Você está na página 1de 8
Vento Re al vs Aparent e 15-10-2012 West Coast – Sailing Centre Vitor Dias 1
Vento Re al vs Aparent e 15-10-2012 West Coast – Sailing Centre Vitor Dias 1

Vento Re al vs Aparent e

Vento Re al vs Aparent e 15-10-2012 West Coast – Sailing Centre Vitor Dias 1

15-10-2012

West Coast – Sailing Centre Vitor Dias

www.westcoast.pt

O conceito de vento aparente é muito simples mas ainda assim de difícil compreensão mesmo entre os velejadores mais experientes. Trata-se da combinação de dois ventos: o vento gerado pelo movimento do barco e o vento gerado pela natureza (vento real). Assim, o vento aparente é o vento que se sente no convés do barco. Todos os indicadores que utilizamos no barco, as “fitinhas”, a “girouette” ou o fumo de um cachimbo indicam a direcção do vento aparente. É frequente ouvir, de quem veleja pela primeira vez, o comentário que “diz que estamos a fazer 40º com o vento, mas as fitinhas nos brandais indicam que estamos de frente para o vento”. Esta é a primeira experiência com o vento aparente.

Imagine que está de pé num carro descapotável. Está um dia calmo e não há qualquer vento real. À medida que o carro arranca, começa a sentir uma brisa na cara que aumenta à medida que a velocidade do carro aumenta. A 10Kmh sentirá uma brisa de 10Kmh na sua cara. Este é o vento aparente.

Agora imagine que o carro está a viajar para norte mas que sopra um vento Este de 10Kmh. Este vento bate na sua face direita e designa-se por vento real. À medida que o carro arranca sentirá dois tipos de vento vindos de frente e do seu lado direito. Mas o que na realidade sente é um vento resultante da combinação dos dois e que apresenta um ângulo menor que o do vento real. Aquilo que está a sentir na cara é o vento aparente. Se desenharmos um esquema vectorial representando a velocidade do barco e a velocidade do vento real podemos obter a força e direcção do vento aparente .

real podemos obter a força e direcção do vento aparente . Figura 1: Um paralelograma simples

Figura 1: Um paralelograma simples pode ajudar a determinar a força e direcção do vento aparente.

2

Copyright West Coast – Sailing Centre – Proíbida a Reprodução

www.westcoast.pt

Digamos que o barco veleja com um ângulo de 40º com o vento real. Se a velocidade do barco for de 6 nós e a velocidade do vento real de 12 nós (o dobro) então para obtermos a direcção e força do vento aparente basta desenhar a diagonal que soma os dois ventos originais (soma vectorial).

Neste exemplo, o vento aparente atinge 17 nós e apresenta um ângulo de 27º por comparação ao ângulo de 40º com o vento real.

Há quatro pontos a reter nos diagramas abaixo apresentados. Em primeiro lugar o vento aparente está sempre “à frente” do vento real (excepto nos casos extremos de quando o vento real está mesmo de proa ou de popa). Em segundo lugar, à medida que o vento real se move em direcção à popa a velocidade do vento aparente diminui. Em terceiro lugar, quando o vento real está à popa, uma pequena variação na direcção do vento real implica uma grande variação na direcção do vento aparente. Finalmente, em quarto lugar, quando o barco navega ao largo ou à bolina, o vento aparente é mais forte que o vento real.

O primeiro ponto é particularmente

importante sempre que pensamos em cambar. Antes de efectuar a manobra é importante ter presente qual o ângulo do vento real e a sua diferença face ao vento aparente para temos uma ideia do ponto em que a vela “troca de bordo” bem como do novo rumo. Uma forma

simples de o fazer é arribar até que

o vento real e o vento aparente

estejam alinhados (popa arrasada). Se por exemplo, arribámos 20º então para cambarmos e navegarmos num rumo equivalente mas no bordo oposto temos de orçar

num rumo equivalente mas no bordo oposto temos de orçar Figura 2: O vento aparente está

Figura 2: O vento aparente está sempre para a “frente” do Vento Real.

3

Copyright West Coast – Sailing Centre – Proíbida a Reprodução

20º após a cambadela.

O Segundo ponto – à medida que o

vento real se desloca em direcção à popa a força do vento aparente diminui – é óbvia se já observou um navio a navegar com o vento por trás. Estes, ao sair do porto, às vezes navegam à mesma velocidade e na mesma direcção do vento real. O fumo que sai das chaminés acompanha-os e permanece à volta do navio uma vez que o vento aparente é aproximadamente 0.

www.westcoast.pt

que o vento aparente é aproximadamente 0. www.westcoast.pt Figura 3: À medida que o vento real

Figura 3: À medida que o vento real se desloca em direcção à popa a velocidade do vento aparente diminui.

Esta redução de vento que se sente no convés bem como a diminuição de força nas velas pode levar ao engano ou esquecimento da verdadeira força do vento. Esta diferença torna-se evidente apenas quando se ronda uma bóia e se passa a navegar à bolina. Muitas vezes este esquecimento acontece se o vento aumentou lenta e progressivamente quando navegávamos à popa pelo que antes da passagem à bolina é preciso considerar a hipótese de rizar ou mesmo de trocar a vela de proa ainda com o barco a navegar à popa.

Digamos que o barco navega a 9 nós num vento de 16 nós. Se navega à popa arrasada, o vento aparente é igual ao vento real menos a velocidade do barco, ou seja apenas 7 nós.

A força nas velas é relativamente pequena e no convés tudo está calmo e o vento parece

fraco. Assim que o barco inicia uma bolina a velocidade pode reduzir para 6 nós, mas o vento aparente aumenta para 21 nós. À partida poderíamos assumir que, uma vez que o vento aparente é agora 3 vezes superior, este exerce igualmente 3 vezes mais força nas

velas. A força do vento quadruplica quando a sua velocidade duplica! (o quadrado da

4

Copyright West Coast – Sailing Centre – Proíbida a Reprodução

www.westcoast.pt

velocidade). Neste caso a força do vento é 9 vezes superior no rumo fechado por comparação à navegação à popa e o barco poderá muito provavelmente estar a navegar com excesso de potência. Por isso é importante prever com antecedência esta situação e considerar uma redução de vela durante a navegação à popa.

O terceiro ponto apresentado nos diagramas diz respeito ao facto de que, quando navegamos à popa, uma pequena variação do vento real tem um grande impacto na direcção do vento aparente (compare as figuras 2 e 3 com as figuras 4 e 5). No nosso exemplo, uma variação de 30º na direcção do vento real implica uma variação de 38º na direcção do vento aparente.

Comparando as figuras 4 e 5, abaixo, constatamos que uma variação de 16º no vento real gera uma alteração de 28º no vento aparente. Este é um dos motivos pelo qual navegar à popa é tão complicado. Uma pequena variação no vento real resulta numa grande oscilação do vento aparente.

Se esta variação implicar que o vento aparente muda um bordo ao outro do barco pode gerar oscilação e perda de controlo. Para os menos experientes pode mesmo levar a uma cambadela inesperada.

5

Copyright West Coast – Sailing Centre – Proíbida a Reprodução

www.westcoast.pt Figuras 4 e 5: Uma pequena alteração na direcção do vento real implica uma

www.westcoast.pt

www.westcoast.pt Figuras 4 e 5: Uma pequena alteração na direcção do vento real implica uma grande

Figuras 4 e 5: Uma pequena alteração na direcção do vento real implica uma grande alteração na direcção do vento aparente.

O quarto ponto estabelecia que quando um barco navega ao largo ou à bolina, o vento aparente é mais forte que o vento real. O barco está na realidade a “fabricar” o seu próprio vento. Nos barcos à vela sobre o gelo (“iceboating”) esta é a explicação das grandes velocidades que se conseguem atingir. Alguns destes barcos podem atingir velocidades 5 ou seis vezes superiores à velocidade do vento conseguindo deslocar-se a 120 nós com ventos de 24 nós. Quanto mais depressa o barco se desloca maior a velocidade do vento que cria. Estas velocidades só podem ser atingidas devido à ausência de fricção. Num barco à vela normal a velocidade está desde logo limitada pela resistência exercida pelo casco na água pelo que não é possível aproveitar na integra este fenómeno.

