Você está na página 1de 6

"Talvez, por isso, tenha

pedido à sua mãe uma


ESCOLA SECUNDÁRIA DE ERMESINDE
mão-cheia-de-estrelas".
Plano

BIBLIOTECA ESCOLAR do

Boletim

Págs
1 - O que é isto? 3
2 - Feira do Livro 4
3 -Computadores para as 5
Escolas 2006
Movimento da Biblioteca 5
Observatório Net 5
Novas Aquisições 6
Lembramos 7
Sugestão de Leitura 7
Comentário ao filme “Os 8-9
Coristas”
Autora: Sara Pereira Uma mão cheia 10-11
BOLETIM INFORMATIVO Nº. 11

Responsabilidade: Equipa Coordenadora


MARÇO DE 2007

2
2 - Feira do Livro
Realizou-se nos dias 12 e 13 de Dezembro, graças à iniciativa da
equipa da Biblioteca e Departamento de Estudos Humanos.
Foi publicitada a toda a comunidade escolar através de cartazes e
convites endereçados aos encarregados de educação e docentes.
Nestes dias entraram na Biblioteca mais 165 visitantes do que a
1 - O que é isto? média diária do primeiro período, 156.
O evento decorreu com a normalidade que se espera destas
actividades: o manusear do livro, a troca de impressões, o pedido de
Já viram, com certeza, este desenho, nas paredes da Escola. reserva, o desabafo ("gostaria de levar este mas não tenho dinheiro... a
Provavelmente os vossos olhos disseram: “Olha, que engraçado!” e a Biblioteca não poderá comprar?").
vossa curiosidade retorquiu: “O que será?” Os visitantes foram convidados a expressar a sua opinião através de
Se foram levados pelo desejo de descobrir, leram o texto e um formulário instalado nos computadores. Foram preenchidos 150, 144
aperceberam-se que é o símbolo do Concurso Literário promovido, na por alunos e 6 por professores.
Escola Secundária de Ermesinde, pela Biblioteca e pelos professores de Apesar da opinião favorável expressa nos gráficos, esta Feira do
Português. E deduziram que têm ali um ∃ , um (s manuscrito) e outro Livro não teve a expressão que uma iniciativa deste género pode atingir
E – Escola Secundária de Ermesinde. Os mais exigentes pensaram numa escola com as dimensões da Escola Secundária de Ermesinde.
também: “Que s tão mal desenhado! Mais parece um sapato!”
Pois fiquem sabendo que todos pensaram bem, mas não
descobriram tudo.
É evidente a semelhança do logo com as letras e, neste caso, o
que parece é. No entanto, na origem, este símbolo é, na realidade, uma
palavra dongba, isto é, duma língua da zona de Lijiang, uma cidade
chinesa da província de Yunnan. Esta língua (e a cultura, de uma
maneira geral) é protegida pela Unesco e belíssima, pois a escrita é
pictográfica, isto é, as palavras desenham os próprios significados. O
nosso símbolo apresenta uma árvore (o tronco e ramos dos dois lados) e
o pé da árvore, ou seja, dá-nos a ideia da raiz, da ligação ao chão.
Achámos o símbolo ideal para o Concurso Literário – a parte
aérea remete-nos para o céu, a imaginação, a liberdade; o pé prende-nos
à terra, ao real, ao concreto da própria língua de que nos servimos para
transmitir emoções e sentimentos.
Esperamos que vos inspire.

(Odete Mendes)

3 4
3 - Computadores para as Escolas 2006 6 - Novas Aquisições
Como demos notícia no Boletim nº 10, por
iniciativa da Biblioteca, a ESE participou no concurso
"Computadores para as Escolas" promovido pelos Intérpretes: Tom Hanks e Audrey Tautou
supermercados Modelo. Graças ao empenhamento de Realizador: Ron Houward
muitos, alunos, encarregados de educação,
funcionários e professores, juntámos cerca de 3000 “O êxito internacional do best seller do escritor Dan
cupões e fomos premiados com um computador. A Biblioteca vai ficar Brown ganha vida no filme O Código Da Vinci,
melhor equipada. realizado por Ron Howard e com o argumento de Akiva
A todos os que intervieram nesta iniciativa, o nossos reconhecimento. Goldsman.
(www.fnac.pt)

