Você está na página 1de 55

1

LIVRO: O CRENTE CARNAL E O CRENTE ESPIRITUAL

PREFÁCIO

Faz algum tempo, Deus vem me fazendo enchergar a grande maioria dos
evangélicos, que estão dentro das autodenominadas igrejas; tendo zelo por Deus, mas sem
entendimento (Romanos 10.2).

O conhecimento e a experiência que tenho tido com a Palavra da cruz, que é o


poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê (I Coríntios 1.18), tem me levado a
não julgar este povo, mas saber que muitos estão sendo destruídos, porque falta-lhes o
conhecimento (Oséias 4.6).

A finalidade deste pequeno livro, é trazer ao leitor o conhecimento de uma


salvação plena realizada por Deus em Cristo Jesus, e por esta instrumentalidade, Deus por
Sua graça leve muitas pessoas a olhar para Jesus. Desde já, confesso a dependência total do
Espírito de Deus, tanto para a condução, a confecção, a circulação e a revelação da Palavra
de Deus aqui contida, pois muitas são as maravilhas que o Senhor tem operado, e os seus
pensamentos para conosco.

Ninguém há que se possa comparar a Ele, bem que eu gostaria de anunciá-los


e manifestá-los, mas são muito mais do que se possa contar (Salmos 40.5). Só o Espírito de
Deus conhece as profundezas de Deus, e ninguém as compreendeu senão pelo Espírito de
Deus. Só por este Espírito alguém poderá compreender as coisas que foram dadas
gratuitamente por Deus (I Coríntios 2.10-12).

Como poderei então falar a um cego, que olhe para o seu salvador? Como
farei que um coração de pedra seja amolecido, e seja convencido do pecado? Como falarei a
um morto para que ande de maneira justa, e obedeça a voz do seu Pastor? Como farei
alguém cujos ouvidos estão tapados e surdos desde a madre, ouvir a voz do seu Deus?
Como farei alguém desejar uma obra em sua vida, se sua vontade está presa ao diabo, e
todo o seu querer esteja em satisfazer a vontade da carne e dos pensamentos? Como farei
que alguém esteja firmado nas promessas de Deus, tendo a certeza de coisas que se
esperam, e convicção de fatos que se não vêem? Impossível a mim e a qualquer homem,
mas a Deus tudo é possível.

Você leitor, está diante de Deus, diante do Único que pode abrir os olhos de
um cego de nascença, pois somente na Sua luz é que você poderá ver a luz. Àquele que
pode abrir os olhos do vosso entendimento. O Único que pode abrir este seu coração de
pedra como fez com Lídia, para que você atente para o que estamos lhe dizendo (Atos
16.14). Deus é o Único que pode lhe dar coração, para que você o conheça (Jeremias 14.7),
o Único que pode dizer a você como disse Jesus a Lázaro: “Vem para fora” (João 11.43).
Ele é o Único que pode dizer ao Espírito: “Vem e assopra sobre este morto para que viva”
(Ezequiel 37.9), o Único que pode abrir os seus ouvidos para que ouça a Sua voz e diga:
“Fez-me o Senhor ouvir e ouvi” (Jeremias 11.18).
2

Deus é o Único que pode dar-te arrependimento para que você conheça
plenamente a verdade, para que te liberte dos laços do diabo, em quem a sua vontade está
presa, e te converta das trevas à luz, e do poder de Satanás a Deus. Dar-lhe a remissão de
pecados e herança entre aqueles que são santificados pela fé nEle (II Timóteo 2.25-26 e
Atos 26.18). Ele é o Único que pode pelo Seu Espírito, dar-lhe o dom da fé (I Coríntios
12.9 e Efésios 2.8), firmá-lo, e fazer contigo um pacto eterno de nunca se desviar de fazer-
lhe o bem, colocar o Seu temor no seu coração, para que você nunca se aparte dEle, e selar-
te com o Espírito Santo da promessa (Ezequiel 36.26 e Efésios 1.13). Porque creio que
ninguém pode receber coisa alguma, se do alto não lhe for dado (João 3.27): “Toda boa
dádiva e todo dom perfeito, vem do alto, do Pai das luzes, em quem não há mudança nem
sombra de variação” Tiago 1.17, e porque todo que do Pai ouviu e aprendeu vai a Jesus
(João 6.45).

Leitor, a matéria deste livro, não tem a finalidade de trazer discussão, nem
controvérsias. A minha proposta é não estender muito o assunto, mas ser direto na única
revelação das Escrituras Sagrada que leva alguém a uma verdadeira salvação. Para Deus,
não é sim e não, mas sim, sim, não, não; o que passa disso é de procedência maligna
(Mateus 5.37).

Se o que você encontrar escrito, julgar a tua vida, não o faço de mim mesmo,
mas da parte do Senhor, pois Ele já te colocou neste julgamento que diz: “Quem crê nele
não é julgado, mas quem não crê, já está condenado” João 3.18. Jesus, a Palavra, Deus e o
Espírito, estão todos concordes num só para a salvação. Eles não te julgam, mas já tem
quem te julgue: a Palavra que Ele te tem dito, essa te julgará no último dia (João 12.48). Sei
que para muitos essa palavra é loucura, mas para mim, e para os que são salvos é o poder de
Deus.

Sendo assim, caso você não só deseje ler este livro como um outro qualquer,
mas sim estudá-lo com direção divina, pediria que fosse nobre e lesse todos os textos das
Escrituras nele indicados, os que estão entre parênteses.

Agora, pois encomendo-te a Deus, e à Palavra da Sua Graça. Àquele que é


poderoso para te edificar, julgar a tua causa, e executar o Seu direito. Tirar-te para a Luz, e
fazer-te ver a Sua justiça. Sou apenas um embaixador da parte de Deus, como se Deus por
nós vos exortasse. Rogo-vos, pois, por Cristo que vos reconcilieis com Deus (II Coríntios
5.20).
3

O INCRÉDULO E O CRENTE

1- O incrédulo e a sua situação:


“Diz o néscio no seu coração:
Não há Deus” Salmo 14.1

A própria palavra “incrédulo”, já define esta categoria de pessoas: Aqueles


que não crêem. O incrédulo é definido por Deus, como podemos notar no versículo acima,
como néscio ou louco. Louco porque só alguém que não possui as faculdades mentais
perfeitas pode negligenciar que os atributos invisíveis de Deus, o seu eterno poder e
divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, porque são percebidas
mediante as coisas criadas. Ser incrédulo é uma loucura, mas mesmo assim eles são
inescusáveis, indesculpáveis (Romanos 1.18-20).

Jesus para mostrar esta classe de pessoas, contou-nos uma parábola dizendo:
“O campo de um homem rico produzira com abundância; e ele arrazoava consigo,
dizendo: Que farei? Pois não tenho onde recolher os meus frutos. Disse então: Farei isto:
derribarei os meus celeiros e edificarei outros maiores, e ali recolherei todos os meus
cereais e os meus bens; e direi à minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para
muitos anos; descansa, come, bebe, regala-te. Mas Deus lhe disse: Insensato, esta noite te
pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Pois que aproveitará ao
homem ganhar o mundo inteiro, e perder a sua alma?” (Lucas 12.16-20 e Mateus 16.26).

A incredulidade é uma característica encontrada em maior grau no homem,


porque mesmo Satanás e seus anjos, a Palavra de Deus nos ensina que apesar de serem
malignos, crêem que Deus é um só e ainda tremem (Tiago 2.19). Com exceção do homem,
todo o restante da criação louva ao Senhor (Salmo 148), e obedece-lhe (Salmos 119.91).
Deus nos diz ainda, que o boi conhece o seu possuidor, e o jumento a manjedoura do seu
dono, mas o homem não tem conhecimento nem entendimento do seu Deus (Isaías 1.3). Isto
nos mostra claramente, que o incrédulo, além de ser chamado de louco, tornou-se muito
“pior” que o boi ou o jumento que conhece o seu dono.

Se você quer permanecer como um incrédulo, não adianta gastar muito meu
tempo, apenas vou continuar orando por você, e esperando que um dia você venha a crer,
porque aos que insistem em permanecer incrédulos, Deus diz: “Qual será a tua esperança
quando Eu o cortar, quando Eu lhe arrebatar a alma? O que você fará quando Eu te
esmagar para sempre? Arrebatá-lo e arrancá-lo da tua habitação e desarraigar-te da terra
dos viventes? O que pode suceder-te amanhã. Que é a tua vida? É um vapor que aparece
por um pouco, e logo se desvanece. É semelhante a um sopro; os seus dias são como a
sombra que passa”. Aos incrédulos, Deus ainda diz que a parte que lhes cabem, é o lago
que arde com fogo e enxofre: “Mas, quanto aos medrosos, e aos incrédulos, e aos
abomináveis, e aos homicidas, e aos adúlteros, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos
os mentirosos, a sua parte será no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte”
Apocalipse 21.8.
4

Caso você ainda queira continuar na sua insensatez e loucura, Deus ainda te
chama a ouvir a Sua instrução. Não a despreze, pois ainda há uma esperança para ti, pois
Deus te diz: “Até quando, ó estúpidos, amareis a estupidez? e até quando se deleitarão no
escárnio os escarnecedores, e odiarão os insensatos o conhecimento? Convertei-vos pela
minha repreensão; eis que derramarei sobre vós o meu espírito e vos farei saber as minhas
palavras. Mas, porque clamei, e vós recusastes; porque estendi a minha mão, e não houve
quem desse atenção; antes desprezastes todo o meu conselho, e não fizestes caso da minha
repreensão; também eu me rirei no dia da vossa calamidade; zombarei, quando sobrevier
o vosso terror, quando o terror vos sobrevier como tempestade, e a vossa calamidade
passar como redemoinho, e quando vos sobrevierem aperto e angústia. Então a mim
clamarão, mas eu não responderei; diligentemente me buscarão, mas não me acharão.
Porquanto aborreceram o conhecimento, e não preferiram o temor do Senhor; não
quiseram o meu conselho e desprezaram toda a minha repreensão; portanto comerão do
fruto do seu caminho e se fartarão dos seus próprios conselhos. Porque o desvio dos
néscios os matará, e a prosperidade dos loucos os destruirá. Mas o que me der ouvidos
habitará em segurança, e estará tranqüilo, sem receio do mal” Provérbios 1.22-33

2 - A definição de crente
“Ora, sem fé é impossível agradar a Deus;
porque é necessário que aquele que se
aproxima de Deus creia que Ele existe, e que
é galardoador dos que o buscam” Hebreus 11.6.

Em nossos dias, crente é um termo usado pela maioria das pessoas, para
definir os participantes de uma igreja evangélica ou protestante. Principalmente aqueles que
adotam externamente, através de seus usos e costumes, diferenciar-se dos restantes. Mas
qualquer pessoa, de qualquer denominação, seja ela Católica, Batista, Presbiteriana,
Metodista, Assembleiana, Renovada, e etc..., que crê que Deus é um só, que Ele existe e
que realiza e proporciona dádivas àqueles que o buscam; como também crê em Jesus Cristo
como sendo o Filho de Deus, e o Salvador do homem, bem como sendo a Bíblia a Palavra
de Deus, é crente. Portanto, crente é todo aquele que crê. Todo aquele que não professa esta
crença, independente de religião, é considerado um incrédulo.

Já vimos no capítulo anterior, que o incrédulo é considerado por Deus um


louco, porque só se pode entender a criação do mundo pela fé, porque os mundos foram
criados pela Palavra de Deus, de modo que o que é visível, não foi criado daquilo que se vê
(Hebreus 11.3). Por isso, as pessoas que se envolvem com a falsamente chamada ciência,
desviam-se desta fé (I Timóteo 6.20-21), porque buscam explicações aonde só a fé
responde. Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores, o adorem em espírito e em
verdade (João 4.24). A fé representa estar seguro no que não se vê (vendo o invisível), e
5

esperando, certos de recebermos aquilo que aguardamos (Hebreus 11.1), não baseados em
nossas convicções pessoais, mas no que Deus disse.

Nós podemos encontrar vários tipos de fé na Bíblia. A primeira delas é a fé


que o homem possui: a fé humana. Mesmo na perversidade, o homem traz esta
característica ainda que deturpada. Ela pode ser mais conhecida como a fé das crendices. Na
maioria das vezes, ela é usada para crer em muitas outras coisas e deuses, além do Único
Deus, pois o mesmo Deus nos diz: “O carpinteiro estende a régua sobre um pau, e com
lápis esboça um deus; dá-lhe forma com o cepilho; torna a esboçá-lo com o compasso;
finalmente dá-lhe forma à semelhança dum homem, segundo a beleza dum homem, para
habitar numa casa. Um homem corta para si cedros, ou toma um cipreste, ou um carvalho;
assim escolhe dentre as árvores do bosque; planta uma faia, e a chuva a faz crescer. Então
ela serve ao homem para queimar: da madeira toma uma parte e com isso se aquenta;
acende um fogo e assa o pão; também faz um deus e se prostra diante dele; fabrica uma
imagem de escultura, e se ajoelha diante dela. Ele queima a metade no fogo, e com isso
prepara a carne para comer; faz um assado, e dele se farta; também se aquenta, e diz: Ah!
já me aquentei, já vi o fogo. Então do resto faz para si um deus, uma imagem de escultura;
ajoelha-se diante dela, prostra-se, e lhe dirige a sua súplica dizendo: Livra-me porquanto
tu és o meu deus. Nada sabem, nem entendem; porque se lhe untaram os olhos, para que
não vejam, e o coração, para que não entendam. E nenhum deles reflete; e não têm
conhecimento nem entendimento para dizer: Metade queimei no fogo, e assei pão sobre as
suas brasas; fiz um assado e dele comi; e faria eu do resto uma abominação? ajoelhar-me-
ei ao que saiu duma árvore? Apascenta-se de cinza. O seu coração enganado o desviou, de
maneira que não pode livrar a sua alma, nem dizer: Porventura não há uma mentira na
minha mão direita? Isaías 44.13-20.

A fé humana faz o homem sentir-se vivo e soberano. Ele faz para si um deus
morto, para ter domínio sobre ele, sendo que na verdade, esta fé é perversa a Deus. Como
Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, o homem cria um ser, à sua imagem e
semelhança, e torna-se escravo da sua própria criação.

A fé humana não é visível somente no campo da idolatria, mas em todo


homem ou mulher, inclusive naqueles que participam de uma igreja evangélica. Mesmo
nestes, esta fé apresenta-se de maneira adversa a Deus. Jesus falando acerca dos falsos
crentes, mostrou-nos que a fé humana tem feito muitos prodígios no Seu Nome. Esses
crentes que só conhecem esta fé humana, que hoje estão enchendo as igrejas com as suas
presunções e fazendo prosélitos, ficarão envergonhados quando disserem: “Senhor, Senhor,
não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? em teu
nome não fizemos muitos milagres?”.

Ficarão envergonhados porque Jesus lhes dirá claramente: “Nunca vos


conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade” Mateus 7.22-23. Jesus dirá
que não os conhece, porque fizeram tudo aquilo com a fé humana, e esta fé também é
considerada por Ele como iniquidade. Havia neles a iniquidade, porque diziam que
conheciam a Deus, mas andavam em contendas, invejas, inimizades, e atrás do lucro.
6

Em muitas outras passagens das Escrituras, podemos ver que esta fé humana
era aparente em muitas das autoridades daquela época, quando nos diz: “Contudo, muitas
das autoridades creram nele; mas por causa dos fariseus não o confessavam, para não
serem expulsos da sinagoga; porque amaram mais a glória dos homens do que a glória de
Deus” João 12.43. Esta fé humana está sempre pronta a manifestar-se quando Deus fala,
mas ela não dá poder ao homem de permanecer firme, e não retroceder.

No deserto, o povo de Israel professou esta fé quando disse: “Tudo quanto


Ele nos disser; assim o ouviremos e o cumpriremos”. Mas Deus que conhece esta fé
humana, não aceitou a aparência dela e disse: “Ouvi as palavras deste povo; falaram bem
em tudo quanto disseram. Quem dera que eles tivessem tal coração que me temessem, e
guardassem em todo o tempo os meus mandamentos” Deuteronômio 5.27-29. Jesus
também não confia nesta fé, porque ele bem sabe o que é a natureza humana e a fé que
procede dela: "Mas o próprio Jesus não confiava a eles, porque os conhecia a todos, e não
necessitava de que alguém lhe desse testemunho do homem, pois bem sabia o que é a
natureza humana" João 2.24-25.

A outra fé que podemos encontrar na Bíblia, é a fé demoníaca, a fé que os


demônios possuem. Esta fé é maior que a fé humana, pois a Palavra diz que eles crêem que
Deus é um só, e tremem por causa disto (Tiago 2.19). Esta fé faz com que os demônios
tremam diante da Soberania e do poder de Deus. Encontramos um exemplo claro desta fé
no caso de Jó, pois Satanás foi na presença de Deus porque o reconhece como tal, e foi em
sua conversa com Deus, que recebeu de Deus o consentimento de tocar em Jó. Depois, tudo
o que foi feito por Satanás a Jó, só foi feito porque Deus assim o determinou (Jó 2.6).

Quando a Palavra de Deus nos relata o caso da disputa de Satanás com o


arcanjo Miguel, acerca do corpo de Moisés, vemos que a fé que os demônios têm em Deus,
fez com que ele atendesse a uma simples palavra: “O Senhor te repreenda” (Judas 9). A fé
demoníaca leva-os a reconhecer também a Jesus como o Filho de Deus Altíssimo. Esta fé
fez também com que os demônios orassem a Jesus, para que lhes fossem concedido entrar
numa manada de porcos que se encontrava nas proximidades, e que não enviassem-lhes
para o abismo, quando disseram: “Rogaram-lhe, pois, os demônios, dizendo: Manda-nos
para aqueles porcos, para que entremos neles” Marcos 5.7-12.

Esta fé que os demônios possuem, também faz com que eles reconheçam a
autoridade dos filhos de Deus, outorgadas por Jesus em seu nome. Quando os apóstolos
Paulo e Silas estiveram em Filipos, um demônio reconhecia através de uma jovem
adivinhadora, que eles eram servos do Deus Altíssimo, e que eles anunciavam o caminho da
salvação (Atos 16.16-17). Já em Éfeso, os demônios reconheceram Paulo e a Jesus, mas
como a fé demoníaca é superior a fé humana, dois dos judeus ambulantes que tentaram
expulsá-los, foram pelos demônios assaltados, espancados e tornados nu.
Consequentemente tiveram que fugir daquela casa (Atos 19.13-16).
7

A fé demoníaca também faz com que eles creiam nas Escrituras como sendo
a Palavra de Deus, pois ela foi usada por Satanás para tentar Jesus quando disse: “Então o
Diabo o levou a Jerusalém e o colocou sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se tu és o
Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu
respeito, que te guardem; e eles te susterão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma
pedra” Lucas 4.9-11. Esta passagem, o diabo tirou das Escrituras que se encontra no Salmo
91, versos 11 e 12.

Já a fé humana, mostra-se incapaz até de crer nas Escrituras, porque no


caminho de Emaús, Jesus ao encontrar-se com dois de seus discípulos, após a sua
ressurreição, ainda que tivessem estado com Ele num período de aproximadamente três
anos apresentando-lhes as Escrituras, mostraram-se néscios e tardos de coração para crer no
que os profetas disseram a seu respeito (Lucas 24.25).

O outro tipo de fé que encontramos nas Escrituras, é a fé encontrada nos


apóstolos e nos discípulos de Jesus. Esta é uma fé que eles possuíam porque viam os sinais
que eram feitos. Esta fé veio por causa da autoridade que lhes foi dada por Jesus para
expulsarem demônios e curar enfermos (Lucas 9.1). Jesus certa vez, viu que esta fé
proveniente dos sinais que se faziam, fez até Satanás descer como um raio do céu (Lucas
10.18).

Esta fé dos apóstolos fez com que eles seguissem a Jesus e não o
abandonassem como fizeram os outros discípulos que não a possuíam (João 6.67-68). Esta
mesma fé após terem pescado a noite inteira, e não apanhado nada, fez eles lançarem as
redes sobre a Palavra de Jesus, e tiveram uma grande pesca. Esta mesma fé fez Pedro
confessar a Jesus como sendo o Cristo, o Filho do Deus vivo, pois, a tinha recebido por
revelação de Deus (Mateus 16.16-17). Por esta fé, Filipe reconheceu que Jesus era aquele
de quem Moisés e os profetas falaram pelas Escrituras (João 1.45). Esta fé também fez
Pedro andar sobre as águas por algum tempo (Mateus 14.29-30).

