Você está na página 1de 158

Glamour

CAPITULO 1

Drikka Silva

- Agora eu vou para o meu quarto. Daqui a pouco vai começar o show da minha musa inspiradora…

- Show de quem?

- Como de quem gato? Não sabe de quem sua filha é fã apaixonada?

- Perez Mendes.

- Pois é. Hoje vai passar no Multishow o show gravado em Los Angeles. Meu diretor está se roendo porque não conseguiu transmitir primeiro.

- Essa Fabiana… Quando vai passar a febre dessa garota?

- Quando criarem uma nova namoradinha da America. Como foi seu dia na clinica?

- A mesma coisa de sempre. O seminário na USP vai ser na próxima semana. Estou relembrando meu tempo de faculdade.

- Você vai se sair bem. Sempre gostou de falar em publico.

- Eu sei, mas já faz tanto tempo…

- É como andar de bicicleta. Você nunca mais esquece.

- Pra você é fácil. Fala com câmeras o tempo todo.

- Que é visto pelo Brasil inteiro. Acha que não me dá um frio na barriga toda vez que me vejo na tela?

- Imagino. O que você vai fazer esse final de semana?

- Vou fazer uma interna ao vivo, ou seja, vou trabalhar. Por quê?

- Estava pensando em descer para a casa de praia. A Fabiana estava me cobrando essa

semana que faz tempo que não vamos.

- Para de fazer as vontades dela… Por isso que ela está tão mimada.

- Nosso único tesouro… Vou mimá-la mesmo…

- Você fala como se tivesse 60 anos e não trinta e seis. Que tal fazermos outro tesouro?

- Você ficaria grávida novamente?

- Por que não? Tenho trinta e dois anos. Somos jovens ainda.

- Vai ser estranho… A Fabiana com quatorze anos e um bebê…

- Ela me ajudaria a cuidar… É perfeito!

- Eu quero um garoto com os seus olhos…

- Que tal irmos praticar a criação?

- Eu acho que você está com segundas intenções comigo…

- Terceiras e quartas também… Vou tirar a mesa e já te encontro lá.

- To te esperando com um banho de espuma…

Fernanda observou o marido se afastar e desaparecer na escada do apartamento duplex. Estavam casados há quatorze anos, desde que ela era apenas uma colegial e ele estudante do ultimo ano de medicina. Quando ela o tinha visto pela primeira vez na casa do seu irmão mais velho tivera certeza que queria passar o resto da vida ao lado daquele rapaz com cara de nerd e óculos fundo de garrafa. A simpatia que ele esbanjava tinha a contagiado e conquistado derrubando todas as barreiras que ela impunha ao seu redor. Todos os amigos disseram que não ia durar: Fernanda era do tipo baladeira e aventureira

e ele um rapaz centrado no que queria para a sua vida, a gravidez de Fabiana foi algo

que não estava nos planos de nenhum dos dois, mas que veio para completar o amor que sentiam. Depois de dar a luz, Fernanda voltou para os estudos concluindo a faculdade

de jornalismo sua terceira paixão até hoje. Contra tudo o que todos disseram formaram uma família unida e feliz que se amavam cada dia mais.

- Fabiana não senta tão perto da TV.

- Mãe essa mulher é perfeita! Escuta essa musica… Ela dança demais… Ela é linda…

- Ela é bonita mesmo, mas você é muito mais que ela agora assiste da cama.

- Eu não consigo pegar todos os detalhes de lá. Vem aqui ver… Essa é uma das minhas

musicas favoritas. Fernanda deu três passos até o lado da filha dando um riso do seu jeito infantil. Mesmo

com quatorze anos parecia uma criança com oito. Parou olhando para a tela de 42 polegadas que dava pra ver qualquer detalhe a qualquer distancia vendo uma garota de vinte quatro anos que saltitava de um lado para o outro em um imenso palco usando um short de couro e um top prata deixando à mostra a barriguinha sem uma gordurinha sequer. Ela já tinha visto aquela garota diversas vezes: Perez Mendes era a sensação pop internacional do momento aplaudida e ovacionada por todo o globo com uma legião incontável de fãs. Quando ela lançou o primeiro Cd, a emissora em que trabalhava tinha feito um especial sobre ela: Fernanda na ocasião estava em Praga fazendo uma matéria, mas viu em primeira mão a simpatia que Perez emanava contagiando tudo e todos ao seu redor. Estava nas paradas de sucesso desde então batendo recordes de vendas de Cd em semanas e lotando estádios e arenas por onde passava: Era conhecida como o furacão americano com nome latino mais bem sucedido do momento.

- Mãe você viu o pôster que coloquei dela atrás da porta hoje?

- Eu não acredito que você está tentando estragar a pintura colocando cola na porta!

- Já coloquei. Olha lá. A foto era do tamanho da porta com Perez Mendes usando um vestido longo de paetês

com um decote até a cintura. O olhar verde e penetrante estava focalizado na câmera e o sorriso deixava clara a felicidade estampada segurando dois prêmios da ultima edição do VMA.

- Amanhã eu não quero ver esse pôster aqui.

- Qual é mãe! Não vai estragar a pintura… Eu usei adesivo.

- Já falei e não vou repetir. Agora senta na sua cama. Boa noite querida…

- Boa noite mãe.

Fabiana saiu do tapete para fazer o gosto da mãe e assim que ouviu o barulho da porta

no final do corredor sendo fechada voltou a se sentar onde estava: Faria qualquer coisa para conhecer Perez Mendes. Fernanda entrou no quarto procurando pelo marido e o encontrou no banheiro já com o banho preparado para os dois na hidro.

- Você viu o que sua filha aprontou?

- O que foi dessa vez?

- Ela colou um pôster daquela cantora atrás da porta do quarto.

- Deixa ela anjo… È uma fase que vai passar. Tenho certeza que você teve seus ídolos

na adolescência.

- Mas eu não era tão neurótica quanto ela está ficando…

- Você está exagerando… Daqui a pouco ela se interessa por outro e vai passar…

- Você chegou a ver a pasta de fotos que ela tem?

- Vi e achei muito criativo a colagem que ela fez na capa – Falou Marcelo se postando

atrás de Fernanda – Deixa ela lá assistindo sossegada e aproveita e fica sossegada aqui comigo…

- E quem disse que eu quero ficar sossegada?- Perguntou Fernanda mordendo o lábio inferior.

- Tira essa roupa… – Falou o marido beijando a nuca abrindo o zíper da calça que ela usava.

- Desabotoa meu sutiã?

- Claro…

Fernanda balançou a cabeça para espantar o que lhe preocupava se entregando ao prazer que o marido sempre proporcionava. Ela nunca conhecera um homem preocupado em fazê-la gozar sempre, mas ali estava um espécime raro. Entrou na água observando o marido tirar o roupão que usava e beijando sua boca sentiu o peso másculo sobre si. Fechou os olhos soltando um gemido ao sentir o pênis invadi-la de forma tão perfeita como sempre acontecia.

CAPITULO 02

Los Angeles

A Elysian Park Avenue estava apinhada de pessoas que disputavam a frente do Dodgers

Stadium que já estava lotado. A capacidade do local para cinqüenta e seis mil pessoas fora reduzido para cinqüenta por causa do imenso palco armado para receber um dos shows mais aguardado do ano. Adolescentes de toda a Califórnia e estados vizinhos carregavam cartazes e fotos usando camisetas e faixas com as fotos de Perez Mendes estampada. Dentro do estádio a abertura do show já estava começando com uma banda adolescente de rock levantando a expectativa de todos para ver a estrela Pop do momento. O camarim estava cheio de pessoas da produção do show, dançarinos e seus assistentes, mas Perez estava alheia ao monte de pessoas que a rodeavam. Encarando os olhos verdes no espelho se concentrava para o concerto que começaria em vinte minutos. Sorriu ao ver John seu fiel escudeiro aparecer na sua visão acima de sua cabeça.

- Você está linda, Perez.

- Como está lá fora?

- Lotado. Cinqüenta mil pessoas esperando para te ver.

- Eu estou nervosa…

- Não fique apenas dê o seu melhor quando estiver lá encima. Já era pra você ter se acostumado com isso…

- Cada dia é uma nova experiência…

- Enquanto a Samy arruma seu cabelo vai respirando fundo… Devagar… Fecha os

olhos e visualiza o bar onde eu e o George te vimos tocar pela primeira vez…

- Obrigada por tornar tudo tão simples – Falou Perez com ironia jogando um batom no homem atrás de si. – E o Richard?

- Ele ainda não chegou. Vai vir direto pra cá.

- Ok.

Perez acenou com a cabeça e fechou os olhos enquanto a cabeleira colocava suas madeixas pretas para cima e o maquiador dava os últimos retoques para que tudo ficasse perfeito. Deixou a mente vagar para o dia em que John mencionara. O dia mais inesquecível da sua vida. Perez nasceu no estado de Ohio, mas foi criada na cidade de Nova York. Seu pai era um oficial da marinha que passava meses embarcado e sua mãe uma atriz coadjuvante da Broadway. Desde pequena estava acostumada com toda a preparação e correria que exigia a montagem de um show, mas só lhe passou pela sua cabeça que ela estaria no

palco quando ganhou seu primeiro violão no seu aniversário de quatorze anos. A voz

potente e ao mesmo tempo doce foi mágica para os ouvidos de sua mãe e a partir daí ela foi apresentada aos musicais. Tentou entrar em competições de musica e fazer suas próprias canções, mas nunca passara da segunda fase. Desistiu de tentar aos dezessete anos e entrou para a universidade. No dia posterior da formatura em uma comemoração em um bar de Manhattan e depois de quatro drinks, pegou um violão encostado em um canto e o que começou como uma brincadeira se tornou em uma prospera carreira graças à insistência de George que sabia reconhecer um talento quando estava na frente de um. Perez trocou a linha country pelo pop e se dedicou a dar uma segunda chance para sua grande paixão que era a musica. O primeiro álbum ficou no topo da Billboard durante 18 semanas consecutivas e a segunda musica de trabalho ainda se mantinha na lista das mais tocadas há mais de 40 semanas fazendo um marco na historia da musica. Perez era linda e com uma simpatia única e não demorou para que se relacionasse com

as pessoas certas do mundo musical. A exposição mundial foi uma conseqüência de um

trabalho bem realizado com um time de sucesso que fazia parte da sua assessoria e da sua produção. Nada que envolvia Perez podia ser pequeno: Ela tinha vindo para ficar e

isso se comprovava com as cinqüenta mil vozes que ela ouvia gritar seu nome no estádio. Se levantou e saiu para o corredor do backstage ajeitando o short curtíssimo de couro e o top prata, a bota que ia até o meio da sua coxa era confortável o que possibilitaria dançar pelos primeiros vinte minutos até a primeira troca de roupa. Pegou

o microfone que Malika, sua assessora lhe estendia e se posicionou no elevador que a

levaria diretamente ao centro do palco. As luzes se apagaram e a magia da musica se

deu inicio.

O show teve uma duração de exatas duas horas. Perez saiu do palco ainda sentindo o

carinho que emanava das pessoas ali presentes. A apresentação inteira tinha sido

gravada pela MTV e seria transmitido para vários países. Os bastidores estavam cheio com toda a produção que aplaudia mais uma noite bem sucedida graças ao trabalho de cada membro ali presente. Perez aplaudiu junto com eles e saiu em direção ao seu camarim com o seu trio inseparável atrás: John, Malika e George.

- Perez você estava divina! Foi lindo demais…

- Teve uma hora que eu quase caí… – Falou rindo pegando uma garrafinha de água - Vocês viram quando…

- Ai está minha musa… – Se fez ouvir a voz de Richard namorado de Perez – Você estava linda, meu amor… Perez abraçou o namorado beijando sua boca de leve.

- Onde você ficou?

- Perto do palco escondido… Não queria que você se distraísse comigo…

- Perez hora de receber os fãs. Já tem uma fila ai na porta – Falou John abrindo um pouco a porta.

- Liberou muita gente?

- Não. – Respondeu George – Umas trinta pessoas por ai… Mas são todos de eventos promocionais de rádio.

- Me dá dez minutos e pode deixar o pessoal entrar…

- Claro.

Perez observou o trio sair e assim que ficou sozinha com Richard colocou uma presilha no cabelo para refrescar o pescoço um pouco.

- Você vai jantar comigo?

- Não – respondeu Richard se sentando em uma poltrona. – Tenho que ir para Florida. Vai ter um jogo da liga lá.

- O jogo não é amanha a noite?

- É, mas tenho que ir com o time ou o treinador me põe no banco. Só passei mesmo pra te dar um beijo e ver o show.

- Ok. Tenho que receber o pessoal agora… Te vejo quando?

- Você pode ir pra Miami amanha?

- Não… Ainda tenho algumas coisas agendadas aqui e em Santa Monica. Depois vou para Las Vegas.

- Depois do jogo o time da uma pausa de quatro dias. Vou pra casa. Se der aparece por lá.

- ok. Nos falamos depois então.

- Tchau, linda…

- Bye.

Perez olhou Richard sair e se virou para o espelho. Ele era um bem sucedido jogador de beisebol que jogava na liga principal. Haviam se conhecido em uma festa dada por uma patricinha-problema da alta sociedade há oito meses, mas os últimos encontros dos dois era sempre a mesma coisa: Estavam muito distantes para terem uma ligação mais intima. Não eram amantes, apenas sustentavam o turbulento namoro na mídia por questões que Richard não entendia muito bem, mas que Perez tinha total consciência. Soltou o cabelo novamente e ensaiou um sorriso ao ver a porta se abrir e os fãs entrarem. Havia grupos de quatro países diferentes e por mais que sempre tivesse que falar as mesmas coisas era gratificante ver o efeito que seu trabalho causava sobre as

pessoas. Depois de uma hora e meia saiu do estádio, mas não teve como despistar a multidão que esperava sua saída do lado de fora. Com dificuldade o carro abriu caminho entre os presentes e saiu em direção ao hotel onde uma festa particular com a produção estava sendo realizada. Perez entrou na suíte cumprimentando as pessoas que não estavam no estádio e se servindo de um copo de uísque que virou de uma vez viu uma bela ruiva conversando com alguns bailarinos.

- Quem é ela John? – Perguntou apontado a garota que conversava com a coreografa que também fazia parte do corpo de dança.

- Bailarina nova… Ela não dançou hoje. Entrou no grupo ontem…

- Quem saiu?

- Ninguém saiu… Foi idéia da Nick colocar mais dois dançarinos.

- Qual é o outro?

- Não está aqui. È um rapaz…

- Sem importância. – Cortou dando um sorriso enigmático – Qual o nome dela?

- Katherine.

- Hora de falar oi para a Kathy…

- Divirta-se.

Perez se serviu de mais uma dose de uísque e se encaminhou para a roda de bailarinos. Nick apresentou a garota ruiva de vinte poucos anos que era mais linda de perto e dando toda a atenção a ela sabia que teria um final de noite muito bem acompanhada.

CAPITULO 03

São Paulo

- Bom dia, meu anjo… – Fernanda disse dando um beijo no cabelo de Fabiana.

- Bom dia mãe, bom dia pai… – Respondeu a menina se sentando à mesa tomando o

café já preparado. – Mãe sabe no que eu estava pensando?

- Não. Me diga.

- Nas férias de julho… A Leila vai para a Inglaterra… Eu posso ir com ela – Falou

pausadamente.

-

Como? – Perguntou Fernanda rindo.

-

Mãe é serio…

-

Fabiana você viu o tamanho do absurdo que você está me pedindo?- Perguntou se

sentando ao lado do marido bebendo um copo de suco.

- Não é absurdo… Você viaja o mundo inteiro. Por que eu não posso ir? Eu já falo o

inglês fluente e a Leila também então não tem nenhum perigo de me perder ou qualquer coisa parecida… Deixa eu ir vai…

- Eu viajo muito por que esse é meu trabalho e depois eu tenho trinta e dois anos e você só tem quatorze.

- Mas eu sou muito mais esperta que muitas garotas de dezesseis…

- Quem mais vai com a Leila?

- O Tiaguinho e a Millena.

-

Nenhum adulto?

-

O Tiaguinho tem dezessete anos…

-

Eu falei adulto…

-

Ah! Mãe… Ir com a mãe dela, por exemplo? Para né!

-

Por que não?

-

Por que a Solange não vai deixar a gente fazer nada…

-

E o que vocês querem fazer lá?

-

Sair, se divertir…

- É por causa dessas diversões que eu não deixo você ir. Daqui a quatro anos você pode decidir o que fazer e pra onde ir… Por enquanto não…

- Pai… Por favor…

- Nós vamos conversar querida… Tem bastante tempo até lá… – Se pronunciou

Marcelo pela primeira vez.

- Marcelo… Marcelo…

- Tubo bem, meu amor… Eu vou levar a Fabiana para a escola e de lá vou para o

consultório.

- Eu já vou descer também – Falou Fernanda se levantando indo pegar a bolsa no sofá

da sala de TV.

- Mãe quando você vai viajar de novo?

- Na próxima quarta-feira.

- Pra onde você vai desta vez?

- Reykjavík.

-

Onde é isso?

-

Islândia.

-

Eu posso ir com você?

- Claro que não… Muito chato viajar com adultos – Respondeu em tom de ironia se encaminhando para a porta do apartamento.

- Como você é dura Fernanda… Falou Marcelo fechando a porta atrás de si – Você vai ficar quanto tempo desta vez?

- Acredito que cinco dias.

- ouvi dizer que eles comem cérebro de cabra. Vai ter coragem de provar?

- Nem me fala que já me dá enjôo… Pelo menos na frente das câmeras vou ter que

comer um pedacinho…

- Boa sorte mamãe… – Falou Fabiana debochada entrando no elevador.

- Que modos são esses mocinha?

- Você que não me deixa viajar…

- Como eu não te deixo viajar? Passamos um réveillon maravilhoso no Rio e o carnaval

no nordeste…

- Isso não é viajar… Ficamos no Brasil.

- E posso te assegurar que não existe em nenhum lugar do mundo melhores paisagens e culinária do que o Brasil.

- Não foi o que você disse na semana passada quando chegou da Itália.

- Fabiana chega! Você não vai pra Londres e pronto!

- Não é Londres!

- Onde é então?

- Não importa… Eu não vou mesmo… – Fabiana saiu pisando nos calcanhares assim que o elevador parou em direção ao carro do pai.

- Tá vendo Marcelo? Fica mimando ela demais e depois dá nisso. Quero ver como controlá-la quando estiver com dezessete anos…

- Ela só quer viajar com a amiguinha… Pode deixar que eu vou falar com ela… Tenha um ótimo dia no trabalho…

- Obrigada, lindo…

Fernanda deu um demorado beijo no marido e saiu em direção ao próprio carro. Amava

o marido mais que qualquer outra coisa além de sua filha, mas seu comportamento tão

maleável com Fabiana a tirava do serio. Pegou o transito pesado em direção a av. Paulista e trinta minutos depois deixou o carro na garagem do prédio subindo até o oitavo andar onde funcionava a redação do jornal que era transmitido semanalmente. O

programa Sábado Interativo era uma espécie de revista eletrônica que englobava todos os assuntos desde as principais noticias da semana como dicas de moda, beleza, curiosidades e fofocas da vida das celebridades. O quadro Viagem em 15 minutos mostrava os melhores lugares do mundo para viajar com dicas de hospedagens, passeios

e curiosidades culturais e era onde Fernanda entrava: À frente do quadro há dezoito

meses tinha viajado pelo globo fazendo matérias em mais de quarenta países mostrando seus costumes e cultura. Amava o que fazia, mas queria acompanhar mais de perto o desenvolvimento de Fabiana que cada dia parecia mais impossível. Era só uma questão

de tempo para que se tornasse ancora: Era bonita e inteligente requisitos principais para

o cargo.

- Bom dia Cely.

- Bom dia Nanda. Tem um aviso na sua mesa: Reunião geral da redação.

- Todo mundo? – Perguntou indo para sua mesa.

- Todo mundo é muita gente. Somente as que compõem o programa.

- Já entendi Cely. Obrigada. Que horas vai começar?

- Daqui a meia hora.

Fernanda andou até sua mesa pensando no que poderia ser essa reunião: Provavelmente uma avaliação sobre o desempenho e apresentação dos números, uma chatice que se repetia todo mês, mas ela não tinha com o que se preocupar: O quadro alcançava altos

pontos no ibope e ela era a primeira a se policiar quanto o perfeccionismo exigido pelo editor chefe. Pegou sua agenda de anotações, cumprimentou alguns colegas de trabalho

e foi para a sala de reuniões.

- Bom dia…

- Bom dia Nanda… Senta aqui… – Chamou Silvia que era mais que uma colega de

trabalho, uma amiga.

- Essas reuniões tão cedo em plena segunda me matam…

- Eu também não gosto… Você estava ótima sábado fazendo a chamada ao vivo.

- Gostou da matéria?

- Claro! A Grécia é linda e cá pra nos você sabe fazer qualquer palácio em ruínas parecer um final de semana em um SPA.

- Que exagero! Isso soa falso sabia?

- Eu sei… Vou ocupar seu lugar quando se tornar apresentadora.

- Sei – Falou Fernanda rindo da sinceridade da amiga – Deus te ouça…

- Você vai se tornar ancora logo… Tenho certeza que essa reunião vai trazer boas noticias.

- Bom então é só aguardar. Seu chefe está chegando.

Fernanda se arrumou na cadeira respondendo junto com os outros o cumprimento do editor chefe do programa. A primeira meia hora foi falando dos números que ela já conhecia e avaliando o desempenho do grupo. A bomba veio na segunda parte.

- Mas a reunião hoje tem um propósito diferente: nós vamos reformular o programa. A

partir do próximo mês ele vai ter cara nova, uma outra perspectiva para quem está assistindo. Vamos ter novos quadros com as opiniões que vocês nos deram durante o mês passado e algumas mudanças internas. A começar por você Fernanda que sai do viagem em quinze minutos. Vamos ter um quadro novo e quero sua total colaboração para que esse também seja um sucesso.

- E do que se trata? – Perguntou curiosa.

- Você vai entrevistar celebridades nacionais e internacionais. Toda semana um artista

diferente passando em lugares fora do seu ambiente de trabalho, como pessoas normais que podemos encontrar na padaria… Algumas vezes pode ser que fuja desse padrão, mas queremos nos centrar nesse aspecto.

- Sergio não creio que seja do meu perfil entrevistar celebridades… – Falou Fernanda contrariada – sempre trabalhei com documentários e cotidiano isso fugiria dos padrões…

- É exatamente isso que queremos Fernanda. Fugir dos padrões que o programa segue

mostrar visões diferentes… Vamos discutir as idéias detalhadamente depois, por ora

quem assume as viagens é você Silvia. Fernanda não deu atenção ao final da reunião. Poderia trabalhar em qualquer área, mas as celebridades eram um saco: Muito glamour, muito não me toque e não me pergunte e poucas palavras. As vezes por elas mesmo quando a fama tomava o lugar do cérebro outras por um batalhão de agentes, empresários, assessores que os mantinham em uma redoma de vidro.

- Vamos discutir os projetos individuais e por ora é isso… Bom trabalho a todos – falou

dando por encerrada a reunião de duas horas – Fernanda fique mais um pouco… Fernanda esperou sentada até que todos saíram da sala.

- Eu sei que você não curte fazer esse tipo de entrevista, mas coloque o quadro em entre os primeiros lugares e estará a um passo de se tornar ancora do programa. Me mostre o seu talento…

- Mesmo a contra gosto, não vou te decepcionar…

- Eu sei que não. A propósito daqui a duas semanas vai ocorrer o lançamento do

segundo álbum da Perez Mendes em Nova York e ela vai receber jornalistas para uma junket. Comece por ai. Ela é a sensação do momento.

- Ok. Vou estudá-la… Minha filha é fã dessa cantora e ela vai me ensinar muita coisa.

CAPITULO 04

Santa Barbara - Califórnia

Perez acordou com o sol batendo em seu rosto, mas o dia frio fez com que se encolhesse buscando o corpo quente ao seu lado. Passou a mão pela coxa firme subindo para o quadril definido por exercícios físicos, beijou o pescoço de Malika, sua assessora

fazendo com que acordasse.

- Bom dia, preguiçosa…

- Bom dia Perez… – Respondeu passando a mão no rosto da menina mulher soerguida

apoiada por um braço. – Por que tão cedo? Ainda é sua semana de folga…

- Não é tão cedo… Já são mais de duas da tarde e eu quero correr na praia mais tarde…

- Tudo bem… – Respondeu a morena se levantando da cama indo para o banheiro.

Perez ficou olhando a mulher a sua frente enquanto ela voltava do banheiro vestindo suas roupas. Adorava cada parte do corpo de Malika e se deliciava com tudo o que ela lhe proporcionava: Ela era uma mulher de poucas palavras e muita ação o que a tornava indispensável em sua assessoria e agora em sua cama. Casada há cinco anos com um advogado tinha assistido seu casamento entrar em colapso nos braços de Perez, mas isso não era importante: A garota na cama era sua maior importância naquele momento.

- Será que o John gravou o programa pra mim?

- Aquele brasileiro?

- Isso mesmo.

- Com certeza. Ele não iria te decepcionar.

- Pede pra ele trazer pra mim?

- Não ia correr na praia?

- Vou depois que eu assistir.

