor dos selos ho­lo­
men­tos e de pro­du­tos de va­lor agre­ gráficos o fato de se­rem, se­gun­do
ga­do. Como uma op­ção de alta so­fis­ Lú­cia, “in­fal­si­fi­cá­veis”, e po­de­rem
ti­ca­ção, a ATech, re­pre­sen­tan­te da re­ce­ber nu­me­ra­ção se­qüen­cial para o
Op­Sec Se­cu­rity Tech­no­lo­gies, gru­po ras­trea­men­to de pro­du­tos. No even­
mun­dial de tecnologia em au­ten­ti­ca­ to, a ATech es­te­ve em par­ce­ria com a
ção e pro­te­ção de mar­cas e do­cu­ Wil­lett, cu­jas eti­que­ta­do­ras podem
men­tos, mostrou so­lu­ções em dis­po­si­ apli­car os se­los em gran­des vo­lu­mes.
ti­vos óti­cos va­riá­veis, tais como se­los (11) 278-6601
ho­lo­grá­fi­cos bi­di­men­sio­nais, tri­di­men­ www.op­sec.com.br

Seladoras e envasadoras para todos os bolsos


Apos­tan­do na ven­da de equi­pa­men­tos me­nos ti­vi­da­de a um preço competitivo. “O mo­de­lo
one­ro­sos, vol­ta­dos tan­to para pro­je­tos pi­lo­to de bá­si­co sai por 1 750 reais, cerca de 10% do
gran­des fa­bri­can­tes como para aten­der às ne­ces­ va­lor das seladoras con­cor­ren­tes”. A JHM tam­
si­da­des de pe­que­nos pro­du­to­res, a JHM má­qui­ bém mos­trou en­va­sa­do­ras com sis­te­ma de
nas, que atua prin­ci­pal­men­te com se­la­do­ras, bom­ba pe­ris­tál­ti­ca, que, explica Mo­le­ti, “atuam
pe­sa­do­ras, ros­quea­dei­ras e la­cra­do­ras, apresen­ sem per­mi­tir que o pro­du­to te­nha con­ta­to com a
tou sua nova se­ladora por indução de fun­dos de má­qui­na ou o ambiente”. Se­gun­do ele, isso as
bis­na­ga e de ou­tras em­ba­la­gens para cos­mé­ti­ torna ideais para o trabalho com pro­du­tos far­ma­
cos e medicamentos. Se­gun­do Ju­lio Ce­sar Mo­le­ cêu­ti­cos.
ti, di­re­tor da em­pre­sa, a máquina alia alta pro­du­ (11) 4723-3744 • www.jhm.com.br

Amos­tra ga­ran­ti­da
Os fla­co­ne­tes de vi­dro são essenciais começando a for­ne­cer tam­bém os isso gera co­mo­di­da­de ao clien­te,
para o lan­ça­men­to de no­vas fra­grân­ ba­to­ques para os fla­co­ne­tes, pro­du­ “pois, além de con­cen­trar con­ta­tos
cias de per­fu­mes no mer­ca­do, como to o qual não dis­pu­nha, em di­ver­sas com ape­nas um for­ne­ce­dor, ele
em­ba­la­gens de amos­tras. Es­pe­cia­li­za­ co­res. De acor­do com Yo­rick Be­vi­ pode ter mais se­gu­ran­ça em seu
da nes­ses re­ci­pien­tes, a Vi­tro­plast, que lac­qua, ge­ren­te de mar­ke­ con­tro­le de qua­li­da­de”.
tem clien­tes como Na­tu­ra, Avon, O ting e ven­das da (11) 5535-5582
Bo­ti­cá­rio e Água de Chei­ro, está Vi­tro­plast, www.vi­tro­plast.com.br

ago 2001 • embalagemmarca – 23


hortigranjeiros

Mais do que nunca


Embalagens adequadas podem ser a grande arma para exportar
Por Leandro Haberli

V
ender lá fora produtos não ne­go­cia­do da or­dem de 8,2 mi­lhões de dó­la­
manufaturados e im­por­tar bens res (cada qui­lo de ma­mão pa­paia cus­ta, em
in­dus­tria­li­za­dos têm sido a mé­dia, 3,5 dó­la­res na­que­le país).
re­cei­ta para com­pro­me­ter a Em meio a tais in­di­ca­ti­vos de mer­ca­do,
ba­lan­ça co­mer­cial de ex­pres­si­ que con­fe­rem aos le­gu­mes, fru­tas e ver­du­ras
vo gru­po de paí­ses, do qual, in­fe­liz­men­te, o bra­si­lei­ros um es­pec­tro mais am­plo do que
Bra­sil ain­da não con­se­guiu se des­li­gar. Daí a o de me­ros íco­nes do exo­tis­mo tro­pi­cal, o
mal­do­sa, po­rém per­ti­nen­te, má­xi­ma de que que tam­bém tem fi­ca­do cla­ro é que es­ses
tais na­ções nun­ca con­se­gui­rão equi­li­brar pro­du­tos pre­ci­sam de em­ba­la­gens mo­der­nas
suas con­tas ex­ter­nas, se se­gui­rem ex­por­tan­ e es­pe­cí­fi­cas para ter su­ces­so, ou sim­ples­
do ba­na­nas e com­pran­do com­pu­ta­do­res. men­te se­rem ad­mi­ti­dos lá fora.
Com a ban­dei­ra da ex­por­ta­ção sen­do
no­va­men­te em­pu­nha­da como so­lu­ção para Maior fornecedor
ven­cer a imi­nen­te es­tag­na­ção da eco­no­mia Ti­das como im­pres­cin­dí­veis para re­ver­ter os
bra­si­lei­ra, fi­cou ain­da mais evi­den­te ser pre­juí­zos cau­sa­dos por so­lu­ções pa­lia­ti­vas
im­pres­cin­dí­vel in­ves­tir em di­ver­si­fi­ca­ção pro­ de trans­por­te e acon­di­cio­na­men­to no mer­ca­
du­ti­va e em tec­no­lo­gia de fato. Po­rém, mes­ do in­ter­no de hor­ti­gran­jei­ros, as em­ba­la­gens
mo ante a ur­gên­cia que o país en­fren­ta para de pa­pe­lão on­du­la­do des­pon­tam hoje como
ven­der mer­ca­do­rias de alto va­lor agre­ga­do e um dos fa­to­res que po­dem le­var o Bra­sil a
tec­no­lo­gia pró­pria lá fora, tudo con­fir­ma, para fir­mar-se en­tre os maio­res for­ne­ce­do­res de
es­pan­to de muitos, que a ex­por­ta­ção de pro­ fru­tas e hor­ta­li­ças tro­pi­cais dos Es­ta­dos
du­tos agrí­co­las ge­nui­na­men­te bra­si­lei­ros hoje Uni­dos e da Eu­ro­pa.
é mais es­tra­té­gi­ca do que nun­ca. Em fa­vor do em­pre­go do pa­pe­lão on­du­
Essa ca­te­go­ria de mer­ca­do­rias, na qual, la­do, ma­te­rial que vem con­cor­ren­do tam­
além da já men­cio­na­da ba­na­na, po­de­riam bém com boas em­ba­la­gens plás­ti­cas para
ser in­cluí­dos inú­me­ros ou­tros hor­ti­gran­jei­ hortifrutis (ver o qua­dro), es­tão atri­bu­tos
ros que o país pro­duz, tem ex­tra­po­la­do sua como con­di­ções ade­qua­das de hi­gie­ne e
tra­di­ção his­tó­ri­ca de alto po­ten­cial de ex­por­ pro­te­ção dos ali­men­tos, além de acei­tar
ta­ção. Para fi­car só num exem­plo, da­dos da im­pres­sões va­ria­das e so­fis­ti­ca­das. Mas tais
Agên­cia de De­fe­sa Sa­ni­tá­ria do De­par­ta­ van­ta­gens ain­da são pou­co ex­plo­ra­das.
men­to de Agri­cul­tu­ra nor­te-ame­ri­ca­no
(Aphis/USDA) apon­tam que a ven­da de
ma­mão para os EUA de­ve­rá au­men­tar
100% este ano, al­can­çan­do um vo­lu­me
fotos: divulgação

24 – embalagemmarca • ago 2001


No Bra­sil, 4,2% das ven­das de em­ba­la­
fotos: divulgação

gens de pa­pe­lão on­du­la­do, ou 73 200 to­ne­


la­das, es­tão li­ga­das ao se­tor hor­ti­gran­jei­ro.
Os da­dos são da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra do
Pa­pe­lão On­du­la­do (ABPO) e re­fe­rem-se a
2000, ano que apre­sen­tou, em re­la­ção ao
an­te­rior, um au­men­to de 9% na ven­da de
em­ba­la­gens de pa­pe­lão on­du­la­do para fru­
tas. “Mas exis­tem paí­ses com até 20% das
ven­das de em­ba­la­gens de pa­pe­lão on­du­la­do
cen­tra­das na fru­ti­cul­tu­ra”, con­ta Pau­lo
Pe­res, pre­si­den­te da en­ti­da­de. “Por­tan­to,
te­mos mui­to a pro­gre­dir”, ele diz.
Ao longo da ca­deia en­vol­vi­da no mer­ca­
do hor­ti­gran­jei­ro, pa­re­ce não res­tar dú­vi­das Caixas plásticas: Ou­tra gi­gan­te do se­tor, com 12% do
sinônimo de higiene
de que, ao lado da mo­der­ni­za­ção do mer­ca­ também na mer­ca­do de pa­pe­lão on­du­la­do para em­ba­la­
do in­ter­no, que exi­ge o ba­ni­men­to das cai­ distribuição de gens, a Ri­ge­sa Wes­tva­co con­ti­nua apos­tan­
xas de ma­dei­ra reu­ti­li­zá­veis, essa pro­gres­ hortigranjeiros do na fa­mí­lia de cai­xas Pla­form, cuja li­cen­
são pode ser im­pul­sio­na­da por ações de ça de pro­du­ção ad­qui­riu da es­pa­nho­la Car­
ex­por­ta­ção. Com esse dis­cur­so, o ti­sa. Tam­bém dis­se­mi­na­das no mer­ca­
Gru­po Orsa, que pro­du­z 276 000 do in­ter­no, tais em­ba­la­gens, afir­ma
to­ne­la­das de pa­pel para em­ba­la­gens Lu­cas Gu­tier­rez, en­ge­nhei­ro agrô­no­
por ano, ad­qui­riu re­cen­te­men­te, num mo da em­pre­sa, têm tido de­sem­pe­nho
in­ves­ti­men­to de 350 000 dó­la­res, um igual­men­te po­si­ti­vo no acon­di­cio­na­
novo equi­pa­men­to para tra­ta­men­to do men­to de fru­tas tipo ex­por­ta­ção. “Nes­
mio­lo uti­li­za­do na es­tru­tu­ra de pa­pe­ tes ca­sos, a gra­ma­tu­ra do pa­pel deve
lão on­du­la­do com pa­ra­fi­na. ser maior, para au­men­tar a re­sis­tên­cia
“A tec­no­lo­gia con­sis­te em apli­ca­r a em­pi­lha­men­tos e umi­da­de”, ele diz.
re­si­nas es­pe­ciais na on­du­la­dei­ra, a fim
de au­men­tar a re­sis­tên­cia da em­ba­la­ Porções reduzidas
gem à umi­da­de e a bai­xas tem­pe­ra­tu­ Um dos usuá­rios das em­ba­la­gens da
ras”, ex­pli­ca Ri­car­do Ga­lan, di­re­tor Ri­ge­sa a apro­var os bons ín­di­ces de
in­dus­trial de em­ba­la­gens do Gru­po re­sis­tên­cia de seu pa­pe­lão on­du­la­do é a
Orsa. Segundo ele, o pa­pe­lão pro­du­zi­do Resistência a ca­pi­xa­ba Ca­li­man, que destina 75% de
empilhamento é
pelo novo equi­pa­men­to é ideal para em­ba­la­ uma das sua pro­du­ção anual (cer­ca de 14 000 to­ne­la­
gens sub­me­ti­das a am­bien­te de câ­ma­ra fria, vantagens do das) de ma­mão pa­paia à Eu­ro­pa e aos EUA.
como exi­gem os pro­ce­di­men­tos lo­gís­ti­cos de papelão ondulado Fran­cis­co Fa­lei­ro, di­re­tor co­mer­cial, con­ta
ex­por­ta­ção de ali­men­tos fres­cos. que a em­pre­sa in­ves­tiu na am­plia­ção de sua
Frutas tipo expor- li­nha de em­ba­la­gens, apos­tan­do em pú­bli­cos
tação prontas para com ne­ces­si­da­des de con­su­mo mais modes­
exposição nas
tas. Só tra­ba­lhan­do com pa­pe­lão on­du­la­do e
gôndolas. No
detalhe, estrutura ten­do a Ri­ge­sa como for­ne­ce­do­ra ex­clu­si­va
da parede de uma de suas em­ba­la­gens, a Ca­li­man atua com três
caixa de papelão ti­pos de cai­xas (de 2,5; 3,5 e 8 qui­los), to­das
ondulado
de­sen­vol­vi­das para ser le­va­das pelo con­su­
mi­dor para a casa.
“As me­no­res são mais de­man­da­das
lá fora”, co­men­ta Fa­lei­ro. “No Bra­sil,
en­tre­tan­to, tam­bém já co­me­ça a ser
per­cep­tí­vel que as em­ba­la­gens, além
de di­mi­nuírem o ín­di­ce de per­das,
es­tão li­ga­das ao au­men­to do ní­vel de
con­fia­bi­li­da­de en­tre os con­su­mi­do­res.”

