Seduzindo a Escuridão

Shiela Stewart
Livro 01 da série The Darkness

Disponibilidade: Leniria
Tradução: Márcia de Oliveira
Revisão Inicial e Formatação: Soryu
Revisão Final: Rafa
Leitura Final: Hana Tsuki

1

Série Na Escuridão
(The Darkness)

Pégasus Lançamento
0 - Rendendo-se a Escuridão
1- Seduzindo a Escuridão
2- Desejando a Escuridão
3- Abraçando a Escuridão
4- Encantando a Escuridão
5- Tentando a Escuridão
6- Penetrando a Escuridão
7- Consumindo a Escuridão
8- Sobrevivendo a Escuridão

2

Olhar o 00 antes

SINOPSE
Abandonada pelo seu amante, Trinity Ford aprendeu a viver sozinha... Não
era uma coisa fácil de fazer quando você é um vampiro. Trinity uma vez foi
uma menina frágil. Mas ser seduzida pelo príncipe dos vampiros mudou sua
vida. Descobri-lo nos braços de outra mulher mudou o destino. Sozinha, ela
aprendeu rápido como ser forte, como sobreviver, e como proteger as pessoas
em sua cidade do mal que se esconde no escuro. Ela estava conseguindo
muito bem, até que Basil voltou para sua vida. Basil Hawthorn era o
príncipe reinante de vampiros desde o banimento de seu pai para o Reino
da Escuridão décadas atrás. Quando um sonho profético o faz perceber que
a vida de Trinity está em perigo, ele decide afastá-la de sua vida para
protegê-la da pior forma possível. Fazer isso não é fácil. Trinity é a única
mulher que ele amou, e sempre amaria, mas ele não conseguia se afastar
dela. Quando surgem rumores de um plano para ressuscitar o Rei das
trevas, Avatur, e deixar a terra na escuridão, Trinity e Basil farão o
possível para evitar essa catástrofe. Mesmo que isso signifique trabalhar
juntos. Apesar da traição e das ameaças, eles se encontram atraídos um pelo
outro. O amor não tem limites, especialmente em face do perigo. Mas eles
serão capazes de interromper o ritual, antes que seja tarde demais? Ou será
que a escuridão irá capturá-los?

3

romance. ele é muito legal. Os personagens são bem legais. E também gostei da Trinity. Cada um com sua habilidade e peculiaridade. O livro é cheio de ação. Eu recomendo o livro. e deixando o leitor ansioso por mais. Os protagonistas são ótimos. Ele é cheio de energia. Pena que só vou descobrir no próximo livro.. kkkkkkkk. Não é cansativo. forte tudo de bom. é envolvente. que é um investigador da série.Comentários da Revisora Soryu Eu gostei bastante desse livro. e parece ser uma máquina de sexo. Eu adorei o Dante. à moda antiga.. E espero que gostem bastante desse trabalho. deixando a trama bem dinâmica. mas é bem determinada na sua vida. 4 . O Basil é um vampiro. emoção. ela é meio confusa. A estória gira em torno de vários personagens. lindo de morrer. é um romance moderno cheio de aventuras.

então eles não se chocariam quando vissem um vampiro devorando sua presa. muito poucas com quem ela realmente se preocupava. Pôs seu copo para baixo e lambeu o sangue restante de seus lábios. tomar seres humanos inocentes como lanche. e era tempo das pessoas começarem a prestar atenção nisso. ela se sentia tão próximo a ele como a um irmão. mas. até chegou perto e tocou com os dedos seus dentes incisivos afiados. 2025 Duas semanas antes do eclipse Solar Que maldita coceira entre as omoplatas. Malditos policiais. Não que ela aprovasse o que sua espécie fazia. Isso foi até ela se apresentar como o vampiro que era. mas do tipo que a incomodava por dentro. É aí 5 . — Mas que merda. Ele riu dela. usando diversas frases coloridas. Tinha começado cerca de uma semana atrás e não tinha parado. Ele tinha jurado. Ela não tinha lamentado revela-lhe sua identidade. Ajeitando os ombros. aquilo a estava enlouquecendo. o medo não tinha tomado seu lugar. estava adicionado no seu menu inicial. Não havia muitas pessoas em que ela podia confiar. Se abrissem suas mentes para as possibilidades. e sorriu de forma gostosa e contagiante. Embora ela só o conhecesse há seis anos. Trinity levantou seu copo e bebeu. Havia forças das trevas no mundo. Não era o tipo de coceira que exigia ficar coçando direto. Seu sorriso morreu rapidamente. — Então. Havia uma boa porção de sangue na caneca. Observando as manchetes. Se ela tivesse um irmão. A polícia tinha perdido mais cinco oficiais. Sorrindo. —Mostre-me as manchetes de hoje. Vamos lá. Trinity foi para seu escritório. ela se sentou em seu computador e o iniciou.Capítulo Um Jacob's Cove. mas Jonah era uma delas. felizmente. mas era um fato da vida. coisinha sexy. Com sua caneca favorita preta na mão. eles não poderiam lidar com as trevas e as criaturas que viviam nela. ele se sentou e perguntou um milhão de coisas. O tipo que lhe dizia que havia uma má notícia no ar. Trinity ainda se lembrava do olhar em seu rosto quando ela lhe disse que era uma criatura da noite. Era a terceira vez neste ano que vários policiais morriam. Ela só não sabia quando isso iria acontecer. Ela nunca se cansaria dessa saudação humorada do seu amigo. Jonah. Trinity fez uma careta. O sol estava se pondo e ela tinha cerca de duas horas antes de poder sair. Como posso servi-la hoje? — A voz forte e masculina respondeu no computador. — Olá. — Ela gritou para o computador.

Ela media um metro e oitenta aproximadamente e tinha sessenta quilos. Tinha sido vista pela última vez vestindo jeans e uma camisa azul. brigas nas ruas. Então a pequena foto de uma menina sorridente lhe chamou a atenção. enviou-lhe uma resposta. Ótimo. metade da força de polícia estava se dirigindo para lugares de fácil patrulhamento porque eram muito covardes para ficar e lidar com a realidade. Nada de novo. olhos verdes profundos e tinha meros treze anos. Jonah era um palhaço cômico. Trinity memorizou suas características e colocou o artigo ao lado da primeira menina desaparecida. Ela começaria a pagá-las amanhã. e agora ela se foi. Desde que eles descobriram sobre a volta do rei. Duas afirmações de que suas contas venceriam em uma semana. *** Seus guerreiros estavam ficando inquietos e ansiosos para sair e encontrar outro sacrifício. Era uma vida humana. As pessoas estavam agindo como loucas recentemente. Quanto mais. Trinity bateu o botão de energia e desligar o computador. Dois assaltos à mão armada. então desligou seu computador. ela tinha que resolver a parada. Ela disse à mãe que estava indo para a loja e nunca mais voltou para casa. Olhado como se chegasse outro trabalho em breve. verificou seu e-mail. Coube a Chaos mantê-los na 6 . tudo vindo de Jonah. a legenda não mais que três linhas indicavam que era uma menina desaparecida.onde ela entrava. Kari Tanner tinha acabado de completar dezesseis anos quando ela desapareceu três dias antes. Nele tinha um monte de piadas. Como os policiais não sabiam como lidar com as criaturas da noite. Três mensagens dos clientes e outra de um cliente potencial. Ela respondeu a outros clientes. Ela continuou a verificar as manchetes dos jornais e viu vários arrombamentos em casas particulares. Ela nunca chegou ao colégio. e alguns fogos que destruíram a vida de algumas famílias pobres. — Não me deixe! Eu estava gostando do seu toque. em seguida. com o minúsculo destaque que esse desaparecimento repercutiu. rumo à escola. Abaixo. Rindo. Imbecis! Olivia Holloway tinha longos cabelos ruivos. E era como se a polícia não tivesse pistas. eles ajudaram a pagar as contas. e todos os jornais importantes apenas apresentavam uma nota pequena no lado inferior esquerdo da página. melhor. em seguida. leu sobre suas necessidades. Trinity fechou o documento. Havia algo no ar. Ficou enojada. tinham ficado demasiadamente impacientes. Ela conferiu o primeiro potencial. como de costume.

mas o tempo vai passar rápido o suficiente e logo 7 . Ele também gostava de afastar o cabelo de seu rosto para mostrar a força de suas feições e queixo. Basil Hawthorn. ele não tinha os olhos azuis translúcidos ou as habilidades de seu criador. E aqueles fiéis que entraram e olhavam para a orientação do Senhor eram mandados embora ou eram vítimas de uma mordida rápida. Chaos não admitia desconfiança e decepção. Ninguém pensaria que uma igreja poderia abrigar uma raça de vampiros tão antiga quanto o tempo. Ele não falou. — Obrigado a todos por terem vindo. Alguns tinham estado com ele há décadas. Ele sabia o que seus súditos precisavam e dava a eles o que queriam. para o grande salão da igreja onde se reuniam para cada reunião. Ele tinha orgulho de seu tamanho. Chaos se levantou. Foi um momento emocionante para um vampiro e ele entendeu a empolgação de todos. Basil não tinha feito nada para impedir sua ruína. seus dentes afiados deslizaram sobre o lábio inferior. Eu entendo que vocês estão animados e agitados. súditos leais que olharam para ele para obter orientação e apoio. Mas ele não fez nada para merecer isso. A única parte de seu rosto que ele não gostava era o amarelo dos olhos. Mas era hora de sossegar. Tudo que ele tinha eram alguns vagabundos que se agarraram a ele simplesmente porque era agora o rei. pesando centro e treze quilos. Quando ele abriu a boca para falar no microfone. A raça humana ultrapassara os vampiros e Basil não fez nada para impedir. é mais provável sobre o próximo levante. Era a armadilha perfeita. Todos os olhos se voltaram para ele. Houve apenas um sobrevivente descendente do rei e era inimigo do Chaos. Desde o exílio de Avadur. mas não merecedor do mesmo. Ele gostava dos seus olhos. e o silêncio encheu a sala. Desde que lhe obedecessem. Foi assim que sua raça foi crescendo mais rápido a cada dia e seus inimigos diminuindo. Mas ele sabia como controlar os seus soldados e impor obediência. bem pesado. Com seus ombros largos parecia ainda mais ameaçador com a capa de couro preto que ele usava habitualmente.linha. Embora tivesse sido bem acolhido na família pelo rei Avadur. mas simplesmente fechou os lábios em torno de seu dedo indicador e o polegar e de um assovio que interrompeu a conversa. apenas no sangue. seu quadro grande pairando sobre a multidão. alguns tão recentemente como o dia anterior. o sobrenome era ridículo. Eles vieram como instruiu. conversando uns com os outros. Ele havia pegado a partir de um servente insignificante que o ajudou a fugir do domínio de Avadur. Ele viu a multidão de vampiros confusa. Foi aí que entrou Chaos. Bem mais de seus dois metros de altura. Ele estava no comando de seu próprio exército pequeno de vampiros. anos mais tarde do que ele podia se lembrar. Basil era o herdeiro do rei. dez anos antes.

E ele adorou quando suas formas de vida foram tomadas em uma mordida rápida. adorava a maneira como eles levavam o que queriam de uma raça que se recusava a acreditar ou aceitar a sua espécie. — Até então. Chaos observou o espetáculo. ainda onde estavam os vampiros? Normalmente. Até o final do mês. os vampiros correram para os brinquedos que tinham sido dados. — Ele acenou com a mão e quatro outros vampiros vestidos com túnicas pretas entraram na sala. Embora ela fosse uma vampira de purosangue. 8 . Todos gemeram na sala por não fazê-lo. Ele gostava de ver. ou simplesmente para devorá-los e nutrirem-se. Ele sorriu quando um grupo de vampiros levantou uma loira no ar enquanto outro devorava uma mulher madura entre as pernas. As roupas voaram pelo ar quando seu povo tirou. gostava de participar. O nível de ruído era horrendo. Trinity deparava com vários. Os gritos dos humanos mal podiam ser ouvidos ao longo da corrida.nossa hora vai chegar. tomavam suas vítimas. vocês precisam ser pacientes. que rondavam a região na tentativa de capturar a presa. ele teria muito mais. com um sorriso nos lábios. mas tudo estava relativamente calmo. cada um com um homem amarrado e amordaçado em suas garras. Trinity optou por não seguir os passos de sua raça. Nós não vamos recolher outro sacrifício por mais dois dias. Sentou-se e deixou a calma o dominar. suas formas nuas eram tateadas. *** O sol já havia se posto a mais de três horas. Dois homens e duas mulheres. A raça humana era tão deliciosa em todos os sentidos e ele tinha muitos brinquedos. Ela comprava seu sangue de um amigo em um açougue e era assim que gostava. — Chaos ordenou. então mordiscou a carne madura e pronta. Onde estava todo mundo? Ou melhor. Os homens vestidos liberam suas vítimas. Por séculos. examinadas e agarradas. Até então. As bocas ainda não estavam prontas para sugar o sangue. Alguma coisa estava acontecendo. Eles brincaram com cada pessoa. Chaos voltou e viu como os seus guerreiros. Para a maioria. inaceitável. o estupro era horrível. Hoje à noite. eu arranjei uma pequena surpresa. em sua patrulha. Para Chaos era uma alegria. foi estranhamente calma. os vampiros haviam tomando suas vítimas como companheiras. ou como escravos de sexo ou de sangue. em seguida. Ele gostava de ver o seu povo no trabalho. — Liberte os doces da festa.

Seus seios eram grandes. mas nesta noite. E jamais estaria novamente. não havia uma única alma. Era melhor não pensar nisso novamente. mas nesta noite. Trinity supostamente deveria estar agradecida porque se os homens de Chaos não estavam na área. isso não significava que Basil estava sumido. Momentos depois. Embora ela tivesse feito amor antes de completar vinte anos. Trinity moveu apenas um pouco mais perto. E agora que estava sozinha. A última coisa que ela precisava era ir atrás de um sacana traidor. Ela remexeu os ombros novamente. tentando manter Chaos. Trinity gostava de sexo. Trinity continuou andando pelas ruas escuras. tudo estava quieto. Essa coceira maldita irritando-a. Mas tudo o que ela cheirou era colônia barata. Não é ruim. Toda vez que ela pensava em Basil e em sua traição. ajeitou a blusa e limpou a boca. se você conseguir lidar com o trabalho. Em dez minutos aquela mulher provavelmente ganhou pelo menos cinquenta dólares. faltava sabor. Trinity viu como uma prostituta chegava até um carro. Ela trabalhou ao lado de Basil. recuou e viu quando a mulher entrou no carro. mas o sangue que tinha sido sua salvação. um sabor que ela vinha desejando durante os últimos sete anos. Ela não gostou. Até o desgraçado acabar com ela. seu tudo. Nem mesmo quando estava apertada com o dinheiro. sua cintura era fina e ancas bem torneadas. não estava disponível para ela agora. claro. a cabeça da mulher desapareceu e o cheiro de excitação masculina encheu o ar. afastado da raça humana. ela continuou a perseguição. ela tinha um corpo que a maioria das mulheres mataria para conseguir. seu coração ameaçava explodir. seu inimigo. mas com certeza não estava a fim de dormir com um homem por dinheiro. Alguém estava trabalhando. jamais considerou uma opção tão baixa. O dinheiro que ela tinha acabado de receber. Claro. que tinha a infelicidade de ainda estar apaixonada. não levou mais de dez minutos antes que a cabeça da morena aparecesse de volta. Basil tinha sido a sua fonte de sangue. era ótimo que os seres humanos estivessem seguros. Graças aos treinos e 9 . Algumas coisas eram sagradas e seu corpo era um deles. Por seus cálculos. Cruzando as ruas a pé. uma vez. desconfiada de que ele pudesse ser um vampiro à espreita. Ela saiu do carro.Claro. Mas algo estava errado. tentando pegar o cheiro da pessoa no carro. que não fossem perseguidos. Sacudindo-se. A seção de indigentes da cidade era a fonte primária de alimentação para os vampiros. seu amante. a saia escura que usava mal cobrindo a bunda. com suas longas pernas vestidas em longas meias vermelhas. foi dobrado entre seu decote amplo. Por que aquele maldito silêncio? Normalmente Chaos mandava seus homens patrulhar.

Ele amava Trinity agora. Ela sempre seria sua. Mesmo que ela não soubesse. Ela andava com graça. quadris curvilíneos. Basil lembrou com clareza. Trinity. 10 . ele quase podia sentir cada parte íntima do corpo dela através do jeans. Quando tinha vida sexual ativa. Será que ela nunca iria tirá-lo da sua mente. teve que fazê-la odiá-lo e tinha que fazê-la deixálo. E mais uma vez seus pensamentos se voltaram para Basil. magra. Nesse meio tempo. tocando a ponta daquele bumbum lindo.exercícios pesados conseguiu um corpo fabuloso. Ela era uma beleza. e ele lembrava como era abraçar aqueles quadris enquanto ela galopava sobre ele. mostrando toda sua exuberância. Ele ficou admirado ao pensar como ela conseguia entrar naquele jeans apertado que adorava usar. deslizando para lá e para cá ao longo do casaco de couro preto que usava habitualmente. Mas teve que fazer isso. onde estavam todos os vampiros maus? *** Ele saiu das sombras e viu quando ela atravessou as ruas escuras. A dor no peito não tinha silenciado nem um momento desde que ela saiu de sua vida e ele duvidava que jamais o fizesse. E sabia que ela não usava nada por debaixo daquele jeans. aquelas calças jeans apertadas que a favorecia tão bem. Ele amava quando ela os exibia em camisas apertadas. ela se orgulhava da sua resistência sexual. E o que mais precisava era de uma boa luta. mas isso não quer dizer que tinha qualquer intenção de ficar longe dela. Ele havia sido um tolo e tinha perdido seu amor. mas de uma mulher confiante de saber o que deseja e como conseguir. Completamente. Embora só fizesse poucos dias desde que saiu com ele. mesmo que pensasse de forma diferente. Sua cintura era fina. Não a de uma modelo de passarela. Ele tinha feito muito isso no tempo que ela tinha sido sua. como se sentia envolto em seus braços. como ela o provava e como gemia seu nome em êxtase. fora de seu sistema? Ela esperava que sim. Ele se sentia agraciado por ter tido o prazer de tocar naquela bunda redonda e deliciosa. ela precisava manter sua mente no trabalho. Ela era uma mulher dotada de seios fartos e gostava de mostrá-los. Agora. e desde o primeiro momento que a viu. Ele tinha que ter certeza que ela estava segura. seu amor. e tinha um corpo de fazer qualquer homem chorar para tocá-lo. Para sua própria segurança. E ele sabia que era culpa dele não ser capaz de tê-la agora. Ela era alta. ela esperava que o tempo curasse seu coração partido. os cabelos longos da cor de sangue vermelho.

enquanto seguia Trinity. Basil tinha uma vaga ideia do por que estava tudo tão quieto e ele não gostou nem um pouco. enquanto ele estivesse vivo. Manteve sua distância. 11 . Ele reconheceu sua inquietação em passos curtos rápidos quando ela parou. Ninguém iria machucá-la. Ela estava frustrada e ele adivinhou que tinha algo a ver com a falta de vampiros hoje à noite.Basil viu Trinity atravessar a rua.

em vez disso. — Senhor e a Sra. Ele não tinha sido abençoado com essa sorte. ele estava mais do que disponível.. Ele usava um macacão desbotado. — Obrigado por ter vindo. — Ele ficou em pé enquanto uma mulher elegante entrava na sala. eu mesmo. em uma casa tão opulenta. — Ele mentiu suavemente. — Aguarde a Senhora e Sr. por ter me conseguido. Holloway. coberta de linho antigo.. pensou. — Ele estendeu a mão esquerda em um gesto amigável. Na verdade ele estava numa fase seca. "uau!" Ele não nasceu em uma família rica. Mas que merda. Aquele maldito mordomo ganhava mais dinheiro em um ano do que ele. Mas descobriu que sua boa aparência por si só. mas ele sentou na cadeira alta. — Ele bufou e balançou a cabeça. Olhe só para o Senhor e a Senhora Podre de rico.Capítulo Dois A primeira coisa que Dante Vega pensou quando entrou naquela casa exuberante foi. senhor Vega. De repente. — Aguarde a Senhora e Sr. — ele imitou a voz do arrogante mordomo. Ah. ele não estava. na esperança de se sentir menos estranho. Eu acabei de sair de um caso complicado e estava pensando em tirar umas férias por alguns dias. Que tipo de empresário ele seria se disse a seus clientes que estava desesperado? — Embora eu tenha certeza que você estava pensando numa folga. e o cinza pálido da camiseta esticada sobre o peito musculoso ostentava que ele era uma máquina de sexo. — Você recebeu o nosso fax? 12 . não deviam ter muitas preocupações. podia levá-lo longe. — Sr. Confortável. Ficamos muito felizes em encontrar alguém disponível em um prazo tão curto. quando apareceu esse trabalho lucrativo. ele passou a mão pelos seus cabelos negros tentando ajeitá-los. Ainda assim. mas sempre quis isso. — Você tem sorte. fique à vontade. Sua irmã sempre o irritou para que ele se vestisse melhor. Holloway assentiu enquanto se sentou no sofá ao lado de sua esposa. As pessoas que viveram nessa linda e sem dúvida muito cara casa. Por favor. seus tênis estavam desgastados. o que estamos dispostos a pagar vai compensar isso. Holloway por um instante. sentiu o seu valor quando foi levado para a sala de estar que era decorada para um príncipe morar. com um homem alto. teve que lutar para conseguir tudo o que queria na vida. — falou o mordomo secamente e saiu da sala. Holloway por um instante. magro de cabelos castanhos ao seu lado. Vega? — O único. — Sinta-se confortável.

— Ela segurou a caixa e a estendeu para Dante. Ele se levantou quando a Sra. chamando a atenção de Dante. recebi. professores. e seus olhos brilhavam. você pegaria para o Sr. por favor. — disse Holloway. me fornecer será de grande ajuda. — Eu não posso imaginar o que vocês estão passando. — Anna. — A quantia que estavam dispostos a pagá-lo para encontrar sua filha desaparecida era o dobro do que ele normalmente cobrava e com isso poderia se dedicar mais tempo para resolver o caso. deixou a sala em silêncio. Dante estreitou os olhos um pouco. — Olivia é a nossa única filha. — Ela está devastada. Ele pegou a caixa dela. — Holloway apertou a mão da esposa. Números de seus amigos. Sr. — Explicou Dante. como vivem. então porque não concordar? — Não é um problema. outra pessoa que conhecia. — Holloway se virou para a esposa. — Claro. eu gostaria de dar uma olhada nele.— Sim. Ela correu para fora da sala. mas eu gosto de observar o aspecto pessoal também. em seguida. ele precisava do dinheiro. mas prometo que farei tudo ao meu alcance para encontrar sua filha. assim teria de suportar um pouco aquele tom de ameaça. puxando a mão de seu marido. Até agora. Vega. — Eu espero que isso ajude. Eles pensavam que poderiam intimidar as pessoas com dinheiro. — disse Holloway. Ela assentiu com a cabeça. e o que eles amam. A partir de agora. — É muito exaustivo. e. carregando uma pequena caixa floral. Se ela tem um diário. Sei que você precisa do dinheiro e fará todo o possível para encontrar minha filha. Mas de fato. quando a esposa abriu a boca para protestar. mas se ele ajudaria a encontrar sua filha. claro. francamente. pensou Dante e tirou o bloco de notas do bolso da calça. seus colegas. a mão dela era fina. e ele não estava nem um pouco surpreso com a sua elegância. eu gosto disso. Ela nunca nos deu nenhum tipo de problemas. Seria ótimo se eu pudesse ver o quarto dela. Ela poderia ter revelado alguma coisa lá dentro que poderia me levar a seu sequestrador. — Sim. Holloway entrou na sala. — Você está lutando e se controlando agora mesmo. É mais fácil ter uma ideia de quem eu estou procurando quando eu vejo onde eles vivem. — Eu sei que você não é o investigador mais recomendado. aqui está seu diário e uma lista de nomes das pessoas das quais ela está familiarizada. Ele sabia que era um item pessoal. — O que podemos fazer por você? — Algumas fotos dela seriam ótimas. Vega. Vou chamar Frederico para lhe mostrar o caminho. Esta era uma das razões pelas quais ele odiava os ricos. Eu fiz a minha investigação. 13 . — Qualquer coisa que a Sra. este caso é a sua prioridade e eu vou facilitar a vida para você. — Eu coloquei algumas fotos dela.

Ele colocou o livro na gaveta e caminhou até a penteadeira. Roupas melhores aumentariam a sua boa aparência. Talvez precisasse se vestir um pouco melhor. Olivia definitivamente não devia gostar daquele quarto. foi a impressão que teve. E quando ele entrou no quarto. as pessoas eram tão nojentas. O que aquele cara estava pensando? Que a promessa de uma porrada de dinheiro lhe daria uma razão maior para olhar com mais atenção o caso da sua filha? Foda-se. como você se perdeu? *** Era pouco depois das três da tarde quando Trinity saiu do chuveiro. Ela gostava de música pop e tinha uma grande variedade de álbuns na sua coleção. — Jesus. A vida não foi feita de dinheiro. Ele voltou ao seu trabalho e examinou o conteúdo do guarda-roupa de Olivia. Toda vida é sagrada. Ele encontrou-o vazio e assumiu esse era o lugar onde seu diário tinha estado. Dante entrou no quarto da menina e sua testa enrugou. as cortinas de seda fúcsia profunda. Ele foi para perto da cama. seu tênis velho afundou no macio tapete branco de pelúcia. Tudo parecia elegante e rico. nada fora do comum aqui. Ela gostava de roupas. Vega. uma criança boa e muito leal. Mais roupas e uma porrada de sapatos. Obviamente Olivia gostava de rosa e renda. resistindo à vontade de se sentar na cama.— Como eu disse. A maioria do quarto estava decorado nessa cor. E com o relatório detalhado que teve dos pais. cremes e produtos de limpeza. não se preocupando com as janelas abertas. porque as garotas gostam tanto de sapato? — Ele fechou a porta e caminhou até a cabeceira. — E vamos fazer valer à pena. Ele viu seu reflexo no espelho e franziu o cenho. Escoltado pelo mordomo para o segundo andar. a vida é sagrada. para descobrir se ela era tão macia e suave quanto aparentava ser. Então. Ele alisou seus cabelos escuros e sorriu. A luz do sol não a incomodava porque cada janela 14 . Abrindo a mesa de cabeceira ao lado da cama. Dinheiro não significa porra nenhuma quando a vida estava em risco. — foi tudo o que ele disse quando entrou no quarto. Ele investigaria um caso sendo a pessoa rica ou extremamente pobre. — Disse Holloway. e ele não se preocupou em lê-lo para ver qual era seu gosto. escovas. — Merda. Havia suficiente rosa nas almofadas na cama para fornecer uma dúzia de camas com rosa. completamente nua. Seu guarda-roupa provavelmente custou mais do que ele ganhava em um ano. Abriu a primeira gaveta e suspirou. Era algo a pensar. A cama de dossel era enorme e envolto em seda branca e laço. Traga nossa filha para casa Sr. As paredes eram de um rosa com estampas florais. Ela saiu do banheiro de seu quarto. Ele fechou a gavetas e foi até o armário. ela está arrasada. e ele acreditava que ela só usava o melhor. Maquiagem. Ela estava no capítulo quinze. Ela era uma garota muito feminina. ele encontrou um livro de bolso. Ele o pegou e folheou.

Você sabe que seu computador poderia ter fritado com uma piada boba e imatura dessa. Se ela pudesse evitar queimaduras de terceiro grau. ela saiu pela porta e desceu a escada que levava ao lado dos escritórios de Jonah.da loja e do apartamento foi substituída por janelas que refletiam a luz solar quando ela disse a Jonah sobre ser um vampiro. Diminuindo a chance de eles ficarem presos em alguma coisa e não era tão fácil alguém agarrá-los em uma luta. camisa sem mangas. Seu dia não estava completo até ela fazê-lo. — Ela bateu os CDs que tinha em sua mão esquerda contra o peito. Seu cabelo estava úmido. A água escorria do rosto de Trinity. mas não com força letal. Ela raramente deixava seus cabelos soltos sempre os amarravam num rabo de cavalo. Eles eram uma chatice para entrar. — Filho da puta. Virando. Ela disse a si mesma para parar de pensar nele e salpicou umas gotas de perfume. Escorregando sua pele no jeans apertado. mas Jonah levantou o braço e jogou água gelada no rosto de Trinity. Puxou o cabelo para trás. — Um pouco menos de perfume e você poderia ter acabado comigo. Ela decidiu não usar as lentes de contato. se deslocou furtivamente. irritada por não ter conseguido assustá-lo. Hoje ela faria a maior parte do trabalho em casa. Quando o bip ficou verde e apitou para que ela pudesse entrar. ela se moveu para perto dele em silêncio enquanto ele trabalhava em seu escritório. seu idiota. Revelando suas presas incisivas. O sol ainda brilhava através das janelas. ela saltou para cima e para baixo. Escolheu o sutiã de renda preta de sua gaveta. Ela podia ouvir a sua música heavy metal familiar tocando levemente no fundo enquanto ela utilizava a chave. para fechar o fecho do sutiã. mas caia como uma luva nela. onde brincava com o computador. Vestiu a camisa. — Ela passou a mão em seu rosto. O sutiã de renda preto deu uma pitada tentadora na abertura de sua camisa que se estendia entre os seios. — Essa é a maneira de falar com o homem que provem seu dinheiro? Ela não se preocupou em recolher seus dentes. portanto não precisaria esconder seus olhos azuis esverdeados translúcidos. pronta para saltar sobre ele. colocou-os para trás enquanto se dirigia para seu armário. Ela os ajeitou para ficar confortáveis. Ela escolheu um jeans preto. — Nem venha com essa. Ela avançou. ela ajeitou os seios úmidos. Outra característica que tinha herdado de Basil. ela certamente evitaria. A música era alta o suficiente para que ele muito provavelmente não a ouvisse entrar. Sua pele estava ligeiramente enrugada e muito rosa por causa do vapor do chuveiro. 15 . ele soltou uma gargalhada. ela amarrou num elástico em torno dele na parte de trás da cabeça dela. Ela gostava de assustá-lo em qualquer chance que tivesse. puxou a porta e dirigiu-se na direção do som. Pegando os CDs de seu escritório. desenhando-os sobre o seu bumbum.

onde você vai? — Jonah perguntou quando ela se dirigiu para a porta. Ei. seu sorriso salientava as covinhas do seu rosto de forma ainda mais profunda. Ele piscou para ela na forma como sempre fazia. — Tremendo novamente. linda. — Eu ligo para você. — Ei. o rosto dela. Ela mostrou seus dentes e disparou. Ele abriu a gaveta e tirou um envelope branco. apesar de um pouco rude. Ela arrancou o envelope das mãos e abriu-a. Como sempre. o rosto de Jonah. De repente a porta do escritório se abriu e ele olhou e sorriu. amigo. Isso a lembrava do amor que ela ainda sentia pelo homem que tinha quebrado o seu coração. — Você me pôs na horizontal ontem à noite. que poderia facilmente abalar você e fazer seu coração amolecer. — Os códigos e tudo mais da empresa Manchester está nos CDs.. Mas. — Eu fui para cama. — Eu vou chamá-lo de morto em um minuto se você não parar com isso. iluminou-se quando viu a esposa. Ainda bem que ela era imune. — Nah. tinha uma qualidade suave para ela que fazia sentir confortável ao redor dela. Diga por favor. — No final das contas me chame de Deus. — Em seus sonhos. esses bebês estão fritos. — Legal. Ele pegou os CDs e colocou-os em sua mesa. Ele sorriu. um pouco de água não irá matá-los. Ela não tinha vontade de ouvir sobre a vida sexual dos outros. uma vez também. Trinity enfiou o envelope em seu bolso traseiro. E você? Ariel era uma mulher imponente com uma estrutura grande. — Como os CDs estão selados em uma pasta. — Jesus. como vai? — O que eu disse sobre parar de falar sobre sua vida sexual na minha frente? Ugh! — Trinity estremeceu. — As coisas estão na mesma. Trinity invejava sua paixão um pelo outro. — Sempre é. oh. tão encantador. — Ah. os seus encantos. se você soubesse com o que eu sonho. em sua maior parte. disse o suficiente. Ariel inclinou e beijou Jonah nos lábios antes de voltar sua atenção para Trinity. Se tiver qualquer problema. Ele tinha um tipo de rosto suave e elegante. tão mortos que vou enterrá-los. 16 . Era um pecado para um homem ter tais cílios longos e olhos grandes e sexy..— Não os coloque na discussão. até parar de me chupar. Bateu na carcaça do computador. curiosamente. — Ei Trin. Basil tinha olhado para ela daquele jeito. Havia apenas algumas coisas que Trinity acredita que não se deve compartilhar. depois voltou para a mesa.

quatro. Ela viu um grupo de meninas. — Mesmo? Trinity levantou uma sobrancelha. Quando eles aprenderiam? Considerando-se as últimas semanas. Tenho coisas novas para checar. como se Trinity fosse sua próxima refeição. Ok. como isto ia acabar bem. um. alto e desengonçado. Basta olhar os jornais e ver a quantidade de corpos mortos sendo encontrado recentemente. Com o cheque na mão. então isso não era 17 . — Até mais. de cabelos castanhos se virou para Trinity. A maioria das pessoas que saíam desse bar geralmente ia pela porta de trás e se dirigiam a um beco escuro. Balançando a cabeça. Até mais tarde. Trin. Agora ela devia estar arrependida por caminhar em um beco escuro. enquanto um vampiro saltava das sombras e parava a direita ao lado da garota estúpida. Porque achavam que tinham suas faculdades mentais em ordem quando se rendiam ao álcool? O cérebro ficava lento após vários drinks. você poderia ter dito algo mais empolgante? Deixe a menina ir embora e ninguém vai se machucar. — Eu não acho que você queira fazer isso. parecia que os vampiros estavam em pleno vigor. As meninas tropeçaram perto do bar. Jesus. creu! Viravam comida de vampiro. Ariel. Até que elas acabavam mortas. — Ai. inclinou seu corpo para um lado e descansou a mão no quadril. Idiota. sim. bêbado idiota tropeçou no chão e se machucou. As pessoas eram tão estúpidas. as pessoas nunca acreditaram que poderia acontecer a eles. Trinity caminhou enquanto a menina gritava. Então. Seus dentes estavam prontos para a matança. Ela tinha poucas horas de trabalho antes do pôr do sol. que residem na cidade. Ah. Ainda assim. — Bom. seus olhos amarelos brilhavam. então as pessoas não querem acreditar que realmente existe sugadores de sangues. O vampiro. Em seguida. Elas se separaram e duas saíram para a rua enquanto a última vagava bêbada para o beco escuro.— Para meu escritório. criaturas da noite. Trinity voltou para seu escritório. prejudicado o seu processo de pensamento. A pobre moça em seus braços chorava terrivelmente. Bam! Ela colocou sua mão para fora. é claro. se elas eram maiores de idade ela mudaria de nome. três. dois. *** Trinity ficou nas sombras e observava quando um grupo de humanos sair de um local chamado Bar do Buckeye. assim. — Cinco.

Inclinando seu dedo do pé para baixo. lembrou o quanto o detestava. que imediatamente saiu correndo gritando.completamente verdade. ele é inútil. Ela não podia deixar de admirar a beleza do homem diante dela. — Cai fora. você vai cair fora. finalmente cortou sua cabeça fora. — Ela o aconselhou até que pós um pé naquela jugular. As lâminas que estavam ligadas nas botas do pé tiram uma pequena quantidade de sangue cinzento. fechou seus dedos num punho. — Vá em frente ele é poeira. Ele estaria mais do que machucado quando ela tivesse acabado. Então. Ele soltou a menina. enquanto ela virava a cabeça para a garota. seus dentes mostravam que ela não ia desistir. — Trinity mostrou os dentes afiados. Trinity olhou por cima do ombro do homem que tinha sido destinada e sentiu seu coração doer. as lâminas cortaram o pescoço do vampiro. idiota. — Bem eu não concordo. sua puta. o cara era um covarde. Ele olhou para cima e seu rosto congelou. Ela segurou a mão no ombro de vampiros. Ela estava pronta e se abaixou desviando o golpe. 18 . Para mostrar que ela não era uma frouxa. suas unhas entraram na carne dele. Ele estava prestes a morder quando Trinity colocou a mão em seu ombro. desoxigenado enquanto ela apertava com os pés um pouco abaixo do queixo. ela cortou profundamente seu pescoço. Ela respirou fundo. Ele seria pó. em seguida. seus últimos suspiros costumavam gritar o seu caminho até a morte. balançou os restos de uma vida inútil impresso na sua bota. — Você não pode lidar comigo. Suas pernas chutavam violentamente. Os braços do vampiro batiam. — Agora. ou eu vou fazer uma bagunça no seu bonito rosto? — Perguntou sarcasticamente enquanto ela olhava para ele. tentando puxar seu pé para longe de seu pescoço. — Que tal se eu mantê-la e você ficar esperando contra a parede até eu terminar com ela? — Ele empurrou a menina para ele. fazendo-o desmoronar no chão. em seguida. socou o pescoço dele. deu um soco em seu rosto. — Ele bateu a mão livre. Trinity pressionou seu pé mais forte. Ele parecia tão sombrio e perigoso naquele longo e preto casaco de couro que usava sempre. criança. — Você não quer se meter comigo. Rapidamente ele se desintegrou em uma pilha de pó. Posicionando suas mãos para cima. Como ela tinha suspeitado. — Basil. Seus longos cabelos escuros flutuando na brisa leve varrendo a partir de um rosto esculpido de ossos finos e pele delicada. mas Trinity era mais pesada uns quatro quilos a mais que o vampiro magro. puxando a cabeça para trás para expor seu pescoço. virou. Um olhar em seus olhos azuis translúcidos virou o seu coração para o sentimentalismo. cortando-o.

a coceira continuava irritando-a. — Odiava quando ele a chamava assim. — Ele acendeu o cigarro de forma harmoniosa e a chama mostrou seu rosto devastadoramente bonito. Ela o empurrou e rosnou: — Você tem um jeito engraçado de demonstrar isso. Em uma mudança rápida. Mas isso foi antes. — Eu percebi que você recolheu seus pertences da nossa casa — Sua casa. seu formato e sua força. Agora era outra coisa. quando ela olhou para aqueles olhos azuis gelados dele. Agarrando-lhe o queixo novamente. — corrigiu ela. — Como você está? — Perguntou Basil. pensou Trinity. Ok. uma vez há muito tempo. então? Ele estava sendo tão bom. 19 . minha princesa do fogo. que surpreendeu. — Sim. — Largou o cigarro na terra deixando sob sua bota. Basil. eu era um tesouro. em seguida. — Eu estou protegendo os seres humanos. — Eles se fitavam como os predadores que eram. Ela não gostou. ele estava na frente dela. desta vez ele segurou um pouco mais apertado. eu sempre vou amá-la. — Não me chame assim. E não era estranho como uma mentira poderia ter um sabor acre. suas curvas. — Para mim você sempre será assim. quando ele a chamou assim deixava-a excitada. Ela sabia muito bem que estar perto dele teria repercussões desastrosas. — Você parece bem. com a mão presa em seu queixo quando ele inclinou o rosto para o seu. — Ela o circulou. Ele era real. seus olhos nunca deixando o seu. — Você já se estabeleceu em seu apartamento. — Apesar da minha indiscrição. mas você já sabe disso. — Melhor agora que eu o deixei. — ela comentou com uma ponta em sua voz. ele tinha a cor de sua herança. tão civilizado.— Trinity. — Ele sorriu docemente enquanto inalava a fumaça do seu cigarro. — Porque você está aqui. Sua respiração ficou entalada na sua garganta. Ela sabia o quão rápido ele poderia ser e estava preparada. — Então estou. Ela revirou os ombros. Trinity. Ao contrário do resto de sua raça que tinha os olhos amarelos. Tudo sem tirar os olhos dela. — Sempre uma guerreira. Basil? — Eu poderia perguntar o mesmo de você. não conseguiam tirar os olhos um do outro. Deixe-me sozinha. é por isso que decidiu trepar com outra mulher. mantendo distância dele. — Ele era um dos seus? — Eu estaria sendo gentil se você tivesse feito poeira de um dos meus homens? — Sua mão deslizou para o seu bolso e puxou o maço de cigarros do bolso. inteligentemente soprou um anel de círculos no ar.

ele pensava que poderia voltar e agir como se nada tivesse acontecido. 20 . como seria sempre. Seu destino era viver sem esse amor. Trinity cuspiu no chão. poderia ser estúpida o suficiente para voltar para ele. Foda-se! Ela ainda se lembrava muito claramente quando andava e se deparou com uma mulher rastejando sobre seu corpo nu.— O amor tem muitas faces. Bastardo. Se ela pudesse encontrar uma. os dentes raspando diretamente nos lábios inferiores então ele desapareceu na noite. nunca poderia ser. Trinity foi embora. Era libertá-los. Ela era agora. provou-a.. A última coisa que precisava era a memória de Basil beijando-a ou a sensação de seu toque em sua pele. Ele não apenas sentiu-a. — Selou suas palavras com um forte beijo. a única mulher que amaria para sempre. *** Reaparecendo logo que possível. Por mais que quisesse que isso acontecesse. A parte mais difícil de amar alguém. E se soubesse o motivo real.. Amaldiçoando. O que precisava era de uma morte cruel. Libertando-se dele. enquanto ela estava longe o suficiente para não perceber ele levou uma mão no peito enquanto o outro tocava os lábios. mas ela era tão parte dele como o sangue que bombeava em suas veias. querendo eliminar o sabor de sua língua. Ele afastou-se da mulher que amava e foi embora para a noite. minha querida.

