Você está na página 1de 6

CASO 08

Caso Concreto
Mário, contumaz receptador de veículos furtados, adquiriu um veículo Gol em
fevereiro de 2003, alterando-lhe a placa e o chassi. Desde então, Mário vem
utilizando contínua e ininterruptamente o veículo. No entanto, em maio de 2013
Mário foi parado em uma blitz que apreendeu o veículo, mesmo tendo este
afirmado que como já estava na posse do bem há mais de dez anos, tinha lhe
adquirido a propriedade por usucapião. Pergunta-se: bens furtados ou roubados
podem ser objeto de usucapião por pessoa que conhece sua origem? Justifique sua
resposta.
Gabarito: Mário poderá adquirir a propriedade do veículo por meio de usucapião,
ainda que conheça a origem ilícita do objeto e desde que preenchidos os requisitos
dos arts. 1260 a 1264, CC (vide Apelação Cível 2002.020040-4, São Francisco do
Sul).
Questão objetiva 1
Sobre os modos de aquisição da propriedade mobiliária, pode-se afirmar que:
a. O pedreiro que realizando uma obra em terreno alheio encontra um baú de joias
não terá direito a pleitear a divisão com o dono do terreno.
b. Aquele que possuir coisa móvel como sua, contínua e incontestadamente,
durante dois anos, com justo título e boa-fé, adquirir-lhe-á a propriedade por
usucapião.
c. Haverá especificação nos casos de escultura em relação à pedra nela utilizada,
por isso, a espécie nova surgida será de propriedade do escultor.
d. O biodiesel é forma de comistão uma vez que tem origem da mistura de coisas
líquidas em que não é possível a separação.
e. Quem quer que ache coisa alheia perdida res perdita deverá restituí-la ao seu
dono ou legítimo possuidor, não podendo pela devolução exigir qualquer forma de
recompensa.
Gabarito: C (art. 1269, CC).
Questão objetiva 2
Sobre a descoberta e ocupação, é correto afirmar que:
a. A apropriação de uma coisa sem dono (res nullius) constitui um negócio jurídico
uma vez que resulta da intenção de assenhorar-se do bem.
b. Para efetivar-se a ocupação é essencial a apreensão da coisa com as próprias
mãos.
c. A coisa perdida é suscetível de ocupação.
d. O tesouro pode ser considerado na legislação brasileira uma forma de ocupação
uma vez que pode ser caracterizado como res nullius ou res derelicta.
e. O usufrutuário não terá direito à parte do tesouro encontrado por outrem, quando
o usufruto recair sobre universalidade ou quota-parte de bens.
Gabarito: B (art. 1263, CC).
CASO 09
Caso Concreto
Uma confecção de São Paulo encomendou a uma outra empresa a confecção de
diversas etiquetas para serem acrescentadas aos seus produtos. Quanto às
etiquetas, após costuradas nos produtos, pode-se afirmar que houve o fenômeno da
adjunção ou da especificação? Justifique sua resposta.
Gabarito: A adjunção é a reunião de duas coisas, pertencentes a diferentes donos,