- Não consigo entender por que você gosta tanto desse programa…

- Um dia vou poder visitar todos os lugares que aquela jornalista passa sem me importar de estar disfarçada ou com uma agenda cheia…

- ok Perez… Não vou contra suas insanidades. Daqui a pouco eu venho fingir que vou

te acordar… – Malika falou lhe dando um longo beijo de língua – Até mais… Ah… Outra coisa – Disse parando no meio do caminho colocando o salto – A noite foi maravilhosa como sempre… Perez apenas assentiu com a cabeça ostentando um sorriso maroto. Malika saiu do quarto deixando-a com a visão do seu belo rebolado e o perfume natural de sua pele no ar. Deixou o corpo cair na cama novamente com os braços envolta da testa fazendo sombra deixando a mente vagar. Os lençóis desarrumados deixavam clara a noite de amor ensandecido que haviam vivido. O cheiro dela estava por todo o seu corpo e o gosto doce da boca ainda deliciavam seus lábios carnudos. Perez levantou se arrastando para o banheiro parando na frente do toucador olhando seu reflexo no espelho: Os olhos verdes estavam um pouco inchados do sono e o cabelo negro desalinhado caia até a cintura fina. A pele branca, ora rosada quando estava nervosa, mostrava alguns

arranhões do prazer vivido. Ali refletidos estava o sonho de metade dos homens da terra e o desejo de milhares de garotas através do globo: Pra ela apenas uma garota de vinte e quatro anos com muita sorte de ser quem era. Ouviu a porta do quarto se abrindo e a voz de Malika junto com John invadindo o quarto.

- Perez… Onde você está?

- No banheiro – Gritou escovando os dentes.

- Aconteceu alguma coisa para você acordar sem ninguém ter vindo te chamar? – Perguntou John se apoiando na entrada.

- Não… Perdi o sono… – Respondeu enxergando Malika um pouco atrás.

- A sua gravação está na própria TV. Se você quiser coloco agora… -Por favor… Meu café?

- Já pedi para trazerem…

Perez se sentou na poltrona ajeitando o roupão olhando a TV a sua frente. A tela se acendeu e o apresentador do Sábado Interativo invadiu seu quarto. Gostava de assistir

programas brasileiros para treinar o idioma. Sua avó era brasileira e desde pequena ela

lhe ensinara o língua e a gostar da cultura que lhe parecia tão distante e curiosa. Como não tinha com quem praticar desde que ela falecera, passara a assistir os canais internacionais voltados para a comunidade brasileira. Não perdia programas sobre temas alternativos como Fantástico e Domingo Espetacular. Gostava principalmente do Sábado Interativo, não por causa da sua estrutura e sim por causa do quadro sobre viagens. Com uma surpresa agradável viu a jornalista fazendo a chamada do quadro junto com o apresentador e depois as imagens da Grécia começaram a saltar em seus olhos: Um dos lugares mais lindos do mundo que tivera o prazer de conhecer durante a divulgação do seu primeiro álbum, tinha uma outra perspectiva sob o olhar de Fernanda.

- Pode deixar o carrinho aqui. – Pediu para Malika sem desviar sua atenção.

- Não sei por que gosta tanto desse programa. Pode se ver tudo no Travel e em inglês. Não entendo uma palavra do que essa mulher está dizendo…

- Quieta, Malika.

Perez se serviu de um copo de suco tirando um pedaço de brownie enquanto admirava Fernanda em frente do Palácio knossos na ilha de Creta falando sobre a historia do lugar. Já estivera ali, quando quase surtara George com um sumiço de um dia inteiro junto com uma bailarina. O que realmente queria ver era a jornalista que usava um jeans e uma baby-look: Lamentava os olhos que estavam escondidos pelos óculos escuros… Os belos olhos cor de mel… Perez jamais havia assumido sua orientação sexual e desde que se lembrava ouvia seu pai falar da corja suja que era os homossexuais. Quando criança não entendia o preconceito que seu pai destilava, mas com a adolescência entendeu que jamais seria como ele queria e para não decepcioná-lo escondeu de tudo e de todos. Com a chegada da fama se tornou impossível falar a verdade: Queria ser conhecida pelo seu trabalho e não pelo fato de com quem dormia. Tinha tidos muitos namorados desde então: Nenhum tinha durado mais que um ano e traía todos eles com mulheres. Sempre tomava o máximo de cuidado com quem se envolvia: qualquer

deslize ia parar na mídia e estava alcançando as grandes estrelas da musica: O que não precisava agora era de um escândalo para colocar tudo a perder, por isso tinha decidido que se apaixonaria por uma mulher que nunca veria pessoalmente, mas que pudesse ver na tela sempre que quisesse e um dia zapeando a TV esperando começar um filme brasileiro, vira Fernanda Costa, uma belíssima jornalista e decidiu que ela seria sua paixão platônica que nunca veria pessoalmente e que tinha certeza absoluta que nunca se concretizaria.

- Cadê o George? – Perguntou assim que a reportagem acabou.

- Foi para Nova York ontem ver os últimos detalhes dos seus compromissos lá. Alem das entrevistas e da gravação do novo vídeo você tem um show de TV para ir, um

almoço exclusivo com a Vogue e uma sessão de fotos. – Respondeu Malika saindo do closet com dois agasalhos na mão – Qual deles você quer?

- O preto…

- Quando que nos vamos?

- Amanhã cedo.

- Você disse que era minha semana de folga…

- E é. Termina daqui a doze horas…

Perez se limitou a olhá-la sufocando a vontade de disparar um palavrão. Pegou o

agasalho e entrou no banheiro trancando a porta e minutos depois saiu da sua casa em Santa Barbara acompanhada de John e dois seguranças.

- Você dormiu com a Malika novamente não foi? - Perguntou John correndo ao seu lado.

- Por que a pergunta?

- Te conheço Perez e ela não consegue deixar marcas discretas em você.

- Ta aparecendo muito?

- Não. Você não sabe esconder alguma coisa…

- John, seu chato! Não se preocupe… Ela pode ser controladora, mas gosto do jeito dela.

- Só toma cuidado… Ela é casada e você conhece o Michel…

- Eu sei… Não vai ter problemas…

- Espero senão vou ter que encobrir mais uma das suas loucuras e a Malika é minha amiga. O George vai ter um infarto quando souber…

- Ele não vai saber… Relaxa. Estou fazendo a coisa certa.

- É isso que me assusta…

São Paulo

- Fabiana vem aqui na sala… – Chamou Fernanda na escada jogando a bolsa no sofá da

sala de estar. – Preciso falar algo serio com você…

- O que foi mãe? – Perguntou a menina com a respiração ofegante pela subida correndo.

- Eu sai do viagem em quinze minutos – Falou indo para a cozinha se servindo de água.

- Você foi demitida? O que aconteceu?

- Não falei que fui demitida, Fabi… Eu sai do quadro e vou começar a apresentar um novo.

- Ah sim… Pensei que tinha sido mandada embora…

- Não… Nada disso… Vou começar a entrevistar celebridades…

- Que legal!

- Minha primeira entrevista vai ser em Nova York – Começou escolhendo as palavras – Daqui a quinze dias…

- E quem vai ser?

- Te dou um doce se você adivinhar…

- Alguém de Hollywood?

- Não… Cantora…

- Mentira mãe… Você não vai… A…

- Perez Mendes.

- Mãe você vai me levar junto não vai? – Começou a menina em tom de desespero –

você tem que me levar junto… Senão eu vou ter um infarto!

- Eu vou trabalhar Fabiana… O que eu quero mesmo é que você me conte tudo sobre

ela…

- Mãe você tem que me levar… É a Perez!

- Eu vou ver o que posso fazer. Vou conversar com seu pai sobre isso, por hora me

conte tudo o que você souber sobre ela…

- Ela tem vinte e quatro anos nascida no estado de Ohio, mas a mãe mudou para Nova York quando ela era crian… – Disparou em falar.

- Depois você me conta Fabiana… O que você souber sobre o novo Cd também…

- Pode deixar mãe, Vou preparar um dossiê se você me prometer levar junto.

- Não vou te prometer, mas vou ver o que posso fazer…

Fernanda sorriu e desceu as escadas do apartamento para o quarto no segundo piso carregando a bolsa e o salto na mão. Jogou tudo em um canto do closet e tirou o casaco de two-way risca de giz colocando sobre a poltrona do quarto. Pensava no trabalho e na mudança que tinha ocorrido de forma tão rápida e sem nenhum aviso prévio: Teria que se adaptar a uma nova forma de trabalhar e não via com muito entusiasmo a não ser pela promessa de se tornar ancora. Queria se livrar das viagens o que não aconteceria por tão cedo já que teria que ir para o Rio com certa freqüência. Tirou a roupa entrando no Box

e deixou a água quente percorrer seu corpo. Não soube precisar quanto tempo ficou com

a cabeça apoiada no vidro com os olhos fechados. Se assustou quando o marido puxou a porta.

- Oi Marcelo… Chegou mais cedo…

- Tive as duas ultimas consultas canceladas… Um golpe de sorte – Falou tirando as

próprias roupas se juntando a esposa. - Parecia distraída… Aconteceu alguma coisa?

- Aconteceu… Sai do viagem em quinze minutos.

- Você vai parar de viajar então? Não era isso que queria?

- Sim e não. Quero parar de viajar por causa da Fabiana e de você, mas eu gostava do que fazia… E de qualquer forma vou continuar viajando…

- O que você vai fazer agora?

- Um quadro de entrevistas com celebridades…

- Boa sorte – Falou debochado. Sabia que a esposa não gostava.

- Não zombe de mim… – Falou Fernanda rindo jogando água em seu rosto – Sabe que

nunca gostei desse tipo de entrevista…

- Eu sei, mas vai se sair bem… Isso tem algo a ver com o fato da sua filha estar subindo

pelas paredes?

- Tem. Vou entrevistar Perez Mendes na próxima quinzena.

- Ela vai te deixar maluca até lá… Você sabe né?

- Eu sei… Mas preciso da ajuda dela… Quem mais pra saber tudo sobre essa cantora…

– Falou Fernanda jogando sabonete liquido na mão passando pelo corpo de Marcelo de forma sedutora – Quer que eu continue?

- Claro… – Respondeu já com indícios da rouquidão da excitação.

- Assim? - Perguntou Fernanda com um risinho mordendo o lábio do marido

massageando o membro que começava a ficar teso.

- Ah… Nanda… – Marcelo colocou a mulher contra o vidro levantando sua perna

encaixando na sua cintura – Assim… Fernanda beijou Marcelo subindo em seu corpo se encaixando deixando a mágica do amor que sentiam acontecer novamente.

- Aqui está todas as informações que conseguimos juntar – Falou Julia sua mais nova assistente – Tem outras coisas no seu e-mail também.

- Obrigada - Agradeceu Fernanda pegando a pasta de couro da mão da moça com traços orientais – E sobre o novo Cd?

- As informações do e-mail são. Mandados pela produção dela.

- Obrigada Julia. Já está tudo certo? Passagens, hospedagem…

- Tudo. O Eduardo vai ser o cinegrafista e eu sua assistente… Como sempre…

- Você vai chegar lá… – Falou Fernanda com um sorriso afável.

- Estou contando com isso…

Fernanda se sentou na sua mesa para analisar o e-mail que Julia mencionara. Iriam

viajar naquela noite e tudo tinha que estar em ordem para a entrevista que seria no dia seguinte. Iam ficar dois dias em Nova York: Um para a entrevista e o outro para começar a editar e pegar o vôo de volta na parte da tarde. Na manha do sábado tinha que estar de volta para cumprir o que havia prometido a Fabiana após uma hora de choro:

Dois dias para que ela fizesse o que queria e a viagem para a Inglaterra liberada. Terminou de repassar tudo e pegou a mala junto com o material de trabalho saindo para

o aeroporto com o Julia e Eduardo.

Nova York

Perez desceu do avião observando as pessoas que cuidavam do seu translado. Tudo estava sendo filmado para ser incluído no DVD que lançaria. Desceu acompanhada de John e Malika, George vinha atrás com mais duas assistentes pessoais. Havia um esquema especial de segurança montado e no fim das escadas dois dos seus guarda- costas particulares olhavam tudo em alerta. Uma pequena multidão estava dentro do aeroporto esperando sua passagem: Eram fãs, fotógrafos, televisão e toda a sorte de repórteres. Se sentia como uma artista de circo em um picadeiro e de fato era: Todos estavam ali por sua causa. Terminou a descida cumprimentando todos ao seu redor e caminhou para a entrada da área reservada para ela. Os seguranças abriram a porta segurando as pessoas alvoroçadas por um toque ou um sorriso de Perez. Conseguir um

autógrafo dela naquela confusão era algo para se guardar como uma relíquia. Perez tirou fotos junto com os fãs, fez poses para as câmeras que a cegavam com seus flashes e autografou varias fotos e Cds que chegavam a sua mão. Nunca dizia não a um fã afinal ela não era nada sem eles. Depois de meia hora alcançou a sala Vip e a equipe que filmava para o DVD entrou junto com ela.

- Vocês viram aquilo? - Perguntou segurando a câmera perto do rosto – Vocês viram

aquilo? Cara que fantástico! Perez soltou a câmera e tirou o casaco de Cashmere entregando para uma assistente de George.

- Qual vai ser a programação de hoje? – Perguntou se servindo de água.

- As onze da manha você vai gravar com a MTV, à uma da tarde vai almoçar com a

Vogue, as três vai fazer uma gravação no programa da Ellen pela internet e às cinco da tarde começa a coletiva.

- E depois disso?

- Você não é de ferro e vai descansar… Coisa boa não acha?

- Obrigada por me lembrar disso George… Qual a festa mais badalada de Nova York?

- Sem festas Perez. Amanha você começa a gravar o novo videoclipe…

- Por isso mesmo… Já vou estar no clima… Relaxa George… O Richard está a

quilômetros de distancia e eu quero me divertir muito… Perez deu uma piscadinha na direção do seu empresário e colocou os óculos escuros saindo em direção ao local onde o carro estava esperando. Vinte minutos depois chegaram na frente do hotel que ficaria. Perez já era uma freqüentadora regular daquele lugar, já que passava muito tempo na cidade. Havia feito planos de comprar um apartamento, mas ainda não havia se decidido por nada. George desceu com Malika e o carro deu a volta no quarteirão parando na porta dos fundos já que alguns fãs faziam campana na frente do hotel com faixas e cartazes exibindo suas fotos. Cumprimentou os funcionários do lugar que encontrou pelo caminho, algo que sua mãe sempre lhe

exortara nunca deixar de fazer e subiu para a suíte com duas salas de estar, sala de café

e jantar alem do quarto principal e um jardim interno. A vista de 360º de Manhattan

deixava o Central Park e a estatua da liberdade a distancia acentuando a beleza da cidade em que ela crescera. George já estava esperando-a com mais dez pessoas que ela soube ser da produção da turnê mundial que começaria em algumas semanas. Ainda sentindo a onda de calor humano que sempre sentia quando tinha um contato direto com

o publico saiu para o balcão aspirando o ar gelado da cidade que fazia cinco graus e

acenou para os fãs que faziam uma pequena algazarra pela seu gesto. Depois do café da

manha seguiu para cumprir a agenda: Se divertiu com o pessoal da MTV, jogou conversa fora no almoço com jornalistas da Vogue que tinham pagado por exclusividade e de lá voltou para o Four Seasons para conversar com Ellen através de

uma câmera instalada na sala de estar do hotel. Adorava aquele show e era sempre um prazer revê-la. Pontualmente as cinco da tarde estava no The Waldorf-Astoria hotel sendo maquiada para a coletiva.

Fernanda entrou no hotel mostrando sua credencial de jornalista. Foi encaminhada para

o décimo sexto andar que fora totalmente fechado para a junket de Perez Mendes.

Assim que o elevador parou saiu junto com Eduardo e Julia que carregavam uma mala de equipamentos. Foi recebida por uma mulher usando um terninho preto onde sua identificação mostrava que era da produção da cantora. Andando pelo lugar ela pode contar mentalmente pelo menos vinte equipes de repórteres vindos de todas as partes do mundo. Em um quarto havia uma recepção para os jornalistas com uma mesa farta de comidas e em outros uma infinidades de recomendações que ela descobriu passando por cada lugar que fora encaminhada: nada de perguntas sobre o passado antes da fama da cantora, nada de perguntas sobre a vida amorosa da cantora, nada de perguntas sobre a vida pessoal da cantora, nada de perguntas que não fosse o lançamento do novo álbum da cantora. Nada, nada e nada. “Minha primeira entrevista vai ser uma droga” Pensou ao ser informada que seria a ultima a entrar para falar com Perez. Fernanda esperou pacientemente durante seis horas comendo quitutes e conversando com outros

jornalistas. Conheceu uma equipe da Austrália, outra da Argentina, um jornalista Suécia

e outro da Espanha. Uma equipe da Alemanha seria antes dela, mesmo que ficasse

esperando por horas a fio ali estava uma ótima oportunidade de se fazer contatos. A

equipe alemã foi chamada e ela foi para um banheiro retocar a maquiagem para ser a próxima. Meia hora depois foi conduzida a uma sala onde uma assessora de Perez a esperava.

- Boa noite. Meu nome é Sra. Smith e você é… – Malika parou de falar ao encarar a jornalista a sua frente – Já nos conhecemos? Seu rosto não me parece estranho…

- Não… Acredito que nunca tenhamos nos visto pessoalmente…

- Talvez não. – Falou retomando a seriedade – Seu tempo é de quinze minutos. Tem

cinco para terminar de adequar o equipamento e apresentações e mais dez de gravação. Finalizando esse tempo a câmera será desligada e Perez se retira até que você já tenha saído. Como você é a ultima equipe e ela não retornara tem o tempo que quiser para sair… Alguma pergunta? “Sim. O presidente está ai dentro?” Teve vontade de perguntar, mas em voz alta apenas

disse:

- Não.

- Pode me acompanhar, por favor?

- Claro…

Fernanda saiu atrás da Sra. Smith com um estranho frio na barriga “Fabiana seria capaz

de dar a vida por um momento como esse” pensou risonha. Tentando se lembrar do Monte de recomendações que recebera entrou na suíte onde Perez estava: O lugar fora totalmente mudado para recebê-la assim como os outros quartos pelo qual passara: Uma confortável Chaise long estava a um canto e uma poltrona de veludo estava na outra extremidade separada por um aparador do século XVIII, uma cadeira mais afastada indicava que sentaria ali. Atrás uma imensa foto com a capa do novo álbum mostrava Perez Mendes usando um vestido dourado que fazia uma combinação belíssima com seu bronzeado. O cabelo esvoaçante e o olhar verde penetrante davam um charme a mais deixando a capa extremamente sensual sem apelar um milímetro para a vulgaridade. Imaginou onde Fabiana enfiaria uma foto daquele tamanho em seu quarto. O equipamento de filmagem já estava montado e Eduardo dava apenas uns retoques. Perez apareceu na porta que dava para outro quarto de acesso falando com um homem de

aproximadamente trinta anos usando roupas esportivas.

- …Para com isso John! Vamos terminar aqui e depois vamos se divertir na noite…

Perez estava usando uma boina branca combinando com o casaco curto de lã que terminava abaixo do seu busto deixando de fora a barriguinha sarada. A calça jeans cintura baixa com um belo par de botas completava o conjunto de deixar qualquer mulher morta de raiva e os homens alvoroçados. Fernanda ensaiou um sorriso

esperando que a cantora a visse e no mínimo cumprimentasse.

- Vamos começar então? – Perguntou Perez se sentando na poltrona ajeitando o

microfone distraída.

- Claro – Respondeu Fernanda se adiantando – Meu nome é Fernanda Costa. Sou da TV

CTB. Perez levantou os olhos para a mulher a sua frente com um frio na barriga. Parecia irreal que aquela beldade saída das ruínas gregas da ultima reportagem que assistira estava parada na sua frente em pé lhe estendendo a mão. Sentiu o coração disparar e uma estranha dor no estomago. As palavras vieram a sua boca, mas não conseguiu pronunciar uma única coisa a não ser admirá-la.

CAPITULO 06

Fernanda recolheu a mão olhando para Eduardo fazendo uma imperceptível careta. Imaginava que a garota fosse mimada ou nojentinha, mas não a tal ponto de não responder um simples boa noite. Andou até a cadeira em que sentaria olhando os papeis em sua mão: Estava odiando estar naquela situação. Malika trocou um olhar surpreso com John e George. Estavam os três sentados em um

canto da sala vendo o desenrolar da ultima entrevista: Não era o perfil de Perez ignorar nenhum jornalista, mas a grosseria que ela tinha feito com a mulher loira sentada a sua frente era de se espantar.

- Eu tenho a impressão que já a conheço… – Pensou Malika em voz alta.

- Claro que a conhece… – Respondeu John – É a jornalista daquele programa que ela adora… Aquele das viagens…

- É verdade… É ela mesma…

Perez ainda olhava Fernanda sem reação alguma. Ela era muito mais linda pessoalmente

que na tela da TV. O casaco de couro marrom que ela usava contrastando com o dourado dos seus cabelos que caiam majestosos sobre os ombros davam um brilho a

mais na sua beleza clássica e o seu olhar concentrado naquilo que fazia. O jeito como ela sentou na sua frente cruzando as pernas apoiando o braço no descanso da cadeira e a forma como ajeitou o cabelo era fantástico… Podia ficar horas sentada ali apenas admirando cada pequeno gesto que ela fizesse, mas a luz da câmera se acendeu e o câmera começou a contagem regressiva de cinco para começar a gravar. Somente com a forte claridade é que teve um estalo do seu estado hipnótico.

- Que grosseria a minha Fernanda! – Começou a falar em um Portunhol carregado de

sotaque – Me desculpe é que… Eu fiquei surpresa… Não imaginava que você fosse a jornalista brasileira… Fernanda olhou para a garota se levantando indo em sua direção sem entender muita coisa. Se levantou novamente enquanto ela continuava a falar. -… Eu assisto ao programa e não acho que isso seja um roteiro de viagem…

Fernanda trocou um olhar com Eduardo querendo chamar Perez de louca ou desvairada adjetivos que se encaixavam bem nela enquanto a cumprimentava dando dois beijinhos na face.

- E não é mesmo… Estou trabalhando com entrevistas agora…

- Uma pena que não vou poder te ver mais em lugares tão lindos como a Grécia…

- Minha penúltima entrevista que foi ao ar… – Comentou Fernanda lamentando dois minutos do seu tempo perdidos – Onde você aprendeu a falar o português?

- Minha avó era brasileira… Ela me ensinou o idioma e eu sempre gostei de ver a

programação brasileira para treinar…

- Alguma referencia brasileira no seu novo álbum?

- Ele é uma mistura de todos os gêneros que gosto de ouvir. Você encontra algumas musicas com um ritmo um pouco mais country e outras mais… – Perez respondeu a

pergunta analisando a forma como ela arqueava uma sobrancelha para prestar atenção ao que ela dizia -… Basicamente isso…

- A faixa On the Road é um desabafo pessoal?

- Todas as musicas são…. Mas essa em especifico tem um significado especial pra mim… Passo muito tempo na estrada então a saudade é inevitável… – Mais uma

pergunta respondida e a única coisa que ela via era os olhos cor de mel que se estreitavam analisando seu rosto.

- Uma autobiografia musical?

- Um pouco…

- Ele também fala sobre algumas dificuldades em arrumar um amor verdadeiro… Isso vale para uma pessoa como você?

- Como assim?

- Você ficou entre as dez pessoas mais bonitas do mundo pela revista People…

- Não é tão fácil quanto parece – Respondeu com um sorriso enigmático – Pode

acreditar em mim… Beleza não ajuda em nada…

- Então conte seu segredo para as brasileiras: Como manter esse corpão?

- Você deve saber… Respondeu seria e com toda a sinceridade – Você é linda…

- Falando serio… – Falou Fernanda sustentando o sorriso – Qual o seu segredo?

Perez não soube precisar se respondeu sobre ioga ou dança, pois o sorriso que Fernanda

exibia tirou toda a sua atenção… Ela tinha que ter algum defeito…

- Deixe uma mensagem para os seus fãs brasileiros…

Perez olhou para a câmera exibindo um belo sorriso:

- Olá Brasil… Obrigada pelo carinho… Espero em breve estarmos mais próximos…

Adoro vocês… – Finalizou jogando um beijo para a câmera.

- O tempo acabou – Falou Malika se levantando de onde estava.

- Você é a ultima equipe de jornalistas não é? – Perguntou Perez para Fernanda, mas

não esperou sua resposta – Pra que a pressa? Não vou fazer nada depois mesmo… Estou

proibida de sair… Papai George não deixa. Fernanda riu da forma como ela fez seu ultimo comentário apontando para seu empresário.

- O que mais você quer saber?- Perguntou se dirigindo a Fernanda.

- O Brasil está incluído na sua turnê mundial?

- Ainda está em negociação… Não é George?

- Sim. Ainda estamos negociando…

Fernanda fez perguntas por mais quinze minutos com uma entusiasmada Perez Mendes.

A impressão que ela tinha tido no inicio fora totalmente dissipado. Talvez a garota só fosse meio distraída mesmo, mas a produção dela estava de parabéns: Tudo saíra exatamente como o combinado com horários cumpridos religiosamente e tudo na ordem a não ser o pequeno surto que Perez deu em continuar a entrevista por mais tempo, mas Fernanda como boa observadora soube pela postura de George que era o momento de parar.

- Ok – Falou Fernanda para Eduardo – Acredito que já temos um material

maravilhoso…

- Ah… Não… Agora que nossa conversa estava ficando interessante… – Falou Perez

sem nem ter noção sobre o que falavam. Queria mesmo era ficar perto dela – Mais um pouquinho…

- Já deu seu horário Perez – Falou George ajudando a tirar o microfone da cantora – Temos que voltar para o hotel…

- Fernanda o que você vai fazer depois daqui?

- Vou descansar da viagem… Ainda não tive a oportunidade.

- Que tal sairmos para jantar? – Perguntou Perez esperançosa.

- Perez você é de uma gentileza impressionante – Falou Fernanda se aproximando

depois de tirar o microfone – A entrevista foi ótima e eu quero te pedir um autógrafo.

Minha filha tem quatorze anos e é uma fã apaixonada do seu trabalho…

- Claro. – Respondeu tirando a boina da cabeça ajeitando o cabelo – Me dá uma caneta Malika. Qual o nome dela?

- Fabiana.

- Aqui… Mostre a ela que é a mesma que usei na entrevista… – Falou entregando o

chapéu autografado.

- Nossa… Ela vai guardar isto como uma relíquia – Respondeu Fernanda rindo.

- Uma filha de quatorze anos? – Perguntou séria. Sabia que ela tinha algum defeito!

