Você está na página 1de 17

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA

Curso de Psicologia
Disciplina de Psicopatologia I

ALTERAÇÃO DE FUNÇÕES PSÍQUICAS
Elaboração: Profª Rosane Romanha

Tubarão – SC

sem intervenção da nossa vontade. quando a atenção acha-se dirigida para um só objeto. a fim de fixar. um estado patológico que se exprime por instabilidade marcante e mobilidade acentuada da atenção voluntária. que por sua própria iniciativa concentra-se num objeto.  VOLUNTÁRIA – Produzida mediante a intervenção da nossa vontade. . FATORES QUE EXERCEM INFLUÊNCIA NO PROCESSO DE ATENÇÃO  ESTÍMULO – Interno ou externo  CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO DO PSIQUISMO CARACTERES DA ATENÇÃO  TENACIDADE – É a propriedade de a atenção estar orientada de modo permanente num mesmo sentido (HIPOTENAZ .  HIPERPROSEXIA – Aumento quantitativo da atenção.  PARAPROSEXIA – Diminuição da intensidade e clareza das demais percepções. ao contrário da distração.HIPERTENAZ)  VIGILÂNCIA – É a possibilidade de desviar a atenção para um novo objeto (HIPOVIGIL – HIPERVIGIL)  DISTRAÇÃO – O termo pode ser utilizado em dois sentidos opostos. seja este uma sensação. percepção. Como impossibilidade de manter constante e concentrada a atenção ou em contrapartida como a condição em que o individuo mantém sua atenção tão tenazmente concentrada que não se dá conta daquilo que se passa à sua volta FORMAS DE ATENÇÃO  ESPONTÂNEA – Exercida ante um estímulo externo. afetivos e traumáticos (diferente da ausência de atenção proveniente da indiferença afetiva ou negativismo). definir e selecionar as percepções e elaborar o pensamento.  DISTRABILIDADE – É. dependente de fatores tóxicos.ALTERAÇÕES DAS FUNÇÕES PSÍQUICAS ATENÇÃO CONCEITO É um processo psicológico mediante o qual concentramos a nossa atividade psíquica sobre um estímulo que a solicita. PSICOPATOLOGIA DA ATENÇÃO  DISPROSEXIA – Lentidão e debilidade da atenção  APROSEXIA – É a falta absoluta de atenção. representação.  HIPOPROSEXIA – É uma diminuição global da atenção. afeto ou desejo. Refere-se a uma superatividade da atenção.

. como existente fora da própria atividade perceptiva..Por aumento do número de intensidade: (hiperestesia) todos os sons parecem altos. do som. cinzento. Sensação é o fenômeno psíquico elementar que resulta da ação da luz. ALUCINAÇÃO – É a percepção sem objeto. todas as cores parecem vivas 2. isto é. do calor sobre os nossos órgãos do sentido. Podem ser classificadas: . em Psicologia. o indivíduo interpreta-a erroneamente.Por abolição da sensibilidade: (anestesia ou analgesia) grau extremo de hipoestesia PERTURBAÇÕES QUALITATIVAS ILUSÃO – É a percepção deformada de um objeto. o ato pelo qual tomamos conhecimento de um objeto do meio exterior considerando como real. na medida em que essa consciência depende de processos sensoriais.Por diminuição do número de intensidade: (hipoestesia) tudo parece escuro. Sem as sensações não existiriam percepções”.. ENERGIA AMBIENTE => ÓRGÃOS TERMINAIS => IMPULSO NERVOSO =>ZONA APROPRIADA DO CÉRBRO => IMAGEM SENSORIAL: Auditivas – Visuais – Gustativas – Táteis – Olfativas “As sensações representam as condições prévias para a percepção. Há um ESTÍMULO Introjeta-se no INDIVÍDUO Em forma de SENSAÇÃO Chega ao CÉREBRO Faz-se CONSCIENTE Converte-se Dá-se a PERCEPÇÃO PSICOPATOLOGIA DA SENSO-PERCEPÇÃO Pode alterar-se em dois sentidos: PERTURBAÇÕES QUANTITATIVAS 1. ela existe e é real.SENSO-PERCEPÇÃO CONCEITO É o processo pelo qual o indivíduo torna-se consciente dos objetos e relações no mundo circundante. os alimentos já não tem mais sabor 3. O termo percepção é empregado corretamente para designar.

