Você está na página 1de 17
A IDEIA DE INFÂNCIA
A IDEIA DE
INFÂNCIA
A IDEIA DE INFÂNCIA Prof. Fernanda
A IDEIA DE INFÂNCIA Prof. Fernanda
A IDEIA DE INFÂNCIA Prof. Fernanda
Prof. Fernanda
Prof. Fernanda
A IDEIA DE INFÂNCIA Prof. Fernanda
A IDEIA DE INFÂNCIA Prof. Fernanda
A IDEIA DE INFÂNCIA Prof. Fernanda
 
• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua
• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua
• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua

O ser humano, como ser em

desenvolvimento, apresenta uma

complexidade de aspectos em sua

constituição biológica, psíquica e social

• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua constituição
  • em constantes mudanças que tem sido

investigada por diversos estudiosos ao longo dos tempos. Estes estudos sobre o desenvolvimento

humano, em especial os que tratam da

• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua constituição

criança, vêm se desenvolvendo a partir do final do século XIX, sendo, portanto,

recentes em relação à história dos

• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua constituição

homens.

• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua constituição
• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua constituição
• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua constituição
• O ser humano, como ser em desenvolvimento, apresenta uma complexidade de aspectos em sua constituição
• A idéia de infância é um fenômeno histórico, isto é, cada sociedade produz e assume
• A idéia de infância é um fenômeno histórico, isto é, cada sociedade produz e assume

A idéia de infância é um fenômeno histórico, isto é, cada

sociedade produz e assume como

sua um conjunto de idéias sobre a infância, que passam a

• A idéia de infância é um fenômeno histórico, isto é, cada sociedade produz e assume

alimentar a relação social que se

trava entre a criança e a

  • sociedade.

• A idéia de infância é um fenômeno histórico, isto é, cada sociedade produz e assume
• A idéia de infância é um fenômeno histórico, isto é, cada sociedade produz e assume
• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica
• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica

Assim, a questão de se definir um

conceito de infância varia com a

duração histórica e com a definição institucional da infância dominante
duração histórica e com a definição
institucional da infância dominante
• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica
• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica

em cada época, ou seja, são as

razões históricas e sociais

vivenciadas num momento

• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica

específicos que poderão ser determinantes na escolha de critérios para caracterizar o que seja infância

• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica
• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica
• Assim, a questão de se definir um conceito de infância varia com a duração histórica
• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as
• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as

Ser criança varia entre sociedades, culturas e

comunidades, mas também varia de acordo com as circunstâncias
comunidades, mas também varia
de acordo com as circunstâncias
• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as
• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as

históricas.

A infância que conhecemos é uma

invenção da modernidade, pois foi

• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as
  • somente a partir do século XVI que

as crianças começaram a se tornar objetos de relevância social e política

• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as
• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as
• Ser criança varia entre sociedades, culturas e comunidades, mas também varia de acordo com as
• Até o século XVII , as crianças eram tratadas como pequenos adultos que recebiam cuidados
• Até o século XVII , as crianças eram tratadas como pequenos adultos que recebiam cuidados

Até o século XVII, as crianças eram

tratadas como pequenos adultos que

recebiam cuidados especiais no início de suas vidas e que, posteriormente,
recebiam cuidados especiais no início de
suas vidas e que, posteriormente,

ingressavam na sociedade assim que

adquirissem certa independência;

Aos poucos, a criança foi sendo percebida

• Até o século XVII , as crianças eram tratadas como pequenos adultos que recebiam cuidados

e valorizada como alguém que, por sua

“ingenuidade, gentileza e graça, se

tornava fonte de distração e de

relaxamento para o adulto”.

