Você está na página 1de 37
PCH Nnho da Águia, MG, ERSA O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS Rio
PCH Nnho da Águia, MG, ERSA O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS Rio

PCH Nnho da Águia, MG, ERSA

O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS

Águia, MG, ERSA O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS Rio de Janeiro, 31 janeiro

Rio de Janeiro, 31 janeiro de 2011

PCHS E SUAS PERSPECTIVAS Rio de Janeiro, 31 janeiro de 2011 Prof. Dr. Geraldo Lúcio TIAGO

Prof. Dr. Geraldo Lúcio TIAGO Filho

Universidade Federal de Itajubá Professor Titular Centro Nacional de Referências em PCH Secretário Executivo

SUMÁRIO

SUMÁRIO 1. Características do setor Elétrico Brasileiro ] 2. Expansão do setor elétrico brasileiro 3.

1.

Características do setor Elétrico Brasileiro ]

SUMÁRIO 1. Características do setor Elétrico Brasileiro ] 2. Expansão do setor elétrico brasileiro 3.

2.

Expansão do setor elétrico brasileiro

3.

Panorama Atual das PCHs no Brasil

4.

Perspectivas de Crescimento das PCHs no Brasil

5.

Estimativa da evolução da capacidade instalada de PCHs no Brasil

6.

Tendências de custos para implantação de PCHs no Brasil

7.

PCH versus outras fontes de energias renováveis?

8.

Conclusões

para implantação de PCHs no Brasil 7. PCH versus outras fontes de energias renováveis? 8. Conclusões
1 Características do Setor Elétrico Brasileiro PCH Antas II, DME, Poços de Caldas, MG

1 Características do Setor Elétrico Brasileiro

1 Características do Setor Elétrico Brasileiro PCH Antas II, DME, Poços de Caldas, MG

PCH Antas II, DME,

Poços de Caldas, MG

1 Características do Setor Elétrico Brasileiro PCH Antas II, DME, Poços de Caldas, MG

1.1.CAPACIDADE INSTALADA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

INSTALADA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL   CAPACIDADE DE GERAÇÃO DO BRASIL    
INSTALADA DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL   CAPACIDADE DE GERAÇÃO DO BRASIL    
 

CAPACIDADE DE GERAÇÃO DO BRASIL

 
 

Em Operação

Em Construção

 

Outorgados

 

Total

Tipo

Qant.

MW

%

Quant.

MW

%

Quant

MW

%

Quant

MW

%

CGH

328

189,7

0,17

1

0,85

0,01

69

45,6

0,14

398

236,15

0,14

EOL

50

930,5

0,82

19

507,1

3,31

83

2863,2

8,95

152

4300,8

2,62

PCH

389

3940,3

3,03

61

780,3

5,1

147

2048,2

6,4

597

6768,8

4,13

SOL

4

0,086

       

1

5

0,02

5

5,086

0,00

UHE

173

77715,2

67,9

12

8863,5

57,9

17

14834,9

46,39

202

101413,6

61,88

UTE

1399

31774,1

26,32

41

3800

24,8

159

12181,8

38,09

1599

47755,9

29,14

UTN

2

2007

1,77

1

1350

8,82

     

3

3357

2,05

CGU

           

1

50

 

1

50

0,03

Total

2345

116556,9

 

135

15301,75

 

477

32028,7

 

2957

163887,3

 

Fonte: Anell, 01/2010

116556,9   135 15301,75   477 32028,7   2957 163887,3   Fonte: Anell, 01/2010

Importação

Importação Sistema Isolado Manaus Belo Monte Jirau Expansão do Sistema Interligado Santo Antônio Importação
Sistema Isolado Manaus Belo Monte Jirau
Sistema Isolado
Manaus
Belo Monte
Jirau

Expansão do

Sistema Interligado

Santo Antônio

Monte Jirau Expansão do Sistema Interligado Santo Antônio Importação (Futura) Importação 1.2 . O SISTEMA

Importação

(Futura)

do Sistema Interligado Santo Antônio Importação (Futura) Importação 1.2 . O SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

Importação

1.2

. O SISTEMA ELÉTRICO

BRASILEIRO

Sistema Interligado

Interligado Santo Antônio Importação (Futura) Importação 1.2 . O SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Sistema Interligado

Centro Nacional de Referência em Pequenos

Aproveitamentos Hidroenergéticos CERPCH

1.2. Centrais Hidrelétricas instaladas no país

Fonte : Atlas de Energia Elétrica no Brasil, 2008

1.3.