26 – embalagemmarca • ago 2001


Mas, ape­sar dos exem­plos de que o das é cru­cial para ga­nhar mer­ca­do fora do
bi­nô­mio em­ba­la­gem ade­qua­da/pro­du­tos de país. “Nos­sos cí­tri­cos, ape­sar de mui­to sa­bo­
ABPO
qua­li­da­de, al­ta­men­te se­le­cio­na­dos, po­dem ro­sos, não são bo­ni­tos”. Na opinião dele, para (11) 3831-9844
re­sul­tar em fi­de­li­za­ção de mar­cas e ou­tros que isso não se tor­ne um as­pec­to ne­ga­ti­vo no www.abpo.org.br

pon­tos po­si­ti­vos para o meio hor­ti­gran­jei­ro, rit­mo de ven­das para a Eu­ro­pa, onde as la­ran­ Caliman
os si­nais de que mui­tos pro­du­to­res bra­si­lei­ jas à venda apre­sen­tam co­lo­ra­ção da cas­ca (27) 3371-1818
ros não se de­ram con­ta dis­so são vas­tos. Por mais atraen­te, é pre­ci­so “ca­mu­flar” os pro­du­
CEAGESP
ven­de­r pro­du­tos de bai­xo va­lor agre­ga­do, tos. “Por isso in­di­ca­mos para os pro­du­to­res (11) 3643-3700
boa par­te não se cons­cien­ti­za das van­ta­gens em­ba­la­gens com fun­do e tam­pa, ao in­vés de www.ceagesp.com.br
de uma apre­sen­ta­ção mais atraen­te e das nos­sa li­nha de cai­xas Open Top.”
Grupo Orsa
fa­ci­li­da­des para os pro­ces­sos lo­gís­ti­cos que Com ou sem sis­te­ma de fe­cha­men­to, as (11) 4689-8700
as em­ba­la­gens po­dem re­pre­sen­tar. cai­xas têm sido be­ne­fi­cia­das por uma nova www.grupoorsa.com.br
tec­no­lo­gia. Vi­san­do au­men­tar a re­sis­tên­cia
Klabin
Grande mas pequeno das em­ba­la­gens à umi­da­de, a Klabin tem (11) 3048-4800
Para Ge­rar­do Gal­vez, ge­ren­te de ven­das da apli­ca­do uma dis­per­são, fei­ta à base de re­si­ www.klabin.com.br

www.embalagemmarca.com.br
Kla­bin, em­pre­sa que tem 30% do mer­ca­do na acrí­li­ca es­ti­re­na­da, so­bre o pa­pel-base
Plásticos Formar
de em­ba­la­gens de pa­pe­lão on­du­la­do no das em­ba­la­gens (kraf­tli­ner ou eko­li­ner). (11) 4056-3655
país, tal qua­dro in­ter­fe­re di­re­ta­men­te nos Como se vê, criatividade e boa dose de www.formar.com.br

re­sul­ta­dos da ati­vi­da­de de ex­por­ta­ção do in­ves­ti­men­tos em pes­qui­sa e tec­no­lo­gia dão Rigesa Westvaco


se­tor. “Es­ta­mos en­tre os maio­res pro­du­to­res ao Bra­sil op­ções va­ria­das para acon­di­cio­na­ (19) 3881-8800
de la­ran­ja do mun­do, mas nos­sa ex­por­ta­ção men­to e trans­por­te de hor­ti­gran­jei­ros. Elas www.rigesa.com.br

de cí­tri­cos é in­sig­ni­fi­can­te”, ele ava­lia. po­dem aju­dar a eli­mi­nar o es­tig­ma de que o Roque Tomate
Me­di­das pro­te­cio­nis­tas e de­mais en­tra­ país é in­ca­paz de pro­du­zir fru­tas e ou­tros (19) 3821-1585
ves à ex­por­ta­ção de pro­du­tos bra­si­lei­ros à ve­ge­tais de pri­mei­rís­si­ma qua­li­da­de – como
Sunnyvale
par­te, Gal­vez cita o mes­mo exem­plo para os cos­tu­mam chegar às gôn­do­las de su­per­ 3048-4100
ilus­trar como o uso de em­ba­la­gens ade­qua­ mer­ca­dos ame­ri­ca­nos e eu­ro­peus. www.sunnyvale.com.br

“Valorização no ponto-de-venda”
Mes­mo mais dis­se­mi­na­do, o pa­pe­lão ti­gran­jei­ros. De acor­do com Fer­nan­do rias-pri­mas, a Sunny­va­le tam­bém está
on­du­la­do não rei­na ab­so­lu­to en­tre os Aguiar, res­pon­sá­vel pela di­vi­são Fruit lan­çan­do uma li­nha de em­ba­la­gens
ma­te­riais uti­li­za­dos nas em­ba­la­gens Pack da em­pre­sa, as em­ba­la­gens de para o mer­ca­do agrí­co­la. Na vi­são de
de hor­ti­gran­jei­ros. En­tre ou­tras al­ter­ fru­tas não re­que­rem gram­pos para An­tô­nio Lo­pes Mau­rí­cio, ge­ren­te de
na­ti­vas às con­de­na­das cai­xas K de seu fe­cha­men­to, pois pos­suem sis­te­ pro­du­tos da em­pre­sa, por for­ne­ce­rem
madeira, os des­ta­ques são as em­ba­ mas de tra­vas, além de te­rem a tam­pa con­di­ções pro­pí­cias à ro­tu­la­gem, as
la­gens plás­ti­cas, des­ti­na­das tan­to à e o ber­ço aco­pla­dos, for­man­do uma no­vas em­ba­la­gens au­men­tam as pos­
dis­tri­bui­ção dos pro­du­tos no ata­ca­ úni­ca peça. Ou­tro pon­to que ele con­ si­bi­li­da­des de iden­ti­fi­ca­ção en­tre con­
do, quanto à ex­po­si­ção di­re­ta nos si­de­ra van­ta­jo­so é a pos­si­bi­li­da­de de su­mi­dor e pro­du­tor, agre­gan­do ras­
pon­tos-de-ven­da. ven­da fra­cio­na­da, em por­ções me­no­ trea­bi­li­da­de ao mer­ca­do hor­ti­gran­jei­ro.
Fo­ca­da no se­gun­do caso, a Plás­ti­cos res. “Os pro­du­to­res co­me­çam a per­ “A em­ba­la­gem de pa­pe­lão já pro­vou
For­mar, de São Pau­lo, criou a li­nha ce­ber que não há mo­ti­vos para uma ser boa para o trans­por­te e a dis­tri­bui­
Fruit Pack. Com­pos­ta ex­clu­si­va­men­te pes­soa que mora so­zi­nha com­prar ção de fru­tas e hor­ta­li­ças”, ele diz.
por em­ba­la­gens de PET, tra­ta-se de uma cai­xa com 6 qui­los de uva”, ele Mas, con­si­de­ra, “para em­ba­la­gens
uma apos­ta no ape­lo da trans­pa­rên­ ob­ser­va. in­di­vi­dua­li­za­das o plás­ti­co va­lo­ri­za
cia para o acon­di­cio­na­men­to de hor­ Uti­li­zan­do PET e BOPS como ma­té­ mais o pro­du­to.”

ago 2001 • embalagemmarca – 27


diferenciação

A hora do chá
Ino­vação pela embalagem chega também ao segmento

A
té pou­co tem­po atrás, a fleu­ vi­sual es­tão subs­ti­tuin­do a mes­mi­ce que
ma bri­tâ­ni­ca que ca­rac­te­ri­za ou­tro­ra se via no se­tor, como com­pro­vam,
boa par­te dos apre­cia­do­res de en­tre ou­tras, ações em­preen­di­das pe­las
chás pa­re­cia ma­ni­fes­tar-se mar­cas Cas­tel­la­ri, Oet­ker e Ma­ra­tá.
tam­bém nas em­ba­la­gens do
pro­du­to, pelo me­nos no que a ex­pres­são Cai­xas de ma­dei­ra
car­re­ga de im­pas­si­bi­li­da­de em seu sig­ni­fi­ Cria­da pela Lin­gua­not­to, em­pre­sa que atua
ca­do. Ape­ga­dos à fór­mu­la em que os tam­bém com tem­pe­ros e es­pe­cia­rias, há
sa­chês são acon­di­cio­na­dos em cai­xas de cer­ca de dois anos a Cas­tel­la­ri, jun­to com
pa­pel car­tão, os fa­bri­can­tes pa­re­ciam não as ou­tras mar­cas do gru­po, foi com­pra­da
en­ca­rar a em­ba­la­gem como uma ma­nei­ra pela Ef­fem Bra­sil, co­nhe­ci­da por sua par­ti­
de di­fe­ren­ciar-se no pon­to-de-ven­da e, ci­pa­ção no mer­ca­do de pet food, com mar­
quem sabe, au­men­tar o con­su­mo do pro­ cas como Whis­kas, Fro­lics e Pe­di­gree
du­to num país em que a cul­tu­ra de se Champs.
to­mar café é tão ar­rai­ga­da. A nova ges­tão im­pul­sio­nou mu­dan­ças
Com a seg­men­ta­ção de mer­ca­do, en­tre­ de lo­go­ti­po da Cas­tel­la­ri, além do de­sen­
tan­to, esse pa­no­ra­ma vem se al­te­ran­do. vol­vi­men­to de um en­ve­lo­pe es­pe­cí­fi­co
No­vos ma­te­riais e maior preo­cu­pa­ção para os sa­chês. Fei­to de po­li­pro­pi­le­no bio­
rien­ta­do (BOPP), ele apre­sen­ta os mes­mos
Chás Castellari:
sachês com íco­nes grá­fi­cos da em­ba­la­gem se­cun­dá­ria,
envelopes além de um sis­te­ma de fe­cha­men­to do­ta­do
para aumentar de la­cre in­vio­lá­vel. Ale­xan­dre Es­te­fa­no,
shelf life
ge­ren­te de fran­quia da Ef­fem, con­si­de­ra
que o en­ve­lo­pe, além de ter a seu favor o
ape­lo da se­gu­ran­ça, pre­ser­va o sa­bor e o
aro­ma das er­vas, au­men­ta­do as­sim a shelf
life dos pro­du­tos.
Em ou­tra es­tra­té­gia da em­pre­sa para
fa­zer fren­te às gran­des do se­tor, a em­ba­la­
gem tam­bém ga­nhou des­ta­que. Tra­ta-se da
dis­tri­bui­ção dos chás para cer­ca de 100
fotos: divulgação

re­fi­na­dos res­tau­ran­tes da ca­pi­tal pau­lis­ta. A


idéia é fa­zer os gar­çons des­sas ca­sas ofe­re­
ce­rem, em cai­xas de ma­dei­ra es­pe­cial­men­
te de­sen­vol­vi­das, a li­nha de chás aos clien­

