Você está na página 1de 3

Curso Fundamentos de Eletricidade Industrial

CONEXÃO
Conexões: As conexões devem ser acessíveis para verificação, ensaios
e manutenção, exceto nos seguintes casos;

- Emenda de cabos enterrados; e


- Emendas imersas em compostos ou seladas.

Emendas em condutores: temos diversos tipos de emendas, as emendas


devem ser efetuadas com condutores rígidos de até 6mm2 e isoladas.

Emenda em derivação:
Esta emenda é utilizada
para emendar dois
condutores rígidos, deve
ser usada ferramentas
adequadas “alicates
universais” para oferecer
o aperto adequado a
emenda.

Emenda rabo de rato:


Esta emenda é utilizada
para emendar dois ou mais
condutores rígidos, deve ser usada ferramentas adequadas “alicates
universais” para oferecer o aperto adequado a emenda.

SENAI/SP Unidade 3
Dimensionamento de circuitos industriais 1
Curso Fundamentos de Eletricidade Industrial

Emenda em derivação:
Esta emenda é utilizada
para emendar um condutor
rígido em outro, deve
ser usada ferramentas
adequadas “alicates
universais” para oferecer
o aperto adequado a
emenda.

Isolação da emenda: A emenda deve ser isolada por meio de fita


isolante que ofereça a devida proteção elétrica e mecânica a emenda.

A fita isolante deve cobrir


a emenda de tal maneira
que forme uma camada da
espessura da isolação dos
condutores.

Se necessário, devem ser


tomadas precauções para
que a temperatura atingida
nas conexões, em serviço
normal, não afeta a isolação
das partes condutoras
conectadas.

As conexões devem poder suportar os esforços impostos pelas


correntes, seja em condições normais, seja em condições de falta.
Alem disso as conexões não devem sofrer alterações admissíveis em

SENAI/SP Unidade 3
Dimensionamento de circuitos industriais 2
Curso Fundamentos de Eletricidade Industrial

decorrência de seu aquecimento, do envelhecimento do seu isolante e


das vibrações que ocorre em serviço normais.

Em particular, devem ser consideradas as influências da dilatação


térmica e das tensões eletroquímicas, que variam de metal para metal,
bem como as influencias da temperatura que afetam a resistência
mecânica dos materiais.

As conexões entre si e com equipamentos não devem sofrer nenhum


esforço de tração e torção.

Nas linhas aéreas constituídos por condutos fechados só se admite


conexão contido em invólucros apropriados, tais como caixas, quadros,
etc., que garantem o acesso e proteção mecânica.

As conexões devem ser realizadas de modo que as pressões de contato


independa do material isolante.

É vedada a aplicação de solda e estanho na terminação de condutores,


para conecta-los em bornes ou terminais de dispositivos e
equipamentos elétricos.

Os meios de conexão usados na ligação com alumínio a terminais de


dispositivos ou equipamentos elétricos que admitam tal conexão devem
atender aos requisitos das normas aplicáveis a conexões para alumínio.

As conexões em alumínio com aperto por meio de parafusos devem ser


executadas de modo a garantir a pressão adequada sobre o condutor
de alumínio. Esta pressão deve ser assegurada pelo controle de torque
no momento do aperto do parafuso. O torque adequado deve ser
fornecido pelo fabricante do conector ou do equipamento que inclua o
conector.
As conexões prensadas devem ser efetuadas por ferramentas
adequadas ao tipo e tamanho do conector utilizado, de acordo com as
recomendações do fabricante do conector.

Em condutores em alumínio somente são admitidas conexões por meio


de conectores de pressão ou solda adequada.

A conexão entre cobre e alumínio deve


ser realizada exclusivamente por meio
de conectores adequado a este fim.
A emenda de condutores diferentes
“cobre e alumínio” deve possuir um
inibidor para evitar corrosão por ação
eletroquímica.

SENAI/SP Unidade 3
Dimensionamento de circuitos industriais 3