Você está na página 1de 11

EXERCÍCIOS DE REVISÃO

1) O costume pode revogar uma lei? Explique

Não, apenas uma norma pode revogar outra norma, o costume pode fazer com que a norma perca a validade pela ineficácia tendo em vista a dinâmica do sistema.

2) Qual a diferença entre jurisprudência e costume?

COSTUME

JURISPRUDÊNCIA

-É criação da consciência da coletividade

-Criada pelos juizes e tribunais

-Nasce como decorrência do exercício dos direitos e obrigações.

-Decorre das decisões sobre casos em conflito.

-É espontâneo

-É reflexiva

3) Qual a função do costume no direito brasileiro?

O costume é a mais antiga das fontes jurídicas. É também chamado de direito não-escrito em oposição à lei, que é sempre

direito escrito. Antigamente, os costumes se transmitiam apenas oralmente de geração em geração. Hoje, o costume é formulado por escrito em repertórios e consolidação que se fazem para sua fixação e prova.

4) Diferencie validade, vigência e eficácia.

VALIDADE

A norma tem que estar integrada no ordenamento. Exige-se que seja cumprido o processo de formação da norma, em

conformidade com os requisitos exigidos pelo próprio ordenamento. Encerrada esta etapa, temos uma norma válida.

Assim, válida é a norma:

*Que respeita um comando superior, a Constituição federal;

* e que foi elaborada pelo órgão competente e de acordo com o procedimento legal previsto para sua criação.

VIGÊNCIA

É o período que vai desde a entrada em vigor da norma até a sua revogação. É o âmbito temporal da validade. A vigência, portanto:

*Demarca o tempo de validade de uma norma;

*Exprime a exigibilidade de um comportamento, a qual ocorre a partir de um dado momento e até que a norma seja revogada ou em que se esgota o prazo previsto para sua duração.

Em geral, a vigência começa com a publicação, mas pode ser postergada.

EFICÁCIA

É a capacidade de a norma produzir efeitos depende de requisitos de natureza fática ou de natureza técnico-normativa.

5) Explique a diferença entre direito subjetivo e direito objetivo

DIREITO OBJETIVO

Conjunto de normas impostas pelo Estado ao proceder humano, de caráter geral, a cuja observância os indivíduos podem ser compelidos mediante coerção (norma agendi).

Ou, então, um conjunto de normas tidas por jurídicas à disposição das pessoas que podem com essas normas fundamentarem seus pedido perante o Poder Judiciário.

DIREITO SUBJETIVO

Meio de satisfazer os interesses humanos, faculdade individual de agir de acordo com o direito objetivo, de invocar sua proteção (facultas agendi).

6) O que é Direito para Miguel Reale?

A doutrina de Miguel Reale

A norma jurídica, não obstante a sua estrutura lógica assinala o momento de integração de uma classe de fatos segundo uma ordem de valores de correlação dialética.

-FATO (referência fática).

-VALOR (dimensão axiológica).

-NORMA (estrutura lógica).

7) Qual a diferença entre lei e costume?

A lei é uma das mais importantes fontes formais da ordem jurídica. Ela é fonte primária e estatal do Direito. O costume é a mais antiga das fontes jurídicas. É também chamado de direito não-escrito em oposição à lei, que é sempre direito escrito. O costume, portanto, é uma norma criada espontaneamente pela consciência do povo e não editada pelo poder público.

8) Toda norma jurídica é provida de sanção? Explique e exemplifique

Segundo Kelsen, toda regra de direito contém a previsão genérica de um fato, com a indicação de que, toda vez que um comportamento corresponder a esse enunciado, deverá advir uma conseqüência, que, por sinal, na teoria de Kelsen, corresponde sempre a uma sanção, compreendida apenas como pena.

9) Estabeleça resumidamente as diferenças entre direito e moral.

O Direito cuida da ação humana depois de exteriorizada, ou seja, rege as ações exteriores do homem (foro externo), enquanto a Moral contempla problemas de foro íntimo, tudo que se passa no plano da consciência.