28 – embalagemmarca • ago 2001


Linha de funionais
tes, num rito que lem­bra­ria a de­gus­ta­ção ce. “Mas a pro­cu­ra tem sido tan­ta que pre­ da Oetker: logotipo
de cha­ru­tos após as re­fei­ções. “O que que­ ten­de­mos co­lo­cá-las à dis­po­si­ção de todo o padronizado
re­mos é exa­ta­men­te criar o há­bi­to de se pú­bli­co a par­tir do ano que vem”, adianta. mundialmente
to­mar chás de­pois das re­fei­ções”, diz Já no caso da mar­ca Ma­ra­tá, em­pre­sa
Es­te­fa­no. ser­gi­pa­na re­co­nhe­ci­da por sua atua­ção
com café e su­cos, as em­ba­la­gens da re­cém-
Es­to­jos de aço lan­ça­da li­nha de chás pa­re­cem ter o pa­pel
In­te­res­sa­da em di­fun­dir sua li­nha de fun­ de trans­mi­tir ao con­su­mi­dor a am­plia­ção
cio­nais, a Oet­ker, que co­mer­cia­li­za no do es­co­po de atua­ção da em­pre­sa. Por isso,
Bra­sil 26 ti­pos de chás, con­fiou à agên­cia ob­ser­va An­to­nio Mu­niz Si­mas, pre­si­den­te
de de­sign Seg­men­to a ta­re­fa de di­fe­ren­ da Dil, agên­cia de de­sign que fi­cou res­pon­
ciar as em­ba­la­gens de seus mais re­cen­tes sá­vel pe­las em­ba­la­gens, o vi­sual se atém a
Dil Design
lan­ça­men­tos na­que­la área: Doce Re-feição, dois pon­tos bá­si­cos: o de­se­nho es­ti­li­za­do (11) 3086-2466
Doce For­ma, Doce Manhã e Doces das er­vas e a pró­pria mar­ca Ma­ra­tá.
Sonhos. Ou­tro des­ta­que é uma janela na forma do Effem do Brasil
(11) 4227-3899
De acor­do com Lu­cia­ne Ne­ves, ge­ren­ logotipo da marca, que, presente na tam-pa www.effem.com
te de pro­du­to da em­pre­sa, as no­vas em­ba­ das caixas de papel cartão, per­mi­te a vi­sua­li­
Maratá
la­gens es­tão en­tre as pri­mei­ras de toda a za­ção dos sa­chês, tam­bém acon­di­cio­na­dos
(79) 631-9100
li­nha de pro­du­tos da em­pre­sa que re­ce­be­ em en­ve­lo­pes de polipro­pi­le­no, no pon­to-de- www.marata.com.br
ram a mar­ca Dr. Oet­ker. A mu­dan­ça obe­ ven­da. As em­ba­la­gens dos chás Ma­ra­tá
Oetker
de­ce à pa­dro­ni­za­ção mun­dial de­fi­ni­da pela também contam com uma mol­du­ra fei­ta de (11) 3782-3577
ma­triz ale­mã, que visa fa­ci­li­tar a co­mu­ni­ gra­fis­mos de er­vas es­ti­li­za­das. Nes­te caso, www.oetker.com.br
ca­ção dos equi­ties da mar­ca com os con­su­ con­ta Mu­niz Si­mas, o ob­je­ti­vo foi trans­mi­tir
Segmento
mi­do­res. Ade­mais, as em­ba­la­gens con­tam a idéia de be­bi­da tra­di­cio­nal, nor­mal­men­te (11) 3021-4566
com co­res que re­me­tem aos no­vos chás. as­so­cia­da aos chás. www.segcom.com.br
“A ins­tru­ção era que elas re­pre­sen­tas­sem a
alma do pro­du­to”, con­ta Lu­cia­ne. “Mas
tam­bém que­ría­mos que o vi­sual fi­zes­se os
no­vos chás sal­ta­rem das gôn­do­las aos
olhos dos con­su­mi­do­res.”
Na ver­da­de, na Oet­ker, di­fe­ren­ciar os
chás por meio das em­ba­la­gens não che­ga
a ser uma no­vi­da­de. Nos úl­ti­mos anos, a
cada in­ver­no a em­pre­sa tem lan­ça­do um
es­to­jo de aço para sua linha de chás, com
di­vi­sões es­pe­cí­fi­cas para os sa­chês. Com
im­pres­são li­to­gráfica das er­vas e fru­tas, as
la­tas, for­ne­ci­das pela CSN, são vol­ta­das a
con­su­mi­do­res que apre­ciam a be­bi­da em
da­tas es­pe­ciais. “Tam­bém ven­de­mos nos­
sos chás em la­tas ins­ti­tu­cio­nais”, con­ta
Luciane. Nes­te caso, a idéia é di­re­cio­nar
os pro­du­tos para o mer­ca­do de food ser­vi­ Maratá: foco na marca e grafismos para transmitir valores tradicionais

ago 2001 • embalagemmarca – 29


cervejas

A volta da Bohemia
Cer­ve­ja su­per pre­mium ga­nha nova ima­gem para am­pliar mer­ca­do

P
ara re­for­çar sua ima­gem de 1 le­tras maiús­cu­las, com de­ta­lhes dou­ra­dos,
loi­ra chi­que, a ve­lha cer­ve­ja que lem­bra a ver­são an­ti­ga. Se­gun­do Már­
Bo­he­mia to­mou um ba­nho de cia Va­la­dão, de­ci­diu-se não me­xer ra­di­cal­
loja. A nova iden­ti­da­de vi­sual men­te com o let­te­ring do logotipo, “pois
faz par­te dos in­ves­ti­men­tos ele sem­pre co­mu­ni­cou adequadamente o
con­si­de­rá­veis da pro­prie­tá­ria Am­Bev para ca­rá­ter do pro­du­to”.
tor­nar a mar­ca uma re­fe­rên­cia na­cio­nal
no seg­men­to su­per pre­mium de cer­ve­jas, Cai­xo­tes de ma­dei­ra
2
que detém uma par­ti­ci­pa­ção ain­da mui­to Ou­tro ele­men­to tra­di­cio­nal no ró­tu­lo
tí­mi­da nas ven­das ge­rais do pro­du­to. da Bo­he­mia, a fi­gu­ra da mu­lher,
Segundo o Sin­di­cerv – Sin­di­ca­to Na­cio­ ga­nhou mais vida. Pre­sen­te des­de
nal da In­dús­tria da Cer­ve­ja, ele re­pre­ o iní­cio da his­tó­ria do pro­du­to, a
sen­ta ape­nas 2% do mercado to­tal do ilus­tra­ção foi re­fei­ta com uma téc­
pro­du­to no Brasil, enquanto res­pon­de ni­ca que lem­bra o bico de pena. A
por 24% do ame­ri­ca­no e por mais de ima­gem re­pre­sen­ta as mu­lhe­res res­
15% do ar­gen­ti­no. pon­sá­veis pela pro­du­ção da cer­ve­ja na
Den­tro da pre­su­mí­vel óti­ca de que 3 re­gião de Pil­sen, hoje Re­pú­bli­ca Tche­ca.
4
um pro­du­to di­fe­ren­cia­do, fei­to com Tam­bém ga­nhou mais peso no
in­gre­dien­tes de qua­li­da­de su­pe­rior e com con­jun­to o slo­gan “Des­de 1853”,
cui­da­dos es­pe­ciais na pro­du­ção, não que fun­cio­na como um ates­ta­do
pode re­la­xar na apre­sen­ta­ção, a Am­Bev da tra­di­ção do pro­du­to.
pe­diu à agên­cia DM9DDB uma nova A ver­são em lata de alu­mí­nio
cara para a Bo­he­mia. “A idéia foi re­no­var (foto 6), for­ne­ci­da pela Re­xam do
a mar­ca com a preo­cu­pa­ção de não per­ Bra­sil, des­ta­ca o ró­tu­lo em tex­tu­ra
der os ape­los de tra­di­ção e de re­quin­te es­pe­cial, um tra­ba­lho as­si­na­do pela
que ela con­quis­tou em sua lon­ga his­tó­ 5 de­sig­ner Ma­rie Eli­se Car­ra­ra, da
ria”, ex­pli­ca Már­cia Va­la­dão, su­per­vi­so­ra DM9DDB. Sua im­pres­são tam­bém é no­bre:
de mer­chan­di­sing da DM9DDB. Pes­qui­ a com­po­si­ção de sete co­res dá des­ta­que
sas que du­ra­ram seis me­ses, com con­su­ vi­sual ao con­jun­to e a de­fi­ni­ção ne­ces­sá­ria
mi­do­res em gran­des ca­pi­tais do país, aju­da­ para a adap­ta­ção da fi­gu­ra da mu­lher. Já os
ram a agên­cia a com­por o pro­je­to vi­sual que Am­Bev mul­ti­packs de pa­pel car­tão para as la­ti­nhas
(11) 3741-7000
já pode ser vis­to no mer­ca­do. www.am­bev.com.br e garrafas (fotos 3 e 4), fa­bri­ca­das pela
Nele, o ele­men­to de des­ta­que é o ró­tu­lo Mead Embalagens, ga­nha­ram de­sign re­trô,
Cis­per
(veja a foto 1), que, re­de­se­nha­do pelo 6 que re­me­te aos an­ti­gos cai­xo­tes de ma­dei­ra
(11) 6542-8016
de­sig­ner Már­cio Pon­tes, as­su­me de­fi­ni­ti­vo www.cis­per.com.br usa­dos para trans­por­tar a Bo­he­mia no sé­cu­
as­pec­to de bra­são – aliás, um ador­no que lo 19, quan­do a pro­du­ção ain­da era ar­te­sa­
DM9DDB
o pro­du­to pa­re­ce “ser dig­no” de car­re­gar, nal. “O dou­ra­do e os de­ta­lhes em re­le­vo
(11) 5501-9999
pois diz-se que era apre­cia­do por Dom www.dm9.com.br aju­da­ram a ob­ter um re­sul­ta­do de va­lor
Pe­dro II em seu re­fú­gio flu­mi­nen­se de agre­ga­do”, ressalta Már­cia.
Mead
Pe­tró­po­lis. Es­tam­pa­do nas gar­ra­fas de (11) 3048-9370
Para com­ple­tar o con­jun­to, as ge­la­dei­
fotos: divulgação

vi­dro long neck de 330 mililitros, da Cis­ www.mead.com ras que acon­di­cio­nam o pro­du­to em pon­
per, e de 600 mi­li­li­tros, for­ne­ci­da por tos-de-ven­da (foto 5) são uma atra­ção à
Re­xam do Bra­sil
diversas vidrarias (foto 2), bem como na (11) 3266-3199 par­te, pelo de­se­nho no mes­mo es­ti­lo pro­
lata de alu­mí­nio, ele traz lo­go­ti­po em ra­mon.ri­bei­ro@re­xam­can.com.br po­si­tal­men­te rús­ti­co.

30 – embalagemmarca • ago 2001


making of

Premium e de massa
Mi­nal­ba ganha embalagem para classe A (sem prejuízo das outras)

S
e há no Bra­sil um nú­me­ro Minalba Classic:

