Você está na página 1de 24

Contabilidade Internacional

Autor: Tessa Cristina P. Coltro

Tema 02

IAS 1 – Apresentação das Demonstrações Financeiras

Contabilidade Internacional Autor: Tessa Cristina P. Coltro Tema 02 IAS 1 – Apresentação das Demonstrações Financeiras
Contabilidade Internacional Autor: Tessa Cristina P. Coltro Tema 02 IAS 1 – Apresentação das Demonstrações Financeiras

Tema 02

IAS 1 – Apresentação das Demonstrações Financeiras

Como citar este material:

COLTRO,

Tessa

Cristina

P.

Contabilidade

Internacional:

IAS

1

Apresentação

das

Demonstrações Financeiras. Caderno de Atividades.

Valinhos: Anhanguera Educacional, 2014.

Tema 02

IAS 1 – Apresentação das Demonstrações Financeiras

Introdução ao Estudo da Disciplina Caro(a) aluno(a). Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no

Introdução ao Estudo da Disciplina

Caro(a) aluno(a).

Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no livro Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: IFRS versus normas brasileiras, do autor Ernest & Young, editora Atlas, 2010, PLT N°.

Roteiro de Estudo:

Contabilidade

Internacional

Tessa Cristina P. Coltro

Introdução ao Estudo da Disciplina Caro(a) aluno(a). Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no

CONTEÚDOS E HABILIDADES

Conteúdo

Nessa aula você estudará:

A IAS 1 que trata das bases para apresentações das demonstrações contábeis, assegurando a comparabilidade das informações de um ano para outro e também em relação a outras empresas.

Habilidades

Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

Quais os demonstrativos contábeis obrigatórios de serem elaborados e divulgados segundo a IAS 1?

CONTEÚDOS E HABILIDADES

Quais as informações obrigatórias que devem constar nas Demonstrações Contábeis?

Qual o formato e a classificação dos Demonstrativos Contábeis?

CONTEÚDOS E HABILIDADES • Quais as informações obrigatórias que devem constar nas Demonstrações Contábeis? • Qual

LEITURA OBRIGATÓRIA

IAS 1 – Apresentação das Demonstrações Financeiras

A IAS 1 foi revisada em 2008 pelo IASB, atual órgão internacional e entrou em vigor a partir de 1º de janeiro de 2009.

O objetivo dessa norma é de estabelecer bases para apresentação das demonstrações financeiras, assegurando a comparabilidade das mesmas de um ano para o outro, como em relação aos demonstrativos financeiros de outras empresas. De acordo com essa norma, as demonstrações financeiras que deverão ser elaboradas e publicadas são:

  • - Balanço Patrimonial.

  • - Demonstração do Resultado do Exercício.

  • - Demonstração do Resultado Abrangente.

  • - Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido.

  • - Demonstração do Fluxo de Caixa.

  • - Notas Explicativas.

No Brasil foi editado pelo CPC, Comitê de Pronunciamentos Contábeis, o CPC 26, que trata da mesma questão e foi elaborado a partir da IAS 1, portanto, a norma brasileira está alinhada com a norma internacional.

LEITURA OBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Veja alguns pontos importantes de aplicação da norma: a) Continuidade : As demonstrações financeiras

Veja alguns pontos importantes de aplicação da norma:

  • a) Continuidade: As demonstrações financeiras devem ser preparadas com base no

princípio da continuidade. Quando a empresa não tiver a intenção de continuar com suas operações, por intenção da administração em liquidar a entidade, ou não possuir nenhuma alternativa para continuar com suas operações, essa informação deve ser divulgada em notas explicativas.

  • b) Regime de competência: As demonstrações contábeis devem ser elaboradas com

base no regime de competência, com exceção da demonstração do fluxo de caixa.

  • c) Frequência da divulgação: Os demonstrativos contábeis devem ser elaborados

e divulgados ao menos uma vez por ano, incluindo a informação comparativa do ano anterior.

  • d) Consistência: As entidades deverão manter a apresentação e classificação das contas

nas demonstrações contábeis de um período para o outro a menos que outra alternativa

seja mais apropriada ou caso outra norma determinar a mudança na apresentação.

  • e) Informações Obrigatórias: nome da entidade, nível de arredondamento dos valores,

moeda das demonstrações, data ou período coberto pelas demonstrações, e se as

demonstrações são individuais ou consolidadas.

Agora você estudará os demonstrativos obrigatórios de elaboração e publicação por tópicos:

A) Balanço Patrimonial: a norma internacional não prevê ordem ou formato de apresentação, pode ser apresentado da seguinte maneira:

  • - Em correntes e não correntes.

  • - Por ordem de liquidez.

  • - Por classificação mista.

Ativo Corrente é todo ativo que satisfaz a qualquer um dos critérios mencionados abaixo:

Será, provavelmente, realizado, vendido ou consumido dentro do ciclo operacional normal da entidade.

LEITURA OBRIGATÓRIA

É mantido com o propósito inicial de ser negociado.

Espera-se que seja realizado dentro do período de 12 meses após a data do balanço.

Refere-se à caixa ou equivalentes de caixa, a menos que possua restrição de ser usado ou trocado para quitar uma obrigação por, no mínimo, 12 meses após a data do balanço.

Se não apresentar nenhum dos critérios relacionados acima será considerado ativo não corrente.

Passivo corrente é todo passivo que satisfaz os seguintes critérios relacionados abaixo:

Será, provavelmente, quitado dentro do ciclo operacional normal da entidade.

É mantido com o propósito inicial de ser negociado.

Tem prazo de vencimento de até 12 meses após a data do balanço.

A entidade não possui direito incondicional de adiar seu pagamento por, pelo menos, 12 meses após a data do balanço.

Se não satisfizer nenhum dos critérios relacionados acima será considerado passivo não corrente.

O Balanço patrimonial deve incluir, no mínimo, itens que representem os seguintes montantes:

  • a) Imobilizado (máquinas, edifícios e equipamentos).

  • b) Ativos intangíveis.

  • c) Ativos financeiros.

  • d) Investimentos avaliados pelo método de equivalência patrimonial.

  • e) Estoques.

  • f) Clientes e outras contas a receber.

  • g) Caixa e equivalentes a caixa.

  • h) Fornecedores e outras contas a pagar.

  • i) Impostos sobre passivos e ativos.

LEITURA OBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA j) Provisões. k) Passivos financeiros. l) Participação dos acionistas não controladores (minoritários) apresentados dentro

j)

Provisões.

  • k) Passivos financeiros.

  • l) Participação dos acionistas não controladores (minoritários) apresentados dentro do patrimônio líquido.

  • m) Capital social e reservas atribuíveis aos acionistas controladores.

Existe semelhança com as normas brasileiras na utilização do prazo de 12 meses, porém, a norma brasileira prevê ordem e formato de apresentação do Balanço Patrimonial. A norma internacional é mais ampla e flexível.

A IAS 1 altera a nomenclatura de Balanço Patrimonial para Demonstração da Posição Financeira.

Figura 2.1 – Modelo de Balanço Patrimonial em IFRS

impostos diferidos

intangíveis

lucros acumulados

investimentos societários

Nota

Ativo não corrente

Ativo
Ativo

2010

Imobilizado, líquido

  • 2009 Patrimônio Líquido e passivo

goodwill

prejuízos acumulados

outros resultados abrangentes

2010

2009

   
 
   

Passivo Corrente

impostos diferidos

provisão para contingências

receitas diferidas líquidas

fornecedores

salários a pagar

impostos a pagar

contas a pagar

Total do Patrimônio Líquido e passivo

Passivo Corrente impostos diferidos provisão para contingências receitas diferidas líquidas fornecedores salários a pagar impostos a
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
financiamentos contas a receber subtotal ativos financeiros outros ativos participação do acionista não controlador Total do
financiamentos
contas a receber
subtotal
ativos financeiros
outros ativos
participação do acionista não controlador
Total do patrimônio líquido
Ativo Corrente
Passivo não corrente
estoques
empréstimos
contas a receber
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
impostos diferidos intangíveis lucros acumulados investimentos societários Nota Ativo não corrente Ativo 2010 Imobilizado, líquido 2009
caixa e equivalentes Total do Ativo ativos financeiros
caixa e equivalentes
Total do Ativo
ativos financeiros
Nota reservas Patrimônio Líquido capital social
Nota
reservas
Patrimônio Líquido
capital social

Fonte: Manual de Normas de Contabilidade Internacional, 2010.

