Você está na página 1de 4
Universidade de São Paulo Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos FÍSICO-QUÍMICA DOS ALIMENTOS –

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos FÍSICO-QUÍMICA DOS ALIMENTOS – ZEA0663

Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos

FÍSICO-QUÍMICA DOS ALIMENTOS ZEA0663 Prof. Responsável: Paulo José do Amaral Sobral 2º semestre de 2013

Grupo nº:

;

data:

/

/

;

Aula prática 1: Densidade de Soluções de Componentes de baixo peso molecular e de soluções de macromoléculas.

A densidade, ou massa específica, é definida como a relação entre a massa e o volume dessa massa. A densidade relativa é uma relação entre duas densidades, uma delas tomada como padrão (geralmente água). Existem vários tipos de aparelhos para a determinação de densidade (Figura 1): picnômetros (Fig. 1A) e aerômetros (ou flutuadores) (Fig.1B) são os aparelhos mais comumente utilizados.

(Fig.1B) são os aparelhos mais comumente utilizados. Figura 1. Aparelhos utilizados para determinação de

Figura 1. Aparelhos utilizados para determinação de densidade de sólidos ou líquidos.

Os aerômetros são constituídos de uma coluna de vidro graduada, a qual termina num tipo de bulbo com forma aerodinâmica, na qual se deposita um lastro ou peso. O aparelho é mergulhado no líquido, atingindo o equilíbrio numa posição vertical. Neste ponto o peso do aparelho é igual ao empuxo, ou seja, ao peso do volume líquido deslocado:

P aparelho

=

P vol. liq .

= liq. g.V

Onde representa a densidade, g a aceleração da gravidade e V o volume. Assim, calcula-se uma escala no aparelho que indica a densidade do líquido em função do volume mergulhado. Existem vários tipos de aerômetros, conhecidos como densímetros, específicos para certas soluções, como alcólica (ex. de escala GL), salina (ex. de escala ºBe) e para o leite, esse conhecido como lactodensímetro. Os picnômetros são pequenos frascos de volume definido, sendo os mais comuns os de 10, 25 e 50 ml. Picnômetros também podem ser utilizados para a determinação de densidades de sólidos.

Um pouco de teoria O volume total de uma solução contendo 1 kg (55,51 mol) de água e m moles de soluto é dado por:

~

V

1

V n1V1 n2V2 55,51V1 mV2

(1)

Onde os sub-índices 1 e 2 referem-se ao solvente e ao soluto, respectivamente. Seja

0 o volume molar da água pura (= 18,016/0,997044 = 18,069 cm 3 mol -1 a 25ºC). Então o

volume molar aparente () do soluto pode ser definido por:

V

Rearranjando tem-se

nV n

1

1

2

~

0

55,51

V m

1

~

0

1

n

2

V

~

nV

1

1

0

1

m

V

55,51

V

1000 mM

2

cm

~

n V

1

1

0

1000

0

cm

3

3

~

V

1

0

(2)

(3)

(4)

(5)

Onde é densidade da solução e o é a do solvente puro, ambos em g cm -3 , e M 2 é o peso molecular do soluto em g. Substituindo as Eqs. 4 e 5 na Eq. 3, obtém-se:

1

M

2

1000

 

0

m

0

(6)

Pela definição dos volumes molares parciais e utilizando as Eqs. 1 e 2,

Também

 V    d  V       n
 V 
d
V
 
 n
 
m
2
  n
2
n
dm
2
n
,
T
,
p
2
1
1
~
~
2
d
V
0
2
0
 nV
n
1
n
2
 
V m
1
1
2
n
2
1 55,51 dm

(7)

(8)

Pode-se fazer o gráfico versus m, desenhando uma curva suave através dos pontos, e construir tangentes à curva nas concentrações desejadas para medir o coeficiente

angular. No entanto, para soluções de eletrólitos simples, tem sido encontrado que várias

de eletrólitos simples, tem sido encontrado que várias quantidades molares aparentes tais como  variam

quantidades molares aparentes tais como variam linearmente com m , inclusive em concentrações moderadas. Este comportamento está de acordo com a predição da teoria de Debye-Hückel para soluções diluídas.