Índice de Aproveitamento do Potencial Hidrelétrico Brasileiro

( março 2003)

Fonte: Atlas de Energia Elétrica do Brasil (ANEEL, 2005)

http://sigel.aneel.gov.br/brasil/viewer.htm 1.4. Evolução histórica da construção de PC no Território Brasileiro

http://sigel.aneel.gov.br/brasil/viewer.htm

1.4. Evolução histórica da construção de PC no Território Brasileiro

http://sigel.aneel.gov.br/brasil/viewer.htm 1.4. Evolução histórica da construção de PC no Território Brasileiro
http://sigel.aneel.gov.br/brasil/viewer.htm 1.4. Evolução histórica da construção de PC no Território Brasileiro
EXPANSÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

EXPANSÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

EXPANSÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO
EXPANSÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

2

EXPANSÃO

DO SISTEMA ELÉTRICO

2 EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO 2.1. Acréscimo da Capacidade Instalada Anual , por Fonte [MW]

2.1. Acréscimo da Capacidade Instalada Anual , por Fonte [MW]

2 EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO 2.1. Acréscimo da Capacidade Instalada Anual , por Fonte [MW]
2 EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO 2.1. Acréscimo da Capacidade Instalada Anual , por Fonte [MW]

2 EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO

2 EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO 2.2. Acréscimo da Capacidade Instalada das Hidrelétricas [MW]

2.2. Acréscimo da Capacidade Instalada das Hidrelétricas [MW]

2 EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO 2.2. Acréscimo da Capacidade Instalada das Hidrelétricas [MW]
2 EXPANSÃO DO SISTEMA ELÉTRICO 2.2. Acréscimo da Capacidade Instalada das Hidrelétricas [MW]
3 PANORAMA ATUAL DAS PCH NO BRASIL

3

PANORAMA ATUAL DAS PCH NO BRASIL

3 PANORAMA ATUAL DAS PCH NO BRASIL
3 PANORAMA ATUAL DAS PCH NO BRASIL
3 PANORAMA ATUAL DAS PCH NO BRASIL

3.1 CAPACIDADE INSTALADA DE PCH NO BRASIL

3.1 CAPACIDADE INSTALADA DE PCH NO BRASIL     PCH   Situação 2008 2009 2010 Qtd
3.1 CAPACIDADE INSTALADA DE PCH NO BRASIL     PCH   Situação 2008 2009 2010 Qtd
3.1 CAPACIDADE INSTALADA DE PCH NO BRASIL     PCH   Situação 2008 2009 2010 Qtd
   

PCH

 

Situação

2008

2009

2010

Qtd

MW

Qtd

MW

Qtd

MW

Em Operação

310

2.209

358

3.018

389

3.440

Em Construção

77

1.264

73

998

61

780

Autorização (outorgados)

161

2.396

145

2.067

147

2.048

 

Em processo de elaboração

169

-

470

1.042

505

669

Em processo de aceite

20

560

52

560

30

-

Inventariado

Em processo de Análise

86

1.775

129

4.443

203

3768

Disponíveis

484

2.649

396

8.738

493

9.071

 

Em processo de Registro

215

1.421

1133

-

-

-

Projeto Básico

Em processo de aceite

30

385

59

317

47

150

Em processo de análise

282

3.525

343

1272

454

4754

TOTAL

1.834,00

16.184,00

3.158,00

22.455,72

2.329,00

24.680,00

Fonte: Aneel, 31/12/2010

 