LEITURA OBRIGATÓRIA

B) Demonstração do Resultado do Exercício:

A IAS 1 não prevê formato de apresentação da Demonstração de Resultado do Exercício, apenas exige que sejam apresentados os seguintes itens em linhas separadas:

Receitas.

Custos financeiros.

Participações nos resultados da coligada e joint ventures reconhecidas pelo método de equivalência patrimonial.

Despesas de impostos.

Um único valor compreendendo:

O total de lucro ou prejuízo após os impostos de operações descontinuadas.

O lucro ou prejuízo após os impostos reconhecidos na mensuração do valor justo líquido do custo da venda de ativos ou grupo de disposição da operação descontinuada.

Lucro ou prejuízo.

Lucro ou prejuízo de acionistas não controladores.

Lucro ou prejuízo de acionistas da controladora.

Já a norma brasileira prevê formato de apresentação e exige a separação de itens operacionais dos não operacionais, que a partir da Lei nº 11.941/2009 passou a ser denominado “Outros Resultados operacionais”.

A classificação das despesas, segundo a IAS 1, pode ser pela natureza ou função. Já no Brasil a classificação das despesas é pela função. Veja a sugestão de modelo para apresentação das despesas por função.

LEITURA OBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Figura 2.2 – Demonstração do Resultado por função. (-) custo das vendas Demonstração do

Figura 2.2 – Demonstração do Resultado por função.

(-) custo das vendas

Demonstração do Resultado por função

Nota

2009 2010
2009
2010

Receita de vendas

(-) custo das vendas Demonstração do Resultado por função Nota 2009 2010 Receita de vendas

ações preferenciais ações ordinárias

( +/- ) resultado de equivalência patrimonial

Lucro Líquido por ação

ações preferenciais ações ordinárias

Lucro líquido atribuível a cada categoria de ações

Lucro Líquido do período

(+/-) imposto de renda diferido

(-) imposto de renda corrente

(=) lucro antes do imposto de renda

(+) receitas financeiras (-) despesas financeiras ( +/- ) variações monetárias líquidas (+/-) ganhos e perdas com derivativos ( +/- ) variações cambiais líquidas

(=) lucro antes do resultado financeiro

( = ) lucro operacional líquido

(+) outras receitas

(-) outras despesas

(-) despesas operacionais (administrativas, comerciais, etc)

(=) lucro bruto

ações preferenciais ações ordinárias ( +/- ) resultado de equivalência patrimonial Lucro Líquido por ação ações
ações preferenciais ações ordinárias ( +/- ) resultado de equivalência patrimonial Lucro Líquido por ação ações
(-) custo das vendas Demonstração do Resultado por função Nota 2009 2010 Receita de vendas ações
(-) custo das vendas Demonstração do Resultado por função Nota 2009 2010 Receita de vendas ações

Fonte: Manual de Normas de Contabilidade Internacional, 2010.

LEITURA OBRIGATÓRIA

Figura 2.3 – Demonstração do Resultado por natureza

(-) depreciação, exaustão e amortização

2010

Receita de vendas

Demonstração do Resultado por natureza

(-) custo das vendas

Nota

2009
2009
(-) depreciação, exaustão e amortização 2010 Receita de vendas Demonstração do Resultado por natureza (-) custo
(-) depreciação, exaustão e amortização 2010 Receita de vendas Demonstração do Resultado por natureza (-) custo
(-) depreciação, exaustão e amortização 2010 Receita de vendas Demonstração do Resultado por natureza (-) custo

Lucro Líquido por ação

(-) imposto de renda corrente

(+/-) imposto de renda diferido

Lucro Líquido do período

Lucro líquido atribuível a cada categoria de ações

ações preferenciais

ações ordinárias

(+/-) variações cambiais líquidas

ações ordinárias

ações preferenciais

(-) despesas com pessoal, administrativas e comerciais

(-) outras despesas

(+) outras receitas

(=) lucro operacional líquido

(+/-) resultado de equivalência patrimonial

(+) receitas financeiras

(-) despesas financeiras

(=) lucro antes do imposto de renda

Lucro Líquido por ação (-) imposto de renda corrente (+/-) imposto de renda diferido Lucro Líquido
Lucro Líquido por ação (-) imposto de renda corrente (+/-) imposto de renda diferido Lucro Líquido

Fonte: Manual de Normas de Contabilidade Internacional, 2010.

C) Demonstração do Resultado Abrangente

A demonstração do resultado abrangente inclui dentro do resultado do exercício itens que apareciam apenas na DMPL (Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido).

Esta demonstração objetiva apresentar o resultado líquido do período, bem como possíveis resultados futuros ajustados no patrimônio líquido (outros resultados abrangentes), decorrentes de transações que ainda não se realizaram financeiramente, pois dependem de eventos futuros.

Os resultados abrangentes de uma companhia envolvem:

- Resultados não reconhecidos no período, mas acumulados no patrimônio líquido.

LEITURA OBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA Exemplo: ganhos ou perdas decorrentes de conversão de demonstrações contábeis em moeda estrangeira; ganhos

Exemplo: ganhos ou perdas decorrentes de conversão de demonstrações contábeis em moeda estrangeira; ganhos ou perdas na avaliação de ativos financeiros disponíveis para venda; ganhos ou perdas atuariais com planos de pensão com benefícios definidos.

A IAS 1 propõe duas alternativas para apresentação desse demonstrativo:

  • a) Apresentação de uma única demonstração conforme o exemplo:

(+) Receitas

 

(-) Custos

 

(-) Despesas

 

(=) Lucro Líquido

 

(+/-) Efeitos de resultados abrangentes

 

(=) Lucro Líquido

 
  • b) Apresentação de duas demonstrações:

    • - Demonstração do Resultado do Exercício.

    • - Demonstração de Resultados Abrangentes.

O CPC 26 contempla apenas a segunda opção.

D) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido:

A DMPL deve conter:

  • - O resultado abrangente do período, separando o montante atribuível aos controladores e aos não controladores.

  • - Efeitos de aplicações retrospectivas de acordo com a IAS 8 (mudança de políticas contábeis, estimativas contábeis e erros).

  • - Para cada componente do PL, uma reconciliação entre o saldo contábil do início e do final do período, divulgando separadamente cada mudança.

  • - Transações relacionadas aos proprietários, como contribuições e distribuições de recursos.

LEITURA OBRIGATÓRIA

Figura 2.4 – Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária Dividendos
Reserva Estatutária
Dividendos
Reserva de Descrição Capital Social Reserva Legal Lucros Lucros a Destinar Totais Saldo em 31/12/x0 Destinação
Reserva de
Descrição
Capital Social
Reserva Legal
Lucros
Lucros a
Destinar
Totais
Saldo em 31/12/x0
Destinação do Lucro Líquido
Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido - DMPL

Fonte: autor

E) Demonstração do Fluxo de caixa

A Demonstração do Fluxo de Caixa evidencia as variações do saldo de caixa e equivalentes de caixa de um período. Pode ser elaborada pelo método direto ou indireto. Ela será tratara

separadamente, através da norma IAS 7.

Figura 2.5 - Demonstração do Fluxo de Caixa

Investimentos

(+/-) Aquisição de Ativos Não Circulantes (+/-) Outros Fluxos de Investimentos

Total do Fluxo de Caixa dos Investimentos

Financiamentos

(+/-) Liberação (Pagamento) de Empréstimos (+/-) Emissão de ações- capital ou (Saída dos Sócios) (-) Dividendos (+/-) Outros Fluxos de Financiamento

Total do Fluxo de Caixa dos Financiamentos

TOTAL GERAL

Fluxo de Caixa Líquido (Variação de Caixa)

