Você está na página 1de 9

EISSN 1676-5133

doi:10.3900/fpj.2.6.321.p Relação entre a dermatogli fi a, as qualidades físicas e o nível maturacional de

doi:10.3900/fpj.2.6.321.p

Relação entre a dermatoglia, as qualidades físicas e o nível maturacional de escolares adolescentes de ambos os sexos

Artigo Original

Carlos Marcelo de Oliveira Klein, M.Sc. (CREF 005390 – G/RJ)

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência da Motricidade Humana da

Universidade Castelo Branco/RJ Universidade Estácio de Sá cmklein@terra.com.br

José Fernandes Filho, Ph.D. (CREF 0066 – G/RJ)

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência da Motricidade Humana da

Universidade Castelo Branco/RJ

KLEIN, C.M.O., FERNANDES Fº.J. Relação entre a dermatoglifi a, as qualidades físicas e o nível maturacional de escolares adoles- centes de ambos os sexos. Fitness & Performance Journal, v.2, n.6, p. 321-329, 2003

RESUMO: O presente estudo teve como objetivo relacionar as características dermatoglífi cas, as qualidades físicas e o nível matura- cional de adolescentes, com idades entre 10 e 13 anos, de ambos os sexos, estudantes do ensino fundamental do Instituto São José Salesiano-Resende. Ao elaborar-se esta pesquisa considerou-se como amostra a população dos alunos, de ambos os sexos, cursando a 5a e 6a série do ensino fundamental da citada escola, num total de 122 adolescentes. O processo de avaliação das qualidades físicas é de importante utilidade na tomada de decisões, por ser base essencial de cada programa e que tem como objetivo a melhora dos níveis individuais ou gerais da condição física, onde as aulas de Educação Física se tornam meio quase que exclusivo de execução de uma atividade física. Através da associação das características dermatoglígfi cas quanto às suas capacidades e potencialidades, poderemos determinar planos de execução de atividades condizentes com estas potencialidades. A população foi submetida a uma bateria de testes, o Eurofi t, divididos em gênero e nível maturacional, através do método de auto-avaliação proposto por Matsudo (1991) e da análise dos desenhos das impressões digitais, segundo protocolo de Cummins e Midlo (1942). Através da análise das impressões digitais determinam-se padrões de fórmulas digitais em cada grupo, os quais foram relacionados com cada qualidade física através de análise estatística e estudo comparativo, levando em consideração o nível maturacional. Tais resultados coadunam com os estudos já realizados no campo desportivo, e onde encontramos diversos achados indo de encontro a estes estudos quanto à utilização da dermatoglifi a como fator de associação e compensação entre os resultados esperados e os resultados encontrados.

Palavras-chave: Dermatoglifi a, Qualidades físicas, Avaliação, Atividade física, Nível maturacional.

Endereço para correspondência:

Rua Coronel Rocha Santos, 79 – ap. 202 – Jardim Brasília – Resende – RJ – CEP: 27515-000

Data de Recebimento:

setembro / 2003

Data de Aprovação:

outubro / 2003

Copyright© 2003 por Colégio Brasileiro de Atividade Física, Saúde e Esporte.

Fit Perf J

Rio de Janeiro

2

6

321-329

nov/dez 2003

321

ABSTRACT

Relation between dermatoglyphics, physical quality and maturational levels of adolescent schoolers of both genders

The aim of the present study was to evaluate the relationship among derma- toglyphics characteristics, physical qualities and maturational level of young male and female students, with ages ranging from 10 to 13 years old, from Instituto São José Salesiano-Resende secondary school. The students’ popula- tion considered when drawing the sample for this study was that one enrolled in the 5th and 6th grades of Instituto São José secondary education, comprising an amount of 122 subjects. The evaluation process of physical qualities is very useful for decision making in physical education, because it is the essential basis of each physical education program. Its aim is the improvement of individual or general physical conditioning levels, in which physical education classes becomes almost the only means to the practice of physical activities. Observing the association of dermatoglyphics characteristics with the students’ physical ca- pacities and potentialities, it is possible to elaborate activities plans appropriated to the students abilities. The sample underwent a physical test battery, Eurofit, separated by gender and maturational levels, using the self-evaluation method proposed by Matsudo (1991) and the analysis of finger prints, according to Cummins e Midlo (1942) protocol. The digital formula patterns in each group were established by the finger prints analysis. These patterns were correlated to each physical quality by statistical analysis and a comparative study, conside- ring the maturational level. The results are in accordance to previous ones, developed in sports research field, in which the utilization of dermatoglyphics features as an association and compensation factor between observed and expected results can be observed.

Keywords: Dermatoglyphics characteristics, Physical qualities, Evaluation, Physical activity, Maturational Level.

INTRODUÇÃO

RESUMEN

Relación entre la dermatoglifia, las cualidades físicas y lo nivel madu- racional de estudiantes adolescentes de ambos los sexos”

El presente estudio tuvo como objetivo relacionar las características “dermatoglíficas” las cualidades físicas y el nivel de madurez de adolescentes entre 10 y 13 años de edad, de ambos los sexos, estudiantes de enseñanza básica del Instituto San José Salesiano – Resende. Cuando de la elaboración de esta investigación fue considerado como muestra el número de alumnos de ambos los sexos cursando el 5º y 6º año de la enseñanza básica de la escuela mencionada, en un total de 122 adolescentes.El proceso de avaluación de las cualidades físicas es de importante utilidad en la toma de decisiones, por ser la base esencial de cada programa y que tiene como objetivo la mejoría de los niveles individuales o generales de la condición física, donde las clases de Educación Física se vuelven un medio casi exclusivo de ejecución de una actividad física.A través de la asociación de las características “dermatoglíficas” cuanto a sus capacidades y potencialidades podremos determinar proyectos de ejecución de actividades que convienen con estas potencialidades.Los alumnos fueran sometidos a varias pruebas, el Eurofit, divididos en género y nivel de madurez a través del método de autoevaluación propuesto por Matsudo (1991) y del análisis de los dibujos de las impresiones digitales según el protocolo de Cummins y Midlo (1942). A través del análisis de las impresiones se determinan los patrones de fórmulas digitales en cada grupo los cuales fueron relacionados con cada cualidad física a través del análisis estatístico y estudio comparativo teniendo en cuenta el nivel de madurez. Esos resultados están de acuerdo a los estudios ya realizados en el campo deportivo y donde encontramos diversos hallazgos yendo de encuentro a estos estudios cuanto a la realización de la “dermatoglifia” como factor de asuciación y compensación entre los resultados esperados y los resultados encontrados.