Mesmo esta fé, que para muitos parece ser uma grande fé, não é a fé pela
qual torna alguém aprovado por Deus, pois, a fé que os apóstolos possuíam por ver os sinais
que Jesus fazia, mostrou-se muito aquém da fé que agrada a Deus. Podemos constatar isto
quando Pedro andou sobre as águas por algum tempo. Sentindo ele o vento, e vendo o mar
agitado sobre os seus pés, logo afundou.

Muitas vezes podemos notar esta fé entre os discípulos de Jesus. Uma delas
foi quando Jesus ressuscitou dentre os mortos, e encontrou todos eles dispersos e em dúvida
sobre a Sua Pessoa: “E ouvindo eles que vivia, e que tinha sido visto por Maria Madalena,
não o creram. Depois disso manifestou-se sob outra forma a dois deles que iam de caminho
para o campo, os quais foram anunciá-lo aos outros; mas nem a estes deram crédito. Por
último, então, apareceu aos onze, estando eles reclinados à mesa, e lançou-lhes em rosto a
sua incredulidade e dureza de coração, por não haverem dado crédito aos que o tinham
visto já ressurgido” Marcos 16.11-14.
8

O último tipo de fé que nos mostra Deus em Sua Palavra é a Fé operosa.


Esta Fé, nem os homens, nem os demônios a possuem, mas somente àqueles que a
receberam de Deus, em forma de dom pela Pessoa do Senhor Jesus Cristo, porque somente
Ele é o autor e consumador desta Fé (Efésios 2.8; Hebreus 12.2).

Esta é a única Fé que pode agradar a Deus (Hebreus 11.6). A única que faz
com que o homem fique firme nas coisas que se esperam, tendo a certeza das coisas que
não se vêem. Esta é a única Fé que poderá fazer o homem não retroceder, não se desviar,
nem cair (Hebreus 11.1). Somente por esta Fé alguém pode ser justificado (Romanos 5.1),
receber remissão de pecados (Atos 10.43), ser salvo (Atos 16.31), ter a Vida Eterna (João
3.15-16), ter descanso (Hebreus 4.3), ser edificado (I Timóteo 1.4), ser santificado (João
17.17), e ser feito Filho de Deus (João 1.12).

Só com esta Fé que vem por Jesus, podemos ter acesso a Deus em esperança
(Romanos 5.2), ficarmos firme contra as astutas ciladas do diabo e seus dardos inflamados
(Efésios 6.16), sermos obedientes (Romanos 1.5), e não desviarmos, mas manter-nos em
segurança, firmeza, confiança, descanso, convicção, esperança, e tudo o que agrada a Deus.

Esta fé não pode ser corrompida, não muda em grau, nem pode ser extinta,
porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento (Romanos 11.29). Somente
por esta Fé, que é um dom de Deus, e que vem por pela Pessoa de Jesus, é que podemos
vencer o mundo (I João 5.4), vivermos em justiça (Romanos 1.17), e chegar a unidade, pois
quem a possui, possui uma só Fé (Efésios 4.5).

Esta é a única fé que quem a possui, mostra-a pelas suas obras (Tiago 2.22),
e mesmo estando na carne, vive por ela, crendo no Filho de Deus que habita nele, e que o
amou, e a si mesmo se entregou por ele (Gálatas 2.20). Esta é a fé que é do Filho de Deus
em nós.

Somente com esta Fé, e que a Palavra de Deus mostra-nos que é um dom de
Deus, é que alguém poderá ter um bom testemunho. Por esta mesma Fé, os antigos deram
um bom testemunho, e é por ela que Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício que
Caim. Tão maravilhosa é esta Fé, que ainda depois morto falava. Por ela Enoque foi
transladado para não ver a morte (Gênesis 5.24). Também Noé, sendo divinamente avisado
das coisas que ainda não se viam, pois até aquele dia nunca chovera sobre a terra, preparou
uma arca para a salvação de sua família, e por esta Fé condenou o mundo e tornou-se por
ela herdeiro da justiça (Gênesis 6.13-22).

Abraão também por esta Fé, sendo chamado, obedeceu; saindo para um lugar
que havia de receber por herança. Mesmo não a conhecendo, peregrinou, como em terra
alheia habitando em tendas com Isaque e Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa,
porque esperavam a cidade que tem os fundamentos, da qual o Arquiteto e Edificador é
Deus. Ainda por esta Fé, Abraão sem se enfraquecer, em esperança, creu contra a
esperança, para que se tornasse pai de muitas nações. Depois sendo provado, ofereceu
9

Isaque, seu unigênito, aquele que recebera as promessas de Deus, porque julgou que Deus
era poderoso para até o ressuscitar dos mortos (Gênesis 22.1-10).

Pela única e verdadeira Fé, Moisés foi escondido, e já sendo homem,


recusou o reino do Egito, preferindo ser maltratado com o povo de Deus, do que ter por
algum tempo o gozo do pecado. Deixou o Egito, não temendo a ira do rei, porque ficou
firme, como quem vê Aquele que é invisível (Êxodo 10.28-29).

Por esta mesma Fé, Raabe não pereceu com os desobedientes da cidade de
Jericó (Josué 6.23). “E que mais direi? Pois me faltará o tempo, se eu contar de Gideão, de
Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas; os quais por meio da fé
venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam a boca dos leões,
apagaram a força do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram forças,
tornaram-se poderosos na guerra, puseram em fuga exércitos estrangeiros. As mulheres
receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu
livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; e outros experimentaram escárnios
e açoites, e ainda cadeias e prisões. Foram apedrejados e tentados; foram serrados ao
meio; morreram ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras,
necessitados, aflitos e maltratados” Hebreus 11.32-37.

Diante de tantos testemunhos, podemos constatar que somente por esta Fé,
que é um dom do Espírito de Cristo em nosso interior (I Coríntios 12.9), é que podemos
crer com o coração e confessar com a boca para sermos salvos. Arrepender-se
verdadeiramente e buscar a Deus de todo o seu coração, e ter nojo de si mesmo. Somente
por esta Fé verdadeira é que podemos ser convertidos ao Senhor no íntimo da nossa alma,
receber dEle a bem-aventurança do perdão de toda iniquidade, como também receber o
novo nascimento, ser transformado em nova criatura, apta para herdar o Reino de Deus.

Esta é a única Fé que poderá fazer-nos ter um bom testemunho, entender a


Palavra de Deus, oferecer o nosso corpo como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus,
como também oferecer os nossos membros para a justiça e não ao pecado. Somente através
desta Fé é que podemos agradar a Deus, e perseverar até o fim. É esta Fé e somente ela que
nos faz obedecer e esperar com paciência a promessa, confessar a morte para o mundo, e
viver para Deus. Ser aprovado nas provações. Abençoar, bendizer e orar a Deus pelos
nossos inimigos, pelos que nos maltratam e nos perseguem. É esta Fé que nos faz recusar a
glória humana, e preferir ser maltratado com o povo de Deus, do que ter por algum tempo o
gozo do pecado. Também deixar pai, e mãe, mulher e filhos por amor dEle, como também
renunciar a tudo quanto possuímos.

É somente por esta Fé que podemos deixar a sociedade com o ímpio, a


sedução das riquezas, e os deleites da vida, e buscar a santificação no Senhor. Somente por
ela é que não seremos condenados com o mundo, mas termos a garantia do sucesso, pois
Jesus disse: “Não te disse se creres, verás a Glória de Deus?” João 11.40. É somente por
este dom inefável de Deus, que vem pela Pessoa do Senhor Jesus Cristo no nosso interior
pelo novo nascimento, é que podemos ter todas estas coisas e dizer: “Tudo é possível ao
10

que crê ” Marcos 9.23, como também: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece”
Filipenses 4.13, e também que: “Em todas as coisas, somos mais do que vencedores por
aquele que nos amou” Romanos 8.37. Somente esta Fé permanecerá conosco para a vida
eterna: "Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a
face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou
plenamente conhecido. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas
o maior destes é o amor" I Coríntios 13.12-13.

O CRENTE CARNAL

1- A legitimidade do crente carnal:


“Pois quando estávamos na carne, as paixões
dos pecados, suscitadas pela lei, operavam em
nosso membros para darem frutos para a
morte” Romanos 7.5.

Na Palavra de Deus, não achamos o termo “crente carnal”, mas sim


“carnais”. Crente carnal é uma terminologia usada pela maioria das igrejas evangélicas,
portanto, quando for usada esta terminologia, será feita com a finalidade de que o leitor
tenha um maior entendimento com o que está sendo apresentado.

Os carnais, também podem autodenominar-se crentes. Como vimos no


capítulo anterior, há quatro tipos de fé. A grande maioria dos que se autodenominam
crentes, não duvidam que Deus é um só, e que Jesus é o salvador do mundo, sendo ele
mesmo o Filho de Deus, como também que a Escritura é a Palavra de Deus. Podem ser
pastores, líderes, e como pudemos ver em Mateus 7, versos 23 e 24, estão profetizando,
curando, expulsando demônios e fazendo maravilhas no nome de Jesus, mas veremos nos
capítulos seguintes, porque Jesus disse-lhes que não os conhecia.

O carnal enquanto não nascer de novo será sempre um carnal, porque o que é
nascido da carne é carne como disse Jesus (João 3.6), e vive e anda na carne, podendo ser
um crente ou um incrédulo. Ninguém estando na carne pode ter uma vida espiritual, mesmo
que se denomine um crente. Para Deus ele é pior que o incrédulo, porque o seu estado se
torna pior que o primeiro, uma vez que conheceu a verdade e não nasceu do Espírito para
ser uma nova criatura e ser espiritual. Mesmo sendo membro de alguma igreja e batizado
nas águas, se não nascer de novo, não passa de uma porca lavada, porque sempre que tiver
oportunidade, irá revolver-se no lamaçal, ou como o cão que volta ao seu vômito (II Pedro
2.21).

Com os carnais incrédulos, já dispensamos uma parte no início deste livro.


Toda a nossa exposição adiante, estará sendo dirigida aos carnais que se dizem crente. O
testemunho a seguir, é o testemunho de Deus. É a maneira como Deus vê, e não como o
homem vê. Se aceitarmos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior. Seja
11

todo homem mentiroso, e Deus verdadeiro. Diante da verdade da Palavra de Deus, seja o
teu pensamento, ou o que você aprendeu, ou ouviu, ou pensa, como mentiroso. Fazendo
assim, você será justificado em suas palavras, e vencerá quando fores julgado (Romanos
3.4). Do contrário, você será achado mentiroso, e será como muitos, declarado um
desconhecido do Senhor, vivendo na iniquidade.

2- Como vive e anda um


crente carnal:
“Porquanto ainda sois carnais; pois,
havendo entre vós inveja e contendas,
não sois porventura carnais, e não estais
andando segundo os homens?” I Coríntios 3.3.

Na visão de Deus, e inspirada pelo Espírito Santo nas Escrituras, este tipo de
crente, anda em inveja, ciúmes e contendas. O nome carnal, já identifica qual a situação
deste crente diante de Deus, isto é: aquele que anda na carne, mesmo dizendo-se um crente.
O apóstolo Paulo, testemunha na Palavra de Deus, da sua situação quando vivia neste tipo
de vida: "Pois, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, suscitadas pela lei,
operavam em nossos membros para darem fruto para a morte" Romanos 7.5.

Paulo aprovava a lei de Deus, e considerava-a espiritual; mas sendo carnal,


estava vendido sobre o pecado. Nesta situação, ele não conseguia fazer o bem que queria,
mas o mal que não queria isto é o que fazia, pois ele disse: “Porque bem sabemos que a lei
é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado. Pois o que faço, não o entendo;
porque o que quero, isso não pratico; mas o que aborreço, isso faço. E, se faço o que não
quero, consinto com a lei, que é boa. Agora, porém, não sou mais eu que faço isto, mas o
pecado que habita em mim” Romanos 7.14-17. Nesta passagem o apóstolo Paulo mostra
claramente qual a situação de um crente carnal. Todo crente carnal não consegue fazer o
bem que quer, mas somente o mal que não quer, por causa do pecado que habita nele.

Verdadeiramente esta também não tem sido a sua situação? Jesus nos disse
que “pelos seus frutos os conhecereis”. Não existe ninguém que esteja na carne, e esta
carne não se manifeste pelas suas obras. O apóstolo Paulo sobre isto diz: “Eu faço o que
não quero”. Em outro lugar, ele também afirma: “Ora, as obras da carne são manifestas,
as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades,
as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as
bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já
antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus” Gálatas
5.19-21.

O apóstolo Paulo, ainda nos fala que estando alguém na carne, este processo
torna-se uma lei nele: “Acho então esta lei em mim, que, mesmo querendo eu fazer o bem, o
mal está comigo. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo
nos meus membros outra lei guerreando contra a lei do meu entendimento, e me levando
12

cativo à lei do pecado, que está nos meus membros” Romanos 7.21-23. Lei é tudo aquilo
que se repete e nunca muda, portanto, esta condição se torna lei na vida do crente carnal,
porque sempre ele quer fazer o bem, mas durante toda a sua vida, encontra esta lei
impedindo-o de fazer o bem que quer, mas o mal que não quer, esse acaba sempre fazendo.
Os que são carnais inclinam-se sempre para as coisas da carne (Romanos 8.5). Isso é
natural, é da natureza humana, e nenhum esforço ou prática religiosa pode mudar isto diante
de Deus.

Como as obras da carne são manifestas, os crentes carnais, tanto homens


como mulheres, jovens e adolescentes, tem muitos problemas com a prostituição, impureza
e lascívia. A prostituição é o ato de unir um corpo que pertence ao Senhor, a uma meretriz.
Quem faz isto, torna-se um só corpo com ela, e este é o único pecado que o homem comete
contra o seu próprio corpo (I Coríntios 6.16-18). Grande parte dos crentes carnais, não
comete a prostituição ou o adultério em si, mas possui um desejo desenfreado,
incontrolável, que os fazem cobiçar as moças da igreja, até mesmo uma esposa formosa de
algum irmão. Tem prazer em pornografias encontrada com facilidade nas revistas, vídeos
cassete e televisão.

Muitos tentam reprimir esses desejos por meio de jejuns, orações, vigílias,
subida em montes, bem como a severidade para com o corpo; mas esta lei do pecado e da
morte sempre os leva a prática do pecado que está nos seus membros. Conseguem às vezes
eliminar muitas coisas, tais como: o cigarro, a bebida, os bailes e etc...; mas não conseguem
se livrar deste desejo carnal e desta sensualidade. Juntamente com a sensualidade, a
impureza está diretamente ligada, produzindo as intenções imorais internas. Os
pensamentos maus e impuros estão sempre assolando a mente dos crentes carnais.

Os que possuem algum temor, muitas vezes buscam no momento em que


aparecem essas intenções, pensarem em alguma outra coisa, clamar pelo sangue de Jesus,
invocar o seu nome ou coisa parecida. Até chegam a pedir a Deus que limpe as suas mentes,
mas até em sonhos essas intenções os assolam. Levando-os muitas vezes a ceder às paixões
da carne, pensando com isto estarem livres de cometerem o ato em si, mas acabam vendo
que a mesma lei continua guerreando contra a lei do seu entendimento. Neste caso, sempre
a lei do pecado mostra-se superior à sua vontade de obedecer a Deus, e em seguida vem o
remorso, e a dor na consciência.

Não é somente esta sensualidade que assola os crentes carnais, mas as


divisões e as contendas também são comuns, tanto nas igrejas, como nos lares desses
crentes. Sempre estão tomando partido por algum grupo ou pastor contra outro grupo da
mesma igreja. As assembléias são impraticáveis, nunca se consegue unanimidade e
consenso. Criam inimizades de uns contra os outros, trazendo com isto a mágoa e o
ressentimento. O ciúme por cargos de destaque na igreja, bem como dos trabalhos especiais
são comuns entre estes crentes. Do ciúme nasce a inveja, isto é, o desejo de adquirir algo
que não lhes pertencem, tornando-os hostis, agressivos, passando então a usar de
artimanhas para tentar derrubar o rival. O ódio, o desejo de vingança, e a aversão a outras
13

pessoas, assim como a maledicência e a infâmia, também se tornam um sentimento e uma


prática comum entre estes crentes.

É muito comum também nos crentes carnais o pecado da vanglória. A


vanglória é um desejo muito grande pela exaltação do seu ego. Alguns querem ser
reconhecidos pela quantidade de dinheiro que oferecem à igreja através dos seus dízimos.
Outros, por causa da sua superioridade nos estudos ou cargos públicos. O prazer pela
bajulação, o ser consultado, o estar em evidência a outras igrejas, são as principais
características dos carnais. Tais ministros desprezam as igrejas menores e fazem de tudo
para irem para as igrejas maiores, em busca de maiores salários e aquilo que elas oferecem
como benefício próprio. Esses ministros mostram claramente, que não se preocupam com o
rebanho, mas com a sua condição de vida, indo atrás do lucro. Para estes, os membros da
igreja não passam de trampolim para a sua tão desejada fama. Não estamos com isto
dizendo que todos os ministros, sem exceção são carnais, mas se estas são as características
de algum ministro, esse tal é um carnal.

Os grupos também são muito comuns entres os crentes carnais. Os ricos


possuem o seu próprio grupo e não se misturam com os pobres; e se o ministro é um carnal,
ele dará muito mais atenção a esta classe mais abastada, deixando assim de atender os mais
pobres, por não trazerem a ele nenhum benefício.

Em suma, o crente carnal está sempre envolvido nessas práticas, aprovando a


vontade de Deus, mas vendo nos seus membros a imoralidade sexual, a fornicação, os
pensamentos impuros, o desejo pela pornografia, os gracejos indecentes, as conversas tolas,
a hostilidade, a rivalidade, a discórdia, a maledicência, o desejo de vingança, o ódio, as
divisões, a inveja, e tudo o que satisfaça a carne, tais como: comida, viagens, dinheiro,
fama, prestígio e etc..., ainda que seja um líder ou mesmo um ministro da Palavra.

O crente carnal possui uma grande estima própria. Julga sempre que os
outros não estão no mesmo grau de espiritualidade que eles. Consideram-se capazes de
ensinar a outros, prometendo-lhes até liberdade, quando eles mesmos são escravos da
corrupção e participantes dos mesmos erros. São ágeis em esconder os seus pecados, em
camuflar os seus desejos, mas estão sempre prontos a condenar os erros dos outros.

É natural para o crente carnal apontar para o pecado dos outros. Fala de
quase tudo o que é aparente nos outros, com uma linguagem até bastante severa. As
exortações e as pregações são em alto tom, como se o exemplo se dá pelo que se diz e não
pelo testemunho do seu viver. O crente carnal quando contrariado fala dos outros, buscando
com isso justificar sua vida aparente. Acham que o discurso pode encobrir seus pecados.
Quando bajulado, exalta as pessoas e as colocam na mais alta estima. O crente carnal deseja
ardentemente mostrar sua diferença espiritual para dominar os outros.

Eu aprendi uma coisa durante esses anos de vida cristã que pode ser
colocado como um referencial para uma avaliação. Alguém que muito fala contra certo
pecado nos outros é o seu pecado mais sério. Um ministro que muito prega contra a cobiça,
14

revela o seu pecado mais encoberto: "Ainda que eu fosse justo, a minha própria boca me
condenaria; ainda que eu fosse perfeito, então ela me declararia perverso" Jó 9.20.

Não precisamos usar exemplos para tornar verídica a Palavra de Deus, pois a
própria Palavra é viva e eficaz (Hebreus 4.12). Mas conta alguém que um pastor falava aos
membros de sua igreja, do perdão, da compreensão, do amor, em ter os filhos em toda a
sujeição e bem disciplinados. As esposas deveriam ser submissas aos seus maridos, como
os maridos deveriam tratar as suas esposas com amor, considerando-as como um vaso mais
frágil. Nunca procurar o seu próprio proveito, mas sim o que é do outro. Na semana
seguinte, após uma viagem que o pastor tinha feito, chegando no horário do culto de
domingo a noite, ao entrar para pregar, encontrou ao lado do púlpito toda a mobília de sua
casa. Assustado, perguntou o que tinha acontecido, e sua esposa levantando-se do banco e
disse-lhe: - “Eu quero viver com o homem que prega neste púlpito como meu marido,
porque o que vai para casa depois do culto, não é o mesmo”. Talvez você ache graça neste
exemplo, mas esta é a situação da maioria dos ministros das igrejas. Se eles são assim, que
diremos então de todos esses rebanhos que estão espalhados por ai?

No que diz respeito a sua vida espiritual, todo o testemunho de experiência


do crente carnal com Deus se baseia em suas emoções. Para ele a vida cristã está baseada
em emoções. O crente carnal é uma alma vivente, e está sempre cheio de testemunhos de
experiências pessoais, mas isso não passa de emoções religiosas. Quando inquirido sobre
sua fé e esperança, sempre fala de suas experiências tais como: visões, arrebatamentos,
revelações, tremedeiras e etc... Choram, caem, riem, pulam, mas nem sabem em que
tropeçam (Provérbios 4.18-19).

Outros exibem seus troféus divinos por terem alcançado alguma graça, cura,
bênçãos e prosperidade, mas nunca por fé na obra de justiça que Deus realizou em Cristo:
"... sempre aprendendo, mas nunca podendo chegar ao pleno conhecimento da verdade" II
Timóteo 3.7. "...antes seja Deus verdadeiro, e todo homem mentiroso; como está escrito:
Para que sejas justificado em tuas palavras, e venças quando fores julgado" Romanos 3.4.

Satanás é mestre em dar várias emoções às almas dos crentes carnais, e eles a
recebem como sendo de Deus: "E não é de admirar, porquanto o próprio Satanás se
disfarça em anjo de luz. Não é muito, pois, que também os seus ministros se disfarcem em
ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras" II Coríntios 11.14-15. O
crente carnal é sensual, vive de sensações e está sempre a procura delas. Aonde disserem
que tem alguém fazendo sinais e maravilhas, lá ele deseja estar: "Seis dias depois, tomou
Jesus consigo a Pedro, a Tiago e a João, irmão deste, e os conduziu à parte a um alto
monte; e foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas
vestes tornaram-se brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando
com ele. Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres,
farei aqui três cabanas, uma para ti, outra para Moisés, e outra para Elias" Mateus 17.1-4.
O crente carnal está sempre precisando de estímulos. O arrependimento, a
consagração, e o pedido de perdão a Deus, são constantes em suas vidas, pois vive
cometendo transgressões. Os desejos mundanos são muito maiores do que a leitura bíblica,
15

as orações e a comunhão com Deus. Isto sem dizer do medo da perdição e da incerteza da
salvação. O crente carnal está sempre em dúvida. Num dia pensa estar convicto da sua fé.
Chora, arrepende-se, promete nunca mais cometer tal transgressão, mas logo se vê
condenado e envergonhado novamente diante de Deus. Está sempre pronto a fazer alguma
coisa para alcançar a vida eterna, mas não está pronto a renunciar tudo quanto tem, nem
mesmo a sua vida, para servir só a Jesus (Lucas 18.18-22).

O apóstolo Pedro, antes de sua experiência de novo nascimento, foi um


exemplo deste crente carnal. Ele disse a Jesus que estava pronto para ir com Ele tanto para a
morte, como para a prisão. Mas Jesus que conhece os corações, não o enganou, mas
mostrou-lhe a necessidade de uma real conversão, e que antes que o galo cantasse, ele
ficaria convencido que era um carnal, porque iria negá-lo por três vezes. Quando aconteceu,
o remorso fez com que ele chorasse amargamente (Lucas 22.32-34 e 54-62). O crente carnal
sempre está pronto a prometer coisas para Jesus, mas na primeira provação, também o nega
como fez Pedro. Será que esta não é também a sua situação? Lembre-se, só o diabo tem
interesse no seu engano.

3- Qual a situação do crente


carnal diante de Deus?:
“Porquanto a inclinação da carne é
inimizade contra Deus, pois não é sujeita à
lei de Deus, nem em verdade o pode ser; e
os que estão na carne não podem agradar a
Deus” Romanos 8.7-8.

Não existe muita dificuldade para o homem entender que ele é um pecador,
mas se existe alguém além do diabo que advoga o pecado, esse tal é o crente carnal. Ele
sempre tem uma desculpa para o seu pecado. Sempre estará pronto a encontrar passagens na
Bíblia, que justifiquem a sua vida de pecado. Não é para menos que a Escritura diz:
“Muitos são puros aos seus próprios olhos, mas nunca foram lavados da sua imundícia”
Provérbios 30.12. O crente carnal não duvida que seja um pecador, mas ignora que esta sua
situação, é de inimizade contra Deus. Muitos por hipocrisia, outros por ignorância.

No versículo que iniciamos, a Palavra de Deus mostra-nos que o carnal é


inimigo de Deus, porque não se sujeita a vontade de Deus, e mesmo que quisesse, não
poderia, pois não consegue fazer o bem que quer. Portanto, os que estão na carne, não
podem agradar a Deus. O pecado é a rebeldia à vontade e a santidade de Deus (I João 3.4).
Por um só pecado cometido por Adão, e, diga-se de passagem, até que não foi um pecado
tão escabroso, veio o juízo sobre todos os homens: “Portanto, assim como por um só
homem entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a
todos os homens, porquanto todos pecaram. Porque todos pecaram e destituídos estão da
glória de Deus” Romanos 5.12 e 3.23.
16

O crente carnal também está separado de Deus por causa dos seus pecados,
pois Ele diz: “As vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos
pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça” Isaías 59.2. O carnal
também não invoca a justiça com retidão, nem pleiteia com verdade. Confia na vaidade,
concebe o mal, e dá a luz a iniquidade (Isaías 59.4). A sua boca profere a Palavra de Deus, e
aproxima-se dEle para ouvir a Sua Palavra, mas não a põe por obra. Os seus lábios e a sua
boca honram a Deus, mas o seu coração está longe dEle, e o temor do crente carnal para
com Deus, consiste em mandamentos de homens, usos e costumes, tradições e filosofias
que tem aprendido de cor (Isaías 29.13 e Ezequiel 33.31).

O crente carnal busca sempre alento nas Escrituras, e principalmente nos


Salmos, quando é acometido de angústias e temores, mas nunca fica livre delas, nunca
encontra descanso para a sua alma. Mas estas angústias e males vêm sobre o crente carnal
por causa da desobediência como diz o Senhor em Deuteronômio 31.17: “Então se
acenderá a minha ira naquele dia contra ele, e eu o deixarei, e dele esconderei o meu
rosto, e ele será devorado. Tantos males e angústias o alcançarão, que dirá naquele dia:
Não é, porventura, por não estar o meu Deus comigo, que me sobrevieram estes males?”.

O crente carnal também vê que suas orações não são atendidas, e o próprio
Deus responde a isto quando diz: “Quando estenderdes as vossas mãos, esconderei de vós
os meus olhos; e ainda que multipliques as vossas orações não as ouvirei; porque as
vossas mãos estão cheias de sangue (pecados)” Isaías 1.13. A este respeito, a Palavra de
Deus ainda diz: “Sabemos que Deus não ouve a pecadores, mas se alguém for temente a
Deus, e fizer a sua vontade, a esse ele ouve” João 9.31.

Para muitos crentes carnais, a aparência externa, como o cabelo comprido, as


vestes, e os seus costumes, são sinais de santidade. Não entendem que nada disso adianta se
esta santidade não estiver no coração, porque Deus não vê como vê o homem, porque o
homem vê o que está diante dos seus olhos; só vê a aparência, mas Deus olha para o
coração (I Samuel 16.7). Não é o nosso diagnóstico que capacita uma pessoa a entrar no
Reino de Deus, mas aquele que é feito por Jesus. Quando Ele olha para o coração de um
carnal, só vê imundícia, ainda que esteja externamente com trajes de santidade. Ele mesmo
disse: “Nada há fora do homem que, entrando nele, possa contaminá-lo; mas o que sai do
homem, isso é que o contamina... Não compreendeis que tudo o que de fora entra no
homem não o pode contaminar, porque não lhe entra no coração, mas no ventre, e é
lançado fora?... E prosseguiu: O que sai do homem , isso é que o contamina. Pois é do
interior, do coração dos homens, que procedem os maus pensamentos, as prostituições, os
furtos, os homicídios, os adultérios, a cobiça, as maldades, o dolo, a libertinagem, a inveja,
a blasfêmia, a soberba, a insensatez; todas estas más coisas procedem de dentro e
contaminam o homem”. Marcos 7.19-23.

Para Jesus, os crentes carnais são sepulcros caiados, exteriormente parecem


justos aos homens, mas por dentro, estão cheios de hipocrisia e iniquidade (Mateus 23.28).
Deus não se deixa escarnecer. Ninguém zombará dEle. Tudo o que o homem semear isto
17

ele também colherá. Se semear na carne, colherá a corrupção. Isto é o que o crente carnal
tem colhido por semear na sua carne (Gálatas 6.8).

O carnal sempre procura esconder os seus pecados, bem como os seus maus
pensamentos, mas Deus que conhece tudo nos diz em Sua Palavra: “O Senhor esquadrinha
todos os corações, e penetra todos os desígnios e pensamentos” I Crônicas 28.9. “E não há
criatura alguma encoberta diante dEle; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos
olhos daquele a quem havemos de prestar contas” Hebreus 4.13. O crente carnal tem como
uma de suas seguranças estarem participando de uma igreja, mas Jesus já disse que um dia,
um será levado e o outro será deixado (Mateus 24.40). De Deus também podemos ouvir o
mesmo, pois Ele diz: “Quanto ao ímpio, as suas próprias iniquidades o prenderão, e pelas
cordas do seu pecado será detido (condenado)” Provérbios 5.22.

Quanto aos jejuns que se fazem Deus já disse o que pensa em Isaías 58, nos
versos 3 a 7: “Por que temos nós jejuado, dizem eles, e tu não atentas para isso? por que
temos afligido as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais, prosseguis
nas vossas empresas, e exigis que se façam todos os vossos trabalhos. Eis que para
contendas e rixas jejuais, e para ferirdes com punho iníquo! Jejuando vós assim como hoje,
a vossa voz não se fará ouvir no alto. Seria esse o jejum que eu escolhi? o dia em que o
homem aflija a sua alma? Consiste porventura, em inclinar o homem a cabeça como junco
e em estender debaixo de si saco e cinza? chamarias tu a isso jejum e dia aceitável ao
Senhor? Acaso não é este o jejum que escolhi? que soltes as ligaduras da impiedade, que
desfaças as ataduras do jugo? e que deixes ir livres os oprimidos, e despedaces todo jugo?
Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os
pobres desamparados? que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?”.

Toda a confiança de um crente carnal está nas suas obras. Sempre procura
tranquilizar o seu coração, pensando haver uma conta de chegada nos céus, onde Deus
pesará os prós e os contras, sendo que para Deus, as justiças humanas não passam de trapos
de imundícia (Isaías 64.6). Para Deus, mesmo diante de todas essas obras, continuam
imundos, injustos, e ímpios. Todos murcharão como a folha, e nas suas próprias
iniquidades, como o vento, serão arrebatados, não para o céu, mas para a perdição eterna.

Podemos ver na parábola do fariseu e do publicano, que o fariseu


apresentou-se a Deus com as suas obras. Mostrou-se justo, fiel a esposa, não defraudava
nem roubava o próximo, jejuava duas vezes por semana, e dava o dízimo de tudo quanto
ganhava. No final não recebeu a aprovação de Deus, mas a condenação. Ele não foi
condenado porque fazia coisas certas, mas porque exaltava a si mesmo pelas suas obras
(Lucas 18.11-14).

Se esta tem sido a sua atitude diante de Deus, será certa a sua condenação
como o foi daquele fariseu. Não será diferente com qualquer um que pelas suas obras pensa
entrar no Reino de Deus. Se aqueles líderes que profetizavam, expulsavam demônios e
faziam muitas maravilhas, Jesus disse-lhes que nunca os conheceu, porque diziam-se
crentes, mas praticavam a iniquidade; que diremos então da multidão dos crentes que
18

participavam daquelas igrejas? Se eram muitos os líderes reprovados por Jesus, que se dirá
da quantidade dos crentes que só vão às igrejas nos sábados e nos domingos? (Mateus 7.22-
23).

Para esses crentes carnais, Jesus lhes dirá: “Nunca vos conheci, eu não
confio em vocês”, porque Ele bem sabe o que é a natureza humana e ninguém precisa dar-
lhe testemunho do homem (João 2.24-25). O crente carnal diz que conhece a Deus, mas
pelas suas obras o negam, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda boa
obra (Tito 1.6).

4- O crente carnal herdará


o Reino de Deus?:
“Contra as quais vos previno como já antes
vos preveni, que os que tais coisas praticam
não herdarão o Reino de Deus” Gálatas 5.21.

Diante de tudo isto, podemos constatar pela Escritura, que a situação de um


crente carnal é de total condenação diante de Deus. Portanto, os que estão na carne não
podem agradar a Deus, como também não herdará o Reino de Deus.

O nome Satanás, quer dizer enganador, pai da mentira. No Éden, ele


enganou a mulher dizendo: “Certamente não morrereis” Gênesis 3.4. Com certeza, se você
é um crente carnal, o mesmo enganador está lhe dizendo: “Certamente que você não
morrerá”. Deus que é verdadeiro e não te engana, te diz: “Pois assim diz o Senhor dos
exércitos, o Deus de Israel: Não vos enganem os vossos profetas que estão no meio de vós,
nem os vossos adivinhadores; nem deis ouvidos aos vossos sonhos, que vós sonhais”
Jeremias 29.8. “Mas a prostituição, e toda sorte de impureza ou cobiça, nem sequer se
nomeie entre vós, como convém a santos, nem baixeza, nem conversa tola, nem gracejos
indecentes, coisas essas que não convêm; mas antes ações de graças. Porque bem sabeis
isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino
de Cristo e de Deus. Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem
a ira de Deus sobre os filhos da desobediência”. Efésios 5.3-7. “Não vos enganeis; Deus
não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque
quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas quem semeia no Espírito, do
Espírito ceifará a vida eterna”. Gálatas 6.6-7.

Deus é imutável. Jesus é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Hebreus


13.8). Nem um j ou um til cairá da Sua Palavra sem que tudo se cumpra (Mateus 5.18). Ao
culpado de maneira nenhuma terá por inocente (Naum 1.3). Deus ainda diz pela Sua
Palavra que o crente carnal o tem enfadado: “Tendes enfadado ao Senhor com vossas
palavras; e ainda dizeis: Em que o havemos enfadado? Nisto que dizeis: Qualquer que faz
o mal passa por bom aos olhos do Senhor, e desses é que ele se agrada; ou: Onde está o
Deus do juízo? Pois eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e
19

todos os que cometem impiedade, serão como restolho; e o dia que está para vir os
abrasará, diz o Senhor dos exércitos, de sorte que não lhes deixará nem raiz nem ramo”.
Malaquias 2.17; 4.1

A sentença dos crentes carnais será a mesma daqueles carnais que pereceram
no dilúvio: “Então disse o Senhor: O meu Espírito não permanecerá para sempre no
homem, porquanto ele é carnal. Destruirei da face da terra o homem que criei” Gênesis
6.3, 7. Os que são carnais, sempre se inclinam para as coisas da carne. A inclinação da
carne é inimizade contra Deus, pois, não se sujeita à lei de Deus. Assim, não agradando a
Deus, entesouram com esta vida impenitente, mais ira para o dia da ira, e da revelação do
justo juízo de Deus, pois Ele retribuirá a cada um segundo as suas obras.

A ira e a indignação de Deus estarão sobre todos os contenciosos e


desobedientes à verdade, e obedientes a iniquidade e ao pecado (Romanos 2.5-8). Quem
comete o pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio (I João 3.8). A Satanás,
seus anjos, e aos que são dele, isto é, os que cometem iniquidades, Jesus dirá: “Apartai-vos
de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos; porque tive
fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; era forasteiro, e não
me acolhestes; estava nu, e não me vestistes; enfermo, e na prisão, e não me visitastes. E
irão eles para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna”. Mateus 25.41-46.

A alma que pecar essa morrerá (Ezequiel 18.4). O Senhor riscará do seu
livro, todo aquele que pecar contra Ele: “Então disse o Senhor a Moisés: Aquele que tiver
pecado contra mim, a este riscarei do meu livro” Êxodo 32.33. Diante de tudo isto,
fazemos então uma pergunta: - Qual a segurança que um crente carnal possui? O participar
de uma igreja? Ser membro ativo, ou ser um líder; ter cargos, ou dar o dízimo? Deus não se
engana, pois, ainda que alguém seja tudo isto, mas sendo um crente carnal, o salário do seu
pecado será a morte (Romanos 6.23). A parte que lhe cabe é no lago de fogo, que arde com
fogo e enxofre, que é a segunda morte. Para Deus, o crente carnal tem nome de que vive,
mas está morto (Apocalipse 3.1). Ele não entrará no novo céu e na nova terra, porque não
entrará nela coisa alguma impura, nem o que pratique abominação ou mentira, mas somente
os que estão escritos no Livro da Vida do Cordeiro (Apocalipse 21.27).

Todo o bem que possivelmente alguém tenha feito, não será contado por
Deus naquele dia, somente a sua iniquidade e o seu pecado será levado em conta, e isto
Deus nos diz claramente em Ezequiel 18.24: “Mas, desviando-se o justo da sua justiça, e
cometendo a iniqüidade, fazendo conforme todas as abominações que faz o ímpio,
porventura viverá? De todas as suas justiças que tiver feito não se fará memória; pois pela
traição que praticou, e pelo pecado que cometeu ele morrerá”.

Diante de tudo isto que temos ouvido da própria boca de Deus, podemos
afirmar com toda a segurança, que o crente carnal não herdará o Reino de Deus. Para eles,
só restarão os Ais, choros e ranger de dentes: “Ai dos que puxam a iniqüidade com cordas
de falsidade, e o pecado como com tirantes de carros! E dizem: Apresse-se Deus, avie a
sua obra, para que a vejamos; e aproxime-se e venha o propósito do Santo de Israel, para
20

que o conheçamos. Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que põem as trevas por
luz, e a luz por trevas, e o amargo por doce, e o doce por amargo! Ai dos que são sábios a
seus próprios olhos, e astutos em seu próprio conceito! Ai dos que decretam leis injustas, e
dos escrivães que escrevem perversidades; para privarem da justiça os necessitados, e
arrebatarem o direito aos aflitos do meu povo; para despojarem as viúvas e roubarem os
órfãos! Mas que fareis vós no dia da visitação, e na desolação, que há de vir de longe? a
quem recorrereis para obter socorro, e onde deixareis a vossa riqueza? Nada mais resta
senão curvar-vos entre os presos, ou cair entre os mortos. Com tudo isso não se apartou a
sua ira, mas ainda está estendida a sua mão”. Isaías 5.18-21 e 10.1-4.

O crente carnal nunca poderia ser colocado por Deus no novo céu e na nova
terra, porque mesmo lá, ele nunca aprenderia a justiça. Não deixaria de praticar o pecado, e
muito menos iria atentar para a majestade do Senhor: “Ainda que se mostre favor ao ímpio,
ele não aprende a justiça; até na terra da retidão ele pratica a iniqüidade, e não atenta
para a majestade do Senhor”. Isaías 26.10. Além de tudo isto, o mais importante, é que
Deus é um juiz justo. Um Deus que se sente indignado pelo pecado todos os dias. Ele já
tem a sua espada afiada; armado e entesado o seu arco. Já tem preparado as suas armas
mortíferas, fazendo suas setas inflamadas, para dar a cada um segundo as suas obras
(Salmos 7.11-13). Deus é bondoso, misericordioso, amoroso, longânime; mas também
severo, justo, horrendo e um fogo consumidor. Devemos considerar a bondade de Deus,
mas não podemos desprezar, nem olvidar a sua severidade (Romanos 11.22).

Se você é um crente carnal, não se engane, porque Deus não te engana.


Satanás é o único enganador. Por isso, Deus que não pode mentir, afirma: “Mas estes, como
criaturas irracionais, por natureza feitas para serem presas e mortas, blasfemando do que
não entendem, perecerão na sua corrupção, recebendo a paga da sua injustiça; pois que
tais homens têm prazer em deleites à luz do dia; nódoas são eles e máculas, deleitando-se
em suas dissimulações, quando se banqueteiam convosco; tendo os olhos cheios de
adultério e insaciáveis no pecar; engodando as almas inconstantes, tendo um coração
exercitado na ganância, filhos de maldição” II Pedro 2.12-14.

Aos ministros e líderes carnais, Deus também se dirige dizendo: “Estes,


porém, blasfemam de tudo o que não entendem; e, naquilo que compreendem de modo
natural, como os seres irracionais, mesmo nisso se corrompem. Ai deles! porque foram
pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na
rebelião de Coré. Estes são os escolhos em vossos ágapes, quando se banqueteiam
convosco, pastores que se apascentam a si mesmos sem temor; são nuvens sem água,
levadas pelos ventos; são árvores sem folhas nem fruto, duas vezes mortas, desarraigadas;
ondas furiosas do mar, espumando as suas próprias torpezas, estrelas errantes, para as
quais tem sido reservado para sempre o negrume das trevas” Judas 10-13.