6

Copyright West Coast – Sailing Centre – Proíbida a Reprodução

www.westcoast.pt

No primeiro conjunto de diagramas, todas as variáveis permanecem constantes excepto

a direcção do vento real, que se desloca mais em direcção à popa em cada diagrama.

Vamos agora alterar a velocidade do barco e a força do vento, mantendo a direcção do vento real a 45º da proa.

Note que na Figura 6 a velocidade do vento era originalmente de 10 nós e a velocidade do barco de 4 nós. A extensão ponteada na linha do vento real indica um aumento de 4 nós ou se quiser uma rajada. Na figura podemos constatar que “na rajada o vento desloca-se em direcção à popa”. Para ser absolutamente correcto, é necessário que a velocidade do barco permaneça constante. Na prática, o barco demora algum tempo a ganhar velocidade e quando tal acontece a rajada já passou pelo que a afirmação é verdadeira.

pelo que a afirmação é v e r d a d e i r a .

Figura 6: Na rajada, o vento aparente desloca-se em direcção à popa.

Já sabemos também que uma das formas de defesa contra uma rajada é orçar sempre que se é atingido por um aumento súbito de vento. A figura demonstra porque é que tal

é verdadeiro. Quando a rajada atinge o barco, o vento aparente desloca-se no sentido da

popa causando mais adernamento e alterando o ângulo de incidência nas velas. Por isso estas não estão correctamente mareadas, a menos que se orce ou se opte por folgar. Estas mudanças no vento aparente são importantes mesmo em dias de pouco vento. Quando se navega com uma brisa de 3 nós é possível que durante uma rajada o vento atinja o dobro da força. Quando o vento sopra a 15 nós as rajadas podem atingir 20-22 nós o que significa um terço mais. Assim, a alteração no vento aparente é maior em dias de vento fraco do que em dias de vento mais forte

7

Copyright West Coast – Sailing Centre – Proíbida a Reprodução

www.westcoast.pt

As linhas a ponteado mostram a alteração no vento aparente quando o vento diminui subitamente. Com a velocidade do barco constante e a velocidade do vento a baixar para 6 nós, o vento aparente desloca-se para a vante.

:: Bibliografia e Referências

desloca-se para a vante. :: Bibliografia e Referências PVP: Disponível na nossa Loja em Oeiras The

PVP:

Disponível na nossa Loja em Oeiras

The RYA Sail Trim Handbook for Cruisers is an all-new title and is crammed with useful tips and pointers on one of the fundamentals of good seamanship: sail trim. The book focuses more on the needs of the cruising sailor as opposed to the out-and-out racer. After all, a well-trimmed cruising yacht will be better balanced, easier to handle, and will sail more comfortably.

Sail trim can be bewildering to the novice but the RYA Sail Trim Handbook talks you through the subject in an informative yet entertaining manner. The book is further enhanced by a range of clear, well thought-out illustrations.

Chapters include:

How Sails Work

Jibs & Genoas

Spinnakers

Reefing

Sailing Upwind

Heavy Weather Sailing

Trade Wind Sailing

Upwind ∑ Heavy Weather Sailing ∑ Trade Wind Sailing PVP: 17,50 euros Disponível na nossa Loja

PVP: 17,50 euros

Disponível na nossa Loja em Oeiras

O que é uma boa manobra? É, muito simplesmente, uma manobra bem conseguida. Falar é fácil, mas já não é assim tão fácil executá-la, sobretudo quando o vento, a corrente e a ondulação não ajudam. Por isso se costuma falar da arte da manobra - uma arte que exige uma compreensão perfeita das forças que influenciam o equilíbrio dum barco à vela. Ao cabo de uma minuciosa viagem ao longo de mais de 300 ilustrações claras e precisas e 50 manobras essenciais, o leitor ficará a saber tudo sobre como içar o spi assimétrico, rizar, utilizar o motor, agir em caso de «homem ao mar», cambar ou fundear, além de muitos outros aspectos clara e sinteticamente elucidados neste livro.

8

Copyright West Coast – Sailing Centre – Proíbida a Reprodução