Palabras clave: “Dermatoglifi a”, Cualidades Físicas, Evaluación, Actividad Física, Nivel de Madurez.

Com o passar dos anos temos observado a redução do nível de aptidão física das crianças. Muito se tem atentado para o fato de que os padrões da vida moderna não exigem da criança atividades que requerem esforço físico que lhes proporcionem adaptações positivas no sentido de obter uma melhor qualidade de vida, evitando os efeitos deletérios do sedentarismo.

Rice e Howel (2000) alertam que hoje as crianças passam a maior parte de seu tempo livre assistindo televisão, jogando em computador ou navegando na Internet, o que levaria a maior incidência de aumento de peso corporal, relacionado à gordura corporal e com isso a uma série de problemas relacionados ao surgimento de doenças crônico-degenerativas.

Segundo Pinho e Petroski (1999) o período da infância rode- ado destes problemas tenta, dentro do possível, assumir um comportamento físico ativo nas aulas de Educação Física.Tal fato tem nos proporcionado repensar sobre o planejamento e a organização da Educação Física quanto à promoção da saúde. Brandl (2002) relata em seus estudos a necessidade de encarar a Educação Física numa perspectiva mais abrangente, onde a criança deve ser considerada um sujeito-próprio, possuidor de capacidades e limitações.

Sabe-se que o desenvolvimento das qualidades físicas é um importante componente da promoção da saúde e da educação para a saúde, e que é necessária para uma condição de bem estar geral. O processo de avaliação das qualidades físicas é

322

de importante utilidade na tomada de decisões, por ser base essencial de cada programa e que tem como objetivo a melhora dos níveis individuais ou gerais da condição física. O ensino e aprendizagem das qualidades físicas básicas são de suma importância para a contribuição ao conhecimento de si mesmo e para a motivação de cada indivíduo, a fi m de assegurar uma melhor condição física, assim como para a educação em geral.

Segundo Sánchez (1998, p.9) a ausência de critérios cientifi ca- mente comprovados para a avaliação de escolares tende a ser um difícil compromisso com a comprovação da efi cácia e da possibilidade do aperfeiçoamento da ação pedagógica, visando uma nova concepção de Educação Física, proporcionando aos indivíduos adaptar-se e ajustar-se ao maior número de situações possíveis, adequando os planejamentos e programas a situações signifi cativas, capazes de assegurar o progresso individual e do grupo.

O treinamento e a atividade física regular são geralmente inter- pretados como tendo uma infl uência favorável no crescimento, na maturação e na aptidão física da criança e do jovem. No entanto a performance motora, principalmente dos adolescentes do sexo masculino, está signifi cativamente relacionada com seu estado maturacional, demonstrando diferenças signifi cativas ao nível dos aspectos somáticos, da aptidão física geral e especifi ca e das respectivas habilidades (SEABRA et al., 2001).

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 322, nov/dez 2003

Malina e Bouchard (1991, p. 227-228) apresentam o apa- recimento de características sexuais secundárias e mudanças morfofuncionais como o início da puberdade e que segue até o fi nal da segunda década da vida. Os mesmos autores citam que as medidas estruturais e o desempenho em testes de aptidão física estão relacionados aos fenômenos que envolvem o ama- durecimento biológico.

Martins (1998) nos fala da evolução da Educação Física para o treinamento esportivo escolar, baseada no desenvolvimento dos parâmetros físicos mais comuns a todos os desportos.Sabemos ainda que o esporte escolar está inserido dentro da nossa cultura, podendo vir a ser um “divisor de águas”, atuando como meio de transformação social, possibilitando para muitos a oportunidade de se desenvolver dentro do esporte para a vida, mas que muitas vezes é mal utilizado, até pela falta de conhecimento embasado cientifi camente. Shigunov (2000) nos apresenta o esporte esco- lar como forma positiva de um campo de aprendizagem social compatível com os padrões de desenvolvimento da criança e do adolescente, sendo responsáveis pelo crescimento destes a família, a comunidade e a escola.

Citando Fernandes Filho (2001):

“A solução do problema da orientação desportiva tem importância tanto para a regulação da organização e metodologia da seleção como para elaboração do sis- tema de controle e direção do processo de treinamento, considerando-se as particularidades individuais, o nível de preparação física e a faixa etária”.

O diagnóstico do potencial genético através das impressões di- gitais tem sido motivo de estudo amplo e tem permitido análises e princípios de associação das mesmas com as manifestações funcionais, o qual pretende permitir o aperfeiçoamento dos ativos e fortes componentes da preparação atlética, proporcionando aos jovens progredirem rapidamente e alcançarem as mais altas habilidades esportivas.

Baseado nisso torna-se de vital importância uma avaliação abrangente, fundada em critérios científi cos, que proporcione o maior número de informações, procurando determinar se tais informações possam ter relação e se podem servir para que se possam traçar planos e estratégias que permitam o desenvolvi- mento de meios e métodos para um melhor aproveitamento das aptidões de cada individuo, tanto ao nível do desporto escolar quanto ao nível da promoção e manutenção da saúde.

Tabela 1 - Testes e respectivas qualidades físicas avaliadas

O problema de nossa pesquisa é o estudo da relação entre as características dermatoglífi cas, o nível maturacional e as quali- dades físicas básicas, apresentadas através de uma bateria de testes (Eurofi t), em crianças de ambos os sexos, com idade entre 10-13 anos, estudantes do ensino fundamental do Instituto São José – Salesiano de Resende.

MATERIAIS E MÉTODOS

A pesquisa abrangeu os alunos do Instituto São José Salesiano- Resende-RJ, cursando a 5 a e 6 a série do ensino fundamental, na faixa etária de 10 a 13 anos, sendo que a amostragem foi do tipo aleatória causal, onde todas as crianças das séries citadas tiveram a oportunidade de participar da coleta de dados, quando preenchidos os critérios de inclusão e exclusão, sendo divididas de acordo com os níveis maturacionais. A amostra totalizou-se em 122 adolescentes, sendo 60 do sexo masculino e 62 do sexo feminino, divididos em grupos pré-púbere e púbere.

