Você está na página 1de 52
N OME : Turma: e-mail: Data / Nº /2012 ///4RC05 V1N1C1U5 R1831R0
N OME : Turma: e-mail: Data / Nº /2012 ///4RC05 V1N1C1U5 R1831R0
N OME : Turma: e-mail: Data / Nº /2012 ///4RC05 V1N1C1U5 R1831R0

NOME:

Turma:

e-mail:

N OME : Turma: e-mail: Data / Nº /2012 ///4RC05 V1N1C1U5 R1831R0

Data

N OME : Turma: e-mail: Data / Nº /2012 ///4RC05 V1N1C1U5 R1831R0

/

/2012

///4RC05 V1N1C1U5 R1831R0

Esta APOSTILA, como ocorre com todo e qualquer trabalho humano, deve – é evidente – conter falhas e imperfeições.

Não devemos, porém, temer o erro. O escritor suíço Henri- Frédéric Amiel (1821-1881) afirmou que o erro só é perigoso quando contém grande parcela de verdade. Gotthold Ephraim Lessing, filósofo alemão (1729-1781), um século antes do judicioso Amiel, já havia exarado esta sentença notável: Aquele que teme o erro é o primeiro a errar.

Tudo que merece estudo não se lê facilmente, tudo que adianta alguma coisa exige esforço e meditação.

Malba Tahan

“Agrada-me mais a dúvida do que o saber”, dizia Dante. E esta é a essência da Matemática. Completa, séculos depois, Benjamin Franklin: “Muita gente lamenta ter estudado isso ou aquilo. Consideram tempo perdido ou esforço inútil. Em relação a matemática, porém, não houve, até hoje, quem lastimasse o tempo empregado em seu estudo. O arrependimento só brotou no espírito daqueles que não poderiam ter levado, em adiantamento, os estudos da Matemática”.

Salientando a importância do ensino da parte histórica da Matemática opinou Felix Klein (1849-1925), um dos mais insignes didátas na matéria: “O professor que ensina a Matemática desligada de sua parte histórica comete verdadeiro atentado contra a Ciência e contra a cultura em geral”.

“ Ensinar é um exercício de imortalidade. De alguma forma continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da

nossa palavra. O professor, assim, não morre jamais

(Rubem Alves)

"Faça as coisas o mais simples que puder, porém não simplifique demais." Albert Einstein

Mestre é um aprendiz há mais tempo

- 1

-

PLANO DE ENSINO RESUMIDO 2012 D ISCIPLINA : C Á L C U L O
PLANO DE ENSINO RESUMIDO 2012 D ISCIPLINA : C Á L C U L O

PLANO DE ENSINO RESUMIDO 2012

DISCIPLINA: C Á L C U L O 4 TURMAS CA4TCI1, CA4TEN1

PROFESSOR: MARCOS VINÍCIUS RIBEIRO

mvinicius@facens.br

CONTEÚDO:

1∞∞∞∞SEMESTRE - 2012

Módulo 1

 

Módulo 2

Sequências

Campos Vetoriais Integrais Curvilíneas (de Linha) Equações Diferenciais Lineares de 1ª e 2ª ordem (homogêneas)

Séries

SISTEMA DE AVALIAÇÃO:

A avaliação do rendimento escolar é feita por disciplina, incidindo sobre a freqüência e o rendimento. O rendimento

escolar semestral anual é composto por dois módulos e pela freqüência semestral.

A nota de cada módulo é composta por exercícios, provas, trabalhos e outras atividades, sendo que, pelo menos uma

das provas deverá ser escrita. Uma prova Substitutiva no final do semestre. A nota obtida na prova Substitutiva é usada para substituir a menor das notas obtidas nos módulos. As notas serão compostas da seguinte forma: MF= 0,5*M1+0,5*M2 Se MF 5,0 então o aluno está APROVADO, onde M1: Nota do módulo1 e M2 : Nota do módulo2, MF: Nota final do semestre.

Caso contrário, MF=0,5*M+0,5*SUB, onde SUB: Nota da prova substitutiva referente a menor nota entre os módulos, ou ainda, referente ao módulo em que o aluno não compareceu, M é o máximo entre M1 e M2. Se MF 5,0 então o aluno está APROVADO. Se MF < 5,0 então o aluno está REPROVADO.

A prova substitutiva irá SUBSTITUIR a menor nota entre os módulos. A partir dela fará a média aritmética para

composição da média final do semestre. Critério de arredondamento, o aluno será aprovado se conseguir nota igual ou superior a 4,75. Frisando, o aluno que obter nota igual ou menor que 4,74 não será aprovado. Material para avaliações, lápis, caneta, borracha, apontador, régua, calculadora convencional quando for o caso do próprio aluno, não serão permitidos empréstimos de materiais durante as avaliações. É proibido uso de dispositivos eletrônicos durante a aula e prova, aplicam-se também aos fones de ouvido. Todo e qualquer outro material deverá estar fora do alcance do aluno, principalmente celulares. Caso seja detectada cola, mesmo que no início da avaliação, mesmo que ainda não tenha sido entregue a avaliação será atribuído zero ao aluno, portanto analise bem antes de fazê-lo. Obrigatório a entrega da folha de questões (tabelas e fórmulas) e da folha de resolução (exemplo, o almaço). Pede-se que o aluno procure ir ao banheiro antes da avaliação. Ao término da avaliação,

entregar nas mãos do professor. Acréscimos concedidos “bônus” ao longo dos módulos não serão computados, considerados quando da realização da avaliação substitutiva. O professor valoriza o cálculo mental ou cálculo sem uso de calculadoras.