Se alguém ligar. se eu não fosse sua irmã. — Ela abanou com a mão na frente do rosto. 21 . Tinha sido difícil perder uma parte de si mesmo. — Eu vou informá-los que o matei. E eles precisam ser colocados no computador e no disquete. quando disse. Eu estou indo para cima tomar uma ducha. — Eu digo há anos para você atualizar suas coisas para o século XXI. aceitar a situação. Mas você escolhe agora para fazê-lo. afinal? Você está fedendo. — Sacudindo a cabeça novamente. Dante se inclinou e beijou os cabelos escuros da sua irmã.. Todos eles foram tão próximos uma vez. isso vai levar uma eternidade. desolados. em todos os sentidos. ainda mais difícil de ter visto o monstro atacar seu irmão e levá-lo embora. Merda. — Você sabe que me ama. — Oh Meu Deus. Ninguém acreditou nele. sem o seu irmão. Eles eram idênticos. Dante ainda se sentia como se uma parte dele houvesse morrido. Se eu não fizer isso. Vou tomar uma ducha enquanto você começar a trabalhar nesses arquivos. antes que seu irmão gêmeo Danny fosse sequestrado. Desde esse episódio com seu irmão gêmeo Danny tanto ele como sua irmã se sentiam perdidos. eu percebi que seria melhor tomar cuidado com esses bebês. — Claro. Sorrindo docemente. mas Dante sabia a verdade. tenho que amar você. ele só se sentia como um ser pela metade. eu não iria mexer nessa merda. Então ele passou a vida procurando. Dante. O que você estava fazendo. — Cento e seis. para ser exato. principalmente ele. Dante sorriu e dirigiu-se para seu apartamento. — Eu estava finalizando um processo que envolvia estrume. e seus pais ficaram terrivelmente deprimidos. que um homem com dentes e olhos amarelos atacou Danny e o sequestrou. Eles nunca encontraram o corpo de seu irmão.Capítulo Três — Você sabe. — Enquanto ela resmungava e ajeitava o computador. mano. Sem mais comentários. investigando as criaturas que se escondiam no escuro na esperança de encontrar a pessoa que significava mais para ele do que a própria vida. Ele não sabia o que faria sem a sua irmã. eu devo ler essa pilha de documento? — Seja paciente. para a família e todos que conheciam Danny. — Ela bateu a mão na enorme pilha na mesa.. Agora vá embora antes que seu fedor queime meus olhos e eu não possa fazer o seu trabalho. — Deve haver pelo menos uma centena de arquivos aqui. Depois disso. e foi duro. ninguém vai fazer. Lexi abriu o primeiro arquivo. quando seu irmão foi tomado dele. o fogo. — Você tem que estar brincando comigo. Com o susto da semana passada. Ela bufou.

E quando abriu os olhos e olhou para o azul suave dele. sua estaca estava sempre em seu cinto pronta para ser utilizada. E que Deus a ajudasse. — Onde ele está? — Você não tem direito de estar aqui. Estava com sua estaca de metal. E. então eu estou avisando não se intrometa. sua vida tinha acabado. Enquanto ela martelava seu punho na porta de Basil. seu corpo pedia por aquilo que só ele poderia dar para ela. Quando Cooper. quando ela estava indefesa. ela percebeu chocada o que estava prestes a fazer. estava preparada para usá-la. Bem. ela sentiu-se mal com o pensamento. ofegante. Houve ocasiões em que pensava em usá-la em Basil para acabar com ele. calças. era pior. mas vê-lo em seu sono.Puxou a camisa sobre a cabeça. ela não esperou por um convite e passou por ele. seu fiel mordomo abriu a porta. com cabelos penteados para trás cor negra com 22 . a mantinha em todos os momentos a partir de então. cuecas e meias. Quando encontrasse o bastardo que tinha levado seu irmão. Essas mãos sempre sabiam exatamente onde tocar para fazê-la tremer. se matasse o rei de sua raça. traindo seu coração. que tinha encontrado logo depois de sair da casa de Basil. sentou-se. Ele veio em seu sono e fez coisas nela que haviam deixado seu corpo dolorido em certos lugares que não deveriam doer. Ainda atordoada. já era ruim. Mas. — Ele era um homem alto. agora ela estava acordada e não mais indefesa. ao mesmo tempo. Dante foi para o chuveiro. Elas alisaram seus seios com a suavidade de um toque de pluma. senhorita. ela marchou pelas escadas na frente da grande casa de Basil. *** Ela sentiu mãos acariciando sua pele nua. Ela havia sido tirada em o seu décimo terceiro aniversário. mas imaginou mais de uma vez como se sentiria arremessá-la no frio Basil. Ela não se importava se era bem-vinda ou não e todos que estivessem em seu caminho ia lamentar muito. Colocou-a de volta na cômoda. então. Cooper. ela queria mais. — Eu gosto de você. Seu coração doía por ele. o cara seria poeira ao vento. Ela queria desesperadamente se dar toda a ele. Seus lábios brincavam com suaves sussurros das promessas. quando se dirigia para suas gavetas para achar uma camisa limpa. Uma semana depois. Ver Basil durante suas patrulhas contra os vampiros. ele a jogou nas proximidades do cesto. Eles estavam felizes. apertou a mão no peito enquanto seu corpo vibrava de necessidade. Ele levantou a imagem e deu a seu irmão um beijo. mas sabia o inferno que causaria. A fotografia que estava brilhantemente na cômoda fez seu coração doer. E o desgraçado ia pagar. Fechando a porta de seu carro.

os seus olhos nunca saíram dela. ela sentiu sua mão palpitar e se lembrou por que estava lá. Maldito. — Eu senti você me chamando em meu sono. — comentou preguiçosamente. tentado acertá-lo. Ela gostava dele. Sim. Só entregaria uma mensagem. Agora. ela faria. Ela não estava com humor para escutar suas piadas sarcásticas e enquanto endireitou. — E eu não fiz nada disso. ela ficou sem ar. — Ela puxou o braço para longe antes que ele pudesse agarrá-la. — afirmou ele calmamente. e com razão. Ela não tinha intenção de ficar. — Então caminhou em sua direção. girou e atacou mais uma vez. desta vez. essas coisas podem matar. correndo os dedos pelos cabelos. ficando mais alta. apenas machucá-lo tanto quanto ela estava machucada agora. Ele estava lá como um rei. — Maldito. enquanto estava indefesa. Mas quando deixou Basil. minha princesa ardente. pressionando-a contra seu peito. Cooper. Ela subiu as escadas correndo e ficou frente a frente com ele. ambos se encaravam. agora. Trinity tropeçou e quase caiu de cara no degrau mais alto. — Seu cheiro é sempre tão agradável. — Você sabe 23 .algum tipo de gel e um rosto que poderia lembrar o de um animal selvagem. Embora esta casa tivesse sido sua. — Você pode ir. para ter mais de cem anos. Ela não tinha idéia de quantos anos tinha. e depois iria embora alegremente. — Pare de me chamar assim. O cara era atraente demais. bastardo. ele era um. dominando-a. Apenas seus olhos se moveram. Ela empurrou a mão livre. se você. Ele pegou sua mão. mas se tivesse que fazer poeira dele para chegar a Basil. mas sabia que ele estava com Basil desde o seu nascimento. — Eu receio que não fará. por ser tão lindo. senhorita. puxando-a mais perto.. e quando o fizeram. sempre gostou. Ela ficou ereta. Investiu contra ele com a estaca só para vê-lo desmaterializar e aparecer vários metros atrás dela. Então fui a você. ela sabia que não deveria estar aqui. — Cuidado. Ela não tinha intenção de matá-lo. — afirmou Basil de onde estava no topo da escadaria. Você já entrou onde não tem o direito de estar. Então. em seguida. seu bastardo! Você invadiu meus sonhos. As respirações dos dois se misturavam e. — Não me faça fazer isso. — ela cuspiu de volta. Como você se atreve invadir meus sonhos? Como se atreve a me violar de tal maneira? — Você veio a mim de bom grado. abandonou o direito de entrada em sua casa. antes disso ele pegou o braço dela. Coop.. — Eu não posso fazer isso. Eu devo lhe pedir para se retirar. — Cai fora.

— Não me toque novamente. acordada ou dormindo. levou-a ao longo da última onda. Rasgando sua camisa de seda. e Deus ajudasse por isso. puxou para baixo ao longo de seus quadris. — Eu quero que você morra. encarando-a ainda mais. mas se por alguma forma. — ele sussurrou em seu ouvido. — ela cuspiu em seu rosto. Acordou antes que ele pudesse cumprir o seu desejo e agora o corpo dela estava a traindo por querer que ele terminasse o que queria fazer. Ela tinha se dado a ele. — ela gemeu e abriu as pernas enquanto sua mão escorregou para o centro do seu calor. sabia que ela tinha permitido. — Ela girou. Trinity fechou seus punhos tão rigidamente que chegou a doer. Ela apertou a mandíbula. em seguida. arranhou seu peito e suas mãos trabalhavam em um frenesi. Ele a levou as alturas. pronta para uma luta. Como vou distinguir o motivo? Você gemeu meu nome. seus olhos se encontraram. em seguida. Basil. — E estava me implorando para tocá-la. exprimindo sua raiva. tomou sua boca num beijo que lhe disse apenas o que ele tinha em mente. com uma mão agarrando sua cabeça enquanto a outra descia sobre seu corpo. Ela teve um momento para pensar em algo para dizer a ele antes que boca de Basil descesse duro e quente em cima dela. E quando sua mão escorregou seu corpo estremeceu. e quando ela mordeu-o e ouviuo gemer. mas a fúria falou mais alto. seria por desdém. — Eu nunca o chamei. — Ele se aproximou ainda mais. eu sou obrigado a ir a seu encontro.tão bem quanto eu que quando me chama. — Uma chamada é uma chamada. — Você precisa de mim. Basil. Ele olhou para ela com uma calma absoluta. Ela queria derreter. A próxima coisa que ela percebeu era que ele estava prendendo-a contra a parede. Ela o queria. mesmo quando ela jurou que nunca faria. Sua língua era macia enquanto ele deslizou entre os lábios. Sentiu a mão entre eles quando ele se desfez de suas calças. Não fez objeção quando ele puxou o zíper de sua calça para baixo. Chutou uma perna livre para levantar e enrolar em torno da cintura dele. eu o chamasse. ou vai se arrepender. Olhando para ela com aqueles olhos azuis gelados fazendo seu corpo estremecer. ele mostrou suas presas. sua raiva borbulhou como um vulcão dentro dela. então ele a agarrou pelo braço e a virou costas. E quando ele ergueu-a e a penetrou. Havia tanto amor no olhar dele que sentiu seu coração amolecer. — Oh. o fogo explodiu dentro dela. precisava sentir sua carne. Ela não se conteve. inacreditável e absolutamente impossível. nem protestou quando ele arrancou-os. 24 . — Você quer o que só eu posso dar. A boca de Basil seduziu-a com tal precisão que só queria mais.

Suas palavras a chicotearam trazendo a realidade. de terno cinza apareceu. Sentia-se segura de andar durante o dia. Como poderia uma pessoa viver assim? Tudo parecia tão branco. Em seguida. O local era moderno. sem preocupação. levantou o joelho e acertou direto em sua virilha. tão fresco. Ela demorou um instante para admirar a beleza da casa de estilo vitoriano de dois andares antes de tocar a campainha. tão limpo. Isso é mais parecido com ele. — Por aqui. e o queixo de Trinity caiu. — Ele estendeu a mão para ela. não o próprio pai. Trinity apressava seu carro para a porta da frente da casa. Olivia. Holloway estará com você em um instante. sabendo que o tempo estava nublado e chuvoso durante uns dois dias. Por que um cara rico atenderia sua própria porta? — Trinity Ford. por favor. desceu as escadas. O sol não iria matá-la se ficasse exposta a luz do sol. ele a convidou para entrar. então pare de ligar para mim. uma chuva torrencial caia sobre ela. indicando para esperar na sala à sua esquerda. Quando abriu novamente. Ela se sentiu tão triste como o tempo. Ela declarou suas palavras logo depois bateu a porta e foi embora. mas podia ajudá-la. Basil. Ele fez com que sentisse tanta dor quando partiu seu coração. Ela puxou suas calças. — Morto. *** Deveria chover. Ela entrou na casa luxuosa e seus olhos se arregalaram. Dava-lhe calafrios. certamente eles mostravam que tinham dinheiro. — Fechou a porta na cara dela. deixando-o se contorcendo no chão. — Sr. Ele se desintegrou no chão. 25 . ela se perguntava se ele era o pai de uma menina desaparecida. eu preciso de você. Jesus. de forma a produzir grandes machas vermelhas que doía como o inferno. por favor? Ah. — Ela puxou as mãos livres e com um sorriso letal. Imaginou. Holloway? — Quem o procura. Ele tinha acabado de fechar a porta na cara dela. — Um momento. quase caindo pela longa escadaria e ela teve grande satisfação de machucá-lo. mas com certeza iria queimar sua carne exposta. — Você tem razão. Estou aqui para falar com os Holloways sobre sua filha. — Se você não me quer por perto. — Sr. mais tinha uma boa dose de antigo. senhorita Ford. Quando as portas se abriram e um senhor alto. Eu sou detetive. Só depois das quatro horas da tarde chegou na residência em Holloways. Que grosseria. estava pronta para dar-lhe um baita fora.

como em um museu. tenho um jantar para atender. decidindo checá-lo. Vou pedir que Jennings lhe forneça o número dele. — Disseram-me que você tinha alguma informação sobre a minha filha Olivia? — Não exatamente. o nome Vega Investigações. — Bem. bem. — Uh. Saiu antes que ela tivesse uma chance de objetar. parecendo que iria para algum sarau. Estou investigando o desaparecimento dela e eu queria saber se pode falar comigo. Ela tinha sido criada por pais amorosos e tinha uma irmã mais nova. Ela observou quando um cavalheiro alto entrou no aposento. Ela não entendia as pessoas às vezes. Tudo que ela precisava era de alguma informação. Até que perdera todos eles. As pessoas ricas deixavam-na nervosa. Investigações Vega. Holloway? Ele balançou a cabeça. Ela saiu do bairro de classe alta. então seria melhor você falar com o nosso investigador. Abrigando-se em seu carro. — Aqui está senhorita Ford. — Sr. Mas seus pais não ostentavam seu dinheiro. Iniciando o carro. — ela murmurou para si mesma. — ela mentiu suavemente. Sentia-se tão fora de lugar aqui. a chuva encharcava-a até o osso. Ao contrário. Ele usava um smoking. Trinity viu-se diante de um edifício de tijolos pequenos. Cara. ela enxugou a chuva de seu rosto e olhou para o cartão. impresso em frente à entrada. — Ah. sentindo-se mais à vontade agora. Ela colocou o cartão no bolso da camisa. eles viviam em uma modesta casa de quatro quartos. Desculpe-me. de dois andares em um bairro de classe média. — Nós já temos um investigador do caso. Ela tinha que saber que tipo de homem usava aquilo enquanto sua filha estava desaparecida. 26 . ele estendeu e mostrou de forma inteligente a porta e enquanto se dirigia para seu carro. Ele coçou o queixo pensando. embora tivesse vindo de uma boa família.Ela assentiu com a cabeça e tomou um assento em uma cadeira de tecido acetinado em uma sala tão grande quanto seu apartamento. — Ela pegou o cartão. em benefício próprio. ele foi rápido. não tente ajudar a encontrar sua filha. revirando os olhos. obrigado. Um jantar. amada. para ver se as duas meninas estavam ligadas de alguma forma. Chegando a uma calçada. ela se afastou. Quem a mandou? — Eu estou trabalhando para os pais da outra menina desaparecida e acredito que os dois casos estão interligados. Ela deu um pulo ao escutar aquela voz e virou-se para o mordomo. Ela esperava que o cara cooperasse. — Senhorita Ford.

desculpe a bagunça. a mulher reapareceu com um sorriso falso. Vega? — Aparentemente. limpou as mãos na sua calça jeans desbotada antes de estender uma para ela. Você gostaria de esperar até que ele termine? — Sim. caralho. — Eu já tive dias melhores. — Seu aperto de mão era firme. Ele sorriu enquanto estava se sentado na cadeira de couro atrás de sua mesa. — Ele está em uma chamada de conferência no momento. — Parece que ele está no telefone. — Um minuto. Tenho estado muito ocupado. Bem-vinda a Investigação Vega. Ele virou a cabeça. Não entendi o seu nome. — Seus olhos observaram a porta do escritório a direita da secretária e as maldições que se seguiram. isso seria ótimo. — Oh. ele possuía um rosto rude bonito e barba por fazer.. Dando os ombros. eu não ouvi você entrar.. — Hum. Trinity deixou seu carro e entrou em um escritório muito bem organizado. — Apressou-se em limpar uma cadeira que estava atualmente empilhada com arquivos. Hum. — Ele vai vê-la agora. Então. — Dante Vega.. — Eu. Tinha que haver algo errado.Ela olhou ao redor das casas e edifícios degradados e sacudiu a cabeça. seus olhos verdes cintilaram no escuro e Trinity admirou sua boa aparência. mas não insuportável. — Ele é um homem morto. — Ele se levantou. Trinity esperou que a mulher desaparecesse atrás da porta. — Trinity Ford. Um momento depois. cara. ocupado pegando um monitor que estava espatifado no chão. — Trinity limpou a garganta e a mulher levantou a cabeça. — Ela abriu a porta com um grunhido. Cara. Bem-vinda ao clube. Este era o lado pobre da cidade. por favor. — É. Por que alguém tão rico como John Holloway contrataria alguém que estava tão obviamente abaixo dele? Era desconcertante. — Ela deu um sorriso encantador e obviamente tenso. — disse ela zombeteiramente sentando na cadeira. — Como posso ajudá-la? — O Sr. ela realmente estava tendo um dia ruim. Trinity entrou no escritório e viu a traseira de um cavalheiro agachado no chão.. com uma mulher de cabelos escuros trabalhando ocupada por trás da mesa. a mulher não estava tendo um bom dia. Ela ouviu vozes abafadas e não tentou entender o que eles estavam dizendo. — É um grande esforço para deixar as coisas nesse estado. o que posso fazer por você? Lexi mencionou que queria falar sobre Olivia Holloway? 27 . — Aparentemente. — Dia duro? — Ele parecia estar tendo. Seu cabelo estava uma bagunça. — Trinity Ford e pode dizer que eu preciso falar com ele sobre Olivia Holloway. xingando como um marinheiro.

28 . — Tudo que quero é alguma informação maldita. Dante se inclinou para trás. — Ela jogou as mãos no ar e saiu da sala. se você não se importar. podemos discutir Olivia ou gostaria do número do meu cabeleireiro? Ele sorriu quando respondeu. — Não significa que não é natural. — Qual? — Qual o que? — Qual é este o caso que você está trabalhando. — Para quem é você trabalha? Ela piscou para ele com um olhar completamente perplexo. — Olha. Você está interessado em me ajudar a descobrir quem a raptou ou não? — Quem raptou? — Foda-se. tudo que eu quero fazer é trocar algumas informações. E quando ela inclinou a cabeça em confusão. Não que isso não pareça bom. — Eu achei que fosse tingido. Ele era sortudo por não comer humanos. — Disseram-me que estavam investigando o seu desaparecimento. — Ela deu um pulo da cadeira. — O que você acha? Eu gostaria de colaborar de alguma forma. você sabe de um vermelho falso. — Ela ajeitou na cadeira. por Cristo. Agora. — O quê? — Quem contratou você para investigar o desaparecimento de Olivia Holloway? — Ninguém. É muito vermelho. Veja o que tenho e ver se vai me ajudar no meu caso. Estou aqui em um outro caso que acredito está ligado com o seu. — É natural? — Ele deixou escapar.— Sim. dando-lhe um olhar profundamente superficial. o cara estava fazendo sua cabeça girar. é apenas um comentário. Jesus. Só não parece natural. ele explicou: — O cabelo é natural ou tingido? Ela era questionada o tempo todo. sentindo a fina almofada sob o seu bumbum. Ele estava tirando onda com ela agora. — Você tem carteira de identidade? — Oh.

Ele entrou no pequeno escritório que reivindicou e andou até a janela larga na parede leste. e no final desses três dias. as mãos juntas sob as mangas largas do seu roupão enquanto ele patrulhava os jovens. Era imperativo que eles as mantiveram saudáveis e aqueles que se recusaram a comer eram forçados a se alimentar pela via intravenosa. irá sofrer. Durante a maior parte do dia. Aquele nome o deixava com raiva e ódio. rolava na cama. Dois novos recrutas estavam se formando. Seu exército estava crescendo rápido. Trinity Ford. A rachadura do chicote ecoava na sala quando um dos homens gemeu. Magnus. Seus homens estavam fazendo atualmente um trabalho maravilhoso de iniciar os novos recrutas. — Vocês não a machucaram. Ela nos deu um pouco de dificuldade. eram autorizadas a sair de sua sedação para comer e tomar banho. meu senhor. então será concedida a liberdade para servir a seu mestre. — Magnus inclinou a cabeça. — Por três dias. Mas a palavra final era sua. observou uma das fêmeas. elas eram sedadas. ele ditava o destino deles. durante três dias você terá fome. O menor dos dois homens estava suando horrores.Capítulo Quatro Chaos foi observar como estava a iniciação. Ela pertencia a sua espécie. à esquerda da sala. você deve sobreviver. — Como estão nossas oferendas? — Quando ele perguntou isso. matando sua raça. Você me deixa orgulhoso. O chicote estalou mais uma vez. uma loira. Mesmo que dois novos recrutas fossem formados. deixando uma poça enlameada. não é? 29 . Quatro deles nas mãos daquela que havia sido banida. — Ele deu um passo para trás. mas o outro parecia quase indiferente ao que estava acontecendo com eles. — A morena parece estar resistindo à droga. O sangue escoou na ferida do peito. Chaos olhou para a morena enquanto ela estava caída em um canto de sua cama. tinham perdido seis nesta semana. — Vocês prometem dar sua vida para o seu mestre? — Sim! Chaos se aproximou do homem pendurado na viga de aço. chicoteando-os em sua apresentação. — Fez um trabalho bom. Somente na noite. O sangue dele escorregou do peito nu branco até os pés. como se fossem formigas. — Obrigado. mas perseguia-os na noite. mas não suficientemente rápido. — Vocês prometem sempre ser fiel ao seu líder? — Sim! — Gritaram em uníssono. Ele daria qualquer coisa para acabar com ela. dois a mais para acrescentar aos muitos.

Magnus levantou a cabeça e mostrou o corte no seu lado esquerdo do rosto e olhos. Os olhos de Chaos se estreitaram. — Não. meu senhor. poderia desfrutar de mantê-la por perto. Elas eram tão jovens. Trinity era um espinho que ele estava ansioso para se livrar. e tentava viver como se fosse humana. seriam as oferendas perfeitas. Se ela não fosse necessária para a oferta. — Ele voltou sua atenção para as mulheres à esquerda. Não era forte o suficiente. Ele era fraco. Você vai caçar a fêmea. meu senhor. Chaos pensou.— Claro que não. Virou a cabeça somente. — Talvez ela precise ser lembrada de que ela não deve manter o nariz em nossos negócios. — Sim. assim como Brody e Moose seriam melhor. Ela cortou um dos guardas com um utensílio e quase tirou os olhos dele. Foi Trinity. senhor. — Quem o matou? Foi Basil? — Não. — Resolva isso Magnus. meu senhor. — Sim. não é Magnus? Resumidamente. — Trinity? Será que ela continuava sua cruzada para livrar o mundo de sua espécie. Você pode ir. Ele só está conosco há um ano. Um dos nossos membros foi morto na outra noite. meu senhor. seria melhor. meu senhor. por enquanto. Mas nós tivemos que bater nela com um dardo de dormir. Ela tinha se tornado ainda mais letal. esnobou o nariz para sua própria raça. ainda. — Assim será. Ela matou a sua espécie. Chaos sorriu. Magnus. senhor. Basil. Já tem as recomendações? — Taggert e Zane. — Gavin. pois tinha sido desprezada por seu amante. eu acho. percebendo que o homem ainda tinha que levantar a cabeça para encará-lo. — Eu vou mandar um grupo esta noite para capturar outra. — Sim. — Quem foi? — Ele perguntou enquanto se voltou para as mulheres. talvez fosse hora de lembrá-la de quem ela era e onde sua lealdade devia estar. isso tinha se tornado uma dor real no seu cu. Enviar o mais forte. — Então foi merecido porque nenhum utensílio afiado deve ser dado a elas. Há mais alguma coisa? — Nada. meu senhor. Bem. — Uma lição que você não vai esquecer tão cedo. da espécie dela? Isso é três vezes só neste mês. *** 30 . E o mês apenas começou. tão núbeis. — Virou-se para Magnus.

avistou dois vampiros em um beco escuro. O som de gritos abafados chamou sua atenção. o seu corpo preparado para uma luta. Eles estavam bem cientes de quem ela era. — É um lastima você sabe. A pressão do osso ecoou no ar parado a noite e então o baque aconteceu. enquanto seu parceiro se virou para encará-la. o corpo dele bateu no chão. Duas meninas desapareceram e ela não estava chegando a lugar nenhum. — Ela disse enquanto chegou perto dos vampiros. Ela estupidamente foi atrás de um investigador burro sem informação. mas fez o seu melhor para chamar a atenção para si por gritar tão alto quanto sua boca abafada permitiria. apenas para ser desprezada e rejeitada. E o homem merecia. Ele esfregou o queixo. um segurando a mulher que gritava. O vampiro que prendia os braços da garota estreitou os olhos em sua direção. e tudo que ele tinha feito foi enfurecê-la. Moose. pensou como seria agradável tê-lo feito. — Ela fez um giro rápido. ela saiu em disparada numa corrida de vida ou morte. o acertou nos rins com o cotovelo e sentiu muito prazer quando um gemido 31 . era pedir a Jonah para entrar no banco de dados do computador da polícia e descobrir o que eles sabiam. Então ela não era melhor agora do que tinha sido antes.Ainda irritada horas mais tarde. Num movimento giratório. O investigador idiota não ia ajudá-la e nem os policiais. Havia fita na boca dela. A primeira coisa a fazer de manhã. enquanto o outro tentava desesperadamente agarrar suas pernas. O homem era um palhaço. levantando a perna esquerda para cima e chutou à direita da mandíbula. Tudo o que queria era obter um pouco de informação do detetive. só um pouco perturbado. agora você feriu meus sentimentos. — que vocês dois tenham que recorrer a amordaçar e amarrar uma menina apenas para ter sexo quando já foram inventadas as bonecas plásticas. e se levantou. talvez o atacando e fingindo querer comê-lo se ele não desse o que precisava. Ela tinha tentado obter informação a partir deles. — Vai tomar no cu. indo em direção ao grito. Sorrindo. os punhos prontos. Bem. Ela não precisa disso. o sorriso desapareceu quando ela se lembrou que fazer isso poderia colocá-la em risco por se revelar como vampira. Ela deveria ter mostrado suas presas a ele. Assim que sua audição detectou a direção do som. — Porque você não vai à merda. poderia jogar duro também. Trinity vagava pelas vielas escuras e perigosas. Basil. Ela estava preparada e se esquivou do golpe. Ao longe. — Ele investiu contra ela. Mas afinal. — Oh. Trinity. — Veja o que acontece quando você fere meus sentimentos.

isso é nojento. mas Moose era uns cinquenta quilos mais pesado que ela. pronto para o golpe seguinte. Seu sangue estava nela e o dela nele. — Então. Parecia que ninguém queria dizer nada. ela bateu a cabeça em seu nariz e mais uma vez ele soltou um grito alto. mas quando ferido. teve um momento para ver o rosto sombreado por trás dela antes de tudo ficar borrado. Ela caiu no chão. continuaria chamando-a. gritava como uma menina. ele era muito grato de se recuperar rapidamente. — Ele prendeu a mulher mais apertada. De cima do ombro viu Moose chegar a seus pés. Ela levantou-se. mas não receber qualquer informação relevante em sua busca das meninas desaparecidas. que vou. Ele não tinha sido capaz de melhorar seu humor desde que Trinity o deixou. — alertou o outro vampiro. mas pensou que seu convite persuasivo poderia ganhar algumas. Eles eram ligados e se ela estava precisando. a raiva registrando em cada etapa. aumentando sua raiva. seu rosto raspando no asfalto. Jesus. Não que ele esperasse que seus inimigos dessem informações. Apertou sua própria mão. — Droga. — Qual é o problema. Não podia fazer nada sobre sua necessidade. — Ela virou. Principalmente. Só tinha que ter certeza de que ela estaria em segurança. machucou meu rosto. — Deixe a garota ir. Talvez se não estivesse tão mal-humorado. ou pelo menos tentou. E mesmo que tivesse certeza que ela nunca mais voltaria para ele. Virando-se. Moose. Moose pesado em cima dela. Boa coisa ela não se assustar facilmente. Ele supunha que merecia. Moose era enorme. poderiam ter se aberto mais para ele. Mas então a menina presa por Zane começou a chorar e Trinity a olhou para se certificar que estava tudo bem. Ele caminhou pelo quarto. Ela ouviu o passo apenas alguns segundos antes que o corpo de Moose colidiu com a dela. 32 . — Que porra. quando ela sentiu a fisgada no braço esquerdo. especialmente quando ele estava dormindo. Zane. — Oh. *** Basil entrou no quarto com uma batida da porta que abalou as paredes. a expressão em seu rosto era o suficiente para assustar a morte. ele era obrigado a ajudá-la. Mas ela tinha que ser tão má? Não tinha controle quando ela o chamava. daí o motivo de seu nome. se afastando lentamente. ele se inclinou ainda mais perto de seu ouvido e lambeu o pescoço dela. de qualquer coisa. porque ele estava furioso consigo mesmo. feminino. garotinha? Não consegue se mover? — Rindo.estridente saiu de sua boca.

— Claro. — Desta vez. — Ele saiu do quarto irritado da mesma forma que entrou. — Porque não deixa o seu nome e número do telefone. Seria preciso tempo para curar. passando a mão pelos cabelos. — acrescentou Basil. — Da próxima vez será melhor. Ou ele poderia simplesmente ter pegado o endereço errado. ele tinha certeza que Trinity nunca iria acabar com sua vida. Eu estava prestes a fechar. enquanto recitava o número dele. Ela não fosse realmente uma investigadora. Dante Vega. vou dizer-lhe que você passou por aqui.— Acho que você não foi bem sucedido? — Cooper perguntou.. Bem. — Você sabe quando ela vai voltar? — Ela tem a sorte de fazer seu próprio horário. — Eu não vou mantê-la por muito tempo. Dante caminhou até o balcão da frente. — Ela saiu. Dante pensou. O sorriso de Dante desapareceu lentamente. baixinho ao entrar na sala. Cooper. Será que ela trabalha com computadores? — Não. A maioria era digital ou eletrônica. — Não se estresse sobre ela. é melhor entrar e descobrir a verdade do que ficar parado como um manequim na frente da loja. Não. 33 . — Você me pegou. para que ela possa entrar em contato com você. frustrado. Dante abriu a porta e ouviu o tilintar dos sinos familiar. Desculpe-me. Por que uma detetive trabalhava numa loja de informática? A menos que. Embora ela se sentisse traída por ele. *** Dante estava em pé diante do domínio digital. senhor. — Ela não poderia me matar mesmo que isso significasse a vida dela. Balançando a cabeça. E ainda assim ela o chamou.. A mulher afirmou. feliz que ainda estava aberto e coçou a cabeça. Ele sentiu o formigamento dentro de sua mente e suspirou. Número? Mas ela não era uma investigadora. não fui capaz de manter a Senhorita Ford fora na outra noite. Alias você é um investigador. como antigamente. Estou procurando Trinity Ford. Como posso ajudar? Sorrindo para a morena bonita. Se você me deixar o seu nome. Ela vem e vai como lhe apetece. — Ela poderia tê-lo matado. Não havia muitas pessoas que anunciavam a entrada de um cliente em uma loja. O parou com um aceno de mão. sabia no fundo do coração que seu amor ainda era forte. Ela cria programas e websites.

— OK. 34 . Vou ficar esperando. — Ele deixou o prédio perguntando quem Trinity Ford realmente era. — Obrigado. Diga que decidi que deveríamos falar mais sobre o assunto de ontem.— Diga a ela para me ligar a qualquer hora.

— Diga. Era útil que os vampiros pudessem enxergar no escuro. ou mesmo mostrou um pingo de medo. não poderia estar tão certa de que não havia sido acariciada enquanto eles a despiram-na. Mas que merda. — Bem. Nunca compreenderia. — Um movimento errado e você vai virar pó. Afastando as lembranças. Ele era um vampiro cruel achava a tortura tão agradável como saborear uma cerveja gelada em um dia quente. sentindo-se muito suja. — E você sabe que me matando começaria a maior guerra de todos os tempos. esculpida em um ponto no final. — Acenando com a mão.Capítulo Cinco Trinity estava em um quarto escuro que cheirava a mofo e a sujeira.. — Eu deveria estar aterrorizada agora? — Ela respondeu com um tom seco carregado de desprezo. Seus olhos se deslocaram a voz à sua esquerda. Qual é a graça disso. por favor. Muitas vezes. Ou aqueles nascidos a partir de um vampiro verdadeiro. Tenho a vantagem. novamente. que sorte a sua de não esta no meu lugar. Ela estremeceu. Ele fechou a distância entre eles. manipulada por uma espécie de braço de metal que estava preso ao teto. — disse ele com uma voz grave. Trinity focou seus olhos em algo além da escuridão. De todos os vampiros do mundo. a ponta da lança pressionou contra sua pele com um pouco mais de força. porque não podia parar de pensar em Basil. Ela não estremeceu ou gemeu. os vampiros mais velhos preferiram dormir perto da sujeira. se fosse você. mofo úmido onde não havia luz alguma e a temperatura fria mantinha seus órgãos bem. Havia uma enorme lança de madeira. a sua morte tinha sido feita por Basil em seu quarto com velas queimando com uma música suave e flores espalhadas pela sala. Foi então que ela percebeu que estava nua como no dia em que nasceu. — Eu estaria se fosse você. O ponto da prancha estava dolorosamente batendo em seu peito direito sobre seu coração. — Eu não seria tão presunçoso. como ela. Isso daria a ele demasiada confiança. 35 . Colocar-me em uma ridícula posição submissa. Chaos? — Pare de matar o meu povo. Trinity. Ela estava familiarizada com este cheiro. — Ela mostrou os dentes para ele. O cheiro da terra fez seu nariz queimar. Embora soubesse que não foi molestada. Chaos se aproximou um pouco mais e sussurrou enquanto se movia. Chaos era o que ela mais odiava. Este não era um bom lugar para um vampiro estar. Trinity simplesmente olhou para ele. Ela nunca teve de viver nas adegas como a maioria dos outros vampiros. Ele caminhava em sua direção. Mas..

eu estou com medo. Será que todos saibam que ela tinha sido feita de boba por Basil? — Eu não disse que o estava chamando para me socorrer. Quero que você veja suficientemente meu ponto de vista. —Podem pegá-la meninos. ele rosnou para ela enquanto recuava. engraçado não! Tudo o que eu teria que fazer é abrir a minha mente e chamar Basil e este seria o fim da nossa conversa. — Ela se contorcia.— Não tenho intenção de matá-la. Maldição. mesmo sabendo que sem a sua ajuda. Enquanto limpava sua face. Diante dos quatro animais rosnando que entraram na sala. mostrando seus dentes. — Trinity lutou contra as cordas que a seguravam. Enquanto eu tenho uma faca no peito agora. —Ah. — Você sabe. Ela rasgaria seus próprios braços para impedi-lo de ir mais longe. Chaos não mostrou nenhum sinal de perturbação. — Você deveria estar. com chicotes prontos. teria sido uma presa sem defesa contra as feras. E você começaria a luta por sua vida. — Bom. — As quatro bestas se viraram enquanto Basil se materializava por trás deles. — Vá embora. Se seus braços e pernas não estivessem amarrados a uma parede de tijolo e se não estivesse drogada de forma que suas habilidades ficassem entorpecidas. — Eu vou ter um grande prazer em passar meu tempo com você. — avisou Basil. Pensei que você gostaria de uma visita de seu maior inimigo. minha querida. nós devemos prová-la? — Tente me parar. mas não a deixem sem ar no final. coisinha doce. — Vá mais longe e vão morrer seus porcos. percebendo que estava muito drogada. —Você o chamaria depois do que ele fez com você? Isso doeu. Sua risada foi um som alto. O que você acha Reggie. agora o resto de vocês caiam fora e não teremos que começar nada. Basil. ela poderia ter lutado com eles facilmente. Era duro saber que ele veio em seu socorro. Trinity teve um momento para pensar: Merda. Posso sair dessa perfeitamente bem. por minha conta. estridente que percorreu o quarto escuro e úmido. — Eu aposto que vou gostar muito. — disse um deles enquanto corria para longe de Trinity. estamos conversando. — Ooh. eu posso me ajeitar sozinha. você ainda está magoada com o fato de que ele ter comido outra boceta. enquanto fingia amá-la? Chaos não foi rápido o suficiente para desviar-se da cuspida que Trinity jogou nele. E ele não estaria aqui se não tivesse pensando nele em primeiro lugar. 36 . — Merda.