Como critério de inclusão, todos os alunos, de ambos os sexos, da 5 a e 6 a série, presentes às aulas de Educação Física, que não tenham nenhum tipo de impedimento quanto à participação na execução dos testes, participaram da coleta de dados.Os pais ou responsáveis dos alunos que foram avaliados assinaram autoriza- ção através de termo de consentimento, conforme lei n o 196/96.

Não participaram da pesquisa os alunos que apresentaram pro- blemas de saúde que os impossibilitaram de executar os testes, ou que não estejam dentro da faixa etária estabelecida.Visto que o teste faz parte do programa de avaliação da Educação Física, todos os alunos matriculados nesta instituição e cursando as séries estabelecidas anteriormente, deveriam participar da amostragem.

A presente pesquisa é de cunho descritivo, de acordo com a proposta de Thomas e Nelson (2002, p.34), onde os métodos de pesquisa descritiva são baseados em estudos de status, am- plamente utilizados na educação, os quais procuram obter infor- mações acerca de condições existentes, com respeito a variáveis ou condições numa determinada situação.

Este estudo emprega um tipo de estudo comparativo, o qual é utilizado para verifi car diferenças signifi cativas entre grupos, no qual os resultados obtidos por um grupo podem ser contrastados aos de outro grupo, não se limitando à comparação estatística, mas também à outros métodos descritivos que podem ser empre-

Testes

Fator medido

Teste de Equilíbrio Flamingo Toque no disco(Plate Tapping) Sentar e Alcançar (Sit and reach) Teste de Impulsão Horizontal sem corrida(Standing Broad Jump) Dinamometria Manual (Hand Grip) Flexão de tronco (Sit Ups) Pendurar na Barra (Bent Arm Hang) Agilidade (Shuttle Run) Resistência – Course Navette (Endurance Shuttle Run)

Equilíbrio Velocidade segmentar de membros superiores Flexibilidade Força Explosiva de membros inferiores Força de mão Abdominal Força Estática Agilidade Resistência aeróbica.

Tabela adaptada do Manual do Eurofi t, pelo autor.

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 323, nov/dez 2003

323

gados, sendo a percentagem a mais conhecida, segundo Flegner e Dias (1995, p.76-77).

A investigação deste estudo é realizada através das informações dos dados coletados pelo Método Dermatoglífi co, pelo teste Eurofi t e pelo Método da Auto-avaliação da maturação sexual, proposto por Matsudo (1991).

Segundo Martins (1998) a bateria de testes Eurofi t, através de testes específi cos (TABELA 1), oferece informações relevantes a respeito das habilidades motoras básicas do indivíduo, servindo como um instrumento de medida da aptidão física devidamente testado e validado de acordo com os critérios de autenticidade científi ca.

A coleta das impressões digitais foi realizada obedecendo aos critérios propostos por Cummins e Midlo (1942).

Para se determinar o nível maturacional foi utilizado o protocolo de auto-avaliação proposto por Matsudo (1991) através da técnica projetiva, com pranchas, dos diferentes tipos de estágio maturacional baseado na descrição de Tanner.

ANÁLISE ESTATÍSTICA

O presente tratamento estatístico observou um nível de signifi cân- cia p < 0,05, no sentido de garantir o nível de cientifi cidade do presente estudo, isto é, 95% de probabilidade em todas as afi r- mativas e ou negativas que o presente estudo viesse a apresentar.

O tratamento estatístico foi dividido em duas partes, sendo a primeira parte constituída da Estatística Descritiva, através da qual fez-se uma apresentação dos valores médios e seus respectivos desvios-padrão calculados segundo as variáveis experimentais que apresentavam conteúdo de natureza discreta ordinal e/ ou contínua e para as variáveis de conteúdo discreto nominal utilizou-se as Tabelas de freqüências.

A segunda parte relativa à estatística inferencial testou-se as Hipóteses do presente estudo, tendo como testes o teste t de Student e o teste não paramétrico Qui-Quadrado. Através dos referidos testes, far-se-á a comparação entre as médias e distri- buições de frequências tendo como variáveis discricionárias, o sexo, maturação e como variável dependente às características dermatoglífi cas.

Estudo comparativo das médias das variáveis experimentais, utilizando-se o teste t de Student, tendo como parâmetros discri- cionários, sexo, idade e nível maturacional. Esta análise última tem por objetivo verifi car o grau de inferência do fator maturação nos resultados observados nas variáveis experimentais.

O outro estudo comparativo far-se-á utilizando-se o teste não paramétrico Qui-quadrado, através do qual iremos verifi car a existência de diferenças signifi cativas (p <0,05) entre as distri- buições.

APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

O objeto teórico e formal deste estudo está centrado em ado- lescentes estudantes das 5as e 6as séries do ensino fundamental do Instituto São José Salesiano / Resende – RJ, na faixa etária compreendida entre 10 e 13 anos, classifi cados de acordo com o nível maturacional. Os estudantes foram divididos em grupos de acordo com o sexo e o nível maturacional Pré-Púbere e Pú- bere, sendo os resultados absolutos apresentados na TABELA 2. O GRÁFICO1 apresenta os resultados das fórmulas digitais do grupo masculino, enquanto o GRÁFICO 2 apresenta as fórmulas digitais do grupo feminino.

Pré-pubere masculino

Segundo a predisposição demonstrada pelas características digi- tais, o grupo apresenta predisposição à força, velocidade e po-

Tabela 2 - Resultados descritivos dos valores médios e desvios-padrão da amostra

 

Masculino

Feminino

Variável

Pré n=26

Pub n=34

Pré n=38

Pub n=24

idade

11,0 ± 0,9

12,0 ± 0,7

10,9 ± 0,7

12,1± 0,6

peso

38,65 ± 7,9

45,8 ± 8,2

37,13 ± 5,78

46,29 ± 9,17

estatura

1,45 ± 0,05

1,51 ± 0,06

1,45 ± 0,05

1,54 ± 0,07

res_aeróbica

7,3 ± 2,2

6,6 ± 2,6

5,0 ± 1,5

4,7 ± 1,3

fl ex

27,3 ± 5,6

26,1± 6,0

28,2 ± 6,0

29,6 ± 7,4

abdom

24,6 ± 7,0

21,3 ± 6,1

20,0 ± 4,0

19,6 ± 4,6

agilidade

204,3 ± 22,8

204,3 ± 17,2

219 ± 19,9

217 ± 19,9

Imp_Hor.