Avaliações de Cálculo 4

CI1

EN1

Módulo 2

11/06 06/06

Substitutiva 22/06 22/06

Substitutiva 1º Semestre/2012

12 a 27 de junho

Módulo 1

09/04

11/04

O calendário de avaliações está sujeito a alterações pelo professor

BIBLIOGRAFIA Básica THOMAS, G. B. et al. - Cálculo. 10. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2002. Volume 2 THOMAS, G. B. et al. - Cálculo. 11. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009. Volume 2 STEWART, James. Cálculo. 4. ed. São Paulo: Pioneira, 2001. Volume 2 STEWART, James. Cálculo. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 2006. Volume 2 LEITHOLD, Louis. O Cálculo com Geometria Analítica 2. 3. ed. São Paulo: Harbra, 1994. Volume 2

Complementar SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com Geometria Analítica. 2. Ed. São Paulo: Makron Books, 1994. Volume 2

SIMMONS,George F. Cálculo com Geometria Analítica . 8ª ed

FINNEY, Ross L.; WEIR, Maurice D.; GIORDANO, Frank R. Calculo Volume 2. 10. ed. São Paulo, SP: Addison- Wesley 2003. 572 p. GONÇALVES, Mirian Buss; FLEMMING, Diva Marília. Cálculo B: funções de várias variáveis, integrais múltiplas,

integrais curvilíneas e de superfície. 2. ed. São Paulo, SP: Pearson Prentice Hall 2007. 435 p. GIOVANNI, J. R. Matemática Fundamental. São Paulo : FTD É Fundamental o aluno seguir um dos livros citados acima.

Migandorffy - é o canal chzelada- 192 videos

http://www.youtube.com/playlist?list=UU2EnI_I2_SDpT_WYXEslUiw&page=1

http://www.vestibulandia.com.br

Pearson Makron Books, 1988 Volume 2

- Sequencias e Séries + outros

http://www.youtube.com/nerckie

http://www.youtube.com/LCMaquino cálculo e geometria analítica

matemática zero e matemática

- 2 -

PARA REFLEXÃO

Para que haja crescimento o sacrifício é necessário

Negar a necessidade de mudanças não elimina o problema!

Ficar remoendo o passado, lamentando o que poderia ter sido feito e não foi, apenas desvia a atenção do presente, onde realmente as coisas acontecem.

O único lugar aonde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário – Albert Einstein

“Não espere benefício sem haver conquistado mérito”. Não espere o mérito sem esforço!!!!

“Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as minhas opiniões porque, não me envergonho de raciocinar e aprender”Alexandre Herculano

Não Adianta ficar lamentando, (coitadinho de mim, autocomiseração). Cresça!!! Não jogue a culpa nos outros!!!

Diga não a preguiça!!! Seja um guerreiro

Eu sou capaz!!!

A Bíblia diz Esforça-te e Eu te ajudarei!!! Is 35.4 41.10,13

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8.32 Não sabendo que era impossível, ele foi lá e fez!! Jean Cocteau Não faça da sua vida um rascunho, pois pode não dar tempo de passa-la a limpo!!!

A força não provêm da capacidade física e sim de uma vontade indomável – GANDHI

Mudança – Movimento (novos conhecimentos, Novas experiências, novas oportunidades) estas três desencadeiam crescimento – Vitórias – Realizações. Dê uma cotovelada de leve e fale ao seu vizinho, ei!! Movimente-se

Os quatro “D”

Determinação – é aquela força interior capaz de levar alguém a afirmar com convicção: “Este é o meu sonho. Não morro sem realiza-lo, mesmo que demore vinte, trinta anos”. Dedicação é a capacidade de se entregar à realização de um objetivo. Disciplina é a capacidade de seguir um método. Quando se fala em disciplina, a primeira coisa que vem á mente é o conceito de rigidez. Mas disciplina, na verdade, está associado à palavra discípulo, que é aquele que tem capacidade de aprender com um mestre, segundo seu método. Desprendimento é a capacidade de abandonar o que não esta funcionando para aprender o novo. É desapegar-se de certa maneira de fazer algo para conseguir um resultado melhor.

A diferença entre o sábio e o ignorante é que o 1º sabe aproveitar suas dificuldades para evoluir, enquanto o ignorante se sente vítima de seus problemas.

Cresça! Não lamente seus erros e dificuldades!!! Quem reconhece suas fraquezas já deu o primeiro passo para superá-las.

Lembre-se:

de um monumento aos homens.

A sua vida deve ser uma oferta a Deus ao invés

Os problemas para matemática não são problemas, são a razão de sua existência. Um problema é um desafio a ser solucionado, uma questão a ser resolvida. A matemática tem um caso de amor com os problemas

"QUANDO O TRABALHO É PRAZER, A VIDA É UMA GRANDE ALEGRIA. QUANDO O TRABALHO É DEVER, A VIDA É UMA ESCRAVIDÃO." (MÁXIMO GORKI)

Para vencer na vida Você deve colocar milhões de perseverança! Fotógrafo de renome que nos primeiros 5 anos de sua vida só fotografava animais, e ninguém dava nada para ele, e hoje é expoente nas fotos para modelos.

A VIDA É DURA PARA QUEM É MOLE!!!

- 3 -

Lembra-te que o silencio, é às vezes, a melhor resposta. Em disputas com teus queridos, trata só do caso corrente. Não vás buscar queixas do passado.

Quando perderes, pelo menos não percas a lição!

Julgar os outros é perigoso. Não tanto pelos erros que podemos cometer a respeito

deles, mas pelo que podemos revelar a nosso respeito.

Voltaire

PACIÊNCIA E PERSEVERANÇA!!!!!

Aprenda que a PACIÊNCIA requer muita prática!

Só o tempo e o esforço trazem a competência

Alcançado o sucesso deve-se manter o que foi conseguido, e não exalta-lo!

Toma em conta que um grande amor, ou uma grande realização implicam grandes riscos

freqüentemente mais do que a metade do caminho que conduz a solução do problema”

os

físicos aprenderam a fazer as perguntas corretas. E fazer a pergunta certa é

Werner Heisenberg(1901-1976)

“DEUS NÃO JOGA DADOS

Albert Einstein

O que fazemos em vida, ecoa na eternidade!!!

Do filme Gladiador

Partilhe o teu saber, é uma forma de alcançar a imortalidade!!!

Avalia o teu sucesso por tudo o que tiveste de renunciar para alcançar!

“Deus nos fez para atingirmos, como águias, elevadas alturas, mas nos contentamos com vôos rasantes dos pardais.”

O músculo mais potente do corpo humano é a língua.

Tudo tem uma razão. As vezes as coisas acontecem por uma razão. Algo ruim força uma coisa boa, ou para um bem maior

TRABALHE como se você não precisasse do dinheiro. AME como se você nunca tivesse sido magoado. DANCE como se ninguém estivesse observando. O maior risco da vida é não fazer nada!!!