daniel rosa
cres­cen­te de con­su­mi­do­res sofisticação para
paladares e
dis­pos­tos a pa­gar por águas
vistas exigentes
mi­ne­rais im­por­ta­das e po­si­cio­
Grupo Edson Queiroz
na­das, com con­tri­bui­ção ine­ (12) 263-1133
gá­vel de suas em­ba­la­gens, como pro­du­tos www.edsonqueiroz.com.br
so­fis­ti­ca­dos, por que mar­cas na­cio­nais não Hi Design
po­de­riam dis­pu­tar o fi­lão com as es­tran­gei­ (11) 251-5531
ras? Na ver­da­de, por que não va­lo­ri­zar pela c.klein@hi-design.com.br
em­ba­la­gem e pela mar­ca, como fa­zem os Sidel
es­tran­gei­ros, as águas bra­si­lei­ras, que, em (11) 3783-8930
www.sidel.com
ter­mos de pu­re­za e em pro­prie­da­des po­si­ti­
vas para a saú­de e o bem-es­tar hu­ma­nos, Multilabel
são su­pe­rio­res à maio­ria dos si­mi­la­res (11) 5641-4573
jl.multilabel@fs.com.br
im­por­ta­dos, se­gun­do bió­lo­gos, mi­ne­ra­lo­
gis­tas e ou­tros es­pe­cia­lis­tas? Labelmaq
(11) 3485-8737
Apos­tan­do em tudo isso e na van­ta­gem
adi­cio­nal de pre­ços me­lho­res, o Gru­po O-I Tampas
(15) 228-3711
Ed­son Quei­roz, con­tro­la­dor das mar­cas
oivendas@terra.com.br
In­daiá e Mi­nal­ba, que jun­tas de­têm 18,5%
do mer­ca­do bra­si­lei­ro de águas mi­ne­rais, de ven­das de águas de alto va­lor agre­ga­do é
está lan­çan­do a Mi­nal­ba Clas­sic, numa gar­ com­pos­to prin­ci­pal­men­te por res­tau­ran­tes,
ra­fa de 330ml que se des­ta­ca pelo de­sign. E ba­res e ho­téis.
não se tra­ta de uma ini­cia­ti­va so­li­tá­ria, in­di­ Po­rém, mes­mo ten­do aí boa par­te de seu
can­do que o mo­vi­men­to na di­re­ção de agre­ pú­bli­co-alvo, con­ta Klein, a em­ba­la­gem da
gar va­lor ao pro­du­to na­cio­nal por meio da nova mar­ca não po­de­ria li­mi­tar-se àque­las
em­ba­la­gem pa­re­ce es­tar en­tran­do numa si­tua­ções de con­su­mo. Se­ria essa, aliás, uma
fase di­nâ­mi­ca (ver pág. 34). das ra­zões que le­va­ram a em­pre­sa a de­sen­
vol­ver as gar­ra­fas da Mi­nal­ba Clas­sic em
Seg­men­to pre­mium PET e não em vi­dro, como fa­zem ou­tras
O de­sen­vol­vi­men­to do vi­sual da gar­ra­fa da mar­cas pre­mium. “O PET é um ma­te­rial
Mi­nal­ba Clas­sic fi­cou a car­go da agên­cia que fa­ci­li­ta a com­pra em su­per­mer­ca­dos,
es­pe­cia­li­za­da em em­ba­la­gem Hi De­sign. por exem­plo”, lem­bra Klein. So­pra­das na
“Pro­cu­ra­mos criar iden­ti­da­de para um es­tru­tu­ra ver­ti­ca­li­za­da da pró­pria em­pre­
pro­du­to des­ti­na­do a com­pe­tir no seg­ sa, as gar­ra­fas, de for­ma­to cô­ni­co,
men­to pre­mium, mas sem per­der a fo­ram pro­je­ta­das pela Si­del, fa­bri­can­
ima­gem que a mar­ca Mi­nal­ba já te de equi­pa­men­tos para em­ba­la­
tem com o con­su­mi­dor”, sin­te­ti­za gem.
Chris­tian Klein, di­re­tor da agên­
cia. Para isso, foi fei­to um es­tu­do De­sa­fio dos ró­tu­los
de mer­ca­do, na ten­ta­ti­va de an­te­ver as pos­ O de­sa­fio de trans­mi­tir so­fis­ti­ca­ção de­pen­
sí­veis si­tua­ções e lo­cais de con­su­mo mais Simulação do dia tam­bém do de­sen­vol­vi­men­to de ró­tu­los
rótulo na perspectiva
fre­qüen­tes do pro­du­to e di­re­cio­nar o de­sign conificada: que in­cor­po­ras­sem a ca­te­go­ria do pro­du­to,
da em­ba­la­gem. Con­fir­mou-se que o ca­nal evitar destorções co­men­ta o di­re­tor da Hi De­sign. Para al­can­

32 – embalagemmarca • ago 2001


par­te das nu­vens foi eli­mi­na­da , a pers­pec­
ti­va do rio foi am­plia­da e as mon­ta­nhas da
pai­sa­gem de Cam­pos do Jor­dão (SP), onde
a Mi­nal­ba pos­sui fon­te, fo­ram re­de­se­nha­
das. O pas­so se­guin­te foi o ajus­te da es­pes­
su­ra das le­tras, numa ta­re­fa que Sara cha­ma
de com­pen­sa­ção óp­ti­ca, ou seja, fa­zer com
que, re­de­se­nha­dos, aque­les ele­men­tos des­
sem ao con­su­mi­dor a im­pres­são de que são
pro­por­cio­nais. “Mas há di­fe­ren­ças”, diz
Sara. “O ‘m’, por exem­plo, tem a per­na do
meio mais fina, em­bo­ra a sen­sa­ção vi­sual
seja de que as três per­nas são iguais”.
Para que tais de­ta­lhes pas­sas­sem des­per­
ce­bi­dos, fo­ram ajus­ta­dos o es­pa­ça­men­to
en­tre os ca­rac­te­res e as áreas em bran­co no
in­te­rior das le­tras, co­nhe­ci­das en­tre os de­sig­
ners es­pe­cia­li­za­dos no es­tu­do da for­ma dos
ti­pos como olhos. Ou­tra mu­dan­ça grá­fi­ca Sequência mostra
apro­va­da foi o efei­to de­gra­dé, que al­te­rou as pictograma tradicional
co­res do logo: no pé das le­tras, a cor pre­do­ da Minalba (ao alto),
substituído por
mi­nan­te é um ver­de pis­ci­na, que vai es­cu­re­ paisagem com novas
cen­do até se tor­nar azul ro­yal na par­te de cores e menos ele-
cima. De acor­do com a es­pe­cia­lis­ta, o de­gra­ mentos gráficos (últi-
ma, de cima para
dé au­men­ta a le­gi­bi­li­da­de e a de­fi­ni­ção das
baixo). Quadros inter-
le­tras, su­por­tan­do am­plia­ções e re­du­ções, mediários revelam
sem per­da de suas ca­rac­te­rís­ti­cas grá­fi­cas. plano de diminuição
Fo­ram uti­li­za­dos três di­fe­ren­tes ti­pos de dos contornos.
Rótulo mais legível: preocupação
na identificação da marca. le­tras, “mas sem con­fli­to vi­sual”.
For­ne­ci­dos pela Mul­ti­la­bel do Bra­sil e
çar um de­sign in­te­gra­do, que se adap­tas­se im­pres­sos em let­ter press, os ró­tu­los es­co­
às di­ver­sas si­tua­ções de con­su­mo pre­ten­di­ lhi­dos para a Mi­nal­ba Clas­sic são trans­pa­
das, o pro­je­to grá­fi­co pri­mou pela di­mi­nui­ ren­tes e fei­tos de po­li­pro­pi­le­no. Sua apli­ca­
ção dos con­tor­nos e pelo au­men­to da le­gi­ ção nas gar­ra­fas, diz José Car­los Dra­ger,
bi­li­da­de das le­tras da mar­ca, con­ta Sara de di­re­tor co­mer­cial da Mul­ti­la­bel, exi­giu a
Pau­la Sou­za, tam­bém di­re­to­ra da agên­cia. im­por­ta­ção de ca­be­ço­tes es­pe­ciais, cuja
“A pro­pos­ta era con­se­guir um vi­sual mais mon­ta­gem e adap­ta­ção no equi­pa­men­to da
Mudanças no logo:
leve, lim­po e ilu­mi­na­do”, ela con­ta. Mi­nal­ba fi­ca­ram a car­go da La­bel­maq,
degradé e estudo de
A nova iden­ti­da­de vi­sual foi con­ce­bi­da fa­bri­can­te de má­qui­nas apli­ca­do­ras. compensação ótica
a par­tir do lo­go­ti­po ori­gi­nal e da tra­di­cio­nal O sis­te­ma de fe­cha­men­to foi for­ne­ci­do
pai­sa­gem mon­ta­nho­sa que, per­mea­da por pela O-I Tam­pas, em­pre­sa con­tro­la­da pelo
um ria­cho, um sol poen­te e al­gu­mas nu­vens, gru­po ame­ri­ca­no Owens-Il­li­nois. De­no­mi­
ilus­tra os ró­tu­los das de­mais águas Mi­nal­ na­da Flex-Loc, a tam­pa tem ve­da­ção es­pe­
ba. “A le­tra foi ana­li­sa­da e re­de­se­nha­da cial e é usa­da tam­bém em ou­tras águas da
para que a mar­ca trans­mi­tis­se equi­lí­brio e Mi­nal­ba, in­clu­si­ve nas car­bo­na­ta­das. “Es­sas
sen­sa­ção de lim­pe­za, fun­da­men­tais em tam­pas se des­ta­cam tam­bém pela fá­cil apli­
águas”, des­cre­ve Sara. Foi man­ti­do o pre­ ca­ção”, res­sal­ta Clau­dio Al­mei­da, di­re­tor
do­mí­nio do azul, cor que, se­gun­do a de­sig­ co­mer­cial da O-I Tam­pas.
ilustrações: divulgação

ner, “des­per­ta no con­su­mi­dor a per­cep­ção To­das as agên­cias (in­clu­si­ve os de­par­ta­men­tos in­ter­nos das em­pre­sas)
de as­sep­sia e pu­re­za”. e to­dos os de­sig­ners in­te­res­sa­dos em co­la­bo­rar com esta seção da
Para des­ta­car o logo e au­men­tar a le­gi­ revista es­tão con­vi­da­dos a participar.
bi­li­da­de do ró­tu­lo, foi di­mi­nuí­da a quan­ti­ Para obter detalhes, entre em con­ta­to com a re­da­ção, por te­le­fo­ne (11)
da­de de ele­men­tos grá­fi­cos da pai­sa­gem: 5181-6533 ou por e-mail (re­da­cao@em­ba­la­gem­mar­ca.com.br).

ago 2001 • embalagemmarca – 33


making of

Como um drinque
Água Petrópolis Paulista usa vidro para atingir público premium

R
e­for­çan­do a im­pres­são de que as cou a di­fe­ren­cia­ção. De res­pon­sa­bi­li­da­de do
mar­cas na­cio­nais de águas es­tão de­sig­ner Ra­fael Quei­roz, da Mazz De­sign, o
in­ves­tin­do para va­lo­ri­zar-se e tra­ba­lho in­cluiu a cria­ção de ró­tu­lo, tam­pa e
am­pliar a par­ti­ci­pa­ção nas fai­xas um kit de ven­das. Se­gun­do Mau­rí­cio Gi­rard,
pre­mium de mer­ca­do, a Pe­tró­ di­re­tor de cria­ção da agên­cia, o pro­je­to
po­lis Pau­lis­ta, de São Pau­lo, aca­ba de lan­çar buscou uma lin­gua­gem sim­ples e ele­gan­te.
sua mar­ca, nas ver­sões com e sem gás, em “Pro­cu­ra­mos criar uma em­ba­la­gem que per­
gar­ra­fas de vi­dro de 330ml e novo de­sign. O mi­tis­se co­lo­car a água em qual­quer res­tau­
re­ci­pien­te tem for­ma de gota e subs­ti­tui o ran­te clas­se A, po­den­do ser con­su­mi­da
an­te­rior, que era fei­to do mes­mo ma­te­rial e como um drin­que”, ele diz.
ti­nha 355ml de ca­pa­ci­da­de de con­teú­do. Para aten­der às ex­pec­ta­ti­vas de em­ba­la­
Na mes­ma li­nha de agre­ga­ção de va­lor gem des­se uni­ver­so de con­su­mo, Amil­car
pela em­ba­la­gem que vem sen­do cres­cen­te­ A. Lo­pes Jr., di­re­tor da Pe­tró­po­lis Pau­lis­ta,
men­te in­cor­po­ra­da pe­las fon­tes bra­si­lei­ras Na garrafa de ex­pli­ca que a em­pre­sa en­viou for­mu­lá­rios a
de água mi­ne­ral (ver pá­gi­na 32), além da vidro, na tipologia 5 000 re­pre­sen­tan­tes de pon­tos-de-dose
nova gar­ra­fa, de­sen­vol­vi­da pela Cis­per, o do rótulo e da lo­ca­li­za­dos no Es­ta­do de São Pau­lo. Além
tampa, elegância
pro­je­to vi­sual da Pe­tró­po­lis pre­mium bus­ e simplicidade
de­fi­nir quais se­riam o ma­te­rial e o de­sign da
em­ba­la­gem, buscou-se de­ter­mi­nar a ca­pa­ci­
da­de que as no­vas gar­ra­fas de­ve­riam ter.
“Os re­sul­ta­dos in­di­ca­ram que 300ml se­ria
uma quan­ti­da­de mui­to pró­xi­ma à do copo
(que a em­pre­sa tam­bém ven­de, com ca­pa­ci­
da­des de 200ml e 300 ml)”, ex­pli­ca Amil­car
Jr. Como a rea­li­da­de de mer­ca­do já vi­nha
mos­tran­do que 355ml é um vo­lu­me aci­ma
das ne­ces­si­da­des do con­su­mi­dor in­di­vi­dual,
op­tou-se pela gar­ra­fa de 330ml.

