Você está na página 1de 8

Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia

10º ano Biologia e Geologia atividade prática de preparação para o teste 3

O continente ancestral Mauritia

Uma equipa internacional de cientistas pensa ter descoberto um continente ancestral sob a parte ocidental do Oceano Índico, revela um artigo recentemente publicado na revista Nature Geoscience. Liderados por Trond Torsvik (Universidade de Oslo, Noruega), os investigadores recolheram amostras de areia de duas zonas costeiras da ilha Maurícia em que detetaram a presença de 20 cristais de silicato de zircónio, um mine- ral comum em granitos, com mais de 660 milhões (um dos cristais revelou ter uma idade superior a 1,97 mil milhões de anos). Visto que a Maurícia é uma ilha (situada a 900 quilómetro a Este de Madagáscar) cujos basaltos mais antigos têm cerca de 8,9 milhões de anos, Trond Torsvik e os colegas sugerem que os cristais de zircónio provêm de um pequeno continente ancestral, que denominaram Maurítia, hoje situado sob o fundo do Oceano Índico. Esses cris- tais terão feito parte de granitos ou outras rochas ígneas que foram trazidas até à superfície por meio de erupções vulcânicas. O continente ancestral terá ficado submerso aquando da separação do subcontinente indiano da ilha de Madagás- car, na sequência da formação de um rifte. Os únicos fragmentos deste microcontinente que sobreviveram à submersão deram origem às ilhas Seychelles. Os investigadores defendem que podem existir vários fragmentos de crosta desse continente dispersos sob o Oceano Índico entre Madagáscar e a Índia, algo que é suportado pela existência de zonas mais espessas da crosta oceânica - com uma grossura de 25-30 quilómetros em vez dos vulgares 5-10 quilómetros - formando um arco para norte.

Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia 10º ano Biologia e Geologia – atividade prática

Limites de placas tectónicas e localização de Madagáscar e ilhas Maurícias

Adaptado de http://naturlink.sapo.pt/Noticias (consultado em 20 de novembro de 2013)

Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia 10º ano Biologia e Geologia – atividade prática

Madagáscar e ilhas Maurícias

Figura 1 Na resposta a cada um dos itens de 1. a 6., transcreva para a folha de teste, a única opção que permite obter uma afirmação correta.

  • 1. A fragmentação do continente ancestral Mauritia resultou da instalação de um rifte, dando origem a um limite…

    • (A) …convergente, ocorrendo formação de litosfera oceânica.

    • (B) …divergente, ocorrendo formação de litosfera oceânica.

1

  • (C) convergente, do qual resultou a subducção da litosfera.

  • (D) divergente, do qual resultou a subducção da litosfera.

    • 2. Os basaltos característicos das ilhas Maurícias são

      • (A) rochas plutónicas com idade mais recente junto à zona inicial de separação.

      • (B) …rochas plutónicas com idade mais recente em zonas mais afastadas da zona inicial de separação.

      • (C) …rochas vulcânicas com idade mais recente junto à zona inicial de separação.

      • (D) …rochas vulcânicas com idade mais recente em zonas mais afastadas da zona inicial de separação.

        • 3. A formação do continente ancestral Mauritia foi uma consequência da separação do supercontinente Gondwana

que existiu há cerca de 420 M.a…

  • (A) …na Era Pré-Câmbrica.

  • (B) …na Era Paleozóica.

  • (C) na Era Mesozóica.

  • (D) na Era Cenozóica.

    • 4. As rochas dos escudos presentes nas áreas continentais de África e Índia …

      • (A) são rochas sedimentares, submersas, na proximidade dos continentes.

      • (B) são rochas magmáticas, de formação recente e não deformada.

      • (C) são rochas vulcânicas recentes resultantes do derrame de lava.

      • (D) …são rochas magmáticas e metamórficas antigas expostas por elevação e erosão.

