Você está na página 1de 70
FERNANDO SAVATER — ETIGA PARA MEU FILHO ‘Monica Stahel Sumdrio 9 Advertncia antpetagigca 1 Pralge 17 Capulo 1 0 ques és? 29 Capitulo 2— Ordens, costumes ecaprichos 39° Capitulo — Face oquequiser 49 Capitalo4— Dé si mesmo uma vida bos 59° CepiteloS— Vamos scone! 69 Capitulo 6 — Surge o Gil Falante 83 Capitulo? — Ponha-se no lugar do outeo 99 Capitulo — Muito prazer 111 Capitulo 9— Beigtes gras 125. plego, Cabea woo? pensar 133 Apéndice Der anos depois: diante do nove milénio | Adverténcia antipedagégica | Bote uvno who f um mana de ca para slunos do casino médko, No cone i rmagies sobre os atone mais notes © m0- iments mais importantes d tora moral a6 longo di hits, Nio tive intengio de co- locat © inaperstiva ctegrico a0 alcance de ‘odor opis “También nose ta de vm secieiro de respons moraeantes aoe problemas co8- dianos que podkmoseacontat no oral e m2 su, do abotto 3 abjecio de conscica, pa ‘and pelo preservative, Nio cio que aca sina para solcionar nen debate, embora seu oii ses colaborar para incre ee. Deve-te fir em ética no eosino mé- io? De inieio pacce-me nefso apresentar ‘ua muta com exe nome como aeratva 9 aula de dousiament relgiso. A pobre ica ado veo 30 suundo par dedicrse 4 escort ou a substi cates, pelo metiornioo deversfize, a eta akura do slo XX. Mas no tenho nenuma certezs de que deve ser evita aguas Primera cousidergdes gras sobeeo sentido d iberdade ners de que sejam suficiener, a exe eepet,algumas considerate, _deonoligias increas em cada ua das demas cpio. A reflexgo moral no é apenas wm asuno epecliado pare quem, esa fier cursos supeioes de fost, sendo, anes, pare ot sencial de qualquer educagiodigna dese nome clive ado & sis do qu io, spena um iro, Petal _subjesivo, como a rao que une um aia eu filo; mas por so mesmo nniversl como a elago entre ple lho, mis «o- ‘mum de todas. lef pesado e escrito para que ses ido pos lolscentes; provavelmente, ensinaré muito powca cost se Profesores Seu objetivo nlo é ica eidadir bem pensnts (enuto menos mal pensdos), mas esimalaro desenvolvimento de ives pensions, Ma, 26 de jens de 1991 10 Prdélogo As vezss, Amador, enko vontae de Ihe con- tat mui coisas. Mak gro para mis, {gue trang, pois dew aborrect-o com itor discus em meu oficio de pai para sind acrescenta outonsuplementaes fan siado de fikwofo. Comprendo que a pacién tin dor flor também tem wn ite. Aon Also, queso que acontegs congo © me Imo que com un amigo mes, ego, quando certo dia eta costemplando © mar com seu toto de cinco ance O pie he dise,cin fom sonkador: “Papas, gnaria que’s mame, ‘oct eet itemor nom Bargsiaho para ps sear pelo ne, Mea enmental amg, cam fam nd nga bem em cima doa da goats, rspondew: "Cho, meu bos, vamos ‘quando weed guise”. "E quando estiermos u bem Jonge”, continsow Eantaando a tern erate, "vou jogar 10s dois ma gua para vocs se afogatem.” Do core partido do pa brocou uma excumagio de dor:"Mas, meu flho.!"."Chao, aps. Eneo voce nfo sabe que voc piso abortcem mui "62" Fim ca primed go Se até wma crianya de cinco anos conse perceher iso, Jmagino que um marmanjo de mas de inze, conia voce, eva star eanado de sabélo. De modo que io € sinha intengio The dar mas motives para o parca do gue os wuss ms fi nas bem ajustabs. Por outro lado, sempre ache aborecidos ‘ss pais empenhados em ser “o melhor amigo de sus fhe”. ‘oct, meninos,devem ter amigos da sua ide: ago ¢ ami i, claro, Com pais, professrese outro ils & pose, na telior dis hpéteses, entender se razoavelmente het, o ue fi hasante, Mas entende-s exzoavelmente bem comm un ado Ini, is vers, ter vontade de afogi-lo, Cato contro, nio & vido, Se eu tivese quinze anos, © que jt no & provive! que vole a acontecer,desconfiaia de todos os ado "smpicon” demas, de todos os que puecesem dejar ser mas ovens do sae eu e de todos os que me desea rio semaeamente, oot sabe, aqueles que sempre afmam que “woot, ovens io _maravithosos", “snto-me Bo joven quanto voc” ehobagens 4o tipo, Otho aces! Algums coisa devem estar querenlo vom ‘stor pti, Ui pio am profesor qu prez pe ‘tam ser tm pouco aborreides, ou no serio para, De Jovem fasta woe De nod que me ocotreu eserever aguas cos que em ‘certo momentos quis Ihe conta mar fo soube, ot aio ous Quando um pai la de um ssinto fllostico, & preciso feat ‘lhando para ele, zen eats de interest, emborasonbands ‘om o momento Hbertador desir corendo para ver televiso, 2 Muar um lio voeé pode ler quando & wontae, em hors per~ cls, em neces de mosrar espeito: 3 vr a gins, voce pode bocejr ou et, com coda a liberdade. Uma vez que {rmx parte do que wou The dizer em jusamente aver com a Terug, € ais adequado passer ido do que para see uid eno senio, Mis, 0 sim, er precio pena an pouco de tengo nim (aproximadsmente 4 metde da atengio que oct dedica a aprender um nove jogo de computador) « ter tum ponco de paca, principalmente nos primeios capt, Embors compreendendo que iso poss tomar as coisis bem mais dices, nfo quis poupar Ie o eforgo de pena paso « peso nem rato como se fot um idiot. Teaho uma cpio, ‘Som a ual no sie voce concord, de que, quando estamos lum como idiots, & mito provivel que, se ainda no o for, logo vib ao Do que me propos 2 fl? Di mina vida e 6a su, ‘da muss da menos, Ot, 8 peti do que ea fgo € do que ‘oct tts comeyand a ier. Quanto 30 que eu Bo, gosara de, finale, esponder a ua pergnts que woot me fez 3 qui- ma-roupa i muita anor — tlver vor® nem se lene — & fgve na or ficou sen resposn, Vocb devin ter unt acs anos, ‘eeativamor pasando 6 vero em Tonelodones. Aque tad, como st outa, eu ears datlografando sem muita vontade na thinks Olivet port, fechado no quarto, dante da favo da ‘sual una blea enorme, eruida «repaid sole omar ‘ul, Ouvia vcd seu primo brineser ma pin; com ter pelo jardin, Desculpe o pieguimo confidencil sent me cnchateido de mor e de flidade, De repente, voc ehegoa {M6 a jaca ahora e diz: "O}. O que voet es magueane?” ‘Respond qualquer hobsgen, pos nlo ero exo de comesat 4 expen que estva entanda cecrever sn iro de tia Vocd no 3 cstava nem incresido em saber © que et ics nem dsposo 21me dar tengo darts muito mais de ets minito, Tales 16 auitene te fcr leat gue eta ale como ve em alum momento eu padeseexquee®-Io, eto ou agora! Maso tos jf ochamavam evoe® su comtendo, Connick mains, & gor, quisedez anos mai tarde, que fnamcite rec Te Sar explicacBes sobre ex coi precios, Gc da gual continue se orspand, Alguns anos depois, ¢ ambém em nos miipursio de ‘Tomeladones, oct me cantou um sono que havi tio. Ser ‘que também no lembya? Voedestava nm campo mato ecu *o, parca de noite, eseprava um vento eve, oct se agar ‘as drvores, spelt, mas era implacvelmente aartido pelo foracio, como menins de O mig de Os. Eni, rodopindo no ar rumo 29 desconhecido, vocé ouvia minha vor (€ expe ‘oui "Eu mio 0 via, mas sbi que era voce”) died: "Pena ‘onfanga! Tena confine. Voed no imag presente que re dew contando ese marvihoxo pesaelo: nem ee vives se mil anos poderia The pagar o ong diguela tarde em que figuctshendo que minha vor ert cape de enconji-o. Poi bem, tudo o que vou Ihe diet nas pgina ue te segue x0 pens eepetig dete Gnico conselo: tela confianga. NBO fm mim, é ear, nem em qulguer xb, meso que see dos fem dees on dsbos, nem em miguinas, acm em bande, “Tenfa confianga om a means ma ntlgincia que lhe pent ser melhor do-que i &« no intnta de et amor, que o abies para merecer bos companhis. Com wack ve, ete mo € um romance de mistrio, deses que 6 preciso ler ta ki pins para aber quem 9 criminoso. Estou to spetado que jéeo- ego revelindo no pg iti io, 4 Tae wort maple de que co etd Ge c= bec, cm eo ot ee, Mus pve nop aircn — ou drum — © nla de wie ig as comer pone enclosed an ape Tren de sero de cog, Nee ho, ea I Sun us omer poco dna ppc bn trove pr coer in poco da sin Ni el oc pole Earmute sine donnie ae on pede Gh apt de wn pene gues sae wx gro Quam mim, rosario, Te pore dour uc tot tem debe ved {Do ape prt di O que é ética? Capitulo 1 HEA caineras qui escudamos po Simple i verese de aber coisas nova; outs, par ad- quire uma babidade que nos permita fee 9 utliza agua cos; a maior, pre con seguir um tabalho © ganar a vidi com ele. Seno seatrmor curiosdade nem necessice de realae exes esudos,poderemes presin- ‘idee tranguilanente, F uma inidade de onbecimenton muito intessane, mas sem fe quas podem nos aranar mito bem Bo, poresemploamento muito no trae iia fe arofsics on de marccnari, que do tanta ‘absficdo a cuts pesoas, embora es gno- ido de ese irene até haje.B woe, sen ime eng, onhece st regras do atcbl, ma & bers fs 0 em beeebol. NEo tm maior smportinis, cia nea me tena in 7 wot desu or campeonato mundi, pens alimpicmente aig americana e too mand si sais, © quc-en quero dizer & que cenas cosas a pesos poe aprender ou ni, conforme aus voatide. Como ninguém & capar de saber edo, 0 remédio & ecole ¢ sectar com hu mildade o muito que ignoramor. 