Saldo de Caixa do Início do Período

(+) Depreciação (+/-) Variação de Contas a Receber (+/-) Variação de Estoques (+/-) Variação de Contas a Pagar (Fornecedores) (+/-) Variação de Salários a Pagar (+/-) Variação de Outros Ativos Circulantes (+/-) Variação de Outros Passivos Circulantes

Operações

Lucro

Total do Fluxo de Caixa das Operações

2009
2009
MÉTODO INDIRETO 2010
MÉTODO INDIRETO
2010
Investimentos (+/-) Aquisição de Ativos Não Circulantes (+/-) Outros Fluxos de Investimentos Total do Fluxo de
Investimentos (+/-) Aquisição de Ativos Não Circulantes (+/-) Outros Fluxos de Investimentos Total do Fluxo de

Fonte: autor

LEITURA OBRIGATÓRIA

LEITURA OBRIGATÓRIA F) Notas Explicativas “ As notas contém informação adicionalmente ao apresentado na demonstração da

F) Notas Explicativas

As notas contém informação adicionalmente ao apresentado na demonstração da posição financeira, que é o balanço patrimonial, a demonstração de resultados, a demonstração das mutações do patrimônio líquido e a demonstração do fluxo de caixa. As notas fornecem descrição narrativa ou aberturas de itens apresentados nessas demonstrações e informações sobre os itens que não se qualificam para reconhecimentos nessas demonstrações.” (IAS 1, par. 7 – tradução do professor)

Nas notas explicativas deverá ser divulgada a base de preparação das demonstrações contábeis, as políticas contábeis significantes, informações exigidas pelas IFRS, mas não divulgadas nas demonstrações e informações adicionais não apresentadas nas demonstrações contábeis, mas que são relevantes para a sua compreensão.

As notas deverão ser apresentadas de maneira sistemática e cada item das demonstrações contábeis deve apresentar referência cruzada com a informação relacionada nas notas.

Resumindo, a IAS 1 é mais ampla e flexível que a norma brasileira em relação aos formatos de classificação e divulgação.

LEITURA OBRIGATÓRIA F) Notas Explicativas “ As notas contém informação adicionalmente ao apresentado na demonstração da

LINKS IMPORTANTES

Quer saber mais sobre o assunto? Então:

Sites

Acesse o site do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Neste link você encontra o pronunciamento técnico do CPC 26 que trata da apresentação das demonstrações contábeis, o qual está em linha com a IAS 1.

Disponível em: <http://www.cpc.org.br/mostraOrientacao.php?id=44>. Acesso em: 4 dez.

2013.

LINKS IMPORTANTES

Vídeos

Assista ao vídeo Introdução as demonstrações Contábeis. Vídeo elaborado pelo Conselho regional de Contabilidade, que trata da apresentação das demonstrações contábeis, seu objetivo, suas características, estrutura.

Disponível em: <http://www.webed.com.br/webed/crc/index.php?276-280-28991>. Acesso em: 4 dez. 2013.

Assista ao vídeo Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas, disponibilizado pela TVR CRC, que trata das demonstrações contábeis para pequenas e médias empresas.

Disponível em: <http://www.webed.com.br/webed/crc/index.php?276-280-16053>. Acesso em: 4 dez. 2013.

LINKS IMPORTANTES Vídeos Assista ao vídeo Introdução as demonstrações Contábeis . Vídeo elaborado pelo Conselho regional

AGORA É A SUA VEZ

Instruções:

Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

AGORA É A SUA VEZ

AGORA É A SUA VEZ Questão 1: Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as demonstrações

Questão 1:

Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as demonstrações contábeis obrigatórias de acordo com a IAS 1:

(

(

) Balanço Patrimonial. ) Demonstração do Valor Adicionado.

) Demonstração do Resultado do Exer- cício.

(

) Demonstração das Mutações do Patri- mônio Líquido.

(

) Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados.

(

( ) Balanço Ambiental.

( ) Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos.

( ) Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Questão 2:

Qual dos seguintes itens relacionados abai- xo, não é um item específico de divulgação exigido pela IAS 1?

a) Objetivo, políticas e processos para a administração do capital.

b) Reconciliação das ações em circulação no início e no final do período.

c) Nome

e

acionistas.

endereço

dos

principais

  • d) Moeda de apresentação do relatórios

e o arredondamento adotado.

