Você está na página 1de 79

SECRETARIASECRETARIA DEDE ESTADOESTADO DADA SASAÚÚDEDE DODO PARANPARANÁÁ

AA RedeRede dede AtenAtenççãoão àà UrgênciaUrgência ee EmergênciaEmergência

Abril/2012Abril/2012

OSOS OS DESAFIOSDESAFIOS DESAFIOS PARAPARA PARA OSOS OS

SISTEMASSISTEMAS SISTEMAS DEDE DE SASAÚÚDEDE SAÚDE

NONO NO ININÍÍCIOCIO INÍCIO DODO DO SSÉÉCULOCULO SÉCULO XXIXXI XXI

DaDa atenatenççãoão ààss condicondiççõesões agudasagudas parapara asas condicondiççõesões crônicascrônicas

as as condi condi ç ç ões ões crônicas crônicas Mudan Mudan ç ç a a

MudanMudanççaa dede modelomodelo dede atenatenççãoão àà sasaúúdede

DoDo sistemasistema fragmentadofragmentado parapara oo sistemasistema integradointegrado

MudanMudanççaa dede modelomodelo dede Mudan Mudan ç ç a a de de modelo modelo de organiza organiza ç ç ão organizaorganizaççãoão dodo sistemasistema dede sasaúúdede

DaDa gestãogestão dosdos recursosrecursos parapara aa gestãogestão dosdos finsfins

para para a a gestão gestão dos dos fins fins Mudan Mudan ç ç a a

MudanMudanççaa dede modelomodelo dede gestãogestão dodo sistemasistema dede sasaúúdede

MUDANMUDANÇÇAA DEDE MODELOSMODELOS NONO SISTEMASISTEMA DEDE SASAÚÚDEDE

MODELOS NO NO SISTEMA SISTEMA DE DE SA SA Ú Ú DE DE Condi Condi ç

CondiCondiççõesões AgudasAgudas ee CrônicasCrônicas

RedesRedes dede AtenAtenççãoão àà SaSaúúdede

de de Aten Aten ç ç ão ão à à Sa Sa ú ú de de

CIDADÃOSCIDADÃOS VIVENDOVIVENDO MAISMAIS EE MELHORMELHOR

GestãoGestão dada ClClíínicanica

ú de de CIDADÃOS CIDADÃOS VIVENDO VIVENDO MAIS MAIS E E MELHOR MELHOR Gestão Gestão da

MODELOSMODELOS DEDE ATENATENÇÇÃOÃO ÀÀ SASAÚÚDEDE

CondiCondiççõesões crônicas:crônicas:

RedeRede MãeMãe ParanaenseParanaense RedeRede SaSaúúdede MentalMental RedeRede dede AtenAtenççãoão àà SaSaúúdede dodo IdosoIdoso

CondiCondiççõesões agudas:agudas:

RedeRede dede atenatenççãoão àà urgênciaurgência ee emergênciaemergência

ProntoPronto--socorrossocorros lotadoslotados DificuldadeDificuldade dede internainternaççãoão RecusaRecusa dede recebimentorecebimento dede ambulânciasambulâncias TransporteTransporte fragmentadofragmentado ee desorganizadodesorganizado AusênciaAusência dede atendimentoatendimento especializadoespecializado AtendimentoAtendimento ee lotalotaççãoão nosnos serviserviççosos dede urgênciaurgência dede pacientespacientes dede baixobaixo riscorisco SistemaSistema despreparadodespreparado parapara catcatáástrofesstrofes

UmaUma crisecrise mundialmundial

Hospital-Based Emergency Care: At the Breaking Point

http://www.nap.edu/catalog/11621.html

crise crise mundial mundial Hospital-Based Emergency Care: At the Breaking Point http://www.nap.edu/catalog/11621.html

HISTHISTÓÓRICORICO

HIST HIST Ó Ó RICO RICO

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DEDE RISCORISCO

ÉÉ umum processoprocesso dede gestãogestão dodo riscorisco clclííniconico queque temtem porpor objetivoobjetivo estabelecerestabelecer prioridadeprioridade parapara oo atendimentoatendimento dosdos cidadãoscidadãos queque acessamacessam osos serviserviççosos dede urgênciaurgência ee emergênciaemergência

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DEDE RISCORISCO

FundamentaFundamenta--sese emem 33 varivariááveis:veis:

1.1. GravidadeGravidade (risco)(risco)

2.2. RecursoRecurso necessnecessááriorio

3.3. TempoTempo dede respostaresposta

OBJETIVOSOBJETIVOS OBJETIVOS DADA DA

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO CLASSIFICAÇÃO DEDE DE RISCORISCO RISCO

