Você está na página 1de 3

ESCOLA DE DISCIPULADORES DA IMAS – 2014

Lição 06 – A BÍBLIA
Introdução
Durante a Segunda Guerra Mundial, quando milhares de evangélicos alemães
apostatavam da fé para seguir o nacional-socialismo de Adolf Hitler, um corajoso homem de
Deus se levanta e, ousadamente, desafia a suástica. Ele sabia que o seu gesto acabaria por custarlhe a vida. No entanto, não a tinha por preciosa aos seus olhos; estava disposto a morrer pela fé.
À semelhança de Lutero, era Dietrich Bonhoeffer íntimo da Bíblia Sagrada. Certa feita, ele
advertiu aos seus Contemporâneos: “não tente tornar a Bíblia importante; ela já é em Si mesma.
1- Originário do grego, o termo bíblia significa “livros”, ou “coleção de livros”. Atribui-se a João
Crisóstomos disseminação desse vocábulo para se referir à Palavra de Deus. No Ocidente, a
palavra em questão foi introduzida por Jerônimo – tradutor da Vulgara -, o qual
costumeiramente, chamava o Sagrado Livro de Biblioteca Divina. A palavra bíblia é o plural de
biblos. Os gregos assim chamavam os rolos, nos quais escreviam as suas obras, numa clara
referência ao centro produtor desse material – a cidade de Biblos – localizada na costa
mediterrânea ocupada hoje pelo Líbano.
2- A Bíblia Sagrada é um livro de dupla autoria. Se, por um lado, foi inspirada por Deus; por
outro, não podemos esquecer de ter sido ela escrita por homens que estiveram sob a inspiração e
supervisão do Espírito Santo. É por isso, que ao lermos as Sagradas Escrituras, ouvimos Deus
nos falar de maneira única e singular pelos lábios dos santos profetas e apóstolos. A Palavra de
Deus, de fato, é uma só; os estilos, porém, são os mais diversos, pois o Espírito Santo inspirou e
capacitou cerca de quarenta diferentes autores, a fim de que, num período de aproximadamente
1.600 anos nos produzissem o Livro dos livros. Tomás de Aquino afirmava que “o autor
principal da Santa Escritura é o Espírito Santo; o homem foi apenas o seu autor instrumental”.
3- A Bíblia Sagrada é a Palavra de Deus. No concreto, isso acontece quando alguém a lê e tem
um encontro experimental com o Senhor Jesus Cristo. Ou ainda, quando alguém ouvindo a
“palavra” tem uma experiência de conversão.
4- Necessidade Espiritual das Escrituras. Quando tentado pelo Diabo, o Cristo calou-lhe a voz,
citando-lhe o Deuteronômio: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da
boca de Deus” (Mt 4.4). Mais tarde, emudecendo os fariseus, que, embora conscientes da
messianidade dEle, recusavam-se a aceitá-la asseverou-lhes: “Examinai as Escrituras, porque vós
cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam. E não quereis vir a mim para
terdes vida” (Jo 5.39-40).
5- A Bíblia Sagrada é composta por Antigo e Novo Testamentos. A leitura bíblica evangélica
parte dos seguintes pressupostos: O Antigo Testamento fundamenta o Novo. O Antigo
Testamento contém promessas (para o futuro) - O Novo Testamento é cumprimento das
promessas do Antigo. Não há ruptura entre o Antigo e o Novo Testamentos, eles se
complementam e se interagem. A história da salvação é dinâmica (Deus caminhando com os
seres humanos na vida cotidiana) e, tanto o Antigo Testamento quanto o Novo Testamento são
relatos vivos do relacionamento de Deus com os seres humanos, portanto, história da salvação.

pois.O Antigo Testamento. o Antigo Testamento foi sendo traduzido para o grego (principalmente pela comunidade judaica de Alexandria). cf 2 Reis 22ss). como os Salmos e o livro de Jó. é composta pelos cinco livros “ditos” de Moisés: Gn. . as suas palavras. Não é fácil determinar o período da escrituração dos textos bíblicos do Antigo Testamento. Pelas Cartas de Paulo e demais Cartas. era atender a judeus da diáspora no mundo grego. f) Sob Salomão e no período dos reis cuidou-se de escrever a história da época e de reunir as tradições antigas. 7. g) A partir do profeta Amós. daí o nome grego da Bíblia Hebraica: Septuaginta (setenta). A transmissão oral pode ser percebida em textos como Deuteronômio 6. O seu processo de formação/redação foi lento e gradual. as (sagradas) “Escrituras” restantes. é o livro sagrado dos judeus. Os judeus elaboraram uma fábula sobre a tradução do AT. em setenta dias. como tendo sido realizada por 72 anciãos judeus. ou seja. • Nebiim. período que tem como referência as conquistas do Imperador Grego Alexandre o Grande entre 350 a 300 aproximadamente a. além daquela dos conquistadores. as quais são ampliadas pelos discípulos e reunidas em coleções.. a tradição era passada de pai para filho. seguido de Mateus e Lucas. consistem em sentenças avulsas.O Novo Testamento é a parte das Escrituras que trata dos eventos relacionados a Jesus Cristo e a Igreja Cristã. b) A segunda fase é a da escrita. a “instrução”. ou Bíblia Hebraica.6. Ele é composto pelos Evangelhos (incluindo Atos dos Apóstolos). h) O rei Ezequias. É importante lembrar que os primeiros escritos do Novo Testamento foram cartas de Paulo (1 Tessalonicenses figura como primeiro texto escrito). d) Por volta de 1200 aparecem escritos de Moisés e dos Juízes. e) Outro texto antigo é o Documento da Aliança (Josué 24 e. Mas podemos arriscar a seguinte trajetória: c) Tradição oral – antes de 1200.1. i) Com o advento do Império Grego (helenismo). Sua origem foi o resultado de um processo histórico lento e gradual.C. mas apresentou-se como muito eficaz. Lv . nesse momento histórico-cultural. os “profetas” (inclusive os livros históricos Js – Rs). 20-25. e pelo Apocalipse de João. ou seja. O primeiro Evangelho. vários livros sagrados e da cultura em geral foram traduzidos para a língua grega de então para compor a Biblioteca de Alexandria. Dt. A principal finalidade. foi o Evangelho de Marcos. a) O primeiro estágio pode ser definido como oral. Também conhecido como Pentateuco.7. Eles a dividem em três partes: • Torá. vigora a tradição oral. Nm. Esse processo exigia muita repetição. foram registrando estes eventos.C. • Ketubim. mas. Ex. proferidas em nome de Deus. tempo da corrupção religiosa escrevem os profetas. tantas vezes desprezadas.). ou seja. segundo a tradição dos séculos I e II. no século VIII (a. mandara compilar os Provérbios de Salomão (Provérbios 25. À medida que os novos crentes experimentavam a novidade do Evangelho e sua expansão.

permanece naquilo que aprendeste. Isso fica claro nas Alianças de Deus. historicamente. que podem fazer-te sábio para a salvação. e de que foste inteirado. antes de tudo é a Palavra de Deus revelada ao ser humano. . para conhecer de fato a Jesus Cristo. sabendo de quem o tens aprendido. nas profecias messiânicas. O Antigo Testamento relata os feitos de Deus junto ao seu povo e prepara o caminho para o evento da encarnação “de Deus” na pessoa de Jesus Cristo. o Novo Testamento encontra autoridade e fundamentação no Antigo. na Nova Aliança proclamada pelo profeta Jeremias (Jr 31. Por isso. de modo especial com o chamado de Abraão. é preciso conhecer o caminho preparado por Deus para chegar até Ele (Jesus Cristo). a base de tudo começa com os israelitas. Esse caminho. Desse modo. E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras.31) e no derramar do Espírito Santo prometido em Joel. O apóstolo Paulo escrevendo a Timóteo ensinou: “Tu. ou seja. cf Colossenses 3:16).Conclusão A Bíblia Sagrada. A Palavra Revelada (Bíblia Sagrada) tem suas origens no Antigo Testamento. porém. pela fé que há em Cristo Jesus” (2 Timóteo 3:14-15. encontra-se no Antigo Testamento onde Deus caminha com seu povo na história por intermédio de atos salvíficos.