Ele atravessou a porta aberta e caminhou pelos corredores. — um dos homens gritou. — Trinity esperou algo mais acontecer. ela montou sobre suas costas e colocou os braços ao redor de seu pescoço. Ela estava prestes a descer da plataforma quando sentiu ser arrebatada nos braços. — Existe sempre um. — Eu não resolvi ceder. mantendo os olhos fechados. — o outro disse com olhos desafiadores. Trinity desceu de suas costas e limpou a sujeira de seus olhos. — Jesus. segurando seu braço sobre sua boca. sem ajudá-la em sua recuperação. — falou a besta. Odiava quando ele usava seus poderes daquela forma. — Basil rodou a mão. — Três. não poderia deixar uma donzela em apuros. evitando que os vampiros os seguissem. — Ela empurrou-o. Mas a criação de um tornado era uma ótima distração contra seus inimigos. até que sentiu ser puxada. —Vamos dar o fora daqui. desde que não fossem apanhados em um fogo cruzado. agora me deixe ir. ela fez como ele pediu. — Está ótimo. com o queixo saliente com seus dentes arreganhados. criando um vórtice de terra quase tão alto quanto ele. foda-se. — Pode esquecer. Mas um verdadeiro cavalheiro como eu. — Uma ligeira ideia. Todo mundo sabia perfeitamente que ele poderia rasgá-los mais rápido do que poderiam tentar fugir. amigo. Se pendure em minhas costas. a sujeira endurecia seu rosto. não posso respirar aqui. depois os braços e pernas sendo liberado. — Foda-se. Eu não posso te ver ou respirar. Seu rugido feroz e dentes afiados eram suficientes para mantêlos afastados de vampiros. tentando descer. já é suficiente. descendo em uma estrada antes de parar.— Claro que pode meu doce. Basil. sem qualquer esforço por parte de Basil. girando-os indefinidamente. Você tem alguma idéia de quem é ele? — Outra besta comentou. — Vocês vão fugir? — Um dos animais desafiou. — Balançando a cabeça. Grunhindo. Basil num instante conseguiu saiu do complexo e ela puxou sua orelha. — Trinity tossiu. se pendure em minhas costas. —Dois. Era uma boa arma. — Por que ele tinha que falar assim? Ele sempre deixava seu coração em desordem. — Com um estrondo o vórtice varreu o ambiente. Bufou enquanto ele corria pelo portão da frente. — Ponha-me no chão. piscando os olhos rapidamente. Mudge. Basil. — Não seja um asno. — Puxou um pouco mais quando ele se recusou a parar. — Ah. — Quando estivermos fora daqui. — Um. — É a maneira mais rápida de sair daqui. — Jesus. — desafiou a besta. Então ele se transformou em um lobo de prata. Basil começou a girar o dedo indicador e uma nuvem de poeira se formou no chão. 37 .

— Resmungou. — Você não é um homem. Se não houvesse vapor saindo de suas orelhas. — Continue em frente até os blocos seguintes. Basil e posso cuidar de mim muito bem. desorientando-a. — O quê? — Olhando para baixo. Tome. — Segurando o casaco fechado. Ela estreitou os olhos em sua insinuação. 38 . — Dê-me isso. ele bateu em suas costas. Trinity. ela estava. — Ele a ajudou a clarear a mente. quase engasgou. Trinity virou e saiu. — Faça como quiser. ela ficaria surpresa. Ele se virou para ela. — Você sabe. Quer me dizer por que os homens Chaos capturamna? — Eu matei seus homens. mas o voto. Basil. Ela olhou para ele com uma grande dose de hostilidade. — Ah! — Vá tomar no cu. — ele forneceu os dados enquanto a seguia de lado. eu sou o único que deve estar chateado depois do que você fez com meu pau. Ela havia esquecido que estava nua. e você chegara a seu apartamento. — Ele vai ouvir algumas palavras minhas. Ninguém. mas ambos sabemos que precisa de mim. gosto de olhar para você sem nada. — Ou eu poderia me transformar em um lobo e lhe dar uma carona para casa. — Você mereceu. — Nenhum homem merece isso.— Eu não preciso de sua ajuda. pega a minha mulher e faz de refém. — Você pode pensar que é corajosa e capaz de cuidar de si mesma. contorcendo os lábios. — Você está me seguindo agora? — Eu ouvi meu nome ser mencionado. Não foi a raiva que ela ouviu. ninguém. — Correu atrás dela. ainda em forma de lobo e mostrou suas presas brancas antes de se transformar novamente em um homem. Ela parou abruptamente e ao fazê-lo. lembrando-se agora a fisgada que sentiu na sua briga com Moose. — Supere. Pessoalmente. — Sou uma menina grande. Basil virou-se e observou seu corpo. — Eu gosto de caminhar. — Tudo bem. Ele tirou o casaco longo e estendeu para ela. — Trinity parou para se orientar. em linha reta por mais seis quadras. — Eu não quero suas roupas. Acho que ele não gostou muito. Ela não tinha idéia de quão longe de seu apartamento. — O que você acabou de me chamar? — Eu não vou deixar ninguém machucar você. vire à esquerda. depois vire à direita. Movendo seu pescoço. — Ela pegou o casaco de Basil e vestiu. a pé. E a droga ainda estava em seu sistema. O tom de sua voz causou arrepios por todo seu corpo. — Ela esfregou o braço. — Pode ter me feito de bobo.

— Como você ousa. Seu pai estava de alguma forma encontrando um caminho através de sua expulsão para se 39 . — Girando. — Maldição! — Chutando a sujeira. — Eu sei que cometi um erro. inferno. Agora foda-se. — Sim. mas ficar sem ela o estava matando. ela andou sobre a calçada pavimentada em passos rápidos com raiva. Ele a queria de volta em sua vida da pior maneira. ela queria mais que ele e era duro saber disso. — Você nunca cometeu um erro em sua vida? — Ele falou com ela. — Basta sair do meu caminho. — Porque. nunca precisei de sua ajuda. Eu não preciso de sua ajuda. — Não se atreva a colocar a culpa em mim. Ela bufou. — Ele agarrou-a pelo braço e a fez enfrentá-lo. — Bravo para você. permitir que você entrasse em minha vida em primeiro lugar. Basil. Você me queria tanto quanto eu queria. — Estamos conectados. se eu não tivesse aparecido em sua vida mudado-a? Ela se recusou a responder a isso porque ele iria provar que estava certo. se você quer uma repetição do nosso último encontro. por que me traiu? — Ela puxou o braço livre. sem dinheiro e muito provavelmente trabalhando como garçonete. Por que ele tinha que virar seu interior cada vez que estava perto dela? E por que diabos ela ainda tinha que estar tão longe daquele canalha traidor? *** Sim. — Se você precisou tanto de mim. Balançando a cabeça. mal conseguindo sobreviver. — Que diabos está acontecendo com você? Porque não pode simplesmente me deixar sozinha? — Ela virou-se para ele. virou-se e caminhou na direção oposta. Ele sabia que era melhor mantê-la fora de sua vida. Aliás. tão certo como o sangue que corria em suas veias. — E. E era tão difícil ficar longe dela quando ela estava dentro dele. Trinity continuou o seu caminho. você me amou tanto que você trepou com outra mulher em nossa cama. — E você sabe que precisa de mim tanto quanto eu preciso de você. — ele disse simplesmente. — Sim. Onde estaria agora. — Você e eu sabemos que não é verdade. Ele sabia que estava enviando seus sinais mistos. vá a merda e me deixe sozinha. Trinity. ele foi um canalha e ela tinha razão para odiá-lo pelo que ele tinha feito com ela. queria mais. ele não estava se sentindo estável agora. Ele precisava se lembrar por que ele estava fazendo isso. Ela ficaria sozinha. enquanto se aproximar ao seu ritmo. Sim. meu amor. eu a amo.

mas era uma dor que ele estava disposto a suportar para a sua segurança. E quando sua amada atravessou as portas entrando no seu quarto à noite. 40 . farei a aqueles que você mais ama. Ninguém estará a salvo se estiver perto de você. Basil tinha sentido a presença de seu pai. Até ele descobrir se seu pai iria voltar. ela o encontrou envolvido nos braços de outra mulher. Ele deu um beijou de adeus em Trinity naquele dia que ela saiu para trabalhar e definir o seu próximo passo. meu filho. E o aviso ainda ecoa dentro dele. tão real que mesmo depois que ele acordou. — Eu não vou apenas fazer mal a você.comunicar com ele e ameaçá-lo. Mesmo que aquilo o matasse. O sonho tinha sido tão vivo. Sua mente se organizou logo em seguida. A prostituta foi mais do que disposta a passar o dia com ele pela quantia que ele pagou a ela. Ele havia quebrado o seu coração ao ouvir a dor em sua voz. ele teria de deixar que Trinity acreditasse que ele era um bastardo cretino.

— Porque ele é um porco. 41 . Não estava queimando a jaqueta. Ela devia ser forte o suficiente para impedir seus pensamentos. O que ele fez agora? — Ele me deixa puta. — Tudo bem. eu sei disso. — Ela não queria entrar na questão. ele acendeu imediatamente e ela soltou um grito enquanto o fogo brilhante queimava a jaqueta. — Em um movimento giratório. ela ia provar a ele que não era fraca. mas dela própria. ela mergulhou no lixo procurando algum papel para adicionar ao casaco. pegou seu casaco de couro preto e se dirigiu para a porta. Trinity se ergueu. tudo bem. decidida a colocar todo tipo de papel sobre aquele fogo antes de colocar os restos na pilha de lixo. — Por que você esta com a jaqueta de Basil? — Ele se afastou enquanto ela despejou uma caixa de pizza. Ela era forte e ela era mais do que capaz de cuidar de si mesma. puxou uma caixa de fósforos. ela sabia que a culpa não era de ninguém. — Vou me livrar de algum lixo. graças aos deuses. O que ela precisava era de gravetos. Ela ficaria imensamente feliz se queimasse aquela jaqueta. — Por que você vai queimar algo que se parece custar mais do que a minha vida? — Porque ela pertencia a um porco. — Bem. como uma boa quantidade de jornais em cima da jaqueta. Já passava das sete da noite e o sol estava baixo o suficiente para que ela pudesse sair para o beco atrás de seu apartamento. aproximando-se ao lado dela. mas o fósforo queimou e incinerou. Conferiu o papel em sua mesa. — Acendeu outro fósforo.Capítulo Seis Outra garota tinha sido sequestrada e tinha sido diante dos seus olhos. Se ela estivesse fazendo seu serviço e não tivesse Basil em sua mente. ela jogou a jaqueta no chão. E a pobre menina não teria sido sequestrada por aqueles desgraçados. Essa jaqueta vai queimar rápido agora. Trinity olhou para a notícia do jornal e amaldiçoou. A jaqueta de Basil pendurada sobre sua cadeira lhe a chamou atenção. — Essa jaqueta é Basil? Você não vai incendiá-la dessa maneira. Couro não queima bem. Para sua alegria. então eu vou tentar isso. Ela ouviu a porta de saída abrir. E ela não ia dizer ao Jonah que ela ainda amava Basil e isso a machucava todos os dias. — Ela acendeu outro fósforo e que caiu do lado de Jonah. ela não teria sido apanhada desprevenida. drogada e sequestrada. Quando a porta se fechou atrás dela. o clique em fechar. mas não tirou os olhos da jaqueta. em seguida. Mesmo querendo culpar Basil. Bem. — O que você está fazendo? — Jonah perguntou.

— Eu tinha algumas coisas para terminar antes de ir para casa.. escreveu o endereço em seguida. — Eu não quero entrar em detalhes agora.. — Acabei de dizer.— O que há de novo? Você ainda não me disse por que está com a jaqueta dele. Ariel disse que algum investigador passou por aqui. — Mas sobre queimar a jaqueta? — Bem. — Então. em seguida. Que visão maravilhosa. Isso ela iria enviar-lhe para deixá-lo saber o que ela sentia por ele. — Não. Ela assistiu. em seguida. apertando sua mandíbula. O fogo estava acabando e a incomodou. Olha esta nojenta está queimando. Então. — Você sempre me irrita. em frente a caixa tinha uma boa quantidade de papel. — Deixou cair à carta sobre o pó de couro derretido. não oh Trin. Eu não fui atrás dele. a jaqueta queimar. virou-se para pegar um bloco e uma caneta. Jonah. — Eu estou tão feliz por nunca te chatear. Jonah. ele veio atrás de mim. Trin? Ela se virou para ele. bem foi o que ela disse. selou para enviar pelos correios. — Ele ainda está vivo? — Quando ela inclinou a cabeça e olhou para ele mudou a pergunta. Mas voltei para ele. — Me perdi. Agarrando a porta. eu. Ok. eu gosto de você. em seguida. ela escreveu em letras grandes em negrito. para você? Não sei. Você teve relações sexuais com ele. Ele era fofo também. Ela queria vê-lo queimar um pouco mais. — Só por curiosidade. eu dei uma joelhada na virilha dele. Jonah correu seu cartão pelo alarme e abriu a porta. nos meus sonhos. Trin. não sentiu nada. ele deixou Trinity sair primeiro. eu deixei ele me foder e acredite. E sim. eu o chamei. Isso porque ele me salvou. Jonah? — Viu a jaqueta enquanto o fogo começava a derretê-la. 42 . indefesa. "Venha perto de mim outra vez e isso será tudo o que eles vão achar de você”. papelão. Você tem algumas mensagens no fórum. fechou a caixa. O que você vai fazer com isso agora? — Respondê-las. eu me arrependo agora. Isso não quer dizer que ele tinha o direito de fazer o que quiser comigo. — Mensagens de quem? — Huh? Ah. mas ficou satisfeita. Mas para sua sorte. — Você deu um fora nele? — Não. Ele revirou os olhos. — Oh. mas eu estava dormindo. O que você está fazendo aqui? — Ela pisou fora do fogo. pegou o casaco em ruínas. — Afaste-se Jonah. — Ela pegou uma caixa empoeirada. como você conseguiu seu casaco? — Porque todas essas perguntas.

Seu informante na delegacia disse que sim. bem treinado. ela saiu do caminho de volta. E por que ele estava se esforçando para convencer a si mesmo? Balançando a cabeça clara. realmente ele era e ele sabia disso. Agora o rosto de Jonah mudou para a confusão. e selou a encomenda para o correio da manhã pegar.— O que ele queria? — Ela deu uma tapa na caixa do correio. Ele tinha um ponto. todas de idade semelhante. Jonah. — Você tem algum trabalho para mim? — Não neste momento. Jonah. Trinity. ele abaixou a arma para seu lado. — Jesus. Ele era um adulto agora. — Girando. — Te assustei? 43 . mais uma vez? Em seu escritório. Ela estava com disposição para matar. — Soltando um longo suspiro. — Por que eu iria matá-lo? Eu mal o conheço. a única maneira que você vai se livrar dele para sempre é matá-lo. Você sabe que eu não posso. trabalhando. Dante chegou à gaveta onde ele guardava sua arma. a arma foi para cima e apontado enquanto a pessoa caminhava em direção a porta do escritório. — Basil? — O detetive. Trinity Ford devia agradecer sua estrela da sorte por ele não ter atirado devido ao nervosismo. *** Era patético. Era uma noite de sextafeira e onde ele estava. ele estava velho demais para se preocupar em fazer planos para a festa no fim de semana. Você tem que pensar que tudo está relacionado. que os policiais estavam ligando todas as três meninas desaparecidas a um caso só. — Boa noite. — Como diabos eu deveria saber? Leia a nota. e ele se amaldiçoou por esquecer de travar. — Eu quis dizer Basil. — Ah. Ela virou-se para Jonah com surpresa em seu rosto. — Você está me irritando agora. Ele não vai desistir de você. Em um movimento rápido. arma na mão. Agora. O som da porta da frente deu uma pausa. — Certo. E daí? Quem disse que só porque era sexta-feira. Três garotas desaparecidas no curso de um mês e meio. ele tinha que ter uma data ou algum plano para fazer algo? Cristo. Dante foi verificar o que ele tinha em arquivo já no seu caso. Você sabe. Instintivamente. Levantando-se da sua mesa. quem viria visitá-lo às oito da noite em uma sexta? Alguém que queria encrenca. — Então por que você vive insinuando que vai fazer? Ele sabe que você pode ou não. ele avançou em direção a porta.

— Principalmente? — Trabalho com investigação. Outra menina foi raptada. — Certo. — Veremos. A filha de sua amiga é um dos desaparecidos. Ela tinha olhos de um azul-esverdeado deslumbrante que se encontrava incrivelmente sexy. — Eu faço mais do que brincar como investigador. — Ele desengatou sua arma enquanto se dirigia para sua mesa. você me pegou. apoiando o queixo sobre os dedos. — Ele perguntou o que ela pensaria se soubesse que tais coisas como monstros sugadores de sangue. Conexão? Ele deu de ombros novamente. Ele sorriu quando se inclinou para a frente. Ele encolheu os ombros. — Não estaria aqui se não a tivesse recebido. então. — Como você chegou a esta investigação? — Um amigo meu me pediu para investigar para ele. pegou sua cadeira. — Eu esqueci de travá-la.— Eu não costumo receber visitas esta hora da noite. — Você quer ir beber um copo e nós podemos discutir isso mais um pouco? 44 . — Como você me encontrou? Ele sorriu quando se inclinou para trás na cadeira. Ou um sequestrador em série. — Bem. — Um amigo de um amigo esse tipo de coisa. Sua mandíbula se apertou. Você está aqui para consertar meu computador ou fingir ser uma investigadora? Ela ergueu o queixo e a luz do teto refletiu nos olhos dela e fez faísca. Principalmente trabalho com computadores. — Mas você não tem uma licença? — Isso é um problema para você? — Ela quase gritou para ele. E você? Mentirosa. — Então por que deixou sua porta aberta? — Trinity seguiu. Você recebeu minha mensagem. O que pensa a respeito disso? — Acho que eles foram abduzidos por alienígenas ou talvez algum monstro as pegou e as usou como um lanche da noite. — Certo. Ela poderia ter algo que poderia ajudar o seu caso. — Fui contratado por uma família da menina. Mas ele decidiu deixar quieto. — Ela pegou os papéis da cadeira e colocou-as em sua mesa. — Ele colocou a arma de volta na gaveta. na verdade existia. — Como você consegue viver assim? — Acho que é reconfortante. — Eu li sobre isso. pelo que vejo.

Ela levantou a sobrancelha.. — Quem é ele? — Trinity queria saber enquanto seguia Dante através da sala lotada. — Ok. por que não? — Ótimo. — Ei. porque ele veio correndo na direção deles. e à sua esquerda. — Ah.— Claro. — afirmou enfaticamente. parecia tão escuro e tinha um monte de carros estacionados ao redor dele. Por um segundo. Podemos pegar uma sala? — Dante pediu rapidamente. ela pensou que o lugar estava deserto. — Claro que sim. A música alta explodia nas caixas de som. — Dante virou-se para Trinity. viu as pessoas realmente dançando em uma pequena pista de dança do tamanho da sua sala de estar. — Obviamente decepcionado. Ignorá-lo aparentemente não estava funcionando.. com mesas redondas espalhadas. Trinity se perguntou para que esta sala era usada. esperando que ela entrasse primeiro. — Claro. como ela e Dante iriam conversar com aquela música alta. *** Ela o seguiu em seu carro a um pequeno bar a dois quarteirões para baixo. — Quero uma cerveja também. à espera de sua ordem. — Meu cunhado.. — Merda. — Ele abaixou a cabeça e apressou seus passos. 45 . mas deixou para lá e entrou na sala. O local era mal iluminado. — Você pode me trazer uma cerveja e. você está. Ele tinha um rosto barbudo e sua voz era rouca quando ele falou: — O que temos aqui? Um encontro amoroso. Dante. aperitivos grande. Murray voltou para o bar. — Então. Trinity não estava muito certo. — Dante empurrou a porta aberta. espere apenas um maldito minuto. Ele parece ser o tipo de homem que gostava de segurar a porta para ela? A música não era tão alta aqui e a sala era mais brilhante que a área do bar. Eu conheço este lugar. ela ouviu a música tocar. espere. Então no instante que ele abriu as portas. o que lhe disse que o local não estava deserto.. — Não pergunte. está ótimo. tudo bem. O quê? — Nós dois estamos no mesmo caso. — Seu rosto ficou sombrio. talvez? Murray Latruce e você? — Trinity. — Basta ignorá-lo. mas eu não estou namorando com ele.

— Como você maneja com computadores? Decepcionada que ela não tinha aprendido algo mais sobre os sequestros. — Sim. igrejas.— Eu não estou interessada em sua vida amorosa. — Então o que você tem? — O mesmo que você. — Não quando se trata de pessoas desaparecidas. Todos os casos estão ligados. Ele deu de ombros e tomou sua caneca de cerveja em cima da mesa. ou compará-las com alguém em particular. Não há semelhanças. — Sorriu quando a garçonete trouxe as bebidas. — Então. — Você tem um computador em sua mesa. Vamos apenas ficar com as meninas desaparecidas. mas eu sou tão analfabeto sobre eles como um bebê recémnascido. — Bem. Afora o fato de que ela tinha certeza de que tudo tinha sido obra dos vampiros. Ela não era uma dama e não gostava de ser tratada como tal. — Eu concordo. Eu acho que é aleatório. Eles não frequentam as mesmas escolas. — Oi. Ele riu e ergueu a mão esquerda. ou têm qualquer atividade extracurricular comum. isso foi proveitoso. meu nome é estúpido. Se elas ainda estavam vivas ou não. mas nenhuma delas têm mais que dezesseis anos. 46 . Dante bebeu a cerveja antes de perguntar. — A maioria. Ela só queria saber a opinião dele e ver se ele tinha alguma ideia de onde as meninas podiam estar sendo mantidas e o porquê daquilo. — Levantando a caneca. uma pessoa teria que ser estúpido para não saber trabalhar com computadores. Ela colocou sua cerveja para baixo. ninguém sabia. Trinity recostou-se e decidiu ficar apenas com a conversa. — Nos dias de hoje. não é? — Ele segurou uma cadeira para ela. é discutível. escolheu deliberadamente uma cadeira diferente da que ele escolheu para ela. A idade dos jovens varia. — Você não tem muita paciência. nada os ligando de qualquer maneira. Ela esperava que estivessem. — Obrigado. Ela foi à mesa. lambendo o líquido restante de seus lábios. ou a falta dela. mas com vampiros envolvidos. meu palpite é que ele não está à procura de alguém em particular. Não há semelhanças na aparência. Sua testa franzida. — A maioria dos sequestradores seriais trabalha sozinho. Três meninas desaparecidas em um período tão curto de tempo é mais que uma coincidência. — Você acha que é apenas uma pessoa fazendo isso? — Ela sabia que não era.

Essa coceira maldita tinha voltado e ela estava ficando louca. *** Dante estava certo sobre uma coisa. já que era em uma sexta-feira. Ela encolheu os ombros. Ela escolheu o centro dos clubes. Por que alguém iria esperar horas para chegar a um lugar só para estar lotados e ficar como sardinhas em lata e ouvir uma música tão ruim? O cheiro de suor e a mistura de perfumes e colônia além do cheiro de cigarro o local era nauseante por si próprio. os prendessem devido à embriaguez. Ela estava tentando proteger aquelas pessoas. Aqui vamos nós outra vez. — Me avise se você souber algo de novo. e. sozinhas. ela manteve-se nas sombras.— Fala sério! — É verdade. Voltando-se para o clube. Ela só tinha que descobrir por que as meninas eram perseguidas e raptadas. — acrescentou ela. pelo menos. — Não tem nada demais em mexê-los. Sem interferências. precisava patrulhar. Minha irmã. esperando. — Bem. além disso. eles entraram no carro e partiram. que fazia o lugar pior ainda. mesmo não as conhecendo. minha secretária. A única coisa que um vampiro queria com um ser humano era seu sangue e sexo. Ela esperava que os policiais que patrulhavam esta noite. ela esperou e observou para as próximas duas horas e nada aconteceu. permitindo mais pessoas entrarem. ela viu dois ruivos saírem do bar em direção a uma rua mal iluminada. para aqueles que viviam a noite. Mesmo com as notícias que relatam três mulheres raptadas no último mês e meio. — Fácil para você dizer. Em seguida. — Eu tenho um amanhã. Mas eu simplesmente não consigo entrar nele. A música rugia cada vez que a porta era aberta. como de costume. drogados e tesão. A noite ainda era uma criança. — Ele sorriu timidamente. enquanto os seguia. — Eu quis dizer. realmente. — Tão cedo? — Ele limpou a garganta. — Você também. Principalmente quando seus sequestradores eram vampiros. — Você pode sentir o cheiro? 47 . Em sua opinião. Mas a noite ainda era uma criança. a noite é uma criança. e mantê-los como escravos para ambos os fins. Ela não acha que as meninas estivessem vivas. Até agora. é melhor eu ir andando. vem tentando me convencer a aprender mais sobre eles. Sacudindo seus ombros. sou honesto. adicione bêbados. as jovens eram estúpidas o suficiente para aventurar-se. onde conhecia alguns dos vampiros que ficavam por lá. — Ela não era de ficar parada por longos períodos de tempo. A noite estava agitada. empurrando sua cerveja de lado meio vazia.

fazendo-a carranca. agora que penso nisso. Ela odiava quando ele simplesmente aparecia do nada. te faz faminta. É isso que você está fazendo.Ela não pulou. — Seu mau cheiro? Sempre. Ficava irritada por ainda desejá-lo. Basil? Porque se você está me seguindo. — O cheiro do sangue humano. Há uma razão? O pensamento esfaqueado dentro dela.. minha querida. — Deliberadamente. escondido perto de todos estes jovens? — Pelo mesmo motivo que você está. Ela olhou para ele e rosnou sua resposta. Basil. mas sabia que ele amava essa entrada ao melhor estilo. 48 . A ponta vermelha brilhava como ele voou pelo ar antes de pousar sobre o cascalho para saltar e cuspiu uma nuvem de fogo de artifício vermelho cintilante. ela tinha que perguntar. — Eu estava no bairro. ela se afastou longe dele.. — Se eu estou tão errada. em torno dos lugares que não são seus redutos de costume? A menos que. mas lentamente olhou para Basil. escondido no escuro. ele jogou o cigarro na escuridão. — Eu tenho uma companheira e pensar que você tem sequer esse pensamento me enjoa. — Correu um dedo ao longo de sua face. fazendo outra companheira? Seus frios olhos azuis estreitaram perigosamente quando ele se aproximou. Eu era jovem quando você me tomou e me fez sua. mas lentamente. — Sua voz tornou-se perigosa. deixe-me avisá-lo agora que eu não vou permitir isso. levantou a mão e acendeu o cigarro entre os dedos. — De quem eu deveria me alimentar agora. então porque não me explicar por que você está sempre na escuridão. — Você não precisa de mim. Não era só a fumaça que a incomodava e sempre a incomodou. — Você está tentando ter mais fêmeas do que seu próprio pai? Você está sequestrando as meninas? Com um movimento rápido e fácil. — Por que você parece estar sempre por perto. Ela acenou com a fumaça irritante e deslocou um pouco mais longe. mas era o cheiro de Basil. já que não tomo mais seu sangue? Ela optou por não responder a isso. que apareceu ao lado dela. Basil. — Por que você está se escondendo. — Se você está aqui para se alimentar de alguém. Será que ele ainda te chama. e embora ela não queria acreditar. eu estou indo a fim de chutar o seu traseiro. Ele não revidou. — Eu não vou nem me prontificar a responder isso. — É tão óbvio. faz você querê-lo? — Eu tenho força de vontade.

como um beijo. se afastando. Trinity. deslizando perto e fazendo-lhe o pulso acelerar. Mas suponho que eu fiz por merecer. se transformou em um cachorro e foi embora. — Você pensa tão pouco de mim e isso é uma vergonha. Sim. E por que você quer saber? Ele caminhou na direção dela. como você. — Por favor. deslizou-os ao longo de sua face. afastando-se dele antes que ele decidisse fazer algo estúpido. Basil desviou o olhar na direção do bar e as pessoas esperando na fila para serem autorizados a entrar. depois. lentamente. — Porque eu tenho um sentimento que eu estou conectado à razão de terem sido tomadas. Inclinando-se contra a construção por trás deles. eu estou procurando saber quem levou as jovens. Ele colocou os dedos em sua bochecha.Ela bufou. Ela teve menos que um momento para abrir a boca e responder quando ele fechou-a com um entorpecido beijo. O que diabos ele quis dizer com isso? 49 . eu não acho que você está aqui olhando para encontrar a pessoa ou pessoas responsáveis pela tomada de quatro meninas inocentes. em seguida.

— Ei. Mas suas palavras na noite anterior a atingiu mais que sua curiosidade. Jesus. — Certo. espere até lá. — Ok. apesar de estar perto dele só tornava mais difícil se afastar dele. fala de tirar a roupa né. quero que me ensine como usar a informática. Jesus. Eu só pensei. Ele é um melhor professor do que eu. mas estamos colaborando. eu só pensei que eu iria me sentir mais confortável se você me ensinasse. A decepção apareceu em seu rosto. ela realmente pulou um pouco quando viu Dante de pé sobre o outro lado. eu a acho atraente. Relutante. — Não vai demorar muito.. mas. ah vá se foder. e assim. Mas ela tinha que ter certeza. ela afastou-se. Eu não sou quem você deve procurar. Nós não estamos trabalhando neste caso em conjunto. — Oi. você poderia. — Olha. já que nos conhecemos e estamos trabalhando em conjunto neste caso. Isso é tudo. Seus olhos se estreitaram quando ela começou a pensar sobre aquele pensamento. tenho que sair agora antes que isso acabe de forma mais constrangedora ainda. Abrindo com força a porta. — Ele passou a mão em seu rosto novamente. — Isso é sobre as meninas desaparecidas? — Não. Chame-me se você encontrar alguma coisa nova sobre as meninas desaparecidas. E ela estava ciente de que ele poderia ter dito isso só para ela ir procurá-lo. você quer tocá-lo e prová-lo. — Sim. — Não. — Hein? Seus lábios se curvaram e as covinhas no rosto apareceram quando ele sorriu. Eu pensei que talvez pudéssemos criar um tempo para que você me ajude a utilizar essa modernidade. — Eu estava saindo. eu estava esperando que você estivesse aqui. sentiu seu aroma. — Ela nunca foi de meias palavras. — Ele passou a mão em seu rosto. 50 . — Você quer meu corpo. Eu pensei que se passasse por aqui você não se importaria de me ajudar se familiarizar com a tecnologia moderna. — Você tem uma estranha maneira de dizer as coisas. — Ela se inclinou um quadril contra a moldura da porta. — É a verdade. — Você quer que eu o ensine. — Oh. meu parceiro.. — Whoa. Você deve conversar com Jonah. Olha. sim. bem.Capítulo Sete Ela precisava ver Basil... — Computadores. na verdade.

O que em particular está falando? Ela apertou sua mandíbula. Por que você acha que essas meninas desaparecidas têm haver com você? — Aceita uma taça de vinho? — Não. esticando suas longas pernas. — Ele ergueu o cigarro aos lábios e deu uma tragada lenta e meticulosa antes de jogar. Basil. Basil. levantando o seu vinho. de modo que escolheu para se sentar na varanda para desfrutar. Ela realmente se preocupava com ele. Essa era uma jaqueta cara. — Trinity acrescentou quando apareceu na frente dele. mesmo sem se virar. Casualmente. Ao seu lado na mesa estava um copo de Chardonnay e um cigarro queimando no cinzeiro. Ele olhou para seu rosto encantador e a careta que ela segurava no lugar de modo diligente. — Ela pegou uma cadeira em frente a ele. mas foi o aroma do sabonete picante que chamou sua atenção. *** Foi uma noite agradável e ele adorava assistir o pôr do sol. A última coisa que ela precisava era de outro homem correndo atrás dela para fazer sexo. — Que diabos você quis dizer na noite passada? — Eu disse um monte de coisas na noite anterior. Será que ela conseguia perceber? — E agora é poeira. — Eu tinha pensado em vê-la mais cedo do que agora. ele tomou um gole de seu copo antes de responder. você sabe. O cheiro de ambos oscilou para cima para atacar seu nariz. — O que tem? — Eu ouvi um. Ele gostava de fazê-la esperar. — Sobre o quê? — Ela perguntou com os dentes cerrados. — ela disse abruptamente. — Mas foi a nota que disse sobre o que faria com ele que o aborreceu mais. Ele sabia que era ela. — Fala sério. — Fala sério? 51 . — Um rumor. Ele encolheu um ombro. — Recebi o seu presente esta manhã. — E como Jonah está? — Eu não vim para conversa fiada. Seus olhos se animaram. eu quero que você saiba.Ele saiu com passos rápidos e eficientes. — Meu pai. — Estava lutando com suas emoções? — Eu estava ocupada. Eu tenho um emprego. Trinity balançou a cabeça enquanto ele fechava a porta. — Colocou o copo para baixo e se recostou na cadeira. Estava abaixo o suficiente no céu de forma que não podia fazer-lhe qualquer dano.

Bem. Mas Basil tinha a certeza de seu pai pagou por prendê-la. — O quê? Como? Ele encolheu os ombros e ergueu a taça mais uma vez. Rajana. há séculos atrás. — Não brinque comigo. — Cinco? Quatro já foram tomadas. — Demasiada coincidência para mim. Você pode usá-lo para ressuscitar seu pai. Basil foi à única criança que tinham gerado. para aprisioná-lo. Como o rapto dessas meninas tem haver com ele? — Há um pergaminho. — Ele não está comigo e não o quero solto por ai. que conta a história de um feitiço de ressurreição com cinco mulheres virgens. — Sim. — Sim de fato elas foram levadas por esse motivo. — Ele tomou um gole. foi o primeiro vampiro do sexo masculino a ser criado. Há outra razão pela qual você veio me ver? — Você está fugindo da questão. — Ok. Mas o que isso tem a ver com as meninas desaparecidas? — Eu não sei o que ele faz. um boato. — Por que eu teria? — Parece apropriado para você tê-lo. — Você respondeu muito rápido. Onde está esse pergaminho? — Ele desapareceu nos últimos tempos. correndo através de seu cabelo. — Você o tem? — Não. A profecia se você quiser. certamente. tocando com os dedos. 52 .Seu pai. — Levantou-se agora. como sua companheira. — escondido por séculos. antes que seu pai tivesse abandonado a rainha com seu filho. vendo a noite chegar. Ele tinha sido escolhido pela rainha. — E você decidiu prestar atenção sobre ele. imaginando-as acariciando suas costas. Tentar dominar o mundo foi o principal motivo da sua decisão. me fale sobre isso? Ele teve sua atenção agora. Basil. tomando suas mãos. — Como eu disse. trair sua mãe foi apenas uma das razões. visto que foi aprisionado no Reino da Escuridão. é um boato que ouvi casualmente. mas estou curioso. qual é boato. — Como eu disse. — Você se lembra de todas as noites que nós nos sentamos aqui. fazer amor sob as estrelas? — Me dê Basil. — Eu ouvi boatos de uma ressurreição. o rei Avadur. Basil. aprisionando-a no Reino Místico. — disse ele após um momento. Sua sobrancelha se levantou. para deixar a taça de vinho sobre a mesa. Seus olhos se estreitaram. — Dar o quê? — Disse inocentemente.

então. ou eu vou abrir a porta. ele voltasse. correu para a escuridão iminente. Hitler. em seguida. para ser tratadas pelos místicos das Trevas. — Passe sob a porta. Ele sacrificou criaturas inocentes. Se ele pudesse mudar as coisas e tivesse permanecido fiel a ela. um pouco. *** Dante estava sentado atrás de sua mesa. Ela estava tão carente. — Levantou-se e finalmente conseguiu soltar suas mãos. Ok. tinha sido a gota d'água. Ao vê-lo criar um dos homens mais horrível do mundo. Talvez ele estivesse de mau humor. Basil estava determinado a impedir que. Abra. Que droga. E agora parecia que ele estava encontrando o seu caminho de volta. se ele queria se trancar dentro. forte. mas tudo bem. Ela era corajosa. mas não os seres humanos. — Ela tentou tirar as mãos deles. mas ele conseguiu. coisa que ele não era. Mas ela tinha que ser tão contundente sobre isso? — O quê é? — Eu tenho um arquivo para você olhar. Fechando os olhos. Talvez estivesse se escondendo. também. Ela tinha o tipo de corpo que fazia um homem se sentar e pedir. ele tinha trabalho a fazer. — Isso não vai acontecer. ele se levantou. 53 . Mas até ele soubesse quem estava tentando ressuscitar seu pai. — Eu não vou. você sabe.. então ele queria algo com ela. Basil agarrou seu copo de vinho e bebeu o restante. Ela o fez se sentir tão baixo. Eles viveram felizes por muitos anos. Como ela era inocente. tão dócil. ele estaria muito feliz. Levou anos para encontrar o ritual certo e mais tempo para esperar o momento certo. Foi ao seu escritório. Um eclipse total do sol. Até que. Além disso. As mulheres. tão sozinha e ele tinha dado a ela tudo que ela precisava. Você me magoou Basil e eu não vou consentir qualquer momento com você. Ele não poderia ter seu pai assumindo o controle da raça humana do jeito que ele tinha planejado.— Tentando me ter de volta. e fazê-los de alimentos para os vampiros. Dante. de qualquer forma. resmungando. e usá-lo para escravizar os seres humanos. como Trinity antes. ela estaria melhor sem ele. Basil lembrou da primeira vez que ele a levou para sua cama. pisou em cima de uma pilha de arquivos no chão e abriu a porta.. E mandou seu pai longe. que era a sua escolha. Eu tenho uma chave. braços cruzados sobre o peito. quem poderia entendê-las? Ele nunca conheceu uma mulher. tão ingênua. honesta e malditamente sexy para arrancar pedaços. Tinha sido uma tarefa bastante difícil banir o seu pai para o reino das trevas.