sons ou vozes. (também conhecida como alucinação somática)..) Complexas – Quando são diferenciadas (visão de objetos. pessoas. ruídos. que se encontram fora do seu campo visual..1.. que seus olhos estão aumentados...Segundo o momento de produzir-se: Hipnagógicas – imediatamente antes do sono Hipnopômpicas – imediatamente após o sono 2.. palavras. ..) 3. pulgas. animais.  Gustativas e Olfativas – São mais raras. O paciente pode reclamar que seu estômago está podre..Segundo o órgão ou sistema afetado: A) – SENSORIAIS  Visuais – O paciente crê ver algo (objetos. O paciente é perseguido por sensações repugnantes de mau odor ou gosto estranho.  Auditivas – Os pacientes ouvem ruídos.. O paciente crê efetuar um movimento. CINÉTICAS OU MOTORAS Relacionadas ao equilíbrio. frases. sente-se erguido ou assinala que lhe estão levantando um membro.. – CINESTÉSICAS. murmúrios. senão por certos fatos anteriores.Segundo o seu conteúdo: Elementares – Quando são indiferenciadas (chama. Apresentam-se quase sempre associadas. B) – CENESTÉSICAS Estão relacionadas com sensações anormais em diferentes partes do corpo... piolhos. C) MEMÓRIA CONCEITO É um conjunto de atividades que integram processos biofisiológicos. pessoas. próximos ou distantes no tempo. Autoscópicas – percebe a sua imagem corporal como se estivesse diante de si próprio.) que não existem Liliputianas – vê uma série de personagens minúsculos. pessoas. assim como psicológicos. que podem ser elementares ou complexas (geralmente as vozes são auto-acusatórias. pode ocorrer também vozes imperativas).  Táteis – Os pacientes sentem sobre a pele pequenos animais como barata. Às vezes são sabor e gosto que não podem ser identificados. os quais não se podem produzir atualmente.. isolados ou acompanhados de pequenos animais em movimento. Extracampina – vê objetos.

devido ao fato de serem emocionalmente insuportáveis. podendo ainda. conservar durante um longo tempo. voltar a recordar certos conteúdos reprimidos. Traz-se a consciência o material previamente fixado e conservado. ESQUECIMENTO (oposto da evocação) – Se dá por três vias: 1) Esquecimento normal. Pelo ato da fixação se estabelece a disposição mnêmica ou seja a potencialidade de recordar o fixado. por esforço próprio. 3) Esquecimento por recalque (Freud): Certos conteúdos mnêmicos. 2) Esquecimento por repressão (Freud): Quando se trata de material desagradável ou pouco importante para o indivíduo. podendo ser recuperados apenas em circunstâncias especiais. não constituindo por si só um fato patológico. A evocação exige a existência de um evocador. tanto mais fácil será sua evocação. Classificam-se em:  HIPERMNÉSIA – Assim denomina-se o aumento simples da memória. . são banidos da consciência. C) EVOCAÇÃO OU RECONHECIMENTO – A evocação é a memória propriamente dita. Notando falhas no relato temos dificuldades em concluir se isso decorre de insuficiência conservação ou de defeito de evocação. PSICOPATOLOGIA DA MEMÓRIA QUANTITATIVAS – Referem-se ao número de representações mnêmicas. É a capacidade de reconhecer a representação evocada como um componente previamente fixado e não como uma experiência nova da consciência. que podem variar para mais. mas a capacidade para um grau exagerado de lembranças. fisiológico: por desinteresse do indivíduo ou por desuso.É a faculdade de fixar determinado estímulo. Quanto mais agradáveis forem os afetos ligados ao material fixado. o sujeito. evocar quando necessita ou crê conveniente e por último reconhecê-lo ou identificá-lo. B) CONSERVAÇÃO – Alguns autores negam a existência desta fase. ETAPAS DO PROCESSO MNÊMICO A) FIXAÇÃO – A “fixação” depende naturalmente da repetição do próprio ato de fixar. quando um estado de excitação psíquica traz como conseqüência uma exaltação da memória ou para menos quando há inibição (de causa orgânica ou afetiva) que produz uma diminuição do número de representações. Na prática distinguimos três modalidades de fixação:  MECÂNICA – O texto fixado é repetido literalmente (decorado)  RACIONAL – Ao fixar procuramos integrar os fatos ao nosso cabedal intelectual  MENMOTÉCNICA – Acontece quando criamos relações esdrúxulas para facilitar a disposição mnêmica.