Contra estas coisas Deus vos previne ó crente carnal, como já antes te
preveniu, que os que tais coisas praticam não herdarão o Reino de Deus. Deus ainda te
pergunta: “Poderá estar firme o teu coração? Poderão estar fortes as tuas mãos, nos dias
em que eu tratarei contigo? Eu, o Senhor, o disse, e o farei” Ezequiel 22.14. Melhor é a
21

repreensão franca do que o amor encoberto. Jó precisou ser entregue a Satanás para
compreender isto, porque considerava-se justo aos seus próprios olhos. Se ele não tivesse se
abominado no pó e na cinza, bem como se arrependido daquela situação diante de Deus,
com certeza ele estaria perecendo agora no inferno, com toda a sua integridade, retidão e
temor a Deus (Jó 42.5-6).

“Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto.


Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos; volte-se ao Senhor,
que se compadecerá dele; e para o nosso Deus, porque é generoso em perdoar. Mas se não
fizerdes assim, estareis pecando contra o Senhor; e estai certos de que o vosso pecado vos
há de atingir”, diz o Senhor Todo-Poderoso. (Isaías 55.6-7 e Números 32.23).

5- A salvação é para os
crentes pecadores:
“Visto como na sabedoria de Deus o mundo
pela sua sabedoria não conheceu a Deus,
aprouve a Deus salvar os crentes pela
loucura da pregação” I Coríntios 1.21.

Por este versículo, podemos constatar que Deus tem uma salvação para os
crentes. Isto mostra que nem todo crente é salvo, mas que a salvação é para aqueles que
temem e tremem diante da Sua Palavra (Isaías 66.2). Toda a salvação de Deus é dirigida aos
crentes que estão na carne, pois aos incrédulos, já vimos que a sua parte será no lago de
fogo.

Como pudemos verificar anteriormente, os crentes carnais não herdarão o


Reino de Deus. Podem ser participantes de uma igreja, ser um pastor, ou um líder, ir
regularmente aos cultos, fazer todo tipo de obra, ser fiel nos seus dízimos, mas se ele for um
carnal, precisará conhecer a salvação de Deus. As Escrituras falam desta salvação quando
diz: “E isso fazei, conhecendo o tempo, que já é hora de despertardes do sono; porque a
nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando nos tornamos crentes”
Romanos 13.11.

Nenhum carnal tem certeza da sua salvação. Toda sua segurança, como já
vimos, está baseada em ser membro de uma igreja e ser crente, mas somente entrarão nesse
novo céu e nessa nova terra, os que lavaram as suas vestes no sangue do Cordeiro, e seus
pecados se tornaram brancos como a neve, pois assim diz o Senhor: “Vinde, pois, e
arrazoemos, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados são como a escarlata, eles se
tornarão brancos como a neve; ainda que são vermelhos como o carmesim, tornar-se-ão
como a lã. Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestes [no sangue do Cordeiro]
para que tenham direito à arvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas” (Isaías
1.18 e Apocalipse 22.14.
22

Um crente jamais poderá considerar-se salvo, enquanto for escravo do


pecado, porque Jesus disse: “Todo o que comete pecado, é escravo do pecado” João 8.34.
Enquanto os seus pecados não forem lavados, e purificados diante dos olhos de Deus, este
crente estará condenado. Jesus veio buscar e salvar os que estavam perdidos, e sob o
domínio do pecado: “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia
perdido” Lucas 19.10. O que separou o homem de Deus foi o pecado, e o que Jesus veio
fazer é salvar o homem do seu pecado: “Portanto, visto como os filhos são participantes
comuns de carne e sangue, também ele semelhantemente participou das mesmas coisas,
para que pela morte derrotasse aquele que tinha o poder da morte, isto é, o Diabo; e
livrasse todos aqueles que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à
escravidão” Hebreus 2.14-15.

“Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne,
Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do
pecado, na carne condenou o pecado” Romanos 8.3. Para todo carnal que vive tentando
obedecer a lei de Deus, este versículo nos mostra que a lei é fraca diante desta natureza
carnal, ainda que a lei esteja sempre dizendo: “não faça isto”. A carne anda ao contrário da
lei, e sempre a transgride. Foi por isso que Jesus veio, por causa do pecado, e para nos
salvar do poder e da morte que ele exerce sobre nós. Ele disse: “Se o Filho vos libertar,
verdadeiramente sereis livres” João 8.36.

Não considere isto uma coisa impossível a você, pois aqui começaria a sua
derrota, sendo que o próprio nome de Jesus significa: “aquele que salva o seu povo dos seus
pecados”. Quanto a isto em Mateus 1.21 diz: “ela dará à luz um filho, a quem chamarás
JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados”. Se você não está salvo dos seus
pecados, e ainda continua sendo vencido por eles, você não está salvo por Jesus. Você
nunca o viu, nem o conheceu (I João 3.6). Você pode ter ouvido falar de Jesus a sua vida
toda, mas não conhece o Salvador como experiência pessoal.

Neste caso, você não passa de um religioso, e sua religião não passa de uma
torre de Babel, tentando com as suas obras chegar ao céu. Todo aquele que continua sendo
vencido pelo pecado permanece em sua natureza pecaminosa e terrena. Ainda é Adão e
nunca foi feito uma nova criatura, que é segundo a imagem de Jesus Cristo. “Pelo que, se
alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez
novo” II Coríntios 5.17. "Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas
obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas" Efésios 2.10.

Muitos crentes conhecem versículos tais como: “Posso todas as coisas


naquele que me fortalece. Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por
aquele que nos amou. Graças, porém a Deus, que em Cristo sempre nos conduz em
triunfo” (Filipenses 4.13; Romanos 8.37; II Coríntios 2.14), mas nunca puderam
verdadeiramente identificarem-se com eles como uma experiência real. Para estes, esta vida
abundante que Jesus fala em João 10.10 é impossível de alcançar neste mundo.
23

O que acontece, é que sem a regeneração, ou o novo nascimento, isto é, uma


obra completa feita por Deus no seu interior, o crente carnal nunca poderá provar esta vida
plena, como também ver e entrar no Seu Reino. Somente um povo salvo, santo, remido e
purificado do pecado, o verdadeiro povo de Deus é que entrará nele, pois, Ele diz:
“Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande
Deus e Salvador Cristo Jesus, que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a
iniqüidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras” Tito 2.13-14.

Remir de toda a iniquidade significa tirar do poder ou do cativeiro da


iniqüidade. Agora, purificar, é tirar toda a impureza. Se alguém estiver debaixo do poder ou
no cativeiro do pecado, com todas as impurezas, ainda não conheceu o Salvador Jesus, e
ainda não pertence à Igreja de Deus, a igreja dos justos aperfeiçoados (Hebreus 12.23). A
salvação não é obra nossa, mas de Deus na Pessoa de Jesus. Esta obra está consumada, e se
alguém não está salvo do seu pecado, é porque não conhece o Salvador, mas somente uma
religião: “... todo o que vive pecando não o viu nem o conheceu” I João 3.6.

A salvação não consiste na pessoa ser um crente e participar de uma igreja,


mas de estar salva do pecado. A religião denominacional é um fruto da imaginação perversa
do coração do homem, que presume ser as suas obras o meio de comprar a sua salvação, e
saldar a sua conta para com Deus. A redenção do homem é caríssima, e só pode ser paga a
preço de sangue e de morte. Todas as obras ou todos os recursos do mundo não dariam para
quitar tal dívida (Salmo 49.8). Quanto a isto, Deus ainda diz: “Não aceitarei resgate pela
vida de um homicida que é réu de morte; porém ele certamente morrerá” Números 35.21.

Se você é um crente carnal, você precisa nascer de novo. E é sobre este novo
nascimento, que é a necessidade de qualquer pessoa para entrar no Reino de Deus, que
vamos ver em seguida.

O CRENTE ESPIRITUAL

O nascimento no Espírito:
“Jesus respondeu: Em verdade, em verdade
te digo que se alguém não nascer da água e
do Espírito, não pode entrar no Reino de
Deus” João 3.5.

Nunca poderíamos fazer um diagnóstico do crente carnal, e deixá-lo morrer


na sua doença. O falso médico é aquele que mostra a doença, mas não trata do doente para
que seja curado, só o remedeia. Jesus não é um médico que apenas veio mostrar a doença,
mas curar e salvar totalmente todo doente que crê. É para chamar os crentes carnais
doentes, que Jesus veio. Jesus não veio para os sãos, nem para os justos, mas para os
doentes, injustos e pecadores. “Jesus, porém, ouvindo isso, respondeu: Não necessitam de
24

médico os sãos, mas sim os enfermos. Porque eu não vim chamar justos, mas pecadores ao
arrependimento” Mateus 9.12-13.

Caso você não esteja enfermo e no pecado, saiba que Jesus não veio para
você, e nunca será seu Salvador. Jesus encontrou certa vez um homem que era muito
religioso e considerava-se justo diante dos homens. Tanto era assim, que ele próprio
ensinava ao povo, pois, era mestre em Israel. Seu nome era Nicodemus. Jesus não se deu à
sua aparência e logo lhe disse sobre a sua principal necessidade: Nascer de novo.

Quando Jesus estava dizendo da necessidade do novo nascimento a


Nicodemus, ele não estava falando desta necessidade apenas para ele, pois a palavra
“alguém”, mostra que qualquer pessoa que não nascer de novo, não poderá entrar no Reino
de Deus. Logo em seguida, vemos no verso 6 do capítulo 3 de João, Jesus mostrando
porque o novo nascimento é necessário quando disse: “o que é nascido da carne é carnal, e
o que é nascido do Espírito é espiritual”.

O novo nascimento tirou o homem de uma vida carnal, sob o domínio do


pecado e do diabo, para uma vida espiritual; tendo como princípio a santidade e a
obediência a Deus: “eleitos segundo a presciência de Deus Pai, na santificação do Espírito,
para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo” I Pedro 1.2. Muitos consideram o
Espírito Santo como um doador de dons e de poder, mas a segurança da salvação ou do
novo nascimento de alguém, não está no fato dele falar línguas ou possuir algum dom, mas
dele estar liberto do pecado, andando em obediência, e em santidade diante de Deus.

A maior obra do Espírito no novo nascimento de uma pessoa, como nos


mostra o versículo que acabamos de ver é: santificação e obediência. Talvez muitos pensem
com isto, que não cremos nos dons do Espírito Santo. Jamais poderíamos negligenciar os
dons do Espírito. Sem eles, não poderíamos escrever nenhuma linha deste livro. Não só
cremos nos dons como também temos experimentado, mas o primeiro dom que recebemos
do Espírito é a mudança de coração, a santificação, e a vida de obediência a Deus. Se essas
características não estiverem numa pessoa, ela não tem o Espírito como o penhor de sua
salvação.

De que adianta aqueles crentes, que exibem seus dons diante dos outros, mas
estão envolvidos com a mentira, o engano, as maledicências, a inveja, os ciúmes e com
muitos outros pecados, fora e dentro das igrejas. Este novo nascimento traz a nós, mesmo
vivendo neste mundo, vida de santidade e justiça diante de Deus todos os dias da nossa
vida: “de conceder-nos que, libertados da mão de nossos inimigos, o servíssemos sem
temor, em santidade e justiça perante ele, todos os dias da nossa vida” Lucas 1.74-75.

Aqueles líderes e ministros de quem Jesus fala em Mateus 7, também


profetizavam, expulsavam demônios, falavam em línguas e faziam muitos milagres. Eles
faziam tudo isto, porque o Nome de Jesus tem poder, mas nada daquilo lhes adiantará, pois,
no dia do juízo, Jesus lhes dirá claramente: “Nunca vos conheci, apartai-vos de mim, vós
25

que praticais a iniquidade”. Este juízo de Jesus mostra-nos que eles não eram nascidos de
novo, pois viviam em iniquidade (Mateus 7.22-23).

Todo aquele que nasceu do Espírito, é guiado por este Espírito: “Pois todos
os que são guiados pelo Espírito de Deus, estes são filhos de Deus” Romanos 8.14. A
direção do Espírito faz-nos andar em toda a verdade: “Quando vier, aquele, o Espírito da
verdade, ele vos guiará em toda a verdade” João 16.13. Como pode alguém afirmar que
tem o Espírito, e que nasceu de novo, se anda na mentira. Todo aquele que está na carne é
carnal, é pecador, e todo aquele que está no Espírito, é espiritual, porque é nascido do
Espírito, está revestido de Cristo, e nunca mais estará na carne: “Vós, porém, não estais na
carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem
o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” Romanos 8.9. Isto só é possível, se
verdadeiramente você nasceu de novo e o Espírito de Cristo estiver habitando em você.

O corpo humano é o santuário de Deus, e Satanás tem se assentado neste


santuário, apresentando-se como se fosse o próprio Deus (II Tessalonicenses 2.4),
enganando grande parte dos crentes, dizendo-se ser o Espírito de Deus com os seus dons.
Considere este exemplo: - Se um japonês estiver possesso, este espírito maligno que estiver
nele, caso esteja no Japão, falará na língua japonesa. Se este mesmo espírito possuir algum
crente em qualquer igreja aqui no Brasil, e falar na mesma língua japonesa, este crente será
considerado um homem espiritual. Cuidado para que ninguém vos engane. O Espírito é
Santo, e este Espírito Santo só pode habitar num templo que é santo. O Espírito de Cristo
também é conhecido pela Palavra de Deus, como “a divina semente”. Em quem a divina
semente habita o pecado não mais poderá ser concebido: “Aquele que é nascido de Deus
não peca; porque a semente de Deus permanece nele, e não pode pecar, porque é nascido
de Deus” I João 3.9.

As obras de um carnal e de um espiritual são claramente vistas e manifestas.


Assim como o pecado não é algo que fica inativo, mas se manifesta no carnal, assim
também os frutos do Espírito são claramente vistos naqueles que nasceram do Espírito.
Jesus nos diz que: “pelos seus frutos os conhecereis” Mateus 7.20. “Ora, as obras da
carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a
feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os
partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais
vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o
reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a
benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas
não há lei” Gálatas 5.19-23. É com este diagnóstico da Palavra de Deus, que ninguém
poderá andar em dúvida não sabendo se é ou não nascido do Espírito.

Leitor, se o pecado ainda tem domínio sobre a tua carne, você ainda é um
carnal e está sem conhecer o Salvador, mesmo que seja um crente dedicado. Se o que
manifestam em você são os frutos do Espírito, com toda certeza você está convicto do seu
novo nascimento e conhece o seu Salvador. “Quem, Senhor, habitará na tua tenda? quem
morará no teu santo monte? Aquele que anda irrepreensivelmente e pratica a justiça, e do
26

coração fala a verdade; que não difama com a sua língua, nem faz o mal ao seu próximo,
nem contra ele aceita nenhuma afronta; aquele a cujos olhos o réprobo é desprezado, mas
que honra os que temem ao Senhor; aquele que, embora jure com dano seu, não muda”
Salmos 15.1-4.

O ministério do Espírito em uma pessoa tem um aspecto pleno, pois, Ele é o


que traz a compreensão da Palavra de Deus e as suas promessas: “Ora, nós não temos
recebido o espírito do mundo, mas sim o Espírito que provém de Deus, a fim de
compreendermos as coisas que nos foram dadas gratuitamente por Deus” I Coríntios 2.12.
Como vimos anteriormente, o novo nascimento também é obra do Espírito: “Profetizei,
pois, como ele me ordenara; então o fôlego da vida entrou neles e viveram, e se puseram
em pé, um exército grande em extremo” Ezequiel 37.10. Mas sobre a casa de Davi, e sobre
os habitantes de Jerusalém, derramarei o espírito de graça e de súplicas; e olharão para
aquele a quem traspassaram, e o prantearão como quem pranteia por seu filho único; e
chorarão amargamente por ele, como se chora pelo primogênito” Zacarias 12.10.

É o mesmo Espírito que conduz esta nova criatura a uma vida de obediência
e santidade a Deus, livrando-o assim da lei do pecado: “Pois o pecado não terá domínio
sobre vós, porquanto não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça” Romanos 6.14.
“Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas
imundícias, e de todos os vossos ídolos, vos purificarei. Também vos darei um coração
novo, e porei dentro de vós um espírito novo (este é o espírito do homem, novo e
regenerado); e tirarei da vossa carne o coração de pedra (este coração de pedra não fica na
nova criatura), e vos darei um coração de carne. Ainda porei dentro de vós o meu Espírito
(este é o Espírito de Cristo, o novo homem), e farei que andeis nos meus estatutos, e
guardeis as minhas ordenanças, e as observeis” Ezequiel 36.25-27.

Muitos crêem que este coração de pedra, que nada mais é do que o velho
homem, ainda continua no crente depois do seu novo nascimento. Mas neste versículo de
Ezequiel 36.25-27, temos de Deus a clareza de que o coração de pedra é tirado do nosso
interior, e é colocado em seu lugar um coração de carne. Ao contrário do que se pregam em
vários púlpitos, Deus não deixa os dois corações, ou os dois cachorros branco e preto, ou as
duas naturezas, ou ainda o EU ou Cristo no trono. Ele tira o velho e nos dá um coração
totalmente novo, como também nos faz andar em sua vontade, com uma só vida, a vida de
Cristo em nós (Gálatas 2.20).

O Espírito também é o autor da nossa santificação conforme Deus nos diz


em Sua Palavra: Mas nós devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos, amados do
Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a santificação do espírito e a fé
na verdade” II Tessalonicenses 2.13. Este mesmo Espírito de Cristo é a Vida Eterna em
nós, e também a garantia da nossa salvação: “no qual também vós, tendo ouvido a palavra
da verdade, o evangelho da vossa salvação, e tendo nele também crido, fostes selados com
o Espírito Santo da promessa, o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da
possessão de Deus, para o louvor da sua glória” Efésios 1.13-14. “Quem tem o Filho tem
a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” I João 5.12.
27

O Espírito também é identificado pelas Escrituras, como o Ensinador, pois, é


por Ele que aprendemos todas as coisas: “E quanto a vós, a unção que dele recebestes fica
em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos
ensina a respeito de todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como vos ensinou ela,
assim nele permanecei” I João 2.27. É Ele também que mortifica a natureza carnal, e
estabelece a natureza divina em nós: “porque se viverdes segundo a carne, haveis de
morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis” Romanos 8.13.

Por último, será por este Espírito que receberemos a redenção do nosso
corpo: “Ora, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado,
mas o espírito vive por causa da justiça. E, se o Espírito daquele que dos mortos
ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo Jesus há de
vivificar também os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita” Romanos
8.10-11.

O carnal é aquele que está na carne, vive e anda na carne, e faz a vontade da
carne e dos pensamentos, e é por natureza filho da ira como também os demais pecadores.
O carnal está corrompido pelas concupiscências do engano (Efésios 2.3 e 4.22). O crente
espiritual é aquele que nasceu do Espírito, vive e anda no Espírito, faz a vontade de Deus, e
está crescendo em santidade, e em conhecimento de Deus e de Jesus Cristo: "Nisto
conheceremos que somos da verdade, e diante dele tranqüilizaremos o nosso coração;
porque se o coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas
as coisas. Amados, se o coração não nos condena, temos confiança para com Deus; e
qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus
mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista. Ora, o seu mandamento é este, que
creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, como ele nos
ordenou. Quem guarda os seus mandamentos, em Deus permanece e Deus nele. E nisto
conhecemos que ele permanece em nós: pelo Espírito que nos tem dado” I João 3.19-23.
“Sabemos também que já veio o Filho de Deus, e nos deu entendimento para conhecermos
aquele que é verdadeiro; e nós estamos naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho
Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” I João 5.20.

Os crentes de Éfeso (Atos 19.1-6), só conheciam o batismo do


arrependimento de João, ainda não tinham conhecido o Espírito Santo e a sua obra de novo
nascimento. Hoje muitos crentes só conhecem o batismo do arrependimento, e continuam
na carne porque não conhecem a Jesus, o Espírito, e a libertação que Ele traz. Sobre isto Ele
diz: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior correrão rios de água viva.
Ora, isto ele disse a respeito do Espírito; que haviam de receber os que nele cressem” João
7.38-39.
28

2- Os que são de Cristo


crucificaram a carne:
“E os que são de Cristo Jesus crucificaram a
carne com as suas paixões e
concupiscências” Gálatas 5.24.

O novo nascimento é a obra que Deus realizou no sacrifício de Cristo,


tirando de nós a nossa natureza carnal e pecadora que nascemos com ela herdadas de Adão,
colocando em Cristo naquele madeiro; dando-nos da Sua natureza divina, espiritual e
incorruptível pela ressurreição de Jesus dentre os mortos, e que agora é gerado em nós pela
Palavra de Deus e pelo Espírito Santo: “Jesus respondeu: Em verdade, em verdade te digo
que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus... E
como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja
levantado; para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna” João 3.5; 14-15.
“...sendo de novo gerados, não de semente corruptível (pela semente do homem), mas de
incorruptível (pela divina semente de Deus - I João 3.9), pela palavra de Deus, a qual vive
e permanece para sempre” I Pedro 1.23. “Segundo a sua própria vontade, ele nos gerou
pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas” Tiago
1.18.

