Você está na página 1de 35

Aprendizagem

Aprendizagem CONCEÇÃO E GESTÃO DA FORMAÇÃO 2 º AN O G R H

CONCEÇÃO E GESTÃO DA FORMAÇÃO

2 º AN O

G R H

O Conceito de Aprendizagem

O Conceito de Aprendizagem A aprendizagem é mudança no comportamento em resultado da prática, sendo esta
O Conceito de Aprendizagem A aprendizagem é mudança no comportamento em resultado da prática, sendo esta

A

aprendizagem

é

mudança

no

comportamento em resultado da prática, sendo esta mudança mais ou menos permanente e estável

Kimble

a

que

ocorre

O Conceito de Aprendizagem

O Conceito de Aprendizagem  Aprender significa mudar depois da experiência.  A aprendizagem implica uma

Aprender

significa

O Conceito de Aprendizagem  Aprender significa mudar depois da experiência.  A aprendizagem implica uma

mudar

depois da experiência.

A aprendizagem implica uma interacção entre o indivíduo, os seus comportamentos e os seus

contextos de vida.

É a aquisição de uma nova conduta, relativamente permanente, ou o fortalecimento ou enfraquecimento de
É a aquisição de uma nova conduta, relativamente permanente, ou o fortalecimento ou enfraquecimento de
É a aquisição de uma nova conduta, relativamente permanente, ou o fortalecimento ou enfraquecimento de
É a aquisição de uma nova conduta, relativamente permanente, ou o fortalecimento ou enfraquecimento de
É a aquisição de uma nova conduta, relativamente
permanente, ou o fortalecimento ou enfraquecimento de
uma conduta antiga, como resultado da experiência, do
treino, podendo ocorrer de forma consciente ou
inconsciente, num processo individual ou interpessoal.
Processo
Processo
Processo Modificação Comportamento Construção Pessoal Experiência Interior
Processo Modificação Comportamento Construção Pessoal Experiência Interior
Processo Modificação Comportamento Construção Pessoal Experiência Interior
Modificação Comportamento
Modificação
Comportamento
Construção Pessoal
Construção
Pessoal
Experiência Interior
Experiência
Interior
Processo Modificação Comportamento Construção Pessoal Experiência Interior
Processo Modificação Comportamento Construção Pessoal Experiência Interior
Processo A ação de aprender não é fugaz e momentânea, mas realiza-se num tempo que
Processo
Processo

A ação de aprender não é fugaz e momentânea, mas realiza-se num tempo que pode ser mais ou

menos longo (Alarcão & Tavares, 2005)

Construção Só se aprende verdadeiramente quando o que se pretende aprender passa pelo domínio da
Construção
Só se aprende verdadeiramente quando o que se
pretende aprender passa pelo domínio da
Pessoal
experiência pessoal (Alarcão & Tavares, 2005)
Experiência Interior Refere-se ao carácter pessoal da aprendizagem e não é observável. Tem de haver
Experiência
Interior
Refere-se ao carácter pessoal da aprendizagem e
não é observável. Tem de haver um processo
interno de transformação e mudança (Alarcão &
Tavares, 2005).
Modificação Comportamento Só é possível constatar a aprendizagem através dos seus efeitos, ou seja das
Modificação Comportamento
Modificação
Comportamento

Só é possível constatar a aprendizagem através dos seus efeitos, ou seja das manifestações

exteriores(Alarcão & Tavares, 2005)

Aprendizagem e Desenvolvimento

Aprendizagem e Desenvolvimento DESENVOLVIMENTO HUMANO O desenvolvimento humano consiste na evolução progressiva da

DESENVOLVIMENTO HUMANO

O desenvolvimento humano consiste na evolução

progressiva da estrutura do sujeito, ao longo do

tempo, de forma progressiva, diferencial e globalizante (através de diferentes estádios de diferenciação)

do simples para o complexo do geral para o específico do sensório-motor para o operatório

estádios de diferenciação) do simples para o complexo do geral para o específico do sensório-motor para

Aprendizagem e Desenvolvimento

Aprendizagem e Desenvolvimento APRENDIZAGEM Processo de construção interna que leva o sujeito a tornar-se cada vez

APRENDIZAGEM

Aprendizagem e Desenvolvimento APRENDIZAGEM Processo de construção interna que leva o sujeito a tornar-se cada vez

Processo de construção interna que leva o sujeito a tornar-se cada vez mais

apto, mais capaz,

Alarcão & Tavares (2005)

Aprendizagem e Desenvolvimento

Aprendizagem e Desenvolvimento  O desenvolvimento processa-se em interligação com a aprendizagem: os dois processos
Aprendizagem e Desenvolvimento  O desenvolvimento processa-se em interligação com a aprendizagem: os dois processos