Em tudo que a natureza opera, ela nada faz bruscamente!

Lamarck

Segue os três Rs: Respeito por ti, Respeito pelos outros e Reponsabilidade por todos os teus atos

Lembra-te que não ter tudo o que se deseja é por vezes um magnífico golpe de sorte.

DEUS NÃO CHAMA AQUELES QUE SÃO EQUIPADOS. ELE EQUIPA AQUELES QUE SÃO CHAMADOS, E ELE SEMPRE ESTARÁ LÁ PARA AMAR E GUIAR VOCÊ A GRANDES COISAS!

F

E

L

I

C

I

D

A

D

E

S

!

!

!

Marcos Vinícius Ribeiro

14 de abril de 2012

- 4 -

LUTE!!! Diga em voz alta: Insisto! Persisto! Não Desisto! Lutar sempre, Vencer talvez, Desistir Jamais!!!

LUTE!!!

Diga em voz alta: Insisto! Persisto! Não Desisto!

Lutar sempre, Vencer talvez, Desistir Jamais!!!

“Posso todas as coisas nAqule(DEUS) que me fortalece” Filipenses 4.13

Os VENCEDORES não são os que nunca sofrem derrotas,

mas sim os que nunca desistem”

Edwin Louis Cole

“A nossa maior glória não reside no fato de nunca cairmos, mas sim em nos levantarmos sempre depois de cada queda” - Confúcio

“Somente peixes mortos nadam com a corrente” (Malcolm Muggeridge).

- 5 -

A BRAHAM L INCOLN 16º Presidente dos Estados Unidos da América Republicano(1861-1865) Nasceu em 12/02/1809

ABRAHAM LINCOLN

16º Presidente dos Estados Unidos da América Republicano(1861-1865)

Nasceu em 12/02/1809 e foi assassinado no dia 15 de abril de 1865

P E R S E V E R A N Ç A

Ele fracassou nos negócios em 1831. Tentou um outro negócio em 33. Fracassou. Sua noiva morreu em 35. Teve um colapso nervoso em 36. Em 43 ele candidatou-se para o Congresso e foi derrotado. Tentou em 48 e foi derrotado novamente. Tentou se candidatar para o Senado em 55. Perdeu. No ano seguinte, candidatou-se a vice-presidente e perdeu. Em 59 candidatou-se ao Senado novamente e foi derrotado.

Em 1860, o homem que assinava A. Lincoln foi eleito o 16°presidente dos Estados Unidos.

A diferença entre as realizações mais ousadas da história e seus mais assombrosos fracassos está simplesmente em sua

FORTE VONTADE DE PERSISTIR.

“A probabilidade de fracassarmos na luta não nos deve deter no impulso de combater por uma causa justa.”

"é melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar

com a dúvida."

(Abraham Lincoln)

- 6 -

S E Q U Ê N C I A S

- Módulo 01

S E Q U Ê N C I A S

1ª)

Qual é a 10ª figura? Qual é a 128ª figura?

Qual é a 99ª figura? Qual é a 154ª figura?

2ª)

Qual é a 88ª figura? Qual é a 67ª figura?

Qual é a 121ª figura? Qual é a 145ª figura?

Qual é a 219ª figura?

3ª)

Qual é a 85ª figura? Qual é a 159ª figura? Qual é a 252ª figura? Qual é a 433ª figura?

Qual é a 122ª figura? Qual é a 208ª figura? Qual é a 379ª figura? Qual é a 134ª figura?

4) PROBLEMINHA PARA PENSAR

Como parte de seu programa de ginástica, Beto decidiu fazer abdominais toda manhã, a exemplo de sua treinadora Lilabel. Em 1º de abril ele fez apenas uma

abdominal, no dia 2 de abril fez três abdominais; do dia 3 de abril ele fez cinco e no dia 4 de abril fez sete. Suponha que Beto tenha continuado a aumentar o número de abdominais

a cada dia, seguindo este padrão durante todo o mês de

abril. Quantas abdominais ele fez no dia 15 de abril? Quantas abdominais ele fez até o dia 15 de abril? Lilabel decidiu acompanhar Beto e para motivá-lo ela começou com 20 abdominais no dia 1º de abril, e no dia 2 de abril ela fez 22, no dia 3 de abril ela fez 24. Quantas abdominais Lilabel fez no dia 15 de abril? Quantas abdominais Lilabel fez até o dia 15 de abril?

Quantas abdominais Lilabel fez até o dia 15 de abril? 5) Determine a Lei de formação(Termo

5) Determine a Lei de formação(Termo geral):

a) 1,4,7,10,13,

b) 4,9,14,19,24,29,

c) -3,4,11,18,25

d) 19,13,7,1,-5,-11,

e)15,23,31,39,47,

f) 17,21,25,29,33,

6) Transportation. Olga has part of a bus schedule. She wishes to take the bus to go the

mall, but she cannot leave until after 4:00

What is the earliest time Olga can catch the

bus? Bus Schedule Departures 8:25 A.M. 9:13 A.M. 10:01 A.M. 10:49 A.M.

Uma seqüência pode ser pensada como uma lista de números escritos em uma

O número a 1 é chamado de 1º termo, a 2

ordem definida: a 1 , a 2 , a 3 , a 4 , a 5 ,

é o 2º termo e em geral a n é o n-ésimo termo. Podemos lidar exclusivamente com

seqüências infinitas, e assim cada termo a n terá um sucessor a n + 1 . Note que para cada inteiro positivo n existe um número correspondente a n , e assim podemos representar como um par ordenado (n, a n ) , ou ainda como uma função cujo domínio é o conjunto dos N (Naturais). Mas geralmente escrevemos a n em vez da notação de função f(n) para o valor da função ao número n.

, a n ,

- 7 -

Notação: A seqüência {a 1 , a 2 , a 3 , a 4 ,

 

} é também denotada por { Exemplos:

a

n

}

ou por {

a

n

}

n=1

 

(a)

 

 

n

1

2

       

n

n + 1

n = 1

 

a

n

= n +1

 

,

2

3

,

3

4

,

4

5

,

,

n

n + 1

,

 

(b)

(

1

)

n

(

n

+

1

)

(

1

)

n

(

n

+1

)

 

2

3

4

 

5

(

1

)

n

(

n

+

1

)

3

n

n

a

=

3

n

 

3

,

9

,

27

,

81

,

,

3

n

 

,

(c)

{ n 3
{
n
3

}

n = 3

 

a

n

=

n
n

3,n 3

 

{0,1,

2,
2,
3,
3,
 

,

n 3,
n
3,
 

}

(d)

 

   

 

n

cos

6

n = 0

 

a

n

= cosn

6

,

n

0

1,

3

2

,

1

2

,0,

 

,cos

n

6

,

Aqui estão algumas seqüências que não tem uma equação de definição simples:

01) Se fizermos a n ser o dígito na n-ésima casa decimal do número e , então

{

a

n

}

é uma seqüência bem definida cujos primeiros termos são:

{7,1,8,2,8,1,8,2,8,4,5,

}

e =

lim

n

1

+

1

n

n

= 2,71828182 8459045235 3602874713 5266

02) A seqüência de Fibonacci { condições:

f

n

}

é definida recursivamente pelas

f

1

=

1

f

2

=

1

f

n

=

f

n

1

+

f

n

2

n

3

cada termo é a soma dos dois termos precedentes. Os primeiros termos são:

{1,1,2,3,5,8,13,21,34,55, 89,144,

}

Essa seqüência surgiu quando o matemático italiano conhecido como Fibonacci resolveu, no século XIII, um
Essa seqüência surgiu quando o matemático italiano conhecido como Fibonacci resolveu, no século XIII, um

Essa seqüência surgiu quando o matemático italiano conhecido como Fibonacci resolveu, no século XIII, um problema envolvendo a reprodução de coelhos.

Fibonacci colocou o seguinte problema: Suponha que coelhos vivam para sempre e que cada mês cada par produza um novo par, que se torna reprodutivo com 2 meses de idade. Se começarmos com um par de recém nascidos, quantos pares de coelhos teremos no n-ésimo mês?

A seqüência ao lado indicada com a letra L recebe o nome de seqüência de

L U C A S. L = {1, 3, 4, 7, 11, 18, 29, 47, 76,

- 8 -

}

E como falamos de par, de dois, o Triângulo de Pascal vem confirmar através dos coeficientes do binômio

(

a + x

) n

, ou números binomiais

Definição:

Uma seqüência {

a

n

n

p

onde

1

1

1

1

1

1

1

1

1

n

p

=

1

2

3

4

5

6

7

8

n !

p

!(

n

p

)!

1

3

1

6

4

1

10

10

5

1

15

20

15

6

1

21

35

35

21

7

1

28

56

70

56

28

8

}

tem o limite L e escrevemos

n

lim

a

n =

L

ou

1

a

n

L

quando

n

.

Se para cada

a

n

Se

n

L

lim

a

<

n =

> 0 existir um correspondente inteiro N tal que

sempre n > N .

L

existir, dizemos que a seqüência (tem limite), ou a

seqüência converge

(ou é convergente). Caso contrário, se

n

lim

a

n =

L

não existir, a

seqüência não tem

limite, ou a seqüência diverge (ou é divergente).

- pode ser interpretado como a probabilidade de

um macaco sentar na frente de uma máquina de escrever e apertando as teclas aleatoriamente escrever

a obra completa de Shakespeare. Pode-se afirmar que

é igual a zero? A idéia é dizer que é muito pequeno, porém diferente de 0 (zero).

sperança

“Falas nas aulas do Prof. Dr. Nelson Onuchic”

sperança “Falas nas aulas do Prof. Dr. Nelson Onuchic” Macacos Datilógrafos Uma afirmação clássica é que

Macacos Datilógrafos Uma afirmação clássica é que um macaco, batendo ao acaso nas teclas de uma máquina de escrever, acabaria compondo a obra completa de Shakespeare, admitindo-se que continuasse datilografando indefinidamente, século após século. Para tal estimativa, aplicou- se à regra da multiplicação da teoria das probabilidades. Um resultado de 1.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 (10 36 ) anos é considerado muito pequena por alguns. Nesse mesmo espírito, Sir Arthur Eddington escreveu este poema:

“Havia uma vez um macaco inteligente, que sempre tocava um baixo, e que disse:” “Parece que, em bilhões de anos, acabarei compondo uma melodia”. Página 74 - Do livro Introdução à Estatística – Mario F. Triola – 7ª edição Editora LTC

- 9 -

O Vocabulário de Shakespeare De acordo com Bradley Efron e Ronald Thisted, as obras de Shakespeare contem 31.534 palavras diferentes. Com auxílio da teoria das probabilidades, concluíram que Shakespeare conhecia ao menos outras 35.000 palavras que não empregou em suas obras. A estimativa do tamanho de uma população é um problema importante, encontrado freqüentemente em estudos de ecologia, mas o resultado apresentado aqui é outra aplicação interessante, [Veja “Estimating the Number of Unseen Species: How Many Words Did Shakespeare Know? (Estimativa do Número de Espécies Não Vistas: Quantas palavras Shakespeare conhecia?), in Biometria, Vol. 63, Nº 3] Página 63 - Do livro Introdução à Estatística – Mario F. Triola – 7ª edição Editora LTC

Os pontos do gráfico de {

a

n } devem estar entre as retas horizontais

y = L +

e

y = L

se

n > N .

Esse desenho deve ser válido não importa quão pequeno seja escolhido, mas

geralmente um menor requer um N maior.

escolhido, mas geralmente um menor requer um N maior. A única diferença entre Logo temos: Teorema:

A única diferença entre

Logo temos: Teorema: Se

n

lim

a

n =

L

.

x

n

lim

lim

f

a

n =

(

x

) =

L

L

e

e

f

f (n) = a

lim

(

x

) =

L

é que “n” precisa ser inteiro.

x

n quando n é um inteiro então

precisa ser inteiro. x n quando n é um inteiro então Definição : inteiro N tal

Definição:

inteiro N tal que

n

lim

a

a

n

n >

 

lim

Sabemos que

n

1

r

n

se r > 1

= •

M

significa que para cada número positivo M existe um

sempre que

n > N .

- 10 -

C O N V E R G Ê N C I A

D E

U M A

S E Q U Ê N C I A

A seqüência a n , cujos elementos pertencem a um corpo ordenado converge para L, se para cada número arbitrário > 0 pertencente a esse corpo, for possível

para todo n>

N todos os índices maiores que N , pode ser que uma seqüência é

desorganizada até um instante e depois se organiza. Logo estudamos a partir o momento da organização. Os termos “desorganizados” não

descaracterizam, tornam feia uma seqüência. Exemplo Dominó(todos desorganizados) e depois , a partir de um n tenho a organização.

encontrar um correspondente natural N tal que se tenha:

a

n

L

<

LEIS DOS LIMITES PARA SEQUÊNCIAS

Se { }

a

n

e {

b

n

}

forem seqüências convergentes e C for uma constante então:

lim ( a ± b ) lim lim = a ± b n • n
lim
(
a
±
b
)
lim
lim
=
a
±
b
n
n
n
n
n
n
n
lim
lim
Ca
=
C
a
n
n
n
n
lim
(
lim
lim
a b
)
=
a
.
b
n
n
n
n
n
n
n
lim
 a 
lim
a n
n
 •
n
=
lim
b
π
0
n
lim
se
b
b
n
n
n
n
n
lim
C
= C
n
lim
( a
)
k
= (
lim
) k
a
n
n
n
n
lim
k lim
k
a
=
a
n
n
n
n
lim
lim
a
a
t
n
=
t
n
n
n
lim
(
(
lim
)
log
a
)
=
log
a
n
t
n
t
ln
n

EXERCÍCIOS THOMAS – CÁLCULO VOLUME 2

SEQUÊNCIAS

Página 11 do 1 ao 56

Página 30 a 31

do 1 ao 51

Página 42 do 1 ao 65

Página 50-51

do

1 ao 44

Página 60 do 1 ao 38 Página 72 do 1 ao 35

- 11 -

Guillaume François Antoine, Marquês de L'Hôspital ( Paris ,

Guillaume François Antoine, Marquês de L'Hôspital (Paris,

1661

- Paris,

2

de Fevereiro de 1704) foi um

matemático

francês. É principalmente conhecido pela regra que tem o seu

nome

para

calcular

o

valor

limite

de

uma

fracção

cujo

numerador e denominador tendem,

 

A Regra de L’Hôspital é assim chamada em homenagem ao nobre francês marquês de L’Hôspital(1661-1704), mas foi descoberta pelo matemático suíço John Bernoulli(1667-1748)

A família Bernoulli teve sua origem na cidade de Antuérpia, na Holanda, vindo fugida para a Suíça, por serem protestantes. Foi a única família da humanidade até os tempos de hoje a produzir tantos matemáticos, doze ao todo, sendo os mais famosos os irmãos Jacques e Jean Bernoulli, importantes discípulos de Leibniz que contribuíram de forma inigualável na criação do Cálculo Diferencial e Integral. A palavra integral foi primeiramente usada pelos Bernoulli em 1669, sendo logo admitida por Leibniz que "Cálculus Integralis" seria um nome melhor que "Cálculus Sommatorius". Jean Bernoulli, filho de Nicolau Bernoulli, nasceu em Basiléia, Suíça, no dia 07 de agosto de 1667. Seu pai lhe proporcionou muito conhecimento de matemática, mas não pretendia que seus filhos se dedicassem a ela, esperando que os mesmos fossem ministros religiosos ou médicos. Jean seguiu o caminho estipulado pelo pai a princípio, chegando a escrever uma tese de doutoramento em medicina, com apenas 23 anos de idade.Jean apaixonou-se pela teoria do cálculo diferencial e integral e, em 1662, escreveu dois livros sobre cálculo. Nessa época, encontrava-se em Paris e, para ganhar a vida, tornou-se professor particular de um jovem, Guilherme François L'Hospital, Marquês de St Mesme, com o qual trocou o salário mensal para passar para suas descobertas matemáticas para serem usadas como o desejasse; sendo assim, uma das mais importantes contribuições de Jean Bernoulli para resolução de limites indeterminados passou a ser conhecida mundialmente como regra de L'Hospital (Análise dos Infinitamente Pequenos), publicado em Paris em 1699. Esta publicação é tida como primeiro livro de

(Análise dos Infinitamente Pequenos), publicado em Paris em 1699. Esta publicação é tida como primeiro livro
(Análise dos Infinitamente Pequenos), publicado em Paris em 1699. Esta publicação é tida como primeiro livro
Pequenos), publicado em Paris em 1699. Esta publicação é tida como primeiro livro de Jean Bernoulli

Jean Bernoulli

(1667-1748)

cálculo diferencial e Integral editado no mundo, cuja importância foi enorme para a divulgação do cálculo entre os estudiosos do século XVIII. Na obra, L'Hospital demonstra ser um escritor exímio, expondo de maneira ordenada a evolução das principais idéias-suportes das integrais e derivadas. O sucesso foi tão grande que durante dois séculos foi publicado com tiragens de milhares de exemplares. L'Hospital agradece, no prefácio, de maneira especial a Jean Bernoulli e a Leibniz. Bernoulli foi convidado a ser professor da Universidade de Groningen em 1695, e, em 1696, começou a interessar-se pelo que seria o cálculo varicional, propondo, na revista Acta Eruditorium, o célebre problema do tempo mínimo de descida de um corpo sob ação do campo gravitacional, que foi resolvido por Euler e por vários matemáticos, inclusive pelo próprio Jean. Casou-se, em 1694, com a sobrinha de Euler, com a qual teve três filhos, todos gênios que fizeram grandes trabalhos dentro da física e da matemática. Em 1711, ficou conhecido no mundo todo devido a seus importantes trabalhos dentro da matemática, da física e da engenharia e, principalmente pelos seus estudos sobre as propriedades da catenária, sendo várias vezes, homenageado pelos reis e rainhas. Em 1712, começou a demonstrar sinais nítidos de loucura, expulsando de casa seu filho Daniel, por ele ter conquistado um prêmio da Academia de Ciências de Paris, ao qual Jean também concorreu. Tal inveja perdurou até o final de sua vida, ficando, ao fim de 1747, praticamente sozinho no mundo, abandonado inclusive pela própria família. Morreu em 03 de janeiro de 1748 na cidade de Basiléia, com 81 anos de idade, vítima de sua loucura.

- 12 -

Indeterminações Inconclusivas

g

x

,

(

x

)

lim

a

f

π

0

0

0

;

0.