CGH

Situação

2010

Qtd

MW

Em Operação

328

188

Em Construção

1

0,848

Autorização (outorgados)

69

45

TOTAL

398

233,8

Fonte: Aneel, 31/12/2010

Construção 1 0,848 Autorização (outorgados) 69 45 TOTAL 398 233,8 Fonte: Aneel, 31/12/2010

3.3. Situação das PCHs no Brasil,

expressa em número de empreendimentos

das PCHs no Brasil, expressa em número de empreendimentos Situação das PCH no Brasil 1200 1100

Situação das PCH no Brasil

1200 1100 1000 900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 2008 2009
1200
1100
1000
900
800
700
600
500
400
300
200
100
0
2008
2009
2010
Em operação
310
358
389
Em
77
73
61
Construção
Autorizadas
161
145
147

Revisão da Resolução

395 e edição da Resolução 343/2009

Projetos Básicos ( PCH ) na Aneel

?

1200 1100 1000 900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 2008 2009
1200
1100
1000
900
800
700
600
500
400
300
200
100
0
2008
2009
2010
PB ( em proc.
de Registro)
?
215
1133
PB (em Proc.
de Aceite)
30
59
47
PB (Em proc.
de Análise)
282
343
454
Unidades

Estudos de Inventários (PCH) na Aneel

1200 1100 1000 900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 2008 2009
1200
1100
1000
900
800
700
600
500
400
300
200
100
0
2008
2009
2010
INV(em
proc. de
169
470
505
Elaboração)
INV (Em
proc. de
20
52
30
Aceite)
INV (em
porc. de
86
129
203
Análise)
INV
484
396
493
Disponíveis
Unidades
proc. de 20 52 30 Aceite) INV (em porc. de 86 129 203 Análise) INV 484

Situação das PCH no Brasil

12.000 11.500 11.000 10.500 10.000 9.500 9.000 8.500 8.000 7.500 7.000 6.500 6.000 5.500 5.000
12.000
11.500
11.000
10.500
10.000
9.500
9.000
8.500
8.000
7.500
7.000
6.500
6.000
5.500
5.000
4.500
4.000
3.500
3.000
2.500
2.000
1.500
1.000
500
0
2008
2009
2010
Em operação
2.209
3.018
3.440
Em
1.264
998
780
Construção
Autorizadas
2.396
2.067
2.048
Capaciadae Instalada MW

3.4. Situação das PCHs no Brasil,

expressa em MW

Estudos de Inventários de PCH na

12.000 Aneel 11.500 11.000 10.500 10.000 9.500 9.000 8.500 8.000 7.500 7.000 6.500 6.000 5.500
12.000
Aneel
11.500
11.000
10.500
10.000
9.500
9.000
8.500
8.000
7.500
7.000
6.500
6.000
5.500
5.000
4.500
4.000
3.500
3.000
2.500
2.000
?
1.500
1.000
500
0
2008
2009
2010
INV(em proc.
de
0
1.042
669
Elaboração)
INV (Em proc.
de Aceite)
560
560
?
INV (em porc.
de Análise)
1.775
4.443
3.768
INV
2.649
8.738
9.071
Disponíveis
Capaciadae em MW
INV 2.649 8.738 9.071 Disponíveis Capaciadae em MW Projetos Básicos na Aneel 12.000 11.500 11.000 10.500

Projetos Básicos na Aneel

12.000 11.500 11.000 10.500 10.000 9.500 9.000 8.500 8.000 7.500 7.000 6.500 6.000 5.500 5.000
12.000
11.500
11.000
10.500
10.000
9.500
9.000
8.500
8.000
7.500
7.000
6.500
6.000
5.500
5.000
4.500
4.000
3.500
3.000
2.500
?
2.000
1.500
1.000
500
0
2008
2009
2010
PB ( em proc.
?
1.421
?
de Registro)
PB (em Proc.
de Aceite)
385
317
150
PB (Em proc.
de Análise)
3.525
1.272
4.754
Capaciadae em MW
de Registro) PB (em Proc. de Aceite) 385 317 150 PB (Em proc. de Análise) 3.525