        • 5. O zircão (silicato de zircónio) pode ser datado utilizando o sistema de isótopos 235 U/ 207 Pb cujo tempo de semivida

é de 0,7 x 10 9 anos. Se consideramos que, uma dada amostra continha 12 g de 235 U quando se formou e que, atual- mente contém 3 g desse mesmo elemento, que se desintegra originando 207 Pb, podemos afirmar que…

  • (A) a idade da rocha é de 1,4 M.a. e foram necessários 2 tempos de semivida.

  • (B) a idade da rocha é de 0,7 M.a. e foi necessário 1 tempo de semivida.

  • (C) … a idade da rocha é de 1,4 mil M.a. e foram necessários 2 tempos de semivida.

  • (D) a idade da rocha é de 0,7 mil M.a e foi necessário 1 tempo de semivida.

    • 6. A análise dos cristais de silicato de zircónio das ilhas Maurícias constitui um método

      • (A) direto tal como os dados fornecidos pelas anomalias gravimétricas.

      • (B) …direto tal como os dados fornecidos pela vulcanologia.

      • (C) indireto tal como os dados fornecidos pelas anomalias gravimétricas.

      • (D) indireto tal como os dados fornecidos pela vulcanologia.

        • 7. “Os investigadores defendem que podem existir vários fragmentos de crosta desse continente dispersos […] algo

que é suportado pela existência de zonas mais espessas da crosta oceânica.

2

Explique em que medida, estudos gravimétricos realizados nesses locais, poderiam comprovar a presença desses fragmentos.

  • 8. A fragmentação do continente Maurítia pode ser justificada através de dados fornecidos pelo paleomagnetismo,

Explique de que modo os dados fornecidos pelo paleomagnetismo podem comprovar, a fragmentação do

continente Maurítia.

GRUPO II

As rochas são associações de um ou mais tipos de minerais. Quanto à origem, as rochas podem ser classificadas

em três grupos: rochas magmáticas, rochas sedimentares e rochas metamórficas. Todas as rochas transformam-se na natureza, segundo um conjunto de processos geológicos que integram o Ciclo das Rochas. A figura seguinte traduz, esquematicamente, o Ciclo das Rochas e um gráfico, bastante simplista, de curvas hipoté- ticas da variação da temperatura ao longo do tempo, durante a formação de diferentes tipos de rochas.

Explique em que medida, estudos gravimétricos realizados nesses locais, poderiam comprovar a presença desses fragmentos. 8.

Esquema representativo do Ciclo das rochas

Figura 2

Explique em que medida, estudos gravimétricos realizados nesses locais, poderiam comprovar a presença desses fragmentos. 8.

Variação da temperatura durante a formação de rochas

Na resposta a cada um dos itens de 1. a 3., transcreva para a folha de teste, a única opção que permite obter uma afirmação correta.

  • 1. As rochas metamórficas estão representadas pela letra

___

e as rochas plutónicas pela letra ___.

  • (A) …B […] C

  • (B) …A […] B

  • (C) …A […] C

  • (D) …B […] D

    • 2. Com os processos representados pelos números 1 e 4 pode formar-se um

___

e um

____

respetivamente.

  • (A) …Granito […] Arenito

  • (B) Basalto […] Gnaisse

  • (C) …Arenito […] Granito

  • (D) Gnaisse […] Basalto

  • 3. Correlacionado o esquema do Ciclo das Rochas e o gráfico verificamos que a curva representada por

___

cor-

responde à formação das rochas ___.

  • (A) …I […] A

3

(B)

…II […] D

  • (C) …III […] B

  • (D) …IV […] C

  • 4. O planeta Terra manifesta, ainda, um caráter dinâmico do ponto de vista geológico.

Explique de que modo o ciclo das rochas permite classificar a Terra como um planeta geologicamente ativo.

  • 5. O Homem tem sido responsável pelos impactos negativos criados na geosfera,

Refira a principal causa do aumento da intervenção do Homem na Geosfera.