;

1

;

0

;0

0

;

;

quociente produto diferença potência

Regra de L´Hôspital – Suponha que

f e g são diferenciáveis e

próximo a a

(exceto possivelmente em a ). Suponha que:

(

x

)

=

0

e

lim

x

a

g

(

x

)

=

0

ou que

x

lim f

a

(

x

) = ±•

e

x

lim g

a

(

x

) = ±•

(Em outras palavras, temos uma forma indeterminada do tipo 0 0 ou

Então:

lim

x

a

f x

(

)

(

g x

)

=

lim

x

a

f

,

( x

)

g

,

( x

)

Se o limite do lado direito existir (ou é

ou

)

).

Exemplo de limites fundamentais.

Trigonométricos:

Exponencial:

lim

x

lim 0

x

sen x

1 +

x

1

x

x

=

1

lim 0

x

1

cos x

x

=

= e

EXEMPLO INTERESSANTE.

0

lim 0

x

tgx

x

=

1

 

lim

Calcule

x

ln n

n Note que o numerador e denominador se aproximam do infinito

quando .Não podemos aplicar regra de L´Hôspital diretamente, porque ela não se aplica a seqüências, mas sim a funções de uma variável real. Contudo podemos aplicar a Regra de L´Hôspital à função relacionada

ln x

x

(

)

ln x

x

f

(

x

) =

lim

x

lim

x

e obter

lim

n

Portanto, pelo teorema abordado temos:

- 13 -

1

x

1

= 0

ln n

n

= 0

I N F I N I T O

( f r a s e s)

“Para o grande há sempre um maior.” (Anaxágoras)

“Dentro do pequeno, não existe o menor.

Sempre há um menor, porque o que existe não pode deixar de sê-lo mediante uma

partição, por maior que ela seja.”

(Anaxágoras)

“Deus fez os números inteiros, todo o resto é criação do homem.”

(Kronecker)

“Nenhum outro problema impregnou tão profundamente a alma do homem como o infinito.

Nenhuma outra idéia atuou com tanto estímulo e fertilidade sobre a mente como o infinito.

Nenhum outro conceito necessita de esclarecimento como o infinito.”

(Hilbert)

“Ninguém poderá expulsar-nos do Paraíso que Cantor nos criou.”

(Hilbert)

“A estrutura do contínuo caracteriza-se sobretudo pelo fato das frações decimais infinitas não mais poderem ser separadas umas das outras, não mais poderem ser rachadas com um machado, como Anaxágoras expressou de modo bastante plástico. Os números reais não mais estão densamente juntos, como os números racionais, mas

(Walter R. Fuchs)

totalmente sem lacunas entre si, de forma contínua”.

Contar de 1 a infinito

Suponha que não haja limitações físicas.

Então é possível contar os naturais de 1 até o infinito em 1 segundo?

R: Sim. Mas como?

Página 65

28/03/2002 - 08h22

MATEMÁTICA: O INFINITO E O QUASE "INSUPERÁVEL"

N Ú M E R O

G U G O L

JOSÉ LUIZ PASTORE MELLO

Folha de S.Paulo

Em certa ocasião, o matemático americano Edward Kasner perguntou ao seu sobrinho Milton Sirotta, de nove anos, qual era o maior número que existia. A resposta do pequeno Milton _qualquer coisa como

guuugol

matemática. Em homenagem ao sobrinho, Kasner chamou de gugol ("googol", em inglês) o número 1 seguido de 100 zeros ou, dizendo de outra maneira, o número 10 elevado a 100. Não é tarefa fácil encontrar em nosso mundo real algo em quantidade tão grande quanto 1 gugol. Para ter uma idéia, o número de gotas de chuva que caem na cidade de São Paulo em um século é muito menor que 1 gugol. Também o número total de grãos de areia das praias do litoral brasileiro é menor que 1 gugol, assim como é menor que 1 gugol o número de elétrons em todo o universo (que se estima ser algo em torno de 10 elevado a 79 elétrons).

não foi muito animadora, mas na mente criativa de Kasner isso virou uma bela brincadeira

Para não dizer que 1 gugol é um número insuperável, se imaginarmos o universo inteiro ocupado por prótons e elétrons de tal forma que não sobre nenhum espaço livre, então o número dessas partículas será maior que 1 gugol (10 elevado a 110 partículas, aproximadamente). Vencida a barreira do gugol, que tal pensarmos agora em um número ainda maior: "10 elevado a 1 gugol" (Kasner batizou esse número de gugolplex).

Se fosse possível escrever um dígito a cada meio segundo, quanto tempo levaríamos para escrever todos os zeros do número 1 gugolplex? A resposta exige apenas algumas contas. Dizer que 1 gugolplex é o número 10 elevado a 1 gugol é equivalente a dizer que esse número tem o primeiro dígito igual a 1, seguido de 1 gugol de dígitos iguais a 0.

Nas condições dadas, levaríamos 0,5.10 elevado a 100 segundos para escrever por extenso o número de zeros de 1 gugolplex. Levando-se em consideração que esse número é igual a 5.10 elevado a99 segundos e que a idade estimada do universo é igual a 6,32.10 elevado a 16 segundos, é possível afirmar que, desde o Big Bang até hoje, não houve tempo suficiente para a empreitada de escrever todos os zeros de 1 gugolplex.

Para o leitor que pensa ter atingido o infinito com o gugolplex, que tal imaginar o número 1 gugolplex elevado a 1 gugolplex? Quanto ao nome desse novo número, fica por conta da imaginação de cada um!

