Você está na página 1de 18
eel MUSICA POPULAR PIES) PAULINHO DA VIOLA reek tao a OO emo) CATORZE ANOS / COISAS DO MUNDO, MINHA NEGA (Nara Leao) SEI LA, MANGUEIRA (Elizeth Cardoso) SINAL FECHADO / AMOR A NATUREZA / ARGUMENTO a POPULAR BRASILEIRA Serene he! ee 2 © HFT 2, ioe d Pees ne eRe a hh tS Bera grtye ur com smn ge Prey aravadoa. 2¢'Ke ‘eso Pot Eerie Ca Gee ip dt” Mani the lan" em CATORZE ANOS sPoiia dy Vt. oars, XRLP-SI9K degen ‘lata, Gera Torg eon nme Eton leds enna for Beis aca de Sa in “fone Cac Ramos de Fart Se (Coa pai de Paine, mio auene ‘cue fimo, tearm mone ele lene hii nb so os Reeser 6 areal: Importante maior aoc fd fren talur i Comer : swcems de Pulinho ds Vida, Spread ‘oT Festal de Mien Popo de Re ‘ord de So Psi, mio Sen © ene ‘Serum iia cama na pi De ti por Eis Sone, Coates os ‘no impusosinpls Olen ns 1825 sri de a see en 5 Fa ge gf a es Seselsiieada. NSo adbntaa.O scesn da Es Prine sis, Managers) ett ‘Roses ore tha vig £01 OM RIO QUE PASSOU EM MI Paulioho a Vin, Do Sompasto do dean ne TBD, Se gt Se 136 Paricgasso especial 0. tupo sol for ‘suds Po emapentcres eepoaote Gh Er teen ara, de emon Viale SA "Ea cemposcae demain suceso pop "smo gico em, ue sua Sina foehnde amis Sash ole. ‘ct uy ima pani ton Goneen oper de ter fc Sot, Mangan, com Herne Bln de Carvalho, ¢ po dt Fay el or) ‘Sogo Pere glo a tims cn homenaem & Pontl For Sees AN nae Alor deste. Paulinho i comps ouos teh sen in homenagem 2 orl Bre ‘as renin Samba Porir€ Over cosas no evo. waa ng OOM ot se peas aaa et ee Fite ages Bigg SD one salva seme (SQ a ‘sca, defendida pelo cantor Tair Rox arc eee aaad s SIP a ee Rite cS pope cori cep abit oh eg merece ‘divers pravagics, com SINAL FECHADO (Pian dy Vs E'7aD-IT90, de apmto de 1968, Aram: ico Masts Gare = Sou Yeo fl tanga v0, Fes Mt Popular fray TN Re Sl Sar Base, snd tba emi ge pace pel et edars de dic: gu phen joven ‘ern yas Seco Ge sar, ‘ep dei yal, co da cea Fin ena inl feehae na expels toa ic on te MerTeraGtateee esi tah 1s ge se sre Suen” Aen leas ae eres ool oGlac come fee Inco pe ‘ramen até coo, Nilo € verdad Seat Ime reste ego No mat Sou ene {cts sacane de ere Stalin aera “inf echado. "Tua ain do problema Je comrtapa Al tone ol Ba folie S SPH oe de 1975, ene fo amas embora sce ers aranoy [undo Pato. de uma conversa. cor Rees cere 0 gor ts escatn Se samke vem ster: E’p que ee evbe gm argument: “Ob eos AMOR A. YATUREZA ate Se SRM ae wari saree as oe eee ean eae oe y OAV NGOS MARAVILHOSA, O IOROES, BLOCOS DE SUJOS, VIOLAO: UMA INFANCIA COM MUITA MUSICA som: files, das antiga de Foda HEEFT sti i i Sirwimeneas SusnozeutNe enon novos uo tamba ESCREVEU AQUI SOBRE Le ere = ar) coun menos sinc dr ole {rend € upon goin To Soha hace ‘etn tnd, A pent dow ees oder Sass io € funn, pre poe, ‘ino t completamente dive. cs teccoa do ib mcbane pore ‘asa pada org oa (2 torent, inde tbe _ dn Stn Caiman astro da Viola dont theta Voces pls oes a ease Couiia lope ei a prs na 0 Fre escontado/ gue boraram mavllado/ SG tery ree Ete dor asa Pri roo Pa Sho'Siidov emda’ de ea Be Cccp nm dong, Br 3° ores de eco, cheio de names imporan gun, Tae du ane He, iS; So fatequnte. Oar Dyes ae ‘Show Path ale A compete iron a ep dot ws. Be get samba do qual 36 bavi feito # primeira Sree aee ies aes mn dior ur ue 6 see me fe eemeliceealecia Barer 2ibe nde od © a Faso pow Chguinhn ae ee Pesan. pl prt Ps SEN epoal pes "Va dar 9 ma Sfunadh ae ie me cro) mas Sc un the mug oo hoe SP So “ompctor amar por Pasi sad dvs do ante pubic ontnsre sue eon, Sere nram clone teste steno, o ei ee cose) Te Senta teeteaarenes coeds as mii pen nmi & ab i wo ae qe cyt "perenne o Paeno no ‘mundo arco: um dia fol tender um ‘Bene gue te pre coro, Um een