PersonalizarPersonalizar oo atendimentoatendimento AvaliarAvaliar oo cidadãocidadão logologo nana suasua chegadachegada ReduzirReduzir oo tempotempo parapara oo atendimento:atendimento: oo cidadãocidadão atendidoatendido nono tempotempo certocerto dede acordoacordo comcom aa suasua gravidadegravidade DeterminarDeterminar aa áárearea dede atendimentoatendimento adequada:adequada: oo cidadãocidadão devedeve serser encaminhadoencaminhado aoao setorsetor ouou pontoponto dede atenatenççãoão adequadoadequado GerenciarGerenciar oo tempotempo dede esperaespera RetornarRetornar informainformaççõesões aoao cidadão/familiarescidadão/familiares

Cuidado com o improviso

Vamos lá, não podemos errar Come on! It can‘t go todas wrong every time
Vamos lá, não podemos errar
Come on! It can‘t go
todas
wrong every time

FUNDAMENTAFUNDAMENTAÇÇÃOÃO FUNDAMENTAÇÃO PARAPARA PARA

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO CLASSIFICAÇÃO DEDE DE RISCORISCO RISCO

TheThe CanadianCanadian EmergencyEmergency DepartmentDepartment TriageTriage && AcuityAcuity ScaleScale (CTAS)(CTAS) AustralasianAustralasian TriageTriage ScaleScale (ATS)(ATS) ManchesterManchester TriageTriage SystemSystem (MTS)(MTS)

AdvancedAdvanced CardiacCardiac LifeLife SuportSuport (ACLS)(ACLS) HospitalHospital MunicipalMunicipal Dr.Dr. MMááriorio Gatti,Gatti, ProjetoProjeto AcolhimentoAcolhimento dodo ProntoPronto SocorroSocorro CartilhaCartilha dede AcolhimentoAcolhimento comcom ClassificaClassificaççãoão dede RiscoRisco dada PolPolííticatica NacionalNacional dede HumanizaHumanizaççãoão // MSMS DiretrizesDiretrizes dede ClassificaClassificaççãoão dede RiscoRisco dasdas UPAsUPAs (Unidades(Unidades dede ProntoPronto--Atendimento)Atendimento) dede BeloBelo HorizonteHorizonte

AdvancedAdvanced TraumaTrauma LifeLife SuportSuport (ATLS)(ATLS)

OSOS OS PROTOCOLOSPROTOCOLOS PROTOCOLOS CLCLÍÍNICOSNICOS CLÍNICOS DEDE DE

URGÊNCIAURGÊNCIA URGÊNCIA EE E EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA EMERGÊNCIA

Canadense

Americano

Manchester (Inglês)

Australásiano

COMPARACOMPARAÇÇÃOÃO ENTREENTRE OSOS PROTOCOLOSPROTOCOLOS DEDE CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DEDE RISCORISCO

Característica

ATS

CTAS

MTS

ESI

MAT

Escala de 5 Níveis

SIM

SIM

SIM

SIM

SIM

Utilização universal no País

SIM

SIM

SIM

NÃO

SIM

Baseada em Categorias de sintomas

NÃO

NÃO

SIM

NÃO

SIM

Baseados em discriminantes chave

SIM

NÃO

SIM

SIM

SIM

Baseado em algoritmos clínicos

NÃO

NÃO

SIM

SIM

SIM

Baseados em escalas de urgência pré-definidas

SIM

SIM

NÃO

NÃO

SIM

Tempo de execução (< 3 minutos)

NÃO

NÃO

SIM

SIM

NÃO

Fonte:J.gomez jimenez,

2007

PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DEDE RISCO:RISCO: OO PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTERMANCHESTER

O O PROTOCOLO PROTOCOLO DE DE MANCHESTER MANCHESTER VERMELHO Emergência 0 minutos LARANJA Muito

VERMELHOEmergência 0 minutos

Emergência

0 minutos

LARANJAMuito urgente 10 minutos

Muito urgente

10 minutos

AMARELOUrgente 60 minutos

Urgente

60 minutos

VERDEMuito urgente 10 minutos AMARELO Urgente 60 minutos AZUL Pouco urgente Não urgente 120 minutos 240

AZULMuito urgente 10 minutos AMARELO Urgente 60 minutos VERDE Pouco urgente Não urgente 120 minutos 240

Pouco urgente

Não urgente

120 minutos

240 minutos

FONTE: MACKWAY-JONES et al. (2006)