José Luiz Pastore Mello é professor de matemática do ensino médio do Colégio Visconde de Porto Seguro

- 14 -

August Ferdinand Möbius

Nascimento: 17 Nov 1790 em Schulpforta, Saxônia (hoje Alemanha) Falecimento: 26 Sept 1868 em Leipzig, Alemanha

August Möbius (entre nós Moebius) é mais conhecido pelo seu trabalho em topologia, especialmente pela sua concepção da fita de Moebius, que é uma superfície de duas dimensões com um lado só.

especialmente pela sua concepção da fita de Moebius, que é uma superfície de duas dimensões com
especialmente pela sua concepção da fita de Moebius, que é uma superfície de duas dimensões com
especialmente pela sua concepção da fita de Moebius, que é uma superfície de duas dimensões com

Faixa de Möbius

de duas dimensões com um lado só. Faixa de Möbius Símbolo do infinito Reciclagem NOVELA DA

Símbolo do infinito

de duas dimensões com um lado só. Faixa de Möbius Símbolo do infinito Reciclagem NOVELA DA

Reciclagem

de duas dimensões com um lado só. Faixa de Möbius Símbolo do infinito Reciclagem NOVELA DA
de duas dimensões com um lado só. Faixa de Möbius Símbolo do infinito Reciclagem NOVELA DA

NOVELA DA REDE GLOBO

- 15 -

OBRAS DE ESCHER

OBRAS DE ESCHER - 16 -
OBRAS DE ESCHER - 16 -

- 16 -

Olá!

Você é capaz de determinar o valor das seguintes somas?

a)

1

 

1 + 1

1 + 1

1 + 1

=

b)

1

1 + 1

1 + 1

1 + 1

1

=

c)

1 + 2 + 3 + 4 + 5 + 6 + 7 + 8 +

 

=

d)

Qual é o resultado da soma dos números inteiros de 1 a 100?

e)

1 + 2 + 4 + 8 + 16 + 32 + 64 + 128

 

=

f)

1

+

1

+

1

+

1

+

1

+

1

+

1

+

 

=

   
 

2

4

8

16

32

64

g)

 

1

+

1

+

1

+

1

+

1

+

1

+

 

=

   
 

3

9

27

81

243

Bom Trabalho!!! ///4RC05 V1N1C1U5 R1831R0 7/8/7 18h30

S É R I E S -

Se tentarmos adicionar os termos de uma seqüência infinita {

a

a 1 + a 2 + a 3 +

+ a n

+

.

.

.

a

n

n

}

n =1

obteremos uma

que é chamada de uma série infinita(ou

. Mas faz

expressão da forma

apenas uma série) e é denotada por abreviação, pelo símbolo

ou

a

n

n =1

sentido falar sobre a soma de infinitos termos?

Seria possível encontrar uma soma finita para a série

1 + 2 + 3 + 4 + 5 +

+ n +

?

série

podemos fazer as somas parciais se tornarem próximas o

quanto quisermos de 2. Logo, parece razoável dizer que a soma dessa série infinita igual a

2 e escrever

Contudo

se

começarmos

1

2

1

1

+

1

a

adicionar

os

termos

da

 

1 1

1

1

1

1

1+

+

+

+

+

+

+

+

2 4

8

16

32

64

n = 0

1

2

n

= +

1

1

+

4

+

n ,

+

1

+

16

+

1

+ +

1

2

n

+

2

8

32

64

= 2

Utilizamos uma idéia similar para determinar se uma série geral tem uma soma ou não. Consideremos as somas parciais S 1 = a 1 S 2 = a 1 + a 2 S 3 = a 1 + a 2 + a 3 S 4 = a 1 + a 2 + a 3 + a 4

e, em geral.

S n = a 1 + a 2 + a 3 + a 4 +

+ a n

n

=

i = 1

a

i

Essas somas parciais formam uma nova seqüência {

Se

S

n }

, que pode ou não ter um limite.

lim

S

n

=

S

existir(como um número), então, como no exemplo anterior, o chamamos de

n

soma da série infinita

a

n .

- 17 -

O TESTE DE COMPARAÇÃO NO LIMITE

Suponha que a n > 0 e b n > 0 para todo n N (sendo n um inteiro positivo).

1. Se

lim

a

b

n

=

c , 0 < c <

, então tanto

2.

Se

lim

a

b

n

=

0

e

b

n

3. Se

lim

a

b

n

= •

e

b

n

 

n

n

 

n

n

n

n

a

n

quanto

b

n

convergem

ou

converge,

 

então

a

n

diverge, então a

n

diverge.

ambas divergem.

 

converge.

   
 

Definição 11.33

   

Definição 11.34

Uma

 

série

a

n

se

diz

condicionalmente

Se a série

 

a

n

é absolutamente convergente,

convergente,

 

então

a

n

é convergente.

se

a

n

é convergente mas

 

a

n

é divergente.

 

Teste da razão para convergência absoluta(11.35)

(i)

(ii)

Seja

a

n uma série de termos não-nulos, e suponhamos

lim

n

a n + 1 a n
a
n + 1
a
n

= L

Se L < 1, a série é absolutamente convergente.

Se L > 1 ou

lim

n

a n + 1 a n
a
n + 1
a
n

= •

, a série é divergente.

(iii)

convergente, condicionalmente convergente ou divergente

Se L = 1, devemos aplicar outro teste, pois a série pode ser absolutamente

Definição - Série de Potencias

Uma expressão da forma

n = 0

c

n

n

x

=

c x

0

0

+

c x

1

+

c

2

2

x

+

+

c

n

n

x

+

é uma série de

potencias centrada em x = 0. Uma expressão da forma

n = 0

c

n

(

x

a

)

n

=

c

0

(

x

a

)

0

+

c

1

(

x

a

)

+

c

2

(

x

a

)

2

+

+

c

n

(

x

a

)

n +

É chamada de uma série de potencias em (x – a) ou uma série de potencias centrada em a ou uma série de potencias ao redor de a. O termo c n (x – a) n é o enésimo termo; o número a é o centro.

Teorema 12 - O teorema da Convergência para séries de Potencias

Existem três possibilidade para

n = 0

c

n

(

x

a

)

n

com relação à convergência.

1)Existe um número positivo R tal que a série diverge para

A série pode ou não convergir em um dos extremos x = a–R

x

a > R

, mas converge para

e

x =a + R.

x

a <

R

.

2) A série converge para todo x (R = ). 3) A série converge com x = a e diverge em qualquer outro lugar ( R = 0).

O número R é o raio de convergência, e o conjunto de todos os valores de x para os quais a

série converge é o intervalo de

convergência se R é zero ou infinito. Para 0 < R < , contudo, permanece a questão sobre o que acontece nos extremos do intervalo.

