Você está na página 1de 89

APOSTILA

APOSTILA S S S o o o f f f t t t w w w
APOSTILA S S S o o o f f f t t t w w w

SSSoooffftttwwwaaarrreee dddeee MMMaaannnuuuttteeennnçççãããooo PPPrrreeedddiiitttiiivvvaaa &&& AAAnnnááállliiissseee dddeee VVViiibbbrrraaaçççõõõeeesss

A A A n n n á á á l l l i i i s
A A A n n n á á á l l l i i i s
A A A n n n á á á l l l i i i s
A A A n n n á á á l l l i i i s

1.

OPERAÇÕES GERAIS

1.1. Propósito

Descreve as funções principais do OneproD XPR-300 baseado em um caso prático:

Conectar ao software

Declarar os locais/equipamentos

Configurar o monitoramento do equipamento

Duplicar o equipamento e sua correspondente configuração

Carregar/descarregar o coletor de dados OneproD MVP

Processar dados de termografia e/ou óleo

Ver a medição da coleta mais atual

Editar um relatório

1.2. Conectando ao software

Inicie o software a partir de “Iniciar /

Programas / OneproD System\

300:

a partir de “Iniciar / Programas / OneproD System\ 300: XPR- Insira primeiro o nome do
a partir de “Iniciar / Programas / OneproD System\ 300: XPR- Insira primeiro o nome do

XPR-

Insira primeiro o nome do Domínio (d1), então o nome do Usuário (u1) e finalmente a Senha (u1) correspondente ao usuário. Após a instalação, a conta inicial será como indicado entre parênteses.

a conta inicial será como indicado entre parênteses. Selecione então o Workspace (w1) e o Banco

Selecione então o Workspace (w1) e o Banco (b1). Durante a instalação do XPR-300, um banco de dados padrão chamado “b1” é criado.

A tela principal do OneproD XPR-300 é então exibida:

A tela principal do One proD XPR-300 é então exibida: Por padrão, não há equipamentos no

Por padrão, não há equipamentos no banco. Locais e Equipamentos devem ser criados.

1.3.

Criando novos locais e/ou equipamentos

Novos locais e/ou equipamentos são criados diretamente na estrutura hierárquica.

são criados diretamente na estrutura hierárquica. Para criar um novo local : Quando o aplicativo é

Para criar um novo local:

Quando o aplicativo é iniciado pela primeira vez, a estrutura contém 3 elementos:

Hierarquia

Biblioteca

Lixeira

Estes 3 elementos estão sempre presentes e não podem ser excluídos.

Clique com o botão esquedo sobre “hierarquia” para selecioná-la

O clique com o botão direito exibe o menu contextual

Selecione Novo > Local.

A propriedade da janela de local é exibida. Criando um novo local “ZONE A”, fica:

Este botão permite o acesso a um arquivo de imagem.

Os formatos compatíveis são descritos no apêndice deste manual.

Apêndice 5 – Paleta de Imagem

apêndice deste manual. Apêndice 5 – Paleta de Imagem Para criar um novo equipamento no local

Para criar um novo equipamento no local “ZONE A”:

Clique com o botão esquerdo sobre o local “ZONE A”

Clique com o botão direito para acessar o menu contextual

Selecione Novo > Equipamento

A janela de propriedade do equipamento é exibida. Criando um novo equipamento: “M.P104”:

Identificação

Característica

s

armazenadas

em 3

Identificação Característica s armazenadas em 3 Seleção do croqui para o software VIO (monitoramento

Seleção do croqui para o software VIO (monitoramento online com o MVX)

Uma vez que as informações de identificação forem inseridas (nome, abrev., etc.), as características restantes adicionais devem ser especificadas:

Notas ou comentários: texto livre (255 caracteres)

Referências de rolamentos: lista de referências de rolamentos característicos do equipamento. Estas referências de rolamentos são associadas pelo Local de Monitoramento.

Figura: seleção de uma imagem representativa do equipamento. Esta imagem será incluída nos relatórios. Os formatos de imagem compatíveis são descritos no Apêndice 1 – formato das imagens.

Documentos: documentos técnicos podem ser associados com os equipamentos e podem ser consultados diretamente do XPR. Estes documentos podem ser tanto armazenados no banco de dados do XPR (neste caso não podem ser alterados diretamente) ou fora deste (os documentos podem ser alterados usando outra aplicação)

documentos podem ser alterados usando outra aplicação) o o o o Adicionar: seleciona um novo documento

o

o

o

o

Adicionar: seleciona um novo documento

Remover: exclui os elementos selecionados (documentos armazenados no banco de dados ou o link para o documento externo).

Editar: abre os documentos selecionados para consulta.

Extrair: copia os documantos selecionados.

As medições periódicas são definidas na aba “Aquisição” no modo de “Configuração”:

1.4. Configuração do monitoramento do equipamento 1.4.1. Princípio Configurar um equipamento consiste na definição

1.4. Configuração do monitoramento do equipamento

1.4.1. Princípio

Configurar um equipamento consiste na definição dos seguintes elementos:

Parâmetros de operação: cada equipamento contém ao menos o parâmetro velocidade de rotação. Este parâmetro pode ser fixo ou variável. Ele é usado para o processamento de extratificação de amplitudes relativas à cinemática da máquina. No modo online, esta velocidade de rotação, assim como outros 5 parâmetros, podem ser usados para caracterizar as condições de operação da máquina. Estes 5 parâmetros podem ser:

2 parâmetros de processo (fluxo, pressão, carga, …) medidos pelas entradas DC

3 parâmetros lógicos (On/Off, Aberto/Fechado, …) medidos pelas entradas lógicas.

Pontos de medição: ponto geográfico do equipamento onde as medições de vibração, processo ou termografia são fisicamente coletadas. O ponto de medição pode usualmente ser assimilado a um sensor ou, falando mais genericamente, a uma fonte de dados.

Locais de monitoramento: area geográfica no equipamento contendo vários pontos de medição, permitindo associar um conjunto de referências de rolamentos. Estas referências de rolamentos são usadas no processamento dos dados.

Sinais: para cada ponto de medição, os sinais definem dados do tipo vetor, isto é, uma curva. Um processamento específico (espectro, envelope, zoom, sinal temporal) corresponde a cada sinal indicando o modo como o sinal foi obtido. Aguns sinais chamados “hard” resultam da aquisição pelo coletor enquanto que outros chamados “soft” resultam do pós-processamento dos sinais “hard”.

Parâmetros: Para cada ponto de medição, os parâmetros definem dados do tipo escalar (ex. nível global) necessários para monitorar o equipamento. Cada parâmetro corresponde a um processo específico (nível global, extratificação de pico, nível de energia, Kurtosis, etc.) indicando o modo como o parâmetro foi obtido. Alguns parâmetros chamados “hard” resultam da aquisição pelo coletor enquanto que outros chamados “soft” resultam do pós-processamento dos sinais “hard” e/ou “soft”.

Alarme: para monitorar um parâmetro através de coletas sucessivas, o critério de alarme pode ser associado com cada parâmetro. O estado do alarme do parâmetro obtido é ainda usado para determinar o estado do alarme do ponto que por sua vez é usado para determinar o estado do alarme do equipamento.

Rota de dados offline para o OneproD MVP: uma vez que todos os pontos de medição foram definidos, o OneproD XPR-300 está totalmente configurado para iniciar o monitoramento do equipamento. As rotas de coleta são necessarias para realizar o monitoramento offline. Estas rotas correspondem aos equipamentos selecionados que serão carregados no coletor de dados. Elas são então coletadas pelo técnico de coleta e descarregadas no OneproD XPR-300. O histórico de cada equipamento é então atualizado com a nova medição. Os parâmetros e status de alarme são utilizados para determinar o status atual de cada parte do equipamento.

1.4.2. Passo #1: Criação do 1º ponto de medição

Para configurar o novo equipamento ‘‘M.P104’’, selecione primeiro o modo de Configuração selecionando a correspondente caixa de verificação na barra de ferramentas do OneproD XPR-300:

A velocidade de rotação deve ser definida. Selecione se a rotação é fixa ou variável:

A velocidade de rotação deve ser definida. Selecione se a rotação é fixa ou variável:

Rotação fixa: o valor definido será automaticamente associado a todas as novas medições. Para alterá-lo, exiba as propriedades do equipamento (clique duplo ou clique com o botão direito / Propriedades).

duplo ou clique com o botão direito / Propriedades). Pode-se alterar o nome, o valor e

Pode-se alterar o nome, o valor e a unidade (Hz ou RPM) da velocidade de rotação.

Rotação variável: selecionar ”Rotação variável” abrirá automaticamente a janela de Propriedades, que permite definir os parâmetros de aquisição da velocidade de rotação:

Esta velocidade de rotação é usada para o processam ento de extratificação de pico e

Esta velocidade de rotação é usada para o processamento de extratificação de pico e assim, para o cálculo das amplitudes relativas à cinemática da máquina.

Há três pontos de medição para este equipamento:

RADIAL NDE: um ponto de medição localizado no Mancal 1, direção radial,

AXIAL NDE: um ponto de medição localizado no Mancal 1, direção axial,

RADIAL DE: um ponto de medição localizado no Mancal 2, direção radial.

Para criar um novo ponto de medição, coloque o cursor na lista de pontos de medição, clique com o botão direito e selecione “Novo”:

ponto de medição, coloque o cursor na lista de pontos de medição, clique com o botão

A janela de “propriedades do ponto de medição” é então exibida. A criação do novo ponto: “1HV”:

Coeficiente de multiplicação / redução permitindo adaptar a velocidade de rotação do ponto automaticamente (veja as notas)

de rotação do ponto automatic amente (veja as notas) Local, Direção e Orientação de monitoramento do
de rotação do ponto automatic amente (veja as notas) Local, Direção e Orientação de monitoramento do

Local, Direção e Orientação de monitoramento do ponto de medição

e Orientação de monitoramento do ponto de medição Identificação do ponto de medição Ponto de

Identificação do

ponto de

medição

Ponto de associação para monitoramento em dois canais

Notas:

Coeficiente de multiplicação / redução: este coeficiente é dado como a relação N1/N2, permitindo a entrada direta em N1 e N2 (número de dentes de engrenagens ou diâmetros das polias). A velocidade de rotação é calculada através da rotação da máquina x (N1/N2).

Nota: ao usar o MVX, N1 e N2 devem ser um número inteiro entre 1 e 65535.

Medição em dois canais: esta função requer o uso do coletor OneproD MVP com o segundo canal habilitado e com o firmware V4.2 ou superior.

o Os pontos podem ser associados de duas formas:

Associação com um “novo ponto”: neste caso, um novo ponto, idêntico ao ponto atual, é criado. O ponto atual é chamado de ponto “mestre”, enquanto que o ponto novo criado é chamado de ponto “escravo”. Associação com um ponto existente: somente pontos compatíveis:

mesmo nome

mesmas medições

O ponto atual é chamado de ponto “mestre”, enquanto que o ponto existente é chamado de ponto “escravo”.