15

FatoresFatores queque determinamdeterminam umauma prioridade:prioridade:

AmeaAmeaççaa àà vidavida AmeaAmeaççaa àà funfunççãoão DorDor DuraDuraççãoão dodo problemaproblema IdadeIdade HistHistóóriaria RiscoRisco dede mausmaus tratostratos

OO PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTERMANCHESTER

ó ria ria   Risco Risco de de maus maus tratos tratos O O PROTOCOLO
ó ria ria   Risco Risco de de maus maus tratos tratos O O PROTOCOLO

PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTER:MANCHESTER: DORDOR ABDOMINALABDOMINAL EMEM ADULTOADULTO

Comprometimento vias aéreas

 

Respiração inadequada

VERME

LHO

Choque

Dor intensa

 

Dor irradiando para o dorso

Vômito de sangue

LARANJA

Evacuação de sangue vivo ou escurecido

Sangramento vaginal e > 20 semanas de gravidez

Febre alta

Possível gravidez

 

Irradiação para ombro

Fezes enegrecidas ou vermelhas

História de vômito agudo de sangue

AMARELO

Vômito persistente

Febre alta

Dor moderada

Dor leve recente

 

Vômito

VERDE

Problema recente

 

AZUL

Apresentação

Fluxograma

Identificação da Prioridade Clínica

VERMELHO

Fluxograma Identificação da Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO

DiscriminadoresFluxograma Identificação da Prioridade Clínica VERMELHO LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores

da Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores

LARANJA

da Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores Discriminadores AZUL

Discriminadoresda Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA AMARELO Discriminadores Discriminadores AZUL VERDE

Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores Discriminadores AZUL VERDE

AMARELO

Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores Discriminadores AZUL VERDE

Discriminadoresda Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores AZUL VERDE

Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores Discriminadores AZUL VERDE

Discriminadores

Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores Discriminadores AZUL VERDE
Prioridade Clínica VERMELHO Discriminadores LARANJA Discriminadores AMARELO Discriminadores Discriminadores AZUL VERDE

AZUL

VERDE

MATRIZMATRIZ DOSDOS PONTOSPONTOS DEDE ATENATENÇÇÃOÃO DADA REDEREDE DEDE URGÊNCIAURGÊNCIA EE EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA

DeterminanteDeterminante

ClassificaClassificaççãoão dede RiscoRisco

PontoPonto idealideal nana RedeRede

TempoTempo IdealIdeal

Dor Abdominal em Adultos

Dor Abdominal em Adultos Hospital Microrregional ou Hospital Macrorregional* Atendimento Imediato Em áreas remotas

Hospital Microrregional ou Hospital Macrorregional*

Atendimento Imediato Em áreas remotas Transferência em no máximo 30 minutos

Dor Abdominal em Adultos

Dor Abdominal em Adultos Hospital Microrregional** Atendimento em no máximo 10 minutos Transferência em no máximo

Hospital Microrregional**

Atendimento em no máximo 10 minutos Transferência em no máximo 30 minutos

Dor Abdominal em Adultos

Dor Abdominal em Adultos Hospital Microrregional *** Atendimento em 60 minutos. Transferência no mesmo dia (24

Hospital Microrregional ***

Atendimento em 60 minutos. Transferência no mesmo dia (24 horas)

Dor Abdominal em Adultos

Dor Abdominal em Adultos UAPS Atendimento em 120 minutos

UAPS

Atendimento em 120 minutos

Dor Abdominal em Adultos

Dor Abdominal em Adultos UAPS Atendimento em 240 minutos

UAPS

Atendimento em 240 minutos

*Aneurisma dissecante de aorta

**Inclui PA Microrregional

***Tratamento Clínico

ALGORITMOALGORITMO ALGORITMO PARAPARA PARA AA A ATENATENÇÇÃOÃO ATENÇÃO ÀÀ À

DEMANDADEMANDA DEMANDA ESPONTÂNEAESPONTÂNEA ESPONTÂNEA

CIDADÃOCIDADÃO PROCURAPROCURA AA UAPSUAPS PORPOR DEMANDADEMANDA ESPONTÂNEAESPONTÂNEA

VERMELHOVERMELHO

DEMANDA DEMANDA ESPONTÂNEA ESPONTÂNEA VERMELHO VERMELHO CLASSIFICA CLASSIFICA Ç Ç ÃO ÃO DE DE RISCO RISCO

CLASSIFICACLASSIFICAÇÇÃOÃO DEDE RISCORISCO

CLASSIFICA CLASSIFICA Ç Ç ÃO ÃO DE DE RISCO RISCO EMERGÊNCIA EMERGÊNCIA ? ? LARANJA LARANJA

EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA??

Ç ÃO ÃO DE DE RISCO RISCO EMERGÊNCIA EMERGÊNCIA ? ? LARANJA LARANJA URGÊNCIA URGÊNCIA ?
Ç ÃO ÃO DE DE RISCO RISCO EMERGÊNCIA EMERGÊNCIA ? ? LARANJA LARANJA URGÊNCIA URGÊNCIA ?
Ç ÃO ÃO DE DE RISCO RISCO EMERGÊNCIA EMERGÊNCIA ? ? LARANJA LARANJA URGÊNCIA URGÊNCIA ?

LARANJALARANJA

DE RISCO RISCO EMERGÊNCIA EMERGÊNCIA ? ? LARANJA LARANJA URGÊNCIA URGÊNCIA ? ? SUPORTESUPORTE BBÁÁSICOSICO DEDE

URGÊNCIAURGÊNCIA??

SUPORTESUPORTE BBÁÁSICOSICO DEDE VIDAVIDA SUPORTESUPORTE BBÁÁSICOSICO DEDE VIDAVIDA S.NS.N URGÊNCIAURGÊNCIA
SUPORTESUPORTE
BBÁÁSICOSICO
DEDE VIDAVIDA
SUPORTESUPORTE
BBÁÁSICOSICO
DEDE VIDAVIDA
S.NS.N
URGÊNCIAURGÊNCIA
ELETIVOELETIVO (AZUL)(AZUL)
URGÊNCIAURGÊNCIA
MENORMENOR
MAIORMAIOR
(VERDE)(VERDE)
SAMUSAMU
(AMARELO)(AMARELO)
AGENDAMENTOAGENDAMENTO
SAMUSAMU
UAPSUAPS
PRIORIDADEPRIORIDADE
SAMUSAMU
P.SP.S
UAPSUAPS
P.SP.S

P.AP.A

PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTERMANCHESTER

GaranteGarante critcritéériosrios uniformesuniformes aoao longolongo dodo tempotempo ee comcom diferentesdiferentes equipesequipes AcabaAcaba comcom triagemtriagem semsem fundamentafundamentaççãoão cientcientííficafica

SSóó podepode serser feitafeita porpor enfermeiroenfermeiro ouou mméédicodico

GaranteGarante aa seguranseguranççaa

DoDo cidadãocidadão queque serseráá avaliadoavaliado DoDo profissionalprofissional dede sasaúúdede

ÉÉ rráápidopido

TestadaTestada nono ReinoReino Unido,Unido, Portugal,Portugal, Espanha,Espanha, Alemanha,Alemanha, HolandaHolanda PrevêPrevê auditoriaauditoria

OO PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTER:MANCHESTER:

EVIDÊNCIASEVIDÊNCIAS INTERNACIONAISINTERNACIONAIS

PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTERMANCHESTER

Portugal

Vermelho = 0,5 a 1%

Laranja = 6 a 10%

Amarelo = 40%

Verde = 35%

Azul = 5%

Branco = não pertence ao Serviço de Urgência

EvidênciasEvidências sobresobre aa eficiênciaeficiência ee seguranseguranççaa dodo ProtocoloProtocolo dede ManchesterManchester

DoesDoes thethe ManchesterManchester triagetriage systemsystem detectdetect thethe criticallycritically ill?ill? CooCookeke MW,MW, JinksJinks S,S, JJ AccidAccid Emerg.Emerg. MedicineMedicine 1999;1999; ValidationValidation ofof physiologicalphysiological scoringscoring systemsystem inin thethe A&A& EE departmentdepartment-- SubbeSubbe CP,CP, SlaterSlater A,A, MenonMenon D,D, GemmelGemmel LL--EmergEmerg MedMed Journal,Journal, 2006;2006; DetectingDetecting HighHigh riskrisk patientspatients withwith ChestChest painpain-- SpeakSpeak D,D, TeeceTeece S,S, MackwayMackway--JonesJones KK-- EmergencyEmergency nursenurse 2003;2003; IsIs ManchesterManchester (MTS)(MTS) moremore thanthan aa triagetriage system?system? StudyingStudying it`sit`s associationassociation withwith deathdeath andand admissionadmission inin aa largelarge PortuguesePortuguese HospitalHospital-- (EMJ(EMJ--2009);2009); ReliabilityReliability andand validityvalidity ofof ManchesterManchester TriageTriage systemsystem inin aa generagenerall emergencyemergency departmentdepartment patientpatient populationpopulation inin thethe netherlands:netherlands:

emergency department department patient patient population population in in the the netherlands: netherlands:
emergency department department patient patient population population in in the the netherlands: netherlands:
emergency department department patient patient population population in in the the netherlands: netherlands:
emergency department department patient patient population population in in the the netherlands: netherlands:

resultsresults ofof aa simulationsimulation studystudy--EmergencyEmergency MedicineMedicine JournalJournal 2008.2008.

OsOs pacientespacientes comcom prioridadesprioridades maismais altasaltas (vermelho,(vermelho, laranja)laranja) sãosão admitidosadmitidos nono hospitalhospital numanuma proporproporççãoão muitomuito maiormaior queque osos dede menormenor prioridadeprioridade AssociaAssociaççãoão entreentre graugrau dede prioridadeprioridade ee mortes:mortes: 1717 vezesvezes maiormaior nono grupogrupo dede laranjaslaranjas ee vermelhosvermelhos HouveHouve redureduççãoão dede mortesmortes comcom oo usouso dada classificaclassificaççãoão dede riscorisco

HipHipóótesesteses comprovadascomprovadas

H.H. M.M. G.G. Martins,Martins, L.L. CuCuñña,a, P.P. T.FreitasT.Freitas EMJEMJ

20092009

26
26
27
27

FONTE: HFF

           

SEM

RISCO RELATIVO

VERMELHO

LARANJA

AMARELO

VERDE

AZUL

TRIAGEM

Readmissão até às 72h

0,00

0,84

6,54

0,58

0,00

0,00

Duração superior a 6h

1,33

3,52

3,98

0,38

0,67

0,00

Internação diferente de Cuidados Intensivos

5,74

7,16

2,45

0,19

0,10

0,27

Internação em Cuidados Intensivos

511,63

0,79

0,24

0,00

0,00

3,86

Realização de 2 ou mais análises iguais

0,00

0,84

6,54

0,58

0,00

0,00

Realização de 2 ou mais análises diferentes

1,39

5,97

2,64

0,11

0,00

0,00

Realização de 2 ou mais exames de imagiologia

0,60

7,52

4,31

0,20

0,14

0,02

Realização de 2 ou mais medicações EV

1,45

1,68

6,12

0,37

0,15

0,05

Observação por 2 ou mais Médicos

0,95

3,89

3,87

0,35

0,08

0,00

Fonte: Humberto Machado - Tese de Mestrado na universidade Nova Lisboa

NHS:NHS: EVIDENCEEVIDENCE ADOPTIONADOPTION CENTRECENTRE

ModelModel ofof CareCare ManagingManaging EmergengyEmergengy DepartmentDepartment Attendences:Attendences: AA rapidrapid reviewreview ofof researchresearch literature.literature. Feburary,Feburary, 20112011 Conclusões:Conclusões:

AA atenatenççãoão àà U/EU/E nana APSAPS reduzreduz oo nnúúmeromero dede encaminhamentosencaminhamentos parapara osos serviserviççosos dede urgênciaurgência OO atendimentoatendimento porpor telefonetelefone reduzreduz aa demandademanda parapara osos hospitaishospitais AA triagemtriagem realizadarealizada pelospelos enfermeirosenfermeiros éé custocusto efetivaefetiva

ARTIGOSARTIGOS

LOWYLOWY A,A, KOHLERKOHLER B,B, NICHOLLNICHOLL J.J. AttendanceAttendance atat accidentaccident andand emergencyemergency departments:departments: unnecessaryunnecessary oror inappropriate?inappropriate? JournalJournal ofof PublicPublic HealthHealth MedicineMedicine 1994;16(2):1341994;16(2):134--40.40. VANVAN UDENUDEN CJT,CJT, CREBOLDERCREBOLDER HFJM.HFJM. DoesDoes settingsetting upup outout ofof hourshours primaryprimary carecare cooperativescooperatives outsideoutside aa hospitalhospital reducereduce demanddemand forfor emergencyemergency care?care? EmergencyEmergency MedicineMedicine JournalJournal

2004;21(6):7222004;21(6):722--3.3.

RICHARDSRICHARDS SH,SH, WINDERWINDER R,R, SEAMARKSEAMARK D,D, SEAMARKSEAMARK C,C, EWINGSEWINGS P,P, BARWIckBARWIck A,A, etet al.al. AccessingAccessing outout--ofof--hourshours carecare followingfollowing implementationimplementation ofof thethe GMSGMS contract:contract: anan observationalobservational study.study. BritishBritish JournalJournal ofof GeneralGeneral PracticePractice 2008;58(550):3312008;58(550):331--8.8. CAMPBELLCAMPBELL JL.JL. GeneralGeneral practitionerpractitioner appointmentappointment systems,systems, patientpatient satisfaction,satisfaction, andand useuse ofof accidentaccident andand emergencyemergency servicesservices----aa studystudy inin oneone geographicalgeographical area.area. FamilyFamily PracticePractice

1994;11(4):4381994;11(4):438--4545

ARTIGOSARTIGOS

WARDWARD P,P, HUDDYHUDDY J,J, HARGREAVESHARGREAVES S,S, TOUQUETTOUQUET R,R, HURLEYHURLEY J,J, FOTHERGILLFOTHERGILL J.J. PrimaryPrimary carecare inin London:London: anan evaluationevaluation ofof generalgeneral practitionerspractitioners workingworking inin anan innerinner citycity accidentaccident andand emergencyemergency department.department. JournalJournal ofof AccidentAccident && EmergencyEmergency MedicineMedicine 1996;13(1):111996;13(1):11--55 MURPHYMURPHY AW,AW, BURYBURY G,G, PLUNKETTPLUNKETT PK,PK, GIBNEYGIBNEY D,D, SMITHSMITH M,M, MULLANMULLAN E,E, etet al.al. RandomisedRandomised controlledcontrolled trialtrial ofof generalgeneral practitionerpractitioner versusversus usualusual medicalmedical carecare inin anan urbanurban accidentaccident andand emergencyemergency department:department: process,process, outcome,outcome, andand comparativecomparative cost.cost. BMJBMJ 1996;312(7039):11351996;312(7039):1135--4242 ROBERTSROBERTS E,E, MAYSMAYS N.N. CanCan primaryprimary carecare andand communitycommunity--basedbased modelsmodels ofof emergencyemergency carecare substitutesubstitute forfor thethe hospitalhospital accidentaccident andand emergencyemergency (A(A && E)E) department?department? HealthHealth PolicyPolicy

accident and and emergency emergency (A (A & & E) E) department? department? Health Health Policy
accident and and emergency emergency (A (A & & E) E) department? department? Health Health Policy

1998;44(3):1911998;44(3):191--214214

OO PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTER:MANCHESTER: AA EXPERIÊNCIAEXPERIÊNCIA DADA SMSSMS DEDE UBERLÂNDIAUBERLÂNDIA

RedeRede dede AtenAtenççãoão emem SaSaúúdede Setor Setor Norte Norte Setor Setor Leste Leste UAI (8)
RedeRede dede AtenAtenççãoão emem SaSaúúdede
Setor Setor Norte Norte
Setor Setor Leste Leste
UAI (8)
UBS (8)
UBSF (39)
UFU (2)
CAPS (6)
DST/AIDS
AMB. OFT.
C. REGUL.
ZOON. (2)
Setor Setor Centro Centro
CRM
CA DIAB.
CRST
C. RADIOL.
FONOAUD.
L.
LÁB. PAL.
V.
EPIDEM.
V.
SANIT.
A.
FARMAC.
GIDS
LAB. CQ
TUB/HANS.
M. PL/TANC
Setor Setor Oeste Oeste
Setor Setor Sul Sul
Setor Norte
Setor Norte
Setor Norte UBS Santa Rosa UAI Roosevelt UBS Brasil UBS N. S. das Graças 2 Eq.

UBS Santa Rosa

UAI Roosevelt

Setor Norte UBS Santa Rosa UAI Roosevelt UBS Brasil UBS N. S. das Graças 2 Eq.

UBS Brasil

UBS N. S. das Graças

Setor Norte UBS Santa Rosa UAI Roosevelt UBS Brasil UBS N. S. das Graças 2 Eq.

2 Eq. PSF

SalaSala dede ClassificaClassificaççãoão

Sala Sala de de Classifica Classifica ç ç ão ão
CidadãCidadã classificadaclassificada comocomo AZUL,AZUL, atendimentoatendimento agendadoagendado nana APSAPS
CidadãCidadã classificadaclassificada comocomo AZUL,AZUL,
atendimentoatendimento agendadoagendado nana APSAPS
CidadãCidadã classificadaclassificada comocomo AZUL:AZUL: AgendamentoAgendamento nana APSAPS
CidadãCidadã classificadaclassificada comocomo AZUL:AZUL:
AgendamentoAgendamento nana APSAPS
CidadãCidadã classificadaclassificada comocomo AZUL,AZUL, atendimentoatendimento nana APSAPS
CidadãCidadã classificadaclassificada comocomo AZUL,AZUL,
atendimentoatendimento nana APSAPS
AUDITORIAAUDITORIA DODO PROTOCOLOPROTOCOLO DEDE MANCHESTERMANCHESTER
AUDITORIAAUDITORIA DODO PROTOCOLOPROTOCOLO
DEDE MANCHESTERMANCHESTER
• • N N º º de de entradas entradas - - 6212 6212 –

NNºº dede entradasentradas--62126212

EpisEpisóódiosdios classificadosclassificados--53135313

Vermelho:Vermelho: 0909 (0,17%)(0,17%) Laranja:Laranja: 276276 (5,2%)(5,2%)

Amarelo:Amarelo: 925:925: (17,4%)(17,4%)

Verde:Verde: 38113811 (71,8%)(71,8%)

Azul:Azul: 180180 (3,4%)(3,4%)

Branco:Branco: 112112 (2,1%)(2,1%)

TempoTempo mméédiodio admissãoadmissão ee classificaclassificaçção:ão: 12123737

TempoTempo mméédiodio classificaclassificaçção:ão: 111717

ClassificaClassificaççõesões corretas:corretas: 78%78%

TempoTempo atendimentoatendimento mméédico:dico: VV--(0)(0) LL--(9(94242)) AA--(13(13)) VV--(29(29

AA--(30(30))

• • N N º º de de entradas entradas - - 18.630 18.630 –

NNºº dede entradasentradas--18.63018.630

EpisEpisóódiosdios classificadosclassificados--16.16016.160

Vermelho:Vermelho: 3232 (0,2%)(0,2%) Laranja:Laranja: 662662 (4,1%)(4,1%)

Amarelo:Amarelo: 1.115:1.115: (6,9%)(6,9%)

Verde:Verde: 13.83213.832 (85,6%)(85,6%)

Azul:Azul: 517517 (3,2%)(3,2%)

Branco:Branco: 00 (0%)(0%)

TempoTempo mméédiodio admissãoadmissão ee classificaclassificaçção:ão: 13134141

TempoTempo mméédiodio classificaclassificaçção:ão: 113535

ClassificaClassificaççõesões corretas:corretas: 83%83%

TempoTempo atendimentoatendimento mméédico:dico: VV--(0)(0) LL--(14(1433)) AA--(33(3333))

 

VV-- (51(51))

AA-- (75(75

PESQUISAPESQUISA DEDE SATISFASATISFAÇÇÃOÃO DADA POPULAPOPULAÇÇÃOÃO

87%,87%, dizemdizem queque sãosão bembem atendidosatendidos nasnas UAIsUAIs ee 84%84% consideramconsideram oo atendimentoatendimento mméédicodico óótimotimo ouou bombom AA pesquisapesquisa mostramostra queque maismais dede 80%80% dosdos usuusuááriosrios estãoestão satisfeitossatisfeitos comcom oo serviserviççoo prestadoprestado ee comcom isso,isso, vamosvamos aprimoraraprimorar aindaainda maismais oo sistema.sistema. 95%95% dosdos pacientespacientes confiamconfiam nono atendimentoatendimento ee issoisso prapra gentegente éé muitomuito importanteimportante,, afirmouafirmou oo secretsecretááriorio MunicipalMunicipal dede SaSaúúde,de, GladstoneGladstone RodriguesRodrigues dada Cunha.Cunha. OsOs esforesforççosos queque todostodos nnóóss estamosestamos fazendo,fazendo, sãosão reconhecidosreconhecidos pelapela populapopulaçção.ão. NãoNão vamosvamos pararparar porpor ai.ai. VamosVamos continuarcontinuar investindoinvestindo ee apoiandoapoiando todastodas asas aaççõesões dede sasaúúdede nono nossonosso municmunicíípio,pio, porqueporque essaessa éé umauma prioridadeprioridade dodo meumeu governogoverno,, destacoudestacou oo prefeito.prefeito.

AA REDEREDE DEDE ATENATENÇÇÃOÃO ÀÀ URGÊNCIAURGÊNCIA EE EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA EMEM MINASMINAS GERAISGERAIS

APVPAPVP // 10001000 habhab -- 20052005

82,58

69,61 66,79 64,91 64,28 63,59 57,43 57,06 RJ ES PR RS SP MG SC DF
69,61
66,79
64,91
64,28
63,59
57,43
57,06
RJ
ES
PR
RS
SP
MG
SC
DF

*Source:*Source: IDBIDB BasicBasic datadata andand Indicatorsdores,Indicatorsdores, 20062006 DataSUSDataSUS

Shimazaki; Mafra; Cordeiro; Ferreira;

Source:Source: SESSES MG,MG, 2008,2008, drawndrawn upup byby INDGINDG

de Lucia

APVPAPVP

APVP APVP

APVPAPVP DoenDoenççaa CardiovascularCardiovascular -- 20052005

14,99

12,20 12,11 11,80 11,30 11,25 9,69 9,55 RJ ES SP PR RS MG DF SC
12,20
12,11
11,80
11,30
11,25
9,69
9,55
RJ
ES
SP
PR
RS
MG
DF
SC

Fonte:Fonte: IDBIDB IndicadoresIndicadores ee DadosDados BBáásicossicos 20062006 DatasusDatasus Fonte:Fonte: SESSES MG,MG, 2008,2008, elaboradoelaborado porpor INDGINDG

APVPAPVP TraumaTrauma -- 20052005

24,31

22,81 19,77 17,18 16,44 15,79 14,84 14,61 ES RJ PR DF SC SP MG RS
22,81
19,77
17,18
16,44
15,79
14,84
14,61
ES
RJ
PR
DF
SC
SP
MG
RS

Fonte:Fonte: IDBIDB IndicadoresIndicadores ee DadosDados BBáásicossicos 20062006 DatasusDatasus Fonte:Fonte: SESSES MG,MG, 2008,2008, elaboradoelaborado porpor INDGINDG

O DESENHO DA REDE DE ATENÇÃO

AA MUDANMUDANÇÇAA DOSDOS OBJETIVOSOBJETIVOS PARAPARA AA ATENATENÇÇÃOÃO ÀÀ URGÊNCIAURGÊNCIA EE EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA

OBJETIVO

LEVARLEVAR OO USUUSUÁÁRIORIO PARAPARA OO HOSPITALHOSPITAL MAISMAIS PRPRÓÓXIMOXIMO
LEVARLEVAR OO USUUSUÁÁRIORIO PARAPARA OO
HOSPITALHOSPITAL
MAISMAIS PRPRÓÓXIMOXIMO

1.1.EncaminharEncaminhar corretamentecorretamente oo cidadãocidadão 2.2.AoAo pontoponto dede atenatenççãoão àà sasaúúdede certo,certo, capazcapaz dede prestarprestar oo cuidadocuidado efetivoefetivo 3.3.NoNo menormenor tempotempo posspossíívelvel

FONTE: CORDEIRO JUNIOR (2008)

OS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE

AA MACRORREGIÃOMACRORREGIÃO NORTENORTE DEDE MINASMINAS

MACRORREGIÃO MACRORREGIÃO NORTE NORTE DE DE MINAS MINAS  Área Territorial: 122.176 Km² (SP: 1.523 Km²)

Área Territorial: 122.176 Km²

(SP: 1.523 Km²)

População: 1.558.610

(SP: 10.990.249 hab)

Densidade: 12,6 Hab/ Km²

(SP: 7.216 hab/ Km²)

hab)  Densidade: 12,6 Hab/ Km² (SP: 7.216 hab/ Km²)  8 microrregiões  86 municípios

8 microrregiões

86 municípios

Até 500 km de distância até a sede microrregional

OS PONTOS DE ATENÇÃO À SAÚDE

UAPS

300

HOSP. LOCAL

9

HOSP. MICRO

3

HOSP. NÍVEL 3 HOSP. NÍVEL 1

4

4

DE ATENÇÃO À SAÚDE UAPS 300 HOSP. LOCAL 9 HOSP. MICRO 3 HOSP. NÍVEL 3 HOSP.

OS PONTOS COMPETÊNCIACOMPETÊNCIA DE ATENÇÃO DOSDOS PONTOSPONTOS À SAÚDE DEDE ATENATENÇÇÃOÃO

UAPS:UAPS: éé locallocal dede atendimentoatendimento dede agudosagudos

HospitaisHospitais locaislocais dede baixabaixa escala:escala: têmtêm importânciaimportância nana rederede quandoquando oo acessoacesso aa umum serviserviççoo dede maiormaior densidadedensidade tecnoltecnolóógicagica ultrapassaultrapassa umauma horahora dede deslocamentodeslocamento

UPA:UPA: UnidadeUnidade dede ProntoPronto Atendimento:Atendimento: sãosão estruturasestruturas intermediintermediááriasrias entreentre atenatenççãoão primprimááriaria ee hospitais;hospitais; têmtêm sentidosentido portantoportanto emem municmunic