Você está na página 1de 13

Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz1

Biblioteca Escolar
REGULAMENTO

Introdução
Este Regulamento pretende definir regras de utilização da Biblioteca da Escola Básica
2,3 Nossa Senhora da Luz e da Biblioteca da Escola do 1.º Ciclo de Arronches.
As Bibliotecas do Concelho de Arronches inserem-se no Programa Nacional da Rede de
Bibliotecas Escolares, subscrevendo as missões propostas pelo Manifesto da UNESCO
sobre Bibliotecas Escolares.

Definição, Missão, Objectivos da Biblioteca Escolar


Definição
1. A Biblioteca Escolar (BE) é um serviço constituído por um conjunto de recursos
físicos (instalações, equipamento e mobiliário), humanos (professores, alunos,
funcionário) e documentais (suportes impressos, audiovisuais e informáticos),
devidamente organizado.
2. A BE, parte integrante do processo educativo, é um pólo dinamizador da vida
pedagógica, promove a igualdade de oportunidades, esbatendo diferenças
sociais e coordena os diferentes saberes e as diferentes áreas disciplinares.
3. A BE desenvolve a sua acção em articulação com os departamentos
curriculares, Directores de Turma, docentes das áreas curriculares não
disciplinares e professores em geral.
4. A BE coordena a gestão e utilização dos recursos informáticos e de
conhecimento, essenciais ao desenvolvimento curricular e não curricular, bem
como a formação integral do indivíduo.

Missão
1. A Biblioteca Escolar disponibiliza serviços de aprendizagem, livros e recursos
que permitem a todos os membros da comunidade escolar tornarem-se
pensadores críticos e utilizadores efectivos da informação em todos os suportes
e meios de comunicação. As Bibliotecas Escolares articulam-se com as redes de
informação e de Bibliotecas de acordo com os princípios do Manifesto da
Biblioteca Pública da UNESCO.
2. A equipa da Biblioteca apoia a utilização de livros e outras fontes de
informação, desde obras de ficção a obras de referência, impressas ou

Regulamento Biblioteca Escolar


Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz2

electrónicas, presenciais ou remotas. Estes recursos complementam e


enriquecem os manuais escolares e os materiais e metodologias de ensino.
3. Está comprovado que quando os bibliotecários e os professores trabalham em
conjunto, os alunos atingem níveis mais elevados de literacia, de leitura, de
aprendizagem, de resolução de problemas e competências no domínio das
tecnologias de informação e comunicação.
4. As Bibliotecas Escolares devem disponibilizar os seus serviços de igual modo a
todos os membros da comunidade escolar, independentemente da idade, raça,
sexo, religião, nacionalidade, língua e estatuto profissional ou social. Aos
utilizadores que, por qualquer razão, não possam utilizar os serviços e materiais
comuns da biblioteca, devem ser disponibilizados serviços e materiais
específicos.
5. O acesso aos serviços e fundos documentais deve orientar-se pela Declaração
Universal dos Direitos e Liberdades do Homem, aprovada pelas Nações Unidas,
e não deverá ser sujeito a nenhuma forma de censura ideológica, política ou
religiosa ou a pressões comerciais.

Objectivos
1. A Biblioteca Escolar é parte integrante do processo educativo, apoiando o
desenvolvimento do Projecto Educativo do Agrupamento, o Projecto Curricular
do Agrupamento e os Projectos Curriculares de Turma.
2. Os objectivos seguintes são essenciais ao desenvolvimento da literacia, das
competências de informação, do ensino - aprendizagem e da cultura e
correspondem a serviços básicos da Biblioteca Escolar:
a. Promover a plena utilização dos recursos existentes, apoiando docentes e
alunos na execução de trabalhos e projectos de âmbito curricular e
desenvolvimento curricular;
b. Desenvolver nos alunos competências a nível de hábitos de trabalho
baseados na consulta, no tratamento e na produção de informação em
diversos suportes, nomeadamente na pesquisa, análise crítica, produção
e utilização de documentos em diversos suportes;
c. Providenciar acesso aos recursos locais, regionais, nacionais e globais e
às oportunidades que confrontem os alunos com ideias, experiências e
opiniões diversificadas;
d. Criar e manter nas crianças o hábito e o prazer da leitura, da
aprendizagem e da utilização das bibliotecas ao longo da vida;
Regulamento Biblioteca Escolar
Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz3