157,5 ± 26,1

154,4 ± 23,3

135,3 ± 18,5

141,3 ± 18,6

barra

112,4 ± 73,3

91,2 ± 91,3

62,5 ± 53,7

46 ± 37,6

equil

6,3 ± 3,6

6,6 ± 4,1

6,9 ± 4,3

6,4 ± 4,4

dinam

12 ± 4,4

16,3 ± 4,7

7,5 ± 5,2

13 ± 5,1

placas

125,4 ± 16,3

129,5 ± 16,3

138,9 ± 15,9

133,0 ± 13,0

S dc

62,2 ± 37,3

66,9 ± 32,8

62,5 ± 20,7

77,6 ± 21,3

SQTL

68,6 ± 28,9

101,3 ± 27,8

100,2 ± 32,4

97,5 ± 35,8

A

1,5 ± 1,8

0,8 ± 1,5

0,5 ± 1,0

1,0 ± 1,8

L

6,7 ± 2,2

5,9 ± 1,9

5,7 ± 2,9

6,0 ± 2,7

W

1,8 ± 2,3

3,3 ± 2,0

3,7 ± 3,1

3,0 ± 2,6

D10

10,3 ± 3,6

12,5 ± 2,9

13,3 ± 3,7

12,1 ± 3,6

324

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 324, nov/dez 2003

10% AL 10L L>W L=W W>L ALW Percentual 0% 5% 45% 15% Masc Pub 20% Masc
10%
AL
10L
L>W
L=W
W>L
ALW
Percentual
0%
5%
45%
15%
Masc Pub
20%
Masc P-Pub
25%
30%
35%
40%

Características Dermatoglíficas

Gráfi co 1 - Fórmulas digitais do grupo masculino

tência _ observada pela presença de L = 6,7, e W = 1,8 , A=1,5 e pelo SQTL = 68,6 e as fórmulas AL= 34,6%, ALW = 23,1%; 10L = 7,7%, confi rmado pelo teste Qui-quadrado que denota existir maior concentração de AL e 10 L no grupo Pré-púbere (42,3%) comparativamente ao grupo Púbere (11,7%) para uma sig. p= 0,007 < 0,05. Tendo como componente secundário, mas em baixa, quando comparado ao 1º componente, a resistência de velocidade _ observada pela presença de L>W = 26,9% e W>L = 7,7%. Ainda níveis baixos de coordenação _ observa- da pelo D10 = 10,3. Estes achados de pré-disposição vão ao encontro das afi rmativas de Dantas e Fernandes Filho (2001) quando observa a predisposição genética em diversas modali- dades nacionais.

Púbere masculino

Segundo a predisposição demonstrada pelas características digi- tais, o grupo apresenta predisposição à resistência de velocidade _ observada pela presença de L = 5,9, e W = 3,3 e confi rmado pelo SQTL = 101,3 e as formulas L>W = 38,2%; L=W = 17,6% e W>L = 8,8%. Corroborado pelo teste Qui-quadrado com sig. p= 0,021 < 0,05 e que denota que existe maior freqüência dos desenhos L>W, L=W e W>L no grupo Púbere (64,6%) comparativamente ao grupo pré-púbere (34,6%), tendo como componente secundário força e potência observadas pela

presença de AL = 8,8%; ALW = 23,5% e 10L = 2,9%. Ainda os níveis de coordenação moderados observados pelo D10 = 12,5. A literatura demonstra, que a coordenação pode ser um grande mediador das demais qualidades físicas, indivíduos mais coorde- nados poupam energia ou executam o gesto motor com maior efi ciência (WEINECK, 1991, p.233). Estas afi rmativas poderiam explicar alguns resultados encontrados quanto ao estado.

O teste Qui-quadrado com sig. p = 0,056 > 0,05, denota que não existe diferença signifi cativa entre as distribuições dos dois grupos maturacionais no parâmetro fórmula digital não agrupada.

Pré-pubere feminino

Segundo a predisposição demonstrada pelas características digitais, o grupo apresenta predisposição à resistência de ve- locidade _ observada pela presença de L = 5,7 e W = 3,7 e pelo SQTL = 100,2 e as formulas L>W = 18,4%; L=W = 7,9% e W>L = 36,8%; 10W = 5,3%. Confi rmado pelo teste Qui- quadrado que denota existir maior concentração de W>L, L>W, L+W e 10 W no grupo Pré-púbere (68,4%) comparativamente ao grupo Púbere (41,6%) para uma sig. p = 0,037 < 0,05. Tendo como componente secundário potência observado pela presença de AL = 10,5%; ALW = 13,2% e 10L = 7,9%. Ainda

Gráfi co 2 - Fórmulas digitais do grupo feminino

0% 35% 30% 25% Fem P-Pub 20% 15% Fem Pub 10% 40% 5% Percentual ALW W>L
0%
35%
30%
25%
Fem P-Pub
20%
15%
Fem Pub
10%
40%
5%
Percentual
ALW
W>L
L=W
L>W
10W
10L
AL

Características Dermatoglíficas

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 325, nov/dez 2003

325

os níveis de coordenação altos observados pelo D10 = 13,3. Em especial este grupo foi o que mais apresentou as características para modalidades coletivas citados por Fernandes Filho (1997), Dantas e Fernandes Filho (2001), onde eles observam que entre os representantes, altamente qualifi cados, de diversos grupos de modalidades esportivas e de diversas posições, revelaram-se certas tendências, nas correlações dos índices integrais das ID´s, específi cas das diferentes modalidades esportivas, alto nível de D10, a falta de arco (A), o aumento da parcela de W, o aumento SQTL, caracterizam modalidades esportivas e as diferenças, em grupos de resistência de velocidade. Nas modalidades de jogos, a mesma tendência.