. gustativa.  “Déja vu” – Impressão de já ter vivenciado antes o que na realidade é visto pela primeira vez. nunca aconteceram. outros em forma fragmentadas e outros não esquecem. Podem ser produzidas ainda por fatores ORGÂNICOS (quando há alguma perturbação fisiológica) ou PSICOGÊNICA (quando a recordação está inibida por razões psicológicas).  Alucinação de Memória (alucinações mnêmicas .Criptomnésia) – É um falseamento da memória Trata-se de evocação deformada ou com detalhes imaginários. QUALITATIVA – Também chamadas de PARAMNÉSIAS ou FALSOS RECONHECIMENTOS. às vezes de duração breve.. Classifica-se segundo sua extensão em PARCIAIS (se produzem num determinado sentido – visual.) ou GERAIS (quando abrangem todos os dados do conhecimento).AMNÉSIA DE EVOCAÇÃO ou RETRÓGRADA – o paciente não recorda fatos há muito fixado pela memória. Há incapacidade do doente de reconhecer como falsas as imagens produzidas pela fantasia. Tipos de amnésia: 1.Confabulação) – É a evocação de algo que nunca se fixou nem conservou. auditiva. reconhecimento que não correspondem a realidade. .  Ecmnésia – Consiste na revivência muito intensa.  AMNÉSIA – É a perda total da memória.. ou seja.É o processo pelo qual apreendemos o ambiente e nos situamos em relação a ele.AMNÉSIA TOTAL ou RETROANTERÓGRADA – o paciente perdeu toda a capacidade mnêmica.  Ilusão de Memória (ilusões mnêmicas .  HIPOMNÉSIA – É a diminuição do número de lembranças evocáveis na unidade de tempo. 3. São “invenções”... TIPOS DE ORIENTAÇÃO: AUTOPSÍQUICA ou mundo interior – Refere-se a própria pessoa. Consistem no relato de coisas fantásticas que. produtos da imaginação do paciente que preenchem um vazio da memória. na realidade. que ou não podem ser evocados ou o são a custa de grande esforço. de lembranças anteriores que pareciam esquecidas.  Fenômeno do Nunca Visto – O paciente acredita nunca ter visto algo que na realidade já vivenciou. DISMNÉSIA – O paciente esquece alguns fatos em forma total e absoluta. Compreende: A) – Consciência da situação (qual é q minha situação) B) – Consciência da enfermidade (noção de que realmente está doente) C) – Noção da própria personalidade.AMNÉSIA DE FIXAÇÃO ou ANTERÓGRADA – o paciente não consegue recordar fatos recentes 2. ORIENTAÇÃO CONCEITO .

perceber e conhecer os seus objetos – é um processo de coordenação e de síntese da atividade psíquica. embora o paciente esteja completamente lúcido. Trata-se especificamente do nível de consciência. quanto nos processos psicogênicos.  Desorientação Delirante – Quando decorre de idéias delirantes.a capacidade de apreender. representação ou conceito). NÍVEIS DA CONSCIÊNCIA Clareza – Grau de lucidez . Definição psicológica – A soma total das experiências conscientes de um indivíduo em um determinado momento. ORIENTAÇÕES DA CONSCIÊNCIA Consciência do eu – conhecimento que temos de existirmos como individualidade distinta das demais coisas do mundo. Na relação do eu com o meio ambiente. Integração – Capacidade associativa. mês e anos) B) No espaço (lugar onde se encontra) PSICOPATOLOGIA DA ORIENTAÇÃO Observam-se tanto nos processos orgânicos.ALOPSÍQUICA – Compreende: A) No tempo (dia. simultaneamente.  Desorientação – Pode ser AUTOPSÍQUICA ou ALOPSÍQUICA  Desorientação Completa – Quando atingem ambos os casos.tudo que é aprendido e que se encontra no campo da consciência – seja uma percepção. lúcido.  Desorientação Amnésia – Quando há transtornos de memória presente.expressa o nível de clareza. acordado. . a consciência é a capacidade de o indivíduo entrar em contato com a realidade.  Desorientação Confusa – Quando decorre de um obscurecimento da consciência (em estados tóxicos ou infecciosos). CONSCIÊNCIA CONCEITO Definição neuropsicológica – Emprega o termo no sentido de estado vigil estar desperto. uma representação. determinado número de objetos com clareza e precisão (percepção. ou um conceito.  Desorientação Apática – Quando existe falta de interesse de energia psíquica insuficiente. Amplitude – O alcance do campo da consciência . Consciência dos objetos .

SONHO – É a maneira d o pensamento se manifestar durante o sono – pode ser denominado de pensamentos oníricos. 4. 3.. um estado comportamental e uma fase fisiológica normal e necessária do organismo. É também. o indivíduo entra em um estado semelhante a um sonho muito vívido..COMA – Estado mais acentuado de perda de consciência com desaparecimento total da atividade motora. 2.SOPOR (ou torpor) – É um estado de marcante turvação da consciência... ALTERAÇÕES PSICOPATOLÓGICAS ALTERAÇÕES QUANTITIVAS . Caracteriza-se.OBNUBILAÇÃO (ou turvação da consciência) – Rebaixamento da consciência em grau leve e moderado. essencialmente.. podendo ser definido como sono doentio ou forte sonolência patológica. com a conservação de uma atividade psicomotora mais ou menos coordenada. Durante o sono. permitindo a ocorrência de atos automáticos. o pensamento liberta-se das referências lógicas e ambientais que o dirigem e regulam.DISSOCIAÇÃO DA CONSCIÊNCIA (estado segundo) – Fragmentação ou divisão do campo da consciência. dificuldade de concentração. 1. 5. ao mesmo tempo. desperto até o coma profundo.. dificuldade em concentrar-se e agitação ou lentificação psicomotora ALTERAÇÕES QUALITATIVAS – Estados alterados os quais se têm uma alteração parcial ou focal do campo da consciência.DELIRIUM (ou síndromes confusionais agudas) – Quadros com rebaixamento leve a moderado do nível de consciência acompanhados de desorientação temporo-espacial. acompanhado de uma carga emocional marcante.ALTERAÇÕES NORMAIS SONO – É um estado especial da consciência. e passam a flutuar livremente e manifestar idéias em forma de imagens oníricas. 2. que ocorre de forma recorrente e cíclica nos organismos superiores. . paralelamente à turvação da consciência e à confusão mental.ESTADOS CREPUSCULARES – Redução acentuada da amplitude do campo da consciência. pela diminuição do grau de clareza do sensório. ocorrendo perda da unidade psíquica comum do ser humano..Rebaixamento do nível de consciência desde um estado vigil.DELÍRIO ONIRÓIDE (ou estado onírico) – alteração da consciência na qual. com lentidão da compreensão . (Neurologistas: transtornos focais ou do conteúdo da consciência – psiquiatras: alterações qualitativas da consciência) 1.