Potencial Conhecido de PCH no

Brasil

25.000 23.000 21.000 19.000 17.000 15.000 13.000 11.000 9.000 7.000 5.000 ? 3.000 1.000 -1.000
25.000
23.000
21.000
19.000
17.000
15.000
13.000
11.000
9.000
7.000
5.000
?
3.000
1.000
-1.000
2008
2009
2010
Unidades
1.834
3.158
2.329
Capacidade MW
16.184
22.456
24.680
Potência MW
2008 2009 2010 Unidades 1.834 3.158 2.329 Capacidade MW 16.184 22.456 24.680 Potência MW 809 empreendimentos

809 empreendimentos !

2008 2009 2010 Unidades 1.834 3.158 2.329 Capacidade MW 16.184 22.456 24.680 Potência MW 809 empreendimentos

3.5.

PCH NO PROINFA

3.5. PCH NO PROINFA
3.5. PCH NO PROINFA
3.5. PCH NO PROINFA
3.5. PCH NO PROINFA
4. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO DAS PCH NO BRASIL

4.

PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO DAS PCH NO BRASIL

4. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO DAS PCH NO BRASIL
4. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO DAS PCH NO BRASIL
4. PERSPECTIVAS DE CRESCIMENTO DAS PCH NO BRASIL

4.1. EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA PLANO DECENAL 2010-2019

4.1. EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA – PLANO DECENAL 2010-2019
4.1. EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA – PLANO DECENAL 2010-2019
4.1. EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA – PLANO DECENAL 2010-2019

4.1. EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA PLANO DECENAL 2010-2019

4.1. EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA – PLANO DECENAL 2010-2019
Eólica Biomassa 3,03% 2010 Hidro
Eólica
Biomassa
3,03%
2010
Hidro

Gás de processo Óleo Diesel

Óleo Combustível

Carvão

Gás Natural

Urânio

2019

5. ESTIMATIVA DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO

5. ESTIMATIVA DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL

DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO
DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO

(EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB))

DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO
DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO
DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO

5. ESTIMATIVA DA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA DE PCHS NO BRASIL

(EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB))
(EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB))
(EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB)) 5.1. Metodologia  Base:  capacidade instalada

5.1. Metodologia Base:

capacidade instalada com base em dados da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL nos anos 2004 a 2007 e do PD 2010-2019

Metodologias utilizadas:

taxa decrescente de crescimento (proposta em Von Sperling (2005) )

Correlação com a evolução do PIB no período

Cenários

Cenário Otimista

Cenário Previsto:

Cenário Pessimista:

POT=22.000 MW;

POT=18.000 MW; e

POT 12.000 MW.

 Cenário Otimista  Cenário Previsto:  Cenário Pessimista: POT=22.000 MW; POT=18.000 MW; e POT 12.000

4.2. Perspectiva de crescimento de acordo com o Plano Decenal 2010-2019

Ano

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

Capacidade

                   

instalada

3043

4116

4116

4561

5066

5566

5816

6066

6416

6966

[MW]

PIB Estimado (10 9 R$[2008])

3201

     

3891

       

4966

8000 6000 7000 5000 6000 4000 5000 4000 3000 3000 2000 2000 1000 1000 0
8000
6000
7000
5000
6000
4000
5000
4000
3000
3000
2000
2000
1000
1000
0
0
2008
2010
2012
2014
2016
2018
2020
Evolução da Capacidade Instalada PCH (MW)
PIB (109 R$[2008])

Tempo (anos)

Fonte PD 2010-12019

Evolução daInstalada PCH (MW) PIB (109 R$[2008]) Tempo (anos) Fonte PD 2010-12019 capacidade instalada (MW) PIB (109R$[2008]

capacidade

instalada

(MW)

PIBPCH (MW) PIB (109 R$[2008]) Tempo (anos) Fonte PD 2010-12019 Evolução da capacidade instalada (MW) (109R$[2008]

(109R$[2008]

)