GRUPO III Descoberto primeiro planeta com composição semelhante à da Terra

Uma equipa internacional de cientistas europeus e americanos, que inclui o português Pedro Figueira, investigador do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP), descobriu o primeiro planeta extrassolar com uma com- posição semelhante à da Terra, o Kepler-78b. Com dados combinados do espectrógrafo HARPS-N (pesquisador de planetas) do Telescopio Nazionale Galileo (italiano) instalado nas Canárias (em La Palma), e do telescópio espacial Kepler, da NASA, a equipa liderada por Francesco Pepe, do Observatório Astronómico da Universidade de Genebra (Suiça), determinou que o planeta tem 1,16 vezes o diâmetro e 1,86 vezes a massa da Terra. Os modelos existentes para a estrutura dos planetas apontam para que o Kepler-78b seja rochoso, com um núcleo de ferro relativamente grande, que pode corresponder até 40% da sua massa total. Segundo Pedro Figueira "este planeta é aquele que, pela sua massa e dimensão, mais se aproxima do nosso". O planeta Kepler-78b é um desafio para os astrónomos, pois não deveria ter uma órbita tão próxima da sua estrela. Eventualmente, este planeta será destruído pois tem vindo a reduzir o tamanho da sua órbita. Segundo os modelos planetários existentes, a sua desintegração deverá ocorrer nos próximos três mil milhões de anos. Tendo em conta o seu curto período orbital, o Kepler-78b terá uma temperatura à superfície entre os 1800ºC e os 3300ºC, apesar de ser parecido com a Terra em dimensão e massa.

Adaptado de http://expresso.sapo.pt/ (consultado em 7 de novembro de 2013)

Na resposta a cada um dos itens de 1. a 3., transcreva para a folha de teste, a única opção que permite obter uma afirmação correta.

1.O planeta Kepler-78b pode ser considerado um planeta principal pois, apresenta

  • (A) …um diâmetro semelhante ao da Terra.

  • (B) uma massa semelhante à da Terra.

  • (C) uma massa e uma órbita desimpedida.

  • (D) um diâmetro e uma órbita impedida pela sua estrela.

    • 2. A prevista desintegração do planeta Kepler-78b deve-se ao facto de

      • (A) …possuir dimensões superiores às da Terra.

      • (B) ter um núcleo de ferro que ocupa grande parte do volume do planeta.

      • (C) existir uma força gravítica entre o planeta e a sua estrela.

      • (D) ser constituído por materiais essencialmente rochosos.

4

3.

A zonação interna de Kepler-78b permite afirmar que este planeta sofreu processos de diferenciação…

(A)

tal como a Terra, com migração gravítica para zonas menos profundas de materiais com maior densidade.

(B)

tal como a Terra, com migração gravítica para zonas menos profundas de materiais com menor densidade.

(C)

ao contrário da Terra, com migração gravítica para zonas menos profundas de materiais com maior densida-

de.

(D)

…ao contrário da Terra, com migração gravítica para zonas menos profundas de materiais com menor densida-

de.

4.

Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos relacionados com

a formação de planetas telúricos. Escreva na folha de teste, apenas a sequência de letras.

  • (A) Individualização das unidades estruturais crusta, manto e núcleo.

  • (B) Aglutinação de materiais da nébula primitiva, devido à força gravítica.

  • (C) Diferenciação interna, de acordo com as densidades dos materiais

  • (D) Fusão parcial dos materiais, devido a impactos meteoríticos e à desintegração radioativa.

  • (E) Acreção de planetesimais e formação de um protoplaneta.