Ponto mestre

Ponto escravo

de ponto “mes tre”, enquanto que o ponto existente é chamado de ponto “escravo”. Ponto mestre

o

Depois da associação:

 

Os pontos são listados na tela de “Configuração do ponto de medição”: o

 

primeiro ponto é o ponto mestre (

  primeiro ponto é o ponto mestre ( ), seguido do ponto escravo ( ). Os

), seguido do ponto escravo (

  primeiro ponto é o ponto mestre ( ), seguido do ponto escravo ( ). Os

). Os nomes

 

dos pontos não podem ser alterados. As alterações do ponto mestre são automaticamente aplicadas ao ponto escravo. Somente a sensibilidade e os limites de alarmes podem ser alterados no ponto escravo.

o

Ao carregar o coletor, o OneproD XPR-300 detecta automaticamente se o tipo de coletor é um ou dois canais.

Para o coletor de dois canais, um « ponto associado » é considerado como uma medição em dois canais, ponto mestre no canal 1 e escravo no canal 2. Para o coletor de um canal, um « ponto associado » é considerado como dois pontos de medição independentes, primeiro o ponto mestre e depois o ponto escravo.

o

Lembre-se dos limites do Coletor OneproD MVP no modo dois canais:

 

As medições são idêndicas em ambos os canais

Os espectros são limitados em 6400 linhas

O sinal no tempo é limitado a 16 K amostras sem a opção DAT e 256 K amostras com a opção DAT

As funções cruzadas não são disponíveis no módulo “coletor” para medição de espectro em dois canais. Nota: as funções cruzadas são disponíveis no módulo “analisador”.

Os espectros de envelope e zoom não são disponíveis no modo 2 canais.

As medições de Fator de Defeito e Kurtosis não são disponíveis no modo dois canais.

As medições de níveis globais de vibração são limitadas na freqüência máxima de 20 kHz.

Uma vez que todas as propriedades do ponto de medição foram definidas, valide fechando a janela. O novo ponto é exibido na lista de pontos de medição e se torna o elemento selecionado na lista de informações.

se torna o elemento selecionado na lista de informações. “Sinais” e “parâmetros” devem ser associados a

“Sinais” e “parâmetros” devem ser associados a este ponto de medição.

Lembre-se: é possível modificar o conteúdo de “Abrev.”, “Nome”, “N1” e “N2” diretamente na janela de

, “Nome”, “N1” e “N2” diretamente na janela de “Pontos de medição”. Clique em para validar
, “Nome”, “N1” e “N2” diretamente na janela de “Pontos de medição”. Clique em para validar

“Pontos de medição”. Clique em para validar a modificação ou para cancelar.

1.4.3.

Passo #2: Criando os sinais

Um ponto de medição pode conter vários sinais de diferentes tipos: espectro, envelope, sinal no tempo, etc. Para adicionar um sinal ao ponto selecionado, clique com o botão direito do mouse para exibir o menu contextual. Selecione “Novo sinal” para ter acesso a todos os tipos de sinais que podem ser criados. Para “Espectro simples”:

sinais que podem ser criados. Para “Espectro simples”: Uma vez que o tipo de sinal foi

Uma vez que o tipo de sinal foi selecionado, a janela de propriedades é exibida e pode ser usada para entrar com a identificação e programação do novo sinal:

entrar com a identificação e programação do novo sinal: Identificação do sinal Tipo de sinal: Hard

Identificação

do sinal

Tipo de sinal: Hard / Soft Modo de aquisição: Online / Offline Categoria: Vibração / Processo / Óleo / Outro

Esta informação define como o sinal será tratado (ao descarregar, processamento, etc.).

Argumentos de programação do sinal. Eles definem como o sinal será obtido:

Fmin, Fmax, Amostragem, …

Os argumentos de programação do sinal podem ser inseridos diretamente (campo com fundo branco) ou selecionado através de uma tabela (campo com fundo cinza). Esta tabela pode ser exibida por um clique duplo no campo:

Esta tabela pode ser exibida por um clique duplo no campo: Cada tipo de sinal tem

Cada tipo de sinal tem sua lista específica de programação. A lista de argumentos de cada processo é mostrada no Apêndice 3 deste manual.

Um ponto de medição pode conter vários sinais. A única limitação é o coletor de dados que, dependendo do modelo, estará apto a manusear um número restrito de sinais.

Para o nosso exemplo (programação do ponto 1H), será criado:

3 espectros simples

“hard”

1 envelope

“hard”

1 sinal no tempo bruto

“hard”

3 sinais no tempo filtrados pós-processados

“soft”

3 sinais no tempo filtrados pós-processados “soft” Os sinais “Soft” são usados para gerar sinais

Os sinais “Soft” são usados para gerar sinais complexos através do pós-processamento de sinais existentes. No exemplo acima, 3 sinais “soft” foram definidos para fazer filtro passa-banda no sinal “hard” “T– 5.12kHz–4000 pts g” em três bandas diferentes.

Nota: todos os parâmetros e sinais disponíveis no OneproD XPR-300 são descritos no Apêndice (veja o

§6)

1.4.4.

Criando os parâmetros

Para emitir o diagnóstico para o equipamento, é necessário definir os parâmetros de monitoramento no qual a análise será baseada. Como explanado anteriormente, estes parâmetros podem ser tanto hard como soft. Os parâmetros hard originam de uma aquisição enquanto que os parâmetros soft são calculados por pós-processamento. Estes pós-processamentos são aplicados tanto da combinação de outros parâmetros (soma, estatística, etc.), quanto nos sinais medidos (extratificação de pico, Kurtosis, etc.).

Para adicionar um parâmetro, clique na lista de parâmetros e então clique com o botão direito do mouse para exibir o menu contextual e selecione “Novo parâmetro”:

exibir o menu contextual e selecione “Novo parâmetro”: Uma vez que o tipo de parâmetro foi

Uma vez que o tipo de parâmetro foi selecionado, a janela de propriedades é exibida e as informações de configuração do parâmetro podem ser inseridas:

de configuração do parâmetro podem ser inseridas: Identificação Seleção do pictograma para o software VIO

Identificação

Seleção do pictograma para o software VIO (monitoramento online com o MVX)

Argumentos de programação do sinal o qual o parâmetro será obtido.

Comentários do parâmetro (pode ser exibido na janela de conf. de alarme e relatórios)

Como na configuração do sinal, os argumentos da configuração do parâmetro podem ser inseridos diretamente (campo com fundo branco) ou selecionado através de uma tabela (campo com fundo cinza).

Exemplo dos tipos de parâmetros:

Nível global de aceleração 10-1000 Hz em g

Vibração

Hard

Fator de defeito de rolamento

Vibração

Hard

Extratificação de pico na freqüência fundamental: F0 em mm/s

Aplicação

Soft

Extratificação da 3ª harmônica: H3 em mm/s

Aplicação

Soft

Kurtosis K1 sobre o sinal filtrado na banda 1000-2000 Hz

Aplicação

Soft

Kurtosis K2 on the time signal filtered over the 1400-2800 Hz band

Aplicação

Soft

Kurtosis K3 on the time signal filtered over the 2800-5600 Hz band

Aplicação

Soft

Razão H3/H0: Divisão (H3, H0)

Aritmético

Soft

Nota: todos os parâmetros e sinais disponíveis no OneproD XPR-300 são descritos no Apêndice (veja o

§6)

1.4.5.

Passo #4: Definição dos alarmes

Uma vez que os parâmetros de monitoramento foram definidos para o 1º ponto, o próximo passo consiste em definir os valores e tipos de alarmes para serem associados a estes parâmetros.

Os alarmes não são requeridos para todos os parâmetros.

Os alarmes não são requeridos para todos os parâmetros. Para tal, use o botão Selecione a

Para tal, use o botão

Selecione a aba “Absoluto” ou “Relativo” para ajustar os limites correspondentes ao parâmetro selecionado:

na barra de ferramentas. Será exibida a janela “Alarme e Propriedades”.

Parâmetro

selecionado

“Alarme e Propriedades”. Parâmetro selecionado … Exibição dos limites de alarme para o parâmetro
“Alarme e Propriedades”. Parâmetro selecionado … Exibição dos limites de alarme para o parâmetro

Exibição dos limites de alarme para o parâmetro selecionado

A janela de Configuração de Alarme é sempre exibida em primeiro plano. Para inserir os valores de alarme para um parâmetro, clique no parâmetro para que a janela de configuração seja associada a este parâmetro. Selecione o tipo de alarme e, em seguida, os valores.

Diferentes tipos de alarme podem ser associados ao parâmetro:

Alarmes absolutos: alarme padrão usado para saber se o parâmetro medido (ou calculado) está OK, em ALARME ou em PERIGO.

Alarmes relativos: alarme complexo usado para avaliar o histórico no tempo do parâmetro (veja o apêndice 4 § 1). Este tipo de alarme resulta somente nos estados OK ou ALARME.

Referência: monitora a evolução do parâmetro em relação a uma referência.

Estatístico: monitora o parâmetro com respeito ao seu valor médio desde a data de referência.

Preditivo: extrapola a tendência do parâmetro e entra em alarme se o parâmetro estiver caminhando para entrar em alarme antes da data da próxima coleta.

para entrar em alarme antes da data da próxima coleta. Lembre-se: os alarmes relativos são ativados

Lembre-se: os alarmes relativos são ativados somente para medições offline.

O estado do alarme que será considerado para o parâmetro será a combinação mais penosa

O estado do alarme que será considerado para o parâmetro será a combinação mais penosa de todos os alarmes elementares.

Regras para o manuseio dos alarmes absolutos:

Tipos de alarmes

Regras

Acima

PERIGO se o valor > PE+

ALARME se AL+ < valor < PE+

ALARME se AL+ < valor < PE+

NORMAL de outro modo.

Abaixo

PERIGO se o valor < PE-

ALARME se PE- < valor < -AL

ALARME se PE- < valor < -AL

NORMAL de outro modo.

Fora da janela

PERIGO se o valor > PE+ ou o valor < DG-

ALARME se PE+ < valor < AL+ ou PE- < valor < AL-

ALARME se PE+ < valor < AL+ ou PE- < valor < AL-

NORMAL se AL- < valor < AL+

Dentro da janela

PERIGO se AL- < valor < AL+

ALARME se PE+ < valor < AL+ ou PE- < valor < AL-

ALARME se PE+ < valor < AL+ ou PE- < valor < AL-

NORMAL se o valor > PE+ ou o valor < PE-

Uma vez que os alarmes foram definidos para os parâmetros de monitoramento, a configuração do ponto “1H” está finalizada.

1.4.6.

Passo #4 (continuação): Ajuste do parâmetro ou opções do sinal…

Esta é a 2ª aba da janela “Configuração dos Alarmes” chamada “Propriedades”:

dos Alarmes” chamada “Propriedades”: Estado de cada tipo de alarme Opção do parâmetro ou sinal

Estado de cada tipo de alarme

Opção do parâmetro ou sinal

Comentário do parâmetro definido nas propriedades do parâmetro

As seguintes opções são disponibilizadas nesta janela:

Exibir TSS: selecione esta opção para exibir o parâmetro ou o sinal na TSP ou TSS

Exibir barras: selecione esta opção para transferir as freqüências para o espectro (somente para

respectivamente. Exibir relatório: selecione esta opção para exibir o parâmetro nos relatórios de Análise e de

Medição.

parâmetros de extratificação de pico e banda larga). Inibido: os parâmetros e sinais inibidos não são medidos nem calculados. Deste modo, pode-se interromper o uso de alguns parâmetros enquanto que o seu histórico permanece no banco de dados.

Monitorado: selecione esta opção para levar o estado do alarme para o nível da máquina. Esta opção é disponível para ocultar os elementos não monitorados da TSP e dos relatórios.