Portanto. b. .015061-9 TJSC). e. CC). devendo Sônia conviver com a sujeira. os direitos de personalidade não são passíveis de desapropriação. algo indispensável para suprir carências. CC. procura seu escritório e pergunta: quem tem razão? Explique sua resposta. A desapropriação indireta não pode ser considerada forma de esbulho possessório. a vedação não é absoluta. No entanto. A desapropriação é forma de perda da propriedade e só pode ter fundamento necessidade e interesse público. Todos os bens móveis ou imóveis. c. Sônia solicita a remoção da árvore. mas recebe de Heloisa a informação de que a árvore é protegida por lei municipal de Curitiba e que nada pode fazer a respeito. Questão objetiva 2 Sobre a desapropriação é correto afirmar que: a. IBAMA e Secretaria do Meio Ambiente a árvore não poderá ser removida. perecendo a coisa móvel ou imóvel extinta estará a respectiva propriedade. corpóreos ou incorpóreos. não havendo comprovação de prejuízos e sendo negativos os laudos de bombeiros. podem ser objeto de desapropriação. vez que se trata de árvore em extinção. e. inconformada com a resposta. Sônia. Gabarito: E (art. c. é possível afirmar que houve adjunção na hipótese analisada. gerando efeitos independente do registro do ato renunciativo. portanto. No entanto. acreditando estar havendo mau uso da propriedade. pois cada uma dessas coisas forma uma parte distinta e reconhecível. dá funcionalidade. Não há direito sem objeto. 1274. Gabarito: B CASO 10 Caso Concreto Sônia e Heloisa são vizinhas há alguns anos. mas não se revela imprescindível. d. Questão objetiva 1 Sobre as causas de perda da propriedade. 1275. pode-se afirmar que: a. IV. ainda que o bem seja imóvel. Utilidade pública possui a conotação de urgência.em um só todo. Sônia tem reclamado constantemente à Heloisa de grimpas e galhos que caem da araucária localizada no terreno de Heloisa. b. No entanto. O abandono que dá origem à res derelicta não autoriza a perda da propriedade móvel ou imóvel. conforme art. Necessidade é a qualidade do que acrescenta. A desapropriação é uma das formas de perda voluntária do domínio para atender necessidade ou utilidade pública ou interesse social. Gabarito: embora a lei municipal vede a remoção de araucárias na cidade. uma vez que o Poder Público não se sujeita aos interditos. O desapropriado não terá direito de preferência caso a Administração Pública desista de dar finalidade pública prevista no ato desapropriatório. d. A renúncia à propriedade é considerada negócio jurídico bilateral pelo qual o titular expressa a vontade de excluir a coisa de seu patrimônio. O apossamento administrativo é considerada prática lícita e admitida pelo ordenamento brasileiro. A queda de galhos e grimpas quando ocorre em situações excepcionais não caracteriza mau uso da propriedade a ponto de autorizar a derrubada de árvores (vide Apelação Cível 2006. em dias de chuvas ou vendavais.

Apurou o fato e descobriu que o ruído advinha de um assoalho de madeira instalado em apartamento do terceiro andar. Não existe. em decorrência de contrato de locação e de comodato. d. Contudo. c. Considerando essa situação hipotética. por escritura pública ou escrito particular. sempre outorgando àquele o direito de executar obras no subsolo.00. CASO 11 Caso Concreto (MPE AL 2012 adaptada) Ricardo. Maurício e Douglas são proprietários de um imóvel residencial indivisível. e. típica situação que envolva direito de vizinhança. por tempo determinado.000. conferindo àquele o direito de construir ou de plantar em terreno do concedente. A ação cabível deve versar sobre direito de vizinhança. assinale a opção correta. na verdade. por prazo determinado ou indeterminado.. Gabarito: D (arts. CC). José. Gabarito: B (art. e. quando autorizadas construções ou plantações.000. avaliado em aproximadamente R$ 2.000. Questão objetiva 2 (DPE PI 2009) Norma alugou um apartamento no primeiro andar de um prédio e. dois dias após sua mudança. proprietário.Questão objetiva 1 (TJPE 2013) O direito de superfície é concedido a outrem pelo: a. sendo que a responsabilidade pelo distúrbio deve ser apurada sob o critério objetivo. Thalula. O barulho que incomoda Norma. mediante escritura pública devidamente registrada no Cartório de Registro de Imóveis. constitui um ato ilícito que desencadeia responsabilidade civil. Pedro. a. 1277. igualando a oferta de Thalula. Ricardo e Pedro querem vender o imóvel e desfazer o condomínio. por tempo determinado. a preferência para aquisição do imóvel será primeiramente conferida quem? Explique sua resposta. e independentemente do registro no Cartório de Registro de Imóveis. apurado que quem construiu o assoalho foi o antigo proprietário do apartamento. Norma deve procurar a locadora. 1253 e ss. b. independentemente da aplicação das regras do direito de vizinhança. devendo o instrumento ser registrado no Cartório de Registro de Imóveis. proprietário. Gabarito: O direito de preferência deverá ser conferido àquele que tiver as benfeitorias mais valiosas de acordo com o art. Maurício e Douglas pretendem exercer o direito de preferência assegurado por lei. nessa hipótese. CC). mediante escritura pública devidamente registrada no Cartório de Registro de Imóveis. proprietário ou possuidor. contudo. até porque os andares do prédio não são confinantes. caracterizado pelo direito de construir ou de plantar em terreno do concedente. d. .00. proprietário. caracterizado pelo direito de construir ou de plantar em terreno do concedente. sentiu-se incomodada por ruído excessivo. situado em bairro nobre de São Paulo. b. se interessa pelo imóvel e oferece aos condôminos a quantia de R$ 2. por escritura pública registrada no Cartório de Registro de Imóveis. José. este deve responder pelo caso. Neste caso. 504. para que esta proponha a ação cabível. empresária. c. CC. entre estes condôminos. A hipótese deve ser tratada sob o crivo do direito de vizinhança.100. já que detém apenas a posse do bem e esta é uma questão de vizinhança. proprietário.