• Até o século XVII , as crianças eram tratadas como pequenos adultos que recebiam cuidados
• Até o século XVII , as crianças eram tratadas como pequenos adultos que recebiam cuidados
• Até o século XVII , as crianças eram tratadas como pequenos adultos que recebiam cuidados
Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco
Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco
Arte Medieval
Arte Medieval

Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco

Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco
  • mais próxima do sentimento moderno: o primeiro se deu com a representação dos

Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco
Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco
Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco

anjos (representado sob a aparência de

um rapaz adolescente); o segundo foi o menino Jesus e a Nossa Senhora menina

(modelo e o ancestral de todas as crianças

Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco

pequenas da história da arte), o terceiro

  • tipo foi a representação da criança nua (fase gótica), antes o Menino Jesus quase nunca era representado despido, e no final

Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco

da Idade média ele se desnudou

Arte Medieval • Por volta do século XIII surgiram alguns tipos conceituais de criança um pouco
• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o
• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o

No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o

• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o

retrato e o putto. O putto era a

  • criancinha nua, vista a princípio nas esculturas. Mas tarde essa nudez

• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o
• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o

decorativa seria aplicada aos retratos

• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o

de criança. No século XVII, a criança

era representada sozinha e por ela

mesma

• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o
• No século XV surgiram dois novos tipos de representação de infância: o retrato e o
Trajes • Até o século XIII a criança saia de cueiros e era vestida como homem
Trajes • Até o século XIII a criança saia de cueiros e era vestida como homem
Trajes
Trajes

Até o século XIII a criança saia de cueiros e era vestida como homem ou mulher (a

Trajes • Até o século XIII a criança saia de cueiros e era vestida como homem
roupa servia apenas para deixar evidente
roupa servia apenas para deixar evidente
os degraus da hierarquia social). Portanto, a partir do século XVII, começa-se a vestir das crianças,

os degraus da hierarquia social). Portanto,

a partir do século XVII, começa-se a

os degraus da hierarquia social). Portanto, a partir do século XVII, começa-se a vestir das crianças,
os degraus da hierarquia social). Portanto, a partir do século XVII, começa-se a vestir das crianças,

vestir das crianças, começando pelos

os degraus da hierarquia social). Portanto, a partir do século XVII, começa-se a vestir das crianças,

meninos, onde estes eram deixados mais

eram encerradas em corpinhos e outros

eram encerradas em corpinhos e outros aparatos para moldar seus corpos, no

aparatos para moldar seus corpos, no

eram encerradas em corpinhos e outros aparatos para moldar seus corpos, no

sentido de ajustá-las às formas femininas

os degraus da hierarquia social). Portanto, a partir do século XVII, começa-se a vestir das crianças,

perceber uma diferenciação no modo de

livres do que as meninas . As meninas

 
Trajes • Até o século XIII a criança saia de cueiros e era vestida como homem
• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho
• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho

Aos setes anos a criança passava a

conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho e dos jogos, em todos os momentos. A aprendizagem
de valores e costumes se dava, principalmente, a partir do contato com os

• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho
• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho

adultos: a criança aprendia ajudando aos

mais velhos. Logo, a socialização

acontecia no convívio com a sociedade,

• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho

não sendo determinada ou controlada pela

unidade familiar. Nesta forma coletiva de vida se misturavam idades e condições

• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho

sociais distintas, não havendo lugar para

• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho

intimidade e a privacidade.

• Aos setes anos a criança passava a conviver diretamente com os adultos, compartilhando do trabalho
• A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do século XVIII, veio instalar
• A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do século XVIII, veio instalar

A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do

• A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do século XVIII, veio instalar

século XVIII, veio instalar a
intimidade, a vida privada, o

• A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do século XVIII, veio instalar

sentimento de união afetiva entre o

casal e entre pais e filhos;

Pode-se afirmar que no século XVII,

• A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do século XVIII, veio instalar

a criança começa a existir como objeto próprio de conhecimento e

afeto

• A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do século XVIII, veio instalar
• A família moderna, que se estabeleceu na burguesia a partir do século XVIII, veio instalar
• A partir do final do século XVII, houve uma substituição da convivência informal da criança
• A partir do final do século XVII, houve uma substituição da convivência informal da criança

A partir do final do século XVII,

houve uma substituição da

• A partir do final do século XVII, houve uma substituição da convivência informal da criança

convivência informal da criança com

  • os adultos para um processo de

aprendizagem melhor estruturado, onde a criança deveria passar por aprendizagens específicas que a tornariam um adulto.
aprendizagem melhor estruturado, onde a criança deveria passar por aprendizagens específicas que a tornariam um adulto.