6 posvel viver sen saber sstotiica, marcenri,firbol e a mesmo set stber ler screver vve-te pion, decerto, mis vive-se, No entanto, hi ‘outrs coins que € preciso saber, porque, por asim dizer, > Fidomentis para nase vids. E preciso saber, or exemplo, que ‘altar de um baleio do sexto andar nio € bom para a sides fv que um diets de prego (penloem-me of faguits) «Scido Prsico nlo nos permits chegar fi velhic, Tambéxs no & aconselhivel ignorar que, se demos um safndo 20 vixinho ‘ada ver que crurstmor com ele, mais cedo ou mas tarde ha veri consequénchas muito desagadives. Pequeneras dete tipo so importantes, Podenioevver de muitos modes, mas hi mo os que no nos deixar viver En esumo, entre todor 0 sabores poset exit pelo ‘menos um impeescinre: 0 de que certs coiss nos conver © outs no, Centos alimentos nZo nos convén, sim come estos comporaentos¢ certs stead, Quero dizer, & claro, ‘que rio nos convém se desjanos continsar vivendo, Seal. agném quser arrebetar-se 0 quanto antes, bebe ixiva poder ser muizo adequido, oa também cercirse do maior nimero possivel de inimigon, Mas, de moment, vie spor gue pre frimos viver, desando de lado, por enguanto, of respeitives gosts do sicds, Assim, I cost que nos conrém, © 0 que ‘os convém costumamas dizer que & "bos", pois nos ci be (Outs, em compensaio, alo nos eonvém, cacm-nor mito imal, © © que nio nos eonvém dzemar que & “au. Saber 0 18 «que nos comvém, sj, dtinguir entre o bom ¢0 mau, um. ‘onhcimento que todor ns tentamos adquint — todos, sem ‘exceqlo — pel compensa que nos tz. (Como fren tes, hi cos os ends par 2 ee: & necesno aber 0 que devemos cose, ot que 0 fog i east see e overt vores qs, ow and que 2 gua pode matar ‘ede e cmb nos fog, No entanto, i veres 3 coi 30 Ho to simpler certs drogas, por exempo, aumentin nows ‘nerga on produzem sensagieagradives, mas seu abuso con- tino pode ser nocivo. im agen pes so boss, mas em ou tron so mir: es nos conve e 20 mesmo tempo nos conven, [No terono dit relies umanas, esas ambigudades ocorem om maior fequéncia ands, A ments, em geal algo mau, porque desta confanga ma palavra — todos nds preismos ‘air pura vier em sociedade — ¢ provocs inimizade ene a8 pessoas; mas i ves pode parecer Gti on benfico ments pars ‘obver agua vantigem, ou até para Baer um Evora alguien Por exemple, é melhor dzer 20 docate de cincer incarivel + verdadetobre seu estado om deve-ve engani-lo para que le v0 suas blimas hors sem angistis? A mente nio nos conwém, € ‘md, mas 3s vers parece acaba sendo boa. Procua briga com ‘0s outres, como jf dsemos, em geralé inconvenient, mas de- ‘vemos conseatie que volenem una garots dante de ns sem Innere sob pretsto de 0 nos meters ea confi? Por ‘utr Ino, quem sempre di 2 verdade — dons quem doer — ‘quer modo, Se Robinson transformou-se nun animal como ‘os outros que perambulam pel ela, por caus de sua solidio ‘ova derventura, sa Gnica preocupayso ser saber seo deseo nhecido dono da pegada € um nimiga 3 sr eimizado ou uma pres a ser devorada, Mas, s© quer contin endo home. Ent suo estar idando com uma pres ou wn simples in ‘igo, ms com um rival um possitel companei: de todo ‘modo, com us senetiate Enquanto ets 1, Robinson erent questbes ténicas eciniew,higiica, at lenis se & que voe# me entende [A questo & salar vale un meio hostile desconhecido, Mas, 84 ‘quando ele encontr a pegada de Sexa-Feira na area ds pri, ‘comecam seus problemas és. J no se teats apenas de sobre- ‘ver, como um animal evagem ou uma leach, perio na acute; gor: precisa comecar 4 viterbumananent, ots, ‘com outs on cates outos omens, mss ee hoes, © gue fea vids er “humans” é Bto de rancor em compas de sereshnaas, flo com eles, pactinndo € mentindo, sendo respetado ou wait, amando, fizendo projtos « reconlando ‘© patio, desfiando-c,ongaieando juntos x cobs comans, Jogundo, tocando simboles...A aca no se acu em saber como se alimeatar melhor, qual a manera mai recomendive eae protger do io 04 0 gue fier para staves un 048 se agar todas quesses muito imporanes, sem did, para sobrevivéncia em determinads cicunstiaciss o que interes 3 fia, 0 que consti sua epeiidae, & com viver bem vids hom, «vide que tamcorr ene umanos, Sea sober ‘mos como nor aranjar pars sobreviver em melo 40 perigos aces, penderemor + vida, © que sem dvd sr usa grande dino; ms se no tvernor nem ela de ca, peederemon ou Prejudicremot © humane de now vidi, © gue, Fneamente, também nde tem gra nenhusn, Bu dise sts que a pegads na aes amnion » Robinson 2 proximidde comprometedora de um semaliont, Ma, j= ‘nos: sé que ponte Sext-Feirs rs vena a Robinson? De ‘um lado, um earopen do século XVI, posuldor des conhe= iments cenfcos mais avangados de'aa Gpoca,educado na relgio cris, fmilaraado com os mitos homéricose com 3 mena de out, um selvageas canal dor mares do Sul sem cuts culua alia da tadigfo olde sin tbo, etente nia eligi politi eignorando a exsténca das grandes cides da pce, como Londres ¢ Amster, Nek, td er dieren 85 4a ple, goto culniios, eometenimentos., Certamente nem sens sanos notumos iam algo em comumt No entanto, sar de tas dieregss, tambémnhavia ene eles erseterieas fundanentis parecidas, semehaness esenciais que Robinson ‘sho compartava com neni animal, com nena Avore ‘ow manna da hs, Para comes, ambos fle, emor mas Tingus fosem mig diferentes, O mondo, ara ees, era Fo esimbolor ede relagdesentesibalos, emo de simples cous sein nome, Tanto Robinson como Seat-Feia erm capaes de ‘eribui alr os comporamients, de siber que podemos fixer lgumas cole que lo “boss” outea que, 20 contri, fo “ans”, A primi vist, 0 que oF dois consideravam “bom” © “nu” tambo no er igual, poi seus valores concrtospro- ito ants: sem bascar maiz long, © ostune acito por Sext-Feir, 0 pasa gbe 2 Robinson asin como inary decks ‘anal er ‘espera nat profunde horror ‘em voc, saponho, por mais emi que voet ej. Apes dis- 19nd ris destioado a jusicar 0 que €acetvel © 0 que € tronivo, Embors pactsiem de porgSer mito dizamtes nuns dscuso, pod chap a dace compreender 0 gue east Abectindo. Jig bem mais do que em ger ef com um Ho ot com uma avalanche de roc, nfo € mesmo? ‘oct me dir que tio fo etd muito bem, gue, na ver~ Ade, por mats semelhantes que sejam os homens, no es clare fe antemso qual a melhor mancma dese comportr com reagio fees. Sea pada que Robinson encoero ns aria poten tum membro de tm tbo de canals que pretende comélo refogido, si atte dete do desconhecidondo seta mesma ‘que se fora pega do grumete de um navio que chegou para vg lo Jasarene plo fto de se purecerem muito comigo, ‘outros homens io ms peigosos para min do que qualquer 86 animal eroz ou trremota. No hi pot inmigo do gue ini ‘igo intligeme,capaz de fier planes minuciowos, de mont ardihas on de me enganar de il ances, Tavee entio 0 rmelbor se omar a danteiae eto prieto a rth, att vs de violins ou embascadss, como se jem de ito ot Ings qu poderian vie 3 e...No ent, et tide no & ‘do prudente como pode parecer primeira vist: 40 me cnh= porte como nimige pars com or meus seetants, sen via ‘etaze sumentando at possbildades de que les se tansformem Jmemediavelmente erm meus ininigos taubéns alm dso, per ere a csido de ganhar sua anizade ou de conservil, sem pio eatveram dispentae «ofrec-a mi, ‘Vea ee outro componamento posivel dase de nosos peigosos semthantes Matco Ausébo fi imperador de Roma, lem de fsof, 0 que & rato, pois em geral os goveranter interesam-se pouco por quaisquer