férias e feriados. 1318. terá preferência legal na administração do imóvel. só ela ficará obrigada ao pagamento diante do terceiro. podendo Giovana usar o pátio com exclusividade. Se Silvana possuir o maior quinhão. O pleito de posse fundado no domínio tem natureza petitória em razão da causa de pedir. não é preciso autorização das demais condôminas para que ela empreste a casa a uma amiga naquele período. A ação em que o autor pleiteia a posse fundada no domínio tem natureza possessória em razão do pedido. c. se Teresa resolver alugá-la temporariamente a uma clínica de estética. é CORRETO no direito brasileiro: a. nada obstará esse comportamento. desde que o lucro obtido seja repartido entre as três condôminas. Giovana. por ter verificado que o valor dela cobrado era superior àquele exigido dos demais condôminos. distingue-se a proteção à posse daquela conferida especificamente ao domínio.Questão objetiva 1 (PC GO 2008) Na tutela dos direitos reais. que conta com um apartamento por andar. a. Caso Sandra contraia dívida em proveito do condomínio durante sua estada no imóvel. Em relação à situação apresentada está correta a cobrança apresentada à Giovana? Justifique sua resposta. segundo afirmado pelo síndico. cujo imóvel esteja em reforma. A situação descrita na situação hipotética é exemplo de elisão do princípio da exclusividade que se dirige ao domínio. Considerando que nenhuma das três utilize a casa no período de março a agosto. Desse modo. b. Teresa e Sandra adquiriram uma casa em região praiana com o objetivo de lá se hospedarem em finais de semana. o favor do domínio evidente. em razão de dispositivo expresso de lei. apesar de constituir área comum do condomínio. Diante dessa situação. tendo em vista que o apartamento de Giovana tem acesso exclusivo. em que nenhuma das três utilizará a casa. Gabarito: D Questão objetiva 2 (TJAL 2008) Silvana. c. Não se deve julgar a posse em favor daquele a quem evidentemente não pertencer o domínio. O síndico prontamente esclareceu que a cobrança a ela dirigida é realmente superior à cobrança das demais unidades. caberia a ela arcar com as respectivas despesas de manutenção. dado o estado de indivisão do bem entre as três condôminas. b. admite o ordenamento jurídico brasileiro a tutela daquela com fundamento neste. além do pedido. assinale a opção correta. Gabarito: E (art. e. a um pequeno pátio localizado nos fundos do condomínio. nova proprietária do apartamento situado no andar térreo. solicitou explicações sobre a cobrança condominial. d. em caráter absoluto. Entretanto. Se ficar acordado que Silvana passará as férias de janeiro na casa. Não provado o domínio por qualquer das partes. CC) CASO 12 Caso Concreto (OAB V 2011 adaptada) Durante assembleia realizada em condomínio edilício residencial. d. por meio de uma porta situada em sua área de serviço. não há que se aplicar. Assim. exceto no período de março a agosto. . conforme consta nas configurações originais do edifício devidamente registradas. considerando-se a disputa da posse com base no domínio.