1.4.7.

Criando a partir das bibliotecas…

Para proceder com o monitoramento de um novo equipamento, deve-se agora adicionar dois outros pontos de medição:

AXIAL NDE: 1 ponto de medição no Mancal 1,

RADIAL DE: 1 ponto de medição no Mancal 2.

Desde que o procedimento de configuração para os dois novos pontos é similar ao feito para o primeiro ponto (“RADIAL NDE”), vamos agora usar o conceito de “Biblioteca” do OneproD XPR-300.

Para reproduzir a configuração do ponto 1H para os outros pontos de medição, um modelo de ponto de medição deve ser criado a partir do ponto 1H.

Para tal:

Coloque o cursor na lista de pontos de medição,

Selecione o ponto de medição “1H” marcando a caixa de verificação “Sel”,

Clique com o botão direito do mouse para ter acesso ao menu contextual,

Selecione “Adicionar elemento(s) ao(s) modelo(s)”.

• Selecione “Adicionar elemento(s) ao(s) modelo(s)”. Esta operação cria automaticamente todos os si nais e

Esta operação cria automaticamente todos os sinais e parâmetros associados ao ponto “1H” nas bibliotecas do OneproD XPR-300. Também, este ponto de medição “pré-programado” será adicionado à biblioteca de modelos de ponto de medição.

Uma vez que o ponto modelo foi adicionado à biblioteca, criar mais 2 novos pontos irá consistir em selecionar o novo modelo de ponto de medição e criar os novos 4 pontos a partir deste modelo.

Para tal:

Vá para a lista de pontos de medição,

Clique com o botão direito do mouse para exibir o menu contextual,

Selecione “Novo dos modelos”

o menu contextual, • Selecione “Novo dos modelos” A biblioteca de modelos de pontos de medição

A biblioteca de modelos de pontos de medição será então exibida.

de modelos de pontos de medição será então exibida. + O modelo de ponto de medição

+

de modelos de pontos de medição será então exibida. + O modelo de ponto de medição

O modelo de ponto de medição “RADIAL NDE” é exibido. Para criar os 2 pontos restantes:

Selecione o ponto modelo “RADIAL NDE”,

Especifique a quantidade de pontos a ser criados (2) a partir do modelo,

Valide para sair.

Há agora 2 novos pontos na lista de pontos de medição para o equipamento “M.P104”:

de pontos de medição para o equipamento “M.P104”: As propriedades dos 2 novos pontos podem ser

As propriedades dos 2 novos pontos podem ser alteradas manualmente especificando os nomes, abreviaturas, locais de monitoramento, direções e orientações. Lembre-se: é também possível modificar diretamente o conteúdo das colunas “Abrev.”, “Nome”, “N1”, “N2”, “Local”, “Direção” e “Orientação” na janela “pontos de medição”.

e “Orientaç ão” na janela “pontos de medição”. Clique em para validar a modificação ou em
e “Orientaç ão” na janela “pontos de medição”. Clique em para validar a modificação ou em

Clique em para validar a modificação ou em para cancelar.

Se necessário, as listas de sinais e parâmetros podem ser modificadas para cada ponto.

sinais e parâmet ros podem ser modificadas para cada ponto. A máquina “M.P104” está agora completamente

A máquina “M.P104” está agora completamente configurada e pronta para ser monitorada.

1.5. Duplicando o equipamento

Uma vez que o equipamento “M.P104” foi criado, é muito mais simples configurar o monitoramento para

a bomba associada a este acionamento.

Princípio:

Criar um novo equipamento “B.P101”, no mesmo local que o motor,

Criar dois pontos de medição: “3H” e “4H”,

Para cada ponto, definir a mesma lista de sinais e parâmetros do “M.P104”,

Especificar os alarmes para os parâmetros de monitoramento da “B.P101”.

Para tal, o OneproD XPR-300 usa a função Copiar/Colar que permite duplicar uma máquina e sua configuração associada. Esta função é acessada a partir do menu contextual da estrutura hierárquica.

a par tir do menu contextual da estrutura hierárquica. Copiar… “M.P104” Colar… em “ZONE A” Antes

Copiar… “M.P104”

contextual da estrutura hierárquica. Copiar… “M.P104” Colar… em “ZONE A” Antes de colar o equipamento, o

Colar… em “ZONE A”

Antes de colar o equipamento, o OneproD XPR-300 permite escolher o tipo de informação a duplicar:

XPR-300 permite escolher o tipo de informação a duplicar: A opção “Parâmetros e sinais” é usada

A opção “Parâmetros e sinais” é usada para

duplicar todos os parâmetros e sinais programados para cada ponto de medição do equipamento. É possível desmarcar os elementos

“soft”

O “Histórico de medição” é usado para duplicar as

medições já realizadas em todos os parâmetros e sinais incluídas no período selecionado.

Uma vez que as opções foram especificadas, clique em “

período selecionado. Uma vez que as opções foram especificadas, clique em “ ” para continuar e

” para continuar e em

período selecionado. Uma vez que as opções foram especificadas, clique em “ ” para continuar e
período selecionado. Uma vez que as opções foram especificadas, clique em “ ” para continuar e

para cancelar.

Esta mensagem é exibida quando a pasta de destino contém elementos com o mesmo nome dos elementos copiados:

Se a resposta for Não, os elementos serão adicionados à pasta. Os caracteres “(+)” serão adicionados ao nome de cada elemento colado.

Se a resposta for Sim, os elementos copiados sobrescreverão os elementos existentes.

Um novo equipamento (+)Motor P104 foi adicionado à ZONE A. Ele é idêntico à máquina que foi copiada e tem os mesmos pontos de monitoramento, sinais, parâmetros e níveis de alarme.

Esta nova máquina deve ser então modificada para atender aos critérios de monitoramento da bomba.

Editando / modificando as propriedades do

equipamento

Editando / modificando as propriedades do equipamento … O nome do novo equipamento começa com “(+)”
Editando / modificando as propriedades do equipamento … O nome do novo equipamento começa com “(+)”

O nome do novo equipamento começa com “(+)” indicando que ele resulta da duplicação de outro

equipamento. Este nome pode ser modificado editando as propriedades do equipamento e inserindo o novo nome (“B.P101”).

Modificando / adaptando os parâmetros de monitoramento

O monitoramento da bomba não tem normalmente os mesmos métodos do motor. A configuração pode

então ser alterada.

Para tal, vamos:

Excluir os pontos verticais e axial,

Excluir alguns sinais e parâmetros dos pontos restantes e alterar sua nomenclatura,

Modificar os limites de alarme.

A exclusão dos pontos, parâmetros e sinais podem ser feitas através do menu contextual de cada lista

de informação (“Pontos de medição”, “Sinais” e “Parâmetros”).

de medição”, “Sinais” e “Parâmetros”). Os limites de alarme são programados para c ada parâmetro

Os limites de alarme são programados para cada parâmetro de modo similar ao descrito para a configuração do motor (Seção 5.4.5).

1.6.

Como copiar pontos de um equipamento?

Um ou mais pontos podem também ser copiados de um equipamento para outro:

podem também ser copiados de um equipamento para outro: Pontos selecionados a serem copiados. No menu

Pontos selecionados a serem copiados.

No menu contextual, selecione Copiar os “Pontos de medição”.

contextual, selecione Copiar os “Pontos de medição”. Selecione o equipamento No menu contextual, selecione

Selecione o

equipamento

No menu contextual, selecione “Colar da Área de Transferência”.

selecione “Colar da Área de Transferência”. Selecione as opções de colagem Dois pontos foram copiados

Selecione as opções de colagem

Dois pontos foram copiados

1.7.

Como copiar parâmetros e sinais de um ponto?

Os parâmetros e sinais de um ponto podem ser copiados de um equipamento para outro através de uma operação simples. Esta função é muito utilizada para adicionar elementos em todos os pontos da máquina. Para tal é necessário criar um ponto intermediário contendo todos os elementos a serem duplicados.

Exemplo: adicionar 2 parâmetros e um sinal de um ponto para os quatro pontos da outra máquina. Para este exemplo, será usada uma máquina já contendo medições:

exemplo, será usada uma máquina já contendo medições: Criando primeiro um ponto temporário contendo os dois

Criando primeiro um ponto temporário contendo os dois parâmetros e o sinal a ser adicionado:

contendo os dois parâmetros e o sinal a ser adicionado: Faça as seguintes operações para este

Faça as seguintes operações para este ponto:

Selecione

o ponto

seguintes operações para este ponto: Selecione o ponto No menu contextual, selecione “Copiar os Sinais e
seguintes operações para este ponto: Selecione o ponto No menu contextual, selecione “Copiar os Sinais e

No menu contextual, selecione “Copiar os Sinais e parâmetros”.

Na estrutura, selecione o equipamento o qual os sinais e parâmetros serão colados.

equipamento o qual os sinais e parâmetros serão colados. No menu contextual, selecione “Colar da Área

No menu contextual, selecione “Colar da Área de transferência”.

Depois da mensagem de seleção da opção e (possivelmente) da mensagem de aviso serem exibidos (veja § 1.6), os dois parâmetros e o sinal são adicionados à máquina.

os dois parâmetros e o sinal são adicionados à máquina. 1.8. Usando o coletor de dados

1.8. Usando o coletor de dados com o OneproD XPR-300

1.8.1. Princípio

Foi visto que o monitoramento de uma máquina é baseado no cálculo periódico de parâmetros de operação, do acompanhamento dos seus estados de alarme elementar (OK, ALARME, PERIGO) e finalmente da determinação do estado de operação global do equipamento.

É sabido que, para um equipamento, o histórico dos parâmetros operacionais é baseado na aquisição

das medições (níveis globais, espectros, sinais no tempo) que são então pós-processados. Estes dados podem ser adquiridos de modos diferentes:

Periodicamente por “aquisição off-line” usando coletores de dados tais como o OneproD MVP e o

Movilog2™.

Continuamente por “aquisição on-line” usando sistemas específicos tais como o OneproD MVX

1.8.2. Passo #1: Criando uma seleção do(s) equipamento(s)

A base de uma coleta offline é dada pelo conceito de rota. Esta rota representa uma ou mais máquinas,

tendo cada uma, pontos, parâmetros e sinais “hard” a serem medidos para que se possa verificar a

condição operacional de cada máquina.

O usuário é responsável por criar as rotas, que podem ser feitas diretamente da estrutura hierárquica.

Voltando ao nosso exemplo, foram criadas as máquinas “M.P104 e “B.P104”:

Para criar uma rota, deve-se: • Selecionar (CTRL + Clique) as duas máquinas “M.P1044 e

Para criar uma rota, deve-se:

Selecionar (CTRL + Clique) as duas máquinas “M.P1044 e “B.P104”: os elementos são marcados em preto,

Clicar com o botão direito para exibir o menu contextual da estrutura hierárquica e selecionar a função “Criar uma seleção”,

O Gerenciamento de Seleções é exibida em primeiro plano:

Lista de equipamentos selecionados… Nova seleção… Lista de pontos de medição…
Lista de equipamentos
selecionados…
Nova seleção…
Lista de pontos de
medição…
Nova seleção… Lista de pontos de medição… A seleção mais recente criada é sempre exibida no
Nova seleção… Lista de pontos de medição… A seleção mais recente criada é sempre exibida no
Nova seleção… Lista de pontos de medição… A seleção mais recente criada é sempre exibida no
Nova seleção… Lista de pontos de medição… A seleção mais recente criada é sempre exibida no
Nova seleção… Lista de pontos de medição… A seleção mais recente criada é sempre exibida no

A seleção mais recente criada é sempre exibida no topo da lista. Um nome padrão é associado à seleção. Ele pode ser alterado através do duplo clique na seleção para editar as Propriedades da Seleção:

Uma vez que a seleção foi devidamente renomeada, a modificação pode ser validada e o

Uma vez que a seleção foi devidamente renomeada, a modificação pode ser validada e o gerenciador de seleções fechado para acessar o gerenciador de coletas.