Centro de gravidade
O for­ma­to do re­ci­pien­te tam­bém não foi
de­ci­di­do a esmo. Jú­lio Bar­be­do, di­re­tor de
mar­ke­ting e ex­por­ta­ção da Cis­per, diz que a
nova em­ba­la­gem apre­sen­ta um im­por­tan­te
di­fe­ren­cial quan­do o as­sun­to é equi­lí­brio
so­bre a mesa ou o bal­cão. “Ela tem uma base
mui­to boa”, ele afir­ma, ar­gu­men­tan­do que a
for­ma cô­ni­ca in­flui no cen­tro de gra­vi­da­de.
“A garrafa foi de­sen­vol­vi­da também para
apre­sen­tar boa per­for­man­ce tan­to nas li­nhas
de fa­bri­ca­ção quan­to nas de en­chi­men­to, sem
fa­lar que é mui­to bo­ni­ta e atraen­te.”
jorge príncipe

Para res­sal­tar o ca­rá­ter pre­mium do pro­


du­to, a fon­te aca­tou uma mu­dan­ça im­pac­tan­
te su­ge­ri­da pela Mazz De­sign. No fron­tal do

34 – embalagemmarca • ago 2001


O rótulo de papel,
auto-adesivo, foi
fornecido pela
Hervás

A logomarca tradi-
cional foi desloca-
da para a parte de
O compromisso com a reciclabilidade é
trás do rótulo
expresso pelos símbolos da atividade para
As informações embalagens em geral (esq.) e para a de vidro
sobre a com-
posição da água,
numa tabela clara

ró­tu­lo auto-ade­si­vo, de pa­pel, for­ne­ci­do pela da men­sa­gem um su­plí­cio. A tam­pa me­tá­li­


Her­vás, apa­re­ce a mar­ca, im­pres­sa em ti­po­ ca, tipo crown, é for­ne­ci­da pela Ta­pon
lo­gia “ele­gan­te e clás­si­ca, para res­sal­tar a Co­ro­na e se­gue o con­cei­to de sim­pli­ci­da­de
dis­tin­ção e o re­fi­na­men­to do pro­du­to”, nas e ele­gân­cia do ró­tu­lo.
pa­la­vras do di­re­tor da agên­cia. Vem im­pres­sa A res­pei­to da gar­ra­fa de vi­dro, o di­re­tor
no lu­gar do tra­di­cio­nal logo “Águas Pe­tro­po­ da Pe­tró­po­lis Pau­lis­ta lem­bra que, em mer­
lis Pau­lis­ta” (sem acen­to mes­mo), que foi ca­dos como o eu­ro­peu, em ge­ral as águas
des­lo­ca­do para a par­te de trás. mi­ne­rais, quan­do di­re­cio­na­das para con­su­
Ao fun­do da mar­ca, um de­se­nho mos­tra mo em res­tau­ran­tes, ba­res e ho­téis, são
uma gota cain­do so­bre uma lâ­mi­na de água, acon­di­cio­na­das na­qu­le ma­te­rial, “que tem
cau­san­do na su­per­fí­cie lí­qui­da on­du­la­ções for­te ape­lo de pu­re­za e é to­tal­men­te re­ci­clá­
cir­cu­la­res. Na par­te su­pe­rior do ró­tu­lo foi vel”. Em­ba­la­gens de PET ou de ou­tras re­si­
in­cluí­da a fra­se “água mi­ne­ral na­tu­ral”, em nas plás­ti­cas são des­ti­na­das an­tes ao con­su­
ti­pos ma­nus­cri­tos. Para Gi­rard, essa op­ção mo do­més­ti­co, ele ob­ser­va.
“im­pri­me um up­gra­de ao pro­du­to”. Bió­lo­go de for­ma­ção, Amil­car Jr. afir­ma
Na ver­da­de, em cer­ta me­di­da isso é dar mui­ta im­por­tân­cia às ações de re­ci­cla­
trans­mi­ti­do pela ele­gân­cia do ró­tu­lo, em gem e põe isso em prá­ti­ca: con­tra­tou a
for­ma­to de es­trei­ta tira ho­ri­zon­tal. Em­bo­ra em­pre­sa es­pe­cia­li­za­da World Ci­cla para
sen­do uma úni­ca peça, ele cum­pre tam­bém im­ple­men­tar um pro­gra­ma in­ter­no de co­le­
a fun­ção de con­tra-ró­tu­lo, pois ocu­pa qua­se ta e rea­pro­vei­ta­men­to de ma­te­riais na fá­bri­
360 graus da su­per­fí­cie da gar­ra­fa. Ou­tra ca, em São Pau­lo. Nes­se pro­gra­ma, um fato
ino­va­ção in­te­res­san­te é a apresentação do cu­rio­so: as em­ba­la­gens de PET que a
con­cei­to de água “com gás”. Apre­sen­ta­do em­pre­sa des­ti­na a re­ci­cla­gem são trans­for­
em ver­me­lho na maio­ria das mar­cas, ga­nhou CISPER ma­das em uni­for­mes para os fun­cio­ná­rios.
a cor ver­de no novo ró­tu­lo da Pe­tró­po­lis. O (11) 6542-8000 A preo­cu­pa­ção com a reciclagem tam­
www.cisper.com.br
azul per­ma­ne­ceu na ver­são “na­tu­ral”, mas bém foi trans­mi­ti­da aos ró­tu­los. Ne­les, vêm
em tom mais es­cu­ro que o ha­bi­tual. Hervás im­pres­sos os sím­bo­los de “Em­ba­la­gem
0800-55-5311
Já as in­for­ma­ções so­bre com­po­si­ção da www.hervas.com.br
re­ci­clá­vel” (duas se­tas que se en­tre­la­çam,
água, que mui­tas ve­zes se tor­nam alvo de den­tro de um cír­cu­lo), vá­li­do para todo o
crí­ti­cas dos con­su­mi­do­res, pelo ta­ma­nho Mazz Design sis­te­ma de em­ba­la­gem, isto é, gar­ra­fa, ró­tu­
(11) 3842-7880
re­du­zi­do das le­tras e pela con­se­qüen­te ile­gi­ www.mazz.com.br lo, fil­mes e cai­xas, e de “O vi­dro é re­ci­clá­
bi­li­da­de, apa­re­cem num qua­dro em que as vel” (um íco­ne de pes­soa des­car­tan­do um
Tapon Corona
li­nhas são di­fe­ren­cia­das por dois tons de (11) 3835-8662 re­ci­pien­te num co­le­tor apro­pria­do, den­tro
co­res, ca­rac­te­rís­ti­ca que não tor­na a lei­tu­ra tapon@tapon.com.br de um triân­gu­lo for­ma­do por se­tas).

ago 2001 • embalagemmarca – 35


materiais

Na vanguarda
Santista quer diferenciar Maionegg’s pela preocupação em embalagem

P
ara não de­san­dar a Maio­negg’s, a O ró­tu­lo do pro­du­to, de plás­ti­co ter­
San­tis­ta, di­vi­são da Bun­ge Ali­ moen­co­lhí­vel, é ou­tro des­ta­que. For­ne­ci­do
men­tos, co­lo­cou em prá­ti­ca uma pela Slee­ver do Bra­sil, tem de­ta­lhes pra­tea­
es­tra­té­gia de re­juvenescimento da dos, apli­ca­dos por hot stam­ping. Nele, a
mar­ca. Ao lado da re­for­mu­la­ção ti­po­lo­gia do lo­go­ti­po não mudou, para não
do pro­du­to, que in­clu­si­ve ga­nhou uma ver­são afetar a re­fe­rên­cia de ima­gem da mar­ca.
light, no­vas em­ba­la­gens, mais prá­ti­cas e mo­der­
nas, estão sendo utilizadas. Hi­per-rea­lis­mo
As mu­dan­ças na apre­sen­ta­ção fo­ram ra­di­ O la­yout, po­rém, fi­cou mais leve: o cro­mo
cais. Os tra­di­cio­nais po­tes de 250g e 500g ago­ra presente na em­ba­la­gem an­tiga foi subs­ti­tuí­
são de vi­dro, em subs­ti­tui­ção aos de po­li­pro­pi­ do por uma ilus­tra­ção hi­per-rea­lis­ta. Gi­sel­li
le­no, e es­tão com novo de­sign, mais es­trei­to e diz que essa é uma ten­dên­cia for­te na Eu­ro­
prá­ti­co, para fa­ci­li­tar sua iden­ti­fi­ca­ção nas gôn­ pa, pois “gera uma ima­gem mo­der­na, que
do­las e o ma­nu­seio pelo con­su­mi­dor. não en­ve­lhe­ce ra­pi­da­men­te”. A tam­pa an­te­
“Essa mu­dan­ça é fruto de um longo tra­ rior, do tipo flip top, foi subs­ti­tuí­da por uma
ba­lho em par­ce­ria com a vi­dra­ria Cis­per”, de ros­ca, plás­ti­ca, da Gar­bo­ni. Aco­pla­da a
conta Gi­sel­li Bram­bil­la, ge­ren­te de ca­te­go­ ela, há um selo de se­gu­ran­ça, de pa­pel.
ria maio­ne­se da San­tis­ta. Se­gun­do ela, o Com­ple­tam a fa­mí­lia Maio­negg’s
pote foi idea­li­za­do de for­ma a man­ter a ver­sões em bis­na­ga de 250g, stand-up
boca lar­ga, pois esse é um as­pec­to mui­to pou­ches de 200g, 500g e 1000g, bal­des
va­lo­ri­za­do pela con­su­mi­do­ra. “Isso per­mi­te de 3kg e sa­chês de 8g, “para man­ter no
a mo­vi­men­ta­ção da co­lher den­tro do re­ci­ pro­du­to o ca­rá­ter ino­va­dor”, diz Gi­sel­li.
pien­te, para que todo o con­teú­do pos­sa ser Essa preo­cu­pa­ção, ela re­cor­da, “sem­pre
apro­vei­ta­do.” Além dis­so, ela diz, os ape­los foi uma tô­ni­ca na his­tó­ria da mar­ca”.
de re­ci­cla­bi­li­da­de e de reu­ti­li­za­ção do pote Lan­ça­da em 1976, foi a pri­mei­ra no Bra­
fo­ram re­le­van­tes para a mi­gra­ção do ma­te­ sil a vir em pote com boca lar­ga e tam­pa
rial da em­ba­la­gem. “A ca­te­go­ria maio­ne­se plás­ti­ca, para dri­blar o pro­ble­ma da fer­ru­
é as­so­cia­da ao vi­dro”, res­sal­ta Gi­sel­li. gem em an­ti­gas tam­pas me­tá­li­cas.

Linha Maionegg’s: além das embalagens


flexíveis, pote de vidro com desenho exclusivo

Santista
0800 90 12 34
www.santista.com.br

Cisper
(11) 6542-8000
www.cisper.com.br

Garboni
(11) 5051-3575
divulgação

Sleever do Brasil
(11) 5641-3356
www.sleever.com.br

24 – embalagemmarca • ago 2001


mercado

Fusão para crescer


Embalagens de aço ganham força com a criação da CBL

A
CBL – Com­pa­nhia Bra­si­lei­ra deve so­frer in­cre­men­tos com a con­cre­ti­za­
de La­tas, em­pre­sa re­sul­tan­te da ção das obras da nova fá­bri­ca de Lins (SP),
fu­são en­tre a Me­ta­lúr­gi­ca Ma­ta­ a maior das tre­ze plan­tas fa­bris do gru­po e
raz­zo e a Ri­met, tra­di­cio­nais cu­jas li­nhas de pro­du­ção ope­ram par­cial­
trans­for­ma­do­ras de em­ba­la­gens men­te. Além da es­tru­tu­ra in­dus­trial, o sis­te­
de aço para di­ver­sos seg­men­tos in­dus­triais, ma lo­gís­ti­co tam­bém está sendo rea­va­lia­do,
surge com a proposta de mudar o relaciona­ para tornar a dis­tri­bui­ção mais efi­ca­z.
mento com os clientes. Ambas já es­tão ope­ Se­gun­do Rita Go­mes, do mar­ke­ting da
ran­do de for­ma con­jun­ta nas áreas in­dus­trial, CBL, os in­ves­ti­men­tos não se li­mi­tam às
fi­nan­cei­ra, de su­pri­men­tos e co­mer­cial. De me­lho­rias nos pro­ces­sos ope­ra­cio­nais.
acor­do com a pre­si­den­te da CBL, Ana Te­re­ “No­vas em­ba­la­gens es­tão sen­do de­sen­vol­
sa Mei­rel­les, há um ano e meio tra­ba­lhan­do vi­das para bri­gar por no­vos mer­ca­dos, como
na rees­tru­tu­ra­ção das com­pa­nhias, a cria­ção fa­mí­lias de la­tas com sis­te­ma de aber­tu­ra
da hol­ding visa pro­por ao mer­ca­do uma fá­cil, que po­de­rão ser vis­tas até em seg­men­
nova es­tra­té­gia de tra­ba­lho, in­ver­ten­do o tos como o de cos­mé­ti­cos”. A em­pre­sa tam­
pro­ces­so de so­lu­ções em em­ba­la­gens. “O bém apos­ta em la­tas com re­le­vo e ro­tu­la­gem
for­ne­ce­dor pas­sa­rá a ser par­cei­ro, par­ti­ci­pan­ di­fe­ren­cia­dos, para ino­var em mer­ca­dos em
do ati­va­men­te da con­cep­ção, do de­sen­vol­vi­ aquecimento, como o de ali­men­tos se­cos e
men­to e da via­bi­li­za­ção da em­ba­la­gem jun­to o de be­bi­das. Al­gu­mas mar­cas de ener­gé­ti­
aos clien­tes”, ela diz. cos, por exem­plo, es­tão sen­do acon­di­cio­na­
Com a jun­ção de for­ças, a Ri­met e a das em lata de aço, em subs­ti­tui­ção a re­ci­
Ma­ta­raz­zo pre­ten­dem trans­for­mar a CBL pien­tes de PET ou de alu­mí­nio. Pre­ten­de-se,
na maior em­pre­sa de em­ba­la­gens de aço do também, con­quis­tar para o aço ou­tras ca­te­
Com­pa­nhia Bra­si­lei­ra de La­tas
Bra­sil. A ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção men­sal go­rias de pro­du­tos, como acho­co­la­ta­dos, (11) 6090-5000
será de 244 mi­lhões de la­tas, nú­me­ro que su­cos, água de coco e iso­tô­ni­cos. co­mer­cial@cbl.ind.br

