Você está na página 1de 31
PRIMEIRA VERSÃO PLANO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL PRIMEIRO SEMESTRE/2013 CURITIBA-PR

PRIMEIRA VERSÃO

PLANO DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

PRIMEIRO SEMESTRE/2013 CURITIBA-PR

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO

 

4

LINHAS GERAIS

7

Contextualização e fundamentos básicos

7

Integração ao planejamento e à gestão estratégica

8

Comunicação organizacional na era da sustentabilidade

8

Missão institucional

9

VISÃO ESTRATÉGICA DA COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

10

Princípios e valores da comunicação institucional

10

Objetivos do plano de comunicação institucional

11

A

IMAGEM INSTITUCIONAL DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO

12

REESTRUTURAÇÃO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

13

Organograma da assessoria de comunicação social

13

ATIVIDADES DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO INTERNA

15

 

Comunicação

externa

 

15

Comunicação

interna

16

ATIVIDADES DE MARKETING E PUBLICIDADE

16

ATIVIDADES DE RELAÇÕES PÚBLICAS

16

A

MARCA DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO

17

O

SLOGAN INSTITUCIONAL

 

17

OS FOCOS DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

18

 

Públicos

da

comunicação

interna

18

Públicos

da

comunicação

externa

18

Os canais de comunicação

19

Canais

de

comunicação

interna

19

Canais

de

comunicação

externa

19

AÇÕES FUTURAS A SEREM IMPLANTADAS NO PCI

20

IPTRAN

 

20

Novo portal do Plano de ações

estratégicas

21

Revista segmentada sobre mobilidade urbana

21

Calendário

anual

de

eventos

21

Calendário

anual

de

campanhas publicitárias

22

Filme institucional

22

Implantação do projeto memória

22

Filme sobre ações de responsabilidade no trânsito

22

Criação do jornal IPTRAN eletrônico

22

Banco de imagem em alta resolução

22

Manual de identidade visual

22

Manual de gerenciamento de crises

22

Pesquisa anual de opinião externa

22

CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

23

Semestre Letivo

23

Semestre Letivo

23

Semestre Letivo

24

REFERÊNCIAS

 

25

ANEXOS

26

Anexo

Anexo

- 02 - Projetos

01

História

26

28

 

Motorista Cegonha

28

Multiplicadores em ação

29

Núcleo

Taxista

de Apoio às Vítimas

30

Consciente

31

APRESENTAÇÃO 4 A finalidade deste Plano de Comunicação Institucional é estruturar as ações de comunicação
APRESENTAÇÃO 4 A finalidade deste Plano de Comunicação Institucional é estruturar as ações de comunicação

APRESENTAÇÃO

4
4

A finalidade deste Plano de Comunicação Institucional é estruturar as ações de

comunicação do Instituto Paz no Trânsito (IPTRAN) e vinculá-las ao planejamento estratégico

da Instituição. Ao consolidar um modelo de gestão que integra a Assessoria de Comunicação

Social ao gerenciamento dos projetos desenvolvidos pelo IPTRAN, este documento visa criar/fomentar uma cultura profissional na instituição, capaz de torná-la até 2016 referência

na

gestão de comunicação integrada no terceiro setor.

O

modelo de gestão integrada da comunicação, segundo João Azevedo Curvello, pressupõe

a

união da comunicação institucional com a mercadológica e a interna, aspecto que

possibilita uma maior eficácia das estratégias institucionais.

Fundado em 2010, após um crime de trânsito com grande repercussão midiática (ver tópico HISTÓRIA), o IPTRAN é uma instituição sem fins lucrativos, não-governamental e sem vínculos políticos e partidários. Por meio de diversos projetos, a essência da organização é desenvolver ações sustentáveis no trânsito que promovam conscientização e responsabilidade em motoristas e outros atores envolvidos no trânsito, a partir de ações educativas que instiguem o comprometimento com a vida.

Dessa maneira, o IPTRAN, por meio dos projetos, pretende se consolidar como referência nas discussões sobre a temática do trânsito e mobilidade urbana, contribuindo ativamente para a redução do número de vítimas de acidentes e crimes de trânsito mediante a promoção e incentivo de práticas sustentáveis.

No início de 2013, data da primeira versão do Plano de Comunicação, a equipe fixa do Instituto é composta por:

Presidente : Christiane de Souza Yared Secretário: Gilberto Foltran Diretoria Executiva: Daniele Yared Pedagoga e
Presidente : Christiane de Souza Yared Secretário: Gilberto Foltran Diretoria Executiva: Daniele Yared Pedagoga e

Presidente: Christiane de Souza Yared

Secretário: Gilberto Foltran

Diretoria Executiva: Daniele Yared

Pedagoga e Coordenadora de Ações: Ângela Maria D. de Souza

5
5

Psicóloga Perita em Trânsito: Liliane Marilia Binkowski Hessel – CRP: 08/04568

Recepcionista: Rose Mari Carriel de Lima

Estagiária de Pedagogia: Mariana Ongaro

Ao firmar uma parceria com o curso de Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo das Faculdades Integradas do Brasil (UniBrasil), a equipe do IPTRAN passa a receber consultoria dos 19 estudantes matriculados na disciplina Laboratório de Assessoria de Comunicação (7º Período), orientados pelo professor Hendryo André. A equipe de comunicação, durante o primeiro semestre letivo de 2013, é coordenada pela discente Nahayana Fiore.