Púbere feminino

Segundo a predisposição demonstrada pelas características di- gitais, o grupo apresenta predisposição à velocidade e potencia observada pela presença de L = 6 e W = 3 e A = 1 e as órmulas AL = 12,5%; ALW = 33,3% e 10L = 12,5%. Confi rmado pelo teste Qui-quadrado com sig. p= 0,038 < 0,05 e que denota que existe diferença signifi cativa entre as distribuições das fórmulas digitais agrupadas 10L, AL, e ALW entre os grupos Pré-púbere (31,6%) e Púbere (58,3%). Tendo como componente secundário a resistência de velocidade com uma tendência a alta observa- do pela presença de L>W = 20,8%; W>L = 20,8%. Ainda os níveis de coordenação moderado observado pelo D10 = 12,1. Os achados corroboram com João (1999) em seu estudo com ginastas de qualifi cação regional e nacional que não representam a alta qualifi cação.

O teste Qui-quadrado para sig. p = 0,039 < 0,05 denota que existe diferença signifi cativa ente as distribuições dos dois grupos maturacionais no parâmetro fórmulas digitais agrupadas.

Análise da relação ente a predisposição e o estado das características dermatoglíficas e das qualidade físicas e de acordo com o nível maturacional

Serão analisados e discutidos os resultados desta pesquisa sob a ótica da predisposição e o estado das características derma- toglífi cas e das qualidades físicas de acordo com nível matura- cional, procurando determinar as relações entre os resultados encontrados e os resultados esperados de acordo com a literatura consultada, segundo os pressupostos desta pesquisa no que concerne às características dematoglífi cas e sua importância na determinação de prognóstico e diagnóstico das possibilidades de melhores desempenhos em atividades ou modalidades esportivas específi cas, visando o aperfeiçoamento dos pontos fortes e o aprimoramento dos pontos fracos.

Na variável “resistência aeróbica”, ao analisarmos os resultados desta qualidade física, encontramos resultados similares na amos- tra.No sexo masculino encontramos uma relação de associação entre o estado maturacional e as características dermatoglífi cas.A literatura mostra correlação entre a maturação e a potência ae- róbica, com os grupos púberes apresentando maiores tendências aos melhores resultados, no entanto a similaridade ente os gru- pos mostram que tal fato nem sempre pode ser verdadeiro pela

326

simples correlação com o nível maturacional, pois encontramos nas impressões digitais (ID´s) características que determinam tal fenômeno, ao analisarmos o teste Course Navette, o qual é constituído de corrida continua de vai-e-vem com incremento de intensidade a cada estágio pré-determinado de tempo, tal atividade caracteriza eventos onde não só a resistência, mas outros parâmetros como velocidade, potência e resistência de velocidade são importantes no desempenho deste teste.O grupo pré-púbere masculino apresenta características dermatoglífi cas com tendência primária a performances de velocidade e potência e, mesmo o grupo púbere apresentando características com ten- dência a resistência de velocidade, o aumento do peso corporal, no tocante ao maior percentual de gordura, que está relacionado ao grupo púbere. Pode ser fator primário de infl uência nos resul- tados, visto que em eventos de corrida existe a sustentação da massa corporal e esta está relacionada ao ganho de massa magra e de massa de gordura, sendo esta última fator de redução de performances em atividades de maior duração e de maior intensi- dade.Conclui-se que para esta amostra nesta qualidade física os grupos pré e púbere masculino apresentaram resultados similares, pois os efeitos da maturação no aspecto composição corporal podem ser fatores infl uenciadores dos resultados negativos do grupo púbere, assim como as características dermatoglífi cas de predisposição do grupo pré-púbere foram determinantes na não presença de diferenças estatísticas na amostra de acordo com o gênero sexual masculino.

No grupo feminino os resultados encontrados mostraram aspectos similares, no entanto neste caso o grupo pré-púbere apresentou características com forte tendência primária a atividades de re- sistência de velocidade, associadas com atividades de potencia e com valores menores em relação ao peso e a composição corporal, o que foi um fator crucial ao desempenho similar nesta amostra.Um outro fator que pode ser infl uenciador neste caso foi a maior tendência a um alto nível de coordenação, representado pela presença de maiores valores de D10 no grupo pré, visto que a coordenação é uma qualidade física considerada imprescindível a uma série de atividades, dentre elas a corrida de vai-e-vem, dentro de um ritmo estabelecido.

Na variável “fl exibilidade” a literatura mostra que os padrões singulares de variação dos resultados estão associados ao sexo e à idade e a maturação relacionada ao crescimento das extre- midades e do tronco, que coincide com o estirão adolescente.No grupo masculino não são observadas diferenças estatisticamente signifi cativas, mas com valores médios maiores para os grupos pré-púberes.Como a qualidade física fl exibilidade sofre infl uência do fator maturação no que tange ao aumento das extremidades inferiores (pernas) aliado ao aumento da massa magra, segundo Malina e Bouchard (2002, p. 188), isto pode então determinar a tendência de que a maturação infl uencia então os resultados para esta qualidade física.Além desse fator fi ca também registrado que a maior presença de desenhos simples PRESILHA (L) está associa- da à predisposição de melhores resultados nesta qualidade física, como foi encontrado em outros estudos, como o de Menezes (2002) em quer foram avaliadas atletas de ginástica rítmica, onde uma boa fl exibilidade é um fator primordial a boa performance nesta atividade.Em relação à característica dermatoglífi ca com

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 326, nov/dez 2003

maior incidência de presilhas, a qual é evidenciada também no grupo feminino, onde as púberes apresentam resultados médios melhores que o grupo pré-púbere, fi ca então evidente que tal fator é determinante no resultado apresentado nesta pesquisa. Sendo assim, nesta qualidade física fl exibilidade, a característica dermatoglifi ca com maior incidência de presilhas pode ser con- siderada fator primordial a predisposição a melhores resultados em atividades que requerem tal qualidade física.

