Você está na página 1de 18

AULA 13

RADIAÇÃO - TROCAS RADIANTES

Objetivos do Tópico

Continuar o estudo mais detalhado de Radiação;

Iniciar as considerações sobre a troca de calor entre superfícies.

Nesta aula,

consideraremos superfícies negras e depois as superfícies reradiantes. Veremos também os fatores de forma entre as superfícies consideradas;

Troca Radiante entre Superfícies Negras

Já aprendemos que se a temperatura de uma superfície for superior ao zero grau absoluto,

ela emitirá radiação, de acordo com a lei de Stefan Boltzmann, que indica que o poder (ou a

potência) emissivo total é proporcional à quarta potência da Temperatura absoluta. Se quisermos analisar as interações que existem num equipamento térmico ou mesmo no ambiente, o primeiro passo deverá ser entender a troca de calor entre duas superfícies negras, modelo mais básico de interesse. É costume usarmos alguns símbolos e notações nos estudos de Radiação. Como precisaremos de alguns deles mais adiante, vamos apresentá-los todos aqui:

q

i

taxa líquida de energia transferida (recebida ou cedida) pela superfície i

q i>j

taxa de energia deixando a superfície i e atingindo a superfície j;

q'

ij

taxa de energia emitida pela superfície i e absorvida pela superfície j

q

ij

taxa líquida de troca de energia entre a superfície i e a superfície j

O

termo "taxa líquida de energia sendo cedida" indica aquela quantidade de energia acima

da

taxa de absorção.

vimos na seção anterior que a configuração geométrica afeta a troca de qualquer forma

de radiação eletromagnética, inclusive a radiação térmica. Como estes fatores de forma só

serão melhor discutidos na próxima seção, vamos aqui supor uma situação bastante simples geometricamente: duas placas, infinitas, paralelas mantidas em dois níveis de temperatura diferentes, T 1 embora constantes no tempo e na posição. Como já vimos, a superfície 1 emite A 1 E b 1 e a superfície 2 emite A 2 E b 2 . Como as placas são planas, paralelas e estendem-se ao infinito, toda a radiação que cada uma delas emite, tem que alcançar a outra, especialmente pela inexistência de outro parceiro (estamos supondo vácuo, para garantir que apenas Radiação esteja em jogo).

Já que a superfície 1 manda para a superfície 2 e este manda para a superfície 1, é razoável querermos saber qual a troca líquida de energia entre as duas superfícies. A energia emitida pela superfície 1 vale, por definição, A 1 E b1 . Entretanto, num caso mais geral, nem toda energia que sai de uma superfície atinge a outra, o que dá origem ao fator de forma, como já mencionamos. A parcela de energia que nos interessa refere-se à energia que a superfície 1 emite na direção da superfície 2, que se escreve: q 1>2 = A 1 E b1 F 12 . Como estamos lidando com corpos negros, neste caso, q 1>2 = q ' 12 . De forma semelhante, a superfície 2 também emite e parte do que ela emite é dirigida à superfície 1, dando origem a q' 21 = A 2 E b2 F 21 .

Vejamos isto melhor: considere que a superfície 1 emita 100 W mas que apenas 10% sejam emitidos na direção da outra superfície, 2 no caso. Por outro lado, esta

superfície também emite, vamos supor que 10 W com apenas 5% na direção da superfície

1. Contabilizando as parcelas, obtemos que neste exemplo, a superfície 2 recebe 10 W da

superfície 1 mas envia 0,5 W de volta. A diferença entre estas duas parcelas, no exemplo igual a 9,5 W, é a troca líquida entre as duas superfícies que vale então:

q 12 = q' 12 - q' 21 = A 1 E b 1 F 12

- A 2 E b 2 F 21

lembrando que os corpos são negros. Vamos supor, por um momento, que T 1 = T 2 e, conseqüentemente, E b1 = E b2 . Nesta situação, a troca líquida entre os dois corpos tem que ser nula, pela Termodinâmica. Assim, temos necessariamente que:

A 1 F 12 = A 2 F 21

que é a lei de reciprocidade já mencionada. Desta forma, escreveremos que:

q 12 = A 1 F 12 (E b1 - E b2 ) = A 2 F 21 (E b1 - E b2 )

Escrevendo esta equação por unidade de área, já que no caso em estudo, placas planas e paralelas, A 1 = A 2 = A e F 12 = F 21 = 1 (supondo placas infinitas), temos que:

q

12

A

==

E

b1

--

E

b2

== ss

.

((

4

T

1

--

4

T

2

))

Num caso mais genérico, deveremos introduzir o conceito de fator de forma, o que torna a expressão ligeiramente mais complicada:

q 12 = A 1 F 12 ( E b 1 - E b 2 )

Verificando que a diferença ( E b 1 - E b 2 ) tem significado de potencial, poderemos definir uma resistência térmica à radiação:

R T = 1 / ( A i F ij )

Como se pode supor, o fluxo líquido q 12 é análogo à corrente elétrica que corre o circuito. Esta idéia é bastante útil no caso de cavidades com n superfícies e o emprego da analogia é extensivo às superfícies reais, como veremos adiante.

Imaginando agora que a área i de interesse esteja dentro de uma cavidade com N superfícies negras isotérmicas, a taxa líquida de energia transferida (cedida ou recebida) pela superfície i será:

Resultando em:

q

i

==

N

ÂÂ

j

1

==

q

i

N

== ÂÂ

j

1

==

A .F .

i

ij

((

q

ij

E

bi

--

E

bj

))

já levando em conta que o somatório dos fatores de forma de uma cavidade deve ser igual a unidade (isto já foi comentado de passagem, será bem comentado na próxima seção mas veja no final desta Aula uma breve explicação). Finalmente, poderemos escrever:

q i

==

A

i

ÊÊ

ÁÁ

ËË

E

bi

--

N

ÂÂ

j

1

==

F .E

ij

bj

ˆˆ

˜˜

¯¯

Vamos supor que tenhamos três superfícies interagindo em uma cavidade. Nesta situação, teremos três balanços de energia, um para cada superfície:

q

1

== A .Eb

1

1

-- A .F

1

11

.Eb

1

-- A .F

1

12

.Eb

2

-- A .F

1

13

.Eb

3

Entretanto, se considerarmos que F ii = 0, superfícies convexas ou planas (genericamente, superfícies sem reentrâncias), obtemos que:

e portanto:

q

q

1

2

== A .Eb

1

1

== A .Eb

2

2

-- A .F

1

12

-- A

2

.F

21

.Eb

2

.Eb

1

-- A .F

1

13

-- A

2

.F

23

.Eb

3

.Eb

3

q

3

== A .Eb

3

3

-- A

3

.F

31

.Eb

1

-- A

3

.F

32

.Eb

2

4 , estas expressões poderão ser usadas para a

Observando que, por definição,

determinação das temperaturas das superfícies i, T i , ou das taxas líquidas de energia transferida por cada uma das superfícies, q i . Por exemplo, se as três (no caso) temperaturas forem conhecidas, a determinação das taxas líquidas de troca de energia é imediata. Se as três taxas de troca forem conhecidas, teremos que resolver um sistema de três equações a três incógnitas, que é linear em Eb mas não em T. Isto significa que sempre que a grandeza especificada for o calor trocado, a determinação da temperatura superficial dependerá dos outros termos da equação, ou seja, fisicamente a temperatura passa a ser o resultado da interação térmica dentro da cavidade. Esta conclusão é mais ou menos intuitiva mas a experiência indica que vale a pena chamarmos a atenção para este fato.