e. Contribuir para a construção de leitores, perspectivando a formação


integral de cidadãos críticos e intervenientes na sociedade da informação
e da comunicação, de modo a combater o insucesso escolar e a exclusão
social;
f. Apoiar os professores na planificação e criação de situações de
aprendizagem que visem o desenvolvimento das competências definidas
para o ensino básico;
g. Oferecer aos utilizadores, em especial aos alunos, recursos para a
ocupação de tempos livres e de lazer, incluindo os incluídos no Plano de
Ocupação Plena dos Tempos Escolares;
h. Organizar actividades que favoreçam a consciência e a sensibilização
para as questões de ordem cultural e social;
i. Trabalhar com alunos, professores, direcção e pais, de modo a cumprir a
missão da escola e a promoção na comunidade escolar de literacias,
leitura e formação de utilizadores;
j. Conservar, valorizar, promover e difundir a cultura, subjacente a ideia de
que a liberdade intelectual e o acesso à informação são essenciais à
construção de uma cidadania efectiva e responsável e à participação na
democracia.
3. A Biblioteca Escolar cumpre estas funções desenvolvendo políticas e serviços,
seleccionando e adquirindo recursos, proporcionando acesso material e
intelectual a fontes de informação apropriadas, disponibilizando equipamentos
e dispondo de pessoal qualificado.

Artigo 1º
Princípios
1. Os responsáveis pela implementação dos princípios orientadores do Programa
Rede de Bibliotecas Escolares são o Director, em colaboração com o Professor
Bibliotecário.
2. A BE constitui um recurso pedagógico essencial para o apoio às actividades
curriculares e não curriculares, ocupação de tempos livres/lazer e percurso
formativo do aluno.
3. É ainda o centro de iniciativas da vida pedagógica do Agrupamento, aberto a
actividades e parcerias com a Rede da Comunidade local e outra.

Regulamento Biblioteca Escolar


Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz4

4. A BE é dinamizada por uma equipa educativa com competências nos domínios


pedagógico, gestão de projectos, gestão de informação e das ciências
documentais.

Artigo 2º
Bibliotecas do Agrupamento
1. No Agrupamento estão integradas no Programa Rede Nacional de Bibliotecas
Escolares as Bibliotecas da EB 1 de Arronches e da EB 2,3 Nossa Sr.ª da Luz.
2. O Agrupamento tem em funcionamento um serviço de itinerâncias que tem
como objectivos renovar os núcleos documentais já existentes e alargar o
âmbito de apoio do Programa Rede de Bibliotecas Escolares a todas as escolas
do Agrupamento.

Artigo 3º
Política Documental do Agrupamento

1. Do Agrupamento será definida, pelo professor bibliotecário, em documento


próprio, a «Política de Desenvolvimento da Colecção», tendo presente a
missão e objectivos da BE do Agrupamento, a avaliação da colecção e as
necessidades e interesses dos utilizadores.

Artigo 4º
Colecção da Biblioteca Escolar
1. A colecção da BE é constituída de acordo com:
a. O Projecto Educativo e Projecto Curricular do Agrupamento;
b. As áreas do Currículo Nacional;
c. As áreas da componente extracurricular e lúdico – recreativa;
d. Conter bibliografia de apoio a docentes para o desenvolvimento dos
Projectos Curriculares de Turma, em especial no que se refere à
diferenciação de ensino, a necessidades educativas especiais e a
diversidade cultural;
e. O equilíbrio entre todos os suportes documentais, respeitando a
proporcionalidade de 1/3 relativamente ao material livro e não livro;
f. A obtenção de um fundo documental global equivalente a 10 vezes o
número de alunos;