Orientação da equipe de consultoria em Comunicação: prof. Hendryo André

Consultoria em Comunicação: Altair Bento da Silva Junior, Ana Clara Baptistella Siqueira, Angelo Antonio Stroparo, Clarisa de Paula Silva, Elizabeth Cristina Alves Novaes, Guilherme Silva Giorgio, Julian Victor Yared, Juliana Alves Ribeiro, Liege Scremin Mizga, Lucyllen Reis, Luiz Gustavo Sayao Comegno, Marcia Valeria Aparecida Stoppa, Matheus Gasparin Regis, Monique Cellarius, Nahayana Alves Fiore (coordenação), Narley Resende Domingues Neto, Paula dos Santos, Paulo Cezar de Siqueira e Vivian Mendes Fachin dos Santos.

A estruturação de todo o Plano de Comunicação foi realizada pelos estudantes, que durante

a disciplina puderam conhecer e aplicar os conceitos voltados à criação e estruturação de

uma assessoria de comunicação. Ainda é válida a menção aos cursos de Publicidade e Propaganda e Relações Públicas da UniBrasil que também contribuíram para a estruturação

deste documento, respectivamente, com o desenvolvimento de uma campanha para o projeto “Motorista Cegonha” e
deste documento, respectivamente, com o desenvolvimento de uma campanha para o projeto “Motorista Cegonha” e

deste documento, respectivamente, com o desenvolvimento de uma campanha para o projeto “Motorista Cegonha” e com a promoção de evento relativo ao tema.

Por último, e não menos importante, os agradecimentos devem ser feitos a Christiane Yared e toda sua equipe, pela abertura, atenção e liberdade de trabalho concedida.

Equipe de Comunicação Social

6
6
PARTE 1 LINHAS GERAIS 7 Com o intuito de auxiliar na divulgação dos valores e
PARTE 1 LINHAS GERAIS 7 Com o intuito de auxiliar na divulgação dos valores e

PARTE 1

LINHAS GERAIS

7
7

Com o intuito de auxiliar na divulgação dos valores e da missão, este plano visa auxiliar nas estratégias de Comunicação Social do IPTRAN, desde a alimentação do site institucional (agenda, eventos e notícias) e o trabalho em redes sociais (sobretudo, Facebook e Twitter), até a criação de uma estrutura de comunicação dentro do IPTRAN, integrando a comunicação a outros setores do Instituto. Dessa forma, a aplicação do Plano de Comunicação concretiza o pressuposto de que a informação é uma ferramenta estratégica também para organizações do terceiro setor.

Contextualização e fundamentos básicos

Desde a fundação, em 2010, a área de comunicação do IPTRAN nunca havia contado com um plano de comunicação integrada. Quando não realizados por profissionais de outras áreas do conhecimento, os trabalhos de comunicação ficaram restritos à prestação de assessoria de imprensa, encarregada majoritariamente por produzir releases e encaminhar releases junto aos meios de comunicação locais.

A partir da estruturação da comunicação e da constituição de um modelo de assessoria de comunicação, o IPTRAN passa por uma mudança de conceito, percebido como fundamental para uma instituição que defende os princípios democráticos. Com a estruturação da assessoria de comunicação, mais do que nunca, a organização ganha potencial para difundir ideais nos quais acredita, disseminar perante a sociedade o trabalho desenvolvido e, de forma sistemática, fomentar/enriquecer o debate público para cumprir com sua missão institucional.

Tornar-se um elemento fundamental para a realização/alcance dos objetivos do IPTRAN; criar, nortear e disseminar
Tornar-se um elemento fundamental para a realização/alcance dos objetivos do IPTRAN; criar, nortear e disseminar

Tornar-se um elemento fundamental para a realização/alcance dos objetivos do IPTRAN; criar, nortear e disseminar uma política de comunicação no Instituto.

Integração ao planejamento e à gestão estratégica

8
8

Criar e fortalecer uma cultura profissional preocupada e coesa em torno da comunicação institucional, utilizando a comunicação como estratégia relevante para atingir os objetivos estratégicos do Instituto. Alinhar missão e valores do Instituto, tanto com as ações de comunicação e educação quanto com a política de gerenciamento e utilizar da comunicação para fortalecimento da imagem institucional. Deve ter como focos: fortalecimento da uma cultura organizacional que valorize o planejamento estratégico de um trabalho contínuo.

Comunicação organizacional na era da sustentabilidade

Com a hegemonia da “cultura do automóvel” nas grandes metrópoles, prescrita pela aquisição e uso desenfreado do automóvel como símbolo mínimo de sucesso e ascensão social, a violência no trânsito cresceu. Em janeiro de 2013, de acordo com o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran/PR), a frota de veículos em Curitiba ultrapassou a marca de 1,3 milhão unidades. Os mais de 915 mil automóveis fazem com que a cidade proporcionalmente tenha mais veículos por habitante do que São Paulo.

Os reflexos do grande número de veículos nas ruas são variados e vão desde o crescimento de colisões graves e fatais (desde 2010, a capital paranaense ultrapassa a média de 300 mortes no trânsito por ano), o aumento da poluição, congestionamentos, aspectos que influenciam de maneira direta na qualidade de vida dos curitibanos.