a existência vital é experimentada como dotada de uma extensão sem limites e o mundo não é mais vivenciado como barreira que nos torna conscientes da limitação da nossa individualidade. conceber.. 4. estabelecemos a crítica e efetuamos as sínteses das coisas.. é a vivência de sentir-se fora de si. representa o mais elevado grau do sentimento vital. são formas características do pensamento.. mas dele difere pela presença da atividade motora automática e estereotipada acompanhada de suspensão parcial dos movimentos voluntários. 1993) 1.. o enfermo vivencia estados de consciência alternantes. Julgar... as associamos. ALTERAÇÕES DA CONSCIÊNCIA DO EU (PAIM. seguindo-se as vias estabelecidas pelo processo associativo. recordar...TRANSE – Estado de dissociação da consciência que se assemelha a um sonho acordado. prever e de certo modo.No início dos quadros psicóticos ou após remissão de sintomas é possível observar.POSSESSÃO – Caracterizada pelo fato de o indivíduo sentir-se “possuído” por entidades sobrenaturais. correspondentes a duas personalidades distintas: a consciente e a inconsciente. .. imaginar. ou de que o enfermo não se encontra vivo e sim morto. especialmente por espíritos ou pelo demônio. É um estado de consciência semelhante ao transe. sentindo seu eu mudado ou transformado. o sentimento de transformação íntima e interna. 3. em alguns enfermos. mediante a qual os dados elaborados do conhecimento selecionam-se e orientam-se ao redor de um propósito.CONVICÇÃO DE INEXISTÊNCIA – É a convicção de inexistência do próprio corpo ou de certos órgãos. raciocinar..3. abstrair. 4. que surge em conseqüência de acontecimentos desagradáveis. no qual a sugestionalidade do indivíduo está aumentada. 2. algo vago e indefinido....ESTADOS SEGUNDOS – Alteração especial da consciência vigil.. Mediante o pensamento elaboramos as nossas idéias. sem que uma conserve lembrança da outra. PENSAMENTO CONCEITO O pensamento é o aspecto funcional da vida psicológica..ESTADO HIPNÓTICO – É um estado dE consciência reduzida e estreitada e de atenção concentrada que pode ser induzido por outra pessoa. 5.ÊXTASE – Em termos psicológicos.VIVÊNCIA DE TRANSFORMAÇÃO DO EU . a sua atenção concentrada sobre o hipnotizador.

(Breurer chamava de pensamento derreísta – semelhante ao pensamento mágico. preenchida pelos mais diversos conteúdos e interesse do indivíduo.Propicia uma coordenação coerente e lógica das idéias afins. aprovando-as ou desaprovando-as. compreender suas reações e tirar conclusões. aqui o pensamento obedece à lógica e à realidade só naquilo que interessa ao desejo do indivíduo. Idéia é a concepção que nossa mente faz de qualquer fato subjetivo ou objetivo. através do qual conectamos uma idéia com outra.) QUANTO AO CURSO: (FORMA) .É o processo pelo qual nossa mente elabora idéias. QUANTO À PRODUÇÃO: Refere-se a estrutura básica. Distinguem-se o juízo subjetivo (quando dirigido ao próprio indivíduo) e o juízo objetivo (quando dirigido ao mundo externo).  INIBIÇÃO DO PENSAMENTO (LENTIFICAÇÃO DO PENSAMENTO) – É uma alteração na qual. a “arquitetura”.  PENSAMENTO LÓGICO (pensamento normal) – caracterizado por ser regido pela lógica formal. passando de forma ininterrupta e sem desvios da idéia inicial a uma idéia final (mecanismo pelo qual conectamos uma idéia a outra). PSICOPATOLOGIA DO PENSAMENTO Os distúrbios do pensamento podem ser quanto à produção. tanto o início como o curso do pensamento são muito lentos. Representa a capacidade pessoal de resolver situações. As idéias são atropeladas uma pelas outras. É importante observar se a associação de idéias realiza-se com ritmo normal e se seu conteúdo efetua-se de uma forma coerente. Quando isso não ocorre temos:  FUGA DE IDÉIAS (DESCARRILAMENTO DO PENSAMENTO – AFROUXAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES) – Produção extremamente rápida de uma idéia a outra sem levar em conta os processos lógicos. adequando a realidade ao pensamento e não ao contrário. Utiliza-se ainda o termo juízo da realidade (ou exame da realidade) para designar o processo mental pelo qual somos capazes de distinguir um estímulo interno de um externo. é um tipo de pensamento que se opõe radicalmente ao pensamento realista.  PENSAMENTO MÁGICO – É o tipo de pensamento que fere frontalmente os princípios da lógica formal e também não respeita os indicativos imperativos da realidade. Os . bem como por orientar-se segundo a realidade e os princípios da racionalidade.  JUÍZO – É a capacidade para comparar os fatos.FUNÇÕES QUE INTEGRAM O PENSAMENTO:  IDEAÇÃO . O pensamento mágico segue os desígnios dos desejos e fantasias.  ASSOCIAÇÃO DE IDÉIAS – É o mecanismo psíquico. Há uma incapacidade absoluta de levar o raciocínio a uma conclusão (é comum nos estados maníacos). idéias. ao curso e ao conteúdo. distorcendo a realidade para que ela se adapte aos seus anseios.

