Você está na página 1de 2

Arbítrio e Ira

Élder Lynn Grant Robbins


Dos Setenta

Uma característica astuciosa da estratégia de Satanás é convencer-nos de que ira e arbítrio não
têm nada a ver um com o outro, fazendo-nos acreditar que somos vítimas de uma emoção
incontrolável.

"Uma família tenho sim. Eles são tão bons pra mim." Esse é o desejo de toda criança, expresso na letra
de um de nossos hinos. (Hinos, número 191)
Aprendemos, na proclamação sobre a família, que "a família é essencial ao plano do Criador" e que "o
marido e a mulher têm a solene responsabilidade de amar-se mutuamente e de cuidar um do outro", e "o
sagrado dever de criar os filhos com amor e retidão". (A Família, Proclamação ao Mundo, 23 de
setembro de 1995)
A família é também o alvo primordial de Satanás. Ele está em guerra contra a família. Uma de suas
estratégias é a maneira sutil e astuta de, sem ser notado, penetrar em território inimigo, ou seja, em nosso
lar e nossa vida.
Ele prejudica e, muitas vezes, destrói famílias dentro das próprias paredes do lar. Seu plano é levar os
membros da família à ira. Satanás é o "pai da discórdia", que "leva a cólera ao coração dos homens, para
contenderem uns com os outros". (3 Néfi 11:29) O verbo "levar" parece fazer parte da receita de um
desastre: Ponha os gênios em fogo brando, acrescente algumas palavras ideais para levar à fervura,
continue mexendo até engrossar; esfrie; deixe os sentimentos se amenizarem por vários dias; sirva frio,
acompanhado de vários problemas decorrentes do caso não resolvido.
Uma característica astuciosa da estratégia de Satanás é convencer-nos de que ira e arbítrio não têm nada
a ver um com o outro, fazendo-nos acreditar que somos vítimas de uma emoção incontrolável. Ouvimos:
"Perdi a cabeça". Perder a cabeça é uma expressão interessante que se tornou muito usada. "Perder
alguma coisa" implica em "não ter a intenção", "por acaso", "involuntário", "não ser responsável por
algo", talvez algo um pouco descuidado, mas "sem responsabilidade".
"Ele me tirou do sério." Essa é outra frase que ouvimos, que também implica em falta de controle ou
arbítrio. É um mito que precisa ser desmascarado. Ninguém nos tira do sério. As pessoas não nos irritam.
Não há quaisquer forças atuando. Ficar zangado é uma escolha consciente, uma decisão; portanto,
podemos escolher não nos zangar.
Nós escolhemos!
Para aqueles que dizem: "Mas eu não consigo evitar", o autor William Wilbanks responde: "Tolice".
"Agredir, ( . . . ) refrear a ira, conversar, gritar e berrar são todas estratégias para se lidar com a ira.
Escolhemos as que se mostraram eficazes para nós no passado. Já repararam como é raro perdermos o
controle quando somos frustrados por nosso chefe, mas como é fácil perdermos o mesmo controle
quando um amigo ou membro da família nos aborrece?"
("The New Obscenity, Reader's Digest, dez. de 1988, p. 24)
No segundo ano do secundário, Wilbanks treinou arduamente para entrar na equipe de basquetebol da
escola e conseguiu. No primeiro dia, seu treinador escolheu-o para jogar contra um outro rapaz, enquanto
o resto da equipe observava. Ao errar um arremesso fácil, ele ficou zangado, bateu os pés no chão e
resmungou. O treinador caminhou em sua direção e disse-lhe: "Outra tolice como essa e está fora da
equipe". Durante os três anos seguintes, ele jamais perdeu o controle novamente. Anos mais tarde, ao
refletir sobre esse incidente, percebeu que aprendera um princípio com seu treinador que mudou sua
vida: a ira pode ser controlada.
Na Tradução de Joseph Smith de Efésios 4:26, Paulo faz a seguinte pergunta: "Podeis irar-vos e não
pecar?" O Senhor é claro com respeito a esse assunto: "aquele que tem o espírito de discórdia não é meu,
mas é do diabo, que é o pai da discórdia e leva a cólera ao coração dos homens, para contenderem uns
com os outros. Eis que esta não é minha doutrina, levar a cólera ao coração dos homens, uns contra os
outros; esta, porém, é minha doutrina: que estas coisas devem cessar". (3 Néfi 11:2930)
Essa doutrina ou mandamento do Senhor pressupõe arbítrio e é um apelo para que a consciência tome
uma decisão. O Senhor espera que nós tomemos a decisão de não nos irarmos.
A ira tampouco pode ser justificada. Em Mateus 5, versículo 22, o Senhor diz: "Eu, porém, vos digo que
qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo". (grifo do autor) É
interessante que a expressão "sem motivo" não esteja na Tradução inspirada de Joseph Smith (ver
Mateus 5:24), nem na versão de 3 Néfi 12:22. Ao eliminar a expressão "sem motivo", o Senhor deixa-
nos sem desculpa. "Esta, porém, é minha doutrina: que estas coisas devem cessar". (3 Néfi 11:30)
Podemos acabar com a ira, pois Ele ensinou-nos e ordenou que fizéssemos isso.
A ira é uma sujeição à influência de Satanás à medida que renegamos nosso autocontrole. É o pecado em
pensamento que leva a sentimentos ou comportamentos hostis. É a causa das brigas entre motoristas
numa avenida, discussões e brigas em competições esportivas e violência dentro de um lar.
Quando não é dominada, a ira pode rapidamente detonar uma explosão de palavras cruéis e outras
formas de danos emocionais que podem ferir um coração terno. "O que sai da boca", disse o Salvador,
"isso é o que contamina o homem." (Mateus 15:11) David O. McKay disse:
"Que o marido e a esposa jamais gritem um com o outro, 'a menos que a casa esteja em chamas'." (David
O. McKay, Stepping Stones to an Abundant Life, 1971, p. 294.)
Os maus-tratos físicos são demonstrações de ira fora de controle, nunca justificável e sempre injusta.
A ira é uma tentativa selvagem de fazer com que outra pessoa se sinta culpada, ou é uma maneira cruel
de repreendê-la. Muitas vezes confundida com disciplina, é quase sempre contraproducente. Por isso
temos a advertência nas escrituras: "Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas",
e "vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo". (Colossenses 3:19, 21)
A escolha e a responsabilidade são princípios inseparáveis. Por tratar-se de uma escolha, a ira é alvo de
vigorosa advertência na proclamação: "as pessoas ( . . . ) que maltratam o cônjuge ou os filhos ( . . . )
deverão um dia responder perante Deus". (Proclamação, 1995)
O primeiro passo para eliminarmos a ira é entendermos sua ligação com o arbítrio. Podemos escolher
não ficarmos irados. E podemos fazer essa escolha hoje, agora mesmo. Nunca mais ficarei irado.
Pondere essa decisão.
A seção 121 de Doutrina e Convênios é uma das melhores fontes para o aprendizado de princípios de
liderança corretos. Talvez a melhor aplicação dessa seção esteja relacionada a cônjuges e pais. Devemos
guiar nossa família com "persuasão, com longanimidade, com brandura e mansidão e com amor não
fingido". (Ver D&C 121:4142.)
Que toda criança realize seu sonho de ter aqui na Terra uma família que é boa para ela. Essa é minha
oração e testemunho, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Interesses relacionados