Com base nesse cenário, a área de atuação do IPTRAN não pode ficar restrita à cobrança de ações de fiscalização, mas sim deve levar em conta ações sustentáveis, capazes de interligar o desenvolvimento econômico com o social e o ambiental. Por conta disso, o IPTRAN apóia e

pretende promover ações para a melhoria de ciclovias e calçadas, a educação para novos e
pretende promover ações para a melhoria de ciclovias e calçadas, a educação para novos e

pretende promover ações para a melhoria de ciclovias e calçadas, a educação para novos e antigos motoristas, políticas de mobilidade urbana, além dos impactos ambientais dos meios de transporte.

Como a temática do trânsito é muito ampla e atinge integralmente a sociedade, a execução do Plano de Comunicação deve gerar parcerias com empresas públicas e privadas preocupadas com um trânsito sustentável, meios de comunicação, demais entidades do terceiro setor e cidadãos envolvidos com o tema para o fortalecimento dos projetos desenvolvidos pelo IPTRAN. Além do auxílio nas divulgações de campanhas e projetos, o

Plano de Comunicação será muito útil para vislumbrar fontes de recursos para a elaboração

e execução de projetos futuros.

Missão institucional

9
9

Reduzir o número de vítimas de acidentes de trânsito por meio da promoção e do incentivo

a práticas sustentáveis de mobilidade urbana.

PARTE 2 VISÃO ESTRATÉGICA DA COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL 10 O Instituto está construindo um planejamento estratégico
PARTE 2 VISÃO ESTRATÉGICA DA COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL 10 O Instituto está construindo um planejamento estratégico

PARTE 2

VISÃO ESTRATÉGICA DA COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL

10
10

O Instituto está construindo um planejamento estratégico para contribuir com a temática da mobilidade urbana, que num primeiro momento, visa à redução do número de vítimas de acidentes de trânsito e trabalhar para a melhoria da mobilidade urbana.

O Instituto quer, inicialmente, ser referência em ações educativas para motoristas infratores em Curitiba, mas existe uma intenção de se consolidar como uma instituição de abrangência nacional nos próximos anos. A instituição quer ser reconhecida como uma organização que prima pela transparência e moralidade da sua gestão. Ter o reconhecimento em ser fundamental para a mobilidade urbana e visa ser uma organização referência na oferta de cursos para motoristas infratores.

Princípios e valores da comunicação institucional

São princípios da assessoria de comunicação e do Instituto: transparência e ética no planejamento e execução das ações de comunicação; agilidade, clareza e precisão na divulgação e atendimento aos diversos grupos de relacionamento (funcionários, contratados, jornalistas, etc.); Ser dinâmica, moderna e inovadora, explorando redes sociais e mídia espontânea, etc.

Objetivos do plano de comunicação institucional Objetivos gerais Promover uma política de comunicação para o
Objetivos do plano de comunicação institucional Objetivos gerais Promover uma política de comunicação para o

Objetivos do plano de comunicação institucional

Objetivos gerais

Promover uma política de comunicação para o IPTRAN, visando assegurar maior coordenação, efetividade, coerência e sinergia às ações de comunicação e, desse modo, torná-la capaz de agregar valores e contribuir de forma decisiva para o fortalecimento da imagem do Instituto e o cumprimento da sua missão institucional.

Objetivos específicos

11
11

- Estruturar a Assessoria de Comunicação, criando atribuições, competências e responsabilidades dentro da estrutura do IPTRAN.

- Construir uma comunicação organizacional integrada, dando maior unidade às ações de comunicação interna e externa, relações públicas e eventos, marketing e publicidade institucional.

- Atualizar e agregar valores à marca IPTRAN e promover a imagem interna e externa da entidade.

- Disseminar a nova missão institucional do IPTRAN para os públicos interno e externo.

- Criar um padrão de identidade visual corporativa a ser incorporado às diversas ações de comunicação da entidade.

- Inovar e aperfeiçoar continuamente o sistema de comunicação corporativa, assimilando novos recursos tecnológicos e explorando melhor o potencial da internet.

- Implantar um sistema de monitoramento e avaliação das ações de comunicação da entidade, mediante realização periódica de pesquisas sobre atitudes e opinião dos diferentes públicos (interno e externo) e auditorias sobre comunicaçãoorganizacional.

PARTE 3 A IMAGEM INSTITUCIONAL DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO 12 A imagem institucional que
PARTE 3 A IMAGEM INSTITUCIONAL DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO 12 A imagem institucional que

PARTE 3

A IMAGEM INSTITUCIONAL DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO

12
12

A imagem institucional que o IPTRAN busca junto a seus stakeholders parte do pressuposto de que a linguagem da propaganda – por si só – não é capaz de construir uma imagem institucional sólida. Por conta disso, o IPTRAN busca formar uma imagem que priorize:

- Relacionamento contínuo com os públicos-alvo;

- Ações de comunicação como ferramenta crucial para atingir a missão institucional;

- Percepção da força que os veículos de comunicação e as redes sociais podem ter a partir do próprio caso que fez com que surgisse o instituto;

- Ser um elemento ativo para uma nova era do trânsito de Curitiba, aplicando princípios

sustentáveis no trânsito cotidianamente, comprometendo-se com a difusão de conhecimento, com a valorização do ser humano e da família e, principalmente, com a sociedade, que deve ter direito à informação sobre políticas que envolvem o trânsito;

- Espaço para debates públicos relativos ao trânsito e todas as suas nuances.