Para acessar o gerenciador de coletas, use o menu principal (Aquisição / Coleta offline) ou a barra de ferramentas lateral do OneproD XPR-300:

ou a barra de ferramentas lateral do One proD XPR-300 : ou O gerenciador de coletas

ou

a barra de ferramentas lateral do One proD XPR-300 : ou O gerenciador de coletas é
O gerenciador de coletas é o único caminho do OneproD XPR-300 para comunicar com os
O gerenciador de coletas é o único caminho do OneproD XPR-300 para comunicar com os coletores de
dados.
Lista de rotas que podem ser
atualizadas no coletor.
Lista de coletores
declarados no XPR.
Use o menu
contextual para
modificar a lista.
Elementos associados ao coletor e
notas descarregadas para todas as
medições da rota.
Lista de rotas que podem ser descarregadas
do coletor para o XPR.

Este gerenciador de coletas é usado para:

Declarar os coletores de dados usados (OneproD MVP (Movipack), Movilog2, etc.) incluindo seus números de série e constantes de operação.

Selecionar a porta de comunicação entre o coletor de dados e o computador no qual o OneproD XPR-300 opera. Nota: se o OneproD MVP (Movipack) estiver conectado através da porta USB, esta será detectada automaticamente.

Carregar e descarregar as rotas definidas no OneproD XPR-300.

1.8.3.

Passo #2: Carregando as medições no coletor

Para carregar a Rota_A no coletor OneproD MVP (Movipack), deve-se:

Declarar o coletor (na primeira vez) inserindo o seu número de série. Para o OneproD MVP, o número de série é verificado a cada transferência.

Selecionar o coletor de dados.

Selecionar a “Route_A” na lista de rotas a carregar.

Selecionar a porta de comunicação: COM1, por exemplo.

Conectar o coletor de dados na porta especificada e colocá-lo no modo de transferência.

Clique no botão “carregar”.

Mensagem associada com o estado do carregamento das rotas selecionadas.

Botão para Carregar
Botão para
Carregar
carregamento das rotas selecionadas. Botão para Carregar Uma vez que a rota é carregada no coletor,

Uma vez que a rota é carregada no coletor, ela é exibida na lista de rotas a descarregar:

Notas:

O número de série do OneproD MVP é verificado a cada descarregamento.

Várias rotas podem ser carregadas ao mesmo tempo bastando selecioná-las na lista de “Rotas a carregar”.

Cada rota tem o seu status de carregamento:

Sucesso ao carregar – VERDE – sem mensagem

Carregado com aviso – AMARELO – com mensagem

Carregado com erro – VERMELHO – com mensagem

1.8.4. Passo #3: Realizado as medições com o coletor

Uma vez carragada no coletor de dados, a rota deve ser selecionada e seguida pelo técnico a cada ponto de medição no equipamento sob monitoramento. (Veja o manual do usuário do coletor de dados)

1.8.5. Passo #4: Transferindo as medições do coletor para o OneproD XPR-300

A coleta da “Rota_A” está completada. Os dados medidos devem ser descarregados para o OneproD XPR-300. Para tal:

Selecione o coletor. As rotas carregadas no instrumento são listadas.

Adicione as seguintes informações se necessário:

Identificação do sensor e do conector. Esta informação é então associada ao coletor selecionado, não sendo necessário, no futuro, entrar com elas novamente.

Notas

Juntamento com o nome do técnico e com o número de série do coletor, as informações de rastreabilidade serão associadas a todos os dados medidos. Elas estarão disponíveis na janela “Informação da medição” bem como nos relatórios. Elas serão complementadas pelas notas de inspeção informadas no coletor durante a medição em campo.

Selecione “Route_A” na lista de rotas a descarregar,

Selecione a porta de comunicação: COM1, por exemplo,

Conecte o coletor de dados na porta especificada e coloque-o em modo de transferência,

Clique no botão “Descarregar”.

de transferência, • Clique no botão “Descarregar”. Notas: • Cada rota descarregada apresenta um status de

Notas:

Cada rota descarregada apresenta um status de descarregamento:

Sucesso ao descarregar – VERDE – sem mensagem

Descarregado com aviso – AMARELO – com mensagem

Descarregado com erro – VERMELHO – com mensagem

Várias rotas podem ser descarregadas em seqüência apenas selecionando-as na lista de “rotas a descarregar”.

Ao descarregar uma rota, um novo controle é adcionado a cada equipamento da rota. Este controle irá gerar os seguintes elementos no banco de dados do OneproD XPR-300:

Uma data de coleta por equipamento e técnica de monitoramento. Esta data de coleta corresponde à data do primeiro elemento medido na máquina.

Os resultados da medição para os sinais e parâmetros hard

O cálculo dos resultados para os sinais e parâmetros soft

O status do alarme para os parâmetros, pontos de medição e equipamento relativos à última medição.

Se, ao descarregar uma rota, algumas das medições não puderem ser associadas ao ponto de origem, elas serão armazenadas como “Fora de Rota”. Isto pode ocorrer se o elemento associado tiver sido excluído do banco de dados.

Importante: se houver um atraso entre a data/hora da medição no coletor e a data/hora da medição no OneproD XPR-300, os valores dos seguintes parâmetros devem ser alterados no eDiag:

o No menu “Editar / Preferências”, preferência “Server application”:

o

Para o OneproD MVX: global_decalage_horaire_mvpk

o

Para o Movilog: global_decalage_horaire_mvl2

1.9.

Consultando os resultados da coleta

1.9.1. Princípio

Os resultados podem ser consultados em dois locais diferentes:

Na “Estrutura hierárquica” onde o estado do alarme mais recente é exibido para cada equipamento,

No “Módulo de monitoramento” onde todos os resultados são disponibilizados na forma de matriz.

1.9.2. Estrutura hierárquica

Princípio

A “Estrutura hierárquica” pode ser usada para navegar rapidamente dentro do parque de máquinas e avaliar o último status de alarme para cada máquina sob monitoramento a qualquer tempo.

Estes status são representados por um ícone:

tempo. Estes status são repr esentados por um ícone: e codificados da seguinte forma: P E

e codificados da seguinte forma:

PERIGO

ALARME

PRÉ-ALARME

OK

Ao menos um parâmetro está CRÍTICO Ao menos um parâmetro está em ALARME Ao menos um parâmetro está em PRÉ-ALARME Todos os parâmetros estão OK

Ao menos um parâmetro está em ALARME Ao menos um parâmetro está em PRÉ-ALARME Todos os
Ao menos um parâmetro está em ALARME Ao menos um parâmetro está em PRÉ-ALARME Todos os
Ao menos um parâmetro está em ALARME Ao menos um parâmetro está em PRÉ-ALARME Todos os

Ñ MONITORADO

Nenhum parâmetro foi medido ou calculado

Estes status de alarme correspondem ao estado gerado pela medição mais recente realizada no equipamento. Estes status são obtidos pela combinação dos status dos pontos de medição e dos parâmetros:

Importante: o status do parâmetro não é levado até o nível do equipamento se a opção “Monitorado” não estiver selecionada: veja § 1.4.6.

Os status de alarme de cada local são codificados como:

PERIGO

Ao menos um equipamento está CRÍTICO

ALARME

Ao menos um equipamento está em ALARME

PRÉ-ALARME

Ao menos um equipamento está em PRÉ-ALARME

OK

Todos os equipamentos estão OK

Ñ MONITORADO

Nenhum equipamento foi medido ou calculado.

Opções de filtros

Para encontar com maior facilidade um conjunto de máquinas, pode-se exibir na estrutura hierárquica somente aquelas máquinas que seguem o critério definido no módulo de filtro. Para exibir as janelas que exibem o filtro atual, selecione a opção “Filtro”

que exibem o filtro atual, selecione a opção “Filtro” na barra de ferramentas. As seguintes operações

na barra de ferramentas. As seguintes operações de filtro são disponíveis:

o

Aba “Status”:

o

Filtrar no nível de alarme, por exemplo, exibir somente as máquinas com o estado de ALARME ou PERIGO.

o

Se a opção “Filtro TSP/TSS” for selecionada, o filtro será aplicado na lista das datas de medição do modo “Operação”.

o

Filtrar no conselho para, por exemplo, encontrar rapidamente equipamentos “sem conselho” que não foram validados ainda pelo analista.

o

Aba “Datas”

o

Filtrar na data da última medição para exibir somente as máquinas com as medições mais recentes.

o

Filtrar na data da próxima medição. Pode-se usar esta opção para construir rotas próprias ou coletas dos equipamentos que foram omitidos. A data da próxima medição é calculada em função das

 

periodicidades definidas nas propriedades das máquinas.

 

o

Filtrar uma ou mais seleções para exibir somente as rotas que já foram descarregadas.

o

Aba “Seleções”:

o O filtro será aplicado em uma ou mais seleções como, por

foram

exemplo,

descarregadas.

para

mostrar

somente

as

rotas

que

descarregadas. para mostrar somente as rotas que já na janela de filtros é usado para resetar

na janela de filtros é usado para resetar todas

que já na janela de filtros é usado para resetar todas Os filtros somente são aplicados
que já na janela de filtros é usado para resetar todas Os filtros somente são aplicados
que já na janela de filtros é usado para resetar todas Os filtros somente são aplicados

Os filtros somente são aplicados se a opção “Filtros ativos” estiver

selecionada. O botão

as opções de filtros. Os nomes dos equipamentos e dos locais são exibidos em azul quando os filtros estiverem ativos. Nota: as configurações dos filtros não são salvas para cada usuário no seu próximo logim.

estiverem ativos. Nota : as configurações dos filtros não são salvas para cada usuário no seu

1.9.3.

Modo « Supervisão »

Princípio

O modo de supervisão é selecionado na barra de ferramentas:

modo de supervisão é selecionado na barra de ferramentas: Este modo é usado para exibir um

Este modo é usado para exibir um diagrama para cada elemento da árvore de equipamentos. Este diagrama é feito com uma imagem de fundo (selecionada nas propriedades dos locais) com todos os sub-elementos sobrepostos.

Equipamento com status de alarme Sub-local Imagem de fundo selecionada nas propriedades do local
Equipamento com
status de alarme
Sub-local
Imagem de fundo
selecionada nas
propriedades do local

Todos os sub-elementos são inicialmente posicionados no canto superior esquerdo da tela. Eles podem ser livremente movidos arrastando com o mouse. Esta operação somente é possível se o perfil do usuário tiver o privilégio para tal.

No nível de local, há:

o

Um sub-local;

o

Ou um equipamento.

O número máximo de sub-elementos é 32.

Clique em um local para exibir o próximo nível, até chegar ao equipamento.

