Você está na página 1de 4

ANEXO I

LÍNGUA PORTUGUESA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leitura e compreensão de textos de diferentes gêneros e domínios discursivos. Unidade e diversidade


da língua portuguesa: variação regional, variação social e registros de usos.Funções da linguagem.
Mecanismos de coesão textual. Pontuação gramatical e expressiva. Elementos mórficos e processos
de formação de palavras. Emprego das diferentes classes de palavra. Período simples: funções
sintáticas. Concordância nominal e verbal. Regência nominal e verbal; emprego do acento grave.
Sintaxe de colocação. Período composto: processos sintáticos de estruturação, comportamento
sintático das orações e relações lógico-discursivas marcadas pelos conectores. Sinônimos, antônimos,
homônimos, parônimos, hiperônimos, hipônimos; polissemia, denotação e conotação. Ortografia,
ortoepia e prosódia.
BILBIOGRAFIA SUGERIDA
AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. 2ed. São Paulo: Publifolha,
2008.
BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
2009.
HOUAISS, Antônio & VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio
de Janeiro: Objetiva, 2001.

TÉCNICO DE ENFERMAGEM

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM: Semiologia e Semiotécnica: atuação do técnico de


enfermagem nos diversos procedimentos de assistência ao paciente/cliente. Psicologia aplicada à
enfermagem. Processo de comunicação e relação profissional-paciente. Assistência de enfermagem
ao paciente visando atender as necessidades de: conforto, segurança e bem-estar, higiene e segurança
ambiental. Assistência do técnico de enfermagem ao paciente visando atender as necessidades
terapêuticas. Registro de enfermagem. Prevenção e controle de infecções. Administração de
Medicamentos. Normas de biossegurança em enfermagem. Processo do trabalho em enfermagem.
ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM: A Ética aplicada à Enfermagem; Código de
Ética profissional em Enfermagem; Lei do Exercício Profissional em Enfermagem; o Direito e o
cuidado à saúde nas diferentes fases de vida da mulher, da criança, do adolescente, adulto e idoso;
direito à saúde no ambiente de trabalho. ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA:
ABORDAGEM AMBULATORIAL E HOSPITALAR: Assistência à Saúde da Criança nas
diferentes fases da vida; prevenção de agravos fisiológicos e sociais; acompanhamento do processo
de crescimento e desenvolvimento; cuidados do técnico de enfermagem ao recém-nato normal e de
risco. Intervenções de Enfermagem nas unidades de internação e ambulatorial à clientela pediátrica.
24

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ


_____________________________________________________________________________
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA MULHER NAS DIFERENTES FASES DA VIDA:
ABORDAGEM AMBULATORIAL E HOSPITALAR: A mulher e a saúde ginecológica: controle
e prevenção do câncer de mama e cérvico-uterino, prevenção e controle de DST / Aids. Atuação do
técnico de enfermagem nas ações educativas de Planejamento Familiar; na assistência no pré-natal,
parto, puerpério e diante dos transtornos mentais. ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO
E NA RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA: ABORDAGEM AMBULATORIAL E
HOSPITALAR: Atuação do técnico de enfermagem nos períodos pré-operatório, trans-operatório
e pós-operatório; durante os procedimentos cirúrgico-anestésicos. Identificação dos instrumentais
cirúrgicos básicos, material de síntese e meios de drenagem de cavidades, materiais e equipamentos
básicos que compõem as salas de cirurgia e recuperação anestésica. Cuidados com material de
anatomia patológica: acondicionamento e encaminhamento. Rotinas de limpeza da sala de cirurgia.
ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO:
processo de limpeza, seleção, acondicionamento, esterilização e distribuição de material estéril;
fluxo do processamento do material esterilizado; manuseio de equipamentos: autoclaves; seladora
térmica, lavadora automática ultrassônica. Métodos de monitorização e controle do ciclo de
esterilização. ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICA: ABORDAGEM AMBULATORIAL
E HOSPITALAR: Atuação do técnico de enfermagem na assistência de enfermagem aos pacientes
em saúde mental e nos sistemas digestivo, cardiovascular, respiratório, renal, geniturinário, endócrino,
ortopédico, hematológico e doenças transmissíveis. Atuação do técnico de enfermagem na assistência
ao paciente em situação de alta complexidade: terapias intensiva e semi-intensiva; ressuscitação
cardio-pulmonar. Assistência do técnico de enfermagem em oncologia. ENFERMAGEM EM
SAÚDE COLETIVA: Vigilância Epidemiológica: determinantes no processo saúde-doença; perfil
epidemiológico brasileiro; indicadores de saúde; doenças imunopreveníveis. Programa Nacional
de Imunização. Participação do técnico de enfermagem nos programas especiais de saúde pública;
controle de doenças transmissíveis, doenças não transmissíveis e doenças sexualmente transmissíveis.
ENFERMAGEM NAS SITUAÇÕES DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Atuação do técnico
de enfermagem em situações de: choques, parada cardio-respiratória, edema agudo de pulmão,
crise convulsiva, hemorragias e crise hipertensiva.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

AME – Dicionário de Administração de Medicamentos na Enfermagem. 2009/2010. Rio de