sempre expressando acusações ou depreciações.  INTERCEPTAÇÃO (BLOQUEIO) – Tanto a expressão como o curso do pensamento cessam bruscamente. A personalidade é absorvida pela idéia e posta à sua disposição. se perde numa série de pormenores desnecessários.  DELÍRIO DE REFERÊNCIA ou de RELAÇÃO – Fatos. Geralmente caracteriza-se pela falta de consciência do transtorno. O pensamento desagregado mostra-se despedaçado e desorganizado. Quando existe uma idéia supervalorizada o indivíduo fica cego para o resto. belo. . selecionará unicamente lembranças e observações que convenham ao seu propósito de confirmá-la. de choques elétricos que lhe são aplicados à distância. situações ou palavras de outras pessoas são interpretados pelo paciente como sendo significativamente relacionados a si próprio. aceitas pelo juízo de realidade como verdadeiras. Há um falso sentimento de remorso.pacientes falam devagar e habitualmente em voz baixa.  PERSEVERAÇÃO – Consiste na repetição automática e freqüente de idéias que são introduzidas como um material de recheio.  ROUBO DO PENSAMENTO – Geralmente associado ao bloqueio do pensamento. 2. através de aparelhos especiais. A todo instante. Pode surgir de maneira súbita como também de maneira lenta e progressiva. QUANTO AO CONTEÚDO 1. O pensamento prolixo pouco muda de tema. de radiações. onde se perde toda a coerência. amado. Tudo serve de motivo para alimentar a desconfiança..  DELÍRIO DE AUTO-ACUSAÇÃO (CULPA) – O indivíduo sente-se responsável por coisas ou atos que não cometeu. O paciente acredita-se poderoso..  DESAGREGAÇÃO DO PENSAMENTO (SALADA DE PALAVRAS) – É uma seqüência ilógica de idéias. o paciente.  DELÍRIO PERSECUTÓRIO – Caracteriza-se por desconfiança excessiva. associada a um tom afetivo intenso. A inibição se encontra mais em estados depressivos.  DELÍRIO DE INFLUÊNCIA – Não raramente aparece associado a idéias de perseguição. para preencher as falhas na evocação de novos elementos. por uma força ou ente estranho.. forte. Os pacientes se sentem vítimas de influências telepáticas. atos. O paciente tem a nítida sensação de que seu pensamento foi roubado de sua mente. pela irredutibilidade e tendência à difusão. Às vezes a interrupção é momentânea e passados alguns segundos o paciente retorna e às vezes é definitivo e quando retorna começa outro pensamento completamente diferente. rico. ou conjunto de idéias errôneas. não só de seu conjunto como em seus termos de idéias.  PROLIXIDADE – Termo usado para designar a minuciosidade excessiva do pensamento.IDÉIAS SUPERVALORIZADAS (IDÉIAS PREVALENTES) – Centralização do conteúdo do pensamento em torno de uma idéia particular.DELÍRIOS – É uma idéia. CLASSIFICAÇÃO DOS DELÍRIOS :  DELÍRIO DE GRANDEZA (ENORMIDADE) – Concepção exagerada da própria importância. mas pode ocorrer também na esquizofrenia. especialmente em relação às pessoas com as quais se encontra em contato imediato.