quests que no sjam i= dscusvelmencepetias. Ease mperdor gota de snot wa ‘plied conversa que tnks consigo meso, dando-se case os ou até se dando alumasbroneas. Frequentemente reir sa coin deste ipo (eto recoread 3 etnies, 0 a0 hv, de modo que vocé ido deve tomo 40 pé da ler) "Hoje, 20 se leva, pense que 20 longo do da iti encontrar co slgum menos, com alum Lae, com alm adler, cor algun asssino. Lenbrese de que devs tnti-os como ho- ‘men, pois fo to human quanta voce, porta, so-the io imprescindves quanto a mandibula infetor para superior” Par Mareo Aurio, © mis impoetnce com repo 408 ho- ‘mens ndo € sua condata ine parecer conveniente ou nao, mas 0 fio de que — como humnanox — eles me enuf, e nunca devercteaquecer ao tatar com ces. Por pores ue sj Inumanidade coincide com a minha e refoga Semele tv 87 eu pee iver, mat no viver himanamente.Embora eu te- ‘ht un dente ponigo e dois ou ts eas, sempre & mais ‘convenient, na hors de comer, contr com sm maar inferior ge aide © sper api semlhana quanto inteligecia, apace de calenle projet, psies 208 meds, so que toma 0 homens to pesguso pots mim, quando quer sé, toma os ambém extematnente fs, Quando em serhumano combing fen comigo, naa pode combinar melhor. james, o que voce ‘conece que sj melhor do qu ser emaib? Quand lguém quer isheito, 08 poder, om pressigo... por acso ao desi esr ‘vezi pra poder comprar a metde do qu reebemes de srs ‘quand sone andor? E qvem pode me anar de verde senzo tim outro ser como eu, que me ame cw sr humo... apesie tino? Nenbum bic, por mais cainhoro gue se, pode me dar tanto quanta over er human, mesmo que see um er human io atpico,B cero que, nm todo ao, devo tata os homens ‘com aa, Mises “idad” no pode consi anes de tudo tn supeta ou prevensSo, mat na consdergio que se tem 20 Tiae coms coi ge, a const ma gis de ods. or mio serem simples cat Como 0 vinculo de respetoe amizae para ‘om os outros humanos € © mii precio do mando paca min, ge também sm ua, quando me vejo ante dees devo ter ‘maior nreree cm ean ¢ em at mile se & que Wook the ented, New na hors de alvara pee € aconsthive que eu ciqueg conpletamente xa prio Marco Aurilio, que ea impeendor ¢ fifo, mas mio ‘rs imbeci, bis mito bem © que voc? também sabe: hi rene que roubs, que meate © que mata. Norurabmente, ele io spun que pars nos dar Bem com o prbximo devssemos 88 fivorecer esas condutas. Mas nha muito ears dss coisas {que acho mit importants: Prime: quem rouba, mente, yi, vil, mata ou abuse 4c algum mado de agi rem por iso dei dese mane ‘Aqui liaguager & enganoe, pos, a trib am tal nf ‘mance (ese € um lado", “aqnela uns mentinosa", “aque le outro & wm criminoso"),acabamos equecendo vm pouce fe se tata sempre de sereshumanos qe, sem dei de sé slo, comportam-se de maneiea posco recomenvel,E quem Pnegou” a er detestivel, como comin tendo hutano, an dla pode voltar a se trasformar na pesoa mais conveniate ats n6s, nami imprescinve. ‘Saas uma dis econ pica de todos n= reshuumanes, nos capacidade de ini. Amar pte de oe so comporamento« de sos gastos & copia des otros. Por iso somos to educivese vanorconsanteneate aprendend os sucess congustades por utr pesos et tempos pasado ou lhotades dante. Fim edo 0 que clamamos de “ivia30%, “euler”, et. hi un poco deinvengia «mato de imitagao. Se Bo semer io copidors, cid home tea sempre de come ‘a do do er. Por iso € Ho importante o exile que dames 0s nosos congineres scsi € quae certo que a miosn dos asco ous no eta al com so tan, Se denies inimizade a tono ea dico, mea que dismladarente. no prowivel que rcehames em soca sada melhor do Que ais inimizade. Bem si qu, por melhor ques noo exe, ‘outros sempre tém dante desi demarados aus exenaphs para mia Porque nosiacomodsrmos, eno, © renuncsto sYan- ‘agers iedias que o canals dean com tnt equi? “Marco Aurdo responder: “Wac® acha prudent aumentar on mato ji to grande dos mas, dagueles de quem se pode eerie 89 ito pouco de remente postive, € deanimar a minora dos Imelhoes, que em comgensayso eto podem fier por sa boa ‘i? Nio és Kgic vemear 0 que oe® tem intengo de co Ther em yee do oposto, memo sabendo que 2 dicta pode cetagar su cole? Vorépreteecomportar-sevolunaramente ‘ome tanto aco oko por ai, em ver de defender e mostrar as ‘antes do bom en?" ‘Mas vatos examine us pouco mis de pesto o que fem. agus gue charmamos de “maus", ou sj, aqusies que tram toutes sere humanos co inimigns em vez d= procurar st tizade. Voré deve lmbrarse do ne Franko, interprets por aqude aetwow manszo dos mosses que fot Bors Kah "Tencaos vl juntos na teeviso quando vocé ema bem pes, mas fi obogado a desigar quando voce me die, com elegant fanquces: "Acho que es comeando a me dat medo dana” Ben, no sonasce de Mary W. Shelley, no gual se basi fine, verte fade ether de cadiveres conf a seu aepentido [aventor: “Sos ma porque son inf”. Tenbo a inpreso de gue 4 mora dos sapostos “mais” ve eto pelo mando poderiam ‘zero memo, se Rosen scan Se els se comport dem hea host pies pr corm cus ements, € porgue sen tem edo, used, porguecarecem de cos neces que uitoy out ne id, como vor® deve es prebend, (Ou por pace da mor inlcdae de tod de seem para prejicar eta pea, por exemple), asin como hi ‘quem coma 2 redo do viznho ow aprovete seus pases para pliner atentado erorists. Como arelaio sexeal poe che- fr ebelecervinelor muito poderosos e compliegies af tiv tito delcads entre 2% pessoas, élogico que se lever ‘cn coats especialmente a sieges devidas aos semmelhantes ‘ees cases, Qua 30 Ins, no entato, quero dizer simples- Imente que magall que di prazer a dois € alo prjudiaa 9 ne nlhum no hi nada de au. © que de fto€ "ma é as psoas fcharem que ban aigo de wan em ter pres. Aconseee que io s6 ns tetoe un corp, como se costa dizer (quase com revgnafo), como sas ut eosp, em sua susie bem= “tar 1 I vids boa, Quem se envergonia ds apacidades de prance de seu corpo € do bobo quanta quem se enverponba deter spend a tbuada de maliplcaio Uma ds fangbesndubitvelmente importantes do x0 & pio. Or, dae wo logo a voc’, que E mee iho! E uma 100 conseguéncia que nfo pode ser toma leviaramente, poss com esters impe obrgages ion se voc? no lembrs, relia 0 que he dse ants sobre a spond como o reves inevi- ‘lve da lberdade Mas 2 expericia sexual no pode limite smplesmente 3 fe proeriadra. Nos sees humanos, os dis- esitvor mits para gant a perpen da expe sempre ‘Ein outs dinensbes que a Biologia nio parece ter previo. A ‘les actecenttnsevmbolos ¢refinamentoy,snvensBes prec ‘95 des Hberdae sem 2 qual os homtens no sriam homens. rrdoal agus gue vee slg de “mau” ou pelo mence de Histo" no sexo dzerem que se dedicar ele com entasisno cxcestivo enialze a homer. A verdad € que so jumanente ‘famine que 6 ualinu o axe para procris, asim como 46 ‘lism a comic par se aimentar ou 0 exercico Rica par. ‘onseevars deo teres humanos, por osto ldo, iwentarnt ‘erate, gatronoinia eo atleimo, O sexo én mecanie- ‘mo de reprodugio para ox homes, com também par o ce ‘oreo hesigor nat nos homens prodaz muitos outs efits, porexemplo,a poet lira e 3 iituigSo atmo, que nem ‘os cervos nem os hesgns eanhecem (io sew para inficdade (00 flicdade dele). Quanto mais © homem separa 0 sexo do simples proctigio, menor animal e mat humano cle se tor a Clio que io tem consequéncas boas emis, como sempre scontece quand a Uberdade et em ogo... Mas dese problema ‘eno Bilan quate desde a primeira pgina dese discus. (© aque seconde em tod cs obsess sobre 2 mors Tada” ena ao € nem mais nem menos do que um dorms relhostemors sci do homer: o modo do paser O paz se- ‘ual eo creado de tants sspeitse catch jstamente por se ‘esac entre os mais intemto vives que se podem sent, Por ‘qe o prarer asta? pono que sea por nos prada demas 101 ‘Ao ouge da séculoe a socidades sempre entra evita que seus membros dese delete 4 cospo a toa ors, esquecendo fo eabalho, «previso do fueuo © dle do grupo: 3 vende que munca nos seatimon Go sation de bess coma vida ‘como quando gozamot, ms no exquecermor de todo 0 To podercines no dura uiit, A exiténcia humana fi, em 10 os 08 tempos e momentos, un jogo ors 80 vale para as rites tribes que se agrupem junto a0 fogo i aes de anos e para