- Sim… Meu pequeno tesouro…

- Você não me parece do tipo precoce. Te dou vinte e cinco, vinte e seis anos…

- Fico lisonjeada, mas já passei da casa dos trinta.

- Não parece mesmo… Você é casada?

- Há quatorze anos também…

- Perez! – Chamou George – O carro já está te esperando. Você vai sair pela frente.

- Nosso jantar?

- Eu agradeço o convite, mas vou ter que recusar Perez. Tenho que descansar hoje e começar a edição amanha. Foi um prazer imenso conhecê-la.

- O prazer foi todo meu… Pode ter certeza disso…

Perez deu três passos para trás ainda encarando Fernanda. Virou e saiu apressada para a

outra suíte encontrando Malika no corredor.

- Podemos ir agora?

Perez não respondeu nada indo atrás de John. Conhecer a jornalista pessoalmente havia mexido com seus mais delirantes desejos. Só não esperava um casamento de quatorze anos e uma filha fruto desse amor. Tinha percebido o olhar perdido e o carinho na voz ao falar da sua família.

- John não vamos sair mais hoje…

- Algum problema Perez? – Perguntou o homem saindo em seu encalço junto com

Malika.

- Não. Cadê a porra do elevador? – Perguntou nervosa andando sem rumo.

- Por aqui Perez… – Falou Malika percebendo o estado de espírito da garota.

- Meus óculos escuros está com você John?

- Está aqui.

Perez colocou os óculos no elevador e passou rápida pelos fotógrafos que a esperavam:

Estava sem a mínima vontade de sorrir para as lentes. Entrou no carro muda e assim foi

até o hotel. Abriu a boca somente par pedir para ficar sozinha. Entrou na suíte andando de um lado para outro pensando em uma forma de encontrar Fernanda novamente. Discou para John.

- Preciso saber onde a equipe de TV brasileira está hospedada. Consegue isso pra mim? … Vou esperar… Obrigada…

Perez desligou o telefone se encaminhando para a janela do hotel observando a cidade

que se estendia sob a neve que começava a cair. O Central Park todo iluminado dava um charme a mais naquela exuberante vista. Sabia que em algum lugar daquela cidade estava a loira que estava mexendo com sua sanidade. Não ouviu Malika entrar na suíte indo em sua direção.

- Alguma coisa a perturba?

- Nada com que tenha que se preocupar…

- Percebi que não… É a jornalista brasileira não é?

- Malika eu… foi estranho vê-la na minha frente…

- Achei que você assistisse ao programa por que gostava das reportagens não da repórter…

- O Richard ligou? – Perguntou mudando de assunto. Não queria falar sobre a Fernanda com ela.

- Ligou. Ganharam o jogo.

- Não importa…

- Tudo pela aparência não é Perez?

- Não quero falar sobre isso…

- Ok… Vem cá… – Falou a morena a abraçando por trás – Eu sei do que você precisa agora…

- O John está subindo… – Respondeu se virando abraçando a mulher a sua frente beijando-a – e eu quero ficar sozinha hoje…

- Tudo bem… Sabe qual é meu quarto se resolver mudar de idéia…

- Eu sei….

Malika saiu da suíte sob o olhar de Perez que tirava o casaquinho jogando-o no sofá de couro. Se serviu de uma dose de Scotch virando em apenas um gole. Se serviu de mais

uma dose e levou a garrafa depositando-a encima do piano de cauda e dedilhando algumas notas deixou a mente vagar. Iria encontrar Fernanda de qualquer jeito.

CAPITULO 07

Fernanda acordou cedo para trabalhar na gravação do dia anterior. Pediu café da manha para três e chamou Eduardo para o quarto que dividia com Julia. O tempo não amanheceu dos melhores: Uma forte nevasca cobria a cidade deixando Fernanda inebriada com a beleza que se estendia na sua janela. Já tinha estado na neve muitas vezes antes, mas era sempre prazeroso ver como os flocos pareciam lãs em uma delicada decoração de natal.

- Já imaginou como ficaria a Av. Paulista coberta de neve? – Perguntou para Julia que se postou a seu lado.

- Cheia de mendigos mortos… Não iam agüentar o frio…

- Não corta meu barato Julia… – Respondeu Fernanda fazendo uma careta se afastando da janela – Estou falando em paisagens… Em contemplar aquele caos de concreto de outro modo…

- Eu entendi… É que eu sou muito humanista… – Respondeu a garota indo em seu encalço – Vai ficar de pijama o dia inteiro?

- Por que não? Só vou trocar de roupa na hora de ir para o aeroporto…

- Você é quem sabe…

- Ei garotas! – Chamou Eduardo – Dêem uma olhada nisto.

Fernanda e Julia se posicionaram na frente da TV para assistir o noticiário que

informava sobre o mau tempo e o fechamento dos aeroportos pela má visibilidade.

- Era só o que faltava…

- Você vai ficar de pijama até amanha? – Tornou a perguntar Julia rindo.

- Vamos trabalhar… Temos um vôo às seis da tarde… Torçam para que o tempo esteja

bom… Fernanda sentou na frente do notebook colocando a gravação para rodar. Alguma coisa na postura de Perez Mendes a intrigava: Ela tinha um olhar hipnotizador e palavras bem colocadas com um toque suave na voz. O modo como ela sorria era incrível.

- Não imaginava que era tão perfeccionista. É a terceira vez que assiste essa

entrevista… – Observou sua assistente se sentando ao seu lado.

- Ela meio que hipnotiza as pessoas… Estranho né?

- Ela é Perez Mendes… Hipnotiza qualquer um…

- Nem todo mundo… Existem muitas comunidades no Orkut de eu odeio Perez Mendes,

por exemplo…

- Um bando de invejosos querendo ser como ela… – Respondeu a garota enquanto batiam na porta.

- Você pediu alguma coisa?

- Não.

- Você pediu alguma coisa Eduardo?

- Não. Vou ver quem é… - Respondeu o homem se levantando da poltrona indo em

direção a porta. Fernanda voltou sua atenção para o computador a sua frente deixando a gravação rolar

anotando os trechos que julgava mais importantes.

- Ela canta muito bem…

- E tem uma simpatia incrível… Na hora que eu entrei na suíte ela me pareceu um pouco avoada, mas depois começamos a conversar e…

- Nanda… – Chamou Eduardo.

- O que é? - Perguntou enquanto se abaixava pegando a caneta que tinha caído.

- Você tem visita…

Fernanda levantou os olhos junto com o cutucão que Julia lhe dava. Perez estava parada no arco de entrada olhando fixamente pra ela usando um deslumbrante casaco de couro até o joelho completado por botas de salto alto. Por uma fração de segundo não soube o que dizer.

- Perez! – Exclamou Fernanda se levantando cumprimentando-a – Que surpresa! Por favor… Entre…

- Obrigada…

Perez passou por Fernanda e esta fez uma careta muda gesticulando para Eduardo perguntando o que ela estava fazendo ali que respondeu dando ombros.

- A que devo a sua visita?E… E como soube meu hotel? – Perguntou desconcertada.

- O John me ajudou a descobrir – Respondeu Perez parando ao lado do computador que

estava pausado em seu rosto – E eu não acho que a entrevista tenha ficado boa… Não depois da gafe que eu dei…

- Perez imagina… A gravação ficou ótima tanto que está me dando trabalho editar… Não vai ser necessário… e quanto a sua “gafe” nos vamos editar…

- Eu sei que vão… Não quero que você fique com uma má impressão minha…

- De maneira nenhuma… O Eduardo você já viu na gravação… Essa é a Julia minha assistente.

- Prazer em conhecê-la Julia. – Cumprimentou estendendo a mão.

- O prazer é todo meu… – Respondeu a garota tão perdida quanto Fernanda.

- E onde está seu exercito de assessores?

- Ahh Dei um Grito de liberdade hoje… – Respondeu sorrindo – Precisava sair

sozinha… Quero dizer sozinha mais ou menos… Tem dois seguranças ai na porta.

Estava trabalhando na entrevista?

- Sim – Respondeu Fernanda indo para o seu lado – Tenho que assistir algumas vezes e ver as melhores e mais importantes partes…

- Sei… É sua filha? – Perguntou apontando para uma foto pequena de Fabiana ao lado do note.

- Sim… É ela. Minha pequena…

- Tem mais fotos dela? Ela já deve estar bem maior do que essa foto…

- Com certeza… Nessa ela tinha doze anos… Tá aqui no computador…

Perez deu espaço para que Fernanda se abaixasse mexendo no computador. Não pode deixar de perceber a protuberância dos seios que apareceram no decote largo do pijama que ela usava.

- Essa daqui é do carnaval deste ano. Minha favorita.

- Ela parece uma miniatura sua. Seu marido? – Perguntou do homem sorridente que

aparecia ao lado da menina.

-

Sim… O nome dele é Marcelo…

-

Você o ama?

-

como?

-

Você o ama?

-

Sim… Eu o amo. Muito…

-

Eu acho que já fui inconveniente o suficiente e eu tenho uma gravação mais tarde… –

Falou Perez desviando sua atenção da foto se encaminhando para a porta.

- Sobre o que é? – Perguntou Fernanda deixando sua curiosidade de jornalista falar mais alto.

- Um novo vídeo; Da segunda musica de trabalho do novo álbum…

- Qual musica vai ser?

- In your arms… Vamos?

- Ah não… Agradeço, mas não posso… – Respondeu Fernanda olhando pela janela –

Tenho um vôo às seis da tarde e tenho que terminar a edição…

- Do jeito que está o tempo duvido que algum avião decole do JFK hoje…

- É… Está um pouco ruim mesmo…

- Um pouco é muita bondade sua… eu espero você colocar uma roupa confortável…

-

Eu…

-

Eu vou ajudá-la – Se prontificou Julia empurrando Fernanda para dentro do quarto

principal fechando a porta.

- O que você está fazendo?- perguntou Fernanda baixinho – Essa mulher é maluca! E eu

preciso editar…

- Lógico que você vai sair com ela… Não percebe o tamanho da oportunidade que caiu em suas mãos?Deixa tudo que eu me entendo com o Eduardo

- Eu não vou usar da boa fé da garota para arrancar informações dela…

- E por que não? Pode ser a ultima vez que você a vê. Aproveite!

-

Não sei não…

-

Ela é lésbica?

-

Como?

-

Ela é lésbica?

-

Por quê? – Perguntou Fernanda rindo.

-

Sei lá… Toda aquela simpatia por você ontem e hoje ela vem aqui querendo um

encontro.

- Encontro? Tá maluca também?Respondendo a sua pergunta ela não é lesbica… Ela

namora um jogador de beisebol… Ela é maluca isso sim e outra se ela gostasse de

mulher minha filha saberia… Ninguém sabe mais coisas da Perez que a Fabiana… O que você acha dessa calça com essa blusa?

Perez sentou no sofá esperando que Fernanda aparecesse logo. Eduardo tentava conversar alguma coisa com ela, mas não estava interessada em ficar apenas sentada esperando. Como tinha previsto no dia anterior não tinha conseguido ficar sem vê-la e, mas tinha certeza de outra coisa também: Estava brincando com fogo. Era obvio que Fernanda não gostava de mulher e ainda por cima era jornalista. Talvez estivesse perdendo a razão como John alertara. Identificou George que ligava no seu celular.

- Perez onde você se meteu? – Ouviu a voz do homem serio.

- Sai para dar uma volta…

- O vídeo vai começar a ser gravado daqui a três horas…

- Vou estar lá… Pode ir sem mim.

- Não vai me dar um furo Perez…

- Pode deixar… – Respondeu Perez indo até a janela com a mão no boldo da calça –

Ah… George outra coisa… A jornalista… O acesso do quarto se abriu e Fernanda apareceu usando uma blusa de lã grossa que

deixava seus ombros sedutoramente de fora o cabelo preso em um charmoso coque e o salto completavam a mais bela visão que Perez teve naquele dia. Tirou o telefone da orelha admirando a mulher a sua frente que dava recomendações a sua assistente. Desligou sem completar o que dizia para George.

- Nossa… Que… Que blusa linda – Falou querendo dizer que ela estava linda.

- Obrigada – Fernanda respondeu com um sorriso – Onde vai ser a gravação?

- Eu não sei… O George sabe. Acredito que ele já tenha passado para o motorista.

- Quando você quiser ir…

- Vamos então… Foi um prazer revê-los.

- O prazer foi nosso. – Respondeu Julia e Eduardo em tom uníssono.

Fernanda saiu do quarto se encaminhando para o elevador com Perez e seus seguranças

em seu encalço.

- Você já sabe qual é o conceito do novo vídeo?

- Na verdade eu menti pra você… – Respondeu Perez com um brilho no olhar e um

sorriso sapeca.

- Como assim?

- Eu vou gravar mesmo, mas ser somente às duas da tarde…

- Perez… São onze horas da manhã…

- Eu sei… Que tal tomarmos um café enquanto não dá a hora de gravar?

- Um café?

- Acompanhando de alguma iguaria para comermos… Detesto ouvir não…

- É assim que consegue tudo o que quer não é?

- Mais ou menos…

- Perez eu não quero que me leve a mal se eu falar algo ou fizer algo que te desagrade…

De todas as pessoas que eu entrevistei até hoje você foi a primeira que apareceu em pé na minha sala no outro dia…

- Eu sei que achou estranho…

- Não foi isso que eu quis dizer… É que…

- Sabe por que eu tive aquela reação quando eu te vi? - Perguntou Perez saindo do

elevador indo para o lobby enquanto os seguranças pediam para trazer o carro. – Eu assisto seu programa já tem uns seis, sete meses… Eu sempre te via pela TV e imaginava que um dia eu teria a liberdade para visitar esses lugares sem me preocupar em ser parada a cada dois segundos… Te ver parada na minha frente foi como um sinal

de que eu posso fazer isso… E claro eu adoro seu trabalho…

- Entendi… – Respondeu Fernanda devagar… A garota de fato tinha um parafuso a

menos. Perez saiu andando em direção a porta assim que informaram que o carro estava a sua espera. Ficou imaginando se Fernanda tinha engolido a lorota de viagem. Não ia dizer a ela que assistia ao programa porque a achava irresistível e maravilhosa e que tinha em

mente levá-la para cama. O carro parou em frente a um hotel e entraram para um restaurante estilo colonial decorado com candelabros de ferro e muitos detalhes em madeira. Fernanda ficou encantada pela forma simples, mas ao mesmo tempo sofisticada de Perez se comportar. Ela tinha um senso de humor incrível rindo de si mesma enquanto narrava algumas das suas peripécias como cantora e como tinha

alcançado o lugar que estava hoje. Algumas pessoas interromperam pedindo autógrafos ou para tirar fotos e ela sempre respondia com um belo sorriso na face e um sim. As horas passaram como minutos.

- Perez eu já estou no estúdio e já é duas e quinze. Devo avisar para o diretor esperar mais quanto tempo? – Perez escutou a voz nervosa, mas controlada de George no telefone que tocava.

- Eu já estou indo… – Respondeu com um sorriso.

- Onde você está?

- No Bowery… No Gemma.

- Estamos te esperando…

Perez desligou o celular rindo admirando a loira sentada a sua frente: Esse era o poder

que ela tinha sobre ela: Perdia totalmente a noção de tempo ao vê-la.

Fernanda Chegou ao galpão onde um estúdio fora improvisado analisando tudo ao seu redor. Era como entrar em uma cápsula do tempo O lugar fora convertido em um bar

dos anos 20 e o conceito do clipe épico deu um charme contrastando com a tecnologia envolvida. Perez iria alternar cenas como corista e outras cenas como bailarina em três palcos pequenos onde alem da cantora mais duas dançarinas iam mostrar coreografias bem trabalhadas. Havia também uma gravação externa no topo de um prédio que não podia ser feito no mesmo dia por causa do mau tempo. Perez saiu para o camarim trocar de roupa e se maquiar enquanto Fernanda aproveitava para conhecer um pouco mais sobre a gravação de um videoclipe.

- Fernanda não é?

- Isso mesmo – Respondeu se virando para a mulher morena a sua frente que reconheceu como assessora de Perez. – Sra. Smith como vai?

- Apenas Malika, Por favor…

- Ok.

- Você almoçou com a Perez?

- Sim. Estivemos juntas desde o período da manhã.

- Foi apenas um almoço?

- Não entendi sua pergunta…

- Você sabe do que estou falando…

- Se você está preocupada se eu usei desse tempo para entrevista-la pode ficar tranqüila:

Fiz isso na noite anterior…

- Claro. Desculpe minha preocupação – Respondeu Malika entendendo que Fernanda

não tinha a mínima noção do que Perez queria realmente com ela – Você como pessoa

gosta do trabalho dela?

- Confesso que esse tipo de musica não faz meu estilo… Cresci ouvindo clássicos do rock com meu pai, mas conheço todas as suas musicas por causa da minha filha que

escuta todas as musicas todos os dias…

- Que idade tem sua filha?

- Quatorze anos…

- Os adolescentes a adoram…

- Faço idéia…

Malika pediu licença para a jornalista indo terminar de preparar para que tudo saísse de

acordo com o planejado. Fernanda aproveitou para conhecer o diretor do vídeo e ficou conversando com as pessoas que faziam parte da equipe. Tudo era muito diferente de um estúdio de TV. A produção queria trazer para as telas um vídeo com qualidade de som e imagem de um filme sem perder o padrão descontraído da musica. Ouviu um pequeno burburinho e avistou Perez que saia imponente do camarim improvisado com o

cabelo preso em um coque com um arranjo de pedras e um véu negro que caia sobre seus olhos. O casaco de Mink preto cobria todo o seu pescoço e Fernanda Não pode deixar de admitir que ela parecia uma figura dos anos vinte com toda a sofisticação que existia na década. Viu ela se aproximar enquanto recebia orientações do diretor do vídeo.

- Eu quero saber sua opinião depois…

- Com certeza – Respondeu admirando-a cada vez mais.

Os bailarinos e coadjuvantes do bar tomaram suas posições e a luz do local foi substituída por uma iluminação especial. Perez se ajeitou em uma cadeira no balcão do bar improvisado e depois da voz do diretor ecoar por todo o lugar pedindo silencio o playback começou a tocar. Fernanda se posicionou atrás do diretor para ver pela câmera principal como estava sendo gravado. Um close pegava o rosto de Perez em um enquadro perfeito. Os olhos verdes destacados pela maquiagem escura, os lábios vermelhos que se mexiam com a musica, com cada palavra que ela cantava fazendo movimentos precisos e sedutores… Não teve como negar a si mesma como ela era linda. Perez se levantou da cadeira ainda encarando a câmera e tirou o casaco jogando-o no chão. Cinco segundos depois a voz do diretor ecoou novamente com um sono corta. Malika observava tudo de um canto e notou a reação de Fernanda: O casaco no chão revelava um espartilho de renda com uma com uma cinta-liga da mesma cor seguindo os padrões da época. Perez parecia uma boneca de porcelana e deixava qualquer um de boca aberta inclusive a jornalista do outro lado do galpão.

Perez subiu no Pequeno palco ajeitando o cabelo forçando a mente a lembrar todos os passos de dança que havia ensaiado há três dias. A coreografa Nick estava a seu lado esquerdo e outra bailarina do lado direito com figurinos seguindo o padrão que a cantora usava. Pediu um tempo para repassar o que já tinha ensaiado e enxergou Fernanda perto do diretor perdida no meio de tanta gente naquele galpão. Queria terminar o mais rápido o possível para sair dali com ela. Fernanda passou as quatro horas seguintes vendo Perez trocar de roupa e cabelo com certa freqüência e gravar o making of do vídeo. As tomadas do clipe incluíam um show do bar onde Perez usou um vestido branco curto de dar inveja a qualquer corista da época. Quanto mais olhava e aprendia mais ficava entusiasmada por ter concordado em ir. Na ultima troca de roupa, a cantora voltou para o galpão como um ser humano normal se essa frase se encaixasse a ela.

- O que você achou? – Perguntou Perez assim que alcançou Fernanda.

- Maravilhoso Perez… Nunca imaginei que desse tanto trabalho fazer um vídeo de

quatro minutos… Muito bom…

- Eu posso te mandar ele em primeira mão…

- Minha filha vai ter um ataque, como ela sempre diz… Falando nisso não tinha me atentado ao horário: já passa das oito da noite.

- Tenho certeza que você não tem mais nada de importante para fazer hoje…

- Tenho que ligar pra casa falando que só vou amanhã… – Eu vou voltar para o hotel agora…

- Ok. Eu tenho um jantar daqui a uma hora… eu posso te deixar no hotel… Tudo bem

pra você?

- Se não for te atrapalhar tudo bem… – Respondeu Fernanda adorando a companhia de

Perez por mais alguns momentos.

O carro parou em frente ao hotel que haviam saído pela manha. Perez olhava Fernanda a sua frente sabendo que se a deixasse ir naquele momento não a veria novamente. Conversaram sobre tudo e sobre nada. Se a jornalista estivesse com um gravador tinha arrancado qualquer coisa dela: Não estava escutando o que ela dizia pensava apenas em um modo de subir para a suíte com ela.

- Perez obrigada pelo dia maravilhoso…

- Ainda quero te convencer a ir ao jantar comigo… Vai ser uma chatice sem ninguém de

real inteligência para conversar…

- Pela lista de convidados que você me passou tenho certeza que não ficara entediada…

- A maioria só vai querer conversar comigo sobre musica ou sobre o novo álbum ou

sobre musica… Não vai mudar… E depois vai ser uma ótima oportunidade de você conhecer algumas das figuras mais importantes da noite nova yorquina.

- Perez eu realmente…

- Já sei! – Falou se adiantando a sair do carro – Vou convencer sua assistente a me

ajudar tal qual ela fez de manhã. – Terminou entrando no prédio. Fernanda a seguiu até o lobby rindo ao ver que ela a esperava segurando o elevador atrasando os outros hospedes. “Pelo visto tem muito mais coisas sobre a Perez Mendes que a Fabiana não faz idéia” Pensou Fernanda parando ao seu lado vendo pelo alumínio

que ela não parava de olhá-la. Quando chegasse ao quarto teria que ser franca com ela em relação a seu evidente interesse em permanecer perto dela.

- Perez eu quero ser franca com você…

- Podemos conversar dentro do quarto? – Perguntou Perez se sentindo desconfortável com o que viria a seguir – Não gosto de conversar no corredor…

- Claro…

Fernanda inseriu o cartão na porta fazendo com que ela se abrisse. O som de gemidos

que vinha do quarto deixava claro que alguém estava transando. Perez a seguiu até o acesso do quarto principal onde viram Julia completamente nua sentada encima de Eduardo que gemia como um porco. Fernanda deixou um brilho malicioso tomar conta do seu olhar enquanto Perez se virava de costas para a cena.

- Você não vai querer estragar isso vai?

- Não… Acho que não… Vamos sair daqui.

- Pra onde vamos? – Perguntou Perez já no corredor.

- Pro seu jantar…

- Que tal irmos para o Four Seasons? Você não vai voltar aqui hoje e terá que se instalar em algum lugar.

- Você tem razão… – Concluiu Fernanda encarando os olhos verdes.

Iria matar Julia por ter transado com Eduardo no quarto que dividiam e teria que adiar a conversa com Perez. Se conseguisse mantê-la dentro do seu limite naquela noite não precisaria dizer nada. Iria embora na tarde do dia seguinte. Fernanda terminou seu registro no hotel e subiu para o quarto reservado para ela. Perez teve que entrar por uma entrada lateral por causa dos fotógrafos e paparazzi de plantão na porta principal. Entrou no banho e ouviu um funcionário do hotel anunciando serviço

de quarto concluiu que era alguma regalia que comumente ganhava em suas hospedagens.

- Vai dar um furo no jantar Perez?!

- Agora não George…

- Perez você é uma das convidadas mais aguardadas não pode simplesmente dizer que não vai…

- Posso e falo. Não vou passar nem perto da Times Square essa noite. Diga que tive um mal estar ou algo parecido… Por favor, George…

- Eu ganho mais rugas e preocupações a cada dia que passa…

- Não se preocupe a toa George, eu estou bem. Só quero ficar no hotel essa noite.

- Ok… Vou dizer que você está com mal estar… Precisa de mais alguma coisa?

- Não. Obrigada…

Malika observava a discussão do balcão da suíte. Estava se roendo de ciúmes. Tinha certeza absoluta que tudo tinha a ver com a jornalista brasileira.

- É a jornalista? Perguntou encarando Perez que se aproximava.

- Ela tá aqui no hotel.

- O que ela está fazendo aqui?

- O quarto dela estava ocupado quando chegamos lá…

- E por que ela não arrumou outro quarto lá? Perez você não vê que ela está fazendo de tudo para ficar perto de você…

- Fui eu que fui atrás dela hoje de manhã e fui eu também quem pediu para ela se

hospedar aqui… Malika a olhou nos olhos: O verde estava um pouco mais escuro que indicava que estava tensa o que significava duas coisas: Ou era pela conversa desagradável que estavam tentando manter ou era pelo que ia acontecer naquela noite. Nenhuma das

opções eram boas.

- O Richard ligou – falou mudando de assunto para não encarar a verdade. Ele já está em Palm Beach.

- Você falou que só vou daqui a cinco dias?

- Falei. Ele pediu pra te avisar para atender o telefone quando ele ligar…

- Deixa ele se divertir com aquelas vadias riquinhas… Tudo o que eu preciso dele é um belo sorriso em uma foto ao meu lado. Eu vou tomar banho.

- Quer companhia ou o John tá subindo? Talvez a jornalista…

- Está com ciúmes?

- Não… Eu não tenho por que ter ciúmes afinal eu sou casada e você é uma pessoa comprometida.

- Foi o que combinamos…

- Desculpa… É que… Vou estar no meu quarto se precisar de alguma coisa…

- Obrigada.