 

MORAL

DIREITO

Cumprimento das regras sociais

ESPONTÂNEA

OBRIGATÓRIA

Direito e coação

INCOERCÍVEL

COERCÍVEL

Direito e heteronomia

AUTONÔMA

HETERÔNOMO

Bilateralidade atributiva

 

AUTORIZANTE

10) O juiz pode deixar de sentenciar quando a lei é omissa? Explique

Não. Segundo a definição da Praeter Legem: Intervém na falta ou na omissão da lei. Tem caráter supletivo. É o que dispõe

ao artigo. Art. 4º LICC Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios

gerais do direito.

11) Em que situação a norma jurídica é considerada válida e não vigente?

No período da Vacatio, pois a norma é válida e ainda não produz efeitos no ordenamento jurídico.

12)O ordenamento jurídico é completo? Justifique sua resposta.

Teoricamente deveria ser, pois consegue abranger todo e qualquer tipo de assunto, mas ainda assim há lacunas, sendo essas muito prejudiciais quando preenchidas de forma errada.

13)Sanção é coação?

Sanção É o ato de punir por uma norma infringida, quem não obedece ao comando primário das normas jurídicas.

Coação É o último estágio da aplicação da sanção: é a sua aplicação forçada, contra a vontade do agente que descumpriu a norma.

14) Explique a Teoria Tridimensional do Direito, identificando, explicando e exemplificando os elementos que lhe dão sentido.

FATO

 

VALOR

NORMA

O

direito

como

fato,

ou

em

sua

O direito como valor de justiça

O direito como ordenamento e sua respectiva ciência

efetividade social e histórica.

 

EX: Norma legal de direito cambial (fato de ordem econômica)

EX: Pagamento letra de cambio (vencimento)-Valor do credito

EX: Não pagamento=protesto e cobrança (promover legalmente a execução do credito).

15) “As leis injustas devem ser cumpridas”. Fale a respeito desta afirmativa.

O filósofo Sócrates ensina que as leis injustas devem ser cumpridas pelos cidadãos, argumentando que a desobediência dos bons a uma lei injusta levaria os maus a se justificarem no descumprimento das leis justas. Contudo, a lei injusta é direito sim, pois o que pode ser injusto para um pode não ser para outro.

16) Com fulcro na Teoria da Tridimensionalidade do Direito identifique os elementos que lhe dão sentido (fato-valor- norma) nas hipóteses abaixo:

a) “Matar alguém” – pena de 3 a 12 anos dispõe sobre um fato de matar uma pessoa e visa assegurar a vida; NORMA

b) “Aquele que causar um prejuízo a outrem, fica obrigada a reparar o dano” – dispõe sobre a proteção dos bens alheios

e visa assegurar esse patrimônio; FATO

c) “Os pais devem prestar assistência a seus filhos” - dispõe sobre a proteção aos filhos e visa assegurar a educação e o

bem estar do menor, com vistas ao progresso social. VALOR

17) Qual a diferença entre jusnaturalismo e juspositivismo?

JUSNATURALISMO Leis superiores

• Direito como produto de ideias (Metafísico)

• Pressuposto: Valores

• Existência de leis naturais

JUSPOSITIVISMO

• Leis impostas

• Leis como produto da ação humana (empírico-cultural)

• Pressuposto: o próprio ordenamento positivo

• Existência de leis formais

18) Considerando o ordenamento jurídico pátrio, bem como a aplicação da norma, o juiz poderá considerar os Costumes ao declarar o Direito aplicável ao caso concreto? Responda, fundamentando sua resposta nos preceitos legais, na doutrina e na jurisprudência.

Se não houver legislação que comporte, o juiz pode resolver o caso por analogia utilizando a fonte forma não-estatal que é o Costume.

19) A coercibilidade é característica do Direito? Justifique sua resposta.

Qualidade da norma jurídica que, em última instância, autoriza o uso da força física para o seu cumprimento.

20) Hans Kelsen preocupa-se com a Justiça? Justifique sua resposta.