a's pu Temi Bote de Carbo coal kr vio me leds Gtherte tor opannncoratdequte Bana Quand subs gue Panik nha do vino Ces «in sigumas muses Wrattoih, Hemi of ete ie ome cepts Wm cae et “Pauliaho fol acabou colocando. mu se volten colo evils um estar sg op a oma anew: 0 Za. {Gise Chala dr Manga Za sa suber ¢ xedere settber Pio fal pect a 1 ¢ fro thetier «lye soneya pare tbs shows ate of am pomowdo Na fomteageats Nod Romy anu. ‘inns de Poa cn Vise Ne sow de josol speieermperers ey Acompantava tnbew 22 Ke quem dare dae ss, Ease aeptcio de 10 ncompanhat lho an Vio inde a av conpooie sstenatcenent, mas agele {28 comesou romper sth mie maski pra ster, tso. em 1964, importantes a8 vis de Palio: 0 me GP tow owe c's gaagto 00 L fad de on © tow ts mona po {iia Bao oe Cava, ¢ race {aco Rl, em to Poona Bain ‘tmetinn de esse Ars Cores ea tcompunhdes psos Caco Grodin ten cots, Non Serpno Asser tio. for 9 Cavaqlo € Paaiabo = re sgt ane ee ape de Zi eis € Seto Cabral ‘distin oa de 26 Ke cm fn Ge 6, lea seni compe ied hres mb n SEs Foram 4 Mosidie e gavaram uma Saas fens coro vretis Gove fm "hom us ni aes ‘Efoulon release por Ze Kelie Oscar Bie, an acho Ae Sompostorc, ja aparecam ts de Pa © primizo dco do conuano A Vor so. Morro fer tan sucesso que 4 Me Sie lange, no memo ano" (1985) © Segundo ‘wlome a" Rode des AAbtindo 0 dsc, Recao, do Palaho (parca som Casquina), gue compare: fe eom sd mas um Samba Resporbi- lade’ mente deco 0 conan panko ‘ais um eolaborador: Neon Sergeno, or seu vol ens compongsets Pa lio da Vols comegava a ser conheeo ‘io x6 como composer, mas também Foi sum gue ols dnoe spies ms tem cain’ com © maa alae sot do samba forum ecolidon pla eon Seo o8 melhores do ano. Mesm coat tudor Set fades se sucesso (05 dicossumiram des los Em one tempo). Palin seme ie [Entra que reebc peugusime dink ro. Outre pova do suerso fol gue a ‘Bavedors pusarom a se interesat plo onjuno. Em 1966, a RGE contrat os elo pra mas un Lp, onde Paulinho {Gt Viea canta Sind ito dse, um de seus sambas de puto alto. Na conia- capa do disco, um longo comentri do fronts Serio Port Para a8 quiage Imisiah, howe o eforo. dor itis ‘Alo Clement, Osa Perc, Jr fede Olea” Jorge Sacramento Enquato wo iso i acontensdo, Paulinho io. pia de estdat SO que agora mete com seus. mimeros de 0 grupo do Teatro love, de Bottom, ‘presene-seem fauldades, te. En epoed ‘Nara Leto ¢ Joo do Vales nomes ent {ia Foss, em Botafogo. Naqusle casio ‘oémio de laguis Barats, conentrava S21 eligentia dx mse popular ba ‘cea"‘O propo balan, secondo do sor ees pepan lo ge Paulinho da Vola conhscew Ca ‘Veloso suas “etanhay” musica seep me lembeo gue depois de uma gues rece no Tear Jovem nt lemon pars — Cavite, Dodd c eu — 1am Botafogo, Sentamos num tanco de jardin ¢ Cattno me Jie: “Ola, Pav io, es eso fzendo um nepoi sin “Uma Lu ol dh Eso eomove sao neo dot pores ses fies Ems Pasapem dil, que ele gravaria mais tarde Negela époe Gil Una feo ti abow a Balin onde canara oma ‘Ainds em 66, slém de tee gravado 0 tesco dco com A Vor do Morr, Pas ito prs ln psa er dean fo pore Mars (gece com Capa) reo tere loar. Tam de 6 & {i dco important na carrera de Paul ‘ho: Ne madsada onde ee apres ‘om Bon Medes, AMOR, PESQUISA E TRABALHO: MATERIA-PRIMA DA CRIACAO linho da Viola divulga miusicas brasilei- ras tradicionais (fruto de paciente pes- quisa) e outras, dele mesmo, com idén- tico sabor de “volta as origens”. E o caso de Abragando Chico Soares, um chorinho muito bem elaborado. A nostalgia se sublinha em varias fai- xas de Nervos de aco, o Lp seguinte: Sentimento (de Mijinha) e Nao quero mais amar a ninguém (de Zé da Zilda e Carlos Cachaga). Langado em 1973, logo apés Paulinho ter se separado da mu- Ther, o