Você está na página 1de 4

LETICIA LARGURA MARTINS

OS ESPAÇOS ABERTOS: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A METODOLOGIA OSDE EM UM CURSO DE CONVERSAÇÃO AVANÇADA EM LÍNGUA INGLESA

Monografia apresentada à disciplina Orientação Monográfica II como requisito parcial à conclusão do Curso de Letras Inglês, Bacharelado, ênfase em Estudos Lingüísticos, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná.

Orientadora: Prof.ª Mariza Riva de Almeida

Co-orientadora: Prof.ª Dr.ª Clarissa Menezes Jordão

CURITIBA

2007

SUMÁRIO

RESUMO

iii

ABSTRACT

iv

1 INTRODUÇÃO

1

2 LETRAMENTO CRÍTICO

4

 

2.1

LEITURA TRADICIONAL, LEITURA CRÍTICA E LETRAMENTO CRÍTICO

7

3

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

9

3.1

RELAÇÕES DE PODER NA EDUCAÇÃO

11

4 EDUCAÇÃO SUSTENTÁVEL

14

5 A METODOLOGIA OSDE

18

 

5.1

UMA METODOLOGIA TRANSFORMATIVA

21

6 O CURSO OTHER WORLDS

23

7 METODOLOGIA DE PESQUISA

27

8 ANÁLISE DOS DIÁRIOS REFLEXIVOS

31

 

8.1

O ESPAÇO ABERTO

31

8.1.1

O Papel da Língua Inglesa

33

8.2 OS PRINCÍPIOS

34

8.3 AS PERSPECTIVAS

36

8.4 A APRENDIZAGEM

39

8.5 O CURSO

41

 

8.5.1

A Mediação

44

8.5.1.1

A mediação dos participantes

45

9

CONSIDERAÇÕES FINAIS

47

REFERÊNCIAS

49

APÊNDICE – DIÁRIO REFLEXIVO PESQUISADORA-MEDIADORA

51

ANEXO 1 – TABELA COMPARATIVA LEITURA TRADICIONAL, LEITURA CRÍTICA E LETRAMENTO CRÍTICO

53

ANEXO 2 – UNIDADE DIDÁTICA NOÇÕES DE DESENVOLVIMENTO

55

ANEXO 3 – DIÁRIO REFLEXIVO DO PARTICIPANTE

60

i i

OS ESPAÇOS ABERTOS: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A METODOLOGIA OSDE EM UM CURSO DE CONVERSAÇÃO AVANÇADA EM LÍNGUA INGLESA

Uma vez que a educação formal vigente está primordialmente voltada para a transmissão linear de conhecimentos, uma educação transformativa, que prime pela construção colaborativa de saberes e pelo desenvolvimento de criticidade, se faz necessária. No ensino de língua inglesa, uma educação crítica se faz essencial devido à posição econômica, cultural e lingüística privilegiada do inglês. Partindo deste pressuposto, esta pesquisa tem por objetivo investigar a aplicação da metodologia Espaços Abertos para Diálogo e Questionamento (OSDE) no curso de conversação avançada em língua inglesa Other Worlds, que aconteceu no Centro de Línguas e Interculturalidade (CELIN) da Universidade Federal do Paraná no primeiro semestre de 2007. A partir da discussão sobre os pressupostos teóricos que embasam a metodologia OSDE, tais como o letramento crítico, a pedagogia da autonomia de Paulo Freire, as relações de poder na educação e a educação sustentável de Stephen Sterling, irei analisar como se deu a construção do espaço aberto para engajamento crítico com as diferentes perspectivas existentes no mundo, proposta pela metodologia.

Palavras-chave: questionamento, letramento crítico, relações de poder, educação sustentável, construção colaborativa de saberes.

i ii

OPEN SPACES: AN INVESTIGATION ABOUT THE OSDE METHODOLOGY IN AN ADVANCED ENGLISH CONVERSATION COURSE

As the current formal educational system aims mainly at the linear transmission of knowledge, a transformative education which focuses on the collaborative construction of knowledge and on the development of critical skills is necessary. In English language teaching, a critical education is essential due to the privileged economic, cultural and linguistic position that the English language holds. From this assumption, the aim of this research is to investigate the use of the Open Spaces for Dialogue and Enquiry methodology (OSDE) in the advanced English conversation course Other Worlds, which took place at the Language Center (CELIN) of the Federal University of Paraná in the first semester of 2007. Starting from the discussion about the theoretical assumptions underpinning the OSDE methodology, such as critical literacy, Paulo Freire’s pedagogy of autonomy, power relations in education and Stephen Sterling’s sustainable education, I will analyse how the construction of the open space for critical engagement with the different perspectives in the world, suggested by the methodology, took place.

Keywords: questioning, critical literacy, power relations, sustainable education, collaborative construction of knowledge.

i v