O raio de convergência determina completamente o intervalo de

- 18 -

Veremos que o principal uso de uma série de potencias é que ela fornece uma maneira de representar algumas das mais importantes funções que aparecem na matemática, na física e na química. Em

particular, a soma da série de potencias

em

J

1

(

homenagem

ao

astrônomo

x

) =

n = 0

( 1)

n

x

2

n +

1

n

!(

n +

1)!2

2

n +

1

J

o

(

x

) =

alemão

n = 0

( 1)

n

x

2

n

2

2

n

(

n

!)

2

é chamada de uma função de Bessel,

Friedrich

Bessel(1784-1846),

e

a

função

é outro exemplo de uma função de Bessel. De fato, essas funções

surgiram primeiramente quando Bessel resolveu a equação de Kepler da descrição do movimento planetário. Desde aquele tempo, essas funções têm sido aplicadas em muitas situações físicas diferentes, incluindo a distribuição de temperatura em uma placa circular e o formato da membrana de um tambor vibrando.

Séries de Maclaurin

 

1 2

+

=

1 +

x

x

+

3

x

+

+

x

n

+

 

=

 

x

n

(

x

< 1)

 

1

x

n=0

 

1 2

 

 

1 + x

=

1 +

x

x

 

x

3

+

+

(

 

x

)

n

+

=

n = 0

( 1)

n

x

n

(

x

< 1)

 
   

Tabela 8.1 (Limites)

   

1)

lim

ln n

=

0

2)

lim n

n
n

=

1 _

ou

_

lim

n

1 n
1
n

=

1

3)

lim

x

1 n
1
n

=

1

(

x

>

0)

n

n

n

n

n

     

1 +

x  

n

n

x

 

x n

 

4)

lim

x n

= 0 _(

x

< 1)

5)

lim

 

=

e

(para todo x)

 

6)

lim

!

=

0

(para todo x)

n

n

 

n

n

 
 

Nas fórmulas 3 a 6, x permanece fixo quando n ••••

 

Série Harmônica

O que há de Harmônico sobre a Série Harmônica? Os termos na série harmônica correspondem aos nós em uma corda vibrando que produzem múltiplos da freqüência fundamental. Por exemplo, ½ produz o harmônico que é o dobro da freqüência fundamental, 1/3 produz uma freqüência que é 3 vezes a freqüência fundamental e assim por diante A freqüência fundamental é a nota ou altura do som mais baixa que ouvimos quando uma corda é tangida. A série-p ou série hiperârmonica(com

quando p = 1 é chamada série harmônica, é provavelmente a série divergente mais famosa

p real positivo)

n =1

1

n

p

em matemática. O Teste da p-Série mostra que a série harmônica é divergente por um triz; se aumentarmos p para 1,000000001, por exemplo, a série converge! A lentidão com a qual as somas parciais da série harmônica se aproximam do infinito é muito impressionante. A

19 termos ou 178.482.301 pelo menos

para fazer a soma parcial da série harmônica ultrapassar 20. Sua calculadora levaria várias semanas para calcular uma soma com este número de termos. Apesar disso, a série harmônica realmente diverge.

que

apesar de ser decrescente e lim = 0 , é divergente, validando o Teste do Enésimo Termo, onde diz que se

A título de curiosidade é possível provar que seriam necessários

e

A seguir demonstramos que a série harmônica é divergente. Um exemplo de uma série

a

n

a

n

lim

n

a

n

π 0

então a série

n

a

n

é divergente e se lim

n

a

n

= 0

então é necessária investigação adicional para

determinar se a série

a

n

é convergente ou divergente.

- 19 -

Prova:

n= 1

1

1

1

1 1

 

=

+

+

+

n

2

3

4 5

1

+

s

1

s

2

s

4

s

8

s

16

= 1

 

=

1 +

=

+

=

1 +

>

1

+

=

1

+

>

1

+

s

1

2

+

é divergente , Solução:

1

1

1 +

2

 

+

3

+

1 1

1 1

(

2

1

)

>

1

+

1

4

 

2

1

+

(

1

+

1

6

4

5

 

+

(

1

1

1 )

4

8

+

8

 

1

4

)

+

 

1

+

5

 

+

(

1

1 )

4

8

+

(

1 +

1

)

=

4

4

1

1

)

 

7

+

8

1

+

1

)

=

1

8

8

)

1

8 +

)

1 +

8

(

(

1

9

1

16

+

+

3

5

2 64

6

2

4

2

é

s

4

>

1

+

2

2

s

8

>

1

+

3

2

s

16

>

1

+

4

2

s

32

>

1

+

5

2

s

64

>

1

+

6

2

S2 2

2

 

S2 3

>1+

3

2

S2 4

4

 

S2 5

5

 

S2 n >

1 +

n

2

>1+

2

 

>1+

2

>1+

2

 

Isso mostra que S2 n

•••• quando n

•••• , assim

{S n }

divergente. Portanto a série harmônica diverge.

O método usado no Exemplo acima para mostrar que a série harmônica diverge deve-se ao matemático francês

Nicole Oresme(1323-1382 d.C.), maior matemático do período. Nascido na Normandia, teve uma carreira que se estendeu do magistério ao bispado.

O gráfico de uma série Divergente pode ser representado por uma espiral, enquanto que o de uma Convergente por um círculo

Observação do Vídeo Arte e Matemática fita nº 3 apresentação 7 – Música das Esferas – TV Cultura

Vamos investigar. Após a soma de um grande número de termos da série harmônica, quando chegarmos a n = 10 20 , n = 10 30 ,

n = 10 100 , etc., estaremos somando tão pouco que teremos a impressão de que a soma de todos os

termos da série infinita realmente é um número finito. Aliás, hoje, com a ajuda do computador, podemos até fazer cálculos experimentais interessante. Vamos supor que fossemos capazes de somar

cada termo da série em um segundo de tempo.

Como um ano tem aproximadamente

nesse

período de tempo seríamos capazes de somar a

série até 31.557.600, obtendo para a soma um valor pouco superior a 17; em 10 anos a soma chegaria a pouco mais de 20; em 100 anos, a pouco mais de 22. Como se vê, somas parciais de termos da série harmônica jamais nos levariam a suspeitar que ela

diverge. Pelo contrário, essas somas só nos levam a

pensar que a série seja convergente. Isso, todavia, é

falso! Basta verificar a demonstração de Nicole

Oresme.

A demonstração de que a série harmônica

diverge, feita pela primeira vez por Oresme, mostra

como é decisivo o pape