Fernanda saiu do banheiro procurando o que o hotel havia mandado. Além de uma garrafa de champanhe havia um pacote com um bilhete que dizia que tinha sido enviado por Perez Mendes. Dentro do pacote havia uma camisola branca de seda comprida com um robe da mesma cor e comprimento. O conjunto todo era belíssimo. “Acho que tenho uma admiradora nada discreta” Fernanda havia beijado uma mulher apenas uma vez na vida: Tinha sido na época de faculdade depois de já ter tido Fabiana: Marcelo a tinha levado para uma festa dos formandos de sua turma e entre uma conversa e outra havia surgido o assunto homossexualidade. Quando questionada sobre o que achava ela havia dito que não teria problema algum em assumir um relacionamento se tivesse se

apaixonado por uma mulher. Diante de tal argumento foi desafiada a beijar uma garota:

Escolheu uma prima de uma formanda e tascou-lhe um beijo que deixou Marcelo acesso. Depois daquele rápido beijo teve ainda mais certeza sobre sua própria orientação: Não havia nascido para “curtir” mulher. Teria que arrumar uma forma de deixar isso claro a Perez. Colocou a camisola e pegou o telefone ligando pra casa.

- Oi gato… – Falou que assim que ouviu a voz do marido grogue de sono – Desculpa te ligar nesse horário, mas eu tive uns contratempos aqui… Você viu pelo jornal? Os aeroportos fecharam… Fernanda escovou o cabelo enquanto falava com o marido amenidades de um casal. Ouviu o barulho de um toque na sua porta.

- Só um minuto lindo…

Saiu da cama ainda segurando o telefone para ver quem era e tomou um susto quando

viu Perez parada segurando uma garrafa de vinho e duas taças usando um robe preto.

- Eu preciso desligar agora…

Foi tudo o que conseguiu pronunciar.

Capitulo 08

- Parece que acertei seu tamanho – Observou Perez ao ver que a roupa de dormir caíra como uma luva.

- Parece que sim… – Respondeu Fernanda dando passagem para cantora gesticulando para ela entrar

- O gerente me disse que esse Château Latour é da sua melhor reserva… Espero que goste.

- Está tentando me impressionar Perez?

- Eu espero que sim… – Respondeu séria colocando a garrafa ao lado do champanhe.

- Tem conseguido um bom trabalho… Estou impressionada. – Completou Fernanda com um sorriso afável.

- Seu marido? – Perguntou apontando o telefone na mão da jornalista.

- Sim era ele… Tenho que dar noticias em casa…

- Você vai voltar amanhã não é?

- É… Na parte da tarde… Você fica na cidade até quando?

- Até amanhã também… Depois que terminar de gravar o vídeo vamos para Toronto.

- Shows?- Perguntou Fernanda se sentando vendo Perez servir as duas taças lhe

entregando uma.

- Apenas um, mas vai ser exclusivo… Alguns compromissos com a divulgação do novo álbum… Depois eu vou tirar uma semana de férias…

- Você mora na Califórnia não é?

- Eu tenho uma casa em Santa Barbara onde fica a maioria das minhas coisas, mas gosto de imaginar que moro na estrada nos hotéis onde passo a maior parte do tempo nesses últimos doze meses…

- Típico de músicos… – Falou Fernanda rindo.

- Me fala um pouco do Brasil…

- O que você quer saber?

- Minha avó nasceu lá. Ela sempre me disse que não há lugar mais bonito no mundo e alegre do que o carnaval no Rio de Janeiro… É verdade?

- O Rio já teve seus anos de gloria… Meados dos anos quarenta, cinqüenta quando a

diversão era sadia e as pessoas podiam levar as crianças para os desfiles de rua sem se

preocupar que a garota da capa da revista masculina iria aparecer nua em cima de um carro alegórico… Hoje não é mais a mesma coisa… Os melhores desfiles são fechados

em uma arena e você paga um valor alto para ver… Com certeza sua avó saiu bem nova do Brasil… – Completou rindo – Em minha opinião quem está fazendo um carnaval fantástico é o nordeste. O Carnaval da Bahia é impagável…

-

Como é lá?

-

Você dorme e acorda com festas. As pessoas são alegres e isso contagia qualquer

um… Até quem não gosta de samba e axé cai na folia. Passei dois carnavais atrás do

trio elétrico e posso te garantir quer não há lugar para se divertir mais do que na rua. Uma pessoa como você não teria como…

- Uma pessoa como eu?

- Você seria a atração e não a festa… Pra você só camarote.

- Vou me lembrar disso… Tanta vontade de conhecer o país. Pedi para o George não

complicar as negociações por que eu quero que ele esteja incluído na turnê mundial.

- Eu já viajei por muitos países e te garanto que não existe nenhum como meu Brasil…

Muitas coisas deixam a desejar em questões sociais e políticas, mas eu considero o melhor lugar do mundo para se viver.

- Quanto orgulho da sua terra… – Falou Perez rindo. – Eu também tenho orgulho de ser

americana…

- Vamos conversar sobre isso quando você já tiver conhecido o Brasil.

- Isso significa que eu vou te ver novamente?

Fernanda levantou sorrindo ajeitando o cabelo desconcertada pelo ultimo comentário de

Perez se serviu de mais vinho e trouxe a garrafa junto a elas.

- Você não tem nenhum familiar no Brasil?

- Não… Acho que não. Minha avó conheceu meu avo quando ele foi a trabalho lá. Ele a trouxe junto quando voltou e ela nunca mais voltou… Talvez eu tenha tido, mas não tenho idéia…

- Entendo…

Fernanda se ajeitou no sofá abraçando as pernas vendo Perez falar sobre sua infância. Tudo no seu crescimento envolvia os espetáculos da Broadway. Ela era completamente apaixonada pela vida e pelo que fazia e isso ficava claro em sua voz. Desistiu de falar qualquer coisa em relação ao seu evidente interesse por ela por que estava se sentindo totalmente à vontade na presença da cantora e mais do que isso… Era prazeroso ouvir sua voz. Fernanda teve que admitir para si mesma que fora pega pelo ego: Estava sendo desejada por uma mulher oito anos mais jovem que podia ter qualquer homem ou mulher no mundo inteiro. Não iria pra cama com ela é claro, mas não ia ser rude afinal faltavam exatas doze horas para que estivesse em um avião indo de encontro a seu

mundo real. Não iria estragar a fantasia do momento. Pegou a garrafa para se servir e só então notou que já a tinha sorvido inteira.

- Podemos pedir outra… – Falou Perez terminando de beber sua taça.

- Melhor não… Que tal o champanhe?

- Ok.

Perez se prontificou a abrir a garrafa sentindo os olhos cor de mel que a encaravam fixamente.

- O que foi?- Perguntou entregando o liquido dourado.

- O que você realmente quer Perez?- Fernanda respondeu com outra pergunta bebendo um gole.

- Você já sabe o que eu quero… Acho que já deixei bem claro o dia inteiro…

- Não o suficiente – Respondeu Fernanda observando os olhos verdes que pareciam

duas brasas ao encará-la. Perez deixou a própria bebida ao lado da garrafa e se aproximou de Fernanda que a olhava apreensiva. Deixou uma mão enroscar nos cabelos dourados puxando sua cabeça

para perto enquanto a outra mão tirava a taça que ela segurava. Os olhos cor de mel

passearem pelo rosto de Perez agora tão próximo e num gesto instintivo tocou os lábios entreabertos com as pontas dos dedos. A respiração da cantora alterada pela proximidade fez que sentisse o aroma delicioso do vinho que haviam tomado e encarando os olhos verdes deixou suas crenças de lado deixando as bocas se encontrarem para um beijo que começou calmo e delicado, mas que foi se intensificando enquanto os corpos se grudavam. A língua de Perez invadia e exigia brincando com a sua própria dando delicadas sugadas que deixaram Fernanda atônita:

Não imaginava que um simples beijo pudesse despertar tantas emoções em seu ser. As mãos desceram pelo corpo procurando o laço do robe e sentindo a cantora descer para seu pescoço se viu somente de camisola. Perez se livrou do próprio roupão revelando o pequeno baby-doll insinuando as mãos dentro da enorme fenda que tinha na frente da roupa que a loira usava. Voltou para a boca sentindo suas mãos subir por suas costas e encontrando o laço lateral da calcinha puxou soltando a minúscula peça do conjunto branco. Fernanda segurou a mão da mulher sobre si buscando sua boca novamente. Ainda de rostos colados deu uma mordidinha no lábio inferior de Perez. Tinha adorado

o beijo, mas não estava preparada para prosseguir. Não tinha coragem de trair o marido com ninguém. Nunca tivera.

- Perez não podemos…

- Por que não? – Perguntou dando outro beijo nos lábios rosados.

- Por que eu não sou a pessoa certa… Eu… Eu sou casada com um homem que amo e

minha única experiência homossexual foi um beijo muito mais rápido que o que

tivemos… Eu não tenho a mesma preferência que você, entende?

- Entendo… – Respondeu Perez respirando fundo se levantando vestindo o robe – Desculpe… Eu… Eu não sei onde eu estava com a cabeça…

- Eu achei o dia que tivemos divino e de certa forma me sinto lisonjeada, com certeza eu não pensaria duas vezes se…

- Você gostasse de mulher…

- Desculpe…

- Não precisa se desculpar… – Falou Perez se dirigindo para a porta – Não vai embora amanhã sem falar comigo…

- Não vou…

- Boa noite…

- Boa noite…

Perez saiu pelo corredor ainda andando de costas olhando Fernanda que fechava a porta

lentamente, quando não restou mais nenhuma fresta se virou indo até o elevador com vontade de gritar por dois motivos: Primeiro por que tinha ganhado o beijo que almejara

o dia inteiro e segundo por não ter conseguido passar do beijo. Havia emoções

contraditórias em seu intimo pois pela primeira vez desde a fama alguém recusara ir para cama com ela e isso era instigante, mas tudo o que queria era passar aquela noite ao lado da loira dona de belos olhos de mel; Podia ter sido mais incisiva com ela, mas Fernanda era uma jornalista e ela jamais podia se esquecer disso.

Nova York amanheceu se livrando das camadas de gelo que cobria as ruas. As nove horas da manhã Fernanda já estava pronta para ir para o hotel onde estava Julia e Eduardo. Depois que Perez saiu do quarto tinha tido uma péssima noite de sono: Não podia negar que o beijo tinha despertado emoções que não pensara sentir por outra mulher e tinha adorado a companhia dela cada minuto do dia que passaram juntas. Se sentia uma colegial novamente, fazendo coisas escondidas dos pais. Rolou p de um lado para o outro na cama por longas horas imaginando como seria se tivessem transado

como era o desejo da cantora. Quando finalmente pegou no sono teve um sonho erótico com Perez acordando no auge do prazer que ela lhe proporcionava dolorida de excitação. “Devo ter perdido o juízo em algum lugar” Pensou enquanto tomava uma ducha para relaxar. Depois de deliberar se devia ir até a suíte da cantora ou não acabou por decidir que precisava vê-la mais uma vez antes de ir pra casa.

Perez estava tomando café com varias pessoas que estavam na suíte inclusive uma equipe de TV européia quando a campainha tocou. Saiu correndo da mesa tomando a

frente de John, pois já tinha quase certeza de quem era. Ajeitou o cabelo e a roupa antes de abrir a porta.

- Oi… – Falou ao ver a mulher linda e loira parada a sua frente.

Fernanda retribuiu o sorriso ao ver Perez se lembrando automaticamente do sonho que

tivera fazendo que um rubor surgisse nas faces e o coração batesse um pouquinho mais rápido. Ela estava linda em um terninho Armani sem camisa por baixo deixando o busto escondido apenas por um bustiê com brilhos.

- Oi… Eu… Eu vim falar tchau…

- Você tem que ir embora mesmo?

- Fiquei até mais que o combinado…

- Entra… – Falou Perez dando passagem.

Fernanda entrou no quarto notando o numero de pessoas presentes: Havia pelo menos uns quinze entre câmeras, assistentes e assessores. Uma equipe de TV inglesa filmava

um especial de um dia com Perez Mendes. A enorme suíte fora reduzido a um estúdio improvisado.

- Pessoal! – Gritou Perez por cima do barulho de vozes – Esta é Fernanda, uma

jornalista do Brasil. Digam oi a ela. Fernanda respondeu aos vários cumprimentos com UM aceno de cabeça e um sorriso na

face, mas estava arrependida de ter ido até ali.

- Eu só queria me despedir mesmo e ir embora… Não posso me atrasar.

- Ok… Vem comigo…

Perez puxou Fernanda para o banheiro sob o olhar atendo de Malika: Lá era o único lugar que poderiam conversar tranquilamente.

- Você não se importa de conversarmos aqui não é? – Falou fechando a porta – Não há lugares onde possamos conversar sem que ninguém nos veja… Tem muitas câmeras ali…

- Tudo bem…

Fernanda olhou ao redor para gravar aquele lugar na mente: Nunca tinha estado em um

banheiro em uma suíte presidencial. Calculou mentalmente que ele era do tamanho do seu quarto e olha que seu quarto não era nada pequeno. O piso de mármore preto contrastava com as louças e os armários brancos. A enorme banheira a um canto tinha uma tela de plasma na parede a sua frente. No outro lado um Box de vidro temperado

tinha uma enorme Ráfia ao seu lado. Do lado do toucador de mais de dois metros estava uma confortável poltrona. Dava para se hospedar somente no banheiro.

- Você é uma excelente anfitriã… Com certeza foi meu melhor trabalho com entrevistas até hoje…

- Eu sei… Faz parte do meu charme…

- do seu carisma sem sombra de duvida… Não vou esquecer essa recepção

maravilhosa… – Falou Fernanda parando na frente de Perez – Espero que não tenha

ficado chateada comigo.

- Não há por que se chatear… Você é uma companhia ótima. Lamento só por umas

coisinhas… – Respondeu rindo balançando a cabeça fazendo um movimento delicioso

com o cabelo negro que estava todo encaracolado.

- Se algum dia você for para o Brasil e quiser me procurar fique a vontade…

- Com toda a certeza vou… Esse é meu numero de telefone – Falou Perez tirando um

pedaço de papel do bolso da calça sem entregá-lo a Fernanda. – Ele é meu numero direto ninguém mais o atende a não ser eu…

- Eu te ligo para te dizer quando a entrevista vai ao ar… Provavelmente essa semana…

Esses são meus números. – Terminou Fernanda entregando seu cartão. Perez desencostou do toucador e se aproximou de Fernanda deixando seus corpos a centímetros de distância. Os olhos verdes encaravam os olhos da jornalista deixando transparecer todo o desejo que sentia por ela. Ao invés de pegar o cartão segurou a mão e ofereceu o papel que segurava com a outra. Fernanda deu um sorriso ao perceber seu pequeno joguinho de troca.

- Seu sorriso é lindo, sabia? – Falou Perez dando um cheiro nos cabelos loiros.

- Perez…

Fernanda olhou para mão que era segura pela cantora. Se pegasse o papel que ela oferecia aconteceria o que Perez queria. Automaticamente se recordou de todas as sensações que ela tinha conseguido despertar com apenas um beijo. Por um momento a imagem de Marcelo veio a sua cabeça e tratou de afastá-la se repreendendo: Era apenas mais um beijo em uma mulher… Não havia mal algum e além do mais não era um ato consumado. Mandando sua própria orientação a merda abraçou a morena empurrando-a contra o móvel atrás dela buscando sua boca derrubando um vaso de flor. Perez a segurou forte apertando-a contra si esmagando seus lábios com uma sutileza voraz que somente as mulheres conseguem. Trocou de lugar com Fernanda fazendo com que se encurvasse. Com medo de perder o equilíbrio buscou um lugar para se apoiar batendo a mão em alguns potes de alumínio derrubando fazendo um enorme barulho, mas a excitação do momento não deixou com que se separassem. Quanto mais Perez exigia beijando seu pescoço mais Fernanda ia se soltando se entregando totalmente ao momento. Encontrou os lábios de mel novamente se deleitando, gravando todas as sensações maravilhosas que nunca sentira antes. Começou a se afastar empurrando Perez delicadamente de cima dela. Encarando os olhos verdes andou de costas até a

porta tateando a fechadura. Perez não havia se movido do lugar e viu quando a loira saiu junto com a certeza que a teria de qualquer modo. Fernanda se virou para o quarto encarando quinze pares de olhos curiosos e quatro câmeras. Falou um tchau desconcertado arrumando as roupas e ajeitando o cabelo: O que ela não percebera fora que o batom de Perez Ficara em seus lábios e pescoço. Malika entrou no banheiro assim que Fernanda saiu apressada da suíte. Perez estava de cabeça baixa e roupas desalinhadas. O que tinha acontecido ali era mais que evidente a contar pelos potes de algodão e cotonetes no chão e o vaso de flor estilhaçado. Levou um minuto para absorver e dois para recuperar o auto-controle. Saiu sem dizer nada. Perez levantou a cabeça passando a mão no cabelo indo atrás de Malika. Todos estavam na sala e a encaravam. Ensaiou um sorriso e fez uma piadinha sobre sua ausência para tentar desanuviar o ambiente tenso. Todos riram menos George que a olhava impassível.

- Algum problema George? – Perguntou se sentando ao seu lado.

- Retoque sua maquiagem Perez… – Falou acendendo um cigarro – Seu batom está todo borrado.

Capitulo 09

Em algum lugar sobre as cataratas do Niágara…

- Você me dá licença, Malika? – Pediu George apontado para o assento ao lado de Perez. Estavam a caminho do Canadá.

- Algum problema George?

- Não. Quero conversar com a Perez…

- Ok. – Respondeu dando ombros indo se sentar com John.

- Fala George… – Falou Perez fechando o note onde mexia.

- Eu vou ser muito direto Perez e espero respostas diretas… Você está transando com aquela jornalista brasileira?

- Do que você está falando George? – Perguntou fingindo inocência.

- Perez eu não sou um idiota e só estou onde estou hoje porque nunca fui idiota…

Ontem você passou o dia inteiro com ela e não precisa ser um expert para entender o

tipo de olhar que você mantinha sobre ela na filmagem do vídeo e fazer aquilo hoje de manha… E na frente das câmeras….

- O que eu fiz na frente das câmeras?

- Ela saiu com o seu batom… Foi obvio para qualquer que estava na suíte que vocês…

- Ok… Já entendi… Não precisa me explicar… Eu não transo com ela e se você quer saber eu tenho um namorado e já faz dez meses que estamos juntos…

- Perez se você gosta de mulher, vamos mandar um comunicado para a imprensa…

Melhor a mídia saber por você…

- Qual é George? – Perguntou Perez odiando aquela conversa – Não há razão para

nada… Alguma coisa mudou? Você está vendo algo diferente aqui?

- Quando eu te vi cantando Perez, eu sabia que estava diante de uma grande estrela…

Meu pressentimento está me dizendo que essa jornalista é problema… Uma jornalista Perez! Você está trazendo a mídia para sua vida pessoal…

- Eu nem sei se eu vou vê-la novamente e se você tem tanto interesse assim saiba que eu a beijei… Duas vezes… Só isso.

- E você acha que ela não vai divulgar isso?

- Claro que não! George! Ela não tem o porquê…

- Ela não tem o porquê, Perez! – Exclamou o empresário exaltado se levantando da

poltrona fitando seus olhos. - Uma jornalista descobre que uma das maiores cantoras da

atualidade é lesbica e ela não tem o porquê? Francamente! Por que esse estresse todo George? Cara isso não é nada…

- Nada vai ser quando os jornais de amanhã estiverem vendendo essa noticia na primeira pagina! – Falou se afastando.

- Isso o que? – Perguntou Perez deixando se exaltar também chamando a atenção dos

poucos passageiros do jatinho. – Extra! Extra! Perez Mendes é lesbica! E se eu for? Qual o problema? Posso te dar vários exemplos de mulheres famosas e homossexuais que não se importam com o que dizem delas na mídia. Posso não me importar também…

- Será mesmo Perez? Então me responde uma coisa: Por que você está com o Richard? Tenho certeza que não é por amor…

- Você cuida da minha vida profissional George… Nunca se esqueça disso!

O homem de meia idade parado na frente da cantora se limitou a assentir sentindo o peso de suas palavras.

- Você tem razão Perez Mendes… Me desculpe…

- George… – Falou Perez passando a mão no cabelo – Desculpa… Eu falei besteira…

- Vai dormir Perez… Você tem uma agenda cheia nos próximos dois dias.

São Paulo

Fernanda desembarcou em Cumbica respirando o ar quente da cidade. Nada a deixava

mais feliz que chegar em casa. Depois de passar pelo check-in saiu empurrando o carrinho com suas duas malas para a saída. Marcelo já sabia o horário do seu vôo e ele já estava esperando: Lindo usando uma camiseta pólo básica com uma bermuda. Fabiana estava com ele e ficou alvoroçada quando viu a mãe, ansiosa para saber o que ela trouxera da sua cantora favorita.

- Oi gato… Saudades… Exclamou abraçando o marido dando um beijo de leve em seus lábios – Oi princesa da mãe…

- Mãe o que você trouxe da Perez Mendes pra mim?

- Posso ouvir um simples oi mãe tudo bem… Estava com saudades… Como foi a viagem?

- Oi mãe tudo bem? Como foi a viagem? Tava com saudades… O que você trouxe dela pra mim?

- Um presente que eu tenho certeza que você vai adorar…

- O que é? O que é?

- Mãe que tudo!Vou matar as meninas de inveja amanhã…

Enquanto Fabiana ia contando a forma como ia se exibir para as amigas, Marcelo levou op carrinho até o carro colocando as malas atrás. O transito naquela hora estava tranqüilo e logo alcançaram a marginal.

- E como foi a viagem, meu amor?

- Foi tranqüilo… Ontem caiu uma nevasca em na cidade que ficou muito linda… Os aeroportos não funcionaram por isso…

- Pai! – Cortou Fabiana – A gente viu isso no jornal…. Mãe fala da Perez… Como ela é?Quanto tempo você ficou com ela? Ela é simpática?

- Uma pergunta de cada vez, mocinha

Como poderia descrever Perez Mendes para a garota de olhinhos esbugalhado no banco de trás? Não conseguiria descrever nem pra ela mesma…

- Ela é muito simpática… Muito gentil também… Digamos que ela é meio piradinha da cabeça…

- Me conta tudo desde o inicio…

- A junket foi no Waldorf-Astoria. Quando eu cheguei lá ela estava usando uma boina branca que é onde está seu autografo… Vocês acreditam que ela já conhecia meu trabalho…

- Serio?

- Serio. Ela assiste o programa. Achei muito bacana e ela fala o português um pouco arranhado.

- Eu sei… Por causa da vó dela que é brasileira…

- Você não tinha me falado isso sua danada…

- Continua mãe…

- A entrevista você assiste. Fiz uma copia no note que está sem edição. Você pode fazer uma copia… Depois eu falei de você pra ela, foi quando ela me deu o autografo, depois eu fui para o hotel…

- Só isso? – Perguntou Fabiana desapontada – Você tirou fotos com ela?

- Tirei uma. A maioria das fotos é dela. O mais interessante foi ontem… Eu estava

trabalhando na edição e quem aparece lá? Perez. Ela foi falar da entrevista. Depois almoçamos no Bowery e fui ver a filmagem do novo vídeo do novo álbum… De lá fomos para o hotel onde ela estava hospedada e por fim me despedi dela…

- Você tá inventando essa parte… Fala a verdade…

- Não estou não… É verdade… Eu almocei com ela. Imaginei como ficaria feliz estando no meu lugar…

– Falou Fernanda rindo da pressa da filha.

- Nossa!… Eu teria um infarto…

- Pega meu celular ai na bolsa… Tem fotos que eu tirei escondida na filmagem…

Fernanda foi o caminho todo falando do encontro que teve com Perez de como o dia que passaram juntas foi extremamente agradável. Relatou as conversas e omitiu o fato de ter “ficado” com a cantora. Não ia falar para a filha que tinha beijado outra mulher. Depois de um tempo e já na cama com Marcelo decidiu que não ia contar para o marido

também… Fora um momento mágico que tinha ficado para trás e não ia se repetir mais. O dia seguinte voltou ao seu curso normal. O domingo passou preguiçoso e Fernanda não teve animo para sair de casa. Estipulou um valor e deu o cartão para Fabiana comprar as roupas que ela jurava estar sem e se divertir com as amiguinhas no shopping. A tarde foi saciando a saudade de três dias que sentira do corpo do homem

que amava. Adorava fazer amor com Marcelo, senti-lo dentro de si formando apenas um corpo, mas por uma razão que ela se negava entender qual era, estava diferente. Não era nem pra melhor nem pra pior, apenas diferente. Saiu da cama para subir para o piso superior buscar um lanche para comerem na cama e ao passar pelo quarto da filha a musica de Perez chamou sua atenção.

- Não foi passear com as amigas? – Perguntou para a garota de olhos vidrados na tela.

- Fui, mas já voltei… O shopping tava um saco! Posso sair com elas mais tarde?

- Onde vocês vão?

- Numa matine… Talvez na Vila Olímpia…

- Pode, mas não volte depois da uma da manha e já sabe… Se eu sonhar em sentir cheiro de álcool em você…

- Tá bom… Obrigada mãe. – Respondeu a menina pulando da cama indo para o

banheiro tomar um banho para sair. Fernanda se virou para a tela que continuava ligada assistindo 0o vídeo de Perez que

passava. Era um dos seus primeiros sucessos: As imagens mostravam uma Perez mais jovem, mas com o mesmo olhar intenso e provocante de arrepiar. O vídeo tinha um estilo jovem e despojado passando em uma balada. Perez alternava de cena como uma Barwoman e uma gogo girl. Era extremamente sensual e excitante vê-la dançando se apoiando em uma grade com um minúsculo short jeans e a mesma barriguinha sequinha de fora, principalmente depois do que tinha vivido com ela mesmo que cronometrado em dez minutos. Imaginou se ela sabia fazer de verdade as manobras com as bebidas

que as cenas do bar mostrava. Tinha certeza que ela sabia fazer uma coisa: Pirar a cabeça de qualquer um. Inclusive a sua.

- Mãe! Eu to falando com você!

- Hum… O que foi Fabiana – estava tão concentrada no vídeo que não escutara a filha.