Regulamento Biblioteca Escolar


Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz5

g. A inclusão de toda a documentação adquirida pelas escolas (oferta,


compra ou permuta). Estes serão registados e ficarão disponíveis para
consulta/requisição;
h. O registo de todos os materiais produzidos no âmbito das actividades
desenvolvidas nas diversas escolas que integrem o Agrupamento e
que revelem interesse para a comunidade escolar.
2. O professor bibliotecário, com o apoio da equipa da BE, será o principal
responsável pela execução da política documental definida e decidirá, em
última instância, as aquisições documentais, ouvidos os diferentes utilizadores,
e de acordo com a dotação orçamental anual consignada pelo Agrupamento
para o efeito.
3. A Política de Desenvolvimento da Colecção será aprovada pelo Conselho
Pedagógico. Este documento deverá ser revisto sempre que ocorrerem
mudanças significativas ao nível da política educativa e/ou planos curriculares
e/ou quando se verifique a reformulação do Projecto Educativo do
Agrupamento.
4. A BE reserva-se o direito de proceder ao desbaste da colecção sempre que
necessário.

Artigo 5º
Equipa Educativa da BE
1. Em cada Agrupamento é criada uma equipa que coadjuva o professor
bibliotecário;
2. Os docentes que integram a equipa da biblioteca escolar são designados pelo
Director do Agrupamento, sobre proposta do Professor Bibliotecário, de entre os
que disponham de competências nos domínios pedagógico, da gestão de
projectos, de gestão da informação, das ciências documentais e das tecnologias
de informação e comunicação.
3. Na constituição da equipa da biblioteca escolar, deve ser ponderada a
titularidade de formação de base que abranja as diferentes áreas do
conhecimento de modo a permitir uma efectiva complementaridade de saberes.
4. O Assistente Operacional com experiência e/ou formação específica na área da
biblioteconomia deverá ficar vinculado à Biblioteca, considerando a
especificidade do conteúdo funcional requerido.

Regulamento Biblioteca Escolar


Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz6

Artigo 6º
Designação do Professor Bibliotecário
1. Cabe ao director do Agrupamento, de acordo com a Portaria n.º 756/2009, de
14 de Julho, seleccionar e designar para as funções de professor bibliotecário,
aqueles que cumulativamente reúnam as seguintes condições:
a) Sejam quadro de escola do Agrupamento ou outros docentes dos quadros aqui
colocados;
b) Possuam quatro pontos de formação académica ou continua na área das
bibliotecas escolares de acordo com o anexo II da portaria que o
regulamenta;
c) Possuam 50 horas de formação académica ou continua na área das TIC
ou certificação de competências digitais;
d) Disponham de experiência profissional, na área das bibliotecas escolares;
e) Manifeste interesse em desempenhar as funções de professor bibliotecário.
2. Para o desempenho das funções de professor bibliotecário é designado o
docente que, reunindo os requisitos previstos no número anterior, possua a
pontuação mais elevada de acordo com o nº 2 do artigo 11º, da portaria.
3. O período de vigência do exercício de funções de professor bibliotecário
seleccionado internamente é de 4 anos, podendo ser renovado por igual
período.
4. A renovação efectua-se desde que haja interesse do Director do Agrupamento e
a concordância expressa do docente e ainda que este reúna o mínimo de quatro
pontos em formação na área das bibliotecas escolares, de acordo com o nº 2 do
artigo 11 da portaria.

Artigo 7.º
Conteúdo Funcional do Professor Bibliotecário
1. Compete ao professor bibliotecário:
a) Assegurar o serviço de biblioteca para todos os alunos do Agrupamento;
b) Representar a BE nas comissões de elaboração/revisão do Regulamento
Interno, do Projecto Educativo, do Projecto Curricular, do Plano de
Formação;
c) Promover a articulação das actividades da Biblioteca com os objectivos
do Projecto Educativo, do Projecto Curricular de Agrupamento e dos
Projectos Curriculares de Turma;
d) Definir e operacionalizar, em articulação com a direcção executiva, as
estratégias e actividades de Política Documental da Escola/Agrupamento;
Regulamento Biblioteca Escolar
Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz7