PCH (MW) PIB (109 R$[2008]) Tempo (anos) Fonte PD 2010-12019 Evolução da capacidade instalada (MW) PIB

PIB versus capacidade Instalada

PIB versus capacidade Instalada POT (MW) = 1,6658PIB - 1337,1 R² = 0,9979 8000 7000 6000
POT (MW) = 1,6658PIB - 1337,1 R² = 0,9979 8000 7000 6000 5000 4000 3000
POT (MW) = 1,6658PIB - 1337,1
R² = 0,9979
8000
7000
6000
5000
4000
3000
2000
1000
0
3000
3500
4000
4500
5000
5500
Evolução da capacidade instalada (MW)

PIB (109R$[2008])

4000 3000 2000 1000 0 3000 3500 4000 4500 5000 5500 Evolução da capacidade instalada (MW)

5.3.

Comparação do Crescimento da capacidade instalada das

PCHs prevista pelo PD 2019 e concatenado ao crescimento do PIB.

Comparação do Crescimento da capacidade instalada das PCHs prevista pelo PD 2019 e concatenado ao crescimento
Comparação do Crescimento da capacidade instalada das PCHs prevista pelo PD 2019 e concatenado ao crescimento

Centro Nacional de Referência em Pequenos

Aproveitamentos Hidroenergéticos - CERPCH

em Pequenos Aproveitamentos Hidroenergéticos - CERPCH 6. TENDÊNCIAS DE CUSTOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PCH’S NO

6. TENDÊNCIAS DE CUSTOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PCH’S NO BRASIL

TENDÊNCIAS DE CUSTOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PCH’S NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO
TENDÊNCIAS DE CUSTOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PCH’S NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO
TENDÊNCIAS DE CUSTOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PCH’S NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO

(EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO BRUTO (PIB))

TENDÊNCIAS DE CUSTOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PCH’S NO BRASIL (EM FUNÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PRODUTO INTERNO
6.1. Leilão de Reserva de Energia – voltado para a fonte eólica, realizado em 14/12/2009

6.1. Leilão de Reserva de Energia voltado para a fonte eólica,

realizado em 14/12/2009

Fonte

Eólica

Participaram Contratado No. De No. De Capacidade Tarifa Capacidade empreendiment empreendi Instalada Máxima /
Participaram
Contratado
No. De
No. De
Capacidade
Tarifa
Capacidade
empreendiment
empreendi
Instalada
Máxima / Com.
Instalada MW
os
mentos
MW
R$/MWh

339

10.005

71

1.806

R$

189,00/148,00

3º. Leilão de Reserva de Energia, voltado para as Energias Renováveis

Fonte

No. De

Capacidade Instalada

Tarifa Máxima

empreendimentos

MW

R$/MWh

Eólica

399

10.569

167,00

Biomassa

61

3.706

167,00

PCH

18

255

155,00

TOTAL

478

14.529

 
10.569 167,00 Biomassa 61 3.706 167,00 PCH 18 255 155,00 TOTAL 478 14.529  
6.2. CUSTO DE INSTALAÇÃO DAS PCH R$ 10,00 CMÁX = 1E+06ln(RA) + 3E+06 R$ 9,00

6.2. CUSTO DE INSTALAÇÃO DAS PCH

6.2. CUSTO DE INSTALAÇÃO DAS PCH R$ 10,00 CMÁX = 1E+06ln(RA) + 3E+06 R$ 9,00 R$
R$ 10,00 CMÁX = 1E+06ln(RA) + 3E+06 R$ 9,00 R$ 8,00 CMED = 642144ln(RA) +
R$ 10,00
CMÁX = 1E+06ln(RA) + 3E+06
R$ 9,00
R$ 8,00
CMED
= 642144ln(RA) + 2E+06
R$ 7,00
R$ 6,00
R$ 4.702. 295,92 /MW
R$ 5,00
R$ 4,00
R$ 3,00
CMIN = 319795ln(RA) + 2E+06
R$ 2,00
R$ 1,00
R$ 0,00
1,0
10,0
100,0
1000,0
R$/MW
Milhões

RA = 1821,4.P^o,5/H^1,25

CMIN = 319795ln(RA) + 2E+06 R$ 2,00 R$ 1,00 R$ 0,00 1,0 10,0 100,0 1000,0 R$/MW
6.3. Taxa Interna de Retorno praticada pelo universo das PCHs analisadas neste trabalho.