Esta natureza carnal é chamada pelas Escrituras de “homem velho”, ou


“corpo do pecado”. Este homem velho, ou corpo do pecado, representa a nossa condição
primitiva de geração no pecado, isto é, a natureza má e corrupta que trazemos por herança
dos nossos pais. O homem velho é todo homem ou mulher, adulto e criança, que vive como
filho de Adão, andando na escravidão do pecado e no engano: “Pois é do interior, do
coração dos homens, que procedem os maus pensamentos, as prostituições, os furtos, os
homicídios, os adultérios, a cobiça, as maldades, o dolo, a libertinagem, a inveja, a
blasfêmia, a soberba, a insensatez; todas estas más coisas procedem de dentro (deste velho
homem) e contaminam o homem” Marcos 7.21-23.

Este homem velho é o mesmo que o apóstolo Paulo chamou de “corpo desta
morte” em Romanos 7.24. Este homem velho é o mesmo que operava em seus membros
dando frutos para a morte, e também o que operava a lei que sempre o levava ao pecado:
“Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse pratico. Ora, se eu faço o
que não quero, já o não faço eu, mas o pecado (aqui o apóstolo Paulo não está tratando dos
pecados, mas do pecado, isto é, do homem velho, da fonte produtora de pecados) que
habita em mim” Romanos 7.19-20.

Esta é a situação de um carnal, de alguém que ainda não teve a sua natureza
terrena arrancada por Deus. O apóstolo Paulo não está nesta passagem falando de sua nova
vida no Espírito, mas de sua vida ainda nas paixões da carne. Ele nos fala isto no versículo
5 do mesmo capítulo 7 quando diz: “Pois, quando estávamos na carne, as paixões dos
pecados, suscitadas pela lei, operavam em nossos membros para darem fruto para a
morte”.
29

Em todo lugar temos encontrado muito desses carnais que tentam provar a
sua salvação, justificando-se nestas palavras do apóstolo Paulo, sendo que não continuam
atentando para a Palavra de Deus e vendo que em Romanos 8.2, o mesmo apóstolo Paulo
fala de sua libertação do cativeiro do pecado pelo Espírito da Vida em Cristo Jesus. O
apóstolo dá testemunho nesses versículos de sua vida na carne, nas paixões dos pecados
onde não conseguia fazer o bem que queria, mas somente o mal que não queria. Também da
sua nova vida debaixo da graça, não mais na carne, mas no Espírito quando disse:
“Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não
andam segundo a carne mas segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito da vida, em
Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte” Romanos 8.1-2.

No versículo 5 do capítulo 7, ele fala claramente de sua vida na carne, e no


versículo 1 do capítulo 8, da sua vida no Espírito e não mais na carne. Se não tivermos a
revelação do Espírito, ninguém poderá discernir nem entender estas coisas porque elas são
o mistério de Deus que esteve guardado em silêncio desde os tempos eternos (Romanos
16.25-26), e que agora Ele quer fazer conhecer pelas Escrituras proféticas. Mistério é algo
que ninguém entende se não for revelado por Deus.

Cuidado para que você não esteja entre aqueles de quem Deus fala em João
12.38-41, quando diz: "...para que se cumprisse a palavra do profeta Isaías: Senhor, quem
creu em nossa pregação? e aquem foi revelado o braço do Senhor? Por isso não podiam
crer, porque, como disse ainda Isaías: Cegou-lhes os olhos e endureceu-lhes o coração,
para que não vejam com os olhos e entendam com o coração, e se convertam, e eu os cure.
Estas coisas disse Isaías, porque viu a sua glória, e dele falou". Ou entre aqueles que Ele
diz: “Vede, ó desprezadores, admirai-vos e desaparecei; porque realizo uma obra em
vossos dias, obra em que de modo algum crereis, se alguém vo-la contar” Atos 13.41.

O homem sem o novo nascimento, por mais que tente viver em santidade e
justiça não poderá fazê-lo. Por mais que ele queira fazer o bem não consegue, porque o
pecado não lhe veio trazer somente culpa, mas o poder e a presença deste pecado nele.
Tentar viver para Deus no pecado, seria a mesma coisa que uma árvore má tentar dar frutos
bons. Ela não pode, porque a maldade é fruto da sua natureza má. Um homem pecador,
tentando não produzir pecados é a mesma coisa, será impossível, porque o pecado faz parte
da sua natureza.

A cobra venenosa não consegue deixar de ser peçonhenta, como também não
consegue gerar seus filhotes sem o veneno; assim também o homem não pode deixar de
pecar, nem de gerar filhos pecadores. Há no homem o poder do pecado que reina sobre ele,
e o homem passa a ser seu escravo. O escravo não pode se livrar por si mesmo, somente
será livre se o seu Senhor o alforriar: “Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a
reinar por esse...” Romanos 5.17. “Todo aquele que comete o pecado é escravo do
pecado” João 8.34.

O pecado não é algo que quando decidimos deixá-lo, podemos fazê-lo. Ele
está arraigado no homem da mesma maneira que está a sua vida. O pecado reina no homem,
30

e como nos diz o Salmo 125.3, o cetro (símbolo de poder) da impiedade repousa sobre ele.
O pecado reina no homem e o subjuga a um império, isto é, o império da morte que está no
poder do diabo (Hebreus 2.14). O pecado é tão poderoso, que tem subjugado o homem
desde a criação do mundo, e somente a morte de um justo pôde livrá-lo de tal poder. Não há
outro meio de alguém estar livre deste poder sem o novo nascimento. Sem o poder do
Espírito da vida em Cristo Jesus, ninguém poderá livrar-se do poder do pecado nem da sua
condenação à morte eterna.

Como o pecado reina no homem, o poder do velho homem está sempre


atuante, e consequentemente a presença do pecado é inevitável. Davi disse: “Pois eu
conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim” Salmo 51.3.
O homem por si só não pode mudar este quadro. Normalmente ele se engana procurando
em Deus o perdão para a culpa que o pecado traz, mas a Palavra de Deus diz: “O salário do
pecado é a morte” Romanos 6.23. Ainda que Deus mostrasse favor ao pecador, perdoando
cada transgressão sua, mesmo assim Deus ele não aprenderia a justiça. Ainda que o
colocasse num lugar onde o pecado não estivesse presente, não deixaria de pecar (Isaías
26.10). Se somente o perdão fosse necessário, Jesus não precisaria ter vindo para morrer por
nós, poderíamos continuar a fazer os sacrifícios dos animais e isto bastaria.

O perdão não é suficiente, porque o poder e a presença do pecado continuam


no homem. Somente uma salvação plena feita por Deus pode tirar o homem deste triste
quadro. Esta é a salvação que Jesus realizou. Esta é a salvação que Jesus realizou em seu
corpo na Sua morte e ressurreição. A salvação não poderia ser chamada de salvação, se
Deus tivesse apenas perdoado o homem, e o deixasse sobre o domínio deste velho homem e
no cativeiro do pecado. Se uma árvore produz frutos maus, é porque ela é uma árvore má.
Nunca dará frutos bons. Para dar frutos bons, terá que ser arrancada e plantada uma árvore
boa em seu lugar. É isto que Deus fez conosco em Jesus, pois Jesus disse: “Toda planta
que meu Pai celestial não plantou será arrancada” Mateus 15.13.

No sacrifício de Jesus, Deus não somente nos perdoou, mas realizou uma
tríplice justificação. Muitos ainda estão vivendo como carnais por falta de conhecimento
desta grande salvação, e outros porque não crêem: “O meu povo está sendo destruído,
porque lhe falta o conhecimento” Oséias 4.6. Esta tríplice justificação envolve o sangue de
Jesus, a Sua morte, e a Sua ressurreição. Todo erro procede da falta de conhecimento das
Escrituras e do poder de Deus (Mateus 22.29). Para os que não crêem, só está reservado o
juízo do grande dia e um ardor de fogo que há de devorá-lo: “Porque se voluntariamente
continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já
não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor
de fogo que há de devorar os adversários” Hebreus 10.26-27.

O sangue de Jesus tem na justificação, a função de tornar o culpado em


inocente, inculpável, e justo. A justificação remove a culpa dos pecados cometidos no
tempo da ignorância e a que trouxemos de Adão: “sendo justificados gratuitamente pela
sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como
31

propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua
paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos” Romanos 3.24-25.

O sangue também nos aproximou de Deus, pois a nossa iniquidade é que


fazia separação entre nós e o nosso Deus. Isaías 59.2 diz: “mas as vossas iniquidades fazem
separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de
modo que não vos ouça”. “Mas agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já
pelo sangue de Cristo chegastes perto” Efésios 2.13. O sangue também nos trouxe a paz
com Deus, porque no pecado nos tornamos inimigos de Deus no entendimento pelas nossas
obras más (Colossenses 1.21): “e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz,
por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra
como as que estão nos céus” Colossenses 1.20.

O sangue derramado por Jesus também nos comprou para Deus, como nos
diz Apocalipse 5.9-10: “Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste
morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, e língua, e povo e
nação; e para o nosso Deus os fizeste reino, e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra”.
Ele nos comprou porque pertencíamos ao diabo, e estávamos por toda a vida sujeitos à
escravidão, como nos diz I João 3.8: “quem comete pecado é do Diabo; porque o Diabo
peca desde o princípio”, e Hebreus 2.14-15: “Portanto, visto como os filhos são
participantes comuns de carne e sangue, também ele semelhantemente participou das
mesmas coisas, para que pela morte derrotasse aquele que tinha o poder da morte, isto é, o
Diabo; e livrasse todos aqueles que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos
à escravidão”. Este versículo nos mostra que fomos remidos; fomos tirados do poder do
cativeiro do pecado e do diabo.

O sangue nos redimiu, isto é, nos libertou de tudo que nos prendia.
Estávamos acorrentados de pés e mãos, e pelo seu sangue as cadeias se romperam: “em
quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as
riquezas da sua graça” Efésios 1.7. “Àquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou
dos nossos pecados” Apocalipse 1.5. Muitos usam o sangue de Jesus como um poder para
expulsar demônios, ou para curar enfermos; mas não é o sangue de Jesus, mas o Seu Nome
é que tem poder para isto. O sangue teve como função fundamental na justificação, a
purificação dos nossos pecados: “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com
sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão de pecados” Hebreus 9.22.

Para que a justificação pelo sangue, que nos levou à reconciliação, à paz, à
remissão e ao perdão dos pecados fosse consumada por Deus, antes de tudo ele precisou
retirar de nós o nosso pecado, como também os nossos pecados e colocar no corpo de Jesus
Cristo naquela cruz, para que, justificados e mortos para o pecado, pudéssemos viver para a
justiça: “levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que
mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes
sarados” I Pedro 2.24.
32

Na morte de Jesus, Deus executou mais uma etapa desta tríplice justificação
para o homem. No sangue houve a reconciliação, a paz, e a remissão. Na morte de Jesus,
houve a destruição do homem velho, do corpo do pecado. No sangue Deus trata com os
frutos, na morte de Jesus Deus trata com a natureza da árvore.

Saber que Jesus morreu por nós, representa só o lado substitutivo do


sacrifício. Esta face da morte de Jesus representa a remoção da dívida paga por Ele, pelos
nossos pecados cometidos, pois Deus nos diz: “que se deu a si mesmo por nós para nos
remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras”
Tito 2.14. “... e havendo riscado o escrito de dívida que havia contra nós nas suas
ordenanças, o qual nos era contrário, removeu-o do meio de nós, cravando-o na cruz”
Colossenses 2.14.

É verdade que Jesus nos substituiu naquela cruz, mas encontramos na morte
de Jesus uma outra face muito preciosa que é o lado vicário do sacrifício. Esta face
representa a plena e total representação de Jesus por nós diante de Deus. Jesus foi
plenamente aceito por Deus para nos representar diante dEle. Este lado vicário da morte de
Jesus fez com que Deus ao aceitar a morte de Jesus como paga do pecado, estivesse
aceitando a nossa morte e a quitação da nossa dívida, pois a lei dizia: “A alma que pecar
esta morrerá” Ezequiel 18.4. Em Cristo o próprio Deus nos faz saber que: “Àquele que não
conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de
Deus” II Coríntios 5.21.

Caminhando pela Palavra de Deus, podemos com a Sua misericórdia saber


mais uma face desta morte de Jesus: o lado expiatório. A vida está no sangue (Levítico
17.11), e quando foi derramado totalmente o sangue, Jesus morreu (João 19.34). Isto
representou a destruição total da culpa do pecado, pois os pecados já haviam sido
perdoados pelo sangue: “Todavia, foi da vontade do Senhor esmagá-lo, fazendo-o
enfermar; quando ele se puser como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade,
prolongará os seus dias, e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos” Isaías 53.10.
“Pelo que convinha que em tudo fosse feito semelhante a seus irmãos, para se tornar um
sumo sacerdote misericordioso e fiel nas coisas concernentes a Deus, a fim de fazer
propiciação pelos pecados do povo” Hebreus 2.17.

A última face deste sacrifício de Jesus é o lado identificativo. Esta face


representa a nossa identificação com Jesus em seu sacrifício, isto é, quando Jesus foi
pregado naquela cruz, nós nos tornamos uma só pessoa com Ele. Assim como fomos
identificados com Adão em seu pecado no Éden, porque para Deus foi como se cada um de
nós tivesse comido da árvore do conhecimento do bem e do mal, também fomos da mesma
forma identificados com Jesus em seu sacrifício. Para Deus esta identificação nos levou a
receber a sentença de morte juntamente com Adão no Jardim do Éden, assim como a
estarmos mortos com Jesus no Gólgota.

A nossa identificação no pecado de Adão, deu-se quando ele comeu


juntamente com sua mulher da árvore do conhecimento do bem e do mal que Deus tinha
33

dito que não era para se comer. A nossa identificação na morte de Cristo, deu-se quando
Jesus foi levantado da terra pelos soldados naquela cruz, pois Ele disse: “E eu, quando for
levantado da terra, todos atrairei a mim. Isto dizia, significando de que modo havia de
morrer” João 12.32-33. Como em Adão, tudo o que aconteceu com ele depois da queda,
também aconteceu a nós; em Jesus tudo o que aconteceu com Ele, aconteceu conosco
também. Adão foi condenado, nós também fomos condenados (Romanos 5.18). Adão
morreu por causa do pecado, nós também morremos juntamente com ele (Romanos 5.12).
Adão foi destituído da Glória de Deus (Gênesis 3.23), nós também fomos destituídos
juntamente com ele (Romanos 3.23).

Na nossa identificação com Jesus, tudo o que aconteceu com Ele aconteceu
conosco também. Jesus foi crucificado em uma cruz, e nós fomos crucificados juntamente
com Ele (Romanos 6.6). Jesus morreu, nós também morremos juntamente com Ele,
Aleluia!: “Ou, porventura, ignorais que todos quantos fomos batizados em Cristo Jesus
fomos batizados na sua morte?” Romanos 6.3 (cuidado, porque aqui Deus não está falando
de batismo nas águas como muitos interpretam, mas de batismo na morte de Jesus. Batismo
aqui significa estar incluído completamente nEle). “Ora, se já morremos com Cristo”
Romanos 6.8. Jesus foi sepultado, nós também fomos sepultados com Ele na mesma
identificação: “Fomos, pois, sepultados com ele pelo batismo na morte, para que, como
Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em
novidade de vida” Romanos 6.4.

Depois de três dias e três noites, Deus ressuscitou a Jesus dentre os mortos, e
ressuscitou-nos juntamente com Cristo, pois, também na ressurreição estávamos
identificados juntamente com Ele, quando diz: “estando nós ainda mortos em nossos
delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos)” Efésios 2.5. Esta
identificação não é somente nossa com Jesus, mas Jesus também se identificou com o
pecado de Adão e o nosso pecado quando nos atraiu para o seu corpo, e esta foi a causa da
sua morte. Mas quando Deus ressuscitou a Jesus, livrando-o da morte, livrou-nos também
da morte que tínhamos em Adão, dando-nos vida juntamente com Ele: “Pois como em
Adão todos morrem, do mesmo modo em Cristo todos serão vivificados” I Coríntios 15.22.
Aleluia!

Por fim, esta identificação introduziu-nos nos céus, na presença do próprio


Deus pela Pessoa de Jesus Cristo. Aquele trono que para nós seria o lugar da manifestação
da ira e da sentença de Deus sobre nós, agora é o lugar que Deus nos chama à Sua
comunhão: “e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões
celestes em Cristo Jesus” Efésios 2.6. “Tendo pois, irmãos, ousadia para entrarmos no
santíssimo lugar, pelo sangue de Jesus, pelo caminho que ele nos inaugurou, caminho novo
e vivo, através do véu, isto é, da sua carne” Hebreus 10.19-20.

Finalmente, Deus completa este plano da sua tríplice justificação, com a


ressurreição de Jesus quando diz: “o qual foi entregue por causa das nossas transgressões,
e ressuscitado para a nossa justificação” Romanos 4.25. No sangue temos a reconciliação,
a paz, o perdão, e a remissão dos nossos pecados. Na morte, temos a substituição de Jesus
34

em nosso lugar naquela cruz, removendo toda a dívida, e pagando tudo o que Deus tinha
contra nós. Na cruz Jesus também nos representou legalmente e plenamente diante de Deus.
A sua expiação destruiu toda a culpa do pecado. Em Jesus também fomos identificados na
sua morte, sendo por Ele atraídos, mortos, sepultados, ressuscitados e exaltados
(glorificados) juntamente com Ele.

Completando a justificação, fomos ressuscitados juntamente com Cristo,


possibilitando assim, o Espírito Santo trazer a nós neste tempo presente o arrependimento, a
remissão dos nossos pecados, e a habitação do Espírito de Cristo no nosso interior, como o
selo de Deus em todos aqueles que foram justificados, pois está escrito: “O Deus de nossos
pais ressuscitou a Jesus, ao qual vós matastes, suspendendo-o no madeiro; sim, Deus, com
a sua destra, o elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e
remissão de pecados. E nós somos testemunhas destas coisas, e bem assim o Espírito
Santo, que Deus deu àqueles que lhe obedecem” Atos 5.30-32.

Não poderíamos ser justos diante de Deus, se esta justificação no fosse


plena, pois, no sangue, todos os nossos pecados que cometemos no tempo da nossa
ignorância, foram totalmente perdoados. Porém, não adiantaria somente perdoar os pecados
e nos deixar escravos da mesma natureza que nos leva a cometer os mesmos pecados. Deus
não faria uma obra tão grandiosa e só nos perdoaria dos pecados, deixando-nos escravos
dele. Por isso, Deus incluiu-nos no corpo de Jesus na Sua morte, para que o corpo do
pecado fosse destruído, a fim de não servirmos mais ao pecado como escravos. Assim nos
ensina Deus quando diz: “sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele,
para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado”
Romanos 6.6.

Portanto, estando os pecados perdoados, e o velho homem destruído, Deus


trouxe-nos vida abundante pela ressurreição de Jesus. Aqui se cumpre esta tríplice
justificação de Deus: o sangue trouxe o perdão, a paz, e a reconciliação; a morte trouxe a
destruição do velho homem, e a ressurreição trouxe a Vida de Cristo a nós, para nunca mais
andarmos em temor, debaixo da condenação e da escravidão do pecado. A vida da
ressurreição nos leva para uma vida santa, inculpável e irrepreensível diante de Deus:
“agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele
vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis” Colossenses 1.22. “Tudo já está
consumado” disse Jesus. Este foi o ato de justiça que Deus realizou em Cristo em nosso
favor, totalmente pela Sua misericórdia e graça. Agora podemos crer e dizer: “Já estou
crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora
vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por
mim” Gálatas 2.20.

A nossa justificação não nos é conferida por Deus pelas obras ou por
qualquer coisa que possamos fazer, mas sim pela fé. Do contrário não seria graça, mas
dívida: “Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não
diante de Deus. Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado
como justiça. Ora, ao que trabalha não se lhe conta a recompensa como dádiva, mas sim
35

como dívida; porém ao que não trabalha, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé
lhe é contada como justiça; assim também Davi declara bem-aventurado o homem a quem
Deus atribui a justiça sem as obras, dizendo: Bem-aventurados aqueles cujas iniquidades
são perdoadas, e cujos pecados são cobertos. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor
não imputará o pecado” Romanos 4.2-8.