21) Diziam os romanos que “onde houver o mesmo fundamento haverá o mesmo direito”, ou ainda que “onde impera a mesma razão deve prevalecer a mesma decisão”. Explicite qual é o método de integração do Direito consagrado na doutrina e na legislação, que se espelha nessas premissas, anunciando qual o fundamento legal para sua aplicação. Explique e exemplifique sua resposta.

22)Assinale a alternativa correta e justifique sua escolha.

Os fetos são juridicamente protegidos pelo artigo 124 do Código penal brasileiro que impõe a pena de 1 a 3 anos de detenção para quem provocar o aborto. Considerando-se a Teoria da Tridimensionalidade do direito, indique no enunciado acima quais são seus elementos normativo e fático e explique cada um deles:

Sendo assim:

a) o próprio artigo 124 do Código Penal é o elemento normativo; (Verdadeiro)

b) o elemento normativo é o aborto; (Falso)

c) o próprio artigo 124 do Código Penal é o elemento fático; (Falso)

d) o elemento fático é o aborto. (Verdadeiro)

23) O que é o movimento O Direito Achado na Rua? No que consiste? Onde surgiu? Quem são seus defensores?

Consiste em buscar uma conexão entre o Direito e a Sociedade, defendendo os movimentos de rua para a busca de direitos que são de todos.

24) A partir da matéria lecionada, faça as seguintes correlações:

(1) Moral

(

5 ) titular do direito

(2) capacidade de direito

(

7 ) norma agendi

(3) ab-rogação

(

8 ) revogação parcial da lei

(4) poderes e faculdades jurídicas

(

9 ) capacidade de exercício do direito

(5) sujeito do direito subjetivo

(

10 ) facultas agendi

(6) relação jurídica

(

2 ) capacidade de aquisição e gozo de direitos

(7) direito objetivo

(

4 ) conteúdo do direito subjetivo

(8) derrogação

1 ) regra de conduta não exigível; identifica-se com a noção de bem

(

(9) capacidade de fato

(

6 ) relação da vida social disciplinada pelo direito

(10) direito subjetivo

(

3 ) revogação total da lei

25)Existe diferença entre analogia legis e analogia juris? Justifique sua resposta, exemplificando-os.

A analogia propriamente dita é conhecida por analogia legis. Na analogia iuris, a norma é retirada de um caso singular,

mas abstraída de todo o sistema ou de parte dele.

26)Numa situação conflituosa o que deve prevalecer: a concretização da justiça ou da segurança? Justifique sua resposta.

27)Qual a diferença entre justiça comutativa e justiça distributiva? Exemplifique sua resposta.

a) Justiça comutativa É a que deve presidir às trocas; sua regra é a igualdade matemática. Uma permuta é justa quando os dois termos trocados têm o mesmo valor (isto é, quando cada um deles é permutável com um terceiro; duas quantidades iguais a uma terceira são iguais entre si). Por trás da eqüivalência dos objetos trocados, exigida pela justiça, reconhecemos a afirmação da igualdade das pessoas dos que trocam. Isso porque cada um deles tem os mesmos direitos, nenhum dos dois deve ser lesado.

b) Justiça distributiva Aqui, a exigência de igualdade se apresenta sob forma diferente. Com efeito, pode parecer injusto distribuir retribuições iguais por homens desiguais. A justiça distributiva estabelece a igualdade entre as relações de quatro termos (duas coisas e duas pessoas) . O bom candidato receberá a boa nota, o mau, a má.

28)Quais os critérios a serem utilizados para realizar a justiça distributiva? Explique-os

A justiça distributiva nada mais é do que tratar os iguais como iguais e os desiguais como desiguais.

29)A partir da idéia, segundo a qual nem toda relação se constitui, necessariamente, numa relação jurídica, podemos dizer, em contrapartida, que as relações jurídicas são, antes de tudo, relações sociais.

A relação jurídica ocorre por conta das relações sociais, as normas surgem em função das situações cotidianas, ou seja,

a fonte material gera a fonte formal.