6.3. Taxa Interna de Retorno praticada pelo universo das PCHs analisadas neste trabalho.

6.3. Taxa Interna de Retorno praticada pelo universo das PCHs analisadas neste trabalho.
6.3. Taxa Interna de Retorno praticada pelo universo das PCHs analisadas neste trabalho.
6.4. Custo índice de instalação de uma PCH de 12,6 MW para diferentes condições de

6.4. Custo índice de instalação de uma PCH de 12,6 MW para diferentes

condições de quedas.

       

Custo [R$/MW]

P [MW]

H [ m]

RA

C MÁX

C $ Médio

C Min

 

60

38,7

6.656.278,42

4.347.857,25

3.169.259,56

40

64,3

7.163.109,80

4.673.315,98

3.331.341,70

30

92,1

7.522.712,40

4.904.232,63

3.446.340,81

12,6

20

152,9

8.029.543,78

5.229.691,36

3.608.422,95

15

219,0

8.389.146,37

5.460.608,01

3.723.422,06

10

363,6

8.895.977,76

5.786.066,74

3.885.504,21

219,0 8.389.146,37 5.460.608,01 3.723.422,06 10 363,6 8.895.977,76 5.786.066,74 3.885.504,21
6.5. ANÁLISE DA TARIFA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE DA PCH DE 12,6 MW CENÁRIO  O

6.5. ANÁLISE DA TARIFA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE DA PCH DE 12,6 MW CENÁRIO

TARIFA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE DA PCH DE 12,6 MW CENÁRIO  O Fator de capacidade da
TARIFA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE DA PCH DE 12,6 MW CENÁRIO  O Fator de capacidade da

O Fator de capacidade da PCH = 0,57,

Energia firma média 7.04 MWh/h ; 61.656 MWh/ano;

As condições de financiamento:

equat. 30%;

amortização 14 anos,

carência 6 meses,

taxa 4,81%, juros durante a construção do tipo de acumulação,

liberação: 1º ano 58%, 2º. Ano 42%;

TJLP 6%, spread básico 1%, spread de risco 2%,

taxa anual de inflação 4% e a

Tarifa de transporte R$ 3,00/MW,

taxa de valor presente 8%

As tarifas : R$ 155,00 a R4 140,00 por MWh.

e a  Tarifa de transporte R$ 3,00/MW,  taxa de valor presente 8%  As
6.5.1. TAXA INTERNA DE RETORNO -TIR DO INVESTIMENTO EM UMA PCH DE 12,6 MW (PARA

6.5.1. TAXA INTERNA DE RETORNO -TIR DO INVESTIMENTO EM UMA PCH DE 12,6

INTERNA DE RETORNO -TIR DO INVESTIMENTO EM UMA PCH DE 12,6 MW (PARA DIFERENTES CONDIÇÕES DE

MW

DE RETORNO -TIR DO INVESTIMENTO EM UMA PCH DE 12,6 MW (PARA DIFERENTES CONDIÇÕES DE QUEDA

(PARA DIFERENTES CONDIÇÕES DE QUEDA

EM UMA PCH DE 12,6 MW (PARA DIFERENTES CONDIÇÕES DE QUEDA     Tarifa R$/MWh  
   

Tarifa R$/MWh

 

H [m]

155

150

145

140

60

0,1831

0,1732

0,1633

0,1533

30

0,1517

0,1427

0,1338

0,1248

20

0,1362

0,1278

0,1193

0,1118

10

0,1136

0,1054

0,0981

0,0904

Fonte: Fábio Dias (2010)