No teste de “resistência muscular abdominal” não foram en- contradas diferenças estatisticamente significativas, porém esperavam-se resultados mais expressivos em relação ao nível maturacional, sendo os grupos púberes com maiores possibilida- des de melhores resultados em razão de um aumento no nível de força e pelo ganho de massa muscular, no entanto encontramos valores médios maiores para os grupos pré-púbere em ambos os sexos.Ao analisarmos as características das ID encontramos maiores incidências de fórmulas digitais AL, ALW, 10 L e L>W, que estão relacionadas, segundo diversos estudos (ABRAMOVA, 1995; FERNANDES FILHO, 1997, MEDINA, 2000; DANTAS , 2001), às atividades de força, potencia e velocidade, parâmetros estes que estão diretamente relacionados ao teste de resistência muscular abdominal, cujos resultados são expressos pelo maior número de repetições em 30 segundos, o que vem de encontro a própria defi nição de potência, que é a capacidade dos músculos de liberar o Maximo de força no período de tempo mais curto possível, segundo Malina e Bouchard (2002, p. 180).Sendo assim as características dermatoglifi cas representam aspectos mais fortes no que concerne a tendência a melhores resultados em atividades que requerem esta qualidade física fazendo com que, mesmo com os efeitos da maturação, os resultados entre os grupos pré e púbere venham a ser similares.

Ao analisarmos o teste Shuttle Run, o qual tem por objetivo avaliar a qualidade física “agilidade”, não encontramos diferença signi- fi cativa ente os grupos, inclusive com resultados médios similares entre os grupos pré-púbere e púbere masculino, com pequena diferença na concentração, de acordo com os desvios-padrão. Ao compararmos tais resultados com o nível maturacional seria esperado, e acordo com Weineck (1991, p.259), que o aumento da massa muscular e paralelamente da força, pudessem possi- bilitar melhores resultados nesta qualidade física, visto que esta valência é defi nida por Tritschler (2003, p.314) como sendo a capacidade de mudar as posições e direções de todo corpo de forma rápida e precisa.Sendo assim ao analisarmos então a defi nição de agilidade encontramos que uma série de fatores serão infl uenciadores nesta habilidade de deslocar-se e mudar de posição, como a força de membros inferiores, coordenação, velocidade e peso corporal relativo.Observando as caracte- rísticas dermatoglífi cas de cada grupo encontramos no grupo pré-púbere uma maior tendência a desempenhos em atividades que requerem “força, velocidade e potência”, como parâmetros primários, enquanto nos grupos púberes encontramos uma maior probabilidade de tendência de desempenho em eventos de re- sistência de velocidade.Podemos então concluir que os aspectos dermatoglífi cos foram sufi cientemente fortes no grupo Pré-púbere para que estes pudessem obter resultados similares aos grupos púberes, determinando que estas características dermatoglífi cas

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 327, nov/dez 2003

competissem com as probabilidades de desempenho oferecidas pelas mudanças ocorridas através do processo maturacional.

No grupo feminino encontramos resultados estatisticamente simi- lares, mas com pequena diferença quando comparados os valores médios encontrados, com desempenho melhor no grupo pré- púbere feminino.Tal fato pode ser explicado pelo simples fato de que o grupo púbere, além dos prováveis benefícios do processo maturacional, também apresentou características dermatoglífi cas com tendência à atividades de “velocidade e potência”. Isto nos leva a uma refl exão, pois se todas as condições são favoráveis a um melhor desempenho por parte do grupo Púbere feminino, porque não se confi rmou tal fato no tratamento estatístico? A resposta a esta refl exão a meu ver está na própria defi nição de “agilidade”, onde encontramos, como citado anteriormente, que vários fatores são infl uenciadores na performance do teste Shuttle Run que se propõe a avaliar tal valência física, ou seja, um dos fatores primordiais nos parece ser a composição corporal, visto que os grupos Púberes apresentam um maior ganho de massa gorda, o que resulta numa maior quantidade de peso corporal desnecessário sob o ponto de vista do deslocamento em corrida.

Os resultados para o desempenho na valência física “força explosiva de membros inferiores” não determinaram diferen- ças signifi cativas na amostra estudada.Observando os valores médios encontramos pequenas diferenças, sendo no gênero masculino um melhor desempenho no grupo pré-púbere e no feminino melhor desempenho no grupo púbere.Ao analisarmos as diferenças entre os gêneros, os resultados corroboram com os valores encontrados am diferentes estudos, com maiores valores presentes no gênero masculino.No entanto ao analisarmos o aspecto maturacional entre os grupos, de acordo com o sexo, esperava-se encontrar um aumento linear com a idade e o es- tado maturacional mais adiantado em ambos os sexos.Este fato reporta-se ao fator indicativo de um estirão adolescente, segundo Malina e Bouchard (2002 p. 184).Os autores citados apresentam que hábitos de atividade física podem infl uenciar os resultados entre diferentes amostras.Quando analisamos os resultados sob a ótica das características dermatoglífi cas encontramos no grupo Pré-púbere masculino e Púbere feminino, uma predisposição para atividades de “força, velocidade e potência”, pela maior incidência das fórmulas digitais agrupadas ALW, L>W, AL e baixo SQTL e D10, que corroboram, com estudos de Abramova (1995) e Fernandes Filho (1997).Mais uma vez apresenta-se as características dermatoglífi cas como fator de compensação ente os resultados esperados e os encontrados, possibilitando diag- nóstico e prognóstico de predisposição a atividades físicas que requerem a força explosiva de membros inferiores.

Na qualidade física “força estática”, avaliada segundo o teste de “pendurar na barra”, assim como em outras qualidades físicas também não encontramos diferenças signifi cativas.Na observação dos valores médios encontrados neste estudo há uma tendência para melhores resultados nos grupos pré-púberes em ambos os sexos.Na literatura consultada encontramos que, um estudo longitudinal com amostra mista na faixa etária entre 11 e 18 anos, a força aumenta linearmente com a idade, até que ocorra uma aceleração no desenvolvimento desta, o que representa o estirão adolescente nos meninos. Nas meninas a Força Estática

327

aumenta linearmente até 16-17 anos, sem evidencia de um estirão (MALINA e BOUCHARD, 2002, p. 182).