30) Hans Kelsen preocupa-se com a Justiça? Justifique sua resposta.

31) Uma lei é válida no período vacatio legis? É vigente e eficaz nesse período? E a norma com ela incompatível, terá força naquele período? Fundamente suas respostas.

Sim, a lei é válida e não vigente, ou seja, não produz efeitos, sendo a norma antiga a que terá força nesse período, pois ela é valida e vigente até que termine o período de vacatio legis da nova lei.

32)Uma lei pode ter eficácia na vigência de outra lei superior que com ela seja incompatível? Em caso afirmativo, poder- se-ia dizer que a lei inferior tem validade? Como fica, neste caso, a questão da pirâmide de validade das normas jurídicas? Como Kelsen propõe a solução desse problema? Fundamente sua resposta e dê exemplo.

33) Qual o papel do Poder Judiciário na aplicação do costume jurídico?

Antigamente, os costumes se transmitiam apenas oralmente de geração em geração. Hoje, o costume é formulado por escrito em repertórios e consolidação que se fazem para sua fixação e prova.

Para que um uso qualquer se transforme em costume jurídico são necessárias duas condições, que são os elementos constitutivos do costume:

*Ele precisa ser praticado por longo tempo, de forma geral e constante (elemento objetivo).

*É necessária a convicção de obrigatoriedade (elemento subjetivo).

O costume, portanto, é uma norma criada espontaneamente pela consciência do povo e não editada pelo poder público.

Não se confunde, assim, com o uso coletivo, de natureza religiosa, moral ou social, que são seguidos por respeito á tradição, mas sem a convicção de obrigatoriedade.

O Poder Judiciário exerce um papel importante na aplicação do costume. Isso porque sua existência torna-se mais clara

depois após uma decisão judicial que o reconhece. Contudo, a decisão judicial não transforma em norma escrita o costume.

34) Compare a autoridade da jurisprudência com a autoridade da doutrina.

È o estudo de caráter cientifico que os juristas realizam a respeito do direito. De um lado, a doutrina vem ganhando

importância cada vez maior na formação do Direito, seja através de construções teóricas e elaborações doutrinárias, que atuam sobre a legislação e jurisprudência, seja pela investigação e descoberta de novas fontes, como usos sociais obrigatórios. Por

outro lado, a opinião dos doutrinadores não tem força normativa e pode ser considerada uma fonte material do direito.

35)A doutrina influencia o surgimento de leis?

36) Uma única decisão judicial isolada pode ser considerada jurisprudência?

A jurisprudência como fonte formal do Direito positivo, é o conjunto uniforme e constante das decisões judiciais sobre

casos semelhantes. Uma decisão isolada não constitui a jurisprudência. É uma fonte estatal e secundária do direito.

37) Como a jurisprudência é utilizada pelos operadores do Direito?

Por fim, a jurisprudência enquanto fonte do Direito atua com caráter supletivo, ou seja, os julgados uniformes dos Tribunais atuam como norma aplicável aos demais casos, enquanto não houver nova lei ou modificação na jurisprudência. Além disso, serve também para unificar a ordem jurídica.

38) Explique a divisão e a relação entre Direito Público e Direito privado.

DIREITO PRIVADO

DIREITO PÚBLICO

-Organiza as relações entre os particulares

-Disciplina as relações entre particulares.

-Prevalece interesse particular

-Prevalece interesse público

-Relação de coordenação

-Relação de subordinação

Partindo do pressuposto de que a divisão bipartite responde às atuais necessidades didáticas, sem desconsiderar a existência de aspectos que possam ser considerados de direito público ou privado nos institutos de cada ramo, apresentamos a seguinte divisão:

PRIVADO
PRIVADO

-Direito Civil

-Direito internacional Privado

-Direito Comercial

-Direito Consumidor

-Direito do Trabalho

-Direito Penal

-Direito Internacional Público -Direito Administrativo PÚBLICO -Direito Constitucional -Direito tributário
-Direito Internacional Público
-Direito Administrativo
PÚBLICO
-Direito Constitucional
-Direito tributário

-Direito Financeiro

39)Que é uma relação jurídica e quais os seus elementos?