 DELÍRIO CENEOSPÁTICO – O indivíduo afirma que existem animais ou objetos dentro de seu corpo. DELÍRIO HIPOCONDRÍACO – Presença de crenças e preocupações injustificadas e irredutíveis em relação ao estado de saúde corporal.. se junta ao quadro um delírio de perseguição. mas sem a temática de doenças. em conseqüência disso.  DELÍRIO DE DESCENDÊNCIA – O paciente crê-se filho de algum personagem ilustre.  DELÍRIO DE NEGAÇÃO DE ÓRGÃOS– A pessoa nega sua própria existência. sem conseguir. não serem compreendidos e por não poderem ser rechaçados.  DELÍRIO ERÓTICO (EROTOMANÍACO) – O indivíduo afirma que uma pessoa. querelas familiares. Um tipo de mentira na qual a pessoa parece crer na realidade de suas fantasias e age de acordo com estas. se sente morta ou nega a existência de seus órgãos. está condenado à miséria. revolucionar ou redimir o mundo ou a sociedade. sem qualquer crítica.. . caracterizam-se por não serem desejados.  DELÍRIO DE INFESTAÇÃO (Síndrome de Ekbom) – O indivíduo acredita que seu corpo (principalmente sua pele e seus cabelos) está infestado por pequenos (macroscópicos) organismo. Em casos graves os doentes fogem da corrente de ar e pedem encarecidamente que ninguém lhes toque.OBSESSÕES (RUMINAÇÃO): São pensamentos que por si só. o futuro reserva apenas sofrimentos e fracassos.  DELÍRIO MÍSTICO .  DELÍRIO REFORMADOR (SALVACIONISMO) – Ocorre em indivíduos que se sentem destinados a salvar. reformar. envolve-se em intermináveis disputas legais..). baseando-se em sensações corporais vivenciadas por ele. Geralmente trata-se de inventos com escassa finalidade prática.  DELÍRIO DE CIÚMES (INFIDELIDADE) – É a convicção inabalável de traição por parte da pessoa amada. Diante do pouco caso que dão à sua invenção. ou de grande importância para ele. mudar as estações do ano. Geralmente associados à ansiedade. ele e sua família passarão fome. afirma ser vítima de terríveis injustiças e discriminações e.  DELÍRIO DE REINVIDICAÇÃO (QUERELÂNCIA) – O indivíduo de forma completamente desproporcional em relação à realidade. em geral de destaque social.  DELÍRIO MITOMANÍACO (FANTÁSTICO – PSEUDOLOGIA) – O indivíduo descreve histórias fantásticas com convicção plena. embora não haja base real no passado ou presente (encontrado com freqüência nos alcoolistas crônicos). Os pacientes declaram a sua convicção de que estão afetados por graves doenças. com receio de que seu corpo se desfaça pelo simples contato. 3.  DELÍRIO DE INVENÇÃO (DESCOBERTA) – Reveste o aspecto de invenção de aparelhos e descobertas científicas (máquinas especiais. processos trabalhistas. rapidamente. irrompem na consciência contra o desejo inconsciente do doente.Caracteriza-se por idéias religiosas que pela sua intensidade podem levar ao estado de êxtase. cura para enfermidades. que não compreende seu significado e se esforça em rechaçá-lo.  DELÍRIO DE RUÍNA (NIILISTA) – O indivíduo vive em um mundo repleto de desgraça. está totalmente apaixonado por ele e irá abandonar tudo para com ele se casar. O paciente acredita que tem poderes místicos. ao mesmo tempo em que nega seus verdadeiros pais.

que o paciente realiza sem planejar ou controlar. É a clássica salada de palavras. .  BRADILALIA (BRADIFASIA) – Diminuição da velocidade de expressão por lentidão associativa (aparece geralmente nos melancólicos).  VERBORRÉIA OU TAQUILALIA (LOGORRÉIA .  ECOLALIA – Repetição.  ALOGIA . É o conjunto de sinais convencionais que o homem utiliza para expressar seus pensamentos e sentimentos.  VERBIGERAÇÃO – É a repetição incessante durante dias.  NEOLOGISMO – São palavras criadas pelos pacientes. ela pode ser: ORAL. persistente e irracional provocado por um estímulo ou situação específica. e por razões psicológicas idiossincráticas.  PARALOGIA (FENÔMENO DAS PARA-RESPOSTAS)– Emprego de respostas verbais sistematicamente inadequadas às perguntas. o paciente movimenta os lábios de maneira automática produzindo murmúrios ou sons confusos.. Característica dos estados de excitação.POR PERTURBAÇÕES AFETIVAS – Incluem os casos nos quais a expressão verbal apresenta-se perturbada por causas afetivas. involuntário. ocasionando um desejo compulsivo de evitar o estímulo temido. Tomando a linguagem como meio de expressão. das últimas palavras que chegam ao ouvido do paciente. empregadas com sentido desfigurado. LINGUAGEM CONCEITO É a expressão do pensamento por meio de palavras. emitindo fonemas. semanas e até meses de palavras e frases pronunciadas em tom monótono. mas ligadas a elas por certa relação de sentido.É a pobreza do discurso.4.  MUTISMO – Consiste na inibição da palavra falada (deve ser distinguida da afasia. é como se o paciente falasse somente “para s”. É manifestada por respostas breves.. È um terror exagerado e invariavelmente patológico de algum tipo específico de estímulo ou situação. apenas movendo discretamente os lábios. sem que haja comprometimento dos elementos encarregados da articulação da linguagem. como um eco. freqüentemente por combinação de sílabas de outras palavras.FOBIAS: Medo forte. palavras ou frases pouco compreensíveis e muito repetitivas. ESCRITA e MÍMICA. tornando a linguagem completamente incoerente e incompreensível. PERTURBAÇÕES DA LINGUAGEM ORAL: (duas grandes perturbações) 1. É um fenômeno quase que automático. declamatório ou patético.TAQUIFASIA) – Aceleração da velocidade de expressão por aceleração associativa. lacônicas e Vazias.  MUSSITAÇÃO – Expressão da linguagem em voz muito baixa. onde o paciente não fala porque não pode falar).  JARGONOFASIA – Consiste na produção contínua de palavras sem ordem lógica.