O nível do equipamento apresenta os seguintes elementos:

Ponto selecionado Ponto com o status de alarme Tendência do parâmetro selecionado
Ponto selecionado
Ponto com o
status de
alarme
Tendência do parâmetro
selecionado

Imagem de fundo selecionada nas propriedades do equipamento

Parâmetros do ponto selecionado

Um diagrama do equipamento pode incluir até 32 pontos e 12 parâmetros por ponto.

Dois modos de exibição são disponibilizados:

Lista de medições: os valores dos parâmetros correspondentes à última medição armazenada no banco de dados (data de medição no topo da lista no modo de explorer). A curva de tendência é aquela cujos valores estão armazenados no banco de dados.

On-line (somente para medições online): exibe os valores que são medidos pelo sistema online. A curva de tendência é preenchida e atualizada na frequência definida no modo de operação. Atenção: os valores exibidos não são armazenados no banco de dados.

No modo de supervião, as mudanças de status são indicadas com o indicador de alarme piscando. Este permanence piscando até que o alarme seja reconhecido pelo operador. O reconhecimento é disponibilizado diretamente na tela de supervisão com o menu contextual do equipamento, pontos ou parâmetros. O reconhecimento realizado para um equipamento ou para um ponto será válido para todos os sub-elementos. O reconhecimento é registrado no painel de eventos.

O reconhecimento é registrado no painel de eventos. 1.9.4. Módulo de “Operação” Princípio O modo de

1.9.4. Módulo de “Operação”

Princípio

O modo de “Operação” do OneproD XPR-300 permite acessar todos os dados armazenados em uma

máquina:

Descrição da coleta: velocidade de rotação, rastreabilidade, métodos de medição, etc.

Consulta ao valor do alarme para todos os parâmetros monitorados.

Consulta a todos os sinais aquisitados ou processados.

Consulta ao conselho expert

Para simplificar o manuseio destas telas, o OneproD XPR-300 classifica a informação de acordo com dois critérios:

Tipo de monitoramento: vibração, óleo, processo.

Tipo físico da informação: parâmetro, sinal ou imagem.

Isto gera uma interface ao usuário multi-telas, apresentando o equipamento classificado por coleta, por técnica e por tipo.

Para exibir esta interface, ative a opção “Operação”:

exibir esta interfac e, ative a opção “Operação”: A interface de visualização dos dados é então

A interface de visualização dos dados é então exibida para o equipamento selecionado ao invés da interface de configuração.

Modo “Lista de medições” da TSP/TSS

Um primeiro modo de visualização, a « Lista de medições », é disponível para medições online e offline e dá acesso ao histórico de todas as medições armazenadas no banco de dados:

Categoria da informação exibida Seleção de categorias Lista de dadas de coleta Parâmetros de operação
Categoria da informação exibida
Seleção de categorias
Lista de dadas de
coleta
Parâmetros
de operação
Área de
exibição
Ferramentas de análise de
dados
Área de exibição Ferramentas de análise de dados Acesso às Informações da medição * Exibição de

Acesso às Informações da medição

* Exibição de informações adicionais relativas às datas de medição. Para um retorno rápido da informação, uma lista de seleção é disponível para as datas de medição, que permitem exibir três tipos de informações:

Condição de Operação: código de cor e rótulo da condição de operação (veja o exemplo abaixo). Veja o § Erro! Fonte de referência não encontrada.

Conselho: código de cor para os conselhos experts advice definidos na aba “Conselho” na janela “Informações da medição”: veja o § 5.13

Preenchimento: dá um indicação de como a TSP/TSS está preenchida:

: completamente preenchida: parcialmente preenchida : vazia

: parcialmente preenchida: completamente preenchida : vazia

: vazia: completamente preenchida : parcialmente preenchida

Modo TSP "On-line"

Para cada máquina sob monitoramento online, os níveis atualizados podem ser exibidos:

online, os níveis atualizados podem ser exibidos: Os valores são atualizados automaticamente com a

Os valores são atualizados automaticamente com a periodicidade selecionada. Atenção: os valores exibidos não são armazenados no banco de dados. O botão « Adicionar medição » é usado para iniciar uma aquisição a qualquer momento. Depois de completada, ela pode ser consultada no modo de « Monitoramento ».

Três tipos de janela TSP/TSS são disponíveis para ajustar ao seu monitor e requerimentos de aplicação.

A seleção é feita no menu “Editar / Gerenciamento de Preferências”, seção “para o usuário selecionado”,

variável “global_screen_1024_1280_1600”.

Os valores possíveis são:

1024: 9 colunas, 15 linhas TSP e 6 linhas TSS

1280: 14 colunas, 22 linhas TSP e 16 linhasTSS

1600: 22 colunas, 30 linhas TSP e 19 linhas TSS

É necessário reconectar novamente (menu “Banco de dados / Conexão”) para que a nova configuração

seja aplicada.

Tela “Vibração e Processo”

Esta tela exibe o histórico dos parâmetros de vibração e/ou processo para o equipamento selecionado, bem como o status de alarme correspondente.

Esta visualização na forma de matriz é chamada de “Tela de Status de Parâmetros e sinais” ou “TSP ou TSS”. Ela apresenta o valor e o estado de alarme associado a todos os parâmetros do equipamento obtidos durante uma coleta.

os parâmetros do equipamento obtidos durante uma coleta. Lista de coletas de Vibração e Processo. Lista

Lista de coletas de Vibração e Processo.

uma coleta. Lista de coletas de Vibração e Processo. Lista de parâmetros Lendo a matriz Lista

Lista de parâmetros

Lendo a matriz

Lista de

pontos de

medição.

O parâmetro “Balourd” (“desbalanceamento”) calculado no ponto de medição “RADIAL COA” apresenta o valor de 2.56 mm/s e um status de alarme “OK” para a medição de 17/01/2003 às

16h18.42s.

O mesmo parâmetro “Balourd” calculado no ponto de medição “RADIAL CA” apresenta o valor de 32.6 mm/s e o status de alarme “PERIGO” para a medição de 17/01/2003 às 16h18.42s.

Esta visualização é muito usual para consultar os valores e estados dos alarmes dos parâmetros sob monitoramento assim como seguir o seu histórico no tempo através das coletas sucessivas:

o seu histórico no tempo através das coletas sucessivas: Tempo Opções no topo da TSP podem

Tempo

histórico no tempo através das coletas sucessivas: Tempo Opções no topo da TSP podem ser usadas

Opções no topo da TSP podem ser usadas para ocultar alguns tipos de parâmetros:

através das coletas sucessivas: Tempo Opções no topo da TSP podem ser usadas para ocultar alguns

Nota:

É possível mover linhas e colunas com a função do menu contextual “Pegar” e “Mover”:

a f unção do menu contextual “Pegar” e “Mover”: Esta operação é válida somente para a
a f unção do menu contextual “Pegar” e “Mover”: Esta operação é válida somente para a
a f unção do menu contextual “Pegar” e “Mover”: Esta operação é válida somente para a

Esta operação é válida somente para a TSP/TSS e não modifica os elementos da rota e na lista de inicialização de ordens.

No nosso exemplo para a rota descarregada “Route_A”, esta visualização exibe os valores obtidos para todos os parâmetros no equipamento “M.P104” e “P.P101” durante a coleta mais recente realizada com

o coletor:

durante a coleta mais recente realizada com o coletor: Descarregar o coletor gerou uma nova medição
durante a coleta mais recente realizada com o coletor: Descarregar o coletor gerou uma nova medição

Descarregar o coletor gerou uma nova medição com data de 17/01/2003 às 16:18:42. Os valores medidos ou calculados para todos os parâmetros de monitoramento são associados com esta data, assim como os status de alarme.

Pode-se observar que o status de alarme de “P.P101” mudou para ALARME desde que ao menos um dos parâmetros está em ALARME.

Para visualizar a curva de tendência, dê um clique duplo na célula correspondente.

um dos parâmetros está em ALARME. Para visualizar a curva de tendência, dê um clique duplo

Visualização dos “Sinais“

Em adição à exibição da TSP, a Tela de Status de Sinais, TSS, é usada para consultar os sinais os quais os parâmetros foram calculados.

os sinais os quais os parâmetros foram calculados. Desde que os sinais não são associados a

Desde que os sinais não são associados a nenhum status de alarme, suas céclulas não são codificadas por cores.

Cada célula representa um símbolo com o tipo do sinal exibido.

Para editar o sinal, dê um clique duplo na célula correspondente:

o sinal, dê um clique duplo na célula correspondente: O One proD XPR-300 plota tendências e

O OneproD XPR-300 plota tendências e sinais via o aplicativo vibGraph™ . Para mais detalhes, veja o manual do usuário do vib-Graph.

1.9.5.

Interface do vib-Graph™

Uma vez que todos os dados foram armazenados no banco de dados, pode-se ver no OneproD XPR- 300 o primeiro nível de diagnóstico dado pelos valores globais dos parâmetros. Um diagnóstico mais completo é dado pela análise de tendências e sinais. Para tal, o OneproD XPR-300 utiliza o vibGraph™, uma poderosa ferramenta de análise gráfica. (Para mais detalhes, veja o manual do usuário do vib-Graph) Diretamente da matriz de visualização da TSP e TSS, o OneproD XPR-300 permite verificar os sinais correspondentes através do duplo clique sobre a célula desejada. Dependendo do ponto na matriz, tanto uma tendência quanto um sinal podem ser plotados.

As ações de plotagem são relativas à célula selecionada. A célula selecionada é marcada com uma linha sublinhada e em negrito:

é marcada com uma linha sublinhada e em negrito: célula selecionada célula não selecionada Seleções

célula selecionada

com uma linha sublinhada e em negrito: célula selecionada célula não selecionada Seleções múltiplas podem ser

célula não selecionada

Seleções múltiplas podem ser feitas usando a combinação CTRL+clique em várias células. Este é um método para sobrepor vários sinais ou curvas de tendência dentro da mesma janela.

Todas as funções gráficas são disponíveis a partir do:

Menu contextual sobre cada célula

A ferramenta gráfica associada com a matriz

célula • A ferramenta gráfica associada com a matriz Plota cada elemento selecionado em uma janela

Plota cada elemento selecionado em uma janela diferente.

Sobrepõem todos os elementos selecionados na mesma janela.

Adiciona (por sobreposição) todos os elementos selecionados aos elementos já plotados na última janela ativa do vib-Graph.

Realiza a exibição 3D para um espectro no domínio do tempo (espectro somente).

A opção “Concatenação” é usada para plotar sistematicamente espectros com diferentes ranges na

mesma curva.

A opção « Tendência na condição » é usada para plotar tendências baseadas em medições realizadas

nas mesmas condições daquelas da data selecionada.

A

opção “Barras” seleciona a possibilidades de exibir os picos e bandas do ponto selecionado ou de todo

o

equipamento.

1.10.

Como ajustar a freqüência de rotação?

Para realizar o diagnóstico, pode ser necessário modificar a freqüência de rotação associada às medições.

a freqüência de rotação associada às medições. A aba “Constantes” da janela “Informações da

A aba “Constantes” da janela “Informações da medição” ( freqüência de rotação da coleta selecionada. A modificação pode ser:

)dá acesso à

global para todos os pontos do equipamento: insira o valor no campo F0 (

todos os pontos do equipamento: insira o valor no campo F0 ( para modificar todos os

para modificar todos os pontos e valide (

).
).
no campo F0 ( para modificar todos os pontos e valide ( ). • Particular para

Particular para cada ponto: insira o valor diretamente na coluna F0 e valide

.
.

