Você está na página 1de 5

CENTRO DE FORMAÇÃO DA CASA DO PROFESSOR

BRAGA

ACCÃO DE FORMAÇÃO

“Ler e escrever na era 2.0


- Contributos de ferramentas digitais
FORMADORES

Ádila Faria e o Paulo Faria.

RELATÓRIO

Data de Realização

09-11-09 a 11-01-10

FORMANDA

MARIA DE LURDES MACEDO


Relatório

“Ler e escrever na era 2.0-

A Oficina de Formação” Ler e escrever na era 2.0 - contributos de ferramentas


digitais”, dinamizada pelo Centro de Formação da Casa do Professor, teve como
formadores a Ádila Faria e o Paulo Faria.
Reflectindo acerca desta acção de formação que assenta na Web, pretendemos
abarcar uma nova forma de comunicar, em que a expressão mais actual da nossa
sociedade é o desafio de se encontrar permanentemente numa relação de proximidade
interactiva.
”De facto, o potencial destas novas tecnologias, quer no que se refere à natureza dos
programas utilizados, quer às possibilidades de acesso à informação e comunicação
disponíveis através da Internet, aliado à sua presença, cada vez mais marcante no nosso
dia-a-dia, torna difícil ignorar o contributo destes novos media no enriquecimento dos
contextos de aprendizagem para a infância (Amante, 2003; NAEYC, 1996; Ramos et
al., 2001).
Desta forma, só conhecendo as ferramentas que estão ao nosso alcance, teremos
uma oportunidade de agir activamente em relação ao meio que nos rodeia, pois só
fazendo se aprende, tornando-nos potenciais criadores deste espaço comum de forma a
beneficiar as crianças com quem construímos percursos educativos.
De facto, a Web pode proporcionar a educadores e crianças oportunidades únicas a
de aceder facilmente a um infinito e poderoso mundo de imagens, sons, pesquisas e
relações de uma forma activa e empreendedora, na medida em somos levados a escolher
e a aprender cada vez mais.
Assim, poderemos como mediadores activos, desenvolver aplicativos funcionais,
aproveitando os efeitos da rede ao nosso dispor, melhorando qualitativamente a
prática/teoria do nosso dia-a-dia, com base numa inteligência colaborativa.
Nesta plataforma de aprendizagem, partimos à descoberta, no inicio, com o
desafio da escrita colaborativa em que o grupo se expressou livremente, elaborando a
história do Outono. Depois, um link, que difícil e logo observamos as hiperligações,
como se tecem.
Ficamos pois estupefactos com os efeitos criados nas diferentes ferramentas, desde
a elaboração do livro de história do Outono com as crianças, recorrendo ao Titatok, a
construção de slides que já fazia e me fez dar o salto para o slishare, relativo à canção
dos alimentos que coloquei no blog durante esta formação, até à descoberta do PiZap e
voicethread que também experimentei eu própria enviando boas festas aos amigos e
também no contexto educativo, que foi muito divertido.
Constatamos assim desta forma, que em simultâneo estamos a criar um desafio, na
medida em que, segundo estudos efectuados por, Lewin (2000) os programas
interactivos multimédia complementam o desenvolvimento da
literacia na medida em que a sua componente audio permite
trabalhar questões de pronúncia, bem como proporcionar leitura
silabada ou centrada em segmentos fonémicos, desenvolvendo deste
modo a consciência fonológica…”
Assinalamos a colaboração sempre presente desde os formadores até à partilha de
experiências por parte dos formandos que iam colocando questões e dúvidas que
também nos despertavam interesse.
Com tempo, acederei também a caminhos na Web para encetar a descoberta de mais
aventuras, isto é, de mais ferramentas, que me foram dadas a conhecer nesta acção e que
seguramente contribuirão para melhorar a minha prática pedagógica no que concerne ao
estímulo na produção de conteúdos diversificados a nível da leitura e escrita e também à
partilha resultante desta mesma acção.
1
Lembramos que a emergência da escrita nos livros e textos/criados pela criança e
ditados por ela, leva a que muitas competências sejam contempladas, desde a narrativa,
o vocabulário, a sintaxe e o reconhecimento de palavras, contribuindo para o
desenvolvimento de competências de literacia e metacognição.
Sabemos pois, que a investigação, no que se refere à linguagem
escrita, demonstra que as tecnologias, nomeadamente as que
recorrem “ à utilização de processadores de texto, proporcionam às
crianças oportunidades de se envolverem na exploração e co-
construção de conhecimentos sobre a representação simbólica e
desenvolvimento da literacia e de conceitos com ela relacionados,
como direccionalidade da escrita, sequencialidade, etc. “ (Amante,
2004).
Desta forma, associando texto e imagem, o movimento,
ajustando ideias, conforme algumas ferramentas nos permitem,
empenhar-nos-emos na descoberta constante que a criança
protagoniza, bem como, explorando o desenho, a pintura e a voz,
valorizamos cada um, alargando a percepção da diversidade por
parte da criança.

E finalmente, é nossa intenção, a par de uma avaliação contínua e reguladora


promover e facilitar a aprendizagem das crianças com todos os recursos que a Web
oferece, explorando não só o que aprendemos nesta acção, como toda a sua vertente
criativa, em que a articulação de saberes se traduz numa maior exigência
comunicacional.

Foto 1- No contexto de Jardim-de-infância, a educadora desafiou as crianças a


elaborarem um livro em TiKatok.

Este trabalho, como ponto alto, envolveu significativamente o grupo de crianças.


Assistimos na imagem à apresentação por parte de uma criança, do livro da história ”O
Outono Da Beatriz e do Gui”, em Tikatok.
2

Foto 2- No Jardim-de-infância decorriam cenas de jogo simbólico, na sequênciatante da


ida ao cinema na época de Natal, surgindo o diálogo entre estas crianças que
vivenciaram um episódio novo para si, bem como para quase todas as crianças do
grupo. Trabalho apresentado no voicethread.

Braga, 11 de Janeiro de 2009

A Formanda

Maria de Lurdes Macedo


3