O desenvolvimento processa-se em interligação com a

aprendizagem: os dois processos exercem influencias recíprocas

Aprendizagem e Desenvolvimento

Aprendizagem e Desenvolvimento  O desenvolvimento possibilita a aprendizagem, mas também é estimulado pela própria
Aprendizagem e Desenvolvimento  O desenvolvimento possibilita a aprendizagem, mas também é estimulado pela própria

O desenvolvimento possibilita a aprendizagem, mas também é estimulado pela própria

aprendizagem

Evolução do Estudo da Aprendizagem

3 Momentos Históricos

Evolução do Estudo da Aprendizagem 3 Momentos Históricos 1º - Primeira metade do séc. XX •
Evolução do Estudo da Aprendizagem 3 Momentos Históricos 1º - Primeira metade do séc. XX •

1º - Primeira metade do séc. XX

Influência do Behaviorismo

Considerava-se a aprendizagem essencialmente como

um processo de aquisição de repostas Aprender era o mesmo que responder bem Havia uma ênfase clara no saber-fazer

Evolução do Estudo da Aprendizagem 3 Momentos Históricos 2º - Décadas de 50 e 60
Evolução do Estudo da Aprendizagem
3 Momentos Históricos
2º - Décadas de 50 e 60
• Influência do Cognitivismo
• A
aprendizagem
passou
a
ser
concebida
como
um
processo de aquisição de conhecimento
• Ênfase na perspetiva do processamento de informação
• O objetivo passa a ser a melhoria dos processos
cognitivos, para aumentar a quantidade de conhecimentos

Evolução do Estudo da Aprendizagem

3 Momentos Históricos

Evolução do Estudo da Aprendizagem 3 Momentos Históricos 3º - Perspectiva Actual • Influência do Cognitivismo
Evolução do Estudo da Aprendizagem 3 Momentos Históricos 3º - Perspectiva Actual • Influência do Cognitivismo

3º - Perspectiva Actual

Influência do Cognitivismo e das correntes ambientais e ecológicas (sócio-cognitivismo)

Corresponde a uma nova visão do ser humano: o sujeito tem um papel activo e dinâmico, não se limitando a reagir ao meio ou a armazenar e tratar informação

Perspectivas e Críticas - Os Behavioristas explicam o comportamento e a sua aprendizagem através de
Perspectivas e Críticas
- Os Behavioristas explicam o comportamento e a
sua aprendizagem através de mecanismos de
condicionamento clássico (centra-se na associação
temporal de certos acontecimentos) e do
condicionamento instrumental ou operante (centra-
se nas consequências positivas ou negativas do
comportamento)
Estes mecanismos conseguem explicar todo o tipo de
aprendizagens humanas?
Perspectivas e Críticas - As perspetivas cognitivistas e cognitivo- sociais opõem-se ao Behaviorismo e criticam
Perspectivas e Críticas
- As perspetivas cognitivistas e cognitivo-
sociais opõem-se ao Behaviorismo e criticam o
facto deste reduzir todo o comportamento
humano aos níveis mais elementares de
funcionamento.
- Essa perspetiva não permite explicar
comportamentos e aprendizagens complexas,
como o comportamento imitativo, a
aprendizagem de regras gramaticais, a
resolução de problemas, a criatividade,…

Perspectivas e Críticas

 
1 – O Behaviorismo não valoriza o facto das pessoas interpretarem o seu ambiente de

1 O Behaviorismo não valoriza o facto das pessoas interpretarem o seu ambiente de aprendizagem e, ao interpretá-lo, construírem-no dando- lhe significado

2 O Behaviorismo procura explicar a

aprendizagem

sem

tomar

em

consideração

o

efeito

específico

dos

contextos

sociais

sobre

a

aprendizagem

Perspectivas e Críticas 1 – A perspetiva cognitiva ajuda a ultrapassar a primeira crítica 2
Perspectivas e Críticas
1 – A perspetiva cognitiva ajuda a
ultrapassar a primeira crítica
2 – A perspetiva cognitivo-social
ajuda a ultrapassar a segunda
crítica, uma vez que nos ajuda a
compreender o interesse e a
influência do contexto social sobre
o fenómeno da aprendizagem

Perspetivas da Aprendizagem: Aspetos Gerais

 

BEHAVIORISTA

COGNITIVISTA

SÓCIO-COGNITIVA

 

Funcionalismo. Metáfora do homem máquina - o todo é

Estruturalismo.

 

Contextualismo. O todo é diferente consoante os contextos. Interacção

Metáfora

dos

Pressupostos

sistemas

vivos

o

Meta-teóricos

igual ao somatório das

todo

é

diferente

da

Sujeito - mundo.

partes.

soma

das

partes,

é

Plurideterminismo.