Caso você seja um crente carnal, talvez agora você entenda porque tem
prazer na lei de Deus, mas vê nos seus membros uma outra lei guerreando contra a lei do
seu entendimento, e levando os seus membros cativos a obediência ao pecado e não a Deus.
Simplesmente aceitar a Jesus em algum apelo, chorar e ter remorso da sua vida em pecado
não traz esta experiência de libertação. Somente uma regeneração genuína, vinda de Deus,
pela fé nesta plena justificação realizada em Jesus, onde seus pecados foram totalmente
perdoados e você lavado no Seu sangue. Que você, o pecador está morto e o seu velho
homem foi completamente destruído na Sua morte, e que você ressuscitou juntamente com
Cristo, sendo assim nova criatura, nascida de novo, é que pode trazer a você uma verdadeira
salvação. O resultado desta experiência é poder viver esta vida abundante que a Palavra de
Deus tanto fala, já neste mundo, porque Ele diz: “Porque, se pela ofensa de um só, a morte
veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da
justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo... para que, assim como o pecado veio a
reinar na morte, assim também viesse a reinar a graça pela justiça para a vida eterna, por
Jesus Cristo nosso Senhor” Romanos 5.17 e 21.

Diante de tudo isto, você poderá perguntar: - Mas então estas pessoas que
crêem que Jesus morreu por elas. Aceitando-o como seu Senhor e Salvador; tornaram-se
crentes, foram batizadas, e agora estão participando ativamente de uma igreja, mas que
nunca creram na sua morte e ressurreição com Cristo está se perdendo? Com muita
misericórdia temos que dizer que caso não venham a crer, já estão condenadas. O Espírito
Santo nos instrui sobre isto quando diz: “Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto,
é naqueles que se perdem que está encoberto, nos quais o deus deste século cegou os
entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória
de Cristo, o qual é a imagem de Deus” II Coríntios 4.3-4. A religião tem sido um
instrumento do diabo para enganar o mundo: “E foi precipitado o grande dragão, a antiga
serpente, que se chama o Diabo e Satanás, que engana todo o mundo; foi precipitado na
terra, e os seus anjos foram precipitados com ele” Apocalipse 12.9.

Mas Deus é o Senhor dos céus e da terra, e o diabo não conseguirá apagar
nem esconder a Sua Verdade, porque Ele mesmo vela pela Sua Palavra para a cumprir. Esta
Palavra não voltará para Ele vazia, pois assim diz o Senhor: “Viste bem; porque eu velo
sobre a minha palavra para a cumprir” Jeremias 1.12. “Porque, assim como a chuva e a
neve descem dos céus e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir e
brotar, para que dê semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a palavra que
sair da minha boca: ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e
prosperará naquilo para que a enviei” Isaías 55.11.
36

Peço a Deus que o Espírito te leve a considerar bem cada tópico abordado
neste capítulo, porque nestas passagens das Escrituras nos é revelado o mistério da salvação
que foi guardado por Deus dos séculos e das gerações. O intuito principal deste livro é a
apresentação da verdade sobre a Palavra da cruz: “Porque a palavra da cruz é deveras
loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Visto
como na sabedoria de Deus o mundo pela sua sabedoria não conheceu a Deus, aprouve a
Deus salvar pela loucura da pregação os que crêem” I Coríntios 1.18, 21.

Por ser um mistério, não posso fazê-lo por minha própria força ou persuasão,
mas espero inteiramente na Sua graça (I Coríntios 15.10). Sei que todo aquele que
experimentar esta obra do novo nascimento, também será um instrumento para dar
testemunho a outros. Este testemunho não é somente meu, mas de muitas pessoas que neste
tempo presente, estão experimentando esta verdadeira libertação realizada por Jesus para a
vida eterna. O que tem acontecido, é o cumprimento da promessa de Jesus que diz: “Se,
pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” João 8.36.

Isto também não é uma doutrina de alguma igreja em particular, nem de


homem algum. Nem como já me disseram: uma linha de pensamento; mas o verdadeiro
testemunho de Deus. Esta é a Palavra que vem salvando vidas hoje, e salvou a todos em
todas as gerações passadas. A isto Deus nos ensina: “Deus não é homem, para que minta;
nem filho do homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele dito, não o fará? ou,
havendo falado, não o cumprirá?” Números 23.19.

Os que são de Cristo, os verdadeiros filhos de Deus e nossos irmãos em


Cristo, são todos aqueles que crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências, e
pela fé na sua ressurreição juntamente com Cristo, nasceram de novo. Sem esta revelação
verdadeira e necessária de fé, com certeza você estará entre aqueles a quem Jesus dirá
claramente “Nunca vos conheci” Mateus 7.23.

3 - A libertação plena do pecado:

“Mas graças a Deus que, embora tendo sido


servos do pecado, obedecestes de coração à
forma de doutrina a que fostes entregues; e
libertos do pecado, fostes feitos servos da
justiça” Romanos 6.17-18.

Nesta passagem das Escrituras, o apóstolo Paulo fala daqueles que no


passado foram escravos do pecado, mas agora conhecendo e crendo na verdade da sua
morte e ressurreição juntamente com Cristo, obedecem de coração à doutrina, isto é, ao
ensino desta verdade da Palavra de Deus, e a experimentam. Consideram-se mortos para o
pecado e vivos para Deus em Cristo Jesus. Crêem que morreram com Cristo, portanto, estão
vivendo com Cristo. Com isto, foram libertos do pecado, e estão servindo à justiça
(Romanos 6.8-11).
37

Não queremos usar deste capítulo 6 do Livro de Romanos, para falar de


impecabilidade, pois, impecabilidade seria uma justiça própria baseado na capacidade e no
esforço do próprio homem de não pecar. Isto não, o que queremos através deste capítulo é
falar da libertação que Deus nos traz pela vida de Cristo. Esta experiência não se trata do
esforço do homem de não pecar, mas da libertação que Cristo dá do pecado. A diferença é
que quando falamos de impecabilidade, estamos falando que a capacidade de não pecar está
no homem. Já a libertação plena do pecado, que as Escrituras nos ensinam; o poder para
esta libertação não está no homem, mas no poder da vida em Cristo Jesus que habita dentro
daquele que nasceu do Espírito: “Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, me
livrou da lei do pecado e da morte” Romanos 8.2.

Nisto consiste o grande milagre de Deus em nós. O pecado não mais tem
domínio sobre aquele que nasceu de Deus; não porque ele tem algum poder próprio para
vencê-lo, mas porque Aquele que venceu o pecado, o diabo, a morte, e todas as coisas,
passa a viver dentro de nós, e Ele nos guarda do pecado e nos livra em todas as
circunstâncias, pois, Deus nos diz: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não
vive pecando; antes o guarda aquele que nasceu de Deus, e o Maligno não lhe toca” I João
5.18. “sabendo que, tendo Cristo ressurgido dentre os mortos, já não morre mais; a morte
não mais tem domínio sobre ele. Pois quanto a ter morrido, de uma vez por todas morreu
para o pecado, mas quanto a viver, vive para Deus. Que diremos, pois? Permaneceremos
no pecado, para que abunde a graça? De modo nenhum. Nós, que já morremos para o
pecado, como viveremos ainda nele?” Romanos 6.9-10, 1-2. Por isso é que em I João 3.9, a
Palavra de Deus nos afirma que: “Aquele que é nascido de Deus não peca, porque a divina
semente permanece nele, e não pode pecar porque é nascido de Deus”. A divina semente
de Deus é Cristo.

Se você disser que é um pecador e vive pecando, a Bíblia fala a quem você
pertence quando diz: “quem comete pecado é do Diabo; porque o Diabo peca desde o
princípio” I João 3.8. Não se deixe enganar, pensando haver várias versões bíblicas. Toda a
Palavra de Deus fala desta libertação. O nome Jesus significa libertador. Se alguém crê
nEle, crê como seu libertador.

Por outro lado, ninguém poderia afirmar que é capaz por si mesmo de viver
sem pecado, porque daí ele estaria afirmando uma capacidade própria de não pecar. O
fariseu de Lucas 18.9-14, também confiava em si mesmo, e cria que era justo. Não é desta
justiça própria que a Palavra fala. Quem promete esta libertação plena do pecado a nós é
Deus, portanto, esta capacidade não está em nós, mas na Pessoa de Cristo que é a vida de
todo aquele que nasceu de novo.

O testemunho de uma pessoa que verdadeiramente tem experimentado esta


libertação, nunca será: “Eu não peco”, mas sempre: “Posso todas as coisas naquele que me
fortalece. Graças a Deus, que em Cristo, sempre me conduz em triunfo. O Filho é que me
libertou, agora verdadeiramente sou livre. Tenho, porém este tesouro em vasos de barro,
onde a excelência do poder é de Deus, e não da minha parte. Porque, ainda que foi
38

crucificado por fraqueza, vive contudo pelo poder de Deus. Pois nós também somos fracos
nele, mas viveremos com Ele, pelo poder de Deus que opera em nós. Ele me deu a vida
eterna, e jamais perecerei, ninguém me arrebatará das suas mãos” (Filipenses 4.13; II
Coríntios 2.14; João 8.36; II Coríntios 4.7, 13.4 e João 10.28).

Na lei de Moisés, o transgressor era morto sem misericórdia, isto é, não


havia uma segunda chance; era sem apelação quando havia duas ou mais testemunhas de
algum pecado. Nesta graça imensurável que Deus realizou por nós em Jesus, se alguém
continuar vivendo no pecado depois de ter conhecido plenamente a verdade, já não resta
mais perdão, reconciliação ou salvação a este pecador, mas somente a espera pelo juízo
final e o fogo que há de devorar todos os adversários de Deus: “Porque se voluntariamente
continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já
não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma expectação terrível de juízo, e um ardor
de fogo que há de devorar os adversários. Havendo alguém rejeitado a lei de Moisés,
morre sem misericórdia, pela palavra de duas ou três testemunhas; de quanto maior
castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por
profano o sangue do pacto, com que foi santificado, e ultrajar ao Espírito da graça? Pois
conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu retribuirei. E outra vez: O Senhor
julgará o seu povo. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo” Hebreus 10.26-31.

Aqui Deus não fala do povo do mundo, mas daqueles que dizem ser o povo
de Deus. O que separou o homem de Deus foi o pecado, a ponto de Deus lança-lo fora do
Jardim do Éden, e cercar a árvore da vida para que o homem não tomasse dela e vivesse
eternamente no pecado. Jesus é a árvore da vida, e Deus não deixaria que nenhum filho de
Adão tomasse desta vida estando no pecado. Deus, confirmando o que vimos
anteriormente, disse que “o homem tinha se tornado como um de nós conhecendo o bem e o
mal” (Gênesis 3.22). Deus estava aqui dizendo que o homem se tornara como o diabo:
rebelde e pecador.

No sacrifício de Jesus, ficamos livres do pecado e da sua condenação;


podendo então na Sua ressurreição, receber desta vida, porque Deus não pode habitar com o
mal: “Porque tu não és um Deus que tenha prazer na iniqüidade, nem contigo habitará o
mal” Salmos 5.4. Todo aquele que vive na prática do pecado, nunca viu e nunca conheceu
o Salvador Jesus (I João 3.6). Ele estará neste caso chamando Cristo de pecador caso
professe que Cristo habita nele: “Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós
mesmos também achados pecadores, é porventura Cristo ministro do pecado? De modo
nenhum” Gálatas 2.17. Existe uma palavra que é fiel na Bíblia; tudo que se possa dizer
além dela é mentira: “Fiel é esta palavra: Se, pois, já morremos com ele, também com ele
viveremos” II Timóteo 2.11.

Viver com Ele, é viver em santidade e justiça, e não no pecado: “E bem


sabeis que ele se manifestou para tirar os pecados; e nele não há pecado. Todo o que
permanece nele não vive pecando; todo o que vive pecando não o viu nem o conhece” I
João 3.5-6. “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive pecando; antes o
guarda aquele que nasceu de Deus, e o Maligno não lhe toca” I João 5.18. Se Cristo está
39

em você, a Palavra de Deus afirma que o Maligno não pode te tocar, nem com o pecado, ou
qualquer outra coisa. O pecado procede do diabo (I João 3.8), e foi com o pecado que o
diabo tocou a criação de Deus. Deus não deixaria que ele tocasse de novo nesta nova
criação com o pecado.

Se você é um incrédulo, já estará duvidando não é de agora, mas se você crê,


poderá dizer: - Mas não podemos ser tentados? Sim, e o diabo o fará até o seu último
“suspiro” nesta terra. Mas para isto, nós temos o socorro em Cristo e as promessas da parte
de Deus que diz: “Filhinhos, vós sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é
aquele que está em vós do que aquele que está no mundo” I João 4.4. Se Jesus está em nós,
Ele é, ou não é maior do que aquele que está no mundo? Seja a tentação, o mundo com as
suas concupiscências e deleites, as enfermidades, a morte, ou qualquer outra coisa, a
Palavra de Deus assegura-nos plena vitória em Cristo.

Ele ainda diz: “Porque não temos um sumo sacerdote que não possa
compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas
sem pecado. Cheguemo-nos, pois, confiadamente ao trono da graça, para que recebamos
misericórdia e achemos graça, a fim de sermos socorridos no momento oportuno” Hebreus
4.15-16. “Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que
são tentados” Hebreus 2.18. “Ainda que era Filho, aprendeu a obediência por meio
daquilo que sofreu; e, tendo sido aperfeiçoado, veio a ser autor de eterna salvação para
todos os que lhe obedecem” Hebreus 5.8-9. “Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão
humana; mas fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados acima do que podeis
resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar” I
Coríntios 10.13.

A nossa posição diante de tão fortes inimigos, deverá ser sempre esta: “Ó
nosso Deus, não os julgarás? Porque nós não temos força para resistirmos a esta grande
multidão que vem contra nós, nem sabemos o que havemos de fazer; porém os nossos olhos
estão postos em ti. Nesta batalha não tereis que pelejar; postai-vos, ficai parados e vede o
livramento que o Senhor vos concederá, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos
assusteis; amanhã saí-lhes ao encontro, porque o Senhor está convosco” II Crônicas 20.12-
17.

Se não puder crer nisto, você não será diferente do diabo e dos demônios.
Creio que até pior, porque apesar de serem demônios, eles tremem diante deste grandioso
Deus (Tiago 2.19). E você? Alguém para ser livre do pecado, tem que receber o socorro de
Deus na tentação. É aqui que podemos julgar se a árvore é boa, ou se é má. Uma pessoa no
pecado é dominada pela concupiscência do seu coração. Quando alguém nasce de novo,
fica livre do corpo do pecado com as suas concupiscências. As tentações e o pecado, não
mais estão dentro dele, mas do lado de fora: “pecado que tão de perto nos rodeia” Hebreus
12.1. “O vosso adversário, o Diabo, anda em derredor, rugindo como leão, e procurando a
quem possa tragar” I Pedro 5.8.
40

É aqui que o socorro vem da parte de Jesus, pois a tentação e o pecado estão
do lado de fora, e Cristo que é a nossa vida, está do lado de dentro. Nisto é que consiste a
segurança de um verdadeiro crente espiritual, porque maior é Cristo que está nele, do que
todo o pecado e o poder de Satanás com as suas tentações que estão no mundo: Pois o
pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais debaixo da lei, mas debaixo da
graça” Romanos 6.14.

Jesus já padeceu por nós na carne, como também já venceu o pecado.


Devemos armar-nos também deste mesmo pensamento, para que, no tempo que nos resta na
carne, não vivamos mais para as concupiscências dos homens, mas para a vontade de Deus
(I Pedro 4.1-2). Quando o povo de Israel entrou na terra de Canaã, deixou ali alguns povos
que Deus dissera que fossem destruídos completamente, e por isso, Deus resolveu usá-los a
fim de exercitar aqueles que não tinham aprendido a guerra. Eles foram deixados não para
que o povo de Israel fosse derrotado, mas para serem exercitados na vitória (Juizes 3.1-2).

Conosco não há diferença; o Senhor permite algumas investidas do inimigo


sobre nós, não com o intuito de sermos derrotados, mas para sermos exercitados,
disciplinados, ensinados e plenamente vitoriosos. O Senhor concede esta luta para que
possamos experimentar com aqueles que são santos a vitória sobre Satanás: “E eles o
venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as
suas vidas até a morte” Apocalipse 12.11. Estes são os vencedores que irão Reinar
juntamente com Cristo. Aleluia! É do Senhor que vem o livramento, por isso, todo aquele
que nasceu de novo, anda pela fé do Filho de Deus, que é a sua vida, e que o amou, e a si
mesmo se entregou (Gálatas 2.20): “também sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos,
e reservar para o dia do juízo os injustos, que já estão sendo castigados” II Pedro 2.9.

4 - Cristo a nossa vida:


“Porque já estais mortos, e a vossa vida está
escondida com Cristo em Deus. Quando
Cristo que é a vossa vida se manifestar,
então vós vos manifestareis com Ele em
glória” Colossenses 3.3-4.

Pudemos ver anteriormente, que Deus fez uma obra completa de libertação
por nós em Cristo Jesus, e não precisamos mais andar como escravos do pecado, nem
mesmo sermos derrotados pelo diabo, mas livres para crescermos em santidade. Este é o
ponto que queremos atentar neste capítulo. Apesar de estarmos em Cristo, Deus agora tem
para nós uma vida cada vez maior de santidade. Esta santidade é para igualar-se a Sua
Santidade, pois, Ele diz: “mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também
santos em todo o vosso procedimento; porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou
santo” I Pedro 1.15-16. Aqui Deus fala de ser santo em todo o nosso procedimento, e é aqui
que resume toda a nossa necessidade como novas criaturas.
41

No novo nascimento, Deus muda nosso coração e nosso espírito, e coloca


dentro em nós o Seu Espírito, e então nos faz andar nos seus estatutos, nas suas ordenanças
e as observar (Ezequiel 36.26-27). Em Cristo, tudo se faz novo, e a partir da regeneração,
passamos a andar em novidade de vida (II Coríntios 5.17; Romanos 6.4). Estamos livres do
pecado, e apesar de sermos crianças em Cristo, estamos guardados por Deus, e podemos
caminhar para a perfeição. A perfeição é o estado de homem feito, à medida da estatura da
plenitude de Cristo (Efésios 4.13). Para Deus não existe aperfeiçoamento no pecado. O
pecador precisa ser feito santo pelo lavar da regeneração (Tito 3.5), para depois ser
santificado.

Santificação é um santo ficar cada vez mais santo: “Quem é injusto, faça
injustiça ainda: e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem
é santo, santifique-se ainda” Apocalipse 22.11. O Santo é Jesus, e ficar cada vez mais santo
é estar liberto por Ele do pecado, e ser transformado na Sua Imagem, pelo próprio Espírito
de Cristo: “Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade.
Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor,
somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do
Senhor” II Coríntios 3.7-8.

Quando Jesus fala em porfiar por entrar pela porta estreita; porque grande é a
porta e largo é o caminho que conduz a perdição (Lucas 13.24), Ele está falando da nossa
morte e ressurreição no seu corpo, pois, Ele é a porta (João 10.9). Depois de entrar por esta
porta estreita que é Ele, há também um caminho estreito. Aqui Ele trata de um processo de
santificação, sendo que o próprio caminho é Jesus: “e os teus ouvidos ouvirão a palavra do
que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele (em Jesus); quando vos
desviardes para a direita ou para a esquerda” Isaías 30.21. “E ali haverá uma estrada, um
caminho que se chamará o caminho santo; o imundo não passará por ele (tem que nascer
de novo, senão não poderá passar por ele), mas será para os remidos (estes são aqueles que
foram libertos do pecado e da sua escravidão). Os caminhantes, até mesmo os loucos, nele
(em Jesus) não errarão” Isaías 35.8. “Eu sou o caminho” João 14.6. "Em seguida dizia a
todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e
siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por
amor de mim, esse a salvará. Pois, que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, e
perder-se, ou prejudicar-se a si mesmo?" Lucas 9.23-25.