Estou tentando encontrar os bastardos que o levou. — Você esta virando um acumulador. Ele se foi e não há nada que você possa fazer para trazê-lo de volta. enquanto se inclinou em sua direção. não a morte e eu não vou ficar parado até eu descobrir quem é. Lexi. Ele se levantou e caminhou até a porta. Eu acredito que alguém envolvido em magia negra é responsável pelo desaparecimento de Danny. então se alguém estivesse sequestrando jovens. É mais. *** A conversa com Basil continuou a trabalhar dentro da mente de Trinity até mesmo horas depois que ela o tinha deixado. não venha com isso. — Eventualmente. mas ela foi mais rápida. — Ela deu um passo por ele. — Dante. Dante. irei. Você precisa deixá-lo ir. Dante. Danny está morto. Seus olhos se encontraram e a pena que ele viu o deixou doente.— Obrigado. Ele bateu a porta em seu protesto. batendo as mãos sobre a mesa. — Ele não queria entrar no assunto. — Eu não penso assim. — Nunca! — Ele agarrou-a. meninas virgens para usar como um sacrifício. 54 . Passando por cima dos arquivos. —Por que diabos você está olhando para o ocultismo? — Eu estava pensando em praticá-lo. mandando a cadeira de rolamento para trás rapidamente que bateu na janela de trás. — Oh. É hora de você entender isso. — Ele tentou agarrar a pasta e fechou a porta. o que se passa? — Nada. — Já se passou 20 anos. — Faça como quiser. — Oh não. eu estou procurando. eu vou caçar o bastardo que o levou. — disse irritada. — Você esteve mal-humorado o dia todo. Se o que ele pensava fosse verdade. Como você está de bom humor eu poderia torná-lo pior. — Eu não estou tentando trazê-lo de volta. — Você tem que parar com isso. — Eu não estou investigando. Dante. — Enquanto eu tiver fôlego nos meus pulmões. Lexi. Precisamos conversar. — ele comentou casualmente enquanto olhava para o material. Morto não fala. — Eu pensei que você ia se livrar de todos estes arquivos. Lexi sacudiu a cabeça enquanto olhava para baixo na pilha de arquivos lixo no chão. Que diabos esta acontecendo? — Eu não tenho nenhum problema. — Ele olhou de volta para sua mesa. mas ele estava aborrecido com a sua irmã que estava importunando-lhe a vida. — E você acha que vai encontrá-lo por se aprofundar nas áreas de magia negra? Vamos lá. Dante empurrou sua mesa abruptamente.

— Eu estava andando. Ela podia sentir a tensão saindo dele como fumaça e sentiu semelhante a suas emoções. sem lojas. Um rubi lindo de duas camadas com diamantes ao longo da borda. E você? Ela encolheu os ombros. mantendo um olhar atento para qualquer sinal de atividade. Sua cabeça virou até que viu Dante em pé diante dela. jogou o anel em seu rosto e saiu. Porra. lá estavam eles. — O que não era uma completa mentira. — Ele sorriu e seus dentes brancos brilharam... Ela não queria pensar sobre seus sentimentos por Basil. — Não há clubes aqui. olhando para dentro da noite escura. 55 . Quem iria querer ressuscitar o rei dos vampiros e com que finalidade? Os vampiros tinha se virado muito bem sem ele. E ela não iria voltar para ele agora. — Olha. aprontando com ela novamente. — Vem sempre aqui? — Ela inclinou a cabeça e ele levantou as mãos para a rua escura à sua frente. No entanto. ela correu para tomar um banho antes de voltar ao trabalho. apesar da dor em seu coração. não precisamos falar. Ela não havia retornado desde então. — Hey. de passar o dia inteiro trabalhando com Jonah em um vírus particularmente teimoso que havia assumido um computador em empresas locais. se ele prometesse ser fiel. com outra mulher em sua cama. Além disso. eu vou deixar você saber. Desde que ela saiu da vida de Basil. hum. — Eu gosto de manter a forma. em seguida. voltaria para ele? Num piscar de olhos. até que a exaustão os dominou. Será que ela.. No entanto. mas ele a machucou e por causa disso ela se mantinha longe dele. Que razão haveria para trazê-lo de volta? Ele ia deixá-la sair com facilidade. — Sobre isso. — Fancy disse que podia encontrá-la aqui. Ela o amava. ela não queria pensar nisso. Trinity chutou uma pedra em seu caminho. razão para ninguém estar aqui à meia-noite. Ele prometeu eterno amor a ela e lhe deu um anel. decidi dar um passeio. — Nada de novo sobre o que conversamos. não é? Ela encolheu os ombros. se eu tiver alguma coisa que eu acho que poderia ajudar o seu caso. — Recebeu uma ligação? — Nada de concreto. Dois dias depois. Ela teve um ataque. E encontrou Basil. tinha esperado que ele recobrasse o juízo. além da razão. a lembrança de estar transando com aquela mulher era uma dor que não conseguia superar. Suspirando. — Um pouco longe de seu lugar. Neste dia eles fizeram amor por horas. O que você está fazendo aqui? — Eu? Eu..Mas se não fosse Basil.

a necessidade sexual que emanava em ondas. Parecia sempre trazer pessoas malucas. os dois pistoleiros voltaram suas armas para ela. Na sombra. ela precisava matar alguém. quando eles queriam? — Negócios. E quando a mão livre deslizou em volta da cintura para descansar em suas costas. mais irritada do que antes. Ela sentiu o calor dele sobre ela. —Ah.— O que eu tenho em mente não envolve falar. Ele tinha uma máscara preta no rosto e usava uma camisa preta e calças. — disse ela com um dedo apontado. ela abriu a porta e entrou na loja. — Isso não vai acontecer novamente. O garoto mais próximo a porta se contorceu e a arma disparou. nada mais. Foi o suficiente para mandá-la para trás. Ele também usava tudo preto. Havia apenas dois deles. tinha acabado de começar. foda-se. ok. Foda-se! —Que diabos você pensa que está fazendo? —Eu me assustei. batendo na porta por onde tinha entrado. Dante. No som da campainha. mas ela podia ver a cauda loira do seu cabelo pendurado debaixo de sua máscara. O que tinha os homens. pegando no ombro direito de Trinity. de repente? Talvez tivesse algo a ver com o eclipse solar chegando. 56 . mas seu corpo parecia jovem. Foda-se! —Ela está morta? —Eu não sei. sabendo muito bem o que era que ele queria. Trinity achou que ele estava tão nervoso como um gato em uma sala cheia de bulldogs. Que diabos estava acontecendo com as pessoas. ela observava através das janelas. pensando que poderia levar o que queriam. Agarrando seu ombro ferido. Uma loja de conveniência estava sendo roubada e do que ela poderia dizer. — Alertou-o. ela o empurrou. Porra. Trinity caminhou para a loja muito iluminada. O outro menino estava segurando uma arma e apontando para dois senhores apavorados. Trinity achou que ele tivesse a mesma idade que seu parceiro. viu de onde ela estava vindo. Dante. Ela não precisava de mais complicações em sua vida agora. Sentindo que não estava caminhando para um final feliz. Ele pegou completamente de surpresa quando a agarrou pelo braço e puxou a boca contra a dele. — Olha. Ambas as armas estavam carregadas e prontas para atirar. ela ouviu os dois pistoleiros argumentando. *** Uma comoção lhe chamou a atenção e quando ela olhou ao redor. Ela se afastou. O rapaz que segurava a arma sobre o homem por trás da caixa registradora talvez tivesse dezoito anos.

sua cabeça batendo no linóleo. rolando com o menino. 57 . ela atravessou as portas de saída que levaram ao beco e fugiu para dentro da escuridão. Ela mergulhou. pegando-lhe nas pernas e levando-o para baixo. fazendo-o gritar. A última coisa que ela precisava era a polícia. Ele disparou contra ela. carregando o menino que tinha atirado nela. pulou para ir atrás de outro cara. Este foi mais resistente do que o seu parceiro e tentou lutar. Mas isso teria que esperar. Usando o cotovelo. Meio atordoada Trinity percebeu que todos os olhos estavam sobre ela antes dela arrancar para trás. ele caiu no chão. mas a bala doía. em seguida. A arma saiu voando atrás deles. A dor abalou seu ombro enquanto ela foi para o chão. Levou tudo ao seu alcance para não deixar sua superfície demoníaca. A fissura do osso foi para fora.Ela não estava morta. Ela tinha de lidar com o verme que tinha atirado nela primeiro. o sangue espirrou para fora quando ela bateu-lhe mais uma vez. Com agilidade e velocidade de vampiro. ela deixou-o inconsciente. Era como fogo no ombro dela e ela sabia que no instante em que a bala fosse retirada iria doer mais ainda. ela atacou. sangue escoando por entre os dedos. enquanto eles lutavam no chão. Ela ouviu as sirenes da polícia no fundo e levantando o punho. bateu no nariz dele. Segurando seu ombro. derrubando a arma da sua mão enquanto ela o levou para baixo. Inconsciente.

Mordeu com força. onde diabos estava a bala? Quando ela achou a bala. estava se sentindo incrivelmente fraca e exausta. Ela pegou a toalha na prateleira e respirou fundo. — Até agora tudo bem. toda suada e sangrando. As alegrias de ser um vampiro. — Puta que pariu.Capítulo Oito Quando Trinity entrou em seu apartamento. Ascendendo a luz. — Ela não estava muito certa quanta dor ela ainda poderia suportar. — Basil. — Oh merda. Achou a pinça ensanguentada na pia. ela procurou a pinça na gaveta. — O que você aprontou agora? — Cale a boca e retire a bala. Oh não. Suas pernas tremiam e ela caiu no chão. mas para ela parecia horas quando Basil finalmente apareceu. tentando não "apagar”. eu gostava dessa camisa. Ela parecia vinda do inferno. Ela sabia que não tinha ido até o fim. Ela rasgou-a sobre a cabeça. levantou-a. o som de carne esguichou enquanto ela começou apertar a bala. Fechando os olhos. Puxando a pinça do buraco. — Ela inseriu a pinça no buraco. deixou escapar um elogio fraco. Descansou a cabeça contra a parede e esperou. Se ela deixasse a bala embutida em sua pele. os olhos escuros. mas tinha que fazer. Agora foi. Tinha sido apenas alguns segundos. — Não conseguiu tirá-la. Porra ela estava presa num osso. eu preciso de você. Havia apenas uma pessoa que poderia ajudá-la agora. enquanto a dor queimava em seu braço. contou até cinco e começou a mexer a pinça sob a pele. e caramba. em seguida. ela odiava chamá-lo. teve um vislumbre de si mesma no espelho. seus dentes rangeram. Jogando a camisa ao lado. seu ombro inflamaria e começaria a apodrecer. Rangendo os dentes. ela deixou cair na pia e pendurou a cabeça. Então. mas ela apodreceria coisa que ela não queria que acontecesse. Essa tinha sido a parte fácil. ela pegou um pouco de água quente para esterilizar. Você não consegue disfarçar a podridão da carne com perfume. — ela falou em voz alta. ela percebeu que não seria capaz de fazer isso sozinha. Seu ombro sentia-se como estivesse queimando e ela se amaldiçoou violentamente enquanto se dirigia ao banheiro. Depois de encontrá-la. 58 . ou o ferimento estaria curado por agora. encolhendo-se quando a dor atacou seu ombro. Ele deu uma olhada em seu braço e sacudiu a cabeça. ligou a água quente. Ela odiava fazer isso. caralho. — Ela amaldiçoou novamente. ela procurou a bala com a pinça. Ela não ia ter infecções como um humano. sabendo que ele iria ouvi-la.

— Acabe logo com isso. Ele pegou o braço dela na mão. — Claro. ela poderia insistir que não tinha dormido com um homem. — Eu posso lidar com isso. — Vamos lembrar porque você está aqui. — Ela agarrou a cremalheira de toalha e segurou. ele sentou-se no chão. — Você quer algo para morder enquanto eu faço isso? — Ele perguntou enquanto se ajoelhava na frente dela. Não minta para mim. — Eu não estava com ninguém. Basil. honestamente. — Com um ser humano? — Ele a cheirou. ele começou. ajeitando-a para que pudesse obter um melhor ângulo e depois levantou a pinça. e ela tentou respirar profundamente. Ainda irritado. Ela abriu os olhos e ficou surpresa e viu o quão próximo ele realmente estava. irritado agora. — Jesus. seu cheiro. mas por um lado. depois continuou. depois fez uma careta. Eu poderia derramar sobre você uma bebida forte. 59 . abrindo os olhos. Venha. viu o olhar no dele. se inclinou e cheirou-a. Basil. — disse ele com nojo. — Você se importa? Ele se levantou. Basil. — Oh. — Foi ele que atirou em você? Ela sibilou enquanto ele inseriu a pinça para dentro do buraco no braço.— Está encaixado no osso. Vê-lo sofrendo por uma vez. estou com dor aqui. do ombro até os pés. e dois. ela gostava de fazê-lo pensar que ela tinha dormido com outro homem. Acabe logo com isso. — Tanto faz. — Ela cutucou a cabeça em direção do braço. — Quanto mais cedo melhor. estava com dor. Ele respirou fundo. — Este não é o momento de bravura. — Você pode querer agarrar a algo. Ele cheirou o ar. — Você esteve com outro homem. — Sinto o cheiro dele em você. — Não. tomando-lhe o braço e levantando a pinça. — Abriu a pinça um pouco mais dentro de seu braço e ela quase mordeu a língua. pelo amor de Deus. — Com um ser humano. Sua colônia. podemos deixar as vinte perguntas para depois de você retirar a bala maldita do meu braço? — A pinça atingiu a ponta da bala. Basil. — ela insistiu e. mas a dor do ombro atingiu de forma que toda a parte do seu corpo estava dolorida. — Um estranho então? — Ele perguntou enquanto sondou-lhe o braço. — Isso vai doer pra caramba. — Acabe logo com isso.

Era da polícia? — Não. 60 . Ele jogou a bala na lixeira. — Você tem alguma idéia de como vê-la assim está me dilacerando? — Foi só uma bala. — Eu aprecio sua ajuda. lembra? Deixando-o sozinho no banheiro.Sentiu a pinça no osso. — Eu sei o que fazer. — Você deve lavar o local com água morna e sabão. — Ela o deixou ajudá-la a se levantar — Obrigada. Nós acabamos. ela foi para seu armário de bebidas e pegou uma garrafa de uísque na prateleira de cima. suavemente. Você pode pelo menos me dizer como você conseguiu receber um tiro no braço? — Eu parei um assalto à mão armada em andamento. mas estou meio cansada agora e gostaria de dormir. com certeza. — Merda! Merda! Merda! — Você gostaria de mantê-la. — Quase. — Porra! — Ela amaldiçoou quando o fogo irrompeu na ferida. para prestar atenção no que ele dizia. derramou uma boa dose no braço. — Seus olhos brevemente se dirigiram aos seus seios. foi de uma criança nervosa que achava que ele estava preparado para a tarefa de roubo. Ela ainda estava irritada. Ela estava com muita dor. mas o álcool esteriliza melhor que a água quente. minha vida não está ameaçada. —Foda-se! — Ela amaldiçoou enquanto a bala saia do osso um pouco mais. Ela bateu no toalheiro com a força de seu aperto enquanto a bala escorregou de seu braço. — Não! Preciso de uma bebida. — E recebeu um tiro no braço durante o processo. — Deixe para lá. Trinity? Ele só não tinha deixado para lá e ela percebeu a mágoa em sua voz. Se eu dormi com alguém. Sua sobrancelha levantou e um sorriso leve ondulou sobre seus lábios. Ela abriu a garrafa e tomou um gole longo. O ar ao seu redor começou a faltar. como uma lembrança? — Ele segurou a bala com sangue. aquilo fez doer seu coração. — Um chuveiro quente teria funcionado. — Ela pegou a garrafa de volta. não é da sua conta. — ele falou enquanto retirava a bala para fora do osso. estendeu a mão para ela. Ela olhou para baixo. em seguida. — prometeu ele. — De nada. E ela ia usar o analgésico que estava procurando também. — Eu não estava falando sobre a bala. — A sensação de queimação ainda estava lá. — Não que você não foi o suficiente para mim Trinity. — Um banho quente teria sido muito menos doloroso. enquanto ele puxava a bala. Como ela poderia ter sido tão estúpida? Balançando a cabeça. antes dele sorrir para ela e desaparecer. tomou a garrafa e foi para sua cama rastejando por baixo dos panos e ficou por lá. embora não fosse tão ruim quanto antes. viu sua nudez e amaldiçoou. Você teve relações sexuais com um humano. em seguida.

***
Eles já possuíam os cinco sacrifícios. Agora tudo o que restava a fazer
era esperar.
Chaos ficou na frente da janela de vidro da porta, admirando a nova
virgem que tinha sido trazido para ele. Cinco virgens, cinco sacrifícios, tudo
para seu rei. Agora, eles teriam que esperar. Uma semana, para que o ritual
pudesse acontecer.
Virando o punho, ele abriu a porta e entrou. Ele precisava vê-las de
perto, tocar, sentir a sua pureza.
Havia três loiras, uma ruiva e uma morena.
Seria bom ter o rei de volta. Ele perdeu seu criador estimado. Tendo sido
o primeiro assassinato do filho único do rei. Chaos havia sido trazido para a
família e congratulou-se por ser aceito como um segundo filho. Ele nunca
pensou em Basil como seu mestre, simplesmente porque tinha sido o rei que
o ensinou a matar, como criar um outro ser. Ele daria sua vida para o rei e
era o rei que ele chamava de seu criador.
Até que o rei tinha sido levado embora.
Chaos ainda sentia a dor de perder seu pai, visto que ele foi previamente
banido do reino. E ele ainda estava ressentindo com Basil que tinha tomado
a posse como rei reinante. Um rei, sem reino. Ele não tinha nenhum reino,
apenas uns devotos inúteis que não havia o abandonado para pertencer à
equipe de Chaos.
Pelo menos ele ficava confortável com essa situação. Além do que em
breve o reino teria seu verdadeiro rei, mais uma vez.
Ele estendeu a mão para tocar a sedosidade dos cabelos macios da ruiva
e no instante em que ele fez, ele ficou chocado.
Furioso, ele se virou para tocar outras fêmeas. Quando ele não recebeu o
choque, ele se voltou para a mais nova. Tomando o rosto nas mãos, sentiu a
droga em seu sistema e as impurezas que estava dentro dela. Saiu
abruptamente do quarto, derrubando tudo em seu rastro.
— Magnus, — gritou em voz alta enquanto corria pelos corredores. —
Magnus, — ele gritou mais alto.
— Sim, meu senhor? — Magnus apareceu diante do Chaos, olhando
atordoado e sonolento.
— A mais recente não é virgem.
Inclinando a cabeça, Magnus comentou lentamente.
— Ela não é?
— Não. Quem trouxe dentro?
— Thaddeus.
— Peguem-no. Agora! — Magnus correu enquanto Chaos caminhava
pelos corredores. Seu povo sabia o que procurar e sabiam o que levar.
Como aquela menina não era virgem? Isso não podia estar acontecendo.
Eles tiveram todo o cuidado para achar e o tempo estava diminuindo.

61

— Sim, senhor? — Thaddeus perguntou com uma voz grogue enquanto
entrava no quarto. Ele era um rapaz de cabelo castanho claro de pele clara.
Chaos voltou-se para o jovem, apertando os olhos.
— Foi você que trouxe a mais recente oferenda?
— Sim, senhor. Esta noite. — Foi saindo dele ondas de calor.
— E como você a encontrou?
— Eu a peguei em seu quarto.
— Isso foi antes ou depois que você transasse com ela? — O olhar de
choque total no rosto do menino não agradou Chaos. — Seu imbecil!Ele deu
um tapa na cara de Thaddeus. — Você sabe o que você fez?
— Eu não consegui me controlar, senhor. Ela estava tão linda, tão...
Saborosa. — Ele lambeu os lábios como um idiota.
Em um flash, Chaos foi até dele, pressionando-o contra a parede, a mão
apertando a garganta do garoto.
— E por causa de sua insolência, vamos ter que procurar outra. —
Liberou o menino assustado e se virou para Magnus. — Castrem-no.
— O quê? Não! — O menino engasgou enquanto Magnus o agarrava.
— E, Magnus, — disse ele enquanto se afastava. — Verifique se a lâmina
está afiada. Isso irá ensinar ao menino a não brincar com o que não é dele.
***
Tinha sido uma noite difícil para Trinity. Toda vez que ela se mexia,
lembrava da bala que estava em seu braço. Era uma coisa boa que ela não
tinha necessidade de sono regular, como os seres humanos tinham, mas
ainda assim, algumas horas de paz seriam boas. A água quente do chuveiro
soltou um pouco da rigidez, mas a dor ainda estava lá quando ela puxou a
camisa sobre a cabeça.
Ela escovou os cabelos para trás, em seguida, amarrou-os em um rabo
de cavalo que pendia ao longo das costas. Abrindo a geladeira, ela pegou o
frasco de sangue e o derramou até encher o copo. Ela precisava reabastecer
depois da noite que ela teve. Com um pouco de canela, ela colocou no
microondas e ele aqueceu durante vinte segundos. Apenas o suficiente para
tirar o frio. Ela preferia o seu sangue quente, não gelado.
Pegando o copo, ela se dirigiu a seu escritório. Iniciando o computador, a
tela de iniciação engraçada, não a fez sorrir. Cara, ela estava se sentindo
mal.
—Mostre-me as manchetes de hoje, — ela instruiu o computador
enquanto ela tomava um gole do seu copo. Enquanto as manchetes
apareciam, ela revirou o ombro dolorido. Mesmo com suas habilidades de
cura, ela sabia que ia demorar dias antes que seu ombro voltasse ao normal.
— Pare computador, — ela ordenou e se inclinou mais perto da tela.
Lá em baixo do jornal, mais uma vez uma pequena tarja. Que jornal
desgraçado que destacava notícias de novas construções de estrada, a vida
humanas.
62

O corpo da jovem de 17 anos, Candace Smart foi encontrado cedo esta
manhã em um beco fora na Avenida. Ela estava desaparecida, há poucas
horas. Seu corpo foi encontrado pelos coletores de lixo e a polícia foi
chamada imediatamente. A polícia não disse muito, só que a sua morte não
tinha ligação com os outros desaparecimentos.
Trinity bufou.
— Bastardos. — Ela disse enquanto se levantava de sua cadeira, furiosa
consigo mesma por não ser capaz de salvar uma vida. Ela precisava de
Jonah para invadir o banco de dados da polícia e obter mais informações.
***
— Ótimo, você ainda parece mal humorado, — disse Lexi, tomando um
assento através de seu irmão atrás de sua mesa.
—Você viu isso? — Ele segurou o papel, apontando para a pequena
noticia da última menina que tinha desaparecido, ignorando o comentário
da irmã.
Ela olhou a noticia, em seguida, assentiu.
— Foi à notícia desta manhã. Tão triste.
— Você sabe quantos desses casos, há a cada ano? Vítimas com a
garganta rasgada e o sangue drenado do seu corpo. — Colocou o papel para
baixo, ignorando o rosnado da irmã.
— Eu não gosto de como você está ficando obcecado novamente, Dante.
Você está me assustando.
Seus olhos se encontraram e ele podia ver a tristeza em si.
— Eu não sou obcecado, estou apenas fazendo meu trabalho.
— É e às vezes eles se entrelaçam. — Ela estendeu a mão e pegou a mão
dele. — Por favor, deixe-o ir.
— Eu não posso, Lexi. Não até eu descobrir quem foi responsável.
— O que faz você pensar que a pessoa ainda está aí? A polícia não tinha
pistas e o caso foi encerrado anos atrás.
Ele puxou a mão e apontou para o papel.
— Devido a isso. Foram cerca de vinte casos, só este ano, de vítimas com
suas gargantas rasgadas e o sangue drenado. E estamos apenas em Abril,
Lexi. Isso não é trabalho de um ser humano, — ele esperou Lexi dizer
alguma coisa.
— Oh, Jesus, Dante.
— Isso é exatamente o que aconteceu com Danny.
— Dante, não.
— Ninguém acreditou em mim então, mas eu sei o que vi. Um monstro o
levou e rasgou-lhe a garganta e beberam seu sangue antes de arrastá-lo.
— Pare com isso! Isso é ridículo.
— Esse é o problema, Lexi, todos são como você. Negam... Há coisas,
neste mundo, que não são normais, não são humanas.
— Ficção. — Ela retrucou.
63

aplaudindo. Vou passar a maior parte do dia fora. — Trabalhou com seus dedos sobre o teclado. soltou um grito quando o computador pegou a transmissão. — Merda. Trin. pegue tudo sobre a menina que foi encontrada nesta manhã e as quatro outras meninas que estão desaparecidos. — Por que temos que passar por isso toda vez que lhe peço um favor? — Porque é divertido. — Ele estremeceu. você sabe. — Ele se levantou e dobrou o papel. Ok. — Ele se virou para o computador. — Puxando uma cadeira ao lado dele.. digitando em seu pedido. Por favor. doente. irmã? — Acenou para ela enquanto partia. e. — Estou dentro. Entendeu. colocou a mão no ombro de Jonah. — Levantou os braços no ar. — Por favor.. 64 . — Eu tenho algumas pistas para checar. Trinity revirou os olhos. Dante gostaria que sua irmã não se preocupasse tanto.— Verdade. — Eu não sou um robô. em seguida. ligar o computador e procurar a informação que você quer? Isso é ilegal. esbarrou em seu ombro dolorido. Quer tirar a minha temperatura? — Ele piscou para ela e balançou as sobrancelhas. — Um palpite. movia-se de forma eficiente. — Você realmente precisa de ajuda. — Por que o fascínio? — Elas são inocentes. E se eu for pego? — Já acabou? — Outra coisa. — Não é bom o suficiente. Ele olhou para ela por alguns instantes. e ao fazer isso. mas vou deixar o celular ligado se precisar de mim. anos atrás. eu consegui! Ei eu sou bom. Ele realmente era um gênio com a coisa. *** — Você acha que pode simplesmente estalar os dedos e eu vou fazer o que quiser? Você acha que eu posso simplesmente apertar um botão. eu gosto de ver você se contorcendo. o homem. — Jonah falou. e obrigado seria muito bom. — Dante. eu sou um doente. hein? Sim. Ele sorriu e esperou que ficasse a vontade. não faça nada estúpido. — Eu tenho um palpite de que há mais nisso do que apenas algumas garotas desaparecidas... Trinity observou como seus dedos voavam sobre o teclado com rapidez. ele balançou eles. vamos colocar esse bebê para trabalhar e ver o que consigo. posso realmente sentir isso. — Claro. — Você deveria ter me dito isso. — Sim. — Me dê um segundo para encontrar as pastas. eu não tenho nada contra enfiar um termômetro no cu de uma pessoa e deixá-lo lá durante um longo tempo. — Bom. — Ele parou e virou para ela. quando eu abri este negócio.

eu teria chamado você. — Ele enviou o arquivo para seu computador. em código. — O quê? — Ele girou em sua cadeira. — Um tempo atrás eu era. agora não. — Quer me matar enquanto você está aplaudindo? — O que aconteceu com seu braço? — Eu levei um tiro na noite passada. ele foi embora depois que retirou a bala do meu braço. — Será que ele passou a noite com você? — Não. — Basil removeu a bala e eu estou muito bem agora. — Estou dentro. papai. tirou a bala de seu braço? — Sim. — Ela deixou o escritório. — Eu sabia. — Basil? Ela conhecia aquele olhar. agarrando o braço dela para olhar.— Merda! — Ela estremeceu. Desculpeme por estar um pouco enjoado. Eu fui uma boa menina. —Ela bufou. Por que você levaria um tiro? — Preocupe-se em salvar os arquivos. agarrando-lhe no ombro. Foi trabalho de um vampiro. — Ela se inclinou para ler o conteúdo. — Alguém tinha te cortado e deixado suas entranhas abertas. eles sabiam dos vampiros enlouquecidos na cidade. Jonah? — Ela perguntou enquanto ele estava fazendo as coisas. —Você pode salvar isso para o meu computador? — Claro. — Ela deu um tapinha no monitor do computador. Eu não dormi com o homem mau. — Você vai me dizer por que tudo isso é tão fascinante para você? — Você é virgem. 65 . Ela puxou-o. — Ele virou o monitor de frente para ela. relatando nos seus arquivos. — E o desgraçado não tinha se curado com rapidez suficiente. Mesmo que a polícia não anunciasse ao público. Jonah trabalhou os dedos sobre o teclado em um movimento rápido e fluido. por isso não podia ser rastreada. — Bem. enquanto lia o conteúdo do arquivo no monitor. Deixe-me ver os arquivos sobre as meninas desaparecidas. mas me lembrei da última vez que viu uma das minhas feridas. Jonah olhou para ela com desaprovação olhos. — Isso foi tudo que ele fez. — Então você não tem nada para se preocupar. Vou pegar os arquivos depois. Você ficou chocado com um bebê. abrindo o próximo arquivo. a caminho de sua suíte.

de modo que o príncipe não receberá nenhuma resposta. — Cinco virgens mortas no dia do eclipse solar. — Sim. Ele tinha sido forçado a criar. — Eu vim em busca de respostas para a profecia que indica o retorno de Avadur. eu sei. o sangue de uma não era puro. E como o tempo. — Eu venho em pedido de respostas. A estátua desapareceu de sua palma. Basil respirou fundo. — Eu tenho uma oferta. A voz ecoou na sala de neblina. — Tente mais duro. mas. ele puxou a sua mãe. Resolva essa situação meu filho. de um ritual para ressuscitá-lo. 66 . e Basil esperava que fosse suficiente para conseguir o que ele queria. —A oferta é digna. — É raro. Outra será raptada hoje à noite. Ele tinha um coração bondoso. — a voz respondeu para ele. — a voz suave feminina cantava para ele. — O ídolo Perpétuo da Sabedoria. gostava de estar vivo e ele sabia se seu pai fosse trazido de volta. Ele gostava de sua vida. uma estátua de ouro que estava na palma de sua da mão. — Eu tenho tentado. Sua vida com seu pai depois que ele foi tirado de sua mãe não tinha sido fácil. — Impedir os sacrifícios. em menos de uma semana. ele vem perguntando sobre seu pai. meu filho.. então outra será raptada. — O príncipe chega sem nenhuma oferta. Você não pode deixar seu pai voltar. esperando para ser ouvido. Passando a mão sobre o rosto. começando com a criação de Chaos e muitos outros depois. no momento em que a lua for aprisionada. a vida como ele conhecia iria acabar. — O rei está preso como estava antes e vai ficar lá até o sol se for. antes disso. — Eu sei disso. Apesar de Basil ser filho de uma das criaturas mais hediondas que o homem já conheceu. O que posso fazer para parar isso? — Basil estava disposto a fazer qualquer coisa para impedir que seu pai retornasse ao trono. Basil estava na sala de neblina branca. — O eclipse solar é.Capítulo Nove Fazia muito tempo desde a última vez que ele entrou no reino místico. — Ele segurou em sua mão uma oferta. Basil não acreditava em levar uma vida sem razão e se absteve de matar inocentes depois que ele conseguiu se livrar de seu pai décadas anteriores. É verdade? — Cinco já foram aprisionadas. por tê-la traído e ele o queria preso para salvar a raça humana. Ele sabia que sua mãe queria Avadur preso.. mas eu ouvi rumores da sua ressurreição.

— Porque você está aqui? Você está me seguindo. havia momentos que sentia a falta do sol. na região onde a bala tinha entrado ainda estava um pouco dolorido. porque ela tinha se transformado em um vampiro. ela não iria se desintegrar se a atingisse. Embora fosse um dia da semana. ele sabia que ela nasceu para ser dele. *** A escuridão era reconfortante. Eu estava apenas à espreita. Não era uma sensação agradável ou uma visão agradável. — ela sussurrou para Basil enquanto ele saiu das sombras. Trinity. Que tipo de mundo era quando uma criança não estava segura em sua própria cama? Como ela podia supostamente protegê-las se estavam sendo perseguidas dentro de sua casa aconchegante. Ela sempre seria sua. O relatório da polícia disse que a jovem encontrada morta foi retirada da segurança de seu próprio quarto. ele tinha que parar o ritual. — Eu não vou falhar com você. se ela ficasse muito tempo na luz do sol. Não. E lá estava ele. que sentiu na semana passada estava de volta. Por que alguém iria querer ressuscitar o rei? Qual o objetivo de trazê-lo? Aquela coceira maldita. o sol era um inimigo. Ela não pôde deixar de notar que ele tinha comprado um casaco novo e que se encaixa perfeitamente ao seu corpo alto e magro. vá encontrá-la em outro lugar. principalmente para uma criatura da noite. — Se você está procurando uma vadia para transar. mas seria queimada e sua carne ia cozinhar. de novo? — Eu não estou te seguindo. — Eu deveria saber que você estaria por aqui. mas quando a conheceu. ela se virou. Ela saberia se uma seria sequestrada hoje à noite? Não. Mas agora. o momento perfeito para um vampiro estar à espreita. Ele parecia um homem à espreita. Porém. Era apenas após uma hora da manhã. Entretanto. Ajeitou os ombros. Do jeito que cintilava na água criando um efeito cintilante que parecia pequenos diamantes. Ela desejou saber mais sobre essa profecia dita. mãe. Seu cabelo escuro estava penteado para trás. Mas ela não estava prestes a desistir. 67 . havia algumas jovens na rua. E logo que ele estivesse certo que seu pai estava bem trancado para o bem. sua pele. Que mulher não gostaria dele? Ela certamente ainda gostava. ele iria explicar tudo a Trinity.Trinity foi o começo. confortável e segura? Pelo menos ela tinha que tentar. acentuando o seu rosto suave. Ele não podia. do jeito que ele aquecia seu rosto.

mas porra. — E o quê? — O que ela te disse? — Onde ele estava indo? — Você vai parar um minuto. — Acredite que você gosta. pelo amor de Cristo. — Basil. Trinity. Basil e me diga o que você ouviu? Ele parou. mas ela sabia o suficiente para que se tivesse falado com ela agora. Ela congelou por um breve segundo. Ele era um bobo quando não conseguiu o que queria. então se virou para ele com interesse absoluto. — Você está se encontrando agora com homens. ela estava sofrendo. — Eu não estou procurando nenhuma mulher. Quem te deu esta dica? Seu pé chutou o cascalho debaixo. — Virou-se para o lixo enorme e tomou um olhar mais atento. — Há uma aqui. ele é um cachorro morto. Alguém provavelmente o matou em seguida. quando ela baixou sua proteção. farejou o ar. sim. O que a rainha disse? — Que outra menina seria sequestrada esta noite. — A rainha. — E era dela. — Soprou uma nuvem de fumaça no ar que ficou parado no meio da noite com menos brisa. Basil ergueu a mão à boca e tirou o cigarro entre os dedos. — Eu falei com ela. mas não por causa de seu pedido. Basil? — Ela sabia que estava sendo mal-intencionada. — Eu descobri que outra menina será sequestrada essa noite. Balançando a cabeça. Por que alguém simplesmente despeja a pobre criatura no lixo? Ele merece um enterro digno. 68 . — Ela virou-o agora e viu a dor em seu rosto. Eu estou aqui para impedi-lo. — Oh. porque na noite passada a outra era impura. — Ele jogou o cigarro no chão e inclinando a cabeça. — Tudo bem. E eu não acho que ele encontrou o que procurava. — Certo. abandonou-o. por aqui. E isso é mau. Estou assistindo aos nossos irmãos. ele é apenas um cachorro. realmente sentiu o cheiro. Basil. — Sangue. Animal. Ela deu um gemido bastante indigno para ele. ele estava falando sério. — Você viu Rajana? — Basil raramente falava de sua mãe. levantando os olhos com espanto.Seus olhos escuros ficaram mais escuro quando ele falava. — O quê? — É uma criatura inocente. então eu digo que acredito em você. — Você não cheira? — Cheirar o quê? — Mas. — E? — Ela seguiu-o enquanto ele se movia ao longo do beco escuro.

— Que diabos você está fazendo? — Enviá-lo para a sua paz. — Por isso estão sequestrando as meninas? — Sim. Logo depois o rei será ressuscitado. uma vez que o cão ficou carbonizado. Podemos voltar ao que sua mãe disse? — Dá-me um momento. Ela estava intrigada com tudo isso e por um momento observou a fumaça encher o ar. — Jesus! — Sua boca ficou realmente seca. então alguém quer ressuscitar o rei. Os místicos da escuridão deixaram o planeta na escuridão e o sol deixará de brilha. com cada virgem colocado em cada ponto. dentro de um pentagrama. Tudo antes que o sol retorne à sua potência máxima. por isso ela se mudou ainda mais longe. — Porra. — Ok. — Ele se virou para ela. — Ela segurou o braço sobre seu nariz para encobrir o cheiro de pêlos queimado e carne. — Ok. mostrando a tristeza no rosto. — Abrindo o casaco. isso é ridículo. — Que diabos isso significa? — Nada. pedindo o retorno do rei. então a garganta de cada menina é cortada e o solo encharcado de sangue virginal. viu como ele acendeu o cão. — Como isso funciona? — Um círculo de sangue virginal deve ser feito no solo sagrado. Fui perguntar se o boato tinha fundamento. Mas por quê? — Por que não? — Ele voltou para a lata de lixo como o fogo lentamente diminuído. podemos terminar a nossa conversa? — Ela nunca o tinha visto assim antes. — O sangue de cinco virgens deve ser derramado no dia do eclipse solar para ressuscitar o rei. Ela me disse que tinha. — Meu Deus! — Ela ficou enojada ao saber do destino das pobres meninas e o que aconteceria se elas não fossem resgatadas. 69 . até que você rasgou-o com o seu adultério. você é inacreditável. Qual era o seu problema? — Você costumava ter um coração. — Sim. afinal? — Ela podia sentir o calor das chamas. eu tinha.— Jesus. em seguida. Trinity. mais ou menos. A rainha? — Disse ela com impaciência. o cão se foi. — Eu fiz o que fiz para sua segurança. Largou-o no lixo em seguida. Trinity ficou ali por um momento em uma confusão completa antes que ela falou. puxou o isqueiro do bolso da camisa. — Acendeu o isqueiro sobre o papel que pegou fogo imediatamente. enfiou a mão na lata de lixo para alguns papéis. A oração é feita. então o que é esse ritual. E a escuridão reinará para sempre. — Ok. Ele realmente estava com um humor estranho hoje.

Após o sonho. Como você planeja resolver essa situação? A rainha lhe disse que estavam tentando ressuscitar seu pai? —Não. — Sei. — Há quanto tempo você tem esse sonho? — Isso não importa. — Ele colocou as mãos nos bolsos. recentemente desaparecido. acertou em cheio. Por que você está tentando parar com isso? E não invente qualquer história. eu fiz alguma investigação e descobri um pergaminho que implica um ritual para libertá-lo. Chaos. — Então. — Agora. Ele tinha sua atenção agora. Intrigada. — Ele é café pequeno e ele sabe disso. — Ei. — Não. — Então. Quando eu expulsei meu pai. — Bingo. — Ou com você. Ele fazia tudo o que meu pai mandava. — Bem você sabe o quanto ele me odeia. após essa declaração. quem gostaria de trazer o rei de volta? — Eu só conheço uma pessoa. o casaco longo era agitado pela brisa que passava. e ele sabe disso. — Ele virou a esquina e continuou a pé. 70 . Meu pai tinha poder além do imaginável. ele deve estar realmente chateado.. Há quanto tempo você sabe sobre isso? — E por que ele não confiou nela mais cedo para lhe contar o que estava acontecendo? Eles eram tão unidos antes. que só significa que alguém está perto de soltá-lo. Ela o viu hesitar antes de finalmente responder. — Importa para mim.— Ok. ela finalmente compreendeu a sua animosidade um para o outro. — Mas por que ele quer trazer o rei de volta? Ele tem uma boa vida agora e têm bastante seguidores. Meu pai estava muito próximo de conquistar o mundo e acabar com uma boa quantidade da população humana quando o bani. não importa quão horrível fosse. Você acha que ele está feliz comigo? Ah. Basil. antes de ele a trair. Ela chegou até ele. Trinity inclinou a cabeça enquanto falava. Ela acelerou seus passos para alcançá-lo. Ela o seguiu. Eu quero a verdade. tomando posse de seu braço. como você ficou sabendo sobre o ritual para ressuscitá-lo? — Meu pai me contou. agora ela entendia. Chaos não estava feliz com isso. — O que você quis dizer com isso? Como poderia seu pai dizer-lhe se ele está trancado? — Ele veio para mim no meu estado de sonho. então alguém o quer de volta. — O que você acha que vai acontecer comigo depois se o rei voltar? Eu o expulsei e o tranquei. eu presumo. espere aí. Você não pode simplesmente cair fora.. Chaos era seu braço direito.