ngs gue hoje somos obrigados a uve rua pa Compr joa © priser ie wezes aot dita mis do que con ‘ém, « que pode acaba endo Bt. Poe oor peazeres sempre foram objeto de tubus e reves, cuidadsamenteracionados, Permikdoe spenat em certs date, ete mates de prcaics soci (que 5 veresperduram mesmo quando j ao so neces ‘drs pars que ningun se dss demais do ergo de viver Por outro lado, hi pessoas ex desta, sem deinar esr Tem tanto medo gue © przer Ihe ej esti, _mgastia-se tanto pensando no que poder acontecer se algun. tia dere gosta de verdade 4 corpo, que e tora cud re prisons do praze. Dizem que 0 sexo € iso, 1 comida © bebids So aqui, a diverio €aguilo onze, e que alo i pr que rir fetjar mim mundo Ho tise, te. Ni fa caso, Tudo pode chegat a ser inconveniente 08 servit ary fer © tna mas nad € ma 5 pole ft de goss de fae. Bos ea Imiadores profstionss do prisrchamamot “pasion”. Sabe em & purinna? Quem gate que o sal de que alguna folsa baa é 0 ito de mio gostrmot de Gi I. Quer afirma qu sempre tem mii mérito ofr do que gona (quando ma re- aldade pode ter nisi mento gosar bem do.que softer ma). ‘por € que o parianoacka que quando vivemos fem devemos ‘sear male quan estamos a é porque vivemes bem. Deceo 102 0s purtanos considram-s 2s pesons mas “moras” do. mun- do e além do mais, guatdies da moraiade de seus vzinhes. [No quero ser exageeado, embora em geal sea, mas eu Ibe dia que € mais “decene” e mais "moral" o ser-tergoa we- onheeide do que o purlago ofc. Seu rodeo, geralmente, 4 mulher daguels bitSna...lembr? Eh igo pasa pica reclinando que hava slgunw rapazes ns romano banbo nt freme de sua cas. A polcia afstou os apuzes, mas » muther voto a telefonar, dizendo que els esavam tomundo ba (eu, sempre nus) un pouco mais acima,e que 0 excindalo con- Hinuivs. Mais una vera policia aft, nase voto = recamar. "Mas, minha senhors” — dine o delegado.— “ns ‘ afamos pats ais de um qudmeto emo de dina." Es puritans respond, “vctoxamente”indignad:“E, mas de indcuto ands consigo enxersi-los Como na mina opinid o pusitanime & 2 attude mai posta dia, voe#ndo ouviek de mi nem ama paler eta prover, nem tenho qualquer inensio de que voce se enn ke, por pouce que sea, do desejo de dsinar 0 mais posivel ‘om 0 corpe e com 8 alma. Extou até dsposto a rept pur vod, com a maior conviego, © conslho de um vetho peo- Fasor Gancts que Ihe recomendo veementemeate, Michel de Montaigne: “Devemes segura com unt e dente 0 80 dos ravers vi, que or ans vo nos tin ds osm depois outro”. Quer destcar das cos des fae de Montaigne, ‘A primers aparece no final dr recomendo, edz qu oF aos ‘Wo nos dando inesanemente posbildades de go2o, © que ‘por ine nia é prudent esperar demas para sevaber dear. Se ‘operator mito pura desiutar arabaemos dexando de t= ow. B precko uber eatrejarce a abort 0 pretente, © q96 ‘os romanes (0 profe-poets meio enionho de A soedale dos 103 pects mi) resin no dita diem, Io ao quer dizer fe voré deva busear hoje todos o- przees, ms que deve Husa tao pasts debe. Un dos meios mais seguros de etaga ‘oe goaos do presente &empenba-seem que cada momento t= fb de toe he fra a susdes mais sparaadas ¢ im rovives, Ni se obtine em ena 3 forga no insane em que ‘oe? ests vivendo os prizes que no Ihe cabem; procure antes, ‘neantaro sentido prazrceo em tudo 0 que for. Dgatns, no Seite era o ovo ft por estar se exforgando contr a orrente ‘ir conser Rambuer nem perc grt peo himbiguer ‘envio por cle exar ser wp... Lembre-se de ve © que di pruzer tia € o ovo, nemo hambegues, aem © moh mas 0 Bo de voet saber desfuat © que ex ua volt Iso me leva 20 principio ds fixe de Montaigne que rmencionel ants, quando fla em segurar com unas © dents “ao dos prazerss da via". O bom & war os prareres, ou $62 epee ter certo controle sob els, nio permitindo que se lem conta 0 ret do que const; sua existénca peso Lemrese de que, a propénto de Bea e suas Ientthasrequen~ tad, i filamos da comploidade da vid ede que € recomend ‘el, para vivé-la bem oa impiear mais do que o devdo. (© prace& mito agzadve, mas em uma tendéncia prejudicial ase exclusive: ¢ voc se entegar a ele com demi gune~ side, eesti capar de dei sem nad, sob o preexto de fani-lo viver bem. Usorogprzeres, como diz Montaigne, € 120 permite que qualquer um dele eliine a posibidade de todos, (6) outs 08 ecoads completamente cele da vida, nada simpler, em que cad um ern sua ocasio, A dfrenga entre 0 ‘exatamente esi: quando sams an pe er, eniguocemes nos vida © gostamos eda vez mas no ‘do pracy mat da propria vd inal de qe estamos abusando 104 ‘notre o raver vi nos empobrecendo avid e que ato hos intetessimos por ela, mis spens por ese prazee particular. ‘Ou ej, prazer dina de ser um ingredient sade da ple- rude a vida pra torae-e ur rig pare espa da via, pra nos exondernos dela podeamtoscaluniila melhor Asveres simon expresso "mosrerdeprazee™ Enguanto seta de linguagem figured, io hi nada 3 objet, pois us. dos efeitos benicos do praer mito inten & dialer ods 2 anmaduras de rtin, medo e trivldade que vestimos e que Fequentemente nos amarguram mais do que nos protege 20 perder emis cours, temosa impreso de “mse com ea {0 ao que tomas habitualment, para renascermes logo depois fais fortes © animadon, Por io os ances, expeciaisas sais ese ems, cham © ongaime del pete mn, pues mor te, Tratcse de nina “more” part viver mais e melhor, que ‘os toa mais sive, mais does ot fermen apaixonado, [No entanto, em outros casos o preer que obtemosameaga nos tari ventdo mas eral eitemedivel da paava. Ou mata ots aide © nos compa, Ov Aas embuece mazando nos ‘humane, nossa considerago para com os outro e para com ‘resto do gue consi nossa vids. No nego que baja cers praetes plo goss poss valera pena agro 2 vis, O “in tint de comservagio” a qualquer prego € muito bor, ms 20 6 amis do que so, um isting. FE os Stes humans vvern pouco além dor itnistes, seis aio tm grag. Do poate de ‘st do mésica ou do covarde profil, ertonprzeres 30 roi’ supiens un pre, bors para ns, que no temo ‘uma penpectivadiica, conimvem sendo muito respeitives « considerives, No entanto, permitesme desconiar de todos prasres ew encanto principal pares sero "ano" © 0 “pe |g0" qu proporcionan. Ua coi € "mone de peazer”e out 105 bem diferente &o prarer consi em morte... pelo menos ‘em colocarse “I bern da morte". Quando um przer nos nats ‘ou quando eel sempre — para nos dar gosto — a pao de not ‘mata, ou vai matando em nés.0 que bide humane emt nose vida (que torn nose vida eamentecomplexa nos perite colocar-tos no hagar dot uray). & um aty dingo de pret, uma vil amuiha de noms inimigh, 4 mone. A ics ‘consste em apotareim que a vida vale a pen, pois até a pena ‘vida vale a pena. Eval 4 pena porque €aravsdeas gue ppoderioralangar or przeres da vid, sempre condos — 0 Aexino — 3s dares De mode que, se eu verde excalher ent a ponas de Vi © or prizeres ds rots, em divide cicolho «8 Primes. jstamente porque gosto de desta e aio de pe- recet| Nio quero przeres que me pening da vids, e sim quces que a wornem mais ncensamente grt Agora vem a perguntamalioniia: qual & 3 maior atin. equ agua cois pode nos dst na vida? Qual 6 tecompenss mas aka que podem obter de wm esforgo, ma cae, uma paki, uma misc, um conhecimento, wna méguina, ou de ‘montantus de dine, do prestsio, da gra, do poses, do amor, da dca on de ses 160 que fr? J8 vou aviando que a respowa & do simples que tle o decepeione: 0 misino que demos sie dec ue for é ali. Todo 0 ie leva alegria se justia (pelo menos de um ponto de vis, embora nko sea rol} tudo o que nos aia iremedavehnente di lgia tum caminho equivocado. O que & a alega? Um “sin” expon tino a vida que bro dentro de és, 3s vezes quando menos ‘peramce. Un "sim" ae que somes, ou melhor 30 que ina ser Quem tm legis i reeches © petmio minim © nil ca rece de ads quem no tem alga — por mai iio, bonito, sao, rico, podero%, santo, et, que sea — Gum miservel que 106 carve da mais important, Pois bem, cua: opraeré magico ‘ deejvel quando sabemos cola 2 serio da alegra, mas ‘nfo quando a ture au 2 compromete. © limite negative do praernio €3 dor, nem mesmo 3 morte, mss a alegi:quaido comegamor a perdé-apor um deteminado delete, coun