Diante dos resultados esperados comparando-os com os en- contrados, de acordo com gênero e estado maturacional, a amostra deste estudo apresenta resultados diferenciados, onde o aspecto maturacional em relação à força, no caso específi co do teste de pendurar na barra, sofre infl uência do fator peso corporal, observando a maior evidencia de aumento de massa gorda, principalmente no gênero feminino (p = 0,0023 para um nível de signifi cância p < 0,05), seria limitante.No grupo feminino encontramos as características dermatoglífi cas, sen- do que o grupo Pré apresenta como característica primária a predisposição a atividades de “resistência de velocidade”, pela presença de aumento de SQTL e D10, L e W, além das fórmulas digitais agrupadas W>L, L>W, L=W e 10W; como característica secundária a predisposição à atividades de potência, enquanto no grupo Púbere encontramos como característica primária a predisposição a atividades de “velocidade e potência” e como ca- racterística secundária predisposição a “velocidade”. Neste caso específi co nenhum dos dois grupos apresentou características específi cas para demonstrar predisposição ao desempenho para esta qualidade física, fi cando então evidente que outros fatores, além dos aspectos maturacionais, sejam infl uenciadores nesta avaliação.Conclui-se que o aspecto maturacional que apresenta diferenças signifi cativas (percentual de gordura e aumento do peso corporal) sejam fatores limitantes no desempenho ente os grupos, com valores médios que representam resultados melhores para os grupos pré, os quais apresentam menor peso corporal e menor massa gorda.

Na análise da qualidade física “equilíbrio” não encontramos diferenças signifi cativas.Os valores médios apresentaram simi- laridade, valores quase idênticos.De acordo com a literatura o desempenho deveria melhorar com a idade, sendo os melhores resultados, em média, melhor nas meninas, no entanto os dados referentes a esta afi rmação são limitados (MALINA e BOUCHARD, 2002, p. 189). Como os estudos mostraram que o estirão ado- lescente representa aumentos signifi cativos nos componentes antropométricos (peso e estatura) e composição corporal (massa magra e massa gordura) e que estes são aspectos que infl uenciam na dinâmica do teste Flamingo, pois ao alterar a estatura e o peso corporal ocorrerá a mudança do centro de gravidade, o que proporcionaria uma queda no rendimento neste teste específi co, o qual avalia a valência equilíbrio.Outro componente importante na análise da execução do teste seria a força estática de membros inferiores.Ao analisarmos anteriormente esta qualidade física concluímos que a mesma apresenta como fator limitante o peso corporal relativo (% de gordura).

No tocante a análise das características dermatoglífi cas não encontramos na literatura associações desta com a qualidade física “equilíbrio”. Observamos, nos valores médios, que a amostra é bastante homogênea, com discretos valores maiores para os grupos Pré-púbere masculino e Púbere feminino.Entre os grupos encontramos características de fórmulas digitais com predisposição a atividades de “velocidade e potência”. Sendo assim ao analisarmos os desenhos dermatoglífi cos encontramos diferenças no menor SQTL e redução de intensidade de D10,

328

podendo ser que estes resultados possam representar então fator de relação com a característica “equilíbrio”.

A qualidade física avaliada através do teste de Golpeio de Placas, a “velocidade segmentar de membros superiores”, não apresentou diferenças signifi cativas de acordo com sexo e nível maturacional.Em relação aos valores médios encontramos dis- cretos resultados favoráveis ao melhor desempenho nos grupos Pré-púbere masculino e púbere feminino.Teoricamente, como nos demais testes, esperava-se que os melhores resultados deveriam ser dos grupos Púberes, em ambos os sexos, visto que os grupos com maturação mais precoce apresentam melhor desempenho motor que os de maturação mais tardia, na maioria das idades, segundo Malina e Bouchard (2002, p. 279). No entanto ao ana- lisarmos as características dermatoglífi cas, segundo as fórmulas digitais agrupadas, encontramos semelhanças entre os grupos Pré-masculino e Púbere-feminino, onde ocorreram as maiores incidências de AL, ALW, L>W, baixo SQTL e moderado D10. Tais índices demonstram tendências ao melhor desempenho em atividades de “velocidade e potência”.Assim concluímos que esta qualidade física ao não apresentar diferenças estatisticamente diferentes, quando comparadas ao sexo e nível maturacional, apresentam as características dermatoglífi cas como determinante no potencial de desempenho, a tal ponto que consegue quase sobrepujar os efeitos do estado de maturação.

Na qualidade física “força de preensão manual”, avaliada através do teste de Dinamometria, encontramos diferenças signifi cativas em relação ao sexo e nível maturacional, sendo os melhores resul- tados encontrados nos grupos púberes.Tal fato corrobora com o estudo de Malina e Bouchard (2002, p. 277), no qual demonstra que a força de preensão aumenta linearmente com a idade e os diferentes estados maturacionais.Ao analisarmos as características dermatoglífi cas encontramos predisposições diferenciadas entre os grupos Púberes em relação ao sexo, porém encontramos algumas similaridades como moderada intensidade de D10 e valores próximos na confi guração dos desenhos digitais A, L, W e SQTL. Ambos os grupos apresentam uma característica de pre- disposição à coordenação moderada, através de intensidade de D10.O grupo púbere masculino apresenta uma característica se- cundária de “força”, pela presença de ALW (23,5%) e AL (8,8 %), similares ao grupo púbere feminino, sendo neste ALW (33,3 %) e AL (12,5 %).Nesta qualidade física podemos determinar que as tendências estipuladas pelas características dermatoglífi cas se aliam aos efeitos do estado maturacional e determinam melhor desempenho nos grupos Púberes, em ambos os sexos.

Quanto a “composição corporal”, a qual foi avaliada através do somatório de dobras cutâneas, encontramos diferenças signifi - cativas no grupo Feminino, o mesmo não ocorrendo no grupo masculino.Encontramos em vasta literatura, ser uma afi rmativa com alta correlação, com tendência aos maiores valores de massa gorda nos grupos adolescentes Púberes, em razão das modifi cações hormonais, principalmente nas meninas, onde são mais acentuadas.Em relação aos meninos, estudos apresenta- dos em Malina e Bouchard (2002, p. 269) demonstram que o aumento do tecido adiposo subcutâneo tende a aumentar até determinada idade e após esta, tende a diminuir. De acordo com os autores citados, dentro de um determinado grupo de idade

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 328, nov/dez 2003

cronológica, os meninos que apresentam um estado maturacional mais precoce têm maior peso corporal, com maior massa magra e percentual de gordura aproximado, como é demonstrado em nossa amostra.No sexo feminino os efeitos da maturação são mais sensíveis, mesmo as Púberes apresentando aumento de massa magra ocorre também o aumento de massa gorda absoluta e relativa, coincidindo com a presença da menarca e características sexuais secundárias.

