1 de 1

A obrigação das elites do PSD para com o partido e o país
18.04.2008, Paulo Ferreira

Menezes sai à espera de uma "vaga de fundo". Mais do que nunca, será agora incompreensível que as elites se mantenham no conforto da sombra

Éprovável que a decisão mais inteligente de Luís Filipe Menezes na liderança do PSD tenha sido a sua própria demissão. Em termos pessoais, ao anunciar a saída quando ninguém ainda esperava, o líder social-democrata evita ser "frito" num lume interno que estava a tornar-se insuportável e sonhará com uma "vaga de fundo" das bases que o elegeram há seis meses para regressar daqui a semanas com uma legitimidade renovada. O discurso feito esta noite em Sintra, perante militantes, é um forte sinal disso mesmo, apesar de Menezes afirmar que não está na corrida. Para o partido, a crise agora aberta pode servir para inverter a curva descendente em que tinha mergulhado, ganhando tempo precioso para fazer um obrigatória revisão de políticas e de propostas que possa colocar em oposição ao PS de José Sócrates no ciclo eleitoral que se abre no próximo ano. É fácil, nestas alturas, apontar o dedo aos críticos que não deram descanso a uma liderança que nasceu enjeitada por grande parte das elites e dos chamados "barões" do PSD. Mas foi Menezes que lançou as sementes dessa tempestade. A sua liderança sempre foi errática - o que não surpreende quando se olha para os constantes zigue-zagues nas propostas e posições que defendeu nos últimos anos e para o jogo de crítica-apoio-crítica com cada nova liderança do PSD. Foi desta forma que geriu, por exemplo, os pactos assinados com o PS para a Justiça e para a revisão das leis eleitorais autárquicas e legislativas. Depois colocou contra si a quase totalidade dos anteriores secretários-gerais do partido quando pretendeu alterar o método de pagamento das quotas dos militantes, processo agora essencial nas eleições directas internas. Por fim, ensaiou uma forma de combate político a que o país não está, por boas razões, habituado: a rasteira e indecente tentativa de criar um "caso Fernanda Câncio" terá sido a simbólica gota de água de muitas figuras de primeira linha do partido. Ademissão do líder do PSD aumenta agora as responsabilidades das elites críticas do partido. Acabou o tempo do calculismo, da espera táctica pelo melhor momento para avançar, da tentativa de evitar as travessias do deserto de uma oposição a um governo que dispõe de uma sólida maioria parlamentar. Manuela Ferreira Leite, António Borges, Rui Rio, Aguiar-Branco são os rostos mais visíveis dessas elites. Está agora também nas suas mãos o futuro próximo do PSD. A falta de comparência destes e de outros responsáveis neste momento decisivo - como aconteceu há seis meses quando Menezes venceu e tinha ocorrido quando Marques Mendes se tornou líder - será incompreensível e colocá-los-á como parte do problema e nunca da solução. Ainda que os prazos colocados para a realização de eleições directas sejam apertados - dia 24 de Maio, daqui a cerca de cinco semanas - esse não pode ser um argumento válido para que ninguém avance contra a provável re-candidatura de Luís Filipe Menezes. Não há democracia de qualidade sem uma oposição forte, credível e que seja, de facto, vista como alternativa a qualquer governo. Esta verdade torna-se mais urgente num momento em que o país volta a definhar economicamente, soluça nas chamadas reformas estruturais e teima em não conseguir quebrar a espiral de perda de competitividade e de mudança de um modelo de desenvolvimento que está esgotado há uma década. As responsabilidades das elites do PSD extravasam largamente as paredes do partido. Talvez isso nunca tenha sido tão evidente como agora, o que torna insuportável que se enjeite esse ónus.
Imprimir

http://jornal.publico.clix.pt/print.asp?id=13054962

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful