Você está na página 1de 2

RESIST.

;NCIA AO C ISALHAMENTO OOS SOLOS


1 1

1 69

"Coeficientes A e B" da Presso Neutra

A teoria dos "coeficientes A e B " da presso neu tta (pore pressure coefficien ts) ,
apresentada por Skemp ton , em 1 9 54 , prope-se a determinr a variao d a presso
neutra em uma amostra de argila, quando variam as tenses principais a1 e a3 .
A frmula prop osta por Skempton , a seguinte:
u

B[ o-3 + A. (:lo-1 - o-3)]

onde A e B so coeficientes determinados experimentalmente . O coeficiente A depende


principalmente do tipo de solo e do estado de solicitao a que j esteve submetido; o
coeficiente B, predominantemente influenciado pelo grau de saturao . Para solos
saturados B 1 e para solos parcialmente saturados B < 1 .
Valores de A , medidos no instante da ruptura da amostra, situam-se aproximada
mente entre 0 ,5 para argilas pr-adensadas e + 1 ,5 para argilas de alta sensibilidade .
A Fig. 1 1 - 1 1 esclarece os significados de :
&l i
B=
/':,a3
=

6 a3

l 6 a1 - 6 a3

-B- B
f6 a, - 6 a3

6 a3
6 a3
6 a.t
Fig.

e
A = -

1 1 -1 1

!':, u l

/':,a i - /':,a3

Uma anlise terica dos coeficientes A e B, pode ser feita como se segue .
Chamemos de cf o coeficiente de compressibilidade do "fluido (gua + ar)" que
enche os vazios do solo, por unidade de acrscimo da presso neutra, isto :

c, = -
6. V,.

ou :

uma vez que a porosidade


/

c
,

(com

Ll V
Llu

o volume total) e que a variao

volume de vazios ocupado pelo fluido igual variao do volume total


Tem-se , assin1 .

/':, V.

/':, Vv

do

.6.

c n Llu
V = 1
Igualando este valor com o que foi obtido anteriormente (veja-se Cap. 1 O), teremos:

} - 2 ,U (6 u1 + u2
q3)
-
+ . -

cp

A
u

com /':, a1
I':, ai
!':, u , /':, a2 = /':, a2
!':,u e b. a3 /':, a3 - b.u , as variaes das presses
efetivas correspondentes ao acrscimo da presso neutra !':, u . Substituindo-os acima,
obtm-se:
=

--

1 70

M ECNICA DOS SOLOS

ou :

Como 3 ( 1 - 2!1)/E = ce exprime a compressibilidade volumtrica especfica, por


unidade de presso, da "estrutura do solo", podemos escrever:

Tirando o valor de 6u, vem:


u

_
_
_
_

n ..2.. +
c,

.0 ut + D u2 + Dua
3

equao que nos d a variao /:,u da presso neutra , para variao 6 a1 , /:, a2 , 6 a3 das
presses efetivas, supondo que no haja drenagem e que a estrutura do solo se comporte
como um material elstico e istropo.
Como no ensaio triaxial f, a2 = 6a3 , a equao passa a se escrever:

Au
ou:

I
fj

_
_
_
_

c,

.lu

n ..2.. + I
e.

[Llua +
+

(.iu1 - ua)

Como uma massa de solo no se comporta , a rigor, como um material elstico e istropo,
os coeficientes da equao so substitudos por coeficientes A e B, a serem determinados
experimentalmente . Assim:
u

B [Aua

+ A (u1 - Au3) ]

que a equao anterior, devida a Skempton .


H, atualmente , uma crescente tendncia para utilizao desses coeficientes na
estimativa das presses efetivas que se desenvolvem na construo das barragens de terra.
Para um estado triplo de tenses, Henkel props a frmula:

onde a um parmetro determinado empiricamente .