CASO 13 Caso Concreto (OAB 2011 adaptada) Noêmia. c. Questão objetiva 2 (TJSP 2008) Em relação ao condomínio edilício. conforme art. d. Gabarito: D (art. 1. pode ser realizada independentemente de autorização dos condôminos. só dependerá de voto dos condôminos se alterar a fachada do condomínio. assinale a alternativa correta. Gabarito: Noêmia não poderá cobrar as benfeitorias da usufrutuária Luísa uma vez que a destruição da propriedade (sem culpa do proprietário) e a sua reconstrução exclusivamente às expensas do proprietário gerou a extinção do usufruto. O condômino pode dar à sua fração ideal destinação outra que não a destinação do condomínio. contudo. na dependência de obtenção de aquiescência de um terço dos votos dos condôminos. Questão objetiva 1 (PGM PB 2012) Os moradores do Condomínio de apartamentos ?Pássaros Raros? localizado no Município de João Pessoa. Direito a usufruto e direito real de habitação são o mesmo instituto. não se aplicando. O usufruto não pode ser estipulado por tempo determinado. e a renda deste obtida reverte em seu favor. consolidando-se a propriedade em favor de Noêmia. por sua condição de proprietário. depende de voto de dois terços dos condôminos. b. Noêmia poderá cobrar as benfeitorias de Luísa? Justifique sua resposta. a. CC. a serem suportadas pelos condôminos. mantendo. a realização desta obra: a. que destruiu por completo o imóvel. portanto. Inesperadamente. b. 1340. sobreveio uma severa ressaca marítima. a sua propriedade. conforme art. e. Gabarito: D. pretendem construir no interior do Condomínio uma fonte de água. A participação e voto nas deliberações dos condôminos nas assembleias nunca dependem de estarem quites quanto ao pagamento dos encargos a que estão sujeitos.Gabarito: As despesas poderão ser cobradas de Giovana uma vez que ela possui uso exclusivo. O proprietário ou titular de direito à aquisição de unidade poderá fazer obra que modifique a fachada do prédio. de grande porte e adequada iluminação visando o embelezamento do hall social. depende de voto de um terço dos condôminos. CC. as regras do Código de Defesa do Consumidor. tendo em vista que o imóvel não se encontrava segurado. Questão objetiva 1 (TJRO 2012) Assinale a alternativa correta: a. b. . regularmente constituiu usufruto sobre o aludido imóvel em favor de Luísa. As despesas originadas pelo condomínio edilício. Noêmia decidiu reconstruir integralmente a casa às suas expensas. proprietária de uma casa litorânea. c.408. CC). Ciente do ocorrido. Segundo o Código Civil brasileiro. I. depende de voto da totalidade dos condôminos. d. O usufrutuário pode alugar o imóvel sob o qual detém o usufruto. não devem ser consideradas relações de consumo. O bem gravado com usufruto não pode ser alienado. 1341. c. d.

trinta anos c.. pretende registrar determinada servidão imobiliária. 1394 e ss. com justo título e boa-fé. cinco anos d. vinte anos b. aduzindo exercício incontestado e contínuo. dez anos e. Questão objetiva 2 (CEDAE RJ 2012) Caio. será de: a. 1379. segundo as regas do Código Civil.Gabarito: A (art. Para que seja reconhecido o seu direito. o prazo para o exercício. quinze anos Gabarito: D (art. . CC). CC).