esters ‘stam desfiando © que nfo nos coavém. E que alegia — rose se vot val me entender, mas no consi me expen melhor — umn expertacia que envalve prover «dot, mote e ide; é a expeidnca que definiivamente aria o paz + do, mont ea vide. [A arte de coloaro prazer servo da alg, ou sna vide que mbe no deixar o got cro desgosto& chamada, desde tempos antigo, de tempera, ‘Tras-se de uma habla anda do homes ive, ‘as hoje io esti muito na moda: querem substitu la pels ab tind radical ou pla pig polcalesca, Ao tent war bem lguma cota que se pode usar mal (sj, de que pode abu sa, os que nascetam pars obi peferem rensncae complet rmentea ele se posvel, que el ses proibid de Fr, pars que assian saa vontade ao precise fice tanto exerccos. Els des confi de todo agilo de que gosam: on, por ainds,serei- tam gosar de to zquilo de que desconfiars. "No me deer ‘ear nom bingo, seo vou acaba jogando te! No me per= smitan expevimentar um Aad sea30 vou acabar me tomando tum eseavo dh dioga™...et. Els so como aquelas peut que compam uns miguina de fer masagem a batiga pars io preciarfizer flexes com sen proprio esorgo.F € claro que, suanto masse privam dit coitus 3 for, mais ouco se corm seu dese deft, mais se entregam acs com a consign esa, dominados pelo mis iste de todos es prazeres'o pret de se sentiem alps. Nio se ada: quando slgém gosta de 107 se sentir “culpado", quando alguém acha que wm pager & ais sutco quando de certo modo, “erimineso", 0 que ee pesindo aoe gritos & ate. O mando ett cheio de supostos "rebehles, que no fando 86 deja ser castigo por sere lise € que algun poder siperor deste mando ou de outro os tampa de Feaem sozinhos com sus tentagies, Por outro lado, a teperanea €amizade intelgente com ques fi desfraar. Seales lhe dser que os praeres sio “egoltis” porque sempre hi lguém soendo enquaato voce 02, rsponda que & bom ajuda 0 oneo, ra medida do pose Sivel, dena de sole, mas € mab sentir remonos por nio ‘star soendo smém ou por esa desutando como 0 outro oer de poder diver. Compreender osofimento de quer adeceetetar emed-lo supde apenas inceresse em que 0 ou tro posa gona também, eno Verguaha por voct estar gozando, S6 quem tem muita vontde de amargurar sa vida ea vida dos utr pode areditat que sempre gozamos cna alguém, Se ‘oct encontea algém qe consider “sujor”e “anima todos ‘ prazeres que nio compris ou que nio ova pemitiese, *how-the perminsio pars consder-o suo e bstante anal. Mas creio qu et questo ficou sfieniemence cas, no &2 Leitura complementar “0 que o owide desir mii, 3 pti de or sea cham obi do vid © que 0 aha dens € ‘erbleaea probit de er bel & cham obra da ei0.O que ons deg & chee pene prt de ‘heir perfone & chm abrupo do ola. A boc ger ‘ar do pt © do nu, ex probit de edo jot © 108 do inj & chamads obaracio do entertiments, © gue @ cop dsj dest so amet dln babs rouse 1 poi de goat io chan cbr dens do orpo.O que a niente qr Ease proiio dea Her Aad chara cbse ters Cg Chel It) “0 vii erie metor do que a vitae, Spore um iad ‘evo tomat orrr 2 veo Suporte us vita « log vce ‘dita ward inte (Tony Dave, Aborirs, Mall Les Eons de Mint, Fran, 1985) “A modeagio resupte o prizes sania, no. Pr ino [bb mss moderne” (Lchesberg, Afvieor, EDHASA, "pana, 2006) "Asia Uberdade que merece eae seme 3 de sce noo rp bm, por noao psi cin enquto no pi ‘motor otros doses ono os mpedimos dese exon por cone, Cais um & gio natural de va pp ‘ie, sg fea meni eprca.Ahumaniade ganha mss 3 consent a cada um que vr ae ppria maeite so que 2 obra vier mane doe toe” (ghn Start Mil, Se «Medd, Bator Bae) 109 U0 Eleig6es gerais Capitulo 9 Pow TODO LADO 2s pesoas he dio io, por tanto © dco semédio & embém fiirinos ‘um poaco sobre o stunto."A politica & un ‘wergonha, uma imoraidae! Os poticos no ‘ei tical” Quantosmihes de vers oct jf ‘via cos dese tipo? Com primeira not ‘a, ness questées de que etanor flac, © mls prudente & desconfar de quem achy que su “sana” obrigagio conse em sempre Tanga os e uovbes mors conta 3 pessoas em gra ej ela os poiticos a theres on Jens. os firmacZuticos ov pobre simples ser humano tomo como espécie, A is, como jf disemos mits munca € demas peti, ‘lo € uma arma de tw sem munigio det mada aver 0 pedi em states ¢ ito menos prdsamo em got camo se 0s dt sere manos fsetn feito me, come dows. A ca serve tieamente para tetarmos melhor 2 nés mesmos, m6 par "epreender eloquentenente nose vizio ea Gnica oie que 2 etca abe com cetera € que @-Wzno, oo, ev € os UtmS Somos todos eto artesnanente, wm 3m com amoros df tenga, Asia gem nos mug 20 ouvido:"Todos os. politicos, nego, apts, ttaanes, bombers, 0 que se gui) so mora no ea wn pingo de ca podemes esponderam- sebmente"Meta-se coun ast vida que & melhor su estp” ou cosa pare. Poisbem,e porque os politicos ton om ma? Afi, uma desuocraca todos née somos politicos, dietamente ou stravis da reprerentagio de outos. O mis provivel & que os politicos sjam muito purecidos conosco, com quem vota nes, fave até demas se fouem mato eferentes de 16s, muito pio res ou exagerdomenteatelhors que o rst, cevtaente no ‘oe escolheriamos para ns eepresentar no gover. S6 0 gover= faates que nio chegam ao poder por meio de eligi gers (como ov dite, oer eligiosos ou os rei bse su prestigo em stem considerads djvertes ds homens coms ‘Como sia dierenter dor outros (por sua fre, por sua ispira- ‘divin, pela ama 2 que pertencemt ou sja Ho qu fx) Consderam-se com dite de mandar sem ne sulmetere 3 ‘unas nem ouvirem a opis de coda umn de yes eoncidac ‘Afcmatio mato seramiente qu 0 "verdadero" povo est com, tes que 4 “tua” oF poin com tanta entsiasmo que nem & n= ‘csi conta seus puctros para sabe se io motos ov um poucomenos Por astro lo, ox que deer ober seus cargos Dor via eleitoraltentam apeeientir-e 30 pablico como homens outs muito “homsnos", com os mesmot gost, problemas fee pono icin da mora decujo refeendo eles precisa uz fra governar.E ro que oferecem iia para metorr ge {od sociedad e consideram-se capes de coloci-asem pel ‘ica comm competincia, mt 0 iden que qualquer um deve poder compreendere dscuit; do meso mode, tambon 0 ‘brigade seit a poibildade de sere subatiidos em wus ‘argos se no ae mostrar to competentes quanto aims fe Ho hoaradas quanto pareciam. Ente exes poicon deve Iver algune muito decentes © outros devant e aprowits ores, como acontece ent profesores, bombeies, Bite, Jogidotes de itebol ou peutoss de qualquer outro fc. Eno de onde ven va ora nfs? Para comerat, os poicos ocapam Iigaes especialmente li, pleads, na sciedade, Ses dete 0 mais i= Tico do que os dar outs pesons; alm dio, eles im mais oportunides do que x maori dos cdadios comuns pars sn- come em pequenos ou grandes abusos. © fto de sere cone- ids, invejados © até mesmo tmidos também sip conta pura que sj tata com equaninidide As sociedad ga- Tair, ou a, democritics, so muito poco condense ‘com quem foge 3 mia para cna ow para blxe: quem se des toca € ape, quem es por base & inpacaveineme poe 4b, Porous lado, os polices geaimente tendem a fer mais promesas do gue a: que sberam ou poderiam campo, Soa clientele © exge: quer no exagera a pombidader do far ante de seu eleieores di tine Enfield do que {x uet log fea soninho, Fazemos 0 jogo de acredia"que polos tém poderersbre-humanos © depois io thes eros mos decepeto inevitivel ue nos eas. Se dese o principio confissomeos menos noes, no terlamos de aprender 3 descon- far tnt dees depos. Aida sim, afl, sempre € melhor que sejam regular, tonto ea umn poco “matree, omo voce 113 ‘oven, na med em que sia pov crict-lo,contol-ox desit-lor acids ceto wempo. O ruim € quando sio "Chefes” Perf ss qua, por se suporem sempre doncs da verde, fo hi como desu, a 303 tos ‘Vamos deat em paz or senhores plitcos, que jé pro- ‘ocam bastante conf sem nos soda. O importante agora, para mm e pra ocd, € saber sea cae a politica estio mu to igs e como eb se slacionamn. Quant & sua Fimidade, amis patecem fondamentalmente ligaas: nos dois e205, 20 fe tia de vier bn? A ética€ 2 ane de cole 0 que mais ‘os canvéun e viver o melhor posive; objetivo a poiica ‘nganzar 0 melhor posve a convivéneis real, de modo que ‘ads sin poss ecoer que Ihe convér. Como ninguém