e) Gerir os recursos financeiros previstos e aprovados para a execução do


Plano de Actividades;
f) Elaborar e executar o Plano Anual de Actividades da BE;
g) Assegurar que os recursos de informação são adquiridos e organizados,
no que se refere à catalogação e classificação de todo o fundo
documental;
h) Coordenar a elaboração do Regimento da BE e propor a sua aprovação
em Conselho Pedagógico;
i) Definir os mecanismos de articulação da BE com os diferentes sectores
da escola;
j) Estabelecer redes de cooperação, acordos e protocolos, no plano interno
e externo, nas áreas de actividade da BE;
k) Representar externamente a BE, de acordo e em consonância com o
órgão de gestão e o Conselho Pedagógico;
l) Delegar funções nos membros da equipa;
m) Participar e promover a articulação interna do serviço de
bibliotecas do Agrupamento;
n) Assegurar a gestão dos recursos humanos afectos às bibliotecas;
o) Garantir a organização do espaço e assegurar a gestão funcional e
pedagógica dos recursos materiais afectos à biblioteca;
p) Definir e operacionalizar uma politica de gestão dos recursos de
informação, promovendo a sua integração nas práticas de professores e
alunos;
q) Apoiar as actividades curriculares e favorecer o desenvolvimento dos
hábitos e competências de leitura da literacia de informação e das
competências digitais, trabalhando colaborativamente com todas as
estruturas do Agrupamento;
r) Apoiar actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento
curricular incluídas no plano de actividades ou projecto Educativo do
Agrupamento
s) Estabelecer redes de trabalho cooperativo, desenvolver projectos de
parceria com entidades locais;
t) Implementar processos de avaliação dos serviços e um relatório de auto-
avaliação a remeter ao Gabinete Coordenador da Rede das Bibliotecas
Escolares;
u) Representar a Biblioteca escolar no Conselho Pedagógico;

Regulamento Biblioteca Escolar


Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz8

v) Cooperar e articular com a Biblioteca Municipal e outras estruturas


(Câmara Municipal, Centro Lúdico, Museu…);
w)Desenvolver a rede concelhia de bibliotecas;

Artigo 8º
Atribuições e Competências da Equipa da Biblioteca Escolar
1. São competências de toda a equipa da BE:
a) Cumprir e fazer cumprir o Regulamento e o Regimento da Biblioteca;
b) Assegurar o bom funcionamento, a manutenção e a organização dos
vários espaços da BE;
c) Assegurar a abertura e funcionamento da BE, na ausência da funcionária;
d) Cumprir, na Biblioteca, o horário que lhes estiver distribuído, procedendo
em questões de pontualidade e de assiduidade como se de uma aula se
tratasse e assinar o respectivo livro de ponto;
e) Receber e registar em impresso próprio as importâncias relativas à
impressão de documentos;
f) Orientar a pesquisa dos alunos;
g) Conceber e lançar iniciativas disciplinares e pluri e interdisciplinares;
h) Apoiar o professor bibliotecário em todas as actividades programadas no
Plano Anual de Actividades;
i) Participar nas reuniões convocadas pelo professor bibliotecário;
j) Comunicar ao professor bibliotecário erros e anomalias ou quaisquer
outras situações não previstas.
2. Havendo, na equipa, um professor da área da Informática, as suas funções são
muito específicas e passam, muito concretamente, pela constante actualização
do blog da BE/Página web e outras funções relacionadas com os equipamentos
multimédia/Internet.