PSICOPATOLOGIA DA AFETIVIDADE  HIPERTIMIA (AFETOS PRAZEIROSOS ou ELAÇÃO) – É um estado de ânimo morbidamente elevado. Destaca-se: Euforia Patológica ou Êxtase. com o conteúdo do pensamento.MODIFICAÇÕES NA EMISSÃO DA LINGUAGEM ORAL – Compreende vasto grupo de perturbações decorrentes de problemas no aparelho fonador. vulgares ou relativas a excrementos. um PERTURBAÇÕES DA LINGUAGEM MÍMICA: Podemos classificá-las em:  HIPERMÍMICA – Aumento dos movimentos faciais patognômico dos estados de excitação mental. interferindo com os processos associativos. Os componentes afetivos são eminentemente dinâmicos e participam de toda a vida mental. mas impossível de ser contido.  TIQUES VERBAIS (TIQUES FONÉTICOS – COPROLALIA) – Produção de fonemas ou palavras de forma recorrente. via de regra. sílaba ou som.  AMÍMICA – Imobilidade facial absoluta (estados catatônicos e melancólicos).  PARAMÍMICA – A mímica reflete um estado que na realidade não traduz o estado afetivo do indivíduo. com a clareza da consciência. É algo desagradável. AFETIVIDADE CONCEITO É a capacidade de experimentar sentimentos e emoções. que se intercala entre frases. O paciente produz. PALILALIA (LOGOCONIA) – Repetição automática e estereotipada pelo paciente da última ou das últimas palavras que o próprio paciente emitiu. em toda a atividade do homem.. favorecendo certas tendências ou inibindo as inaceitáveis.  HIPOMÍMICA – Diminuição da expressão facial. sem nenhuma finalidade. abruptos e espasmódicos. A coprolalia é a emissão involuntária e repetitiva de palavras obscenas. 2. sons guturais. PERTURBAÇÕES DA LINGUAGEM ESCRITA: Diz respeito à escrita dos pacientes.  ESTEREOTIPIA VERBAL – Consiste na repetição automática de uma palavra. imprópria e irresistível. É como se houvesse uma “impropriedade mímica”. determinando nossa atitude geral de aceitação ou rejeição em face de uma experiência. .

 ANGÚSTIA – É um estado exaltado de tensão acompanhado de um sentimento vago. irritabilidade.  INCONTINÊNCIA EMOCIONAL – Facilidade com que se produzem as reações afetivas.  ANSIEDADE – É uma contínua e acentuada sensação de ameaça na maioria das vezes de motivação subjetiva.Quando a emoção não corresponde ao estímulo. o ódio e o rancor.  HUMOR DISFÓRICO – Um estado de ânimo desagradável. como o ressentimento.  AFETO EMBOTADO (EMBOTAMENTO AFETIVO) – É a perda profunda de todo tipo de vivência afetiva.  EUFORIA – Intensa relação com sentimentos de grandeza. acompanhadas de certo grau de incapacidade para inibi-las.  MEDO – É a resposta a um perigo real e reconhecido que desaparece quando a situação que lhe deu origem é eliminada.  TENACIDADE AFETIVA – Persistência anormal de certos estados afetivos. à ira e ao furor. de perigo imediato.  AFETO INADEQUADO .  PUERILISMO – Regressão da personalidade adulta ao nível do comportamento infantil (o paciente adota inconscientemente as atitudes e a linguagem de uma criança). CONDUTA (Atividade Voluntária – Ação – Conação) CONCEITO . distinguindo em formas mais leves ou formas mais intensas. podendo variar desde uma ligeira indisposição até o estupor.  DEPRESSÃO – Sentimento psicopatológico de tristeza. simultaneamente e em relação ao mesmo motivo. sempre acompanhada de extraordinária intensidade de reação afetiva.  ANEDONIA . HIPOTIMIA (HIPOTIMIA ou Humor Deprimido ) – É um estado de ânimo diminuído. aumento da capacidade de reação a determinados estímulos e intolerância pelos ruídos.Falta de prazer. acompanhada por impaciência.  CULPA – Emoção secundária a fazer algo que é percebido como errado.  PÂNICO – Ataque agudo de ansiedade associado com sentimentos sufocantes de medo e de descarga autônoma.  INSTABILIDADE AFETIVA – Se produz a mudança rápida e imotiva do humor. provocando modificações fisiológicas. mas muito inquietante.  APATIA (INDIFERENÇA AFETIVA) – É a diminuição da excitabilidade emotiva e afetiva. que se processa com duração muito limitada.  AMBIVALÊNCIA AFETIVA – Consiste em experimentar sentimentos opostos.  IRRITABILIDADE PATOLÓGICA – Predisposição especial ao desgosto.  ALEXITIMIA – Incapacidade ou dificuldade para descrever ou conscientizar-se das próprias emoções e estados de?animo.  TENSÃO – Ansiedade com aumento da atividade motora e psicológica de características desagradáveis.