GRUPO IV Atividade do vulcão Monowai no fundo do oceano Pacífico

Os vulcões submarinos em atividade encontram-se espalhados por todo o mundo, encontrando-se concentrados ao nível dos arcos de subducção. Um deles é o Monowai, cuja existência se deve ao afundamento da placa litosférica do Pacífico sob a placa indo-australiana. Em apenas duas semanas, de 14 de maio a 1 de junho de 2011, o vulcão Monowai, localizado perto de Tonga, sofreu profundas transformações. Parte do topo do vulcão desabou cerca de 19 metros e novos fluxos de lava fize- ram uma outra zona ganhar cerca de 79 metros de altura. As imagens, com um pormenor inédito, foram captadas por um sonar instalado a bordo do navio de investigação R/V Sonne. Inicialmente, o R/V Sonne detetou uma cor amarelada na água do mar e bolhas de gás à superfície, na zona por cima do vulcão. Três dias depois, os sensores de atividade sísmica instalados nas ilhas de Cook detetaram uma violenta atividade nas proximidades do vulcão Monowai. O navio regressou ao local onde tinham sido detetadas bolhas de gás e os cientistas ficaram surpreendidos com o quanto tinha mudado o vulcão, aquilo que os investigado- res viram foi uma chamada de atenção para o facto de o fundo do mar ser mais dinâmico do que aquilo que se pen- sava. Pensa-se que o Monowai sofreu um dos episódios mais rápidos de crescimento vulcânico já registados do planeta. A maioria dos vulcões da Terra está debaixo de água.

Baseado em www.futura-sciences.com (consultado (consultado em 23 de novembro de 2013)

Na resposta a cada um dos itens de 1. a 5., transcreva para a folha de teste, a única opção que permite obter uma afirmação correta.

  • 1. A atividade vulcânica submarina detetada no oceano Pacífico pelo R/V Sonne está relacionada com a proximida-

de de um limite…

5

  • (A) …convergente, assegurando a existência de elevados valores de gradiente geotérmico.

  • (B) …convergente, assegurando a existência de baixos valores de gradiente geotérmico.

  • (C) …divergente, assegurando a existência de baixos valores de gradiente geotérmico.

  • (D) …divergente, assegurando a existência de elevados valores de gradiente geotérmico.

    • 2. Os novos fluxos de lava formaram, à superfície, rochas, …

      • (A) …intrusivas em que a razão isótopo-pai/isótopo-filho é inferior à de rochas mais antigas.

      • (B) …intrusivas em que a razão isótopos-pai/isótopos-filho é superior à de rochas mais antigas.

      • (C) extrusivas em que a razão isótopo-pai/isótopo-filho é superior à de rochas mais antigas.

      • (D) …extrusivas, em que a razão isótopos-pai/isótopos-filho é inferior à de rochas mais antigas.

        • 3. O vulcanismo recente do vulcão Monowai permite considerá-lo um laboratório aberto para o conhecimento do

interior da geosfera. O seu estudo constitui um método…

  • (A) …direto e as rochas recém-formadas evidenciam polaridade inversa.

  • (B) …direto e as rochas recém-formadas evidenciam polaridade normal.

  • (C) …indireto e as rochas recém-formadas evidenciam polaridade inversa.

  • (D) …indireto e as rochas recém formadas evidenciam polaridade normal.

    • 4. O vulcão Monowai apresenta episódios de erupções de caráter explosivo, havendo libertação de lava, cujo mag-

ma era…

  • (A) …rico em sílica e possuía elevada fração volátil.

  • (B) …rico em sílica e possuía reduzida fração volátil.

  • (C) pobre em sílica e possuía elevada fração volátil.

  • (D) …pobre em sílica e possuía reduzida fração volátil.

    • 5. O vulcão de Monowai exemplifica um tipo de vulcanismo…

      • (A) …fissural uma vez que, é um vulcão submarino.

      • (B) …fissural uma vez que, a lava ascende através de um rifte.

      • (C) central uma vez que, apresenta uma estrutura de forma cónica.

      • (D) …central uma vez que, a lava ascende através de um rifte.

        • 6. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos que permitem a

ocorrência de uma erupção explosiva subaérea. Escreva na folha de teste, apenas a sequência de letras.

  • (A) Ascensão do magma através de zonas débeis da crosta.

  • (B) Extensa pulverização piroclástica.

  • (C) Arrefecimento e desgaseificação do magma.

  • (D) Aumento da pressão da câmara magmática por efeitos tectónicos.

  • (E) Instalação do magma em bolsadas profundas da crosta.

    • 7. Faça corresponder cada uma das descrições, expressas na coluna A, ao termo da coluna B que identifica uma

estrutura ou material vulcânico Escreva na folha de teste, apenas as letras e os números correspondentes. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

6

COLUNA A

COLUNA B

  • (a) Emissões periódicas de água subterrânea em ebulição sob a forma de

 

coluna de água.