vive ‘lado Gf he dive que ear nosos serelhanes humanamente 6 base da vid bos), qualquer umm que tenha a preocupacio de viver bem no pode omitese olinpiaamente da politi, Sera como pretender insalise confotvelnente numa casa ‘em querer tom conecmento das goteins, dos rats, dalla de agaecimenuo dos alicerescacomides que poderiolevara consrasiointsra ruirenquant estivermos doemingo No entanto, também Ii diferencas importnces entre a Giese politica, Para comers, a éiea se oeups do que add ua ‘Woed, eu on qualquer out) fz com ss libenade, enquanto politica tents cooadenar da manta mis poveitons powsvl pata © conjunto 0 que mutes fem com suas Hberdades. Naétic, © ‘importante € que bem, pois tats-se apenas daquilo que ead 1m fi porgue qe (io do que acontece com a peson quia ‘ch ono, nem do que els 2 3 fora). Para 2 politica, por ou too ldo, o gue importa so or reales das 258s, sj gual for ‘© moto dels, ¢0 politico tentarépressonar com a meios 2 seu aeance — incusve a forga — para obtercertosreltados 14 «eta onto, Vatnos tomar um cio trv: © espeit a9 s- tl de trinsto. Da ponte de visa moral, © postive & querer mos respeitaro yermelio (compreendendo sua wide ger colocando-se no lugar dis outs pesoas que poderdo se pre car se infinginmos as norms, ee}; ms, conniderando-e © _siuato pobicament,o importante & ue ningém dembeeya 29 sdf, em gue sea apenas por medo de levae mula a ‘er peso. Par 2 politic, todos os que respi osemsino So igaimente "bors", que ofan por medo, por sot, por supestigo ou por convigio racial de que ee deve set re- psitado; pars «dia, por outro lado 6 merecem sprego ver ero ete lsimes, pois so eles que melhor ener o uso di [benade. Em nama, hi dfrenes ence» pergnta cic que go 4 mim mesmo (como quero ser independentemente do que ‘outros fig? ¢»preocupacdo politica com que a maiora fin sine da maneia considerada mais recomendivel «harm, 1 um dee importante Ges no pode spe a po sea. Nio fags eas de quem Ie diner que mando € polices ‘mente inivel, que et por do que munca, que ninguém pode pretender ter umn vida boa (eicamtnte fio) aut sisigio too inj, violent e aberante como anos, Exatanente 0 foi afirmado em tod a épocas © com rk, pot 38 scieda- ses humans nupea form nada "do oxtro mind”, como ‘eostuma dar, sempee form cota dese mundo 6, portant, chet de defo, de aburcs, de crimes. Mas em tas spaces hove pesouscapazes de iver ber, ov pelo menos empenba- 4s em viver bem. Quando podiam, colboravam par melsorse 2 sociedade em que thes coukers se deeowolvers quando iso ca imposvel, pelo menos nfo + piorram, o que na maior is eeu jf alo & pouco. Lat —e han também hoje, so tenha dwda — para que rel es humans potions us ‘etabelecidas se trmasem de to is hamanas (sj, nos volentase mae jos; mat munea esperar que tido 3s ‘volt foe prt e man pars pirate 3 persia e 3 ver dels humuanidade, Exes indiviosquerem ser of princiros de vida boa os qe aaa os utrs, € mo os kimos ars de todo, Talvee a elscunsncis no thes perma mas do que sma vid labore ba, po do que desea... Pos be, € <4? Sera is cmstos foe toaknente ms, pas agri ar a0 pior do mundo e desagadar asi mesmes? Se voeé tem ‘ete de que ent os alimentos que Ie so ofereci bh mui= {os que extioaduerdos ou pods, vet entati na medida do potsrel comer come mds meine sabendo que nem por ito Geico de exnir venenor no mercado, ot se deiarh eave ‘pena 0 quit antes para seguir a msors? Nenhuma orden polit € tio ruim a porto de acl nia haver niaguim que ssa ser pelo menos meio bom: por mas sdveras que sj a. iecunstincs,eabe 3 cada um a esponsbilidade final por ses tos, € 6 reo é oasis. Do mesmo mado, amb é vouade Ge cxconder a cabegs debaixo dass sonhar com wna onder polisea to mpecivel comamain chamis pa) em gue too ‘© munud foe “automiticsmente” hom porgie a icansin= clas nfo permiciam que se cometess o mal. Por mais que & ‘al andl, ere havens bet para quem quer bens por ‘mais que tenhamos comseguido instal publicamente o bem, 0 tal sempre eta ao leance de quem que al. Voed deve lemibrar de que é 80 ge viens chamarid de "iberdade 18 alum tempo. Deum ponte de via ético, use apa da perpectiva que convém par Vida bo, como ser a nganizac pon Defiiel, aguela que nor devenios efor pts couse ede fender? So voc rerum poco que Giemen ad aqui (receia 116 sq 0 dicuo eseasendo longo demas para que voed consigt lembra-s de tno), cents specs dese idea surgi quand voce reer com atengo sobre o asso: 2) Come todo w proto ico pane de Henle, som 3 al nfo hi vada boa ques ld, o stems politico cada instante, pos esivamos flan Ente amigas, conto que agile que at de mais aproveitive fas pins anteriores ve deer «mim s6 cae a pateridade «hs bobagens (deep, nlo se consider tingid). De modo que no bt rao para len ete Hino 2 séio dena entre utr cons porque a “seredade” no cosuma ser sinalinequivoce de sbedors, como julga os chatos: 2 intel fencisdever saber. Por out ldo, seria bom Yoo? nio des- prez seu temo: ele tata do que woot pode fazer com so vida, {36 So no he interest, nfo ct © que mais The poder inte- restr, Como viver da melhor anes pensive? Esa pergunta 6 pr im, muito maisssbvtanciosa do que ours parentemente ‘aioe: “A va tem sentido? Valea pena vive? 1 vida depois ‘da morte?”, Ou, vida tem sentido e sentido tiie; eh segue fem fete, note retora, a8 gad nlo se repetem e gals tment nio podem se cocrigi, Por iso & preciso ett sobre f que queremos¢aentae pars @ qe Fanos. Depois..manter sempre ofinimo dante ds as, porque a sone bem conta func deixa agi acertar em todas as oeases. © sentido ‘4 vid? Princo, procora no far: depois, procurflbar sem delecer, Quatko a ber se vale a pena vivet, remeto-o fo que dit a exe repeito Samuel Bader, um escitor ings, 126 Seequentemente brinch: “Bsa & uma pegunts pas um ea brio, fo param homens", Qualguct que wi critio que oct etc para ols s a vids vale a pen, ele ever ser ex teado da propria vida em que voc® est mergulhado. Mesmo 10 reir a Vda, woot 0 fri em nonve de valowes vita, de ides ou lass que aprendeu durante © ofcio de iver. Porant, © que vale &4 vidi. inclusive para ques chega i conchsio de que mio vale a pom viver. Mait rgoivel sera nos peru ‘aemot se “a morte tem sentido", sea mite “vale a pena", porque dela no sabemos nada, una vez que todo 0 nase saber {tudo © que vale paca més provém da vid Acredio que toda Gti digna dese nome pute ds vida exe poopie a refs 2 tornd-a mai ca Eu me azeveria + mis lng agora gue ing aos ets ouvindo: acho que & bom aquele se sente si ana tive pele mone. Arcaiot Ba de antpsti, no 'medo"; no medo sempre hi um inicio de respite bastante submis, Nio creo que @ more mere tant. Mas Bf vida depois de morte? Descono de tudo o que se deve ber gagas monte, accitando-,wilzando a, afigando-the a mon sci (Glia nee mundo ou vids eterna em algn uma. O que me sneered no & we h vida dap a mote, ma que ha vida ‘ns E que es vida wa bos, no simples sobrevivdncia ow miedo consante de monte. Fico, portant, coma pergunt sobre como viver melhor, ‘Ao longo de todos os captuloyantsiores ene nlo tanto ree ponder cla, mas anes judo 3 compeesndé- mais fund, ‘Quint & resposa,reeio que voc! sea obrigdo a procuri-h, pesoulmente sto por us rases 4) Pela pipes incompetncis de as proto inprov- sa, oan, eH, Como poso ens algném a vier 127 bem se eu 56 cong vverregolammente 6 € muito? Sinto-me como um careeaanuncando uma pogo in- sipeivel que fi nner cabs 1) Porque vive ado € wa cnc exata como a mate ‘ica mas € uaa, comma amisicn, Pode prender alguns regard asia e ouvr as criagSes de grandes, ‘compositor, mis sso de naa nos sev se nfo ver= ot ouvido, nem stmo, sem vor. Com arte de viver acontece 4 mewn cola 0 que se pode easinar& bem recebido por quer tem conde, mas para “sudo de nesceng so eases que @ aborecemt ov 0 deixam mais confino do que esti. Cho que, nese cmpo, rion ds urdos 0s slaaianente 11 bos vida no & algo ger, brenda em ssi, eh a oh maid, Ca deve invent gradalznen- te, de acral com as indvideaade, Sina, erepet- ‘ele fg. Na questi de viver bem, a sbedria ot « exerplo dor ontros podem aos ajuda, mas nfo nos subs, ‘Avis no 6 couna os remos, que vém todos com sus Iola, expicando as contmindicagSes do