),clique em

o valor diretamente na coluna F0 e valide . ),clique em Notas: • Esta operação não

Notas:

Esta operação não modifica a freqüência de rotação nas propriedades do equipamento.

Todos os parâmetros são automaticamente reprocessados depois que o novo valor for validado.

O menu contextual da lista de coletas tem a função de modificar globalmente a freqüência de rotação para várias datas de coleta.

da lista de coletas tem a função de modificar globalmente a freqüência de rotação para várias

1.11.

Como inserir e consultar recomendações e conselhos?

Após realizar as medicões, o OneproD XPR-300 permite o gerenciamento real das operações de manutenção das cronologias do equipamento sob monitoramento com informações do tipo:

Diagnóstico

Recomendações

Conselhos

Informações de rastreabilidade

Ações realizadas

Gráficos que podem ser anexados ao relatório.

Estes dados podem ser facilmente inseridos pelo técnico a qualquer momento usando uma interface simples: selecionar a máquina e clicar em “Informações da medição”:

a máquina e clicar em “Informações da medição”: Todas as informações são arquivadas cronologica mente no

Todas as informações são arquivadas cronologicamente no banco de dados e fornecem o histórico de cada máquina.

no banco de dados e fornecem o histórico de cada máquina. Todos os dados podem ser

Todos os dados podem ser exibidos também nos relatórios.

1.12.

Como inserir telas do vib-Graph no apêndice dos relatórios?

inserir telas do vib-Graph no apêndice dos relatórios? O botão na aba “Apêndice” é usado para

O botão na aba “Apêndice” é usado para anexar na data da medição uma cópia da janela do vibGraph (espectro, sinal no tempo e tendência). Estas curves são editadas com o comentário correspondente no relatório expert.

com o comentário correspondente no relatório expert. 1.13. Editando um relatório A ferramenta de edição de

1.13. Editando um relatório

A ferramenta de edição de relatório permite criar documentos em PDF (Acrobat Reader) ou RTF (Word compatible Rich Text Format) fornecendo informações sobre o estado operacional do equipamento assim como os modos de monitoramento de cada parte do equipamento.

Um relatório é originado a partir da seleção feita na estrutura hierárquica e uma lista de opções definidas pelo usuário.

e uma lista de opções definidas pelo usuário. Fig. 1: Acesso ao módulo de Relatórios Fig.

Fig. 1: Acesso ao módulo de Relatórios

de opções definidas pelo usuário. Fig. 1: Acesso ao módulo de Relatórios Fig. 2: Interface: Tipos

Fig. 2: Interface: Tipos de relatórios

Fig.3 Inteface: Opções Fig.4 Interface: Layout da página As figuras 1 a 4 mostram como
Fig.3 Inteface: Opções Fig.4 Interface: Layout da página As figuras 1 a 4 mostram como

Fig.3 Inteface: Opções

Fig.4 Interface: Layout da página

As figuras 1 a 4 mostram como acessar o módulo de edição de relatório e suas principais interfaces, respectivamente.

Vários grupos de opções são disponíveis para que o técnico possa personalizar a publicação do relatório

e salvar estas seleções como um perfil de relatório.

Opções de edição

como um perfil de relatório . Opções de edição As opções de edição são usadas para

As opções de edição são usadas para selecionar quais tipos de informações estarão presentes no relatório, por exemplo, uma rota, uma data de coleta específica.

A opção “Somente equipamento com Conselho” é usada para excluir todas as máquinas que não foram

validadas ainda pelo técnico.

Os equipamentos selecionados para o relatório são aqueles selecionados na estrutura hierárquica e a data de coleta padrão é a mais recente realizada no equipamento. Outras opções são disponíveis para selecionar o tipo de alarme e o tipo de parâmetro a editar. As informações de rastreabilidade e das notas de inspeção podem ser editadas (ou não) no relatório.

Opções de lauout da página

Opções de lauout da página As opções de layout da página são usadas para persona lizar

As opções de layout da página são usadas para personalizar a apresentação do relatório, isto é, o cabeçalho, o título do relatório, o logotipo, etc.

Cabeçalho… Esta página é a primeira página do relatório e é usada para identificar o documento.

Rodapé… Esta opção é usada para inserir o texto que será impresso sistematicamente na parte inferior de cada página.

Tipos de relatórios

A Central de Relatórios inclui 7 tipos diferentes de relatórios que podem ser editados separadamente.

es de relatórios que podem ser editados separadamente. Cada opção corresponde a um tipo específico de

Cada opção corresponde a um tipo específico de informação. Os detalhes de cada tipo são apresentados no Apêndice 7 (veja §9). Ativar todas estas opções irá gerar o relatório mais abrangente.

Opções de geração

As opções de geração são usadas para selecionar o formato de saída do relatório (PDF, RTF ou HTML), assim como salvar estas opções para futuros relatórios.

Aqui, todas as opções dos campos são sa lvas no perfil “Type1” e podem ser

Aqui, todas as opções dos campos são salvas no perfil “Type1” e podem ser carregadas automaticamente ao editar um futuro relatório:

carregadas automaticamente ao editar um futuro relatório: Fig. Exemplo de perfil que pode ser carregado Use

Fig. Exemplo de perfil que pode ser carregado

Use o botão

Fig. Exemplo de perfil que pode ser carregado Use o botão para excluir o perfil exibido.

para excluir o perfil exibido.

Quando o relatório tratar apenas de uma máquina, a opção “Arquivar” pode ser ativada. O relatório gerado é salvo no banco de dados. Ele é então acessado em “Arquivos” no modo de “Monitoramanto”.

O relatório gerado é salvo no banco de dados. Ele é então acessado em “Arquivos” no

Gerando e consultando o relatório…

Este depende da riqueza do seu escopo (número de máquinas, opções de exibição).

seu escopo (núm ero de máquinas, opções de exibição). Durante a fase de preparação, a seguinte

Durante a fase de preparação, a seguinte janela é exibida:

a fase de preparação, a seguinte janela é exibida: Uma vez que o relatório é gerado,

Uma vez que o relatório é gerado, ele é exibido através da janela do Internet Explorer usando o plug-in apropriado (Acrobat Reader ou Word).

usando o plug-in apropriado (Acrobat Reader ou Word). O relatório pode ser então salvo, impresso, etc.

O relatório pode ser então salvo, impresso, etc.

1.14. Como exportar dados no formato Excel

Para outros tipos de apresentações ou para realizar outros processamentos dos dados, os parâmetros da TSP podem ser exportados no formato *.csv. Esta operação é disponível a partir do menu contextual na estrutura hierárquica:

a partir do menu contextual na estrutura hierárquica: Basta então selecionar o arquivo de destino e

Basta então selecionar o arquivo de destino e as opções de exportação:

o arquivo de destino e as opções de exportação: Um exemplo de dados exportados é mostrado

Um exemplo de dados exportados é mostrado no Apêndice (veja § Erro! Fonte de referência não encontrada.).

6.2.

GERENCIAMENTO DE MEDIÇÕES FORA DE ROTA

2.1. Introdução

Os coletores de dados Movilog2 e OneproD MVP (Movipack) (versão V4.1 e superior) podem gerenciar uma rota específica permitindo criar ou mudar os pontos de medição diretamente no coletor. Esta rota é chamada de “Ponto adicional” ou “Fora de rota”.

6.2.2.2.Descarregando os pontos de medição adicionais

O OneproD XPR-300 permite descarregar as medições fora de rota feitas nos coletores de dados. Para

tal, vá para a janela “Coleta de dados Offline” (clicando em

inicie o descarregamento das medições (

).
).
(clicando em inicie o descarregamento das medições ( ). ), selecione a opção “Fora de rota”,

), selecione a opção “Fora de rota”, e

medições ( ). ), selecione a opção “Fora de rota”, e Notas o Se, ao descarregar

Notas

o

Se, ao descarregar uma rota, algumas das medições não poderem ser adicionadas à estrutura hierárquica, estas medições serão armazenadas como uma rota adicional. Isto pode ocorrer se algum elemento for removido do banco de dados após o coletor ter sido carregado.

o

As rotas padão descarregadas são “PTS_SUPP” e “OFFROUTE” para o Movilog2 e para o OneproD MVP, respectivamente.

2.3. Acessando as informações adicionais

A função “Aquisição / Medições Fora de Rota” abre a janela listando todas as medições adicionais.

Níveis globais

Sinais

Sinais Elementos selecionados

Elementos

selecionados

todas as medições adicionais. Níveis globais Sinais Elementos selecionados Classificação Menu contextual

Classificação

Menu

contextual

As medicões de nível global são listadas na seção superior e os sinais na seção inferior da janela. Cada coluna tem um botão que permite classificar em ordem crescente ou decrescente. O menu contextual dá acesso às seguintes funções:

o

Exibição direta por sobreposição dos sinais selecionados em uma janela. A sobreposição somente é possível se os elementos selecionados forem do mesmo tipo.

o

Exclusão dos elementos selecionados.

o

Cópia dos elementos selecionados para a área de transferência.

2.4. Associando as medições no banco de dados

Uma ou mais medições adicionais podem ser associadas na estrutura hierárquica. Estas medições

precisam ser primeiramente copiadas para a área de transferência (veja a seção anterior). Elas serão então coladas na TSP (medições de nível global) ou para a TSS (medições de sinais). Dois casos podem ocorrer:

o Adição de novos elementos a um ponto: use o menu contextual disponível a partir do nome do ponto de destino:

disponível a partir do nome do ponto de destino: Resultando para três sinais colados: Nota :

Resultando para três sinais colados:

do ponto de destino: Resultando para três sinais colados: Nota : Os elementos criados são acessados

Nota: Os elementos criados são acessados através do modo “Monitoramento”. Estes elementos não têm outra característica além do seu nome. Eles não podem ser carregados no coletor de dados e são identificados pelo marcador “sublinhado”.

do seu nome. Eles não podem ser carregados no coletor de dados e são identificados pelo
do seu nome. Eles não podem ser carregados no coletor de dados e são identificados pelo

o Adição a uma medição existente:

Esta operação é possível somente se:

o

Somente um elemento for copiado para a área de transferência

o

A medição de destino na TSP ou TSS não tever sido realizada ainda (marcada com ?). Se necessário, use o menu contextual para remover a medição atual para colar a nova medição.

Use o menu contextual para colar o sinal:

para remover a medição atual para colar a nova medição. Use o menu contextual para colar

Depois de colado:

para remover a medição atual para colar a nova medição. Use o menu contextual para colar

3.

OPERAÇÕES ESPECÍFICAS

3.1. Gerenciamento de usuários

Veja o manual “Administração”

3.2. Preferências do Usuário

O XPR salva o conteúdo e a última seleção de cada usuário para a próxima vez que o programa for usado. Algumas opções são disponíveis somente através do menu “Editar / Gerenciamento de Preferências". As principais opções são:

Idioma do aplicativo (AMERICAN, FRENCH

):

Selecione o idioma para a interface com o usuário. Atenção: o nome deve ser digitado com letras maiúsculas.

Rótulo dos Parâmetros na TSP: Abrev., Nome, Designação (A/N/D):

Selecione A, N ou D dependendo de sua preferência. Esta seleção afeta o título das linhas nos modos de operação e supervisão, assim como no relatório. Dado o seu tamanho, o campo designação não sera ativado para o título da tendência no modo de supervisão.