(1) Lavas encordoadas

  • (b) Fluxo de piroclastos pulverizados, suspensos numa fase gasosa, que

(2) Fumarolas

se movimenta a grande velocidade.

(3) Nuvens ardentes

  • (c) Fragmentos de grandes dimensões, expelidos violentamente, total ou

(4) Lavas em almofada

parcialmente fundidos e solidificados no seu percurso aéreo.

(5) Géiseres

  • (d) escoamento lento de lava, originando rochas de superfície áspera e

(6) Bombas vulcânicas

muito rugosa.

(7) Lavas escoriáceas

  • (e) formação de depressões resultantes do colapso da câmara magmática,

(8) Caldeiras vulcânicas

em consequência da ascensão e descompressão do magma.

  • 8. Explique em que medida os estudos da variação do fluxo térmico em regiões vulcânicas permitem prever

a ocorrência de erupções vulcânicas.

GRUPO V

  • 1. Faça corresponder a cada uma das frases seguintes, método directo (D) ou indirecto (I).

    • A. A temperatura no interior das minas é superior à da superfície;

    • B. Os furos ultraprofundos não se podem realizar em zonas com fluxo térmico elevado;

    • C. O estudo da densidade permitiu concluir que os materiais mais densos se encontram no interior do globo;

    • D. O estudo da composição dos meteoritos tem fornecido muitas informações sobre os possíveis constituintes do interior do globo;

    • E. O estudo da propagação das ondas sísmicas permitiu concluir que o interior da Terra não é homogéneo;

    • F. A análise das rochas lunares permitiu estabelecer uma relação genética e parental entre a Terra e o seu satélite natural;

    • G. Existem anomalias gravimétricas quando no interior da crosta existem corpos com densidade diferente da rocha circundante.

      • 2. Classifique cada uma das afirmações como verdadeiras (V) ou falsas (F).

        • A. O fluxo geotérmico é igual em todos os locais da superfície da Terra.

        • B. O gradiente geotérmico mantém-se constante com a profundidade.

        • C. A taxa de variação de temperatura no interior da terra diminui com a profundidade.

        • D. A temperatura aumenta com a profundidade.

        • E. As fontes de calor interno da Terra são a desintegração de elementos radioactivos e o calor resultante da fase de diferenciação.

        • F. O gradiente geotérmico é a quantidade de calor sentido à superfície, oriundo do interior da Terra.

          • 3. Os esquemas A e B da figura traduzem anomalias magnéticas teóricas em dois troços distintos da crusta oceânica, ambos com 100 Km de extensão e obtidos em direção perpendicular às cris- tas médio-oceânicas. As bandas escuras e claras assinalam, res- petivamente, polaridade normal e polaridade inversa.

  • 3.1. Mencione a letra do esquema I que traduz uma maior velocidade de

expansão do fundo oceânico. 3.1.1. Justifique a resposta à questão anterior.

  • 3.2. Diga o que entende por polaridade inversa.

  • 3.3. Classifique o tipo de limite de placas relacionado com os esquemas A e

B.

COLUNA A COLUNA B (a) Emissões periódicas de água subterrânea em ebulição sob a forma de
  • 3.4. Determine o número de inversões de polaridade que ocorreram na zona representada em B-I.

    • 4. Na figura estão representados alguns fenómenos vulcânicos e sua relação com a dinâmica das placas tectónicas.

Estabeleça as correspondências possíveis entre as letras inscritas na figura e os aspetos seguintes:

7

  • 1. Vulcanismo explosivo

  • 2. Limite divergente das placas

  • 3. Zona de subducção

  • 4. Ocorrência de vulcanismo fissural

  • 5. Local de formação de crusta oceânica

  • 6. Formação de magmas viscosos

  • 7. Formação de magmas com baixo teor em sílica

.2. Explique a origem do vulcanismo associado à letra B.

1. Vulcanismo explosivo 2. Limite divergente das placas 3. Zona de subducção 4. Ocorrência de vulcanismo

8