— Desista Trinity. ele era devastador. Eu não tenho ideia do que. o cara era um canalha completo. Seus frios olhos azuis. você não precisa se preocupar comigo. — Puxou-a contra a boca e o beijo que ele deu nela era tão possessivo quanto ela sentia. — ele rosnou baixo e selvagem. Eu não tenho vida sem você. — Sim. no escuro...— Você não precisa saber. contra o meu pai. Basil. e por que diabos não me disse antes? — Ela mostrou suas presas. ele a abraçou mais apertado. seus olhos brilhando. Há quanto tempo você sabe sobre isso. mostrando-lhe que ela estava mais do que pronta para enfrentá-lo. — Desculpe-me? — Que diabos ele estava dizendo? — Eu fiz isso para te salvar. — Do meu pai. — ele cuspiu para ela. brilhavam com uma sexualidade que a atraiu desde a primeira vez que o viu como ele era. — Não até você me dizer. deixando-a sem ar. Eu não vou desistir. — Bem. Você desistiu deste direito na noite que você decidiu trepar com outra mulher em nossa cama. Basil. mas ela ainda estava furiosa pela traição dele. meu amor. — Bem. seus lábios com um sussurro distante. os olhos de sua verdadeira herança. — Agarrando-a pelos cotovelos. —Logo. além disso. Ele era sombrio e perigoso em sua forma humana. — Não era minha vida que foi ameaçada. Era a sua. 71 . E ele ainda a abalava da mesma forma. — Virou-se e pisou em sua visão. — Você não é nada. ela se sentia mais instável do que há muito tempo. — Porque eu estava tentando protegê-la. Ela sentiu por ele. uma ideia atravessou a mente de Trinity. funcionou. — Eu fiz isso porque eu sabia que seria a única coisa que a levaria para longe de mim. por isso fez o que fez? — Se esse fosse o caso. eu não preciso de sua proteção. mas ela acabou de saber. — Proteger-me de quê? — Ela resmungou de volta. mas quando ele mudava para sua forma natural. Ele balançou a cabeça e um riso escapou dos lábios. *** Ele não tinha a intenção de contar tudo a ela. E. — ele gritou. minha doce princesa de fogo. — Que está preso. E quando ele parou. Trinity. — Ele te ameaçou? Ele ameaçou matá-lo e você não quer que eu lamente por você. Até que ele falou. — Você está louco. — Ele puxou para mais perto. — Oh. ele puxou contra seu peito. não pode se proteger. funcionou. Ele desapareceu ante ela e a deixou perplexa. — Ela tentou se livrar dele agora. Eu posso cuidar de mim muito bem. e agora você estará segura. — Eu fiz isso por você. — Eu poderia me importar menos sobre a minha vida.

ele teve o que ele poderia obter. E Basil tinha medo que conseguisse. ele não. para salvá-la de seu pai. E. Maldição. Ele tinha dormido com outra mulher para forçá-la a deixá-lo. Embora muitos de sua espécie escolhessem se alimentar de animais. tolo idiota. Eram como uma família para ele. claro. agora que Chaos estava por trás do sequestro e a tentativa de ressuscitar o rei. Ele era. camuflado como um cão. muito mais uma parte deles. Especialmente se ela decidisse voltar para ele. Ele perseguia a noite. E mesmo que ela estivesse chateada que ele não tivesse confiado nela. Ele tinha acabado de ter a certeza que não aconteceu. Mas agora que Basil tinha traído seu pai. muito parecido com o que ele tinha enviado para a sua paz eterna minutos atrás. As palavras de Basil giravam dentro de sua cabeça como um vórtice desagradável. Ele não tinha dúvida. Rondando em forma de cão. o que o levou a esquecer o seu bom senso e. Por que não lhe contou a verdade? Por que ele não lhe disse que ele tinha uma mensagem do seu pai e que sua vida estava ameaçada? Será que ele tinha que ser o macho para proteger a donzela em apuros? Ela era capaz de cuidar de si mesma. Maldição. Ele espreitava as ruas escuras e a falta de atividade vampírica era preocupante. Chaos sempre quis o poder e se esforçou desde seus primeiros dias para satisfazer o rei. embora seu coração estivesse cheio de amor por ele antes. quando o bom senso ia embora. Ele não poderia se transformar em qualquer criatura que desejava? Claro que podia e por isso ele escolheu nunca se alimentar de um. ele sempre tinha sido o segundo melhor. *** Trinity passou a maior parte da noite caminhando e pensando. ele falava sem pensar. E agora ela sabia o motivo de sua infidelidade. havia aumentado mais ainda. Quer dizer que a última menina tinha sido encontrada. e como não tinha uma família. Agora que ela sabia a verdade a colocava ainda mais em perigo. Ele esperava que Trinity fosse sua família A memória do olhar de dor em seu rosto quando ela o viu com uma prostituta era algo que ele nunca poderia superar. 72 . afinal. machucá-la com sua traição. ele aguardou e assistiu. Ele nunca iria esquecer a mágoa que ela sentiu e a devastação que ele sentiu quando ela jogou o anel para ele. ou que ia ser uma noite longa.Ela se enfureceu. Chaos poderia começar a tentar realizar seus desejos. ele tocou-lhe ao dizer que tentava protegê-la.

E maldição por ela precisar dele agora. 73 . Maldição. por ainda estar tão longe dele. Condenação.Mesmo se ele tivesse tomado todas as medidas erradas.

Ergueu as pernas. Levantando o cobertor de seda que o cobria ficou satisfeita em ver que ainda dormia nu. — disse simplesmente. Ela podia sentir a brisa do ventilador do teto. arqueando as costas para que ele pudesse entrar dentro dela de forma mais profunda. — Eu preciso de você. agora ela queria.. 74 . Todos os poros da sua pele estavam abertos e vivos. persianas das janelas em preto para se proteger do sol. ela sorriu maliciosamente. Ainda era ricamente desenhado em tons de vermelho e branco em negrito. Mesmo no escuro do quarto. se inclinou para mordiscar seu pescoço. Eles não se alimentam um do outro fazia muito tempo. O quarto não tinha mudado desde que ela tinha estado aqui. No instante que seu pau duro. macia e sedosa vagina. seus olhos se abriram. Basil se mexeu. O laço branco puro ao redor da enorme cama flutuava na brisa leve da ventoinha no teto. montou-o com um abandono selvagem. separou sua úmida. ela escorregou de suas roupas.. seu corpo estava rígido enquanto a penetrava. Ela precisava sentir suas mãos em seu corpo. segurando-o de forma que ambos ficassem na mesma altura. sorrindo enquanto seu cabelo caiu sobre os seios nus. — Trinity? — Shh. E seu corpo ansiava. cortinas e roupas de cama em vermelho. — ela pôs um dedo contra seus lábios. As mãos de Basil urgentemente acariciavam seus seios. Muito discretamente. Seu corpo estava em chamas. Aconchegando-se a ele. então avançou a sua maneira para a cama. Agora. — Eu quero mais. ele cercou seu corpo com os braços. liberando o cordão que os segurava. — ela exigiu. E quando os dedos de Basil deslizaram sobre os cabelos dela. acomodou-se. rolando o mamilo em seu polegar. As mãos de Basil puxaram-na para baixo e ela deu-lhe a boca tão ansiosamente enquanto dava o resto de si. puxou-o para ela. Ela sabia o quanto ele gostava de sentir o seu cabelo em sua pele nua. ela podia vê-lo tão clara como o dia. Sorrindo. Ele ainda estava dormindo na monstruosidade da seda vermelha de uma cama. Ela afastou-se dele uma vez. No instante em que sua boca tocou seus lábios. que ela já compartilhou com ele. enrolando-as em torno de sua cintura. para alimentar-se dele. Levantou sua boca para encontrar a dele. Paredes brancas. ela sentiu uma necessidade envolvê-la. agarrando-o. mas não totalmente acordado ainda. quando Trinity apareceu no quarto de Basil. que fazia cócegas na sua pele. Sentando-se. para saborear seus lábios nos dela.Capítulo Dez Foi pouco antes do amanhecer. enquanto se acomodava sobre ele.

Sua essência a energizava. em seguida. A língua de Basil brincava com seus mamilos. mas queria muito mais do que apenas uma rápida liberação. ela elevou-a para cima. acomodando seu pênis mais uma vez dentro dela. Quando ele apertou o outro mamilo com os dedos. — Rindo. pressionado a cabeça dele contra seu pescoço. ele deslizou os dentes ao longo de seu seio e ela gemeu de prazer. Trinity sentiu o sangue de Basil descendo por sua garganta. totalmente exausto. — Droga. Cravando suas unhas no peito dele. — Mais. Chupando-o descontroladamente. Quando a língua de Basil deslizou para fora. — Mais. Basil moveu-se freneticamente. pronta para gozar. O grito que ela soltou não era de dor. até cair em cima de Trinity. — Simmmm. — ela ofegou e jogou-o de costas. picante. ela sentiu que enlouqueceria. Jogando a cabeça para trás. louco para gozar. E ela adorava escutar aqueles gemidos de prazer e dor. Basil caiu de costas contra a cama. o deixava louco. agora. Basil. Sorrindo. afundou seus dentes profundamente em sua artéria carótida. Finalmente ele levou sua boca ao pescoço de Trinity. enquanto rebolava dentro dele. quente. ele teria que se alimentar dela.Agarrando os quadris de Trinity. seu gosto era como o pecado. Revelou suas presas e o mordeu com força. — Morda-me. enquanto deslizava suas presas ao longo do seu pênis. Exausto. enquanto deslizava sua boca sobre ele até chegar ao seu pênis e o provocou com a ponta da sua língua. ele chupava forte e quente. Mas ele deslizou sua língua. deslizando de cima para baixo. Levando as mãos a cabeça de Basil. Sentou-se em cima dele. — Merda. Ela podia sentir seu orgasmo chegar. — Agora! — Trinity exigiu. ele soltou o mamilo e brincou com os dentes. — ela gritou e baixou a cabeça em seu ombro. ofegante. enquanto ela se alimentava. arrastando sua língua para o centro de sua barriga e continuou subindo. — insistiu ela. até achar seu mamilo duro e chupou com força. Seu corpo estava tenso. seus olhos se cruzaram quando ela deslizou e o beijou. sua cabeça caiu para trás. em antecipação. — O que diabos deu em você? — Conseguiu dizer. sua vagina ficava mais aperta e quente. ele se ergueu o máximo possível e mergulhou profundamente. mas um grito animal que o fez gozar imediatamente. freneticamente. entre os vales dos seus seios. o corpo dolorido. 75 . Ela adorava ver a emoção no rosto. ela gritou devido ao novo orgasmo que a invadiu. seu corpo caindo na cama. movendo os cabelos. espetando sua carne e ela sentiu o calor do orgasmo disparar diretamente em sua barriga. — ela ordenou. E ela sabia que para alcançá-lo. Ela liberou seu pênis e deslizou sedutoramente para cima.

com uma cama rodeada de seda branca. Correndo o dedo ao longo de sua boca. Agarrando a peça de renda. — Eu tenho certeza que sim. Ela virou a cabeça e olhou para sua bunda.. Seu rabo ainda é malditamente gostoso. — sussurrou sedutoramente. Eu não deveria ter vindo aqui. — Então foi quando? — Ela perguntou. Manchas vermelhas escorriam em sua pele pálida. — Estou sempre pronto para você. ela sabia que precisaria de mais. orgulhosa. ele chupou o resto de sangue que ainda estava impresso nos lábios de Trinity. Ela encolheu os ombros. fazendo-a se sentir super convencida e poderosa. você deixaria o quarto decorado ao seu gosto. — Você tinha alguém hoje aqui. Ele saiu da cama e disse: — Você sentiu o cheiro de outra mulher. Ela era uma boba. — Ela se levantou e se deitou ao seu lado e ele gemeu em protesto. Você ainda estava duro. Tinha sido sua escolha. mas. — Eu pensei que depois que eu sai. não me diga. deixar as paredes do quarto vermelhas. e sorriu. Era muito sedutor e gratificante. — Como de costume. Agora ele estava mais parecido com ele. — Ele pegou a mão dela e ela empurrou-a fora. olhando para ela. — Isso me lembra de você.. levantando seu jeans. — Olhando para ele agora. — Obrigada. — Por que mudaria? — Ele se deitou de lado. sim. O que causou isso? — Você estava bancando o difícil quando eu vim para você. descansando em seus cotovelos. então eu a mantive. Maldita necessidade que sentia por ele. Foi por causa dela. seu humor mudou drasticamente quando viu uma calcinha de renda. quando você chegou e fez amor comigo? — Não.Seus olhos se fecharam. ela se levantou. Droga. Trinity saboreou o sabor dele em seu sistema e sorriu. ela podia ver as marcas de suas unhas em seu peito. mesmo quando seu corpo agradecia o imenso prazer que sentiu. no chão. puxando os cabelos para trás. — Então. — Eu digo o mesmo. a qualquer momento. apesar disso. Você nunca demorou muito para ficar excitado novamente. quão estúpida que eu poderia ser. e furiosamente começou a se vestir. — Trinity. Deus. mas. — Eu estava sonhando com você. — Por enquanto. — Você não mudou o quarto. olhando como um todo. — Não. — disse com sua voz sexy. 76 . mas não foi por minha causa. — Porque não havia nenhuma. — Está satisfeita? Ela estava. — Agora ela sabia. cheia de raiva. Ela jogou a liga em seguida. — Apenas quando você está perto de mim. ele ainda estava duro dentro dela.

ok. depois de passar horas levantando pesos e correndo na esteira. Então. Mas a dor da descoberta foi uma facada. Dentro de uma hora. *** Sim. Ela se ausentou do seu papel de web design ultimamente e um de seus clientes queria o trabalho pronto em uma semana.— Trinity. então o sexo tinha sido ótimo. ela malhou duramente. Ele quase arruinou-lhe uma vez e agora parecia que ele finalmente tinha conseguido isso. ele não tinha mudado nada na sala. Mas era muito ruim que ele fosse um filho da puta infiel. Deslizando vestindo os calções de treino apertado e um top esportivo. Ela estava no meio de esmurrar o saco de pancadas. Não. E agora os dois estavam pagando por isso. A porra do seu pai. sem nem mesmo se preocupar em acabar de se vestir. Trinity dirigiu-se para a sala de exercícios e com ela ao equipamento de exercício. ela tinha um projeto feito e estava ansiosa para sair. A energia subindo em seu corpo a estava deixando impaciente e louca. 77 . porque esperava tanto que ela iria voltar para ele. Basil não era nada sem sua Trinity. Seu coração doía com a verdade. Trinity decidiu que a única coisa a fazer era mergulhar no trabalho. quando Jonah entrou na sala de exercícios. *** Basil sentou na cama e segurou a liga em cima de um dedo. Sentada na frente do computador. com as janelas fechadas. provavelmente. Permanentemente. Trinity começou a trabalhar. ela deveria ter percebido que pertencia a ela. Sabia perfeitamente que era o efeito de ter se alimentado de Basil e agora sua energia. ele pensou que o tempo tinha chegado. Sentia-se melhor agora do que tinha sido há muito tempo. mesmo quando se recusava a admiti-lo. E foi por isso que ele tinha ido para aquela traição em particular. sua força vital corria em suas veias. Ela viu a ponta dos seus pés no banco contra a parede e em seguida. sempre o amaria e ele era o único homem que a preenchia completamente. Ela precisava malhar e sabia que era a solução perfeita. Deixando os pensamentos de lado. mesmo que tivesse sido por sua própria segurança. Ele a ajudava a manter a forma e manter sua mente concentrada no exercício. Ele sabia que ela era frágil. Se ela não tivesse sido tão prejudicada pela sua traição. viu duas latas de cerveja ao lado dele. o sol brilhando no outro lado. — Agarrando a roupa. ela saiu correndo de seu quarto para a noite. Mas uma traição ainda era uma traição e ainda feria o coração. Ele a havia traído. Ela ainda amava Basil. E quando ele acordou e a encontrou.

— Não. — Grande momento. Ela sabia disso e se sentia boba quando ele dizia isso. — Ele tocou a lata de cerveja ao dela. Agarrando a toalha na cadeira atrás dela. — Você é uma péssima mentirosa. Você está assustando os clientes à distância. e se encaminhou para Jonah.Ela o ouviu murmurar: — Por que ela tem que ouvir essa porcaria? — Ei. Ela balançou a cabeça. É a mesma merda de sempre. assim que Ariel deixar a casa pronta e totalmente limpa. — Gosto musical dos vampiros. Meus sogros estão vindo para a cidade neste fim de semana. — E. — Ela não gostava do jeito que ele estava olhando para ela. eu ouvi isso. ela arrebatou a cerveja da sua mão e tomou a metade. comece de novo? 78 . — Passa das quatro horas. Trinity enxugou o rosto úmido. Quando o murmurar acabou. — Então. Eu duvido que o lugar esteja lotado. ele sorriu para Trinity. você não estaria me trazendo uma cerveja se a loja ainda estivesse aberta. antes de agitar os braços pulando em seu lugar. Ela sabia que ele não bebia no trabalho. o que aconteceu? Ela sorriu com orgulho. Trin. além disso. — Cautelosamente. lembra? Ele franziu os lábios e tomou um gole de cerveja. Sorrindo maliciosamente. — Você sabe que pode falar comigo. — Algo está acontecendo com você. — Ela socou a direita. — Se você oferece. acertando um golpe acentuado à direita do saco e enviando-o girando para a esquerda. — Há sempre uma primeira vez para tudo. — Ela sorriu. A testa de Jonah levantou com interesse fingido. E com você? Trinity estava com a toalha pendurada no pescoço e o suor escorria pelas costas. e engoliu. eu aceito. — Eu acabei de descobrir através de Basil que ele dormiu com aquela cadela para me salvar. levantou a cerveja aos lábios. — Ok. depois à esquerda. ele abriu outra lata de cerveja. — Nada. — Não tinha certeza se você poderia ouvir alguma coisa além dessa música alta. — Quer uma cerveja? Ele levantou a segunda lata e a agitou. — E isso está te deixando louco. — Estive ocupado consertando computadores. Você vai beber esta cerveja ou não? — Ele segurou a segunda cerveja. — informou ela.

Recentemente. Acredito que você conseguiu essas informações através de Basil? Ela acabou com sua cerveja. — O que você sabe sobre sacrifício de virgens? Seus olhos se arregalaram um pouco. para isso. Ok. certo? Então. o pai de Basil.Ela soltou um longo suspiro. — Porque ele é tão mal? Ela virou-se para Jonah. — Sim. e se aproximou mais dele. que mal pode ele ser? — Basil acredita que Chaos está tentando trazê-lo de volta. em seguida. ter dormindo com outra mulher para salvá-la? — Há muito tempo atrás o pai de Basil foi banido para o reino Místico Escuro. Novo hobby? Ela bufou. — Tanto quanto eu sei sobre viagens interplanetárias. Ele está trancado eu assumo. fome de forma que suas criações só podiam confiar nele. — Chega! — Isso é o mínimo. Avadur pôs um fim nele. Seus campos de concentração eram apenas isso. seu pai veio a Basil em um sonho e fez algumas ameaças. — Eu estou perdido. Avadur gostava de fazer lavagem cerebral. No mundo em que vivemos hoje. até que Hitler decidiu sair por conta própria. esmagou-a como se fosse nada mais do que um pedaço de papel. — Jonah passou a mão em seu rosto pálido. — Contra Basil? Ela balançou a cabeça. tinham de capturar centenas de seres humanos e transformá-los de uma vez. torturas. tomou um gole de sua cerveja. Era triste ela saber que ele tinha sofrido tais horrores. Basil contou a ela sobre os abusos que sofreu nas mãos de seu pai. então ele fez algumas ameaças. — Contra mim. — Cristo. Eles tinham planejado a criação de uma super-raça de vampiros. — Se você acha assustador caminhar no escuro agora. sacudindo a lata vazia na lixeira ao lado dele. — Avadur. e. — Você nunca deixa de me surpreender com o seu humor estúpido. ainda se sentia tensa. Descobri que haverá cinco virgens sacrificadas no dia do eclipse solar. em seguida. Ele tinha um bom número de pessoas prontas para fazer seu plano dar certo. — Não é bom que isso aconteça? — É péssimo. criou Hitler. Formação de terra para o verdadeiro mal. O que isso tem a ver com aquele bastardo? Quero dizer. que a fazia ter pesadelos. Então Basil baniu Avadur logo depois. — Aquilo era o que Basil repetiu diversas vezes. — Ah. horrível. cheia de energia. pior será se o rei for liberado. — Bizarro. 79 . Basil. Ele é a criatura mais maléfica que já existiu. — Ela precisava se movimentar. Jonah esfregou as mãos ansiosamente.

de repente ansiava por outra cerveja. — Você sabe que Basil pode transportar a si mesmo. e ele. enxugou o rosto suado sobre a toalha.. aparentemente Avadur chegou ao sono de Basil e me ameaçou. — Obrigada pela cerveja. pensou na única maneira de manter-me segura. 80 . — Não. Mas o poder do rei é dez vezes superior ao de Basil e Basil é um dos únicos dos vampiros a possui todas essas habilidades. seria. Eu o amo tanto que dói. — ela suspirou. Eu não sei como.. — Então. Saindo do carro. bem. descobria o que era. uma forma inferior de vampiros. — Graças a Deus por isso. Basil é a única linhagem verdadeira do rei e da rainha. mas. — Ela jogou a toalha em seu rosto quando ela passou por ele. E eu não tenho idéia do que fazer com elas.. Ela assentiu com a cabeça. Eles não podem transformar ou mudar de forma.. — Eu o adoro.. Ele tinha uma sensação de que ela sabia mais sobre as meninas desaparecidas do que deu a entender. Ela estava vestida com um par de jeans apertados azul e uma jaqueta jeans azul. — Quando você chegou lá? Ela balançou a cabeça e. E talvez se ele a seguisse agora. — Mas eu não tenho tempo para lidar com meu coração partido agora. desaparecer e reaparecer à vontade? E que ele pode alterar sua forma física e se parecer com o que ele quer? Ele tem essas habilidades porque ele é a única criação original de dois vampiros. *** Dante viu Trinity sair de seu apartamento enquanto puxava para a calçada. mas em algum outro momento. — Eu fui na casa para estar com ele. E se você disser a ele que eu disse isso eu vou chutar o seu traseiro. Dante a seguiu numa distância segura. O resto dos vampiros são mestiços. Ela tinha uma mochila atirada sobre um ombro e parecia estar em uma missão. — Como assim? Não são todos eles descendentes do rei? — Não. Para tê-lo de volta. Eu tenho um ritual para parar e salvar as meninas inocentes. seus poderes são diluídos. E ele estava com outra pessoa. — Você está com medo dele te machucar novamente. mas eram suas intenções honrosas. Jonah. mas foi o suficiente para assustar Basil. Eu nunca na minha vida tive tantas emoções misturadas dentro de mim. Ele estava curioso onde ela estava indo e o que ela tinha planejado.Ela continuou. Cada vez que um vampiro cria outro. Eu não posso dizer que perdôo suas ações.. Seu cabelo estava preso em uma longa cauda em chamas trançado vermelho que caiu até a cintura. — Ferindo você da pior maneira possível.

Que mulher em sã consciência sairia às duas da manhã. andando pelas ruas escuras. Dante continuou sua perseguição. Com a lua brilhante no céu sem nuvens. sozinha? Ela queria morrer? Ela não sabia o quão perigoso as noites em Angra Jacob? Bem. teria apenas que ter certeza que nada aconteceria com ela. 81 .

Como se eles pudessem fazer alguma coisa contra ela. ela se posicionou com a estaca. os vampiros e demônios se movimentam pelo ritmo da musica. ela puxou o microfone dele. ela ergueu o braço deixando em suas costas. 82 . sabe dizer por que Chaos pretende ressuscitar o rei? — Preparado para a reação dos vampiros. — Vá em frente. — Confie em mim. Ela viu o guarda no fundo das escadas. O som era ensurdecedor. em seguida verificou se a cruz de metal e a garrafa de água benta ainda estavam intactas. Quando ela se aproximou do DJ. Ela se surpreendeu ainda mais por não haver guardas no interior das portas. ser como eram e beber sangue humano misturado com o máximo de álcool possível. ainda bem que sua raça não precisa se preocupar em perder a audição. Ficando alerta. Colocando o pacote por cima do ombro. antes que ele pudesse falar. ela se encaminhou para a multidão. pronta para matar. em um movimento rápido. Trinity colocou a sua arma em seu cinto. colocando um fim à música punk que tinha estado tocando. desengonçado vampiro vestido com uma horrível camisa amarela e calça jeans floral vermelho. Ele teve apenas um momento para mostrar seu choque. ela espetou-a no leitor digital. Ela queria respostas. Os olhos dela se mudou para onde vinha a voz e viu um homem alto. os vampiros apreciavam música bem alta. ela abriu a porta. ela tinha a vaga sensação de estar sendo seguida. — Preciso ver alguma carteira de identidade. sua estaca de ferro.Capítulo Onze Trinity sabia o que estava prestes a fazer era arriscado. estou fazendo um favor a todos. Trinity. — Você não é bem-vinda aqui. Quando ela se aproximou da porta que leva ao túnel. em seguida. Cuidadosamente. Balançando a cabeça. — disse o vampiro. estou ansioso por mais uma morte. Virando. Ajeitou os ombros. ela só viu a escuridão. antes de se desfazer em um monte de pó. sacudindo a inquietação. Trinity apertou os dedos em volta da estaca. Sorrateiramente. apenas observando-a. ela continuou em seu caminho. Era um clube underground onde os mortos-vivos poderiam fazer o que quisessem. direitamente sobre o coração. perfurou o peito do vampiro. — Hey! — Alguém gritou. não importa o preço. Ela virou-se e mostrou suas presas. Atravessando a rua. mas estava preparada. Ela estava indo para o lugar que ela sabia onde os vampiros estavam. ela abriu a porta e continuou prosseguindo seu caminho. a escuridão a rodeava. — Está é minha identificação. Agora. Essa música é uma porcaria. protegendo a entrada. — Ajeitando os ombros. Usando a estaca.

pensando que a vida seria muito melhor como um vamp. — O que é esse plano? Diga.— Eu te conheço? — Eu ouvi falar sobre você. Mais que explicado. — Por que você esta fazendo isso? Ela se virou e viu uma mulher jovem.. — Porque eu estava entediada. — gritou alguém da multidão. — Hmm. — Cale a boca. alguém. e você não é parte disso. ora. — Nós vamos reinar quando o rei chegar. Com o canto do olho viu 83 . pondo fim a algo mais que ele poderia ter dito. eu vou perguntar de novo. Tirando o arco e fecha da bolsa. agarrada a um homem alto e grande ao lado dela. apavorada. já que não conhecem uns aos outros. — Foda-se. — Seus olhos treinados observaram o demônio no centro da sala. você vai se abster de utilizar o meu nome. Ela odiava esses seres humanos. mas ela esperava que alguém dissesse algo mais. na esperança de ser transformado. — Salvando a vida de um inocente. puxou uma faca e cortou a garganta do demônio. — Eu posso fazer isso toda noite. Ela era humana. e por que isso? — Porque as trevas serão permanentes. mas em vez disso.? — O Chaos tem seu plano. Carne fresca. — Tendo dito isso. — O vampiro se transformou. isso não é muito agradável. se encaminhou para a multidão. Quem vai me dizer por que Chaos pretende ressuscitar o rei? — Vá para o inferno! Sem virar a cabeça. Trinity. — Merda. querida. deixe-o falar. ela começou a flechar todos os vampiros a sua frente. — Ela ouviu o trinco da porta e seus olhos deslocaram-se para o fundo da sala e Dante entrou na sala.. chegando perto de Dante. — Bem. Eles eram patéticos. Acredite. Vá para casa. Agora. Que diabos ele estava fazendo aqui? — O que você acha que está fazendo? Ela não se voltou para Basil que apareceu ao lado dela. — outro vampiro berrou. você não vai andar como sugadores de sangue para sempre. não. — Cale a boca! — Não. — Agora. — Ela já conhecia a maior parte daquela história. Ela tinha visto os olhares dos vampiros quando notaram a presença de Dante e ela sabia exatamente o que eles estavam pensando em fazer. — Ora. — Cale a boca! — Realmente. Às vezes os humanos gostavam de frequentar os bares vamp. ela puxou o arco e atirou uma flecha no idiota mal vestido e viu quando ele se virou pó. Trinity acertou a seta e detonou outro vampiro. então ele planeja deixar o mundo escuro.

Basil se transformar em um lobo. Ela podia ouvir seus dentes rasgando a
carne daqueles que ele atacou.
Ela podia ver Dante tirar algo de sua jaqueta, em seguida, viu o vampiro
virar pó na frente dele. Então o cara podia se proteger, ótimo, mas isso não
significava que ela ia parar de ajudá-lo.
— Que diabos você está fazendo aqui? — Ela perguntou drasticamente à
medida que ela matava outro vampiro logo ao lado dele.
— Atrás de você. À esquerda, — ele alertou enquanto outro vampiro se
aproximada deles.
Com um movimento do pulso dela, ela o acertou, fazendo virar poeira
também.
— Idiota!
Agarrando o braço de Dante, ela empurrou-o para a porta, deixando-o
seguro. Ela podia ouvir Basil mordendo e afastando a carne para trás e
percebeu que poderia cuidar de si mesmo. Ele sempre podia.
— Você quer se matar? — Ela gritou com Dante no instante em que
estavam na superfície.
— Eu sei como cuidar de mim mesmo. — Seus olhos diziam um pouco a
mais enquanto ele olhava para ela. — Você é um deles.
Ela lambeu os dentes pontiagudos antes de falar.
— Como você sabe sobre minha espécie?
A cabeça de Dante se virou para a porta aberta, ele ainda segurava uma
estaca pronto para matar qualquer vampiro. Depois disso um lobo sedento
de sangue vicioso apareceu, o sangue escorria de sua boca. Ele deu um
passo na frente de Trinity para protegê-la.
— Eu estou com você, não se preocupe. — Disse Dante
Trinity franziu a testa, balançando a cabeça.
— Eu não preciso de sua proteção, amigo. Este é Basil. Volte a sua forma
humana Basil, antes que esse cara queira esfaqueá-lo.
Dante arquejou enquanto Basil se transformava em um ser humano.
— Que diabos é isso?
— Eu deveria fazer essa pergunta para você. No que estava pensando, vir
aqui armada, exigindo respostas? — Basil gritou com ela, ficando bem na
sua cara.
Ela sentiu a fúria de Basil flutuar sobre ela.
— Eu não vim aqui armada, eu vim preparada.
Os olhos de Basil se tornaram mais escuros, cheios de fúria.
— Com um arco e fecha, com uma merda de um arco e flecha Trinity?
Pelos céus Trinity, que estupidez é essa?
— Cuidado com o que diz, Basil. — Trinity alertou Basil, pronta para
uma briga.
— Ele era um lobo. — Dante conseguiu falar em voz baixa, olhando para
Basil com espanto.
— Ótimo, só faltava essa! Escute Dante, porque diabos você estava me
seguindo?
84

— Eu estava curioso em saber onde estava indo. Eu vim por... bem, não
vamos entrar nisso agora. Você é um vampira, — disse ele com uma pitada
de choque em sua voz.
— Você trouxe um civil? Jesus, Trinity, você é estúpida, — Basil olhou
para o lado dela.
Ela virou-se bruscamente para Basil.
— Eu não o trousse, ele me seguiu. Você está surdo? Não ouviu quando
ele falou que me seguiu? E se você me chamar de idiota mais uma vez, eu
vou me assegurar que você não use seu pau por muito tempo.
— Eu deveria saber. Eu nunca vi você de dia, sempre à noite. E naquela
noite, quando nos encontramos e eu a beijei, eu pensei que você estava um
pouco... fria. Sem ofender. — Disse Dante
— Ele fez o que? Jesus, esse é o cara? — Basil disse com mágoa na voz
dele, enquanto Dante o olhou desconfiado.
— Eu não quero falar sobre isso Basil. — Disse Trinity sacudindo a
cabeça.
— Você é o cara que dormiu com ela? — Perguntou Basil, de forma
ameaçadora.
— Deixa para lá, Basil. — Trinity alertou, voltando-se para ele. Ela não
gostou do tom da sua voz ou do que ele estava perto de descobrir.
Os olhos de Dante se arregalaram.
— O quê? Não, não, não dormimos juntos. Eu quero, mas ela...
Basil rosnou e Dante engoliu em seco.
— Quem é você?
Basil mudou a sua forma, para a de vampiro e deu um passo para
Dante.
— Sou seu pior pesadelo.
— Mesmo? — Dante ergueu o corpo, tentando ficar mais alto, tentando
parecer mais ameaçador.
— Mesmo. — Basil o desafiou, mostrando suas presas.
— Pare com isso! Jesus, o que diabos está acontecendo com os homens?
Dê-lhes um pau e eles acham que dominam o mundo. — Trinity se colocou
entre os dois, colocou uma mão em cada peito. — Parem com isso. — Ela
empurrou os dois, fazendo-a tropeçar novamente. —Eu não tenho tempo
para isso agora.
— Você, vá para casa, — ela apontou para Basil. Então, para Dante, ela
disse: — Dante onde está seu carro?
— Eu não o trouxe.
— Ótimo. Vamos lá então. — Ela agarrou seu braço e puxou-o junto com
ela quando desceu a rua escura. Ela estreitou os olhos quando Basil
apareceu ao lado dela. — Deixe para lá.
— Não!
— Que companheiro legal, não? Como você o conheceu? — Dante
perguntou.

85

— Eu a criei, — Basil interrompeu orgulhosamente, mantendo-se com os
dois.
— Mas, você não é meu dono, Basil, — Trinity retrucou.
— Basil? — Dante riu. — É um nick de internet.
— Vá embora, Basil — Trinity avisou novamente. Ela sabia perfeitamente
que ele estava prestes a rasgar a garganta de Dante. — Vá para casa, eu falo
com você depois.
— E deixar você sozinha com ele... — resmungou Basil.
Ela parou e se virou para ele.
— Eu não tenho nenhuma intenção de dormir com ele, se é isso que o
preocupa.
— Isso é o que vamos ver, — disse Dante desafiante.
— Você não está ajudando, — ela se virou para Dante. Acalmar Basil
irritado como ele estava, não era fácil. Respirando fundo, ela baixou o tom e
falou.
— Por favor, eu não posso resolver as coisas desse jeito. Tudo que eu
quero é deixar Dante na casa dele. E depois ir para casa.
— Meu carro está estacionado lá fora, — Dante informou.
Ela ouviu o rosnado baixo de Basil enquanto ela se virava para Dante.
— Porque seu carro está estacionado ao lado do meu?
— Eu disse, eu vim te ver.
— Ótimo para cacete. — Sacudindo a cabeça, ela agarrou Dante pelo
braço e arrastou-o consigo.
— A quanto tempo você é uma vampira?
— Eu não quero falar sobre isso agora.
— Eu quero falar com você sobre tudo isso, Trinity, — Dante insistiu.
— Hoje não.
— Hoje à noite. Por que não? Agora parece ser o momento perfeito, —
Dante persistiu.
Ela o arrastou junto, não diminuindo sua velocidade em tudo. Isso não
agradou a ela, Basil não tinha escutado e ainda estava seguindo.
— Eu não estou com vontade de falar com você.
— Mas...
Ela se virou para ele com um grunhido, interrompendo-o.
— Não é o seu carro? Agora vá para casa, Dante, e não tente algo tão
estúpido de novo.
— Não era estúpido. Eu sei como cuidar de mim.
Ela empurrou-o para seu carro.
— Isso é o que todos dizem, bem antes de suas gargantas sejam
arrancadas. Vá para casa. — Ela despediu dele enquanto se dirigia para a
entrada de volta para sua casa. Basil endireitou sobre os calcanhares.
Ele a seguiu até as escadas para o apartamento dela. E, embora por um
breve momento ela pensou em bater a porta na cara dele, ela sabia que seria
um esforço inútil. Ele tinha acabado de se materializar em sua suíte de
qualquer maneira.
86

e eu estupidamente pensei que poderia ter uma chance. Basil.. Trinity. — Aceite essa realidade. — Ele a pegou em seus braços e a levou para sua cama. Basil. mas do jeito que ele as dizia. — Você veio para mim há algumas horas atrás.— Bebida? — Não. do jeito que ele queria dizê-las. — Ele estava fazendo a sua determinação desmoronar. — disse ele secamente. em seguida colocou no microondas. Basil. — Ele murmurou contra seu ouvido. — Basil murmurou baixinho enquanto beijava de lado o pescoço ela. o que faço com meu corpo agora é da minha conta. te tocar? — Disse ele finalmente. — Você o deseja? — Não. ela se virou para ele. Ele a puxou mais perto.. — De que diabos você está falando? Ele pegou na mão dela. Ela estava perdida e se rendeu a ele. — Supere isso. — enfatizou. Ele deitou-a delicadamente. segurou-a com firmeza enquanto ela tentava soltar-se.. Não parecia importar quantas vezes dissesse que não tinha dormido com ninguém.. 87 . em seguida. Ela queria derreter. — Você não deveria falar de si mesma dessa maneira. enquanto se dirigia para a geladeira. Você veio para mim. agora e para sempre. Você usou quando veio para minha casa. arrastou-se por cima dela. meu amor. seus lábios tocaram-na delicadamente. — Ela virou para ele e franziu o cenho para sua expressão. aquele homem. — São apenas palavras. — Como você pôde deixar. ele não acreditava nela. — Você tem meu coração. — ela disse bruscamente.. — Ela pegou a bolsa de sangue e derramou-a numa caneca. — Sim. — Eu preciso apenas de você para sobreviver. — De quando você me enganou? — Ela lembrou. por favor. te beijar.. — Era seu. meu doce. Não era apenas suas palavras. no dia anterior. — Pare. tirando seu copo do microondas. mordiscando sua orelha. — Basil. — Aquilo que você encontrou pertencia a você. — Então por que você o beijou? — Olha. ele sempre fazia isso com ela. Isso foi antes de eu encontrar o objeto da sua amante vadia. — Como ela poderia acreditar nele? — Eu morro um pouco cada dia que estou sem você. Enfurecida e perplexa. — Sem você minha vida não tem sentido. Não houve nenhuma outra mulher desde aquele dia que você me encontrou nos braços de outra e nunca haverá outra vez. Nós não estamos juntos há tempo.