- Pega esse pote ai do lado da TV…

- Toma…

- Aprendeu a gostar dela depois da entrevista foi? – Perguntou a garota em tom de

deboche voltando para o banheiro. Fernanda apenas balançou a cabeça e desligou o aparelho. Não tinha aprendido a gostar dela… Tinha aprendido a admirá-la. Os dias se passaram se transformando em semana e Fernanda aproveitou desse tempo para mergulhar de cabeça no trabalho fazendo mais uma entrevista em são Paulo mesmo. Em casa a convivência continuava a mesma coisa e o quarto de Fabiana agora tinha um novo sentido pra ela. As fotos de Perez espalhadas pelo local lhe traziam a

lembrança do seu toque e o gosto da sua boca em seus lábios. Sempre fazia isso sem que ninguém a visse ou se Fabiana entrasse e a pegava de surpresa inventava alguma desculpa. Estava sendo insana e incoerente consigo mesma.

- Silvia vem aqui que eu preciso falar com você! – Falou Fernanda pegando o braço da amiga.

- Aconteceu alguma coisa?

- Aconteceu e eu tenho que contar pra alguém pra ver se eu paro de pensar nisso e não acabar pirando…

- O que foi? – Perguntou Silvia assim que fechou a porta da sala.

- é uma coisa banal, mas que pode fazer muita diferença se cair na imprensa… Eu confio em você mesmo sendo uma jornalista… Por isso eu vou te contar…

- Você já esta me deixando nervosa… O que é?

- Você sabe que eu sai com a Perez lá em Nova York… Que eu fui na filmagem do

novo vídeo dela…

- Sim… Você já me falou isso…

- O que eu não te falei é que quando cheguei no hotel de noite a Julia e o Eduardo

estavam transando no quarto que nos dividíamos e…

- Serio?! Mas… A Julia não é casada? O Eduardo a gente já conhece a reputação dele de garanhão…

- Mas não é só isso… A Perez estava comigo então acabei indo arrumar um quarto no hotel onde ela estava também e quando eu estava tomando banho recebi um pacote

mandado por ela com um belo conjunto de dormir mandado por ela e depois ela desceu pro meu quarto com um vinho…

- Não me diga que você s duas…

- Nós nos beijamos, mas foi só isso…

- Como assim só isso! Ela é bissexual? E você…

- Eu sou hetero!- Exclamou antes que a amiga completasse – Sou completamente

apaixonada pelo Marcelo e você sabe disso… Só que não foi apenas um… No outro dia aconteceu de novo…

- E o que o Marcelo achou?

- Eu não contei pra ele… Não tive coragem…

- Foi apenas um beijo e em uma mulher… que mal há em contar para seu marido?

- Você tem razão, mas já passou o momento…

- Tá, mas me conta como é?

- Como é?…

- Como é beijar uma mulher… Principalmente sendo uma mulher como a Perez Mendes…

- É excitante… A boca é muito mais macia… A língua não tem a aspereza comum

como a boca do Marcelo, por exemplo…

- Fernanda! – Chamou Cely – Ligação na linha dois. Um tal de Sr. Taylor… Ele é

gringo…

- Espera aqui que eu termino de te contar. – Falou Fernanda atendendo no viva voz. – Hello?

- Oi… Fernanda?

- Isso mesmo – Respondeu arregalando os olhos – Perez?

Capitulo 10

- Que bom que ainda se lembra da minha voz…

- Escuto sua voz todos os dias… – Falou fazendo uma careta para Silvia que estava alvoroçada na sua frente – Minha filha… Sua Musica…

- Eu entendo. Ela gostou do presente?

- E como gostou… Como ela mesma diz quase teve um infarto…

- Desculpa ligar no seu trabalho… Eu tentei ligar no seu celular, mas não está completando a chamada…

- Acabou a bateria e eu esqueci o carregador em casa, mas não tem problema ligar nesse numero… Sr Taylor? – Perguntou curiosa.

- O John que fez a ligação pra mim… Tenho que ter alguma cautela… Como você está?

- Bem… – Respondeu sem saber dizer mais nada.

- O Brasil foi incluído na turnê mundial…

- Que ótima noticia…

- É oficial… Se quiser pode publicar… Dois shows…

- Quando vai ser? - Perguntou tomando nota.

- Em outubro…

- Nossa… Vai demorar ainda…

- Daqui a seis meses…

- É… Pelo menos eu sei quando vou te ver de novo…

Fernanda corou com as palavras encarando Silvia a sua frente que escutava toda a conversa. Se arrependeu da sua mania de atender ao telefone no viva voz.

- Vamos nos ver antes disso… Vou fazer a cobertura do Grammy no tapete vermelho…

- A premiação vai ser daqui a dois meses… Já ficou melhor…

- Onde você está agora?

- Florida… curtindo alguns dias de folga antes da turnê começar na próxima semana…

- Eu vi algumas fotos que saíram na internet… As do iate onde você está com seu namorado…

- Ócios do oficio…

- Faz parte da fama… A turnê vai começar por onde?

- Europa…

- Vai trabalhar duro…

- Eu sei… Estou me preparando pra isso… O Grammy poderia ser na próxima

semana… Estou com saudades de tomar vinho com você… Fernanda riu se recriminando mais uma vez por ter pedido que Silvia ficasse na sala. Seria indelicado tirar do viva-voz depois de já ter conversado um pouco.

- Poderíamos nos ver antes disso, mas com a turnê você vai estar totalmente sem tempo…

- Sempre se pode dar um jeito…

- - Não com você na Europa fazendo apresentações atrás da outra e eu no Brasil…

- Posso ver minha agenda com o George… Tenho certeza que existe uma brecha…

- Não se preocupe Perez… Nos vemos no Grammy…

- Direto me pego pensando no que aconteceu entre nós…

- Perez minha amiga Silvia está aqui comigo – Cortou Fernanda tendo certeza do que viria a seguir. Não era do interesse da amiga – Diga um oi pra ela…

- Oi Silvia…

- Ola Perez… Um prazer falar com você… Vou sair da sala e deixar minha amiga mais a vontade… Tchau…

- Tchau…Fernanda observou a amiga saindo fazendo uma careta por ter dito que ela estava ali. Assim que a porta se fechou tirou o telefone no gancho.

- Ela já foi…

- Devia ter me dito que outra pessoa estava com você… Não teria dito nada

comprometedor…

- Você não disse nada comprometedor… E é uma péssima mania minha atender o

telefone dessa maneira… Quanto ao que você me disse antes… Eu me recordo também… Impossível não lembrar com tantas fotos suas em minha casa…

- Você quer realmente me ver antes da premiação?

- Adoraria – Respondeu com o coração batendo um pouquinho mais rápido – Mas vai

ser muito complicado…

- Pode deixar comigo… Eu tenho que ir agora…

- Ah… A entrevista vai ao ar amanhã…

- Vou assistir… Aguarde noticias minhas…

- Vou esperar…

- Beijo linda…

- Beijo…

Fernanda desligou o telefone colocando lentamente no gancho. Há quatorze anos não ficava assim por falar com alguém muito menos com uma mulher… “Beijos linda” somente Marcelo a tratava assim e o mistifório de pensamentos era inevitável… Perez Mendes… Era impossível ela sair no meio de uma turnê da mesma forma que era

impossível ela sair do Brasil sem que fosse a trabalho. “Ela encontrara outra Fernanda rapidamente” Pensou e decidindo que Perez era um risco Procurou o papel que ela lhe dera e colocou no fundo de sua gaveta vendo Silvia irromper o ambiente.

- Me explica o que foi isso? – Perguntou com seu jeito maluco.

- Não foi nada Silvia…

- Nada? Ok… A Perez Mendes te liga para perguntar se você está bem e não é nada? Eu realmente não sei o significado dessa palavra…

- Ela quer me ver outra vez…

- E você?

- Eu o que?

- Quer ver ela?

- Não… Sim… Não sei… Ela é Perez Mendes… Parou para imaginar quantas mulheres

lindas e homens maravilhosos que querem ocupar a cama dela? Basta ela estalar os dedos…

- E daí? Não estou falando para você namorar com ela muito menos beijá-la

novamente… Quero saber se você vai vê-la novamente…

- Vou… No Grammy…

- Cuidado com o que você vai fazer… O Marcelo é um homem perfeito para qualquer

mulher… Ótimo pai, Ótimo marido e ótimo amante segundo suas palavras… Não deixe

uma fantasia tomar conta da sua cabeça…

- Relaxa Silvia… A Perez é uma ótima pessoa, mas não gosto de mulher… Se lembra desse detalhe?

- É bom mesmo… Esse negocio de não ter um acessório essencial para a satisfação feminina não está com nada…

- Silvia vai trabalhar… Esquece o que aconteceu… Foi apenas um desabafo de algo que nunca tinha me acontecido antes e que nunca mais vai se repetir…

A verdade é que Fernanda não conseguiu esquecer. Os dias se transformaram em

semanas que se converteu em um mês. Esperou ansiosa cada toque do telefone, mas ele não veio. Escutava o cd da cantora quase todos os dias e suas visitas ao quarto de

Fabiana ainda eram freqüentes. A entrevista que foi um enorme sucesso quando foi ao

ar ainda estava gravada no seu computador pessoal e as informações da turnê mundial

que tinha começado com o pé direito era sua principal distração. Perez estava tendo lotação garantida nos estádios por onde passava com ingressos sendo vendidos em dias e em alguns lugares apenas horas. A turnê era uma das mais aguardadas do ano e estava cumprindo o que tinha prometido. A produção gigantesca que viajava com mais de cento e cinqüenta pessoas e toneladas de equipamentos estava fazendo um trabalho espetacular gerando apenas criticas positivas. Perez estava no topo das paradas liderando o ranking das musicas mais executas com On The Road e a imprensa já anunciava sua turnê como uma das mais lucrativas da atualidade. Tudo o que envolvia o

nome da cantora virava ouro: Seu tipo de cabelo virava estilo e suas roupas viravam moda. Ela era um imenso imã atraindo tudo ao seu redor e quem ela quisesse. Fernanda sabia disso. Os pensamentos de Fernanda aos poucos foi se direcionando para outras coisas deixando a lembrança da garota de olhos verdes de lado. Silvia tinha toda a razão em relação seu encanto com Perez: Uma fantasia nada mais que isso. Marcelo era um

homem perfeito e ao contrario de Perez que era o sonho de milhares de pessoas ela era o sonho de uma única pessoa: Seu marido, mas um telefonema mudou seu modo de pensar mais uma vez. A reunião era para ser rápida, mas houve uma mudança de ultima hora e ela teve que repassar sua entrevista para os ancoras e para o editor-chefe. Toda a equipe que compunha o Sábado Interativo estava na sala quando Cely entrou pedindo licença.

- Fernanda ligação pra você… Sr. Taylor… Ele é gringo… – Falou a assistente com o

mesmo tom debochado.

- Peça para ligar no meu celular – Falou Fernanda sorrindo para Silvia que retribuiu. Ambas sabiam quem era – É uma ligação internacional importante chefe. – Se explicou

para o diretor.

- Tudo bem… Continuando…

Fernanda ficou segurando o celular para senti-lo vibrar sem tirar a concentração da equipe. Minutos depois o mostrador acusou uma chamada de São Paulo. Atendeu para

dispensar e deixar a linha livre para Perez.

- Fernanda – Atendeu distraída.

- Oi…

- Ola… Eu estou em uma reunião agora. Me passa seu nome e numero que eu retorno o contado.

- Tudo bem… Perez Mendes… Hotel Fasano.

- Per

atenção de todos. – Desculpe pessoal – Falou saindo da mesa indo até um canto – você está no Brasil?

- NA sua cidade para ser mais exata. Vou ficar aqui até manhã às três da tarde. Depois disso tenho que voltar para a Europa…

- Você é louca? A imprensa nem sonha que você está aqui não é?

- Não

- Ok… Eu… Eu passo ai a noite…

- Você vai subir para o quarto do Sr e Sra. Taylor…

- Quem veio com você?

- Só o John e os seguranças…

- Ok… Até as sete da noite eu passo ai… Beijo…

Fernanda desligou o aparelho mordendo a parte inferior. Não percebeu que estava tremula e agitada.

- Algum problema Fernanda – Perguntou o editor.

- Não… Nenhum… era aquela pessoa… – Falou se dirigindo a Silvia.

- Eu percebi… E ai?

- Ela está no Brasil…

- Mas nós não ficamos sabendo de nada… Nem as agencias internacionais…

- Ninguém da imprensa sabe… Com certeza veio em um vôo particular…

- Quem é tão importante assim?- Perguntou o Editor curioso.

- Ninguém – Se apressou em responder Fernanda – Chefe como eu já passei minha parte eu posso sair agora?

- Você vai sair no meio de uma reunião por ninguém?

– Exclamou alto de surpresa cortando o nome no meio, mas já tinha chamado a

- ele vai embora amanha para a Europa e é uma fonte muito importante,,, Não tenho muito tempo… Alivia essa vai… – Mentiu para preservar Perez.

- Tudo bem… Vai.

Fernanda saiu apressada da sala. Já era cinco da tarde e não teria tempo para ir para casa se arrumar. Sua sorte foi uma maleta de emergência que sempre carregava no carro. Não sabia quanto tempo ia demorar lá e então decidiu não avisar Marcelo e deixar um recado

com Silvia caso ele ligasse. Entrou na sala já arrumada quando a reunião acabou.

- Silvia se o Marcelo ligar diga que você não sabe onde estou.

- Vai deixar o celular desligado?

- Acho que sim.

- Em caso de emergência onde eu te encontro? – Perguntou desaprovando a atitude da amiga.

- No hotel Fasano - Respondeu já saindo da sala.

- A Fernanda está tendo um caso fora do casamento? – Perguntou o editor com uma mórbida curiosidade.

- Eu não sei – Respondeu sorrindo.

- Você sabe sim… Quem é o cara de sorte?

- Quer mesmo saber? Ela está transando com a Perez Mendes…

- Ok… Não quer contar não conte… Tenho fontes que me dirão.

- Eu estou dizendo a verdade – Completou rindo.

A situação era tão absurda que a verdade era inacreditável…

Capítulo 11

Perez desligou o telefone pensando na loucura que fizera: George quase surtara quando disse que vinha para o Brasil. O maior receio dele era que a mídia soubesse e por varias vezes alegou o fato de Fernanda ser uma jornalista. Não tinha como negar que estava vindo vê-la e teve que ser incisiva com sua decisão: Sempre conseguia tudo o que queria e com Fernanda não seria diferente. Tirou a roupa da viagem que também servia como seu disfarce e tomou um banho demorado. O calor da cidade estava deixando-a atordoada e colocando um robe curto se jogou no sofá da sala de estar zapeando a TV. Jogou o controle na mesa de centro andando de um lado para o outro. Estava nervosa com a espera de quarenta minutos se perguntando se a loira iria realmente vê-la ou não. Saiu para o quarto parando na frente do espelho escutando com expectativa o barulho da porta se abrindo. Andou ansiosa até a sala de estar e com um misto de alivio e alegria viu Fernanda colocando a bolsa encima da mesa de mármore da sala de jantar. Com um sorriso de orelha a orelha admirou a bela loira que vinha em sua direção usando uma saia até o joelho combinando perfeitamente com a camisa branca. O cabelo que caia sobre os ombros estavam displicentes o que a deixava magnífica.

- Nanda… – Falou se apressando em abraçá-la. – Fiquei com medo que não viesse…

- Eu disse que viria… – Respondeu retribuindo o abraço apertado que recebia

percebendo que sentira muito mais saudades do que imaginava da cantora. Mantiveram o contato por muito mais tempo que o necessário. Perez se afastou o suficiente para fitar os olhos cor de mel e a boca rosada que estava entreaberta convidando-a para um beijo. Fernanda fechou os olhos sabendo o que viria a seguir subindo as mãos para as madeixas negras onduladas se chamando de louca. Era insano o que fazia, mas não havia mais volta: O imã de Perez Mendes a tinha pegado e não tinha como escapar dele não sabia precisar se queria escapar. Sentiu os lábios se colarem e o que começou excitante só fez ficar mais intenso de forma que não conseguiam se conter. Puxou a amarra fazendo que a peça de seda que Perez usava caísse aos seus pés

e sorrindo internamente se lembrou do vídeo que vira onde ela aparecia como gogo girl.

Era incrível que aquele corpo lindo que vira estava agora a sua disposição. Não existia

mais nenhum limite para ela. Tinha acabado de ultrapassar a ultima barreira da sanidade

e de suas crenças quando concordara em vê-la. Não tinha mais importância se nunca

tinha ficado com uma mulher antes se o que estava fazendo era certo ou errado, queria descobrir como uma adolescente, o prazer de ser entregar a outra pessoa e conhecer

novas sensações. Nada naquele momento era importante a não ser o toque da mulher a sua frente que subia suas mãos por suas coxas por baixo de sua saia apertando o bumbum deixando-a de maneira que Marcelo nunca conseguira. Desabotoou a camisa jogando-a no chão se livrando do próprio salto empurrou a cantora para trás até alcançarem o confortável sofá. Perez se sentou e tirou a saia que a loira usava beijando sua barriguinha levantando sua perna beijando sua coxa interna. Fernanda se encaixou sentando em seu colo colocando uma perna para cada lado deixando as bocas se encontrarem novamente. Perez a deitou no sofá abrindo o fecho do sutiã frontal ao mesmo tempo em que um som de celular tomou conta do ambiente.

- Deixa tocar… – Falou Perez abafado mordendo o lábio de Fernanda.

- Pode ser a Fabiana… Desculpa… Eu atendo e desligo… Se for ela não vai desistir até eu atender… Fernanda saiu sofá se xingando por não ter desligado a merda do celular. Pegou o aparelho na bolsa que acusava uma chamada de casa com a foto de Marcelo e Fabiana

rindo. Olhou para suíte em que estava e para a mulher que a olhava inquisitiva usando apenas um projeto de calcinha de renda.

- É o Marcelo…

- Fala que você vai chegar mais tarde…

- Alô?… Oi gato… Não vai dar para jantar com vocês… To indo para o Rio… Nada

apenas uma gravação na Lagoa amanhã cedo… No final da tarde, mas eu vou direto

para a redação… Ok

Fernanda desligou o aparelho e colocou-o encima da mesa olhando para Perez que a encarava intrigada.

- Rio?

- Rio de Janeiro… Dá uma viagem de uma hora… Ou de uma noite… – Completou

com um sorriso que continha inúmeras promessas. – Onde paramos? Perez retribuiu o sorriso se levantando abraçando a loira novamente. Beijou sua boca delicadamente e sentiu suas mãos tirarem o próprio sutiã de renda que usava. Tudo no corpo da mulher a sua frente era maravilhoso despertando o tesão que sentia ao tocar a pele quase translúcida que agora em um tom mais forte indicava a excitação que sentia. Derrubando um vaso no caminho do quarto encontraram a cama. Se jogaram no colchão desarrumando tudo pela urgência que sentiam. Perez desceu para o pescoço da loira sentindo o gosto da sua pele sob sua língua, sentindo embaixo das suas mãos os pêlos loirinhos se arrepiarem pelo toque e os gemidos que ela soltava apertando as unhas cumpridas e bem pintadas em suas costas. Alcançou os seios lascivos admirando, abocanhando cada um, os dois ao mesmo tempo… Adorava seios que se encaixassem perfeitamente em sua mão e os da loira eram do tamanho certo: Grandes não exagerados nem pequenos demais. Brincou com os bicos rosados dando sugadinhas, mordidinhas

tirando a razão de Fernanda que se contorcia se deleitando no prazer que sentia. Desceu pela cintura desenhando um caminho até encontrar a única peça que a separava da satisfação total. Arrancou a calcinha e encaixou as pernas em seu ombro invadindo sua feminilidade fazendo com que os gemidos da loira ficassem mais altos. Fernanda deixou

a cabeça pender para trás esfregando os pés nas costas de Perez se sentindo perder os

sentidos enroscou uma mão nos cabelos negros e outra nos lençóis de algodão egípcio

Beijo gato…

que testemunhavam seu momento de luxuria. Sentiu quando dois dedos a invadiu e

combinados com as chupadas que recebia em pouco tempo deu sinais do gozo que se aproximava. Perez sentiu a umidade da gruta de prazer aumentando e intensificou as suas estocadas e sentindo o corpo desfalecer embaixo do seu toque explodindo em um orgasmo. Levantou a cabeça com um sorriso mordendo o lábio inferior ainda massageando o clitóris de Fernanda que se apoiava nos braços encarando seus olhos com um misto desejo e volúpia. Subiu para o corpo buscando sua boca beijando-a deixando sua língua passear entre seus dentes e seu céu da boca colocando um dedo ainda molhado pelo gozo em seus lábios sentindo o gosto de fêmea.

- Sente como você é deliciosa…

- Deus! – Exclamou Fernanda depois de chupar o dedo que lhe era oferecido – Como isso pode ser tão bom? Como pude perder tanto tempo…

- Não vamos falar muita coisa… Não vamos perder mais tempo…

Perez beijou Fernanda novamente e com mais calma deixou a língua passear pelo corpo da jornalista mais uma vez. Tudo acontecia de forma mágica e não havia como parar, não havia razão para parar. A cantora conseguia despertar sensações que ela nem sonhava sentir com um toque feminino. Uma simples mordidinha na coxa se tornava em algo absurdamente sexy. Era maravilhoso ver e sentir como a garota de olhos verdes tinha agilidade naquilo que fazia. Deixou se levar pelas emoções enquanto se entregava totalmente ao prazer absoluto que Perez lhe proporcionava virando-a do avesso explorando cada centímetro da sua pele descobrindo todos os seus pontos de prazer. Fechou os olhos e se perdeu no turbilhão de emoções que sentia naquela noite.

Fernanda acordou com o sol invadindo o quarto atravessando as cortinas claras. Levou um segundo para localizar onde estava: A cabeleira negra do seu lado revelava que tudo que tinha sentido na noite anterior fora real: Havia transado com uma mulher. Acariciou os cabelos de Perez e se levantou indo até o banheiro jogar água no rosto para espantar

o

resto de sono pela noite mal dormida. Eram três da manhã quando pediram um lanche

e

ainda tinham feito amor mais uma vez antes de dormirem exaustas com os corpos

enroscados. Levantou os olhos para o espelho ao sentir as mãos macias que tocavam sua cintura e a boca de Perez em seu pescoço.

- Sempre acorda tão cedo? – Perguntou Perez virando-a dando um beijo em seus lábios.

- Já são mais de dez da manhã… A única coisa que não está é cedo…

- Até duas da tarde pra mim é cedo…

- Que tal usarmos aquela hidro ali? – Perguntou arrumando o cabelo negro para trás.

- Tá me chamando de fedida é?

- Não… To dizendo que quero tomar um banho com você… – Respondeu tirando o roupão felpudo que usava revelando seu corpo nu – Um banho sem pressa… Com muita

espuma…

- Parece irresistível… Mas eu preciso de uma massagem… Você cansa sabia?

- Eu sou cansativa é isso?

- Não… To dizendo que você é linda, gostosa e o melhor de tudo insaciável… Vem…

Prepararam o banho com sais e deixaram os corpos se unirem mais uma vez sob a água

quente que renovava todas as energias. Saíram da água depois de uma hora e foram direto para a cama, mas foram interrompidas por John.

- Meninas? Vocês estão vestidas? – Perguntou o homem jogando o cartão encima da

mesa.

- O que você quer John? – Perguntou Perez colocando o roupão de banho.

- Estou com fome e soube que o restaurante desse hotel é imperdível… Fiz uma reserva para três… - Respondeu observando as duas mulheres que apareceram abraçadas.

- Você quer ir? – Perguntou a Fernanda.

- Ele tem razão… A comida é italiana e o tempero de dar água na boca… Imperdível…

- Ok… Fui vencida… Vamos nos vestir John… Espere aqui…

Trinta minutos depois e já compostas desceram para o restaurante do hotel no 1° andar. Perez estava irreconhecível usando um conjunto esporte que escondia seu corpo e óculos escuros e boné para esconder seu rosto e cabelo. Ninguém diria que o rapaz que entrou no restaurante de mãos dadas discretamente com a mulher loira era Perez

Mendes. Nem mesmo Marcelo.

- Que bom que aceitou meu convite para discutirmos a oferta do hospital.

- Nada melhor do que conversar sobre trabalho com um excelente almoço- Respondeu

Marcelo apertando a mão dos dois homens a sua frente. Discorreram sobre a oferta que um importante hospital estava fazendo a clinica que

Marcelo possuía. A proposta era muito boa e ele estava empolgado com a idéia. Iria ter muito mais para oferecer a Fernanda e mais tempo para ficar junto com Fernanda e Fabiana se dedicando a sua família. Estava ansioso para buscá-la no aeroporto na parte da tarde para transmitir a novidade, afinal não tinha como recusar a oferta. Estava no meio de uma frase quando um grupo chamou sua atenção: Fernanda entrou no restaurante indo em direção a parte externa com mais dois homens. Um parecia ter sua idade e o outro era bem mais jovem trajando roupas esportes que escondiam seu rosto e que estava de mãos dadas com sua esposa. Tentou se concentrar na conversa, mas foi algo quase impossível. Pelo vidro podia ver que se sentaram em uma mesa a um canto e conversavam animadamente. Não era do tipo de causar uma cena de ciúmes. Não sabia que horas ela tinha chegado e pelo que tinha conhecimento a gravação no Rio era no período da manhã e não teria tempo o suficiente para gravar e voltar para São Paulo antes da tarde. Também não queria acreditar que Fernanda estava mentindo tendo um caso. Ainda com varias perguntas na cabeça viu quando o rapaz se inclinou beijando sua mulher. Tentou fazer algo, ter algum tipo de reação, mas só conseguiu ficar olhando enquanto a mulher que mais amava no mundo passava o braço em volta do pescoço do rapaz retribuindo o beijo. Decidiu não fazer nada para não chamar a atenção já que Fernanda não o tinha visto e optou por ser cauteloso para lidar com aquela situação. Começou a conversar bobagens enrolando os seus acompanhantes para terminarem o almoço ao mesmo tempo que ela. Viu quando pediram a conta e saíram. Pediu licença e segui-os de longe não acreditando quando se encaminharam para o elevador claramente mostrando que iam subir para o quarto. A única forma de confirmar o obvio era enganando a recepcionista do hotel.