Janeiro: EPUB, 2009.
ANVISA. Curso Básico de Controle de Infecção Hospitalar – Caderno C: Métodos de Proteção
Anti-infecciosa. 2000. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Assistência Pré-natal e Puerpério:
manual técnico. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Saúde da Criança: Nutrição Infantil – Aleitamento materno e Alimentação Complementar.
Série A. Normas e manuais técnicos. Caderno de Atenção Básica. nº 23. Brasília: Ministério
da Saúde. 2009. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. A vigilância, o controle e a
prevenção das doenças crônicas não transmissíveis: DCNT no contexto do Sistema Único de
Saúde. –Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de normas de vacinação,
25
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ
_____________________________________________________________________________
3 ed., Brasília: Ministério da Saúde, 2001/ Adendo 2006. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Prevenção Clínica de Doenças Cardiovasculares, Cerebrovascular e Renal Crônica. Cadernos
de Atenção Básica nº14. 56 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) Brasília : Ministério da
Saúde, 2006. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Diabetes Mellitus . Cadernos de Atenção Básica, n. 16. 64p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).
– Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em:
http://dtr2004.saude.gov.br/DAB/caderno_AB.php.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Cadernos de Atenção Básica; n.
15. 58 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível
em:http://dtr2004.saude.gov.br/DAB/caderno_AB.php.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento
de Gestão da Educação na Saúde. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de
Enfermagem. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno: Saúde do
Adulto, assistência clínica/ ética profissional; - 2. Ed., 1.a reimpr. - Brasília: Ministério da Saúde;
Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento
de Gestão da Educação na Saúde. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de
Enfermagem. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno: Saúde do
Adulto, assistência cirúrgica/ atendimento de emergência ; 2. Ed., 1.a reimpr. - Brasília: Ministério
da Saúde; Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento
de Gestão da Educação na Saúde. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de
Enfermagem. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno: Saúde
coletiva; - 2. Ed., 1.a reimpr. - Brasília: Ministério da Saúde; Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003.
Disponível em: www.saude.gov.br
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento
de Gestão da Educação na Saúde. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de
Enfermagem. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno: Saúde da
mulher da criança e do adolescente; - 2. Ed., 1.a reimpr. - Brasília: Ministério da Saúde; Rio de
Janeiro: FIOCRUZ, 2003. Disponível em: www.saude.gov.br
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento
de Gestão da Educação na Saúde. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de
Enfermagem. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno:
26

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ


_____________________________________________________________________________
Fundamentos de enfermagem; Ética profissional - 2. Ed., 1.a reimpr. - Brasília: Ministério da
Saúde; Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003. Disponível em: www.saude.gov.br.
Brasil, Ministério da Saúde. Portaria 2016. Regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar
no país. Brasília, 1998.
BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego – Secretaria de Inspeção do Trabalho. Portaria SIT Nº
25, de 15 de outubro de 2001. Norma Regulamentadora Nº 6 – Equipamento de Proteção Individual.
Disponível em: http://www.mte.gov.br.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial.
Brasília, Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: www.saude.gov.br.
BRASIL, Ministério da Saúde, INCA. Ações de Enfermagem para o Controle do Câncer. 2008.
BRUNO, Paulo e OLDENBERG, Cyntia. Enfermagem em Pronto Socorro. Rio de Janeiro: SENAC
Nacional. 2009.
CALDAS. C.P.; SALDANHA, A. L (Org.). Saúde Do Idoso A Arte Do Cuidar - 2.ed.-Rio de
Janeiro: Interciência, 2004.
Conselho Federal de Enfermagem (BR). Código de ética dos profissionais de enfermagem. Rio
de Janeiro (RJ): Conselho Federal de Enfermagem; 1993.
EPSJV (Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio) (org.). 2003. Textos de apoio em saúde
mental. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. (Série Trabalho e Formação em Saúde).
Lima, I. L. & Matão, M. E. L. (org) et al. Manual do Técnico e Auxiliar de Enfermagem. Goiânia:
AB Editora. 7ª ed. 2006.
ROCHA, Ruth Mylius. Enfermagem em Saúde Mental. Rio de Janeiro: SENAC Nacional, 2005.
STOCHERO, O. – Enfermagem em Centro Cirúrgico Ambulatorial. Ed. Guanabara Koogan:
Rio de Janeiro, 2005.
SANTOS, N. C. M. - Centro Cirúrgico e Cuidados de Enfermagem – Ed. Iátria: São Paulo.
2003.
SCHMITZ, E. D. A enfermagem em Pediatria e Puericultura. São Paulo. Ed Atheneu. 2000.

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE: aspectos legais e normativos; princípios e diretrizes do SUS. A
humanização do atendimento no contexto do SUS: Política Nacional de Humanização; aspectos
normativos e técnicos para o desenvolvimento das ações do HumanizaSUS.
BIBLIOGRAFIA SIGERIDA
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05/10/88. Seção II- da
Saúde, Art. 196 ao Art. 200. Acessível em: www.planalto.gob.br
BRASIL. Lei nº 8.080/90. Lei orgânica da Saúde que dispõe sobre as condições para a promoção,
proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e
dá outras providências. Acessível em: www.saude.gov.br/legislacao.
27
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ
_____________________________________________________________________________
BRASIL. Lei nº 8142/90. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único
de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da
saúde e dá outras providências.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. O Humaniza SUS na atenção básica.
Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. (Série B Textos básicos de saúde). Acessível em:
www.saude.gov.br/humanizasus.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional
de Humanização. Humaniza SUS: documento básico para gestores e trabalhadores do SUS. 4.ed.
Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. (Série B Textos básicos de saúde). Acessível em:
www.saude.gov.br/humanizasus.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional
de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. 2.ed. Brasília: Editora do
Ministério da Saúde, 2009. (Série B Textos básicos de saúde). Acessível em:
www.saude.gov.br/humanizasus.
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização – HumanizaSUS. Acessível em:
HTTP://portal.saude.gov.br/portal.
BRASIL. Ministério da Saúde. Norma Operacional da Assistência à Saúde – NOAS-SUS 01/2002,
aprovada pela Portaria GM/MS nº 373 de 27/02/2002. Acessível em:
http://portal.saúde.gov.br/portal.
28