d d  d m d    dm d m dm 2 1
d
d
d
m
d
dm
d
m
dm
2
1 m
d
m

(9)

Obtém-se das Eqs. 8 e 9:

V 2  

1 d  m d       0 2 m d
1
d 
m
d
 
0
2
m
d
m
2
d
m
~
m
2
m
V
V
0
  d
1
1
55,51
  d
2
m

3 m d  2 d m
3
m
d
2
d
m

(10)

(11)

Onde o é volume molar aparente extrapolado para a concentração zero. Agora se

e determinar a melhor reta através dos pontos. Doaparente extrapolado para a concentração zero. Agora se pode fazer o gráfico  versus coeficiente angular

pode fazer o gráfico versus

coeficiente angular d/d

fazer o gráfico  versus coeficiente angular d  /d m e do valor de 

m e do valor de o , pode ser obtido o valor de V1 e V2 .

Experimento Aula prática 1a - Densidade de componentes de baixo peso molecular: Usar as soluções de Cloreto de Sódio e Glicerol nas concentrações de 1, 2, 3 e 4 M, recém preparadas. Aula prática 1b - Densidade de soluções de macromoléculas: Usar as soluções de gelatina nas concentrações de 0,02; 0,04; 0,06; 0,08; e 0,10 g/100ml de água. Verificar se o picnômetro (Figura 2) foi enxaguado com água destilada e se está completamente seco antes de cada uso. O picnômetro deverá ser pesado vazio e seco (W e ), e também com água destilada (W o ), assim como com cada uma das soluções (W). Todas as pesagens deverão ser realizadas em balança analítica com a maior precisão possível. Usar luvas para pegar o picnômetro, ou então, garras metálicas.

Usar luvas para pegar o picnômetro, ou então, garras metálicas. Figura 2. Modelo de picnômetro usado

Figura 2. Modelo de picnômetro usado na aula prática.

Adicionar a solução ao picnômetro, colocar o termômetro. Tomar cuidado para evitar aeração excessiva das soluções, pois a incorporação de ar diminuirá a densidade da solução. Usar lenço de papel para secar o picnômetro, evitando que material fique aderido ao mesmo. Ajustar a temperatura a 25ºC, secar a saída com a ajuda de um pedaço de papel, colocar a tampinha e pesar imediatamente.

Cálculos Calcular a densidade de cada solução com a equação 13:

W sol

W

W

e

V V

(13)

O volume do picnômetro sendo calculado conhecendo-se a densidade da água (o a 25ºC é 0,997044 cm -3 ): V=(W o -W e )/o . As molalidades m (concentração em moles por kg de solvente) que são necessárias para os cálculos podem ser obtidas das molaridades M (concentração em moles/l solução). Calcule para cada solução usando a Eq. 6 para dados do picnômetro. Fazer o

gráfico vs

e a interseção o a m igual a zero da

 vs e a interseção  o a m igual a zero da m . Determine

m . Determine a inclinação d/d

m
m

melhor reta através dos pontos experimentais. Calcule V1 e V2 de m= 0,02; 0,04; 0,06; 0,08; e 0,10. Grafique-as versus m e desenhe uma curva suave para cada uma das duas quantidades.

m , V 1 e V 2 vs m ) citadas acima. Apresente , V1 e V2 vs m) citadas acima. Apresente

também em forma de tabelas as quantidades de d, M, m, (1000/m)(W-W o )/W o -W e ), e para cada solução estudada. Dê os valores obtidos para o volume do picnômetro V p e o e d/d

No relatório, apresente as curvas (vs

e d  /d No relatório, apresente as curvas (  vs m . Para a

m .

Para a Aula prática 1b, calcule as densidades das soluções e guarde esses dados para a Aula prática sobre Viscosidade Intrínseca.

Aparelhagem Picnômetro; béquer de 250 ml e papel absorvente. Gelatina. NaCl grau reagente; Glicerol grau reagente; água destilada; acetona para ser usada no enxágüe.