- Oi… Boa tarde – Falou um pouco inseguro – Eu estava almoçando no restaurante e

um grupo que estava na área externa esqueceu esse celular – Disse apontando para o próprio aparelho – Eu gostaria de saber se eles estão hospedados aqui e devolver, se não vou ter que esperar darem falta e ligar e isso pode demorar um pouco…

- Pois não senhor… Eles estavam na área externa… Sabe me dizer a mesa?

- A do canto perto do vidro…

- Aqui está… Eles estão hospedados no hotel sim… Pode deixar o aparelho comigo e encaminharei a eles pessoalmente…

- Qual o quarto?

- Essa informação eu não posso lhe passar, mas pode deixar que farei com que os Srs. Taylor recebam o aparelho…

- Sr. e Sra. Taylor?

- Isso mesmo… – Respondeu a recepcionista mordendo o lábio. Já tinha dito demais.

- Não se preocupe… eu me encarrego disso. Obrigado. Marcelo saiu as cegas andando sem direção… Sr e Sra. Taylor! Ela ainda tinha a

capacidade de usar o nome do amante para se hospedar em um hotel de luxo! E por que um hotel de luxo e não um motel? E se de repente houve alguma mudança na gravação

e ela teve que vir antes para São Paulo? Não explicaria por que ela o tinha beijado, mas era uma esperança. Pegou o celular e ligou para tirar a duvida.

- Oi meu amor… – Falou tentando manter a voz controlada – Que horas seu vôo vai sair daí? Tenho novidades…

- Oi gato! – Ouviu a voz de Fernanda abafada – Vou chegar em São Paulo as quatro da

tarde, mas vou direto para a redação… Eu tenho que desligar agora… Depois eu te ligo… Beijos. Então era isso… A mulher por que ele dava a vida o estava traindo. Parou em um bar e pediu uma dose de uísque. Ligou para a clinica e desmarcou todas as consultas, pois sabia que não tinha cabeça para trabalhar. As perguntas eram muitas: Há quanto tempo ela saia com aquele moleque? Quem era aquele moleque? Quem era o homem com eles? E por que estava com eles? Será que ela dormia com os dois? Quem era aquela Fernanda que ele vira? Quem era a mulher que dormia com ele toda noite?

Capitulo 12

- Fernanda onde você escondeu a mulher sensata que eu conheci? – Perguntou Silvia

assim que viu a amiga sentada em sua sala girando a cadeira com cara de boba – Seu chefe quase teve um ataque por seu sumiço!

- Ele sempre tem ataques e mesmo assim continua vivo… Fecha essa porta…

- Me conta tudo…

- Ela é maravilhosa Silvia… Não existem formas nem palavras para defini-la… Ela é gentil, carinhosa, meiga, mas ao mesmo tempo ela tem uma chama maravilhosa… Um jeito de tratar uma mulher que é fascinante…

- Então ela estava mesmo no Brasil?

- Sim… O avião dela saiu para Berlim essa tarde…

- Você transou com ela?

- A noite inteira… Você não faz idéia de como é bom… O jeito como tudo acontece…

O Marcelo nunca me tocou como ela… Nunca me senti tão completa na cama…

- Não quero saber os detalhes da sua aventurinha… O que você disse para o Marcelo?

- Que eu estava em uma gravação no Rio…

- Não preciso te dizer que desaprovo sua atitude não é?

- Não… Não precisa… Mas a Perez é tão perfeita…

- Imagino… Linda e milionária… Até eu seria perfeita…

- Não tenha delírios Silvia… Sabe que nunca me importei com status…

- Sabia que você está com cara de adolescente?

- Eu me sinto como uma…

- E o que vai acontecer agora? Vai vê-la novamente?

- Se eu falar que eu não gostaria estaria mentindo, mas foi o momento… Não se repetirá…

- Eu vou discordar de você… Pelo que eu me lembro quando vocês se beijaram pela primeira vez você tinha dito que não iria se repetir e olha onde foi parar…

- Posso te assegurar que não vai se repetir… Ela conseguiu o que queria e eu também. Minha realidade é aqui…

- É muito bom que você tenha essa consciência. Não brinque com os sentimentos do Marcelo e nem o machuque… Ele é um homem ótimo que com certeza não merecia essa traição… Não jogue seu casamento fora por causa de uma fantasia com uma mulher…

- Não vou jogar, mas também não vou ficar arrependida pelo que fiz… Foi ótimo e não pensaria duas vezes em viver essa noite novamente, mas como já te disse antes… Nossos mundos são diferentes – Falou Fernanda se levantando da cadeira - Vou ver como ficou a entrevista de sábado e vou pra casa…

- Cuidado amiga…

- Relaxa Silvia… Você não vai viajar não?

- Na próxima semana vou para Honolulu…

- Que chato amiga!

- Pois é… O Havaí que me aguarde…

Fernanda saiu do prédio as seis da tarde depois de rever o trabalho e retornar a ligação de Marcelo varias vezes, mas sem sucesso: O numero estava dando fora de área e

decidiu saber o que ele queria em casa mesmo. Subiu para o apartamento trinta minutos depois com a maleta de viagem. Encontrou Fabiana na sala de tv com mais uma amiga.

- Oi mãe… Achei que ia chegar mais tarde do Rio.

- Oi meu amor… Já era pra eu estar em casa bem antes… Tudo bem Carlinha?

- Tudo.

- Ta tudo bem por aqui?

- Ta sim

- E o seu pai?

- Ele ta lá no escritório… Ta esquisitissimo…

- Porque?

- Sei lá… Pegou uma garrafa no bar e desceu para o escritório se trancando lá. Disse

que não estava pra ninguém… Fernanda olhou desconfiada para a escada e depois pra Fabiana. Deu ombros e levou a bolsa e a mala para o quarto entes de falar com ele.

- Marcelo? – Chamou batendo na porta – Posso entrar?

- Entra – Ouviu sua voz calma como sempre.

- Está tudo bem?

Marcelo fitou a mulher parada a sua frente. Ainda usava a mesma roupa que vira no restaurante. Como ela podia ser tão fria? Como conseguia esconder tão bem suas

aventuras?

“Está tudo bem?” Tirando o par de chifres que ostentava na testa estava tudo ótimo.

- Sim… Só estou um pouco cansado…

- A Fabiana me disse que você está bebendo – Observou a garrafa já pela metade enquanto lhe dava um selinho.

Precisava beber para engolir o que descobrira… Precisava de um escape para não perder

a cabeça.

- Só um gole para relaxar… Como foi o Rio?

- Foi bom… Tudo como o planejado…

Marcelo ficou escutando enquanto Fernanda contava inverdades sobre uma falsa estadia

no Rio. Analisava a mulher loira, suas feições, seus lábios tão perfeitos e macios sendo tomados por outra boca que não fosse a sua… Não conseguia nem imaginar o resto que certamente acontecera. A mulher a sua frente era sua esposa e sempre faria de tudo por la pelo simples fato de amá-la sem limites, sem medo de se doar. Depois que saíra do restaurante sua primeira reação fora esganá-la, sair de casa ou qualquer coisa que a fizesse sofrer da mesma maneira como ele, mas não tinha coragem de fazer nada disso. Não suportaria ficar sem ela. Fernanda era a coisa mais importante que ele tinha na vida

e tivera certeza disso olhando as fotos que possuía dela no celular. Tinha se casado por amor o mesmo amor que sentia se perdendo nos olhos castanhos da mulher a sua frente

que continuava falar alguma coisa que ele tinha certeza que era mentira. Tinham uma

vida juntos e ninguém ia estragar isso. Talvez ela apenas precisasse mudar um pouco, mas sempre voltaria pra ele. Ninguém tinha visto e nem soubera de nada e nem precisavam saber. O importante era que era capaz de perdoá-la pelo seu deslize: A confiança seria restituída com o tempo e se dedicaria ao dobro para que ela não precisasse buscar absolutamente nada fora do casamento.

- O que você queria falar comigo no meio do dia?

- Eu almocei com o diretor daquele hospital que eu te falei… Vamos fechar contrato…

- Que ótima notícia gato… Parabéns! – Falou Fernanda se sentando no seu colo

- Obrigado. Vai ser muito bom pra nós… Vou ter muito mais tempo pra você e dinheiro também… Você sabe o quanto eu te amo não sabe?

- Eu sei lindo… Eu também te amo…

Marcelo retribuiu o beijo que recebia se perguntando o tipo de amor que Fernanda

possuía por ele. Sem a resposta apenas a afastou se levantando indo até a janela.

- Vai tomar um banho… Você deve estar cansada…

- E estou mesmo… Exausta – Falou Fernanda abraçando-o por trás. – Que tal uma

massagem depois do jantar? Posso te deixar bem mais relaxado do que essa bebida…

-

Tenho certeza que você consegue… Podemos conversar sobre isso… Eu vou preparar

o

jantar…

Marcelo saiu para a cozinha preparar a comida já pré-cozida enquanto Fernanda se atirou em um banho demorado. Como há muito tempo não fazia ligou o radio e colocou sua musica predileta em volume alto. Marcelo sabia que quando ela escutava Patti Smith significara que algo muito bom havia acontecido. As lagrimas afloraram em seus olhos quando a mulher começou a acompanhar a letra empolgada:

…Because the night belongs to lovers, Because the night belongs to us. Because the night belongs to lovers, Because the night belongs to us.

(Porque a noite pertence aos amantes, Porque a noite pertence a nós. Porque a noite pertence aos amantes, Porque a noite pertence a nós…)

(Because the night – Patti Smith)

- Pai a mãe ficou doida foi? – Perguntou Fabiana se sentando no balcão da cozinha. –

Olha a altura que ela ta escutando musica… Pior ainda que ela ta cantando… Que mico!

- É… Acho que ela perdeu a cabeça…

Praga - Republica Tcheca

O avião taxiou a pista e um grande numero de pessoas esperavam ansiosos a aparição da artista mais vendida do país. As câmeras bem posicionadas gravavam tudo para as futuras matérias que sairiam. A Arena O2 onde o show aconteceria já tinha esgotado bilheteria em apenas um dia: Todos queriam ver a estrela do momento de perto. A porta

foi aberta e algumas pessoas começaram a descer, todos da produção entre bailarinos, músicos, técnicos de som e assistentes. Perez tinha passado a curta viagem entre a Itália

e Praga imersa em seus pensamentos que reinava apenas uma pessoa: Fernanda. Depois

de uma semana ainda conseguia sentir o seu cheiro em sua pele, ter a nítida sensação de seus corpos suados enroscados de prazer. Quando chegara em Berlim George e Malika já tinham preparado todo um esquema para quando a noticia viesse a publico, já que Perez havia dormido com a própria imprensa como frisaram varias vezes. Ela não tinha tido forças para dizer alguma coisa contra por que de certa forma eles estavam com a razão: Tinha sido apenas dois encontros e não conhecia bem a jornalista para colocar a

mão no fogo por ela, mas depois de sete dias e nada noticiado soube que podia confiar nela e o que começou somente como uma vontade de sexo se transformou em algo a mais dentro da sua mente e coração. Se assustou quando Malika chamou sua atenção:

Era hora de voltar para a sua realidade e o seu trabalho. Se levantou ajeitou o casaco pesado de lã grossa, colocou seus inseparáveis óculos escuros, ensaiou um sorriso e saiu para a vida real. Do aeroporto até o hotel foi rápido. Difícil tinha sido sair do saguão: As fotos, autógrafos e a luta dos seguranças para manter todos afastados. A limusine parecia a quilômetros e distancia da porta, mas esse era seu mundo e ela adorava o carinho que recebia de todos a sua volta como uma droga entorpecendo seus sentidos. Desembarcaram no Hotel e um grupo subiu para sua suíte para beber. Perez sabia que a grande maioria ali se drogava e arrumavam essas substancias com uma facilidade incrível. A única coisa que fazia era fumar um cigarro de Marijuana. Se jogou em uma poltrona enquanto John lhe entregava um copo de Scoth sua bebida favorita.

- Você tem um cigarro? – Perguntou sorvendo um gole.

- Tenho… Eu vou pegar – Respondeu sabendo a que tipo de cigarro ela se referia.

- Michael! O que você faz aqui? – Perguntou reconhecendo o marido de Malika.

- Vim passar alguns dias com minha mulher já que você a tirou de mim… – Respondeu o homem a cumprimentando.

- Espero que aproveite e se divirta. Chegou na cidade hoje?

- Sim…

- Vai ver o show? – Perguntou acendendo o cigarro que John lhe entregava.

- Com certeza… Você está misturando álcool e drogas? – Perguntou sentindo o cheiro do cigarro que ela fumava.

- Não vai me matar… Não por enquanto…

- Mas toma cuidado… Essas misturas podem ser perigosas…

- Obrigada pelo conselho – Respondeu risonha.

Perez se dirigiu para a janela gravando a cidade na mente. Começava a escurecer e as luzes misturadas com a pálida claridade natural eram fantásticas. Viu na rua um grupo de fãs ansiosos para conseguir alguma coisa sua e se encostou na amurada acenando para eles. Voltou para dentro do quarto puxando mais um trago imaginando como seria se Fernanda estivesse ali com ela, mas tentava sempre se convencer de algo que dissera a si mesma: A jornalista era apenas mais uma transa entre tantas que se ela quisesse teria.

Puxou mais um trago enxergando uma garota de traços orientais que conversava com malika. Ela era linda e sabia que a garota de aproximadamente vinte e cinco anos não era efetiva no grupo. John se aproximou ao notar como estava quieta.

- Algum problema Perez?

- Quem é aquela garota conversando com a Malika?

- Uma assistente que George contratou para auxiliá-la. Seu nome é Akiko

- Faz pouco tempo que ela está conosco não é?

- Se juntou ao grupo aqui. Veio direto de Nova York. Por que a curiosidade?

- Ela é linda…

- E a Fernanda?

- Ela é dor de cabeça. Mora longe, é casada e alem do mais nem me ligou depois

daquele dia. Acho que foi apenas o momento.

- Ninguém viaja mais de cinco mil quilômetros por uma transa. Por que você não liga

pra ela?

- Não vou ficar correndo atrás dela John. Se ela quiser alguma coisa comigo vou deixar

que venha até a mim. -Você é quem sabe…

- Vamos dar as boas vindas a Akiko?

- As boas vindas vai ser na minha cama ou na sua? – Perguntou malicioso.

- Na minha entre ela e eu…

- Egoísta… – Terminou rindo se juntando a Malika e o novo alvo de Perez.

A “festinha” durou o inicio da noite e se arrastou até altas horas. Malika observava

Peres se derretendo para sua nova colega de profissão sem poder fazer nada. Não podia levantar qualquer suspeita do marido. Percebera também que o copo da cantora nunca ficava vazio e entre seus dedos variavam cigarros comuns e de maconha. Desde que ela

voltara da sua pequena aventura no Brasil, Perez estava se comportando de maneira

estranha: Às vezes parecia alheia a tudo a sua volta perdida em algum mundo só seu e

às vezes perdia o controle sobre si bebendo e fumando em demasia como agora coisas

que ela pouco fazia antes de Fernanda. O show de Berlim tinha sido estrondoso durando

muito mais que o marcado com uma Perez dançando em todas as musicas explorando sua voz ao máximo e tinha feito o camarim durar mais de duas horas e meia. A critica tinha considerado a apresentação a melhor desde que a turnê se iniciara, mas ela conhecia Perez o suficiente para saber que ela estava exorcizando alguma coisa.

- George – Chamou Malika tirando a atenção do empresário que conversava com seu marido.

- O que foi?

- A Perez já bebeu demais. É melhor acabar com essa reunião.

- Ela ta usando alguma porcaria? – Perguntou vendo o cigarro entre seus dedos.

- Só maconha que eu tenha visto.

- Desliga o som.

Malika fez o ordenado enquanto George se dirigia aos presentes.

- Hei pessoal! Vamos acabar com a festa por que a Perez precisa descansar e nos

também. Temos muito trabalho amanha.

- Papai George está colocando ordem na casa… – Falou Perez alegre alem da conta

rindo.

- Ele tem razão – Falou John procurando seu casaco – Já passa das duas da manhã.

- Ok… Vocês venceram… – Um a um Perez viu sua suíte ficando vazia. Viu quando Akiko se dirigiu para a porta – Akiko… Fique mais um pouco…

- Não sei se é bom…

- Fique… Vou adorar sua companhia pelo resto da noite…

- Ok. – Respondeu a japonesa dando boa noite a John.

Perez acendeu um ultimo cigarro enquanto George e Malika saiam por ultimo. Viu o fogo que ardia nos olhos da morena por causa de Akiko. Passou o cigarro para a garota depois que ficaram a sós. Enquanto ela puxou um trago passou a mão por sua perna chegando mais perto deixando se insinuar por dentro da blusa tocando a pele quente. Puxou mais um trago que ela lhe oferecia beijando sua boca, abrindo sua calça tocando sua intimidade. Akiko deu um ultimo trago antes de jogar a bituca em um copo vazio empurrando os quadris contra os dedos que a penetravam.

Capitulo 13

São Paulo

Marcelo havia sofrido uma mudança palpável de comportamento. Estava muito mais

atencioso e cuidadoso com sua família. Fernanda percebera que ele agora dava atenção

a pequenos detalhes que antes deixava passar desapercebido. Na cama a mudança fora

realmente significativa: Se antes ele era fogoso havia se transformado em um homem insaciável revelando desejos sexuais e pedindo que ela da mesma forma lhe disse qual fantasia queria viver. Não estava acostumada com esse comportamento e algo em seu intimo lhe dizia que era por causa da sua pequena aventura fora do casamento: A não ser que ele a tenha visto no restaurante era impossível saber de alguma coisa. Já se passara três semanas desde que esteve com Perez e na primeira semana viveu no limite do medo que alguma coisa viesse à tona: Amava Marcelo e não queria que nada o

machucasse. Sabia que tinha feito algo muito errado por que indiferente que tenha sido com uma mulher ou um homem havia traído seu marido. Fernanda decidiu esquecer Perez depois de esperar um mês em silencio sem nenhum telefonema ou alguma noticia

a seu respeito. A cantora havia saído da sua vida da mesma forma como entrara:

Sorrateira e avassaladora. Sabia que isso aconteceria, mas não queria acreditar que tudo tinha se resumido a sexo. Talvez Perez não a tenha achado interessante na cama: Depois de quatorze anos dormindo com a mesma pessoa vícios são normais e rotinas também:

Azar o dela e sorte a sua. Nunca mais faria qualquer coisa que colocasse sua família em risco novamente. Terminou uma gravação com uma cantora baiana de âmbito internacional e pegou o avião retornando para casa. Faltavam cinco dias para o Grammy e tinha que estar em Los Angeles um dia antes da premiação. Marcelo parecia estranhamente feliz por ela ir viajar: Talvez ele quisesse um tempo pra ele ou apenas fosse sua farta imaginação. Um dia antes da viagem foi surpreendida com um jantar em um dos melhores bistrôs de Moema.

- Que surpresa deliciosa Marcelo…

- Como você vai ficar fora por cinco dias achei que seria conveniente e também por que faz tempo que não nos damos um momento como esse…

- Adorei… – Falou acariciando sua mão por cima da mesa.

- Você merece, linda…

- Você é o marido perfeito que qualquer mulher pode querer…

Marcelo ficou escutando enquanto a mulher loira a sua frente falava coisas sobre ele. Ela estava linda usando um vestido Reinaldo Lourenço que ele lhe dera na noite anterior

com os cabelos meticulosamente presos em um charmoso arranjo. Seus olhos brilhavam enquanto falava e sabia que ela dizia a verdade: Estavam casados a tempo suficiente para conhecer a mulher que amava incondicionalmente de todas as formas. Sentia o amor em suas palavras e isso era muito mais importante que qualquer outra coisa no mundo.

- Eu não consigo ver minha vida sem você… – Falou Marcelo com toda a sinceridade – Talvez você me ache um babaca romântico… Sei que isso não é comum que um homem diga, mas eu sou capaz de qualquer coisa para te ter ao meu lado.

- É gostoso ouvir isso… Romantismo devia ser acessório de fabrica em um homem, mas eu tive a sorte grande de te encontrar… Eu amo você…

- Eu também…

Marcelo deu um beijo na mão de Fernanda e depois de pedirem a conta estavam partindo para a segunda parte da noite que ele preparara: Subiram para uma suíte em um

hotel na zona sul já decorado ao longo do dia com a ajuda de uma especialista. O

imenso quarto estava cheio de flores e frutas com uma luz baixa. O perfume que exalava no lugar era inebriante e uma camisola vermelha e curta estava à espera de Fernanda. Abraçou o marido o beijando se esfregando em seu corpo, antecipando o prazer que viria a seguir. Tirou sua camisa beijando seu peitoral bem definido, massageando o membro sobre a calça. Voltou sua atenção para a peça encima da cama e foi para o banheiro com ela. Reapareceu minutos depois com os cabelos caindo sobre os ombros se exibindo para o homem já nu sob os lençóis de seda.

- Gostou? Acha que me caiu bem? – Perguntou levantando um lado da minúscula peça.

- Acho que você fica perfeita… Sem ela…

Fernanda subiu na cama e Marcelo se sentou deixando sua cabeça na altura da cintura

dela. Passou a mão por baixo da peça tirando a calcinha que ela usava subindo a

camisola deixando-a nua da cintura para baixo. Enfiou a cabeça na sua intimidade, mas foi detido por ela.

- Gato… Obrigada por tudo…

- Eu te amo Nanda e a única coisa que importa e que eu quero que se lembre sempre é

que não importa o que aconteça, não importa o que você faça nunca se esqueça que eu sempre vou estar aqui por você… Com você… Fernanda se entregou aos beijos do marido sentindo seu familiar peso sobre seu corpo. Fechou os olhos e passou a língua nos lábios sentindo sua boca explorar seu sexo. Se entregou sem pudores ao homem que amava encarando os olhos azuis enquanto sentia o pênis invadindo-a. Acompanhou os movimentos de vai e vem em um frenesi alucinado. Naquele momento eram só um prometidos um ao outro desde o nascimento, escrito nas estrelas destinos que os uniam e que ninguém no mundo separaria.

Bélgica

- Por que ela não me ligou John? – Perguntou Perez pela milésima vez bebendo uma cerveja – Por que?

- Eu não sei Perez… Como já te disse antes talvez ela não tenha gostado de ficar com uma mulher… Vai entender… Você não disse que ela não é lésbica?

- Segundo ela a única experiência homossexual que tinha era um beijo de três

segundos, mas será que eu fui tão ruim assim?

- Perez… Minha linda… Ela foi cortejada por uma das mulheres mais bem sucedidas do

mundo inteiro. Qualquer um iria querer ficar com você… Talvez ela tenha caído na real e visto que a vida com o marido é o que ela quer… já parou para pensar que ela o ama?

- Sabe qual é a pior coisa de ser quem eu sou?

- Não. Me diga.

- Eu não sei o que é ficar com alguém de mãos dadas fazendo planos para o futuro…

Desde a época da universidade parece que todas as pessoas se aproximam de mim é por sexo ou dinheiro ou os dois…

- E a Akiko?

- Nós transamos algumas vezes, mas foi só isso… Eu não gosto dela… È apenas uma

companhia agradável nada mais…

- Por que você não se assume Perez? Fala pra imprensa e pra todo mundo do que você

gosta realmente… Assim com certeza fica mais fácil de você arrumar uma mulher bacana…

- Os paparazzi já me seguem por eu ir ao banheiro ou beber um copo de água… Imagina como ficaria minha vida com uma revelação dessa? Não posso mais… Já passou o momento…

- Então minha querida não há mais nada que possamos fazer… Você queria diversão e a

Fernanda queria estar com a Perez Mendes. Ambas tiveram o que queriam. Bola pra frente e cada um segue sua vida, mas se fosse eu quem estivesse apaixonado deixaria meu orgulho de lado e ligaria pra ela.

- Eu não estou apaixonada por ela!

- Percebe-se Perez. Você só fala nela e há semanas sai com uma assistente, bebe e fuma como uma pessoa sem direção e não tem coragem de dar um telefonema… De fato isso não é paixão… Acho que a palavra certa é loucura… Sei lá… Desisti de entender as mulheres.

- de que adiantaria estar? Ela é casada com um homem que ela ama. Casou por amor

como me disse no Bowery no nosso primeiro encontro.

- As pessoas podem mudar…

- Ela não vai mudar…

- Por que não?

- Por que eu a conheço…

- Perez pelo amor de deus! Você encontrou essa jornalista duas vezes na sua vida…

Como pode dizer que sabe alguma coisa dela? Não quer ligar não ligue. O Grammy vai ser depois de amanha. Você vai estar lá, ela vai estar lá e se vocês se encontrarem

naquela confusão olhe bem nos olhos dela e diga a si mesma que foi apenas sexo e volte

a ser minha querida Perez de dois meses atrás… E outra coisa Audrey… – Falou John a chamando pelo seu verdadeiro nome – Não deixe que a Perez Mendes tome sua

felicidade…

- Obrigada John…

Perez ficou olhando o homem sair da sua suíte. Sabia que ele tinha razão, mas não conseguia mais distinguir a Perez da Audrey: Estava enganando as duas, mas o seu orgulho era maior: Já tinha ido atrás da jornalista duas vezes e não iria uma terceira. Iria encontrar em definitivo outra Fernanda.

