Você está na página 1de 2

1.

1 O Currículo

O termo Currículo surge como um conceito polissémico, com vários significados e


acepções. A concepção deste conceito segue uma tendência anglófona e encontra-se
inserido no âmbito da Pedagogia.
O seu conceito varia desde a ideia de programa de uma disciplina, objectivos e
competências, métodos e técnicas de ensino/aprendizagem, até aos procedimentos de
avaliação. Como plano de estudos surge como o conjunto de disciplinas e respectiva
organização em cada nível de ensino e relativamente a cada curso. Como programa
entende-se como norma oficial, quadro geral das matérias e conteúdos e, por processo
educativo real, o que é verificado na realidade.
O currículo como planificação e programação do processo ensino/aprendizagem, que
contempla a organização e desenvolvimento de programas em função de uma situação
concreta, é a abordagem que será focada neste trabalho.
Nesta perspectiva o currículo engloba e especifica o que se pretende fazer numa
determinada situação de ensino/aprendizagem, deliberadamente formativa. Neste caso,
não se trata de metas gerais, mas sim de processos concretos, referidos a situações
concretas. As palavras-chave são planificar, projectar, a partir de determinados
pressupostos, as metas que se desejam alcançar e os passos que se vão dar para os
alcançar. Aspectos curriculares como a determinação dos objectivos de aprendizagem, a
selecção e organização dos conteúdos, a previsão das actividades a realizar ou
experiências a oferecer aos alunos, a concepção e manuseamento de materiais
didácticos, a avaliação dos resultados, formam as linhas fundamentais da organização
do currículo. Trata-se então de um conceito de currículo baseado na planificação e
programação do processo de ensino e aprendizagem.
A elaboração de um Portefólio como estratégia para evidenciar as aprendizagens
subjacentes à planificação e implementação de um Projecto apresentam-se ao serviço de
um modelo de desenvolvimento curricular aberto, flexível e que vai ao encontro dos
interesses e necessidades individuais.
O modelo curricular de Stenhouse não assenta em qualquer base racional, centra-se nos
processos cognitivos, na aprendizagem.
Este é um Currículo aberto, centrado no projecto e na investigação, é portanto, flexível.
A educação e aprendizagem são consideradas como uma alteração do comportamento
cognitivo. Esta transformação acontece durante o contacto com o conhecimento e,
através da tentativa e erro. Desta forma, ambas as partes estão em contacto com o
conhecimento e ambas as partes ensinam e aprendem simultaneamente, sendo
característica constante deste modelo, o isomorfismo.
Os objectivos são estabelecidos previamente conduzindo as práticas, não as
determinando, estes podem ser alterados sempre que o professor (investigador) detecte
alguma questão particular.
O papel do professor possui um carácter dinâmico, complexo e desenvolve-se de acordo
os diferentes contextos, desta forma, torna-se um processo de interacção contínua com o
formando. Desempenha a função de guia/supervisor do processo de ensino-
aprendizagem. O professor ensina e aprende, pois não é detentor do saber absoluto.
O aluno é encarado individualmente, cujos processos cognitivos são únicos e, desta
forma, tem formas e tempos de aprendizagem individuais.
As necessidades surgem do contexto, da situação particular ou problema e, todo o
processo se desenrola em seu torno, sendo que o objectivo central é resolver esse
mesmo problema.
Desta forma, este modelo de desenvolvimento curricular requer um vasto leque de
técnicas, de uma perspectiva inovadora, visando encontrar uma solução adequada ao
problema em questão. Stenhouse reconhece que para atingir tal situação o professor terá
a necessidade de se comprometer a trabalhar activamente no processo de mudança, pois
o seu papel é central na renovação pedagógica.
É neste contexto que a elaboração de um portefólio como estratégia de ensino
aprendizagem ganha especial interesse, bem como, a metodologia de projecto.