produto e deta ‘doa dose em que deve ser consumo. A vida nos & dada sem. recetae sem buh A ea aio pode supe totalmente esa de- ficial, pois & apenas» ernicadosesfowos fits pels eres hhumanos pare rmedil, Um esrtor fancts, moro bd mio nuit tempo, Georges Perec, ecrevew um vo como seguinte eso: A oda, mado de ar Tras de uma brneadeiea Iie= tira delciosse iteliente,nio de um sistema de étca, Por jo renancies a Ihe dir una sie de iasies sobre quests, 128 | | conerstas abort, preservatives, objesio de consign, pata titi Maito menoe sve a ona (0 repuigantemente pica ‘de quem se considera “morale? defer uma pregaeo-c tom hscimoso ou indgnado sobre 05 "males de nososéulo: ah ‘© consuiisno, ih, a fila de solidvedie!, ob, a avider plo finheito}, ah, 2 viola, ab, ih, oy ub, # crs de vale, “Teno minhas opines sobre esses tems esate out mat no so “a éticas sow apenas pai. Ata de min 2 ica «ois que 2 ia pode Ie dizer € que vo busque € pense por i meso, em Hiberdade, sm ands: responsavelment. Tentel ‘ersinarthe formes de ast, mis em et nema ningun tems fo dito de caegi-lo mas costs. Termin, no entano, com tim Gime comelho. Una ver que se tata de ele, procure tuna opsf0 que The permit depoit 9 maior aimero posivel de outs ope, no fia uma eel que 0 deine encumaado de ‘ara cont a puede, Fscolha 0 que o abr para os outs, pars ‘ovat expesdncias, par diver skye, Evite 0 que o feche © ‘entre, Quanto 20 i, bos sot E também aque que uma ‘vor patecids com + mins gitou no seu soaho quando woe et rea peo trveinbor configs! 129 Despedida "Adeus, amigo Ieitortente no ocupar a vida em adit ewer edo.” a i | i i i Dez anos depois: diante do novo milénio ll a Quse ez anos se param dee que este -5 pligims que wc acaba dele po voct a5 Jeno & mesmo? Muito obsigads). Meu fhe ‘Amador fe 25 anos — parece ments, com que decarameno os Shor nos exvelhecrn com o preeto de erscrem! —,¢ js mio me atreso athe fier reomendagSes tomas nem quae de nenhurs oxto tps: Provoremente ‘gor le abe como eu das cis que impor fam,e abe mas do que eu de mite da cos ‘que importa bye. Tales lgum di ea ele ‘quem escreva um vo ara mim coun cere ‘2,seri melhor de que eta obras modest {gue compas hi nto tempo cao eI dit ise uma longa carta, igo “coo se” pom, Aina, xs pigins no Foam pena exc- sivamente para ele nem meno especialmente 133 pata ce Gi me suportou bastante ex peso: eu a sre pats ox, lktr on letor, past woo que agora tem um pouco mais ‘ke quize anos ou wm pouco menos de deta para vor que io conhegoembors, por sxe ness dex anos tn conbecido ‘anos outs came voc. Para voc® que tem divi © desjos, ‘que quer dvstc na amb ser juso, que ote vergonha de pensar e quer saber gsi io os caminos da aventura uaa. Paya voc aentoera ou aver porque ser raciona soli riamente humano € dia aventura que vale a pena De modo gue, agora que ji pasou tempo saficiente — tempo emai il — ¢ Arsador fo jogar em intenneditios hem proesoresa carta des vida, enfim pos ila iretamen- tee somente com voot, Se que woe val querer me ouvir um jpouco mais, um pouco depos? Soponbo que, como todo man th, voc exja ond lar muito do novo milaio, O novo ilo, imagine, com todas as Sus ameagasetambém com sas ‘operant! Ftalver voc? até wena chegado nagar se haves ‘go como ta “ética do novo ailénio”. A cis interes, logic. porgue afta vocé wai pasar a maior parte de sn vida nese tal miénio Glgus de né, em compensio, 56 vamos far nel um pongino, como qe de vista: somes uremeia~ ‘velmente sobreviventes do culo XX), De modo que a queso 0 que disemor no séclo pasado vale para o novo séulo que ‘tamos ested? As cos hoje —esobrerdo amanhi— 130 So diferentes demas, snédias demas? Sert que no devertamos ‘comecara pensar de outro modo, uma vez que tudo indica que ‘vamos viver de outro modo? Para reaponder ua med do pos vel cits peng aetesent estas ins fina, Para comers deve dizer que no acho que esa bisa de muda de sécuo os de mini deva nos preoeupar m to, Nem os sculos nein os miéios constitue uma medida 134 sdequads para avid real das pesoascomins, como vac € (que dicen chegarermos 3 dure cm anos ¢ € car, io sobreviveremos mil anos dejeitoneninum. AS coiss que mis coma paras, com seus prazeree doves, costuman acspae rlguns eas, bors 5 vees poucos miautos! 0 tempo Kage da ‘palbada o do sup, Alm do ins, que iyportam 0 i= metas que apatecem no clendiio, que sn noves, 2708 ot uns) A data io inlet aad no que scontece; 20 contro, 0 ‘que acontece& que fr se detest 3 cata que empregaios pars situa historcamente@ evento extroninirio, O notivl dana 1616 € que nele morreram Cervantes © Shakeasear, st no ‘fio de serum aiaero especial. nxn oe dais grandes genios _morseram qusse ao mesmo tempo por eaun dese nme! ‘final de coms, a ctonologin € como 2 numerago dis gins de wm lio determina 9 qe x conta emt cad ana debs (6 protagonisa pode beara mocina tanto a pga 40 como na 103), mas serv para esabelecer 0 tne dos epiog, coisa que cem pouco a ver com o angumento ds arragio, De modo que o ato de os calendisospastem do am sguido de smuizs noves pura 0 dos segudo de zeros ot de doi eos © un ‘lo vai fer aconteer nada de bom nem de rum. Quem leva seco 2 sri so os vendors de sues © de cai sets esampdas.. ou 0s que mexem com computa e emer qe 0 chamdo “hug dominio” enlouguesaexss maquina ds quaisdependem tanas operagies cosdins Mas sou vendo voot fanz tesa, com cara de quer ‘ai me colocar uma objsos po aso no €evidente que a vida hhumarz mada de um ano par © ouxo, que hi meio seule tinhamos eleiso, nem video, nem Internet, em casio de x= io, nem sds nem vigens epi, net, .2 Se que todas 58 ‘eaifornage, mesmo que no tenkam mada 3 ver om a fh 135 o caleniro, no coat, mnt, 2 ora de pena em como podem vver melo? Chiro, voré tem rio. mas no tla 3 Feo. Ants de coment em gue seaido acho importantes prt hs esas nudangas indabiives, vos bear por unt momen to agailo que nio mada, Deixe-me contr uma breve hist, literate cnt chins que eve oo? sé tena owvid. um emo ati Chins, a joer pipe ge efor tu impenorcom mare de cpl Ele ik wa noe ambi, io te qc qnto devia er et os govemante: ques peat jase face seu po fi. are so, sven infor oe ezaitvamente sobre «hits dopa, seve sv eer, ses Alves costes eke, ass natu, sobre es ies et tes cn de pli sda, os evans tel, fim le que sche aboltament ad sore coma thom vido antes ome via aos sits, «fon de conser govios anh do melior ode pase. Pars so, nines sbi mals tacos d ein satin the nm iforme ecdapio complet Simo, que ease todo a ua divides, x especial psa “se tabalarimediaament, cm ode deco. Passe 98 nee, psn ue a, deol our, eras ez anos depois, «comin de sibias epresetows 3 inpe= rade, tesprtano com grande dfeldade tite volumes enor, (sion miles de pines cada wn, com owes de ms pes visas, Maso impeator,meso nas mil ocpares de sas egos Tics de over, ou impacnt dane de wns obra toprol xa "Ni en tempo ar er taniescalthamsos rei de alums ois mas vein E desta, pos wees nar uentemente 18 formes pendent! Os cea se vetiaram om reveals respetns¢pusram mis 3 obra, Bae discuss eemendas, lens fam mais de ance, fn ds guaswoiaram,tazend wo moe (ince menos volumes, Na pce 0 mpeador tara sur ma 136 ‘ebelio mas provincia do Nowe Ita ma fina dks contea 4am viinho host, enquante ce empeakaea om aplcar os efeos lesastosos degrades ides no sal. "Onde acts quer gue ev aranje tempo per extadar tts lio? Depresa, pepe sm reso fii de mannan e nto me socameqer om dete, supa!” Murnacendo quexas cota agua eigen, sen its valtara ase retire on enanne ef, casei vent too 0 en saber em um dina lune, sonamenal e dese. rin & que esa fan leven msde as, , quando cage trunfantes ao pac, extra ang ove pie ese leo de morte. A egonis no € wm bo memento pave se inom, te mode que nae aharam convenient desir dsetanente en lope na mesa de cba do wenbundo, No evant,» ce da ‘omiso de sibios no se confines em gue a tae encomonded ease de ser cupid: presimouee da cabo do imped sure en oui es mencagem dfs "Os ses ham os nase, aay, lta © mre” Por caso no sempre asin, em todos ox pes cults, em todas as epoca? E precio, na verde saber sito mas para ‘enflenar com conhecimeaco de eats o projta permanente te aero da vida bow? ‘A mor dessa historia € que mio convém esperar 2 cada trmestre, nem a cada séulo (en ousaria dee que nem mesmo 1 cada mini) novidades essencinis ge modifiquem ay bases «ha reflesio ca, No entanto, sma coi sh ot principe 0 «ea sua aplicario coneret em cada momenin hiro, Nese {mio si, convém evar em conta a nadanas que ocorent —e mito aelradamente, por cert! —em nessa Epos. Sem it mais looge: no mo capitulo dete Ivo et Ie dis qe 4 feamos neste mand 5 blhdes de sees bumanos. Poi bem. ‘como tlvez voc sa, hi poucs semana owexietrio-gerl da 137 CONU proclanou soleneinente © aastimento do nos seme ‘mais fil do que amar a Humanidide em abso, sobretido Thamtenimero.. 