Capitulo 14

Los Angeles

A cidade parecia um grande caldeirão fervente recebendo os vários artistas nacionais e internacionais que chegavam para a premiação do Grammy, junto deles uma orla de incontáveis assessores, empresários repórteres fãs e curiosos. O Staples Center estava

reservado para quinze mil pessoas e todo um esquema dentro do local fora feito como se

o próprio presidente americano estivesse ali. O tapete vermelho estendido por quase

vinte metros seria palco do desfile de moda que aconteceria ali naquela noite; Alguns artistas mais contidos outros mais extravagantes, mas todos com o mesmo propósito: Se exibir para as mais de duzentas câmeras que estariam voltadas a eles disputando um lugar ao lado do cordão de segurança. Todos queriam tirar uma foto exclusiva ou arrancar algumas palavras das pessoas que realmente importavam naquela noite: Quem sabia fazer musica e quem sabia dar vida a elas com suas interpretações. Fernanda já havia se reunido com os outros jornalistas desde as quatro da tarde. Diferente dos outros repórteres sua função era anunciar quem estava chegando, o que estava usando e com quem estava acompanhado e quantas indicações possuía. A lista em suas mãos parecia um bíblia e no alto do novo testamento estava Perez Mendes com oito indicações e chances reais de levar todos os prêmios. Não teria como evitar vê-la já que ela era a celebridade mais aguardada da noite. Alem de apresentar uma categoria Perez faria o show principal que girava em torno de muito mistério: A produção da sua turnê dizia

que era um show retirado das suas apresentações e os assessores diziam que era algo totalmente novo. As sete da noite Limusines, Lamborginis e Ferraris começaram a desfilar pela entrada do prédio e dentro deles vários artistas ostentando diamantes, esmeraldas, Valentinos e Galeanos: Esse era o mundo do glamour, um grupo de menos de mil pessoas com a receita de um pais sub-desenvolvido. Por mais que não gostasse desse tipo de evento, Fernanda tinha que admitir que estava se divertindo. Como não

teria que entrevistar ninguém ria da forma como seus colegas de profissão tentavam de todas as maneiras arrancar alguma palavra de algum cantor ou produtor. Tentavam gritar mais alto que os fãs histéricos que fechavam a avenida de principal acesso do estádio. A maioria no meio da noite já estaria sem voz. Fernanda foi chamada pelo seu diretor que acompanhava a equipe para fazer uma entrada ao vivo no programa: Seria justamente para anunciar a chegada de Perez Mendes. Enquanto falava exibindo sorrisos

e simpatia viu quando a limusine branca parou no meio-fio da rua e o motorista desceu dando a volta por detrás do carro se posicionando para abrir a porta.

Perez olhava através do vidro escuro as pessoas que esperavam para vê-la. Dentre as dezenas de repórteres presentes sabia que Fernanda estava entre eles, mas seria difícil encontrá-la. Mesmo com a porta ainda fechada os flashes estouravam. Colocou o chapéu Coco, ensaiou um sorriso e se adiantou para a saída do carro. Perez Mendes parecia uma visão: A nova diva da musica, apontada por todos como a sucessora da coroa do pop não deixava a desejar: Tudo o que se referia a ela era grandioso, brilhante e inalcançável. Fernanda abaixou o microfone quando a imagem foi cortada para a cantora passando a mão no cabelo. Perez começou a caminhar lentamente sorrindo para as câmeras junto com Simon, produtor do seu ultimo álbum e sua esposa. Estava perfeita usando uma calça social larga e uma camisa branca ambos assinados por Armani exclusivamente pra ela, sua marca favorita. Os suspensórios com detalhes em diamantes davam um charme a mais e o cabelo preso em um rabo de cavalo deixava o rosto perfeitamente moldurado pela natureza a mostra. Era impossível ver Perez Mendes

e não idolatrá-la.

Perez estava no meio do tapete quando uma cabeleira loira chamou sua atenção. Resolveu falar com alguns jornalistas que estavam a frente dela para se certificar que

era Fernanda pois os flashes das câmeras estavam ofuscando sua visão. Respondeu a duas perguntas e olhou novamente para o lugar onde a tinha visto e lá estava ela: Uma camisa básica com um crachá de imprensa e os belos olhos cor de mel que a encaravam. Passou por baixo do cordão de segurança e começou a empurrar os fotógrafos delicadamente sendo auxiliada por dois seguranças do evento que surgiram do nada abrindo caminho até ela.

- Oi – Falou no ouvido de Fernanda.

- Oi… – Respondeu com o coração disparado por causa da proximidade.

- Achei que fosse me ligar…

- Perez eu… – Balbuciou.

- Eu estou no Four Seasons… Procure o John – Terminou retornando para o tapete.

Fernanda agüentou as câmeras em seu rosto todo o tempo que Perez esteve com ela. Assim que a cantora sumiu dentro do teatro alguns jornalistas perguntaram se eram conhecidas: Se limitou a sorrir fazendo piadinha, mas no seu intimo ainda estava

tremula pela simples presença de Perez. Perez se sentou ao lado de George e John e a primeira coisa que fez foi cochichar em seu ouvido.

- Eu a vi na entrada John… A Fernanda está aqui…

- Falou com ela?

- Falei eu estamos no Four Seasons, mas esqueci da festa dos premiados que vai ter depois da premiação. Coloque o nome dela na lista e a convide.

- Quer que eu vá agora falar com ela?

- Agora não… Depois que começar a premiação tem uma sala reservada para os jornalistas… Com toda a certeza ela vai estar lá…

- Ok.

Depois de alguns minutos a luz do teatro foi apagada e o palco se acendeu gerando aplausos entusiasmados. A premiação se dera inicio. Fernanda se dirigiu para a sala reservada para a imprensa onde se podia ver tudo o que se passava no teatro. Por varias vezes closes eram fechados no rosto de Perez que estava radiante: Depois da entrega de duas categorias, a cantora recebeu seu primeiro megafone de ouro. As câmeras focaram seu riso e o abraço em John, os passos até o microfone e suas poucas, mas bem colocadas palavras. Meia hora depois seu nome foi chamado novamente e depois de pegar o premio entrou nos bastidores indo até o camarim se arrumar para o show. Foi nesse momento que John se dirigiu para a sala de imprensa.

- Fernanda – Exclamou assim que viu a jornalista.

- Oi… John – Respondeu com genuína surpresa – Como você está?

- Bem e você?

- Estou trabalhando para variar…

- Depois da premiação vai ter uma festa de comemoração dos premiados. O que você acha? Já providenciei seu nome na lista…

- A Perez sabe desse convite? – Perguntou sorrindo desconfiada.

- Foi ela que pediu para eu fazer uma reserva para você…

- John eu não posso… Fico realmente lisonjeada e agradecida, mas daqui tenho que começar a trabalhar nessas incontáveis horas de gravação e mandar para a tv.

- Por que você não para de trabalhar um pouco e sai para relaxar e se divertir?

- Eu não posso John…

- você não pode ou não quer?

- Não me coloque nessa situação…

- Por que você foi lá no hotel em São Paulo? Podia simplesmente não ter ido… Me responde uma coisa: Lá você quis encontrar a Perez Mendes ou a Audrey?

- John não interprete mal o que vou dizer, mas… Eu não conheço a Audrey… Eu conheço a artista Perez Mendes.

- Luxuria?

- Talvez… Foi o momento, um encantamento.

- Entendi… Foi um prazer conhecê-la Fernanda.

- O prazer foi meu John…

Fernanda observou John se afastar e se posicionou na frente da câmera para mais uma chamada ao vivo no estúdio: Seria justamente para anunciar o show de Perez.

- Voltamos ao vivo do teatro Orfeu Museum onde daqui a pouco a estrela mais

aguardada da noite: Perez Mendes fará um show retirado da sua nova turnê que alias

está sendo uma das mais elogiadas…

- É verdade Fernanda. Vocês verão agora imagens da apresentação na Bélgica onde ela levou mais de quarenta mil espectadores a loucura… A Perez Mendes sabe fazer a magia acontecer não é mesmo Fernanda?

- Ela sabe… Respondeu distraída – Muito bem… Mas vamos voltar agora com as

imagens de dentro do teatro onde o show já vai começar… Mais Perez Mendes para vocês… As luzes todas foram apagadas e todos olhos e lentes estavam voltados para o palco.

Bolas de fogo iluminaram o lugar e gritos de entusiasmos da platéia acompanharam as

primeiras batidas da musica. Fernanda olhava a câmera ansiosa para que Perez aparecesse logo. Duas luzes foram acesas cobrindo as entradas laterais do palco e dois tigres brancos apareceram usando coleiras de diamantes, andando vagarosamente em direção ao centro do palco. Uma vez que estavam bem próximos, uma luz maior foi acesa no centro revelando Perez sentada em uma poltrona antiga de estofado de veludo vermelho cantando a introdução da musica o rosto escondido por um chapéu e a bengala combinavam com o sobretudo de forro vermelho dando um charme completamente épico, Sexy e misterioso ao look. Os animais começaram a sair pelas laterais enquanto Perez se levantava com mais uma explosão de fogo revelando dez bailarinos na parte frontal do palco acompanhando os mesmos movimentos da cantora. Toda a grandiosidade da produção deixou Fernanda embasbacada: O show era magnífico e o entusiasmo do publico deixava tudo perfeito. No meio da musica Perez tirou o casaco revelando um micro vestido tomara que caia que deixava muito pouco para a imaginação. Fernanda deu mais um passo para frente da tv hipnotizada com a mulher no meio do palco.

- Fernanda você entra no ar daqui a trinta segundos. – Falou o diretor.

- Não vai transmitir a apresentação inteira?

- Não. Trinta segundos…

Fernanda continuou onde estava com os olhos grudados na tela. Somente com um

segundo chamado se posicionou do lado de Pedro seu colega de apresentação.

- Três, dois, um… Vai…

Fernanda olhou para a câmera sem saber o que dizer. Não queria perder um momento do da apresentação de Perez e passou os olhos pelo lugar procurando por ajuda. Atrás da câmera podia se ver outra equipe colombiana que mantinha o telão voltado na sua direção.

- Eu não consigo parar de vê-la, Pedro… – Disse tentando achar alguma palavra.

- Eu também não Fernanda. Perez Mendes é sensacional… Nunca vi uma cantora com

tanta audácia colocando animais selvagens no palco deixando tudo tão coordenado com fogo e sensualidade…

- Ela é mestre em fazer as coisas acontecerem… – Respondeu distraída.

O diretor cortou a câmera de Fernanda xingando-a em silencio. Quando a tomada foi cortada para o estúdio no Brasil ele saiu em seu encalço nervoso.

- O que deu em você Fernanda?

- Desculpe… Eu não sei onde estava com a cabeça…

- Bem longe por sinal… Daqui a vinte minutos vai ser a ultima entrada… Vê se mantém

a cabeça aqui. Fernanda se limitou a assentir com a cabeça. Quando voltou sua atenção para o telão dois apresentadores anunciavam o nome do próximo ganhador na categoria melhor musica de rock. Resolveu sair dali a procura de álcool.

Perez voltou ao seu lugar depois de quinze minutos depois do termino da apresentação. Estava ansiosa para saber qual fora a resposta de Fernanda, pois estava morrendo de vontade de passar a noite maravilhosa que estava tendo ao lado de uma mulher igualmente maravilhosa.

- O que ela disse? – Perguntou assim que viu John.

- Esquece ela Perez… respondeu aplaudindo uma cantora que fazia uma apresentação a capela.

- O que ela disse? – Tornou a perguntar mais tensa ainda.

- Depois eu te falo… Não vai estragar sua noite…

- Fala John! Minha noite pelo visto já está estragada…

- ela disse que foi o encantamento, o momento… Disse que não conhece nenhuma Audrey, só a Perez Mendes…

- Então é isso… – Falou sentindo a alegria se esvair – Somente sexo…

- Frio e calculado…

Perez viu o resto da noite passar em câmera lenta, anestesiada pela verdade. Tinha agido

como uma tola se deixando levar pelo sentimento e não cumprindo sua palavra de não ir atrás de Fernanda novamente. Nunca poderia ter amor da forma como queria e engolindo seu orgulho ferido e ostentando uma falsa felicidade da mais premiada da noite pegou seus sete prêmios e jurou tirá-la da cabeça mais uma vez.

Capitulo 15

A fachada do hotel estava repleta de pessoas que viam as figuras mais importantes da

noite entrar com uma pontinha de ciúmes dos garçons que passariam o resto da noite junto com elas. A festa de comemoração do Grammy estava sendo realizada no salão de convenções onde uma luxuosa pista de dança fora criada. Serviços de buffet de um dos melhores restaurantes da cidade foram contratados para servir os gostos mais exigentes. Um Dj internacional colocava o som e litros e mais litros de champanhe eram consumidos. A imprensa fora proibida de entrar e nem mesmo celulares com câmeras eram permitidos. Quem não tinha o rosto conhecido mundialmente eram revistados minuciosamente por seguranças que bloqueavam todas as entradas. O espaço gigantesco ainda continha uma área a céu aberto de onde se podia ter uma visão completa da cidade

e um bar com impressionantes malabares. Perez rodeadas de pessoas não via sentido em

toda aquela produção e tudo o que queria naquele momento era estar em sua cama: Não

a de um hotel, mas em sua casa em Santa Bárbara longe de tudo o que lhe lembrasse

imprensa… Que lhe lembrasse Fernanda. A mesa onde estava sentada era completada por nomes da musica, modelos, produtores e John que reconhecia seu estado de espírito. Pegou uma taça de Martini levantando um brinde com seu amigo e virou em apenas um gole.

A Fernanda parou no saguão ainda deliberando se devia ir até a festa ou não. Assim que

a premiação acabou foi para o hotel onde estava hospedada tentando segurar a imensa

vontade de ver Perez. Não tinha obtido sucesso: Ela era um vicio e não tinha a menos possibilidade de ficar na mesma cidade que ela sem desejá-la, sem lembrar do seu toque

e do seu cheiro. Buscou forças em Marcelo, pensou na sua família, no que sentiria se

estivesse no lugar do marido, mas nem assim conseguiu desistir da idéia de senti-la mais

uma vez. Sorriu para a recepcionista que a olhava desconfiada e cruzou os poucos metros que as separavam.

- Boa noite… Haa… Tem uma festa oferecida para os premiados do Grammy aqui…

Acredito que meu nome está na lista…

- Qual o seu nome, por favor?

- Fernanda… Fernanda costa…

- Sim. Aqui está. Vou avisar aos organizadores que você está subindo Srta costa.

- Obrigada. – Fernanda fez menção de se afastar, mas voltou – A festa é no…

- Salão de convenções.

- Obrigada.

Fernanda entrou no elevador e apertou o botão indicado. A viagem demorou poucos minutos para percorrer os andares que a separam da sua total loucura. Ainda havia uma chance de quando chegasse no andar apertar o botão para o térreo e acabar com aquela

sandice, mas ao contrario disso saiu em direção ao segurança que confiscou seu celular.

O hall de entrada tinha espelhos cobrindo toda a entrada e uma garota lindamente vestida abria a porta. Fernanda se mirou na sua imagem refletida a alguns metros. Usava um Valentino, uma extravagância que Marcelo fizera no seu aniversario. O cabelo preso com displicentes fios soltos combinava o tom escuro do vestido com a pele branca. A combinação era estonteante. A porta foi aberta e quando colocou os pés no lugar soube de imediato que se uma bomba caísse ali o mundo perderia seus melhores cantores da atualidade. Junto deles Fernanda reconheceu alguns astros de Hollywood que abrilhantavam a festa. Ninguém naquele lugar parecia ostentar menos que vinte mil dólares no corpo e somente assim concluiu a tremenda besteira que tinha feito, mas já que estava ali não iria voltar a trás e com a cabeça erguida pegou uma taça de champanhe e saiu à procura de Perez. Não era difícil encontrá-la: Onde estivesse mais paparicações com toda a certeza ela seria o centro. Encontrou a mesa e o olhar inquisitivo de John.

- A Fernanda veio… – Falou John a Perez.

Perez levantou a cabeça procurando com o olhar. O vento fazia delicadas caricias no seu

vestido fazendo movimentos deliciosos, a pele delicadamente decorada com perolas deixava Fernanda como uma visão. Encarou os olhos cor de mel que a encaravam de forma penetrante.

- Oi… – Falou Fernanda chamando a atenção de todos na mesa por sua beleza.

- Acreditei que você não vinha – Falou John se levantando da cadeira cumprimentando-

a.

- Acho que resolvi seguir seu conselho em sair e me divertir um pouco – Respondeu com um sorriso.

- Fernanda que surpresa… – Falou George se levantando também - Realmente uma

surpresa te ver aqui… Malika a cumprimentou continuando sentada enquanto Perez emborcava mais uma taça

de Martini.

- A Fernanda é uma grande jornalista apreciadora de artistas como nós… – Falou Perez em alto e bom tom para todos na mesa.

- Espero que não esteja com uma câmera escondida nesse belo decote – Falou um

rapper.

- Já filmei o suficiente por hoje… Quero conhecer as pessoas por detrás do artista…

Perez encarou os olhos brilhantes que insinuavam alguma coisa e John providenciou um lugar ao seu lado. Iria ficar no meio das duas até ter certeza que não fariam uma cena no

meio da festa e para conversar com Fernanda, pois estava genuinamente preocupado com os sentimentos de Perez.

- O que a fez mudar de idéia? – Perguntou curioso.

- Não sei… – Respondeu com toda a sinceridade - Acho que senti solitária bebendo uma garrafa de uísque sozinha.

- Você tem bastante pessoas ao seu lado agora para não se sentir solitária.

- Obrigada… Parabéns pelos prêmios Perez… – Falou se dirigindo a cantora – Você esteve maravilhosa.

- Eu sei. – Respondeu com grosseria – É isso que me torna Perez Mendes.

- Pelo visto você repetiu minhas palavras a ela – Falou Fernanda a John merecendo a resposta estúpida.

- Nem tudo são flores Fernanda…

- Ok. – Finalizou o assunto bebendo seu champanhe.

- Fernanda você tem um sotaque diferente – Falou Simon produtor do álbum de Perez – Você é latina?

- Sim sou brasileira.

- Nunca estive lá, mas sei varias coisas sobre o seu pais… Futebol, belas mulatas e samba…

- O Brasil é um país alegre… Dê um pandeiro a qualquer um e tudo vira festa.

- Tempos atrás eu tive a oportunidade de ver um show da Daniela Mercury em Portugal… Ela é ótima…

- Uma pessoa extraordinária também… Tive a chance de conhecê-la melhor e ela é divina.

- Aposto que sim… – Falou Perez com sarcasmo que poucos na mesa entenderam.

Fernanda ignorou o comentário e se concentrou na conversa. Todos eram agradáveis e ela foi o alvo de varias perguntas curiosas das pessoas que sempre ouvira falar, mas

nunca estiveram no Brasil. John acompanhou falando sobre sua breve estadia no país

omitindo a presença de Perez. Viu quando a cantora se levantou da mesa acendendo um cigarro. ,Vinte minutos depois ela reapareceu com um sorriso enigmático.

- Eu vou gravar a próxima musica que o Dj tocar. Ela se encaixa muito bem em alguém aqui… – Falou bebendo um coquetel – Escutem… Todos cessaram a conversa enquanto o som tomava conta do lugar.

Bette Davis Eyes Kim Carnes Donna Weiss/jackie Deshannon Her hair is Harlowe gold, Her lips sweet surprise Her hands are never cold, She’s got Bette Davis eyes She’ll turn her music on you, You won’t have to think twice She’s pure as New York snow, She’s got Bette Davis eyes

And she’ll tease you, She’ll unease you All the better just to please you She’s precocious and she knows just What it takes to make a crow blush She got Greta Garbo stand up sighs, She’s got Bette Davis eyes

She’ll let you take her home, It whets her appetite She’ll lay you on her throne, She’s got Bette Davis eyes She’ll take a tumble on you, Roll you like you were dice Until you come at blue, She’s got Bette Davis eyes

She’ll expose you, when she snows you Off your feet with the crumbs she throws you She’s ferocious and she knows just

What it takes to make a pro blush All the boys think she’s a spy, She’s got Bette Davis eyes

And she’ll tease you, She’ll unease you All the better just to please you She’s precocious, and she knows just What it takes to make a pro blush All the boys think she’s a spy, She’s got Bette Davis eyes…

(Seu cabelo é dourado como Harlow, seus lábios uma doce surpresa. Suas mãos nunca estão frias, ela tem os olhos de Bette Davis. Ela vai ligar sua música em você, você não terá de pensar duas vezes. Ela é pura como a neve de Nova York, ela tem os olhos de Bette Davis.

E ela vai provocar você, ela vai te inquietar,

Tudo de melhor justamente para te agradar. Ela é precoce, e sabe exatamente

O que é preciso para fazer uma profissional envergonhar-se.

Ela tem os suspiros indiferentes de Greta Garbo, Ela tem os olhos de Bette Davis.

Ela te deixará levá-la para casa, isso estimula seu apetite. Ela te colocará no seu trono, ela tem os olhos de Bette Davis. Ela vai te dar um tombo, te rolar como se você fosse dados [de jogar] Até que você fique deprimido, ela tem os olhos de Bette Davis.

Ela te exporá, quando ela te enganar,

Espero que você viva com as migalhas que ela te jogar. Ela é feroz e sabe exatamente

O que é preciso para fazer uma profissional envergonhar-se.

Todos os rapazes acham que ela é um espião, Ela tem os olhos de Bette Davis.

- Seus olhos castanhos são belos, Fernanda… – Falou malika com ironia.

- É uma bela musica, Perez. Com o arranjo certo fica atual novamente…

- Isso se chama sarcasmo Simon. – Falou Perez acendendo outro cigarro.

- eu vou embora John… Foi um erro ter vindo – Falou Fernanda baixinho em seu

ouvido.

- Ela está chateada com você pela forma como você se expressou… Eu também fiquei e

não acredito que você tenha estado com ela pelo fato de ela ser Perez Mendes. Talvez

você não queira admitir por causa do seu casamento e eu sinceramente quero acreditar que você não é do tipo oportunista…

- Eu não sou John… Pode acreditar em mim, Vamos sair daqui?

- Vamos…

Fernanda caminhou até a outra extremidade do salão parando perto de um belo vaso de coqueiro. John se aproximou com duas taças de champanhe lhe entregando uma.

- Eu acreditei que o que aconteceu entre a Perez e eu tinha sido uma questão de pele e

nada mais que isso… Ela queria sexo eu queria desvendar um lado meu que não conhecia, mas você a conhece bem… Conhece a Audrey também… Foi quando eu soube que pode ser algo a mais da parte dela também…

- É algo a mais da sua parte também?

- Não posso negar que fico totalmente sem ação ao vê-la. Adoro tudo que se refere a ela… Perez olhava curiosa e enciumada Fernanda conversando com John. Sabia que

conversavam sobre ela. Sentiu raiva, desejo, decepção tudo na mesma noite e já não tinha mais nenhum sentimento. Resolveu se juntar a eles.

- …Mas não dá mais… Foi um prazer imenso te conhecer e espero você no Brasil… –

Ouviu-a dizer – Vou te mostrar as belezas do país…

- Uma pena que você vá de vez… Mas eu vou te procurar lá com toda a certeza…

- Cantores não é mais interessante pra você? – Perguntou se perdendo na conta de

quantos drinks havia tomado.

- Foi um prazer te conhecer também – Falou Fernanda retrucando grosseria andando

em direção a saída, mas se deteve no meio do caminho voltando onde Perez continuava conversando com John – Quando eu conheci a Perez Mendes pessoalmente meu primeiro pensamento foi: Ela é maluca, mas depois eu descobri que a Perez também é uma pessoa adorável e carinhosa. Hoje eu vim aqui conhecer a Audrey por que como eu tinha dito ao John só conhecia a Perez e quer saber de uma coisa? Eu achei a Audrey uma pessoa extremamente antipática e arrogante sem dizer prepotente. Quando encontrar a Perez Mendes novamente diga a ela que eu me importo e por que eu me importo vim aqui hoje por que por mais que minha razão diga que eu estou fazendo a coisa errada algo me diz que é a coisa certa e meu tato nunca me enganou, mas não se preocupe Audrey eu não vou mais entrar na sua vida novamente. Boa noite. Perez olhava surpresa o rompante de Fernanda sem dizer nada. Viu quando se dirigiu a mesa se despedindo do pessoal que conversara e sumir pela porta.

Fernanda foi tirada da cama por Julia que insistiu que já era mais de dez da manha. Havia dormido apenas três horas. Não havia conseguido tirar Perez da cabeça. Era doloroso saber que não a veria mais pessoalmente, que aquilo era um definitivo fim. Tinha medo de se aventurar fora do casamento e acabou por estragar tudo com Perez. Ao mesmo tempo que se recriminava alguma coisa lhe dizia que tinha feito a coisa certa: Marcelo era o homem que amava com todas as suas forças. Como pudera passar pela sua cabeça que amaria outra pessoa ainda mais uma mulher? Ligou para a telefonista do hotel direcionar suas ligações para o quarto do diretor e ali com a equipe de sete pessoas e um grande copo de café começaram a trabalhar. Já passava da uma da tarde quando deram uma pausa para o almoço. Fizeram o pedido para o quarto para agilizar o trabalho. Estava escutando os comentários sobre a noite anterior quando

bateram na porta. Julia foi receber a refeição e Fernanda para o banheiro lavar as mãos e o rosto para espantar o sono. Ouviu quando todos cumprimentaram e inglês. Não estavam esperando ninguém e saiu curiosa para saber quem era a visita. Perez estava parada no meio da sala usando uma calça jeans básica, camiseta, cabelo preso e seus óculos escuros.

- O que você está fazendo aqui? – Perguntou surpresa e ao mesmo tempo irritada. Não ia agüentar desaforos dela.

- Fernanda! – Exclamou o diretor.

- Pode deixar… – Falou Perez tirando os óculos – Eu mereço… Não fui gentil com você ontem…

- Você não foi gentil?Você não faz idéia do que essa palavra significa… Vai embora

Perez! Tudo o que eu tinha para te falar te falei ontem…

- Vamos começar de novo… Meu nome é Audrey Dalbonne Mendes…

- O que você está fazendo?

- Não era a Audrey ontem… Você se enganou…

- Você tem razão eu me enganei… – Falou Fernanda andando até a porta abrindo-a. – Eu não quero mais nada que vá interferir na minha vida familiar.