PARTE 4 REESTRUTURAÇÃO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 13 Não há uma cultura de comunicação
PARTE 4 REESTRUTURAÇÃO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 13 Não há uma cultura de comunicação

PARTE 4

REESTRUTURAÇÃO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

13
13

Não há uma cultura de comunicação no instituto. O trabalho dos estudantes da UniBrasil, aproveitam o espaço da disciplina de Laboratório de Assessoria de Comunicação para implantarem o primeiro plano de comunicação social do IPTRAN, com ações planejadas até o final de 2013, que seguirá com a próxima turma, podendo ter auxílio do coordenador do plano.

Organograma da assessoria de comunicação social

com a próxima turma, podendo ter auxílio do coordenador do plano. Organograma da assessoria de comunicação
PARTE 5 ATRIBUIÇÕES DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 14 Atribuições e prerrogativas mínimas da Assessoria
PARTE 5 ATRIBUIÇÕES DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 14 Atribuições e prerrogativas mínimas da Assessoria

PARTE 5

ATRIBUIÇÕES DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

14
14

Atribuições e prerrogativas mínimas da Assessoria de Comunicação:

- Administrar e coordenar as seguintes áreas de responsabilidade subordinadas: Imprensa e Comunicação Interna; Relações Públicas; e Marketing e Publicidade;

- Coordenar a elaboração, implantação, avaliação e revisão periódica do Plano de

Comunicação do IPTRAN, em conjunto com os gestores do Instituto;

- Planejar, executar, monitorar e avaliar todas as ações e atividades relacionadas à

comunicação interna e externa,relações públicas, promoção de eventos, marketing social e institucional, publicidade legal e institucional;

- Promover a imagem institucional perante os públicos internos e externos, em consonância

com a missão, valores, diretrizes e objetivos estabelecidos no planejamento estratégico;

- Estabelecer e cultivar um relacionamento profissional com jornalistas, colunistas,

articulistas, repórteres e setoristasde todos os veículos de comunicação (agências de notícias, emissoras de TV e rádio, jornais, revistas, sites denotícias, blogs etc.) e com formadores de opinião, no Brasil e no exterior, sempre no interesse do Instituto;

- Gerenciar as páginas do IPTRAN na internet, responsabilizando-se pela atualização do layout e doconteúdo, com apoio de todas as áreas, especialmente a Informática;

- Propor, planejar e organizar eventos internos e externos de interesse do IPTRAN, bem como definir critérios para apoio epatrocínio de eventos promovidos por terceiros;

- Desenvolver, juntamente com os gestores do IPTRAN, uma gestão compartilhada

dearquivos e documentação para preservação da memória histórica do Instituto.

ATIVIDADES DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO INTERNA Comunicação externa - Relacionar-se com profissionais de meios de
ATIVIDADES DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO INTERNA Comunicação externa - Relacionar-se com profissionais de meios de

ATIVIDADES DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO INTERNA

Comunicação externa

- Relacionar-se com profissionais de meios de comunicação com o intuito de disseminar

informações de interesse público, promover a imagem institucional do IPTRAN, divulgar ações e realizações, prestar esclarecimentos e programar entrevistas.

- Relacionar-se com grupos de formadores de opinião e públicos estratégicos para projetar e

fortalecer a imagem institucional do IPTRAN (parte de artigos, entrevistas para os releases, etc.).

- Apurar, produzir, editar e distribuir sugestões de pautas, press-releases e briefings sobre o Instituto e suas atividades para o público externo (imprensa, empresas, comunidade, órgãos governamentais e outras organizações sociais).

- Preparar comunicados, notas oficiais, mensagens e outras comunicações externas, visando atender às necessidades da entidade e às demandas dos veículos de comunicação.

- Manter sempre atualizado o mailing list e o cadastro de contatos dos veículos de comunicação nacionais, estaduais e regionais.

- Acompanhar e tomar todas as providências para garantir o acesso dos órgãos de imprensa à entidade, visando à realização de entrevistas, coberturas e reportagens.

- Gerenciar o site do Instituto na Internet, sendo responsável pela atualização do conteúdo fotográfico, sonoro, textual e visual.

- Responder às demandas e questionamentos direcionados à empresa pelos internautas que

acessam o portal do IPTRAN ou as redes sociais.

- Realizar, por meio de clipping, leitura dos principaisjornais locais, mantendo controle

eletrônico das informaçõespublicadas sobre o Instituto e também sobre assuntos relativos ao trânsito em Curitiba e Região Metropolitana.

- Cobrir os eventos e acontecimentos externos de interesse do IPTRAN.

- Preparar textos e roteiros que subsidiem a elaboração de áudios, documentáriosjornalísticos em vídeo, campanhas e peças promocionais externas.

15
15
- Coordenar projetos jornalísticos especiais, como a preparação de textos e edição do jornal e
- Coordenar projetos jornalísticos especiais, como a preparação de textos e edição do jornal e

-

Coordenar projetos jornalísticos especiais, como a preparação de textos e edição do jornal

e

da revista da entidade (O desenvolvimento será realizado pela segunda turma de 2013).

-

Coordenar a produção e edição de textos para elaboração anual do balanço social.

Comunicação interna

- Apurar, produzir, editar e divulgar informações para o público interno, utilizando-se do boletim eletrônico interno semanal.

- Coordenar e organizar, com apoio da gestão do IPTRAN, a pauta de informações de interesse da entidade para divulgação interna.

- Fazer a cobertura fotográfica e jornalística de eventos internos da entidade e organizar, controlar e manter o arquivo fotográfico;

- Envolver e mobilizar o público interno na construção e na divulgação de informações de

interesse da entidade.

- Organizar e manter atualizado o Guia de Fontes Internas da entidade.