Artigo 9º
Atribuições e Competências do Assistente Operacional
1. São atribuições do Assistente Operacional do BE:
a) Conhecer, cumprir e fazer cumprir o Regulamento e o Regimento da
Biblioteca;
b) Fazer o atendimento;
c) Zelar pelo bom funcionamento da BE, pela conservação e correcta
utilização do material e equipamentos existentes;
Regulamento Biblioteca Escolar
Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz9

d) Vigiar a utilização do espaço, dos materiais e do equipamento da BE;


f) Exercer a sua autoridade de forma correcta e eficaz relativamente a
todos os utentes;
g) Controlar e fazer o registo estatístico da leitura presencial, do
empréstimo para as aulas ou domiciliário e da requisição de
equipamento;
h) Receber e registar em impresso próprio as importâncias relativas à
impressão de documentos;
i) Controlar as entregas em atraso;
j) Apoiar alunos e professores na utilização dos recursos disponíveis;
k) Orientar, dentro das suas possibilidades, as pesquisas dos alunos;
l) Comunicar ao professor bibliotecário o desaparecimento ou a danificação
de qualquer livro/documento ou equipamento, indicando, sempre que
possível, a pessoa responsável;
m) Proceder à correcta arrumação dos livros/documentos;
n) Tratar tecnicamente os livros/documentos, sob orientação do professor
bibliotecário;
o) Limpar/arrumar as instalações;
p) Colaborar no desenvolvimento das actividades da BE;
q) Comunicar ao Professor Bibliotecário erros e anomalias ou quaisquer
outras situações não previstas.

Artigo 10º
Funcionamento
1. A equipa educativa reúne, ordinariamente, uma vez por mês e,
extraordinariamente, sempre que convocada pelo professor bibliotecário ou a
pedido de pelo menos um terço dos seus membros.

Artigo 11º
Instalações
1. As instalações da BE organizam-se em vários espaços, de acordo com as
seguintes zonas
a) Zona de acolhimento
b) Zona de leitura informal
c) Zona de consulta de documentação impressa
d) Zona de consulta de documentação multimédia.
Regulamento Biblioteca Escolar
Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz10

2. Estes espaços são de livre acesso a toda a população escolar e a sua


organização deverá permitir a utilização de diferentes recursos de informação,
produção de materiais, a leitura e a animação pedagógica.
3. As instalações são dotadas de equipamento de apoio às actividades –
computadores, scanners, impressoras, fotocopiadora e material de desgaste.
Artigo 12º
Plano de Actividades
1. 1.Plano de Actividades é apresentado anualmente pelo Professor Bibliotecário,
preferencialmente no primeiro Conselho Pedagógico do ano lectivo a que
respeita, para efeitos de aprovação.
2. O Plano de Actividades será elaborado em conformidade com as grandes linhas
de acção estipuladas pela Rede Concelhia de Bibliotecas Escolares.
3. O Plano de Actividades da BE deve contribuir para a concretização dos
objectivos do Projecto Educativo, articular-se e enquadra-se no Plano de
Actividade do Agrupamento.
4. O Plano de Actividades deve contemplar a realização de actividades de apoio ao
desenvolvimento curricular, formação de utilizadores, animação sociocultural,
política documental, dinâmicas intra e extra – Agrupamento, gestão de recursos
humanos e materiais, trabalho colaborativo com os docentes dos vários níveis
de ensino, apoiando os vários projectos em desenvolvimento no Agrupamento.
5. Deve ainda prever as modalidades e instrumentos de avaliação das actividades
desenvolvidas, de acordo com o Modelo de Auto avaliação das Bibliotecas
Escolares.

Artigo 13º
Avaliação
1. A avaliação da BE encontra-se incorporada no processo de auto – avaliação do
Agrupamento e articula-se com os objectivos estabelecidos no Projecto
Educativo.
2. A avaliação das BE do Agrupamento far-se-á através da recolha sistemática de
dados e evidências do trabalho desenvolvido e serviços prestados no decurso
do ano lectivo.
3. Trimestralmente, a equipa procederá a uma avaliação intermédia, com base
nos dados recolhidos e na reflexão conjunta, podendo, em função dessa
avaliação, realizar-se ajustes à planificação.
4. Para além dos registos diversos, dos trabalhos realizados pelos alunos, das
estatísticas produzidas pelo sistema da BE, dos materiais produzidos por esta
Regulamento Biblioteca Escolar
Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz11

ou em colaboração e dos instrumentos especificamente construídos para


recolher informação no âmbito da sua avaliação, no final de cada ano lectivo
será elaborado, pelo professor bibliotecário, um relatório final que será
remetido ao Director e ao Conselho Geral e colocado à apreciação do Conselho
Pedagógico, de forma a recolher um parecer junto deste órgão. O Relatório
Final da BE deverá integrar o Relatório de Avaliação do Agrupamento.