Latas da CBL:
a empresa
quer ser a
maior em
embalagens
de aço no
Brasil
divulgação

38 – embalagemmarca • ago 2001


Fim da no­ve­la manual de etiqueta em logística
Ao ar­re­ma­tar a Co­pe­ne, pelo pre­ço
Es­ta­be­le­cer o ní­vel ne­ces­sá­rio de ati­ es­tão as de­ci­sões de lo­ca­li­za­ção, as
P§QLPR GH 5  PLOK}HV R FRQ
vi­da­des lo­gís­ti­cas para dis­po­ni­bi­li­zar de­ci­sões de es­to­que e as de­ci­sões
sór­cio Ode­brecht-Ma­ria­ni já está
pro­du­tos no tem­po e no lo­cal cer­tos de trans­por­te.
in­te­gran­do a Po­lial­den e a Prop­pet
e nas con­di­ções e for­mas de­se­ja­das, (11) 3085-7270
à pe­tro­quí­mi­ca do Nor­des­te. O
da ma­nei­ra mais efi­caz e lu­cra­ti­va, se www.art­med.com.br
próxi­mo alvo é a com­pra da Po­li­
tor­na cada vez mais um di­fe­ren­cial
te­no, ava­lia­da em R$ 540 mi­lhões,
com­pe­ti­ti­vo importante para as
e a jun­ção de for­ças com a OPP e
em­pre­sas. De olho nis­so, a Book­man
a Tri­kem, da Ode­brecht, e a Ni­tro­
está lan­çan­do o li­vro Ge­ren­cia­men­
car­bo­no, da Ma­ria­ni.
to da Ca­deia de Su­pri­men­tos:
Pla­ne­ja­men­to, Or­ga­ni­za­ção e
Co­le­ta em par­ce­ria
Lo­gís­ti­ca Em­pre­sa­rial, su­ces­so de
Alian­do co­le­ta se­le­ti­va, re­ci­cla­gem
ven­das nos Es­ta­dos Uni­dos.
e con­tri­bui­ção com pro­je­tos
O au­tor Ro­nald H. Bal­lou bus­ca mos­
so­ciais, a Abi­vi­dro - As­so­cia­ção
trar, atra­vés de exem­plos, exer­cí­cios
Bra­si­lei­ra das In­dús­trias de Vi­dro
e es­tu­dos de ca­sos dis­tri­buí­dos ao
aca­ba de fe­char par­ce­rias com
lon­go de 532 pá­gi­nas e do CD-ROM
duas ONGs: a Re­ci­cláza­ro, que aju­
que acom­pa­nha o li­vro, como di­na­mi­
da de­pen­den­tes quími­cos, e a
zar o cha­ma­do triân­gu­lo do pla­ne­ja­
Coor­pel, que atua com ca­ta­do­res
men­to lo­gís­ti­co, em cu­jos vér­ti­ces
de lixo. Com os acor­dos, a en­ti­da­
de es­pe­ra coletar cer­ca de 45
to­ne­la­das de vi­dro por mês.
Pro­te­ção à mar­ca e ao usuário
A fim de as­se­gu­rar aos usuá­rios da em­ba­la­gem da Du Pont. Con­ver­te­
Latas pra chuchu in­dús­tria que seus for­ne­ce­do­res de do­res na­cio­nais de em­ba­la­gens de
em­ba­la­gem es­tão uti­li­zan­do cor­re­ car­nes, de pro­du­tos far­ma­cêu­ti­cos e
0DLRU IDEULFDQWH GH ODWDV GH DOXP§
ta­men­te a re­si­na io­no­mé­ri­ca Surlyn, de ali­men­tos já es­tão re­ce­ben­do o
nio do país, a La­ta­sa está in­ves­tin­
usa­da prin­ci­pal­men­te como se­lan­te cer­ti­fi­ca­do, que abran­ge até ago­ra
do em uma nova fábri­ca, que
de es­tru­tu­ras fle­xí­veis, a Du Pont, oito pro­du­tos, en­tre eles a goma de
co­me­ça a ser er­gui­da es­te mês em
fa­bri­can­te do ma­te­rial, aca­ba de mas­car Tri­dent. Usuá­ria do Surlyn
Via­mão, Por­to Ale­gre (RS). A uni­da­
criar um pro­gra­ma de cer­ti­fi­ca­ção. há cer­ca de cin­co anos, a Ina­pel,
de co­me­ça­rá a ope­rar em ju­nho de
Nele, um selo ele­trô­ni­co é con­fe­ri­do que for­ne­ce a em­ba­la­gem do chi­cle
2002 com ca­pa­ci­da­de de 750
aos con­ver­te­do­res após uma ba­te­ria à Adams, foi a pri­mei­ra cer­ti­fi­ca­da.
mi­lhões de la­tas/ano, po­den­do che­
de ava­lia­ções das es­tru­tu­ras das O di­re­tor in­dus­trial da Inapel, Ro­dri­
gar a 1,6 bi­lhão no fi­nal de 2004.
em­ba­la­gens, e man­ti­do atra­vés de go Al­va­rez, diz que, além de fun­cio­
aná­li­ses pe­rió­di­cas rea­li­za­das a par­ nar como uma fer­ra­men­ta de cre­di­
Nova uni­da­de
tir de com­pras alea­tó­rias dos pro­du­ bi­li­da­de que agre­ga va­lor, ates­tan­do
O Gru­po Orsa, ter­cei­ro maior pro­
tos em su­per­mer­ca­dos. que as es­tru­tu­ras de suas em­ba­la­
du­tor de pa­pe­lão on­du­la­do do país,
Para for­ta­le­cer o pro­gra­ma de pro­ gens es­tão sen­do ela­bo­ra­das com
já está co­lhen­do os fru­tos de sua
te­ção à sua mar­ca, a Du Pont dis­po­ qua­li­da­de, sem mes­clas de ou­tros
nova uni­da­de de Rio Ver­de (GO).
ni­bi­li­za uma lis­ta com to­das as con­ pro­du­tos, a cer­ti­fi­ca­ção re­duz cus­tos,
Vol­ta­da para os se­to­res fri­go­rífi­co
ver­te­do­ras cer­ti­fi­ca­das no site www. pois eli­mi­na a ne­ces­si­da­de de aná­li­
e ali­men­tício, a uni­da­de aten­de,
pack.du­pont.com.br. “Con­sul­tan­do ses, lau­dos de en­tre­ga e ou­tros pro­
en­tre ou­tros, a Per­di­gío. Sua ca­pa­
a pá­gi­na, as em­pre­sas po­de­rão ter ce­di­men­tos. “Tam­bém aju­da a re­du­
ci­da­de men­sal de pro­du­çío é de 7
a cer­te­za de que o seu for­ne­ce­dor zir es­to­ques, já que dis­pen­sa pre­vi­
mil to­ne­la­das de em­ba­la­gens.
con­ta com a nos­sa cer­ti­fi­ca­ção”, são de con­tin­gên­cia para even­tuais
ex­pli­ca Wal­mir Sol­ler, ge­ren­te de re­jei­ções da em­ba­la­gem en­tre­gue”.
6RE QRYD GLUHo¬R
Clau­dia We­ber, com pas­sa­gens
pela Mead Em­ba­la­gens e pela M
De­sign, aca­ba de as­su­mir a di­re­ção
de aten­di­men­to da Oz De­sign.

40 – embalagemmarca • ago 2001


Van­ta­gens de um e do ou­tro

fotos: divulgação
E fez-se a luz!
Tam­pas com­pos­tas (com­po­si­tes)
Flas­hing Can é o nome da cu­rio­
es­tão sen­do lan­ça­das pela Whi­te
sa no­vi­da­de que a Ri­ver­si­de Tech­
Cap no mer­ca­do na­cio­nal. Elas
no­lo­gies está lan­çan­do no mer­ca­
com­bi­nam o topo de me­tal com
do de em­ba­la­gens para be­bi­das.
saia e la­cre de plás­ti­co. De acor­do
Tra­ta-se de uma lata que, ao ser
com Lean­dro Pig­na­ta­ro, ge­ren­te de
aber­ta, dis­pa­ra fei­xes de luz, para
ven­das da em­pre­sa, “a com­po­si­ção
a sur­pre­sa do con­su­mi­dor. Se­gun­
ofe­re­ce a se­gu­ran­ça e a pra­ti­ci­da­
do Jim Ho­wes, pre­si­den­te da
de das tam­pas plás­ti­cas com a pos­
Ri­ver­si­de, é mais uma op­ção de
si­bi­li­da­de de de­co­ra­ção li­to­grá­fi­ca
im­pac­to para ações pro­mo­cio­nais.
no me­tal”. O fe­cha­men­to já pode
“A luz pode in­di­car um brin­de,
ser vis­to no mer­ca­do eu­ro­peu, em
que o ga­nha­dor re­ce­be após li­gar
pro­du­tos da Hero e da Ger­ber, no
para um te­le­fo­ne con­ti­do na
seg­men­to de baby food. Pig­na­ta­ro
em­ba­la­gem”, exem­pli­fi­ca. Os
adian­ta que no Bra­sil já exis­tem
“com­par­ti­men­tos de luz” são ató­
dois con­tra­tos de si­gi­lo para um
xi­cos e re­sis­ten­tes à água e ao
fu­tu­ro for­ne­ci­men­to.
CO2 pre­sen­te em be­bi­das car­bo­
studio ag
(11) 3078-0451
na­ta­das.
www.whi­te­ca­pinc.com
www.ri­ver­si­de-tech­no­lo­gies.com

Go­ver­no de­fi­ne ro­tu­la­gem de trans­gê­ni­cos


Os mi­nis­té­rios da saú­de e da jus­ti­ça cul­tu­ra, Mar­cus Vi­ní­cius Pra­ti­ni de
de­fen­diam a categorização como Mo­raes, que queria que a medida
transgênicos, através dos rótulos, os atingisse apenas os produtos com
alimentos com mais de 1% de ingre­ índice maior que 5%. A de­ci­são vale
dientes geneticamente modificados. a par­tir de 31 de de­zem­bro de 2001.
O governo, porém, pu­bli­cou de­cre­to Só que ONGs de de­fe­sa do con­su­mi­
obri­gan­do o ró­tu­lo de trans­gê­ni­co dor acre­di­tam que, com o por­cen­tual
para o ali­men­to que con­ti­ver mais de escolhi­do, pou­cos pro­du­tos se­rão
4% de al­te­ra­ções, pen­den­do para as ro­tu­la­dos como trans­gê­ni­cos, para a
rei­vin­di­ca­ções do mi­nis­tro da agri­ ale­gria das in­dús­trias de ali­men­tos.

