Você está na página 1de 3

DIREITO PENAL

PRINCPIOS ELEMENTARES DO DIREITO PENAL:


De acordo com doutrina majoritria os princpios de dividem em dois
grupos, sendo essa diviso de acordo com suas origens.

Doutrinrios e Jurisprudenciais: So os princpios que emanam da


doutrina e jurisprudncia que so amplamente aceitos.
o Ex. Principio da Insignificncia.
Normativos (Constitucionais): Emanam diretamente da letra da
lei, principalmente no art. 5 da CF/88, ou seja, estes esto
taxativamente previstos no texto normativo.
o Ex. Princpio da Legalidade.

DICA: Parte da doutrina entende que todos os princpios


norteadores do Direito Penal so de natureza constitucional,
devendo ser divididos em Explcitos e Implcitos. NUCCI.
PRINCPIOS DOUTRINRIOS E JURISPRUDENCIAIS:
PRINCPIO DA INTERVENO MNIMA:
Nas palavras do Prof. Rogrio Sanches Cunha:
O Direito Penal s deve ser aplicado quando estritamente
necessrio, de modo que a sua interveno fica
condicionada ao fracasso das demais esferas de controle
(carter subsidirio), observando somente os casos de
relevante leso ou perigo de leso ao bem juridicamente
tutelado (carter fragmentrio).
O Principio da Interveno Mnima d ensejo a outros princpios:

Subsidiariedade (Necessidade);
Fragmentariedade;
Lesividade;
Adequao social;
Insignificncia (bagatela);

PRINCPIO DA SUBSIDIARIEDADE (NECESSIDADE):


O Direito penal subsidirio, s devendo ser utilizado em ltima ratio.
PRINCPIO DA FRAGMENTARIEDADE:
O Direito Penal s tutela os bens jurdicos mais relevante para o harmonioso
convvio em sociedade.
PRINCIPIO DA LESIVIDADE:

S se aplica a tutela penal as situaes quando estas situaes


ultrapassarem o foro intimo e passar a trazer leses a outrem ou
coletividade, ou seja, o direito penal no pune quem traz risco seus
prprios direitos juridicamente tutelados.
O Direito Penal s pode ser aplicado em situaes em que ultrapassem o
mbito intimo ou pessoal, sendo aplicado apenas a situaes que tragam
leso a bens de terceiros ou da coletividade. Quando s restar um homem
sobra a face da terra o direito estar morto (Eduardo de Las Loias).
PRINCPIO DA ADEQUAO SOCIAL:
Uma norma penal tem que ser reflexo do momento histrico da coletividade.
As leis tendem a acompanhar o desenvolvimento da sociedade.
PRINCIPIO DA INSIGNIFICNCIA:
Este se baseia em duas premissas diretas:

No se deve utilizar o Direito Penal para se tutelar coisas nfimas.


Muitas vezes possvel a tutela penal, mas no razovel.

CRIME X INSIGNIFICNCIA
CRIME
FATO TPICO
ANTIJURIDICO
CULPVEL

FATO TPICO
CONDUTA (AO OU OMISSO)
RESULTADO
(FORMAL
OU
FORMAL
NATURALISTIVO)
NEXO CAUSAL
PREVISO NORMATIVA DO CRIME
ELEMENTO SUBJETIVO (DOLO OU CULPA)
RELEVANCIA JURIDICA SOCIAL

VETORES CUMULATIVOS PARA O RECONHECIMENTO DA INSIGNIFICNCIA:


Segundo o STF o reconhecimento da insignificncia demanda da presena
CUMULATIVA de 04 vetores, os quais so:

Mnima Ofensividade da Conduta do Agente;


Ausncia de Periculosidade Social da Ao;
Reduzido Grau de Reprovabilidade do Comportamento;
Inexpressividade da Leso Jurdica Causada;

Você também pode gostar