Ele sabia o quão louco que ele poderia deixá-la. com a língua nos grandes lábios úmidos. enquanto isso a mão de Basil esfregava e friccionava seu clitóris fazendo-a explodir de desejo. com uma lambida ele deslizou a língua para dentro dela. — Você é a única que me molda. seguido de uma parada para cada beijo e lambendo-o antes de continuar a chupá-lo. Ele mordeu dentro de suas pernas. a sensação de seus incisivos afiados penetrando sua carne. Cobriu-a com a boca e bebeu sua essência enquanto o orgasmo a atravessava. macia e sedosa. enquanto ele se juntava a ela. Usando seus dedos.Despiu-a de forma tão suave que ela mal percebeu quando ele deslizou sua roupa para fora. ele espalhara seus grandes lábios. As mãos de Basil seguravam seus quadris. em seguida. minha princesa de fogo. com as presas a amostra. Na posição de quatro. ela gritou novamente quando sentiu o líquido quente do sêmen de Brasil inundá-la. seu corpo estava sendo totalmente fodido e ela estava alcançando o paraíso. com os lábios tão macios como seda enquanto a acariciava. recebendo-o. de tal forma que ela achava que não aguentaria mais. Seu corpo estava em chamas e com cada toque da sua língua. Ela ergueu os quadris. Logo depois. como um choque elétrico atravessando seu corpo. Ela arqueou as costas. ela sentia o calor aumentar. Sua língua era quente. e percorreu todo seu corpo provocando uma onda de prazer no centro do seu corpo. com as mãos agarrando os lençóis. pedindo que Basil afundasse seu dedo. ele fez um círculo lento. penetrando de novo e de novo. sentindo-o profundamente dentro dela. puxou seus quadris para cima e falou baixinho perto do ouvido dela. então ela sentiu um fogo atravessá-la. beijou o clitóris uma vez antes de passar rapidamente com a língua. que se propagou antes chegar no centro de sua feminilidade. Quando sua língua chegou a sua feminilidade seus olhos se encontraram. e ondas de calor atravessaram seu corpo enquanto ela gozava. fez seu corpo estremecer. Então. 88 . E beijando várias vezes seu corpo. provocando-os com seus dentes. Ele chupou seu clitóris com a língua. permitindo que ele a penetrasse mais profundamente. na parte mais íntima do seu corpo. Então ele a virou de quatro. — afirmou enquanto penetrava sua carne. fazendo-a gemer. Ela se curvou para ele. Então ele pressionou um dedo dentro de sua vagina e sugou impiedosamente seu clitóris até que ela se contorceu pedindo mais. Naquele momento ela se sentia no paraíso.

— Venho para pedir um favor.. — Por que você veio aqui esta noite? Sua voz era como um trovão sedutor e vibrou durante todo ele. — Você pode pensar que a tem agora. Mas ele sabia. mas ela desapareceu antes que ele pudesse alcançá-la. — Mas eu não vejo você de joelhos. As lanternas balançaram quando uma rajada de vento passou pelo quarto escuro. Embora ele não conseguia se lembrar como sua mãe se parecia. — advertiu Basil com uma voz ameaçadora. meu orgulho. — ele gritou com o pai. Ele acordou suando frio e sentia certo conforto ao ver Trinity dormindo ao seu lado. dos quais se alimentava. 89 . em seguida. Ele estava em sua casa. Havia um cheiro no ar que era muito familiar. que estava falando com ele. Basil virou para onde a voz vinha e não viu ninguém. Deixando-a dormir.. príncipe vampiro. — Não é meu filho.. mas estava disposto a arriscar tudo para proteger o que amava.Capítulo Doze Três dias antes do eclipse O quarto estava escuro. o percorrer. Ele reconheceu-o agora. — Vou fazê-la minha. — Deixe-a em paz. Ele precisava ver alguém. E Basil tentou enxergar algo que estava pendurado na parede. pai. — O meu traidor. No calabouço onde se pai mantinha os escravos.. — Não é você que eu quero. uma mulher.. seu pai lhe dissera que ela era de uma beleza magnífica com longos cabelos brancos e olhos azuis como o céu. morna em sua cama. mas quando eu me libertar. Basil. — Basil sentiu o ar quente. na masmorra. **** Ele sabia que ir ali era perigoso. — Você não vai me assustar. Ela não tem nada a ver com isso. — Trinity! — Ele correu para ela.. Ele desejou que ele pudesse vê-la agora e não a névoa branca que o cercava.. mas havia as lanternas acessas penduradas nas paredes. vestiu-se. Na verdade era uma pessoa. se encaminhou à pessoa que ele esperava que pudesse ajudá-lo.. minha alegria. As lanternas brilharam com um brilho forte. sem dúvida. Ela não estava segura com ele. para ajudá-lo com essa situação.

Irritada. Ajude-me a protegê-la. repousa em suas mãos. e vestiu o jeans e a camisa que estava usando na noite anterior.. meu filho. mas. Como seria a sua vida se tivesse sido criado por ela? — Você acha que ela é fraca. — Bom dia para você também. bem. mas não estou chegando a lugar nenhum. Eu não tinha certeza se poderia vir durante o dia. ela cedeu e atendeu. Ele veio para mim em meu sono e ameaçou levá-la de mim. — Pare o ritual. Isto é para você fazer..Sabendo que tinha de ser feito. Trinity caiu de sua cama. — Eu não posso te ajudar. — Sentia os braços de sua mãe rodearem-no e uma vaga lembrança mexeu no interior de sua mente. minha senhora. Se ela realmente achava que ele ia ficar o dia inteiro com ela. Ela segurou-o contra o peito e o embalou para dormir. Ela estava com um humor para matar de qualquer jeito. — Você não dorme durante o dia? 90 . — Perdão. — Seu destino. só havia uma coisa a fazer. sem dizer uma palavra. Ele a deixou. — O que você veio implorar? — A voz cantava com uma vibração suave agora. ela rolou. — Eu estou tentando. esperando sentir ao seu lado Basil. Sentindo-se incrivelmente relaxada. *** Trinity acordou com um sinal sonoro constante em sua mesa de cabeceira. Ele sentiu a sua libertação e seu coração ansiava por mais. ele foi transportado de volta ao reino que ele conhecia. o que ela espera? Ele era um traidor. Seu peito doía. — Ele a ameaçou. — Sentiu uma mão deslizar para debaixo do seu queixo para levantar a sua face. meu filho. como todo o coração. mas não é. — Proteger aquela que amo. possivelmente fazendo amor mais e mais? Sim. ela abriu os olhos e suspirou. descansando na cama. Quando ele insistiu. — disse Dante como ele passeou em seu apartamento. Bem. Ele não podia vê-la. sentindo o mundo ao seu redor entrar em colapso. Ele caiu de joelhos. depois de tudo. parece que você está acordada. Mas quando ela desapareceu. mas ele podia senti-la e deixava uma profunda sensação de calor dentro de seu corpo. — Eu não posso perdê-la. Eu não posso viver sem ela. mãe. Quando tudo o que ela sentia era uma cama fria e vazia. E ela era uma idiota por estar com ele de novo. ele abaixou a cabeça. Acabar com isso tudo antes de começar. — O quê é? — Ela gritou no instante em que ela abriu a porta. A batida na porta só acrescentou à sua raiva e ela decidiu que apenas ignorá-la.

— Nervosinha no período da manhã.. Você tem alguma ideia de como aquele lugar é perigoso? — Ela puxou o copo do microondas. Você tem café? — Perguntou. Aquele cara que mudou a forma na noite passada. testou com o seu dedo mindinho. — Para conversar. antes de decidir se era bom o suficiente para beber. lobisomens. Basil é descendente direto de dois vampiros originais.. são atualmente excluídos. ela se lembrava de sua promessa de não comer seres humanos. mas você pode saber quem o fez. — Toda criatura.. — Foi por isso que me seguiu na noite passada? — Ela estava sentindo uma incômoda de sangue.. eu vou chegar ao ponto. mas você está me fazendo repensar sobre isso. Quer dizer. metamorfos. — Sim. Ele deu de os ombros. — disse ela. — No entanto. o vampiro. Ok. — Se você não está gostando amigo. Seu rosto afundado. — Eu a segui porque estava curioso para saber onde estava indo. Ele era sortudo. — disse ela calmamente. Os olhos de Trinity se estreitaram. mudando sua posição enquanto ela se encostou-se à parede. — Não. eu acho. Ele já sabia que ela estava assim por que esconder isso.. em seguida. simplesmente. Meu irmão foi morto há 20 anos. — Não. ou.— Porque você está aqui. ele pode. Viu o jeito que ele estava olhando para ela enquanto ela bebia. Eu testemunhei isso e eu vi como o animal arrastou ele. então ela decidiu saciar-se com um copo de sangue.. ela continuou. quando eu tinha treze. fazendo-se confortável no seu sofá. Ele se juntou a ela na cozinha. — A maioria? — Será que todos os homens adoram o mesmo Deus? — Quando ele sacudiu a cabeça. ele pode manipular sua forma. O que você quer falar? E seja rápido. quem é ele? — Um vampiro. Dante? — Embora pudesse ser agradável dar umas mordidas nele. — Como isso é possível? — O quanto você sabe sobre vampiros? — Eles são animais sanguinários. Seus pais são conhecidos como o rei e a rainha e a maioria dos vampiros os veneram. — E você tem uma ligeira impressão que foi eu quem fez isso? — Ela ainda não era uma vampira 20 anos antes. Ok. é uma longa história. — Eu consegui viver para contar a história. 91 . — Eu não tenho ideia de quem poderia ter matado seu irmão.. simplificando. — Eu não me alimento de humanos.. bebeu de seu copo. — Por que você foi para o clube? — Eu queria respostas. pode ir caminhado. Levar-me a alguém que possa.

— Projetar seus sites? Seus olhos se estreitaram. — Gostaria de descobrir por que alguém quer fazer o sol desaparecer. Agora você sabe tanto quanto eu. isso é fascinante. Trinity bufou. ela agarrou a manga da camisa dele e atirou-o para fora da porta. Essas meninas que estão desaparecidas são um meio de um vampiro malvado ressuscitar o rei vampiro e apagar o sol. — É bom você sair agora. — Com uma mão firme.vampiros. Ela indicou a porta aberta. bem consciente de que ele estava examinando ela. — Certo. — Porque os vampiros não podem sair ao sol. É por isso que os vampiros modernos não podem se materializar. — ela disse tranquilamente. Saia. — Eu não tinha idéia. 92 . ver se alguém se lembrava desse dia. então o que está no copo? — Ele ficou de pé. — Nós podemos. — Bem. Dante. — Não. todos eles vieram a partir de dois seres originais. Uau. — Agora que descobriu isso em poucas palavras o que você espera de mim? Trinity perguntou à queima-roupa. certo. mas há consequências desagradáveis. — Por que você não vai me ajudar? — Porque eu tenho coisas mais importantes para tratar. Eu tenho coisas melhores para fazer com meu tempo. ou mudar de forma. saia. — Eu tinha um pressentimento que estes desaparecimentos não eram normais. — Ela tomou um gole do seu copo. aqui vai um breve resumo. — Ela resmungou. Vesículas e bolhas não são divertidas e nem a doença que elas podem causar. — O quê? Alguém quer fazer o sol desaparecer? Você não pode simplesmente me jogar uma bomba dessas e esperar que eu parta. Dante. Então o que mais você faz? Além de sugar o sangue? — Eu não sugo sangue. Mas com cada morte. — Agora não. — Eu não tenho tempo para ser seu bode expiatório. — Ela caminhou até a porta e a abriu-a. Se alguém sabe quem levou o meu irmão. Quero mais informações. Rosnando. — Eu faço websites de design. colocando o seu copo no balcão. Ela não estava de bom humor e não estava com paciência com ninguém hoje. o sangue real é diluído. passou os dedos pelo cabelo bagunçado e gritou. — Você poderia perguntar por aí. talvez. — Como o quê? Ele era um burro persistente. Ele estava pegando pesado agora. — Eu pensei que ele nunca iria embora. Dante foi para a porta. Agora. entre outras coisas. Adeus.

me movi para o lado e o que acho? Nada! E por quê? Porque você foi embora. em seguida. — Ela deu um passo em direção a ele. eu deixei meu coração aberto e o que aconteceu? Ficou quebrado. ótimo. ou vou pensar que você elaborou essa declaração de amor. — Por ser uma burra e por fazer me apaixonar por você de novo. sem dizer uma palavra. — Oh. E agora eu tenho esse buraco no meu coração Apenas saia. diabos. — E o que queria? — Ela finalmente conseguiu dizer. — Deixei-lhe esta manhã para ver a minha mãe. Ele mexeu o nariz e deu uma fungada. Ela prontamente curvou os dedos em um punho e bateu em seu rosto. mas eu prefiro muito mais o meu coração ser quebrado e saber que você está segura. as suas palavras fazendo um loop infinito em seu cérebro. mais uma vez. — Cuidado. mas ele se afastou. 93 . Deixe-me sozinha. furiosa. deixe-me explicar. Basil olhou para Trinity. — Nem morta. — Que bom! Eu deveria ter pensado melhor. — ela pegou sua xícara que ainda tinha sangue e o engoliu. Porque eu esperava que você pudesse realmente estar lá quando eu acordasse. — Eu acordei. Ele tomou-lhe as mãos. — Porque. — Deixou escapar um suspiro longo sofrimento. — Eu me lembro de você me chamando de burro e de admitir que você ainda está apaixonada por mim. — Nós não podemos estar juntos. Fui para a minha mãe para pedir a ela para protegêla contra ele.. de levá-la de mim. Ela disse a queima roupa. Meu pai veio a mim novamente em meu sonho. deixando-a completamente perplexa. — Eu lhe dei uma razão. E está me matando não tê-la completamente. Ela olhou para ele um bom tempo. — Ele mexeu o nariz com os dedos. mas eu não me lembro de uma explicação. — Eu não quero ouvir nada do que tem a me dizer. — Oh. E até que eu possa conseguir isso. apertou-os para sua bochecha. — Eu te amo. Tropeçando para trás. massageando seu nariz. Para isso acontecer ele teria que tirar você de mim. deu um passo para trás. — Você poderia ter quebrado meu nariz. — Não.Trinity se virou para ver Basil de pé atrás dela. Socou meu nariz e nem sequer me deu uma razão. Ele beijou as mãos. Ela congelou. Basil... fez isso? — Ele limpou o sangue de seu nariz. Deixou-me depois de uma noite íntima que passamos juntos. — Ela não estava com vontade de falar com ele. — Ela colocou a xícara na mesa.. mas não. satisfeita e feliz. — Trinity querida. — Há apenas uma maneira de impedi-lo de feri-la. do que tê-la e ele levá-la de mim. — Ele não vai ficar feliz até me ver sofrendo. um olhar soberbo em sua cara.

E as coisas só estavam piorando. — Maravilhoso. Nunca sabia quando uma delas poderia sucumbir diante das drogas. E você tem certeza dessa vez que ninguém abusou dela? — Perfeitamente. — Senhor. sozinha e solitária. baixando a cabeça entre as mãos. Eles tinham apenas três dias antes do eclipse total. os vampiros ficavam chateados. *** Trinity estava infeliz e quem se atrevesse a entrar em seu caminho ia se arrepender.— Basil. Ela tinha dezoito anos quando Basil a encontrou. Ela tinha cabelos cor de ouro. Os seres humanos. — Magnus se virou e ergueu a sua mão para os homens atrás dele. cansadas e desesperadas para serem liberadas. — Eu também te amo. 94 . a cabeça para baixo. — Perfeito. — Inclinou-se para baixo. — Diga-me você conseguiu outra? — Nós conseguimos.. quando seu carro derrapou. — Ele desapareceu antes que ela pudesse lhe dizer o que queria. ela estava muito chateada. Sim. estudando. Chaos via como as mulheres passeavam pela sala. — Daqui ha pouco tempo nós vamos dominar o mundo. Seus pais e a irmã morreram em um acidente de carro enquanto viajavam para as suas férias para uma estação de esqui. longo e amarrado para trás de um bonito e muito jovem rosto. mas eles não podiam deixá-las muito drogada. — Quantos anos? — Quatorze. Eles não tiveram nenhuma chance de escapar. — Magnus sorriu.. ela não podia estar com o homem que ela amava. Ela estava em casa. três dias antes do ritual que ressuscitaria o rei. Todos os três morreram instantaneamente. Mal sabiam elas que nunca mais veriam a liberdade. seus corpos eram tão frágeis. *** O tempo estava se esgotando. Tropeçando no beco escuro. Ela é doce. Chaos voltou e reconheceu o homem por trás dele. Elas haviam sido drogadas a maior parte do tempo. As moças em cativeiro estavam se tornando inquietas e irritadas. Chaos viu uma garota arrastada para a sala. correu um dedo pela face da criança delicada. satisfeito. Seus homens tinham que aproveitar melhor o tempo. Por que a vida tem que ser tão cruel? Ela amava Basil e por culpa de Chaos que queria dominar o mundo e ressuscitar o rei. — ela murmurou.

Seus pais eram filhos únicos. chorando. ela não tinha tios e tias em quem confiar e ambos os conjuntos de avós estavam mortos. ele finalmente mostrou seu eu verdadeiro e ela não teve nenhum medo. mas nenhum que assumisse as responsabilidades de suas mortes e enterros. Então ela sentiu a dor no coração escapar. e ela sabia. Ela tinha que ver a rainha. Ela estava na universidade durante três meses e adorava. ela fez tudo sozinha. na sua primeira vez. Quando os dentes dele tinham afundado em seu pescoço ela teve dúvidas. A polícia havia aparecido às seis da tarde e tinha mudado sua vida para sempre. mas as atribuições eram muitas. Ela tinha 18 anos de idade. Ela ficou devastada. se iria permitir que ele tomasse a sua virgindade e ser seu para sempre e mais uma vez ela disse sim. Então ela teve uma ideia. apenas uma fração de segundo depois ela soube que estava fazendo o certo.Tinha sido a sua escolha de não ir com eles. ela optou por ficar para trás e começar a fazer seus trabalhos da faculdade. Trinity sabia que se ela tivesse viajado. Ele tinha sido tão amável. 95 . ele ofereceu um lugar repleto de luz de velas. tão compreensivo e ouviu quando ela contou sua história. para dizer o mínimo. com toda aquela neve que implorando para ser usada? Então. Ele perguntou se ela queria se livrar daquele tormento. só que era gentil. a dor de não poder ter o homem que ela amava muito. quando ela estava sentada no seu quintal. As responsabilidades se acumularam desde o funeral. Sua escolha de ficar para trás. sem dúvida. E ela caiu em seus braços de bom grado. Ele não havia deixado-a. as contas. Basil tinha lhe dado o momento mais glorioso. Quem diria. os enterros e ela tinha feito tudo sozinha. Isso foi pouco mais de sete anos atrás e. embora a dor de perder sua família tivesse ido embora. ela nunca teria conseguido fazer qualquer trabalho. Ela não tinha idéia de quem ele era. bonito e sempre estava lá quando precisava dele. não. vinho e música romântica. ele a abraçou enquanto ela chorava. Assim. que isto era o que ela realmente queria. e ela disse que sim ansiosamente. Seus pais tinham amigos. Ela não tinha idéia de como se livrar dessa dor e gostaria que houvesse uma forma fácil de se livrar. da dor de sua perda e de todas as suas responsabilidades. Depois de vários meses juntos. Então ele perguntou se ela queria ficar livre de seu fardo. Basil apareceu em uma noite.

E agora? A sala era surpreendentemente brilhante. ótimo. Eles vinham até a rainha para pedir conselhos. eles não seriam capazes de abri-la. e quanto a isso? — Ela levantou o pingente que ela usava no pescoço. ou simplesmente adorar. A voz trêmula parecia vir de todos ao seu redor. 96 . — Pare o ritual. Esta era sua primeira vez aqui. filha. pressionou a maçaneta de metal e sentiu um calor atravessar seu corpo. ela deixou escapar um suspiro em silêncio. Tomando os túneis subterrâneos.. Onde isso vai acontecer? — Eu não posso te ajudar com isso. — Você trouxe uma oferta? — Uma oferta? Ah. instintivamente começou a proteger-se para evitar que a luz a queimasse. mas nunca tinha ido para a instalação real. o que diabos era isso? — Qual é a razão da sua visita? — O pai de Basil. — Ah. — Ora.Capítulo Treze Ela nunca tinha feito isso antes e esperava estar na direção certa. Ela vai servir. Os seres humanos não sabiam dessa área e mesmo se alguém pudesse cair acidentalmente na porta. em forma de diamante que ela tinha encontrado em uma vítima de um vampiro há muito tempo... ajuda. ótimo. Ela não tinha nenhuma razão para ver a rainha até agora. para os vampiros. Sentia-se boba falando com uma luz.. eu teria revelando ao meu filho. —Trinity pensou. — Você não vai se queimar.. e enquanto ela entrava pela porta. Ela localizou a última porta à direita.. Trinity levantou a cabeça e olhou em volta. — Hum. oi. como um presente? Um. mas ela não viu ninguém. O Reino Místico era um templo místico onde a rainha estava e era equivalente a uma igreja. A estrela do desejo. Eu quero saber como eu posso impedi-lo de voltar. por que não? — Ela sentiu uma sensação de frescor na neblina sobre ela. Trinity esperou a permissão de entrar. — Se fosse tão fácil. — Estrela do desejo. Era uma estrela pequena. — Claro. Quando a porta começou a abrir. Trinity sentiu o pingente ser elevado do seu pescoço e na cabeça. simplesmente por não terem o código de acesso. ela seguiu o caminho que esperava levar ao lugar certo. Ela só tinha ouvido falar sobre a localização de outros vampiros. Você tinha que ser um sugador de sangue.

e precisava liberá-la de alguma forma. Será que ele sabe que você está aqui por ele? — Eu não estou aqui por ele.. O amor tem que ser forte o suficiente para o sacrifício. Cuidado para não se oferecer demais. — Existe alguma maneira de alguém me ajudar? Tem que haver um jeito. eu imploro. — O amor é a chave. — Eu vou passar sem obrigado. — Claro.— Ok. Havia uma abundância de vampiros aqui para fazê-lo. — Então use a chave. — Ele não gostava daquele cara e talvez se ele o matasse. se é isso que você quer dizer. — Eu o amo. Ele tinha tanta frustração dentro dele. Em seguida. não espere. Saiu para tomar um lanche de madrugada? — O comentário foi lançado com uma grande dose de sarcasmo. — Aquela afirmação soou bem egoísta. 97 .. Não era sangue que ele precisava. Estou aqui por mim. — Há mais do que apenas uma criação. pensou Trinity. — Não. quando é tomada virgindade. — Você é sua noiva? — Ele me criou. Por favor. ele deixaria Trinity em paz. — O amor tem que ser forte o suficiente para suportar tudo. apenas matar um. ela sentiu a presença desaparecer e a porta se abriu atrás dela. e tudo que ele precisava era começar. mente e alma. abaixando a cabeça. Eu odeio charadas enigmáticas. — Mas já era tarde demais. Ainda assim não via ninguém. *** Basil estava à espreita. — ela disse baixinho. Com todo o seu corpo. Não. Eu o amo. Há tanta coisa mais. — É muito tarde para um ser humano na rua. Neste momento ele desejava promover uma matança. Você se tornou dele. — Eu estou preparado. — Ela soltou um longo suspiro antes de falar novamente. unicamente dele. com a mão no queixo dela. — Eu não entendo. — Sacrifício? Eu não entendo. Basil o viu. certo. Beleza sorriu calorosamente. — Basil teve grande prazer em ver Dante se assustar. E agora? Eu ainda estou na estaca zero. Beleza era o nome dela e ela era a luz. — O que eu quero dizer é. Você está me dizendo que tudo o que tenho a fazer é professar meu amor por Basil e nada de ruim vai acontecer a qualquer um de nós? Que meu amor por ele vai parar o ritual? — Isso era fácil demais para ser verdade. — Trinity saiu sentindo-se pior do que quando entrou. Ela sentiu o calor de uma mão cálida levantar a cabeça. — Ela se aproximou mais de Trinity. minha filha. — Ótimo. Eu entendi.

. e pode escolher com quem quer estar. A mulher cambaleou para trás e caiu no chão. — Ele puxou a cruz que ele usava no pescoço. você vai recuar. — Calmamente Basil agarrou a cruz em sua mão enquanto zombava do homem diante dele. Basil foi se encontrar com Trinity. — Você quer morrer? — Eu vim preparado. Ela não vai ficar com você. como eu disse. — Ela é minha. Mas em um movimento. sempre vigilante. — Isso não vai te ajudar. — Eu acho que ela é uma grande garota. — Sou um homem determinado. que ele sempre achou excitante. — Dante manteve seu nível de olhos com Basil. se você a transformou em uma vampira. Dante permaneceu. — E se você valoriza sua vida. Será que o cara não sabia quando deixar alguém sozinho? 98 . Os olhos de Basil se estreitaram.. batendo o pé no rosto do vampiro. e seu coração ansiava por tê-la. — Achou que ela precisa da nossa ajuda? Basil soltou um longo suspiro. — Isso me dará tempo suficiente para usar isto. então você também pode desistir. Então ele viu um vampiro sair das sombras. — Ele tirou uma estaca do bolso de trás. Os lábios de Basil se levantaram em um sorriso malicioso que deixaria arrepiado qualquer homem. mas ele permaneceu em seu lugar desafiante. humano. aquele homem definitivamente tinha vontade de morte. — Sentia-se orgulhoso e com razão. Trinity fincou uma das pernas no chão. E uma vez que passei o dia e a noite fazendo amor com ela em sua cama. com a voz cortante com uma lamina afiada. seu tolo. — Eu concordo.— Então eu sugiro que você me deixe. Ela parecia uma guerreira do jeito que caminhava. — Então. A paciência de Basil se esgotava. sua impressão é errada. — Eu tenho a impressão de que ela não concorda. erguendo a outra. — afirmou Basil acentuadamente. ao longe. — Então ele a viu. e estava pronto para saltar em defesa de seu amor. você transformou Trinity em uma vampira. Sempre pronta. eu acredito que ela me escolheu. Dante engoliu em seco. enquanto você ainda tem sangue em suas veias. Deixando o ser humano patético ali. Oh. — Basil agitou uma mão para ele com desdém. — Portanto. isso significa que vocês dois eram. — Então.

— Trinity disse a queima roupa. Querida. — Seus olhos se encontraram com os de Trinity e Basil lhe sorriu sensualmente. mas também penso que talvez ela também pudesse vir a calhar. Imagino que não esteja numa posição muito confortante. você vai ficar surpresa ao descobrir o quanto esta enganada. lutando para se libertar. — Onde Chaos está mantendo as cinco meninas que ele capturou? — Cinco? — Trinity perguntou. — Trinity olhou para o pescoço da jovem vampira. — Olá. Basil pegou o rosto da mulher. enquanto a bota de Trinity marcava o rosto da vampira e ele não poderia estar mais orgulhoso de sua menina. Trinity levantou a cabeça para ele sem sequer parar o que ela estava fazendo. — Ele se levantou e sorriu tortuosamente. — Por que você ainda está aqui? — Pensei em ficar aqui por um tempo. de forma que a cabeça dela batesse. Ela realmente era uma visão. 99 . — Eu não vou falar nada. Ele gostava de vê-la lutar. enquanto Trinity continuava a bater naquela mulher. — Eu sou uma criatura da noite. — Ela é uma das criações de Chaos.— Não. — Acendeu um cigarro e observou sua menina trabalhar. batendo os braços inutilmente. — a vampira grunhiu. — Sim. Ele se virou para a mulher. Trinity ainda não olhava para a vampira. — Todas as criações de Chaos usam esse anel. isso pode ser verdade. em outros aspectos. — informou Basil. — Ah. — Mais uma foi levada na noite passada. apertando os pés no chão um pouco mais forte. Por que você ainda está aqui? — Dante revidou. levantou o cabelo da jovem vampira e mostrou o diamante em forma de C queimado em sua carne. eu poderia sugerir você perguntar o que ela está fazendo aqui? — Por quê? Eu sei o que ela está fazendo aqui. Diga-me o que eu quero saber. E eu não me importaria em vê-lo. E se você acha que já sofreu o bastante. meu amor. — Vá se foder. — É por isso que eu a amo. porra! — a jovem cuspiu nele venenosamente. — Você se importa de eu falar com ela um momento? — Ainda ajoelhado. enquanto erguia a vampira para jogá-la no chão. ou ela vai acabar com você. Ela gosta de brigar e isso pode durar horas. — Querida. — Eu fico sem essa. — Ele apareceu diante dela enquanto Trinity chutou o rosto da mulher. — Ela poderia desfrutar um pouco da sua tortura. — Como você sabe disso? Ele se ajoelhou. — disse Trinity sem fôlego. eu poderia sugerir alguma coisa? — Cai fora. — Basil sacudiu as cinzas.

Trin. — Eu poderia ser capaz de ajudá-lo. Espere! Pare! Por favor. puxou sua faca de bolso. para conversar. em um movimento rápido. 100 . afinal. — Droga. todos eles decidiram se mudar para o apartamento de Trinity. Eu precisava dela. — disse Dante. Eu baixei a minha guarda enquanto ela estava pedindo. Porque você acha que ele matou seu irmão? — Trinity esticou os pés para fora em sua mesa de café. — Bem. e eu quero me vingar. —Você não sabe mesmo quem é Chaos. saindo das sombras. Ela explicou tudo a Basil enquanto eles andavam. — Não. O homem realmente era patético. eu sou um investigador. — Duvido que ela tivesse dito alguma coisa. Ela serviu todos com um copo de cerveja. — Faz pouco tempo que a usei. — Que diabos você está fazendo aqui? — Trinity rugiu. em seguida.Trinity puxou a mulher para cima e bateu-a contra a construção. eu posso me proteger. mas ele parecia não dar a mínima. — Basil colocou a mão sobre o ombro para apoio. — Mataram o meu irmão. e em seguida. — Basil disse para ela. — Nos vamos achar um jeito Trinity. — Eu te disse. Dante descansou sua cerveja em seu joelho e começou. Droga! — Ela ajoelhou-se e recuperou a estaca. — Não. querida. — Não é assim. — Disse Dante. Ela poderia ter nos ajudado a encontrar as meninas. eu não fiz isso. — Você também é humano.. — Eu te disse. então. se sentou confortável no sofá. — Disse Trinity — Nós vamos encontrar outro colaborador. — Patrulhando. pensando que poderia ser de alguma utilidade para eles. — Disse Basil. Tanto Trinity e Basil se viraram para Dante. pode apostar que não esta enferrujada. Você não vai me convencer ao contrario. — Trinity lembrou. — Dante ergueu o corpo e encarou Trinity. — Então. que a vampira suicida utilizou. — Mas o Chaos fez. arrancou a estaca do cinto de Trinity e enfiou-a profundamente em seu próprio peito. que estava mais próximo.. Se acomodando de forma confortável na poltrona. Ele tinha estado muito ocupado. não. — Mas por quê? — Trinity guardou a estaca no bolso da jaqueta. Eu estou nessa agora. — implorou. *** Para a segurança de Dante. — Agora o que vamos fazer? Estamos correndo contra o tempo. como é que você acha que pode nos ajudar? — Ele rosnou para Dante. Eu deveria ter sido mais esperta. Dante o olhava com mau-olhado.

marcando-o. — Então me ajude. Mas seria uma centena de seres humanos a menos e uma centena de vampiros mais. acendendo um cigarro. como evitar que o mundo se acabe. Você não pode se meter com ele. exista uma centena de vampiros em nossa cidade. — Dante bufou. — Não esta acabando. sozinho. — Mas como? — Dante tomou outro gole de sua cerveja. amigo. — Se a escuridão prevalece. o que acho duvidoso. Ela acenou para ele com a lata na mão. que. — Ainda existem mais humanos que os vampiros. eu nunca esqueci essa noite em que ele foi levado de mim. acredite em mim está longe do valor real. Basil riu com tanta ousadia que fez Dante ficar chateado. Ele gostava de escapar de casa durante a noite e sair com seus amigos. visto que eles se alimentam de vários ao mesmo tempo. — Ei. Precisamos parar com isso.— A tatuagem. E os seres humanos que não forem convertidos em vampiros serão mantidos como escravos sangue ou de sexo. — Trinity avisou. Basil recostou-se ao lado de Trinity. até agora. É melhor pensar direto no que vai fazer. — Acabará se o rei for ressuscitado e a escuridão predominar. digamos. Em um dia. então ele decidiu fugir a noite da nossa janela do quarto. quanto tempo você acha que esse número continuará? Mesmo que. — Treze. Ele já havia recebido uma bronca na noite anterior e estava de castigo. mas Danny era mais rebelde. agora. — Que idade tinha o seu irmão? — Basil perguntou. então. mas vamos supor uma centena. e pressionou no pescoço do meu irmão. do pé ao rosto. — Não faz tanto tempo assim. Chaos sequestrou meu irmão e ninguém o viu desde então. — Levantando sua própria cerveja. eu corri atrás dele. — Ah. — Nós somos gêmeos em todos os sentidos. Dante estreitou seus olhos enquanto respondia. — Eu tenho outras coisas para fazer. Eu nunca tive um nome de seu agressor. Depois que o monstro atacou o meu irmão ele esquentou um anel com um isqueiro. — Você não tem ideia da besteira que você vai fazer se for atrás de Chaos. faz tempo. Mas eu vi seu agressor e vi o anel quando o bruto aqueceu e marcou no pescoço do meu irmão. Mas era tarde demais. — Como foi que você viu tudo isso e ainda esta vivo? — Basil perguntou meio que surpreso. — Foda-se! — Exatamente. Pense em quanto tempo levaria para que eles governassem o mundo. então engoliu alguns goles de sua cerveja. Vamos dizer que eles comecem a tomar um ser humano por vez. 101 . — acrescentou Basil. soprando anéis de fumaça no ar.

Dante voltou sua atenção para Trinity. ou saber como desativá-los. — Crianças. Agora. — Ele é um de vocês? — Dante perguntou curiosamente. Eram três da manhã. cheio de seguranças. — afirmou. mas você é humano. 102 . eu preciso de você agora. mas a raça humana. Trin. não é? — Basil parou para encontrar um cinzeiro. — Posso acrescentar até nisso. — Claro que sim. — Ela estalou os dedos. o quão estúpido você acha que eu sou? Como eu vou acreditar nessa linha.— Essa é a pergunta do dia. — Não. Mas eu sei de alguém que faz. desligando o telefone. — Nós temos o moço do computador. — Ok. Eu preciso de suas habilidades no computador. — Eu sei usar um computador. — Sim. isso não é impossível. — E o que você sugere? — Perguntou Basil com uma mordida de sarcasmo. já que temos um gênio do computador entre nós. — Este lugar está seguro. — Na parte esquerda do armário. — Eu esperei toda a minha vida para ouvir isso. não apenas eu. — Trinity franzindo os lábios. esqueci de ver à hora. — Você não pode apenas chegar lá. — Nos seus sonhos. — O que precisamos é pegar um dos seus homens. — Claro. —Ah. — Eu vejo que você não apagou a sede de tortura ainda. — O Investigador aqui sou eu. — Dante falou com sua voz firme. igual aquela outra vampira. — Eu estarei ai rapidinho. mas não sei como invadir-los. — Ei. essa é a primeira luz. — Desculpe. Jonah. deixe-me dormir mais um pouco tá. É uma questão de vida ou morte. Você daria um belo lanche para eles. Quando ele respondeu com um grunhido mal humorado. Sério Jonah. — Eu poderia achar a instalação de Chaos e sequestrar um dos homens dele. eu estaria chamando-o agora se não fosse realmente importante? Houve uma pausa momentânea. segurá-lo e arrancar algumas respostas dele. meu serviço é procurar e descobrir as coisas. — Ela pegou seu telefone e apertou o número de Jonah na discagem rápida. Você precisa saber os códigos para entrar. isso seria ótimo. Seus lábios franzidos. Uma olhada em suas veias e você estaria cercado por vampiros famintos como formigas em um piquenique. ela checou o relógio e se encolheu. Alguém próximo de Chaos. do lado direito inferior. Bem. — Eu poderia ir nessa instalação e distraí-los — ele continuou. crianças. batendo para fora o seu cigarro. em todo caso — Basil interrompeu. Eu preciso de você. — enfatizou Trinity. — Basil sorriu quando voltou para a sala e se sentou ao lado dela. antes que ele respondeu. Trinity bufou.

. talvez. colocarei lá nosso prisioneiro. — Eu não posso me transformar em você ou em qualquer outro ser humano. — E esperemos que. O que é um castelo sem um calabouço? — Ok. — Como você chegou até o porão? Você não disparou os alarmes. — Então. eu preciso dormir um pouco ou não vou ser de grande ajuda. Eu estarei lá.. ela franziu o cenho. Ela não podia esperar. — Seu sorriso aumentou. se é isso que você está perguntando. Basil explicou cheio de impaciência. — Você pode se transformar em algo ou alguém? — Dante interrompeu. — Dante franziu os lábios. — Ele esfregou as mãos com entusiasmo. — Eu poderia fazer isso de novo. — Explicou Basil — Aquele local é seu? — Dante assobiou. se não fritaremos. Já estava na hora de agir. — Ok. aparecer como um. como você planeja fazer isso? — Bem. aonde vamos agora? — Para meu castelo. Não podemos andar de dia. — Faz tempo que não me envolvia em algo tão empolgante assim. — Ok. — Trinity perguntou. — disse Basil. — Trinity informou. — Por que tão tarde? Não deveríamos começar mais cedo? — Nós não temos o nosso homem da tecnologia agora e na hora que ele chegar aqui vai ser dia. — Você realmente tem uma masmorra? — Claro. se o Sr. O queixo de Dante caiu. Que horas começaremos isso? — Dante levantou-se. eu posso entrar. Quando? — Tem que ser hoje. — Espero que sim. Pasty aqui pode criar uma distração e Jonah pode mexer com os alarmes. — E quando você estiver fazendo isso Trinity eu farei um desvio. — Você acha que ele pode lidar com isso? — Basil perguntou no momento em que a porta se fechou e Dante foi embora. Jonah vai ter mexido com os alarmes e você pode prender e executar. perto da colina. Só podemos agir a noite. Mas posso mudar a forma para qualquer outra criatura. — O que foi? — É melhor eu sair e preparar as coisas. encontrar alguém e sair. por esse tempo. — Perfeito. — De noite. pronta para tomá-lo em seus braços. e voei pelos túneis. — Ela deu um passo em direção a ele. Vou usar o calabouço do castelo e pronto. — Eu virei um morcego.—Ele é humano. É o castelo perto da Valley Road. — Nós só temos um pouco mais de 24 horas até o eclipse. 103 . Quando ele se afastou. colocando sua lata de cerveja na mesa. — Virou-se para Basil agora. tempo suficiente para você entrar. chegando a seus pés. — É um local muito bonito.

lambendo os lábios enquanto desabotoava a camisa. Agora ela estava tensa e ninguém podia aliviá-la. — Nós temos muito tempo. você é rápido. Oi Doninha. o que eu preciso apenas você pode me dar. — Você precisa de mais do que eu posso dar. Ele a olhou sobre os ombros. ele vai estar na minha vida de novo. 104 . Por que ele estava aqui? — Eu o amo. — Ótimo. Vemo-nos a meia-noite. Trinity. então se acostume com isso. Pare de fazer isso. impedindo-a. — Não. — Esqueceu de bater? — Não. Basil. — Não rápido o suficiente. Jonah e se as coisas acontecerem do meu jeito. Você disse que era urgente. — Ela colocou as mãos nos quadris. Ela se aproximou um pouco mais.. Ela se virou para a porta e viu Jonah entrar e fez uma careta. — Porra. — Ele colocou as mãos. Trinity. — Aqui está o que eu preciso que você faça. — Ela bufou. — Jonah está aqui. quero dizer. pelo que percebi. — Oi para você também.— Eu pensei que talvez pudéssemos ter tempo para uma troca de olhares. — Nós não temos muito tempo.. — Então Basil desapareceu. jumento. — ela exigiu enquanto ele se afastava um pouco mais. por isso aqui estou.

sua mente dizia para se afastar. Não foi fácil sair de lá. Ela o estava matando. — Pare. 105 . — Trinity. mas não a vestiu. por favor. Ele agarrou os pulsos dela e os afastou. Mas. Terminando o banho. — Seu corpo estava gritando para possuí-la. E encontrou Trinity deitada nua em sua cama. tê-la lá de forma permanente. Ele virou as costas para ela e começou a puxar a roupa de sua gaveta.. — Então me deixe tocá-lo e parar a dor. que o excitou. você está me matando. — Basil se encolheu quando ela se aproximou dele e tocou seu ombro. — É por isso que eu vim mais cedo. Mas até que ele tivesse certeza que seu pai ficasse aprisionado. era vê-la em sua cama. — Seus olhos piscaram cheios de tesão. Esse simples toque foi suficiente para fazê-lo desmoronar. — Temos trabalho a fazer e estamos correndo contra o tempo. — Correu as unhas curtas sobre o peito. Não foi só vê-la nua em sua cama. — Por que você está me evitando? — Ela apanhou. ele enrolou uma toalha em sua cintura e entrou em seu quarto. Basil mal percebeu a aproximação. O que significava abandoná-la. especialmente quando ela estava tão disposta a dar-se a ele. — Apesar de sua necessidade. Desejou com todo seu coração. Embora tivesse em mente que a melhor coisa a fazer era deixá-la livre. — Por que não? Você parece mais do que pronto para mim. — Eu vou me vestir depois que fizermos amor. Eu sugiro colocar alguma roupa antes dos nossos convidados chegarem. — Cara. Ele levou vários momentos para criar coragem e falar. Mais uma vez. eu não posso. ele tinha que mantê-la segura. — Você chegou uma hora mais cedo. Por dentro estava morrendo para possuí-la.Capítulo Quatorze Oito horas antes de o eclipse Solar Ele não tinha dormido nada desde que deixou Trinity. volta-se a ele com um sorriso sedutor. — Eu não sei como vai se sentir se Jonah vê-la nessa condição. em seguida. — É assim que você pensa em distrair nosso inimigo? — Perguntou. novamente. em seguida atirou-lhe uma das suas camisas. Ele estremeceu e caminhou para seu armário. eu adoro os seus músculos.. isso o estava matando. ele tinha que manter distância. — Parece que cheguei na hora certa. brincando com o cabelo escuro que cobria a maior parte. — Deixou a camisa cair e foi em sua direção.

— Eu já disse mais de mil vezes. Ele certamente não estava disposto a dizer-lhe que Trinity já estava aqui. meu amor. — Obrigado. olhando para a pintura das montanhas com o céu cor de sangue. Basil. carrancudo. Ok.. dane-se. — Se ela ficar comigo e meu pai se libertar.— Você não está segura quando está comigo. Cooper. — Seus olhos se voltaram para as escadas enquanto Trinity descia. O Sr. Mas parte de mim estava cético. sim. Encontrou de pé Jonah em sua sala. Ela não vai ouvir a razão. — Eu poderia encontrar uma outra razão para você não gostar de mim. de mim. Jonah. — implorou a ela enquanto abria a porta. — Não discuta comigo sobre isso. — Vamos discutir o assunto. — A batida na porta era mais do que ele precisava para interrompê-la. Eu tentei protegê-la. — Agora seria um bom momento. Basil voltou a Jonah com um leve sorriso. mas é uma mulher determinada. — Você acha que pode. e me deixou puto. Jonah levantou as sobrancelhas em surpresa. — Como quiser. Jonah voltou para Basil. Não era segredo que Jonah o odiava desde que traiu Trinity da pior maneira. — Deu-lhe um empurrão em seguida puxou um par de calças pretas. — Basil sorriu maliciosamente. Você quer falar sobre o quê? — Ele se moveu para a sala em sua graça habitual. em seguida a camisa. — Eu acho que você precisa se vestir antes de descer. — Você está adiantado. ela me disse o que você fez. eu posso me proteger.. ele quer me fazer sofrer e ele planeja usá-la para fazê-lo. — Ele fechou a porta e se virou para Trinity. — Eu prefiro chegar adiantado. a traiu porque seu pai a ameaçou. — Sim Cooper? — Você tem um convidado. Basil colocou suas calças e. você está me fazendo realmente gostar de você. Deixando escapar um suspiro profundo. — Basil. pelo menos. O que você quer que eu faça? — Convencê-la a deixar-me sozinho. Além disso. 106 . Trinity. é melhor ficar longe dela. Você a traiu. — Sabe. — Você podia dizer isso a ela. — Por favor. Eu gosto desta pintura. eu queria falar com você antes de todo mundo aparecer. E agora você está aqui me pedindo para ajudá-lo a mantê-la longe de você e. — Trinity está em perigo? Ele certamente não esperava por isso. — disse ele em um tom que era mais descontraído do que as suas declarações anteriores e deixou Basil um pouco confuso. antes de ir para baixo. mas talvez ela o ouça. mas você não pode e nem eu poderei. bem. Estou tentando fazer o que é melhor para ela. — Então. Meu pai não só quer me machucar.

e eu preciso primeiro jantar. — afirmou Dante. — Dante levantou e se aproximou de Trinity. ensinado a acreditar que o mal não pudesse 107 . olhando para a tela. — Servindo os copos. Jonah? — Trinity perguntou. — Quem é Dante? — Jonah enfiou as mãos nos bolsos da calça e esperou por uma resposta. Pode ser duro. — Um investigador. — Convença-a — ele reiterou baixinho e se afastou enquanto ela entrava na sala. — Contra a criatura mais má do planeta. ele foi capaz de digitar o endereço das propriedades na seção de mapas do seu navegador e conseguiu uma visão aérea da propriedade e da construção. — Dante não está aqui ainda. — Sinta-se a vontade. mas você não está imune contra isso. eles foram para a sala de Basil. — acrescentou Basil. antes que seja tarde demais. só desta vez. — Vamos começar o show. — Isso é folclore. — Eu pensei que você me disse que estava em perigo por estar com Basil? — Jonah resmungou. — Jonah disse simplesmente. Eu lhe garanto isso. — disse ela com os olhos apertados. Ele vai trabalhar com a gente para interromper o ritual. ter chegado tarde? — Trinity bateu o punho no braço de Jonah forte o suficiente para fazê-lo gritar. Basil esperava entorpecer a dor que estava sentindo no fundo do seu coração. — Alguém quer café? — Basil perguntou para acabar com o que poderia ser uma briga entre os dois. Basil esperava que Jonah tivesse mais sucesso com Trinity em convencêla que ela estava melhor sem ele do que com ele. — Ou uma dose de uísque? — Pra mim está ótimo. — Se o vampiro fosse criado em uma igreja católica. — A primeira vista sim. pairando sobre os ombros de Jonah. — Por que está aqui tão cedo. — Fique fora disso. — explicou Basil. Graças à tecnologia. ele sabia exatamente o que fazer. esfregando o braço. sacudindo as cinzas num cinzeiro de vidro na barra. Fique longe dele. E era por isso que ele era o melhor homem para este trabalho. — Eu sei me cuidar. — Eu pensei que vampiros não entrassem em igrejas. *** Depois de Dante chegar. — Eu gosto de chegar adiantado. enquanto Jonah batia nas teclas de seu laptop em busca das propriedades de Chaos. — Jonah ignorou Trinity. Trinity. criado para acreditar em céu e inferno. Embora tivesse levado mais de uma hora para chegar a ela. puxando um cigarro e acendendo-o.— Ela estava aqui com você? — Jonah disse baixinho. Você não poderia ter. mas não é. — Parece uma igreja normal.

atravessar um terreno religioso, então eles não seriam capazes de entrar na
igreja. Mas realmente não existem problemas em entrar em uma. A maioria
das pessoas ainda pensa em igrejas como um fundamento sagrado, e por
isso que eles acreditam estar seguros, uma vez lá dentro. E é por isso Chaos
tem seu acampamento em uma igreja.
— As pessoas não suspeitariam de uma igreja, — Trinity complementou.
— E no instante em que estamos lá dentro, bam! Eles te agarram e te
transforma em um deles.
Basil acenou com a cabeça.
— Ou os usam como comida ou brinquedos para o seu povo. O lugar
perfeito para se esconder e alimentar.
— Assustador. — Dante estremeceu.
— E é por isso que eu lhe disse para não ir atrás dele sozinho. — Trinity
olhou severamente para Dante.
— Então, vocês dois são inimigos, você e esse tal de Chaos. Mas se você é
o príncipe, por que você não acaba com ele?
— Enquanto ele se comporta, por assim dizer, eu não tenho nenhum
problema com ele.
— Ora, ora, ele ressuscitar um demônio do mal, não é se comportar mal?
Então, ele usa uma igreja para atrair pessoas e criar mais vampiros. O que
você faz para aumentar o seu número?
— Eu espero por gente estúpida, como você, abrir a boca.
— Basil não procede dessa forma. — Trinity interrompeu, sabendo que
aquela discussão só iria terminar em uma luta. — Ele só transforma
pessoas que não tem mais razão para viver.
— Quanta nobreza. — Dante zombou.
— Se amanhã você soubesse que só tinha uma semana de vida, você
escolheria o que? Uma oportunidade de continuar vivendo ou a doença? —
Basil perguntou disfarçadamente.
— Então como você encontra essas pessoas desesperadas?
— Você consegue detectar que tipo de sistema de alarme que ele está
usando, Jonah?
Trinity cortou a conversa, na esperança de lembrar os dois porque eles
estavam aqui.
— Eu posso, mas vai levar algum tempo.
— Precisamos fazer isso agora, — insistiu Basil. — Estamos correndo
contra o tempo.
— Segurem suas presas, senhores mortos-vivos. Eu posso desativar o
sistema daqui quando detectá-lo. — Jonah bateu no teclado. — Meu
software foi criado com um detector que emite um barulho no instante em
que está perto de qualquer tipo de sistema de segurança.
Basil ergueu as sobrancelhas.
— E com a ajuda disso, você consegue hackear todo tipo de programa?
— Eu tenho meus segredos, — disse Jonah, com um sorriso orgulhoso.
— Ele hackeou os computadores policial, em nosso escritório.
108

— Você contou nosso segredo Trinity, — Jonah espetou Trinity. — Eu
posso fazer essas coisas, Basil.
— Você é o melhor nisso.
— Eu acredito nisso. — Disse Jonah
Eles viram enquanto Jonah bateu os dedos sobre as teclas, xingando
quando ele desativada um firewall após o outro, em seguida, clicou sobre as
teclas mais uma vez. Parecia demorar uma eternidade e Trinity podia sentir
o nervosismo que emanava de Basil enquanto ele rondava o quarto.
— Eu consegui! — Jonah proclamou.
— Até que enfim, — Basil bateu na mesa de Jonah.
— Você pensa que é fácil?
— Meninos, — exclamou Trinity, sabendo onde aquela conversa iria
chegar se os dois começasse a criticar um ao outro. — O que você tem,
Jonah?
Jonah começou a explicar enquanto ele virava o laptop para que todos
pudessem ver.
— É o estado da arte, movimentos censurados, mas que também
trabalha na temperatura do corpo.
— Eu pensei que vampiros não registrassem a temperatura do corpo
porque, bem... porque eles estão mortos. — Dante encolheu os ombros
quando ele olhou para Trinity, em seguida, Basil.
— Nós não estamos mortos, mas não completamente vivo assim nossa
temperatura é mais baixa do que seres humanos, — informou Trinity. —
Mas este tipo de detecção não foi concebida para detectar a temperatura do
vampiro. Eu estou apostando que é para detectar os seres humanos. Estou
certa?
Basil acenou para a declaração dela.
— Assim, um ser humano passa e bam, vampiros saltam de seu
esconderijo e têm um lanche agradável, — declarou Jonah enquanto
esfregava as mãos.
— Ok, então o que se passa lá? — Dante perguntou com um
estremecimento.
— É uma configuração diferente. Mais sofisticado. — Jonah digitou mais
algumas coisas. — Eu tenho todos os esquemas aqui. Um comando simples
e ele está desconectado.
— Mas como eles não sabem se forem desconectados? — Dante inclinouse para a tela.
— Porque eu vou enganar o sistema, fazendo-os pensar que ele funciona
normalmente. — Jonah sorriu orgulhosamente e clicou o mouse e executou
o programa. — Voila.
— Só isso? — Dante levantou-se, esticando as costas novamente.
— É isso aí, meu filho.
— O homem que deixa as coisas parecerem tão simples.
— É, se você soubesse como as coisas de fato funcionam. — Jonah deu
uma palminha nas costas.
109

— Eu acho que eu poderia usar melhor os computadores. Poderia ser
divertido tentar pelo menos, — Dante decidido.
— Ok, agora o que todos nós temos que fazer é entrar. — Trinity se virou
para Basil, respirou fundo. — Você está pronto para se transformar?
— Estou pronto. — Basil mexeu o pescoço aliviando a tensão.
— É estranha a sensação quando você se transforma? — Dante queria
saber.
— Não, não é. Tudo o que faço é dizer a minha mente para me
transformar e me transformo.
— Fala sério! Você usa o poder da mente?
— Não é tão difícil se você tivesse essa habilidade. — Basil virou-se para
Trinity. — Você tome cuidado.
— Eu sempre tomo.
— Mesmo? Você foi baleada não faz muito tempo. — Ele beijou o nariz
dela fazendo-a franzir a testa, em seguida, desapareceu. — Te vejo mais
tarde. — Sua voz ecoou.
— Eu sou um gênio. — Jonah virou o monitor para que eles vissem. —
Eu conectei meu computador na unidade central, então posso ver tudo o
que eles fazem.
— Bem, eu acho que significa que vamos à luta. — Movendo seu pescoço,
Trinity se preparou para uma possível luta. Bem, estava ansiosa por uma.
— Pronto?
— Pode apostar que sim. — Dante acenou com a cabeça. — Há quanto
tempo você e Basil se conhecem? — Ele seguiu Trinity para seu carro.
— Faz sete anos.
— Uau. Então, por que terminaram? — Ele subiu no lado do passageiro
de seu carro.
Ela olhou o motor e começou a ligar.
— É complicado.
— Eu vejo. Ele te traiu.
Ela se virou para ele com surpresa.
— Como você descobriu isso?
— As pessoas acabam relacionamentos de longas datas, geralmente por
esse motivo. E então descobriu o que vamos fazer para distraí-los?
— Eu vou te usar como isca.

110

Dante congelou. 111 . é realmente você. — Amigo por acaso nos conhecemos? O jovem saiu das sombras. sua mão parada no ar enquanto ele olhava para o jovem. e o encaminhou para as instalações. — Danny? — Dante. Deu tão bom como ele conseguiu. — Não vai chegar tão longe. Ele a pegou e manobrou facilmente. Mas isso não significa que eu queria ser um de vocês. — Eu espero que você esteja certa. enquanto ele observava o irmão. — Acho que sim. — disse o vampiro. Ela tinha as mãos cheias. Irritável. pronto para matar. — Não! — Gritou para Trinity. A voz de Dante tremeu enquanto ele descia do carro. Com uma manobra rápida. preparado-se para a luta. sempre gostou e valorizava um bom adversário. — Olá meninos. Com as mãos tremendo mais do que um pouco. Tirou uma estaca do bolso e a jogou para Dante. só para ter certeza de que não batesse pino. Ela gostava de lutar. o empurrou caminho abaixo. — Acerte o coração. Danny. quando alguém falou. em seguida. Nós dividimos um útero por nove meses. Ela não disse uma palavra a Dante. a cabeça inclinada para o lado. — Dante? Ele parou. Os vampiros sentiam melhor o cheiro das pessoas quando elas estavam nervosas. Ela pegou o braço dele. mate-o! — Trinity gritou enquanto mais três vampiros saíram das sombras. — Danny? Oh meu Deus. ergueu-o. — Afastou-se quando dois homens corpulentos dirigiam os olhares para eles. — Olha nós temos um pouco de carne fresca para o jantar desta noite. Dante. — Trinity assegurou. Ah. ela chutou um para a esquerda e bateu em outro. mesmo quando ele continuava a perguntar como ela o usaria como isca. o seu largo sorriso mostrando seus dentes afiados. Confie em mim. foda-se Trinity. — Trinity saiu das sombras. — Olha. — Eu sei. Aquele com a cabeça raspada era definitivamente bom no que fazia. Eu assisti a filmes o suficiente para saber como matar um deles. Era melhor mantê-lo no escuro. eu sei que fiquei entusiasmado com as novas descobertas sobre vocês.Capítulo Quinze Cinco horas de o eclipse solar Trinity estacionou em uma parada perto de um caminho deserto da estrada que levava a propriedade de Chaos.

obstruído seus pulmões enquanto andava pela entrada dos fundos. Trinity começou a correr. *** O ar em torno dele cheirava a ranço. Dante virou-se e viu seu irmão pular a cerca. — Ela pôs o carro em marcha e acelerou ao virar da esquina. preciso encontrá-lo. uma vez que fora cortado em seu ombro. Porra. espere! Que diabos você está fazendo? — Ela o agarrou enquanto ele tentava correr atrás de seu irmão. a cada cinco anos humanos ele envelhece um. Como é que ele cresceu? Eu não entendo. — Ele é um vamp e você foi quase seu almoço. Como ele é um adulto? — Idade vampiresca. Ele é um vampiro impuro. — Ele não teria. — Não até estarmos em segurança no carro. mas agora. ele é meu irmão. Porra.Com um movimento rápido. por que diabos você ficou na minha frente quando eu estava a ponto de matá-lo? — Ela empurrou-o para o banco do passageiro do lado.. — É preciso sentar sua bunda e fazer pressão sobre a ferida antes que você desmaie. Trinity. me coloque no chão. Balançando a cabeça.. Trinity meteu a estaca no peito do vampiro e assistiu virar pó. Os alarmes estavam desativados e tudo estava dando certo. — Ela deu um pulo. Agora tudo o que tinha a fazer era encontrar o seu homem. temos um trabalho a fazer. rasgando sua camisa e uma boa raspagem da pele. — Lançando-o por cima do ombro. Idiota!. — Deixe-me ir! — O que diabos eu vou. e você não está em condições de lutar. — Sua mão se aproximou de seu ombro. pronto para matar. E agora ele se foi. ela saiu em disparada para a casa de Basil. Ela esperava que eles não o estivessem os seguido. — Não! — Dante se posicionou na frente de seu irmão e Trinity acertou Dante. Basil nunca foi terrivelmente apaixonado por Jonah. — Porra. — Não o mate. Eu poderia ter matado você.. 112 . — Então ele estaria com. — Disse para Dante enquanto ela ligava o motor e saia em disparada. dezessete anos. — Danny.. Ela esperava que Basil fosse capaz de lidar com isso melhor que ela. — Seu braço estava sangrando bastante. — Me solte. — Jonah código vermelho. Venha. Eu preciso voltar. A ponta da estaca pegou no ombro. — Ele era meu irmão. ele poderia realmente abraçar o cara. — Então eu vou matá-lo. Seu total idiota. Ele tinha treze anos quando ele foi levado. Merda! — O garoto era rápido também.

Basil correu para a porta. O toque no teclado disfarçava qualquer ruído do pequeno Basil. e Basil o parou antes que ele pudesse pressionar o botão de alerta. Basil controlava sua mente. Não havia nada puro sobre esse sangue. Ele ouviu o barulho e sorriu. — Você sempre foi fácil. ele acabaria com eles por terem o traído. ele abriu a porta. Basil grunhiu enquanto mudou-o em posição. lendo algo no computador. Ele se virou em sua cadeira. Basil correu ao longo do chão. Porra foi muito fácil. que desmaiou. E ele estava sozinho. sentindo o cheiro familiar de sangue humano. mas ele serviria muito bem. — O idiota. o que entristeceu muito. Usando sua mente. Ele se aproximou da mesa. — Levantando o cara para seus pés. A mão de Magnus se deslocou para o painel de controle para a esquerda. mas continuou. seus olhos se estreitaram quando ele olhou para Basil. Perfeito. enquanto Trinity procurava alguns panos. ela parou a estaca no último segundo se não tivesse parado teria sido mais do que uma ferida. Basil saiu com Magnus pelo corredor e chegou à porta dos fundos. Ele cheirou o ar. — Nós precisamos conversar. Na forma de rato Basil chamava menos atenção do que na forma de morcego. Essa era a sua menina. Tomando a esquerda no final do corredor. sentado em uma mesa. Não havia nada vivo nesta instalação.Fechando os olhos. Então ele viu a cabeça de sua presa. Não era Chaos. Enviou um agradecimento mental a Trinity por fazer o seu serviço. Ele passou vários vampiros. em seguida carregou-o para a porta. E se tivesse tempo. Magnus. — Olá. Basil entrou na mente de Magnus. O cara era sortudo. Maldição. — ela gritou enquanto corria para a cozinha. Basil o pegou antes dele bater na mesa. Visto que os ratos eram mais comuns e não chamaria a atenção de uma pessoa ou vampiro. entrou então em silêncio. idiota. E não eram as mulheres jovens. para permanecer na forma de rato enquanto andava pelas instalações procurando sua vitima. 113 . — Apertando a mão no ombro de Magnus. o sangue tinha cheiro de pessoas mortas há muito tempo. alguns dos quais ele reconheceu como sendo uma vez parte de sua equipe. Traidores. Visto que isso deixaria as coisas muito mais fáceis se pudesse encontrar as jovens sequestradas e as levá-las em segurança. *** — O que diabos aconteceu? — Jonah ajudou Dante a se sentar no sofá. estúpido ficou na minha frente enquanto eu estava prestes a fazer pó de alguém. Mas não havia humanos ali no momento. apareceu em sua forma original. em seguida.

Jonah balançou a cabeça em Trinity. D. Eles tinham. enquanto o cheiro do sangue humano espalhava pelo ar. pressionando com força. apertando com a mão o ferimento no ombro. Jonah ajudou Dante a ficar de pé. E quanto a Basil? Qualquer palavra? — Ela sentiu as ondas de dor que emanava de Dante. oba. — Ele levantou suas presas enquanto caminhava na direção de Dante. pelo menos. — Essa porra. — Bem? — Trinity finalmente perguntou depois que Dante e Jonah saíram. Oh. vou levá-lo para ser costurado. — Comporte-se. Eu estou com Magnus. — Boa idéia. — Apenas alguns. Chame-me e deixe-me saber como ele está. — Porque ela não estava inteiramente certo se Basil estava brincando. — Jonah limpou o sangue para conseguir um olhar mais atento. — Jonah pegou o pano de Trinity e aplicou no braço de Dante. — Vamos. — Não me diga.— Ele era meu irmão. — Eu ouvi meu nome ser falado? — Basil saiu das sombras. — ele assobiou. uns vinte minutos para sair do castelo e encontrar uma clínica que estivesse aberta no meio da noite. Apesar de ferida de Dante não ser fatal. — O vampiro era o seu irmão? Merda. temos um lanche. *** — Como você está se sentindo. — Eu vou sobreviver. 114 . — Eu acho que deveríamos levá-lo ao médico. — informou Jonah enquanto ele lavava a ferida com água que Trinity tinha trazido. Alguns pontos e ele estaria bem. — Chaos? — Ele não estava nas instalações. Vamos ter uma conversa com ele. — Dante disse fracamente. D? — Jonah perguntou enquanto saia da garagem de Basil. — Ainda está sangrando bastante? Dante puxou o pano de sua ferida e encolheu os ombros. — Basil informou a Trinity. — Sinto cheiro de sangue fresco. ele estava perdendo um pouco de sangue e a ferida precisava ser fechada para evitar uma infecção. Ela não estava muito preocupada com Dante. Trinity decidiu que seria melhor manter os dois separados. Vai precisar de pontos. com um largo sorriso no rosto bonito. embora poderia ter sido pior. — Não há dúvida. — Será que isso vai funciona? Você realmente quis se alimentar dele? — Eu tenho alguém preso em minha gaiola. — Eu prefiro tomar sangue um pouco mais refinado em qualquer caso. — Ótimo. isso é difícil.

— Isso é difícil. Então. — Há quanto tempo você a conhece? — Seis anos.— Não está jorrando horrores de sangue. Você sabia que ele era um vampiro? — Eu suspeitava. mas. Ele é muito poderoso. — Você sabe. — E esse cara Basil? — Antes de hoje eu teria dito que ele era uma chaga na humanidade. Eu realmente não acho que preciso de pontos.. eu acho que só vim aqui uma vez. Mas não faz mal ter os dois do seu lado. Jonah resmungou. — O sangramento parou. Como está o braço? Dante retirou o pano... Ele piscou enquanto segurava a porta para ela. Pegou no lado esquerdo. Confie em mim.. — Jonah sinalizou e saiu da garagem de Basil e entrou na estrada. — Tenho certeza que logo que este negócio com o pai de Basil for tratado. Eles não tinham muito tempo a perder e ambos decidiram que invadir a mente de Magnus era a melhor aposta na obtenção de informações sobre onde estavam as garotas. — Ele se mexeu na cadeira para olhar para Jonah.. eu não tenho medo muito.. — Lembro-me com carinho. — Como eu disse você não pode deixar Trinity de lado. embora. o seu irmão é um vampiro? — Não havia nenhuma maneira fácil de fazer essa pergunta. — Eu tenho que encontrá-lo. *** Trinity seguiu Basil pelo corredor que levava a masmorra. 115 .. — Talvez. — Não me diga que você tem medo de agulhas? — Eu levei um tiro no meu primeiro ano como um policial. Ele tem todos aqueles poderes estranhos e outras coisas.. do tanto que gostava em ser seu prisioneiro.. em todos os anos que vivi aqui. Ele poderia ser mais útil do que Trinity. depois disso. — Acho que não. Trinity estará mais do que feliz em ajudá-lo a achá-lo. meu amigo. — Talvez ele seja a pessoa que eu deveria chamar para encontrar meu irmão. Você não pode achar nada melhor do que Trinity. então eu vou dar uma folga. — É difícil de entender. ele tem provado seu valor. Jonah diminuiu a velocidade e virou na estrada que dava acesso a Jacob's Cove. — Você ainda vai ser costurado.. mas. — Sim. Eu tenho tantas perguntas.

— Eu estou te dando uma chance de me dizer onde as meninas estão aprisionadas.. mas também se lembrava dele dizendo que odiava fazê-lo porque sentia como bater a cabeça em uma parede de tijolos para chegar ao outro lado.. O som do riso alegre Magnus chamou sua atenção e virando-se para ele o viu rastejar. membro a membro. — afirmou Magnus com um queixo firme sobressaindo. ela sabia que ele poderia fazê-lo.. — Eu não vou trair meu mestre. e decidiu que logo que encontrasse as meninas e o pai de Basil estivesse aprisionado de forma segura. É como andar de bicicleta. — Você tem o seu telefone celular? — Ele murmurou. — Sim. dizendo isso. enquanto ele segurava o homem à parede. Isso só vai lhe causar mais dor. ela ficaria muito feliz em rasgar cada pedacinho de Magnus.. Trinity sentia arrepios só em ver como a personalidade de Basil se alterou. pronto a vir em seu auxílio quando ele se virou para ela.Ela se lembrava carinhosamente bem. — Basil? — Ela estava bem na porta. — Como quiser. Eles deveriam fazer isso juntos. — Se em algum momento você sentir algum problema. 116 . — Num piscar de olhos. — Vamos ver o que sua mente tem a dizer. — O que é tão engraçado? — Você nunca vai encontrá-lo. rapidamente... vou. Ela observou como Basil segurou Magnus na parede e desejou que ela pudesse ver o que estava vendo. Trinity. Qual seria a sensação de entrar na mente de alguém? Então Magnus começou a tremer. — Tem certeza que você pode fazer isso? — Faz muito tempo desde que eu invadi a mente de alguém.. Então. — Não tente resistir. Magnus. não trair. — Eu. — Onde você o enviou? — Se Basil estivesse em apuros. ela iria desfrutar de torná-lo seu prisioneiro novamente. Ele desapareceu antes que pudesse dizer outra palavra. mas tenho certeza que eu me lembro de como é feito. por quê? — Eu vou chamar se eu encontrá-las. Trinity pulou quando o corpo de Magnus começou a convulsionar. — Isso tem que ser feito. Ela ficou enfurecida com ele porque a deixou para trás.. levantando a mão para as têmporas. dirigiu-se a cela onde estava detido Magnus e entrou por entre as grades. Claro. e ela podia ver o poder nos braços de Basil. — E. Então Basil o deixou cair no chão e cambaleou para trás várias vezes. ele levou Magnus à parede com uma mão em seu pescoço. os seus joelhos tremiam. Seus olhos estavam brancos. Basil reapareceu diante dela.

117 . Trinity correu para o lado de Basil. Ela sabia que o tempo estava passando e ela esperava que Magnus finalmente respondesse as perguntas. vou trair. Ela deu dois passos para trás quando sentiu a força da entrada de Basil e viu como ele rasgou Magnus numa fúria cega. enquanto o encarava.. — Onde Magnus o enviou? — Numa fábrica na periferia da cidade.. exigindo respostas. — Eu. — Usando a mão. — Eu. Levantando-o acima dos pés. — Onde elas estão? — Perguntou ele. — Onde elas estão sendo mantidas? Ela ficou assistindo Basil agredir Magno com socos. — Vamos tentar isso de novo. jogou para a parede da sala. E mais uma vez. Desta vez. você vai me dizer. em seguida. ele se contorceu como se tivesse sendo eletrocutado. Basil o jogou com toda a força. de qualquer forma. — Você vai me dizer agora. — Agarrando Magnus pelo pescoço.. Magnus bateu na parede com um estrondo feio antes de deslizar para o chão. De repente. — Agora. — Isso vai parar agora! — A voz dele sacudiu as barras das celas. — Agarrando a frente da camisa de Magnus. ele enfiou as unhas na carne de Magnus.— Estou com vontade de brincar. ou desta vez não será tão fácil para você. — Posso tentar com ele? — Você está muito atrasada. Vou conseguir a verdade de você. ele pressionou o rosto de Magnus contra a parede. — Basta! Basil cambaleou ofegante. jogando-o ao redor da sala. — Onde as meninas estão sendo mantidas? — Basil gritou para Magnus. olhou nos olhos. acertando sua bochecha esquerda. assim como Basil. — Posso ajudar? — Ela estava morrendo de vontade de entrar em ação. Seu rosto estava pálido e suado e seu corpo tremia em seus braços. Magnus. Magnus não apenas tremeu. Ela desejava apenas uma vez saber onde Basil estava indo. não vou — Suas palavras foram cortadas quando Basil investiu contra ele. levantando-o do chão... — Você está com uma aparência péssima. Magnus começou a rir. Magnus. Basil o içou de pé. não. onde estão.. Magnus cuspiu em Basil. as mãos segurando a cabeça. Mais uma vez Magnus convulsionou.. — Basil agachou-se sobre Magnus enquanto estava caído no chão e agarrou na cabeça do vampiro.. Basil entrou em sua mente e desapareceu. É melhor você ter indicado a localização correta a Basil. — Magnus riu enquanto Trinity se virava e viu a luz do sol através da janela da pequena cela à sua direita. — Não há mais tempos para jogos.

pegando a estaca que ela sempre carregava em seu cinto e enviado-a para o seu peito. 118 .Em um lampejo de um segundo. Magnus atacou Trinity.

— Se alguém tinha culpa era ela. um homem de cada lado. liberte meu rei. — Basil murmurou enquanto estava de joelhos no chão de cimento frio. Deixe-o subir mais uma vez. —Eu preciso encontrar Chaos. — Não há tempo para descansar. — E como é que você vai fazer isso quando você mal pode ficar de pé? — Eu tenho que parar com isso antes. As facas estavam prontas. não! Foi então que ela viu quão fraca a luz do lado de fora da janela se tornou. A luz esmaecida. Chaos ficou no centro do Pentagrama. Cada um ia morrer nobremente e ajudar a finalmente levantar o rei. enquanto a menina era sacrificada. — Sua mão esquerda apontou à esquerda. Conceda-me o meu desejo. indicando a primeira morte que seria feita. — Ele tropeçou. estava vestido de preto da cabeça aos pés. choramingando. Foi estúpida por ter baixado a guarda. — Não. *** — Não! — Trinity gritou enquanto se lançava na direção de Magnus. — Eu falhei. Chaos era alto. e ela o agarrou antes que ele caísse. e todo o trabalhado deles tinha sido em vão. Místicos da Escuridão. Ainda há tempo.Capítulo Dezesseis O vento estava tão quieto quanto à morte. acariciando sua testa úmida. 119 . Era como se mundo soubesse que algo estava preparado para vir. Místicos da Escuridão. ele teria o que ele mais queria. — Disse Basil finalmente se levantando. Você precisa descansar. Através da escuridão atravessando a janela. Ela correu para seu lado e levantou a cabeça. Ele revelou um grito. Todas as cinco estavam acorrentadas ao chão. — Neste dia. —Você não falhou. Nuas estremecendo com o ar da manhã. Magnus se suicidou e desintegrou no chão em uma pilha de pó. Logo. o sangue das cinco que foram consideradas sagradas. Era realmente um bom dia para morrer. A luz estava começando a escurecer e o tempo havia finalmente chegado. Chaos ergueu a cabeça e gritou: — Eu dou a você. enquanto o fogo apaga. seu sangue era derramado e uma por uma das meninas estavam morrendo. e nenhuma pequena parte da sua carne estava exposta ao sol torturante. Mas era tarde demais. não. a minha oferta. — Sua voz gelou quando ele se virou para a janela. eu ofereço a você. como a faca mergulhou em seu peito e o sangue foi drenado para o chão. ambos viram o sol ficar envolto nas trevas. uma menina virgem em cada ponto. Uma por uma. a matança era iminente. Precisamos parar o ritual. O dia tinha finalmente chegado.

Ela o beijou de novo. Místico da Escuridão. — Ajudando-a a erguer-se ela passou o braço em volta da 120 . Deixe-me cuidar de mim e de você. — Obrigado. eu estou? — O rei resmungou. Ele a sacudiu de forma bruta. Completamente nu. Enquanto a luz desaparecia. Basil.*** Chaos ficou no chão. Trinity. Eu não quero te perder. — Você não está segura aqui.. Jesus. apenas me deixe e não olhe para trás. Trinity. principalmente perto de mim. Ela silenciou-o com um beijo lento. Ele tremia e gemia e Chaos se preocupou se algo tinha dado errado. Avadur estava deitado no chão frio numa posição fetal. Basil. — Ela o beijou novamente. então cobriu o rosto nas mãos. — Precisamos de um plano. ele vai. Ele sentiu o ar quente crescer. — Leve-me para casa. — afirmou Basil. Ele observou o céu e viu como o sol ficou completamente escuro e se pôs de joelhos. — Onde. — Meu senhor! — Ele correu para Avadur. obrigado. os olhos azuis se alargaram.. caindo ao seu lado. sabendo que a vidas das cinco jovens estavam sendo sacrificadas para ressuscitar algo tão mal que pudesse apagar o sol. Basil. me deixe. segurou firmemente seu queixo. — Você tem que me deixar. — Não seja estúpido. tudo que ela precisa era senti-lo. ao lugar onde você pertence. E quando ela o soltou. — Eu vou ficar bem. pegue o carro. — Ele vai me procurar e se ele te encontra comigo. inclinou-se e tomou seus lábios. em seguida. Mas agora. Por favor. o rei imergia e era ressuscitado. Vai. Ela passou a mão em seu rosto. me deixe agora. uma vez que este tremia. Se você me ama. por isso vamos para minha casa.. ela ficou enjoada. — Corra. sentiu uma corrente elétrica percorrer seu corpo. ela sabia em seu coração que eles estavam muito atrasados. — Eu não vou a lugar nenhum sem você. — Você está de volta. — Você não vai me perder. Ela nunca o tinha visto chorar e ver seus olhos azuis brilhantes com as lágrimas fez seu coração doer. E em um flash de luz cegante. ou arrume um avião. E não vai me manter afastada para me salvar. — Ele não vai me encontrar. eu não me importo. Ele não sabe onde eu moro. Trinity pensaria que o eclipse era uma coisa linda.. agarrando-a pelos braços. você não pode mesmo nem ficar de pé direito. *** Em qualquer outro momento. enquanto falava. apenas provando-o.

Então ele simplesmente se afastou e admirou o rei. — Onde está você? — Basta sair da ER. faça o que você tem que fazer para se proteger. 121 . — Ela desligou e colocou o telefone de volta no bolso da camisa. Logo. Depois de dez toques e não obtendo resposta. — Eu não vou deixar você dessa vez.cintura dele. avistavam uma escuridão em lugar do dia. mas ela conseguiu ajudá-lo a atravessar os túneis e chegaram ao seu carro. Chaos pegou seu telefone celular e chamou Magnus. Ele era uma criatura que todos em breve viriam a temer. Agarre Ariel e siga para a loja. — E novamente o brilho o congelou. ela viu que ele parecia estar distante. Jesus. eu pensei que você estaria em sua plena força quando você chegasse. Ele estava sendo tão valente. Não importa o que aconteça. deu instruções a um de seus homens sobre o que trazer. A porta da frente estava trancada e Chaos entrou como se tivesse feito isso dezenas de vezes antes.. e Jonah. — Ela arrancou o celular e discou o número de Jonah. — Acho que nosso trabalho só ficará um pouco mais difícil. ele desligou o telefone e discou outro número. Foi um momento alegre na vida de Chaos. está tudo escuro. — Eu não quis dizer isso. — Eu vou te trazer comida. O brilho de seus olhos azuis cristalinos o congelou. — Chaos disse finalmente. Chaos deu um passo para trás. E enquanto eles saíam. puxando uma respiração profunda antes de falar. sem vida. — Nós não fomos bem sucedidos. Quando a cabeça de Avadur se ergueu. seu mestre iria reinar mais uma vez e seu plano para dominar o mundo logo se tornaria realidade. a vingança do rei. Ela o colocou no banco do passageiro de lado e rapidamente correu para o lado do motorista. — Eu preciso me alimentar. Trin. — Eu não tinha ideia que estaria tão fraco quando chegasse. mas ela não era a única que precisa de proteção. — Ninguém estará a salvo agora. Ele colocou o telefone longe. Chaos o levou para a sala e o colocou sobre o sofá. querendo protegê-la e salvá-la de seu maldoso pai. Seus músculos bem moldados e esculpidos. — Avadur resmungou.. Ele era muito pesado. *** Chaos ajudou Avadur a sair do carro e entrada na frente da casa que tinha sido sua. Eu estou levando Basil para lá agora. enquanto ela olhava para Basil. Ele esperava que Basil estivesse ali e ele pudesse ver o rei. Basil. Colocou o carro em marcha e saiu em disparada na direção de sua casa. Fazia muito tempo desde que ele pôs os olhos em seu mestre e Avadur era tão temível como ele se lembrava.

