Você está na página 1de 31

HIDROSTÁTICA

CONCEITOS BÁSICOS

Fluidos

DEFINIÇÃO: Fluido é qualquer substância não sólida capaz de escoar e assumir a forma do recipiente que o

contém. Os fluidos podem ser divididos gases.

em líquidos

e

Fluidos DEFINIÇÃO: Fluido é qualquer substância não sólida capaz de escoar e assumir a forma do
Fluidos DEFINIÇÃO: Fluido é qualquer substância não sólida capaz de escoar e assumir a forma do

Massa Específica, Peso específico

Massa Específica, Peso específico

Densidade

Densidade

de um líquido

é

a

comparação que se

faz

entre o peso específico do líquido e o peso

de

igual

volume de água a 15° C , ao nível do mar.

Densidade do mercúrio é 13,6.

 

É

adimensional específico relativo.

e

também

 

conhecida

como

peso

Simbolizada pela letra d.

HIDROSTÁTICA

É a parte da Hidráulica que estuda os fluidos em repouso, bem como as forças que podem ser aplicadas em corpos neles submersos.

Conceito de Pressão

Pressão

é

o

quociente

da

intensidade

da

força

exercida

uniforme

e

perpendicularmente

sobre

uma

superfície,

pela

área

dessa mesma superfície.

Pressão = Força /Área

Conceito de Pressão Pressão é o quociente da intensidade da força exercida uniforme e perpendicularmente sobre

1 atm = 760 mmHg = 10,33 m H 2 O =1,033 Kg/cm 2 = psi

Lei de Pascal

A pressão aplicada

sobre

um

fluido

contido

num

recipiente fechado age igualmente em todas as direções do fluido e perpendicularmente às paredes do recipiente.

TEOREMA DE STEVIN: A diferença de pressão entre dois pontos de um fluido em equilíbrio é igual ao produto do peso específico do fluido pela diferença de cotas entre dois pontos, ou seja:

7
7

PA : pressão no ponto A

PB : pressão no ponto B : peso especifico do fluido h : diferença de cotas

PA PB = .h

Pressão e profundidade em um fluido estático

Num fluido qualquer, a pressão não é a mesma em todos os pontos.

A

pressão

ponto

de

em

qualquer

um fluido

estático depende apenas da pressão atmosférica no topo do fluido e da profundidade do ponto no
estático depende apenas
da pressão atmosférica no
topo
do
fluido
e
da
profundidade do ponto no
fluido.
Patm h1 h2
Patm
h1
h2

Pressão X Vasos Comunicantes

Pressão X Vasos Comunicantes PA = PC PB = PD PA – PB = PC –

PA = PC PB = PD PA PB = PC PD = h

A pressão em um mesmo nível, na mesma altura, é a mesma.

EXPERIÊNCIA DE TORRICELLI

EXPERIÊNCIA DE TORRICELLI Torricelli concluiu que a pressão atmosférica, ( patm) atuando na superfície livre do

Torricelli concluiu que

a pressão atmosférica,

(patm) atuando na superfície livre do líquido no recipiente,

conseguia equilibrar a

coluna de mercúrio.

O espaço vazio sobre o mercúrio, no tubo,

constitui a chamada câmara

barométrica, onde a pressão é praticamente nula (vácuo).

VALOR DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA

VALOR DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA Depois de Torricelli, o cientista Pascal, repetiu a experiência no alto de

Depois de Torricelli, o cientista Pascal,

repetiu a experiência no alto de uma montanha e verificou que o valor da pressão atmosférica era menor do que ao nível do mar.

Pascal concluiu que quanto maior for a altitude

do local, mais rarefeito será o ar e menor será

a espessura da camada de ar que estará atuando na superfície de mercúrio.

VARIAÇÃO DA PRESSÃO ATMOSFÉRICA COM A

ALTITUDE

ALTITUDE (m) PRESSÃO ATMOSFÉRICA (cm Hg) 0 76 (10,33 mH2O) 500 72 1.000 67 2.000 60
ALTITUDE (m) PRESSÃO ATMOSFÉRICA
(cm Hg)
0
76 (10,33 mH2O)
500
72
1.000
67
2.000
60
3.000
53 (7,21 mH2O)

MODOS DE EXPRESSAR AS MEDIDAS DE

PRESSÃO

Patm

1

 

h

2

p2 patm .h

(PRESSÃO ABSOLUTA =p2)

PRESSÕES RELATIVAS

p  h 2 PRESSÕES h POSITIVAS PRESSÕES NEGATIVAS
p  h
2
PRESSÕES
h
POSITIVAS
PRESSÕES
NEGATIVAS

p 2

P. Atmosférica

0

(Vácuo absoluto)

-10,33 mH 2 O

Pressão absoluta x relativa

Pabs = Prel + Patm

Pressão Atmosférica é a pressão exercida pela atmosfera terrestre, medida em um barômetro. Ao nível do mar esta pressão é aproximadamente 1 atm.