idéias..  AMBITENDÊNCIA – Em nível de conduta a pessoa não sabe se faz uma coisa ou outra. como se fosse um esforço penoso.  ATOS EM ECO (FENÔMENOS EM ECO) . que perseguem certo objetivo.  AVOLIÇÃO – Caracteriza-sepor incapacidade de iniciar e persistir em atividades dirigidas a um objetivo. na prática não podem ser diferenciados. A repetição voluntária transforma os atos volitivos em atos automáticos.  ATOS COMPULSIVOS – Tendência insistente. por exemplo). que contraria os desejos comuns e os próprios padrões de conduta.  COMPORTAMENTO DESORGANIZADO – O comportamento desorganizado varia desde o comportamento tolo e pueril até agitação imprevisível. mas uma tendência psicomotora da atividade psíquica. São impulsos antagônicos que se fazem conscientes simultaneamente (desejar ao mesmo tempo duas coisas). A pessoa pode tornarse acentuadamente desleixada. O Indivíduo obedece automaticamente. o que é uma experiência assustadora. pois o objeto do trabalho é constantemente mudado. imperativa e repetitiva para realizar um ato não-desejado. que fica consciente. as sugestões ou ordens exteriores são compulsivas e automaticamente obedecidas. Tal atividade tem um propósito que nunca é alcançado. PSICOPATOLOGIA DA CONAÇÃO  AUMENTO DA ATIVIDADE – Também denominado Hiperatividade. exibir condutas sexuais inadequadas (masturbação em público. ou tornar-se agitada sem um fator desencadeante (gritar ou praguejar). como um robô teleguiado. vestir-se de modo incomum. Existe tipicamente um alongamento do tempo necessário para iniciar uma atividade e uma vez iniciada se executa lentamente. Interfere também na atividade voluntária uma série de elementos reflexos. fazer exatamente o contrário do pedido.A atividade voluntária intervém uma série de processos psíquicos conscientes (sensopercepção.  OBEDIÊNCIA AUTOMÁTICA– É o automatismo às ordens. Não é em si uma função ou faculdade. . idéias. ou ainda. as solicitações. geralmente complexos. ou seja.  CATAPLEXIA – Perda temporária do tônus muscular e fraqueza. sentimentos. automáticos e instintivos que. O ato pode ser de natureza simples ou em forma de ritual.  MANEIRISMO – Um tipo de estereotipia caracterizada por movimentos bizarros e repetitivos.Pode tomar a forma de ecolalia: uma repetição das palavras do interlocutor ou ecopraxia: imitação dos movimentos observados em outras pessoas  NEGATIVISMO –Resistência do paciente em executar o que se pede a ele.  ESTEREOTIPIAS – Padrão repetitivo fixo de ação ou fala. Designa em medicina. mesmo que esdrúxulo. mas incapaz de falar ou de se mexer.) que determinam a direção e a intensidade da ação. precipitada por uma variedade de estados emocionais. Pode apresentar pouco interesse em participar de atividadesprofissionais e sociais.. (Agitação Psicomotora)  DIMINUIÇÃO DA ATIVIDADE – Também denominado Hipoatividade. a atonia muscular súbita que provoca a queda do doente.

mantida. Tipicamente o indivíduo em estupor fica restrito ao leito.  HIPOBULIA ou ABULIA – Debilidade ou ausência da vontade. d) Flexibilidade Cérea – A pessoa pode ser “moldada” em uma posição que é.  ATOS AUTOMÁTICOS – Consistem em atos praticados pelo indivíduo sem a interferência da vontade e sem que ele saiba o que está realizando. contrária a todos os esforços para a mobilização. a) Catalepsia – Estado em que se observa uma rigidez cérea dos músculos. de modo que o paciente permanece na posição em que é colocado. ATOS IMPULSIVOS – São ações isoladas. c) Estupor Catatônico – Estado de ausência completa de resposta. b)Excitabilidade Catatônica – atividade motora agitada. e) Rigidez Catatônica – manutenção de uma postura rígida.  CATATONIA – Anomalias motoras em distúrbios não orgânicos. Quando o examinador movimenta um membro da pessoa. sem finalidades. e que não há contrações. sem reflexão e desprovidas de finalidade. não influenciada por estímulos externos. súbitas. embora os músculos se apresentem mais ou menos rijos. involuntárias. então. sente como se este fosse feito de cera. porém sem reagir de modo algum ao ambiente. . com imobilismo e mutismo. acordado.