Uma aplicação de interesse desta situação é aquela na qual o calor trocado por uma determinada superfície, q i , é nulo, significando que a superfície está isolada do exterior, termicamente falando. A determinação da sua temperatura dependerá do que acontece dentro da cavidade. Isto vai nos interessar, adiante, no estudo das superfícies reradiantes. Estes exemplos ilustram o fato óbvio mas freqüentemente ignorado por alunos que calor e temperatura são entidades distintas.

Fatores de Forma

E

bi

== ss.T

i

Vocês devem já ter percebido que analisar a situação geométrica é bastante complicado,

pelas inúmeras situações possíveis. Entretanto, uma série de situações bastante comuns já foram estudadas e, em muitos casos, resultados já foram tabelados. Uma extensa discussão aparece em qualquer livro e nos livros do Incropera e DeWitt, página 718, e Wolf, página

345. No presente texto, apenas algumas situações mais comuns serão mostradas. Veja

adiante as figuras que tratam do Fatores de Forma para as configurações: dois planos paralelos e perpendiculares e entre dois discos, de raios diferentes mas paralelos. Para cálculos precisos, o uso das equações ou dos aplicativos, disponíveis no CD-Rom do curso ou na Internet no endereço http://venus.rdc.puc-rio.br/wbraga/transcal/fforma.htm, é recomendado.

no CD-Rom do curso ou na Internet no endereço http://venus.rdc.puc-rio.br/wbraga/transcal/fforma.htm, é recomendado.
onde o Fator de Forma do plano inferior com relação ao plano superior é gerado

onde o Fator de Forma do plano inferior com relação ao plano superior é gerado pela equação:

1 ( 2 )( 2 2 Ê pp .x.y ˆ È + 1 x 1
1
(
2
)(
2
2
Ê
pp .x.y
ˆ
È +
1
x
1
+
y
)
˘
F
.
Á
˜
= ln
A
-
A
˙
2
2
1
2
Ë
2
¯
Î Í +
1
x
+
y
˚
y
Ê
ˆ
2
-
1
2
-
1
+
y.
1
+
x
. tan
Á
Ê Á +
˜
x.
1
+
y
. tan
Á
2
Ë
1
+
x
¯
Ë
-
1
-
1
-
y. tan
y
-
x. tan
x

na qual:

ˆ

x ˜ ˜ 2 1 + y ¯
x ˜
˜
2
1
+
y
¯

x = comprimento dos planos horizontais / distância entre planos

y = largura dos planos verticais / distância entre planos

Para os dois discos paralelos:

onde o fator de forma do disco inferior com relação ao disco superior é dado
onde o fator de forma do disco inferior com relação ao disco superior é dado

onde o fator de forma do disco inferior com relação ao disco superior é dado por:

1 2 (( 2 2 2 == z -- z -- 4x y )) F
1 2 ((
2
2
2
==
z
--
z
--
4x y
))
F A
-- A
1
2
2
z == 1 ++
((
1 ++ x
))
2
.y

x = raio do disco superior / distância entre os dois discos

y = distância entre os dois discos / raio do disco inferior

Para dois planos perpendiculares:

Para dois planos perpendiculares: onde o fator de forma do plano horizontal para o plano vertical
Para dois planos perpendiculares: onde o fator de forma do plano horizontal para o plano vertical

onde o fator de forma do plano horizontal para o plano vertical é dado pela expressão:

12 (

F

pp

.

Y

)

==

1

4

ÔÔ ÏÏ ÌÌ ÔÔ ÓÓ

ln

ÈÈ

ÍÍ

ÎÎ

((

1

))((

1

))

X

2

Y

2

++

++

1

++

Z

˘˘

˙˙

˚˚

++ Y

2

ln

ÈÈ

ÍÍ

ÎÎ

2

((

1

++

))

Y

((

1

Z

))

Z

++

Y

2

˘˘

˙˙

˚˚

++ X

2

ln

ÈÈ

ÍÍ

ÎÎ

2

((

1

++

))

X

((

1

Z

))

Z

++

X

2

˘˘ ÔÔ ¸¸ ˙˙ ˝˝ ˚˚ ˛˛ ÔÔ

onde

-- 1 -- 1 Y tan ÁÁ ÊÊ 1 ˆˆ ˜˜ ++ X tan ÁÁ
--
1
--
1
Y tan
ÁÁ ÊÊ
1 ˆˆ ˜˜
++ X
tan
ÁÁ ÊÊ
1 ˆˆ ˜˜
--
Z
ËË
Y ¯¯
ËË
X
¯¯
2
2
X == W/ D,Y == L/ D,Z == X
++ Y

tan

--

1

1 ÊÊ ÁÁ ˜˜ ˆˆ ËË Z ¯¯
1
ÊÊ ÁÁ
˜˜ ˆˆ
ËË
Z ¯¯

Veremos aqui só os conceitos e situações mais simples, utilizando a figura abaixo com

referência.

jogo fazem com a direção de vista.

ff

1

e

ff são os ângulos com que as direções normais das duas superfícies em

2

com que as direções normais das duas superfícies em 2 Áreas Infinitesimais A partir de considerações

Áreas Infinitesimais

A partir de considerações sobre o ângulo sólido subtendido por dA 2 em dA 1 , duas áreas elementares nas superfícies que se enxergam, distantes de r unidades de comprimento, chegamos à expressão do fator de forma para a situação em que duas áreas infinitesimais estejam se "vendo":

F

dA

1

--

dA

2

==

cos

ff

1

. cos

ff

2

.dA

2

 

pp .r

2

Deve ser observado que a integração só envolve fatores geométricos, como sugerido anteriormente.

Áreas Infinitesimal para finita

Nesta situação, temos a troca de radiação entre uma superfície infinitesimal emissora e uma superfície receptora de tamanho finito. Integrando a expressão acima sobre a área da superfície finita, suposta 2, temos que:

F

dA

1

--

A

2

==

ÚÚ

A

2

cos ff

1 . cos

ff

2

pp .r

2

dA

2

Esta poderia ser a situação de interesse para o caso da interação radiativa entre uma fonte pontual (laser, maçarico, etc) e um painel de grandes dimensões localizado perto da fonte. Como já mencionado, as referências apresentam tabelas para este caso.

Áreas finitas

Considerando agora duas superfícies finitas, consideraremos a situação na qual a superfície emissora, 1 no caso, seja difusa, isto é, seja capaz de emitir igualmente em todas as direções. Como se pode imaginar, nem sempre isto é verdade. Para obtermos este fator de forma, vamos integrar a expressão acima ao longo da área A 1 :

ÚÚ

A

1

F

dA

1

ou seja:

--

A

2

.dA

1

F

A

1

--

A

2

==

A .F

1

A

1

--

A

2

==

ÚÚ ÚÚ

A

1

A

2

cos

ff

1

. cos

ff

2

pp .r

2

==

1

A 1

ÚÚ ÚÚ

A

2

A

1

cos ff

1 . cos

ff

2

pp .r

2

dA .dA

1

dA .dA

2

2

1

Pela observação da equação acima, é fácil percebermos a analogia que existe para o fator de forma envolvendo, F 21 , que indica a fração da energia que deixa 2 e atinge 1. Comparando as duas expressões, chegamos à relação de reciprocidade:

A F

i

ij

== A

ji

F

ji

que é bastante útil na determinação de fatores de forma. Da mesma maneira, se tivermos uma cavidade fechada com N superfícies (ah! uma delas poderá não existir fisicamente, como a abertura de uma cavidade! Não importa, o argumento é o mesmo). Nesta situação, poderemos escrever que:

F

i1

++ F

i2

++

++ F

ii

++

++ F

iN

== 1

Se a superfície for convexa, F ii será nula, pois ela não se vê. Entretanto, para uma superfície côncava, isto não será verdade. Numa cavidade com N superfícies, precisaremos determinar NxN fatores de forma. Entretanto, o uso de relações de reciprocidade, como a mostrada acima, reduzem significantemente este número, caindo para N(N-1)/2 fatores de forma que precisam ser determinados com auxílio de tabelas e gráficos. Bastante mais fácil.

Vamos supor que seja desejado conhecer o fator de forma de configurações não tabeladas. Por exemplo, considere a situação que a área receptora de energia, indicada por A 2 , possa ser decomposta em duas, A 3 e A 4 , como mostra a figura. A determinação de F 12 pode ser feita por extensão imediata da definição do fator de forma:

F

12

==

F

1

--

(3

++

4)

==

F

13

++

F

14

Se F 13 e F 14 forem tabelados, o problema fica resolvido. Imagine uma cavidade formada por quatro superfícies planas, duas verticais e duas horizontais, formando um retângulo, por comodidade. Vamos supor que as duas superfícies horizontais e a superfície vertical direita estejam todas a 150 C. A outra superfície, vertical esquerda, está neste exemplo a 400 C. Analisando as tabelas de fatores de forma, concluímos a existência de fatores de forma envolvendo duas superfícies planas e paralelas e também duas superfícies formando um ângulo de 90 o entre si. Desta forma, poderíamos resolver o problema considerando a presença de 4 superfícies. Entretanto, reconhecendo que três das quatro superfícies estão à mesma temperatura, poderemos optar por tratá-las como uma única superfície, para efeitos dos balanços térmicos e eventualmente do circuito elétrico. Nesta situação, a álgebra citada aqui é bastante conveniente.

situação, a álgebra citada aqui é bastante conveniente. Outras vezes, pode-se precisar conhecer F 3 1

Outras vezes, pode-se precisar conhecer F 31 , por exemplo. Lembrando as definições e a lei da reciprocidade, obtemos:

ou

F

13

== F

12

-- F

14

F

31

==

A

1

A

2

[[

F

12

--

F

14

]]

Em outras situações, a situação geométrica envolve uma composição de áreas emissoras, como na figura abaixo.

uma composição de áreas emissoras, como na figura abaixo. Se observarmos a definição do fator de

Se observarmos a definição do fator de forma de uma superfície finita para uma superfície finita, mostrada acima, poderemos escrever:

F A

1

--

que poderá ser aproximada por:

F A

1

--

A

2

A

2

==

1 ÚÚ

A

1

==

1

A

A 1

1

ÊÊ

ÁÁ ËË

ÂÂ

i

F

dA

1

--

A

2

.dA

1

DD

A .F

i

DD

A

1

--

A

2

ˆˆ

˜˜ ¯¯

No caso da figura anexa, observe que a área A 1 foi dividida em duas outras, A 3 e A 4 . Neste caso, a aproximação que devemos fazer é:

F

A

3

++

A

4

--

A

2

==

1

A

3

++

A

4

((

A

3

.F

A

3

--

A

2

++

A

4

.F

A

4

--

A

2

))

Para a determinação do fator de forma em configurações como superfícies aletadas e ranhuras longas, freqüentemente usamos o método das cordas cruzadas, proposto por Hottel. Ele é aplicado especialmente quando todas as superfícies são supostas estenderem- se infinitamente em uma das coordenadas, como a mostrada na figura abaixo que mostra

uma região fechada composta por três áreas, A 1 , A 2 e A 3 , consideradas planas (ou no máximo convexas) de forma que F ii = 0 em qualquer caso.

convexas) de forma que F i i = 0 em qualquer caso. Pela álgebra do fator

Pela álgebra do fator de forma, podemos escrever que:

ou

e portanto:

F 12 + F 13 = 1

A 1 F 12 + A 1 F 13 = A 1

A 2 F 21 + A 2 F 23 = A 2

A 3 F 31 + A 3 F 32 = A 3

Somando-se as duas primeiras linhas e subtraindo-se da terceira, chegamos à:

ou finalmente,

2 A 1 F 12 = A 1 + A 2 - A 3

F

12

==

A

1

++

A

2

--

A

3

2A

1

Vamos sofisticar um pouco nossas necessidades. Vamos supor que estejamos interessados na troca de calor por radiação entre as duas superfícies mostradas na figura adiante, numa situação ligeiramente diferente pois a cavidade não está formada.

Se ligarmos as pontas da superfície 1 às pontas da superfície 2, obtendo a situação

Se ligarmos as pontas da superfície 1 às pontas da superfície 2, obtendo a situação da figura abaixo, poderemos continuar.

obtendo a situação da figura abaixo, poderemos continuar. Pelo que já foi exposto, é fácil ver

Pelo que já foi exposto, é fácil ver que:

A 1 F 13 = ( A 1 + A 3 - A 5 ) / 2

e

A 1 F 14 = ( A 1 + A 4 - A 6 ) / 2

Lembrando da álgebra do fator de forma:

F 12 + F 13 + F 14 = 1

Uma vez que F 11 = 0 (superfície plana ou convexa). Através de uma simples manipulação algébrica, podemos chegar à:

F

12

==

A

5

++

A

6

--

((

A

3

++

A

4

))

2.A

1

Esta expressão pode ser lida da forma:

F 12 = ((soma das áreas que se cruzam) - (soma das áreas que não se cruzam) ) / ( 2 A 1 )

Considerando a mesma largura para as áreas, podemos escrever:

F 12 = ((soma das linhas que se cruzam) - (soma das linhas que não se cruzam) ) / ( 2 A 1 )

Aplicando algumas destas definições mais simples, você deverá determinar os seguintes fatores de forma:

entre duas esferas concêntricas, de raios R 1 e R 2 ;

em um triângulo isósceles, o fator de forma da base para qualquer um dos outros lados;

em um quadrado de lado L, o fator de forma da base inferior para a base superior;

em um hemisfério, o fator de forma da superfície côncava para ela mesma;

Radiação com Superfícies Re-Radiantes

Na representação clássica de um circuito elétrico, é costume representarmos um potencial fixo de voltagem pelo uso de uma bateria ligada ao terra. No nosso estudo, utilizamos o poder emissivo E b da superfície i genérica como potencial e todas as

superfícies são absorvedoras, indicadas pela ligação ao terra. Na prática, certas superfícies

se comportam como não-absorvedoras de energia radiante, como por exemplo, as paredes

refratárias das fornalhas industriais. Uma boa definição de superfície refratária pode ser a de uma superfície que recebe energia radiante e alcança a temperatura necessária para re- radiar toda a energia recebida.

A situação pode se complicar pois na prática, as superfícies internas de um forno recebem

calor por convecção e por radiação, perdendo calor para o exterior por condução. Na prática, o fluxo de radiação é geralmente muito mais intenso que os outros e, por aproximação, aqueles são desprezados. Desta forma, nesta superfícies, não poderemos associar nenhum fluxo externo de calor, e poderemos eliminar a ligação delas com o ambiente.

Na figura, a superfície re-radiante tem uma potência emissiva que " flutua " entre Eb

Na figura, a superfície re-radiante tem uma potência emissiva que "flutua" entre Eb 1 e Eb 2 ; seu valor atual irá depender das resistências entre E R , Eb 1 e Eb 2 . A troca de energia entre A 1 e A 2 inclui a parcela que sai de Eb 1 , alcança E R e daí chega a Eb 2 . A troca líquida pode ser expressa por:

q

12

==

E

b1

--

E

b2

R equiv

Pelo circuito em paralelo montado, podemos escrever:

1

R

equiv

==

A .F

1

12

++

1

1

A .F

1

1R

++

1

A

2

.F

2R

e então, a troca líquida entre as duas superfícies 1 e 2 será expressa por:

q

12

==

A .

1

ÊÊ

ÁÁ

ËË

F

12

++

A

2

.F

2R

.F

1R

A .F

1

1R

++

A

2

.F

2R

Algumas autores costumam utilizar um novo símbolo, possamos escrever:

ˆˆ

˜˜

.

¯¯

F ,

q

12

== A .F

1

12

.

((

E

b1

-- E

b2

))

((

E

b1

--

E

b2

))

definido de forma a que

Claramente, F é um fator de forma modificado para incluir efeitos de uma superfície re- radiante entre duas superfícies negras que trocam energia.

Embora esta situação seja importante e mereça uma discussão em particular, uma análise da mesma foi feita anteriormente, ao estudarmos a troca de calor radiante entre superfícies negras. Naquele ponto, vimos que a taxa de calor necessária para manter superfície

isotérmica é dada pela expressão:

q i

==

A

i

ÊÊ

ÁÁ

ËË

E

bi

--

N

ÂÂ

j

1

==

F .E

ij

bj

ˆˆ

˜˜

¯¯

Supondo que a superfície não seja reentrante, esta equação pode ser simplificada e supondo três superfícies, a taxa de troca de calor, q 1 , necessária para manter a superfície 1 isotérmica se escreve como:

e portanto:

q

1

q

q

2

3

== A .Eb

1

1

== A

== A

2

3

.Eb

.Eb

2

3

-- A .F

1

12

.Eb

2

-- A

-- A

2

3

.F .Eb

21

.F .Eb

31

1

1

-- A .F

1

13

.Eb

3

-- A

-- A

2

3

.F .Eb

23

.F .Eb

32

3

2

Na eventualidade de termos uma superfície re-radiante, digamos a superfície 3, segue imediatamente que q 3 = 0 e, em conseqüência de um balanço de energia, q 1 = - q 2 . Com isto, obtemos expressões do tipo:

ou

A .Eb

3

3

Eb

== A .F

3

31

.Eb

1

++ A

3

.F

32

3

== F

31

.Eb

1

++ F

32

.Eb

2

.Eb

2

Levando esta expressão nas equações de q 1 e q 2 , obtemos:

q

1

== A .Eb

1

1

-- A .F

1

12

.Eb

2

-- A .F

1

13

[[

. F

31

.Eb

1

++ F

32

.Eb

que se escreve:

q

1

[[

== A .Eb . 1 -- F

1

1

13

.F

31

]]

-- A .Eb

1

2

.

[[

F

12

de forma análoga, podemos escrever que:

q

2

== A

2

.Eb

2

[[

. 1 -- F

23

.F

32

]]

-- A

2

[[

.Eb . F

1

21

++ F

13

++ F

23

.F

32

.F

31

]]

]]

2

]]

Utilizando a álgebra do fator de forma, obtemos que:

FF1

12

++

13

==

F

21

F

31

++

++

F

23

F

32

==

==

1

1

Manipulando algebricamente a equação para q 2 , por exemplo, concluímos que de fato, q 2 = -q 1 . O próximo passo é mostrar que q 1 (ou q 2 ) se reduz à q 12 na presente situação. Isto é feito por meio de extensas manipulações algébricas que não serão reproduzidas aqui, por motivos óbvios. Resumindo então, concluímos que os dois procedimentos são equivalentes. Na verdade, o conceito dos circuitos elétricos equivalentes deve ser usado para um pequeno número de superfícies na cavidade, digamos 3. Para números elevados, o uso direto das equações é fortemente recomendado, mas de uma maneira outra, precisaremos resolver um sistema de equações.

Perguntas de Revisão

As questões abaixo foram formuladas para que você avalie seus conhecimentos sobre o material visto. Não procure respondê-las antes de ter lido o material adequadamente. Após tê-las respondido, faça os exercícios propostos.

1. Utilizando a nomenclatura definida nesta aula, como será chamada a energia interna liberada ou absorvida por uma peça?

2. Qual a quantidade de energia a ser fornecida a uma peça (ou a ser retirada dela) para que a temperatura dela não se altere?

3. Considere que você tenha três superfícies numa cavidade: Em duas você sabe a quantidade de calor trocado, digamos q 1 e q 2 , e na outra você sabe a temperatura,

digamos T 3 . Os fatores de forma, as áreas, etc, são conhecidas. Como você determinará as demais temperaturas, T 1 e T 2 , e como irá determinar o calor trocado desconhecido,

q 3 ?

4. Utilizando o método das cordas cruzadas de Hottel, determine o fator de forma entre quaisquer dois dos lados de um triângulo isósceles.

5. Como determinar a temperatura de uma superfície re-radiante?

6. O que acontece se utilizarmos o equacionamento de troca de calor entre as superfícies negras de uma cavidade com três superfícies e considerarmos que o calor trocado em uma delas é nulo?

7. Mostre como que o fator de forma entre duas superfícies de mesma área (W x H) varia com a distância entre elas.

válida.

Dúvidas Mais Comuns

P: Troca Líquida entre Superfícies?

R. Os alunos costumam ter algumas dificuldades com este termo e algumas de suas

conseqüências. Vamos supor que a placa 1 esteja numa temperatura superior à placa 2. Havendo então um potencial não balanceado, haverá troca de calor. Isto significa que a placa 1 irá perder energia e a placa 2 irá ganhar. A questão que se coloca então é: Já que, por exemplo, a placa 1 perde energia, sua temperatura não deveria baixar, de acordo com a própria explicação dada na seção anterior? A resposta é simples: a hipótese da situação em estudo, que a placa tem sua temperatura sempre fixa, implica necessariamente na existência de uma outra fonte de energia, não mencionada, que cede energia continuamente, na mesma taxa perdida, à placa 1. A situação da placa 2 é exatamente análoga a ela.

P: Soma dos Fatores de Forma de uma Cavidade = 1?

R. Exato. Veja bem. Por definição, o fator de forma ou de vista indica a quantidade de energia que sai da superfície i chega na superfície j, definindo a notação F ij . Numa cavidade, toda a energia que sai da superfície i tem que chegar nas outras superfícies (e nela mesma, se ela for côncava). Daí, não é difícil concluir que a soma de todos os fatores de forma de uma determinada superfície i deve ser igual à unidade.

P: O aumento da refletividade não provoca maior fluxo de calor deixando a superfície?

R. Lembre-se que estamos interessados no calor trocado por uma superfície. Se ela refletir

mais energia, "sobrará" menos para ser absorvida e, em conseqüência, ela perderá menos

energia.

P: Qual é a função da bateria?

R. A bateria é capaz de manter o potencial de temperatura pelo tempo que for necessário.

Isto significa que temos condições de considerar como definida a temperatura da superfície,

a despeito do que possa estar ocorrendo termicamente.

P: Explique melhor este potencial flutuante!

R. Já vimos isto antes. Por partes: a existência de um potencial flutuante significa que não

temos controle (externo, como uma bateria) sobre o nível de temperatura da superfície. Lembra de Condução? Considere duas placas justapostas e a temperatura da face comum sendo T m . Se a temperatura da face mais à esquerda do conjunto for T 1 e a temperatura da face mais à direita for T 2 , podemos garantir que elas sejam determinadas, por exemplo, se tivermos um fluido trocando calor por mudança de fase a T 1 e a T 2 , pois as faces estão expostas. Desta maneira, podemos considerar a existência de uma bateria definindo estas duas temperaturas. No caso da temperatura da interface, T m , como não ela não está exposta, ela é determinada a partir das condições do problema. Desta forma, poderíamos ter dito que esta temperatura T m é também um potencial flutuante.