Toda relação jurídica é intersubjetiva, é da natureza do direito a relação entre pessoas. Supõe, pelo menos dois sujeitos:

*Sujeito ativo: titular do direito (pessoa física ou pessoa jurídica). Ex: proletário no direito de propriedade ou o credor nas obrigações.

*Sujeito passivo: é a pessoa obrigada a realizar a prestação (positiva ou negativa).Ex: no direito de crédito, o devedor é o sujeito passivo.

Portanto, em sentido amplo, sujeito é o titular de um direito ou de obrigações na relação jurídica.

40) Qual ou quais os traços distintivos da norma jurídica em relação às demais normas?

Essa distinção entre norma jurídica e as demais normas pode ser feita a partir de duas características:

(a) Imperativo-atributiva: impõe a uma parte o cumprimento da obrigação, atribui à outra parte o direito de exigir esse cumprimento. Portanto, as normas jurídicas são protegidas pela eventual aplicação da força coercitiva do poder social (coerção potencial).

(b) Conteúdo: o direito não encontra seu conteúdo próprio e especifico senão na noção de justo ou ela está orientada no sentido da realização da justiça (bem comum +direito dos particulares). A justiça, como conteúdo da norma jurídica, está ligada à universalidade dos preceitos jurídicos.

41) Que é norma jurídica?

A norma jurídica é uma regra de conduta social, que tem a finalidade de regular a atividade dos homens em suas relações sociais.

42) Quando se pode dizer que surge uma norma válida?

Para reconhecermos a validade de uma norma, precisamos de início, que a norma esteja integrada no ordenamento. Exige-se que seja cumprido o processo de formação da norma, em conformidade com os requisitos exigidos pelo próprio ordenamento. Encerrada esta etapa, temos uma norma válida.

Assim, válida é a norma:

*Que respeita um comando superior, a Constituição federal;

*e que foi elaborada pelo órgão competente e de acordo com o procedimento legal previsto para sua criação.

43) Compare vigência com validade, apontando as diferenças.

Validade e vigência são coisas relacionadas, porém diferentes. Uma lei é válida simplesmente porque pertence ao ordenamento jurídico (foi publicada e, aparentemente, preenche os requisitos formais e materiais). Uma lei é vigente se puder produzir seus efeitos, limitando comportamentos e fundamentando decisões. Só uma lei válida pode ser vigente; toda lei vigente é válida. Mas nem toda lei válida é, necessariamente, vigente, pois pode estar em seu período de vacância.

44) O inicio da vigência de uma lei coincide com a data da publicação oficial? Explique.

Como regra, uma vez que a norma jurídica se torna válida ela passa a ter vigência (pode produzir efeitos)

•No caso das Leis

LC 95/98 - Art. 8o A vigência da lei será indicada de forma expressa e de modo a contemplar prazo razoável para que dela se tenha amplo conhecimento, reservada a cláusula "entra em vigor na data de sua publicação" para as leis de pequena repercussão.

45)Que significa revogar uma norma jurídica?

É a suspensão da força obrigatória da lei, retirando-lhe a eficácia o que só pode ser feito por outra lei da mesma hierarquia ou de hierarquia superior.

46)Compare duas normas jurídicas de mesmo plano hierárquico, tratando do mesmo ramo do direito, sendo a mais antiga “geral” e a mais recente “especial”: o que ocorre no conflito entre ambas? Explique

-Lei especial revoga a geral.

47)Assinale V ou F em relação aos enunciados abaixo.

Faça a correção das alternativas falsas:

(a)

O Direito objetivo não se confunde com o direito positivado e não comporta divisões em ramos.

(b)

O Direito objetivo pode ser definido como o conjunto de normas postas pelo ordenamento jurídico numa determinada época

(c)

kelsen diz que o direito não se resume ao direito posto pelo Estado, pois é também fato, valor e norma.

(d)

Para Reale o direito é uma ciência normativa.

