Você está na página 1de 131
Copyright © by Mozart C. Carmo - 2005 Ficha Técnica Composicao e desenho técnico: Mozart Carvalho Carmo Rita de Cassia A. Carmo llustragdes da capa: Autor Arte da capa: Tagore Alegria ISBN: 85-7062-479-4 287m Carmo, Mozart Carvalho Manual de regulagem e manutengao em guitar- ras, contrabaixos e violdes / Mozart Carvalho Carmo, — Brasil Thesaurus, 2005. 152 p. ; il. 1. Guitarras 2. Viol6es 3. Contrabaixos 4. Instru- mentos musicais cordof6nicos. |. Titulo CDU 681,817.61 CDD 681.8 Todos os direitos em lingua portuguesa, no Brasil, reservados de acordo com a lei. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou transmitida de quaiquer forma ou por qualquer meio, incluindo totocépia, gravacdo ou informagao computadorizada, sem permissao por escrito do autor. THESAURUS EDITORA DE BRASILIA LTDA. SIG Quadra 8, lote 2356 - CEP 70610-400 — Brasilia, DF. Fone: (061) 344-3738 - Fax: (061) 344-2353, www thesaurus.com br, e-mail: editor@ thesaurus.com.br Composto e impresso no Brasil Printed in Brazit 11° PASSO — REGULAR A ALTURA DOS CAPTADORES (abaulamento dos polos) 12° PASSO — REGULAR OS TRASTEJAMENTOS .. os 13° PASSO — TESTAR OS BENDS E SUSTAIN .......:0sc:escesseseeseeeee 14° PASSO — FAZER ANOTACOES PARA CONTROLE E CONHECIMENTO DO INSTRUMENTO.........:0000008 55 15° PASSO — LIMPAR E POLIR O INSTRUMENTO ......ccsscssesseeenees 57 16° PASSO —- GUARDAR O INSTRUMENTO DE FORMA GORRET Axissisqeseesssessassansicevasanneemnnearen commen 59 17° PASSO — USAR SEMPRE O MESMO N° DO ENCORDO- AMENT © csssceissvccssensisessinccemensanonornnnsenceny 68 18° PASSO -MANTER A AFINACAO SEMPRE EM 440 PERU Z ewes sucoventssvencorencansavenctnesisnesactsnressesonessoesnsnesaenes 70 19° PASSO — EVITAR UMIDADE E CALOR EXCESSIVOS ..........+. 70 20° PASSO — PRELIMINARES FINAIS FAZER MANUTEN- GAO PERIODICA — NOVIDADES IMPORTANTES — FENDER a — GIBSON o..sseeccsccsssesssssssssssonssssssensececeeseeceeseesvenan ~ INSTRUMENTOS FABRICADOS POR MOZART.. 85 — PARTES ELETRICAS — CONSIDERACOES FINAIS...... - OFICINA DAS GUITARRAS MOZART . — HOMENAGEM AOS MESTRES ......essessesssesseensees APRESENTACAO Hoje em dia, se faz cada vez mais necessario que musico conhe¢ga 0 seu instrumento também pelo lado do ponto de vista técnico, ou seja, conhega-o a fundo. Além de ter o conhecimento de teorias, harmonias, escalas, improvisagdes, técnicas etc, que é sem duvida da maior importancia, tenha também o conhecimento de teorias de fabricacées, Projetos, seguimentos, matérias prima etc. Esses conhecimentos sao de grande utilidade e importancia para o musico pois quando ele se depara com problemas em seu instrumento, como por exemplo em uma viagem onde ocorre mudanca de clima eo instrumento reaje desregulando, o musico nao se torna mais tao dependente de um Luthier, podendo com alguns conhecimentos basicos resolver de forma profissional e segura tais problemas, deixando para um Luthier, somente aqueles problemas mais graves, os quais requeiram maior pratica e experiéncia. Este manual de regulagens e manutencao em guitarras, con- trabaixos e violées elaborado pelo Luthier e guitarrista Mozart, visam esclarecer esses conhecimentos que dentre eles estao: — Qual a forma aconselhada para se tirar e colocar cordas — Quanto tempo dura um encordoamento — De qual madeira constitui o seu instrumento — Qual tipo de madeira fornece qual timbre — Como guardar o seu instrumento e como nao guardé-lo — Como diagnosticar os varios problemas corriqueiros — De quanto em quanto tempo deve-se fazer manutencao etc... Para que dessa forma 0 miusico possa além de tirar do seu instrumento, melodias e harmonias, possa também deixa-lo perfeitamente ajustado, alinhado e principalmente afinado! Levando-se em consideragao que cada Luthier profissional e experiente tem o seu estilo pessoal de trabalhar e realizar do seu jeito cada detalhe do ajuste de uma regulagem que deve sempre ser feita de 9 forma profissional e segura sem colocar o instrumento em risco de dano permanente e irreversivel, o que é realmente relevante é o resultado final, que deve sempre deixar o instrumento totalmente alinhado, macio, afinado e com todas as partes integrantes do mesmo, em perfeito funcionamento pronto para qualquer situagao e, principalmente que o musico dono do préprio instrumento, dentro do seu estilo e performance possa estar satisfeito com este resultado. (s) NOMECLATURA DOS INSTRUMENTOS GUITARRA Tirante cores Caegdores | Chanfrado de apoio —~Rebaixadores de cordas Cabegote Pestana Trastes Casas Marcaces de posicio k Escudo dad ‘ ~Chave seletora Canoa_~ re Ferro da alavanca Knobs Potenciémetros (na parte interna) Chanfrado de apoio Roldana da correla Braco - \ d Corte do tirante Tarrachas ~ \. Placa das molas Placa de fixacdo do brago Tava molas e mola (na parte interna) 11 NOMECLATURA DOS INSTRUMENTOS VIOLAO Caixa de ressonancia Tampo | Acesso ao tirante —— Capelinha | | Cavalete Rastilho Filetes decorativos Faixa Tarrachas Fundo Tréculo NOMECLATURA DOS INSTRUMENTOS CONTRABAIXO Tirante (s) , Corpo poe y gf ——-Rebaixador Capraciores ‘sale de cordas Cabegote Chanfrado Pestana de apoio Trastes Casas Marcacées de posicio Ponte c ~ Knobs at ~Potencidmetros cn (na parte interna) Chanfrado de apoio Roldana da correia (6 Brace: eo a Corte do tirante Placa da parte elétrica Tarrachas Placa de fixagio do braco CURSO DE REGULAGEM E MANUTENGAO DE GUITARRAS, CONTRABAIXOS E VIOLOES PASSO A PASSO 1° PASSO — PRELIMINARES INICIAIS. Todo o contetido deste manual, foi elaborado baseado no fato de que se va fazer prestacao de servicos para clientes; que é uma situagao onde se tem uma maior exigéncia do Luthier no sentido de qualidade e profissionalismo que serao sempre cobrados a todo momento! Por isso baseado na experiéncia do autor, deve-se determinar o seguinte: que o cliente deixe o instrumento para se fazer o servigo com calma, tranquilidade e