O único meio para esta vida de santidade é Jesus ser a sua vida. Quando Ele
se manifesta, você se manifesta com Ele em glória (Colossenses 3.4): “Mas vós sois dele,
em Cristo Jesus, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e
redenção” I Coríntios 1.30. Por isso, a Palavra nos chama a atenção para a Sua Presença em
nós. Quando há comunhão com a Sua Pessoa, isto nos torna perfeitos. Foi isto que Deus
disse a Abraão em Gênesis 17.1: “Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha
presença, e eu te farei perfeito” Gênesis 17.1. É a operação da cruz sobre aquele que
nasceu de novo, que leva-o a experimentar cada vez mais a santificação pela vida de Cristo:
“trazendo sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a vida de Jesus se
manifeste em nossos corpos” II Coríntios 4.10.
42

Quando não conhecemos a Cristo como nossa vida, o nosso padrão de vida é
a lei. Não faças isto, não toques naquilo, e faças isto. A lei é neste caso, um referencial do
que é certo, ou do que é errado fazer. Em Cristo, não andamos mais pela lei, nem pelo que é
certo ou errado, mas pela direção da vida de Cristo. Mesmo que conseguíssemos andar pela
lei, isto não agradaria a Deus, porque Jesus diz: “Pois eu vos digo que, se a vossa justiça
não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus”
Mateus 5.20. Jesus nos mostra por esta passagem, que quanto à lei, os fariseus eram
zelosos. Grande parte deles fazia o que era certo, mas mesmo assim estavam reprovados.

A vida de justiça que agrada a Deus deve exceder em muito o fazer o certo e
deixar de fazer o errado. O que agrada a Deus é quando Jesus manifesta a sua vida em nós:
“Ora, o Deus de paz, que pelo sangue do pacto eterno tornou a trazer dentre os mortos a
nosso Senhor Jesus, grande pastor das ovelhas, vos aperfeiçoe em toda boa obra, para
fazerdes a sua vontade, operando em nós o que perante ele é agradável, por meio de Jesus
Cristo” Hebreus 13.20-21. Deus não pode aceitar as obras de justiça dos homens, muito
menos se alguém o faz para a salvação ou santificação. Essas obras têm de vir por Jesus
Cristo em nós.

A lei foi dada por causa dos transgressores, sendo um disciplinador até que a
promessa, que era Jesus, viesse (Gálatas 3.19-24). A vida de Cristo em nós, leva-nos a uma
vida celestial, não somente obedecer aos seus mandamentos, que passam a não ser penosos
(I João 5.3), mas a viver em amor, excedendo toda a lei e todos os profetas: “que Cristo
habite pela fé nos vossos corações, a fim de que, estando arraigados e fundados em amor,
possais compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a
altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento,
para que sejais cheios até a inteira plenitude de Deus” Efésios 3.17-19.

A partir da regeneração, a comunhão com esta Pessoa de Jesus, passa a ser


tão gloriosa, que cada dia em que vivemos aprendemos que a nossa vitória em todas as
coisas, está na suficiência desta Pessoa de Jesus que habita em nós. A partir da experiência
do apóstolo Paulo com esta vida, ele entendeu que toda a sua religiosidade, que antes era
para ele um lucro, não passava de esterco. Não só a sua religiosidade, mas todas as coisas
ele jogou fora, ficando com um só desejo: a excelência do conhecimento de Cristo Jesus
nossa vida.

Ele disse: “Mas o que para mim era lucro passei a considerá-lo como perda
por amor de Cristo; sim, na verdade, tenho também como perda todas as coisas pela
excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas
estas coisas, e as considero como refugo, para que possa ganhar a Cristo” Filipenses 3.7-
8. Isto foi o que Jesus nos ensina quando disse para Marta: “Marta, Marta, estás ansiosa e
perturbada com muitas coisas; entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só; e
Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada” Lucas 10.41-42. Maria escolheu
ficar aos pés de Jesus e ouvir a Sua Palavra, isto nunca será tirado de alguém.
43

Uma vida consagrada a Deus, não é aquela que diz trabalhar para Jesus, nem
aquela que procura agradar a Deus através de boas obras, nem aquele que aumenta os seus
jejuns, orações e vigílias, mas aquele que crê: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não
mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de
Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” Gálatas 2.20. Não foi somente
Paulo que foi crucificado com Cristo, mas todos (II Coríntios 5.14).

A pessoa que crê e confessa esta vida crucificada encontra a morte para o
mundo: “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus
Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo” Gálatas 6.14.
Encontra a morte para a lei: “Assim também vós, meus irmãos, fostes mortos quanto à lei
mediante o corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, àquele que ressurgiu dentre os
mortos a fim de que demos fruto para Deus” Romanos 7.4. Encontra a morte para o
pecado: “levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que
mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes
sarados” I Pedro 2.24.

É pela fé na nossa morte com Ele, que experimentamos a nova vida da


ressurreição, podendo agora, com Cristo vivendo em nós, termos uma vida consagrada a
Deus: “agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante
ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis” Colossenses 1.22. Não é na cruz,
mas é na Pessoa de Jesus crucificado e ressuscitado, onde fomos mortos e ressuscitados
juntamente com Ele que temos a vitória.

Em João 15, Jesus compara esta experiência com a videira, quando diz: “Eu
sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto;
porque sem mim nada podeis fazer” João 15.5. Ele é a videira, nós somos as varas. O
tronco não precisa ser limpo, nem cortado, mas as varas é que precisam. Se alguém está em
Cristo, ele já está limpo pela Palavra que lhe foi falada (João 15.3). A promessa é que Deus
agora nos limpa ainda mais, para darmos muito mais fruto.

Deus é o viticultor, isto é, aquele que cuida da videira e das varas. Como nas
varas de uma videira, corre a mesma vida da videira, da mesma maneira a vida de Cristo
flui naqueles que nasceram de novo, produzindo o Seu fruto: “Mas o fruto do Espírito é: o
amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade. a mansidão,
o domínio próprio; contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus
crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências” Gálatas 5.22-24. Este bom
fruto só é possível dar se estivermos na árvore boa.

Aquele que está em Cristo, é uma nova criatura, é um novo homem, as coisas
velhas já passaram, não existem mais, tudo agora é novo. Tudo o que diz respeito ao velho
homem, não existe mais, está morto, deve ser despojado. Eis que tudo, absolutamente tudo
se fez novo (II Coríntios 5.17). A velha criatura é o espelho de Adão, a nova criatura é o
espelho de Cristo. Tudo o que é de Adão, ficou em Jesus naquela cruz. Ele foi o último
Adão (I Coríntios 15.45). Agora tudo o que passamos a experimentar e conhecer pela nova
44

vida são de Cristo, do novo homem (Efésios 2.15): “pois que já vos despistes do homem
velho com os seus feitos, e vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento,
segundo a imagem daquele que o criou” Colossenses 3.9-10.

Todo aquele que nasceu do Espírito, anda assim, e não haverá mais
condenação. Isto é o que a Palavra de Deus chama de andar no Espírito e não mais na carne:
“Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não
andam segundo a carne mas segundo o Espírito. Porque a lei do Espírito da vida, em
Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte” Romanos 8.1-2. Jesus é o Espírito e
onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade. Se Jesus é a sua vida, você já goza a
libertação do pecado, e a cada dia está sendo transformado por Ele na Sua Imagem: “Ora, o
Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade. Mas todos nós, com
rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de
glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” II Coríntios 3.17-18.

Você está dizendo amém ao que Deus está lhe mostrando pela Sua Palavra?
Caso contrário diga: Senhor tem misericórdia de mim pecador. Não deixe que meu coração
enganoso me leve à perdição eterna. Saiba que Deus resiste ao soberbo, mas dá graça ao
humilde. Se esta não tem sido a sua fé e experiência, você não possui nada. Se Jesus não é a
tua vida, tudo o que Deus fez desde o princípio da criação do mundo, o que Deus está
fazendo, e ainda o que Deus tem preparado para os seus, você não será participante. Você
não poderá gozar, pois, tudo Ele nos deu em Jesus: “Bendito seja o Deus e Pai de nosso
Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões
celestes em Cristo; como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para
sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para sermos filhos
de adoção por Jesus Cristo” Efésios 1.3-5.

Jesus é que estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por
intermédio dEle, e para Ele. Sem Ele, nada do foi feito se fez (João 1.2-3). Se Cristo não é a
sua vida, então ainda você permanece na morte: “Quem tem o Filho tem a vida; quem não
tem o Filho de Deus não tem a vida” I João 5.12. “Sabemos também que já veio o Filho de
Deus, e nos deu entendimento para conhecermos aquele que é verdadeiro; e nós estamos
naquele que é verdadeiro, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a
vida eterna” I João 5.20.

Você ainda poderá dizer: - Como poderei saber que Jesus é a minha vida? É
muito simples. Se o pecado te domina, você ainda é um carnal, e só conhece a Jesus de
ouvir falar: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça?
De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele?”
Romanos 6.1-2. “E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é
luz, e nele não há trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e
andarmos nas trevas, mentimos, e não praticamos a verdade; mas, se andarmos na luz,
como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus seu Filho
nos purifica de todo pecado” I João 1.4-6. Jó também era um crente carnal, e só conhecia
45

Deus de ouvir falar. Mas ele recebeu esta graça, e pôde ver o Senhor, e conhecer a
libertação que Ele proporciona (Jó 42.1-6).

5 - A perseverança dos santos:


“e farei com eles um pacto eterno de não me
desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu
temor no seu coração para que nunca se
apartem de mim” Jeremias 32.40.

Talvez fosse bom falar primeiro, o que significa perseverança. Perseverança


é o ato de permanecer firme e constante, e jamais cair ou voltar atrás. Ou como usam as
igrejas: desviar-se ou cair da fé. Quando alguém pensa que a perseverança está na sua
própria capacidade, logo ele concluirá que é possível cair. Quando olhamos para a graça de
Deus, ficamos tranquilos sabendo que jamais pereceremos. Somente Deus aqui tem o poder
de manter em pé ou deixar cair. Em Cristo, estamos firmados na rocha: “Quem és tu, que
julgas o servo alheio? Para seu próprio SENHOR ele está em pé ou cai. Mas estará firme,
porque poderoso é Deus para o firmar” Romanos 14.4.

A graça de Deus, como vimos nos capítulos anteriores, trouxe ao homem a


justificação pelo sacrifício de Jesus: no Seu sangue, na Sua morte e na Sua ressurreição.
Pela fé neste ato de justiça, é que encontramos a libertação do pecado e o seu perdão, bem
como a santificação pela vida de Cristo em nós. Ele nos deu a redenção pela Pessoa de
Cristo, e isto significa que estamos totalmente livres de tudo que nos escravizava, e também
livres da culpa e da dívida. Uma vez redimidos, Deus nos ensina a permanecermos livres, e
isto é que é perseverança. Perseverar livre para quem já foi escravo é todo o seu desejo:
“Para a liberdade Cristo nos libertou; permanecei, pois, firmes e não vos dobreis
novamente a um jogo de escravidão” Gálatas 5.1.

Como não poderia ser diferente, a graça de Deus vem também nos prover
pela mesma vida de Cristo, a perseverança necessária: “tendo por certo isto mesmo, que
aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus”
Filipenses 1.6. “E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito,
e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso
Senhor Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, e ele também o fará” I Tessalonicenses 5.23-
24. O medo da queda só está naqueles que nunca tiveram certeza da sua salvação.

Todo aquele que nasceu de novo, e conhece o Todo-Poderoso, que é a sua


vida, não teme cair da graça. Ele sabe que está habitando no esconderijo do Altíssimo, e na
sombra do Todo-Onipotente, descansa: “Aqueles que confiam no Senhor são como o monte
Sião, que não pode ser abalado, mas permanece para sempre. Como estão os montes ao
redor de Jerusalém, assim o Senhor está ao redor do seu povo, desde agora e para sempre.
Porque o cetro da impiedade não repousará sobre a sorte dos justos, para que os justos
não estendam as suas mãos para cometer a iniquidade” Salmos 125.1-3.
46

O cetro de um rei é o símbolo da sua soberania, e do seu governo. Aqui,


Deus promete-nos pela Sua Palavra que ao dar-nos Sua vida, Ele nos torna seu reino
(Apocalipse 1.6). Passamos a estar sob o seu governo e sob o Seu Reino de Santidade. O
reinado do diabo e do pecado, passa a não mais ter domínio sobre todos aqueles que
nasceram de novo. Poderíamos somente com este versículo da Escritura, saber que os filhos
de Deus, estão guardados por Ele por toda a eternidade, mesmo estando neste mundo, mas
Ele ainda diz: “Mas Israel ( aqui é o Israel de Deus) será salvo pelo Senhor, com uma
salvação eterna; pelo que não sereis jamais envergonhados nem confundidos em toda a
eternidade” Isaías 45.17. “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que,
segundo a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, pela
ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível,
incontaminável e imarcescível, reservada nos céus para vós, que pelo poder de Deus sois
guardados, mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último
tempo” I Pedro 1.3-5. Quem foi regenerado pela ressurreição de Jesus dentre os mortos, é
guardado pelo poder de Deus, e assim persevera até o último dia.

Em nenhum lugar, a Palavra de Deus diz que esta perseverança é sustentada


por algum santo (santo significa aquele que pelo novo nascimento, foi separado por Deus
para ser dEle), mas toda ela revela-nos a suficiência nas promessas e no poder de Deus:
“Eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta
terra; pois não te deixarei até que haja cumprido aquilo de que te tenho falado” Gênesis
28.15. Você crê nisto?

Talvez você ainda pergunte: - E o diabo, e os seus dardos inflamados? E as


hostes espirituais da maldade? E os dias que são maus? E o mundo e as suas tentações?
Deixe de olhar para as suas fraquezas, e olhe para a armadura que Deus nos deixou em suas
promessas. Deixe de questionar e creia no que Deus diz: “Portanto tomai toda a armadura
de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, permanecer firmes.
Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da
justiça, e calçando os pés com a preparação do evangelho da paz, tomando, sobretudo, o
escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai
também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda
a oração e súplica orando em todo tempo no Espírito e, para o mesmo fim, vigiando com
toda a perseverança e súplica, por todos os santos” Efésios 6.13-18.

Jesus disse: “Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?” João
11.40. Todo justo viverá pela fé. Não estou ignorando todas estas coisas, mas o Senhor
nunca nos deixará desamparados. O justo viverá da fé, e fé é firmeza no que Deus diz e não
no que é aparente. Em todas estas coisas, somos mais do que vencedores por aquele que nos
amou (Romanos 8.37).
Qualquer pessoa que nasceu de novo, sabe que não poderá enfrentar os
poderes desses inimigos por sua própria força. Tanto é assim, que Deus nos guarda pelo seu
poder. Reconhecemos que somos fracos, mas é nesta fraqueza que o poder de Deus se
aperfeiçoa. Quando o apóstolo Paulo recebeu aquele espinho na carne (muitas controvérsias
tem-se quanto ao que seja este espinho na carne, mas o próprio apóstolo nos esclarece no
47

v.7, quando diz: “a saber”. Ele ali fala que este espinho na carne, era um mensageiro de
Satanás que o esbofeteava, para que ele não se exaltasse pela excelência das revelações que
Deus lhe dava), ele pôde então compreender que o poder de Deus, se aperfeiçoa na
fraqueza: “e ele me disse: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na
fraqueza. Por isso, de boa vontade antes me gloriarei nas minhas fraquezas, a fim de que
repouse sobre mim o poder de Cristo” II Coríntios 12.9. Se é pelo nosso poder não
necessitaríamos do poder de Deus.

A perseverança de um santo não está garantida apenas pelo poder de Deus


(se é que podemos falar apenas), mas também pelo seu amor: “Antes da festa da páscoa,
sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, e havendo
amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” João 13.1. Este amor não é um
amor temporário, mas permanente e eterno. Aquele que tem manifestado este amor mostra-
nos que este amor já existia antes da fundação do mundo, como também, que jamais
acabará: “De longe o Senhor me apareceu, dizendo: Pois que com amor eterno te amei,
também com benignidade te atraí” Jeremias 31.3. “como também nos elegeu nele antes da
fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor, e nos
predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o
beneplácito de sua vontade” Efésios 1.4-5. “As muitas águas não podem apagar o amor,
nem os rios afogá-lo. Se alguém oferecesse todos os bens de sua casa pelo amor, seria de
todo desprezado” Cântico dos cânticos 8.7.

Deus conhece a nossa fraqueza, Ele sabe que somos pó; que somos como
uma erva que nasce e logo perece, e que valemos menos que um sopro. Mas o seu amor por
nós, faz de Deus a nossa rocha e a nossa esperança: “Somente em Deus espera silenciosa a
minha alma; dele vem a minha salvação. Só ele é a minha rocha e a minha salvação; é ele
a minha fortaleza; não serei grandemente abalado” Salmos 62.1-2. Este Seu amor por nós,
faz com que Ele seja o guarda das nossas vidas, tornando-se assim, inimigo dos nossos
inimigos: “Mas se, na verdade, ouvires a sua voz, e fizeres tudo o que eu disser, então serei
inimigo dos teus inimigos, e adversário dos teus adversários” Êxodo 23.22. “O Senhor
entregará, feridos diante de ti, os teus inimigos que se levantarem contra ti; por um
caminho sairão contra ti, mas por sete caminhos fugirão da tua presença” Deuteronômio
28.7.

Você pode crer neste Deus que não pode mentir? Ele está dizendo-lhe: Se o
seu poder e o seu amor não te guardar, você não poderá viver em pé, nem um dia sequer,
diante de todos esses inimigos. Creio que se procurarmos na Bíblia, cada dia, uma promessa
para esta perseverança, encontraremos sempre à Sua voz dizendo: “Não temas”. Ele
promete em Sua Palavra nunca nos deixar e nunca nos desamparar.

Uma vez que somos guardados e separados por sua graça desde o ventre de
nossa mãe, o Todo-Poderoso continuará a nos guardar até o dia de Cristo: “Antes que eu te
formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre te santifiquei” Jeremias 1.5.
“Porquanto guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora
da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para pôr à prova os que habitam sobre a
48

terra” Apocalipse 3.10. "Até a vossa velhice eu sou o mesmo, e ainda até as cãs eu vos
carregarei; eu vos criei, e vos levarei; sim, eu vos carregarei e vos livrarei" Isaías 46.4.

Além do poder e do amor de Deus, encontramos também nas Escrituras,


mais um atributo de Deus que traz a garantia da perseverança de alguém que nasceu de
novo: a Sua Fidelidade. A fidelidade de Deus não deixará que Deus minta, porque senão
Ele seria derrotado pelo diabo, pois, este é que é o pai da mentira. Talvez seja difícil para
nós sabermos o que seja fidelidade em nossos dias. Nem encontramos mais os contratos
feitos apenas por palavras. Hoje, mesmo com os contratos escritos, não são cumpridos,
quanto mais os prometidos por boca. O homem é infiel nos contratos, mas Deus não.
Quantas vezes você não prometeu a Deus muitas coisas, e quantas vezes não se mostrou
infiel não cumprindo-as. Caso sejamos infiéis, Ele permanece fiel. Deus é perfeito em todo
o seu ser, e fiel em todas as suas promessas.

A fidelidade de Deus faz parte da Sua divindade, portanto, a Sua fidelidade


faz com que cada promessa que Ele tenha feito a nós, seja cumprida totalmente, uma por
uma: “se somos infiéis, ele permanece fiel; porque não pode negar-se a si mesmo” II
Timóteo 2.13. “Pois quê? Se alguns foram infiéis, porventura a sua infidelidade anulará a
fidelidade de Deus? De modo nenhum; antes seja Deus verdadeiro, e todo homem
mentiroso; como está escrito: Para que sejas justificado em tuas palavras, e venças quando
fores julgado” Romanos 3.3-4.

Deus é fiel, a sua saída como a alva é certa. Nem um j ou um til cairá da Sua
Palavra sem que tudo se cumpra, porque Ele mesmo vela pela Sua Palavra para a cumprir
(Jeremias 1.12). Tudo o que Deus prometeu, Ele cumprirá, nenhuma de Suas Palavras cairá
por terra: “Ó Senhor, Deus dos exércitos, quem é poderoso como tu, Senhor, com a tua
fidelidade ao redor de ti? Os céus louvarão as tuas maravilhas, ó Senhor, e a tua fidelidade
na assembléia dos santos” Salmos 89.8, 5. "Eis que vou hoje pelo caminho de toda a terra;
e vós sabeis em vossos corações e em vossas almas que não tem falhado uma só palavra de
todas as boas coisas que a vosso respeito falou o Senhor vosso Deus; nenhuma delas
falhou, mas todas se cumpriram" Josué 23.14.

A fidelidade de Deus é mais uma segurança real do crente espiritual para a


sua perseverança. É através dela que encontramos uma âncora segura e firme. Num grande
navio, é a âncora que o mantém fixo sobre as águas. Nesta nova vida, a garantia desta
estabilidade, firmeza e segurança na perseverança, também está na Fidelidade de Deus:
"assim que, querendo Deus mostrar mais abundantemente aos herdeiros da promessa a
imutabilidade do seu conselho, se interpôs com juramento; para que por duas coisas
imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos poderosa consolação, nós, os
que nos refugiamos em lançar mão da esperança proposta; a qual temos como âncora da
alma, segura e firme, e que penetra até o interior do véu” Hebreus 6.17-19.