(e) Na frase o “Direito é fenômeno da cultura” a palavra direito é usada na acepção de ciência normativa.

(f) Na frase “o bem devido por justiça” a palavra direito é usada na acepção de fato social.

(g)

A norma que permite o estado legislar é um exemplo de direito subjetivo.

(h)

O direito positivo engloba tão somente o direito escrito e posto pelo estado.

(i)

O direito brasileiro não admite a existência do direito não estatal.

(j)

Há direitos subjetivos que independem da vontade do seu titular.

(l)

O direito positivo independe do local do local e emerge espontaneamente na sociedade.

(j)

O direito subjetivo é constituído por um conjunto de normas destinadas a reger um grupo social, cujo respeito é garantido pelo

Estado.

(m) Há direito subjetivo sem direito objetivo.

(n) O direito religioso, os usos e os costumes internacionais, as normas trabalhistas derivadas das convenções coletivas são

exemplos de direito estatal.

(o) O direito natural é criado pelo Estado.

48)Estabeleça a diferença entre direito positivo e direito subjetivo.

DIREITO POSITIVO

É constituído pelo conjunto de normas elaboradas por uma sociedade determinada, para reger os comportamentos entre os homens.

DIREITO SUBJETIVO

Meio de satisfazer os interesses humanos, faculdade individual de agir de acordo com o direito objetivo, de invocar sua proteção (facultas agendi).

49)A partir do estudo realizado em sala de aula, formule uma definição de “direito subjetivo”

Meio de satisfazer os interesses humanos, faculdade individual de agir de acordo com o direito objetivo, de invocar sua proteção (facultas agendi).

50) Procure entender as teorias sobre a natureza do direito subjetivo formuladas por Windscheid, Ihering, Jellinek e kelsen. Tente estabelecer nexos, semelhanças, diferenças e contradições entre essas teorias?

Teoria do MÍNIMO ÉTICO (Jeremy Benthan,Georg Jellinek)

Teoria do MÍNIMO ÉTICO (Jeremy Benthan,Georg Jellinek) -Regras jurídicas imorais. -Regras Jurídicas amorais .

-Regras jurídicas imorais.

-Regras Jurídicas amorais.

MORAL

Direito

Teoria do CÍRCULO CECANTES (Pasquier)

A moral e o Direito aparecem com uma faixa de competência comum e, ao mesmo tempo, ambos os setores aparecem como uma faixa de competência independente.

Moral Direito 51)Como se explica a noção de direito como fato social.
Moral
Direito
51)Como se explica a noção de direito como fato social.

Onde quer que haja um fenômeno jurídico, há um fato subjacente (econômico, político, geográfico). Um valor, que confere significação a esse fato. Uma norma, que representa a relação que integra um daqueles elementos ao outro, o fato ao valor.

52)Qual a diferença entre direito estatal e não-estatal?

Direito ESTATAL

Aplica-se ás normas jurídicas elaboradas pelo Estado, para reger a vida social.

Ex: O Código Civil e constituição.

Direito NÃO-ESTATAL

Ao lado do Direito estatal, existem outras normas obrigatórias, elaboradas por diferentes grupos sociais e destinadas a reger a vida interna desses grupos.

53)Que é o direito, na acepção de justo?

(b) Conteúdo: o direito não encontra seu conteúdo próprio e especifico senão na noção de justo ou ela está orientada no sentido da realização da justiça (bem comum +direito dos particulares). A justiça, como conteúdo da norma jurídica, está ligada à universalidade dos preceitos jurídicos.

54)Que é o direito positivo?

É constituído pelo conjunto de normas elaboradas por uma sociedade determinada, para reger os comportamentos entre os homens.

55) Quais as críticas que podemos apontar em relação à concepção de Direito para Kelsen?

Kelsen considera o Direito como uma CIÊNCIA NORMATIVA.

Para ele, o ordenamento jurídico é o objeto da ciência do Direito, e tal ordenamento se estabelece sob forma piramidal, em cujo topo repousa a norma jurídica fundamental.