Pressão Absoluta

é

medida

em

relação

ao

vácuo

absoluto. É equivalente à soma da pressão medida com

um

manômetro

(pressão

relativa),

mais

a

pressão

atmosférica.

Pressão

Relativa

é

medida

em

relação

à

pressão

atmosférica.

MANOMETRIA

Manometria é o estudo dos manômetros.

Manômetros são

dispositivos utilizados na

medição de pressão efetiva em função das alturas das colunas líquidas.

MANOMETRIA Manometria é o estudo dos manômetros. Manômetros são dispositivos utilizados na medição de pressão efetiva

EQUIPAMENTOS PARA MEDIDA DAS PRESSÕES

EQUIPAMENTOS PARA MEDIDA DAS PRESSÕES MANÔMETROS MECÂNICOS MANÔMETROS DIGITAIS TUBO EM U PA =  .h

MANÔMETROS MECÂNICOS

EQUIPAMENTOS PARA MEDIDA DAS PRESSÕES MANÔMETROS MECÂNICOS MANÔMETROS DIGITAIS TUBO EM U PA =  .h

MANÔMETROS DIGITAIS TUBO EM U

EQUIPAMENTOS PARA MEDIDA DAS PRESSÕES MANÔMETROS MECÂNICOS MANÔMETROS DIGITAIS TUBO EM U PA =  .h

PA = 2 .h - 1 .h

ELEVADOR HIDRÁULICO - EQUAÇÃO

Equação

empregada

no

elevador hidráulico:

2

F F

1.

A 2

A 1

F1 é a força aplicada;

F2 é a força obtida;

A1

é

a

secção

do

êmbolo

menor; A2 é a secção do êmbolo

maior.

F2 F1 A2 A1
F2
F1
A2
A1

Esquema de um elevador hidráulico

HIDRODINÂMICA

HIDRODINÂMICA

Perfurando um recipiente a diferentes alturas

 

Pode-se

demonstrar,

de

uma

forma

muito

simples,

a

variação de

pressão com a altura num sistema movimento.

em

Basta,

para

isso, fazermos

perfurações num recipiente cheio de

líquido em posições diferentes.

O jorro sairá cada vez mais forte à medida que aumentarmos a altura da

coluna de líquido (isto é, nos pontos

mais baixos).

Perfurando um recipiente a diferentes alturas Pode-se demonstrar, de uma forma muito simples, a variação de
 velocidade Q  Vazão A  Área da seção

 velocidade QVazão AÁrea da seção

CONDUTOS SOB PRESSÃO

Denominam-se condutos sob pressão

ou condutos forçados, as canalizações onde

o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica.

As seções desses condutos são sempre

fechadas e o líquido escoa enchendo-as

totalmente; são, em geral, de seção circular.

CONDUTOS SOB PRESSÃO

CONDUTOS SOB PRESSÃO Conduto Livre P = Patm Conduto forçado P > Patm

Conduto

Livre

P = Patm

CONDUTOS SOB PRESSÃO Conduto Livre P = Patm Conduto forçado P > Patm

Conduto

forçado

P > Patm

CONDUTOS SOB PRESSÃO

CONDUTOS SOB PRESSÃO
CONDUTOS SOB PRESSÃO

CONDUTOS LIVRES

CONDUTOS LIVRES Canal artificial = Conduto livre

Canal artificial = Conduto

livre

Condições de operação

Condutos livres funcionam sempre por gravidade. Sua construção exige um nivelamento cuidadoso do terreno, pois devem ter declividades pequenas e

constantes.

Condutos forçados podem funcionar por gravidade, aproveitando a declividade do terreno, e por recalque (bombeamento), vencendo desníveis entre o ponto de captação e o ponto de utilização.

Viscosidade Cinemática

VISCOSIDADE CINEMÁTICA: A viscosidade cinemática leva em consideração a resistência ao escoamento. Quanto maior a temperatura menor é a viscosidade.

Habitualmente trabalhamos com = 1,01.10 -6 m 2 /s, que

corresponde a viscosidade

aproximadamente.

da

água

a

20 o C,

Regimes de escoamento

Regimes de escoamento Experiência de Reynolds

Experiência de Reynolds

Regimes de escoamento

Fluxo em

regime

laminar

Fluxo em regime turbulento

Regimes de escoamento Fluxo em regime laminar Fluxo em regime turbulento
Regimes de escoamento Fluxo em regime laminar Fluxo em regime turbulento

Regimes de escoamento

O estabelecimento

do

regime

de

escoamento depende

do

valor

de

uma

expressão

sem

dimensões,

denominado

número de Reynolds (Re).

Na qual:

= velocidade do fluido (m/s); D = diâmetro da canalização (m); = viscosidade cinemática (m 2 /s).

Re

.D

Regimes de escoamento

Re < 2.000 regime laminar As partículas fluidas apresentam trajetórias bem definidas e não se cruzam;

Re > 4.000 regime turbulento Movimento desordenado das partículas;

Entre esses dois valores encontra-se a denominada

zona crítica.