Você está na página 1de 5

Autores: Costa, Maria Armando

Título: A Diversidade Linguística na Escola Portuguesa

Palavras-chave: Compreensão, Produção, Afasia de Broca, Afasia de Wernicke

Resumo/ Argumento

O nosso sistema neurológico possui capacidades muito distintas, levando a que seja mais facilitada a
aquisição e compreensão da linguagem. A partir dele formam-se duas competências necessárias
para a comunicação entre os indivíduos: A Compreensão e a produção linguística.

No sistema neurológico existem duas áreas ou zonas distintas que impulsionam a produção e a
compreensão da linguagem: A Zona de Werniche que é activada durante a compreensão e a Zona de
Broca activada na produção linguística. Estas duas zonas são indispensáveis para descobrir e tentar
solucionar problemas linguísticos das crianças, sendo que os principais problemas que acarretam a
compreensão linguística são a audição e a leitura, e na produção linguística é o discurso e o estilo de
escrita.

A compreensão e a produção embora tenham funções distintas e se realizem de maneiras


diferentes, operam-se com o mesmo tipo de processos linguísticos, ligados a forma como estes 2
processos são elaborados: utilizam frases, palavras, sons, ou seja, unidades que sejam necessárias
para uma boa compreensão ou produção linguística.

A compreensão é um processo de descodificação verbal auditiva ou visual que necessita que os


ouvintes possuam variados conhecimentos fonológicos e lexicais para que seja mais fácil a
assimilação de conhecimentos que são explicitados pelo discurso oral. Quanto menos perceptível se
tornar o discurso pelas condicionantes dos factores prosódicos: como a velocidade de fala e
articulação de palavras, mais difícil será para o nosso cérebro e sistema cognitivo o reconhecimento e
a apropriação de uma infinidade de sons, sílabas e significados num tão curto espaço de tempo que o
discurso oral proporcionará.

Quanto mais complexas forem as nossas capacidades de percepção e avaliação da informação


recebida pelo orador, mais fácil será a compreensão do discurso oral da pessoa que está a discursar,
visto que não podemos controlar a quantidade de informação que nos é imposta. É necessária uma
boa memória e atenção para que mais fácil se torne a identificação e avaliação daquilo que nos é
transmitido

A compreensão oral e compreensão escrita são componentes bastantes diferenciadas que usam
pistas linguísticas bastante diversificadas: enquanto na compreensão oral as pistas prosódicas, como
a entoação, pausas, tem bastante relevância para a compreensão do ouvinte, na compreensão
escrita apenas é usada a pontuação para que as ideias sejam mais articuladas e para que seja mais
fácil a sua compreensão, sendo que quanto mais escassa é a pontuação mais dificilmente será feita a
assimilação e compreensão do texto. Enquanto na compreensão escrita podemos usar o uso da
informação de uma forma mais selectiva e com maior tempo, visto que podemos sempre ler
novamente a informação e reformula-la quantas vezes acharmos necessário, para que se torne
coerente a informação transmitida ao nosso cérebro, na compreensão oral temos que nos resignar ao
ritmo com que o orador fala e transmite os conhecimentos.

A produção linguística é um processo de codificação linguística que ao contrário da compreensão


utiliza um processo de encadeamento de ideias diferente, isto é, a partir de um conjunto de ideias
formula-se um texto escrito relacionado com algum assunto que se queira tratar, para que mais tarde
esse texto seja oralmente lido. O texto pode ser reformulado as vezes que quisermos, mudando
palavras, frases, até que o texto se torne coerente.

A produção de um texto implica que possuamos conhecimentos linguísticos e regras utilizadas na


língua portuguesa necessárias ao encadeamento de ideias que queremos expressar em texto escrito,
sendo assim mais fácil a interpretação do texto por parte de outras pessoas que o leiam.

A produção oral e escrita também se diferenciam por diversos processos relacionados, como a forma
como são elaborados e o o tempo ou ritmo que temos para formular um determinado texto:
enquanto que no discurso oral existem certos factores, como a troca de sons ou sílabas, que
permitem entender que estamos perante um discurso em que tentamos utilizar palavras que num
determinado contexto sejam de fácil compreensão e que funcionem de uma forma eficaz para que a
estrutura da frase esteja bem elaborada; na produção escrita isso não acontece porque as ideias
desencadeadas são produzidas com um maior ritmo de tempo, sendo escolhidas ao pormenor
sequências de palavras que sejam mais adequadas para a formação de frases complexas e bem
estruturadas para mais tarde se formular uma exposição oral coerente.

É necessário também na produção o conhecimento de regras utilizadas na língua portuguesa como


processos morfológicos e relações gramaticais para que o texto se formule de uma forma coerente e
de fácil compreensão.

Por fim podemos ainda salientar que compreender ou produzir com eficácia implica um bom
conhecimento linguístico e conhecimento cultural: enquanto que na compreensão o ouvinte
tem de apenas se submeter a forma como o orador expõe os seus conhecimentos para que a
informação seja captada a aprendida, na produção os conhecimentos linguísticos do escritor
são necessários para uma boa comunicação da informação.

Opinião do utilizador e Reflexão da temática

Este texto da autora Maria Armando Costa expôs ideias bastantes coerentes sobre os processos

linguísticos de compreensão e produção linguística. Penso que o texto estava bem formulado e expôs

as ideias de uma forma bastante cuidada e de fácil compreensão, embora por vezes fosse um pouco

complicado entender as ideias expostas numa primeira leitura devido a densidade das frases e dos

parágrafos.

A temática escolhida é bastante interessante e a forma como ela expõe as duas actividades

linguísticas fez-me pensar que o tema é bastante importante, porque a maior parte das pessoas

directamente ou indirectamente está todos os dias perante estes duas actividades linguísticas e é por

vezes difícil a compreensão de discursos verbais como a autora escreveu , devido a condicionantes

que esse mesmo discurso proporciona. Deparamo-nos várias vezes com aprendizagens não tão bem

efectuadas , porque por vezes não entendemos a informação que nos é transmitida, embora também

como retrata o texto a forma como a informação nos é dirigida e a forma como nos a compreendemos

é bastante importante para que os conhecimentos sejam adquiridos.

Ainda falando do texto e da produção linguística também concordo com a autora quando ela reflecte

acerca do que é necessário para que a produção e interiorização dos textos por parte dos outros seja

coerente e bem assimilada. É necessário que conheçamos a forma como os textos se produzem e

tenhamos conhecimentos acerca de processos morfológicos e sintácticos para procedermos á

elaboração de um texto coerente.


Acerca do interior do texto existem alguns conhecimentos que adquiri como o conceito de afasia de

Wernicke e afasia de Broca que eram dois conceitos que me eram completamente desconhecidos.

Concluo que este texto é bastante relevante para termos conhecimentos de alguns processos

linguísticos que por vezes embora tenhamos conhecimento de alguns aspectos, existem algumas

informações que nunca antes nos foram explicadas e que são bastante interessantes para a

formulação de um discurso coerente ou para a produção de um texto eficaz e de fácil compreensão.