Holografia e transparência unidas


A Fas­son tem ino­va­ções para a cria­ção de ró­tu­los
com um no la­bel look de alta sofisticação. São fil­mes
ho­lo­grá­fi­cos to­tal­men­te trans­pa­ren­tes, di­fe­ren­tes dos
pa­péis me­ta­li­za­dos bri­lhan­tes vis­tos no mer­ca­do. Sob
os no­mes Fas­son PM PET 50 Quartz/S695/Pet 30 Ni
e o Fas­son PM PET 50 Opal/S695/BG 40 Br Ni, os fil­
mes são le­ve­men­te to­na­li­za­dos, ad­qui­rin­do um vi­sual
“es­fu­ma­ça­do”. Eles po­dem ser im­pres­sos com tec­no­
lo­gias de im­pres­são tra­di­cio­nais e tam­bém com fle­xo­
gra­fia UV, let­ter­press UV e off set, além de ofe­re­ce­rem
bom de­sem­pe­nho no meio-cor­te e em de­co­ra­ções
com hot stam­ping. O ade­si­vo, per­ma­nen­te, tem bom
de­sem­pe­nho em uma am­pla va­rie­da­de de su­per­fí­cies
como vi­dro, pa­pel, me­tais e plás­ti­cos.
(19) 3876-7600
www.so­lu­tion.fas­son.com

ago 2001 • embalagemmarca – 41


Nes­tlé investe em plf com la frutta
Do­mecq com

fotos: divulgação
De olho no seg­men­to de pro­du­tos lác­ tra­ções de fru­tas jun­to a uma co­lher
teos re­fri­ge­ra­dos (PLF), a Nes­tlé lan­çou cheia de io­gur­te se en­car­re­gam de marca reforçada
o io­gur­te La Frut­ta. Com con­sis­tên­cia re­for­çar o ap­pe­ti­te ap­peal e ga­ran­tir
O brandy Do­mecq, lí­der ab­so­
cre­mo­sa e pe­da­ços de fru­tas, ele pode des­ta­que no pon­to-de-ven­da. Os
lu­to no seu seg­men­to no Bra­sil
ser en­con­tra­do nos sa­bo­res mo­ran­go po­tes, de po­lie­ti­le­no, são fa­bri­ca­dos
e uma das prin­ci­pais mar­cas
e da­mas­co, este úl­ti­mo uma ex­clu­si­vi­ in-hou­se pela pró­pria Nes­tlé. A grá­fi­ca
da mul­ti­na­cio­nal de be­bi­das
da­de da Nes­tlé. Nas em­ba­la­gens Itai­pa­va for­ne­ce o ró­tu­lo, e a Al­can, a
Al­lied Do­mecq, re­ce­beu in­ves­
de­sen­vol­vi­das pela Mazz De­sign, ilus­ tam­pa de alu­mí­nio.
ti­men­tos de 800 000 reais
para re­no­var e re­for­çar a mar­
ca. En­tre as ações da com­pa­
nhia es­tão os lan­ça­men­tos da
nova em­ba­la­gem e de uma
cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria. A gar­
ra­fa, concebida pela agên­cia
Pac­ka­ging De­sign, fi­cou mais
alta e pas­sa a ter cantos mais
ar­re­don­da­dos, ins­pi­ra­da nas
gar­ra­fas de cog­nacs como o
Cour­voi­sier, tam­bém co­mer­
Bom peão Li­nhas di­nâ­mi­cas cia­li­za­do pela Al­lied Do­mecq.

tem lata decorada com so­brie­da­de


Fo­ram consumidos dois anos
de pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­
A Brah­ma, se­guin­do a tra­di­ção de to, que re­sul­ta­ram na mu­dan­
apre­sen­tar em­ba­la­gens co­me­mo­ra­ ça da cor da tam­pa. Esta pas­
ti­vas em oca­siões es­pe­ciais, apro­ sa a ser ver­me­lha. No ró­tu­lo,
vei­ta a Fes­ta do Peão de Boia­dei­ro a logomar­ca Domecq ganhou
mais destaque e robustez.
de Bar­re­tos para lan­çar 10 mi­lhões
A gar­ra­fa ver­de e o bra­são no
de la­ti­nhas com de­se­nhos alu­si­vos
ró­tu­lo não fo­ram al­te­ra­dos. A
ao even­to. A em­ba­la­gem é de­co­ra­
gar­ra­fa é da Saint Gobain
da com um selo cria­do es­pe­cial­
Embalagens, e o ró­tu­lo,
men­te para a 46ª edi­ção da fes­ta e
im­pres­so pela Bra­silgrá­fi­ca.
tem mo­ti­vos country. As la­tas de
350ml es­tão à ven­da ape­nas no O es­pu­man­te Sal­ton Brut
es­ta­do de São Pau­lo. Re­ser­va Ouro está de cara
nova. Para trans­mi­tir a idéia
de re­quin­te, foi con­ce­bi­da
uma iden­ti­da­de vi­sual
só­bria, atra­vés do ró­tu­lo,
com apli­ca­ção de hot stam­
ping, im­pres­so pela Gesa. A
em­ba­la­gem uni­tá­ria é
im­pres­sa pela Em­ba­nor, a
cai­xa para 6 uni­da­des é con­
fec­cio­na­da pela Box Print e a
cáp­su­la é fei­ta pelo Ibrac. O
projeto visual foi de­sen­vol­vi­
do pelo D@Z Es­cri­tó­rio de
De­sign, de Ben­to Gon­çal­ves
(RS).

42 – embalagemmarca • ago 2001


Nova imagem também nos cremes Novo astral para
Após a linha de xampus e condiciona­ Os ró­tu­los e con­tra-ró­tu­los, im­pres­sos banheiros
dores, a marca Seda, da Unilever, está em off­set e se­ri­gra­fia (silk screen) têm
ganhando embalagens renovadas nova arte e in­for­ma­ções so­bre be­ne­fí­
também na li­nha de tra­ta­men­to, que cios e modo de uso. A bis­na­ga do cre­
in­clui cre­mes para pen­tear e para tra­ me para pen­tear e os potes es­tam­pam
ta­men­to de ca­be­los. A nova iden­ti­da­ o novo lo­gotipo de Seda e as tam­pas
de vi­sual está sen­do es­ten­di­da a to­dos têm co­res di­fe­ren­tes para iden­ti­fi­car as
os pro­du­tos da mar­ca. O pote do cre­ cin­co li­nhas de tra­ta­men­to da mar­ca.
me de tra­ta­men­to ga­nhou tam­pas tex­ Os po­tes, de po­lie­ti­le­no de alta den­si­
tu­ri­za­das e um novo de­sign, mais da­de, são for­ne­ci­dos pela Si­nim­plast.
mo­der­no, que fa­ci­li­ta o ma­nu­seio e o As tam­pas, também de po­li­pro­pi­le­no,
di­fe­ren­cia dos si­mi­la­res nas gôn­do­las. são da Cá­ria.

A As­tra, fa­bri­can­te de plás­ti­cos para


ba­nhei­ros, está as­su­min­do uma nova
ima­gem. Uma das prin­ci­pais mu­dan­
ças pode ser ob­ser­va­da na nova
Graxa com rótulo cheio de informação
em­ba­la­gem, lan­ça­da ini­cial­men­te para
A tradicional marca de graxa para sapatos Nugget, da Reckitt Benckinser, adotou
a li­nha de ar­má­rios plás­ti­cos para
a solução Form-a-Label Resselável da Novelprint, nas tampas da embalagem
ba­nhei­ro. A em­pre­sa de­sen­vol­veu um
metálica convencional do produto, para anunciar o lançamento da Nugget
Cremosa. “O rótulo multipágina cumpriu a função de um canal de comunicação novo de­sign, uti­li­zan­do as co­res de
com o consumidor”, afirma Silvio Bronzeri, gerente de negócios da Novelprint. seu lo­go­ti­po – azul e ver­me­lho –, para
Ele conta que os fabricantes estão aumentando as ações promocionais na au­xi­liar na iden­ti­fi­ca­ção das pe­ças no
embalagem, porque estas se mostram iniciativas eficientes e baratas. Além do pon­to-de-ven­da. O con­su­mi­dor po­de­
sistema auto-adesivo, a Novelprint forneceu o equipamento de aplicação rá vi­sua­li­zar, atra­vés de cor­tes es­pe­
automático, instalando-o diretamente na linha de produção da Reckitt Benckiser. ciais na em­ba­la­gem, a cor do ar­má­rio
e a área do es­pe­lho. A cai­xa con­tém
foto ilus­tra­ti­va, mos­tran­do o apro­vei­
ta­men­to do es­pa­ço in­ter­no do ar­má­
rio, in­for­ma­ções téc­ni­cas, có­di­go de
bar­ras e re­fe­rên­cias de cor, com tex­
tos em por­tu­guês, in­glês e es­pa­nhol.
As no­vas em­ba­la­gens fo­ram de­sen­
vol­vi­das pelo de­par­ta­men­to de pro­
mo­ção de ven­das da As­tra.

Certificação pede novo visual


O Café Bom Dia re­ce­beu o cer­ novo de­se­nho, desenvolvido
ti­fi­ca­do ISO 14001 de ex­ce­lên­ pela Mazz De­sign, destaca a
cia na pre­ser­va­ção do meio fotografia de uma xí­ca­ra de café
am­bien­te e, para co­me­mo­rar, apoiada sobre um monte de
está mu­dan­do o design de sua grãos da iguaria. Os converte­
em­ba­la­gem, um stand-up dores da em­ba­la­gem flexível,
pouch. Além de trazer um selo que tem estrutura laminada, são
comunicando a certificação, o a Za­ra­plast e a San­ta Rosa.

44 – embalagemmarca • ago 2001


Pa­co­tes co­lo­ri­dos Clo­se-Up ino­va com em­ba­la­gem pre­ta
para o Personal Pela primeira vez, o preto é utiliza­
do em cartuchos e bisnagas de um
acor­do com cada sa­bor da li­nha. O
pro­ces­so de im­pres­são em qua­tro
produto de higiene bucal. A iniciati­ co­res da foto do ca­sal que ilustra
va é da Uni­le­ver, que acaba de as embalagens deu lu­gar a um efei­
co­lo­car no mer­ca­do o gel den­tal to mo­no­cro­má­ti­co apli­ca­do no tom
Clo­se-Up Eu­calyp­tus Mint. O pre­to que iden­ti­fi­ca cada sa­bo­r.
foi es­co­lhi­do de­pois de uma ex­ten­ O pro­je­to de re­no­va­ção das em­ba­
sa pes­qui­sa rea­li­za­da com jo­vens, la­gens do gel dental foi de­sen­vol­vi­
pú­bli­co-alvo da mar­ca. do numa par­ce­ria da equi­pe de
O pa­pel hi­giê­ni­co Per­so­nal, da San­
Apro­vei­tan­do o lan­ça­men­to do mar­ke­ting de Clo­se-Up com a
ther, lí­der do mer­ca­do bra­si­lei­ro, está
sa­bor Eu­calyp­tus Mint, to­das as agên­cia LFH, de Lon­dres. A adap­ta­
com no­vas em­ba­la­gens, de­sen­vol­vi­
em­ba­la­gens de Clo­se-Up pas­sa­ram ção para o Bra­sil foi fei­ta pela R234
das pelo es­cri­tó­rio Cor­ners­to­ne, de
por um pro­ces­so de re­no­va­ção, Design. A bisnaga é produzida pela
Nova Ior­que. O novo de­sign rom­pe
que as dei­xou mais co­lo­ri­das. Cebal (ex-Metalpack) e o cartucho
com os pa­drões da ca­te­go­ria, co­nhe­
A lo­go­mar­ca foi rees­ti­li­za­da, de é feito pela Brasilgráfica.
ci­da por man­ter a par­te fron­tal trans­
pa­ren­te nas bor­das, com co­res con­
cen­tra­das no cen­tro do pa­co­te. As
no­vas em­ba­la­gens de Per­so­nal têm
co­res em qua­se toda a par­te fron­tal,
re­ser­van­do ape­nas o cen­tro para uma
fai­xa on­du­la­da trans­pa­ren­te, que per­
mi­te a vi­sua­li­za­ção do pro­du­to. A
fa­mí­lia de pa­péis hi­giê­ni­cos da mar­ca
foi di­vi­di­da em duas co­res: azul e
vi­nho. O azul cor­res­pon­de aos pro­du­
tos da li­nha de fo­lha sim­ples e o
vi­nho re­pre­sen­ta a li­nha de fo­lha
du­pla, ba­ti­za­da de Per­so­nal Pre­mium.

snack com visual “pra cima” Cas­trol re­no­va ró­tu­los


A Ag­tal aca­ba de co­lo­car Dan­do pros­se­gui­men­to às izam cada um dos pro­du­
no mer­ca­do a nova adap­ta­ções que vêm sen­ tos da linha, tais como
em­ba­la­gem do amen­ do rea­li­za­das a par­tir da con­fian­ça, su­pe­ra­ção e
doim UP!. O tira-gos­to mu­dan­ça do lo­go­ti­po ino­va­ção. Além dos no­vos
tem três sa­bo­res: sal­sa & mun­dial da com­pa­nhia, ró­tu­los, a Dia De­sign tam­
ce­bo­la, quei­jo ched­dar e ocorrida em mar­ço des­te bém de­sen­vol­veu todo o
chur­ras­co. As flow-packs ano, a Cas­trol Bra­sil en­co­ ma­te­rial para di­vul­ga­ção
de 110 gra­mas são men­dou à agência Dia da linha GTX em pon­tos-
me­ta­li­za­das, tra­zem a De­sign no­vos ró­tu­los para de-ven­da.
foto do pro­du­to e têm seus prin­ci­pais óleos lu­bri­
co­res di­fe­ren­tes para fi­can­tes para mo­to­res, o
cada ver­são do snack. A Cas­trol GTX, o Cas­trol GTX
em­ba­la­gem, de­sen­vol­vi­ Spe­cial e o Cas­trol GTX
da pelo de­sig­ner free- Mag­na­tec. De acordo com
lan­cer Abra­hão Net­to, é a Dia Design, o principal
fa­bri­ca­da pela Shell­mar pedido da subsidiária
com uma estrutura que brasileira foi uma lin­gua­
combina po­liés­ter com gem vi­sual que en­fa­ti­zas­se
me­ta­li­za­ção e po­lie­ti­le­no. os atri­bu­tos que caracter­