Rótulo dos Sinais na TSS: Abrev., Nome, Designação (A/N/D):

Selecione A, N ou D dependendo de sua preferência. Esta seleção afeta o título das linhas nos modos de operação e supervisão, assim como no relatório.

Rótulo dos Pontos na TSP/TSS: Abrev., Nome, Designação (A/N/D):

Selecione A, N ou D dependendo de sua preferência. Esta seleção afeta a lista de parâmetros

no modo de supervisão. Dado o seu tamanho, o campo Designação é ativo somente no modo de

operação.

Rótulos nas árvores de Equipamentos/Instrumentos: Abrev., Nome, Designação (A/N/D):

Selecione A, N ou D dependendo de sua preferência. Esta seleção afeta o Explorer de Equipamentos e o Explorer de Instrumentos, assim como o modulo de relatório.

Rótulo nos Locais: Abrev., Nome, Designação (A/N/D):

Selecione A, N ou D dependendo de sua preferência. Esta seleção afeta o Explorer de Equipamentos, assim como o modulo de relatório.

Designação: rótulo personalizado

O termo padrão, “Designação”, pode ser substituido por outra terminilogia na interface do

usuário. Por exemplo, um número de identificação relativo ao seu sistema de gerenciamento.

Designação: unicidade (S/N) Selecione “S” de modo a controlar a unicidade do valor do campo quando um novo valor for definido. Atenção: a unicidade é controlada baseada na designação de todos os elementos do banco de dados: Parâmetros, Sinais, Pontos, Equipamentos, Locais, Canais e Instrumentos.

Operação: resolução do display (1024/1280/1600) The resolution can have the 3 following values:

o

1024: 9 colunas, 15 linhas na TSP e 6 linhas na TSS

o

1280: 14 colunas, 22 linhas na TSP e 16 linhas na TSS

o

1600: 22 colunas, 30 linhas na TSP e 19 linhas na TSS

Atenção: a alteração será válida na próxima conexão do usuário no banco de dados.

: a alteração será válida na próxima conexão do usuário no banco de dados. Operações específicas

Operações específicas Pág. 51/89

3.3.

Troca de dados entre bancos de dados

As funções “Exportar” e “Importar” podem ser usadas para transferir dados entre bancos de dados:

3.3.1. Exportar

Selecione os dados a serem exportados na estrutura hierárquica e execute a função “Exportar” no menu contextual:

e execute a função “Exportar” no menu contextual: Selecione o local e o nome do arquivo

Selecione o local e o nome do arquivo de destino.

Selecione o local e o nome do arquivo de destino. Há duas possibilidades: • Exportar para

Há duas possibilidades:

Exportar para a estação de trabalho. Esta opção é restrita a um volume limitado de dados.

Exportar para o servidor se o volume de dados for importante. O local dos arquivos de destino é selecionado no módulo “Preferências”.

A seleção é feita através do menu “Editar / Preferências”, seção “do cliente para o servidor”, variável “global_ediagsrv_export”.

Se for necessário exportar os equipamentos com medições, selecione “Histórico” e limite através das datas.

Lembre-se: as informações relativas aos instrumentos online não são exportadads.

3.3.2. Importar

Selecione o local na estrutura hierárquica onde deseja importar os dados e execute a função “Importar” através do menu contextual:

a função “Importar” através do menu contextual: Selecione o arquivo a importar: Depois desta operação, os

Selecione o arquivo a importar:

através do menu contextual: Selecione o arquivo a importar: Depois desta operação, os dados aparecem no

Depois desta operação, os dados aparecem no local selecionado:

do menu contextual: Selecione o arquivo a importar: Depois desta operação, os dados aparecem no local

3.4.

Arquivar / Ler arquivos

Uma função « “Arquivar” / excluir » é disponível para excluir os dados de uma parte dos equipamentos armazenados no banco de dados, salvando-os em um arquivo externo. Antes de arquivar, é possível proteger algumas medições das máquinas.

3.4.1. Proteção das datas de medição

Se for necessário manter algumas datas de medição específicas (datas de partida de máquina pós manutenção, exemplos de falhas, etc.), estas podem ser protegidas contra a exclusão:

etc.), estas podem ser protegidas contra a exclusão: • Selecione as datas a proteger • Ative

Selecione as datas a proteger

Ative a função “Proteger / Desproteger”

As datas estão agora protegidas.

Estas datas não serão excluidas pela função “arquivar” e uma tentative de exclusão manual fará aparecer uma mensagem de aviso confirmando a operação.

aparecer uma mensagem de aviso confirmando a operação. 3.4.2. Arquivar Na estrutura hierárquica, selecione as
aparecer uma mensagem de aviso confirmando a operação. 3.4.2. Arquivar Na estrutura hierárquica, selecione as

3.4.2. Arquivar

Na estrutura hierárquica, selecione as máquinas e selecione então “Arquivar” no menu contextual:

e selecione então “Arquivar” no menu contextual: Selecione o local e o nome do arquivo de

Selecione o local e o nome do arquivo de destino, assim como o período de tempo das datas a serem arquivadas.

como o período de tempo das datas a serem arquivadas. Clique em para iniciar o procedimento

Clique em

o período de tempo das datas a serem arquivadas. Clique em para iniciar o procedimento de

para iniciar o procedimento de arquivamento.

Todas as datas incluídas no período de tempo definido para todas as máquinas selecionadas serão excluídas do banco de dados, exceto aquelas que foram protegidas. Se necessário, o arquivo gerado pode ser usado para restaurar os dados. Atenção: Não será possível restaurar uma máquina, um ponto, um parâmetro ou um sinal que foi excluído do banco de dados pela operação « Ler arquivo ». Neste caso, deve-se primeiro restaurar o arquivo e exportar o equipamento antes de excluí-lo do banco de dados.

3.4.3.

Lendo arquivos

Exiba o menu contextual no Explorer de Equipamentos, selecione então “Ler arquivo”.

de E quipamentos, selecione então “Ler arquivo”. Selecione o arquivo contendo os dados a serem restaurados:

Selecione o arquivo contendo os dados a serem restaurados:

Selecione o arquivo contendo os dados a serem restaurados: Depois da restauração, os dados são armazenados

Depois da restauração, os dados são armazenados nas máquinas originais. O elemento selecionado na árvore da estrutura não afeta o destino dos dados.

ATENÇÃO:

Não será possível restaurar medicos associadas com uma máquina, ponto, parâmetro ou sinal que foi excluído do banco de dados depois da operação de arquivamento.

3.5.

Biblioteca de rolamentos

3.5.1. Princípio

O banco de dados de rolamentos incluído no OneproD XPR-300 pode ser usado para associar uma

referência de rolamento a um ponto específico no equipamento sob medição. Esta associação realizada através dos locais de monitoramento da máquina permite visualizar graficamente todas as freqüências características dos rolamentos selecionados para os diferentes espectros gerados nos pontos de medição.

O banco de dados de rolamentos inclui um módulo de gerenciamento no qual o analista pode manusear

o seu conteúdo (criação, modificação e exclusão de referências). Uma função importar/exportar também é disponível, permitindo a atualização das referências de diferentes bancos de dados (conceito de “mesclagem”).

3.5.2.

Definição das referências de rolamentos

Acesso:

Definição das referências de rolamentos Acesso: ou O módulo para o gerenciamento das referências é

ou

Definição das referências de rolamentos Acesso: ou O módulo para o gerenciamento das referências é exibido:

O módulo para o gerenciamento das referências é exibido:

O módulo para o gerenciamento das referências é exibido: Três listas são exibidas, representando a lista

Três listas são exibidas, representando a lista de fabricantes, a lista de tipos e a lista de referências, respectivamente. Na janela superior, o número total de registros contidos é exibido. Neste exemplo, o banco de dados inclui 35 fabricantes, 10 tipos de rolamentos e 30965 referências. A lista de referência exibida é relativa ao fabricante e ao tipo de rolamento selecionado. As freqüências características dadas para cada referência são as freqüências fundamentais de cada componente do rolamento.

3.5.3.

Importar e Exportar referências pessoais

Se algum rolamento não estiver incluído no banco de dados, este pode ser complementado com a nova

referência: estas referências são chamadas “referências pessoal (ou particular)”. Elas são representadas

pelo símbolo

(ou particular)”. Elas são representadas pelo símbolo . . As referências que não podem ser alteradas
.
.

. As referências que não podem ser alteradas são representadas por

Uma nova referência pode ser adicionada usando a função “Novo” no menu contextual. Entre com a referência do rolamento com as freqüências características correspondentes.

A função “Exportar” é usada para exportar todas as referências pessoais contidas no banco de dados. Estes dados também podem ser importados para outro sistema, usando a função “Importar”.

Nota: o banco de dados de rolamentos é comum para todos os bancos de dados locais do sistema.

3.6. Biblioteca de locais de monitoramento e associação com o equipamento

3.6.1. Princípio

Usando a biblioteca de locais de monitoramento, o usuário pode declarar as diferentes partes da

máquina, cada uma correspondendo a um campo de influência ou, por exemplo, um mancal. Esta implementação permite associar diferentes pontos de medição com um local de monitoramento e então, associar a este local, todas as referências de rolamentos que podem afetar este ponto de medição. Agora, o conceito de “local de monitoramento” é extritamente vinculado com o módulo de gerenciamento

de rolamentos.

Durante a exibição de um espetro pertencente a um ponto de medição, as referências de rolamentos para este local são exibidas automaticamente ao longo do sinal, permitindo uma rápida análise da

possibilidade de degradação do rolamento.

3.6.2. Definição dos locais de monitoramento

O módulo para o gerenciamento dos locais é acessado através do menu “Biblioteca / Locais de

Monitoramento”.

através do menu “Biblioteca / Locais de Monitoramento”. Isto irá abrir o módulo para o gerencia

Isto irá abrir o módulo para o gerenciamento dos locais de monitoramento:

Para criar um novo local de monitoramento, insi ra o nome e a abreviação nas

Para criar um novo local de monitoramento, insira o nome e a abreviação nas colunas correspondentes e valide.

3.6.3. Associando um local de monitoramento a um equipamento

Associar as referências de rolamentos em um equipamento requer que as referências de rolamentos sejam especificadas por locais de monitoramento. Os locais de monitoramento devem ser definidos e então as referências de rolamentos devem ser associadas a cada um destes locais. Para tal, edite as propriedades do equipamento e vá para a aba “Rolamentos”:

do equipamento e vá para a aba “Rolamentos”: Clique sobre o botão de seleção de local

Clique sobre o botão de seleção de local e selecione um local a partir da lista. A este local pode ser então associado uma referência de rolamento, usando o mesmo método: clique sobre o botão de seleção de referência e selecione:

A associação “equipamento – local de monitoramento – referências de rolamentos” está agora completada. Para

A associação “equipamento – local de monitoramento – referências de rolamentos” está agora completada. Para cada equipamento, você precisa especificar em cada ponto de medição o local de monitoramento. Para tal, edite as propriedades de cada ponto de medição e associe a eles o local de monitoramento apropriado:

e associe a eles o local de monitoramento apropriado: Agora todos os espectros irão ex ibir

Agora todos os espectros irão exibir as freqüências características dos rolamentos associados ao equipamento:

Agora todos os espectros irão ex ibir as freqüências características dos rolamentos associados ao equipamento:

3.7.

