AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Prof. Renato José Dornellas Sobrinho
Aula 01

1

AULA 01
Avaliação:
alguns apontamentos
iniciais

OBJETIVOS:  Refletir criticamente sobre as práticas avaliativas em nosso cotidiano.  Analisar criticamente a história da avaliação na sociedade moderna.  Entender o processo histórico da avaliação. Aula 01 3 .

um transporte e etc. Aula 01 4 . Constantemente estamos diante de situações concretas que nos fazem avaliar um comportamento. quando e para que se avalia. uma comida.  Em outras palavras. diária. uma obra de arte. ou seja. mas nem sempre reflexiva. uma ideia. uma música. bem como. não refletimos sobre o conteúdo e a forma da avaliação. podemos perceber que a avaliação é constante.

 Quais são os critérios que constituem uma avaliação?  Os critérios determinam os resultados da avaliação?  Qual a finalidade da avaliação? Aula 01 5 .

se pensarmos no processo de ensino e aprendizagem. Aula 01 6 .Contudo. pois as práticas avaliativas vão decorrer da construção de uma visão específica sobre o pensar e o fazer humano. de toda uma fundamentação baseada nos princípios do conhecimento científico e tecnológico desenvolvidos a partir do século XVII. ou seja. podemos colocar outras questões que nos permitirão identificar de imediato que a avaliação se torna mais complexa.

 Qual o conteúdo e a forma da política de avaliação na sociedade moderna e capitalista?  Quais as finalidades de tal política?  As Instituições de Ensino tem autonomia para definirem seus critérios de avaliação?  A avaliação do processo de ensino e aprendizagem sofre influências das avaliações externas aplicadas pelo Estado? Aula 01 7 .

 Qual o grau de autonomia do corpo docente diante de tal problemática?  Os profissionais da educação tem uma formação que lhes permitam lidar com tais questões?  Como pensar a formação integral e emancipatória diante de uma sociedade altamente reguladora e controladora? Aula 01 8 .

 Portanto. propagandas e etc. na maioria das vezes. não nos percebemos como tais. Aula 01 9 . lugares. ideias. A tese que sustenta este momento a nossa aula é a seguinte: somos avaliados na vida familiar. somos sujeito e objeto da avaliação. acadêmica e etc. somos avaliadores e avaliados em nosso cotidiano e. avaliamos constantemente pessoas.. ou seja. objetos. pensamentos. como também. profissional.

00 54.00 42.00 25.00 10.00 80.A faculdade de Educação.00 5º Robson 70.00 60.00 4º Cristina 80.00 90.00 85.00 270.00 75.00 65.00 35. publicou o seguinte resultado classificatório do concurso à vaga de professor assistente do departamento de Fundamentos da Educação: Prova Prova Titulação e Experiência Total de Escrita de Aula Publicações Docente Pontos 94. de uma Instituição de Ensino Superior.00 75.00 3º Maria 10.00 16.0 90.00 1º Heloisa Aula 01 10 .0 91.00 298.00 271.00 279.00 306.00 2º Fernando 97.

Prova Prova de Total de Escrita Aula Pontos 1º Maria 10.00 145.CONTUDO.00 Aula 01 11 . SE MUDARMOS OS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO TEREMOS OUTROS RESULTADOS.00 184.00 2º Fernando 97.00 91.00 200.00 90.00 170.00 10.00 4º Cristina 80.00 75.00 188.00 3º Heloisa 94.00 5º Robson 70.00 90.

Aula 01 12 .

Assim sendo. Aula 01 13 . tendo em vista que a natureza não oferece gratuitamente as condições materiais que garantam a mesma. procuramos enfatizar que o homem é um ser de necessidade. podemos dizer que surgem e se desenvolvem práticas avaliativas acerca do próprio pensar e fazer humano. é do conflito do ser humano com a natureza que ocorre a produção de um novo fenômeno: o trabalho e. com ele. ou seja.Em vários momentos no curso de Pedagogia. necessita produzir a sua própria existência.

Aula 01 14 . principalmente com o surgimento das Universidades. Na China e na Grécia. Na Idade Média. pois uma das preocupações era a formação de professores. era comum a prática de exercícios orais como forma de avaliação. no Império Romano. foram desenvolvidos critérios para selecionar trabalhadores para desempenharem determinadas funções na sociedade.Na pré-história a prática da avaliação ocorria em algumas tribos onde os jovens só poderiam ser considerados adultos após passarem por algumas provas referentes aos usos e costumes daquela cultura. como também.

o mesmo dever ter o domínio do conhecimento sistematizado. Aula 01 15 . pois tal sociedade estará pautada nos princípios do Contrato Social entre o Estado e a Sociedade Civil.Na Idade Moderna. consequentemente. Neste contexto. ocorreram mudanças significativas no modo de produção e de organização social que acabaram afetando o campo educacional e. Para tanto. a educação aparece como elemento central para a formação do cidadão do novo modelo de sociedade. as práticas avaliativas. Estamos nos referindo ao desenvolvimento do conhecimento científico e tecnológico e sua aplicação no mundo do trabalho e da produção.

o conteúdo e a forma das práticas avaliativas serão determinados pela racionalidade da ciência moderna. PEDAGOGIA BASE TEÓRICA MODELO AVALIATIVO TRADICIONAL Objetivismo (influências do Quantitativo empirismo inglês) NOVA Subjetivismo Qualitativo TECNICISTA Objetivismo (pragmatismo Quantitativo e neopragmatismo) CRÍTICAS E Dialética Diagnóstica e PROGRESSISTA emancipatória Aula 01 16 .Sendo assim.

o que acabou favorecendo a utilização de medidas padronizadas e tratamento estatísticos para os dados da avaliação. Francis Galton fundou o Laboratório de Testes em Londres com a finalidade de pesquisar sobre as diferenças individuais.Horace Mann introduziu o sistema de exames escritos nas escolas americanas como forma de substituir a prática ordinária dos exames orais. Aula 01 17 .

Binet criou um instrumento de medida. •Os teóricos do século XIX que se propuseram a enfrentar a problemática da avaliação são conhecidos como teóricos pertencentes à “geração da mensuração”.I). Aula 01 18 . Em outras palavras. Joseph Mayer Rice insistiu na necessidade de adotar medidas mais objetivas tanto para o ensino quanto para a avaliação da aprendizagem. aperfeiçoado por Galton na Inglaterra e nos Estados Unidos.•Alfredo Binet e Theopfile Simom organizaram uma série de perguntas para diagnosticar debilidade mental nas crianças das escolas de Paris e assim organizaram uma escala da idade mental. para dar origem ao quociente intelectual (Q.

pois só a partir dela poderia tomar decisões sensatas.Durante a Primeira Guerra Mundial. se destacam os estudos desenvolvidos por Tyler. Diante desta questão houve um empenho mundial em torno da tecnologia aplicada à medida. A partir disso. Aula 01 19 . os Estados Unidos necessitavam tomar decisões sobre quais indivíduos deveriam fazer parte das forças armadas. O processo de seleção adotado permitiu que a avaliação fosse entendida apenas como medida.

Tyler propõe o modelo de avaliação por objetivos.Tyler é considerado o pai da avaliação da aprendizagem. Apesar da compreensão de que a função do avaliador ser técnica por estar voltada a descrever padrões e critérios. Aula 01 20 . pois afirmava que a avaliação consistia numa constante comparação dos resultados da aprendizagem dos alunos com os objetivos previamente determinados na programação do ensino.

Aula 01 21 .Bloom. e acreditavam que as situações do ensino quando organizadas sistematicamente e previamente produziriam as mudanças comportamentais esperadas naqueles que aprendiam. Esta surgiu em decorrência das limitações das gerações anteriores. bem como verificar a quantidade ou grau de mudança ocorrido em cada aluno. a avaliação é compreendida como coleta de dados a fim de verificar se de fato certas mudanças ocorre no aprendiz. Para Bloom. Hasting e Madaus – são considerados autores da terceira geração.

Trata-se de uma abordagem que vai além da ciência por captar os aspectos humanos. fundamentado num paradigma crítico e transformador. Desta forma. dos métodos. sociais. o equilíbrio é buscado entre as pessoas de valores diferentes. procura-se respeitar as divergências de que quanto maior a participação das questões avaliativas. culturais e éticos que envolvem o processo de ensino e aprendizagem. Aula 01 22 .Defende-se um novo conceito de avaliação em que a característica principal é a negociação. a avaliação é vista como um processo interativo. políticos. negociado. ou seja. e da interpretação dos resultados. maior é o nível de negociação.