46 – embalagemmarca • ago 2001


eventos

• De 10 a 14 de se­tem­bro acon­te­ce em Bue­nos Ai­res, na Ar­gen­ti­na, a En­va­se 2001,


7ª Ex­po­si­ção In­ter­na­cio­nal de Em­ba­la­gem, com a par­ti­ci­pa­ção de fa­bri­can­tes de
em­ba­la­gens, for­ne­ce­do­res de ma­té­rias-pri­mas, má­qui­nas e equi­pa­men­tos. Pa­ra­le­la­
men­te à En­va­se, será rea­li­za­da a Ali­men­tek 2001, 2ª Ex­po­si­ção de Ma­qui­ná­rio e
Equi­pa­men­tos para o Pro­ces­sa­men­to de Ali­men­tos e Be­bi­das. O even­to é rea­li­za­do a
cada dois anos des­de 1998, com uma va­ria­da mos­tra de ma­te­riais, má­qui­nas, ma­té­
rias-pri­mas, no­vas tec­no­lo­gias e de­sign e é promovido pela Ula­de – União La­ti­no-
Ame­ri­ca­na de Em­ba­la­gem e pe­los Ins­ti­tu­to Ar­gen­ti­no del En­va­se. Os or­ga­ni­za­do­res
fir­ma­ram con­vê­nios para a par­ti­ci­pa­ção de as­so­cia­dos da Abre, da PMMI e das
as­so­cia­ções de em­ba­la­gens do Chi­le, Co­lôm­bia, Mé­xi­co, Equa­dor, Peru e Uru­guai.
In­for­ma­ções: (11) 3082 9722 ou (54-11) 4957 0350

• A ci­da­de gaú­cha de Ben­to Gon­çal­ves será sede de um dos mais im­por­tan­tes even­tos do se­tor vi­ti­vi­ní­co­
la, o Vi­no­bra­sil 2001 – Sa­lão Bra­si­lei­ro do Vi­nho, que vai acon­te­cer de 11 a 15 de se­tem­bro no Par­que
In­ter­na­cio­nal de Even­tos da ci­da­de. Se­rão apre­sen­ta­das as úl­ti­mas no­vi­da­des téc­ni­cas e os di­ver­sos
re­cur­sos vol­ta­dos à me­lho­ria da qua­li­da­de e pro­du­ti­vi­da­de do vi­nho, des­de o plan­tio da uva, ela­bo­ra­ção
da be­bi­da, en­va­se e dis­tri­bui­ção. O Vi­no­bra­sil 2001 reu­ni­rá di­ver­sos even­tos pa­ra­le­los e abre es­pa­ço para
opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cios num mes­mo lo­cal, in­te­gran­do em­pre­sas e pro­fis­sio­nais da vi­ti­vi­ni­cul­tu­ra.
In­for­ma­ções: (54) 223 3197

• O se­tor de tin­tas está se pre­pa­ran­do para a rea­li­za­ção do 7º Con­gres­so In­ter­na­cio­nal de Tin­tas, que
acon­te­ce de 19 a 21 de se­tem­bro no In­ter­na­cio­nal Tra­de Mart, em São Pau­lo. Pro­mo­vi­dos a cada dois
anos pela As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Fa­bri­can­tes de Tin­tas – ABRA­FA­TI, os en­con­tros têm por ob­je­ti­vo pos­
si­bi­li­tar o in­ter­câm­bio de in­for­ma­ções tec­no­ló­gi­cas e apre­sen­tar as prin­ci­pais ino­va­ções do se­tor. No even­
to se­rão apre­sen­ta­das 75 pa­les­tras so­bre o que há de mais avan­ça­do nas áreas li­ga­das ao meio am­bien­te,
ma­té­ria-pri­ma, de­sen­vol­vi­men­to quí­mi­co-tec­no­ló­gi­co, qua­li­da­de e pro­du­ti­vi­da­de, en­tre ou­tras. Pa­ra­le­la­
men­te ao Con­gres­so, será rea­li­za­da a 7a Ex­po­si­ção In­ter­na­cio­nal de For­ne­ce­do­res para Tin­tas, que vai
reu­nir os 200 prin­ci­pais for­ne­ce­do­res de in­su­mos para tin­tas, na­cio­nais e in­ter­na­cio­nais.
In­for­ma­ções: (11) 3081 7388, com Ma­rian­ne, e no site: www.abra­fa­ti.com

• A Abi­maq, em par­ce­ria com o Se­brae, o Mi­nis­té­rio do Meio Am­bien­te e o Cempre, pro­mo­ve de 7 a 10


de no­vem­bro o Re­ci­cle Show, 2º Se­mi­ná­rio e Ex­po­si­ção so­bre os De­sa­fios Téc­ni­cos e Eco­nô­mi­cos
para a Re­ci­cla­gem. A re­ci­cla­gem será dis­cu­ti­da em pa­les­tras e pai­néis. O ob­je­ti­vo do en­con­tro é es­ti­mu­
lar a re­ci­cla­gem, pro­mo­ver o ge­ren­cia­men­to in­te­gra­do de re­sí­duos só­li­dos, ex­por opor­tu­ni­da­des de mer­
ca­do, pro­mo­ver par­ce­rias e di­vul­gar tec­no­lo­gias e equi­pa­men­tos dis­po­ní­veis para o ge­ren­cia­men­to ade­
qua­do de re­sí­duos, in­cluin­do co­le­ta se­le­ti­va de lixo. O even­to será rea­li­za­do no Cen­tro de Con­ven­ções
In­dia­nó­po­lis, em São Pau­lo.
In­for­ma­ções: (11) 5582 6428

• SI­MEI – Sa­lão In­ter­na­cio­nal de Má­qui­nas para Eno­lo­gia e Em­ba­la­gens. A maior fei­ra


es­pe­cia­li­za­da do se­tor em todo o mun­do apre­sen­ta­rá, nes­ta que é a sua 19ª edi­ção,
má­qui­nas, pro­du­tos e equi­pa­men­tos para a pro­du­ção, o acon­di­cio­na­men­to e o em­ba­
la­men­to de be­bi­das e ali­men­tos lí­qui­dos (vi­nho, cer­ve­ja, li­co­res, aguar­den­te, vi­na­gres,
água mi­ne­ral, be­bi­das car­bo­na­ta­das, óleos ve­ge­tais e ou­tros). Foi anun­cia­da a par­ti­ci­
pa­ção de mais de 700 in­dús­trias de vin­te paí­ses, numa área co­ber­ta de 75 000 m2.
São es­pe­ra­dos cer­ca de 46 000 vi­si­tan­tes oriun­dos de mais de cem paí­ses dos cin­co
con­ti­nen­tes. De 28 de no­vem­bro a 2 de de­zem­bro nos pa­vi­lhões 14, 15 e 16 do cen­tro
de ex­po­si­ção Fe­ria Mi­la­no, em Mi­lão (Itá­lia).
In­for­ma­ções: info@si­mei.it

• La­be­lex­po Eu­ro­pe 2001 – a La­be­lex­po Eu­ro­pe é o mais im­por­tan­te even­to so­bre ró­tu­los no ca­len­dá­rio de
fei­ras da Eu­ro­pa. A ex­po­si­ção vai mos­trar toda a ca­deia de ro­tu­la­gem, des­de a cria­ção até o pro­du­to fi­nal.
De 26 a 29 de se­tem­bro no Par­que de Ex­po­si­ções de Bru­xe­las, na Bél­gi­ca.
In­for­ma­ções: www.la­be­lex­po.com

Confira uma relação completa e atualizada de eventos em nosso site, na seção Eventos.
www.embalagemmarca.com.br

48 – embalagemmarca • ago 2001


Almanaque
Quem é o ho­mem do cha­péu?
Ao con­trá­rio do que pen­sam ado­ta­vam em seu modo de vi­ver. mais co­nhe­ci­das do mun­do.
mui­tas pes­soas, aque­le “se­nhor Em 1877, em Ra­ven­na, Ohio, a Pos­te­rior­men­te a em­pre­sa se
de cha­péu” que apa­re­ce nas Qua­ker Mill Com­pany, re­gis­trou uniu a duas ou­tras que tam­bém
em­ba­la­gens dos pro­du­tos da a mar­ca, que vi­ria a ser uma das be­ne­fi­cia­vam aveia, nas­cen­do
Qua­ker não é o fun­da­dor da da fu­são, em Chi­ca­go, Il­li­nois,
em­pre­sa. Tra­ta-se de um sau­dá­ a The Qua­ker Oats Com­pany,
vel e sor­ri­den­te re­pre­sen­tan­te em 1901. Em­bo­ra não es­ti­ves­
da co­mu­ni­da­de re­li­gio­sa in­gle­ sem di­re­ta­men­te li­ga­dos aos
sa qua­ker (em por­tu­guês, qua­ re­li­gio­sos, os di­ri­gen­tes da
cre), fun­da­da no sé­cu­lo XVII. em­pre­sa es­co­lhe­ram a fi­gu­ra de
Per­se­gui­dos em seu país pela um qua­ker, em seu tra­je tí­pi­co,
in­to­le­rân­cia re­li­gio­sa, gran­des como sím­bo­lo de seu pro­du­to,
gru­pos de se­gui­do­res da sei­ta numa alu­são aos pre­cei­tos de
emi­gra­ram para os Es­ta­dos pu­re­za, ali­men­ta­ção na­tu­ral,
Uni­dos na épo­ca da co­lo­ni­za­ sau­dá­vel e in­te­gri­da­de ado­ta­da
ção. Pas­sa­ram a ser es­pe­cial­ por aque­la co­mu­ni­da­de.
men­te re­co­nhe­ci­dos pe­los cos­
tu­mes aus­te­ros e sau­dá­veis que (Fon­te: www.qua­ker.com.br)

Evo­lu­ção vi­sual Vox po­pu­l i


Lí­der de mer­ca­do em pro­du­ção por fon­te, se­gun­do da­dos do A voz do povo pode não ser o
DNPM – De­par­ta­men­to Na­cio­nal de Pro­du­ção Mi­ne­ral, a água que diz o di­ta­do, mas tem
Ouro Fino, do Pa­ra­ná, apre­sen­ta­va na épo­ca de seu lan­ça­men­to, gran­des po­de­res. Foi dela, por
em 1946, um ró­tu­lo que se co­mu­ni­ca­va em nada me­nos que seis exem­plo, que nas­ceu a mar­ca
idio­mas (por­tu­guês, fran­cês, ita­lia­no, in­glês, ale­mão e es­pa­ de cer­ve­ja Bo­he­mia, cuja pro­
nhol). Do pon­to de vis­ta grá­fi­co, não há dú­vi­da de que o ró­tu­lo du­ção, ar­te­sa­nal, co­me­çou em
atual é mui­to me­lhor. 1853, em Pe­tró­po­lis (RJ), pe­las
mãos do imi­gran­te ale­mão
Hen­ri­que Kre­mer. O pro­du­to
logo fi­cou fa­mo­so por seu
sa­bor na re­gião, tor­nan­do-se
um dos pre­di­le­tos da cor­te de
dom Pe­dro II. Em 1876, já
como for­ne­ce­dor ofi­cial do
Pa­lá­cio Im­pe­rial, Kre­mer re­sol­
veu ba­ti­zar seu es­ta­be­le­ci­men­
to como Im­pe­rial Fá­bri­ca de
Cer­ve­ja Na­cio­nal. En­tre­tan­to,
in­for­mal­men­te os con­su­mi­do­
res cha­ma­vam a cer­ve­ja de
Bo­he­mia. A his­tó­ria não re­gis­
tra por que. Se­ria tal­vez por­que
Kre­mer fos­se ori­gi­ná­rio da­que­la
re­gião da Ale­ma­nha.

50 – embalagemmarca • ago 2001