  • e) Capital social e reservas atribuíveis

aos acionistas controladores.

Questão 3:

De acordo com a IAS 1, qual dos seguintes relatórios mencionados abaixo não é um demonstrativo contábil obrigatório de divul- gação:

  • a) Demonstração da posição financeira.

  • b) Demonstração do valor adicionado.

  • c) Demonstração dos fluxos de caixa.

d) Demonstração abrangente.

do

  • e) Notas explicativas.

Questão 4:

resultado

Sobre o formato do Balanço Patrimonial de acordo com a IAS 1, assinale verdadeiro (V) ou falso (F):

( ) Ativos e Passivos podem ser classifica- dos em correntes e não correntes, por ordem de liquidez ou por uma abordagem mista.

) O ativo deve ser classificado por ordem decrescente de liquidez.

(

) O passivo deve ser classificado por or- dem decrescente de exigibilidade.

(

AGORA É A SUA VEZ

( ) Ativos e Passivos devem ser sempre classificados em correntes e não correntes.

Questão 5:

De acordo com a IAS 1, assinale a alterna- tiva correta:

a) A Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) faz parte do conjunto de demonstrações contábeis obrigatórias.

b) A DOAR pode ser substituída pela Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) por escolha da empresa.

c) A empresa deve divulgar tanto a DOAR quanto a DFC.

d) A DFC é uma demonstração contábil voluntária, segundo a IAS 1.

e) A

DFC

faz

parte

do

conjunto

de

demonstrações contábeis obrigatórias.

Questão 6:

Quais são as demonstrações contábeis obrigatórias de serem elaboradas e divul- gadas, segundo a IAS 1?

Questão 7:

De acordo com a IAS 1, qual o conteúdo das Notas Explicativas?

Questão 8:

Segundo a norma internacional qual a nova nomenclatura do Balanço Patrimonial?

Questão 9:

Conforme o texto lido neste caderno de ati- vidades, existem alguns pontos importan- tes para aplicação dessa norma que são pressupostos básicos das demonstrações financeiras. Indique por meio de tópicos quais são eles.

Questão 10:

A partir da leitura dos temas 1 e 2, respon- da: Por que a harmonização das práticas contábeis é importante?

FINALIZANDO Nesse tema você conheceu a IAS 1, que trata da apresentação da demonstrações contábeis, entendeu

FINALIZANDO

FINALIZANDO Nesse tema você conheceu a IAS 1, que trata da apresentação da demonstrações contábeis, entendeu

Nesse tema você conheceu a IAS 1, que trata da apresentação da demonstrações contábeis, entendeu a importância de se ter demonstrativos contábeis padronizados para que o mesmo seja comparativo de um ano para outro ou seja comparável a outras empresas do mesmo segmento.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar

sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

FINALIZANDO Nesse tema você conheceu a IAS 1, que trata da apresentação da demonstrações contábeis, entendeu

REFERÊNCIAS

Ernest & Young; FIPECAPI, FIPECAPI. Manual de Normas de contabilidade internacional:

IFRS - Versus normas brasileiras. 2ª edição. São Paulo: Atlas, 2010.

PADOVEZE, Clóvis Luis. Manual de Contabilidade Internacional: IFRS – US Gaap – BR Gaap: teoria e prática. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

CPC 26. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Disponível em <http://www.cpc.org.br/ mostraOrientacao.php?id=44>. Acesso em: 4 dez. 2013.

Introdução as demonstrações Contábeis. Disponível em: <http://www.webed.com.br/we- bed/crc/index.php?276-280-28991>. Acesso em: 4 dez. 2013.

Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas. Disponível em: <http://www.webed.com. br/webed/crc/index.php?276-280-16053>. Acesso em: 4 dez. 2013.

PORTAL DE CONTABILIDADE. Equivalência Patrimonial. Disponível em: <http://www. portaldecontabilidade.com.br/guia/equivalenciapatrimonial.htm>. Acesso em: 4 dez. 2013.

WIKIPEDIA. Joint Venture. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Joint_venture>. Acesso em: 4 dez. 2013.