TIR de uma PCH de 12,6 MW em função da Tarifa

19% 17% 15% 13% 60 30 11% 20 9% 10 7% 5% 135 140 145
19%
17%
15%
13%
60
30
11%
20
9%
10
7%
5%
135
140
145
150
155
160
TIR %

Tarifa R$/MWh

função da Tarifa 19% 17% 15% 13% 60 30 11% 20 9% 10 7% 5% 135

6.5.3. TARIFA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE

6.5.3. TARIFA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE Tarifa mínima para uma PCH de 12,6 MW em função da
6.5.3. TARIFA MÍNIMA DE ATRATIVIDADE Tarifa mínima para uma PCH de 12,6 MW em função da
Tarifa mínima para uma PCH de 12,6 MW em função da queda 160 150 140
Tarifa mínima para uma PCH de 12,6 MW em
função da queda
160
150
140
130
120
110
100
0
20
40
60
80
Tarifa R$/MWh

Queda da PCH

H[m]

de 12,6 MW em função da queda 160 150 140 130 120 110 100 0 20

7. PCH VERSUS OUTRAS FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS?

7. PCH VERSUS OUTRAS FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS?  Desafios a serem enfrentados  Incentivos dados
7. PCH VERSUS OUTRAS FONTES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS?  Desafios a serem enfrentados  Incentivos dados

Desafios a serem enfrentados

Incentivos dados á outras fontes, de modo particular, às eólicas. (ICMS)

Energia garantida (série de dados: hidrológicos X eólicos)

Prazos para aprovação de estudos e registros junto ao órgão regulador;

Tarifas nos leilões: baixa atratividade

Licenciamento ambiental, ( mais rígidos e demorados com as CHs)

8. CONCLUSÃO

8. CONCLUSÃO  AS PCHs constituem em uma forma de energia renovável, segura , com tecnologia
8. CONCLUSÃO  AS PCHs constituem em uma forma de energia renovável, segura , com tecnologia

AS PCHs constituem em uma forma de energia renovável, segura , com tecnologia dominada e geradora de emprego

Em comparação com as alternativas economicamente viáveis, as centrais hidrelétricas são consideradas uma das formas mais eficientes, limpas e seguras de geração de

energia.

Suas atividades provocam emissão incomparavelmente menor de gases causadores do

efeito estufa do que as das termelétricas movidas a combustíveis fósseis, além de não

envolverem os riscos implicados, por exemplo, na operação das usinas nucleares

(vazamento, contaminação de trabalhadores e da população com material radioativo

etc.)

As PCHs, em particular, resultam em impactos ambientais bem menores, distribuídos

por diferentes regiões, com baixos IDH, resultanto em consideráveis melhorias para os

município envolvidos.

por diferentes regiões, com baixos IDH, resultanto em consideráveis melhorias para os município envolvidos.

8.CONCLUSÃO

8.CONCLUSÃO
8.CONCLUSÃO  Em comparação com as alternativas economicamente viáveis, as pequenas centrais hidrelétricas são

Em comparação com as alternativas economicamente viáveis, as pequenas

centrais hidrelétricas são consideradas formas mais eficientes, limpas e

seguras de geração de energia.

O Brasil dispõe:

de um potencial bastante considerável,

tem o domínio tecnológico,

os marcos regulatórios mostram-se consistentes e coerentes e o

mercado mostra-se maduro e auto-suficiente, sem necessidade de subsídios.

Há previsão para que as PCHs, assim como outras fontes renováveis de energia, tenham uma participação segura nos planos de expansão da

geração

AsPCHS apresentam flexibilidade operativa das unidades geradoras modernizadas, o que possibilitará a otimização energética do despacho do

sistema de geração, resultando em ganhos adicionais de energia garantida

para o Sistema Interligado Nacional

despacho do sistema de geração, resultando em ganhos adicionais de energia garantida para o Sistema Interligado
tiago@unifei.edu.br OBRIGADO !!!

OBRIGADO !!!

tiago@unifei.edu.br OBRIGADO !!!
tiago@unifei.edu.br OBRIGADO !!!
tiago@unifei.edu.br OBRIGADO !!!