aprendizagem melhor estruturado,

aprendizagem melhor estruturado, onde a criança deveria passar por aprendizagens específicas que a tornariam um adulto.

onde a criança deveria passar por

aprendizagens específicas que a

aprendizagem melhor estruturado, onde a criança deveria passar por aprendizagens específicas que a tornariam um adulto.

tornariam um adulto. Assim, a

aprendizagem social vai deixando de

se realizar através do convívio direto

 
 
com os adultos, sendo substituída
com os adultos, sendo substituída

com os adultos, sendo substituída

pela educação escolar

• A partir do final do século XVII, houve uma substituição da convivência informal da criança
• Este interesse por um novo modelo de educação fez nascer uma nova concepção de infância
• Este interesse por um novo modelo de educação fez nascer uma nova concepção de infância

Este interesse por um novo modelo

de educação fez nascer uma nova

• Este interesse por um novo modelo de educação fez nascer uma nova concepção de infância

concepção de infância que perdurou

  • até o século XIX;

A infância e a criança deveriam ser conhecidas e compreendidas pelos

• Este interesse por um novo modelo de educação fez nascer uma nova concepção de infância
• Este interesse por um novo modelo de educação fez nascer uma nova concepção de infância

adultos, a fim de que pudessem ser

• Este interesse por um novo modelo de educação fez nascer uma nova concepção de infância

melhoradas sua formação moral e as práticas educativas infantis.

• Este interesse por um novo modelo de educação fez nascer uma nova concepção de infância
• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação
• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação

Em decorrência dessas mudanças,

houve um avanço na compreensão

do processo de desenvolvimento e

• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação
  • educação das crianças. Embora se

buscasse a preparação para a vida

• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação
• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação
• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação

adulta, era necessárias organização, cuidados e fases estruturadas do

conhecimento para que isso

• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação
  • acontecesse. Esta concepção

perdurou até boa parte do século

atual

• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação
• Em decorrência dessas mudanças, houve um avanço na compreensão do processo de desenvolvimento e educação
• A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância
• A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância

A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância terminava no ponto que o domínio da fala era alcançada. O segundo começava com a tarefa

• A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância
• A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância
• A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância
• A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância

de aprender a ler”, ou seja, tendo na escola seu marco determinante.

• A infância tornou-se uma descrição de um nível de realização. “O primeiro estágio da infância
• Falar de infância é se reportar às lembranças do passado, não como estas de fato
• Falar de infância é se reportar às lembranças do passado, não como estas de fato

Falar de infância é se reportar às

lembranças do passado, não como estas

de fato ocorrem, mas um passado que é, então, recontando a partir do crivo do

• Falar de infância é se reportar às lembranças do passado, não como estas de fato

presente e que se projeta

prospectivamente. • Rousseau via na infância um período de ensaio do homem futuro, indispensável à sua
prospectivamente. • Rousseau via na infância um período de ensaio do homem futuro, indispensável à sua
prospectivamente. • Rousseau via na infância um período de ensaio do homem futuro, indispensável à sua

prospectivamente.

Rousseau via na infância um período

de ensaio do homem futuro,

prospectivamente. • Rousseau via na infância um período de ensaio do homem futuro, indispensável à sua

indispensável à sua formação. Este foi

se procurar conhecer mais profundamente

prospectivamente. • Rousseau via na infância um período de ensaio do homem futuro, indispensável à sua

o primeiro que insistiu na necessidade de

 
as características para educar a criança

as características para educar a criança

as características para educar a criança
• Falar de infância é se reportar às lembranças do passado, não como estas de fato
• Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em cada fase do seu desenvolvimento, as
• Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em cada fase do seu desenvolvimento, as

Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em

• Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em cada fase do seu desenvolvimento, as
  • cada fase do seu desenvolvimento, as condições que lhes são favoráveis,

propondo o respeito ao ser na

• Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em cada fase do seu desenvolvimento, as
• Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em cada fase do seu desenvolvimento, as
• Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em cada fase do seu desenvolvimento, as

sua individualidade”

• Rousseau chamou “atenção para as necessidades das crianças em cada fase do seu desenvolvimento, as