O Homem é como uma

um sistema.

tábua rasa .

Determinismo

Determinismo

individual

 

ambiental

 
     

Gestaltismo;

 

Modelos Sócio-Cognitivos

Processamento de

Da Aprendizagem;

Principais

Teorias Behavioristas

Informação; Teorias

Correntes

representantes

ou

 

Cognitivo-

 

Ambientais ou ecológicas.

Comportamentais

Estruturalistas;

Teoria Piagetiana.

Perspetivas da Aprendizagem: Aspetos Gerais

 

BEHAVIORISTA

COGNITIVISTA

SÓCIO-COGNITIVA

Aspetos

Partem do ponto de

Partem do ponto de vista

Apelam à dimensão social

Comuns às

vista do ambiente

do sujeito, centrando-se

do conhecimento. A

Teorias Filiadas

externo, centrando-se na

na produção de

aprendizagem é vista mais

em Cada

recepção de conhecimento

conhecimento.

como processo interpessoal

Corrente

do que intrapessoal.

Foco de Estudo destas Teorias

O comportamento observável e as suas Mudanças.

Os processos mentais (Cognição)

A interacção sujeito- mundo; a capacidade de auto-regular e interpretar o

comportamento.

 
     

Variáveis socio-cognitivas

Conhecimento, criatividade, pensamento, resolução de problemas, tomada de decisão,

(atribuições, expectativas,

Temas

Execução de respostas, condicionamento comportamental;

estratégias de aprendizagem, metacognição

 

Estudados

)

e suas

associações entre

Estratégias cognitivas,

interacções com os

estímulos e respostas,

memória, expectativas,

contextos de

aprendizagem…

Perspetivas da Aprendizagem: Aspetos Gerais

 

BEHAVIORISTA

COGNITIVISTA

SÓCIO-COGNITIVA

     

Compreender o

Identificar os processos e

funcionamento sócio-

Objetivos

Identificar leis gerais

mecanismos e de

cognitivo

de aprendizagem

funcionamento cognitivo

e os mecanismos

de auto-regulação da

aprendizagem.

   

Correlacional. Experimental. Quasi-

Correlacional.

Método

Experimental

Experimental.

experimental

Quasi-experimental

     

Centram-se na

Centram-se na

Centram-se na mudança

interacção

Apreciação

mudança de

de processos mentais de

entre o papel do meio

Global

comportamentos

conhecer e pensar, a

físico e social e o papel

observáveis a partir da

partir

activo do

acção sobre condições

do significado que as

sujeito, capaz de auto-

exteriores.

tarefas têm para o sujeito.

regular as suas aprendizagens.

Perspetivas da Aprendizagem: Aspetos Gerais

 

BEHAVIORISTA

COGNITIVISTA

SÓCIO-COGNITIVA

 

Como aquisição de

Como aquisição de

Como construção

respostas.

conhecimento.

(social) de

Como é vista a

A aprendizagem é igual

A aprendizagem é um

conhecimento.

Aprendizagem

ao seu produto, aos

processo interno que

A aprendizagem faz-se

resultados em termos de

não se pode observar

em contextos e resulta

execução de respostas.

directamente.

da interacção pessoa -

meio,

com as expectativas e

normas sociais.

     

Aprendiz e meio são

Qual o Papel do

Passivo:

Activo:

Activos:

Indivíduo na

limita-se a reagir aos

recolhe, selecciona,

o aprendiz tem

Aprendizagem?

estímulos do meio

processa, armazena e

capacidades

interpreta

metacognitivas de

informação

controlo e interpretação

dos seus próprios

     

processos cognitivos.

Perspetivas da Aprendizagem: Aspetos Gerais

 

BEHAVIORISTA

COGNITIVISTA

SÓCIO-COGNITIVA

     

Como construção

Como aquisição de

Como aquisição de

(social) de

Qual a

respostas.

conhecimento.

conhecimento.

Condição

A aprendizagem é igual

A aprendizagem é um

A aprendizagem faz-se

Básica da

ao seu produto, aos

processo interno que não

em contextos e resulta

Aprendizagem?

resultados em termos

se pode observar

da interacção pessoa -

de execução de

directamente.

meio,

respostas.

com as expectativas e

normas sociais.

     

Aprendiz e meio são

Passivo:

Activo:

Activos:

Qual o Papel do

limita-se a reagir aos

recolhe, selecciona,

o aprendiz tem

Ensino?

estímulos do meio

processa, armazena e

capacidades

interpreta informação

metacognitivas de

controlo e

interpretação

dos seus próprios

processos cognitivos.