- Cobrir os eventos e acontecimentos internos do Instituto para promover sua divulgação.

- Redigir avisos e comunicados para publicação nos canais de comunicação internos.

- Preparar textos e roteiros que subsidiem a elaboração de áudios, vídeos, campanhas e peças promocionais internas.

- Realizar estudos de viabilidade para possível implantação da Rádio e TV.

ATIVIDADES DE MARKETING E PUBLICIDADE

16
16

Campanha para arrecadação de cadeirinhas, desenvolvida pela Agência Interage, alunos de Publicidade e Propaganda.

ATIVIDADES DE RELAÇÕES PÚBLICAS

No primeiro semestre, desenvolvimento do evento em alusão aos três anos de criação do IPTRAN.

PARTE 6 A MARCA DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO ESTA ETAPA COMPETE À PRÓXIMA TURMA
PARTE 6 A MARCA DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO ESTA ETAPA COMPETE À PRÓXIMA TURMA

PARTE 6

A MARCA DO INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO

ESTA ETAPA COMPETE À PRÓXIMA TURMA

17
17

O SLOGAN INSTITUCIONAL

O desenvolvimento será realizado pela segunda turma de 2013. A equipe sugere que o slogan institucional gire em torno da proposta utilizada no texto da história do IPTRAN:

“transformar luto em luta”.

PARTE 7 OS FOCOS DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL 18 Um dos maiores desafios da comunicação organizacional
PARTE 7 OS FOCOS DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL 18 Um dos maiores desafios da comunicação organizacional

PARTE 7

OS FOCOS DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

18
18

Um dos maiores desafios da comunicação organizacional é a segmentação do público e da informação, uma tendência irreversível nos veículos impressos, eletrônicos e digitais, que se acentua diante dos seus stakeholders e exige muita atenção dos profissionais que trabalham nessa área. O foco da comunicação, portanto, passa a ser decisivo.

Finalmente, especial atenção deverá ser dada à organização de bancos de dados inteligentes para subsidiar as ações de comunicação, incluindo:

(i) guia de fontes para a mídia; o mailing está arquivado com a assessoria em vigor.

(ii) cadastro e perfil de veículos e jornalistas, incorporando informações sobre linha editorial dos veículos e áreas de especialização e interesse dos profissionais da imprensa (O desenvolvimento será realizado pela segunda turma de 2013).

Públicos da comunicação interna

- Toda equipe do IPTRAN, equipe da UniBrasil: estudantes da disciplina Laboratório de

Assessoria de Comunicação, professores e coordenação do curso de Comunicação Social.

Públicos da comunicação externa

- Dirigentes e profissionais de empresas de comunicação e entidades representativas do setor;

- Autoridades e profissionais do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário nos âmbitos estadual, regional e municipal;

- Demais organizações não-governamentais e organizações e entidades do Terceiro Setor; Associações comunitárias e
- Demais organizações não-governamentais e organizações e entidades do Terceiro Setor; Associações comunitárias e

- Demais organizações não-governamentais e organizações e entidades do Terceiro Setor;

Associações comunitárias e movimentos sociais; Entidades beneficentes e religiosas;

- Lideranças da sociedade civil organizada; Formadores de opinião;

- Dirigentes e profissionais de instituições de ensino e pesquisa, incluídos estudantes,

universitários e pesquisadores;

- Dirigentes de entidades de responsabilidade social;

- Dirigentes de associações de classes diversas (engenheiros, médicos, psicólogos, etc.);

- Público em geral.

Os canais de comunicação Facebook, Twitter e site institucional.

Canais de comunicação interna

- Jornal Interno Eletrônico

- Reuniões com gestores do Instituto

- Eventos Internos

- Chats, fóruns, Messenger, Skype, e-mail, etc.

19
19

Canais de comunicação externa

- Assessoria de imprensa

- Internet (site institucional e redes sociais)

- Revista IPTRAN (PRÓXIMA TURMA)

- Rádio e TV IPTRAN

- Filme institucional (PRÓXIMA TURMA)

- Campanhas promocionais e peças publicitárias

- Participação em congressos, exposições, feiras, seminários, workshops e outros eventos;

- Presença institucional em eventos, encontros e reuniões;

- Brindes, cartazes, displays, folders e estandes (PRÓXIMA TURMA)

- Relatório Anual (relatório de administração).

PARTE 8 AÇÕES FUTURAS A SEREM IMPLANTADAS NO PCI Novo portal do IPTRAN 20 O
PARTE 8 AÇÕES FUTURAS A SEREM IMPLANTADAS NO PCI Novo portal do IPTRAN 20 O

PARTE 8

AÇÕES FUTURAS A SEREM IMPLANTADAS NO PCI

Novo portal do IPTRAN

20
20

O trabalho de consultoria em comunicação junto ao IPTRAN surgiu em função da recorrente precariedade dos serviços de comunicação prestados ao terceiro setor, área comumente dependente de financiamentos para sobreviver (MARTINEZ, 2011), aliada a potencial repercussão do tema trânsito na atualidade. Como o terceiro setor é notoriamente marcado por orçamentos enxutos (ibid.) as atividades ligadas à área tornam-se secundárias ou até mesmo inexistentes: no entanto, se as ações da área de comunicação “não são diretamente mensuráveis num balanço contábil [de uma instituição], podem significar [se aplicáveis], no mínimo, a simpatia da sociedade, a fidelidade dos consumidores, um bom relacionamento com trabalhadores, governos e sindicatos (NASSAR; FIGUEIREDO, 2006).