Notas pré-definidas

3.7.1. Acesso

A partir do menu Biblioteca / Notas pré-definidas.

3.7.2. Princípio

Este menu é usado para criar uma lista de notas pré-definidas. Esta lista será carregada no coletor com cada rota. Ao usar o coletor, o técnico pode associar a cada ponto de medição uma nota de inspeção criada tanto a partir da lista quanto através da entrada manual através do teclado. Depois de descarregar o instrumento, as notas de inspeção são armazenadas no banco de dados. Elas estarão disponíveis a partir da janela “Informações da medição” ou nos relatórios.

janela “Informa ções da medição” ou nos relatórios. As funções “Importar” e “Exportar” são usadas

As funções “Importar” e “Exportar” são usadas para salvar e restaurar esta informação.

3.8.

Licenças

3.8.1. Acesso

A partir do menu Ajuda/Licenças.

3.8.2. Princípio

Esta tela pode ser usada somente para visualização das várias permissões dadas pela chave de proteção e pelo número de licenças de cada usuário.

para visualiz ação das várias permissões dadas pela chave de proteção e pelo número de licenças

3.9.

Ferramenta de buscar e modificar

A ferramenta de buscar e modificar é usada para buscar parâmetros e sinais de acordo com alguns

critérios em ordem a modificar suas propriedades.

A busca é realizada na seleção corrente na estrutura hierárquica e relativa a uma lista de critérios

definidos.

hierárquica e relativa a uma lista de critérios definidos. Para realizar a busca em um grupo

Para realizar a busca em um grupo de máquinas, selecione-as e, com o botão direito do mouse, abra o menu contextual.

Selecione a opção Buscar e Modificar para acessar o módulo.

Propriedades que podem ser modificadas globalmente.
Propriedades que podem
ser modificadas
globalmente.

Janela principal do módulo:

Tipo de elemento procurado. Critérios de busca. Elementos encontrados
Tipo de elemento procurado.
Critérios de
busca.
Elementos
encontrados

Critérios de busca:

Tipo de elemento procurado para: “Parâmetros” ou “Sinais”

O usuário especifica se a busca é por parâmetros ou sinais, e define também um tipo específico de

processo. Por padrão, nenhum filtro é aplicado.

Filtro por nomes e datas de criação/modificação Filtrar por nomes permite extrair elementos com um
Filtro por nomes e datas de criação/modificação Filtrar por nomes permite extrair elementos com um

Filtro por nomes e datas de criação/modificação

Filtrar por nomes permite extrair elementos com um nome específico (ex. Aceleração) ou que apresentam um conjunto específico de caracteres no nome (ex. *GAP*). O caractere “*” é considerado um caractere curinga e representa um conjunto qualquer de caracteres.

curinga e representa um conjunto qualquer de caracteres. Exemplos : “ * ”: Todos os elementos

Exemplos:

“ * ”: Todos os elementos “*OL*”: Todos os elementos que contém os caracteres OL no nome” “*X”: Todos os elementos cujo nome termina com X

Atenção! O módulo de busca leva em consideração caracteres maiúsculos e minúsculos.

As datas de criação e/ou modificação mais recente podem também ser utilizadas como critérios de busca. Para cada um, tanto um atraso (ex. os últimos “n” dias, os últimos “n” meses), ou um range de tempo (ex. de 01/01/2004 a 01/02/2004) podem ser especificados.

Iniciando a busca…

Uma vez que os critérios foram definidos, a busca pode ser iniciada clicando no botão de busca

Visualizando os resultados da busca…

.
.

Depois que a busca é completada, os elementos que foram encontrados são classificados e exibidos em uma tabela.

No conjunto de elementos encontrados, pode-se modificar globalmente 3 tipos de informações: • Propriedades ,

No conjunto de elementos encontrados, pode-se modificar globalmente 3 tipos de informações:

Propriedades,

Argumentos de programação comum, Nota: argumentos dependentes não são acessados por esta função.

Alarmes

Lembre-se: os limites associados às condições de operação não são acessados por esta função.

As informações que podem ser reprogramadas são listadas na lista “Variável”.

Para cada parâmetro encontrado, a interface mostrada acima apresenta os valores dos argumentos selecionados na lista “Variável”. Se outro argumento for selecionado na lista, então os valores correspondentes são exibidos.

Reprogramando os elementos encontrados…

Selecione a informação a modificar de modo que o seu valor seja exibido. Entre então com o novo valor para cada parâmetro.

Uma vez que todos os valores foram inseridos, clique em “Confirmar” para salvar as alterações.

Ferramentas adicionais são disponíveis nos menus contextuais:

seleção automática de elementos idênticos

• seleção automática de elementos idênticos • modificação de todos os elementos selecionados com o

modificação de todos os elementos selecionados com o valor corrente

seleção automática de elementos idênticos • modificação de todos os elementos selecionados com o valor corrente

3.10.

Excluindo as medições

Algumas medições podem ser excluidas do histórico de coletas. Há dois modos de fazer esta operação:

o Excluindo uma ou mais datas de coleta de uma máquina: selecione as datas a
o
Excluindo uma ou mais datas de coleta de uma máquina: selecione as datas a serem excluídas
e use a função “Excluir” do menu contextual.
o
Excluindo os parâmetros na TSP ou os sinais na TSS: selecione os elementos a serem
excluidos e use a função “Excluir” do menu contextual.
na TSP ou os sinais na TSS: selecione os elementos a serem excluidos e use a

4.

APÊNDICE 1 – FORMATO DAS IMAGENS

O OneproD XPR-300 suporta vários tipos de formatos de imagens. A tabela abaixo indica o tipo de formato (bitmap ou vetorial) e mostra quais formatos podem ser usados para objetos gráficos ou imagem.

Formato

Texto e objetos gráficos

Imagem

Tipo

Compressão

BMP

Sim

Leitura

Monocromático, 4 e 8-bit LUT, 24-bit RGB

none

Escrita

JFIF

Sim

Leitura

24-bit RGB

JPEG

Escrita

PCX

Sim

Somente

Monocromático; 2, 4, e 8- bit LUT; 1, 2, e 8-bit RGB

RLE

leitura

PICT 1 & 2

Sim

Leitura

Monocromático; 2, 4, e 8- bit LUT; 16 e 24-bit RGB, Vetores/objetos gráficos

Packbits

Escrita

GIF

Sim

Leitura

8-bit LUT

LZW

Escrita

CALS

Sim

Leitura

Monocromático

CCITT G4 (FAX)

Escrita

PCD

Sim

Somente

Monocromático, 4 e 8-bit LUT, 24-bit RGB

(Kodak)

leitura

RAS

Sim

Leitura

Monocromático, 4 e 8-bit LUT, 24-bit RGB

RLW

Escrita

TIFF 4, 5, & 6

Sim

Leitura

Monocromático, 8-bit grey, 4 and 8-bit LUT, 24-bit RGB, Planar data, Tiled data, Intel byte order, Motorola byte order, Photometric interpretation, MSB/LSB

Packbits, CCITT G3 (FAX), CCITT G4 (FAX), LZW, LZW com diferença horizontal, JPEG

Escrita

5.

APÊNDICE 2 – PROCESSAMENTOS “HARD” / “SOFT”

Vibração

Hard

Aceleração, Velocidade de Vibração, Deslocamento Absoluto, Deslocamento Relativo, Fator de Defeito, Posição

Medição de níveis globais com os coletores de dados OneproD MVP (Movipack) ou Movilog2 e Online OneproD MVX

Extratificação de pico: a.F0+b±i.deltaF(MVX)

Cálculo da amplitude de um pico no espectro (somente OneproD MVX)

Banda larga padrão: Energia (MVX)

Cálculo do nível de energia de uma banda no espectro (somente OneproD MVX)

Kurtosis: detecção de choque (MVX)

Cálculo do Kurtosis (momento centrado de 4ª ordem) (somente OneproD MVX)

Smax (MVX)

Smax (valor máximo da órbita, necessita de 2 canais com proxímetros) (somente OneproD MVX)

Kurtosis Hard (MVP)

Cálculo do Kurtosis (momento centrado de 4ª ordem). O valor RMS pode ser medido ao mesmo tempo (somente OneproD MVX)

RMS Hard (Kurtosis MVP)

Outro

Hard

Processo

Hard

OPC

Com a opção XPR Cliente OPC

Calculado do espectro

Soft

Extratificação de pico: a.F0+b±i.deltaF

Cálculo da amplitude de um pico no espectro

Banda larga padrão: Energia

Cálculo do nível de energia de uma banda no espectro

Extratificação de pico do Envelope(dB):

Cálculo da amplitude de um pico no espectro de envelope

 

a.F0+b±i.deltaF

Banda larga de Envelope (dB): Energia

Cálculo do nível de energia de uma banda no espectro de Envelope

Extratificação de Vetor: a.F0+b

Cálculo da amplitude e fase de um pico em em espectro com fase (somente OneproD MVP)

Calculado do sinal no tempo

Soft

Análise estatística

Cálculo de informações estatísticas (min, max, médio…) em um sinal no tempo

Kurtosis: detecção de choques

Cálculo do Kurtosis (momento centrado de 4ª ordem) em um sinal no tempo.

Combinação

Soft

A+B+ …

Soma de N parâmetros no mesmo ponto

A-B

Subtração de 2 parâmetros no mesmo ponto

A/B

Razão entre 2 parâmetros no mesmo ponto

A*B*C…

Multiplicação de N parâmetros no mesmo ponto

SQRT(A2+B2+C2…)

Soma quadrática de N parâmetros no mesmo ponto

a*A+b

Fórmula de conversão aritmética para um parâmetro no ponto

A E B E C …

Combinação lógica dos estados de alarme de 2 parâmetros no mesmo ponto de medição

A OU B OU C …

Combinação lógica dos estados de alarme de 2 parâmetros no mesmo ponto de medição

XPR Entrada manual

Hard

Óleo

Hard

medição XPR Entrada manual Hard Óleo Hard Apêndice 2 – Processamentos “hard” / “soft”

Apêndice 2 – Processamentos “hard” / “soft” Pág. 68/89

6.

APÊNDICE 3 – ARGUMENTOS DOS PARÂMETROS

Legenda:

o

Mvpk Adv = OneproD MVP (Movipack) Advanced ou Premium

o

Mvpk Prm = OneproD MVP (Movipack) Premium

o

Mvpk Prm DAT = OneproD MVP (Movipack) Premium com opção DAT

o

Mvlg2 = Movilog2

o

1C, 2C = 1 canal, 2 canais

o

MVX = OneproD MVX

6.1. Espectro simples (Mvpk Adv, Prem, Mvlg2, MVX)

Argumentos

 

Valores

Parâmetros medidos

Aceleração

Deslocamento

 

Velocidade de

relativo

vibração

Nível sonoro

 

Deslocamento

Outros

absoluto

Unidade do resultado

G

Mils

m.s-2

micro m

 

mm.s-1

dBa

inch.s-1

Outros

Tipo de entrada

Acelerômetro

Ac-D

Ac-G

Teclado

 

Ac-V

Contínuo

Micro

Unidade da entrada

G

Mils

m.s-2

micro m

 

mm.s-1

Pa

inch.s-1

Outros

Filtro passa alta

Nenhum

 

2

Hz

10

Hz

3

kHz

Freqüência máxima

0.5 Hz

20

Hz

1

kHz

1 Hz

50

Hz

2

kHz

2 Hz

100