—Encontre-o. não vão lá fora. ela acariciava seus cabelos. Não demorou muito para que ele acordasse e quando ele puxou o sangue de suas veias. Isso é uma bebida maravilhosa. — Como está seu ombro? — Ela perguntou a Dante. seguida de Dante. Vou ver se ele está aqui. e ela sentiu uma proximidade com ele. Eu preciso alimentá-lo para que ele recupere suas forças. nunca o deixaria novamente. O que vai acontecer agora? Ariel abriu a porta para eles. meu senhor? Basil. Mas o que era pior ainda. Ela nunca antes o tinha visto assim tão fraco. escravos de sangue. pegou um estilete ao lado da cama e cortou sua veia do lado do pescoço. enquanto ele puxou sua veia. — Suas mãos tocaram o rosto dela agora. E esses eram os seres humanos. vocês devem se trancar no apartamento vizinho. — E isso só vai piorar. — O que aconteceu com ele? — Jonah perguntou enquanto ajudava Trinity a tirar o corpo inconsciente de Basil do carro. Deixou-o cair. levantou as pernas dele e posicionou-o na cama. e esperar Basil e eu buscá-los. — ela ordenou. logo depois Jonah o fez. podia se tornar escravos sexuais. que ela não se sentia há 122 . — Faça o que fizer. Entretanto. ela apertou a boca de Basil ao seu pescoço para que ele pudesse beber seu sangue. — exclamou Ariel enquanto saia do seu veículo. ora. Eles não tinham ideia que estavam em perigo. Abrindo a porta. Ela puxou a camisa sobre a cabeça. enquanto os outros três se dirigiam para o corredor. por tentar entrar na mente de Magnus. segurando-o no lugar. — Ela o ergueu. mas sabia que acontecesse o que acontecesse. era o que eu estava precisando. — Ele está cansado. Jonah e Basil subiam as escadas. enquanto Jonah estava à esquerda. ela arrastou Basil. era ver as pessoas quebrando as lojas e arrastando os trabalhadores para fora. — Costurado e pronto para outra. — Ela parou à sua porta.— — — — Existe alguma coisa que eu posso fazer por você. Ele se foi. — ele resmungou. puxando o cobertor apertado para seu corpo. logo depois se sentou ao lado dele. reabastecendo-se e drenando-a. — Avadur olhou para Chaos. ou coisa pior. — Ele está sobrecarregado. Trinity estacionou na parte de trás do domínio digital. Tomando a cabeça nas mãos. Ela não sabia o que ia acontecer agora. Segurou-o contra ela enquanto ele a sugava. ficando a sua direita. — Isso é um manicômio do caralho. Ela fechou a porta e o levou para sua cama. Ela lhe daria tudo que tinha apenas para mantê-lo seguro. — Ora. — Ela pegou Basil. — Beba. enquanto Trinity. *** Era estranho ver o dia escuro.

muito tempo. — Você se deu. agora me deixe dar a você. sentia-se afogar naquele olhar. 123 . E quando ele deixou sua veia e ergueu a cabeça dela para encontrar seus olhos.

ele entrou com fluidez dentro dela. enquanto ele se deitava na cama. Eu quero te dar tudo antes que seja tarde demais. Sabia que era estúpido buscar prazer num momento tão difícil como este. mas ela precisava do calor que Basil podia lhe fornecer. ele disse: — Lembre-se que eu vou sempre te amar. não com urgência. não! — Gritou enquanto ele desaparecia. — Não. meu senhor. e algo dentro dela lhe dizia que nunca sentiria novamente. sentiu seu pênis duro pressionar sua entrada. A boca de Basil cobriu seus seios. Ele fazia cócegas na sua pele com a ponta dos dedos enquanto os desviavam para o centro do seu corpo. Ela se estendeu para ele em expectativa e quando ele a tocou. de forma lenta e meticulosa. — Basil. Ela se entregou enquanto ele tirava as roupas. mas com necessidade de tê-la. — Ela segurou seu rosto com as mãos. cada vez mais rápido. acariciando a pele de Trinity com beijos pequenos. *** — Acho que eu sei onde Basil pode estar. — Se renda a mim. ela tremeu. apenas um movimento circular suave acariciando a carne macia e úmida entre as pernas. Os lábios dele eram gentis. Enquanto sua boca o seduzia. os olhos ardendo com lágrimas. Ela nunca sentiu aquele tipo de sensualidade nele. Suas mãos tocaram-lhe. Basil. — Nós só temos esse tempo. para o centro do vértice entre suas pernas. nessa última vez. ela se dava de bom grado.Capítulo Dezessete Seu corpo ansiava por seu toque. — Ela não sabia quando ele tinha tirado a roupa. Olhando-a mais uma vez. Ele fitava seus olhos intensamente enquanto se posicionava. Ela inclinou e o viu sair do quarto. Ele silenciou-a com a boca e a apertou enquanto a penetrava. Então ela gozou. meu amor. não houve urgência. enquanto ele se movia. Posicionado em cima de Trinity. ela sentiu o peso. Basil. — Não é a nossa última vez. Foi uma sedução meticulosa que a enchia completamente. — Chaos observa como o seu mestre sugava a vida de um macho que seus homens tinham 124 . Novamente. é só o começo. — Não faça disso um adeus. mas quando se posicionou em cima dela. ele passou os dedos outra vez ao longo de seu rosto antes de tocar seus lábios nos dela. ela desejou que aquele momento nunca terminasse. para preencher o vazio e a tristeza por ter falhado com as cinco meninas inocentes. Ela sentiu o prazer crescer ainda mais dentro dela. sua língua lambia a ponta de seus mamilos que tremeram e endureceram.

exibindo suas presas. — Eu acho que ela é a única coisa que eu quero. — Olá. Dei o melhor momento da minha vida e ele desapareceu. Era o terceiro que Avadur tinha devorado e Chaos esperava que ele recuperasse toda sua força de volta em breve. que generoso de sua parte. estendeu suas costas e lambeu os beiços. — Suas palavras foram cortadas quando Basil apareceu diante deles. Eu poderia mandar meus homens vasculharem o apartamento dela e ver se eles estão lá. especialmente com seu pai livre. Avadur riu e a risada vibrou na sala. — Alguém está em pé de guerra. saiu de seu apartamento. Ela martelou seu punho na porta do outro lado do corredor antes de entrar. em seguida. — Agarrando o jeans e a camisa. — Não. Avadur inclinou a cabeça e examinou o seu filho. ele continuou. — Você não vai conseguir uma de mim. Trinity se vestiu depressa. — Você veio aqui para suplicar por sua vida? Basil dirigiu-se ao seu pai. por que eu iria querer acabar com seu sofrimento de forma tão rápido quando eu posso prolongá-lo indefinidamente? — Deixe Trinity fora disto. não ela. — Bem. em seguida. O que Basil fez agora? — Jonah perguntou sentado na mesa onde ele estava desfrutando uma xícara de café fumegante. Ainda sorrindo. — Ótimo. — Não. 125 . não se encaixam bem nele mas pelo menos estava vestido agora. Avadur deixou cair o homem sem vida no chão. ele desapareceu. — Você veio para mim cheirando a sua mulher e espera que eu tenha minha vingança sobre você. Ele tinha o cabelo escuro como Basil e seus olhos eram da mesma tonalidade de azul. *** — Eu vou matá-lo. — Claro que ele a deixou. — Tê-lo agora? Bem. Eles conseguiram encontrar algumas roupas. Vou estrangulá-lo na primeira oportunidade que tiver. Avadur levantou-se e olhou para seu filho. enquanto estiver perto dele. Pai. — Avadur sorriu um pouco mais. E aqui eu estava esperando para uma luta. Você não está segura. erguendo seu queixo forte. acabando com sua vida? — Ele sorriu e sua boca alargou-se. mas a semelhança entre os dois acabava ali. eu vim para me entregar a você. — Quando Trinity tirou os olhos de Jonah.trazido. Você me quer. — Ele me deixou. — Onde? — Ele deve estar com Trinity. seu amor.

— Jonah levantou-se. — Pelo que eu sei. — Sim. Ela plantou os punhos nos quadris e olhou para ele. Estão saqueando a loja — Jonah gemeu. Jesus. Ela gargalhou de Dante. Jonah. os vampiros são dez vezes mais rápido do que você e bem mais fortes. — Como você pode me parar? — Talvez não sozinho. — Você não tem ideia do perigo que espreita lá fora. Eu preciso sair e trabalhar nas ruas. — Oh. Eles cheirarão seu sangue e te atacarão num piscar de olhos. Você não vai sair sozinha. e ponto final. É seguro lá. Alguém precisa proteger os humanos estúpidos de saquear por ai. Trin. Você fica aqui. O som de vidro estilhaçando chamou a atenção de todos. Jonah. deixe de tentar bancar o herói. — Nós não estamos deixando-a sozinha para resolver a situação. Você já olhou para fora recentemente? — Você acha que eu não sei o que está acontecendo lá fora? — Ela virouse para Dante. entendeu? — Ela enfiou um dedo no seu peito. Eu apenas queria que você soubesse que estou saindo. — disse Dante de trás dela. — Todo mundo é presa fácil. Ela se virou para Jonah atrás dela. eu sou realista e o máximo que vai acontecer com vocês dois é virar comida de vampiro. — Mais que merda. Ele afastou o dedo. eu decido o que fazer da minha vida. porque os homens se acham deuses? Deixe-me dizer isso. Revirando os olhos Trinity jogou a cabeça para trás e bateu no rosto de Dante. — Eu não sou cabeça dura. Você quer parar de discutir comigo e deixe-nos ajudá-la? 126 . observando o apartamento. — Mas eu poderia ajudar. Tudo o que você vai fazer é me atrasar. — Eu posso me cuidar muito bem. — Então eu vou com você. — Pegue Ariel e leve Dante para a adega. Você acha que pode lidar com eles quando você nem sabe quando eles irão se aproximar? — Eu acho que posso tratá-los muito bem. — Ele girou-a. Ela se virou enquanto ele caiu de quatro.— Eu não quero pensar nisso agora. não pode ficar sozinha. — Ah sim. — Ariel esta no quarto falando com os pais para que eles saibam que estamos bem e Dante foi ao banheiro. você mostrou o quão bem você se cuida. com as costas rígidas. prendendo-a na parede próxima a eles. E é por isso que eu tenho que chegar lá. você pode se virar bem! — Porque você é tão cabeça-dura? — Disse Jonah. Onde estão Ariel e Dante? — Perguntou ela. — Você não está sozinha. — E eles vão viram um monte de pó num piscar de olhos.

— Saiam daqui. — alertou. mas em vez de desligá-lo. — Deixe-a em paz. — Não é de se admirar que ele seja louco por você. — Fique atrás de mim. — Jonah chamou e quando sua esposa saiu do quarto. vibrando no fundo de seu corpo. Dante atrás dela. Trinity entrou pela porta e se preparou para uma luta. mas fiquem atrás de mim. — Oh. Vinde a mim. com os olhos fechados e desenhou o aroma. bufando. embora tentasse resistir e foi atraída para o rei. — É a mim que você quer. — Tudo bem. — Você não pode mantê-los seguros. Do canto do olho ela viu quando Basil apareceu. — Você tem alguma ideia de quem é ele? Esse bastardo perverso. — Ele cheirou o ar. seu corpo tremia como uma tempestade. preparado para lutar por seu amor. — Ninguém vai sair daqui. sorrindo maliciosamente. Ela sentiu a força de Avatur puxá-la. Deixe-os ir. Não precisava ser apresentada. examinando a sala antes de permitir que alguém saísse atrás dela.Ela mostrou suas presas para Jonah. — Não há realmente nenhuma necessidade de falar quando eu posso ler sua mente. — Avadur declarou. Meu menino agora precisa ajudar essa pobre senhorita. — ela gritou para Jonah enquanto ficou na frente deles na proteção. para saber quem era. O medo é como um perfume inebriante. seguido por Jonah e Ariel. é você que eu quero. ela parou completamente quando viu em homem grande por lá. linda. Entrando na área do lobby frente a loja de informática. — Ariel. — Nós não vamos deixar você. Então este era o homem que havia torturado o seu único filho e o apavorou. mas eles vão me servir também para fortalecer meu corpo e mente. Você não é qualquer uma não é? Acho que vou gostar de fazê-la minha — Disse Avatur. — ele insistiu. Ela liderou o caminho. ele pegou sua mão. — Não há realmente nada melhor que isso. que lindo. agarrando a sua mão. Ele tocou seu rosto e ela sentiu a frieza dele percorrer todos os seus ossos. não a eles. enquanto caminhava para eles. O riso do rei retumbou na sala como um trovão. No fundo. Trinity abriu a porta com cautela. — Mantenha-se longe dela. O alarme de segurança estava tocando alto e irritante. Entendeu? Ela assentiu. ela não tinha ideia de como iria manter seus amigos seguros. 127 . que saiu do inferno é o pai de Basil. O inferno acabou de chegar. temos que correr agora. — Avadur falou. — Oh. — Deixe-a em paz — Basil se adiantou. — Seus olhos se abriram e Trinity foi atingida por aquele olhar vazio.

— E valente também. — Trinity! — Basil gritou. Ela não permitiria que ele matasse o único homem que ela amava. mostrando que não era de se intimidar com de ninguém. deu um passo em direção a ele e falou em um tom assustador. — É a mim que você quer. fazendo-a voar pelos ares. se mova. — Eu te amo.— Cuidado com o que você chama de pobre — Trinity rosnou profundamente dentro de sua garganta. Ela caiu contra uma janela quebrada e sentiu a dor de algo atravessar seu peito. — ela gritou e se empurrou. — Basil. — Fechou os olhos e tudo desapareceu. — Ele se virou para seu pai. correndo em sua direção. — Não. pare! — Basil ficou entre eles e os empurrou para longe. Ela levantou a cabeça e sorriu. Ela sentiu a carga atingir seu peito e uma luz ofuscante e branca atravessou seu corpo. para salvar sua vida. — Eu posso lidar com isso. Ela iria se sacrificar. mulher. Basil. ficando na frente de Basil. Ela estreitou os olhos e endireitou os ombros. Olhe com quem fala. viu o caco de vidro quebrado como uma faca que atravessou seu peito. ela não gostou em nada de ser chamada de pobre senhorita. Quando ela olhou. — Trinity. me cansei de você. não ela. Ela não dava a mínima para quem ele era. 128 . Trinity sentiu a pressão do ar cheia de eletricidade e viu o rei levantar suas mãos e seus olhos azuis brilharem de uma forma estranha e sabia exatamente o que ele estava prestes a fazer.

ele caiu no chão. — disse Jonah.. — murmurou Dante.. levando a tempestade com ele. E quando a sua ira foi se dissipando. — Sim.. Quando seu pai desapareceu. sentindo os soluços enquanto apertaram seu corpo. vidro quebrado e enviou qualquer objeto que não estivesse bem fixado. — Ela não pode ter morrido. O que sobrou do seu amor não era mais que uma pequena dispersão de poeira. — Ela simplesmente se desintegrou.. Ele sentia a presença de seu pai. Sua essência o deixou e permaneceram flutuando sobre suas mãos até que desceram ao chão. *** As janelas se quebraram quando Basil entrou em sua casa. Ele tinha acabado de testemunhar a sua amiga. — Acalme-se. juntamente com todos os restos do chão. Ele a manteve. não! Ele estendeu a mão enquanto ela se desintegrava. — Será que ela.? Basil curvou seus dedos ao redor dos pequenos restos empoeirados e gemeu enquanto ele falava. 129 . Sua cabeça chicoteava e ele olhou para seu pai. Sou eu. Como ela poderia ter ido? — Basil? Ele virou-se. Qualquer pessoa que estivesse em seu caminho iria pagar. a mulher que ele considerava parte da sua família desmoronar em um monte de pó diante dele. Ele reuniu todo pó e o abraçou. Ele rugiu de forma que balançou o chão. sua voz como um grito do demônio. pegou os braços e simplesmente puxou contra seu peito. Ela se foi. — prometeu Basil. mãos no ar. Ela tinha ido embora. chorando. os dentes arreganhados. sua fúria só tornou-se mais intensa. levantado madeira. Ela tinha ido embora. Virando-se para ela. O vento agitava com uma poderosa força.Capítulo Dezoito — Trinity meu amor. ele viu seu pai se afastar. Ele ouviu os soluços de sua esposa e estremeceu. Através de sua fúria. *** Jonah viu a destruição à sua volta atordoado. sibilando. — Ele desapareceu. aos seus pés. — Você vai pagar por isso. Os computadores giraram. Jonah fechou os olhos sobre a declaração e os eventos horríveis que ocorreram desabaram sobre ele. Ele segurou a sua esposa enquanto ele deixou as lágrimas deslizarem pelo rosto. saiu à caça dele. fazendo os objetos virarem loucamente no vórtice que ele criou.

— Então me dê o que eu quero. Ele precisava se esconder até que fosse seguro. com a lasca de madeira ainda agarrada com força em seus dedos. *** Chaos correu através dos túneis.Ele viu o jovem vampiro e foi em sua direção. Mas enquanto Basil estivesse em pé de guerra. Ele podia sentir a dor que Basil exalava e isso o agradou. — Onde? — No cemitério fora da cidade. — Onde ele está? — Perguntou com sua voz potente. ninguém estava a salvo. Ele ficou chocado ao ver Basil lá e em um acesso de raiva. — Eu não sei onde ele está. Ele a pegou pela camisa. enviou-o através do coração do garoto. Ela se enrolou com um manto no canto. E tudo o que o rei fez foi separar Basil de sua preciosa Trinity. obviamente. isso foi o suficiente para deixá-lo louco. não. Ele fez o mesmo para os outros três que ousaram ficar em seu caminho. e Trinity. foi ver o que estava acontecendo. O rei. Se ele tivesse percebido isso antes. as meninas não teriam sido sacrificadas. — Em um movimento rápido. — Quem é o próximo? — Eu não quero morrer. Ele queria ter estado lá para vê-lo. — Você não tem esperança contra ele. nem mesmo Basil. ele pode estar no local do ritual com as meninas. cumpriu suas palavras e fez Basil sofrer. e ele pensou que aquilo era inútil. Nem o rei e nem ele próprio. Eles precisavam de solo sagrado para ressuscitar seu pai. — Onde ele está? — Eu vou morrer por ele. — um vampiro riu. Claro que devia estar em um cemitério. com uma só mão levantada. E acabou com ele. Ele sabia que o rei poderia cuidar de si mesmo. Basil bateu com o punho na mesa de madeira encostada na parede no hall de entrada.. Ninguém. fugindo de Basil. não estaria morta. Basil simplesmente o pegou pelo pescoço e o suspendeu no ar. — Mas eu tenho uma ideia de onde ele possa estar. — Como quiser. As meninas.. Largou-a como um trapo e desapareceu. em seguida. — Ela encolheu-se enquanto ele levantou a mão. o fez voar para outro lado da sala. Quando ouviu o barulho. Basil se voltou para mulher que choramingava no canto. rosnou em seu pedido. Ele vai precisar de sangue para se restabelecer completamente. levantando-o como fez com o outro. — E você acha que tem alguma esperança comigo? — Ele agarrou seu pescoço com a mesma facilidade que pegava um galho. E ele foi burro por não pensar nisso antes. Caminhou até o próximo e. antes que ele chegasse em sua direção. podia derrotar Avadur. 130 . tomou uma lasca. não.

No último segundo.. Um riso maléfico saiu da boca do rei. de saber que ela se foi. — Isso te corta por dentro. — Mas você também não está em na sua plena força. — advertiu Basil diretamente antes de desaparecer. Ele desapareceu e reapareceu atrás de seu pai. O rei estava criando uma super-raça de vampiros que ajudaria a dominar o mundo. Como ele viveria sem ela? Mesmo quando ele a empurrou para fora de sua vida para sua segurança. ele sentiu a bota nas costas pressionando-o para baixo. Os humanos estariam sob seu controle a partir de agora e ninguém seria capaz de detê-los. Eles teriam dias gloriosos. Seu plano deu mais que certo. enquanto ele continuava a falar. Antes que ele pudesse se levantar. e você vai pagar por levá-la longe de mim. não é. Duas pessoas poderiam jogar o seu jogo. agora ela se foi e ele não sabia como poderia ir em frente. Ele tinha pensado que seu pai tivesse se alimentado daquelas crianças. Nada o agradou mais do que quando o rei apareceu. Ficou preocupado com a possibilidade de Basil ou Trinity interromperem o ritual. Chaos certamente governaria. — Isso pode ser verdade. Basil caiu de cara no chão quando seu pai desapareceu. Claro. Ele havia perdido a única pessoa que o importava. seu pai desapareceu o que fez Basil tropeçar para frente.. ele sabia que ela estaria lá na hora que precisasse vê-la. — Procurando por mim? Basil virou-se para ver seu pai de pé uns meros dois centímetros atrás dele. E logo que o rei cuidasse de seu filho. Eu posso sentir a sua dor e é uma coisa maravilhosa. Chaos não sabia que o rei tinha que se alimentar delas imediatamente. Chaos desejou que seu mestre fosse seu pai. — Você honestamente acha que tem alguma chance contra mim? Eu tenho dez vezes o seu poder. — Oh.Ele percorreu os túneis e abriu a porta de aço e observou a manhã escura. A dor da sua perda alimentava a raiva dentro dele enquanto encarava seu pai. — Basil girou. como é inútil sua tentativa de se vingar. Mas ser seu braço direito era tão bom. — Basil 131 . filho. Ele não conseguia entender por que não tinha. a fim de recuperar sua força total? Todos ao redor dele morreram. Mas agora. Ele teria algumas das habilidades do rei e poderia ajudá-lo ainda mais em seus planos. em vez de seu filho ingrato. *** Basil chegou ao campo e olhou em volta. Ele sentiu a dor da sua própria perda sufocar seu coração em um aperto feroz. — Ela era a única coisa boa neste mundo. tal como tinham sido antes.

envolvendo um braço em volta de seu pescoço. Você não pode se tornar mortos-vivos. Ela o amava e nem sequer a morte iria mudar isso. você que o fez. — Mesmo agora. — Ele chora por você também. — Eu sempre vou me preocupar com ele. por terem um último momento juntos. — Ela abriu os olhos. lembrando do rosto doce de Basil. minha vida. Meu filho foi abençoado por ter tido você. o jeito que ele olhou para ela logo antes que ela desaparecesse para a luz brilhante. pelo menos. *** Ela não conseguia se lembrar da última vez que sentira tanto calor.disse enquanto reaparecia atrás de seu pai. até que diante dos seus olhos. Os dedos da rainha deslizaram pelas costas do cabelo de Trinity tão suavemente como a respiração. Trinity olhou ao redor. — Sua mão deslizou pelo cabelo de Trinity e ela sentiu um amor maternal. Trinity percebeu que era uma lágrima. Esse momento a confortaria em sua solidão. pela primeira vez em muitos anos. Ela sabia que estava morta. — Eu só preciso saber que ele estará seguro. — Seu destino está fora de suas mãos agora. e quando ela falava. minha filha. — Você deu sua vida por ele. — Será que ele está seguro? — O calor que sentia parecia agitar ao seu redor. Ele é meu amor. — Eu sou a única pessoa que foi abençoada. Não desde que ela era humana. ela iria se preocupar com ele. —Ele está seguro? Eu preciso saber que ele está seguro. Mas ela sabia quem tinha falado. sabia que não havia outra escolha para ela. Trinity sentiu algo molhado deslizar pelo seu rosto enquanto ela limpava. mas não viu ninguém. — Mesmo agora na sua morte se preocupa com ele. — Era uma criança tão nobre. A voz angelical ficou no ar como uma suave brisa. — E eu faria isso novamente. O calor atravessou Trinity aquecendo o interior de sua alma. e embora seu coração doesse por ter partido. 132 . Ela estava feliz. observou uma bela visão. no reino dos mortos. O rosto da rainha era puro. Ela pensou em Basil. — Você fez o melhor possível para salvá-lo. — Você vai pagar por tirar a vida dela. Ela fechou os olhos. E lembrou-se do jeito que ele a tocou pela última vez que eles estiveram juntos. suas presas brilhavam como pérolas na luz. — Eu não a matei. seus olhos tão cristalinos como o de Basil. o som de sua voz. A Rainha. das mãos que acariciou seu corpo. sabia que tinha que estar em um lugar feito para os mortos.

—Ela tocou a mão na cara de Trinity. ele ficou ainda mais enfurecido. — Quanta nobreza. os braços e pernas bateram freneticamente enquanto um flash de luz branca e quente corria em suas veias. não. *** Basil olhou nos olhos de seu pai sem nenhum temor. O homem pode têlo assustado antes. E seu pai sabia disso. — Qualquer coisa? — Sim. Então uma luz apareceu. O rei riu com ousadia. suspirou. — disse Trinity. Ele ficaria satisfeito com a morte agora. diante de seus olhos. Basil atacou toda sua fúria contra seu pai. Trinity sentiu-se de repente poderosa. 133 . Não foi sequer suficiente para estragar o seu cabelo. mas eu posso. usando toda sua força. Trinity sentiu um calor em seu interior. — Você faz nossa raça orgulhosa. — Como se sente ao ser o único responsável pela morte de sua amante? Seu coração doí? Você sente a culpa corroer sua alma como os vermes fazem na carne podre? Basil não iria admitir a seu pai que ele estava certo. — Não. A rainha flutuavam ao seu redor. que só enfureceu Basil mais. Basil protegeu os olhos e sentiu uma sensação de calor encher o peito. A dor a atravessou como um raio em seu coração. Ele não conseguiu prejudicá-lo. Trinity apareceu. mas foi antes de ele perder tudo. envolvendo seu coração. ele é seu filho. até que ela parou na frente de Trinity. Eu farei qualquer coisa que você me peça contanto que você o mantenha seguro. e por causa disso. — Você não pode me fazer mal. Ela estremeceu. — Reunindo tudo o que tinha. Lutar como um guerreiro. meu filho. sem hesitação. — Você deveria ter ficado trancado para sempre. Você tem que parar com isso. Os homens se viraram para a luz ofuscante que surgiu. ele não pode morrer. E enquanto ela olhava nos olhos da primeira criação de sua raça. Ele se sentia culpado.— Não. Então. inclinando-se. ela sentiu algo mais. Por um breve segundo ele pensou que poderia morrer. Por favor.

Capítulo Dezenove Talvez ele tivesse morrido. — Eu matei você. seu canalha. sou eu. Vou explicar tudo isso em um minuto. não é? — Eu matei uma vez. para nunca mais ser libertada. O que ela fez em seguida surpreendeu Basil. Ele levantar a mão. — Então. senhor. Foi à única explicação do por que ele estava olhando para Trinity agora. 134 . especialmente quando um canalha insensível como você começou a atormentar sua criança. — Avadur atacou com sua voz. Ela não está feliz com você agora. Porra ela ficava sexy quando estava no comando. ora essa sua postura não está só me irritando. Segurando a mão dela em torno de sua garganta. Mas era a cor dos olhos dela que atraiu toda a sua atenção. mas sua esposa também. — Trinity se aproximou. tão energizada. Basil sorriu. E quando ela levantou e sorriu para ele. mas Trinity congelou o rei em seu lugar e Basil ficou para trás assistindo com admiração. Além de privá-la da companhia do seu único filho. Havia um brilho de luz branca ao redor de seu corpo que a fez aparentar inocência e estava absolutamente encantadora. Eu me sinto tão espremida. agora. Primeiro. E. que mexia cada fio. — Sentiu minha falta? — Ela perguntou com um sorriso arrogante. aquela era sua garota. E mulher inferior é a vovozinha. Seus longos cabelos vermelhos flutuando no vento da brisa. — Sim. ela estava linda. — Mas você jogou água nos meus planos. — Sim. ela o quer de volta e se você não quer dormir na casa do cachorro no próximo século ou dois. Eu tinha grandes esperanças de acabar com você. como se cada gota de mim estivesse eletrificada e em sintonia com tudo ao meu redor. que agora eram de um azul translúcido. — Sim. Você tinha o poder antes. mas agora estava mais do que feliz. ora o homem poderoso está com pressa. um verde azulado. Ela não ficou feliz de ver seu filho crescer sem ela. mas eu o tenho agora. Já teve esse sentimento? — Trinity? — Basil falou. mulher inferior. o coração de Basil inchou de amor. ela levantou-o do chão. a luz a seguia. eu tenho que lidar com isso. Normalmente. — Ela deu um passo até ficar cara a cara com ele. você o fez. — disse Avadur arrogante. — Ora. Basil realmente desejava saber o que estava acontecendo. — Ora. — Liberte-me. eu vou te matar de novo. você a trancou no Reino Místico. e isso me deixou puta. Avadur estava paralisado. é bom começar a rastejar. seus lábios num sorriso malicioso. apesar de sua voz parecer muito vazia. sobre isso. mesmo não estando a par da situação e ver o desenrolar dos acontecimentos. Ele ainda estava tentando entender o que estava realmente acontecendo.

virando a cabeça dele enquanto falava. e ela parecia divina. Ela 135 . ele simplesmente a segurou em seus braços. seu rosto em repouso no topo de sua cabeça. Eu só sei que ela me ofereceu uma segunda chance desde que eu fizesse um favor. o rei desapareceu com um grito forte. Sentir o gosto de Trinity. era como um paraíso. A sensação de ter seus lábios contra o seu era um prazer que ele pensou que nunca mais iria sentir novamente. especialmente ressuscitar uma vida. era a maior felicidade que Basil podia ter. Sim. Basil chegou ao seu lado.. — Oh. Você nunca vai ter nada de graça. e ela sabia o quanto ia fazê-lo feliz me trazendo de volta. Ele riu e beijou-a profundamente. Dando um passo para trás. — Ele beijou várias vezes seu rosto até beijar seus lábios. Mas quem é você? Basil a encarou. deixando-o pendurado no ar. — E você está viva. — Um. ele estava em êxtase por ter ela de volta. Foi um presente perfeito. ele começou a brilhar. O brilho desapareceu e Trinity desabou no chão. — Ele se reposicionou então ela sentou em seu colo. amparando-a em seus braços. Rapidamente. — Magia. — É um presente para seu único filho. — Estou brincando. ela inclinou a cabeça para trás e jogou as mãos para os lados.. Não pergunte. — ela riu. A garganta de Basil garganta. seus olhos se arregalaram e seu queixo caiu. não valia a pena. — Assumir como líder da raça dos vampiros. Lentamente. — Ela estava tão certa. E então ele foi lento. Ela tocou a mão no rosto dele. em carne e osso. — Ei. Lamento dizer. Oh preciosa.Ela começou a brilhar. isso foi ótimo. Trinity. inclinando a cabeça em seu ombro. fazendo-o suspirar. você é lindo. mas muitas vezes o preço por querer algo grande. Sentir seu corpo. — O que foi pedido em troca? — Ele perguntou com cautela. Cara. Uma luz azul a rodeava. E não quero nada de graça. você está viva. Mas como? Como é possível? Ela acariciou-lhe com seus dedos ao longo do seu rosto enquanto explicava. Depois de prová-la o suficiente. — Uau. Rajana queria que você fosse feliz. — Como isso é possível? Eu vi você morrer. eu não sei se tem logica. Ela pegou a mão livre e colocou diretamente no centro do peito do rei. estou vendo um monte de você. Trinity começou a gargalhar. estou viva. iluminando a área em torno dela. — Você está viva. Eu só queria te sacudir um pouco. Ela lançou-lhe. mas mamãe quer que você seja despojado de sua classificação. Em um flash. meu caro Basil.

literalmente. — Ela sorriu e ele continuou.. — Nunca me deixe novamente. Tudo o que importava era você e você tinha ido. Ela disse que eu precisaria de tudo para salvar o mundo. — Somente um dos participantes envolvido no sacrifício foi eliminado. — Eu fiquei louco quando você morreu. — Você foi brilhante. o sol não voltará a brilhar. — Você está realmente de volta. Até que todos eles sejam eliminados. — Ele teria matado você. depois de envolvê-la nos seus braços. —Tudo o que eu queria era vingança. — Opa. — Pare de fazer isso. — Para onde você mandou meu pai? — Para a sua mãe. Ela tem planos para ele. eu acho que precisamos encontrá-lo. — Ele bateu na perna. — Bem. Ela sorriu e estendeu sua mão. Ele separou seus lábios e simplesmente olhou para ela. bem. ela tomou sua mão. Você está de volta. — O sol não vai voltar? — Basil perguntou. — Ela gritou quando ele puxou em seus braços. — Eu não me importo. — Tente me parar.. Tudo isso faz parte das minhas habilidades novas. Ela sorriu para ele. — Eu te amo. — Eu não me importava. olhando para o céu. Com todo o meu coração. então deslizou os braços e entrelaçou seus dedos com os dedos dela. — Porque ele ainda não podia acreditar. Eu meio que a destruí em minha raiva. desde que eu tenha você. — Brincadeira. quem disse que eu estou voltando para você? — Os olhos de Basil se arregalaram e ela sorriu. tocando-lhe as mãos ao rosto. — Eu acho que é um ótimo começo. Eu ia matar o meu pai por levá-la longe de mim. — Sua Majestade. — disse ele. Com os lábios franzidos. — Eu realmente estou. — Ele se levantou e estendeu a mão para ela. Ele estava mais do que feliz em estar preso a ela para sempre. *** 136 . Oh.disse que era hora de uma mulher assumir o comando e deixar as coisas direitas. ele tinha que sentir o gosto dela para ter certeza. — Chaos? — Sim. Basil. — Ela franziu a testa. olhando para o céu. Devo a Jonah uma loja totalmente nova. Como foi isso possível? — Eu não sei. Trinity. — Não me chame assim. Ela me deu tudo que tinha na sua forma mais forte. dando-lhe um robusto aperto. E você está preso a mim. — Ele não dava nenhum valor em ser um líder de qualquer maneira. E eu prometo que nunca vou fazer você se arrepender de voltar para mim. Ele passou as mãos sobre o rosto enquanto a beijava. eu estou tão excitado agora.

ok. — Basil informou. com um encolher de ombros. como se fossem manequins. É. — O rei se foi. Como é que você pode fazer isso? — Ele parecia um pouco com um bebe chorão. — Trinity? — Olha. simplesmente aconteceu. — ela gritou e. como vou descongelá-los? — Eu não posso fazer isso. Mas temos um problema. bem. — explicou Basil. Ariel e Dante. Então tudo o que temos a fazer é encontrar Chaos e matá-lo. segurando-a no comprimento dos braços. Ele a beijou na bochecha. — Diante dela havia Jonah. — Tenho certeza que impressionou Jonah. — Então o rei ainda está lá fora? Será que precisamos de cobertura? — Ariel queria saber. Você está bem? — Ela olhou por cima do ombro. finalmente. Merda! Ok.Não havia necessidade de usar um veículo quando você tinha a capacidade de enviar a si mesmo em qualquer lugar do mundo. — Merda. — Dante apareceu ao lado dela e estendeu a mão. para sua completa alegria. — Legal. merda! Agora. — Ariel sorriu. e o sol voltará a brilhar. me desculpe que eu fiz isso. 137 . — Jonah fez algo que nunca tinha feito em todos os anos que ela o tinha conhecido. — Então porque o sol não apareceu? — Chaos ainda está livre. Com um aceno de mão. num gesto de congratulação. — Puta merda! — Basil exclamou. — Você está bem? — Nós estamos bem. — Você fez isso? — Eu estava sofrendo.. — afirmou Dante. Como você está viva? — Perguntou ele. — Sim. viu os três voltaram à vida. — Melhor agora que você está aqui. Ela balançou a cabeça. sorrindo. — O sol ainda está escondido. reagiu sem pensar. e enquanto ele estiver à escuridão reinará. — Porra.. é bom ter você de volta. — É uma longa história que eu vou contar em breve. congelados no canto. — Eu não sei. — Isso fazia parte das habilidades de sua mãe. — E quando ela ouviu o som de passos. e isso era algo que Trinity ia ter que se acostumar. Libertemse. — O que você fez? — Basil perguntou ofegante. — Ótimo. ela pensou quando chegou no que havia sido o domínio digital. — Você está viva. — É bom estar de volta. ela congelou todos em seu lugar. Uau! — Ela estava completamente surpresa quando Jonah voou em seus braços. Ela pegou. Estava livre do trânsito. Jonah inclinou a cabeça.

— disse Basil. — Ele tomou a mão de Trinity e sorriu. — Você sabe que eu estou com ele. deixando sua mão livre para Basil. — Hã? — Os três disseram juntos. — Nós temos a toda poderosa rainha Trinity. recebendo a atenção de todos. Isso não vai ser fácil e todos nós vamos ter que ficar juntos. — Eu não vou cair fora.Ela se virou para Dante. —Não vamos esquecer quem temos do nosso lado. — Nada é tão fácil. fale agora. — Então está decidido. — Dante pegou a mão de Ariel. Se alguém não está pronto para aceitar isto. Chegando perto dos quatro. — Estou dentro. Basil posou sua mão em cima da de Dante. — Jonah suspirou. — Trinity olhou pessoa por pessoa. 138 . — Vamos pegar esse desgraçado e trazer de volta o sol. segurá-la. — Hey. — Como se fosse assim tão fácil. Jonah fitou intensamente Trinity e pegou em suas mãos. Assim os cinco tinham um compromisso. — afirmou Ariel e pegou a mão do marido. — É uma longa história.

Precisamos ser cuidadosos. já que precisavam dele para trazer o sol de volta. senhor.Epílogo O rei tinha ido embora. servos. Já que esta foi descoberta. seguido da cama e quebrou a mesa de madeira em uma dúzia de peças quando a jogou. senhor. a escuridão reinaria. Precisamos encontrar uma nova instalação. É você mostrará quem é o mestre aqui. ele não perdeu tempo. Ficaria honrado em ser o seu próximo no comando. Ele desligou e saiu da sala. Eu valorizo seus serviços. Atirou cadeiras. Terminado com sua birra. — Atenção. Daniel. — Você será o responsável para que os homens fiquem mantidos em linha. — Você me serviu bem durante todos esses anos. Ele clicou no intercomunicador e limpou a garganta antes de começar. — Certifique-se que não. Parando no décimo quarto. Nós precisamos aprisionar os seres humanos e não deve ser difícil agora que a luz está fora do caminho. Eles querem desviar agora e sair por conta própria. — Sim. Chaos se dirigiu ao auditório para a reunião. Ele precisa de uma instalação segura com um refúgio subterrâneo onde poderia se esconder. Enquanto ele estivesse vivo. imediatamente. Vou precisar ficar no subsolo e esta será a primeira ordem de negócios hoje. Ele não se importava quão poderosa ela se tornara. Eu não vou deixar você. — Eu vou providenciar isso. Ele sabia perfeitamente bem que Trinity e Basil estariam procurando-o. — Eu quero que você seja meu próximo no comando. Quando abriu. ele martelou o punho na porta e esperou que abrisse. ela vai estar nos observando com muito cuidado. ele ia ter certeza que ela pagaria por ter levado seu mestre para longe. Como ele deveria governar o mundo sem o seu mestre para guiá-lo? Maldita Trinity por arruinar todos os seus planos. Reunir no auditório para uma reunião. Seus passos eram afiados quando ele andou pelo corredor dos quartos. *** continua **** 139 . Daniel. marchou para fora de seu quarto e ao sistema de intercomunicação no escritório do outro lado da sala. Danny respondeu: — Sim. Agora que Trinity está de volta e tem novas habilidades. senhor. Chaos destruiu seu quarto como uma criança em um acesso de raiva. Deixando-o. Com os olhos arregalados.

140 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful