Você está na página 1de 6

Teste de 27 de Janeiro de 2010 de Matemática

Proposta de Resolução

Versão 1
I Grupo – Escolha Múltipla

Este grupo é composto por questões de escolha múltipla. Para cada uma delas escolhe apenas a opção que achares ser a
correcta. Se colocares mais que uma opção a questão será anulada.

1. Se a=2 e b=5 o valor da expressão 15a − b 2 é:

(A) 5 (B) 127 (C) 20 (D) 0

Se a=2 e b=5:
15a − b 2 = 15 × 2 − 5 2 = 30 − 25 = 5

2. Um valor aproximado por defeito, às décimas, de 55 é:

(A) 7,5 (B) 7,4 (C) 7,41 (D) 7,42


55 ≈ 7,41698487 Como o valor é aproximado às décimas, apenas terá uma casa decimal. Como é
por defeito, o algarismo das décimas permanece igual.

3. De um número com 4 algarismos conhecem-se apenas o das dezenas e o das centenas:


__ 45__
Considera as afirmações:

I – Se o algarismos dos milhares for 1 e o das unidades for 9, o número é divisível por 3.
II – Se o algarismos dos milhares for 1 e o das unidades for 5, o número é divisível por 5 e por 3.
III – Se o algarismos dos milhares for 8 e o das unidades for 0, o número é divisível por 2, 3 e 5.

Escolhe a opção correcta:

(A) As afirmações são todas verdadeiras (B) Apenas a afirmação II é verdadeira

(C) Apenas a afirmação I é falsa (D) As afirmações são todas falsas

Afirmação I: temos o número 1459. A soma dos seus algarismos é 19, que não é múltiplo de 3. Logo,
1459 não é divisível por 3. Portanto a afirmação é falsa.
Afirmação II: temos o número 1455. Como termina em 5, é divisível por 5. A soma dos seus
algarismos é 15, que é múltiplo de 3. Logo, 1455 é divisível por 3. Portanto a afirmação é verdadeira.
Afirmação III: temos o número 8450. Como termina em 0 é par, logo, divisível por 2, e também por 5.
A soma dos seus algarismos é 17, que não é múltiplo de 3, logo, não é divisível por 3. Portanto, a
afirmação é falsa.

4. Aplicando as regras operatórias das potências, a expressão ( )


8 4 × 86 ÷ 2 5
2
pode ser escrita como:

(A) 48 (B) 410 (C) 412 (D) 46

( )
84 × 86 ÷ 25
2
= 810 ÷ 210 = 410
5. A razão entre o número de rapazes e o número de raparigas de uma turma é de 2:3. Sabendo que a turma tem 30
alunos, escolhe a opção correcta:

(A) O número de rapazes é 12 e o número de raparigas é 18.

(B) O número de rapazes é 18 e o número de raparigas é 12.

(C) O número de rapazes é 10 e o número de raparigas é 20.

(D) Existem tantos rapazes como raparigas na turma.

A turma divide-se em 5 partes, duas das quais são rapazes e três das quais raparigas. Cada parte tem
6 alunos ( 30 ÷ 5 = 6 ). Assim, existem 12 rapazes ( 2 × 6 = 12 ) e 18 raparigas ( 3 × 6 = 18 ).

II Grupo

Este grupo é composto por questões de desenvolvimento. Indica todos os cálculos que tiveres que efectuar
para responder às questões.

1. Lê atentamente cada uma das afirmações seguintes, indicado o seu valor lógico, justificando apenas as falsas.

a) Dois quadrados são sempre semelhantes. Verdadeira

b) Dois rectângulos são sempre semelhantes. Falsa


Por exemplo, os rectângulos da figura não são semelhantes.

c) Duas figuras geometricamente iguais são semelhantes. Verdadeira

d) Uma figura B é uma redução de uma figura A. Então, a razão de semelhança terá de ser inferior a 0,5, pois estamos
perante uma redução. Falsa. A razão de semelhança está entre 0 e 1, poderá ser, por exemplo, 0,8.

2. Completa os espaços em branco, de modo a tornares as afirmações verdadeiras.

a) Se B é uma ampliação de A em que se triplicarem todos os comprimentos, então a razão de semelhança de A para B é
3.

b) Um dos métodos mais utilizado para desenhar figuras semelhantes é o método da homotetia.

c) Dois triângulos equiláteros são sempre semelhantes.

d) Quando a razão de semelhança entre duas figuras é 1, as figuras dizem-se geometricamente iguais.

3. Verifica, em cada uma das alíneas seguintes, se são semelhantes os pares de triângulos. Indica todos os cálculos que
tiveres de efectuar.

a)

9 8 6
= 1,8 =2 =2
8 cm 9 cm 5 4 3
Logo, como os lados
correspondentes não são
5 cm
directamente proporcionais, os
4 cm triângulos não são semelhantes.

3 cm 6 cm
b) Vamos determinar a amplitude em
falta do ângulo do primeiro
50º triângulo:
100º 180º-(30º+100º)=180º-130º=50º.
Logo, como os triângulos têm dois
30º 100º
ângulos iguais são semelhantes.

4. Observa as figuras.

Os quadriláteros [ABCD] e [A’B’C’D’] são semelhantes. B


A 3 cm
3,83 cm
Indica:

a) a razão de semelhança que transformou o quadrilátero [ABCD] no [A’B’C’D’]. D


4 cm
Estamos perante uma ampliação:
4,5 6 cm
r= = 1,5 . A razão se semelhança pretendida é 1,5. C
3

b) a razão de semelhança que transformou o quadrilátero [A’B’C’D’] no [ABCD].


Estamos perante uma redução:
3 6 2 2 A' 4,5 cm B'
r= = = . A razão se semelhança pretendida é .
4,5 9 3 3

c) as medidas de todos os lados do quadrilátero [A’B’C’D’].


Determinar A'C ' : Determinar B' D ' : C'
4 × 1,5 = 6cm 3,83 × 1,5 = 5,745cm

Determinar D'C ' :


6 × 1,5 = 9cm D'

5. Observa a figura seguinte.

Constrói uma figura semelhante à figura anterior, sendo 2 a razão de semelhança.


6. Observa a figura seguinte.

Estudaste um outro método de construção de figuras semelhantes, diferente do anterior.


Neste método, a construção inicia-se com a marcação de um ponto que, geralmente, se representa pela letra O.

a) Como se chama este método? Que nome se dá ao ponto O?


Chama-se Método da Homotetia. Ao ponto O chama-se Centro da Homotetia.

b) Constrói uma figura semelhante ao pentágono anterior, partindo do ponto O. Usa 0,5 como razão de semelhança.
Feito no enunciado.

7. Na figura, estão representados três rectângulos, A, B e C, cujas dimensões estão indicadas em centímetros (cm).

a) Apenas dois dos rectângulos representados na figura são


semelhantes.
Indica a razão dessa semelhança, considerando-a uma redução.
3 1
Os rectângulos semelhantes são o B e o C, pois, = = 0,5.
6 2
Considerando uma redução, a razão de semelhança é, assim, 0,5.

b) Existe um quadrado que tem o mesmo perímetro do que o rectângulo A.


Determina, em centímetros quadrados, a área desse quadrado.
Apresenta todos os cálculos que efectuares.

O quadrado A tem perímetro 10cm (3+3+2+2=10). Portanto, estamos a falar de um quadrado de perímetro 10cm. Cada
um dos seus lados mede, então, 2,5cm (10:4=2,5). A área é:
A = 2,5 × 2,5
A = 6,25cm 2
A área desse quadrado é de 6,25 cm2.
8. Para descobrir a altura de uma árvore, a Filipa efectuou algumas medições com ajuda dos raios solares. Descobriu que,
encontrando-se a 16 metros da árvore, a sua sombra tinha 2,5 metros e terminava juntamente com a sombra da árvore.

a) Observa o esboço representativo da situação descrita.


Completa o esquema com as medidas que entenderes correctas.

b) Sabendo que a Filipa tem 1,60 metros de altura, determina a altura da árvore.

Façamos um esquema:
Triângulo formado pela Filipa, pela sua sombra e pelos raios de sol e triângulo
formado pela árvore, pela sua sombra e pelos raios de sol:

Os triângulos são semelhantes pois têm dois ângulos iguais (um ângulo recto e um ângulo comum aos dois triângulos),
assim, os lados correspondentes são directamente proporcionais:

2,5 → 18,5
1,60 → a

1,60 × 18,5
a= = 11,84
2,5
A árvore tem, assim, 11,84 metros de altura.

9. Os alunos da turma da Marta combinaram encontrar-se no Parque das Nações.


Cada uma deles utilizou apenas um meio de transporte para chegar ao parque.
Na tabela que se segue, podes observar os meios de transporte usados e o número de alunos que utilizou cada um deles.

Qual a percentagem de alunos da turma da Marta que não foi de autocarro ao Parque das Nações, para esse encontro?
Vejamos o número de alunos que não foi de autocarro ao Parque das Nações:
9+12+3=24. 24 alunos não foram de autocarro. No total existem 30 alunos (basta somar tudo).

nº dealunos percentagem
24 × 100
30 → 100 x= = 80
30
24 → x
Portanto, 80% dos alunos não foram de autocarro ao Parque das Nações, nesse dia.
10. Muitos dos estudantes que usam mochilas transportam diariamente peso a mais para a sua idade.
Para evitar lesões na coluna vertebral, o peso de uma mochila e do material que se transporta dentro dela não
devem ultrapassar 10% do peso do estudante que a transporta.
A Marta pesou a sua mochila.
Na balança da figura ao lado, está indicado o peso dessa mochila vazia.

Sabendo que a Marta pesa 45 Kg, qual é, em Kg, o peso máximo que ela
poderá transportar dentro da sua mochila, de forma a evitar lesões na coluna
vertebral?
Apresenta todos os cálculos que efectuares.

Por leitura da balança podemos ver que a mochila vazia pesa 0,7Kg.
Como a Marta pesa 45Kg, apenas poderá transportar às costas 10% desse
peso. Mas, 10% de 45kg é:

0,10 × 45 = 4,5kg
A Marta pode então transportar 4,5Kg às costas.
Como a mochila vazia pesa 0,7Kg, poderá transportar dentro deste:
4,5 − 0,7 = 3,8Kg .
Portanto, de modo a evitar lesões, a Marta poderá colocar, no máximo, 3,7Kg dentro da sua mochila.