aten¢ao, nao aceitar fazer o servigo na sua presen¢ga porque ele podera atrapalhar fazendo perguntas e tirando a sua necessaria atengao ao servico, que deve ser feito com bastante concentracao. Estipule antes o valor do servico a ser feito, marque a data da entrega do servigo com um tempo suficiente para se fazer um servi¢o no capricho de acordo com a sua capacidade e a urgéncia do cliente anotando o telefone dele para ligar quando estiver pronto, e diga para ele ligar quando estiver vindo para que vocé possa reconferir alguns itens da regulagem (no caso do instrumento ter ficado um dia ou mais parado a espera) como por exemplo a afinagao, que tende a ser alterada naturalmente por causa do clima, ou combinar com o cliente de s6 vir quando vocé ligar dando o ok, ou ainda marcar um horario especifico da entrega para que vocé possa ter um melhor controle e evitar que tenha que mexer novamente no instrumento no ato da entrega como por exemplo ter que tirar algum eventual trastejamento que também pode ocorrer naturalmente, mesmo depois do intrumento ser totalmente testado. 2° PASSO — VERIFICAGAO COM O CLIENTE. Verifique o estado geral de conservacao do instrumento, comente e mostre para ele todos os defeitos e problemas visualmente detectados, principalmente os de arranhées e trincados na pintura ou verniz, para evitar que na entrega do instrumento o cliente diga que o instrumento nao estava daquele jeito quando ele o deixou! 14 Olhe com muita atengao cada parte do instrumento, vindo de cima para baixo ou vice-versa, olhe também a parte trazeira do instrumento, bem como as laterais, e em cada parte isolada das ferragens e acessérios para detectar por exemplo a auséncia de um pequeno parafuso ou uma paquena arruela, ou ainda uma roldana da tarracha que possa estar com os dentes quebrados, pois todos estes itens e outros tem de ser verificados na presenca do cliente para que ele fique ciente da real condigdo do seu instrumento, pois para que o instrumento funcione perfeitamente nao pode haver nada quebrado ou danificado, para que entao vocé possa colocar este itens no orgamento geral do servico ou seleciond-los como desconto. Nao esquecer de ligar o instrumento no amplificador para verificar o funcionamento de cada captador, rodando cada potenciémetro, identificando o seu papel e chave seletora, ou outras, bem como o jack (principalmente o importado tipo charuto, que tem vida util) para testar na frente do cliente, o bom funcionamento de toda a parte elétrica! E sempre bom também anotar o nome do cliente em um adesivo e cola-lo Na correia e na capa do instrumento. 3° PASSO — VERIFICACAO PESSOAL. Verifique e avalie o instrumento para ver os pontos principais a serem regulados para que a regulagem seja definitiva no ponto de vista técnico evitando-se que se faga a mesma operacao varias vezes. Deve-se observar a altura das cordas no brago, o angulo de inclinagao do bracgo em relacao ao corpo, e a altura das cordas na ponte, para saber melhor o que fazer e como fazer pois existe uma relacado entre o angulo do braco e a altura das cordas na ponte, que na maioria dos instrumentos sejam nacionais ou importados ja saem da fabrica com problemas salvo excecgdo das guitarras Fender que j4 vém com com um pequeno e simples acessério exclusivo, “micro-tilt” (figura 10) especial para esses ajustes. Por isso na maioria dos casos é preciso se colocar um pequeno cal¢o de material duro ou sintético embaixo do brago onde ele se encaixa ao corpo, que pode ser feito com plastico acetato transparente encontrado no formato de folhas de varias espessuras em papelarias (figuras 293 e 294) para que o braco sofra uma leve e estratégica inclinagdo e com isso se 15 consiga abaixar na medida certa a altura das cordas, que no micro-tilt, se faz com bastante precisao! No violdo, onde o brago é colado, nao se tem este ajuste, depois do instrumento pronto pois ja é feito um pré-ajuste na fabrica. A espessura deste calgo vai ser determinada nessa verificagao pessoal de acordo com a necessidade da quantidade de rebaixamento das cordas, quanto mais altas as cordas, mais espesso deverd ser 0 calgo, porém também nao podera ser muito espesso pois podera atrapalhar na jungao do brago ao corpo. No caso de violao, o efeito deste rebaixamento das cordas se consegue ajustando o tirante, (quando tiver) e rebaixando a altura do rastilho e pestana, e este procedimento, é fundamental para se achar o melhor ponto de regulagem do instrumento visto que na maioria dos casos, 0s instrumentos jd saem das fabricas com erros em seus projetos. EXEMPLO INCORRETO é Geralmente ponte alta, € um erro comum de projeto dos Instrumentos amadores Escala baixa e braco sem a minima inclinagao EXEMPLO CORRETO Altura da ponte, correta, Inclinacéo do braco correta, ¢ altura da escala, correta Angulo do braco - correto ¢ favorivel & inclinacio do brago EXEMPLO DE REGULAGENS G Altura da ponte, afeta a altura das cordas, volume da captagio A inclinacao do braco é ajustavel no encaixe com do corpo, maciez na agéo dentre outros afeta altura das cordas, a altura dos captadores, a altura dos carrinhos da ponte dentre outros “ a —_— 4 Calgo'para ajuste fino da inclinagao do brace Angulo do braco (ajustavel no é colocado em baixo do braco, onde ele & tirante), afeta a altura das cordas no inicio, aparafusado ao corpo que deve ser de material ‘10 meio ou final do braco (dependendo do adequade (lamina de madeira dura ou plastico Jingulo) bem como os trastejamentos, dentre outros __0 tipo acetato) figuras 293 « 294 Placa de { wy fixagio | MICRO-TILT dobraco Ajuste de inclinagao do braco através de parafuso hallen sem cabeca, embutido para um ajuste fino e preciso da correta inclinacao do braco, lancado pela Fender. Este é um acessério que toda guitarra, contrabaixo ¢ até mesmo 0 violéo deveriam ter! 4° PASSO - DESMONTAR INSTRUMENTO. Antes, observe os pontos importantes, como por exemplo, quais os parafusos estao mais conservados e menos enferrujados para que vocé possa colocar os mais novos na frente, e os mais velhos atras, para melhorar a aparéncia geral do instrumento. Lembrando que no violao, s6 nao é possivel a regulagem de inclinagao do brago pois 0 brago ja vem colado da fabrica, com excegao de alguns casos raros onde o brago é aparafusado, todos os outros passos, devem ser os mesmos para violées, guitarras e contrabaixos. RETIRANDO AS CORDAS DO INSTRUMENTO Em 99% dos instrumentos existe algo que o autor denominou como torgdo do braco, que nao chega a ser exatamente uma torgdo ficando mais somente no termo, mas que é gerado nas colocagdes e 7 retiradas das cordas de forma incorreta, se vocé gosta do seu instrumento e quer conservé-lo explorando todos os detalhes, faga o seguinte: na hora de retirar as cordas do instrumento, seja violao, baixo ou guitarra, faga com que a tensao constante causada ao braco, pelas cordas, seja eliminada de forma gradual e centralizada, (figura 11) ou seja, elimine a tensdo das cordas do centro do bra¢o para as laterais do braco folgando- se 2 voltas em cada tarracha das respectivas cordas: SOL-RE, SI-LA, MISINHA e MISONA, porque quando vocé folga a corda misinha por exemplo, se esta retirando do brago nada mais nada menos que 5,94 kg de tensdo na area daquela corda fazendo com que a area oposta ou seja, da corda misona, a pressao da corda aumente pois vai haver tensdo mais de um lado do que do outro, e a madeira do instrumento recebendo esta informagao ao longo do tempo fatalmente ficara com esta torgao. Para se ter uma idéia mais precisa, a tensao da 1? corda do encordoamento 009 que é a corda MI (14), como, ja foi visto, tensiona o braco 5,94 kg e a tensao do encordoamento completo é de 38,65 kg ! Confira abaixo a tensao individual de cada corda da numera¢ao 009. (Referéncia, D’addario) E = 5,94kg B=4,99 “ G =6,67 “ Alivio de tensao das cordas, D=717 “ feito de dentro para fora do braco, . para evitar a torcao, que é a diferenca A=7,17 de curvatura nas laterais do braco, na regido das primas e bordées. a2 Tirante fixo embutido em “T" para violio Modelos dos - variados tipos de terminais de ajustes dos tirantes DESMONTAGEM DO VIOLAO: Retire as cordas velhas do instrumento, (da forma vista anteriormente) enrole-as e coloque-as no pacote das cordas novas que vao ser colocadas no instrumento e entregue-as para o cliente, guarde-as para qualquer emergéncia ou jogue- as fora. Retire o rastilho. Retire as tarrachas. Retire o circuito do captador, (figura 214 e figura 220). Retire a capelinha (se tiver) e o terminal de ajuste do tirante. Se o violao estiver precisando, limpe-o por dentro com um pincel comprido ou se tiver muito sujo, use um aspirador de Aiguns dos modelos mais comuns de rastithos para violbes Classico fe Folk Tirante fixo embutido ee em “U"para violio Oitavas pré-ajustadas (existem outros varios modelos) Sextavado — Sextayado Ane! Hallen Fenda Cruz alongado DESMONTAGEM DE GUITARRAS E CONTRABAIXOS: Retire as cordas com o mesmo procedimento ja visto. — Retire (dependendo de cada modelo), a ponte, cavalete, cordal ou alavanca com as suas respectivas molas, parafuso de fixagao, trava e rebaixadores de cordas. (retire o trava-molas e roldanas 19 20 para correia, se for necessario para arrumar algum possivel defeito ou para manutengao como por exemplo furagao espanada ou para lubrificagao) Retire as placas: das molas, parte elétrica capelinha e outras quando houver. Retire os knobs desencaixando-os ou desparafusando-os (retire o parafuso do knob para limpé-lo e lubrificé-lo). Retire o braco desparafusando-o do corpo, ja retirando também a placa ou arruelas de fixagao do mesmo e observe se hd algum calgo em baixo do braco, (figura 09). Desparafuse todo o escudo para possibilitar a limpeza e lubrificagao dos componentes eletrénicos e verificagao da normalidade de toda a parte elétrica. Retire as tarrachas (quando necessario) e os seus respectivos parafusos para limpeza e lubrificagao pois é através desses procedimentos que se detectam os defeitos. Desmonte toda a ponte, cavalete ou alavanca, e junte todos os parafusos da ponte, escudo, brago, captadores, molduras dos captadores, placas das molas, partes elétricas, jack, roldanas, tarrachas, rebaixadores de cordas, trava-cordas, capelinha, tirante enfim, todos os parafusos que se encontrarem no instrumento, sejam de rosca em milimetros, polegadas ou soberbas e coloque-os em um recipiente, e as pegas como carrinhos das ponte, placas da ponte e de fixagao do braco, trava-cordas, rebaixador de cordas, roldanas da correia, molas da ponte e outras sobre uma flanela para dar um jato de 6leo anticorrosivo e lubrificante em spray (este procedimento é opcional quando o instrumento é novo, porém é sempre benéfico ao instrumento pois assim pode-se prolongar a vida util das pegas, evitando o espanamentos das cabegas dos parafusos. Quando for o caso de ponte do tipo Floyd Rose, aplique também um jato do mesmo spray nos parafusos da micro-afinagao ou use tambem de maquina, pois na maioria dos casos, eles sao fixos e nao podem ser retirados. Este Gleo em spray, 6 usado para desengripar roscas, comer sujeiras, ferrugens, oxidagées e lubrificar atritos de pecas de metal, o 6leo de maquina é usado para lubrificar por um longo periodo e@ ambos encontram-se no mercado, um em forma de spray, 0 outro em frasco plastico. Faca uma limpeza dos captadores e jack (quando nescessario), regule a fixacao dos potencidmetros apertando a porca de fixagao dos mesmos segurando-os por tras para nao provocar repuxamento da fiagao da parte elétrica, (0 que pode causar desligamentos das soldagens dos fios). Lubrifique a parte interna dos potencidmetros com mesmo spray usado na limpeza e lubrificagdo das pecas e parafusos, porém de forma muito cuidadosa ou seja em quantidade minima para nao danificar os potencidmetros, que até podem ser vulneraveis | Limpeza no interior a estes produtos que possuem um certo poder go potencidmetro 16 de corrosao; mas ao contrério do que alguns - luthiers falam, pode sim ser usado com eficiéncia desde que, dessa forma correta, fazendo com que a corrente do sinal que passa por uma espécie de anel dentro do potenciédmetro, nao seja assim danificada, mas se nao quiser correr riscos, é melhor usar outro produto, que é o alcool isopropilico que faz a limpeza interna dos potencidmetros @ Ane! da corrente chaves seletoras com muita eficiéncia sem o risco *°*"™ a de danificd-los, e que pode ser encontrado em farmacias, nao esquecendo também de lubrificar 0 eixo do potenciémetro (figura 15) pois alf também acontece o actimulo de sujeira e impurezas que fazem o potenciémetro rodar pesado, apés a limpeza, ele rodara SF Dentro do eixo do potenciémetro também deve ser lubrificado como mostra a figura ao lado 21 macio e leve. Por ultimo, limpe a escala do instrumento, que acumula um tipo de sujeira que fica parecendo uma cera impregnada na madeira, no canto dos trastes (figura 18) esta cera é proveniente da mistura de sujeira e suor das maos (este caso acontece quando o instrumento é muito usado ao longo dos anos sem ser feita nenhuma manutengao de limpeza) para remover esta sujeira pode-se utilizar uma cera polidora (que pode ser encontrada em lojas de tintas automotivas) fina (n°2) ou grossa (n°1) dependendo do grau de sujeira acumulada e posteriormente um 6leo de madeira para tratar a madeira evitando também assim o seu ressecamento, e como sugestao do autor, que sejam produtos nacionais como o dleo de peroba ou cedro, (produtos domésticos que sao encontrados em supermercados) que sao excelentes produtos, iguais ou melhores que os produtos importados para esse fim, e sao bem mais baratos. Aciimulo de sujeira de pouco tempo Limpeza no interior — da chave seletora com 0 spray, ou Alcool isopropilico —) (Q)) Locais para o engraxamento. “Locais para a lubrificagao 5° PASSO — ENGRAXAR. Uma vez feita a lubrificagao, deve- se agora fazer o engraxamento das pecas que sofrem atrito. Mas esta etapa deve ser feita j4 na montagem do instrumento, nos seguintes pontos: nas pontas dos parafusos de roscas soberbas, que sdo fixados em madeira, nas roscas dos parafusos em milimetros e polegadas que sao fixados em metal, ferro e aluminio, nas cabecas e pescocos dos parafusos que sofrem algum tipo de atrito no metal como mostra a figura 23. 22 (2 VARIADOS TIPOS DE iy ; CABECAS DE PARAFUSOS REY L. © 7 7 . p ©) Fenda <=) Philips (C)) Halen Sextavado Vv ¥ aq Lubrificagéo com engraxamento, nas XW? Fenda/ Philips placas das pontes, nos locais onde existam algum atrito do metal das pecas, com metal dos parafusos (24 VARIADOS TIPOS DE PARAFUSOS ul Rosca soberba Hallen Em milimetro ve Em polegada _Parafuso da micro-afinacao PECAS E FERRAGENS DE INSTRUMENTO, DESMONTADAS, LIMPAS, LUBRIFICADAS E ENGRAXADAS! @ ec ip Ee Ie) fl Sse. Aa 4 BZ ‘ 4 — > “ INN Engraxamento do pino da tarracha da violao, nos dois 7 locals do orifice no cabecote onde sofre 0 atrto com a Lubrificagdo com dteo nas partes em Ae fe an atrito de metal com metal nas partes expostas da tarracha do violio , rode macio 25 8° PASSO — COLOCAR AS CORDAS. Existem varias maneiras de se colocar cordas em instrumentos musicais. Na guitarra e no contrabaixo pode ser por baixo, por tras da ponte ou por trés do corpo, no cordal ou de outras variadas formas. Na alavanca de guitarra Floyd Rose, corta-se a cabeca da corda e no violao amarra-se as pontas das cordas no cavalete. Fixar uma extremidade da corda na ponte e a outra, enrolar na tarracha preenchendo ‘iin Sestmoiicloe todo 0 eixo sem deixar folga, é a forma correta para de amarracao das guitarras e baixos, no caso do violao, enrole a corda eae coralcte sobre si mesma e depois sobre 0 pino da tarrcha (figura 36). Agora é hora de afinar o instrumento. E f | bom ter um diapazdo de sopro da nota Qs AK AS sol ou ré para fazer a 1 \ afinagao do meio para fora.Para Z evitar a torsdo, visto na figura 11. Afine todas as cordas na altura de 440 hertz e agora finalize os procedimentos vistos no 3° passo (verificagao pessoal). 1°-Confira \ o angulo do brago. Para isto aperte a6*cordana =. | 1? casa e na Ultima casa. Entre a 7* e 12? casa, ‘A deve ter um espaco de 0,5 a 1 mm (é a melhor a“ medida) entre a corda e 0 traste, ou seja, 0 brago perfeito deve ter uma leve concavidade, isto tem 5 . Corda enrolada muito a ver com a afinacado e com a agao Macia dO sobre si mesma, instrumento e muitas outras coisas que estado e sobre o pino da diretamente ligadas ao angulo do braco que vamos ‘racha \ ver mais para frente. Esse procedimento nos da condigao de \ observar o Angulo do bra¢o. Fazendo-o também na 1 corda, nos \ da a condigao de ver se ha torcdo no brago (figura 11). Quando os Angulos das laterais do braco estado diferentes entre si, na torcao, é algo comun aos instrumentos pois 80% deles, a possuem. A tor¢ao do brago existe quando a parte de cima do brago (das cordas bordées) é diferente da parte de baixo (das cordas primas) ou seja, a curvatura do braco na sexta corda, nao é exatamente a mesma QS S= 26 curvatura do brago na primeira corda. Esta torgado 6 comum a quase todos os instrumentos e até certo ponto limita a boa regulagem, por isso faga sempre o que mostra a figura 11. Para melhor visualizar a torgao, faga o seguinte : aperte a 1? corda na 1* casa, e olhe no meio do brago, na altura entre a 7? e 9 casa, e veja o reflexo da corda no traste, faga isso também na 6? corda, e compare, na misinha e misona, se as distancia das cordas no meio do brago (entre a 7* e 9? casa) estiverem iguais, entdo o braco esta perfeito, se nao estiverem, existe a torgao. Espago entre a corda @) e otraste de 0,5 a! mm. z Sa a j {——__~__— 12 casa G9 Braco com Angulo convexo 2 9° PASSO - REGULANDO O ANGULO DO BRACO. O tirante é um ferro colocado internamente dentro do brago, com uma rosca de ajustes em uma de suas extremidades, é a alma do instrumento, pois todo o bom funcionamento do instrumento, depende dele. Existem alguns modelos, baseados nos dois tipos mais usados, o primeiro que surgiu, eo mais recente. Acionando 0 ajuste do tirante no sentido hordrio, obtem-se o angulo convexo; no sentido anti-hordrio, obtem-se o angulo céncavo. O local de ajuste varia de acordo com o instrumento. No violao, é dentro da boca ou no cabecote, na guitarra e contrabaixo pode ser no cabecote ou no local do encaixe do braco ao corpo e suas conexées sao varias (figura 14). Sao usados varios tipos de materiais para a fabricagdo dos tirantes, todos eles projetados para fazer 0 ajuste da convexidade do brago, e nao da concavidade, embora também existam aqueles que tenham ajustes para o lado céncavo, mas seja qual for o modelo, uma coisa é certa; todos tem que funcionar perfeitamente! 27 $6 assim com essa condi¢ao é que se consegue um ajuste preciso e eficaz do brago para um bom funcionamento do instrumento no que diz respeito a afinagao, agdo macia e confortavel. Com o instrumento afinado, deixe um Angulo (céncavo) de 0,5 a 1 milimetro no centro do brago, (figura 37) para isso aperte a corda sol na 1° casa e ultima casa da escala e olhe contra a luz 0 reflexo da corda € 0 traste como ja foi explicado. Primeiro modelo de tirante criado pela Gibson SS 40) madeira acompanhando a curvatura do fers inte Base de madeira acompanhando a curvatura do ferro Facto 41) Tirante mais recente do tipo usado pelas guitarras da marca Jackson ooo Feme-quatends Jungio dos dois ferros Ajuste * — = Artuela de pressio Ferro redondo ac Barra de ferro retangular com témpera (transformacao de ferro para ago) nfo muito alta para assegurar uma correta MODELO DE TIRANTE RECENTE [1 fexiiidade da movimentacio do ferro © Barra de ferro redonda Barra retangular fixada x Nas dus tras fades fur vazado para bara redonda a“ / Porca de ajuste com rosca e cabeca hallen FUNCIONAMENTO: Acionando a porca de ajuste com a chave hallen no sentido hordrio, acontece um re- puxamento do ferro redondo, levantando o ferro retangular para cima em forma de arco empur- rando internamente a madeira do braco para este formato possibilitando assim o seu desempeno 8 N 1) 28 Dos problemas que podem ocorrer com o tirante, mais comuns, como o seu mau funcionamento, por exemplo, existe um que é considerado muito grave para o instrumento e que ocorre nao muito raramente que é 0 seguinte: quando o corte feito na madeira para receber © tirante é feito sem precisao, ou quando existe algum tipo de folga entre o tirante e madeira ou entre os ferros, acontece entao vibragao ou trepidacao do ferro com ferro ou ferro com madeira ocasionado pela vibragao das cordas que, soltas ou apertadas em alguma casa, provocam freqiéncia que causa esse fenédmeno totalmente desagradavel e incoveniente pois emite um som semelhante ao trastejamento e o pior, é levado ao amplificador e conseqiientemente ao PA. Tal fato ocorre porque os fabricantes deixam de colocar protecao de isolamento entre as partes trepidantes ou colocam prote¢ao nao eficaz como uma fita do tipo isolante que é enrolada em volta dos dois ferros com a intengao de prendé-los, porém esta fita ao longo dos anos resseca ese rompe causando este tipo de problema. Alguns fabricantes colocam espuma ou borracha estrategicamente posicionada (como mostra a figura abaixo), e com isso conseguem resolver definitivamente o problema. 4a Camadas de espumas ou borrachas para evitar trepidacées indesejadas he Com o instrumento ja lubrificado, engraxado, montado, com o Angulo do braco ajustado, com as cordas e afinado, é hora de se verificar aaltura das cordas. Esta verificagao se faz em dois pontos: na pestana e ponte/rastilho. Na pestana, 6 usado como base para a regulagem, a distancia das cordas no 1° traste, e na ponte ou rastilho, a base como ponto de visualizagao para a regulagem € o ultimo traste. Geralmente os instrumentos ja saem das fabricas desregulados na pestana e também na altura das cordas na ponte e por isso estes dois pontos precisam ser bem regulados. E esse procedimento 6 muito importante para uma perfeita regulagem da afinacao do instrumento. Deixe a 1? corda (misinha) a uma distancia de Imm do primeiro traste. Para isso construa vocé mesmo, a ferramente (figura 45), pode-se usar uma lamina de serra para 29 ferro (cegueta), mas é preciso passé-la no esmeril para que ela fique fininha, na mesma espessura da corda misinha use a abilidade para que 0 corte fique bem feito. (Use outra cegueta sem esmerilar para os bordoes). Na ponte, pegue a referéncia do final do braco, ou seja a Ultima casa e deixe a mesma corda (misinha) a uma distancia de aproximadamente 2,5 mm de distancia do ultimo traste Lembre-se de que essas medidas sao tomadas na 1? corda que é a misinha e que estes numeros sao para guitarras e violdes levando-se também em consideracgdo a forma de tocar do dono do instrumento. A partir de 2? corda (si) até os bordées, acrescente uma leve e gradual elevacao desta distancia dando uma leve inclinagao de acordo com a intensidade do abaulamento (curvatura) de escala do instrumento. Para contrabaixo, dé para essas medidas, exatamente um acréscimo de 50% a mais, considerando também a pegada do tocador. Isso fara uma leve inclinagao das cordas na pestana e na ponte que se resumira em uma acdo excelentemente macia! Nao esqueca de fazer os cortes na pestana, com angulos de inclinagdo como mostram as figuras 47 e 48 (GQ) Posigdes de atuacao da cegueta. Obs.: Tenha varias ceguetas de varias espessuras, para as varias espessuras das cordas! a a Cegueta ‘esmeriiada e fina para misinha, ‘e sem esmeria, para os bordbes pestana com cortes rasos ‘¢ aredondados nesses dois sentidos Angulos de inclinacbes das cordas na pestana e ponte/rastitho 48 fem guitarra, bsixo e Voli, fundamentas para uma boa cegulagem re —. —~ REGULAGEM DE ALTURA DA CORDA MISINHA. = Distancia entre a1 corda Distancia entre a1* corda 0 I" traste, de} mm #0 time traste, de 2,5 mm. 30 A regulagem de altura das cordas pode ser feita de varias maneiras inclusive através da regulagem do tirante, e também na ponte, de acordo com cada modelo. Seja qual for © tiPO pbauiamente das cordas, de acordo com necessario de ajuste, 0 resultado final © abaulemento da escala deve ser observado na altura das cordas, as no primeiro e ultimo traste do brago, na —— TER primeira e na ultima corda do —_— ~ instrumento, sejam baixos, guitarras ou violdes. Na guitarra, por exemplo, no 1° Altura das cordas com o correto (52) traste na corda misinha, deve ser de “mente inclinacto - aproximadamente 1mm de distancia,e — « 6 = No Ultimo traste, aproximadamente 2,5 mm de distancia entre a corda e€ 0 traste, (figuras 49 e 50). Mas, para os bordoes, é — Distancia entre 0s trastes 2 € as cordas Inclinacao da base da ponte, quando . esta tiver 0 abaulamento fixo das cordas Inclinagao do abaulamento das cordas 5) pa prépria base‘da ponte regulavel nos parafusos individuais respectivos a cada corda — ex t it trai) inclinagao do rastilho para escalas retas dos violdes clissicos, por causa das diferentes espessuras das cordas, relembrando que os rastihos abaulados. também devem ter inclinacdes — ® aconselhavel deixar estas distancias ligeiramente um pouco mais elevadas por causa das espessuras das cordas (figura 52). Procure o melhor ponto para a regulagem do instrumento, deixando a acao média ou seja, as altura das cordas, nem muito alta, nem muito baixa, pois quanto mais alta, mais compensac¢ao no ponto de comprimento da escala vai ser necessdrio, sacrificando os harménicos e as notas apertadas na regido da 7* casa, € . 31 quanto mais baixa a agao, menos compensacao vai ser necessaria, sacrificando os harménicos e as notas apertadas na regiao da 19* ou 24?casa. Deve-se ter também consciéncia do fato de que a correta agao do instrumento (altura das das cordas), vai depender de como toca no instrumento o seu dono, ou seja se bate forte ou leve, se bater forte nao da pra deixar uma aco baixa pois acontecerao varios problemas como a falta de sustain, um som percussivo (batido) das cordas e possiveis trastejamentos. Todos os instrumentos devem ter o ajuste de inclinagao das cordas na ponte ou rastilho e nas pestanas por causa das diferentes espessuras das cordas e também por causa dos diferentes abaulamentos das escalas. O ponto médio de medida como ja vimos é de 2,5 mm de distancia entre a primeira corda (misinha) e o ultimo traste, e de 1 mm de distancia também entre a primeira corda ( misinha ) e o primeiro traste para guitarras e violdes sendo que nos contrabaixos, as cordas sao mais espessas e por isso deve-se acrescentar em média 50 % a mais em cada medida. Isto faz com que 0 instrumento fique agradavel e macio para execucdo. No caso de guitarras com pontes com alavancas tipo Fender ou Floyd Rose, deve-se fazer outros ajustes que sao ao todo mais trés, além dos ajustes de abaulamento, (figura 51) altura das cordas (figura 52) e inclinagdo (figuras 53, 54 e 55). Sao eles: POSIONAMENTO: que é colocar a ponte bem centralizada nos dois parafusos que ancoram a ponte, geralmente encontra-se um corte tipo meia lua para essa centralizagao que pode variar nos seus detalhes, mas que deve ter como resultado final, uma boa centralizacao da ponte e isto pode ser confirmado observando se as cordas passam exatamente centralizadas em cima de cada polo dos captadores tanto o da ponte como o do braco. ANGULO: que é deixar a ponte suavemente inclinada para frente em relacao ao nivel do corpo para que além de a ponte ficar solta, possa-se usar também o efeito de aumentar a entonagdo da nota, até um tom para tras, (tipo bend) usando-se o ferro da alavanca para tras, mais que um tom nao é muito aconselhavel usar com frequéncia pois forg¢a o instrumento principalmente nos parafusos que ancoram a ponte e conseqientemente a madeira que fixa esses parafusos podendo causar espanamento da mesma nessa regido, mesmo quando ha a presenga de buchas fixando esses parafusos. 32 FIXACAO: que é fazer o reaperto dos trés parafusos que fixam a base da ponte onde sao ancoradas as molas, (parte debaixo da ponte que fica embutida na guitarra) esses parafusos sempre se folgam com o tempo trazendo problemas para o bom funcionamento da ponte, para se ter acesso a estes parafusos, todos os carrinhos da ponte devem ser retirados pois eles ficam logo abaixo dos mesmos. Quando estiver ainda afinando o instrumento, antes de regular os harmonicos e oitavas, quando for 0 caso de alavancas que tenham o ferro de alavanca de rosca, ja deixe-o na posicao correta ou seja, flutuante ou com Angulo. Flutuante é quando se solta o ferro, ele cai deixando o espaco livre. Com angulo é quando se regula o local estratégico da parada do ferro da alavanca quando se solta para ele cair exatamente nesse local. Para isso rode a conexao do ferro da alavanca para a posigao desejada e aperte-a totalmente. Fixagao Abaulamento Varied Angulo Posicionamento Abura ~ Deixe a ponte o mais solta possivel, livre e flutuante e como ja foi visto, com um Angulo ligeiramente diagonal ao corpo da guitarra. Lembrando também que no caso da alavanca modelo Fender nao se tem o trava-cordas e por isso, para se ter um bom funcionamento da ponte, a pestana deve ter um papel importante para isso, ou seja ela deve ser de um material de boa qualidade como o osso ou metal por exemplo e deve estar perfeitamete moldada e lapidada para isso como ja foi visto (figuras 46 e 47) nao podendo ser de plastico comum como nessas guitarras mais baratas pois o plastico, prende as cordas obstruindo seus movimentos gerando problemas de afinacao, problemas deste tipo, nao podem em hipétese nenhuma acontecer. Para ajudar nesse sentido, mesmo com 0 uso de bons materiais e todo o trabalho de remodelagem da pestana, guitarristas estao adotando o uso de grafite na pestana para um melhor deslizamento das cordas na hora do bend ou uso da alavanca. 33 CONHECENDO O SISTEMA FLOYD ROSE Uma boa e auténtica Floyd Rose original ou licen- ciada, deve ser composta de pelo menos em média SO itens, quando desmontada, contando desde a sua grande base, cubinhos, variados parafusos até seus paquenos pinos e arruelas que ficam embutidos ‘ou escondidos de acordo Floyd Rose montada com cada modelo! 68) Parafuso de : fixagio da base das parafuso Parafuso de molas fixacio do cubinho lagem da “ \ pe _— Cubinho Oriticio alavanca Suporte para 0s parafusos da fixagio dos Carrinho cubinhos / A boa ponte é aquela que possui uma témpera alta (transformacao do ferro em aco de alta resisténcia) da sua chapa de base, do corpo e telhinhas do trava-cordas (figura 61) € parafusos de fixagio da ponte, bem como uma alta tempera dos Parafuso de fixacio parafusos gerais, pois do trava das isso vai fazer com que noe ela funcione mais solta, sem o desgaste do atrito dos ferros, segurando de forma bem mais eficaz, a afinagio Teese do instrumento. molas 34 REGULAGEM DA PONTE Altura da ponte Parafuso de regulagem 2 da altura da ponte e das cordas Bucha de fixagdo _ —- Parafuso do trava-molas, para a regulagem do Angulo da ponte Angulo da ponte em relagdo a0 corpo CONHECENDO O TRAVA-CORDAS DA FLOYD ROSE No caso do trava-cordas, além de 60 toda limpeza e lubrificagao que ja foi = = visto, verifique a sua total fixacao, pois © toda seguranga da afinagao, depende ” disso. Agora come- Garemos a fazer as verificagdes principais para os ajustes da afinagao do cK instrumento onde é regulado traa‘® — ferafus de ' ‘ (telhinha) / os harménicos e as oitavas ““ Y “oo em todas as cordas,emtodo 97 Saye ot 0 brago. \ No violao nao se tem traval : . Paratuso de cordas esse ajuste preciso e x __ fixagio individual jr © be te! ne “ 7 . Rebanador de cordas os para todas as cordas, que na . Calgo de metal, proprio para o trava € 0 rastilho, e no caso do violao, reveja os textos das figuras: 32 4 37, 49, 50 e 55 esses procedimentos ja resolvem os problemas de afinagao do instrumento quando este tem uma escala perfeita e quando é feito na fabrica uma 35 Trava-cordas montado a axe Parafuso trava pré-compensacao de distancia do ponto de inicio do tamanho da escala no rastilho e sua inclinagao como mostra as figura 62 e 63, e sem esquecer é claro de colocar no instrumento cordas novas e de preferéncia de boa marca. REGULANDO AS OITAVAS 10° PASSO — AJUSTAR A AFINACAO. Nas guitarras baixos e violdes , as notas soltas e apertadas, devem ficar bem ajustadas com os harmdnicos e oitavas. O ponteiro do afinador, deve ficar exata- mente no mesmo ponto em comun a todas, as notas, harménicos e oitavas no visor, que é ve phew ee no ponto zero ou 440. Para obter este resultado a faga o seguinte: ajuste os parafusos de cemebeee regulagem horizontal, (figura 65) 0 que determina 0 ponto de inicio do Ver de um ataadet tamanho da escala (como 6 pr& rigs ajustado na fabrica em violdes figura 63). A regulagem completa de afinagao deve ser feita nos trés ou quatro pontos do brago (quando fasttho com regulagom inca de aavas ibtere a su inna! Comprimente da escala for escala de 24 trastes) e em todas as ‘ 6 cordas. Para isso tenha em maos um ote afinador eletrénico de boa qualidade = “w-siesexn Sones. e que seja andlogo ou digital com “t om ponteiro, (figura 64) e procure usar a — so \ melhor corda possivel, e leia com ?; ¢ steve naciie anton bastante atengao os textos das - F 2 paginas 37 2 39, observando aaron os detalhes das figuras. 36 Faga a calibragem 12*casa: Em todas as cordas conforme mostram os % | Corda solta, exemplos ao lado. wally, Harménico e Primeiro confira a afinagdo _ souncfurmnan | NLA apertada da corda solta, depois : confira o harménico, na © % 8 12 casa, depois a nota apertada também na 12? 19*casa: Em todas as cordas casa. Faga isso também na j s' Corda solta, 7, 19? casas e na 24" casa way Harm6nico e quando houver duas »wurefmcne Nota apertada @ oitavas, esse procedimento deve ser feito em todas as cordas do bracgo. O ponteiro deve _ ficar 7*casa: Em todas as cordas exatamente no ponto zeroou : Corda solta, 440 como ja foi dito, mas se Sale HarmGnico e por algum motivo de escala “pre nota apertada mal projetada (pagina 141) ou de cordas com problemas de afinacao, ele ficar em pontos diferentes entre a 127, e a 24 : - 2 casa, entre a 7*, e a 19° casa, 0 , ey Corda selta, = * : a - —— Harmé6nico e ponteiro do afinador devera entao a ne | nota apertada ficar no ponto central entre estas distancias das casas ou sejadevera © SO 2 ser feito um balanceamento, na ~*~” ~ 12* casa o ponteiro devera ficar, no meio, no ponto zero, na 7? casa, devera ficar um pouco a esquerda, e na 19* ou 24? casa, devera ficar um pouco a direita (figura 67). Para fazer com que o ponteiro chegue ao ponto zero nos trés ou quatro pontos das oitavas, (primeiro confirme se a corda “‘solta’” estd corretamente afinada na altura certa ) acione na ponte, o pararafuso horizontal da pega que sustenta a corda no sentido hordrio, ou anti- horério e também suba ou desga a altura da corda acionando os 24*casa: Em todas as cordas 37 parafusos verticais na mesma pega. Isso fara com que se mude a entonacao da nota para cima ou para baixo fazendo com que se possa atingir 0 ponto zero ou o ponto mais central do balanceamento sob 0 ponto zero. 0 Na 12*casa, 0 ponteiro devera ficar exatamente no ponto zero, 0 ponto mais central entre as duas distancias da 7* ¢ 19* casas 67 Melhor ponto da afinagto na 19* ou 24* casa em relagéo a 7* casa, levando em consideragao que na 12" casa, o ponteiro deverd _ficar exatamente no Ponto zero Melhor ponto da afinacdo na 7* casa em relacio a 19° ou 24" casa, levando em consideracéo que na 12" casa, © ponteiro deverd ficar exatamente no ponto zero Para fazer com que a nota des¢a, quando o ponteiro ultrapassar 0 ponto zero, acione o parafuso horizontal da respectiva pega na ponte no sentido hordrio ou nos parafusos verticais no sentido anti-hordrio. Faga Os ajustes e confira se a nota alcangou 0 ponto zero do afinador eletrénico. Para fazer subir a nota, proceda da forma exatamente inversa. Nao esqueca de reconferir a afinagao da corda solta, toda vez que mexer, pois esse procedimento é fundamental para se ter precisdo no resultado. (68) Nesse sentido, Para subir a entonacdo sobe a entonacao da nota da nota, rode 0 parafuso / no sentido anti-horario, para descer, a entonacao, rode no sentido horario. Nesse sentido, Sobe a entonacio da nota Nesse sentido, desce a entonacao da nota Nesse sentido, desce a entonacao da nota 38 Quando se torna dificil atingir 0 ponto zero do afinador, nos pontos das oitavas, provavelmente seja porque a escala nao esta 100% dentro de um padrao de qualidade pois existem instrumentos amadores que saem desse padrao (pagina 141) e neste caso deve-se fazer o balanceamento entre as notas e as oitavas como ja foi visto anteriormente. Porém nesses instrumentos pode acontecer que ao afinar corretamente a corda solta e a nota da 12? casa no ponto zero, a nota da 7? casa podera ficar antes do ponto zero (mais baixa), e as notas das casas 19* ou 24" poderdo ultrapassar o ponto zero (mais altas), nesse caso deve-se fazer os ajustes respeitendo a nota solta e apertada na 12? atcancaro 0 casa que deve _ ficar ponto zero exatamente no ponto zero, em seguida 0 ajuste da 19? casa ou 24% quando houver duas oitavas, da forma que menos sacrificar a nota da 7* casa, pois nesse exemplo citado acima, uma nota fatalmente sacrificara a outra visto que se colocarmos a nota da 7 casa mais alta (que estava baixa) as notas da 19* e 24? irao ficar ainda mais altas do qué ja.estavam, e se abaixarmos as notas da 19? e 24? casas (que estavam altas) a nota da 7? casa ficara ainda mais baixa do que ja estava, de forma que poderd ser uma escala imperfeita onde (70) o exemplo, poderia ser 0 contrdrio ou seja a O - nota que estava baixa, poderia estar alta, e as notas que estavam altas, poderiam estar baixas, por isso nesses casos, deveremos dar preferéncia a corda solta e nota apertada na 12? casa e as notas da 7* casa e 19 ou 24%, o mais aproximado possivel do ponto zero da 12? casa, como mostra a figura ao lado. 39 a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book a You have elther reached a page that is unavailable for viewing or reached your viewing lil far this book Aos 13 anos como desenhista e artefinalista em empresa de propaganda. Com sua primeira guitarra modelo explorer, onde tudo comegou! 154 : SOBRE O AUTOR... Mozart, foi o primeiro Luthier em Brasilia e antes de comegar ase tornar um Luthier, jd aos 13 anos de idade trabalhava como desenhista em empresas de propaganda, se tornando-se mais tarde, desenhista artistico e publicitario 0 que o ajudou muito na profissao de Luthier (toda a diagramacao e os desenhos deste manual, foram feitos por ele). Hoje é especializado na assisténcia técnica em guitarras, contrabaixos e violdes; e abriu no centro da cidade de Taguatinga (uma das mais présperas cidade satélite de Brasilia) a Oficina das Guitarras Mozart onde fabrica instrumentos por encomenda e sob medida, além de prestar assisténcia técnica autorizada para varias marcas como: Giannini, Tagima, Condor, etc, tendo tido a oportunidade de ter passado pela melhor escola, que € 0 contato direto com os musicos de rock, jazz, mpb, reggae, pagode, chorinho etc... (a exemplo do que fazem hoje as grandes fabricas de guitarras) vindo daf sua form¢ao autodidata. Tudo comecou quando queria uma guitarra de modelo Explorer (Gibson), que nao havia no mercado, resolveu entao fabrica-la! Em Sao Paulo, conheceu fabricas e na fabrica da Finch, encomendou o brago. De de volta a Brasilia confeccionou 0 corpo, pintou e montou com as pecas.Quando tocava com Cassia Eller em Brasilia, perguntavam onde conseguira aquela guitarra que até entdo era rara. Indagavam: Vocé a fabricou? Entao faz uma pra min... Foi af que tudo comegou! S4o varios anos de experiéncia no ramo, desde 1983. De la para cd, até o presente momento, ja fabricou inimeros instrumentos por encomenda entre guitarras, contrabaixos, violées e outros, e ja perdeu a conta de quantos servicos prestou entre consertos, adaptagdes, reformas regulagens e manutengdes em instrumentos das mais famosas marcas, para bandas, lojas, igrejas e varios musicos, dentre outros os de Ivan Lins, Rosa Passos, Leonardo, Rick e Renner (para quem foi guitarrista), Daniel e Tribo de Jah. Em todo esse tempo, até recentemente, nunca havia se preocupado em divulgar o seu trabalho, ficando isso por conta dos seus clientes que 155 ES Manual de Regulagem e Manutenca4o em Guitarras, Comtrabaixos e Violdes, foi composto em tipologia CG Omego, corpo TI pte impresso em papel Poperfect 75g nas oficinas da THESAURUS EDITORA DE srasius. Acabou-se de imprimir em junho de 2005, sexto més do quinto ano do Terceiro milénio. Apoio: mom 2 lll ste livro é resultado de anos de trabalho e constatacao das dificuldades e duvidas de quem lida, no seu dia-a-dia, com instrumentos musicais. Através de um curso passo a passo, 0 livro vai esclarecendo duvidas comuns e trazendo informacoes sobre modelos, pecas, acessorios, partes elétricas, Componentes e varias dicas sobre cuidados e conservacao. Para facilitar a aprendizagem 0 livro é fartamente ilustrado e acompanhado de notas que sao resultado de anos de experiéncia de um luthier/musico. Oferece uma visao completa para 0 leitor que tem em maos a unido da técnica e daarte. a,