Assim, no PCI voltaram-se inicialmente as atenções para o site institucional e para as redes sociais (a transformação do perfil no Facebook em fanpage e a criação de um endereço no Twitter , ainda subutilizado). A título de ilustração, a versão atual do site, concluída no final de 2012, nunca havia tido qualquer tipo de atualização, nem das páginas fixas (Quem Somos, Projetos, Parceiros, IPTRAN Responde, entre outras), muito menos das áreas com vínculos mais factuais (Notícias e Eventos). Tal aspecto aponta para o fato de que a equipe do Instituto percebia a necessidade de possuir um site institucional, mas, em função da falta de recursos humanos e/ou financeiros e da ausência de cultura profissional voltada a práticas de comunicação, relegava o site para o segundo plano. Assim, um dos primeiros focos de trabalho do PCI foi a reestruturação do site (prevista para ser concluída em agosto).

No novo projeto foram priorizadas as seções mais factuais, princípio divergente da atual proposta. Além disso, acrescentaram-se espaços para agregar mais atores sociais ao

Instituto, como as colunas Opinião, que reunirá textos de especialistas envolvidos com a temática trânsito/mobilidade
Instituto, como as colunas Opinião, que reunirá textos de especialistas envolvidos com a temática trânsito/mobilidade

Instituto, como as colunas Opinião, que reunirá textos de especialistas envolvidos com a temática trânsito/mobilidade urbana e TV IPTRAN, que trabalhará, a princípio, com spots educativos que serão replicados nas redes sociais. Outra mudança central destacada na página inicial é a valorização das fotos e do teor noticioso dos textos, além de espaço destacado para eventos promovidos pelo IPTRAN e/ou por seus parceiros institucionais.

21
21

No que compete à criação da página Sala de Imprensa, a pesquisa desenvolvida por Duarte e Carvalho (2011) inspirou toda a proposta. As organizações, segundo os autores, devem se adaptar e estabelecer novos níveis de interação, nos quais atualização, relevância, confiabilidade, facilidade de acesso e agilidade passam a ser conceitos-chave. Assim, a nova Sala de Imprensa (que será lançada com o novo site) terá como características básicas os seguintes itens: agenda dos principais assessorados, mobilidade para a criação de áreas temáticas (para facilitar o acesso a informações de eventos ou outras ações particulares), articulação com os princípios e estratégias da organização, atualização e avaliação junto aos stakeholders, eficiente sistema de busca, coerência interna, comunicação direta com jornalistas e usuários interessados, inovação em conteúdo, dados para contato, galeria de fotos, galeria multimídia (com ênfase para a TV IPTRAN), releases, sistema de alerta e, por fim, visibilidade em destaque na página inicial (DUARTE; CARVALHO, 2011).

Plano de ações estratégicas

O desenvolvimento será realizado pelas duas próximas turmas.

Revista segmentada sobre mobilidade urbana

O desenvolvimento será realizado pela segunda turma de 2013.

Calendário anual de eventos

O desenvolvimento será realizado pela segunda turma de 2013.

Calendário anual de campanhas publicitárias O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2013. Filme
Calendário anual de campanhas publicitárias O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2013. Filme

Calendário anual de campanhas publicitárias

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2013.

Filme institucional

O desenvolvimento da proposta institucional do filme será realizado pela segunda turma de

2013.

22
22

Implantação do projeto memória

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2014.

Filme sobre ações de responsabilidade no trânsito

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2014.

Criação do jornal IPTRAN eletrônico

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2014.

Banco de imagem em alta resolução

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2014.

Manual de identidade visual

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2014.

Manual de gerenciamento de crises

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2014.

Pesquisa anual de opinião externa

O desenvolvimento será realizado pela primeira turma de 2014.

PARTE 9 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES 1º Semestre Letivo 23 ATIVIDADE FEV MAR ABR MAI JUN
PARTE 9 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES 1º Semestre Letivo 23 ATIVIDADE FEV MAR ABR MAI JUN

PARTE 9

CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

1º Semestre Letivo

23
23

ATIVIDADE

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

Elaboração da primeira fase do PCI

x

x

x

   

Produção de releases

 

x

x

x

x

Alimentação de redes sociais

 

x

x

x

x

Reelaboração do site institucional

   

x

x

 

Organização de evento

   

x

x

x

Desenvolvimento de campanha

   

x

x

x

2º Semestre Letivo

ATIVIDADE

AGO

SET

OUT

NOV

DEZ

Elaboração da segunda fase do PCI

x

x

x

   

Produção de releases e alimentação de redes sociais

x

x

x

x

x

Produção de vídeo institucional

x

x

     

Novo site institucional

 

x

x

   

Organização de evento/lançamento revista

     

x

x

Desenvolvimento de revista segmentada

 

x

x

x

x

3º Semestre Letivo ATIVIDADE FEV MAR ABR MAI JUN Elaboração da terceira fase do PCI
3º Semestre Letivo ATIVIDADE FEV MAR ABR MAI JUN Elaboração da terceira fase do PCI

3º Semestre Letivo

ATIVIDADE

FEV

MAR

ABR

MAI

JUN

Elaboração da terceira fase do PCI

x

x

     

Produção de releases e alimentação de redes sociais

x

x

x

x

x

Filme sobre ações de responsabilidade no trânsito

x

x

x

   