A outra segurança que podemos encontrar nas suas promessas, para a


garantia da nossa perseverança, é a aliança que Deus fez com o noivo Jesus. Se a garantia
desta vida eterna estivesse na nossa própria perseverança, já estaríamos reprovados em
49

Adão. Foi pela obediência de Jesus, e as firmes promessas de Deus feitas a Ele, é que a sua
noiva, que é a Sua Igreja, será guardada virgem e imaculada (II Coríntios 11.2), para o dia
das bodas: “Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha
os teus inimigos por escabelo dos teus pés. O Senhor enviará de Sião o cetro do teu poder.
Domina no meio dos teus inimigos. O teu povo apresentar-se-á voluntariamente no dia do
teu poder, em trajes santos (veja aqui qual será o traje festivo, o vestido da noiva); como
vindo do próprio seio da alva, será o orvalho da tua mocidade. Jurou o Senhor, e não se
arrependerá (Ele é fiel): Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de
Melquisedeque” Salmos 110.1-4.

Se você não creu no que vimos na Palavra de Deus nos capítulos anteriores
deste livro, nunca você poderá crer nesta perseverança. Mas se o Senhor pela Sua
misericórdia e graça, tem-lhe feito crer na Sua Palavra, você jamais duvidará que esta
perseverança está garantida por Ele, e pelo Espírito de Cristo que vive em nós. Como os
filhos de Deus são guiados pelo Espírito de Deus, e este Espírito foi enviado para nos guiar
a toda a verdade, cada dia que passa a segurança e a confiança neste Seu poder, no Seu
amor, na Sua fidelidade, e nas Suas promessas feitas a Jesus, tornam-se um motivo de
louvor e confissão, pois, assim nos ensina as Escrituras quando diz: “retenhamos
inabalável a confissão da nossa esperança, porque fiel é aquele que fez a promessa”
Hebreus 10.23. "E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual fostes selados para o
dia da redenção" Efésios 4.30.

Um crente espiritual persevera porque Deus mudou o seu coração, deu-lhe


um só caminho, e ainda colocou dentre dele o Espírito de Cristo para o guardar de tropeçar
(Judas 24). Também Deus colocou neste coração novo, o Seu temor, para que nunca se
apartem dEle: "... e farei com eles um pacto eterno de não me desviar de fazer-lhes o bem;
e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se apartem de mim" Jeremias 32.40.
A Palavra também é impressa no coração e no entendimento de todo aquele que nasceu de
novo (Hebreus 8.10). O crente espiritual não tem desejo de pecar contra Deus, porque a
divina semente que é Jesus permanece nEle (I João 3.9). “Escondi a tua palavra no meu
coração, para não pecar contra ti” Salmos 119.11.

Um crente espiritual, livre do poder do pecado, se torna um servo da justiça.


Este novo coração, e a vida santa do Filho de Deus nele fazem que tenha nojo da sua vida
passada no pecado: “E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus
estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis... Então vos lembrareis dos vossos
maus caminhos, e dos vossos feitos, que não foram bons; e tereis nojo em vós mesmos das
vossas iniqüidades e das vossas abominações” Jeremias 36.31. Agora o seu desejo é só o
conhecimento de Cristo e a sua santificação: “E, libertados do pecado, fostes feitos servos
da justiça... Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto
para santificação, e por fim a vida eterna” Romanos 6.22.

O temor que Ele coloca no crente espiritual, é para que ele nunca se desvie dEle, como diz
o versículo de Jeremias 32.40. É este temor, que passa a produzir no crente espiritual,
desejo de obediência a Deus, e o ódio por todo o mal: “O temor do Senhor é odiar o mal; a
50

soberba, e a arrogância, e o mau caminho, e a boca perversa, eu os odeio” Provérbios


8.13, como também ter nojo e vergonha do pecado: “Porque eu estabelecerei a minha
aliança contigo, e saberás que eu sou o SENHOR; para que te lembres disso, e te
envergonhes, e nunca mais abras a tua boca, por causa da tua vergonha, quando eu te
expiar de tudo quanto fizeste, diz o Senhor Deus” Ezequiel 16.62-63. O temor do Senhor,
também traz ao crente espiritual, a confiança plena nEle: “No dia em que eu temer, hei de
confiar em ti. Em Deus, cuja palavra eu louvo, em Deus ponho a minha confiança e não
terei medo” Salmos 56.3-4.

A carne não tem mais poder sobre aquele que está revestido de Cristo. A
confiança passa a ser tal, que o crente espiritual não cuida mais da carne com as suas
paixões e concupiscências: "Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo; e não tenhais cuidado
da carne em suas concupiscências" Romanos 13.14, porque sabe que ela está crucificada
com Cristo. O desejo de todo crente espiritual, é o de crescer na graça e no conhecimento de
Cristo: "... e vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a
imagem daquele que o criou” Colossenses 3.10.

Este temor que é derramado por Deus no coração do crente espiritual, além
de trazer-lhe confiança, passa a ser também fonte de vida, desviando-o totalmente do mal:
“No temor do Senhor há firme confiança; e os seus filhos terão um lugar de refúgio. O
temor do Senhor é uma fonte de vida, para o homem se desviar dos laços da morte”
Provérbios 14.26-27. Este temor é do Senhor, e é colocado neste novo coração como uma
suficiência de Deus a fim de perseverarmos. Mais uma vez podemos ver que tudo é por
graça de Deus, até mesmo o perseverar.

Quando o Senhor torna-se o nosso refúgio, e o Altíssimo a nossa habitação,


com toda a certeza, não cairemos no laço do passarinheiro e na peste perniciosa, porque Ele
nos cobre com as suas asas, e a Sua verdade, passa a ser para nós um escudo e broquel.
Nem os terrores da noite, nem as setas que voam de dia, nem mesmo a mortandade que
assola ao meio-dia poderão mais nos amedrontar (Salmos 91.1-9). Certamente que a
bondade e a misericórdia do Senhor nos seguirão todos os dias da nossa vida, e habitaremos
na casa do Senhor por longos dias (Salmos 23.5).

Se você duvida, é certo que não receberá do Senhor coisa alguma (Tiago
1.7). Para o que crê, Deus continua a mostrar as suas promessas para esta perseverança
necessária quando diz: “... tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a
boa obra a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus” Filipenses 1.6. “E o Deus de toda a
graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes sofrido por um
pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, confirmar e fortalecer” I Pedro 5.10. “... o qual
também vos confirmará até o fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus
Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo
nosso Senhor” I Coríntios 1.8-9.

Jesus ainda nos traz mais segurança e confiança quando diz: “As minhas
ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem; eu lhes dou a vida eterna,
51

e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é
maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai. Eu e o Pai somos
um” João 10.27-30. Na boca de Jesus, a palavra “jamais” tem o sentido de eternidade, isto
é, uma vez nascidos de novo, não perecerão eternamente.

Os crentes espirituais foram salvos pela graça de Deus, e estão sendo


sustentados pela mesma graça. Confiam que a mesma graça os levará são e salvos deste
mundo, para o novo céu e a nova terra. Felizes, crêem que nada, absolutamente nada,
poderá separar-lhes do amor de Deus que está em Cristo Jesus o Senhor. Nem a morte, nem
a vida, nem os anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades,
nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra coisa poderá lhes separar deste amor
(Romanos 8.38-39). Ele novamente nos lembra: “Mas Israel será salvo pelo Senhor, com
uma salvação eterna; pelo que não sereis jamais envergonhados nem confundidos em toda
a eternidade” Isaías 45.17. “Confiai sempre no Senhor; porque o Senhor Deus é uma
rocha eterna” Isaías 26.4. Quem nele crê não será confundido (Romanos 10.11).

Para o ímpio o Senhor diz: não há paz. Mas esta obra de justiça que Deus
realizou por nós na Pessoa do Senhor Jesus Cristo é paz. O efeito desta justiça de Deus é
sossego e segurança para sempre. A partir do novo nascimento, o crente espiritual passa a
não mais ter dúvidas, porque sabe que as promessas foram feitas a Jesus que é o noivo,
como também que serão guardados pelo amor, pelo poder, pela fidelidade e pelo temor que
Deus derramou abundantemente em seus corações: “O meu povo habitará em morada de
paz, em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso” Isaías 32.17-18. “Tu
conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti. Confiai
sempre no Senhor; porque o Senhor Deus é uma rocha eterna. Porque ele tem derrubado
os que habitam no alto, na cidade elevada; abate-a, abate-a até o chão; e a reduz até o pó.
Pisam-na os pés, os pés dos pobres, e os passos dos necessitados. O caminho do justo é
plano; tu, que és reto, nivelas a sua vereda” Isaías 26.3-7. “Não temas, porque eu sou
contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento
com a destra da minha justiça” Isaías 41.10.

CONCLUSÃO

“Perguntaram-lhe, pois: Que havemos


de fazer para praticarmos as obras de Deus?
Jesus lhes respondeu: A obra de Deus é esta:
Que creiais naquele que ele enviou” João 6.28-29.

Chegamos ao final deste pequeno livro, sabendo que só conseguimos falar


uma pequena parcela desta grandiosa obra que Deus, realizada em Jesus Cristo.
Conhecimento de Deus é vida eterna, e isso, não poderíamos descrever na sua plenitude
neste pequeno espaço (João 17.3). Se todas as coisas que Deus fez em Jesus, fossem
escritas nos livros, creio que nem ainda no mundo inteiro caberiam os livros que se
escrevessem (João 21.25). A Palavra de Deus foi escrita para que creiamos que Jesus é o
52

Cristo, o Filho de Deus; Aquele que nos atraiu para o seu corpo, fazendo-nos morrer
juntamente com Ele, crucificando assim o nosso velho homem, para que o corpo do pecado
fosse destruído, a fim de não servirmos mais ao pecado como escravos. Nele, recebemos a
vida eterna quando Deus ressuscitou-o dos mortos, e ressuscitou-nos juntamente com Ele,
para que agora, Cristo sendo a nossa vida, pudéssemos perseverar até o fim, e, assim,
desfrutarmos a vida eterna em Seu Nome.

Se você é um carnal, até quando você vai continuar como está e entrar na
segunda morte? Diante de tudo isto, só existem duas posições: ou você continua a viver na
hipocrisia, enganando os homens e a si mesmo, sabendo que não poderá enganar a Deus, ou
dizer: - Miserável homem que eu sou. Senhor tem misericórdia de mim.

Até quando você coxeará por dois pensamentos? A tua religião te dará
segurança por toda a eternidade? Ninguém poderá te dar melhor testemunho desta perdição,
do aquele rico quando disse: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, porque
tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham eles também
para este lugar de tormento” Lucas 16.27-28. Talvez muitos dos que já estão lá, porque
não creram, estejam fazendo o mesmo clamor a Deus por sua vida.

Será que você ainda ficará discutindo como fez Naamã, sobre banhar-se no
Rio Jordão. Parecia uma coisa bem ridícula, pois em Damasco havia muitos rios, e bem
maiores que o Jordão. A diferença, é que foi um homem de Deus que lhe disse tudo aquilo.
Quando Naamã creu, ficou inteiramente curado. Espero em Deus que não tenha deixado
você como o Rei Agripa, somente “quase persuadido”. Você está perdido se só chegou a
esta condição de quase persuadido, porque queremos que você se torne tal qual o apóstolo
Paulo e a nós: “Crucificado com Cristo, e Cristo vivendo em você” (Atos 26.29; Gálatas
2.20).

Deus coloca os céus e a terra como testemunhos diante de ti, porque Ele está
lhe oferecendo a vida e a benção: “eis aqui agora o tempo aceitável, eis aqui agora o dia
da salvação” II Coríntios 6.2. “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos
corações” Hebreus 3.8. A espada vem, Deus é um juiz justo, um Deus que sente indignação
todos os dias. Se você não se arrepender, Ele afiará a sua espada, para lhe dar a recompensa
segundo as suas obras.

Cri, por isso falei, nós cremos, por isso é que também estamos falando.
Nossa função é tocar a trombeta como um atalaia de Deus. Você já está avisado. Quando a
espada vier e você for levado na sua iniquidade, Deus não requererá de mim a sua alma. Se
você não se der por avisado, o seu sangue será sobre a sua cabeça. Se porém, se der por
avisado, receberá salvação para a sua vida (Ezequiel 33.4-7).

O Senhor ainda lhe diz: Eu, o Senhor, o disse: será assim, e o farei; não
tornarei atrás, e não pouparei, nem me arrependerei; conforme os teus caminhos, e
conforme os teus feitos, te julgarei, diz o Senhor Deus” Ezequiel 24.14. E ainda: “e
aconteça que alguém, ouvindo as palavras deste juramento, se abençoe no seu coração,
53

dizendo: Terei paz, ainda que ande na teimosia do meu coração para acrescentar à sede a
bebedeira. O Senhor não lhe quererá perdoar, pelo contrário fumegará contra esse homem
a ira do Senhor, e o seu zelo, e toda maldição escrita neste livro pousará sobre ele, e o
Senhor lhe apagará o nome de debaixo do céu” Deuteronômio 29.19-20.

Ninguém pode dizer que é um crente, crendo parcialmente na Palavra de


Deus. O que se espera de alguém que se diz crente, é pelo menos crer na Palavra de Deus.
Creia na Palavra como ela está escrita. Se você o fizer, Jesus disse que do seu interior
correrão rios de água viva (João 7.38). Creia no Seu amor, na Sua graça, na Sua fidelidade,
nas Suas promessas, e no Seu poder, pois Ele mesmo diz: “Mas o meu justo viverá da fé; e
se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não somos daqueles que
recuam para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma” Hebreus
10.38-39. Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo, por isso, Ele ainda lhe
fala: “Irei, e voltarei para o meu lugar, até que se reconheçam culpados e busquem a
minha face; estando eles aflitos, ansiosamente me buscarão” Oséias 5.15.

Se você tem sede, vá a ele e beba de graça da fonte da água da vida. Deixe a
sua insensatez e viva. Vá a Ele, você que está cansado e oprimido, que Ele te aliviará. Tome
o Seu jugo, aprenda dEle, porque Ele é manso e humilde de coração, e você achará
descanso para a sua alma. Porque o seu jugo é suave, e o Seu fardo verdadeiramente é leve.
Deus tem estendido as Suas mãos todos os dias, apesar de você ser rebelde e contradizente.
As Suas mãos não estão encolhidas para que não possa salvar. Nem os seus ouvidos tapados
para que não possa ouvir.

Se você tem sede, creia e beba da fonte da água da vida. Se você não tem
como pagar a sua dívida, e não pode porque é caríssima, creia e participe da grande ceia,
receba, pois é de graça. Incline os seus ouvidos, e ouça a Ele; atente à Sua voz e a tua alma
viverá, porque Ele fará contigo um pacto perpétuo, dando-lhe as firmes beneficências
prometidas a Davi. Deixe o seu caminho ímpio, os seus malignos pensamentos, e volte-se
para o Senhor, que se compadecerá de ti; volte-se para o seu Deus, porque é riquíssimo em
perdoar. Busque o Senhor enquanto se pode achar, invoque-o enquanto está perto.

Venha, as prisões estão abertas, as cadeias quebradas, as trevas dissipadas, o


pecado destruído, o diabo vencido, e a morte derrotada. Jesus reina assentado à direita de
Deus Pai; muito acima de todo principado, e autoridade, e poder, e domínio, e todo o nome
que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro. Todas as coisas estão sendo
sujeitas debaixo dos seus pés. Ele é o Senhor dos senhores, o Rei dos reis. Todo aquele que
O receber, ser-lhe-á dado o poder de tornar-se filho de Deus, aos que crêem no Seu Nome.
Aquele que não nasceu do sangue, nem da vontade da carne, nem da decisão do homem,
mas de Deus. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela. Se não
prevaleceram, isto significa que ela continua brilhando, e brilhará pela eternidade. As trevas
não prevalecerão jamais. Deus seja louvado!

O pão já está lançado sobre as águas, e espero em Deus que depois de muitos
dias o acharei, mas todo o louvor e toda a glória sejam dados ao Senhor. Nós não temos
54

capacidade nem de pensar alguma coisa como de nós mesmos. Se você considera o
testemunho dos homens verdadeiro, o testemunho de Deus é maior. Seja antes todo homem
mentiroso e Deus verdadeiro como está escrito. Saiba também que ainda que alguns foram
infiéis, Deus permanece fiel. A menos que você queira perecer eternamente, dê ouvidos ao
último clamor da Sua misericórdia: “Eu sou o Deus que perdoa todas as tuas iniquidades,
que sara todas as tuas enfermidades, que redime a tua vida da cova, que te coroa de
benignidade e de misericórdia, que te supre de todo o bem” Salmos 103.4. Quem tiver
ouvidos para ouvir, ouça. Quem é de Deus, ouve as Palavras de Deus. Jesus diz: “Eu sou o
que testifico estas coisas” .

ORAÇÃO FINAL

Pai, eu sei que não depende de quem quer, nem de quem corre, mas do
Senhor de usar da Sua misericórdia. O ouvido que ouve, e o olho que vê, ambos vem do
Senhor. Estou aqui para promover a fé que é dos eleitos de Deus, no pleno conhecimento da
verdade, e na esperança da vida eterna, a qual o Senhor, que não pode mentir, prometeu
antes dos tempos eternos, e neste tempo próprio, por tua misericórdia, manifeste a Tua
Palavra.

Sou apenas teu despenseiro, teu embaixador. Abre-lhes o coração para que
atentem para o que estamos apresentando, como fizeste com os apóstolos. Derrama-lhes o
Espírito de graça e de súplica, para que olhem para Aquele a quem traspassaram. Abre-lhes
a fonte das águas da salvação, para que os seus pecados sejam removidos, e toda impureza
seja desarraigada dessas vidas, e que com alegria tirem águas da fonte da salvação. Ainda
que não possa estar com esses leitores, envia-lhes um filho teu, para que pregue e confirme
a Tua Palavra, como o Senhor fez com Filipe e aquele eunuco, pois como eles poderão
entender?

Manifesta-te aos teus, como fizeste a Samuel, pela Tua Palavra. O Senhor
tem aberto a madre e tem feito nascer, e o Senhor prometeu não fechá-la. Mostre neste
século a suprema riqueza da Tua Graça, a Tua Bondade para com eles em Cristo Jesus.
Ainda que seja povo de dura cerviz, não os trate segundo os seus pecados, mas segundo a
multidão das Tuas misericórdias. Senhor, se agora tenho achado graça aos teus olhos, use
esse material, como um instrumento para que a tua herança alcance a Tua Graça.

Oh! Senhor Jesus, o Senhor viu a sua posteridade, levou o pecado deles, e
viu o fruto do Seu trabalho e ficou satisfeito. Agora complete a Sua obra, trazendo à Sua
alma satisfação. Deixe as noventa e nove e busque esta que está perdida. O Senhor pode
salvar totalmente aqueles que se chegam a ti, porque o Senhor vive por interceder por eles.
Nenhum daqueles que o Pai lhe deu será perdido, e todo que vem a ti, de maneira nenhuma
o lançará fora.

Oh! Espírito Santo, Consolador fiel, glorifique a Jesus, pois, esta é a sua
obra. Venha dos quatro ventos e assopra sobre esses mortos para que vivam. Entre neles e
55

os faça saber as Palavras de Deus. Faça-os compreender as coisas que lhes foram dadas
gratuitamente por Deus. Ensine a eles todas as coisas e os faça lembrar de tudo o que o
Senhor Jesus disse. Guie-os a toda verdade. Que a tua lei, Oh! Espírito da vida em Cristo
Jesus, os livre da lei do pecado e da morte.

Pai, não sei orar como convém, mas o Espírito me ajuda na fraqueza. Tu que
esquadrinhas o coração, sabe qual é a intenção do Espírito, que Ele, segundo a Sua vontade,
intercede por nós. Atente para a oração de Jesus que está assentado à Sua Direita; por todos
aqueles que lhe deste. Tenho feito tudo no Nome de Jesus, dando por Ele graças a Ti, ó meu
Deus e meu Pai. Tenho feito tudo pelo Teu poder, pois conheço a minha estrutura, e
reconheço que sou pó. No Teu poder, e no poder da Tua Palavra, creio que toda esta obra,
que foi feita no Senhor, não será vã. Seja sobre nós a Tua graça Senhor, e confirma sobre
nós a obra das nossas mãos; sim, confirma a obra das nossas mãos. No Nome de Jesus, para
a Tua Glória. O Senhor é o nosso louvor, eternamente. Amém.

Edward Burke Junior


Londrina – PR
eduburke@hotmail.com

Interesses relacionados