6 ils! De modo que uo que eu dia em ‘quando alguém quer dar una de sable pra fet bem: ai, “Pleges pea” se tornou mais grave e mais went, ingwém muna tropecs na dona Humuniade nem tem de the ert ots © ih de rope or utr ‘go coco, sang So gt en vim de longs, am ont gu én ote ce a ont: om mt noose: Retro iane es ‘puree ane bso or ect nde, ‘les reper abr mesons ues em A ‘ia comers compl gan tenn Ue scar djs 6 ‘sea oto eng, mine Mi ny ree, ss samosas re spor anor dv bm oe ra me a iver em rn © como vr ee eons von ‘nom a rote gu elt ose ue one tueconem onnem maton gu sen chr pron Shen Ms de epee chgrdgutm act pres oo ‘ol uc te eo incor ive gs ‘ou mod Eo atl ri qe Seno ‘= asso de, eee pg ac oe es "Emre, ane oes (ser husnano esse eon rs registos, iter relacionidos 1uasaoe oto: como peso inv, como sociedad «como. tspévi, Durante culos, contou muita sociedad (o grupo. 2 tro, + comomidade, 2 So) « pouco a pessoa individual: an (dab alguns colevstas que querem que voemos 3 es etapa reais, Desde hi poncon séculs,o individos fi se corando Cdn vermis importante, 0 qve obsigou 3 wansormagio do tipo de sociedad em que viveiog, zendo- mais democrtica ‘eer pat todo, porgue sagem mais quer set mers engre- tage de uma mina soi, por mas ber lubrifcada que eb tg. Mas caacertica de nos séclo — ¢, se eu no ever ganado, mains do proximo —€atomada deconscizncia | Seq porencemos ata meena especie ede que a humani-— ‘dae em ae conjunto deve tentirslvaz-e toda junta... t= thm momercmos todos, ust msi cedo,outos ais tarde. Falar de “espcie hamata” ~~ 8 melhor, de “humanidhde” — 30 € lidae com um couceito meraneate biolgico (como gvando lasificamos outs epéciesainais ou vegeta), mas india at ‘jet commun, ua forma decomprendero human 2 pari ‘Come alin de semos cad vet sts numesorostmbn tema fateidade ba, Egbivale «algo que poeriamos = {cad ve mais il vnjarecomunicarse, a presen de “et Sumi unset humano € 0 poder entender asi mn se hor” em nosorebanho oe ribo wo parade aumenta. Se voce Tevarem conta seu semetantes, Um autor latino ds: “Sou ‘ora nu cide grande, deve ter notido iso mito ber. Se ‘humano e nad do que ébunano me éalbeo"; on sj, dante ‘octets noma escola como deve er — daquls que ig x do mahor e do pot dos sere humana, aber dierent pee- ‘gem nem seprepam ninguém pry mane on inuman "pure tages ou avalagdes, mas no nico, poisahumanidade 2 greginn—, ulvere sent 3 ado deaguém que no ¢ us ‘lo osteo sempre ampomctea mia simples “espe” eu, ms que tem a parca dierente © wins provivel € que, de inicio, iu erie alguma difeuldade 7 rot viver asin ao € nada cOmodo, 0 [Nie nos enganemé ae mame ‘como decerto tmbéa era par. outro! Para comeya, vets fi ‘ret se quieroe am ds palara bonis, Nio hi nada 138 139 ea ua coi ean coma enter e saber que io “iferentes” {ha peson que eta seu ado, No entant, se voe# contr seus sinsintor geri, no our os grunhidos do eos-ruim que ‘tesco em ito, logo ii descobre que compar tthe com exe forseco mito mas cos do que aquebs que apareteniente 0 dstingvem. Ver gue, no esenc, voc pect ela ow cle também msseu, também ama, lta € sabe {que vai mote, al como voc, Tal como voc8, preci de pala- ‘vase compreensio, de apoio ereconhecimento. Agora estou me lembrando de uma cera de um fine dos ‘Sings: Homie wi war usa epécie de manicémio eThe mos- tran um ajo cause, fare pelud, os médicos Ihe di gem queues ning ouvinaguele moasco der uma paves Iumava, Homer enti o cumpements: “OH”. Ba fra ambénn {pune “oi”. Todos oF médicos se aprox admis para rsmidaro pogo, enguanto osupeto mento rela: "Eta ra hoa de alguém me eumprimentae”. Na maioia ds vezes, © ‘uta €incompreensivel porque sing tem paiéncia par se ‘hr a0 uaalho de tentr we fzercompreender devidamente Na lingua easel, «pales bade signifies dois pa- is aparentemente conteapostox ode quem se loa a esa de fontra pesos, 9 “héepede", eo desa outa pessoa que o hospe= ‘hm su can, © “horpedezo”. Mas talvez esse duplo uso um puco desconcertante encere una verdade muito profunda sobre 4 condigio humans, Porque todos nis somes 20 mes ‘a teinpo 0 forsteira recebido em ea alleia« o anfirido {que oa e deve se preocupar com seu bem-estar. Desde que rtcemor — e no se exquera de que “nascer & chegar a um. pais esrangeia”, como ise um antigo grego — depend mos ‘hs hosptaldade que outros querea nos dar, sem a. qual nio poderiamos viver. No entanto logo somos nis, cambém, que 140 devemosatender a outros que chegarim depo, tentano fiver ‘que ees se stam © mais emodespossivel [Nio pergunte que dito. oti tm 3 sa hompitaldade; lembre-e apens de que wocé também precou dela © reve bet se no a reebeu,lemibre-s de que tania de wr reed tite 0 outo como desjaria wr sido tad, no cama o fo de ito. Afi de cont, todos és, amano, somos imigeantes neste planets; entio quem ches de outro ps no wem de mais Jonge nem € mais “esranho" do que que surgi pela rina ver do nada do venze de sine, Que pode se parce ms com woe, quem tea is dro de se chamar eu setmelhante a seu ido do que aque ou agele que chez ndo se sabe de one, quanto ris longe mele? Tale td te, da qual tanto estamos flando, pos se eer em repeitar a leis 130 ‘cert da fit em todas Space bes, comport #ehrpieramence cows quem o tetewita —e por iso 56a seca a nés — & se eelmente humane. Como vemos 0 46 ‘ube de onde temo de dar uma piscadel cmplice 3 qualquer am ‘ge cegue nose be de onde. J que ames giant a perp ica ding caselana no duplo wo que plas hated, ‘vamos agora render tibuo Hogua ingest, mn que se esponde lindamente pala “obsigado” como lena univer dos bes, nines yon are woe, to 6, saben vind” Mas a obrigaes da hospital estenden-se ainda mas. O bom hued — nos dois sentidos da palvra —procara no apenas ser fterno com seus semebantes como também ‘espeiarecuiar ao mismo da cata emt que sped os onto, asa “casa de todos € jusamente pinta Tee, o qual habic ‘amos embor voeé mesmo on set fils, quem sabe, teary oporeanidide de alguss din acupar outs “anny” na enorme ‘inhanga do sistem ole, Por enguanto, no temos outa lit, i tod 0 univers, qu nose este modesto corp celeste de teria categoria em que i nos acesumamos a vives Seo po~ Tninnorfatalmente ou dstritmos fens recusos. ond itemos srrunar, 0 médioprazo, eu sbstitto para le? Hi alguns seul, quando os Seres umanos era mito ‘menos numerosos ¢ necestavam de menos fones de energia ral dias habitra Tetra como se suas nas, sas vores stan mina Foxe inesgotives. Hoje ese despedicio € um Tazo gue nio podemos nos permit, porque noss economia tlobal produ agors mt ts Semaras mais do que noso# avs produsiam emt um ano. Ese dispéndio de elementos ma ‘is nsubstves conte um defo a nossa pdéncia mora, rmeizo pela injstiga do fio de os pases mais desenvolvidos tare ¢polirem cea vetes mai que todos 0s onto, de= Poi, quando pensamor en noses prxmnos descendents. para fom os qua tos antecipadamente certs origi como Iupees tus! De modo que a hospitlidade bem ented wou se, etcamenteentendida — comecs com now preo~ ‘eupagio com a boa sanutengo desta “nave” interplnetna mt ‘gual todos juntos vxjumos pelo cosmo... embora descrevendo ‘irl Fo que mis? Bem, agors 6 me rosa despediome. E recomendara wet gue ro espere migressalvadores etn dos ‘noves cals nem dos novos iléios, pois nenhum clendio tia realmente nada de nove 3 vida dos homens. Confie ape has em voce em seus semclants,nagulo que podemos (eo~ ‘és podem! fizer todos juntos —bastando queer de verde Inicigenemente, Quanto 20 mais, como dizem mess asigos riercanoe 30 se dspedr, que tay bait 142