Você está na página 1de 7

01/05/2012

Mecanismos efetores da imunidade celular e humoral Prof. Dr. Gilson C. Macedo

Mecanismos efetores da imunidade celular e humoral

Prof. Dr. Gilson C. Macedo

Células T virgens reconhecem o antígeno nos tecidos linfóides, proliferam e se diferenciam e células
Células T virgens reconhecem o antígeno nos tecidos linfóides, proliferam e se diferenciam e células

Células T virgens reconhecem o antígeno nos tecidos linfóides, proliferam e se diferenciam e células efetoras.

Células T efetoras novamente reconhecem o mesmo antígeno em qualquer local do corpo e respondem para eliminá-lo

Imunidade mediada por Células

Imunidade mediada por Células
Migração para os locais de infecção • Alteração no perfil de moléculas de adesão e
Migração para os locais de infecção • Alteração no perfil de moléculas de adesão e

Migração para os locais de infecção

• Alteração no perfil de moléculas de adesão e receptores de quimiocinas expressos

• Diminuição da expressão de receptores da zona T e aumento da expressão de receptores para esfingosina 1-fostase (presente no sangue)

• Migração para fora dos linfonodos

01/05/2012

• A volta das células T efetoras para o local da infecção não depende do
• A volta das células T efetoras para o local da infecção não depende do

• A volta das células T efetoras para o local da infecção não depende do reconhecimento específico daquele antígeno.

• Linfócitos ativados por outros antígenos também podem entrar no local de qualquer infecção.

• Somente os linfócitos que encontram novamente o antígeno ficarão retidos por tempo suficiente para realizar sua função.

Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 1
Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 1
Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 1

Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 1

Linfócitos T CD4+ T H 1 ativam Mø que tenham fagocitado microorganismos. Aumento das atividades microbicidas dos Mø e eliminação dos microorganismos ingeridos

fagocitado microorganismos. Aumento das atividades microbicidas dos Mø e eliminação dos microorganismos ingeridos
Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 1
Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 1

Produção de TNF aumento das moléculas de adesão do endotélio e produção de quimiocinas. Células T H 17 secretam quimiocinas que atraem neutrófilos e monócitos. Infiltrado inflamatório Reação de Hipersensibilidade Tardia

01/05/2012

Hipersensibilidade do tipo tardia

• Injeção de proteína microbiana na pele de indivíduo imunizado (infecção ou vacinação).

• Macrófagos apresentam esta proteína aos linfócitos T sensibilizados.

• Produção de citocinas, ativação dos macrófagos e reação inflamatória.

• Morfologia infitrado inflamatório com células T e monócitos, edema e deposição de fibrina (aumento da permeabilidade vascular).

• Ocorre cerca de 24 a 48 horas após a injeção do antígeno.

de fibrina (aumento da permeabilidade vascular). • Ocorre cerca de 24 a 48 horas após a
Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 2
Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 2
Funções efetoras dos linfócitos T CD4 + T H 2
Derivado Protéico Purificado - PPD
Derivado Protéico Purificado - PPD
Derivado Protéico Purificado - PPD

Derivado Protéico Purificado - PPD

Linfócitos T CD4 + T H 2 podem limitar a lesão produzida por macrófagos ativados

Linfócitos T CD4 + T H 2 podem limitar a lesão produzida por macrófagos ativados

Linfócitos T CD4 + T H 2 podem limitar a lesão produzida por macrófagos ativados

01/05/2012

Funções efetoras dos linfócitos T CD8 + a destruição das células-alvo
Funções efetoras dos linfócitos T CD8 + a destruição das células-alvo

Funções efetoras dos linfócitos T CD8 + a destruição das células-alvo

Cooperação T CD4 e CD8
Cooperação T CD4 e CD8
Cooperação T CD4 e CD8
Mecanismos da lise das células-alvo mediada pelos CTLs

Mecanismos da lise das células-alvo mediada pelos CTLs

Mecanismos da lise das células-alvo mediada pelos CTLs
Mecanismos efetores da imunidade humoral

Mecanismos efetores da imunidade humoral

Mecanismos efetores da imunidade humoral

01/05/2012

Neutralização de microorganismos e toxinas microbianas
Neutralização de microorganismos e toxinas microbianas

Neutralização de

microorganismos e

toxinas microbianas

de microorganismos e toxinas microbianas Opsonização e Fagocitose Opsoninas Moléculas que

Opsonização e Fagocitose

Opsoninas Moléculas que revestem o microorganismo e aumentam sua fagocitose (que fazem opsonização)
Opsoninas Moléculas que revestem o microorganismo e
aumentam sua fagocitose (que fazem opsonização)
Citotoxicidade mediada por células dependente de anticorpos - ADCC
Citotoxicidade mediada por células dependente de anticorpos - ADCC
Citotoxicidade mediada por células dependente de anticorpos - ADCC

01/05/2012

01/05/2012 Funções do sistema do complemento Ativação do Sistema do complemento Imunidade da Mucosa O anticorpo
Funções do sistema do complemento
Funções do sistema do complemento

Funções do sistema do complemento

Ativação do Sistema do complemento
Ativação do Sistema do complemento

Ativação do Sistema do complemento

Imunidade da Mucosa O anticorpo IgA é produzido nos tecidos linfóides mucosos e ativamente transportado
Imunidade da Mucosa
O anticorpo IgA é produzido nos tecidos linfóides mucosos e ativamente
transportado através dos epitélios, ligando e neutralizando os microorganismos
que entram pelos órgãos mucosos.
transportado através dos epitélios, ligando e neutralizando os microorganismos que entram pelos órgãos mucosos.

01/05/2012

Até a próxima

Nunca desista

Não importa o tamanho da dificuldade

Até a próxima Nunca desista Não importa o tamanho da dificuldade