Você está na página 1de 69
Economia 2º Semestre – 2014/2015 SEBENTA de EXERCÍCIOS Cursos : Contabilidade e Finanças Gestão de

Economia

2º Semestre – 2014/2015

SEBENTA de EXERCÍCIOS

Cursos:

Contabilidade e Finanças Gestão de Sistemas de Informação

Equipa Docente:

Filipa Lopes

Raquel Pereira

Rogério Silveira

© Ângela Nobre, Boguslawa Sardinha, Pedro Dominguinhos, Raquel Pereira, Rogério Silveira, Sandrina Moreira

Economia

INDÍCE

Exercícios

3

I.Conceitos Básicos

 

3

II.

Macroeconomia – Contabilidade Nacional

6

III.

Oferta e Procura

9

IV. Elasticidades

 

13

V. Teoria

do

Consumidor

15

VI. Teoria do Produtor

20

VII.

Mercados

 

23

Exames

28

Soluções

46

I. Conceitos Básicos

47

II. Macroeconomia – Contabilidade Nacional

56

III. Oferta e Procura

59

IV. Elasticidades

 

68

V. Teoria do Consumidor

73

VI. Teoria do Produtor

84

VII. Mercados

 

92

Economia

Exercícios

I. Conceitos Básicos

1. A Vanda trabalha a cerca de 20 Km de casa e terá que decidir se deve optar por ir de

transportes públicos ou se, pelo contrário, deve optar por levar o seu automóvel. O passe social para o percurso de casa ao trabalho custa cerca de 50 €. Ela analisou também o consumo do seu

automóvel e as despesas de manutenção e estimou o custo de 0,15 € por Km percorrido. Por outro lado a Vanda analisou o tempo que demora a chegar ao trabalho e concluiu que no seu automóvel poupa cerca de 1 hora por dia, que pode dedicar a outras atividades e que ela valorizou, juntamente com a comodidade, em cerca de 3 €/dia.

a) Ajude a Vanda a tomar uma decisão (considere que o mês tem 22 dias úteis). Justifique.

b) Suponha agora que a Vanda encontra uma atividade suplementar: dar explicações em casa, pela qual cobra 5 €/hora. Discuta em que medida esta nova atividade pode alterar a sua decisão.

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

2. A Susana ganha 25 Euros à hora como assistente de marketing. Ela necessita de abdicar de três

horas de trabalho (sem serem pagas) para fazer um tratamento no dentista para uma limpeza geral aos dentes, que lhe cobra por esse serviço 100 Euros. Qual é o custo económico de a Susana se deslocar ao dentista:

a)

75 Euros;

b) 175 Euros;

c) 100 Euros;

d) 25 Euros.

3.

Ao finalizar o ensino secundário, um jovem tem que decidir se deve continuar a estudar ou se,

pelo contrário, deve entrar imediatamente no mercado de trabalho. Se optar por desistir dos estudos e arranjar um emprego, ele ganhará em média 600 Euros/mês (14 meses salariais). Caso decida continuar a estudar, além das propinas (suponha 900 Euros/ano), ele terá de suportar os custos associados à sua frequência universitária (em livros, materiais escolares, alimentação, transporte, etc.; em média 250 Euros/mês; 12 meses/ano). Por outro lado, ele terá de ponderar o benefício associado à realização de um curso superior, estimado em 3500 Euros/ano, em média, após ter entrado no mercado de trabalho como recém-licenciado.

a)

Calcule o custo económico de um aluno frequentar um curso superior, durante os 3 anos de licenciatura.

b)

Supondo que a duração média de vida ativa de um licenciado é de 35 anos, compare os custos e os benefícios associados à frequência de um curso superior e conclua acerca da sua decisão de entrar no ensino superior.

c)

A sua conclusão acerca da decisão de entrar no ensino superior mantém-se caso o aluno reprove um ano? Dois anos? Três anos?

4.

O João, amante da arte cinematográfica, vai ao cinema uma vez por semana. O bilhete do cinema

custa em média 5 Euros, as despesas de deslocação rondam os 4 Euros e o tempo perdido estima-se em cerca de 7 Euros. Uma vez que o João trabalha como assistente de realização, o visionamento de filmes acaba por funcionar como uma espécie de formação que o beneficia na sua atividade profissional. O benefício pessoal e profissional estimado é de 15 Euros por cada filme assistido.

a) Calcule o custo económico de o João ir ao cinema.

Economia

b)

Calcule o Excedente Económico desta atividade e interprete o valor obtido, tendo em conta o conceito de racionalidade económica.

c)

Explique como é que o João poderia tornar a sua decisão de ir ao cinema numa decisão economicamente racional.

5.

Use o conceito de custo de oportunidade para explicar as seguintes afirmações:

a)

Existem mais jardins e parques em áreas suburbanas e periféricas do que nos centros das cidades.

b)

Mais pessoas resolvem frequentar cursos universitários quando a taxa de desemprego é elevada e os salários baixos.

c)

As lojas de conveniência, com preços mais altos do que os supermercados, destinam-se a pessoas muito ocupadas.

6.

Explique o que são bens públicos e por que razão as empresas privadas não desejam produzir

bens com estas características.

7. Fumar impõe um risco à saúde de não fumadores devido à inalação passiva de fumo “em segunda

mão”. O tabagismo também causa perdas de produção para a economia devido à menor esperança média de vida dos fumadores. Identifique e explique a falha de mercado presente nas situações

descritas e refira o porquê da necessidade de intervenção do Estado.

8. Na economia Portucalense, existe apenas um recurso produtivo, horas de trabalho, cuja dotação

anual é de 3000 unidades. Nesta economia produzem-se dois bens, livros e bolos. Para produzir uma unidade de livros são necessárias 10h de trabalho, enquanto para a produção de uma unidade bolos são necessárias 3h de trabalho. Tendo em atenção estes dados:

a) Construa a Fronteira de Possibilidades de Produção para esta economia.

b) Como classificaria, em termos económicos, as seguintes combinações de produção?

A – (300 Livros, 0 Bolos)

B – (1000 Livros, 1000 Bolos)

C – (150 Livros, 500 Bolos)

D - (0 Livros, 1000 Bolos)

E - (200 Livros, 0 Bolos)

c) Qual o custo de oportunidade, em termos de livros, de cada 50 bolos adicionais?

d) Imagine, agora, que inovações científicas na forma de organização do trabalho duplicaram a produtividade na produção de livros. Face a esta nova situação, trace a nova curva Fronteira de Possibilidades de Produção, comparando-a com a anterior.

e) Partindo da situação inicial, como se alteraria a FPP caso a dotação anual de trabalho aumentasse para as 4500 horas na sequência de um fluxo de imigração para o país?

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

9. Determinada empresa dedica-se ao embalamento de dois tipos de produtos: pepinos e pimentos.

Esta empresa utiliza apenas um recurso produtivo (trabalho), empregando 25 trabalhadores que cumprem o horário máximo de 40 horas semanais, estabelecido por lei. Sabe-se ainda que cada palete de pepinos demora cerca de 1 hora a embalar, enquanto cada palete de pimentos demora o dobro do tempo.

Economia

a) Classifique, em termos de eficiência, as seguintes combinações de produção semanais, indicando todos os cálculos que considere necessários para justificar a sua resposta.

A – (950 paletes de pepinos; 0 paletes de pimentos)

B – (500 paletes de pepinos; 250 paletes de pimentos)

C – (700 paletes de pepinos; 400 paletes de pimentos)

D – (0 paletes de pepinos; 500 paletes de pimentos)

b) Construa a Fronteira de Possibilidades de Produção desta empresa e represente graficamente as combinações produtivas acima indicadas.

c) Calcule o Custo de Oportunidade de embalar 100 paletes adicionais de pimentos.

d) Depois de um estudo exaustivo sobre a produtividade da sua empresa, a Direção de Produção decidiu aplicar novos métodos de especialização produtiva e divisão do trabalho, conseguindo duplicar a produtividade dos seus trabalhadores em ambas as produções. Como se altera a classificação das combinações de produção acima apresentadas?

10. Uma empresa de vestuário do Norte do país dedica-se à produção de peças de vestuário de cabedal. A sua produção é repartida por duas peças de vestuário distintas: calças de cabedal e casacos de cabedal. Para produzir um par de calças de cabedal são necessárias cerca de 2 horas de trabalho. Em alternativa, para produzir um casaco de cabedal são necessárias 4 horas de trabalho. Considere ainda que esta empresa emprega 20 trabalhadores que cumprem o horário máximo de 40 horas semanais, estabelecido por lei.

a) Classifique, em termos de eficiência, as seguintes combinações de produção semanais, indicando todos os cálculos que considere necessários para justificar a sua resposta.

A – (200 calças; 100 casacos)

B – (150 calças; 100 casacos)

C – (400 calças; 0 casacos)

D – (200 calças; 200 casacos)

b) Construa a Fronteira de Possibilidades de Produção desta empresa e represente graficamente as combinações produtivas acima indicadas.

c) Calcule o Custo de Oportunidade de produzir 30 unidades adicionais de calças de cabedal.

d) A aquisição de uma nova tecnologia, aplicável à produção de casacos, permitiu duplicar a produtividade nessa produção. Como se altera a classificação das combinações acima apresentadas?

11. No quadro seguinte apresentam-se os dados para a produção de manteiga e queijo, realizada por uma empresa de lacticínios:

Manteiga

Queijo

60

0

48

8

36

14

24

18

12

20

0

21

a) Construa graficamente a Fronteira de Possibilidades de Produção.

b) O princípio de custos de oportunidades crescentes aplica-se a esta empresa? Se sim, por que razão ocorrerá?

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

Economia

12. A Ana, aluna de Princípios de Economia, decidiu analisar a atividade profissional da sua mãe, costureira experiente, observando-a durante um mês. A sua mãe reparte o seu tempo de trabalho entre vestidos de noiva e cortinados, ambos feitos por encomenda e personalizados para cada cliente. Através da informação que retirou, a Ana construiu a seguinte Fronteira de Possibilidades de Produção:

a seguinte Fronteira de Possibilidades de Produção: a) Calcule o Custo de Oportunidade de produzir 3

a) Calcule o Custo de Oportunidade de produzir 3 Vestidos de Noiva, indicando devidamente as unidades em que se expressa. Interprete o valor obtido.

b) Com a aquisição de uma nova máquina de costura industrial a mãe da Ana tornou-se mais rápida na produção de cortinados, conseguindo aumentar em 25% a sua produtividade nesse bem. Represente a nova Fronteira de Possibilidades de Produção e mostre qual o impacto desse aumento de produtividade nos Custos de oportunidade. Comente.

c) Se durante um mês a mãe da Ana frequentar um curso de formação e, por isso, trabalhar nesse mês apenas metade das horas habituais, qual o efeito sobre a sua Fronteira de Possibilidades de Produção mensal?

II. Macroeconomia – Contabilidade Nacional

13. Identifique as relações entre:

a) O PIB pm e o PIB cf

b) O PNL cf, o PIL cf e o Y’RM

c) A BBS, a PI e o PIBpm

d) O PIBpm e o PNLcf

14. Tendo em conta a seguinte informação, preencha os espaços em branco e calcule:

a) O Consumo Final (CF)

b) A Procura Interna (PI)

c) O Saldo da Balança de Bens e Serviços (BBS)

d) O PIBpm

Consumo Privado (

)

73.877,5

Consumo Público (

)

23.140,0

Investimento (

)

31.267,8

Exportações (

)

36.445,8

Importações (

)

49.894,3

Valores a preços correntes, em milhões de €.

Economia

15. Tendo em conta a seguinte informação, preencha os espaços em branco e calcule:

Valores a preços correntes, em milhões de €

 

(Tr)

 

18.582,7

 

(BBS)

-13.448,5

Transferências Externas (

)

3.499,1

Variação de Existências (

)

423,4

Impostos Diretos (

)

7.172,1

Exportações (

)

36.445,8

Consumo Privado (

)

73.877,5

 

(FBCF)

27.822

 

(G)

23.140,0

Novas Construções

16.722,0

Bens de Equipamento e de Transporte

11.100

Saldo Rendimentos c/ Resto do Mundo (

)

-1.798,4

a) O Consumo Total (CF)

b) O Investimento (I)

c) A Procura Interna (PI)

d) A Despesa Interna (DI)

e) O PIBpm

f) A Despesa Nacional (DN)

g) O PNBpm

16. Identifique as relações entre:

a) O Y’RM, a DI e a DN

b)

A PI e a D

c) O Yd e a S

d) O Yd, as Tr, as Tre e os Td

e) O RI, o Y’RM e o PNL cf

f) O ∑VAB e o PIB cf

17. Considere a seguinte informação:

Impostos Diretos

3.499,1

Variação de Existências

426,4

Transferências do Estado

18.582,7

Importações

49.894,3

Rendimento de Empresas e Propriedade

23.286,9

Saldo da Balança de Bens e Serviços

-13.448,5

Remunerações do Trabalho

56.341,5

Bens de Equipamento e de Transporte

11.100

Consumo Privado

66.463,6

Novas Construções

16.722,0

Consumo Público

23.140,0

Transferências do Exterior

0

Valores a preços correntes, em milhões de €.

De acordo com os dados anteriores pretende-se que calcule:

a) A Procura Interna (PI) e a Procura Global (D)

b) O Rendimento Disponível das famílias (Yd) e a Poupança (S)

c) A Despesa Interna (DI)

18. Considere a seguinte informação:

Vendas totais da economia

385.456,8

Subsídios à Produção

4.389,3

Consumos Intermédios

158.551,7

Importações

51.459,3

Transferências Internas

27.856,4

Exportações

35.723,8

Impostos Indiretos

11.800,2

Amortizações

19.836,4

Impostos sobre o rendimento

39.594,6

Rendimentos de Empresas e Propriedade + Remunerações do Trabalho

207.068,7

Consumo Privado

72.426,3

Transferências Externas

379,0

Valores a preços correntes, em milhões de €.

Tendo como base os dados anteriores, calcule:

a) O PIBcf

b) O Rendimento Disponível dos particulares (Yd) e a Poupança (S)

c) A Despesa Interna (DI)

19. Tendo em conta os seguintes valores (em milhões de €):

Rendimento Disponível = 112.144,3 Investimento = 33.722,6 Consumo Público = 27.449,9 FBCF = 32.714,1 Saldo da Balança de Bens e Serviços = -9.702.2 Procura Global = 179.109,6

a) Complete a figura (apresente todos os cálculos que realizar).

CÁLCULO DO PRODUTO PELA ÓPTICA DA

Consumo Privado Consumo Público

+

+

+

Procura Interna

=

+

=

+

-

49217,6

PIB

=

b) De que informações adicionais precisaria para calcular o PNLpm?

Economia

20. Considere os seguintes valores (em milhões de €):

Variação de existências = 1.116,2

Consumo Público = 27.308,6

FBCF = 28.817,3

Saldo da Balança de Bens e Serviços = -7.588.4

Procura Global = 176.805,9

Rendimento Disponível = 108.053,3

a)

Complete a figura (apresente todos os cálculos que realizar).

 

CÁLCULO DO PRODUTO PELA ÓPTICA DA

Consumo Privado

 

+

+

Procura Interna

=

+

=

-

Produto Interno

=

b)

De que informações adicionais precisaria para calcular o Rendimento Interno?

III. Oferta e Procura

21. As curvas da procura e da oferta de T-Shirts na ESCE são dadas por:

Q = 2000 – 100 P

Q = 440 + 140 P

a) Qual a curva da oferta e da procura, e porquê?

b) Calcule o preço e a quantidade de equilíbrio.

c) Calcule o que ocorrerá no mercado se o Conselho Diretivo impuser um preço teto de venda de 5€/T-Shirt. Explique as consequências dessa imposição.

d) O que ocorrerá no mercado se se garantir um preço de 10€/T-Shirt na altura das praxes?

e) Imagine agora que aparece um novo produto promocional, canetas de curso, à venda na ESCE. Qual acha que será a nova curva da procura de T-Shirts? Justifique a sua resposta.

Q = 1600 – 100 P

Q = 2400 – 100 P

f) Calcule o novo ponto de equilíbrio.

g) Imagine agora que mais um curso é criado na ESCE. Qual acha que será a nova curva da oferta de

T-Shirts? Justifique.

Q = 300 + 140 P

Q = 500 + 140 P

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

22. No mercado da carne de porco, as curvas da procura e da oferta são dadas, respetivamente,

pelas seguintes expressões:

a) Calcule algebricamente o ponto de equilíbrio.

Qd= 24 000 – 500P

Qs= 6 000 + 1 000P

Economia

b) O que acontece ao equilíbrio do mercado se o governo decretar um preço de mercado de 10 u.m.? Que consequências económicas podemos esperar da imposição deste preço?

c) Imagine que ocorreu o problema das vacas loucas. Qual das seguintes curvas da procura representa a nova situação de mercado? Porquê? Encontre o novo ponto de equilíbrio.

Qd= 21 000 – 500P

Qd= 27 000 - 500P

d) Entretanto, uma nova descoberta científica aumenta o número de leitões por cada ninhada. Qual das seguintes curvas da oferta representa esta nova situação? Porquê?

Qs= 3000 + 1 000P

Qs= 9 000 + 1 000P

Encontre o novo ponto de equilíbrio, face à situação inicial.

23. No mercado da batata, existem as seguintes expressões que representam os dois lados do

mercado, oferta e procura:

Q = 200 – 7P

Q = 40 + 9P

a) Identifique a curva da procura e a curva da oferta, justificando a sua opção.

b) Calcule o ponto de equilíbrio para este mercado, representando-o de forma gráfica.

c) A abolição de barreiras alfandegárias originou uma alteração da oferta autónoma de 40%. Calcule a nova curva da oferta, bem como o novo ponto de equilíbrio, representando-o graficamente.

d) Neste mercado, e considerando o equilíbrio encontrado na alínea anterior, foi fixado um preço garantido de 12 u.m. Descreva a nova situação no mercado, apresentando-a graficamente.

24. No mercado de arrendamento dos quartos para estudantes, existem as seguintes expressões que representam os dois lados do mercado, oferta e procura:

Q = 420 – 0,5 P

Q = 20 + 1,5 P

a) Identifique a curva da procura e a curva da oferta, justificando a sua opção.

b) Calcule o ponto de equilíbrio para este mercado, representando-o de forma gráfica.

c) A crise económica provocou uma alteração na procura autónoma, de 20%. Calcule a nova curva da procura bem como o novo ponto de equilíbrio, representando-o graficamente.

d) Neste mercado, e considerando o equilíbrio encontrado na alínea anterior, o Estado fixou um preço teto de 120 u.m. Descreva a nova situação no mercado, apresentando-a graficamente.

25. No mercado dos telemóveis, a curva da procura é dada pela expressão:

Qd = 50 000 – 150 P, enquanto a curva da oferta é dada pela expressão:

Qs = 25 000 + 100 P.

a) Calcule o ponto de equilíbrio para este mercado, bem como a despesa total dos consumidores e a receita total dos produtores.

b) Se entrasse um novo concorrente no mercado, o que ocorreria ao equilíbrio de mercado? Represente graficamente, justificando.

26. Considere as seguintes equações da procura e da oferta de um determinado bem:

i. Qx = 3 880 – 250 Px – 0,2 Py + 0,4 M

ii. Qx = 550 – 5 Py + 500 Px + 0,5 M

Economia

Sendo M o rendimento e x e y dois bens de consumo.

a) Identifique as funções de procura e oferta do bem x, explicitando as razões da sua escolha.

b) Sabendo que Py = 100 e M = 1 000, calcule o preço e a quantidade de equilíbrio do bem x.

c) Qual o efeito de um aumento do rendimento M de 20% sobre o equilíbrio? Calcule algebricamente o novo ponto de equilíbrio e represente graficamente esta alteração.

d) Quando varia Py como varia a quantidade procurada de x, Qx? Qual a relação entre os dois bens? Porquê?

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

27.Considere as seguintes funções representativas do mercado nacional de café.

Em que:

Qx = 5000 + 200 Px

Qx = 8500 – 150 Px + 20Py

Qx – quantidade de cafés, por mês Px – preço médio dos cafés (€/u.f.) Py – preço de um bem Y (€/u.f.)

a) Identifique, justificando, as curvas da procura e da oferta. Determine o equilíbrio deste mercado, assumindo que o preço do bem Y é de 50 €/u.f

b) Quais as consequências que uma diminuição do preço do bem Y teria no preço e quantidade transacionada no equilíbrio deste mercado? Represente graficamente esta alteração.

28. Considere as seguintes equações da procura e da oferta de um determinado bem:

i.

Qx = 17 600 – 250 Px – 0,2 Py + 0,4 M

ii.

Qx = 750 + 500 Px

Sendo M o rendimento e x e y dois bens de consumo.

a) Identifique as funções de procura e oferta do bem x, explicitando as razões da sua escolha.

b) Sabendo que Py = 500 e M = 5 000, calcule o preço e a quantidade de equilíbrio do bem x.

c) Qual o efeito de um aumento do rendimento M de 50% sobre o equilíbrio? Calcule algebricamente o novo ponto de equilíbrio e represente graficamente esta alteração.

d) Quando varia Py como varia a quantidade procurada de x, Qx? Qual a relação entre os dois bens? Porquê?

29. Considere as seguintes funções da procura e da oferta de um determinado bem:

Qx = 11900 – 10 Px – 0,5 Py + 0,25 M

Qx = 3000 + 20 Px

Sendo M o rendimento e x e y dois bens de consumo.

a) Sabendo que Py = 1.000€/u.f. e M = 2.400€/u.t. determine o equilíbrio do mercado.

b) Admita um aumento do rendimento M de 10% e uma diminuição do Preço y de 20%. Calcule o novo ponto de equilíbrio e represente graficamente esta alteração.

c) O aumento dos custos de produção levaram à fixação de um preço garantido de 350€/u.f Explique as razões e as consequências que justificam a medida bem como o seu impacto no equilíbrio calculado na alínea anterior. Represente graficamente.

Economia

30. Sabendo que i) as curvas da oferta e da procura caracterizam um mercado concreto, pressupondo ceteris paribus, e que ii) quando há uma alteração nalgum dos pressupostos – seja do lado da procura ou do lado da oferta – há, forçosamente, dois efeitos: a deslocação de uma das curvas e o movimento ao longo da outra curva, até se tingir o novo equilíbrio (isto é, sempre que há deslocação de uma das curvas tem de haver um movimento ao longo da outra curva), explicite o que acontece em cada uma das situações seguintes, marcando com um X os efeitos correspondentes. Tome como exemplo o caso em que o bem em questão passa a estar na moda.

 

Deslocação da curva da procura

Movimento ao longo da curva da procura

Deslocação da curva da oferta

Movimento ao longo da curva da oferta

Alteração do preço de um bem complementar

       

Alteração do preço de um bem substituto

       

Introdução de uma nova técnica de produção

       

O bem em questão passa

X

   

X

a ser uma grande moda

Há alteração do rendimento das famílias

       

Há alteração dos preços de um fator de produção

       

31. Repita o exercício, explicitando se a variação é positiva (um acréscimo) ou negativa (um decréscimo), como no exemplo. Deslocações das curvas da procura e da oferta para a direita representam aumentos e deslocações para a esquerda variações negativas.

 

Deslocação da curva da procura

Movimento ao longo da curva da procura

Deslocação da curva da oferta

Movimento ao longo da curva da oferta

Subida do preço de um bem complementar

       

Descida do preço de um bem complementar

       

Subida do preço de um bem substituto

       

Descida do preço de um bem substituto

       

Nova técnica de produção mais produtiva

       

Destruição maciça devido

       

a

uma catástrofe

O

bem em questão passa a

       

ser uma grande moda

+

+

O

bem em questão deixa

-

   

-

de

estar na moda

Subida do rendimento das

       

famílias

Descida do rendimento das famílias

       

Subida do preço de um dos fatores de produção

       

Descida do preço de um dos fatores de produção

       

Economia

IV.

Elasticidades

32. O aumento no preço de um certo bem de 0,5 € para 0,7 € reduz a quantidade procurada de 20.000 para 5.000 unidades. Calcule a elasticidade preço da procura e interprete o valor obtido.

Nota: O exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

33. O aumento no preço de um certo bem de 0,5 € para 1 €, reduz a quantidade procurada de 20.000 para 15.000 unidades. Calcule a elasticidade preço da procura e interprete o valor obtido.

34. O mercado da laranja é representado pelas seguintes expressões para a procura e para a oferta:

Q = 110 –6 P

Q = 30 + 12 P

a) Calcule o ponto de equilíbrio para este mercado. Represente de forma gráfica.

b) Calcule a receita total no ponto de equilíbrio.

c) Sabendo que a elasticidade preço da procura é de 0,3, calcule as novas quantidades de equilíbrio

no mercado da laranja, face a:

c1) um aumento dos preços de 10%. c2) uma redução dos preços de 10%.

d) Calcule a variação da receita total em cada uma das situações. Comente.

35. Conhecem-se os seguintes dados relativos à procura média de automóveis dirigida a um determinado stand:

Quantidade procurada (u.f./mês)

Preço

Elasticidade Preço da Procura

Elasticidade

Elasticidade

(€/u.f.)

Cruzada

Rendimento

100

15 000

0,65

0,54

0,85

a) Se fosse diretor comercial do stand, que estratégia de preços recomendaria para aumentar as suas receitas totais? Qual a variação esperada na receita total do stand se a variação do preço (no sentido que identificou) for de 10%?

b) Dê exemplos de dois bens que representem a relação demonstrada pelo valor da elasticidade preço-cruzada. Calcule a variação na receita total do stand se o preço desse bem baixar 5%.

c) Calcule a quantidade transacionada de automóveis se o rendimento das famílias aumentar 2,5%.

O que sucederá à receita total do stand? Classifique os automóveis em relação à elasticidade

rendimento da procura.

Nota: O exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

36.

Variação percentual na quantidade procurada de

Em resposta a uma variação de 1% no preço de

Alimentação

Vinho

Cerveja

Alimentação

-0.25

-0.06

0.01

Vinho

-0.13

-1.2

0.27

Cerveja

0.07

0.41

-0.85

a)

Classifique as elasticidades preço da procura para cada um dos bens.

Economia

b) Classifique os bens de acordo com as relações cruzadas entre si.

c) Imagine que possuía uma cervejeira, que produzia cerveja, e que este ano vendeu 130.000 garrafas a um preço de 0,225 € cada. Qual a variação na sua receita total se o preço da cerveja aumentar, para o próximo ano, 6%?

d) E se o seu bem fosse o vinho? Explique as diferenças encontradas.

37. Para uma determinada economia conhecem-se os seguintes dados:

 

Elasticidade Preço da Procura

Preço Inicial

Quantidade Inicial

Banana

1,2

1,25 €

1

500

Cerveja

0,75

0,30 €

3

000

a) Em qual dos bens se deverá baixar o preço por forma a aumentar as receitas totais? E em qual deles se deverá aumentar de preço (visando o mesmo objetivo)? Justifique a sua resposta.

b) De acordo com as resposta à alínea anterior, quantifique a variação da receita total obtida em cada um dos bens se o preço variar 15%.

38. A empresa «Muito Doce» dedica-se à comercialização de chocolates. No ano passado a empresa vendeu 75 000 unidades ao preço unitário de 1 €. Estudos efetuados por uma empresa especializada permitiram concluir que a elasticidade preço da procura de chocolates é de 0,8, a elasticidade preço cruzada da procura entre os chocolates e os rebuçados é 0,25 e a elasticidade rendimento da procura para os chocolates é de 0,5.

a) Calcule a variação na receita total da Muito Doce se o preço dos chocolates subir 10%.

b) Calcule a variação na receita total da Muito Doce se o preço dos rebuçados descer 5%.

c) Calcule a variação na receita total da Muito Doce se o rendimento disponível dos consumidores aumentar 2%.

39. Numa determinada economia, conhece-se a seguinte informação sobre os seguintes bens:

 

Preço

Quantidade procurada

Bem X

3 u.m

2.500 u. f.

Bem Y

2 u.m.

2.000 u. f.

a) Sabendo que a Elasticidade preço-procura do bem X é de 1,4 e a do bem Y de 0,2, que estratégia de preços recomendaria ao produtor para aumentar as receitas totais da venda de cada um dos bens? Justifique

b) Sabendo que a Elasticidade Preço Cruzada da Procura (EPCP) entre o bem X e o bem Y assume o valor de 1,25, classifique a relação entre os dois bens e calcule a nova quantidade procurada do bem X, caso o preço médio do bem Y diminua 20%

c) Se considerarmos que para o bem Y, a elasticidade-rendimento é de 0,5, calcule a quantidade transacionada do bem Y se o rendimento das famílias aumentar 3%.

40. Zé Teórico, o melhor aluno do seu curso, afirma: “Se a procura de um bem agrícola por parte dos consumidores for muito rígida, uma boa colheita pode ser uma desgraça para os produtores.” Comente, concordando ou discordando, justificando a sua resposta.

Economia

41. Suponha uma economia num período de próspero crescimento económico em que se espera um crescimento do rendimento real dos cidadãos durante os próximos cinco anos. Considerando as elasticidades rendimento dos bens constantes na tabela abaixo, avalie as perspetivas de evolução dos respetivos setores de atividade, indicando em qual estaria disposto a investir as suas poupanças.

Bem

Elasticidade Rendimento da Procura

Livros

0.46

Automóveis usados

-1.73

Barcos de Recreio

2.31

Pão

0.0

42. Para os seguintes pares de bens indique, justificando, para qual será de esperar uma curva de procura mais elástica em relação ao preço. Atribua valores hipotéticos às elasticidades preço da procura de cada um dos bens que suportem as suas respostas.

a) leite e whisky

b) bens alimentares e carne de vaca

c) gasolina e GPL

d) eletricidade e azeite

43. A Orquestra Académica da Estefanilha enfrenta neste momento um défice nas suas contas e pretende diminuir os preços dos bilhetes para os concertos de forma a aumentar a sua receita. Ao mesmo tempo, a empresa RodoEstefanilha, que gere os transportes públicos para o campus está a planear aumentar o preço dos bilhetes para reduzir o seu défice. Como podem estas políticas opostas resultarem ambas num aumento da receita? Explique.

V. Teoria do Consumidor

44. No quadro seguinte apresenta-se a utilidade, em unidades monetárias (u.m.), que o consumidor retira do consumo de cada dúzia de morangos.

Quantidade

Utilidade Total

0

0

1

50

2

85

3

105

4

110

5

110

a) Explique o significado económico da utilidade.

b) Calcule a utilidade marginal para cada dúzia de morangos.

c) Represente graficamente a curva da utilidade total e da utilidade marginal. Que lei está patente nessas curvas?

d) Se o preço de cada dúzia de morangos for de 20 u.m., quantas dúzias deverá adquirir o consumidor?

e) A esse nível de preço qual é o excedente do consumidor?

f) Se o preço descer para 10 u.m., a dúzia, qual a quantidade ótima a adquirir e qual será o novo excedente do consumidor?

Nota: O exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

Economia

45. Imagine que tem duas atividades diferentes para realizar no seu fim-de-semana: ir ao teatro e ler um livro, custando o bilhete de teatro 10 € e um livro 15 €. Suponha ainda que dispõe de 60 € para gastar no seu fim-de-semana. Conhece-se ainda a utilidade total que cada bem proporciona:

Quantidade

Utilidade Total

Utilidade Total

(Teatro)

(Livro)

1

49

46

2

83

79

3

105

100

4

118

113

5

125

122

6

129

130

Com base nos dados anteriores pretende-se que:

a) Construa um gráfico onde se represente a utilidade total e a utilidade marginal para cada um dos bens. Qual a lei que se evidencia em cada um dos gráficos, e por que razão ela ocorre?

b) Diga qual a quantidade máxima de cada bem que pode consumir.

c) Represente a sua restrição orçamental.

d) Identifique o ponto ótimo de consumo. Represente este ponto na RO representada em c).

46. Suponha que, mantendo-se constante o consumo de todos os outros bens, a relação entre a quantidade consumida de um determinado bem x e a utilidade total experimentada pela pessoa que o consome é dada pelo seguinte quadro:

Quantidade

0

1

2

3

4

5

6

7

Utilidade Total

0

10

18

24

28

30

30

28

a) Calcule, para cada unidade de bem x consumida, o acréscimo de satisfação registado e explique a lei que se evidencia

b) Caso o preço do bem x seja de 3 u.m./u.f., qual o nível de consumo que o consumidor deve decidir? E qual o excedente do consumidor nesse nível?

47. Suponha que uma família tem um rendimento de 1000 euros/mês para distribuir entre o consumo de dois bens X1 e X2, cujos preços são, respetivamente, P1 = 200 euros/u.f. e P2=100 euros/u.f.

a) Represente a restrição orçamental deste consumidor.

b) Represente graficamente a alteração do rendimento da família de 1000 para 2000 euros/mês. E se houvesse uma redução para 500 euros/mês que resultado seria de esperar?

c) Represente graficamente a alteração da RO resultante de um aumento do preço P1 para 400 euros/u.f., e depois, de uma redução para 100 euros/u.f. Interprete os resultados. Se modificasse o P2, nos dois sentidos, que resultado seria de esperar?

d) O que significam pontos no interior do conjunto dado pela restrição orçamental? E sobre a RO?

E pontos fora da RO?

É

e) possível identificar o ponto ótimo de consumo da família a partir da RO? O que representam as curvas de indiferença?

f) Indique a condição para determinação da decisão ótima de consumo. Explicando o que é a taxa marginal de substituição e o rácio dos preços (ou o preço relativo).

Economia

Nota: O exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

48. No verão passado o Manuel gozou 15 dias de férias no Algarve. Com os donativos de alguns familiares e com alguns “biscates” que foi realizando ao longo do ano letivo, conseguiu pagar a estadia e ainda lhe sobraram 250 € para outras despesas.

Durante a estadia o Manuel pode optar por dois cabazes de bens: alimentação e divertimento, cujos preços unitários são respetivamente, 5 € e 12,5 €.

a) Qual a quantidade máxima de alimentação que o Manuel pode consumir? E de divertimento?

b) Trace a linha de restrição orçamental para o Manuel.

c) Imagine que durante a estadia, o Manuel sofre um acidente de bicicleta, que o obriga a gastar 100 € em cuidados médicos. Trace a nova linha de restrição orçamental, sabendo que o acidente ocorreu na chegada ao Algarve.

d) O que aconteceria à linha de restrição orçamental se o preço do cabaz divertimento descesse para 10 €, assumindo que o rendimento disponível continuaria a ser de 250 €.

e) Construa duas curvas de indiferença para o Manuel e identifique o ponto ótimo.

49. Ao analisar as suas despesas mensais em alimentação, a Maria concluiu que nos últimos meses tem consumido, em média, metade das 60 refeições principais em restaurante e a outra metade em casa, cujos preços médios rondam, respetivamente, 10€ e 5€ por refeição.

a)

Calcule a quantidade máxima de cada um dos bens que, mantendo-se a sua despesa em alimentação, a Maria poderia consumir.

b)

Sabendo que o excedente do consumidor com este padrão de consumo é de 50€, interprete o valor e calcule a satisfação global alcançada com este ponto ótimo de consumo.

50. A Maria tem uma mesada de 120€ e pretende gastá-la nos saldos, em sapatos e em roupa. O preço médio de cada peça de roupa é de 20€, enquanto cada par de sapatos custa, em média,

30€.

Quantidade

UT (roupa)

UT (sapatos)

1

115

130

2

200

220

3

260

280

4

305

315

a) Determine a combinação ótima de peças de roupa e sapatos que a Maria deve comprar nos saldos, sabendo que as Utilidades Totais estão expressas em euros.

Economia

51. A figura abaixo mostra a restrição orçamental e uma curva de indiferença para o Francisco. Indique justificando a sua resposta:

para o Francisco. Indique justificando a sua resposta: a) Qual a combinação de consumo dos bens

a) Qual a combinação de consumo dos bens em que o Francisco maximiza a sua utilidade, dado o seu rendimento disponível?

b) Qual a combinação de consumo dos bens em que o Francisco apenas compra CDs?

c) Qual a combinação de consumo dos bens em que o Francisco apenas compra roupa?

d) Qual a combinação de consumo dos bens que proporciona ao Francisco a mesma utilidade que a solução ótima mas que o Francisco não pode alcançar?

e) Qual a combinação de consumo dos bens que é preferível à solução ótima mas que o Francisco não pode alcançar?

f) Qual a combinação de consumo dos bens que não esgota todo o orçamento do Francisco?

g) Indique dois pares de combinações de consumo dos bens que proporcionem ao Francisco a mesma satisfação.

h) Indique uma sequência de três combinações de consumo dos bens, por ordem decrescente de preferência do Francisco.

52. A Ana é uma estudante da ESCE que possui uma mesada de 60 Euros, que pode gastar em dois bens: comida e diversão. Trace a linha da restrição orçamental para a Ana, para cada uma das seguintes situações:

a) Preço unitário da comida é 1,5; preço unitário da diversão é 1,5;

b) Preço unitário da comida é 1,5; preço unitário da diversão é 2;

c) Preço unitário da comida é 2; preço unitário da diversão é 1,5;

d) Preço unitário da comida é 1; preço unitário da diversão é 1;

e) Preço unitário da comida é 1,5; preço unitário da diversão é 1,5, mas a sua mesada aumentou

25%.

f) Comente as linhas de restrição orçamental d) e e) e compare-as com a a).

Economia

53. A tabela e a figura seguintes representam as preferências da Ana por comida e por diversão, onde se mostram combinações de bens perante as quais ela é indiferente, isto é, que lhe proporcionam iguais níveis de utilidade.

Curva de Indiferença 1

Curva de Indiferença 2

Curva de Indiferença 3

Diversão

Comida

Diversão

Comida

Diversão

Comida

2

40

10

40

12

45

4

34

12

35

14

39

8

26

14

30

16

34

12

21

17

25

18

30

17

16

20

20

21

25

22

12

25

16

27

20

30

8

30

13

37

15

40

5

38

10

44

13

50

4

50

8

50

12

5 38 10 44 13 50 4 50 8 50 12 a) Qual das curvas de

a) Qual das curvas de indiferença representa um maior nível de utilidade? E qual representa o

menor?

b) Considere as seguintes combinações de bens: (50D;8C); (50D;4C); (12D;45C); (25D;16C); (20D;10C); (30D;25C). Hierarquize-as por ordem decrescente de satisfação.

c) Com a informação deste exercício pode determinar a escolha ótima para a Ana? Porquê?

d) Sobreponha agora a restrição orçamental traçada na alínea a) do exercício anterior. Qual é a combinação ótima para a Ana?

54. Represente graficamente, justificando, as curvas de indiferença para um consumidor que afirma

o seguinte:

a) "As bananas da Madeira e as bananas do Equador são perfeitamente iguais e tenho o mesmo prazer em consumir qualquer delas"

b) "Eu gosto de hambúrgueres e nunca dispenso uma cola a acompanhá-los"

c) "Gosto do peixe mas não gosto nem desgosto do acompanhamento deste prato".

55. O João compra habitualmente livros e discos de edição limitada. Os livros custam 30 euros cada

e os discos 35 u.m

a 10 utis (uma medida de satisfação imaginária) e a dos CDs é 20 utis.

Com o atual cabaz de consumo do João, a utilidade marginal dos livros é igual

a) Estará o João a maximizar a sua utilidade? Justifique.

b) De que modo deve alterar as suas escolhas de consumo de forma a aumentar a sua utilidade?

Economia

VI. Teoria do Produtor

56. A produção de pranchas de surf é possível através de duas tecnologias alternativas que combinam de forma diferente os fatores de produção trabalho (L) e capital (K).

 

Tecnologia A

   

Tecnologia B

Produção (un)

L (un.)

K

(un.)

L

(un.)

K (un.)

 

1 10

 

4

 

7

6

 

2 20

 

6

 

13

12

 

3 28

 

8

 

18

18

 

4 35

 

10

 

26

24

Considerando como custos unitários dos fatores PL = 10 u.m. E PK= 20 u.m., e um preço final de venda das pranchas de 200 u.m., calcule, para cada nível de produção e para cada tecnologia:

a) Os custos totais, os custos médios e os custos marginais.

b) O lucro total.

c) Qual a tecnologia que esta empresa deve adotar para cada nível de produção? Justifique.

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

57. As empresas produtoras de material elétrico têm a seguinte escolha técnicas de produção:

 

Tecnologia A

Tecnologia B

 

Output (un.)

L (unidades)

K (unidades)

L (unidades)

K

(unidades)

1

9

2

6

 

4

2

19

3

10

 

8

3

29

4

14

 

12

O preço por unidade de mão-de-obra (L) é de 20 u.m. e por unidade de capital (K) é de 40 u.m

a) Calcule os custos totais, médios e marginais para cada nível de output e para cada tecnologia.

b) Considerando que o preço por uma unidade de output é de 300 u.m. indique qual a tecnologia que deve ser escolhida para cada nível de output.

58. As empresas produtoras de bombons têm a seguinte escolha entre as técnicas de produção:

 

Tecnologia A

 

Tecnologia B

Output (un)

L (un.)

K

(un.)

L (un.)

K (un.)

 

1 9

 

2

6

4

 

2 19

 

3

10

8

 

3 29

 

4

14

12

 

4 41

 

5

18

16

 

5 59

 

6

24

22

 

6 85

 

7

33

29

O preço por unidade de mão-de-obra (L) é de 200 (u.m.) e o preço por unidade de capital (K) é de 400 (u.m.).

Considere que o preço por uma unidade de output de bombons é de 2750 (u.m.).

a) Apure os custos totais, médios e marginais para cada nível de output e para cada tecnologia.

b) Indique a tecnologia que permite obter o lucro mais elevado e a que nível de produção,

c) Qual o nível máximo de produção a que as empresas podem produzir sem terem prejuízo.

Economia

59. A tabela abaixo sumaria as receitas e os custos de uma empresa para cada nível de produção.

Produção (unid./dia)

Preço (Euros)

Custos Totais

1

25

10

2

22

23

3

20

38

4

18

55

5

15

75

6

12.5

98

De acordo com os dados da tabela supra, pretende-se que calcule:

a) O custo marginal à medida que a produção aumenta.

b) A receita marginal à medida que a produção cresce.

c) O lucro do produtor para cada nível de produção.

d) Indique o nível ótimo de produção.

e) Diga qual o intervalo de produção em que a empresa experimenta economias de escala.

60. Os custos de uma empresa produtora de chocolates são mostrados parcialmente no quadro abaixo indicado.

Chocolates

Custo

Custos

Custos

CTMe

CVMe

CFMe

CMg

Produzidos

Total

Fixos

Variáveis

0

32

   

-

-

-

-

1

           

18

2

   

40

       

3

116

           

4

           

50

5

       

40

   

6

     

55

     

7

   

400

       

a) Complete os espaços que estão em branco, arredondando às décimas.

61. Considere a seguinte representação gráfica das curvas de custos da empresa Z no curto prazo:

gráfica das curvas de custos da empresa Z no curto prazo: a) Identifique as curvas 1,2,

a) Identifique as curvas 1,2, 3 e 4.

b) Identifique a quantidade q. Como foi determinada?

c) Identifique as ordenadas a, b e c.

d) Que condição deverá verificar o preço para que a empresa decida:

Economia

i) operar no curto prazo com lucro; ii)operar no curto prazo embora com prejuízo; iii) encerrar. Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

62. Considerando a estrutura de custos da empresa Z no longo prazo ilustrados no gráfico seguinte,

da empresa Z no longo prazo ilustrados no gráfico seguinte, a) Identifique as curvas 1, 2

a) Identifique as curvas 1, 2 e 3;

b) Explique como foi determinada a quantidade q;

c) Identifique no gráfico o nível de preços a partir do qual a empresa opera no longo prazo e realiza lucros.

63. De acordo com a estrutura de custos da empresa P representada no gráfico seguinte:

de custos da empresa P representada no gráfico seguinte: a) Identifique as curvas 1, 2, 3

a) Identifique as curvas 1, 2, 3 e 4;

b) Interprete o ponto (730, 95);

c) Calcule o custo médio da empresa P para uma produção de 730 unidades de produto;

d) Calcule os custos totais da empresa P para esta mesma produção;

e) Calcule os custos fixos totais da empresa P;

f) Se o preço verificado no mercado fosse de 150 u.m, que opção deveria tomar a empresa no curto prazo?

Economia

g) Indique um preço que permitisse à empresa operar com lucros no curto prazo. Registe esta informação no gráfico.

64. Um ex-aluno desta disciplina afirmou: “Um custo fixo não afeta a quantidade produzida por uma empresa.” Comente, concordando ou discordando, justificando a sua resposta.

65. “Se um produtor produzir uma quantidade tal que a sua receita marginal é igual ao seu custo marginal, estará sempre a maximizar o seu lucro pelo que nunca quererá encerrar”. Comente, concordando ou discordando, justificando a sua resposta.

VII.

Mercados

66. O gráfico seguinte representa uma empresa que iniciou a sua atividade num mercado de concorrência perfeita.

a sua atividade num mercado de concorrência perfeita. a) Identifique as curvas a e b; b)

a) Identifique as curvas a e b;

b) Nas atuais condições de mercado indique:

Quantidade produzida

Custo médio unitário

Receita Total

Custos Totais

Lucro realizado

Lucro unitário

c) Registe no gráfico as áreas correspondentes à Receita Total, Custos Totais e Lucro realizado.

d) Que consequências seriam de esperar relativamente ao número de empresas a operarem no mercado, face aos resultados que encontrou?

e) Suponha agora após a entrada em atividade de um grande número de novas empresas, o preço de mercado se alterava de acordo conforme se representa no novo gráfico:

Economia

Economia Recalcule os valores encontrados em b) e registe a informação no gráfico. f) Sabendo que

Recalcule os valores encontrados em b) e registe a informação no gráfico.

f) Sabendo que a empresa detém 10% das vendas neste mercado qual a quantidade global transacionada?

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

67. Considere a seguinte estrutura de custos de uma empresa monopolista.

a seguinte estrutura de custos de uma empresa monopolista. a) Calcule a quantidade a produzir pela

a) Calcule a quantidade a produzir pela empresa.

b) O preço a que será transacionada permitirá à empresa auferir lucros? Se sim, qual o seu montante? Represente esta informação no gráfico.

c) Qual montante dos Custos Fixos suportados pela empresa?

d) Indique no gráfico os valores correspondentes ao lucro unitário realizado e o custo fixo médio unitário para a produção de 40.000 unidades.

Economia

e) Imagine agora que a situação de mercado se alterou e a empresa/indústria encaram agora uma nova curva da procura, descrita na nova representação gráfica.

Indique qual a nova quantidade a produzir pela empresa e determine a Receita Total, o Lucro auferido e a variação percentual ocorrida na Receita Total.

Registe no gráfico a informação relativa às Receitas e Custos Totais.

270 48.800
270
48.800

Nota: O Exercício encontra-se resolvido no capítulo das Soluções.

68. O gráfico abaixo representa a situação da empresa monopolista de fornecimento de energia elétrica na ilha de “Só Monopólio”. De acordo com a informação económica apresentada pretende-se que:

a) Determine a quantidade e o preço em que a empresa maximiza o seu lucro.

b) Calcule o lucro unitário e o lucro total no ponto de maximização do lucro.

c) Explique por que razão, numa situação geral de monopólio, a receita marginal é inferior à receita média.

Preço,

Custo e

Receitas

Em Euros

20

16

8

Custo Marginal Custo Médio Curva da Procura Receita Marginal 750 1500 2000
Custo
Marginal
Custo
Médio
Curva da
Procura
Receita
Marginal
750
1500
2000

69. Considerando o gráfico abaixo, pretende-se que:

a) Identifique as curvas representadas;

Economia

b) Diga qual é a condição de maximização de lucros e de maximização de vendas e a que nível de preços se dá cada uma;

c) Calcule a Receita Total, o Custo Total e o Lucro Total para a situação de maximização de lucro.

e o Lucro Total para a situação de maximização de lucro. 70. Considere a seguinte representação

70. Considere a seguinte representação gráfica da estrutura de custos da empresa Digital XXI, que opera no mercado dos computadores portáteis, em que CMg é a curva de custos marginais, CME cp/lp é a curva de custos médios de curto e de longo prazo, CVMe é a curva de custos variáveis médios, Dcp é a curva da procura dirigida à empresa no cuto prazo e Dlp é a curva da procura dirigida à empresa no longo prazo.

é a curva da procura dirigida à empresa no longo prazo. a) Sabendo que a empresa

a) Sabendo que a empresa é maximizadora de lucro, calcule os custos fixos totais suportados e o lucro auferido pela Digital XXI no curto prazo.

b) Supondo que a curva de custos médios totais da empresa Digital XXI se mantêm constante ao longo do tempo, qual será a quantidade de computadores que a empresa irá oferecer? Justifique.

71. Considere a seguinte estrutura de custos de uma empresa monopolista:

Economia

Economia a) Admitindo que a empresa é maximizadora de lucro, calcule o lucro auferido. 72. Considere

a) Admitindo que a empresa é maximizadora de lucro, calcule o lucro auferido.

72. Considere a estrutura de custos da empresa Traubert’s abaixo representada.

de custos da empresa Traubert’s abaixo representada. a) A representação gráfica traduz a estrutura de custos

a) A representação gráfica traduz a estrutura de custos da empresa de curto ou de longo prazo? Justifique e identifique as curvas A, B, C, D e E?

b) Caracterize o mercado em que a empresa Traubert’s opera, justificando devidamente a sua resposta.

c) Sabendo que a curva da procura que a empresa defronta é dada pela expressão Qx=3000 – 25Px calcule o montante do lucro auferido pela Traubert’s quando a empresa decide maximizar os seus lucros.

d) Face ao previsional aumento dos preços dos fatores de produção da empresa, a Traubert’s estima que no longo prazo os seus custos médios de produção atinjam os 68 €. Considerando que o preço praticado no mercado se mantém, qual a decisão a tomar pela empresa no longo prazo e qual a consequência sobre o lucro auferido?

Economia

Exames

Economia

Instituto Politécnico de Setúbal – Escola Superior de Ciências Empresariais ECONOMIA – Curso: CF Teste 2 – SEM CONSULTA Duração: 2 Horas 1 de junho de 2011

Classificação:

Rúbrica do docente:

NOME:

Nº:

ATENÇÃO:

Justifique todas as respostas e cálculos efetuados. Indique sempre as unidades em que se expressam os resultados que encontrar.

Grupo I – Parte teórica

1. Explique o conceito de crescimento económico recorrendo ao modo de cálculo do PIB na ótica da despesa. (2 valores)

Relacione

2. o

conceito

de

economia

de

escala

com

o

de

produtividade.

(2 valores)

3. Explique a decisão do produtor de um mercado perfeitamente concorrencial no curto-prazo. (2 valores)

4. Identifique, explicando os fatores que podem determinar o aparecimento de monopólios. (2 valores)

5. Compare o mercado de concorrência perfeita com o de monopólio (2 valores)

Grupo I – Parte Prática

1 – Considere que um consumidor dispõe da seguinte função de utilidade para o consumo de pizza.

Q

Utilidade

(refeições/semana)

Total (X1)

1 12

 

2 22

 

3 30

 

4 36

 

5 40

 

a) Calcule e interprete o excedente do consumidor do agente no nível racional de consumo de pizza por semana Justifique. (1,5 valores)

b) Suponha que abriu um novo take-away na zona de residência do consumidor, com refeições prontas ao preço de 4€/refeição e os seguintes valores de utilidade:

Q

Utilidade

(refeições/semana)

Total (X2)

1

9

Economia

2

17

3

24

4

30

5

35,5

Determine o cabaz ótimo de consumo do Manuel, considerando ambas as opções de consumo. Justifique. (2 valores)

2 – Suponha um produtor com uma exploração agrícola que, no curto prazo apenas pode variar a

quantidade utilizada de terra e trabalho. Para obter um certo nível de produção o agricultor pode

praticar uma agricultura intensiva, utilizando relativamente mais o fator trabalho, ou uma agricultura extensiva, utilizando relativamente mais o fator terra, de acordo com as isoquantas seguintes:

 

Isoquanta = 346 u.f./u.t.

Isoquanta = 490 u.f./u.t.

 

Trabalho

Terra

Trabalho

Terra

A

1

6

2

6

B

2

3

3

4

C

3

2

4

3

D

6

1

6

2

Considerando que este produtor dispõe de um orçamento para a produção, isto é, de uma restrição nos custos, de 12u.m./u.t., e que o preço do trabalho é de 2u.m./u.f. e o preço da terra de 3u.m./u.f. qual o nível de produção que a exploração agrícola deve selecionar e qual a combinação ótima de fatores (terra e trabalho) deve utilizar para o produzir? (2,5 valores)

3 – Num dado país, o mercado de um bem de consumo é controlado por uma única empresa que

consegue manter a situação de monopólio através de um condicionamento governamental da concorrência interna e externa.

A estrutura de custos de longo prazo da empresa é dada por: CT= 2Q2 + 2Q, onde Q representa o nível de produção da empresa (u.f./u.t.), e CT o Custo Total (u.m./u.t.) e a procura do bem é representada por QD = 146 – P, em que P designa o preço (u.m./u.f.) e Q D a quantidade global procurada (u.f./u.t.).

a) Determine o equilíbrio da empresa (preço, quantidade e lucro total) (2,5 valores)

b) “O monopolista, ao contrário de um empresário inserido numa estrutura de concorrência monopolística, produz, no longo prazo, com ineficiência social e económica e sem oferecer ao consumidor uma variedade do mesmo produto”.

Comente, recorrendo a representação gráfica e explicitando os conceitos de eficiência social e económica. (1,5 valores)

Economia

Instituto Politécnico de Setúbal – Escola Superior de Ciências Empresariais ECONOMIA – Cursos: GSI; CF; MKT

Exame – Época Especial – 8 de setembro de 2011 – SEM CONSULTA Duração: 2h00

Classificação:

Rúbrica do docente:

NOME:

Nº:

ATENÇÃO:

Justifique todas as respostas e cálculos efetuados. Responda no enunciado ao grupo I. Indique sempre as unidades em que se expressam os resultados que encontrar.

Grupo I

1. Explique o que são falhas de mercado (2 valores)

2. Discute numa perspetiva empresarial o conceito de economia de escala (2 valores)

3. Discuta o conceito de eficiência considerando os mercados de concorrência perfeita versus concorrência imperfeita. (4 valores)

4. Explique as diferenças entre crescimento e desenvolvimento económico. (2 valores)

Grupo II

5. Sabendo que um determinado produtor, a operar num mercado de concorrência perfeita, apresenta um lucro de 150 mil €/ ano, o que se pode concluir quanto à situação de equilíbrio no mercado? Haverá lugar a algum ajustamento? Justifique. (2 valores)

6. Considere os seguintes dados relativos a uma determinada Economia:

Consumo

privado

Formação

Bruta

de

Capital

Consumo

público

Importações

B&S

600

280

160

380

Impostos

diretos

Impostos indiretos líquidos de

Variação de Existências

Exportações

B&S

100

subsídios

20

310

200

Calcule o Produto Interno Bruto na Ótica da Despesa. (2 valores)

7. Considere as seguintes fronteiras de possibilidades de produção de uma unidade de produção

representadas graficamente.

Economia

Fronteira de Possibilidades de Produção Mensal

35 0; 30 30 10; 28 FPP II 25 20; 24 20 30; 18 0;
35
0; 30
30
10; 28
FPP II
25
20; 24
20
30; 18
0; 15
10; 14
15
FPP I
20; 12
40; 10
10
30; 9
40; 5
5
0
50; 0
50; 0
0
10
20
30
40
50
Botas

Sapatos

Demonstre que se aplica o princípio de custos de oportunidade crescentes. (2 valores)

8.

O mercado das TVs é caracterizado pelas seguintes expressões:

Q =1000+ 250P e Q = 200 000 – 150 P

Em que Q representa a quantidade de TVs transacionadas num dia e P o preço de cada TV (expresso em €/Ipad). O Governo português decide impor um preço de 350€/TV. Estará o mercado em equilíbrio após esta intervenção estatal? Enumere as consequências desta intervenção estatal. (2 valores)

9. Suponha que um produtor monopolista defronta uma curva de procura agregada dada por

Q = 12 – P, em que Q é quantidade procurada, expressa em u.f./u.t., e P o preço do bem,

expresso em u.m./u.f., e a curva de custos do produtor é dada por CT = Q 2 , em que Q é a quantidade produzida, expressa em u.f./u.t., e CT o custo total de

produção, expresso em u.m./u.t lucro do produtor? (2 valores)

Determine o nível de produção maximizador e o respetivo

Economia

Instituto Politécnico de Setúbal – Escola Superior de Ciências Empresariais ECONOMIA – Marketing Exame Final – 16 de Janeiro de 2014

 

Nome:

Número:

Classificação:

Docente:

 

Instruções:

 

1. Desligar os telemóveis e desimpedir a mesa de trabalho.

2. Utilizar caneta (tinta azul ou preta); tudo o que for escrito a lápis não será alvo

de classificação.

 

3.

A prova tem a duração máxima de 2 horas.

5.

A prova será avaliada em 20 valores e corresponde aos conteúdos abordados da

disciplina.

 

6.

A prova é realizada com consulta (facultativa) de duas páginas A4 manuscritas,

pessoais e intransmissíveis durante a prova.

 

7. A presente prova é de resposta escrita e individual.

8. Não é permitida a utilização de máquinas de calcular gráficas ou de dispositivos

com ligação à Internet.

 

9.

Apresente todos os cálculos efectuados, indicando expressamente as unidades em

que se expressam os resultados que encontrar.

 

10. Explique, justifique e interprete todos os resultados que alcançar.

11. Responda ao Grupo I no próprio enunciado e ao Grupo II em folhas de teste,

por favor.

 

12.

Qualquer fraude, ou tentativa de, implicará a anulação da prova e a transição

imediata para o regime de avaliação de recurso.

 

Bom trabalho!

Grupo I

O grupo é constituído por 20 questões, com múltiplas opções de resposta, existindo

apenas uma opção correta. Cada resposta certa tem a cotação de 0,5 valores. Cada

resposta errada está sujeita a uma penalização de 0,125 valores (correspondente a ¼ da

cotação da questão). Para cada uma das questões formuladas, escolha a alternativa de

resposta adequada, assinalando a opção com um círculo. Caso pretenda corrigir uma

resposta, preencha completamente o círculo e escolha nova alternativa, com novo

círculo. Em caso de falta de resposta ou resposta a mais de uma alternativa, a cotação é

nula. Leia com atenção as questões e as opções de resposta antes de indicar a sua

resposta.

1. Qual dos seguintes não é um bem económico?

A – Madeira.

B – Pescado.

C - Cogumelos Silvestres.

Economia

D

- Água Salgada.

2.

A eficiência não é:

A

- A maximização do aproveitamento dos recursos.

B

- Medida através de rácios como a produtividade dos recursos.

C

- A impossibilidade de aumentar o bem-estar económico de um indivíduo sem reduzir o de outro.

D

- A plena satisfação das necessidades humanas de bens e serviços.

3.

Qual das seguintes não é uma afirmação do âmbito da economia positiva?

A

- A atribuição do rendimento social de inserção deve ser limitada a pessoas que realizem

trabalho comunitário.

B

- Os diplomados ganham, em média, mais do que os não diplomados.

C

- O comércio livre entre nações beneficia a especialização produtiva dos países.

D

- A melhorias das condições de eficiência dos processos aumenta os lucros.

4.

Na análise custo-benefício, um agente deve tomar uma decisão se e só se:

A

- O custo de oportunidade for nulo.

B

- Os custos superarem os benefícios contabilísticos.

C

- Se gerar um excedente económico positivo.

D

- O custo contabilístico superar o custo de oportunidade.

5.

Uma Fronteira de Possibilidades de Produção linear é sinónimo de:

A

- Estarmos na presença de recursos produtivos com algum nível de especialização na produção de um dos bens.

B

- Produtividades médias dos recursos produtivos na produção dos dois bens exatamente iguais.

C

- Constância dos custos de oportunidade.

D

- Uma relação positiva ou diretamente proporcional na produção dos dois bens.

6.

Custos de oportunidade crescentes significam:

A

- A necessidade de sacrificar a produção de um bem para aumentar a produção do outro.

B

- A necessidade de abdicar de quantidades cada vez maiores de um dos bens para aumentar

unitariamente a produção do outro

C

-. Fronteiras de Possibilidades de Produção convexas em relação à origem.

D

- A utilização de um único recurso produtivo, não especializado.

7.

A lei da procura:

A

- Representa a aversão dos compradores ao crescimento da taxa de inflação.

B

- Dispensa a hipótese ceteris paribus.

C

- Estabelece uma relação de proporcionalidade direta entre preço e quantidade procurada.

D

- É explicada pelos efeitos de substituição e de rendimento que ocorrem aquando do aumento

do preço.

8.

Considere dois quaisquer bens substitutos. O aumento do preço de um provocará na curva da procura do outro:

A

- Uma deslocação da curva para a direita.

B

- Um movimento ao longo da curva, correspondendo a uma descida do preço relativo dos dois bens e a um aumento da quantidade procurada.

C

- Uma rotação, correspondente a um aumento da inclinação.

D

- Uma deslocação na curva para a esquerda.

9.

A função da oferta de um determinado bem:

Economia

A - Mostra a relação entre o seu preço de mercado e a quantidade que os produtores estão dispostos a produzir e vender.

B - Não depende do nível de oferta autónoma.

C - Pode assumir valores negativos caso o preço seja demasiado baixo.

D - Não pressupõe a assunção da hipótese ceteris paribus.

10. Deslocações da curva da oferta ocorrem quando:

A - O preço do próprio bem se altera.

B - Todos os outros fatores que não o preço do próprio bem se mantêm constantes.

C -. A quantidade oferecida aumenta ou diminui para cada nível de preço de mercado.

D - A sensibilidade dos produtores à variação unitária do preço se altera.

11. Um bem com elasticidade rendimento da procura negativa é sinónimo de:

A - Que estamos perante um bem de luxo.

B - Que um aumento do rendimento provoca um aumento das receitas totais dos produtores do bem.

C - Que uma diminuição do rendimento provoca um aumento das receitas totais dos produtores

do bem.

D - Que uma diminuição do rendimento provoca uma diminuição das receitas totais dos

produtores do bem.

12. Um consumidor racional, sem restrição orçamental, consome um bem ou serviço:

A – Enquanto a utilidade marginal de cada unidade for positiva.

B – Até ao ponto em que a utilidade marginal se torna negativa.

C – Até o excedente do consumidor da última unidade consumida ser nulo.

D – Até esgotar o rendimento disponível para o consumo do bem.

13. O cabaz ótimo de consumo de dois bens é determinado:

A – Quando a utilidade marginal de cada um dos bens se iguala.

B – Quando a utilidade total é maior do que a despesa total para a aquisição do cabaz.

C – Quando a utilidade marginal por unidade monetária de cada bem é igual a zero.

D – Quando o preço relativo dos dois bens iguala a taxa marginal de substituição.

14. O produto marginal de um fator de produção, por cada unidade adicional desse fator gera,

ceteris paribus:

A – Acréscimos de produto final cada vez menores.

B – Acréscimos de produto final cada vez maiores.

C – Acréscimos de produto final constantes.

D – Acréscimos de produto final nulos.

Economia

15. A produção apresenta rendimentos decrescentes à escala quando:

A – Um aumento proporcional de todos os fatores produtivos conduz a um aumento mais do que

proporcional no produto.

B – Um aumento proporcional de todos os fatores produtivos conduz a um aumento menos do

que proporcional no produto.

C – Um aumento proporcional de todos os fatores produtivos conduz a um aumento proporcional

no produto.

D – Uma diminuição proporcional de todos os fatores produtivos conduz a uma diminuição

proporcional no produto.

16. A combinação ótima de fatores produtivos é determinada:

A – Pela tangencia entre a linha isoquanta e a linha de isocusto.

B – Pela igualdade entre o preço relativo dos fatores produtivos e a taxa marginal de substituição técnica.

C – Pela igualdade entre os produtos marginais por unidade monetária dos fatores produtivos.

D – Todas as anteriores.

17. As curvas de custos marginais e de custos médios:

A – Nunca se intercetam.

B – Têm tipicamente a forma de U invertido.

C – São autónomas e independentes uma da outra.

D – Intercetam-se quando as economias são constantes à escala.

18. As economias de escala:

A – São explicadas pela curva das receitas marginais.

B – Acontecem quando os custos marginais são inferiores aos custos unitários.

C – Só ocorrem no longo prazo.

D – São independentes dos rendimentos à escala na função de produção.

19. Num mercado de concorrência imperfeita, a receita marginal é sempre inferior ao preço:

A – Devido à falta de poder de mercado dos produtores.

B – Devido à existência de barreiras à entrada e à saída.

C – Devido à necessidade de abaixamento do preço para aumento das vendas.

D – Devido à condição de maximização dos lucros.

20. Um produtor deve abandonar a atividade:

A – Sempre que as receitas totais não cobrem os custos totais.

B – Quando o preço é maior que o custo unitário.

C – Sempre que o custo marginal é superior ao custo unitário.

D – Sempre que as receitas totais não cobrem os custos variáveis.

Economia

Grupo II

O

grupo é constituído por exercícios de cálculo e interpretação que deverão ser resolvidos em folha

de

teste.

21. 1. O mercado do bem X é representado pelas seguintes expressões para a procura e para a oferta:

Q d x = 104 - 2P x + 5M + 2P y Q s x = 25 + 6P x - P y Sendo:

Q x – Quantidade do bem X (medida em unidades físicas por unidade de tempo) P x – Preço de uma unidade física do bem X (medido em unidades monetárias) P y – Preço de uma unidade física de um dado bem Y (medido em unidades monetárias)

M – Rendimento das famílias (medido em unidades monetárias por unidade de tempo)

a) Sabendo que o rendimento das famílias é de 100 u.m. e o preço do bem Y é de 2 u.m., calcule o

ponto de equilíbrio de mercado e represente graficamente. Justifique todos os cálculos. (1 valor)

b) Sabendo que a elasticidade rendimento da procura é de 0,5, calcule a variação na receita total dos

produtores, caso o equilíbrio de mercado se alterasse, devido a uma redução dos impostos sobre o rendimento das famílias, de 5%. (1,5 valores)

22. Os irmãos Araújo dispõem de uma verba de 26€ para efetuar compras para uma festa que irão

realizar. Pretendem adquirir bebidas não alcoólicas e alcoólicas para a festa, cujos preços unitários são, respetivamente, 6€ e 10€. O quadro abaixo indica a utilidade total (medida em €/u.t.) associada

ao consumo de cada um dos bens:

Quantidade

Utilidade Total

Utilidade Total Bebidas Alcoólicas

Bebidas Não Alcoólicas

1

6

20

2

9

30

3

12

36

4

14

38

a) Determine o cabaz ótimo de consumo dos irmãos Araújo. (1,5 valores)

b) Calcule e interprete o excedente do consumidor para esse nível de consumo. (1 valor)

23. Admita a seguinte função de custos totais de uma determinada empresa:

CT = 10Q² + 50Q + 100, em que CT é o custo total, medido em u.m./u.t e Q é o nível de produção, medido em u.f./u.t.

Admitindo que o preço de mercado é de 150€/u.f, calcule o lucro obtido pela empresa no ponto ótimo de produção. (1,5 valores)

24. Considere a seguinte estrutura de custos de uma empresa monopolista:

Economia

Economia Admitindo que a empresa é maximizadora de lucro, calcule o lucro auferido.

Admitindo

que

a

empresa

é

maximizadora

de

lucro,

calcule

o

lucro

auferido.

(1,5 valores)

25. Explique, detalhadamente, o que distingue, na contabilidade nacional, o cálculo do produto interno bruto do produto nacional líquido. (2 valores)

Economia

Instituto Politécnico de Setúbal – Escola Superior de Ciências Empresariais ECONOMIA – Gestão de Sistemas de Informação Exame de Época Normal – 26 de Junho de 2014

Nome:

Classificação:

Instruções:

Docente:

Número:

1. Desligar os telemóveis e desimpedir a mesa de trabalho.

2. Utilizar caneta (tinta azul ou preta); tudo o que for escrito a lápis não será alvo de

classificação.

3.

A prova tem a duração máxima de 2 horas.

5.

A prova será avaliada em 20 valores e corresponde aos conteúdos abordados da disciplina.

6.

A presente prova é de resposta escrita e individual.

7.

Não é permitida a utilização de máquinas de calcular gráficas ou de dispositivos com ligação à

Internet.

9. Apresente todos os cálculos efetuados, indicando expressamente as unidades em que se

expressam os resultados que encontrar.

10. Explique, justifique e interprete todos os resultados que alcançar.

11. Responda, por favor, aos Grupo I e II no próprio enunciado e ao Grupo III em folhas de teste.

12. Qualquer fraude, ou tentativa de, implicará a anulação da prova e a transição imediata para o

regime de avaliação de recurso.

Grupo I - O grupo é constituído por 6 questões, com múltiplas opções de resposta, existindo apenas uma opção correta. Cada resposta certa tem a cotação de um valor. Para cada uma das questões formuladas, escolha a alternativa de resposta adequada, assinalando a opção com um círculo. Caso pretenda corrigir uma resposta, preencha completamente o círculo e escolha nova alternativa, com novo círculo. Em caso de falta de resposta ou resposta a mais de uma alternativa, a cotação é nula. Leia com atenção as questões e as opções de resposta antes de indicar a sua resposta.

1. A lei da procura:

A - É explicada pelos efeitos de substituição e de rendimento que ocorrem aquando do aumento do preço.

B - Dispensa a hipótese ceteris paribus.

C - Estabelece uma relação de proporcionalidade direta entre preço e quantidade procurada.

D - Representa a aversão dos compradores ao crescimento da taxa de inflação.

2. Um bem com elasticidade rendimento da procura negativa é sinónimo de:

A - Que estamos perante um bem de luxo.

B - Que um aumento do rendimento provoca um aumento das receitas totais dos produtores do

bem.

C - Que uma diminuição do rendimento provoca uma diminuição das receitas totais dos

produtores do bem.

D - Que uma diminuição do rendimento provoca um aumento das receitas totais dos produtores

do bem.

3. Um consumidor racional, sem restrição orçamental, consome um bem ou serviço pago:

A – Enquanto a utilidade marginal de cada unidade for positiva.

Economia

B – Enquanto a utilidade marginal é superior ao preço.

C – Até o excedente do consumidor ser negativo.

D – Até esgotar o rendimento disponível para o consumo do bem.

4. Um monopólio natural surge devido:

A - Às economias de escala.

B - Ao domínio exclusivo de uma fonte de matéria-prima.

C - À invenção e registo de uma patente tecnológica.

D - Ao segredo industrial.

5. Os mercados de concorrência perfeita são considerados maximizadores do bem-estar social, relativamente aos monopólios, porque:

A – O produto é homogéneo, o que reduz os custos de transação.

B – Não existem barreiras à entrada ou saída de empresas no mercado de concorrência perfeita,

enquanto em monopólio estas são significativas.

C – Os produtores operam no mínimo da sua curva de custos unitários e o preço de venda iguala

esse custo.

D

– Os monopolistas têm capacidade de determinar o preço praticado no mercado.

Grupo II - O grupo é constituído por 4 questões de resposta escrita.

6.

Clarifique o conceito de externalidade e explique como os diferentes tipos de externalidades

afetam o bem-estar social, exemplificando. (1 valor)

7. Explique o princípio dos custos de oportunidade crescentes e como este influencia a fronteira

de possibilidades de produção.

(1 valor)

Economia

8. Encontrado o cabaz ótimo de consumo de um consumidor, explique como é que a

diminuição do preço de um dos bens pode alterar a satisfação global alcançada. (1 valor)

9. Quais são as diferentes estruturas de mercados de concorrência imperfeita? O que as

distingue e o que as aproxima? (1 valor)

Economia

10. Comente, justificadamente, a veracidade da afirmação: “A empresa em concorrência

perfeita fixa o preço de modo a igualar o seu custo marginal? (1 valor)

Grupo III - O grupo é constituído por quatro exercícios de cálculo e interpretação que deverão ser resolvidos em folha de teste.

11. A empresa Beija-flor, Lda. dedica-se à comercialização de dois bens – arranjos florais (bem

X) e manjericos (bem Y), ambos medidos em u.f. por semana – utilizando um único fator produtivo com produtividades médias constantes. A combinação mais eficiente da produção dos dois bens é dada pela seguinte expressão: Qy = 1200 – 0,25 Qx

a) Represente graficamente a Fronteira de Possibilidades de Produção e dê 1 exemplos de uma combinação ineficiente. (1 valor)

b) Admitindo que o único fator produtivo é o trabalho realizado por 10 trabalhadores, que trabalham 40 horas/semanais cada, determine o número de horas necessárias para produzir a combinação produtiva (Qx, Qy) = (1.500, 900) de forma eficiente. (1 valor)

12. Admita as seguintes expressões de curvas da procura e da oferta de um dado produto:

Q = 2000 – 10P

medidas em u.f./u.t. e P é o preço unitário, medido em u.m./u.f

a) Suponha, ceteris paribus e sabendo que se trata de um bem normal, que houve um

aumento do rendimento disponível dos consumidores que provoca uma alteração de 34% na procura autónoma. Calcule o impacto sobre o equilíbrio do mercado e represente graficamente a alteração face à situação inicial do mercado. (2 valores)

b) Sabendo que a elasticidade preço da procura deste bem é de 1,2, calcule a variação

esperada na receita total face a uma redução de 10% no preço de equilíbrio inicial do produto Interprete o resultado obtido. (1,5 valores)

e

Q = 130 + 7P, em que Q são as quantidades procurada e oferecida,

Economia

13. A Francisca recebeu um prémio no sorteio do Euromilhões, no montante de 3.000€. Como, em

breve, vai viver sozinha irá aplicar este valor na aquisição de roupas de casa e algum mobiliário.

Em média, cada conjunto de roupa de casa custa 75€ e cada peça de mobiliário custa 500€.

a) Represente a restrição orçamental da Francisca. (1 valor)

b) Imagine que, antes de decidir a quantidade de conjuntos de roupa de casa e de peças de

mobiliário a adquirir, surgiu uma boa oportunidade de aquisição de um frigorífico e de uma máquina de lavar roupa, com um custo total de 1.500€, e a Francisca decidiu adquirir primeiramente. Qual o impacto desta aquisição prévia na reta de restrição orçamental? Represente graficamente a alteração. (1 valor)

14. Considere a estrutura de custos e de receitas da empresa Inov’arte dada pela seguinte figura:

CMg,

CTMe,

CVMe,

P, RMg

(€/u.f.)

125

120

100

85

70

45

CTMe CMg CVMe D Q RMg Q (u.f./u.t.) 800 1000 1200 1350
CTMe
CMg
CVMe
D
Q
RMg
Q (u.f./u.t.)
800
1000
1200
1350

a)

Qx = 2300 – 10 Px, e que esta é maximizadora do lucro, calcule o montante de lucro auferido pela Inov’arte. (1,5 valores)

expressão

Sabendo

que

a

curva

da

procura

da

empresa

é

dada

pela

b) Em face de futuras alterações no preço dos fatores de produção, a Inov’arte estima que os

custos médios de produção atinjam os 160€. Considerando que o preço de mercado se mantém,

qual a decisão a tomar pela Inov’arte no longo prazo e qual o lucro auferido. (1 valor)

Economia

Instituto Politécnico de Setúbal – Escola Superior de Ciências Empresariais ECONOMIA – Curso: Contabilidade e Finanças Noturno Exame Final – 4 de julho de 2013 Duração: 2h00

ATENÇÃO:

Apresente todos os cálculos efetuados, indicando expressamente as unidades em que se expressam os resultados que encontrar. Explique e justifique todas as respostas e cálculos, interpretando os resultados. Pode usar máquina de calcular não gráfica e uma folha A4 manuscrita, para consulta. Responda aos grupos I e II em folhas de teste separadas.

Grupo I

1.

Considere os seguintes casos de intervenção governamental na economia: regulamentos para limitar a poluição atmosférica; apoio ao rendimento dos pobres; tabelamento de preços de uma companhia elétrica monopolista; provisão de iluminação pública nas cidades. Para cada um dos casos identifique e explique sucintamente a falha de mercado presente. (2,5 valores)

2.

O

mesmo bem pode, para diferentes consumidores, ou até para o mesmo consumidor, ser um

bem de procura elástica e de procura rígida? (2,5 valores)

3.

Considere que o governo impôs um preço mínimo legal por tonelada de sardinha vendida pelos pescadores nacionais. Indique as consequências da imposição deste preço, classifique-o e represente-o graficamente? (2,5 valores)

4.

Explique, detalhadamente, o que distingue, na contabilidade nacional, o cálculo do produto bruto do produto líquido? (2,5 valores)

 

Grupo II

5.

As seguintes funções traduzem as intenções de oferta e de procura de bilhetes de cinema (as quantidades expressam-se em u.f./dia e os preços em €/u.f.):

Q = 500 + 15P

Q = 750 – 35P

5.1.Determine o equilíbrio deste mercado. (1 valor)

5.2.Sabendo que o aumento do rendimento dos consumidores conduziria a um aumento de 20% da procura autónoma de bilhetes de cinema, determine o novo equilíbrio de mercado e represente graficamente esta alteração. (1,5 valores)

Economia

6. O Joaquim apresenta as seguintes funções de utilidade total para o consumo anual de cortes de cabelo e de t-shirts:

Quantidade

     

consumida de

cortes de

cabelo/ano

UT dos

cortes de

cabelo

Quantidade

consumida de

t-shirts/ano

UT das

t-shirts

1

75

1

40

2

135

2

75

3

180

3

105

4

210

4

130

5

225

5

150

6.1.Sabendo que o preço médio de cada corte de cabelo é de 10 €/corte e o preço médio de cada t- shirt é de 20 €/u.f., determine a constituição do cabaz ótimo de consumo do Joaquim. (2 valores)

6.2.Calcule o excedente do consumidor do Joaquim naquele ponto ótimo de consumo. Caso não tenha respondido à alínea anterior, considere um cabaz composto por três unidades de cada um dos bens. (1 valor)

7. Admita a seguinte função de custos totais de um produtor:

CT = 4 – 8Q + 40

7.1.Calcule as expressões das funções dos custos totais médios, dos custos variáveis médios, dos custos fixos médios e dos custos marginais. (2 valores).