Ao observarmos as características dermatoglífi cas encontramos similaridades entre os grupos púbere, de ambos os sexos, os quais apresentam valores médios maiores que os grupos Pré. Em ambos os grupos encontramos percentuais de presença similares para as características AL, ALW e D10. Não encontramos na literatura estudos que apresentem relações ou correlações entre as características dermatoglífi cas e o percentual de gordura, o que não nos permite conclusões em relação a um parâmetro, mas podemos considerar tal fato como pressuposto de que tais valores possam indicar predisposição à uma maior massa gordura de acordo com o nível maturacional.

CONCLUSÕES

De acordo com os resultados apresentados podemos concluir que as classes, conforme sexo e nível maturacional da amostra, apresentam resultados similares em vários parâmetros avaliados, o que acarreta uma situação compensatória no tocante às rela- ções ente as qualidades físicas, as características dermatoglífi cas e o nível maturacional.

Esperava-se uma variação signifi cativa nos resultados dos testes físicos em relação ao nível maturacional, como fi cou evidente em determinados parâmetros (peso, estatura e força de pre- ensão manual), mas, contudo nas demais valências físicas os resultados entre os grupos mostraram-se similares, ou seja, sem diferenças estatisticamente signifi cativas em ambos os sexos e nível maturacional.

Partimos do principio de que através da dermatoglifi a os resulta- dos então esperados e não encontrados nesta pesquisa possam ser explicados pela presença de certas características dermatoglí- fi cas, as quais foram determinantes como efeito compensatório para que estes resultados fossem diferenciados no tocante aos efeitos do estado maturacional.

Concluímos que o resultado deste estudo, em questão, responde à necessidade de comprovação, do problema apresentado - o conhecimento da relação ente as características dermatoglífi cas, as qualidades físicas e o nível maturacional, ao ser demonstrada

a possibilidade de agregação da dermatoglifi a, como mais um protocolo de avaliações.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABRAMOVA, T. F.; NIKITINA, T.M.; OZOLIN, N.N. Impressões digitais e capacidades da ergohomeostase – organização da metodologia cientifi ca baseados nos sistemas de preparação dos atletas russos e os caminhos do seu aperfeiçoamento.Resumos de Teses. XV o Congesso cientifi co da Rússia – prática e conferência.Moscou, 1995,

p. 140-141.

BRANDL, C.E.H. A consciência corporal na perspectiva da Educação Física.E.F. -Educação Física - Revista do CONFEF, ano I, n o 2, 2002.

CUMMINS, H.; MIDLO, C.Palmar and plantar dermatoglyphics in primates. Philadelphia,

1942.

DANTAS, P.M.S. Identifi cação dos perfi s, genético, de aptidão física e somatotipo que caracterizam os atletas masculinos, de alto rendimento, participantes do futsal adulto, no Brasil. Dissertação demestrado, Rio de Janeiro:Universidade Castelo Branco, 2001.

FERNANDES FILHO, J. Impressões dermatoglífi cas- marcas genéticas na seleção de talentos de esportes e lutas.Tese de Doutorado.Moscou-Russia: VNIIFK.1997. FERNANDES FILHO, J. Teoria da orientação esportiva e metodologia da seleção de atletas talentosos.Rio de Janeiro: PROCIMH, Revista digital, 2001. FLEGNER, A J.; DIAS, J. Metodologia da pesquisa científi ca.Rio de Janeiro: ESEFEX,

1995.

JOÃO, A.; FERNANDES FILHO, J.; DANTAS, E.H.M. Seleção, orientação e detecção de talentos para ginástica olímpica feminina.Revista Treinamento Desportivo, v. 4, n. 1, p. 72-77, 1999.

MALINA, R.M.; BOUCHARD, C. Growth, maturation and physical activity.Human Kinetics Publishers.Illinois: Champaign, 1991.

MALINA, R.M.; BOUCHARD, C. Atividade física do atleta jovem: do crescimento à matu- ração.São Paulo: Ed. Roca, 2002.

MARTINS, F. O. S. Avaliação das qualidades físicas de crianças através do eurofi t. Dissertação de mestrado, Rio de Janeiro: Universidade Castelo Branco, 1998.

MATSUDO, S.M.M., MATSUDO, V.K.R. Validade da auto-avaliação na determinação da maturação sexual. Revista brasileira de ciência e movimento, v. 5(2), p. 18-35, 1991.

MEDINA, M.F. Identifi cação dos perfi s genético e somatotípico que caracterizam atletas de voleibol masculino adulto de alto rendimento no Brasil.Tese de mestrado, Rio de Janeiro:

Universidade Castelo Branco, 2000.

MENEZES, L.S.; FENANDES FILHO,J.; NOGUEIRA, T.N.; DANTAS, P.M.S. Perfi l derma- toglifi co de atletas de ginástica rítmica do estado do Rio de Janeiro.IIIº Simpósio Internacional em Treinamento Desportivo.João Pessoa, p.62, 2003.

PINHO, R.A.; PETROSKI, E.L. Nível habitual de atividade física e equilíbrio energético de adolescentes.Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, vol. 4, n o 2, p.5-16, 1999.

RICE, M.H.; HOWEL, C.C. Measurement of physical activity, exercise and physical fi tness in children: issues and concerns.Journal of Pediatric Nursing, vol. 15, n o 3, 2000.

SÁNCHEZ, D.B. Evaluar en Educación Física.6 a edição, Barcelona: INDE,

1998.

SEABRA, A.; MAIA, J.A.; GARGANTA, R. Crescimento, maturação, aptidão física, força explosiva e habilidades motoras específi cas.Estudo em jovens futebolistas e não futebo- listas do sexo masculino dos 12 aos 16 anos de idade.Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, vol. 1, n o 2, p. 22-35, 2001.

SHIGUNOV, V. Refl exões sobre o desporto escolar: questões de formação e competências. Revista Paranaense de Educação Física, v. 4, n o 1, 2000.

TRITSCHLER, K. Medida e avaliação em Educação Física e esportes de Barrow e McGee. São Paulo: Ed. Manole, 2003.

THOMAS, J.R. e NELSON, J.K. Métodos de pesquisa em atividade física.3 a edição, Porto Alegre:Artmed, 2002.

Fit Perf J, Rio de Janeiro, 2, 6, 329, nov/dez 2003

329