Criação do jornal IPTRAN eletrônico

 

x

x

   

Banco de imagem em alta resolução

 

x

x

   

Produção de número 02 de revista segmentada

   

x

x

x

Pesquisa anual de opinião externa

     

x

x

24
24
PARTE 10 REFERÊNCIAS 25 ANDRÉ, Hendryo; FIORE, Nahayana. Laboratório de Assessoria de Imprensa: impressões e
PARTE 10 REFERÊNCIAS 25 ANDRÉ, Hendryo; FIORE, Nahayana. Laboratório de Assessoria de Imprensa: impressões e

PARTE 10

REFERÊNCIAS

25
25

ANDRÉ, Hendryo; FIORE, Nahayana. Laboratório de Assessoria de Imprensa: impressões e perspectivas sobre o Plano de Comunicação Institucional desenvolvido para o Instituto Paz no Trânsito. In: CONFERÊNCIA SUL-AMERICANA E CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE MÍDIA CIDADÃ, 4., 2013, Curitiba. Marcos Regulatórios da Comunicação na América Latina. Curitiba: UFPR, 2013. p. 1 - 8.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Cem anos de assessoria de imprensa. In: DUARTE, Jorge (org.). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

DUARTE, Jorge; CARVALHO, Nino. Sala de imprensa online. In: DUARTE, Jorge (org.). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. 4. ed. São Paulo:

Atlas, 2011.

DUARTE, Jorge. Assessoria de imprensa no Brasil. In: DUARTE, Jorge (org.). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

INSTITUTO PAZ NO TRÂNSITO (Curitiba). Instituto Paz no Trânsito. Disponível em:

<http://www.iptran.org.br/>. Acesso em: 01 jun. 2013.

KUCINSKI, Bernardo. Jornalismo na era virtual: ensaios sobre o colapso da razão ética. São Paulo: Perseu Abramo, 2005.

LUDD, Ned. Carros e remédios. In: LUDD, Ned (org.). Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

MARTINEZ, Maria Regina Estevez. Implantando uma assessoria de imprensa. In: DUARTE, Jorge (org.). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MARTINS, Maura et al. Projeto Pedagógico do Curso de Jornalismo. Curitiba: Escola de Comunicação, 2011.

NASSAR, Paulo; FIGUEIREDO, Rubens. O que é comunicação empresarial. São Paulo:

Brasiliense, 2006.

PARTE 11 ANEXOS Anexo 01 - História 26 Transformar luto em luta para mudar o
PARTE 11 ANEXOS Anexo 01 - História 26 Transformar luto em luta para mudar o

PARTE 11

ANEXOS Anexo 01 - História

26
26

Transformar luto em luta para mudar o perfil de um trânsito que faz uma vítima fatal, em média, a cada 10 minutos no Brasil. Certamente, esse princípio norteia a trajetória do Instituto Paz no Trânsito (IPTRAN), fundado pelo casal Gilmar e Christiane Yared, pais de um dos dois jovens vitimados num bárbaro crime de trânsito, que envolveu o então deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho, ocorrido na noite de 07 de maio de 2009.

A resposta ao bárbaro crime foi mais rápida e intensa que o automóvel do ex-deputado. O episódio deu início ao movimento “190 km/h é crime”, que ganhou repercussão nacional, com a distribuição voluntária de 500 mil adesivos e o registro de 19 milhões de pesquisas em sites de busca. Christiane Yared, por sua demonstração de força e luta por justiça, passou a ser procurada por outras mães que viveram experiências semelhantes, na busca de consolo e orientação.

Em 18 de junho de 2010, pouco mais de um ano após a tragédia familiar, foi oficializada a criação do IPTRAN, uma instituição sem fins lucrativos, não-governamental e sem vínculos partidários. Hoje, o Instituto auxilia na reestruturação psicológica de familiares e vítimas não fatais de acidentes de trânsito.

No entanto, o trabalho vai além, já que a função social do IPTRAN é contribuir ativamente para a redução do número de vítimas de acidentes de trânsito mediante a promoção e o incentivo de práticas sustentáveis de mobilidade urbana. A essência da instituição é desenvolver projetos que promovam conscientização e responsabilidade em motoristas e outros atores envolvidos no trânsito, a partir de ações educativas que instiguem o comprometimento com a vida, o maior valor defendido pela instituição.

Desde então, o Instituto vem se consolidando como uma referência nas discussões sobre a temática
Desde então, o Instituto vem se consolidando como uma referência nas discussões sobre a temática

Desde então, o Instituto vem se consolidando como uma referência nas discussões sobre a temática do trânsito e mobilidade urbana, e contribui dia a dia para a redução do número de vítimas de acidentes e crimes de trânsito. Para atingir esse objetivo, além do Núcleo de Atendimento às Vítimas (NAVI), o Instituto conta hoje com vários projetos em andamento, como Táxi Seguro, Reflexão, Curta a Vida, Motorista Cegonha e Multiplicadores em Ação.

27
27

Christiane sempre costuma dizer que não enterrou um filho, e sim que o plantou. Com o IPTRAN, a sociedade já começa a colher os frutos.

Anexo 02 - Projetos Motorista Cegonha 28 O Paraná já foi mencionado como o estado
Anexo 02 - Projetos Motorista Cegonha 28 O Paraná já foi mencionado como o estado

Anexo 02 - Projetos Motorista Cegonha

28
28

O Paraná já foi mencionado como o estado que mais mata entre 0 a 19 anos em tragédias de trânsito. O Ministério da Saúde divulgou que tragédias de trânsito são a principal causa de óbito e ferimento em crianças de 0 a 14 anos, isto acontece principalmente devido o uso incorreto dos equipamentos de segurança obrigatórios e específicos para cada faixa etária.

Essa atitude incorreta ainda resulta em multa classificada como gravíssima com sete (07) pontos na carteira. Para a mudança desta realidade, o IPTRAN aplica o projeto Motorista Cegonha, com o objetivo de conscientizar pais, gestantes e funcionários dos hospitais parceiros, por meio de palestras e cartilhas informativas, sobre a segurança da criança dentro do veículo. Deste modo, com informações teóricas e práticas, haverá o incentivo ao comportamento seguro no transporte das crianças e a garantia de sua proteção com o uso de dispositivos adequados ao tamanho e idade.

Público-alvo

• Profissionais da área materna infantil de hospitais, maternidades e gestantes.

Atividades

• Distribuição de panfletos com dicas de segurança do bebê e da criança dentro do veículo;

• Palestras educativas com os futuros pais para demonstração do perigo em não utilizar a cadeirinha/bebê conforto;

• Demonstração de como colocar o bebê conforto no veículo de maneira correta e como deve transportar a criança recém-nascida;

Após a triagem, será emprestado o equipamento de segurança em contrato de comodato aos pais
Após a triagem, será emprestado o equipamento de segurança em contrato de comodato aos pais

Após a triagem, será emprestado o equipamento de segurança em contrato de comodato aos pais de baixa renda. O Instituto acompanhará o crescimento da criança, trocando o equipamento quando necessário.

Multiplicadores em ação

29
29

Tem a finalidade de formar parceria com escolas da educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, para incentivar a conscientização das crianças em relação à segurança e a paz no trânsito Os professores da instituição farão um treinamento para se tornarem aptos a ensinar Educação para o Trânsito na transversariedade. Durante o projeto as crianças serão nomeadas como Fiscais Mirins, ganhando a responsabilidade de notificar os pais, parentes e conhecidos sobre suas atitudes incorretas no trânsito. As escolas que firmarem a parceria com o IPTRAN recebem assessoria constante dos profissionais que trabalham com o Instituto, acrescentando ainda mais à grade curricular dos estudantes.

Atividades

- Criar uma carteirinha de Fiscal Mirim do Trânsito;

- Para a formatura das crianças, entregar o colete e o boné do “Agente Mirim do Trânsito”;

- Criar placa para ser colocada na escola que receber o projeto, para informar sua parceria com o IPTRAN: “Escola parceira do IPTRAN – Formando cidadãos conscientes no trânsito”;

- Criação de material para a divulgação do projeto: lápis, bonés, camisetas, chaveiros, caneca, ecobag, squeeze, caneta e mousepad;

Núcleo de Apoio às Vítimas Dados apontam Curitiba como a terceira cidade em números de
Núcleo de Apoio às Vítimas Dados apontam Curitiba como a terceira cidade em números de

Núcleo de Apoio às Vítimas

Dados apontam Curitiba como a terceira cidade em números de acidentes de carro com vítimas, em todo Brasil. Muitas vezes, vítimas e suas respectivas famílias necessitam de amparo, realidade esta que não concretiza-se sem atitudes. Assim entra em ação o Núcleo de Apoio às Vítimas de Trânsito (NAVI), com o intuito de promover programas, projetos e benefícios a vítimas de tragédias de trânsito com sequelas tanto físicas como emocionais, contribuindo com a inclusão, igualdade e tratamento destas pessoas.

30
30

Assim, o NAVI oferece atendimento psicológico gratuito às famílias que perderam entes em acidentes e crimes de trânsito, além de orientação jurídica, cestas básicas, medicamentos e terapias em grupo.

Atividades

- Triagem das vítimas/famílias e encaminhamento para atendimento;

- Psicoterapia (breve e permanente);

- Encaminhamentos aos profissionais da área da necessidade;

- Reorientação profissional (sequelados);

- Auxílio medicação e cestas básicas;

- Convênio com empresas para admissão de pessoas portadoras de deficiência causada por acidente de trânsito;

- Ações educativas;

- Acompanhamento/feebdback.

Taxista Consciente Voltado para os taxistas curitibanos, o Taxista Consciente tem como objetivo capacitar motoristas
Taxista Consciente Voltado para os taxistas curitibanos, o Taxista Consciente tem como objetivo capacitar motoristas

Taxista Consciente

Voltado para os taxistas curitibanos, o Taxista Consciente tem como objetivo capacitar motoristas que prestam serviços. Essa capacitação teve seu inicio em 2012 e existem três modalidades durante o curso: aulas de empreendedorismo, sustentabilidade e conscientização. Além do incentivo para melhorar a qualidade dos serviços e a capacitação em outros idiomas, para assim atender com excelência os turistas esperados durante a Copa de 2014. O curso pretende abranger os profissionais que já atuam na área e também os outros 700 que estão para entrar na frota curitibana de taxis. Apesar de não ser obrigatório por lei, o curso incentiva os taxistas a comprarem a cadeirinha para que o transporte das crianças seja feito da maneira mais segura e eficiente (tanto para crianças, quanto para os pais). Os organizadores do curso, acreditam que, os taxistas que realizarem o curso terão mais credibilidade e consequentemente mais clientes. E desta forma Curitiba garantirá um trânsito mais seguro.

31
31