4 - Movimento da Biblioteca

Entradas: 4425 em 39 dias


“Tudo começa com o reencontro de Morhange (o
Filmes visualizados: 203
maestro) e Pépinot (um antigo colega de internato) dois
homens cujas vidas foram marcadas pela presença de
CD’s Áudio requisitados: 8
uma mesma pessoa, o professor de música Clément
Mathieu”.
Requisições para dentro da escola: 453
(José Pedro, 12º. E)
(Ler recomendação inserta neste Boletim)
Consulta domiciliária: 404

"O romance histórico descreve ficcionalmente a


5 - Observatório Net expedição à África Austral protagonizada por Serpa
Pinto e pelos companheiros em 1877, recuperando
factos e figuras da História de Portugal. O português,
Visitar este site e realizar os jogos sobre a Europa, acreditem, é que percorreu mais de 5000 quilómetros a pé, tinha o
divertido e aprende-se. Às vezes não sabemos bem onde fica o país ou sonho de marcar a posição portuguesa no continente
quais são as cores da bandeira, mas podemos sempre repetir e avaliar a africano numa altura em que também outros países
nossa progressão. E tudo ao alcance de um clique! europeus tinham ali fortes interesses económicos e
políticos".
(www.instituto-camoes.pt)
http://www.carloscoelho.eu/
5 6
7 - Lembramos 9 - Comentário ao filme “Os Coristas”,
de Christophe Barratier
Que se encontram abertos os concursos do Logotipo para a
Biblioteca, de Marcador de Página e Literário
O elogio que me tinha sido feito era de que o filme era
simplesmente espectacular, não só ao nível da produção como
8 - Sugestão de Leitura também ao nível da história. E devo dizer que faço minhas as
palavras da pessoa que me falou dele.
A história de alguém que consegue dominar as crianças e torná-
las pessoas através do canto não é nova! No entanto, este filme conseguiu
superar as minhas expectativas: primeiro, porque é em francês, língua cujo
As Aventuras de João Sem Medo sotaque sempre me cativou; segundo, porque, ao contrário de outros filmes,
não trata de adolescentes mas de crianças pequenas, o que torna tudo mais
engraçado...
No livro “As Aventuras de João Sem Medo” de José A forma como o filme começa é também especial: um concerto; a morte da
Gomes Ferreira, encontramos a história de um rapaz decidido a esconder mãe do maestro, que mesmo assim dirige a sua orquestra e só depois regressa a
o medo. casa; o reencontro com um velho amigo; a leitura do diário de Clément
Depois de saltar o muro de Chora – Que – Logo – Bebes, o João Sem Mathieu.
Medo encontra nas suas aventuras seres e situações surreais como Tudo começa com o reencontro de Morhange (o maestro) e Pépinot (um
gramofones e comboios voadores, bocas perseguidoras, pedras antigo colega de internato) dois homens cujas vidas foram marcadas pela
falantes... presença de uma mesma pessoa, o professor de música Clément Mathieu. É
isso que me cativa primeiramente no filme: compreender que se trata da
Durante toda a sua viagem ele tenta encontrar o caminho para o muro
história de alguém bem sucedido na vida, graças a um professor irreverente. E
e assim regressar à sua aldeia, mas surgem sempre situações que o a palavra correcta é mesmo essa, irreverente! O filme surpreende pela forma
impedem de alcançar esse objectivo. jovial e original como Mathieu trata os alunos, em contraste com a disciplina
Quando escolhi este livro para ler, não esperava que fosse o que ele cruel de Rachin, director do “Fundo do Pântano”, internato para crianças com
realmente é. Estava à espera do género de livros de “Uma Aventura” problemas, cujos objectivos são, em primeiro lugar, ter algo para viver mais ou
mas enganei-me redondamente. Nesta obra, o autor critica a sociedade menos bem – o cargo – e, em segundo lugar, controlar os alunos a todo o
de um modo divertidíssimo. Na verdade, é nas aventuras que João Sem custo. A consequência é desastrosa e o filme surge como uma metáfora de
Medo vive que se encontram as críticas. Ele satiriza o comportamento todos aqueles que, em vez de procurar compreender as crianças, as atacam.
das pessoas: na aldeia de Chora – Que – Logo – Bebes os habitantes Isso ficou bem claro na cena em que Clément, enquanto dirige o coro que
choravam por tudo e por nada e tinham medo de qualquer coisa. Isto canta para a condessa, faz sinal a Morhange, um dos favoritos de Rachin para
simboliza a situação vivida nos tempos da ditadura – quem quisesse ser aplicar castigos, para que comece o seu solo. A representação do jovem actor
não podia ser melhor: com os olhos azuis quase em lágrimas, canta por se
feliz por completo teria de ficar sem cabeça.
sentir reconhecido pela primeira vez na vida.
No entanto, na minha opinião, o mais interessante neste livro é a sua Por outro lado, não podia deixar de falar na música. É certo que se trata de
moral: vivermos e aproveitarmos a vida sem medos. play back; no entanto, a interpretação do coro está excelente e a música é
lindíssima. O que torna o filme ainda melhor é a qualidade do solista. Com
(Andreia, 11ºL) uma voz pueril tremendamente linda, os solos dir-se-iam vindos de um outro
7 8
espaço, de um espaço de eternidade, o que envolve o filme numa aura
misteriosa...
10 - Uma mão cheia
Não podia deixar de me referir à interpretação de todos os actores,
verdadeiramente sublime! Gostaria, no entanto, de destacar as figuras do Uma mão cheia é o título de uma pequena grande história que tem
pequeno Pépinot e de Morhange: o primeiro, órfão, vivendo na esperança de como heroína uma menina que sonhava conhecer o céu, o céu estrelado,
que os pais, mortos na Segunda Guerra, o venham buscar e que aguarda ao que não vislumbrava da cidade onde vivia.
portão todos os sábados, apesar de saber que não virão... Figura de pequenino Depois …as palavras não enchem uma mão mas tocaram a
pobre, explorado por vários colegas, é a sua imagem a correr atrás do professor sensibilidade e aguçaram a criatividade de um grupo de alunos de Artes
no final do filme, pedindo-lhe que o leve com ele, que traz um toque de magia do 12º. Ano da ESE que individualmente a ilustraram. Outros alunos
a esse momento. Como ele, todos os outros desejavam ir-se embora, pois deixaram levar-se pela história de uma Princesa e uma ervilha. Desta
viviam sob a opressão da máxima “acção – reacção”, castigo – punição – actividade resultaram múltiplas histórias de encantar que, no Dia
castigo. Mundial do Livro, estarão em exposição na Biblioteca da Escola.
Olhando para o filme do ponto de vista do Behaviourismo percebemos que Aos alunos e seu professor, Arquitecto Fernando Alves, os nossos
o erro está no sistema de punições. Retratando claramente o sistema de
parabéns.
pensamento de alguns psicólogos, a obra mostra como a punição não consegue
atingir os objectivos pretendidos, dado que não orienta para um bom
comportamento e gera aversão ao punidor. Alternativa? O reforço de atitudes:
Clément esquiva-se de denunciar os infractores ao director e procura incentivar
as boas atitudes dos seus alunos. Por isso manda LeQuerec, um dos alunos,
cuidar do Pai Maxence, a quem tinha pregado uma partida com a qual quase o
deixara cego de um olho; funda o coro e incentiva o sentido de
responsabilidade de Morhange, que apesar da voz estupenda, não gostava de
participar em nada, até porque normalmente não era convidado para tal. Dessa
forma, se opera uma profunda mudança dos alunos. É claro que, como dizia
um professor de música, esta mudança é filme. Ainda assim, é interessante
imaginar como seria um coro destes.
Pessoalmente, sou grande apreciador de música e já dirigi alguns coros
infantis. Este filme veio apenas reforçar uma opinião minha que já tinha há
muito: devemos investir e acreditar nas crianças. Elas podem até nem
conseguir cantar “A Noite”, de Rameau, tema que o coro do filme interpreta de
forma fantástica, mas serão capazes de grandes coisas. É nossa tarefa, e penso
que é essa a grande mensagem do filme, deixar que elas se expressem e nos
surpreendam.

José Pedro, 12º. E


Seminário do Bom Pastor, 14 de Março de 2007

9 10
S e r p o e t a

Autora: Cristiana Felgueiras


É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

Florbela Espanca

Autora: Sara Pereira


Autora: Daniela Santos
11 12