Você está na página 1de 233

UNIDADE

0C

\ '~~~~l~=
\

v;:;"-'"'"'"

EA.....................-

\ TJMB
C/...~.o.~..~.q..
\ PROC. .2.a!.\.~.1................

'
\

l-I

Ix\

PREO..U-.$ ll.t~O

\
\~A.1~~~L~1~~.~..~..~
(M-00098332-0
../

FICHA CATALOGRFICA ELABORADA PELA


BIBLIOTECA

P212r

DO IFCH

- UNICAMP

Paranhos,Adalbertode.Paula
O roubo da fala: origens da ideologiado trabalhismono
Brasil / Adalberto de Paula Paranhos. -- Campinas, SP;
[s.n.],1996.

Orientador: Caio Navarro de Toledo


Dissertao (mestrado) Universidade Estadual de Cam-

pinas,InstitutodeFilosofiae CinciasHumanas.

1. Ideologia. 2. Trabalhismo-Brasil. 3. Estado. I.Toledo,


Caio Navarro de. II.Universidade Estadual de Campinas.
Instituto de Filosofia e Cincias Humanas. ID. Ttulo.

~,

64

prtica essa concepo orgnico-corporativista, que, no fundo, nos remete


sociologia positivista.
Durkheim, um dos seus expoentes, no se conformava diante do
"triste espetculo" da "anomia"jurdica e moral oferecido pelo mundo econmico
na virada do sculo. Identificando nos conflitos sociais "fenmenos mrbidos",
um "estado de desregramento", propunha como antdoto s "desordens"
incessantes e "anarquia" uma moral profissional que se constitusse
efetivamente numa disciplina. Da, em meio sua critica ao liberalismo
econmico e defesa da coeso, da regularidade, da integrao, sustentar a
necessidade do consenso sob uma potncia moral, pois" as paixes humanas no
cessam seno diante de uma potncia moral que respeitem"53.
Se havia, portanto, uma relao antagnica entre o liberalismo e o
corporativismo, entre este e o capitalismo, pelo contrrio, a compatibilidade era
plena, como afirmava insistentemente Azevedo Amara154. Afmal de contas, o
antiliberalismo era a forma que assumia o anticomunismo. Contra este inimigo
comunista~sim, se deveria travar, em escala internacional, uma luta sem trguas.
E o liberalismo, incapaz de oferecer resposta satisfatria face espiral de
problemas econmicos, polticos e sociais que agitavam o mundo moderno,
funcionava, segundo os idelogos autoritrios, como um fator alimentador do
comunismo. Francisco Campos sintetizou admiravelmente tal ponto de vista:
"O corporativismo mata o comunismo como o liberalismo gera o comunismo.
o corporativismo interrompe o processo de decomposio do mundo capitalista
previsto por Marx como resultante da anarquia liberal" (EN, p. 62). De quebra, o

53Cf mile Durkheim, "Da Diviso do Trabalho Social", em Os Pensadores,


voI. XXXIII, So Paulo, Abril Cultural, 1973, prefcio da 2a. ed., citao da p. 306. As
lutas de classe, no fundo, eram tachadas de fenmeno "patolgico". Para a distino
entre o "normal" e o "patolgico", v. mile Durkeim, "As Regras do Mtodo
Sociolgico", em op. cit., capoterceiro.
54No seu exame da relao entre capitalismoe organizao corporativa da economia, ele
conclua que "o novo regime brasileiro no plano econmico essencialmente capitalista".
V. EA, ps. 193/208 (a citao da p. 193).

Você também pode gostar