A Aprendizagem Segundo a Perspetiva Sócio-Cognitiva • O comportamento humano e a aprendizagem são
A Aprendizagem Segundo a Perspetiva Sócio-Cognitiva
• O
comportamento
humano
e
a
aprendizagem
são
plurideterminados;
• Os fatores que explicam a aprendizagem não podem ser
atribuídos apenas ao meio (Behaviorismo) nem apenas ao
sujeito (Cognitivismo)
• O ser humano apenas pode ser compreendido a partir do estudo das interacções entre

O ser humano apenas pode ser compreendido a partir do

estudo das interacções entre o sujeito e o seu mundo.

Tanto o meio como o aprendiz são ativos.

O comportamento só pode ser explicado e analisado se forem considerados os contextos (físicos,

temporais, sociais, etc.) em que ocorre.

• Segundo esta perspectiva, a cultura e o meio social são dimensões intrínsecas do comportamento

Segundo esta perspectiva, a cultura e o meio social são dimensões intrínsecas do comportamento humano (por isso

criticam tanto Behavioristas como Cognitivistas)

Uma parte significativa da aprendizagem humana faz-se

num ambiente social e cultural que contribui para orientar

essa mesma aprendizagem (facto que não se reproduz num

laboratório)

Aprender é Tornar-se Capaz de Atribuir Significado às Informações (aos estímulos)

de Atribuir Significado às Informações (aos estímulos) • Mas o significado não é construído isoladamente na

Mas o significado não é construído isoladamente na mente do aprendiz:

é socialmente construído.

Assim, o estudo do indivíduo, fora das suas pertenças sociais, embora possa contribuir para entender os mecanismos cognitivos puros, não permite compreender porque é que as diferenças sócio-culturais entre os sujeitos produzem diferenças no modo como percebem, interpretam e lidam com as informações do meio.

• Os estudos e os métodos dos cognitivistas são insuficientes, por si só, para explicar

Os estudos e os métodos dos cognitivistas são insuficientes, por si só, para explicar todos os factores e processos de

aprendizagem, pois estão centrados no indivíduo isolado dos seus contextos, nomeadamente os contextos sociais.

• Os trabalhos dos cognitivistas (ex: modelos de processamento de informação) permitiram desenvolver métodos

Os trabalhos dos cognitivistas (ex: modelos de processamento de informação) permitiram desenvolver

métodos pedagógicos para ensinar a pensar, para ensinar

estratégias de resolução de problemas, ajudar o aluno a

aprender a aprender, desenvolver as tecnologias.

• No entanto, não consideram a raiz sócio-cultural do comportamento humano. A perspectiva sócio-cultural
• No
entanto,
não
consideram
a
raiz
sócio-cultural
do
comportamento humano.
A perspectiva sócio-cultural mantém muitas ligações
aos conceitos e princípios formulados pelos
cognitivistas, mas acrescenta a perspetiva cultural.
• Procura entender como é que os indivíduos partilham, através da comunicação e da interacção
• Procura
entender
como
é
que
os
indivíduos
partilham,
através
da
comunicação e da interacção social, formas comuns de entender o
mundo, de interpretar as situações, de se conhecer e dar a conhecer:
Aprendizagem e Comunicação são indissociáveis.
Se entendermos o processo de ensino-aprendizagem como um processo relacional, que não pode ser compreendido
Se entendermos o processo
de ensino-aprendizagem
como um processo
relacional, que não pode ser
compreendido à margem
das múltiplas interacções
que caracterizam a
comunidade educativa
(professor-aluno, aluno-
aluno, aluno-família, etc.),
então a perspetiva sócio -
cultural pode proporcionar
orientações pertinentes
para a intervenção
pedagógica.

Teorias da Perspetiva Sócio-Cognitiva

Teorias da Perspetiva Sócio-Cognitiva Teorias da Auto-Regulação M o d e l o s o u

Teorias da Auto-Regulação

Modelos ou Métodos de Ensino Específicos

o u M é t o d o s d e Ensino Específicos Situam-se no campo

Situam-se no campo de

estudo do controlo pessoal:

Teoria da auto-eficácia de Bandura;

Teoria da Aprendizagem Social de Rotter;

Teoria

Atribuição

da

Causal de Weiner.

de Rotter;  Teoria Atribuição da Causal de Weiner. Desenvolveram modelos ou métodos de ensino específicos

Desenvolveram modelos ou

métodos de ensino específicos

baseados numa visão social da sala de aula:

Trabalho de Grupo:

Aprendizagem Cooperativa;

Resolução de Problemas em Assembleia de Turma; Negociação de Objetivos.

A Aprendizagem Pressupõe Tanto os Aspetos Cognitivos Quanto os Aspetos Sociais