disco trafa seu estado de espi- rito. A faixa-titulo, de Lupicinio Rodri- gues, era cantada de modo bem intimista © constituiu uma das melhores interpre- tacdes de Paulinho. Em Roendo as unhas, de sua autoria, declara: “Meu samba nao se importa que eu esteja numa/ De an- dar roendo as unhas pela madrugada”. E 0 (anti)/ climax acontecia em Compri- mido, também de Paulinho, que fala de desavengas conjugais com um final tra- gico: “Ele chegou/ Pedindo um copo d’dgua/ Para tomar um comprimido./ Depois, cambaleando,/ Foi para o quar- to e se deitou./ Era tarde demais quan- do ela percebeu/ Que ele se envenenou”. — O disco ficou meio nostalgico, por que a gente acaba se voltando para uma época em que as coisas eram melhores, mais abertas. O meu trabalho é muito ligado ao que eu estou vivendo mais in- tensamente no momento da criagao. QUILOMBOS E O CHORO S6 em 1975, e novamente com Isa, é que Paulinho volta a gravar e a promo- ver compositores antigos, como Padeiri- nho da Mangueira, Zé Kéti, Nélson Ca- vaquinho e Cartola. Em Argumento, ele avisa: “Olha que a rapaziada esta sen- tindo falta/ De um cavaco, um pandeiro e um tamborim”. No mesmo disco apa- rece um samba “ecolégico” de Paulinho (Amor 4 natureza). No conjunto, o Lp representa a rea- firmacéo de um estilo proprio e de um compositor que se revelou, desde o ini- cio, maduro e consciente. — Parece um absurdo que eu tenha me prendido tanto a essas formas con- sideradas do passado, mas eu curti muito tudo isso. Acho que a coisa mais im- portante é vocé sentir; e eram essas as formas que eu sentia mais e que me obri- garam a sentir mais ainda, a aprender mais as coisas. Paulinho age como se quisesse captar um sentimento do mundo que nao existe mais, nem nas escolas de samba, segun- do ele: — JA nao se fala mais em pastoras; em compensacao, existem mil e uma ma- dames. Eu, por mim, ja nao sinto o me- nor prazer. Nao se tém mais condicoes de ensaiar no microfone. A tinica coisa que se pode fazer, agora, € chegar no microfone e gritar o samba, porque a bateria vai num pique s6. O diretor de bateria nio tem a menor forga, todo o mundo manda. Se a gente puxa um sam- ba mais lento, chamam de ladainha. Tem que dar aquela batida picadinha, para agradar. O resultado é que o povo do samba foi se afastando naturalmente. Por isso, em 1975 Paulinho estava en- tre os fundadores da Escola de Samba Quilombos, que nado desfila na avenida e se orgulha de manter o antigo respeito pelo samba. Ela retine pessoas de varia escolas, que nao suportam a profissio- nalizagao (desde aquele ano, os sambis- tas das grandes escolas recebem paga- mentos de érgaos oficiais e sao obrigados por contrato a desfilar). Sao muitos os que preferem o entusiasmo de um pe- queno grupo ao espetaculo padronizado da avenida. O mesmo sentimento do mundo Pau- linho tenta reter ajudando a preservar 0 choro, que sobreviveu pelo menos na casa de seu pai. Sarau, show apresentado em 1974 no Teatro da Lagoa, tinha co- mo principal objetivo homenagear Jacob do Bandolim, que sempre lutara pela pre- servacéo do choro. O Conjunto Epoca de Ouro tocava sucessos do passado e Paulinho interpretava velhos sambas, quase esquecidos. Além disso, 0 jovem compositor esta vinculado ao Clube do Choro, que promove concertos e divulga todo o material sobre choro que conse- gue. Paulinho conhece profundamente o assunto, com o cérebro e o coragao; — Minha relagéo com o choro, que impregna toda a minha obra, é uma re- lagao de amor. Alids, € de amor sua relagao com a musica popular brasileira. Apesar da enorme contribuicdo que ja Ihe deu, Pau- lo César Batista de Faria sabe que seu recado ainda nao se esgotou. Trabalha com carinho seus sons