Artigo 14º
Dinâmicas Intra-Agrupamento e Concelhias
1. As BE’s do Agrupamento articulam-se em rede, de modo a potenciar os seus
recursos próprios e a complementar as suas actividades. Entre as BE/CRE
existe um Plano de Acção conjunto que contempla:
a) Criação de pontos de contacto entre os diferentes planos de
actividades, nomeadamente no que concerne à co-produção de
materiais, articulação com conteúdos curriculares, preparação de
actividades conjuntas;
b) Estabelecimento de uma política comum de aquisições e gestão de
equipamento e fundo documental;
c) Criação de serviços de empréstimo inter bibliotecas;
d) Estabelecimento de um circuito, integrado e articulado, de itinerâncias
de recursos documentais;
e) Formação de apoio mútuo, a nível técnico e pedagógico;
f) Concepção de projectos que promovam a ligação da escola ao meio,
envolvendo Pais/Encarregados de Educação, Associações Locais,
Biblioteca Municipal.

Artigo 15º
Normas de Funcionamento das Bibliotecas Escolares
1. As BE’s funcionam de segunda a sexta-feira.
2. O horário de funcionamento será ajustado anualmente de acordo com a
disponibilidade da equipa da BE, devendo o mesmo acompanhar o horário de
funcionamento das escolas onde estão integradas.

Regulamento Biblioteca Escolar


Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz12

3. A BE é um espaço multifuncional onde devem coexistir o estudo e a ocupação


de tempos livres. Por isso a seu utilizador deve subordinar-se às seguintes
normas gerais:
4. Frequentá-la não prejudicando qualquer outro leitor ou utilizador;
a) Respeitar as instalações e o mobiliário;
b) Estimar livros, revistas e demais instrumentos de trabalho de que ela
dispõe;
c) e) Sugerir a aquisição de outras que entenda necessárias;
d) Propor medidas que lhe pareçam susceptíveis de aumentar a sua
eficácia.
5. A utilização da BE obedece às seguintes regras:
a) O utilizador tem livre acesso às estantes para escolher os documentos
que desejar;
b) Depois da consulta, deve colocar os documentos em local
destinado para o efeito (carro de depósito).

6. A leitura domiciliária obedece às seguintes normas:


a) As obras para leitura domiciliária são requisitadas junto da pessoa
responsável pela BE, mediante o registo informatizado da respectiva
requisição;
b) Os livros poderão ser requisitados por um período de doze dias,
renovável, caso não tenham, entretanto, sido solicitados por outro leitor;
c) O material não livro (DVD’S, CD’S, vídeos…) poderá ser requisitado por
um período de dois dias (no caso dos alunos, sugere-se que essa
requisição seja feita no período que antecede o fim-de-semana/feriado);
d) Cada utilizador não poderá requisitar em simultâneo, mais do que três
documentos (material livro e não livro);
e) Não podem ser requisitadas, para uso domiciliário, obras de carácter
geral (enciclopédias, dicionários).
7. Cada utilizador será responsável pelos danos causados por má utilização do
equipamento e demais material - livro e não livro - assim como pelos extravios.
8. A utilização dos meios audiovisuais e informáticos subordina-se às seguintes
regras:
a) Devem ser requisitados, pelos professores, com pelo menos 24 horas de
antecedência;
b) A sua manipulação e preservação é da responsabilidade do professor
requisitante;
Regulamento Biblioteca Escolar
Escola Básica 2,3 Nossa Senhora da Luz13

c) O professor deve participar de imediato ao professor bibliotecário e/ou


assistente operacional qualquer anomalia verificada aquando da
utilização ou durante o seu manuseamento;
d) Estes equipamentos podem também ser utilizados pela comunidade
educativa, mediante requisição ao director, sem prejuízo das actividades
lectivas.

Novembro de 2009

Regulamento Biblioteca Escolar