- Ok. – Falou Perez indo até a porta. Com um puxão rápido a trouxe junto a seu corpo - Você tem noção de como eu me sinto perto de você? O efeito que você tem sobre mim? Eu desisti de ficar longe de você… Da mesma forma como eu errei você errou… Não existem culpados

- Me solta Perez!

- Se você me disser que é isso que você realmente quer eu te solto, saio nessa porta e nunca mais volto…

- Vamos sair daqui… Aquelas pessoas ali são jornalistas…

- Eu adoraria muito mesmo, mas não posso… O carro está me esperando ai embaixo

para irmos fazer uma sessão de fotos… Daqui a meia hora… Tudo o que eu preciso

saber é que não foi apenas diversão…

- Não foi Perez…

Fernanda foi interrompida pelos lábios de Perez que tomaram os seus em um beijo ardente. Não existia a menor possibilidade de tentar se desviar da boca arrebatadora que

tomava todos os seus sentidos. A afastou se lembrando da sua equipe de trabalho presente.

- Eu estou no Four Seasons… Podemos nos encontrar lá…

- Meu vôo sai daqui a três horas…

- Adia sua viagem então… Eu quero você nanda…

- Perez eu…

- Eu vou esperar seu telefonema me dizendo que vai me encontrar lá… Eu tenho que ir agora…

- Eu não posso…

- Você pode sim… Esse telefone é do John – Falou Perez colocando os óculos escuros entregando um papel a Fernanda – Pessoal boa tarde e desculpe a interrupção.

- Perez eu…

- Vou te esperar Linda… Até mais…

Fernanda ouviu Perez se afastar pelo corredor assoviando dando desejosos boa tarde aos hospedes que encontrara no caminho. Fechou a porta se encostando com um sorriso

bobo segurando o papel que ela lhe dera.

- O que foi isso? – Perguntou o diretor.

- Não foi nada Otavio… – Respondeu guardando o papel no bolso.

- Você está tendo um caso com a Perez Mendes?

- Claro que não!

- E o que foi isso então? Ontem você disse que vinha para o hotel… Ela estava na festa organizada para os ganhadores… Você estava com ela…

- Que importância tem isso? Escutem minha vida particular não é de domínio da

mídia…

- Passa a ser a partir do momento que você sai com a Perez Mendes.

- Eu não saio com a Perez Mendes.

- O que foi aquele beijo então?

- Resultado de álcool a mais na cabeça.

- Quer uma dose uísque Fernanda? – Perguntou com ironia.

- Vocês todos… Esqueçam o que aconteceu aqui hoje… Foi um erro que não vai mais

se repetir… Cadê a droga do almoço?

Fernanda saiu para a sacada para se livrar dos olhares curiosos. Todos ali eram jornalistas loucos por uma grande noticia e Perez tinha dado o furo a eles. Teria que arrumar uma maneira de ninguém abrir a boca. Durante toda a refeição nenhum comentário foi feito: Melhor assim. O telefone tocou com uma chamada de Marcelo que tinha o dom de ligar quando estava pensando em Perez. Não conseguiu evitar o sentimento de culpa.

- Oi gato… Tudo bem… Muito trabalho… Gostou? A cobertura ficou ótima…Eu acho

que não vou embora com a equipe… Não… Surgiu uma oportunidade de uma entrevista bacana e eu vou tentar fazer… Não sei ao certo… Ou amanha ou na quinta… com certeza… Ta bom lindo… Eu também… Beijos. Fernanda ficou segurando o telefone mudo na mão pensando no que acabara de fazer:

Mais uma vez ia mentir para ficar com Perez. O poder que ela tinha sobre sua razão era tão forte que simplesmente não existia. Depois de um tempo pegou o papel que ela lhe dera e discou o numero anotado.

- Oi John… Vou bem… A Perez já está fotografando?… diga a ela que adiei a minha viagem… Pede pra ela me ligar… Beijo…

- Você tem certeza do que está fazendo? – Perguntou Otavio a Fernanda.

- Não. Eu não tenho mais certeza de nada…

- Boa sorte e cuidado

- Otavio

- O que é?

- O que aconteceu aqui… Morre aqui…

- Não se preocupe Fernanda, nada vai ser dito e quando você encontrar a Perez diga que o meu silencio e da minha equipe vale uma entrevista exclusiva.

- Pode deixar… Eu direi…

Fernanda recebeu a ligação de Perez no final da tarde informando para ela ir para o hotel onde estava, pois naquela noite seu avião decolaria para o México e ela iria junto. Depois de se despedir da equipe arrumou suas coisas e pegou um táxi para o hotel. Uma garota da produção de Perez a acompanhou até o quarto entregando um cartão extra. Assim que ficou sozinha na suíte deu uma volta pelo lugar. As coisas da cantora estavam minuciosamente arrumadas e o bar completo com varias opções para grandes apreciadores de Scoth. Se serviu de uma dose e deu um golinho. Ficou parada na janela deixando a brisa da noite envolver seu corpo e sua mente se perguntando se aquela mulher valia o risco do que ela estava tendo com sua família e seu casamento.

Capitulo 16

Perez chegou ao hotel andando apressada e m direção ao elevador. Estava ansiosa e com pressa de encontrar Fernanda. Assim que o elevador parou no andar indicado saiu em direção ao quarto abrindo a porta percorrendo todos os cômodos atrás de Fernanda.

- Cadê ela John? – Perguntou parando no meio da suíte.

- Não sei… Era pra ela já estar aqui. Deixei tudo autorizado para ela vir direto pra cá.

- Será que ela foi embora com a equipe de tv?

- Talvez ela só esteja atrasada…

- Deixa eu adivinhar de quem você estão falando… – Falou Malika – Fernanda…

- Sim é dela. Me dá o telefone… – Perez discou para a recepção do hotel. – Boa noite aqui é Perez Mendes eu quero uma chamada para o hotel Westwood Quarto da jornalista Fernanda Costa.

- Claro Srta Mendes. Um momento, por favor. - A telefonista se ausentou por um

tempo enquanto ela andava de um lado para o outro na impaciente – Obrigada por ter

aguardado Srta Mendes. A jornalista Fernanda Costa fechou a conta do hotel junto com

a equipe nesta tarde.

- Obrigada…

Perez desligou o telefone erguendo a cabeça com os olhos fechados. Então era isso… Mais uma vez fora enganada pela mulher loira… Engolindo a magoa pela segunda vez

em menos de vinte e quatro horas se virou para John.

- Ela foi embora… Ela me disse que eu era maluca, mas como alguém me liga

informando que desmarcou uma viagem e vai embora sem dizer nada? Ela é a maluca aqui…

- Perez pode ter acontecido alguma coisa…

- Ela tem meu telefone… Tem o seu telefone… Ela simplesmente não quis…

- Espero que não esteja falando de mim… – Falou Fernanda parada na porta usando um conjunto de calça e tomara que caia preto segurando uma garrafa de vinho. Havia escutado divertida parte da conversa no hall. – Ola John, Malika, George… Perez não conseguiu segurar o enorme sorriso de satisfação e alivio.

- Achei que você tinha ido embora com a equipe…

- Não… Apenas fiquei entediada de te esperar no quarto

adega… – Finalizou apontando a garrafa. Perez tirou o vinho da mão de Fernanda passando as mãos no cabelo loiro. A

proximidade da cantora fez com que tremesse como sempre acontecia. Fechou os olhos ao sentir os lábios macios sobre os seus explorando delicadamente. Passou as mãos em suas costas puxando-a pra si.

- Nos vamos descer para nossos quartos arrumar as malas… – Falou George acenando

para que os outros saíssem – As meninas vão subir para arrumar as suas coisas daqui a

alguns minutos.

- Vamos tomar uma ducha? Perez convidou Fernanda – Adorei tomar banho com

você…

- Claro…

- Pode deixar elas subirem George… Só avise para não nos incomodar…

- Ok – Finalizou George vendo as duas mulheres se grudar novamente – Divirtam-se.

Perez puxou Fernanda para a cama beijando pelo seu pescoço descendo o zíper da sua blusa liberando os seios do sutiã. A pele quente e arrepiada pelo contato estava arrepiada. Deu atenção a cada um dos mamilos segurando com as mãos, beijando e mordiscando cada um deles. Abriu o zíper da calça abaixando até o meio da perna apertando o bumbum tocando a virilha por cima do tecido da calcinha. Sentou Fernanda em uma mesinha de canto se livrando das roupas que ela vestia e deixou seus dedos invadir a intimidade sentindo a umidade da excitação da loira em suas mãos. Beijando sua boca novamente deixou os dedos invadi-la e com movimentos rápidos ouviu com satisfação os gemidos altos e a perna levantada para dar uma melhor posição. Abocanhado um dos seios se encaixou no meio das pernas de escancaradas a procura de prazer e aumentou a velocidade da penetração sentindo o gozo que se aproximava. Abandonando os seios abafou os gritos de Fernanda que chegava ao orgasmo com seus lábios. Não tiveram muito tempo para se recompor, pois vozes das assistentes de Perez invadiram o quarto e juntas correram para o banheiro. Perez fechou a porta sentindo as mãos da jornalista tirarem sua roupa e ajudando-a se livrar de cada peça que vestia buscou os lábios de mel com urgência. Alcançaram o Box e o chuveiro em cascata que dispensou qualquer comentário e sentindo a água quente que a fazia esquecer de qualquer culpa, Fernanda sentia Perez se esfregando em seu corpo fazendo qualquer risco que corria valer a pena. Começou a espalhar sabonete por todo o seu corpo

,

Achei essa raridade na

tocando com delicadeza cada centímetro da sua pele, mas quando seus dedos encontraram o sexo da cantora Perez segurou sua cabeça encarando os olhos cor de mel que se fundiam nos verdes ardentes de desejo. Fernanda deu mais um beijo em Perez

antes de se cair de joelhos deixando a língua passear na barriguinha seguindo a água que

ia tirando a espuma. A boca se insinuou para o sexo latejante e encurvando o corpo

para trás, Perez deu espaço para que sua vulva fosse despudoradamente explorada pela língua que ia descobrindo o caminho até o prazer absoluto. Fernanda nunca havia feito sexo oral em uma mulher antes e sentir a pele macia e o gosto de fêmea no cio que provava pela primeira vez ouvindo a mulher sob seu rosto pedindo mais com a voz rouca de tesão era absolutamente sedutor e absurdamente perverso, A mistura era perfeita. Se deixou mamar no clitóris enfiando dois dedos na vagina como sentira ela

fazer em si mesma, sentiu a mão de Perez que segurava sua cabeça fazendo força para que ela intensificasse a chupada e com um sentimento animal ouviu o grito de satisfação que tomou conta do banheiro percebendo com orgulho de si mesma que Perez havia gozado em sua boca. Ainda ficou mordiscando o lambendo todo o mel da cantora até sentir o belo corpo que escorregava em seus braços se juntando a ela no chão.

- Você me mata… – Balbuciou no seu ouvido .

Fernanda a encostou no vidro sentando em seu colo encaixando-se na cintura mordendo seu lábio inferior após um leve beijo.

- Perez, estamos deixando a suíte! – Ouviu uma das assistentes gritar só então se dando

conta que elas tinham ouvido tudo que se passava no banheiro.

- Hora de voltar para a cama… – Falou Perez com um sorriso que continha mil

promessas. Fernanda não respondeu, apenas retribuiu o sorriso abraçando-a e grudadas saíram em busca dos lençóis macios. Esbarrando em moveis e louças encontraram a cama voltando

a se amarem com mais fúria e paixão. Perez explorava com maestria todos os seus

pontos sensíveis fazendo com que se contorcesse a cada nova descoberta que ela fazia em seu corpo. Não havia limites dentro daquelas paredes. Não havia culpa pela magia que descia sobre elas, magia que contagiava cada gesto, cada toque, cada gemido. Prostrada na cama sentia Peres invadir toda sua essência levando a orgasmos múltiplos.

Não havia falso puritanismo, não sabia o significado da palavra recato. Podia ter o titulo de traidora ou de vadia, mas naquele momento era uma mulher completa. Fernanda se jogou na cama tentando recuperar o fôlego enquanto Peres repousava a cabeça entre seus seios com a respiração ofegante. Ficaram e silencio por alguns minutos até que não se conteve:

- Perez posso te fazer uma pergunta?

- Claro linda…

- Por que eu? Eu sou quase dez anos mais velha que você e…

- Oito anos.

- Eu já estava me casando quando você ainda brincava de boneca…

- Nunca gostei de brincar de boneca… Desde criança sou meio moleque… Mas

respondendo a sua pergunta… Você é linda, alem disso muito inteligente. Quando eu te

vi na televisão a primeira vez eu tive certeza que você era a pessoa por quem eu me

apaixonaria sem medo de me entregar e seu jeito meigo ao mesmo tempo decidido é fascinante… Te conhecer pessoalmente me fez ver um pouco da pessoa que você é e

que eu quero conhecer mais… Não tem nada haver com idade… Agora eu tenho direito

a uma pergunta também…

- Por que você correspondeu?

- Não sei… A primeira vez que nos beijamos confesso que foi por ego… Não me leve a

mal, mas você é Perez Mendes, mas quando você me ligou e apareceu no Brasil eu pude

perceber como você me fez falta, como senti saudades… Como você me faz bem… E

aqui estamos…

- Não vamos deixar que nossa falta de comunicação estrague o que temos. Se eu não te ligar por algum motivo, me liga você… Da mesma forma como vou infernizar sua vida ligando toda hora… – Falou Perez se apoiando nos braços puxando seu corpo de modo a encarar os olhos castanhos.

- Pode infernizar… Vou adorar…

Estavam a caminho de se amarem mais uma vez, mas foram interrompidas por George que ligou informando que o avião sairia em uma hora e meia. Rindo como duas adolescentes bobas se arrumaram e meia hora depois saíram para o aeroporto. Era a primeira vez que Perez Mendes faria apresentações no México e a comoção de fãs e

imprensa estava tomando conta da mídia. Os ingressos dos dois shows que faria na Cidade do México foram vendidos em dois dias e mais de oitenta mil pessoas haviam garantido lugar para ver a mais premiada do Grammy depois do evento pela primeira vez. O desembarque foi uma tortura para Fernanda e a volta a rotina para Perez. O horário do vôo era para ter sido mantido em sigilo, mas vazou e vários fãs e fotógrafos aguardava para tirar fotos ou conseguir um autografo da cantora. Fernanda ficou olhando de longe as pessoas alvoroçadas por um toque de Perez. Sorrindo com uma simpatia inabalável ela distribuía beijos e fotos com quem conseguia chegar perto. Chegaram no hotel e mais uma vez tiveram dificuldades em entrar para o saguão e subir para a suíte. Uma parte da equipe já estava esperando-a inclusive Fernanda.

- Perez que loucura… – Falou assim que a cantora se aproximou.

- Você sendo jornalista devia saber como é difícil se livrar de vocês… – Respondeu rindo.

- Só que eu via apenas um lado da moeda…

- Linda já é quase uma tradição da produção se juntar para bebermos quando chegamos em algum pais… Daqui a pouco eu mando eles embora…

- Sem problemas… Não vou atrapalhar sua rotina.

- Você não atrapalha… Só completa – Finalizou Perez se adiantando para beijá-la.

- Tem muita gente aqui Perez… – Falou se desviando.

- Algum problema?

- Todos. Sabia que as principais fontes de jornalistas é a própria equipe ou a família do artista?

- Eu sei, mas você é a própria jornalista…

- Apaixonada pela minha profissão. Não me tente com um furo desses… Eu quero um drink. Me acompanha?

- Claro…

Fernanda se serviu de dois Scoth entregando um a Perez. Todos os presentes estavam animados com a visita no país. Uma parte ali nunca tinha estado na América latina

antes, inclusive a própria cantora, e estavam ansiosos para conhecer o agito e o gingado que somente os hermanos possuem. Fernanda se enturmou com algumas pessoas, na sua maioria homens, pois algumas garotas se mostravam distantes. Sabia que era pelo seu envolvimento com Perez e com mórbida curiosidade quis saber com quais ali ela já tinha dormido. Observava a cantora discretamente que ria junto com algumas bailarinas e back-vocals. Não pode deixar de sentir ciúmes de uma garota ruiva que se insinuava descaradamente exibindo um enorme decote e a barriguinha sara de fora. A garota era realmente muito linda e imaginou se Perez já tinha tido um caso com ela. Sua resposta veio junto com Malika.

- A Perez é um imã não acha?- Perguntou bebericando um coquetel.

- Com toda a certeza – Respondeu Fernanda encarando a morena que ela tinha quase

certeza que não ia com sua cara – Ela cativa as pessoas…

- Vai ficar até quando conosco?

- Dois dias.

- Bastante tempo para vocês se curtirem…

Fernanda se limitou a sorrir dando mais um gole em seu scoth.

- Eu não pensei que fosse juntar a nós novamente… – Continuou Malika.

- Por que não?

- Sei lá… Já fazia um tempo que vocês tinham se visto.

- Nossas vidas são complicadas…

- Imagino que sim. Você sendo casada e com uma filha adolescente e ela com um namorado… – Flou Malika quase se engasgando com o próprio veneno.

- Não creio que este seja o caso até por que com quem dormimos só nos diz respeito a nós mesmas… – Retrucou sorrindo. Não ia agüentar provocações.

- Eu achei que a Perez ia sossegar com a Katy…

- katy?

- A bailarina ruiva que está com aquele topo branco.

- Por que você achou isso?

- Não sei… Afinidades, juventude…

- Os opostos se atraem…

- Talvez… Foi uma surpresa para todos quando elas terminaram – Mentiu. Sabia que

Perez e Katy não tinham tido qualquer relacionamento fora da cama.

- Não devia se espantar… – Respondeu Fernanda irritada pela conversa, mas sem deixar transparecer na voz calma e doce – Os relacionamentos terminam da mesma forma como começam… O de vocês, por exemplo, chegou ao fim não foi?

- A Perez te contou? – Perguntou surpresa pela descoberta.

- Não… Você acabou de me dizer… – Terminou Fernanda com um risinho irônico nos lábios. Deu uma piscadinha e saiu se sentando na poltrona perto de George.

Perez Viu Fernanda conversando animadamente com seu empresário. A luz batia em seu rosto dando um brilho diferente aos lábios cobertos por gloss recém retocados. A forma como ela sorria era magnífica. Podia ficar apenas admirando-a por horas a fio sem se cansar e tê-la em seu quarto era o maior presente que poderia querer. Pediu licença para as pessoas com quem conversava e foi em sua direção sentando em seu colo encaixando as pernas do lado dos braços de couro da poltrona.

- Perez…

Não houve tempo de Fernanda falar qualquer outra coisa, pois a boca de Perez tomou conta da sua beijando seus lábios com exigência. Era simplesmente impossível não corresponder aos lábios macios que colados nos seus faziam movimentos perfeitamente sincronizados que se intensificavam conforme as mãos das duas apertavam o corpo uma da outra. Perez virou a cabeça para as pessoas que fingiam que nada acontecia, mas

todos estavam surpresos por que pela primeira vez a equipe inteira via Perez com outra mulher. Não era apenas uma fofoca era a verdade estampada para quem quisesse ver.

- A reunião acabou – Falou em alto e bom tom se levantando puxando Fernanda pela

mão para o quarto principal – Bom fim de noite a todos e estejam bem dispostos mais tarde… e George… Não precisa vir me acordar… Apenas ligue. Perez fechou a porta de correr ornamentada com o mesmo papel das paredes. Devagar as pessoas saíram da suíte enquanto Fernanda tirava a roupa de Perez com a respiração ofegante pelos beijos que recebia da garota a sua frente. Se jogaram na cama mais uma vez para matar o incontrolável desejo que as consumia. As horas se transformaram em minutos novamente. O telefone tocou acordando Perez que dormia enroscada em Fernanda. Pegou o

aparelho atendendo com um seco alô enquanto via a mulher loira acordar.

- Já é uma da tarde Perez e você tem uma sessão de fotos daqui à uma hora e depois

uma coletiva.

- Valeu George – Falou Perez desligando – Oi…

- Bom dia… – Falou Fernanda com um sorriso. Era fabuloso acordar e ver aquele lindo rosto.

- Já é boa tarde linda… Dormiu bem?

- Maravilhosamente bem… E você?

- Dormi só um pouco…

- Por que?

- Me fizeram trabalhar muito de noite…

- Boba…

- Você fica linda com essa luz do sol em seu cabelo… – Falou Perez tocando os fios de leve dando um selinho.

- Mesmo descabelada?

- Linda de qualquer jeito…

Perez virou Fernanda de bruços se esfregando em seu corpo nu, deixando as mãos passearem enfiando o nariz no seu pescoço.

- Perez não começa… A que horas começa sua agenda?

- Daqui a pouco… Temos tempo…

- Não. Não temos. Você tem que se recompor para sairmos antes que o George resolva vim aqui pessoalmente… E eu estou morrendo de fome…

- Eu te faço companhia, mas se me prometer se comportar…

- Palavra de escoteiro.

Quarenta minutos depois de se amarem mais uma vez pediram o café da manha e Perez pediu que John e Malika fossem até a sua suíte junto com o cabeleleiro e o maquiador que viajava na produção. Escolheram a roupa para suportar o calor da cidade, um vestido branco básico de organza assinado por Channel e um salto Marc Jacobs. Estava simples e extremamente linda com o cabelo negro caindo até a cintura. A maquiagem leve, mas ao mesmo tempo marcante completava o brilho intenso que os olhos verdes irradiavam. Malika nunca tinha visto tal brilho em Perez e a razão de toda aquela felicidade estava a admirando do outro lado da sala com um brilho semelhando no olhar risonho. A paixão era obvia demais. A sessão de fotos foi no hotel próprio hotel onde estava hospedada para a revista Offer. Perez esbanjava simpatia enquanto respondia as perguntas da repórter. O tema das fotos foi mostrar uma Perez mais sensual e o fotografo conseguiu captar exatamente o proposto. Um body de couro e outras somente com um lençol tampando tudo o que a jornalista já conhecia fizeram o resto. Fernanda acompanhando de um canto com inveja do enorme urso de pelúcia que ela abraçava na cama. Depois de um tempo desceram para a sala de convenções onde um batalhão de jornalistas a esperava. Fernanda foi para o salão principal com John enquanto Perez recebia orientações de George e Malika. Uma erupção de flashes tomou conta do lugar quando ela apareceu junto com George. Com um aviso de que ela responderia perguntas somente relacionadas a musica a sabatina se deu inicio. No fim de uma jornada de duas

horas gravou com a Mtv latina um especial somente para os fã clube oficial e no fim da noite saíram do estúdio para o hotel.

- Hey guys vocês se importam de ir no mesmo carro? Eu quero ir sozinha com a

Fernanda… – Pediu Perez para as pessoas que a acompanhavam. – No hotel vou direto para o quarto… Estou cansada…

- Já são mais de duas da manha se cansando ainda mais…

Vai lá garota, mas vê se dorme mesmo… Não vai ficar

- Relaxa John… Eu vou ficar bem…

Perez se juntou a Fernanda que conversava com o diretor mexicano e juntas saíram

sendo escoltadas pelos guarda-costas protegendo-as dos fãs que estavam na gravação e a seguiam pela cidade toda. Entraram no carro que saiu em alta velocidade.

- Cadê o George e os outros? – Perguntou Fernanda.

- Pedi para eles irem no outro carro com os seguranças.

- Por que?

- Adivinha? – Falou Perez sorrindo subindo a divisória do motorista.

- Que energia você tem garota…

- E que mente poluída você tem… Eu quero uma massagem relaxante…

- Só uma massagem? – Perguntou Fernanda deitando-a no banco lateral deixando as mãos passearem nos lugares que descobrira ser certeiros em Perez.

- Essa visita ao México está sendo a melhor desde que a turnê começou… É muito bom

te ter aqui…

- Obrigada Perez…

- Pelo que?

- Por me mostrar essa faceta da minha existência… Ela é magnífica…

Perez se levantou e juntas se encaixaram no banco trocando caricias e beijos ardentes até a chegada ao hotel. Foram diretamente para o quarto por uma entrada nos fundos. Malika já as esperava no quarto.

- E disse que não precisava – Começou Perez desanimada quando viu sua assessora.

- só vim verificar a hidro que a camareira já deixou pronta. A lista dos nossos quartos está do lado do telefone. Precisando é só chamar…

- Obrigada.

Fernanda entrou no quarto tirando a roupa enquanto Perez fechava a porta com um

aviso de não perturbe. Entrou no banheiro e alem do banho pronto com perfumes inebriantes encontrou a bela loira que usava um displicente roupão revelando parte dos seus seios e a calcinha. Admirou-a por alguns segundos com um sorriso de satisfação na face e fechou a porta. A noite ia ser pequena novamente.

O único compromisso de Perez no dia seguinte era a passagem de som e

reconhecimento do palco para o show que ia parar a cidade na noite seguinte. Acordaram as três da tarde e depois de cumprido suas obrigações foram comer atípica culinária mexicana trocando discretas caricias. Voltaram para o quarto que havia testemunhado os momentos inesquecíveis que tinham tido nos braços uma da outra e que seria cúmplice de mais uma noite de paixão, uma noite de despedida. Perez acompanhou Fernanda até o aeroporto junto com John. No caminho não conversaram sobre quando se veriam novamente, pois nenhuma das duas fazia a menor

idéia de quando isso aconteceria: sabiam apenas que tinham que se ver mais rápido do que imaginavam.

- John dá um tempinho lá fora? – Pediu Perez assim que o carro estacionou.

- Claro.

Fernanda viu John sair do carro e assim eu a porta se fechou abraçou Perez buscando

sua boca para um beijo longo.

- Eu vou sentir tantas saudades – Falou ainda com os lábios colados.

- Eu já estou com saudades…

- Me liga quando puder. Qualquer horário… Eu deixei um cartão na gaveta do closet com meu numero de casa…

- Fica mais um dia… Só pra ver o show…

- Já conversamos sobre isso Perez… Você sabe que eu adoraria, mas não posso…

- Que droga!