e, se alguém lhe pergunta pelo futuro, ele apenas sorri um sorriso muito branco, "1 joel maia/abril press Ue een reed Cea ate) Ec rcs Puen ere Viver a simplicidade de Remind trabalhados, a grande tranquilidade CeCe Tee algo sélido, bonito, PEE CEE Tes mete ‘ocupar os dedos. Flauta, cavaquinho, eee tecidos em delicada trama, a dignidade ee eres eeu et ee PrN Caitey PO a eee Eres ors Ce ey Pos Paulinho da Viola, compositor artesao. meee RECADO Lave om read ‘A gum me eu tanto dar: ‘Bee en wv bem melhor stim qe ny puna Ta om saresor E Bop a so © gut pau panon..() ie € Tels meu corerio Mis ue man minhan mndrgadan Eu nto eiqueg os mo Ua om ress tame nev pal me camow Pergunorse sou gan cuir Fletof, Maing 08 Temsenars Tinta ev que see dour Nes nts, pao Para'e tomar sabia eject aa mae Simbata nit var neste ers de door sae ojo um samba sr vendo Eb sbi esqueco 6 Sou wend sor ‘Mx meu sama eacabutade SEI LA, MANGUEIRA Via asin, do ato Mats parc meu 9 cho Sei Fin Naneeis » poesia Foto unt ar se astou Eva blend tar Tew qe se 5 hearse * um pouco mais ‘oe oe cones ES per so Se In se lo tot nt bees De gue es alo Si osomente do meu coagso Em Mawar pot ‘Ande decal etn (OS an novo da pat ser De pemar © ronhar Se sore eo et Sib ao sa nso A Mingus © tho grande Gye oem eae expe Fo! UM RIO QUE PASSOU EM MINHA. IDA se om da Met cotato for consul Meu sect fem mania de anor Frou ec Seam ano pode apagae 1 maa dos ews deenenn0s Bou heo SO amor pode apasie! Poréa, a, poréa. i uh ied een See a ee sop Bede ceed ‘Quando algudar que no me eno iaevion ‘0 samba tranendo alvorada eee earver See a eee cove cee i ae rama te aa “t COISAS DO MUNDO, MINHA NEGA, Come’ vem, ends oso Re"paio's meme temo Nes mr a mesma vis Oni pave eeu none Veo do samba hi tempo, neat Prin sche 2 algo ‘Que me fies de drag ts Sst eshte ESL em aes eto Deltlewm gue putene ar Penton ‘Cote ue sabe pe se Far ta sane seoyado ‘Ove Sona do seu sar fea ple ooo Depo eneont! Seu Beto, na eee oe an oe San core Eaceeeets etiehat pct re es coe Hoje cy vim, minha eps Queenie ngule sutbe (Que tenes po cee eee Tore (Ou ts eh ee ‘Mev amor'e meu cansago (Ghar ben sun ve Man amer mou casiga or fm ev aehel um orp, Timings a0'tetoe 7 ‘Um gues er melhor Nib Gr amoe ge, Sahai 2 cs ta eds iat chin Parl be vie. embora neice compreense ‘Um sams nasa Bors Hoje vin, miphe eg “Guerendo aprender son ‘Storma ce'se eer 5 que ev presen aprender 2a fuer Olly wo tad 18 gue preciso aprender i, ome Todo tem, yu in cored Fer es opr no fare nod? Tio tem, ea vo ino cm tec de Tet wen eet unto espe oo €, goa tempo. alana dor pon, nego ‘On? Rip tem de gue $B ambler 28 nnd com inn ee eon? Frases, promt ther es vonmes uc sabe? Sin tng Tanta cobs ue 6 tba a dee tandem rho aay 2 Ser For tevor tog prec beter Re ae a © sna Ba proc vac. Vai tora ari Frome. ao ecoaee Into Ses Aes. : ARGUMENTO Te ep Th pal en sro o argent s'est oan ft que s rpuiads ons |i) (sede aia oon an ae na The Sn pieoneie ox mena de ipo Sem eusce fe dol de gsr (ilo ur ange aga cona um sho minh ‘on Gee dane nevout ira 9 fue: deagar AMOR A NATUREZA (© Grémio_Recrestve Eacla de ‘Stina Conéio Se Triern spresets fou enreo para iver 8 ri ‘SerGe 1973! “Amer aatrezs) Ralls do fokore aslonal ‘a rra que apse Do conto pale lb Sorento So nek ft Nate senso ce tect ‘Relenromorestn de eal brava Dos ga fart com ardor ‘Em nome do tm fates (Gnas muvens face Umedecndo ne mews hoe Deafigige de cans Item blcon de costo Duele que ff mas, tle eile ie © mindy i com ‘io hla! de" ab, Ge sono © dean tua n0 a 0 degre ier as ‘Que homem nao sabe se vl Tencontat © jlo de dar ua jet na (Sisacio Una semente stadt lo 0 ie Ns dee eee sempre ma nova esperanga ue ponte shinens de sabresiver Reig