GLOSSÁRIO Coligada: Entidade sobre a qual o investidor tenha influência significativa , sem exercer o controle.

GLOSSÁRIO

Coligada: Entidade sobre a qual o investidor tenha influência significativa, sem exercer o controle.

Joint Ventures: associação de empresas que pode ser definitiva ou não, com fins lucrativos para explorar determinado negócio, sem que nenhuma das empresas participantes perca sua personalidade jurídica.

Equivalência Patrimonial: método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio líquido da sociedade investida, e no reconhecimento dos seus efeitos na demonstração do resultado do exercício.

GLOSSÁRIO Coligada: Entidade sobre a qual o investidor tenha influência significativa , sem exercer o controle.

GABARITO

Questão 1

Resposta: ( V ) Balanço Patrimonial. ( F ) Demonstração do Valor Adicionado. ( V ) Demonstração do Resultado do Exercício. ( V ) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido. ( F ) Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados. ( F ) Balanço Ambiental. ( F ) Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos. ( V ) Demonstração dos Fluxos de Caixa.

GABARITO

GABARITO Questão 2 Resposta: Alternativa C. O nome dos principais acionistas não faz parte das informações

Questão 2

Resposta: Alternativa C. O nome dos principais acionistas não faz parte das informações obrigatórias de divulgação.

Questão 3

Resposta: Alternativa B. A Demonstração do valor adicionado não é um demonstrativo obrigatório de elaboração e divulgação.

Questão 4

Resposta: ( V ) Ativos e Passivos podem ser classificados em correntes e não correntes, por ordem de liquidez ou por uma abordagem mista.

( F ) O ativo deve ser classificado por ordem decrescente de liquidez. ( F ) O passivo deve ser classificado por ordem decrescente de exigibilidade. ( F ) Ativos e Passivos devem ser sempre classificados em correntes e não correntes. A classificação dos ativos e passivos pode ter diferentes abordagens, já que a norma não prescreve ordem ou formato específico para o Balanço Patrimonial: Correntes e não correntes; Separação por ordem de liquidez; e Classificação mista.

Questão 5

Resposta: Alternativa E. A DOAR não faz parte do conjunto de demonstrativos contábeis obrigatórios de apresentação e também não pode substituir a DFC.

Questão 6

Resposta: Segundo a IAS 1 os demonstrativos contábeis obrigatórios de elaboração e divulgação são:

  • - Balanço Patrimonial.

  • - Demonstração do Resultado do Exercício.

  • - Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido.

  • - Demonstração do Fluxo de Caixa.

  • - Notas Explicativas.

GABARITO

Questão 7

Resposta: Nas notas explicativas deverá ser divulgada a base de preparação das demonstrações contábeis, as políticas contábeis significantes, informações exigidas pelas IFRS, mas não divulgadas nas demonstrações e informações adicionais não apresentadas nas demonstrações contábeis, mas que são relevantes para a sua compreensão.

Questão 8

Resposta: A nova nomenclatura do Balanço Patrimonial passa a ser Demonstração da Posição Financeira.

Questão 9

Resposta: São pontos importantes de aplicação da norma:

  • - Continuidade.

  • - Regime de Competência.

  • - Frequência de divulgação.

  • - Consistência.

  • - Informações obrigatórias.

Questão 10

Resposta: O objetivo da IAS 1 é estabelecer bases para a apresentação das demonstrações contábeis, buscando assegurar a comparabilidade tanto das demonstrações contábeis de um ano para outro quanto em relação às demonstrações contábeis de outras empresas.

O objetivo das demonstrações contábeis é o de proporcionar informação acerca da posição patrimonial e financeira, do desempenho e dos fluxos de caixa da entidade que seja útil a um grande número de usuários em suas avaliações e tomada de decisões econômicas. As demonstrações contábeis também objetivam apresentar os resultados da atuação da administração na gestão da entidade e sua capacitação na prestação de contas quanto aos recursos que lhe foram confiados.

Por todos esses motivos se faz necessário a harmonização dos demonstrativos contábeis, para que os mesmos possam ser comparáveis de um ano para o outro e também em relação a outras empresas de países diferentes.